Arquivo da Categoria: Conferences – Internacional

Redesenhar os Museus. 
Competências Digitais para a Mudança e Inovação – Projecto Mu.Sa

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

Por Ana Carvalho

Damos nota neste texto sobre a conferência realizada no âmbito dos trabalhos que decorrem do projecto Mu.SaMuseum Sector Alliance (2016-2019) no qual o ICOM Portugal é parceiro.[1] O projecto tem como objetivo criar um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus, através de sistemas de formação em e-learning, onde se inclui a concepção de um MOOC (Massive Open Online Courses). A conferência Re-designing Museus. Digital Skills for Change and Innovation (13 de Julho) realizou-se no seguimento de dois dias de reuniões internas do projecto e visou apresentar publicamente o projecto e os resultados da investigação já obtidos, mas também prolongar a discussão com outros profissionais do sector, cimentando ou contraponto ideias sobre esta matéria. O evento teve lugar em Roma, na Link Open University, um dos parceiros do projecto.

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

A conferência estruturou-se em três momentos distintos. O primeiro consistiu na apresentação do projecto por Achilles Kameas (Hellenic Open University), coordenador do Mu.Sa, sobre os objectivos e resultados alcançados até ao momento. A segunda intervenção coube a Antonia Silvaggi (MeltingPro Learning), coordenadora do trabalho desenvolvido na primeira fase do projecto, que consistiu no levantamento das necessidades dos profissionais de museus na área das novas tecnologias no contexto português, grego e italiano. Neste sentido, pretendeu-se compreender de que modo os museus estão a responder aos desafios das novas tecnologias e do digital nas várias áreas de actuação (gestão, comunicação, educação, exposição, gestão de colecções e envolvimento de públicos). Uma outra dimensão analisada nos três países foi o mapeamento da formação formal e não formal na área da Museologia e em que medida se tem (ou não) introduzido as novas tecnologias e o digital nos curricula académicos e nos planos de formação profissional. No contexto desta conferência, Antonia Silvaggi, focou-se na apresentação de uma síntese de dez aspectos (Digital Transformation Decalogue) identificados a partir da investigação desenvolvida, e entendidos como elementos-chave que podem contribuir para a transformação digital nos museus. São os seguintes: 1) desenvolver uma liderança forte que suporte uma mudança de mentalidades no repensar da passagem de processos já existentes para o digital; 2) promover a confiança digital em todos os membros da equipa do museu; 3) apoiar o desenvolvimento profissional de forma continuada em relação às novas tecnologias; 4) conhecer as necessidades dos públicos para implementar experiências significativas; 5) desenvolver as soft skills mas também as competências digitais; 6) aprender com os pares e com os públicos; 7) apoiar a digitalização das colecções e dos arquivos; 8) mudar no sentido de abordagens mais abertas; 9) proporcionar um ambiente seguro onde se pode experimentar enquanto processo de erro e tentativa; 10) melhorar as colaborações internas e externas.

O segundo momento do encontro centrou-se em dois estudos de caso distintos, com a intervenção dos responsáveis pelos departamentos de novas tecnologias do Victoria & Albert Museum (Londres) − por Duncan Gough −, e do Museo Nazionale della Scienza e della Tecnologia Leonardo da Vinci (Milão) − por Paolo Cavalotti.

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

Seguiu-se o terceiro momento do encontro com uma mesa-redonda composta por oito especialistas − alguns participantes no projecto, como foi o caso de Alexandre Matos (ICOM Portugal), e outros externos ao projecto − sendo moderada pela jornalista Valentina Tanni (Artribune).[2] Várias questões foram levantadas. Destacamos algumas. Sobressaiu uma perspectiva optimista e benevolente quanto ao papel das tecnologias e da expectativa de que através destas se pode melhorar a comunicação dos museus no sentido de oferecer um serviço mais eficaz e que vá de encontro às necessidades dos visitantes. Transformação e agilidade foram palavras-chave referidas amiúde. Embora se reconheça que os museus não são indiferentes aos desafios das novas tecnologias (ex. digitalização de colecções, entre outros), é necessário contrariar o passo lento dos museus para se tornarem mais ágeis face à mudança. Como? Através de políticas mais pro-activas (e lideranças atentas), recursos (financeiros e humanos) e a capacitação contínua dos profissionais de museus.

