Arquivo da Categoria: Books

Novo título da colecção “Estudos de Museus” é dedicado ao colecionismo privado

capa do livro da coleção ao museu

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal  é o sexto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Adelaide Duarte apresentada à Universidade de Coimbra em 2012 (orientação de Irene Vaquinhas e Lúcia Almeida Matos).

Será lançado no próximo dia 31 de Janeiro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Francisco Capelo.

Este livro analisa a formação de coleções privadas de arte moderna e contemporânea em Portugal e observa o modo como foram disponibilizadas ao público, ao longo da segunda metade do século XX. Elegem-se quatro coleções: a de José-Augusto França, a de Manuel de Brito, a de José Berardo e a de António Cachola.

O perfil destes colecionadores, o gosto, as motivações, a estratégia e as condições da escolha das peças permitiram problematizar conceitos, como o de colecionar, colecionador e colecionismo, bem como compreender o funcionamento do sistema da arte, sobretudo o português. Reconhece-se ainda o contributo dos coleciona- dores na constituição e no reforço de coleções públicas e distingue-se a sua ação relativamente à formação de coleções de carácter institucional. Por outro lado, aqueles colecionadores também permitem identificar duas variáveis: as coleções constituídas com tempo, relacionadas com as vicissitudes das respetivas profissões (Coleção França e Coleção Brito) e as coleções reunidas com uma dimensão pública, no propósito das obras virem a configurar museus, apesar de se manterem na propriedade privada (Coleção Berardo e Coleção Cachola).

O tema do colecionismo privado é de grande atualidade no contexto internacional. No nosso país, carecem estudos sistemáticos sobre o assunto, pelo que este livro constitui um contributo relevante para os que desejam aprofundar este domínio (da sinopse da contracapa).

Adelaide Duarte (n. 1974) é coordenadora executiva da pós-graduação Mercado da Arte e Colecionismo na Universidade Nova de Lisboa, com a primeira edição no ano letivo de 2016-2017. Professora auxiliar convidada e investigadora de pós-doutoramento, com bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. Membro integrado nos grupos de investigação Museum Studies: Art, Museums and Collections e Art in the Periphery. Doutoramento em Museologia e Património Cultural (2012) sobre colecionismo privado de arte moderna e contemporânea em Portugal, na Universidade de Coimbra. Desenvolve investigação sobre a formação de coleções, privadas e institucionais, a partir da coleção do Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves. Vice-Presidente da Associação Amigos do Museu Nacional de Arte Contemporânea-Museu do Chiado e responsável pelo Ciclo Colecionar Arte. Conversas a partir de coleções particulares. Mestrado em Museologia e Património Cultural (2005), e licenciatura em História, variante de História da Arte (1998) na Universidade de Coimbra. Tem participado em conferências e colóquios, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, e Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

9 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – COLECIONAR NO SÉCULO XX
18 | Contextualização historiográfica do tema
44 | Colecionar no século XX: o sistema da arte moderna e contemporânea
80 | Colecionar arte moderna e contemporânea em Portugal: entre o domínio público e o privado

117 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO
120 | José-Augusto França, a coleção de um crítico e historiador da arte (Tomar)
166 | Manuel de Brito, a coleção de um marchand e galerista (Oeiras)
210 | José Berardo, a coleção de um investidor (Sintra, Lisboa)
255 | António Cachola, a coleção de um empresário (Elvas)

297 | CONCLUSÃO

305 | Notas
389 | Siglas
391 | Fontes e bibliografia
419 | Índice remissivo
427 | Agradecimentos

Novo livro da colecção “Estudos de Museus” é sobre a história do Museu Nacional Machado de Castro

Museu Machado de Castro capa do livro

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) é o quinto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Duarte Manuel Freitas apresentada à Universidade de Coimbra em 2015 (orientação de Irene Vaquinhas e Regina Anacleto).

Será lançado no próximo dia 28 de Outubro (sexta-feira) no Museu Nacional Machado de Castro, pelas 18h00. A apresentação do livro ficará a cargo de Alice Semedo (Universidade do Porto).

“Neste livro estudam-se as transformações ocorridas no complexo arquitetónico que acolhe o Museu Nacional de Machado de Castro desde o seu nascimento, em 1911, até à elevação ao estatuto de museu nacional, em 1965.

A análise das fontes coligidas permite apresentar as diferentes conceções museológicas dos diretores do museu, identificar as premissas da adaptação de um antigo paço episcopal a espaço museológico e compreender os ditames do polémico processo de anexação da igreja de São João de Almedina.

O livro destaca o surgimento e a integração no discurso expositivo de preexistências da civitas aeminiensis e dos tempos medievos, discrimina os procedimentos de incorporação de elementos arquitetónicos provindos de outras edificações, salienta a posição do espaço museológico no âmbito do plano de obras da cidade universitária e evidencia o almejado equilíbrio da dualidade museu/monumento, procurado a partir da década de 1950.

