Arquivo da Categoria: Conferences

Construir o Futuro, Compreender o Passado: Jornadas de Primavera do ICOM Portugal

A propósito do Dia Internacional de Museus, realizam-se no próximo dia 27 de Março as  Jornadas de Primavera do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus), este ano intituladas: “Construir o Futuro, Compreender o Passado”.

A entrada livre, mas está sujeita a inscrição: info@icom-portugal.org

PROGRAMA


09h30
Abertura da Assembleia-Geral Eleitoral (membros do ICOM)
10h00
Sessão de abertura das Jornadas da Primavera
José Alberto Ribeiro, Presidente do ICOM Portugal
10h15
“Que Futuro Queremos Dar ao(s) Museu(s), Agora? Algumas Questões da Museologia Contemporânea: Entre o Panorama Mundial e a Situação em Portugal”, Clara Frayão Camacho e Graça Filipe
11h00 Debate
11h15 Pausa para café
11h30
“Dizer o Indizível nos Museus: A Experiência do Museu do Aljube”, Luís Farinha
Moderação e comentário de Inês Fialho Brandão
12h15 Debate
12h30 Encerramento das Jornadas
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
14h30
Encerramento da Assembleia-Geral Eleitoral (membros do ICOM)
15h00h
Assembleia-Geral do ICOM Portugal (membros do ICOM)

Mais informações: http://icom-portugal.org/destaques,6,588,detalhe.aspx

Os 50 Anos de “L’Amour de l’Art”: Dívidas, Críticas e Desafios

lamour_24nov2016_cartaz

No próximo dia 24 de novembro (quinta-feira), no ISCTE-IUL, em Lisboa, realiza-se o “Encontro nos 50 Anos de L’Amour de l’Art: Dívidas, Críticas e Desafios.”

Os 50 anos que se completam em 2016 sobre a primeira edição da obra L’Amour de l’Art: Les Musées et Leur Public, de Pierre Bourdieu e Alain Darbel, dão o mote para a organização deste encontro, que pretende reflectir sobre os desenvolvimentos actuais nas áreas dos públicos e da evolução dos museus, numa perspectiva interdisciplinar, tendo em conta o cruzamento entre a Sociologia e a Museologia.

A entrada Livre, mas está sujeita a inscrição até 18 de novembro. Para mais informações, contacte: encontro50anosamorpelaarte@iscte.pt

O encontro é organizado pela Direção-Geral do Património Cultural, pelo Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa e pelo Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do ISCTE.

O programa está disponível em: http://www.patrimoniocultural.pt

Museus, Comunidade e Turismo, um Triângulo Virtuoso?

museus-comunidades-e-turismo

As próximas Jornadas de Outono do ICOM Portugal são subordinadas ao tema “Museus, Comunidade e Turismo, Um Triângulo Virtuoso”. Pretende-se abordar as relações, entre benefícios e desvantagens, estabelecidas entre os museus e as comunidades onde estão inseridos, tendo em conta as novas realidades ligadas aos fluxos turísticos. Sendo certo que cada caso é um caso, será possível estabelecer alguns pontos comuns que ajudem à melhor percepção do papel e dos contributos que os museus podem dar à causa das economias locais, regionais e nacionais. Este encontro visa obter bons contributos para melhor se perceber o papel que os museus atualmente podem jogar no seio das comunidades que servem.

A conferência contará com a participação de diversos especialistas como François Mairesse, Teresa Morales, José Gameiro, Karen Brown, Joana Monteiro, Peter Davis e será concluído com uma mesa redonda em que participarão os presidentes do ICOM Europa, Luís Raposo, do ICOM Portugal, José Alberto Ribeiro e do ICOM Espanha, Luís Grau Lobo.

Estas jornadas realizam-se no dia 29 de Outubro no Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu. A entrada é livre, mas está sujeita a inscrição através do email: paulacardoso@mgv.dgpc.pt

Mais informações no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/destaques,6,565,detalhe.aspx

****

PROGRAMA

9h00 > 9h30
Receção aos participantes

9h30
Sessão de Abertura
Direção Geral do Património Cultural
Presidente da Câmara Municipal de Viseu
Presidentes do ICOM Europa, Espanha e Portugal

10h15
Touriste, mon ami?
por François Mairesse (Comunicação Inaugural)
Presidente do ICOFOM, Comité Internacional para a Museologia

11h30
Questioning the Virtuous Triangle
por Teresa Morales
Instituto Nacional de Antropologia e História do México

12h00
Entre Turismo e Comunidade que lugar para os Museus? O Caso do Museu de Portimão
por José Gameiro
Diretor Científico do Museu de Portimão

12h30
Debate

13h00
Almoço Livre

15h00
Eco- and Community Museums and Tourism in Scotland and Costa Rica
por Karen Brown
Universidade de St Andrews, Escócia, Reino Unido

15h30
Museus municipais e turismo – o caso do Museu de Lisboa no contexto de uma cidade em crescimento turístico
por Joana Monteiro
Diretora do Museu de Lisboa, Museóloga

16h30
Marketing territory – Ecomuseums, tourism and the local economy
por Peter Davis
Universidade de Newcastle Inglaterra, Reino Unido

17h30
Mesa Redonda/Sessão de Encerramento
Presidentes do ICOM Europa, Luís Raposo; ICOM Portugal, José Alberto Ribeiro e ICOM Espanha, Luís Grau Lobo

19h00
Inauguração da exposição temporária:
Além de Grão Vasco. Pintura entre o Mondego e o Douro, do Renascimento à Contra Reforma
Comissários: José Alberto Seabra e Joaquim Caetano (MNAA)

20h00
Dão de Honra

Acesso Cultura organiza conferência sobre acessibilidade da linguagem

Acesso Cultura - conferencia 2016

A associação Acesso Cultura organiza a sua conferência anual no dia 17 de Outubro de 2016. O tema é a acessibilidade da linguagem na instituições culturais (museus, teatros, entre outros espaços culturais).

Em 2006, o GAM – Grupo para a Acessibilidade nos Museus (e antecessor da Acesso Cultura) abordou pela primeira vez em Portugal a acessibilidade da comunicação, com a realização do seminário Sabe escrever para todos? A acessibilidade da comunicação escrita nos museus. Dez anos depois, a Acesso Cultura propõe reflectir novamente sobre as questões da acessibilidade da comunicação, desta vez não só sobre a acessibilidade da linguagem, mas também sobre a relevância dos conteúdos e sobre o conceito da “relevância” em si.

Para quem queira participar como conferencista, há uma chamada aberta para contributos até dia 30 de Julho. O programa conta já com alguns conferencistas convidados: Dany Louise, Isabel Galvão, Joana Lobo Antunes, Joana Moscoso, Joana Sousa Monteiro, José Alberto Ribeiro, Martine Gosselink, Sandra Fisher Martins e Sandy Gageiro.

Para inscrição e programa: https://acessocultura.org/conferencia-anual-2016/

O lugar do Património Imaterial em debate na Universidade de Évora

o lugar do património imaterial

No próximo dia 7 de Julho (quinta-feira) decorrerá o II Encontro da Cátedra UNESCO em Património Imaterial da Universidade de Évora subordinado ao tema “O Lugar do Património Imaterial”. Terá lugar no Palácio do Vimioso (junto à Sé de Évora), na sala 205. A entrada é livre.

“Ao passar por um processo evolutivo, com novas dimensões, a habitual definição de património cultural aglutinou outros patrimónios. É na sequência deste processo que surge o Património Cultural Imaterial (PCI), como resultado de um conjunto de expressões, interligadas e complexas, apelando à diversidade cultural, estando, pois, na base da(s) identidade(s) dos grupos e comunidades. É justamente a complexidade do conceito que lhe está subjacente, a par com as diferentes políticas culturais conduzidas e aplicadas, nos últimos tempos, em termos de inventariação, salvaguarda e promoção, por parte dos diferentes agentes culturais, que obriga a revisitar, questionar e debater, na atualidade, várias questões em torno do PCI.

É neste exercício que o II Encontro da Cátedra se pretende envolver. São pois os seus objectivos:

– revisitar o conceito de PCI;

– avaliar alguns resultados da aplicação da Convenção de 2003, nomeadamente em Portugal;

– questionar e reflectir sobre os mecanismos legais subjacentes;

– discutir os problemas da salvaguarda e da promoção do PCI.”

