VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012

VI Encontro de Museus de países e comunidades de língua portuguesa

© Ana Carvalho

Filipe, Graça, ed. 2013. VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012, Fundação Oriente, Setembro 2011. [Lisboa]: Comissão Nacional Portuguesa do ICOM. 348 páginas. ISBN: 978-989-98396-0-1

Foram publicadas há poucos meses as actas do VI Encontro de Países e Comunidades de Língua Portuguesa que teve lugar em Lisboa em 2011. Esta iniciativa realizou-se pela primeira vez em 1987, no Brasil, sendo que o segundo encontro foi em Mafra (1989), o terceiro na Guiné-Bissau (1991), o quarto em Macau (1994) e o quinto em Maputo (2001) (cf. Elementos para a História da Comissão Portuguesa do ICOM de Natália Correia Guedes).

As actas correspondem em grande medida ao alinhamento do programa do encontro e a maioria das comunicações foram incluídas na publicação, nalguns casos figurando apenas os resumos. De qualidade muito variável, os 40 textos estão organizados em torno de quatro temas principais: “Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade”, “Museus e Desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação”, “Museus e Sustentatibilidade” e “Profissionais e sua Formação”. O texto de Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses antecede a sistematização referida.

Esta publicação confirma a pertinência da construção de linhas de entendimento e cooperação entre os países que falam a língua portuguesa, mas também é sintomática de que um longo caminho está por percorrer para o estabelecimento de redes de trabalho e sua consolidação no contexto de uma estratégia de longo prazo. Com efeito, apesar da língua ser em potencial um elemento aglutinador são necessárias medidas concretas que possam viabilizar intenções.

Prevalece a questão, poderão iniciativas como esta singrar nos seus objectivos de cooperação sem uma articulação concertada de estratégia política, cultural e científica, incluindo nomeadamente o trabalho em rede e concertado de várias instituições que já trabalham no domínio da cooperação internacional? Note-se neste âmbito o trabalho que desenvolve o Instituto de Investigação Científica Tropical e o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.

A publicação é gratuita, mas poderão ser cobrados portes de envio. Pode obter mais informações no seguinte email: info@icom-portugal.org

****

 Índice

5 Apresentação, Graça Filipe

11 Introdução, Luís Raposo

15 Conferência de abertura: Língua, Objecto, Museu – Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses

27 Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade

29 Percurso dos museus de Angola, as perspectivas e sua contribuição no desenvolvimento do país, Paulo Valongo

31 O Cenário museal brasileiro de 2000 a 2010, Denise Grinspum

39 Museus em Cabo Verde: perspectivas e desafios, Humberto da Cruz Lima e Ana Samira Semedo Silva

41 A realidade museológica na Guiné-Bissau, Maria Eveline Diallo

43 Museus de Moçambique: na encruzilhada de tempos, tradições e práticas, Alda Maria Costa

53 Museus Portugueses. 1980-2010, Natália Correia Guedes

71 Museu Nacional de S. Tomé e Príncipe, Ernesto Lima de Carvalho

73 O Arquivo e Museu da Resistência Timorense – A sua instrução e importância na preservação e promoção da memória e identidade de um povo, Antoninho Batista Alves

79 Museus comunitários – experiências e papel renovador na museologia contemporânea, Hugues de Varine

89 Museus e desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação

91 Museu de Arte Cristã – parcerias e cooperação, Fr. Avinash Rebelo

93 Thesaurus de acervos científicos como instrumento de preservação do património científico: um projeto de cooperação luso-brasileira, Marcus Granato, Marta C. lourenço, Cláudia Penha dos Santos, Zenilda F. Brasil, Maria Lucia de Niemeyer M. Loureiro e Rosali Fernandez de Sousa

103 Porque “musealizar” um sector de actividade produtiva? Lições aprendidas do processo de estabelecimento do museu das pescas de Moçambique, 1982 a 2006-2010, Manuel Luís Gonçalves e Daniel Inoque