As respostas obtidas a partir deste trabalho levam ao enaltecimento do Museu Nacional Machado de Castro no panorama museológico português, constituindo-se numa verdadeira sobreposição de diferentes memórias edificadas ao longo de dois mil anos de história, bem como num escaparate salvífico de elementos arquitetónicos provindos de outros contextos que a cidade de Coimbra viu, aos poucos, desaparecer.” (sinopse do livro)

Duarte Manuel Freitas é natural de Câmara de Lobos (ilha da Madeira). Doutor em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) e pós-graduado em Museologia e Património Cultural na mesma instituição. Membro integrado do Centro de História da Sociedade e da Cultura da FLUC e do Centro de Estudos de História Empresarial da Universidade Autónoma de Lisboa (UAL). Exerceu funções de professor do ensino básico, secundário, profissional e universitário. Na atualidade é professor auxiliar do Departamento de História, Artes e Humanidades da UAL. Tem participado em diversos projetos e redes de investigação no âmbito da Museologia, da Didática da História, da História Económica e Social e da História das Empresas, em particular das instituições financeiras. Com a investigação que ora se publica venceu o Prémio Victor de Sá de História Contemporânea (2015) e o prémio (ex aequo) da Associação Portuguesa de Museologia, na categoria de “Melhor Estudo Sobre Museologia” (2016).

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira e Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial.

****

Índice

Introdução

Cap. I O museu na sua anamnesis: contextos internacional e nacional
Do “templo das musas” ao “templo das massas”: génese e evolução do conceito de museu
Criação de espaços museológicos em edifícios preexistentes
Critérios de intervenção em monumentos arquitetónicos
Entre “Saúde e Fraternidade” e “A Bem da Nação”: as cambiantes ideológicas e pragmáticas do panorama museológico português (1911-1965)

Cap. II Os diretores do Museu Machado de Castro: entre vidas e conceções museológicas
António Augusto Gonçalves (1848-1932), o fundador
Vergílio Correia (1888-1944), o arqueólogo
Um museu sem diretor: o papel fundamental de António Nogueira Gonçalves (1944-1951)
Luís Reis Santos (1898-1967), o historiador de arte

Cap. III Museu Nacional de Machado de Castro: uma sobreposição de memórias
Civitas Aeminiensis
Faces medievas
Rinascere

Cap. IV De um palácio episcopal se fez um museu (1912-1929)
Largo de São João, 1912: um paço episcopal em “tempo de vésperas”
Primeiras obras de adaptação e de beneficiação do Museu Machado de Castro
A “problemática” (da) igreja de São João de Almedina

Cap. V Uma “caixa de surpresas” (1930-1950)
O “despertar” das preexistências
Aplicações arquitetónicas de salvaguarda patrimonial
Demolir, adicionar e reparar o existente
Sob a tutela da DGEMN

Cap. VI Consolidação da dualidade museu/monumento (1951-1965)
Um novo ciclo de obras
A etapa reformadora em números
Uma solução para a Capela do Tesoureiro

Conclusão
Notas
Siglas e acrónimos
Fontes e bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

Novo volume da colecção Estudos de Museus é dedicado aos museus e à diversidade cultural

Muito em breve!

“Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos” é o quarto volume a ser lançado no âmbito da colecção “Estudos de Museus”, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Ana Carvalho apresentada à Universidade de Évora em 2015.

Será lançado no próximo dia 20 de Setembro (terça-feira) no Museu Nacional de Etnologia, pelas 18h00. A apresentação do livro ficará a cargo de José Manuel Sobral (Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa).

“Na Europa a realidade sociodemográfica das cidades tem vindo a mudar substancialmente nas últimas décadas devido à intensificação dos fluxos migratórios e dos efeitos da globalização. Hoje os espaços urbanos são cada vez mais multiculturais, evidenciando diferentes expressões culturais, mas também tensões várias. Como podem os museus contribuir para a discussão sobre diversidade cultural e migração? Que políticas museológicas desenvolvem em torno da diversidade cultural e do diálogo intercultural? Que contributos e iniciativas promovem?

Este livro explora as relações que os museus estabelecem com comunidades e grupos associados à imigração, a partir de três estudos de caso: o Museum of World Culture (Suécia), o World Museum Liverpool (Reino Unido) e o Museu Nacional de Etnologia (Portugal). A autora analisa as estratégias desenvolvidas com as comunidades e grupos numa dupla perspectiva, por um lado, enquanto participantes na construção de narrativas contemporâneas sobre património cultural (material e imaterial) e identidade e, por outro lado, enquanto públicos locais no contexto de estratégias de captação de públicos diversos. Uma abordagem histórica dos percursos e contextos institucionais de cada um dos museus revelou as suas especificidades e diferenças, enquanto o balanço comparativo perspectivou problemas e motivações partilhados.

Os museus etnográficos estão entre os museus que mais desafios têm enfrentado nas últimas décadas e onde o tema da diversidade cultural interpela de forma transversal as várias frentes de actuação – desde as colecções, à documentação e investigação, às exposições, ao envolvimento de públicos e comunidades, à deontologia, à gestão e ao financiamento. Como demonstra esta obra, a contemporaneidade convoca mudanças significativas na forma como os museus se organizam e no fortalecimento da sua função social.”

Ana Carvalho é doutorada em História e Filosofia da Ciência – especialização em Museologia – e Mestre em Museologia pela Universidade de Évora. Publicou Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas (Colibri, 2011) e organizou a publicação digital Participação: Partilhando a Responsabilidade (Acesso Cultura, 2016).

É autora do blogue No Mundo dos Museus e editora do boletim do ICOM Portugal. É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, juntamente com Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva.

Actualmente é investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora, com uma bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), e membro da equipa da Cátedra UNESCO em Património Imaterial da mesma Universidade. A autora investiga as implicações das orientações da UNESCO para o Património Cultural Imaterial no contexto das políticas nacionais e locais, em particular a partir da perspectiva dos museus.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados três volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho e Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por um representante da Caleidoscópio e da Direção-geral do Património Cultural e por académicos de várias universidades portuguesas.

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial. Poderá ser adquirido online via Wook: https://www.wook.pt/livro/museus-e-diversidade-cultural–ana-carvalho/18868052 ou Bertrand: http://www.bertrand.pt/ficha/museus-e-diversidade-cultural-?id=18868052

****

ÍNDICE

Introdução

Museus, multiculturalismo, interculturalidade e diversidade cultural
Do multiculturalismo à interculturalidade
Diversidade cultural, acessibilidade e participação
Museus e imigração
Práticas museológicas e diversidade cultural: um balanço

Colecções etnográficas e diversidade cultural
De curiosidades a objectos etnográficos
Museus etnográficos na Europa pós-colonial

Museum of World Culture
Um novo museu para Gotemburgo
Fim de um ciclo
Um museu de outro tipo
Estratégias para a diversidade
Públicos: Mais e diversos
Exibindo a diversidade através da multivocalidade
Imigração: Tópico da cultura do mundo
Mudança Social
Participação local: uma rede de embaixadores
Colecções e imigrantes
Património imaterial: memória e identidades
Um museu em transição

World Museum Liverpool
Liverpool, desenvolvimento e museus
World Museum Liverpool, um museu multidisciplinar
Diversidade na agenda nacional: investimento e instrumentalização
Diversidade: da periferia para o coração dos museus

Museu nacional de Etnologia
De Museu de Etnologia do Ultramar a Museu Nacional de Etnologia
Uma exposição permanente: O Museu, Muitas Coisas
Abordagens à diversidade cultural no panorama museológico nacional
Diversidade cultural: O outro aqui tão perto

Diversidade cultural, da representação a novos públicos: resultados e conclusões

Siglas e Acrónimos
Fontes e Bibliografia
Agradecimentos
Notas
Índice remissivo

Como tornar um museu mais participativo: o exemplo britânico

no longer us and them

 No Longer Us and Them (Abril, 2016) apresenta os principais resultados do projecto britânico Our Museum: Communities and Museums as Active Partners (2012−2015). “Our Museum” juntou sete museus de diferentes tipologias e geografias com um objectivo comum: iniciar um processo de mudança organizacional que permitisse que as práticas participativas se tornassem parte integrante da vida desses museus, que fossem sustentáveis e que as comunidades fossem envolvidas no processo de decisão, não apenas em exposições e eventos, mas em todos os aspectos do trabalho em museus.

Em 2011, um estudo prévio (Whose Cake is it Anyway?) havia concluído que apesar dos desenvolvimentos nesta área, o envolvimento das comunidades e a participação nos museus do Reino Unido era ainda uma actividade periférica e as comunidades tidas como beneficiárias passivas em vez de parceiros activos. Partindo destas constatações, “Our Museum” propôs integrar a participação nos museus através de uma abordagem integrada que implicasse uma mudança organizacional e também alterações no modo como os profissionais trabalham. No essencial, o projecto pretendeu atribuir às comunidades um agenciamento efectivo, ou seja, a possibilidade de participarem e colaborarem de forma regular no diálogo e no processo de decisão.

Nesta publicação encontramos a síntese das aprendizagens do projecto. Apresentada de forma simples e clara, a publicação tem uma componente muito prática, indicando exemplos de como tornar um museu participativo numa perspectiva integrada e de longo termo. Este é provavelmente o projecto mais interessante dos últimos tempos, colocando o enfoque no envolvimento dos grupos e comunidades nos museus.

Leia ainda neste blogue a entrevista (em português) com Piotr Bienkowski, director do projecto “Our Museum”: https://nomundodosmuseus.hypotheses.org/7137

 

 

Relevância: um novo mantra para os museus

the art of relevance

The Art of Relevance é o mais recente livro da americana Nina Simon, que é também a autora do muito citado The Participatory Museum (2010). Simon é desde 2011 directora do Santa Cruz Museum of Art & History na Califórnia (Estados Unidos). É a autora do blogue “Museum 2.0“.

Este livro é uma espécie de caderno de notas que dá conta da sua reflexão acerca das experiências que, nalguns casos, têm sido implementadas no Santa Cruz Museum of Art & History no sentido de tornar aquele museu relevante para mais pessoas. O mesmo museu que em 2011 quase fechou as suas portas pelo facto de ser tornado irrelevante para a população de Santa Cruz.

Mas não é só de museus que a autora fala, nem os exemplos se restringem ao museu de Santa Cruz que Simon dirige. Muitas das situações citadas são experiências que vêm da sua vida quotidiana ou casos que tem observado ao longos dos anos noutras áreas culturais e na sociedade em geral. Talvez seja por isso que a sua escrita é tão cativante e refrescante.

Através de uma escrita clara e assertiva, Simon defende que a relevância é a chave para criar ligações profundas com aqueles que não se identificam num primeiro momento com o trabalho que os museus desenvolvem. “I believe relevance is the key to a locked room where meaning lives. We just have to find the rigth keys, the rigth doors, and the humility and courage to open them”, sublinha a autora.

Nina Simon tem sido uma grande influência no mundo dos museus pela sua capacidade de traduzir a retórica para a prática. A forma como transformou o Santa Cruz Museum of Art & History é um caso inspirador para muitos (onde também eu me incluo), provando que sim, é possível tornar um museu mais relevante, mais próximo das pessoas e trabalhando activamente com as pessoas. É esta perspectiva de noção da função social dos museus que me inspira.