A Cátedra UNESCO em Património Imaterial foi atribuída à Universidade de Évora em 2013. Desde então iniciou-se um projecto de investigação com o objetivo de promover um sistema integrado de pesquisa, formação, informação e documentação sobre o património cultural imaterial. A Cátedra vai facilitar a colaboração entre investigadores internacionalmente reconhecidos e docentes da Universidade e de outras instituições em Portugal, em diversos locais da Europa e de África, assim como noutras regiões do mundo (cf. http://www.catedra.uevora.pt/unesco/). Filipe Themudo Barata, Professor Associado da Universidade de Évora é o titular da Cátedra. Conheça o seu percurso e visão sobre património e museologia em: https://nomundodosmuseus.hypotheses.org/5159.

****

Programa

9:30 Receção dos participantes e entrega das pastas

9:45 Sessão de abertura – Boas vindas, Filipe Themudo Barata (Cátedra UNESCO)

10:00 Comunicação de Ana Paula Amendoeira (Direção Regional da Cultura do Alentejo)

10:30 Património Cultural Imaterial, Conceito Revisitado, Clara Bertrand Cabral (Comissão Nacional da UNESCO)

11:00 Debate

11.30 Coffee break e visita da exposição dos posters

12:00 Mesa Redonda: Os Domínios do Património Cultural Imaterial

Moderadora: Armanda Salgado (Cátedra UNESCO/Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades – CIDEHUS da Universidade de Évora). Intervenientes: João Brigola (Cátedra UNESCO/Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades – CIDEHUS da Universidade de Évora), Filomena Sousa (MEMORIAMEDIA), José Santos (Turismo do Alentejo – ERT) e Eduardo Luciano (Câmara Municipal de Évora)

12:45 Almoço

14:00 Museu da Ruralidade (Castro Verde): Trabalhar a Oralidade, Conhecer a Comunidade. O Exemplo d’O meu presépio, Miguel Rego (coordenador do Museu da Ruralidade de Castro Verde)

14:30 A Imaterialidade na Construção do Habitar: A Importância do Saber-fazer, Marta Santos (Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa, Centro de Investigação em Arquitectura Urbanismo e Design – CIAUD)

15:00 A Alimentação como Património, José Manuel Sobral (Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa)

15:30 Convenção de 2003: Das ‘Ameaças’ às Oportunidades, Ana Carvalho (Cátedra UNESCO/Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades – CIDEHUS da Universidade de Évora)

16:00 Debate

17:00 Conclusões e encerramento

****

Cartaz (em pdf)

Programa (em pdf)

Seguindo a vida social da Convenção de 2003

Cartaz do evento

No próximo dia 13 de Maio (sexta-feira) realiza-se mais uma conferência aberta no âmbito do programa de doutoramento FCT em Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura do ISCTE. Desta vez será a antropóloga Chiara Bortolotto (École des Hautes Études en Sciences Sociales, Institut Interdisciplinaire d’Anthropologie du Contemporain), cujo título da conferência é: “Halfie” Anthropology of Global Heritage Governmentality: from methodological anxieties to heurística discomfort. Acontece pelas 18h, no auditório B203, Ed. II, ISCTE-IUL. Chiara Bortolotto tem trabalho sobre a problemática que envolve a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003).

Para quem não possa estar fisicamente presente pode fazê-lo a partir de casa via livesreaming: https://recad.iscte-iul.pt/ess/echo/presentation/9478ad40-44f1-4f54-9048-1dc20206bf1a

Abstract: The presentation considers the methodological challenge of exploring global heritage governmentality as a “halfie” anthropologist belonging at once to the academic community and to the epistemic community associated with the implementation of the UNESCO Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage. As Intangible Cultural Heritage (ICH) domains overlap with the traditional objects of anthropological research, anthropologists are “natural” interlocutors for heritage organisations and bureaucracies at international, national and local levels. This often-serendipitous complicity is a key methodological condition for exploring global heritage governmentality by following the social life of the UNESCO ICH Convention along the trajectory of its implementation.