113 Sociedades indígenas do Sul da Mata Atlântica e o Museu Universitário – uma parceria estratégica, Viviane Wermelinger Guimarães e Cristina Castellano

123 Museologia, desenvolvimento e direitos humanos. Campos emergentes da investigação-ação na globalização, Pedro Pereira Leite

137 Rede MMM: cooperação entre o museu e o público, Adriana Teixeira da Costa, Ana Paula Pereira Costa, Ana Paula Gaspar Gonçalves e Helena Maria Mourão Loureiro

145 Rede museológica de Casas Históricas da CPLP, André Estrela Rodrigues de Soure Dores

151 Experiência nos museus da Ilha de Moçambique, algumas reflexões e considerações, Joana Roque Sofio, Mafalda da Nova Jorge, Silvério João Nauaito

Projecto SOS azulejo: pela salvaguarda do património azulejar português e de tradição portuguesa, Leonor Sá

171 Histórias que se escondem no mar: os museus marítimos e a arqueologia subaquática, Margarida Génio

175 A criação de redes como ferramenta estratégica de planeamento cultural em museus: campanhas coloniais no tempo do Leão de Gaza, Mariana Jacob Teixeira

185 Atanticidade e mundo lusófono. Imaginários, representações e programação nos museus açorianos, Maria Manuel Velásquez Ribeiro e Susana Goulart Costa

193 Museus e sustentabilidade

195 Museu, Desenvolvimento e Comunidade: o caso de Macau, Chan I Un (Jessica)

207 Memória e Futuro, Alfredo Caldeira

209 O envolvimento das pessoas nos processos museais, garantia de sustentabilidade, Ana Mercedes Stoffel

219 Família Antônio de Dedé. A propósito de um estudo de caso do Programa Sala do Artista Popular do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/IPHAN – Brasil, Daniel  Reis

231 A aplicação do marketing nos museus: o caso do Museu Ferroviário dos CFM, Elsa Dimene

237 A musealização de monumentos e o restauro arquitectónico em Moçambique, Vera Félix Mariz

247 Criação de uma rede de núcleos museológicos como exemplo da sustentabilidade de um território, João Alpuim Botelho e Olga Matos

257 A sustentabilidade de um equipameno cultural: a díficil gestão de necessidades e oportunidades, José Portugal e Pedro Quintela

267 Valorização do património cultural do Douro como recurso para o desenvolvimento de competências, Elisa Pérez Babo

269 Profissionais e sua formação

271 Formação profissional em museologia: desafios metodológicos, Maria Cristina Oliveira Bruno

273 Imperativa necessidade de formação de profissionais para o Museu da Ilha de Moçambique, Silvério João Nauaito, Mafalda da Nova Jorge e José Andrade

283 O ensino da museologia na perspectiva da sociomuseologia, Mário Moutinho e Judite Primo

289 Memorial do homem Kariri, uma experiência de inclusão social através do protagonismo juvenil, Iêdo Lopes

291 O exemplo do conservador-restaurador em Portugal, André Varela Remígio

301 A contribuição do Memorial Cristo Rei na formação do profissional do museu e na preservação, resgate e divulgação da história da Universidade Federal do Maranhão – Brasil, Clores Holanda Silva, Lúcia do Nascimento Coêlho e Natalino Salgado Filho

309 Já que falamos a mesma língua… Falemos de normalização e tecnologias de informação em museus, Maria José de Almeida

317 Aos trabalhadores de museus: programa educativo direcionado ao público interno da Pinacoteca, Gabriela Ramos Figurelli

327 Projectos de cooperação – uma rede de profissionais de Língua Portuguesa? Maria do Rosário Azevedo

333 O percurso do conservador-restaurador em Portugal, Isabel Raposo de Magalhães, António Candeias, Joana Campelo e Francisca Figueira

341 Programa do VI Encontro


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *