Arquivo da Categoria: Caderno de campo

Equipas de Museus: Evolução ou Retrocesso?

equipas-de-museus

Imagem retirada daqui.

A crise tem sido a desculpa para todos os males. Nos museus estamos muito interessados em discutir a crise, entenda-se modelos de gestão e projectos-piloto. Não contesto que é preciso reagir, até porque a cultura é a primeira a sofrer quando se trata de reduzir orçamentos. De certa forma, o apoio à cultura sempre esteve em crise em Portugal, porque, convenhamos, nunca serão suficientes os recursos para alcançarmos uma verdadeira revolução no acesso à cultura num sentido mais lato e na democratização dos museus. Mas também me parece que nem sempre os recursos disponíveis têm sido canalizados da forma mais eficiente para alcançar esses mesmos desígnios. Acima de tudo porque temos falhado na definição daquelas que devem ser as prioridades das políticas museológicas. E a meu ver entre as prioridades estão as pessoas, num duplo sentido. As pessoas que trabalham nos museus e as pessoas para quem trabalhamos. Ou seja, as equipas de museus e os públicos.

Mas é das equipas que quero falar neste contexto. Sem equipas de museus não há museus, ou melhor dizendo não haverá projecto museológico ao serviço de, com cabeça, tronco e membros, que seja capaz de promover um serviço público satisfatório. São as equipas que fazem os museus. Parece uma afirmação à La Palisse, mas creio que ainda precisamos de a dizer repetidamente até que se entranhe verdadeiramente.

Estamos de facto muito interessados em discutir novos modelos de gestão a perseguir, somos os primeiros a querer mostrar que podemos fazer mais com menos e a apresentar um “kit de primeiros socorros para museus em tempo de crise”. Talvez por ingenuidade, talvez para mostrar perseverança ou empenho. Mas questiono-me sobre os limites dessa posição. Creio que há limites mínimos e muito se tem ultrapassado nos museus, não raras vezes à custa de entrega de cada um e até de recursos pessoais. E a pergunta é: fazer mais com menos mas à custa do quê e de quem?

Parece justo assumir que houve uma evolução do ponto de vista das equipas de museus, se pensarmos num tempo mais longo. O último estado da arte sobre o panorama museológico português mostrou alguns avanços do ponto de vista quantitativo de pessoal afecto a museus como da sua qualificação profissional em comparação com dados relativos a 2000.[1] No entanto, esses dados remetem para 2009 e a crise instalou-se duramente nos museus depois disso. Não há estudos actualizados e abrangentes que mostrem o real impacto da crise na redução das equipas e na precariedade dos vínculos de trabalho, mas tudo leva a crer que essas consequências são reais e tangíveis como me é dado a conhecer por testemunhos de colegas no sector e por algumas notícias (parcas) na comunicação social.

Rede Portuguesa de Museus

Em 2011 assistimos ao desmantelamento (pacífico) de uma equipa de seis pessoas que dava suporte à existência da Rede Portuguesa de Museus no seguimento de uma abordagem administrativa de aplicação de cortes cegos de cima para baixo. Não desapareceu a Rede, embora a sua acção depois disso se tenha transformado em algo residual ou praticamente invisível. Poderão ser várias as explicações para esta situação, mas o facto de ter desaparecido o seu corpo de pessoal e com ele o investimento de largos anos na formação desse pessoal, levou a que se tenha deitado por terra um projecto afirmado e de provas dadas.

Ainda em 2011 no âmbito da minha pesquisa de doutoramento via o desalento de um dos directores de um museu nacional quando confrontado com o facto de ter de dispensar técnicos que até aí asseguravam a coordenação de áreas de trabalho mas que eram impossibilitados de continuar pelas restrições impostas de não contratação. Para o museu isto significou começar do zero em várias áreas-chave, com consequências concretas para a amputação da sua acção.

Em Janeiro de 2016 foram divulgadas[2] algumas das conclusões de um relatório desenvolvido por um grupo de trabalho no seio da Direcção-Geral do Património Cultural (coordenado por Clara Frayão Camacho) que destacava as carências de pessoal nesta organização, nomeadamente o seu envelhecimento, abrangendo os museus nacionais e os palácios: 58% do pessoal tem mais de 50 anos e apenas 4% se situa no intervalo entre 25 e 34 anos, sendo expectável que até 2020 120 efectivos se aposentem. Outras notícias têm trazido a lume a dificuldade de vários museus nacionais em manterem salas de exposição abertas por falta de pessoal. A aposentação de profissionais e a sua não substituição devido ao bloqueio de entrada de técnicos na função pública é uma das problemáticas da situação crónica e paralisante em que (sobre)vivem muitos museus.

Uma outra dimensão é a precariedade de vínculos de trabalho. Recentemente, foi denunciada a situação de falsos recibos verdes num museu lisboeta em que um assistente de exposição alegadamente receberia 3 euros/hora.[3] A notícia é alarmante, mas lamentavelmente não surpreende. Sabemos da existência de outros casos de falsos recibos verdes mesmo para o cargo de directores de museu.

Uma outra situação irregular que me foi dada a conhecer por vários directores de museu é a contratação de profissionais para o lugar de recepção e acolhimento ao visitante com habilitações que vão para além dessa função, na expectativa de poderem desenvolver outras tarefas nos museus, ainda que auferindo pouco mais do que o salário mínimo. Esta situação é, não raras vezes, feita com a anuência das hierarquias, que vêem esta situação como a única forma de se fugir à rigidez e às limitações impostas pela não abertura de concursos públicos na função pública e a “oportunidade” para um profissional desenvolver uma actividade num museu. Embora desconcertante, dizia-me uma colega mais experiente a quem mostrava a minha indignação, que isto acontece sistematicamente nos museus há largos anos. Todavia, esta não deixa de ser uma pseudo oportunidade para estes profissionais, que ao fim de muitos anos poderão continuar a auferir o mesmo e não ter possibilidade de “actualizar” a sua situação, “migrando” para outro cargo e auferindo de acordo com o mesmo.

Portanto, não falamos apenas de problemas novos decorrentes da crise, mas de velhos problemas que permanecem a meu ver como um não assunto no sector. Porque se, por um lado, admitimos abertamente entre colegas, diga-se em contexto informal, estes e outros problemas relativos à precariedade e às condições de trabalho, dificilmente estes são tópicos transpostos para discussão na esfera pública. Parece haver entre os profissionais de museus e da cultura em geral uma relação difícil com a questão do dinheiro e com o reconhecimento da precariedade. Com frequência se diz, informalmente, que não estamos na cultura pelo dinheiro. Mas a verdade é que todos precisamos de sobreviver e acima de tudo viver com dignidade, para não falar das motivações. E os museus não são diferentes de outras organizações. Se, por um lado, tanto se tem evoluído em matéria de teorias motivacionais, esta questão parece passar ao lado dos museus e da função pública em geral, contexto que abrange a maioria dos profissionais de museus.

Com efeito, a crise tem sido a desculpa para que se aceitem pacificamente muitas irregularidades e a perda de direitos, e nesse sentido há um retrocesso tácito com consequências também para o crescimento e desenvolvimento das equipas de museus. No entanto, não creio que por si só a crise possa explicar a apatia e a paralisia em que vive o sector. Porque se, por um lado, somos capazes de identificar todas estas anomalias, interrogo-me até que ponto temos sabido debater e reivindicar estas problemáticas não só entre a comunidade profissional, como junto das instituições competentes e dos actores políticos.

Não temos visto do ponto de vista associativo estas matérias na agenda de uma forma mais proactiva, são poucos os exemplos de lideranças que dão a cara pelas suas equipas, nem tão pouco vemos os profissionais a tomarem uma posição ou a exigir soluções. O que é que isto nos diz?

Notas

[1] Neves, José Soares, Jorge Alves Santos, e Maria João Lima. 2013. Panorama Museológico em Portugal (20002010). Lisboa: Direcção-Geral do Património Cultural.

[2] Carvalho, Cláudia Lima. 2016. “Mais de Metade do Pessoal da DGPC tem mais de 50 anos.” Público, Janeiro 7. https://www.publico.pt/2016/01/07/culturaipsilon/noticia/mais-de-metade-do-pessoal-da-dgpc-tem-mais-de-50-anos-1719498

[3] “Falsos Recibos Verdes a 3€/h no MUDE, Abusos Continuam no Museu do Design e da Moda: Testemunhos”. 2 de Dezembro de 2016. http://www.precarios.net/?p=13566. Ver ainda os casos de denúncia quanto ao Museu do Dinheiro e Serralves: “Banco de Portugal: Falsos Recibos Verdes no Museu da Instituição: Testemunhos.” 22 de Dezembro de 2016. http://www.precarios.net/?p=13629; e “Serralves Movida a Recibos Verdes.” 3 de Março de 2016. http://www.precarios.net/?p=13080

****

 Este texto (entretanto actualizado) foi originalmente publicado em:

Carvalho, Ana. 2017. “Equipas de Museus: Evolução ou Retrocesso?” Boletim ICOM Portugal 8 (Janeiro): 14-16. http://hdl.handle.net/10174/20329

****

E para juntar ao debate sugere-se a leitura do post de Alexandre Matos: “Cultura precária e cultura da precariedade. Como sair daqui?”: http://bit.ly/2j5hGMX

Políticas para a interculturalidade em modo off?

Intervenção na rua "O Rumor do lugar", com Bruno Humberto, Módulo IV Site Specific Art, Curso de Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade

Intervenção na rua “O Rumor do lugar”, com Bruno Humberto, Módulo IV “Site Specific Art”, Curso de Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade, Torres Vedras, 16 Nov. 2013 © Maria João

Num tempo de retracção económica as políticas para a interculturalidade ainda estão em cima da mesa? Apesar de iniciativas como o curso de “Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade”, organizado pelos Centros Locais de Apoio à Integração de Imigrantes da Lourinhã e Torres Vedras (Out./Nov. de 2013) (sobre as características do curso veja post anterior aqui), mostrarem o interesse latente que sugere o tema da interculturalidade na actualidade, de um modo geral, na Europa, este domínio deixou de ser prioritário, como demostraram várias afirmações políticas nos últimos anos, ditando o fim do multiculturalismo.

Apesar disso, programas europeus como as “Cidades interculturais” (Conselho da Europa), ainda remanescentes da política desenvolvida em torno do Ano Europeu do Diálogo Intercultural (2008) vão-se desenvolvendo com algum dinamismo. No caso das “Cidades Interculturais” prevalece como objectivo a valorização positiva da diversidade cultural, procurando modificar a imagem e os preconceitos com relação a outras culturas.

Neste contexto, Portugal já começou a criar uma rede nacional de cidades interculturais (desde 2012), agregando inicialmente Lisboa, Coimbra e Beja. Em 2013, a rede foi ampliada com a participação de Loures, Setúbal, Santa Maria da Feira, Amadora e Cascais.