Bionote: Chiara Bortolotto is a research associate at the Institut interdisciplinaire d’anthropologie du contemporain. Her research focuses on global heritage governance and is based on multiscale and multipositioned ethnography. She is the principal investigator of the project “UNESCO frictions: Heritage-making across global governance” at the École des hautes études en sciences sociales (Paris). In 2013-2014 she was a visiting EURIAS fellow at Cambridge University at the Centre for Research in the Arts, Social Sciences and Humanities (CRASSH). From 2010 to 2013 she was a Marie Curie fellow at the Free University of Brussels (Laboratoire d’Anthropologie des Mondes Contemporains Lamc). She has edited Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie (Maison des sciences de l’homme, Paris, 2011) and published several articles on UNESCO Intangible Cultural Heritage policies.

O tema da ruralidade junta museus no Alentejo em segundo encontro

Cartaz do encontro

Amanhã, 5 de Maio (quinta-feira), realiza-se o II Encontro de Museus Rurais do Sul, no Museu Municipal de Santiago do Cacém. A ruralidade é o tema aglutinador de vários museus na região do Alentejo, que assim se reúnem para discutir problemáticas transversais.

A entrada livre e ainda é possível fazer inscrição, através do email: museu@cm-santiagocacem.pt

****

Programa

9h30 – Abertura

9h45 – O projecto Museus Rurais do Sul, Miguel Rego (Museu da Ruralidade, Castro Verde)

10h00 – Os barcos do Ardila, António Martins (Museu de Santo Amador)

10h30 – Tradição e Técnica do Mundo do Trabalho: Retratos de uma Sociedade Rural na Primeira Metade do Séc. XX, Luísa Costa (Museu da Vidigueira)

10h50 – Debate

11h00 – coffee break

11h20 – Visita ao Museu do Trabalho Rural (Abela)

13h00 – Almoço livre

14h30 – Museu Rural: Espaço de Saberes Tecnológicos, do Passado e do Presente, António Nabais (museólogo, Associação Portuguesa de Museologia – APOM)

15h15 – Memória dos Pescadores de Santo André, Dina Calado (formadora)

15h50 – Debate

16h00 – Coffee break

16h15 – O Artesanato e a Fotografia no Discurso Museológico do Museu do Campo Alentejano, Paula Cristina Breites Moreira Freire (Museu do Campo Alentejano, Avis)

16h35 – O Projecto do Carro Cantador, José Matias (Museu do Trabalho Rural)

17h00 – Debate

17h30 – Visita Guiada pelo Sr. Júlio Sabino à sua Exposição de Barcos e Cabanas de Pescadores de Santo André

18h00 – Encerramento

Pode o património ajudar a pensar o futuro?

Templo evora

Na próxima sexta-feira (29 de Abril), Rodney Harrison (UCL Institute of Archeology) estará em Lisboa para uma conferência intitulada “Heritage Futures“. O evento é organizado no âmbito do programa de Doutoramento FCT em Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Muselogia  do ISCTE (http://cria.org.pt). Realiza-se às 18h, no ISCTE, Auditório B203, Ed. II.

Abstract: How does heritage make the future? From nuclear waste in Sweden to global endangered languages, from a frozen genetic ‘Ark’ in Nottingham to the global seed vault in Arctic Norway, and from ‘rewilded’ landscapes in Portugal to paper-based archives in Paris, ‘Heritage Futures’ aims to develop a broad, international and cross-sectoral comparative framework for understanding ‘heritage’ not as a domain which is concerned with the past, but rather as a series of heterogeneous yet distinctive practices which involve the management of material and discursive legacies of various forms and which are oriented towards assembling (alternative) futures. This paper introduces this collaborative research project, which involves a team of 12 researchers and 21 international partner organisations, and aims to show how its broad themes relate to some of the most pressing ecological, social and political issues of our time. Central to our focus on what I term heritage ontologies-the world making, future assembling capacities of different heritage practices-is the recognition of ontological plurality; that different forms of heritage practices enact different realities and hence work to assemble different futures. I conclude with some notes which consider the potential for a comparative ethnology of global heritage practices through this ontological lens.

