Arquivo da Categoria: Articles

Equipas de Museus: Evolução ou Retrocesso?

equipas-de-museus

Imagem retirada daqui.

A crise tem sido a desculpa para todos os males. Nos museus estamos muito interessados em discutir a crise, entenda-se modelos de gestão e projectos-piloto. Não contesto que é preciso reagir, até porque a cultura é a primeira a sofrer quando se trata de reduzir orçamentos. De certa forma, o apoio à cultura sempre esteve em crise em Portugal, porque, convenhamos, nunca serão suficientes os recursos para alcançarmos uma verdadeira revolução no acesso à cultura num sentido mais lato e na democratização dos museus. Mas também me parece que nem sempre os recursos disponíveis têm sido canalizados da forma mais eficiente para alcançar esses mesmos desígnios. Acima de tudo porque temos falhado na definição daquelas que devem ser as prioridades das políticas museológicas. E a meu ver entre as prioridades estão as pessoas, num duplo sentido. As pessoas que trabalham nos museus e as pessoas para quem trabalhamos. Ou seja, as equipas de museus e os públicos.

Mas é das equipas que quero falar neste contexto. Sem equipas de museus não há museus, ou melhor dizendo não haverá projecto museológico ao serviço de, com cabeça, tronco e membros, que seja capaz de promover um serviço público satisfatório. São as equipas que fazem os museus. Parece uma afirmação à La Palisse, mas creio que ainda precisamos de a dizer repetidamente até que se entranhe verdadeiramente.

Estamos de facto muito interessados em discutir novos modelos de gestão a perseguir, somos os primeiros a querer mostrar que podemos fazer mais com menos e a apresentar um “kit de primeiros socorros para museus em tempo de crise”. Talvez por ingenuidade, talvez para mostrar perseverança ou empenho. Mas questiono-me sobre os limites dessa posição. Creio que há limites mínimos e muito se tem ultrapassado nos museus, não raras vezes à custa de entrega de cada um e até de recursos pessoais. E a pergunta é: fazer mais com menos mas à custa do quê e de quem?

Parece justo assumir que houve uma evolução do ponto de vista das equipas de museus, se pensarmos num tempo mais longo. O último estado da arte sobre o panorama museológico português mostrou alguns avanços do ponto de vista quantitativo de pessoal afecto a museus como da sua qualificação profissional em comparação com dados relativos a 2000.[1] No entanto, esses dados remetem para 2009 e a crise instalou-se duramente nos museus depois disso. Não há estudos actualizados e abrangentes que mostrem o real impacto da crise na redução das equipas e na precariedade dos vínculos de trabalho, mas tudo leva a crer que essas consequências são reais e tangíveis como me é dado a conhecer por testemunhos de colegas no sector e por algumas notícias (parcas) na comunicação social.

Rede Portuguesa de Museus

Em 2011 assistimos ao desmantelamento (pacífico) de uma equipa de seis pessoas que dava suporte à existência da Rede Portuguesa de Museus no seguimento de uma abordagem administrativa de aplicação de cortes cegos de cima para baixo. Não desapareceu a Rede, embora a sua acção depois disso se tenha transformado em algo residual ou praticamente invisível. Poderão ser várias as explicações para esta situação, mas o facto de ter desaparecido o seu corpo de pessoal e com ele o investimento de largos anos na formação desse pessoal, levou a que se tenha deitado por terra um projecto afirmado e de provas dadas.

Ainda em 2011 no âmbito da minha pesquisa de doutoramento via o desalento de um dos directores de um museu nacional quando confrontado com o facto de ter de dispensar técnicos que até aí asseguravam a coordenação de áreas de trabalho mas que eram impossibilitados de continuar pelas restrições impostas de não contratação. Para o museu isto significou começar do zero em várias áreas-chave, com consequências concretas para a amputação da sua acção.

Em Janeiro de 2016 foram divulgadas[2] algumas das conclusões de um relatório desenvolvido por um grupo de trabalho no seio da Direcção-Geral do Património Cultural (coordenado por Clara Frayão Camacho) que destacava as carências de pessoal nesta organização, nomeadamente o seu envelhecimento, abrangendo os museus nacionais e os palácios: 58% do pessoal tem mais de 50 anos e apenas 4% se situa no intervalo entre 25 e 34 anos, sendo expectável que até 2020 120 efectivos se aposentem. Outras notícias têm trazido a lume a dificuldade de vários museus nacionais em manterem salas de exposição abertas por falta de pessoal. A aposentação de profissionais e a sua não substituição devido ao bloqueio de entrada de técnicos na função pública é uma das problemáticas da situação crónica e paralisante em que (sobre)vivem muitos museus.

Uma outra dimensão é a precariedade de vínculos de trabalho. Recentemente, foi denunciada a situação de falsos recibos verdes num museu lisboeta em que um assistente de exposição alegadamente receberia 3 euros/hora.[3] A notícia é alarmante, mas lamentavelmente não surpreende. Sabemos da existência de outros casos de falsos recibos verdes mesmo para o cargo de directores de museu.

Uma outra situação irregular que me foi dada a conhecer por vários directores de museu é a contratação de profissionais para o lugar de recepção e acolhimento ao visitante com habilitações que vão para além dessa função, na expectativa de poderem desenvolver outras tarefas nos museus, ainda que auferindo pouco mais do que o salário mínimo. Esta situação é, não raras vezes, feita com a anuência das hierarquias, que vêem esta situação como a única forma de se fugir à rigidez e às limitações impostas pela não abertura de concursos públicos na função pública e a “oportunidade” para um profissional desenvolver uma actividade num museu. Embora desconcertante, dizia-me uma colega mais experiente a quem mostrava a minha indignação, que isto acontece sistematicamente nos museus há largos anos. Todavia, esta não deixa de ser uma pseudo oportunidade para estes profissionais, que ao fim de muitos anos poderão continuar a auferir o mesmo e não ter possibilidade de “actualizar” a sua situação, “migrando” para outro cargo e auferindo de acordo com o mesmo.

Portanto, não falamos apenas de problemas novos decorrentes da crise, mas de velhos problemas que permanecem a meu ver como um não assunto no sector. Porque se, por um lado, admitimos abertamente entre colegas, diga-se em contexto informal, estes e outros problemas relativos à precariedade e às condições de trabalho, dificilmente estes são tópicos transpostos para discussão na esfera pública. Parece haver entre os profissionais de museus e da cultura em geral uma relação difícil com a questão do dinheiro e com o reconhecimento da precariedade. Com frequência se diz, informalmente, que não estamos na cultura pelo dinheiro. Mas a verdade é que todos precisamos de sobreviver e acima de tudo viver com dignidade, para não falar das motivações. E os museus não são diferentes de outras organizações. Se, por um lado, tanto se tem evoluído em matéria de teorias motivacionais, esta questão parece passar ao lado dos museus e da função pública em geral, contexto que abrange a maioria dos profissionais de museus.

Com efeito, a crise tem sido a desculpa para que se aceitem pacificamente muitas irregularidades e a perda de direitos, e nesse sentido há um retrocesso tácito com consequências também para o crescimento e desenvolvimento das equipas de museus. No entanto, não creio que por si só a crise possa explicar a apatia e a paralisia em que vive o sector. Porque se, por um lado, somos capazes de identificar todas estas anomalias, interrogo-me até que ponto temos sabido debater e reivindicar estas problemáticas não só entre a comunidade profissional, como junto das instituições competentes e dos actores políticos.

Não temos visto do ponto de vista associativo estas matérias na agenda de uma forma mais proactiva, são poucos os exemplos de lideranças que dão a cara pelas suas equipas, nem tão pouco vemos os profissionais a tomarem uma posição ou a exigir soluções. O que é que isto nos diz?