No entanto, perspectivar as dificuldades de integração somente pelas diferenças étnicas ou culturais poderá estar sobrevalorizado, quando questões como o desemprego e as dificuldades económicas são cruciais para a inserção social dos imigrantes (ou de origem imigrante) e seus descendentes. Como indica o estudo “Crise, Imigração e Mercado de Trabalho em Portugal: Retorno, Regulação ou Resistência?” (2011), a crise económica agravou significativamente as dificuldades de muitos imigrantes, aumentando o desemprego e a precariedade dos contratos de trabalho. Apesar desta ser uma situação generalizada à população em geral, em 2009, por exemplo, enquanto que a taxa de desemprego portuguesa rondava os 10%, no caso da população proveniente de países não comunitários o valor aproximava-se dos 17%.

No caso de Portugal não se pode falar de uma política para a interculturalidade, apesar da acção prolífica do Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI), nomeadamente com o auge de intervenções em 2008 no âmbito de uma intensa actividade celebratória relativa ao Ano Europeu do Diálogo Intercultural, período em que se promoveu um conjunto significativo de iniciativas em vários domínios artísticos. Em parte, a ausência de uma política integrada e transversal a várias áreas deve-se à “novidade” de Portugal configurar um país de acolhimento de imigrantes (à excepção dos fluxos migratórios provenientes dos PALOP), fenómeno que hoje também se vai retraindo. Apesar disso, note-se a distinção atribuída a Portugal através do ACIDI, em 2011, com o Prémio Melhores Práticas pelo Instituto Europeu da Administração Pública.

Seminário "A Cidade e o Mundo", Festival TODOS, com Giacomo Scalisi. 14 de Novembro 2013.

Seminário “A Cidade e o Mundo”, Festival TODOS, com Giacomo Scalisi. 14 de Novembro 2013 © Ana Carvalho

O curso de “Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade” não se direccionava especificamente para os museus, cruzava sim várias linguagens artísticas, pelo que na sua globalidade constituiu uma oportunidade de interligar muitos dos aspectos que dão forma e complexidade ao tema, tirando partido de um olhar mais transversal e abrangente.

Entre as várias definições de interculturalidade sugeridas, transcreve-se a seguinte:

 “A Interculturalidade é uma estratégia e uma forma inovadora de conviver e coabitar nas sociedades contemporâneas com a diversidade de grupos culturais e étnicos. Para que ela possa ser uma realidade, é suposto reconhecer que a convivialidade não é pacífica, nem um dado imediato, que é sempre tensional, comporta conflitos, é dinâmica e exige uma construção permanente e diária; de algum modo, é o estado mais evoluído da democracia; também é importante reconhecer que a interculturalidade faz-se a partir de vários pontos de partida e não pode resultar de uma legislação ou normalização regrada apenas pela comunidade que acolhe; que a interculturalidade, na forma como admite a diversidade cultural, impõe limites a esta aceitação, limites esses que são a exclusão de todo e qualquer sofrimento infligido a alguém, a aceitação da morte e da exclusão social, religiosa ou sexual” (António Pinto Ribeiro).

A ausência de maiores reivindicações por parte da população imigrante e de um maior lobby intelectual e político não deixa de ser um aspecto determinante que limita o alcance e a ambição de uma estratégia para a interculturalidade. Quando comparamos com países europeus com uma outra escala (e antiguidade nessa relação) em termos de comunidades imigrantes residentes, a dinâmica dessas comunidades relativamente com os países de acolhimento é distinta, sendo que as reivindicações dão lugar com frequência a novas formas de cooperação e entendimento de modo a corresponder às expectativas de ambas as partes.

Ainda sobre os limites de uma estratégia intercultural, embora se reconheça que as instituições culturais podem ser locais de encontro e de partilha, que podem combater o desconhecimento, promover a tolerância e celebrar a diversidade cultural (Maria Vlachou), não se pode confundir o papel distinto que cabe a cada área de intervenção, como sublinhado por António Pinto Ribeiro:

“É ainda uma questão central da interculturalidade a aceitação de que as práticas culturais representam apenas uma parte da actividade de grupos ou pessoas e que, de modo algum, a cultura deve servir de manto para escamotear as questões económicas, do trabalho, da assistência social, cuja resolução tem as suas instituições próprias.”

Claramente um aspecto partilhado por vários dos formadores, se a arte pode em potencial aproximar, não deve ter a pretensão de resolver problemas económicos e sociais. Pesados os limites de uma intervenção no domínio artístico, seria desejável que as práticas artísticas que promovam a interculturalidade se articulassem com estratégias políticas, sociais e económicas numa perspectiva transversal e integrada. Mas se se refere o potencial da arte como plataforma de diálogo intercultural, é porque nem sempre as boas intenções escapam aos mal entendidos que, por vezes, perpetuam estereótipos sobre o “Outro”, em vez de os combater. Mal entendidos vários, como por exemplo, a ideia de uma visão limpa da (s) cultura (s) – “o Outro sem cafeína”; a procura pelo exotismo do “Outro”; a pretensão de representar uma cultura em vez de indivíduos e a necessidade/facilidade de simplificar por via da compartimentação e rigidez das categorizações sobre o “Outro”; a ideia de que o diálogo intercultural através da arte não alimenta tensões; e a identidade como uma matriz fechada, em detrimento da ideia de pertenças múltiplas.

Módulo IV Site Specific Art

Módulo IV “Site Specific Art”, com Bruno Humberto. Na foto: Gonçalo Oliveira. 16 de Novembro 2013 © Ana Carvalho

 Ao longo do curso vários projectos foram apresentados sob o tema da interculturalidade (ex. Festival Todos, talvez o mais emblemático), além de ensaiadas em contexto performativo formas de pensar a diversidade, procurando construir objectos artísticos, através do corpo, da voz, da palavra e do espaço (ex. workshops de Natália Luiza; Bruno Humberto; e Manuela Victorino). A partir dos casos apresentados, registam-se alguns elementos-chave relevantes para a construção de práticas culturais em torno da interculturalidade:

  • Conhecer a história do Outro, de preferência contada pelo seu país; bem como a sua língua
  •  A escuta como elemento fundamental
  • O planeamento prévio e a definição rigorosa de – Para quê? Para quem? E como? – como sendo aspectos estruturantes no desenho de projectos (interculturais ou não)
  • A liderança e o estabelecimento de regras, não obstante a abertura necessária à negociação, mas sem condescendência, facilitismo e desorganização
  • A definição clara de objectivos e uma eficiente gestão de expectativas junto dos elementos das comunidades implicadas; por vezes, a participação numa prática artística pode ter o efeito contrário no sentido de defraudar expectativas quanto ao alcance das iniciativas; a compensação financeira dos elementos da população implicados é eticamente recomendado
  • A utilização de objectos como importantes mediadores no envolvimento de diferentes “culturas” presentes no mesmo grupo de trabalho, ainda que atendendo às suas limitações
  • A criação de um objecto ou prática artística não deve pressupor a busca de um produto antropológico
  • A incorporação de dinâmicas artísticas (e outras) já actuantes in situ (ex. bairro) pode ser benéfico para a construção de um projecto artístico, tendo como fio condutor a participação (ex. artistas, organizações e população). Ou seja, a construção de estratégias de participação, visando a colaboração, a co-responsabilização e co-produção, envolvendo os elementos das comunidades imigrantes revelou-se benéfico em vários dos projectos descritos

Parece claro que a interculturalidade, apesar dos indícios contraditórios e das dificuldades em operacionalizá-la de forma estratégica e política, é um projecto que faz sentido pela humanidade que representa, pela evolução desejável que está subjacente. Negociação é palavra-chave.

Estamos ligados? Museus e Redes Sociais

redes sociais

© Ana Carvalho

Não sou especialista em comunicação, mas de uma forma ou de outra sou com frequência confrontada no meu dia-a-dia com as novas tecnologias (não somos todos?), em particular com a internet e as muitas aplicações que se vão multiplicando, a que chamamos de social media (daqui em diante “redes sociais”). E é na qualidade de quem tem experimentado numa base muito empírica algumas dessas ferramentas que escrevo estas linhas.

Quando em 2008 escrevia entusiasticamente (e um pouco ingenuamente) neste mesmo boletim sobre os blogues como potenciais plataformas para uma maior comunicação e interacção dos museus com o público (Informação ICOM.PT, n.º 1, 3-7), acreditava firmemente nesse potencial. Continuo a acreditar na utilidade dos blogues como de muitas outras ferramentas que entretanto se tornaram populares. Sem entrar em grande detalhe, refiro-me a todas aquelas aplicações que, independentemente das suas especificidades, permitem afinal partilhar conteúdos em rede e em modo virtual: blogues, fóruns na internet, facebook, twitter, ning, pinterest, instagram, wikis, youtube, podcasts, linkedIn, google+, etc. (a lista é imensa!). E porquê? Não é apenas por ser uma tendência anunciada abundantemente nos fóruns de discussão há vários anos a esta parte, mas porque de facto as novas tecnologias ampliam as possibilidades dos museus comunicarem as suas actividades e explorarem novas formas de envolvimento com as pessoas, que também podem ser criadoras de conteúdos e participantes no processo. E os museus são comunicação. Ao ignorarem os meios de comunicação do seu tempo os museus correm o risco de se tornaram encerrados sobre si próprios sem capacidade de chegar às novas gerações. Nem todos podem ser museus de museus. Por isso, torna-se imprescindível que essa actualização ocorra de forma equilibrada, sem que isso implique o abandono dos meios de comunicação tradicionais (e aqui a inclusão também é palavra-chave).

Mas aquilo que pode ser visto como uma oportunidade também encerra ameaças. O leque de possibilidades é vasto e nem sempre temos uma percepção clara de como tirar partido delas, seja em termos profissionais seja em termos pessoais. A rapidez com que estas ferramentas surgem também não ajuda. É como se entrassem no nosso dia-a-dia sem pedir licença e quando damos conta já estamos excluídos porque não estamos “ligados”. Os mal entendidos surgem com frequência e a sensação de não estarmos actualizados acontece não raras vezes. A celeridade destes fenómenos também não permite perceber, por exemplo, aquilo que veio para ficar e o que em pouco tempo poderá desaparecer porque se trata apenas de uma moda passageira. E a relação dos museus, e das instituições em geral, com as redes sociais é recente e experimental, tornando mais difícil a decisão de fazer uma escolha.

Quanto aos mal entendidos (1). Na escola do meu filho, por exemplo, após várias chamadas de atenção dos pais sobre os problemas de comunicação que se geravam a educadora decidiu criar uma página no facebook (do tipo grupo fechado) que pudesse dar resposta ao problema. Ali, a educadora foi paulatinamente colocando informação sobre o que se ia passando em sala e animando a página com várias fotografias das actividades. Mas não funcionou. Embora possa ser interessante do ponto de vista da socialização que se gerou (porque afinal é disso que se trata), não resolveu os problemas do essencial da comunicação, porque não houve uma articulação concertada com os restantes meios de comunicação. Este exemplo também se poderia aplicar aos museus. O erro está em pensar que ter uma página no facebook é suficiente para garantir que a comunicação (eficaz) acontece. Pelo contrário, pode até reforçar mal entendidos, quando não é bem conseguida e pensada dentro de um plano de comunicação integrado.

Quanto aos mal entendidos (2). No âmbito das minhas pesquisas de terreno, também tenho estado atenta à forma como os museus lidam com as redes sociais no sentido de fomentar a participação. Por exemplo, no Museum of World Culture (Suécia) tem-se apostado muito na vertente virtual (a grande maioria dos visitantes do museu está abaixo dos 30 anos) e uma das curadoras, que tinha passado a usar o facebook como extensão do seu trabalho, chegava à conclusão que a tarefa implicava um considerável consumo de tempo e energia, confirmando que o trabalho nas redes sociais não é de somenos quando comparado com o trabalho em contexto físico, exigindo a mesma atenção nas relações que se estabelecem com as pessoas. Por outro lado, estar presente nas redes sociais não significa apenas uma gestão exigente do tempo que os profissionais dedicam, mas tem também subjacentes preocupações mais abrangentes, nomeadamente sobre o papel que os museus pretendem assumir ao estar ligados: o de editores, moderadores ou catalisadores? (entre outros…)

Quanto aos mal entendidos (3). O ano passado numa formação sobre património imaterial no Canadá, as novas tecnologias ocuparam grande parte das discussões entre formadores e alunos. Os casos de estudo apresentados pelos especialistas davam conta das vantagens da utilização das redes sociais nos museus e das novas tecnologias em geral. E durante uma semana todos os formandos dispunham de um ipad previamente configurado com aplicações de museus. Mas as conclusões a que todos chegámos foram estas. São indiscutíveis as potencialidades que oferecem as novas tecnologias, mas o cerne da questão está na definição de estratégias ajustadas às necessidades de cada museu (ex. missão, valores, orçamentos, etc.), tendo em conta, por outro lado, o equilíbrio entre as necessidades dos museus e a pressão do mercado. Ou seja, são as novas tecnologias que devem estar ao serviço do museu e não o contrário.

Por isso, creio que não é preciso ser-se especialista para criar um blogue, abrir uma página no facebook ou ter uma conta no twitter, mas precisamos muito de especialistas que nos orientem sobre como aproveitar e optimizar os recursos disponíveis a favor da nossa instituição e dos nossos objectivos. Mas claramente o problema também está nas instituições, que nem sempre reflectem sobre estas questões. Por isso, antes de aderir a todas as aplicações disponíveis na internet é necessário pensar numa estratégia concertada e humanizada, definida a partir de questões basilares: porquê, para quê e para quem?

[Esta é uma versão ligeiramente mais alargada do texto publicado no boletim do Informação ICOM-PT (Junho-Agosto 2013)]

#Sobre o tema, consulte ainda:

Senra, Sandra (Janeiro 2013). We Like MACBA: o Museu D’Art Contemporani de Barcelona e o paradigma das ferramentas web 2.0 utilizadas em benefício do compromisso cívico. Universidade do Porto.

 Noronha, Elisa e Semedo, Alice (2009). Plataformas e outras conversações: Web quê?, Museologia.pt (3) 193-197.

Pierre Mounier e os novos paradigmas da edição electrónica em acesso livre

Pierre Mounier

Pierre Mounier, Institut Français, Lisboa, 11 Março 2013                    Foto: Ana Carvalho

O francês Pierre Mounier (Centro para a Edição Electrónica Aberta – Cleo) esteve em Lisboa para falar de edição electrónica em acesso livre. Hoje os meios tradicionais de edição são confrontados com novas formas de divulgação e de uma maneira geral com uma mudança de paradigma à qual importa dar uma resposta. Ou seja, serão necessários reajustamentos às formas tradicionais de trabalhar com a edição de livros e com as publicações de uma forma geral. Mounier sublinhou grande parte dos problemas que afecta esta área, enquadrando teoricamente a discussão sobre o tema1. E falou de tendências como a “google generation”; a “tirania do impacto” das revistas científicas, e de um conjunto de ameaças ao sector livreiro, à edição, às bibliotecas…Entre as ameaças, por exemplo o aparecimento de outras formas de publicar através da internet: “Open Archiving”, blogues, Wikipédia e afins, Amazon, etc.

Num primeiro momento da apresentação de Mounier somos levados a crer que diante das ameaças à edição na sua forma tradicional a questão coloca-se: pode o livro acabar? Apesar da revolução que o universo da internet e de uma maneira geral as novas tecnologias proporcionam, o futuro ainda é dos livros, talvez não da forma como a temos conhecido, ou seja, a forma material como o livro se tem apresentado está a mudar. O que Mounier demonstrou foi a existência de novos padrões, apesar de permanecerem os espaços de conflito novas formas emergem.

E num ambiente que parece à partida hostil às tradicionais formas de trabalhar surge também um conjunto de novas possibilidades de trabalhar com o livro através da edição electrónica em acesso livre. Mounier deu vários exemplos no universo académico: Open Book Publishers (publicação de livros académicos em acesso aberto, com arbitragem científica; Reino Unido, desde 2008); Open Humanities Press (plataforma internacional em acesso aberto na área da teoria cultural, com vários jornais e colecções de livros, com arbitragem científica, desde 2008); Open Library Humanities (plataforma em acesso aberto no âmbito das ciências sociais e humanas, 2013); De Gruyter Open Acess (difusão de livros e outros conteúdos); Knowledge Unlatched (livros académicos); e o recém criado OpenEdition Books, uma plataforma de publicação de livros a acrescentar às já existentes no âmbito do projecto francês OpenEdition: revues.org (desde 1999), Calenda (desde 2000) e Hypotheses.org (desde 2008)2) (Em Portugal, existe já a LusOpenEdition que concentra as 3 plataformas referidas). Estes exemplos seguem, de certo modo, a tradição de edição e selecção científica, mas o modelo é transposto para o mundo digital.

Um outro exemplo referido foi Unglue.it, que através de crowdsourcing qualquer pessoa pode ajudar a publicar um ebook. Pensando no mundo dos museus, os exemplos deste tipo de estratégia já serão vários, mas recordo o caso recente do livro digital “Reprograme: Comunicação Branding e Cultura numa nova era de Museus” (coord. Luis Marcelo Mendes, 2012), em português e inglês, que foi editado também por via de crowdsourcing.  Isto demonstra um pouco aquilo que a internet pode viabilizar. E neste sentido também, Mounier sublinhou a possibilidade de uma outra dimensão, a webification do livro, ou seja, a possibilidade do livro ganhar uma outra dimensão, por exemplo com a interacção dos leitores e a possibilidade de introdução de comentários. Nessa linha Mounier deu como exemplo a iniciativa Textus, que permite que estudantes e professores partilhem textos e trabalhem de forma colaborativa através desta plataforma.

Há, por outro lado, textos que ganham uma outra vida na internet, textos vários que são reunidos em livro como no projecto “Living Books about Life“. Um outro exemplo é Pressforward, que através da “Digital Humanities Now” recolhe textos dispersos na internet (em blogues por exemplo), com o crivo de editores científicos para compor números temáticos de um jornal digital. Além disso, já não são raras as vezes que textos na internet, como no caso dos textos de autor em blogues dão origem a livros impressos. Lembro, no caso dos museus, o livro de Maria Vlachou “Musing on Culture” (Bypass Editions, 2013) que nasceu do blogue com o mesmo nome (veja-se texto sobre o livro aqui).

E o que pode tudo isto interessar ao mundo dos museus? Na verdade, estas preocupações não são indiferentes ao campo da museologia: as publicações vão crescendo (livros, catálogos, etc.), os formatos  já existentes de divulgação (revistas, boletins, etc.) também se vão transformando. Por exemplo no caso da MIDAS, uma nova revista de museologia com base em Portugal, as questões do acesso aberto e da sustentabilidade foram equacionadas já neste contexto de adaptação.

Por outro lado, há toda uma discussão mais alargada sobre as novas tecnologias e o potencial da internet na relação com os públicos que os museus não devem ignorar. Alguns dos tópicos enunciados por Mounier ao nível da transformação dos hábitos de consumo da cultura, sobre a forma como se acede à cultura, que também passa pela internet e pelo aparecimento de novos suportes, também são aspectos que devem interessar aos museus. Nesse sentido, museus e os profissionais da cultura em geral devem envolver-se e participar na discussão se pretendem desenvolver práticas relevantes na sociedade actual e sobretudo se pretendem comunicar para uma geração que acede à cultura de uma forma diferente das anteriores.

  1. Alguns estudos foram citados: Donnat, Olivier (2009). Les pratiques culturelles des Français à l’ère numérique: Éléments de synthèse 1997-2008 (resumo do estudo). Paris: Ministère de la Culture et Communication. Disponível em: http://www.pratiquesculturelles.culture.gouv.fr/doc/08synthese.pdf; Carr, Nicholas (June 2008). Is google making us stoopid. In The Atlantic. []
  2. Hypotheses.org é uma plataforma de blogues francesa (agora também em Portugal aqui) que agrega blogues de investigadores no âmbito das ciências sociais e humanas. Muitos dos blogues pertencentes a esta plataforma têm a atribuição de ISSN depois de serem considerados relevantes do ponto de vista dos conteúdos produzidos por um comité científico (cf. texto sobre tema aqui []

O lugar do PCI nas políticas do património

Colóquio Internacional “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul…”
27-28 Novembro de 2012
Institut Français du Portugal, Lisboa
© Ana Carvalho

Nos dias 27 e 28 de Novembro de 2012 teve lugar em Lisboa um colóquio internacional dedicado às “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul: percursos, concretizações, perspetivas” (org. Universidade de Évora e Direção Geral do Património Cultural). Foi este o mote para escrever algumas linhas sobre o lugar do PCI nas políticas do património.

Devo começar, em primeiro lugar, por sublinhar a importância de se promover uma reflexão crítica de perfil comparativo sobre políticas culturais, sobretudo quando o tema em debate decorre, em grande medida, de normativos internacionais que irradiam orientações que são tendencionalmente absorvidas pelos Estados nas políticas internas. Países como Portugal, França, Espanha e Itália partilham, de certo modo, uma aproximação ao património com muitas afinidades, pese embora os percursos e idiossincrasias próprias de cada Estado. Estes países assinaram a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003 da UNESCO (daqui em diante Convenção de 2003)[1]. Creio que o balanço dos percursos e das experiências pode, em potencial, ter um efeito positivo sobre a avaliação das estratégias, e a possibilidade de reflectir de forma aberta sobre as potencialidades, os limites e a falibilidade das intervenções.

Organizações como a UNESCO, o ICOMOS, o Conselho da Europa, entre outras, têm assumido um papel regulador do discurso autorizado sobre património, legitimando novos usos políticos da cultura, programas e boas práticas. Com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, em particular, a UNESCO veio assinalar mudanças na forma como os Estados deverão salvaguardar as suas tradições, sublinhando a importância de preservar a diversidade cultural de forma participativa e inclusiva. É assumida uma visão mais antropológica da cultura e um conjunto de orientações que procura remeter o lugar do Património Cultural Imaterial (daqui em diante PCI), anteriormente nas margens das preocupações políticas para uma melhor integração nas políticas culturais.

Este discurso autorizado obriga a uma tradução e a negociações várias, por um lado, na revisão das políticas nacionais, e por outro lado, na transformação do discurso institucional dos actores envolvidos, criando, por sua vez, uma comunidade de praticantes, conservacionistas e especialistas do património, que procuram dar resposta a estes novos enquadramentos (Smith 2006). É neste contexto que se compreende hoje o elevado interesse que suscita o PCI para os diversos especialistas ligados ao património nos vários quadrantes da cultura, que se confirma como sendo intergeracional e atravessando diferentes territórios disciplinares[2].

No sentido de operacionalizar a cartilha da UNESCO também se confirmam em torno da salvaguarda do PCI outras dinâmicas em Portugal. Note-se, por exemplo, a criação, em 2012, de um curso de pós-graduação sobre PCI (Universidade Lusófona) que gerou, por sua vez, a criação de uma associação e uma plataforma de divulgação via facebook (cf. https://www.facebook.com/pcimaterial).

Constata-se, por outro lado, uma certa euforia do PCI veiculada pela comunicação social a julgar pelos destaques que têm tido os anúncios de candidaturas ao “património imaterial da humanidade” de diversas tradições (ex. o Fado, o Cante Alentejano, a Dieta Mediterrânea, etc.), ou no contexto mais local, de onde emerge uma tendência crescente para a validação política de determinadas tradições (ex. tauromaquia). Embora o fenómeno não seja exclusivo à tauromaquia, verifica-se um movimento crescente de intenções (e de varias concretizações) por parte dos municípios para classificar algumas tradições, etiquetando-as como “património imaterial de interesse municipal” (ex. Alcochete, Azambuja, Monforte, Elvas, Beja, entre outros), pese embora a nível da legislação nacional não exista a possibilidade deste tipo de classificação[3]. Sintomático de um certo posicionamento político sobre a cultura tradicional, o fenómeno não se articula com estratégias de salvaguarda estruturadas.

Se atendermos aos exemplos apresentados no colóquio (França, Itália, Portugal e Espanha), pode dizer-se que os Estados têm vindo a concretizar as directivas da Convenção de 2003 com alguma celeridade. Portugal começou a trabalhar estas questões a partir de 2007 sensivelmente (via ex-Instituto dos Museus e da Conservação) e Espanha a partir de 2009, percurso que é marcado pelo encontro de Teruel, que reuniu vários especialistas e representantes das regiões espanholas no sentido de definir a política nacional a adoptar), tendo sido publicando entretanto o Plan Nacional de Salvaguarda del Património Cultural Inmaterial (através do Instituto del Patrimonio Cultural de España), à semelhança do que tem sido feito para outras áreas do património[4].

No entanto, deve ser referido que no contexto local algumas regiões espanholas haviam já introduzido o PCI nas suas políticas, seguindo os princípios da UNESCO. Esse foi o caso da região de Murcia (parceiro com a Universidade de Évora no projecto MEDINS – Identity is Future: Mediterranean Intangible Space (2006-2008)[5], que passou a incluir o PCI no plano operativo da política regional a partir de 2007 (em articulação com a publicação de nova legislação sobre esta matéria), colocando a enfase na importância do PCI como elemento de desenvolvimento social (consultar García Simo 2008). E foi o caso da Andaluzia, com o projecto de inventário e documentação – Atlas del Património Inmaterial de Andalucía (Instituto Andaluz del Patrimonio Histórico), que começou a ser esboçado a partir de 2008 (cf. Carrera Diaz 2009), entre outros exemplos.

A França começou em 2006 a implementar uma estratégia para o PCI nos termos da Convenção de 2003, com a criação de uma comissão composta por representantes de várias áreas. Todavia, é a partir de 2007 que se dão os primeiros passos para a sua operacionalização. Grosso modo, esta política, levada a cabo pelo Ministério da Cultura, através da Mission Ethnologie, assenta no apoio à investigação e documentação do PCI. A este propósito foram desenvolvidas duas iniciativas, uma com base na ideia de “inventário dos inventários” (cf. Répertoire des inventaires du PCI), reunindo um conjunto de informação que remete para a diversidade de trabalhos de investigação já realizados neste âmbito em França, e na criação de um novo inventário para o património vivo (cf. Fiches de l’inventaire du patrimoine culturel immatériel ou aqui: Inventaire du Patrimoine Culturel Immatériel – Institut Occitan), construído à semelhança do inventário gizado pela Universidade de Laval, no Quebéc (coordenação de Laurier Turgeon) – l’Inventaire des Ressources Ethnologiques du Patrimoine Immatériel-IREPI (2004-2005)[6].

O que se destaca no caso francês é a sua capacidade de investimento, que parece não ter correspondência nos restantes casos. Note-se que o inventário é apoiado e alimentado através de um considerável investimento público da administração central que estabeleceu contratos de investigação com instituições que trabalham no terreno[7].

A política italiana diferencia-se dos últimos exemplos pela diversidade de situações encontradas, variável em função de cada região e pela ausência de uma política unificadora à escala nacional[8]. Os vários exemplos apresentados sobre a realidade italiana mostraram a existência de iniciativas de administração regional do tipo bottow-down e outras, como alguns exemplos de inventários participativos, que se encaixam mais no perfil bottow-up (ex. “progetti Unione Pro Loco”). O exemplo italiano é talvez o mais pragmático dos exemplos apresentados, reflectindo maior diversidade, nomeadamente na forma aplicação da noção de participação das comunidades (dos inventários suportados exclusivamente pelos especialistas aos inventários sem crivo científico, alimentados pelos detentores/praticantes do património, ou seja, verificando-se uma maior experimentação que ultrapassa a participação entendida apenas como a consulta.

De certo modo, o debate não fez jus à ambição do título da conferência “Políticas públicas para o património imaterial…”, uma vez que o leque de experiências apresentado se reportou a uma análise sobre as formas de inventariar o PCI adoptadas pelos países representados. De facto, as estratégias para o PCI têm recaído por força da “necessidade de implementar a Convenção de 2003”, e em conformidade com o artigo 12, para a criação de inventários exclusivamente, atendendo a que esta é a única medida obrigatória da aplicação da Convenção. O enfoque sobre as questões do inventário, marcantes neste colóquio em Lisboa fez lembrar o encontro “Inventer le inventaire” (Paris, 2007) no qual, de facto, o objectivo era reflectir criticamente e de modo comparativo sobre o papel dos inventários tanto do ponto de vista dos seus limites como do ponto de vista das suas potencialidades (veja-se comentário sobre esse colóquio aqui).

 Ainda que os inventários, enquanto ferramenta para a identificação do PCI, possam ser de grande utilidade e validade, quando se desenham políticas o enquadramento que se exige é mais vasto e necessariamente mais transversal. Vale a pena sublinhar, uma vez mais, que os inventários são apenas uma das medidas de salvaguarda previstas na Convenção de 2003. Com efeito, se a criação de um inventário nacional se apresentar desvinculado de uma política de salvaguarda mais abrangente corre o risco de não ter impacto sobre a preservação do património (Carvalho 2011, 99). Neste sentido, importa sublinhar a importância de outros documentos normativos, nomeadamente a Convenção Quadro do Conselho da Europa para o Património Cultural de 2005 (conhecida como Convenção de Faro) que enfatiza a importância de se desenvolverem políticas menos sectoriais para o património, ou seja uma visão mais transversal da cultura[9]. Apesar dos últimos desenvolvimentos, designadamente a criação da nova Direção Geral do Património Cultural com atribuições mais alargadas na área do património e museus, não se operaram mudanças tanto a nível das estratégias como das práticas que estimulem esta perspectiva integradora do património a que nos reportamos, o que significa que as aparentes reestruturações das instituições foram exclusivamente de ordem economicista e não foram acompanhadas de uma reflexão interna sobre os problemas da gestão do património face a novos paradigmas. É a pluridisciplinaridade ainda uma utopia para as instituições na perspectiva do reconhecimento da vocação multidisciplinar do património? Neste contexto, também não foram perceptíveis quais as perspectivas para o futuro ou a definição de estratégias concretas que articulem, por exemplo, a linha de trabalho: inventário/documentação/investigação com a promoção da diversidade cultural através do apoio aos seus protagonistas[10]. Podemos, afinal, ter políticas para a cultura sem investimento?

A palavra crise, ainda que presente nas nossas vidas de forma impositiva, é um problema que se afirma também nas políticas para o património, mas permaneceu ausente no debate (politicamente incorrecto?). Ao ler uma notícia recente sobre a impossibilidade de se voltar a apresentar os Bonecos de Santo Aleixo no Teatro Garcia de Resende devido aos recentes cortes no apoio à cultura, torna-se evidente o divórcio entre a realidade e o discurso oficial. Não estaremos a assistir a um desinvestimento no património? O que não parece claro é de que forma estão a ser equacionadas e reconfiguradas estratégias, atendendo a este novo panorama.

No que diz respeito aos inventários propriamente ditos, os casos apresentados revelaram diferentes formas de organização (ex. domínios, fichas, etc.), o que é expectável, atendendo a diferentes tradições de trabalho e às instituições envolvidas e, por outro lado, decorre também do facto da Convenção de 2003 não fazer recomendações rígidas quando à implementação dos inventários, promovendo também neste aspecto a diversidade de soluções. No caso português, o inventário nacional é um processo não isento de fricções e sobre o qual se tem gerado vários mal-entendidos. Talvez por isso se entenda que após a sua operacionalização desde há mais de um ano apenas inclua uma manifestação de PCI – a Capeia Arraiana[11]. Neste sentido, foi evidente o desencontro entre os objectivos das instituições e dos profissionais face à utilidade do inventário nacional neste formato.

A par com as preocupações com os novos inventários, permanece por resolver em Portugal a definição de uma estratégia ou plataforma que organize ou torne acessível um imenso património espalhado por diversas instituições (ex. centros de investigação, museus, arquivos, associações, etc.) que ao longo de décadas têm realizado recolhas e documentado o património imaterial. A articulação entre instituições está por fazer (e vários projectos adiados, como é o caso da criação de um arquivo nacional sonoro, entre outros), que tem também a ver, por um lado, com um problema de comunicação e de organização e, por outro lado, com a ausência de uma estratégia a longo prazo concertada com investimento público. Neste contexto, é relevante a experiência francesa com vista à criação de um catálogo colectivo online de arquivos sonoros e audiovisuais de várias instituições francesas em rede (cf. Portail du Patrimoine Collectif d’Archives Sonores et Audiovisuelles). Beneficiar de uma estrutura comum em rede que não prescinde da valência específica de cada instituição é um dos grandes méritos do projecto.

Um das contradições do colóquio teve a ver com a discussão em torno do papel dos especialistas do património e a reclamação da antropologia como o campo disciplinar autorizado para salvaguarda do PCI. Com efeito, o facto do PCI estar directamente ligado ao território disciplinar da Antropologia não oferece dúvidas, no entanto, deve ser reconhecido também o papel que outros especialistas da cultura podem ter na salvaguarda do PCI, atendendo à vocação multidisciplinar do património. Por outro lado, a mudança de paradigma presente na Convenção de 2003 sublinha uma revisão do papel dos especialistas. Este novo papel configura-se também pelo abandono de um modelo de protecção do PCI assente exclusivamente no trabalho dos especialistas e técnicos, através do estudo e documentação, para passar a privilegiar a salvaguarda do património, enquanto processo cultural, pelos detentores das práticas. Neste sentido, a Convenção de 2003 atribui aos especialistas a responsabilidade pela mediação do património[12]. Além disso, a partilha de responsabilidades do PCI entre diversos especialistas não se apresenta apenas uma tendência ou recomendação, mas também como uma necessidade operativa, uma vez que a principal área de formação dos técnicos dos municípios é a história, como confirmou Paulo Ferreira da Costa na interpretação os dados recolhidos no âmbito do inquérito “Património Imaterial em Portugal: arquivos, agentes, projectos”[13]. Note-se que a maioria dos museus existentes em Portugal é de tutela municipal, nos quais a diversidade de especialidades é denominador comum. Com efeito, a interpretação da Convenção de 2003 remete para um questionamento e uma reflexão não só do papel tradicional das instituições como dos profissionais (incluindo os antropólogos) e acima de tudo para a aplicação de práticas inclusivas e não exclusivas.

O texto de Chérif Khaznadar foi clarividente no sentido de alertar sobre os usos políticos da cultura, sugerindo uma leitura da Convenção de 2003, não como sendo a única verdade, mas como um documento sobre o qual estão inerentes vários perigos e limitações, aos quais se deve estar atento e, paulatinamente, objecto de reflexão.

Como demonstrou este colóquio, as tensões (e contradições) que suscita o PCI estão longe de se se esgotar nos inventários, pelo que se revela necessária uma maior discussão à volta do tema nas suas diversas valências (problemas conceptuais, questões técnicas, critérios, instrumentalização, riscos da transformação da cultura em recurso, direitos de autor, normas europeias de qualidade, etc.). O espaço crítico para as questões do património, como reclamou João Leal pode ser o da antropologia, mas também poderá ser de outros campos ou actores, nomeadamente dos museus. Creio que os museus podem configurar potenciais lugares de experimentação, reflectindo e problematizando o PCI, sem esquecer o papel que podem ter na mediação e comunicação deste património.

Referências bibliográficas:

Bortolotto, Chiara, Annick Arnaud, and Sylvie Grenet, eds. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie Vol. 26, Ethnologie de la France Cahier. Paris: Éditions de la Maison des Sciences de l’homme.

Carrera Díaz, Gema. 2009. Atlas del patrimonio inmaterial de Andalucía. Puntos de partoda, objetivos y critterios técnicos y metodológicos. Revista ph (71):18-41.

Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios. Lisboa: Edições Colibri e Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora.

García Simo, Inmaculada, ed. 2008. El patrimonio cultural inmaterial. Defición y sistemas de catalogación: actas del seminario internacional, Murcia, 15 y 16 de febrero de 2007. Murcia: Comunidad Autónoma de la Región de Murcia [etc.]. Disponível aqui: http://www.patrimur.com/archivos/actasseminariomedins.pdf

Hottin, Christian, coord. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: premières expériences en France. Vol. 25, Internationale de L’immaginaire, nouvelle série: Maison des Cultures do Monte e Babel.

Smith, Laurajane. 2006. The uses of heritage. London, New York: Routledge.

Tambuzzo, Lucio. 2008. Les actions du projet MEDINS. In García Simo, Inmaculada, ed. El patrimonio cultural inmaterial. Defición y sistemas de catalogación: actas del seminario internacional, Murcia, 15 y 16 de febrero de 2007. Murcia: Comunidad Autónoma de la Región de Murcia [etc.], 2008. p. 41-51. Disponível aqui:  http://www.patrimur.com/archivos/actasseminariomedins.pdf


[1] França e Espanha em 2006, Itália em 2007 e Portugal em 2008. Actualmente são 148 os países que aprovaram à Convenção de 2003 (cf. http://www.unesco.org/eri/la/convention.asp?KO=17116&language=E) (consultado em dezembro 4, 2012).

[2] Este interesse ficou patente no elevado número de inscrições do colóquio e tem sido também perceptível noutros encontros promovidos pelo ex Instituto dos Museus e da Conservação em 2011 sobre a “matéria” do PCI, de que são exemplos os seguintes: “Património Imaterial em Portugal: dos enquadramentos globais às actuações no terreno” (31 Janeiro 2011, Museu Nacional de Etnologia, veja-se http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/3737); “Novas Perspectivas para o Inventário, Gestão e Divulgação do Património Móvel e Imaterial” (1 Junho 2011, Museu Nacional de Arte Antiga); e “Inventário Nacional do Património Imaterial: Desafios e Perspectivas” (12 de Dezembro de 2011, Museu Nacional de Etnologia, consultar http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/4394).

[3] Não obstante o movimento de classificação da tauromaquia geraram-se também movimentos contrários como no caso de Évora, onde a Câmara Municipal acabou por rejeitar a possibilidade de classificar a tradição, argumentando a favor dos direitos dos animais.

[4] Veja-se no site do instituto os vários planos em vigor: património industrial, conservación preventiva, paisage cultural, etc.

[5] O MEDINS um dos primeiros projectos em Portugal a implementar a narrativa da UNESCO. Realizou-se no âmbito do programa INTERREG III B MEDOCC, juntando vinte parceiros (Portugal, Itália, Espanha, Grécia, Malta, incluindo a participação de países de fora da rede europeia, nomeadamente: Tunísia, Marrocos, Argélia, Líbano e Egipto). O projecto foi coordenado pelo Assessorato dei Beni Culturali ed Ambientali e della Pubblica (Região da Sicília) e centrava-se sobretudo na formulação de inventários para o PCI, atendendo às directivas da Convenção 2003. Para maior detalhe sobre os objectivos do projecto consultar Tambuzzo (2008), e sobre a participação da Universidade de Évora veja-se o site: http://medinsuevora.wordpress.com/ (consultado em Dezembro 17, 2012).

[6] Este modelo foi, entretanto, aplicado pela Universidade de Laval noutro inventário de perfil temático no Québec – Inventaire du patrimoine religieux – IPIR (2007-2008) e, além disso, o modelo foi exportado para o Haiti,  onde actualmente se desenvolve o Inventaire du Patrimoine Imamtériel d’Haiti  (cf. http://www.ipimh.ulaval.ca/). A Universidade de Laval dá agora continuidade à valorização do património do Quebéc com um outro projecto – Encyclopédie du Patrimoine Culturel de l’Amérique Français (desde 2008), que configura uma abordagem inclusiva das várias dimensões do património (incluindo os patrimónios contemporâneos emergentes) numa só base de dados multimédia (cf. http://www.ameriquefrancaise.org/fr/#.UL9643eD83w). Este projecto tem tido considerável sucesso, não apenas como projecto de investigação, mas como instrumento de divulgação, atendendo ao número crescente de visitantes do portal.

[7] O inventário francês disponibiliza já mais de três centenas de fichas.

[8] Embora para o caso italiano não tivesse estado presente um representante do ministério da Cultura, à semelhança de Portugal, França e Espanha, Chiara Bortolotto fez o retrato da situação no país.

[9] Portugal aprovou esta Convenção em 2008.

[10] Note-se em 2007 Portugal ratificou a Convenção sobre a protecção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais de 2005, que recomenda a criação de políticas de valorização da diversidade cultural.

[11]Um dos equívocos à volta do inventário nacional é o facto do Fado, aceite pela UNESCO como património imaterial da humanidade, não se encontrar inscrito no inventário nacional, sendo que teoricamente este seria um requisito da UNESCO. Com efeito, tal como foi explicado no colóquio, o  Fado não se encontra no inventário nacional, uma vez que faz parte da base de dados “Fonogramas Históricos de Fado e outros géneros de Música Popular”, que foi considerada como um inventário no contexto da candidatura.

[12] Para uma discussão sobre o posicionamento dos antropólogos face ao PCI consultar Bortolotto, Arnaud e Grenet (2011), que clarificam três possibilidades de envolvimento dos antropólogos: observadores, mediadores ou actores.

[13] O inquérito foi distribuído em 2010 por autarquias, museus, centros de investigação e associações ligadas ao património, mas os resultados não foram ainda divulgados.

hypotheses, blogging científico

Sessão de formação blogging científico, no ISCTE, com Mélanie Faury e Marie Pellen do projecto Openedition
Foto de Ana Carvalho, 6 Dezembro de 2012

Os blogues são uma realidade relativamente recente. O termo blog surge nos finais dos anos 90 e desde aí a popularidade desta tecnologia não deixou de aumentar. O sucesso dos blogues deve-se sobretudo às características da sua tecnologia de base. Primeiramente, é intuitivo, simples de utilizar e de fácil gestão. Ainda que existam diferentes softwares disponíveis para a criação de blogues e com diferentes níveis de complexidade, de uma maneira geral podemos dizer que qualquer pessoa pode criar um blogue. Por outro lado, permite a interacção, através da possibilidade de introduzir comentários, com algumas vantagens para a troca de ideias. Finalmente, trata-se de uma ferramenta a custo zero, sendo desde logo uma mais-valia1.

Com efeito, hoje os blogues permanecem muito populares e apesar de surgirem novas tendências na internet (ex. redes sociais, etc.), na minha opinião, continua ainda a fazer sentido a sua utilização2.

O que é isto de blogging científico?

Em 2008, o projecto francês Openedition (portal agregador de revistas e eventos de carácter científico na área das ciências sociais e humanas, em acesso aberto) tomou a iniciativa de acrescentar uma nova valência às já existentes, criando a hypotheses.org, ou seja, uma plataforma de blogues de investigação (carnets de recherche, em francês)3. Hoje estão associados a esta plataforma mais de três centenas de blogues, tendo sido alargado o projecto a Espanha e Alemanha (e brevemente a Portugal, uma vez que foi criado o projecto LusOpenEdition4). Ainda que já existissem blogues com este perfil, o da divulgação de investigação, a novidade desta plataforma é a agregação em rede de uma comunidade de pessoas, que de outra forma estariam mais isoladas e menos visíveis.

Para além disso, que argumentos se podem apresentar para que se justifique a um investigador criar um blogue no seio da hypotheses.org? As vantagens são, por um lado, a visibilidade que se poderá ter ao estar integrado numa plataforma mais alargada e a possibilidade de contacto e debate com outros investigadores que partilham interesses comuns. Por outro lado, o apoio técnico (e um conjunto de funcionalidades acrescidas) com que se pode contar5, que não existe de forma humanizada quando se utiliza a maioria dos softwares existentes como o wordpress, o blogspot.com ou outros.6

O único requisito para criar um blogue é apresentar um projecto, através de candidatura7, que será validado por um comité científico  ((caso já tenha um blogue é possível faz a migração automática dos contéudos, foi isso que aconteceu no caso de “No Mundo dos Museus”) (existem vários tipos de blogues: blogue de investigador, caderno de seminário, diário de bordo de uma investigação colectiva, diário de campo, blogues de revistas ou de livros, etc. Conheça vários exemplos aqui).