Rodney Harrison is a Reader in Archaeology, Heritage and Museum Studies at the Institute of Archaeology, University College London. He is the author or editor of over a dozen books and special journal issues and over sixty peer reviewed articles and book chapters on topics relating to the material histories and contemporary sociopolitics of anthropology, archaeology, heritage, material culture and museums. He is Vice Chair of the Association of Critical Heritage Studies, founding editor of the Journal of Contemporary Archaeology and Principal Investigator on the major AHRC-funded ‘Heritage Futures’ project.

Harrison é autor de Understanding the Politics of Heritage (2010) e de Heritage: Critical Approaches (2013), entre outros.

Também será possível assistir à conferência via livestreaminghttps://recad.iscte-iul.pt/ess/echo/presentation/4d8f7d19-00fe-4aee-aa7e-9ce7709b9f11

Trabalhar com orçamentos reduzidos é tema de discussão em encontro na Casa da Cerca

Vista aérea da Casa da Cerca

Cortesia Mário Rainha Campos © 2014

No próximo dia 6 de Maio (sexta-feira) há encontro marcado na Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea (Almada) para discutir sobre como trabalhar em museus com orçamentos reduzidos, a partir da experiência deste equipamento cultural (tutela da Câmara Municipal de Almada). Este encontro de carácter informal combina a discussão sobre o tema com visitas guiadas às exposições. No evento participarão Emília Ferreira, Sónia Francisco, Ana Isabel Ribeiro e Vanda Piteira.

O encontro insere-se no âmbito do mestrado Museologia da Universidade Nova de Lisboa, sendo organizado por Raquel Henriques da Silva, Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro, investigadoras do Instituto de História da Arte da mesma Universidade.

A entrada é livre.

****

Programa:

14H Recepção
Visita orientada às exposições (Emília Ferreira)
Visita orientada ao Chão das Artes-Jardim Botânico (Sónia Francisco)
Passagem pelo Centro de Documentação

15H30 Auditório da Casa da Cerca)
Ana Isabel Ribeiro (directora da Casa da Cerca) – enquadramento da gestão (incluindo recursos humanos) no contexto municipal
Emília Ferreira (investigação, curadoria, serviço educativo) – pensar e criar uma exposição dentro de um orçamento reduzido
Vanda Piteira (comunicação e produção) — comunicar a Casa da Cerca; comunicação e produção com orçamento reduzido

17H Debate
Encerramento

 

ICOM discute nova Recomendação da UNESCO e o papel dos museus na interpretação das paisagens culturais

Jornadasprimavera2016

O ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus) organiza as habituais Jornadas de Primavera, que se realizam no próximo dia 28 de Março, no Palácio da Ajuda. O objectivo das jornadas é reflectir sobre a nova Recomendação da UNESCO Relativa a Museus e Colecções e sobre a Carta de Siena – Museus e Paisagens Culturais, tema do Dia Internacional de Museus. Entrada livre, mas é necessário inscrição através do email: info@icom-portugal.org

A “Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel da Sociedade” foi aprovada a 17 de Novembro de 2015, em Paris, no âmbito da 38.ª sessão da assembleia-geral da UNESCO. O último documento da UNESCO referente a museus datava da década de 1960. Mais de 50 anos passados, esta nova Recomendação marca uma posição sobre quais as orientações que devem ser seguidas pelos Estados-parte em matéria de políticas museológicas.

Porquê uma Recomendação da UNESCO? Qual a sua importância? Quais as novidades? Que impacto para as políticas nacionais? Estas são algumas das questões de partida para uma conversa com Clara Frayão Camacho, que foi a perita nacional envolvida na discussão na fase preparatória do documento, e com Pedro Pereira Leite, museólogo que tem centrado a sua investigação no papel social dos museus. Eu estarei com moderadora da conversa. A Recomendação, em inglês, está disponível no seguinte endereço: http://bit.ly/1plPPqI

A Carta de Siena refere-se aos “Museus e Paisagens Culturais” que é o tema do Dia Internacional de Museus deste ano e o mote da 24.ª conferência-geral do ICOM em Milão (3-9 Julho 2016). É uma proposta italiana apresentada ao ICOM e que resultou de uma conferência internacional que teve lugar em Siena a 7 de Julho de 2014 para repensar o papel dos museus na protecção das paisagens culturais.