Notas

[1] Neves, José Soares, Jorge Alves Santos, e Maria João Lima. 2013. Panorama Museológico em Portugal (20002010). Lisboa: Direcção-Geral do Património Cultural.

[2] Carvalho, Cláudia Lima. 2016. “Mais de Metade do Pessoal da DGPC tem mais de 50 anos.” Público, Janeiro 7. https://www.publico.pt/2016/01/07/culturaipsilon/noticia/mais-de-metade-do-pessoal-da-dgpc-tem-mais-de-50-anos-1719498

[3] “Falsos Recibos Verdes a 3€/h no MUDE, Abusos Continuam no Museu do Design e da Moda: Testemunhos”. 2 de Dezembro de 2016. http://www.precarios.net/?p=13566. Ver ainda os casos de denúncia quanto ao Museu do Dinheiro e Serralves: “Banco de Portugal: Falsos Recibos Verdes no Museu da Instituição: Testemunhos.” 22 de Dezembro de 2016. http://www.precarios.net/?p=13629; e “Serralves Movida a Recibos Verdes.” 3 de Março de 2016. http://www.precarios.net/?p=13080

****

 Este texto (entretanto actualizado) foi originalmente publicado em:

Carvalho, Ana. 2017. “Equipas de Museus: Evolução ou Retrocesso?” Boletim ICOM Portugal 8 (Janeiro): 14-16. http://hdl.handle.net/10174/20329

****

E para juntar ao debate sugere-se a leitura do post de Alexandre Matos: “Cultura precária e cultura da precariedade. Como sair daqui?”: http://bit.ly/2j5hGMX

Publicado 5.º número dos “Cadernos do Museu”

cadernos-do-museu

O Museu da Ruralidade (Castro Verde) acaba de divulgar mais um número dos Cadernos do Museu, o quinto. Cadernos de Museu é um periódico semestral (impresso e digital-via issuu) iniciado em 2015, vem demonstrar a concentração de sinergias e dinamismo nos museus a sul.

Nas palavras do seu coordenador, Miguel Rego, esta publicação periódica de carácter semestral «tem procurado […] construir um discurso que concilie o trabalho que o Museu da Ruralidade vem desenvolvendo e aquele que é o trabalho desenvolvido na área dos museus do nosso país». No entanto, esta edição «quer ser muito mais do que esse espelho do Museu da Ruralidade. Ela procura ser uma estante de alguns dos organismos, instituições e redes que integramos, nomeadamente a Rede de Museus Rurais do Sul ou a Rede de Museus do Baixo Alentejo, plataformas de discussão que envolvem mais de duas dezenas de museus num vasto território que vai do Algarve à bacia hidrográfica do Tejo.» (editorial, p. 3)

Com uma edição bem ilustrada, este número estrutura-se em torno de quatro contributos centrais e uma breve secção de notícias sobre o Museu da Ruralidade. O primeiro desses contributos refere-se ao texto de opinião da arquitecta Lia Ferreira sobre as questões da acessibilidade física nos museus, e no qual a autora cita como exemplos de boas práticas o caso do complexo dos clérigos da cidade do Porto, a Fundação Dr. Cupertino de Miranda (Porto), o Museu Nacional Soares dos Reis, o Museu da Comunidade Concelhia da Batalha e o Museu Nacional Machado de Castro (Coimbra). A autora «defende que a inclusão ao serviço dos museus é a garantia da sua sustentabilidade saudável e responsável. É o futuro emergente e real» (p. 11).

Um segundo contributo refere-se ao Centro Interpretativo do Mundo Rural (Vimieiro, Arraiolos), aberto ao público desde 2009. Carla Barroseiro, que colabora neste Centro, apresenta este espaço museológico, contextualizando-o no espaço, nos seus objectivos e dá a conhecer o tipo de coleções que guarda, as exposições e o trabalho desenvolvido na área do serviço socioeducativo.

O terceiro contributo é de Miguel Rego, com um ensaio fotográfico como registo da memória que evidencia imagens de Castro Verde no séc. XX a partir de várias actividades.

O último texto é de Ana Carvalho (Universidade de Évora), que analisa o papel das publicações na área da Museologia em Portugal, explorando a forma como este campo tem evoluído, em que moldes se tem produzido, que iniciativas e actores envolvidos. Segundo a autora, não se pretendeu um retrato exaustivo, mas sobretudo assinalar algumas dinâmicas e tendências, fragilidades e perspectivas deste panorama.

Este número está disponível online via issuu: https://issuu.com/museudaruralidade-castroverde/docs/cadernos_museu_ruralidade_5_457051770dbdf0

Índice

A Inclusão ao Serviço dos Museus, Lia Ferreira | p. 2

O Centro Interpretativo do Mundo Rural: O Projecto Museológico e a Colecção, Carla Barroseiro | p. 10

Memórias da Ruralidade: Fotografias de um Campo Branco Desaparecido, Miguel Rego | p. 18

A Construção de uma Comunidade de Prática e de Investigação: O Papel das Publicações, Ana Carvalho | p. 30

Notícias do Museu | p. 44

 

Publicado novo volume de Ensaios e Práticas em Museologia

ensaios-e-praticas 05

Encontra-se publicado o 5.º volume (exclusivamente digital) de Ensaios e Práticas em Museologia. Com edição da Universidade do Porto, este volume reúne e divulga textos dos alunos de mestrado desta universidade. Num esforço de empoderamento dos alunos, a edição deste volume é partilhada por Paula Menino Homem, actualmente a coordenar o mestrado em Museologia, e por três alunas: Ana Themudo, Elisa Freitas e Manuela Restivo. Para além dos artigos, este volume introduz duas novas secções: um espaço para recensões críticas e outro para entrevistas. A série “Ensaios e Práticas em Museologia” teve início em 2011, sob a coordenação de Alice Semedo.

Encontra-se disponível em: http://ler.letras.up.pt

Conteúdos

Apresentação |  5

Ana Themudo
O novo estado artístico do Porto entre 1933 e 1974 | 10

Débora Fernandes
Gestão de risco de incêndio. Criação de parcerias sinérgicas no contexto dos museus universitários | 27

Elisa Freitas
Objetos [com] textos? | 40

Joana Ramos
Alienação em contexto patrimonial: Objeto museológico como artefacto ou recurso financeiro – dilemas na preservação, organização e orientação coesa de acervos | 56

Liliana Aguiar
A aliação de projetos de medição patrimonial em museus: O caso do projeto “Ver, Tocar e  Sentir a Maia” do Museu de História e Etnologia da Terra da Maia | 75

Maria Manuela Restivo
Têxteis do Sudeste Asiático da coleção da Faculdade de Letras da Universidade do Porto | 96

Recensão crítica

Susana Rosmaninho
15a Bienal de Arquitetura de Veneza: “Reporting from the front” (ou a consciência social dos
arquitetos) | 114

Entrevista

Entrevista a Luís Raposo, presidente do International Council of Museums – Europe Alliance (ICOM) – Europe | 123

Desafios à participação no campo dos museus e do património

visitantes Museu Soares dos Reis

© Ana Carvalho

Se, no campo da democratização política se assiste a uma tendência que atesta a necessidade de se pensarem novas formas de governação, o mesmo se pode dizer para o campo dos museus e do património. Comecemos pelos museus. A promoção da participação entendida como forma de alcançar um maior envolvimento de pessoas, grupos e comunidades nos museus enquadra-se num contexto mais alargado de democratização do acesso à cultura e de um entendimento sobre o papel social dos museus e da sua relevância na sociedade.

A história mais recente dos museus tem sido marcada por uma mudança de paradigma que assinala a transformação de uma instituição considerada elitista e exclusiva para uma instituição ao serviço de diferentes públicos e/ou comunidades (Anderson 2004). Actualmente, são vários os exemplos de museus que desenvolvem práticas numa perspectiva socialmente responsável e activa no contexto em que se inserem, assumindo o compromisso de se tornarem mais acessíveis, inclusivos e participativos em resposta às necessidades e interesses de um leque diverso de públicos.

De onde vem, no caso dos museus, a “vaga participativa”? Na história da museologia, os antecedentes quanto à emergência da participação e envolvimento de grupos e comunidades recua à década de 1970. O protagonismo de movimentos como a nova museologia, liderado por profissionais de museus, desafiou os museus à auto-reflexão, a intervir mais na sociedade e a repensar fronteiras de actuação. Com origem em França, e depois com projecção internacional, o então movimento para uma nova museologia surgiu na defesa do papel social dos museus, da interdisciplinaridade, da valorização do património ao serviço do desenvolvimento local, implicando por sua vez o envolvimento dos grupos e/ou comunidades (Desvallées e Mairesse 2013). Foi nesse contexto que se emblematizaram museus e experiências em diferentes geografias, como por exemplo: o Museu de Anacostia, em Washington (1967), a Casa del Museo, no México (1973), o Ecomuseu do Creusot, em França (1972), o Ecomuseu de Haute-Beauce, no Quebeque (1978), entre outros. Nestas experiências reclamava-se uma alternativa ao museu tradicional, que se considerava estar demasiado centrado nas colecções e, de certo modo, de costas voltadas para a sociedade. Não se pode esquecer que este movimento foi coincidente com um período de crise, de forte contestação e consciência social no sentido de uma maior democratização da cultura, com repercussões nas décadas seguintes. Como esclarece Lorente (2003), a ideia de uma nova museologia não era casuística, atendendo a que surgiam outros movimentos contemporâneos como a nouvelle histoire de Braudel, o nouveau roman de Alain Robbe-Griller, e a nouvelle vague no cinema de Godard e Truffaut, no contexto da procura de novos modelos políticos, sociais e culturais. Com efeito, também se sentiu a influência deste e de outros movimentos de ideias que renovaram a museologia portuguesa nas décadas de 1970, 1980 e 1990 (cf. Camacho 1999; Filipe 2000). Note-se que em Portugal, em alguns círculos de profissionais, ainda hoje se reivindicam os princípios que estiveram na génese da nova museologia embora usando outras expressões e sentidos adaptados à realidade actual (Carvalho 2015).

participacao

© Ana Carvalho

Actualmente, a participação configura um aspecto promissor nas práticas museológicas, sendo considerada uma das grandes tendências no mundo dos museus (Mensch e Meijer-van Mensch 2011). Entendemos que o interesse que suscita tem ultrapassado em larga medida as experiências no domínio da nova museologia, no sentido da sua aplicação restrita a ecomuseus, museus de sociedade ou museus de comunidade. Neste sentido, a participação como processo poderá potencialmente ser aplicada a qualquer escala e tipologia de museu (Simon 2010). Isso fica claramente demonstrado com a aprovação da nova Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel na Sociedade (UNESCO 2015). Este documento de abrangência internacional não só advoga a participação e o envolvimento de diferentes grupos e/ou comunidades no desenvolvimento das principais funções museológicas (preservação, investigação, educação e comunicação), como apela à criação de políticas inclusivas de captação e formação de novos públicos.

Esta reconfiguração das práticas museológicas aponta também para uma mudança de paradigma que pressupõe um papel distinto para os públicos. Se envolvidos num processo de participação, os públicos deixam de ser entendidos apenas como visitantes, enquanto consumidores passivos, para passarem a ser percepcionados como co-criadores, o que significa que poderão assumir o papel de protagonistas no processo de criação, decisão e disseminação de novos discursos e práticas museológicas (Kreps 2009). Neste contexto, significa a passagem de um modelo assente no desenvolvimento do acesso, a partir do qual se promove a acessibilidade a um público mais alargado até aí excluído do usufruto de um património comum, para um modelo assente na inclusão cultural que reconhece aos indivíduos um papel na negociação e produção de conhecimentos (Bodo 2009). Trata-se da transformação do propósito da actividade museológica, de algo que é planeado “para” um determinado público, grupo ou comunidade, para algo que é planeado “com”. Pretende-se, portanto, a partilha da autoridade e da responsabilidade.

grupo-visitantes-museu-acropole

© Ana Carvalho

A tendência para um maior envolvimento de públicos e/ou comunidades nas actividades museológicas pode tomar várias formas, seguir diferentes modelos e alcançar níveis de aprofundamento diversos. Pode aplicar-se a áreas de maior visibilidade da programação museológica (exposições), a áreas mais reservadas (colecções, documentação), à gestão de espaços, ou prolongar-se para a internet e para as redes sociais.

São várias as razões que levam os museus a estabelecer parcerias com outros actores e a envolver diferentes públicos e/ou comunidades nas várias frentes de trabalho. Desde logo, a importância de se manterem relevantes, de se afirmarem ao serviço da sociedade, de encontrarem a sua sustentabilidade social, económica e cultural.

Por outro lado, a constatação de que o discurso museológico não se resume a uma só voz, neutra e autoritária. Um discurso multivocal que introduza diferentes leituras, perspectivas e interpretações é em teoria mais próximo da realidade que se pretende representar, logo do visitante, diríamos nós. Verifica-se, assim, uma maior valorização dos saberes que estão fora do museu, residem nas pessoas, nos grupos e nas comunidades. Não significa que se deixe de valorizar o rigor do conhecimento científico, mas reconhece-se o valor de outros saberes empíricos para o enriquecimento do discurso, reconhece-se a sua complementaridade. Porém, não se trata apenas de uma questão de representação, mas também de melhor envolver, cativar. Não será ao acaso o facto de os museus começarem a apostar cada vez mais numa dimensão mais emotiva, que fica patente na construção de narrativas que incluem formatos mais biográficos, através do vídeo e de outros registos menos formais (Pearce 2013), mostrando a importância da individualização e de uma abordagem mais afectiva.

visitantes-patrimonio

© Ana Carvalho

No campo das políticas do património, passos significativos têm sido dados no sentido de reconhecer a preservação do património cultural como um processo de responsabilidade partilhada, concertada e participada por um leque diverso de parceiros. Neste leque incluem-se as instituições ligadas ao património, mas também as ONG, o sector privado, os grupos e as comunidades, entre outros. No panorama internacional podem ser referidos pelo menos dois documentos que dão corpo a esta tendência e que foram desde logo ratificados e aprovados pelo Estado português. É o caso da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, da UNESCO, e a Convenção-Quadro do Conselho da Europa Relativa ao Valor do Património Cultural para a Sociedade, de 2005. A Convenção de 2003, em particular, tem tido um impacto significativo ao chamar a atenção para o envolvimento das comunidades e grupos nos processos de salvaguarda do património cultural imaterial. O desenvolvimento dos chamados inventários participativos tem sido, porventura, uma das consequências mais evidentes desta Convenção, ainda que por “participação” se subentenda, em muitos casos, apenas a mera consulta aos grupos e/ou comunidades, sem explorar níveis mais aprofundados de colaboração. Significa que se avançou na direcção de um novo modelo de gestão do património, mas a sua implementação constitui para muitos dos envolvidos uma novidade, sejam especialistas ou não-especialistas, o que traz uma complexidade acrescida do ponto de vista da sua exequibilidade nos moldes a que se propõe. Não obstante, em ambas as Convenções referidas não é perceptível uma definição do conceito de participação e em que moldes se pode concretizar. A ausência deste aprofundamento leva, na nossa opinião, a apropriações muito díspares e a mal entendidos acerca do envolvimento de grupos e/ou comunidades nestes processos.

participacao

© Ana Carvalho

Sobre a existência de diferentes modelos de participação, quer falemos de museus ou de património, vale a pena referir a proposta de Galla (2008), que identifica três modelos. O primeiro modelo, “Participação como consulta”, porventura o mais utilizado pelos museus e pelas instituições ligadas ao património, consiste em atribuir aos grupos e/ou comunidades visadas o papel de informantes. No segundo modelo, “Participação como parceria estratégica”, os grupos e/ou comunidades colaboram em co-autoria com os profissionais na definição e na execução dos projectos, e o terceiro modelo, “Participação como capacitação das comunidades”, assumidamente mais inclusivo, pretende que sejam os grupos e/ou comunidades que, mediante um processo de capacitação, tomem a iniciativa, o controlo e a execução dos projectos.