Uma das mais-valias deste projecto é também a iniciativa de atribuir ISSN ao blogue, conferindo-lhe valor científico como a uma revista por exemplo, atendendo a que muitos dos blogues são escritos por investigadores. Julgo que isto poderá ser muito interessante para os investigadores que poderão, assim, utillizar os textos que escrevem nos blogues como referências válidas, acrescentando essas mesmas referências à lista de produção científica.

  1. Cf. Carvalho, Ana. 2008. Os blogues como instrumentos de trabalho para a museologia. Informação ICOM.PT (1), http://www.icom-portugal.org/. Neste pequeno texto, hoje muito datado, procurei enfatizar a utilização do blogue como um recurso em potencialidade para a comunicação nos museus []
  2. No panorama internacional, os blogues ligados a museus só viriam a surgir em 2002 com a criação de infoTECMuseo, Museum People e Modern Art Notes. No contexto nacional, um dos primeiros blogues a apresentar conteúdos ligados aos museus nasce em 2003 – eMuseu, por Ana Pires, seguido pelo blogue do Mosteiro de Tibães, por Jorge Inácio, no mesmo ano. Em 2004, surge o Mouseion, pela mão de Alexandre Matos []
  3. Esta é uma iniciativa do Centro para a edição eletrónica aberta (Cléo) – laboratório do CNRS, da EHESS, da Aix-Marseille Université e da Université d’Avignon []
  4. Iniciativa que conta com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e do CRIA – Centro em Rede de Investigação em Antropologia []
  5. Veja-se por exemplo o serviços prestados através de Maison des carnets e o contacto directo que é possível estabelecer com um gestor da comunidade de blogs, a possibilidade de recuperação de conteúdos, etc. []
  6. Note-se que esta plataforma proporciona ainda sessões de formação []
  7. Para quaisquer informações pode contactar directamente Marie Pellen, responsavel pelo projecto em Portugal, através do email: marie.pellen@openedition.org []

Museus, lugares de memória

Livraria Ler Devagar, Lx factory, em Lisboa. Foto de Ana Carvalho, 2012

 

Apresentação de livro “Usos da Memória e Práticas do Património” na Livraria Ler Devagar, 30 de Outubro de 2012. Da esquerda para a direita: Isabel Victor, Paula Godinho, Fernando Mão de Ferro (Editor da Colibri). Foto de Ana Carvalho, 2o12

Godinho, Paula, ed. 2012. Os usos da memória e práticas do património, n.º 40, A Ieltsar se vai ao longe. Lisboa: Universidade Nova e Edições Colibri.

O livro “Os usos da memória e práticas do património” foi apresentado no passado dia 30 de Outubro (tal como havíamos anunciado em artigo anterior), efectivamente numa das mais belas livrarias portuguesas, a Ler Devagar (Lisboa), onde é um prazer maior ler devagar, muito devagar.

Este livro, o quadragésimo número da colecção “A Ieltsar se vai ao longe”, é na verdade o seu último volume (resultado das políticas de austeridade). O livro teve como ponto de partida a realização de seminários (Seminário de Estudos Aprofundados sobre Usos da Memória) na Universidade Nova que, por sua vez, resultaram num colóquio (2011), cujas contribuições foram posteriormente reorganizadas neste livro agora publicado. A memória é, desde modo, objecto de discussão a partir de várias especialidades disciplinares (veja a organização dos conteúdos aqui).

Na apresentação do livro, Isabel Victor, trouxe, naturalmente, a discussão para o seio da museologia. Trazendo para a arena das palavras a sua experiência e percurso, Victor reflectiu sobre a problematização do museu na pós-modernidade e a sua relação com a memória. Na centralidade do seu discurso ficou patente o texto de Mário Chagas “Há uma gota de sangue em cada museu” (1998), evocando também a importância dos preceitos da nova museologia para (re)pensar a memória em contexto museológico. Neste contexto, Victor referiu também algumas experiências museológicas no Brasil, tais como o Memorial da Resistência de S. Paulo, que faz parte da Pinacoteca do Estado de S. Paulo, o recente projecto “Pontos de Memória” (também no Brasil), e na África do Sul, o emblemático District Six Museum (Cidade do Cabo). Entre outros aspectos relevantes (que não se pretendem referir aqui exaustivamente), Victor referiu ainda outras “experiências” como o colóquio “From the Margins to the Core?” (2010, Victoria and Albert Museum, Londres), pelo mote que o justificou: “O museu é um lugar seguro para ideias não seguras”, demonstrando, por outro lado, que também os museus ditos tradicionais podem desenvolver estratégias favoráveis a uma museologia mais participativa e acessível.

De certo modo, a apresentação de Isabel Victor fez-me lembrar a comunicação de Jack Lohman (director do Museu de Londres) quando esteve em Portugal no âmbito das jornadas do ICOM-PT a propósito do tema “Museus e Memória” (cf. http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/3844), tema escolhido nesse ano para celebrar o Dia Internacional dos Museus (2011). Através de vários exemplos, Lohman fez uma retrospectiva dos diferentes usos e formas de explorar a memória em museus por todo o mundo. Como se referia no texto de apresentação das Jornadas sobre a memória:

“Nos museus, os objectos retêm, activam e transmitem memórias, enquanto expressão do património natural e cultural Implicando um vasto universo de entidades culturais, a memória requer um entendimento holístico e a comunidade museológica deve desenvolver projectos comuns ou em articulação com outras instituições que se ocupam da memória colectiva.

A temática Museu e Memória pode ser abordada sob diferentes vertentes, tais como: a conservação e o acesso aos acervos dos museus; a história dos museus e o tema do museu; a memória esquecida e memória, continuidade e identidade” (folheto programa Jornadas ICOM, 2011).

Embora o livro careça de contribuições provenientes do mundo dos museus (excepção feita ao artigo da italiana Sara Di Chiazza sobre uma colecção do Museu Nacional de Etnologia de Lisboa), pode dizer-se que este conjunto de artigos é um estimulante instrumento para reflectir sobre estas problemáticas em contexto museológico. Os museus são efectivamente lugares de memória e, como tal, palco/arena de representações identitárias e que, por sua vez, não são isentos às complexidades de fenómenos como a patrimonialização, a emblematização, a mercantilização, a teatralização, etc. Esta reflexão por parte dos museólogos revela-se fundamental e deve acompanhar os focos de experimentação no seio da praxis museológica.

A utilização da história oral para captação de memórias (testemunhos orais, histórias de vida) nos museus é ainda um fenómeno relativamente recente em Portugal. Muitas das iniciativas datam desta última década. Este processo acompanha também uma tendência para a valorização do imaterial, atendendo a um discurso oficial a este domínio no contexto das políticas públicas (ex. Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, UNESCO). São vários os museus (sobretudo os museus locais) que têm vindo a incorporar na poética museológica (e praxis) as questões da memória e a encetar processos de resgate de memórias junto das comunidades que servem, nalguns casos com um carácter pontual, noutros casos formalizando a criação de arquivos/centros da memória ou complementando centros de documentação já existentes (para maior aprofundamento consultar Carvalho 2011, 143-149)[1].

Sobre as questões da memória ficam duas sugestões de leitura que poderão também ser relevantes para esta reflexão. A primeira é uma rigorosa perspectiva crítica sobre o conceito de memória social da investigadora Elsa Peralta e, a outra sugestão, um artigo de Marta Anico sobre os usos da memória analisando as práticas dos museus de Loures, a propósito da exposição “Comércios de antigamente. Vivência de Memórias” realizada em 2003.

– Peralta, Elsa. 2007. Abordagens teóricas ao estudo da memória social: uma resenha crítica. Arquivos da Memória (2):4-23.

– Anico, Marta. 2003/2004. “Comércios de antigamente. Vivências e memórias” 1: construção e representação de significados culturais no Museu Municipal de Loures. Antropologia Portuguesa (20/21):133-153.


[1] Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios, 143-149. Lisboa: Edições Colibri, CIDEHUS-Universidade de Évora.

Reflexão sobre Museologia na Universidade de Évora

Palácio do Vimioso, Universidade de Évora, Portugal
Foto Ana Carvalho, 2012

No passado dia 25 de Junho de 2012 teve lugar um encontro de estudantes de doutoramento em museologia na Universidade de Évora promovido por dois dos centros de investigação da universidade, o CIDEHUS e o CEHFCi. Ultrapassada a questão de definir a museologia como ciência, um debate que se prolongou até há alguns anos atrás no contexto internacional, em boa verdade, a museologia é hoje um campo de estudo que se vai consolidando com o crescimento de estudos de mestrado e doutoramento.

Em Portugal, os cursos de pós-graduação em museologia surgem no final dos anos 80 e na década de 90. Entre as primeiras teses de mestrado podem referir-se a de Madalena Braz Teixeira –  “Do objecto ao museu” (Universidade Nova de Lisboa, 1983).

Uma das primeiras teses de doutoramento no âmbito da museologia ou tendo como objecto de estudo o museu surge em 1985 pela mão da antropóloga Nélia Dias (Le Musée d’Ethnographie du Trocadero (1878-1908). Anthropologie et muséologie en France), ainda que a partir de uma universidade francesa (École des Hautes Études en Science Sociales – Paris) e sobre uma realidade muselógica francesa. Efectivamente, as primeiras teses de doutoramento tendo como objecto de estudo o contexto português começam a surgir a partir dos anos 90, com os estudos de Natália Correia Guedes “Museologia e Comunicação” (Universidade Nova de Lisboa, 1994), Henrique Coutinho Gouveia “Museologia e etnologia em Portugal. Instituições e personalidades” (Universidade Nova de Lisboa, 1997), entre muitos outros que se seguiram.

Abertura dos trabalhos, por João Carlos Brigola, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

Como João Carlos Brigola e Maria Fátima Nunes fizeram notar, é importante propiciar espaços de encontro e discussão para os alunos que estão a desenvolver projectos de mestrado e doutoramento em museologia. E neste contexto de partilha e construção de espírito crítico foram convidados para este encontro três investigadores que completaram já os seus projectos de doutoramento noutras universidades portuguesas.

Comunicação de Sandra Leandro, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

Sandra Leandro, actualmente Professora Auxiliar na Universidade de Évora (Departamento Artes Visuais), fez o seu percurso académico na Universidade Nova de Lisboa, sendo membro integrado do Instituto de História da Arte (IHA) da mesma universidade na linha de investigação “Museum Studies”. É doutorada em História da Arte Contemporânea com a tese “Joaquim de Vasconcelos (1849-1936): Historiador, Crítico de Arte e Museólogo, em 2008, e mestre em História da Arte Contemporânea “Teoria e Crítica de Arte em Portugal” (1871-1900), em 1999.