****

Índice

Preface by Jon Moscone

Introduction: Unlocking Relevance

PART 1: WHAT IS RELEVANCE?
A Walk on the Beach
Meaning, Effort, Bacon
Something Old, Something New
Two Delusions about Relevance
A Note on Irrelevance

PART 2: OUTSIDE IN
People Who Don’t Normally Show Up
Start at the Front Door
Some Doors Are Invisible
Dumbing it Down
Whose Room is This?
The People in the Room
Go Outside
Inside-Outsiders
Otherizing Outsiders
Outsider Guides
Outside Institutions
Making Room

PART 3: RELEVANCE AND COMMUNITY
How Do You Define Community?
Finding Your People
Wants and Needs
Needs and Assets
Community-First Program Design
Relevance for One
Relevance for Everyone
Build a Door or Change the Room?
Building a Bigger Room

PART 4: RELEVANCE AND MISSION
Steady in the Storm
A Hunt for Relevance
Relevance is a Moving Target for Institutions
Relevance is a Moving Target for Content
You Can Make Boring Things Relevant
The Ugliest Painting on the Block
Proactive Relevance
Content versus Form
Old Plays, New Forms, New Audiences
Co-Creating Relevance
Getting Past the Pretty Fish
One Core, Many Doors

PART 5: THE HEART OF RELEVANCE
Part Ex-Con, Part Farmer, Part Queen
Measuring Relevance
Transformative Relevance
Empathetic Evangelists
A Great Treasure

Index of Projects and Places
Acknowledgements
About the Author

Museus e Criatividade é tema do novo volume da colecção Estudos de Museus

Criatividade nos Museus

O livro Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, da autoria de Inês Ferreira, é o terceiro volume publicado no âmbito da coleção Estudos de Museus, que tem a chancela da Direção-Geral do Património Cultural e da editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento da autora na Universidade do Porto (orientação de Alice Semedo).

O lançamento é no dia 7 de Julho, pelas 18h30, no Museu Nacional Soares dos Reis (Porto). A apresentação do livro ficará a cargo de Elvira Leite.

“O espaço entre o visitante e o objeto exposto num museu é, potencialmente, criativo; porém, esse potencial parece estar pouco explorado em muitos museus. Este livro discute a relevância da criatividade no contexto dos museus e analisa em detalhe a forma como está presente e pode ser potenciada no contexto específico do encontro entre o visitante e os objetos expostos.
A investigação que deu origem a este livro contribuiu para perceber melhor o processo criativo de encontro entre o visitante e os objetos expostos num museu e entender que estratégias e ferramentas podem ser usadas para potenciar a criatividade nesse encontro. Os resultados comprovam que museus de qualquer tipologia ou dimensão podem potenciar a criatividade no espaço entre o visitante e os objetos, nomeadamente através do recurso a elementos de mediação. A contextualização feita pode desafiar os museus a criarem políticas que facilitem a criatividade a nível transversal, enquanto sistema, ou projetos que a potenciem em áreas de atuação concretas. Este livro propõe assim uma contextualização teórica relevante para abrir caminho a práticas museológicas mais criativas e potenciadoras de criatividade.”

Inês Ferreira (Porto, 1969) é Doutorada em Museologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Mestre em Museum and Gallery Management pela City University, Londres e licenciada em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Desenvolveu trabalho em diversos museus no Porto – Museu do Vinho do Porto, Galeria Municipal, Museu do Carro Elétrico, Museu Nacional de Soares dos Reis – nomeadamente na área do serviço educativo. É autora e coautora de diversos materiais de apoio ao visitante produzidos para o Museu Nacional de Soares dos Reis, Museu do Carro Elétrico e Museu de Lamego. Tem publicado e apresentado trabalhos de investigação com regularidade em congressos e seminários na área da cultura e da museologia, em Portugal e no estrangeiro. Foi bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia em 2015 e é investigadora do Centro de Investigação CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória»  da Universidade do Porto. É técnica superior da Câmara Municipal do Porto desde 2006, exercendo atualmente funções de adjunta da vereação.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Dois volumes foram já publicados este ano, o primeiro, da autoria de Joana Baião, foi dedicado a José de Figueiredo pelo seu papel na história da arte e nos museus, em particular no Museu Nacional de Arte Antiga (veja-se post anterior). O segundo volume, da autoria de Clara Frayão Camacho, tem por tema as redes de museus e a credenciação (veja-se post anterior). O comité editorial da colecção é constituído por representantes da Caleidoscópio, da Direção-geral do Património Cultural e de várias universidades portuguesas. Ainda para este ano está prevista a publicação de mais três volumes.

 

****

Índice 

7 | Introdução
13 | Posicionamento
15 | Do Problema ao Projeto de Investigação
43 | Enquadramento
45 | Conceitos e Contextos
78 | Ferramentas para Promover e Exercitar a Criatividade
101 | Criatividade no Museu
173 | Trabalho de Campo
175 | Estrutura e Metodologia
197 | Criatividade no Museu – Representações dos Profissionais
251 | Criatividade no Museu – Representações dos Visitantes
301 | Espaços Entre e Elementos de Mediação
343 | Conclusões
346 | Síntese e Sugestões para Trabalho Futuro
374 | Epílogo
380 | Notas
385 | Referências
399 | Índice Remissivo
407 | Agradecimentos

Um ferramenta para o diálogo intercultural

Intercultural

Imagem da exposição “7 mil milhões de outros” (Museu da Electricidade)

Tanguay, Pierre, Hannelore Franck, Yasmine Heynderickx, e Anaïs Masure. 2014. A Intercultural Tool for Museums. 37 páginas. Disponível online.

A Intercultural Tool for Museums é uma grelha de análise concebida para ajudar investigadores e profissionais do sector do património e dos museus no planeamento de iniciativas para o envolvimento de diferentes comunidades, visando o diálogo intercultural.