Embora se considere a participação uma tendência, como já referimos, também é importante sublinhar que está longe de ser uma prática mainstream no mundo dos museus e no campo do património. Apesar dos argumentos favoráveis explicitados, é acima de tudo uma linha de acção promissora, que procura sair do campo da experimentação, mas ainda assim com um impacto residual quanto à forma como as organizações trabalham (Lynch 2015).

Em Portugal faltam-nos dados para melhor compreender o alcance de algumas das iniciativas que vão sendo desenvolvidas neste contexto, em parte devido à falta de uma avaliação mais sistemática e reflexiva acerca dos projectos. No Reino Unido, por exemplo, um estudo realizado a partir de um grupo de museus com experiência em projectos participativos também veio confirmar a ausência de processos auto-reflexivos (e que incluíssem todos os parceiros) que permitam a capitalização efectiva dos aspectos positivos e menos positivos na definição de programas subsequentes (Lynch 2015).

Entrando mais detalhadamente nas barreiras que têm contribuído para relegar os projectos participativos para um papel marginal nas práticas museológicas, socorremo-nos de algumas das conclusões a que chegou o programa Our Museum: Communities and Museums as Active Partners (Reino Unido). Este programa (2012-2016) tem apoiado o desenvolvimento de iniciativas em oito museus ingleses de perfil diverso com vista a um maior enfoque no envolvimento activo de pessoas de fora destes museus na formulação e execução de actividades, tendo implícito um processo de partilha de decisão e de poder entre os envolvidos. Este programa reconhece à partida que um dos problemas consiste no confinamento dos projectos participativos a situações de natureza pontual e a financiamentos de curta duração, e como tal levando a um impacto reduzido nas organizações. Todavia, a resposta encontrada pelo Our Museum no sentido de tornar a participação um elemento estratégico das organizações reside na implementação de iniciativas que visam mudar a forma como os museus e os profissionais operam. É a partir desta premissa que no âmbito deste programa se identificaram seis barreiras a ultrapassar (Bienkowsky 2014). Uma das barreiras situa-se ao nível das lideranças, patente na ausência de um compromisso mais activo por parte de directores de museu e do pessoal sénior.

Outra barreira refere-se ao conflito de agendas aparentemente contraditórias, ou seja, a percepção de que uma estratégia que tem por objectivo gerar receitas através do aumento do número de visitantes não é compatível com uma estratégia que aposte no envolvimento e participação de grupos e/ou comunidades.

Acresce a atribuição restrita da responsabilidade do trabalho com grupos e/ou comunidades a só uma pessoa, cargo ou departamento, em detrimento de uma abordagem que implique a responsabilidade partilhada, ou seja, o envolvimento do museu como um todo.

Identificou-se também que do ponto de vista da escolha dos parceiros, os museus tendem a relacionar-se com aquelas organizações que consideram “seguras”, isto é, aquelas que não obriguem a sair da sua zona de conforto, o que nem sempre corresponde à realidade do meio social e associativo envolvente, quase sempre mais diverso.

A resistência dos profissionais de museus ao trabalho com grupos e/ou comunidades, quer de forma mais consciente ou inconsciente, foi outra das dificuldades encontradas, tendo sido apontado também a falta de competências para lidar com diferentes grupos e/ou comunidades.

Uma última barreira prende-se com a constatação de uma postura mais passiva por parte dos museus que decorre, por um lado, da actual situação conjuntural de maiores dificuldades financeiras, e que é alimentada também por outros receios ligados ao estatuto profissional e às competências. Concluiu-se que estes factores somados impedem uma maior capacidade dos museus em arriscar.

As conclusões a que chegou no contexto do programa Our Museum mostram claramente um ponto de viragem inovador na forma de olhar a questão. Sendo a participação desejável, esta implica necessariamente uma transformação das organizações e uma actualização das competências dos profissionais. As limitações elencadas podem, assim, oferecer aos museus um ponto de partida para reequacionar estratégias de actuação futuras. Ao cruzarmos o percurso da participação no contexto do aprimoramento dos instrumentos políticos de governação com a partilha de autoridade no campo dos museus e do património, foi possível demonstrar a transversalidade que o tema suscita sobre o papel da cidadania na construção da sociedade contemporânea.

Referências

Anderson, Gail, ed. 2004. Reinventing the Museum: Historical and Contemporary Perspectives on the Paradigm Shift. Lanham: AltaMira Press.

Bienkowsky, Piotr. 2014. Communities and Museums as Active Partners: Emerging Learning from the “Our Museum” Initiative. [London]: Paul Hamlyn Foundation.

Bodo, Simona. 2009. “Introduction to Pilot Projects.” In Museums as Places for Intercultural Dialogue: Selected Practices from Europe, editado por Kirsten Gibbs, Margherita Sani, e Simona Bodo, 26–30. Dublin: MAP for ID Group.

Camacho, Clara Frayão. 1999. “Renovação Museológica e Génese dos Museus Municipais da Área Metropolitana de Lisboa: 1974-90.” Dissertação de mestrado em Museologia e Património, Universidade Nova de Lisboa.

Carvalho, Ana. 2015. “Decifrando Conceitos em Museologia: Entrevista com Mário Caneva Moutinho.” Museologia & Interdisciplinaridade 4 (8): 252–69. http://hdl.handle.net/10174/16523

Conselho da Europa. 2005. Convenção-Quadro do Conselho da Europa Relativa ao Valor do Património Cultural para a Sociedade. Faro: Conselho da Europa.

Desvallées, André, e François Mairesse, eds. 2013. Conceitos-Chave de Museologia. Tradução de Bruno Brulon Soares e Marilia Xavier Cury. São Paulo: Armand Colin e Conselho Internacional de Museus (ICOM).

Filipe, Graça. 2000. “O Ecomuseu Municipal do Seixal no Movimento Renovador da Museologia Contemporânea em Portugal (1979-1999).” Dissertação de mestrado em Museologia e Património, Universidade Nova de Lisboa.

Galla, Amareswar. 2008. “The First Voice in Heritage Conservation.” International Journal of Intangible Heritage 3: 10–25.

Kreps, Christina. 2009. “Foreword.” In Museums as Places for Intercultural Dialogue: Selected Practices from Europe, editado por Simona Bodo, Kirsten Gibbs, e Margherita Sani, 4–5. Dublin: MAP for ID Group.

Lynch, Bernadette. 2015. “Our Museum”: A Five-Year Perspective from a Critical Friend. [London]: Paul Hamlyn Foundation.

Lorente, Jesús-Pedro. 2003. “La ‘Nueva Museología’ ha Muerto, Viva la ‘Museología Crítica’!” In Museología Crítica y Arte Contemporáneo, editado por Jesús-Pedro Lorente, e David Almazán, 13–25. Zaragoza: Prensas Universitarias de Zaragoza.

Mensch, Peter van, e Léontine Meijer-van Mensch. 2011. New Trends in Museology. Celje: Museum of Recent History Celje.