Notas

[1] O projeto Mu.Sa − Museum Sector Alliance é financiado pelo programa Erasmus + e é coordenado pela Hellenic Open University (Grécia). O consórcio conta com três parceiros portugueses: o ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a empresa Mapa das Ideias, e ainda oito parceiros de Itália, Grécia e Bélgica: Melting Pro Learning (Itália), Link Campus University (Itália), National Organisation for the Certification of Qualifications and Vocational Guidance (Grécia), Symbola -Foundation for Italian Qualities (Itália), The Institute of Vocational Training AKMI (Grécia), Istituto per I Beni Artistici Culturali e Naturali della Regione Emilia Romagna (Itália), ICOM Grécia e Culture Action Europe (Bélgica). http://www.project-musa.eu

[2] Leia-se o pequeno artigo da Artribune a propósito desta conferência: http://www.artribune.com

 

****

Este texto foi originalmente publicado no Boletim do ICOM Portugal na secção “Conferências: comentários”. Para citação:

Carvalho, Ana. 2017. “Redesenhar os Museus. 
Competências Digitais para a Mudança e Inovação.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 10 (Out.): 37-39. http://icom-portugal.org/boletim-icom-pt/

Museus, Comunidade e Turismo, um Triângulo Virtuoso?

museus-comunidades-e-turismo

As próximas Jornadas de Outono do ICOM Portugal são subordinadas ao tema “Museus, Comunidade e Turismo, Um Triângulo Virtuoso”. Pretende-se abordar as relações, entre benefícios e desvantagens, estabelecidas entre os museus e as comunidades onde estão inseridos, tendo em conta as novas realidades ligadas aos fluxos turísticos. Sendo certo que cada caso é um caso, será possível estabelecer alguns pontos comuns que ajudem à melhor percepção do papel e dos contributos que os museus podem dar à causa das economias locais, regionais e nacionais. Este encontro visa obter bons contributos para melhor se perceber o papel que os museus atualmente podem jogar no seio das comunidades que servem.

A conferência contará com a participação de diversos especialistas como François Mairesse, Teresa Morales, José Gameiro, Karen Brown, Joana Monteiro, Peter Davis e será concluído com uma mesa redonda em que participarão os presidentes do ICOM Europa, Luís Raposo, do ICOM Portugal, José Alberto Ribeiro e do ICOM Espanha, Luís Grau Lobo.

Estas jornadas realizam-se no dia 29 de Outubro no Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu. A entrada é livre, mas está sujeita a inscrição através do email: paulacardoso@mgv.dgpc.pt

Mais informações no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/destaques,6,565,detalhe.aspx

****

PROGRAMA

9h00 > 9h30
Receção aos participantes

9h30
Sessão de Abertura
Direção Geral do Património Cultural
Presidente da Câmara Municipal de Viseu
Presidentes do ICOM Europa, Espanha e Portugal

10h15
Touriste, mon ami?
por François Mairesse (Comunicação Inaugural)
Presidente do ICOFOM, Comité Internacional para a Museologia

11h30
Questioning the Virtuous Triangle
por Teresa Morales
Instituto Nacional de Antropologia e História do México

12h00
Entre Turismo e Comunidade que lugar para os Museus? O Caso do Museu de Portimão
por José Gameiro
Diretor Científico do Museu de Portimão

12h30
Debate

13h00
Almoço Livre

15h00
Eco- and Community Museums and Tourism in Scotland and Costa Rica
por Karen Brown
Universidade de St Andrews, Escócia, Reino Unido

15h30
Museus municipais e turismo – o caso do Museu de Lisboa no contexto de uma cidade em crescimento turístico
por Joana Monteiro
Diretora do Museu de Lisboa, Museóloga

16h30
Marketing territory – Ecomuseums, tourism and the local economy
por Peter Davis
Universidade de Newcastle Inglaterra, Reino Unido

17h30
Mesa Redonda/Sessão de Encerramento
Presidentes do ICOM Europa, Luís Raposo; ICOM Portugal, José Alberto Ribeiro e ICOM Espanha, Luís Grau Lobo

19h00
Inauguração da exposição temporária:
Além de Grão Vasco. Pintura entre o Mondego e o Douro, do Renascimento à Contra Reforma
Comissários: José Alberto Seabra e Joaquim Caetano (MNAA)

20h00
Dão de Honra

Presidente do Conselho Internacional de Museus de visita a Lisboa

EMEE

Realiza-se no próximo dia 22 de Fevereiro (segunda-feira) a conferência Museums: One Object, Many Visions, organizada pelo Museu Nacional de Arqueologia (Lisboa) no âmbito do projecto internacional EuroVision – Museum Exbiting Europe (EMEE). O projecto teve início em 2012 e encerra em Outubro deste ano. O Museu Nacional de Arqueologia, parceiro português do projecto, assinala a sua contribuição com uma conferência e uma exposição: Um Objecto, Muitas Visões.