Esta ferramenta foi criada por uma equipa multidisciplinar de investigadores da Universidade do Quebeque (Montreal, Canadá) e da Universidade de Antuérpia (Bélgica) sob a coordenação de Bruno Verbergt and Yves Bergeron. Foi inspirada no programa de cidades interculturais do Conselho da Europa e resulta de um estudo comparativo de quatro museus de cidade em três países: Montreal History Centre (Canadá), MAS | Museum aan de Stroom (Bélgica), STAM | Ghent City Museum (Bélgica), e Museum Rotterdam (Holanda). O estudo analisou a performance destes museus no âmbito da promoção do diálogo intercultural. Que estratégias desenvolvem para promover o diálogo intercultural? Como é entendido o seu papel? Que programas e iniciativas são planeadas e como se enquadram nas políticas mais alargadas da cidade/país? Que competências interculturais? – foram algumas das questões de partida do estudo.

A grelha compreende três níveis de análise, que de uma forma transversal dão enfoque a aspectos de planeamento estratégico e de governança, assim como a aspectos relativos à programação (colecções, exposições, educação, e ainda competências). Um primeiro nível diz respeito a um enquadramento mais alargado do museu/instituição no contexto onde se insere (contexto sócio-demográfico; quadro político de âmbito local, regional, nacional, ou internacional; panorama das instituições congéneres e afins com possível mandato nesta área, seja como parceiros ou concorrentes; contexto de governança – outros actores aos quais o museu responde). O segundo nível corresponde ao museu/instituição propriamente dito, sendo analisada a forma como se posiciona na sociedade (que visão, missão, valores, recursos, estrutura, programação, colecções, públicos) e qual o perfil da sua abordagem quanto à promoção da interculturalidade. Um terceiro nível refere-se à análise dos projectos desenvolvidos: que objectivos, que resultados internos e externos, que impacto?

A Intercultural Tool for Museums é apresentada como uma ferramenta que pode ser aplicada em qualquer tipo de museu ou instituição ligada ao património que pretenda desenvolver projectos com diferentes comunidades.

Luís Efrem Elias Casanovas e a conservação preventiva

Conservação Preventiva e Preservação das Obras de Arte

Casanovas, Luís Efrem Elias. 2008. Conservação Preventiva e Preservação das Obras de Arte. Lisboa: Edições Inapa e Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. 231 páginas, ISBN: 9789727971817.

Luís Efrem Elias Casanovas (1926-2014). Das suas aulas de conservação preventiva no mestrado em museologia da Universidade de Évora recordo sobretudo o seu sentido crítico de olhar os problemas, a paixão que deixava transparecer e o espírito de missão. Casanovas teve um papel fundamental no desenvolvimento da conservação preventiva. Os seus contributos, em parte, estão reflectidos na investigação que desenvolveu. Por isso, o destaque para a Conservação Preventiva e Preservação das Obras de Arte (2008), publicação que resultou da sua tese de doutoramento na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. O livro «coloca questões pertinentes sobre os princípios basilares da Conservação Preventiva, num esforço de constante avaliação e crítica que a preservação de objectos culturais requer», como sublinhado por Salomé de Carvalho na recensão crítica que fez desta obra (Estudos de Conservação e Restauro, n.º 1, 2009, p.158).

UNESCO, Património Cultural Imaterial e Museus

capa museus e pci

 

Porque falamos hoje de Património Cultural Imaterial? No momento em que Portugal acaba de receber da UNESCO uma distinção relativamente ao Cante Alentejano, colocando-o na lista de manifestações culturais de carácter universal (é já a terceira, depois do Fado e da Dieta Mediterrânica), faz sentido voltar a fazer referência ao livro “Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias Para o Desenvolvimento de Boas Práticas” (2011, publicado pela Universidade de Évora e pelas edições Colibri, com o apoio da Fundação para a Ciência a Tecnologia).

Este livro esclarece sobre a importância que a salvaguarda do Património Cultural Imaterial tem vindo a assumir nas políticas culturais na sequência do trabalho desenvolvido pela UNESCO, muito particularmente com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003). São vários os agentes envolvidos na preservação deste património, nomeadamente os museus. Mas para responder a este repto, os museus terão que repensar as suas estratégias de forma a relacionar-se mais com esta dimensão do património, contrariando uma longa tradição profundamente enraizada na cultura material. Este estudo reflecte sobre as possibilidades de actuação dos museus no sentido de dar resposta ao desafios da Convenção de 2003, sendo certo que a partir das actividades dos museus é possível encontrar formas de estudar e de dar visibilidade ao património (material e imaterial).

«Consideramos o livro de Ana Carvalho uma obra oportuna e de utilidade para nos inteirarmos do reconhecimento institucional e legal do denominado Património Cultural Imaterial (PCI) e do domínio da ação patrimonial que se lhe associa (ultrapassando tendencialmente o campo de investigações de antropólogos e de sociólogos) e que, entre múltiplos questionamentos, se tem convencionado, como no caso português, reportar principalmente aos museus. […]
[…] este livro serve também para nos ajudar a analisar e a refletir criticamente sobre a relação da instituição museal com o património – sabendo-se que poucos dispõem dos recursos necessários à interação com as comunidades, autênticas protagonistas das manifestações culturais e detentoras do património cultural a salvaguardar – num desejável sentido vivenciado e na ótica da sua transmissão ativa, que verdadeiramente possa contribuir para a diversidade e a criatividade cultural.» (Graça Filipe)