Pearce, Susan. 2013. “Afterword: A View from the Bridge in Conversation with Susan Pearce.” In Museums and Communities: Curators, Collections and Collaboration, editado por Viv Golding, e Wayne Modest, 275–284. London: Bloomsbury.

Simon, Nina. 2010. The Participatory Museum. Santa Cruz, Calif.: Museum 2.0.

UNESCO. 2003. Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial. Paris: UNESCO.

UNESCO. 2015. Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel na Sociedade. Paris: UNESCO.

****

Este texto é uma versão mais reduzida de:

Carvalho, Ana, e Roberto Falanga. 2016. “Da Democratização das Formas de Governação na Política à Partilha de Autoridade no Campo dos Museus e do Património.” In Participação: Partilhando a Responsabilidade, coordenado por Ana Carvalho, 29–44. Lisboa: Acesso Cultura. http://hdl.handle.net/10174/18658.

Diversidade Cultural: da Periferia para o Coração dos Museus

becoming-a-copenhagener

Exposição temporária: “Becoming a Copenhagener”, no Museu de Copenhaga (Dinamarca), 2011. Foto de Ana Carvalho

[Artigo publicado originalmente em: Carvalho, Ana. 2016. “Diversidade Cultural: da Periferia para o Coração dos Museus.” Boletim ICOM Portugal, série III, 5 (Janeiro): 8-12. http://hdl.handle.net/10174/16736]

De que falamos quando falamos de diversidade cultural? Tomemos como ponto de partida a proposta da UNESCO ao referir-se à diversidade cultural como «a multiplicidade de formas pelas quais as culturas dos grupos e sociedades encontram a sua expressão» (UNESCO 2005 artigo 4, ponto 1). Marcando indelevelmente as políticas culturais um pouco por todo o mundo, as orientações da UNESCO sugerem que todas as culturas são igualmente válidas e o seu entendimento deve servir objectivos de paz, de diálogo intercultural e de coesão social. Num mundo cada vez mais globalizado considera-se a diversidade cultural tão indispensável para a Humanidade como a diversidade biológica o é para a natureza (UNESCO 2001). Esta perspectiva celebratória da diversidade cultural tem subjacente uma ética global de respeito pela dignidade humana e pelo pluralismo cultural como também subentende a promoção da criatividade e enfatiza o papel da diversidade cultural ao serviço do desenvolvimento sustentável das sociedades.

Mas que entendimentos sugere a noção de diversidade cultural para os museus? Como se traduz, que aportes?

Os museus são espaços de negociação da diferença ao seleccionarem o que é representado, o que se inclui, o que se exclui. Têm, por sua vez, a potencialidade de se afirmarem como espaços de promoção do diálogo intercultural, debatendo os temas da sociedade e a pluralidade de perspectivas, de trazerem para a arena as vozes ausentes ou negligenciadas, com a criação de ambientes construtivos e propícios à reflexão conjunta. Podem, deste modo, contribuir para a tolerância e para melhor compreender os obstáculos e os desafios da vida em sociedade (Kreps 2013). Em teoria, esta linha é consistente com o abandono da ideia de museu portador de um discurso neutro, objectivo e a uma só voz. Este reconhecimento implica também o repensar das práticas museológicas: quem e o quê está representado, como está representado, e quem fala por quem?

Se, por um lado, quando se fala de diversidade cultural se tende a focar nas questões relativas à etnicidade e, portanto, na forma de melhor representar e envolver grupos e comunidades pertencentes a grupos étnicos e de culturas diferentes, sejam migrantes, refugiados ou outros grupos, há, por outro lado, o reconhecimento que a diversidade cultural abrange um conjunto mais alargado de “outros” que, de forma consciente ou inconsciente, estão excluídos dos museus. Nesse conjunto estão incluídas preocupações de representatividade ao nível do género, do estatuto socioeconómico, das crenças, da intergeracionalidade, entre outras. Neste sentido, a promoção da diversidade é um tópico transversal a todas as frentes da actividade museológica e de interesse para todas as tipologias de museus.

Por outro lado, se a promoção da diversidade cultural nos museus significa trazer para os museus os aportes de diferentes grupos e comunidades, então o enfoque está também na forma como se envolve, ou seja, no encontrar de formas de participação mais éticas e adequadas que viabilizem processos de consulta, negociação e participação implicando todas as partes interessadas. Esta é também uma das recomendações defendidas pelo ICOM relativamente à promoção da diversidade cultural nos museus (Carta da Diversidade Cultural do ICOM, 2010).

Ao reconhecer-se que os museus nem sempre foram eficazes na representação e promoção da diversidade e do diálogo intercultural, é preciso esclarecer que não se trata apenas de uma questão de representação, mas também de uma questão de para quem os museus se dirigem, falamos, portanto, de públicos. Um dos grandes desafios dos museus no séc. XXI é, sem grande margem para dúvidas, o aumento, mas sobretudo a diversificação dos públicos. Os estudos que vão sendo publicados confirmam que é ainda uma minoria, económica e socialmente favorecida, a frequentar museus. A maioria da população está arredada dos museus e, em grande medida, das instituições culturais. Ainda que a ausência de representação de aspectos da sua cultura na programação dos museus possa ser um motivo para que alguns grupos e comunidades não frequentem museus, de um modo geral persistem outras barreiras que são partilhadas pela maioria da população: interesse, económicas, hábitos de visita, acolhimento, disponibilidade/tempo, entre outras. Por exemplo, no último estudo do barómetro europeu sobre acesso e participação cultural as principais barreiras evocadas por portugueses foram, em primeiro lugar a falta de interesse, seguida pela falta de tempo e só depois por razões económicas (European Commission 2013), o que demonstra a premência dos museus em demostrarem a sua relevância junto a uma população alargada. Até certo ponto, a prevalência de uma estratégia (ou a ausência dela) que não procure contrariar ou romper com as barreiras que limitam o acesso cultural a uma instituição é também uma forma de activamente manter essas desigualdades (Holden 2010).

O debate sobre a promoção da diversidade nos museus também tem sido analisado na óptica dos profissionais de museus per se. Serão as equipas dos museus suficientemente diversas e, por sua vez criativas, para dar resposta às necessidades de diferentes grupos e comunidades? No Reino Unido, por exemplo, a Museums Association adoptou a diversidade étnica das equipas de trabalho como eixo estratégico (Diversity Scheme), ainda que mais recentemente privilegie uma noção mais aberta, passando a incluir a diversidade na perspectiva do estatuto socioeconómico, ou seja, promovendo o acesso à carreira nos museus a pessoas de baixa condição económica (Shaw 2013).

global-city-museum-of-liverpool

Exposição temporária “East meets West”. Tabela com testemunho de David Yip. Museum of Liverpool, 2011. Foto de Ana Carvalho

Entre 2010 e 2013 fizemos uma pesquisa que compreendeu a análise de três museus europeus com colecções etnográficas (veja-se Carvalho 2016). Nesse contexto foi possível identificar quais as perspectivas de promoção da diversidade cultural negociadas, as principais tendências e os princípios advogados num quadro alargado e transversal das práticas museológicas. Para efeitos da escrita deste texto, optámos por apresentar apenas alguns resultados e reflexões referentes à National Museums Liverpool (NML), organização museológica que tutela oito museus em Liverpool (Reino Unido), um dos quais incluído na investigação que realizámos.

A NML adopta uma abordagem corporativa no que concerne à promoção da diversidade cultural. Além de uma missão e visão comuns, os oito museus partilham entre si vários serviços, nomeadamente no âmbito da educação, do trabalho com as comunidades, da comunicação, entre outras áreas. Uma declaração de intenções no sentido de promover a diversidade cultural ocorreu em 2005, com a criação de um grupo de trabalho responsável por iniciativas neste domínio e por monitorizar o seu impacto na organização. Numa fase seguinte, um compromisso público foi assumido com a publicação da declaração “Igualdade e Diversidade”, que implicitamente reconhecia o alcance restrito da programação dos museus de Liverpool a algumas franjas da sociedade, e estabeleceu um conjunto de objectivos para tornar a organização mais inclusiva.