O projecto Eurovision, suportado por fundos europeus no âmbito do programa Cultura 2007-2013, explora as questões da multiculturalidade e a reflexão em torno das identidades nacionais a partir dos museus de história de âmbito nacional e regional (cf. http://www.museums-exhibiting-europe.de). A par da conferência realizar-se-á a 5.º reunião dos parceiros do projecto (23-26 de Fevereiro), que marca o início da última fase do projecto. O projecto conta com parceiros da Alemanha (líder do projecto), da Áustria, de Itália, de França, da Eslovénia, da Bulgária e de Portugal.

A conferência Museums: One Object, Many Visions, que conta com o apoio do ICOM Portugal, trás a Lisboa vários conferencistas estrangeiros. Entre eles destaca-se o presidente do ICOM central, o alemão Hans-Martin Hinz, que vem a Portugal, pela primeira vez, em visita oficial (sobre Hinz veja-se a entrevista). Hinz é também um dos consultores do projecto Eurovision.

A conferência termina com a Inauguração da exposição do projecto Eurovision: Europe Through our Objects: One Object, Many Visions (consulte-se o catálogo). A exposição resulta de um concurso para jovens cenógrafos e é parte da contribuição portuguesa para o “Laboratório Eurovision”. Estes laboratórios permitem testar os resultados do projecto. No comunicado de imprensa do projecto lê-se «pretende-se desenvolver abordagens múltiplas para a Europeização de museus nacionais e regionais» e «novas formas de representação, de cenografia e possibilidades para participar, ajudar os visitantes a descobrir perspectivas europeias e transnacionais».

Inscrições gratuitas, mas limitadas aos lugares disponíveis. Para fazer inscrição é necessário contactar Mário Nuno Antas, organizador da conferência e coordenador do projecto no Museu Nacional de Arqueologia, através do email emeeportugal@gmail.com.

****

Programa

09.30 Recepção dos participantes
10.00 Sessão de abertura
João Soares, Ministro da Cultura
Paula Silva, directora da Drecção-Geral do Património Cultural
José Alberto Ribeiro, presidente do ICOM Portugal
António Carvalho, director do Museu National de Arqueologia

Sessão 1
Moderador: José Alberto Ribeiro, ICOM Portugal
10.15 The value role of museums, Hans Martin Hinz, presidente do ICOM central
11.00 European museums in the 21st century, Luís Raposo, membro da direcção do ICOM Europa
11.30 Coffee Break

Sessão 2
Moderatora: Joana Sousa Monteiro, secretária do ICOM Portugal
11.40 EMEE project: one object, many visions, Susanne Popp, coordenadora do projecto Eurovision, Universidade de Augsburg, Alemanha
12.30 Education for global citizenship and museum collections, Joaquim Jorge, técnico da Câmara Municipal de Loures
13.00 Almoço

Sessão 3
Moderadora Clara Frayão Camacho, presidente da assembleia-geral do ICOM Portugal
14.15 The role of education in museums, Emma Nardi, presidente do ICOM CECA (CECA (Comité Internacional para a Educação e Acção Cultural)
15.00 The educational value of museums, David Vuillaume, presidente da Nemo (Network of European Museum Organisations)
15.45 One object, many approaches… new trends in museum education, Mário Nuno Antas, técnico do Museu Nacional de Arqueologia
16.15   Coffee Break

Sessão 4
Moderador: José Gameiro, membro da direcção do ICOM Portugal
16.30 Synesthetic translation of perspectives, or how to make the object talk, Uwe Bruckner, fundador do Atelier Brückner GmbH (Alemanha)
17.15 Young Scenographers contest. Around the Bell-Beaker: Archaeology revisited within Design Studies approach at FBAUL, Isabel Dâmaso, Mariano Piçarra, Tiago Jordão e Leonardo Rossetti (Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa)
17.40 Comentário final, Dália Paulo, membro da direcção do ICOM Portugal

17.45 Sessão de encerramento
José Alberto Ribeiro, president do ICOM Portugal
António Carvalho, director do Museu Nacional de Arqueologia
Delegado do Ministério da Cultura (a confirmar)
18.00 Inauguração da exposição do projecto EMEE: Europe through our objects: one object, many visions

Congresso internacional Lights On… Cultural Heritage and Museums!