«A autora avança com uma exposição realista das dificuldades que acometem muitos museus e que não favorecem a atuação pretendida em relação ao PCI, das quais destacamos: a ausência de uma alusão ao PCI na missão da maioria dos museus, resultado de um trabalho tradicionalmente centrado nas coleções; os recursos humanos, técnicos e financeiros limitados; risco de cristalização de um património por natureza, vivo e dinâmico, pela sua sujeição a procedimentos técnicos de inventário já normalizados mas vocacionados para bens materiais; necessidade de formação específica; e recorrência da distância entre os museus e as comunidades […]» (Ana Botas, in revista MIDAS)

«Cet ouvrage est très utile pour donner à la fois l’histoire et le contenu de tout le mouvement relativement récent (années 2000) de prise en compte du patrmoine immatériel dans la définition du patrimoine global des territoires et des populations et dans les pratiques des musées. Ana Carvalho y présente à la fois la “doctrine” de l’Unesco et des organisations internationales, et sa mise en pratique au Portugal.» (Hugues de Varine, 2012)

No blogue sobre o livro encontra acessível o texto de introdução do livro, entre outras informações: http://pcimuseus.wordpress.com/

O livro pode ser adquirido directamente através do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora (Madalena Freire: mvfreire@uevora.pt). O livro está também disponível para venda nas lojas dos museus nacionais ou por via das edições Colibri, da Bertrand, da Almedina, da Wook (livraria portuguesa online, grupo Porto Editora), entre outras.

****

ÍNDICE

Resumo
Abstract
Agradecimentos
Prefácio, por João Carlos Brigola
Apresentação, por Filipe Themudo Barata
Lista de Abreviaturas
Introdução

Capítulo I – Contribuições da UNESCO para a Protecção do Património Cultural Imaterial

1.1 – As Primeiras Décadas de Reflexão
1.2 – A Recomendação para a Salvaguarda da Cultura Tradicional e do Folclore
1.3 – Acções da UNESCO após a Recomendação de 1989
1.3.1 – O Programa Línguas em Perigo no Mundo
1.3.2 – O Programa Tesouros Humanos Vivos
1.3.3 – Proclamação das Obras-Primas do Património Oral e Imaterial da Humanidade
1.4 – Propriedade Intelectual e Direitos de Autor
1.5 – Elaboração de um Novo Instrumento Normativo
1.6 – A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Capítulo II – Portugal: Enquadramento Normativo e Institucional em matéria de Património Cultural Imaterial

2.1 – Legislação Nacional sobre Património Cultural Imaterial
2.2 – Instituições e Tutelas
2.3 – Ratificação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Capítulo III – Os Museus e o Património Cultural Imaterial – que estratégias

3.1 – Orientações do ICOM
3.2 – Dificuldades e Potencialidades
3.3 – Que Museus?
3.4 – Qual o Papel dos Museus?
3.5 – Inventário e Documentação
3.5.1 – Que Tipologias de Inventários?
3.5.2 – O Papel da História Oral
3.6 – Investigação
3.7 – Exposições
3.8 – Educação
3.9 – Novas tecnologias

Conclusão
Bibliografia

Les vocabulaires locaux du «patrimoine»

Les vocabulaires locaux

Bondaz, Julien, Florence Graezer Bideau, Cyril Isnart, e Anais Leblon, eds. 2014. Les Vocabulaires Locaux Du “Patrimoine” Traductions, Négociations et Transformations. Wien; Zürich; Berlin; Münster: Lit Verlag. 228 páginas. ISBN 9783643801791.

O livro, Les Vocabulaires Locaux Du “Patrimoine” Traductions, Négociations et Transformations, publicado recentemente, resulta de um colóquio internacional com o mesmo título realizado na Universidade de Évora em Fevereiro de 2012. Encontra um pequeno balanço sobre o colóquio neste blogue  e mais informação sobre o mesmo aqui.

O livro surge por iniciativa da Respatrimoni, uma rede internacional de investigadores dedicada à patrimonializaçao (Network of Researchers on Heritagisations/Réseau des chercheurs sur les patrimonialisations) e que assume uma abordagem pragmática e crítica da noção de património universal difundido pela UNESCO, incluindo o recente enfoque para o Património Cultural Imaterial. O livro também reflecte esse posicionamento. No total, a publicação inclui onze textos de investigadores de diferentes geografias e áreas disciplinares (sobretudo a antropologia, mas também a linguística, a arquitectura, a história da arte).

O objectivo central da obra é comparar no panorama internacional, ainda que se assuma à partida como sendo parcial, as variações (na sua diversidade) da utilização de vocabulários e usos locais relativamente ao “património”, assim como a sua relação com as instituições internacionais (p. ex. UNESCO, ICOM, ICOMOS) e os seus normativos reguladores. Pretende-se, segundo os editores, desconstruir ou ultrapassar a ideia de que o campo do “património” corresponde a algo de carácter homogéneo, contínuo e globalizado.

Le souci du « patrimoine » constitue aujourd’hui une activité universelle dont la diffusion est soutenue par les grandes organisations internationales. Elle produit chaque jour de nouveaux espaces de contacts entre les doctrines occidentales et le reste du monde. Mais que sait-on au juste des terminologies et des pratiques de conservation qui fonctionnent en dehors des canons occidentaux ? Ce livre s’attache à décrire et comparer les vocabulaires indigènes du « patrimoine », en montrant la diversité des conceptions locales et leur dialogue avec les politiques internationales. Se révèlent ainsi les ajustements et les oppositions linguistiques et pratiques que les acteurs activent, depuis leurs propres lieux, pour distinguer ces biens singuliers que nous appelons « patrimoine ».