A necessidade de alterar o perfil de públicos dos museus de Liverpool de acordo com a realidade sociodemográfica reflecte-se na concepção da política para a diversidade, que identifica a diferença de forma multidimensional e alargada, promovendo um entendimento flexível da noção de diversidade. Para além da etnicidade, outras dimensões são contempladas, nomeadamente a questão do género, da idade, da orientação sexual, das crenças e religião, e da deficiência.

A declaração “Igualdade e Diversidade” é dualista nos seus objectivos, pois reconhece a necessidade de mudanças internas e, neste sentido, o documento dirige-se também às equipas dos museus (incluindo fornecedores e outras partes envolvidas com a organização museológica), e ao mesmo tempo é uma mensagem externa que assinala uma mudança na imagem pública da NML e o compromisso em prol da diversidade.

O compromisso para com a diversidade não se esgota, porém, na forma de uma declaração ou na criação de grupos de trabalho ou departamentos específicos, cuja eficácia tem, aliás, sido recentemente questionada, sobretudo quando se desenvolvem nas margens da actividade museológica, causando pouco impacto na cultura da organização (Nightingale e Mahal 2012). A promoção da diversidade é, no âmbito da NML, entendida como uma prioridade que atravessa todas as áreas (gestão de colecções, investigação, criação de projectos, envolvimento com as comunidades e grupos, formação de equipas, administração e governança), não se restringindo, como mais comummente, à área educativa e a projectos especiais no âmbito da formação e captação de novos públicos.

A estratégia para a promoção da diversidade cultural estende-se também às colecções e às exposições, em reposta às necessidades e interesses de diferentes públicos, através de práticas regulares de consulta e de colaboração (p. ex. interpretação, novas colecções). Além de um programa de exposições comunitárias, que visa a auto-representação por parte de grupos e comunidades, possibilitando a expressão da sua cultura, identidade e património (material e imaterial), destaca-se a criação de exposições multivocais, nas quais se propõe múltiplas perspectivas e leituras com a introdução de testemunhos de membros das comunidades.

A promoção da diferença inserida na programação museológica de forma episódica, embora fundamentada pela vontade de celebrar a diferença e no quebrar de preconceitos, nem sempre garante o efeito que lhe está subjacente para as muitas instituições que o procuram fazer. Porém, na NML, para além de uma programação especialmente dirigida para a promoção de diferentes culturas, esta não se restringe à criação de eventos pontuais de celebração e reconhecimento (Mês da História Negra, Dia da Escravatura, Semana dos Refugiados Liverpool Irish Festival, Liverpool Arabic Arts Festival, Semana da Deficiência). A diversidade configura-se como um valor que está imbuído na visão corporativa da organização e que fica patente de forma transversal não só pelo trabalho realizado pela equipa das comunidades, mas também por outros departamentos e áreas de trabalho. Até certo ponto, procura-se tornar a diferença como parte integrada na política museológica, torná-la mainstream. Esta visão transversal, a par com o enfoque na criação de parcerias que garantam um relacionamento mais durável e sustentável com grupos e comunidades de modo a ultrapassar o carácter pontual das iniciativas, são premissas relevantes para a organização. No cerne da actividade desenvolvida pela equipa das comunidades e pela equipa das parcerias, assume especial relevo o trabalho em rede, ou seja, o envolvimento dos museus com organizações externas de actuação diversa (saúde, educação, cultura, social e outras) ao nível regional ou local, através da consolidação de parcerias que garantam de forma sustentável e a longo prazo o envolvimento de diferentes públicos, grupos e comunidades.

A promoção da diversidade como elemento estratégico permanece na agenda desta organização museológica, também devido a uma forte liderança que viabiliza uma retórica com repercussões significativas e estruturais no seio da organização: a forma como se posiciona (valores, missão), como se organiza, como define a investigação e a programação, e como distribui os recursos humanos e económicos.

O alargamento e a diversificação de públicos alcançado pela NML nos últimos anos resulta da implementação de uma estratégia continuada em prol da diversidade cultural na organização, que não obstante, só tem sido possível através de investimentos substanciais. O papel social da NML e, por sua vez, uma maior responsabilização da organização na sociedade é também o argumento instrumental que tem levado à procura de fontes e receitas alternativas ao financiamento do governo, de modo a minorar as consequências da redução do orçamento devido à crise económica, e alcançar os objectivos traçados.

Este caso introduz algumas pistas e clarifica a importância de uma estratégia para a diversidade cultural que ocorra a múltiplos níveis das práticas museológicas e de forma transversal. Por outro lado, realça o seu enquadramento numa estratégia mais vasta que inclui como elemento nuclear o alargamento e a diversificação dos públicos. Trata-se de deixar de entender a promoção da diversidade cultural como experiências episódicas e periféricas às práticas museológicas para perspectivá-la como um eixo central da actividade museológica.

Referências

Carvalho, Ana. 2016. Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos. Vol. IV. Estudos de Museus. Casal de Cambra: Caleidoscópio e Direção-Geral do Património Cultural.

European Commission. 2013. Cultural Access and Participation: Report (Special Eurobarometer 39). Special Eurobarometer 399/Wave EB79.2. [s.l.]: European Commission e TNS Opinion & Social.

Holden, John. 2010. Culture and Class. [Londres]: Counterpoint.

ICOM. 2010. “ICOM Cultural Diversity Charter.” Paris: ICOM (Conselho Internacional de Museus). http://icom.museum/the-governance/general-assembly/resolutions-adopted-by-icoms-general-assemblies-1946-to-date/shanghai-2010/

Kreps, Christina. 2013. “The Power of Words and Vocabularies.” In Museums and Intercultural Dialogue: The Learning Project Network, editado por Ineta Zelča Sīmansone, 4: 13–17. [s.l.]: The Learning Museum – LEM.

Nightingale, Eithne, e Chandan Mahal. 2012. “The Heart of the Matter: Integrating Equality and Diversity into Policy and Practice of Museums and Galleries.” In Museums, Equality and Social Justice, editado por Richard Sandell e Eithne Nightingale, 13–37. Oxon: Routledge.

Shaw, Lucy. 2013. Diversify, Reflections and Recommendations: The Final Report on the MA’s Workforce Diversity Scheme. [London]: Museums Association.

UNESCO. 2001. Declaração Universal Sobre a Diversidade Cultural. Paris: UNESCO.

UNESCO. 2005. Convenção Sobre a Protecção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais. Paris: UNESCO.

Revista MIDAS, n.º 2

"Modo de Emprego #1" © Catarina Botelho, créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012 Arranjo gráfico: Elisa Noronha

Modo de Emprego #1
© Catarina Botelho, créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Concepção gráfica da capa: Elisa Noronha

 

O segundo número da revista MIDAS está disponível aqui: http://midas.revues.org

 

****

EDITORIAL

Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

ARTIGOS

O Museu como um instrumento de reflexão social
Genoveva Oliveira

Museu, Comunidade e Património Cultural Imaterial: um estudo de caso – o Museu da Terra de Miranda
Celina Bárbaro Pinto

Reproductibilidad y educación. El “Museu de Arte do Espírito Santo”
Renata Ribeiro dos Santos

As passagens do sagrado: da mercadoria ao ex-voto no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida/Brasil
Bianca Gonçalves de Souza e Eduardo Ismael Murguia

El Museo Itinerante del Barrio de la Refinería: renovación museológica, memoria popular e identidad vecinal en Rosario (Argentina)
Horacio Miguel Hernán Zapata, Leonardo C. Simonetta e María Liz Mansilla

A inclusão social tem influência nas práticas museais? O acesso dos públicos com deficiência
Patrícia Roque Martins

Modos de Ver e de Dar a Ver os Painéis de S.Vicente
Paula André, Luís Louzã Henriques, Luísa Isabel Martinho, Sónia Apolinário e Rui Reis Costa

NOTAÇÕES

Sobre um “Monstro bicorpóreo” Eborense do século XVIII
Luís Ceríaco

Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal. Um projeto, muitos projetos…
Luís Soares, Joana Baião e Leonor Oliveira

RECENSÕES CRÍTICAS

Ana Carvalho
Alivizatou, Marilena. 2012. Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation. Walnut Creek: Institute of Archeology.