A comunicação de Sandra Leandro centrou-se no projecto de doutoramento que desenvolveu em torno da figura de Joaquim Vasconcelos, sobretudo na relação deste com a criação do Museu Industrial e Comercial do Porto (1886-1899) e a sua curta história.

Comunicação de António Ribeiro da Costa, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

António Ribeiro da Costa terminou recentemente o seu doutoramento na Universidade de Coimbra com uma tese “Museologia da Arte Sacra em Portugal 1820-2010 – Espaços, Momentos, Museografia” (2012). Para um amplo período cronológico, António Ribeiro da Costa estudou um universo heterogéneo e significativo de “museus” ou espaços musealizados de arte sacra (na ordem das centenas) em contexto continental e insular. A temática não é isenta de problemáticas e suscita conflitos de diferentes níveis entre as  instituições interessadas na salvaguarda do património religioso, tal como foi dado a entender no debate que se gerou a partir da comunicação apresentada por António Ribeiro da Costa. Esta não é a primeira vez que a temática é objecto de estudo no contexto da museologia. Refira-se a este propósito a tese de Maria Isabel Roque: “Musealização do sagrado: Práticas museológicas em torno de objectos do culto católico” (2005, Universidade Lusíada) (disponível aqui), publicada em 2011 pela Universidade Católica Editora (sobre o livro consulte este artigo).

Comunicação de Adelaide Duarte, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

A última comuniçação do encontro coube a Adelaide Duarte (perfil em Museologia.porto e academia.edu) que terminou o seu projecto de doutoramento na Universidade de Coimbra (aguarda as provas para a defesa da tese). O título da tese é o seguinte: “Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea em Portugal na segunda metade do séc. XX. Contributos para a história da museologia”, sendo orientada por Irene Vaquinhas (Universidade de Coimbra) e Lúcia Matos (Universidade do Porto).

Os estudos de caso desta tese são as colecções que entraram recentemente na esfera pública, consubstanciando a criação de novos museus no panorama museológico português: Núcleo Arte Contemporânea (doação José-Augusto França) (desde 2004, Tomar), Centro de Arte Manuel de Brito (desde 2005, Algés), Museu Colecção Berardo de Arte Contemporânea (desde 2007, no CCB, em Lisboa) e o Museu de Arte Contemporânea de Elvas-Colecção António Cachola – MACE (desde 2007, Elvas).

Os três conferencistas partilharam os percursos traçados nas suas teses, nomeadamente as metodologias utilizadas, as fontes e as dificuldades inerentes ao processo de pesquisa, que foram de extrema utilidade para quem neste momento se depara com estas questões ou se prepara para o fazer. Note-se que entre a assistência se encontravam estudantes em diferentes momentos/estádios do processo de investigação. O que nos pareceu comum a todos os investigadores foi, entre outras questões, a dificuldade de acesso, em muitos casos, aos arquivos, nomeadamente aos arquivos públicos. Ao que tudo indica, não são raras as situações em que são os próprios investigadores que acabam por organizar partes do arquivo para conseguir aceder à informação. Apesar de muito ter evoluído no campo da arquivística e da documentação, ainda há muito por fazer. Por outro lado, não se trata apenas da necessidade de maior investimento na organização da documentação arquivística, mas também uma mudança de mentalidades que se posicione mais favorável e receptiva aos investigadores e no acesso à informação.

 

Encontro de estudantes doutoramento Museologia na Universidade de Évora

Universidade de Évora, Colégio do Espírito Santo
Foto: Ana Carvalho, 2010

No próximo dia 25 de Junho (segunda-feira) realizar-se-á um encontro de estudantes de doutoramento em museologia na Universidade de Évora. Esta sessão tem lugar das 15h00 às 18h00, no anfiteatro do Palácio do Vimioso, na Universidade de Évora.

Para partilhar o seu percurso de trabalho e experiência no contexto da museologia estarão presentes Sandra Leandro (Universidade de Évora), António Ribeiro da Costa (Universidade de Coimbra) e Adelaide Duarte (Universidade de Coimbra).

A organização é do CEHFCi (João Brigola e Maria de Fátima Nunes) e do CIDHEUS (Filipe Themudo Barata), e o encontro insere-se no Programa de Doutoramento em História e Filosofia da Ciência com especialidade em Museologia e Programa de Doutoramento em História da Universidade de Évora.

Programa Encontro Doutorandos Museologia 2012

A entrada é livre.

EMAC 2012

Comunicação de Michael Dixon (National History Museum, Reino Unido), EMAC 2 junho 2012, Museu Nacional de Arqueologia © Foto Ana Carvalho

Terminou no passado dia 2 de junho (sábado) uma jornada de vários dias da Musem Advisors Conference – EMAC 2012. A primeira nota sobre este evento é no sentido de reconhecer o excelente trabalho da organização conjunta entre a empresa “Mapa das Ideias” (que ganhou o prémio da APOM 2011 para melhor serviço de educação e mediação – Museu Nacional do Traje) e os Museus Municipais de Loures, trazendo para Portugal um evento europeu que reuniu profissionais de vários países. Todo o esforço realizado é notável e comprova que apesar da conjuntura actual é possível desenvolver iniciativas de base colaborativa que podem fazer a diferença, sobretudo pela possiblidade do confronto entre diferentes experiências e perspectivas sobre aqueles que poderão ser considerados os “hot topics” da cena museológica europeia.

Futuro Museu do Dinheiro, Banco de Portugal, Praça do Município, Lisboa © Foto Ana Carvalho, 2012

Diante do mote deste encontro, “The crisis as a challenge: to do more and better”, os “hot topics” abordados foram vários e fortemente associados aos problemas económicos que atravessamos, sendo particularmente evidente nos discursos dos participantes portugueses, holandeses, espanhóis e italianos. Das várias questões levantadas durante este encontro, e atendendo à realidade portuguesa, ficaram algumas inquietações:

A organização da EMAC levou-nos a diferentes cenários museológicos, uma vez que ao longo de 5 dias as conferências realizaram-se em diversos espaços e museus de Lisboa e arredores, permitindo o confronto com diferentes ambiências que, por um lado, nos recordaram da riqueza e diversidade do nosso património e do desenvolvimento a nível de infraestruturas que se operou no sector museológico nas últimas décadas. Mas por outro lado, a percepção de que coexistem realidades muito díspares no panorama museológico português (e a diferentes níveis), que são hoje, mais do que nunca sintomáticas de um política cultural assimétrica. Note-se, por exemplo o caso do recente projecto do museu do dinheiro (tutela do Banco de Portugal), que levanta muitas questões de incoerência e dissonância se atendermos ao enquadramento económico e social nacional e, por outro lado, relativamente a uma desejável política cultural assente numa estratégia alargada e concertada para o tecido museológico português.

Lembrando uma questão levantada por Michael Dixon (Director Natural History Museum, Reino Unido) e pensando na realidade portuguesa, até que ponto a comunidade de profissionais de museus tem sabido apresentar argumentos suficientemente fundamentados para defender a necessidade de assegurar a sua existência e actividade dos museus? E, por outro lado, que estratégias estão a ser equacionadas pelos diversos museus portugueses para responder aos desafios actuais? Entre a aplicação de uma política em Portugal pouco favorável à sobrevivência dos museus e a necessidade de se reflectir internamente (entre os profissionais do sector) sobre o presente e futuro dos museus, parece subsistir uma certa passividade (a par com muitos descontentamentos), mas que acaba por se arrastar em função das decisões políticas.  Afinal, que museus queremos, que museologia ?

Ficou patente que em Portugal há temas que precisam de ser profundamente discutidos e cujas problemáticas são partilhadas pela maioria dos museus, ou seja, modelos de gestão e financiamento, novos paradigmas como a participação (seja a nível das colecções, exposições e dos programas públicos), as novas tecnologias, o equilíbrio entre as funções museológicas, entre outros. O trabalho desenvolvido na Irlanda e de que Marie Bourke (National Gallery of Ireland) nos falou, nomeadamente a organização de eventos como o simpósio “Future Forecasting: the challenges facing museums and cultural institutions” (2011) e a mesa redonda “The challenges facing museums onsite and online in the 21st century” (2012), são exemplificativos da importância de introduzir a reflexão e o debate no momento actual, de forma a podermos repensar estratégias e antecipar os problemas.

Para a equipa que organizou a EMAC 2012: Inês Bettencourt da Câmara, Joaquim Jorge, Cristina Reboredo, Maria João Nunes e Ana Fernambuco, os meus sinceros parabéns!!!!!

European Museum Advisors Conference 2012 (1)

EMAC 2012, Museu de Sacavém
© Foto Ana Carvalho

A conferência internacional “European Museum Advisors” começou na terça-feira, dia 29 de Maio (até dia 2, sábado). Esta é a 9.ª edição do evento que se realiza de dois em dois anos em contexto europeu e que celebra 20 an0s de existência. Este ano coube a Portugal ser o país anfitrião, pela mão de Inês Bettencourt da Câmara (Mapa das Ideias) e Joaquim Jorge (Museus Municipais de Loures), e o apoio de várias instituições portuguesas (ver programa).

O tema deste encontro não poderia vir mais a propósito: “The crisis as a challenge: to do more and better”. Esta premissa marcou o tom de muitas das intervenções que procuraram de forma optimista responder a este apelo.

Na realidade, há muito tempo que em vários museus portugueses se trabalha com orçamentos inexistentes, ainda que a realidade que enfrentamos hoje se agrave também por uma certa incapacidade de reacção e desmotivação generalizada. As apreensões, tensões e fricções identificadas ultimamente no sector profissional dos museus, em grande parte causadas pelo anúncio de uma reestruturação do sector cultural a nível da administração central e regional (entendida por muitos como arbitrária, e ao sabor do argumento “crise”), têm despertado muitas emoções, mas pouca mobilização dos vários agentes/actores (não falo apenas dos profissionais de museus e respectivas organizações, mas também das universidades) interessados na definição de uma política museológica e patrimonial sustentável. Falta uma reflexão conjunta sobre o rumo da museologia portuguesa, estruturada a partir de temáticas concretas, que possa fazer face a este diagnóstico de asfixia orçamental.

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Da esq. para a direita: Prof. Amareswar Galla e Joaquim Jorge
© Foto Ana Carvalho

No entanto, pode dizer-se que o primeiro dia de debate promovido pela conferência “European Museum Advisors” demonstrou a importância de partilhar experiências de trabalho que sugerem caminhos alternativos para superar a conjuntura em que se vive. Sem pretender resumir o primeiro dia deste encontro, confirmadamente rico e diverso nas perspectivas apresentadas, destaco apenas alguns momentos que na minha perspectiva fizeram a diferença (e que é certamente um olhar muito pessoal…). Primeiramente, a comunicação do Prof. Amareswar Galla (International Institute for the Inclusive Museum), que falou de multiculturalismo, políticas de integração e políticas de assimilação na Europa, diálogo intergeracional e diálogo intercultural, novos paradigmas, social media, a potencialidade das colecções, envolvimento e inclusão. Uma das mensagens deixadas pelo Prof. Amareswar foi o enfoque da criatividade como ingrediente imprescindível para relativizarmos a “crise” e a importância das nações desenvolverem políticas inclusivas ao contrário do que parece ser o caminho trilhado…

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Joana Sousa Monteiro
© Foto Ana Carvalho

Joana Sousa Monteiro (Câmara Municipal de Lisboa) apresentou a experiência de dois anos de trabalho em torno da reformulação da rede de museus municipais de Lisboa. Desta apresentação foi perceptível um percurso de investigação sério e reflexivo. O discurso pontuou pela assertividade e por uma atitude perseverante no sentido de alcançar práticas de gestão mais coerentes e eficientes.