Entende-se que a paisagem cultural é parte integrada do património cultural e natural e que cabe também aos museus a responsabilidade de a preservar e interpretar na sua dimensão material e imaterial. Podem os museus tornar-se centros de interpretação dos lugares e das comunidades que servem? A resposta afirma-se positiva, mas como disseminar o conhecimento produzido sobre este património? Que competências e recursos são necessários? Que abordagens? Que oportunidades estão implícitas um papel mais activo dos museus no território? Estas são algumas das interrogações que o tema evoca. Joana Sousa Monteiro, secretária do ICOM Portugal e actual directora do Museu de Lisboa, e Dália Paulo, membro da direcção do ICOM Portugal e directora do Museu de Loulé apresentarão a Carta de Siena e as respectivas interpelações aos museus.

Mais informações sobre a Carta de Siena em: http://bit.ly/2286a3I.

Mais Informações sobre o Dia Internacional de Museus 2016 em: http://bit.ly/1Rd2cSg

No mesmo dia, pelas 15h, decorre a assembleia-geral do ICOM Portugal. Trata-se de um momento importante de debate e reflexão interna e uma oportunidade para todos os membros participarem na discussão de assuntos relevantes para a vida da associação e para a comunidade museológica em Portugal. A participação dos membros é essencial, uma vez que com o contributo de todos o ICOM Portugal será, cada vez mais, uma organização forte e capaz de promover as mudanças necessárias para os museus portugueses e para os seus profissionais.

Acesso Cultura debate a crise dos refugiados no sector cultural

20160216_lisboa

A crise dos refugiados está muito presente hoje na Europa, mas também nos restantes continentes. Tornou-se óbvio que a União Europeia tem dificuldades em criar consenso em relação à forma de gerir esta situação e em estruturar um plano de acção. Ao mesmo tempo, as medidas recentemente tomadas por alguns governos indicam um endurecimento das posições, que em alguns casos vem reforçar os estereótipos em relação ao “Outro” e à ameaça que ele representa para a sociedade e a cultura europeia.

Qual é o papel das instituições culturais neste contexto? A crise dos refugiados, os seus contornos, as questões que levanta para a sociedade são assuntos que dizem respeito ao sector cultural ou estão fora do seu âmbito de acção e das suas prioridades? Ao decidir envolver-se, de que forma uma instituição cultural poderá ou deverá proceder? Que cuidados deverá ter? Que objectivos?

Debate oportuno e relevante.

A entrada é livre. Decorrerá em vários locais do país, à mesma hora: das 18h30 às 20h na próxima terça-feira, 16 de fevereiro.

Em ÉVORA: LIVRARIA FONTE DE LETRAS
Hortênsia Menino, CIMAC – Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central; Hugo Sovelas, Propositário Azul; Zélia Parreira, Biblioteca Pública de Évora; Teresa Crespo, Museóloga (moderadora); outros convidados a confirmar

Em LISBOA: CASA FERNANDO PESSOA
Com Cristina Santinho, Investigadora CRIA/ISCTE-IUL; Isabel Galvão, Conselho Português para os Refugiados; Joana Sousa Monteiro, Museu de Lisboa; Sofia Cabrita, RefugiActo; Ana Carvalho, Museóloga (moderadora)

No PORTO, MUSEU NACIONAL SOARES DOS REIS
Com Ângelo Merayo, Conselho Português para os Refugiados; Jorge Oliveira, Espaço T- Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária; Luís Monteiro, Mestrando em Museologia, Deputado na Assembleia da República; Maria João Vasconcelos, Museu Nacional de Soares dos Reis; Joana Macedo, Professora e coordenadora de projectos de mediação e programação cultural (moderadora)

Em TAVIRA, CASA DAS ARTES
Com Ana Borges, Coreógrafa, Corpodehoje; João Ventura, Teatro Municipal de Portimão; Paula Ferreira, Biblioteca Municipal de Tavira; Tela Leão, Programadora Cultural (moderadora)

A Acesso Cultura foi criada em 2013. É uma associação sem fins lucrativos de profissionais da cultura e de pessoas interessadas na melhoria das condições de acesso – nomeadamente físico, social e intelectual – aos espaços culturais e à oferta cultural, em Portugal e no estrangeiro.