LightsOnLogo

O congresso internacional Lights On… Cultural Heritage and Museums! irá realizar-se na Universidade do Porto entre 20 e 22 de Julho de 2015. Organização da Universidade do Porto.

****

Facing serious times of change, museums and other cultural institutions, discuss and reflect, in a deeply and interdisciplinary way, about their role in resilience, sustainability and quality of life of the twenty-first century society.

The XXI century is seen as the Century of Light, as light and light-based technologies are recognized as major economic drivers with the potential to revolutionize it. In that sense, UNESCO proclaimed 2015 the International Year of Light (IYL2015, AIL2015), also “Noting that 2015 coincides with the anniversaries of a series of important milestones in the history of the science of light, including the works on optics by Ibn Al-Haytham in 1015, the notion of light as a wave proposed by Fresnel in 1815, the electromagnetic theory of light propagation proposed by Maxwell in 1865, Einstein’s theory of the photoelectric effect in 1905 and of the embedding of light in cosmology through general relativity in 1915, the discovery of the cosmic microwave background by Penzias and Wilson and Kao’s achievements concerning the transmission of light in fibres for optical communication, both in 1965” (United Nations, A/RES/68/221, 2014).

Such revolution happens and has significant impact on cultural heritage and museums. Aware of the process, this congress joins the international initiatives on the IYL2015, and adopts the concept of light in its broader meaning, that is, not only the form of energy associated with the visible portion of the electromagnetic spectrum, but also all other invisible radiation such as X-rays, ultraviolet, infrared, among many. It aims to raise and enhance awareness for its potential and crucial role in cultural heritage and in inclusive museums.

Assuming a multi and interdisciplinary character, we are sure that it will strengthen the cooperation bonds between professional, scientific and educational communities and provide a platform for sharing experiences and knowledge about important scientific and technological advances in the field, featuring Thematic Sessions, with Plenary Lectures and Oral Presentations, Poster Session and Workshops. The official language will be English and the focus will be on the following topics:

1. Science of vision. The perception of colour as a function of illumination
2. Lighting systems in museums / historical buildings / monuments. Requirements and scientific and technological developments
3. Built environment. Solutions. Energy resources and sustainability
4. Study and safeguard of heritage associated with the production of energy and electric lighting
5. Scientific examination of heritage and analytical applications using different radiation. Research on
i. Materials, technologies, functions and producers
ii. Alteration processes and diagnosis
6. Technologies of communication and mediation
7. Curative conservation and restoration
8. Integrated risk management. Preventive conservation

****

Mais informações em: https://lightsonchm.wordpress.com

Encontro Ibero-Americano de Museus e a Declaração de Lisboa

Museu Nacional de Etnologia

Museu Nacional de Etnologia, Lisboa

Nos dias 13, 14 e 15 de outubro decorreu em Lisboa, no Museu Nacional de Etnologia, o 8.º Encontro Ibero-Americano de Museus, promovido pelo Programa Ibermuseus e pela Direção-Geral do Património Cultural.

Subordinado ao tema “Caminhos de futuro para os museus: tendências e desafios na diversidade”, o Encontro reuniu representantes de 17 países do universo ibero-americano que apresentaram reflexões e experiências nacionais, enquadradas por conferências de personalidades portuguesas que introduziram os painéis programáticos. Estes foram estruturados em torno de quatro temáticas principais: cooperação e redes; cidadania; era digital; políticas públicas e crise. A introdução a este último painel foi efetuada por uma representante da Network of European Museum Organizations (NEMO), assim estabelecendo uma articulação com organizações museológicas do espaço europeu.

As apresentações e os debates revelaram preocupações em torno da sustentabilidade das instituições museológicas, da evolução digital e da passagem à sociedade do conhecimento, das estratégias utilizadas pelos museus na busca de parcerias e cooperações e da institucionalização e formalização do sector.

Se bem que as realidades em presença fossem muito diversificadas, importa realçar o trabalho de investigação, recolha de dados e edição que o próprio Programa Ibermuseus tem vindo a realizar e de que constitui um feliz exemplo a recente edição do Panorama dos Museus na Ibero-América, pelo Observatório Ibero-Americano de Museus.