Um outro momento profundamente inspirador foi a apresentação de Mário Antas (Museu Nacional de Arqueologia) que deu conta de um trabalho (“Network of School Archaeological Clubs”) assente na cooperação entre museu e escolas. A dedicação e empenho profissional foi um elemento-chave neste processo/projecto. Este projecto ganhou recentemente o prémio CECA para as melhores práticas educativas (CECA Best Practice Award).

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Da esq. para a direita: Sofia Borges, Wolfgang Täebler (moderador) e Patricia Remelgado
© Foto Ana Carvalho

O projecto “Trienal Movimento Desenho 2012” destacou-se pela originalidade da abordagem. Assente na criação de redes informais e na cooperação, as autoras do projecto tem procurado reunir pessoas e instituições interessadas na importância e valorização do desenho (nas suas diversas vertentes) com o objectivo de se organizar um evento nacional, cuja 1.ª edição terá lugar este ano (15 de outubro a 15 de dezembro). A dedicação dos profissionais que fazem parte da comissão organizativa deste evento foi também um ingrediente fundamental para tornar possível um projecto sem orçamento.

Políticas museológicas em Portugal – o estado da arte?

De acordo com informação veiculada pelo ICOM-PT, está disponível no site do ARTv, a gravação integral da audição junto da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, na Assembleia da República (AR), realizada no dia 15 de Maio de 2012 sobre questões ligadas à Política Museológica Portuguesa. Esta reunião tinha como enquadramento a celebração do Dia Internacional dos Museus deste ano (MUSEUS NUM MUNDO EM MUDANÇA: Novos Desafios, Novas Inspirações), mas acabou por extrapolar para temas que estão na ordem do dia, nomeadamente as mudanças trazidas no âmbito da reformulação institucional do sector, com a criação da nova Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), cuja lei orgânica irá exigir alterações profundas com consequências, ao que tudo indica, menos positivas para os museus e para os profissionais.

Nesta audição, da parte de museus e instituições associadas, estiveram presentes Raquel Henriques da Silva, professora da Universidade Nova de Lisboa e directora do Instituto de História da Arte (IHA) da mesma universidade e ex-directora do Instituto Português de Museus (1997-2002), João Neto, Presidente da Associação Portuguesa de Museus (APOM), Luís Raposo, Presidente do Comité Nacional do ICOM, Isabel Victor, directora da Rede Portuguesa de Museus (RPM) e Grabriela Carvalho, professora na área do turismo.

Os vários interlocutores, a partir de diferentes perspectivas mostraram muitas apreensões sobre o que está a passar na cena museológica portuguesa, nomeadamente sobre a nova configuração institucional para os museus, património e conservação, com grande ênfase sobre a forma como o processo de elaboração da nova lei orgânica da DGPC foi conduzido, sendo referido, por quase todos, que o processo foi efectivamente mal conduzido e antidemocrático, uma vez que os profissionais do sector não foram ouvidos neste contexto. Vários aspectos foram ainda sublinhados, e sem a pretensão de resumir esta sessão, destacaria alguns: a incerteza do futuro da RPM, e do caminho alcançado pela Lei-quadro de Museus de 2004, a futura entrega de museus nacionais às direcções de cultura regionais, o papel dos directores de museus no futuro cenário institucional e o futuro também incerto de muitos profissionais ligados ao sector.

Raquel Henriques da Silva foi peremptória, quando afirmou que a situação é “profundamente crítica e grave”, e que se assiste na cultura a um também profundo retrocesso para os museus.

Talvez seja o momento para uma mobilização significativa dos profissionais do sector, que com poucas excepções e de carácter pontual, se têm feito ouvir, mas que diante da situação em que se vive,  poderia ter um papel mais activo na discussão e reflexão sobre os problemas que afectam os museus e para uma redefinição daquilo que se pretende alcançar para a museologia em Portugal. Será que o tempo dos manifestos acabou?

Pode ver e ouvir a audição na íntegra aqui:

http://80.251.167.42/videos-canal/XII/SL1/02_com/08_cecc/20120515cecc_pmus.wmv

Pode consultar também a notícia no Público sobre esta matéria: http://www.publico.pt/Cultura/audicao-era-de-celebracao-aos-museus-mas-o-debate-acabou-na-nova-direccao-geral-do-patrimonio-cultural–1546224

Museus participativos, um olhar…

Reflexão, partilha, participação, inclusão, emoções, manifestos, identidade, pós-modernismo, educação, pedagogias actuais, investigação, políticas, envolvimento, museus e universidade, novos paradigmas, territórios participativos, colaboração, redes, sustentabilidade, projectos, TRANSFORMAÇÃO, questionamento permanente, aprendizagem, dinâmicas colaborativas, museu como lugar performativo, felicidade, colecções, Paixão, mediadores, utopias, valores, INTERVENÇÃO, impactos sociais, indicadores de impacto, MUDANÇA, educação financeira, MUSEU RELEVANTE, Identidade de lugar, avaliação, representações

…são algumas das palavras-chave das reflexões à volta do seminário “Museus Participativos: Questões de acessibilidade, sustentabilidade e outros manifestos (7 de maio 2012), organizado pela Universidade do Porto e pela Fundação Dr. António Cupertino de Miranda, onde se realizou esta jornada de reflexão crítica em torno das práticas museológicas nos museus do Porto.

Este seminário insere-se no âmbito do projecto de investigação “Museus do Porto: desafios para a construção de territórios colaborativos” (coord. Alice Semedo) (sobre o projecto ver post anterior), sendo que este seminário foi uma sessão aberta ao público.

Depois de uma breve apresentação e contextualização do projecto de investigação (por Alice Semedo e Inês Ferreira), seguiu-se Jocelyn Dodd da Universidade de Leicester, que deu a conhecer algumas experiências inglesas em matéria de inclusão e acessibilidade.

Maria Amélia Cupertino de Miranda (Fundação dr. António Cupertino de Miranda), em cima na foto, apresentou aquele que pode ser considerado um exemplo de boas práticas desenvolvido pelo museu na área educativa, partilhando os sucessos e os fracassos de um processo de mudança que o museu encetou numa perspectiva de se tornar mais relevante, através da construção de (novos) territórios. A partilha de experiências tem sido parte integrante do projecto de investigação “Museus do Porto: desafios para a construção de territórios colaborativos”.

Fará sentido, hoje, falar de manifestos? João Teixeira Lopes (Universidade do Porto) falou de manifestos e da sua construção a partir de “10 mandamentos”.

Cerca de 100 pessoas foram distribuídas em diversos grupos (círculos de conversas) para pensar nos manifestos e na sua construção. Depois, foi “meter as mãos na massa” e criar…

O que nos liga?

O que nos distingue?

E…

Momentos particularmente férteis para a reflexão sobre os museus foram proporcionados por Alexandre Quintanilha  (Universidade do Porto), Silvia Berény (OSMPE-Organização Social do Movimento das Pontes Educativas), Pedro Lamares (Actor, encenador, formador), com a moderação de Paulo Azevedo (Cleo Sonae). Um olhar de fora dos museus foi extremamente prolífico para repensar posicionamentos sobre o que pode ser o museu e, a todos nós quanto aquilo em que acreditamos ser o papel do museu. Momentos Out of the box

A rEDUvolucion nos museus? María Acaso (Universidad Complutense de Madrid) e as suas “pedagogías tóxicas” vs “pedagogías actuais”, num tom muito particular, sempre provocador e revolucionário. María Acaso tem vários livros publicados. Merece particular atenção um dos últimos livros que tem aplicação nos museus de arte contemporânea:

Acaso, María, coord. 2011. Perspectivas: Situación actual de la educación en los museos de artes visuales. Madrid: Editorial Ariel. Também disponível em pdf: http://mariaacaso.blogspot.pt/search/label/publicaciones (blog de María Acaso)

O que queremos que seja o museu?

Este seminário foi um encontro feliz no sentido em que promoveu a discussão sobre temas que são centrais para a (re)definição do museu (afinal, que museus queremos?, que profissionais queremos ser?) E já que nos aproximamos do dia internacional dos museus (18 de Maio), dedicado este ano ao tema: Museus num Mundo em Mudança: Novos Desafios, Novas Inspirações”, este encontro não poderia estar mais em sintonia!!!!

 

Sinfonia Imaterial


© INATEL

Na passada sexta-feira, dia 24 de fev (2012)., o filme Sinfonia Imaterial (de Tiago Pereira), que se encontra em digressão desde 2011, foi apresentado no contexto da Pós-Graduação de Património Cultural Imaterial da Universidade Lusófona (Ler mais sobre o curso aqui).

Para além das emoções que o filme suscita dá-nos a conhecer a imensa diversidade do nosso património, que se revela em muitos casos surpreendente. Não pretendendo um levantamento exaustivo de todo o património oral e musical, o filme permite perceber que este é um campo de infinita descoberta e que questiona muitas ideias preconcebidas sobre o nosso património. Por outro lado, o filme deixa transparecer que em muitos casos as ligações dos jovens às tradições ainda prevalece, contrariando a ideia generalizada de uma ruptura entre a tradição e a modernidade. As recolhas realizadas no âmbito deste filme deixam um lastro de curiosidade, uma espécie de convite a conhecer um Portugal claramente diverso e que não está valorizado. Para além disso, o filme parece confirmar também a ideia de que o Património Cultural Imaterial é de facto uma fonte de inspiração para a construção do presente e de novas identidades num mundo em transformação.

Sobre o filme:

“Um registo das práticas musicais de tradição oral portuguesa, que estão vivas e que prevalecem nas várias regiões de Portugal continental e ilhas; os ritmos mais raros e relevantes, o desempenho das vozes e talentos amadores num concerto único.”

“Sem voz-off ou entrevistas, o filme documenta o património oral e musical, recolhendo as práticas existentes de norte a sul do país incluindo ilhas, descobrindo a riqueza rítmica de cada paisagem sonora e explorando a ideia de um Portugal culturalmente diversificado.”

O filme foi encomendado pela Fundação INATEL (ONG reconhecida pela UNESCO como perita no âmbito da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial).

Mais informações:
http://www.inatel.pt/content.aspx?menuid=642
patrimonioimaterial@inatel.pt

Fonte: Folheto promocional do Filme, Fundação INATEL