Elsa Peralta
Cabral, Clara Bertrand. 2011. Património Cultural Imaterial: Convenção da UNESCO e seus contextos. Lisboa: Edições 70.

Ana Botas
Carvalho, Ana. 2011. Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para ao desenvolvimento de boas práticas. Lisboa: Colibri, Universidade de Évora.

Irene Vaquinhas
Mendes, José Maria Amado. 2009. Museus e Educação. Estudos, Humanidades. Colecção Estudos do Património. Coimbra: Imprensa da Universidade.

Revista MIDAS, n.º 1

"A partir de ´Porto de Mar, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet'", Lisboa 2012. © João Ferro Martins; Arranjo gráfico da capa: Elisa Noronha

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Concepção gráfica da capa: Elisa Noronha

Está publicado o primeiro número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. É uma revista editada em Portugal por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Universidade de Coimbra) e Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova). Tem formato digital e está disponível em acesso aberto (cf. http://midas.revues.org). Faz parte da plataforma francesa revues.org, uma rede de revistas no âmbito das ciências sociais e humanas, que integra por sua vez o Open Edition. O portal Open Edition (inclui mais duas plataformas: blogues – Hypotheses.org – e um calendário de eventos científicos – Calenda) tem ainda uma versão em português para dar maior visibilidade aos conteúdos em língua portuguesa – LusOpenEdition.

“A MIDAS propõe que se repense o museu enquanto projeção de um processo cultural, por vezes ideológico e até político. Daí a intencionalidade programática da nossa opção pelo título MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, que afirma como fundamental a convocação de outros saberes quando necessários a uma melhor compreensão das realidades museológicas, cada vez mais complexas e cada vez menos contidas entre as paredes do museu, e que à pluralidade do museu atual corresponde uma sua maior integração e participação nas dinâmicas e nos principais debates das sociedades contemporâneas. (…) A abrangência internacional permitirá uma leitura comparativa de diferentes circunstâncias nacionais.” (Editorial, n.º 1)

Pode encontrar o primeiro número disponível na íntegra aqui e acompanhar a revista através do blogue: http://revistamidas.hypotheses.org/

Conteúdos:

EDITORIAL
Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

ARTIGOS

Documento e musealização: entretecendo conceitos
Maria Lucia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro

Museus contemporâneos: locais de contágios e hibridismos
Joana Ganilho Marques

Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares M. Carmen Pérez Almagro

O ato de expor. Breves considerações a propósito d’A Perspectiva das Coisas. A Natureza-Morta na Europa
Joana d’Oliva Monteiro

Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos
Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos 

ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA DA MUSEOLOGIA

A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade
Irene Vaquinhas

Las revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global
Jesús Pedro Lorente

RECENSÕES CRÍTICAS

Luís Pequito Antunes
Gouveia, Henrique Coutinho Gouveia. 2009. Museu Etnográfico da Madeira: estudo de um modelo de avaliação. Praia-Tomar: Universidade de Cabo Verde, Instituto Politécnico de Tomar.

João Paulo Martins
Matos, Ana Cardoso de, e Marta Lourenço, coord. 2011. Expositions Universelles, Musées Techniques et Société Industrielle… Lisboa: Colibri – Universidade de Évora.

Pedro Casaleiro
Granato, Marcus e Marta Lourenço, coord. 2010. Coleções científicas de instituições luso-brasileiras: Patimônio a ser descoberto. Rio de Janeiro: MAST/MCT.

João Pedro Fróis
Émond, Anne-Marie, coord. 2012. Le musée: Entre la recherche et l’enseignement/The museum: between research and education. Québec: Éditions Multimondes.

Informação ICOM.PT (II Série, Nº 7, Dez 09-Fev 10)

Foi recentemente publicado o sétimo número do boletim da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM (II Série, Nº 7, Dez 09-Fev 10).

A responsável pela edição desta publicação trimestral é Maria Vlachou. (mariavlachou.pt@gmail.com). Neste número colaboraram: Ana Alcoforado, Graça Filipe, José Gameiro, Maria João Lança e Paula Menino Homem.

CONTEÚDOS:

01 Editorial, Maria Vlachou
02 Artigo, A Representação da Comunidade no Museu da Luz, Maria João Lança
09 Opiniões, A RPM deve ser dirigida pelo Estado (IMC) ou pelos próprios museus?, Graça Filipe e João Gameiro
11 Novos, recentes e Renovados, Museu nacional de Machado de Castro, Ana Alcoforado
15 Entrevista com…, Giacomo Scalisi
17 Notícias ICOM
18 Novas Publicações
19 Calendário de Iniciativas

O boletim esta inteiramente disponível no site do ICOM PT:
http://www.icom-portugal.org/

Sugestão de Leitura: "La gratuité des musées et des monuments: qu’en pensent les publics en France?"

Sugere-se aqui a leitura do seguinte artigo:

GOMBAULT, Anne; URBAIN, Caroline; BOURGEON-RENAULT, Dominique; GALL-ELY, Marine Le; PETR, Christine – “La gratuité des musées et des monuments: qu’en pensent les publics en France?“, in Culture études, 2008-1. 12 p.

O artigo apresenta os resultados de uma investigação financiada pelo ministère de la Culture (DDAI/Département des études, de la prospective et des statistiques). Esta investigação qualitativa permitiu compreender melhor a problemática da gratuitidade no seio dos museus e do património e as questões inerentes a esta importante e polémica questão.

O artigo está disponível no seguinte endereço: http://www2.culture.gouv.fr/deps/pdf/etudes/CE_2008-1_gratuite.pdf

Veja também o resumo do artigo:

RÉSUMÉ
La question de la gratuité a engendré de nombreux débats mettant en scène positions des professionnels de la culture, effets sur les volumes mesurés de fréquentation et sur la gestion des musées et des monuments. Une question a été laissée dans l’ombre : celle de la réception des mesures de gratuité par les publics destinataires. L’analyse des représentations de ces mesures, que l’on découvre multiples, contradictoires et peu congruentes avec les idéaux portés par les institutions elles-mêmes, met en évidence toute la subtilité du jeu d’interactions entre mesure tarifaire, compréhension d’une politique culturelle, impact sur les représentations des musées et des monuments et fréquentation de ces lieux. Elle trace de ce fait des pistes de renouvellement du marketing de l’offre des mesures de gratuité, tant en termes de valorisation des contenus culturels proposés que de positionnement, de segmentation et de communication de ces mesures.

ABSTRACT
The question of free admission has generated numerous debates, highlighting various viewpoints of professionals involved in Culture, effects on the measured volumes of attendance and on the management of museums and monuments. One question has been left aside: that of the reception of free admission measures by the destined audiences. The analysis of the representations of these measures, which are found to be multiple, contradictory and not very congruent with the ideals put forth by the institutions themselves, shows the subtlety of the complex interactions between the tariff amount, the comprehension of a cultural policy, impact on the representations of museums and monuments and frequentation of these venues. This analysis thus points to a renewal of the marketing of free admission offers, in terms of the validation of proposed cultural content as well as through positioning, segmentation and communication of these measures.