O livro está disponível para venda em: http://www.lit-verlag.de/isbn/3-643-80179-1

Sobre esta linha de problematização da noção de património veja-se, ainda, o dossier especial da revista Civilisations: “Au-delà du Consensus Patrimonial: Résistances et Usages Contestataires du Patrimoine” (2012) em: http://civilisations.revues.org/3096 (acesso condicionado).

****

Table des matières

Remerciements

Relocaliser les discours sur le «patrimoine»
Julien Bondaz, Florence Graezer Bideau, Cyril Isnart et Anaïs Leblon

Words for Expressing What We Care About The Continuity and the Exteriority of the Heritage Experience
Jean-Louis Tornatore

Reviving the Disagreement: A Debate on the Terminology of Intangible Cultural Heritage and the UNESCO 2003 Convention in the Arab World
Ismail Ali El-Fihail

Transformation et histoire pluriculturelle d’un patrimoine. L’exemple des collections africaines en France
Manuel Valentin

Subtiles divergences. Le patrimoine carioca entre «paisagem cultural» et «paysage culturel»
Véronique Zamant

Le transfert d’un standard international. Le patrimoine culturel immatériel vu par la France
Chiara Bortolotto

«Traditions vivantes», une catégorie bonne à penser ? Le cas de la Suisse
Florence Graezer Bideau

Une histoire de patrimoine à l’indonésienne. Le cas du wayang golek sundanais (Java Ouest)
Sarah Anaïs Andrieu

Du «PCI» au «finaa tawaa». Ethnographie d’une traduction patrimoniale
Anaïs Leblon

Manifold “Barter”: Heritagization of Economic Exchange in the Argentinean Andes
Olivia Angé

Représentations linguistiques dans deux régions de Suisse romande (Jura et Valais). De la pratique du parler à la mise en patrimoine
Federica Diémoz et Aurélie Reusser-Elzingre

Les Auteurs

Actas “O Futuro dos Museus Universitários em Perspetiva”

Capa do livro

Semedo, Alice, Elisa Noronha Nascimento e Rui Centeno. coord. 2014. Atas do Seminário Internacional «O Futuro dos Museus Universitários em Perspetiva». Porto: Universidade do Porto. 233 páginas, ISBN 978-989-8648-23-5. Disponível aqui: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/12476.pdf

A Universidade do Porto acaba de publicar as actas (formato digital) do seminário internacional «O Futuro dos Museus Universitários em Perpetiva» que se realizou a 28 e 29 de Novembro de 2014 no Salão Nobre da Reitoria da universidade  (veja o call for papers num post anterior).

Entendida a crise em que vivemos num tempo mais longo, esta foi a oportunidade para reflectir sobre os problemas que os museus universitários enfrentam e que na universidade do Porto já vinham a ser debatidos entre alunos, professores e profissionais dos próprios museus da universidade. A discussão abriu-se à comunidade de profissionais e investigadores extra universidade do Porto e os contributos incluídos nestas actas reflectem isso mesmo.

A palavra crise tornou-se constante em nosso tempo. Seu significado aponta para tensões e conflitos, assim como desafios a serem enfrentados. No entanto, o termo “crise”, em condições genéricas, tem sido acompanhado de ambivalências e, normalmente, onde encontramos “crise” ansiamos ver também soluções para a mesma. A esperança de superação do momento da crise é sempre objetivo desejável e propõe investigação, análise e reflexão, para, a seguir, praticar as soluções em busca de momentos menos tormentosos e mais estáveis. (Lúcia Glicério Mendonça)

Alguns dos problemas que afectam os museus universitários não são diferentes dos  museus de outras tipologias, como ficou patente na leitura destas actas: a necessidade de manter as colecções preservadas, de as inventariar, documentar, estudar, de promover a sua acessibilidade, de as comunicar melhor e aprofundar (ou mesmo encetar) interacções com a sociedade (p. ex. programação); No diagnóstico traçado acrescem, ainda, os fracos recursos humanos e financeiros, tendo sido sublinhado que este é um sector pouco financiado, provavelmente quando comparado com outro tipo de museus ou colecções.

O que se destacou, na minha perspectiva, e que tem a ver com as especificidades deste tipo de museus é o desafio de integrar a actividade destes museus no quotidiano das suas universidades e nas respectivas estruturas, pois, na maioria dos casos, têm um papel e posicionamento marginal (quase invisível). A criação de redes interdisciplinares foi uma das ferramentas enunciadas (é hoje uma palavra-chave no mundo dos museus).

Um outro desafio remete para a captação de mais e diversos públicos. Sendo que este é um objectivos de qualquer museu, os museus universitários não só se debatem para captar aqueles que poderão ser os seus públicos imediatos – os estudantes, pela proximidade (estão dentro da instituição) e pelo potencial das colecções para a construção e transmissão de conhecimentos, – estes museus debatem-se, ainda, pela captação de públicos que se encontram fora da instituição. Os turistas foram apontados como um desses potenciais públicos, embora tenha ficado claro que não existem estratégias neste sentido.

A iniciativa de publicar as actas é importante, diria mesmo imprescindível, se não nos moldes tradicionais de impressão então que se faça no formato digital como aconteceu neste caso. A edição das actas poderia ter sido objecto de maior cuidado, que creio terá a ver como a urgência dos processos. Particularmente interessante foi a introdução de mapas conceptuais sobre cada uma das comunicações/textos incluídos nestas actas.