Museu do Neo-Realismo promove reflexão sobre museus e educação

Desafios contemporâneos educação museus

O Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira, organiza uma jornada de reflexão sobre os “Desafios Contemporâneos da Educação Não formal nos Museus”, que acontece a 2 de Fevereiro (terça-feira).

Trata-se de um tema recorrente na reflexão no mundo dos museus, mas porventura a necessitar de olhares mais actualizados no contexto nacional. Como estará o panorama dos departamentos de educação e de programação dos museus portugueses com a crise que se instalou nos últimos anos? Nalguns casos, sabemos que equipas foram dispensadas ou desestruturadas com a saída de vários profissionais. Também sabemos que novos projectos tem vindo a desenvolver-se nesta área, fomentando novas dinâmicas.

De acordo com a informação veiculada pela organização do evento, esta iniciativa pretende “debater o papel da educação não formal no quadro dos programas museológicos tendo em conta a perspectiva, cada vez mais real, da transformação dos museus em agentes potenciadores de uma cidadania activa e inclusiva. Terá como objectivos principais uma reflexão sobre a formatação comum dos serviços educativos dos museus, a problematização do conceito de educação não formal no contexto museológico e a concepção de programas e projectos educativos que considerem os interesses e expectativas dos públicos e potenciem as colecções dos museus.”

O programa do evento pode ser consultado em: http://www.icom-portugal.org/multimedia/documentos/Programa.pdf 

Inscrições gratuitas, mas condicionadas à lotação do auditório; podem ser feitas na receção do Museu do Neo-Realismo pelo telefone 263.285.626 ou por correio electrónico (neorealismo@cm-vfxira.pt).

ICOM Portugal organiza conferência sobre crise económica na cultura

ICOM POrtugal 2015

É já esta sexta-feira, 30 de Outubro, em Penafiel, que irão estar a debate os desafios e as estratégias dos museus face à crise económica na cultura. A conferência é organizada pelo ICOM Portugal (comissão nacional portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) em parceria com o Museu Municipal de Penafiel. Pretende-se discutir “os problemas que os museus encontram em tempo de crise e as formas propostas ou encontradas para ultrapassar os desafios colocados actualmente pela crise económica que atravessamos”, sublinha a organização do evento.

De uma perspectiva internacional, estão presentes representantes do ICOM Alemanha e da Universidade de Barcelona para falar dos respectivos casos nacionais. De Portugal estarão representados os casos do Museu da Chapelaria (S. João da Madeira) e do Museu do Traje de São Brás de Alportel (Algarve).

A entrada é livre, mas é necessário inscrição através do email: museu.penafiel@cm-penafiel.pt

Mais informações no site do ICOM Portugal: http://www.icom-portugal.org/destaques,6,516,detalhe.aspx

Qual o lugar da cultura no séc. XXI?

CCB

Centro Cultural de Belém, 2012 © Carlitos

 

Qual o lugar da cultura no séc. XXI? Entre 15 e 16 de Abril irão decorrer uma série de conferências sobre cultura no Centro Cultural de Belém (CCB). Trata-se de uma iniciativa do governo. Segundo Jorge Barreto Xavier, Secretário de Estado da Cultura, «pretende-se contribuir para promover uma melhor identificação e proposição da presença da cultura no modelo
de desenvolvimento português e europeu no século XXI.»

No âmbito desta iniciativa irá ter lugar também a mesa-redonda “Conhecer, Explorar e Partilhar o Património Cultural (17 de Abril), entre as 9h30 e as 12h30, na Sala Almada Negreiros (CCB). Entre os convidados destacam-se Alice Semedo, António Lamas, António Mega Ferreira, Augusto Mateus, Guilherme d’Oliveira Martins, Jesus Prieto, Luís Campo e Cunha, João Paulo Sacadora (moderador), e Nuno Vassallo e Silva (boas-vindas). Inscrição através do email: dgpc@dgpc.pt

Mais informações em: http://olugardacultura.pt.