ICOM News: "Universal Heritage"

icom-news-n-3-4-2007.jpg

Publicado recentemente, o n.º 3-4 ICOM News 2007 apresenta os artigos seguintes:

– Message from the President
by Alissandra Cummins

Resolution No. 1: Protection and Promotion of Universal Heritage with Respect for Cultural and Natural Diversity (S.O. 1)
MAC and the Caribbean Inventory on the Slave Route Project
by Ieteke Witteveen,
President, Museums Association of the Caribbean (MAC), Director, National Archeologisch & Anthropologisch Museum (Curaçao)

Interview with Regine Schulz – Chairperson, Resolutions Committee 2007

Resolution No. 2: Accessibility of Information and Communication (S.O.2)
Towards the Creation of an ICOM Digital Resources Centre
by ICOM-Secretariat: Carla Bonomi, Webmaster, Asghar Hassanzadeh, Archivist, Lysa Hochroth, Editor and Elisabeth Jani, Documentalist

Resolution No. 3: Informing Museums on Intellectual Property Issues
Response from the Ethics Committee
Bernice Murphy,
Chairperson, ICOM Ethics Committee

Resolution No. 4: Preventing Illicit Traffic and Promoting the Physical Return, Repatriation and Restitution of Cultural Property
On Restitution, Exhibitions and Heritage
Patrick Effiboley,
ICOM-Benin, ICOFOM, CIMCIM

Resolution No. 5: Disaster and Emergency Planning
ICOM-SEE, Regional Groups and MEP/TIEM
Mila Popovic – Zivancevic,
Chairperson, ICOM-SEE, Working Group of ICOM-Europe for South East Europe, Conservator Councillor, Head of “Diana” Department for Preventive Conservation, National Museum in Belgrade

Resolution No. 6: Promoting Sustainable Development (S.O.2)
Case Study – Hasankeyf: a Medieval Site Threatened by the Ilisu Dam

Resolution No. 7: Championing Higher Standards and Professional Development (S.O.3)
UMAC & the Latin American University Museums Network
William Alfonso López Rosas,
UMAC, Professor, Director of the Museo de Arte and the MA in Museology and Cultural Heritage Management, Universidad Nacional de Colombia

Resolution No. 8: Improving the Consultative and Decision Making Process (S.O.4)
There might be some turbulence on our flight to Shanghai 2010…Knut Wik,
Chairperson, Advisory Committee

More Articles:

Historic Meeting of ICOM Former Presidents and Honorary Members
Voices of Young Bursaries
From Interviews with Jehanne Fabre, Editorial Assistant, ICOM-Secretariat
Diversity at the ICOM 2007: a newcomer’s observations
Clara Arokiasamy,
Chair, London Mayor’s Heritage and Diversity Task Force and Independent Consultant/Adviser

Artigos publicados em ICOM News, Vol. 60, No.3-4, 2007

Pode consultar o resumo destes artigos no seguinte endereço:
http://icom.museum/GC2007_eng.html

ICOM news : "O Futuro das Colecções"

the-future-of-colections-icom.jpg

Divulga-se o mais recente número do ICOM news (nº 4, 2006). Este número intitula-se: “The future of collections”. Eis os artigos:

Media Matters, by Pip Laurenson, Head of Time-based Media Conservation – Tate Modern, London (RU)

Theft, the Internet and Museum Objects: Threats and Opportunities, by Ton Cremers – Museum Security Network, www.museum-security.org, Netherlands

MAVI, the Virtual Interactive Achaemenid Museum, by Pierre Briant, Professeur – Collège de France, www.museum-achemenet.college-de-france.fr, France

Museology and New National Museums of History and Culture, by Hans-Martin Hinz – Executive Council, ICOM-Germany, ICMAH, German Historical Museum, Berlin

Museums of the World
Museum Publications: the museum reflected in the image of its collections

Artigos publicados em ICOM News, Vol. 59, No.4, 2006

Os artigos referidos estão disponíveis online:
http://icom.museum/future_collections_eng.html

Fonte: Lista de Discussão “Museum”

Artigo sobre blogs aplicado às Bibliotecas

artigo-sobre-blogs.jpg

Los weblogs como herramientas de trabajo de las Bibliotecas
Autor: Edgardo Civallero (Cordoba-Argentina)
Data: 2006

Artigo sobre a utilização dos blogs como ferramenta de trabalho aplicada às bibliotecas. Não pretendendo analisar o artigo do ponto de vista da sua qualidade, pareceu-nos importante referi-lo como um reflexo da crescente utilização da blogoesfera ao serviço das instituições culturais e respectiva interpretação do fenómeno.

Os blogs podem ser um recurso para melhorar os serviços de uma instituição, a sua relação com os reais e potenciais utilizadores, bem como o reforço dos vínculos institucionais e profissionais.

Para quem ainda não está familiarizado com este fenómeno, este artigo dá conta da história dos blogs e apresenta algumas propostas para a sua utilização no âmbito das bibliotecas. Este artigo pode ser um bom ponto de partida para reflectir sobre a sua aplicação nos museus.

Pode também consultar o blog do autor.

Fonte: http://bibliotecas-.blogspot.com/

Newsletter sobre Preservação Digital

rlg-diginews.jpg

Foi publicado este mês o 6º número da RLG DigiNews. A RLG DigiNews (ISSN 1093-5371) é uma newsletter electrónica, totalmente disponível online criada pelo grupo de preservação da RLG. Foca tópicos como a digitalização de colecções e a preservação digital. Nos artigos que disponibiliza apresenta vários estudos de caso evidenciando práticas envolvendo o uso de novas tecnologias e dá conta dos novos projectos, publicações e eventos.

A newsletter é desenvolvida pelo Department of Research and Assessment Services, Cornell University Library, em colaboração com os RLG Programs, OCLC Office of Programs and Research. É publicada 6 vezes por ano.

Este número é subordinado ao tema: Digital Asset Management in Museums. Inclui os seguintes artigos:

Guest Editor’s Note: Special Issue Introduction: Managing Digital Assets in US Museums by Günter Waibel

Why Digital Asset Management? A Case Study by Susan Chun and Michael Jenkins

Digital Image Asset Management at the National Gallery of Art (US) by Alan Newman and Peter Dueker

In Pursuit of Efficiency: Traversing the Boundaries of a Collection Information System by Dianne Nilsen

Este número (Volume 10, Numero 6) já se encontra disponível no site.

Fonte: Museum – L

Tate Papers

tate-modern.jpg

Está online mais um número da Tate Papers. Um jornal onde se dá a conhecer os mais variados aspectos relacionados com as colecções e programas da Tate. Foi lançado em 2004 e apresenta 2 números por ano.

Pode ler o último número online clique em
www.tate.org.uk/research/tateresearch/tatepapers/

• Stephen Daniels, Lines of Sight: Alfred Watkins, Photography and Topography in Early Twentieth-century Britain.
• Steven Harris, Pataphysical Graham”: A Consideration of the ‘Pataphysical Practice of Rodney Graham.
• David Fraser Jenkins, Hopper and British Artists.
• Pip Laurenson, Authenticity, Change and Loss in the Conservation of Time-based Media Installations.
• Bronwyn Ormsby et al, The Effects of Surface Cleaning on Acrylic Emulsion Paintings.
• Christopher Short, Between Text and Image in Kandinsky’s Works: A Consideration of the Album Sounds.
• Brandon Taylor, Kandinsky and Contemporary Painting.

Para ficar a conhecer as mais recentes investigações do mundo dos museus através da Tate. Uma referência, sem dúvida.