****

CONTEÚDOS

Apresentação, Lúcia Glicério Mendonça

Coleções Universitários e o Processo de Construção e Transmissão do Conhecimento

Museu de Ciência da Universidade do Porto: Transmissão, Produção e Difusão do Conhecimento, Luís M. Bernardo

O Museu da Universidade de Aveiro: Coleções, Investigação e Herança Patrimonial, Ana Bela de Jesus Martins e Ana Cristina Fernandes Cortês Justino

Primeiro passo: Documentar as Coleções, Alexandre Matos

A implementação de um Plano de Conservação Preventiva para o Acervo da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, Alice Nogueira Alves, Marta Frade e Carlos Alcobia

Pintura do Acervo da FBAUL: uma Coleção para o Futuro, Luís Lyster Franco

Repensar a Missão dos Museus Universitários no Território

Repensar a Missão dos Museus Universitários no Território, Transcrição da Conferência de Paulo Cunha e Silva

Os Museus Universitários do Porto e a sua Integração no Turismo Cultural da Cidade, António Ponte e Rui Centeno

Museus Universitários: de Legisladores do Saber a Interpretes de Culturas, Lúcia Glicério Mendonça

Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo: Contextualizações e Processos, Elisa Noronha Nascimento

Museu Virtual FBAUL: Work in Progress para a Coleção de Pintura, Ana Mafalda Cardeira

‘DIY’ na Universidade do Porto: Instrumentos Científicos Fabricados Localmente, Marisa L. Monteiro, José Moreira Araújo e Luís M. Bernardo

Modelos de Gestão dos Museus Universitários

Museu FEUP: Estratégias e Métodos para a Gestão de Produtos do Conhecimento, Susana Medina

O Museu de Geologia Fernando Real e Perspetivas Futuras, Elisa Gomes, Ana Alencoão, Martinho Lourenço e Carlos Coke

Museus Universitários como Mediadores

Interseções: os Recursos Digitais no Contexto da Museologia Universitária, João Carlos Carvalho Aires de Sousa

Processo Criativo de investigação no Museu da FEUP, Maria van Zeller

Investigação e Curadoria nos Museus Universitários do Porto [Depósito (2007); Rescaldo e Ressonância (2009); Edifícios & Vestígios (2012)], Inês Moreira

Curadorias Compartilhadas: um Estudo sobre as Exposições Realizadas no Museu da Universidade Federal do Rio Grande do SUL (2002 a 2009), Maria Cristina Padilha Leitzke e Zita Rosane Possamai

Apêndices

Relatórios | Mapas Conceptuais, Inês Ferreira e Vanessa Nascimento Freitas

Notas Biográficas dos Autores

 

Museu de Arte Contemporânea de Serralves: Os Antecedentes, 1974−1989

Capa do livro

Oliveira, Leonor de. 2013. Museu de Arte Contemporânea de Serralves: Os Antecedentes, 1974-1989. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda e Instituto de História da Arte. 255 páginas, ISBN: 978-972-27-2104-2.

Esta publicação resulta da dissertação de mestrado em Museologia e Património apresentada em 2008 por Leonor de Oliveira e orientada por Raquel Henriques da Silva na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Esta publicação dá início à colecção Estudos de Museus, através de uma parceria entre a Imprensa Nacional-Casa da Moeda e o Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Leonor de Oliveira é investigadora do Instituto de História da Arte. Actualmente, prepara a sua tese de doutoramento sobre o papel da Fundação Calouste Gulbenkian na promoção das artes plásticas portuguesas entre 1956 e 1969.

Índice:

Agradecimentos
Abreviaturas
Apresentação
Introdução
Capítulo I – Contextualização – o surgimento tardio de museus de arte contemporânea em Portugal
Capítulo II – No ímpeto da revolução – as reivindicações por um museu para exibir arte contemporânea e a criação do Centro de Arte Contemporânea
Capítulo III – Do Museu Nacional de Arte Moderna  para o Museu de Arte Contemporânea de Serralves – o nascimento da ideia e a sua (longa) concretização
Conclusão
Bibliografia e Fontes
Anexos
Cronologia
Lista de Exposições CAC/Casa de Serralves

 

 

Conceitos-chave de Museologia

Imagem da capa da publicação Conceitos chave

 

 

Desvallées, André, e François Mairesse, eds. 2013. Conceitos-chave de Museologia. Tradução de Bruno Brulon Soares e Marilia Xavier Cury. ICOM. Armand Colin. ISBN: 978-85-8256-025-9.

A publicação electrónica, Conceitos-chave de Museologia apresenta uma selecção de 21 termos essenciais no campo da museologia. Publicada inicialmente em inglês, francês e espanhol (2010), chega agora a tradução para português pelo comité do ICOM Brasil e com o apoio do ICOM-PT.

Esta é, no entanto, uma versão resumida do Dictionnaire Encyclopédique de Muséologie (2011), publicado apenas em francês, e que  incorpora cerca de 500 termos museológicos.

O projecto para a criação de um dicionário remonta a 1993, com a criação de um grupo de trabalho no seio do Comité Internacional de Museologia do ICOM (ICOFOM), coordenado por André Desvallées. Pensado inicialmente como thesaurus, foi depois equacionado o formato de dicionário.

A importância de um dicionário para um melhor entendimento da profissão também foi discutida em Portugal. A intenção de criar um dicionário de museologia, na época a ser coordenado pela Associação Portuguesa de Museologia – APOM, foi referida por João Brigola em 2004, todavia o projecto não veio a ser desenvolvido.

A publicação está disponível no site do ICOM-PT.