No final do Encontro foi celebrada a Declaração de Lisboa. O documento representa o compromisso dos países presentes, no sentido do aprofundamento de ações conjuntas de cooperação horizontal, do fomento da comunicação e do acesso para potencializar a participação cidadã na gestão de políticas públicas para os museus e da ênfase nas políticas públicas em todo o contexto ibero-americano para a institucionalização do campo dos museus. A Declaração de Lisboa está disponível em http://www.patrimoniocultural.pt/static/data/docs/2014/10/16/Declaracao_de_LisboaDEF.pdf e transcreve-se em baixo:

****

Declaração de Lisboa

VIII Encontro Ibero-Americano de Museus: caminhos de futuro para os museus ibero-americanos: tendências e desafios na diversidade.

Lisboa, Portugal, Museu Nacional de Etnologia

13, 14 e 15 de outubro de 2014

Os representantes dos países ibero-americanos participantes do VIII Encontro Ibero-Americano de Museus, reunidos sob o tema “Caminhos de futuro para os museus: tendências e desafios na diversidade”,

RECONHECENDO

a relevância dos princípios enunciados na Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais (UNESCO, 2005) para a orientação de políticas públicas no campo do patrimônio cultural;

as referências dispostas na Carta Cultural Ibero-Americana (2006), que reconhecem a Ibero-América como um complexo sistema composto por um patrimônio cultural tangível e intangível comum, diverso e excepcional, cuja promoção e proteção são indispensáveis;

os valores e princípios emanados da Declaração de Salvador, aprovada durante a celebração do I Encontro Ibero-Americano de Museus, Salvador de Bahia, Brasil, 2007, que orientam as políticas públicas para a área dos museus e da museologia, bem como a compreensão dos museus como ferramentas de desenvolvimento integral;

a importância dos encontros dos representantes de museus da Ibero-América como espaço de intercâmbio, formação de redes, troca de experiências e saberes e como espaço para reflexão e o fortalecimento das políticas públicas para os museus da região;

a necessidade de aprofundar o conhecimento mútuo das realidades museológicas dos países ibero-americanos em ocasiões de reflexão em torno do estado da questão das políticas públicas para museus;

a necessidade do debate sobre ideias e linhas de futuro para a evolução dos museus ibero-americanos que promovam a cooperação, a colaboração, a inclusão social e digital e a sustentabilidade,

DECLARAM SER METAS PRIORITÁRIAS

Cooperação, parcerias e redes 

O compromisso em aprofundar ações conjuntas no campo museológico, mediante um modelo de cooperação horizontal, de intercâmbio de saberes e experiências, e com respeito às diversidades culturais.

A consolidação de iniciativas de cooperação interinstitucional, intersetorial e internacional.

A adoção de politicas publicas integradas para promover mecanismos de sustentabilidade social para os museus.

Cidadania, acesso e participação 

O fomento de canais de comunicação e acesso para potencializar a participação cidadã na gestão de politicas publicas para os museus.

O reconhecimento do papel dos museus para a inclusão social e a construção da cidadania, o que favorece o pleno exercício dos direitos culturais.

Era digital 

A promoção do trabalho dos museus em redes baseadas em tecnologias digitais e o reconhecimento do valor das redes na construção, difusão, interpretação, uso e multiplicação do conhecimento como uma outra via para a sustentabilidade social dos museus.

Enfrentando as crises: políticas públicas para os museus

A construção de estratégias de gestão criativas e proactivas para o enfrentamento de diferentes contextos de mudanças e detecção de novas oportunidades. A realização de estudos para o conhecimento das perspectivas e tendências para os museus na Ibero-América, que permitam identificar formas de sustentabilidade. A ênfase nas políticas públicas em todo o contexto ibero-americano para a institucionalização do campo dos museus.

AGRADECEM

A presença e as valiosas contribuições dos especialistas convidados: Sr. Antonio Pinto Ribeiro, Programador-Geral do Próximo Futuro – Fundação Calouste Gulbenkian, Sra. Clara Frayão Camacho, Museóloga, Direção-Geral do Património Cultural (Portugal), Sr. Augusto Santos Silva, Professor Catedrático da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, Sra. Inês Fialho Brandão, Museóloga, Doutoranda na National University of Ireland, Sra. Sofia Tsilidou, Membro da Direção da Network of European Museum Organizations e Assessora da Direção-Geral de Museus, Exposições e Programas Educativos do Ministério da Cultura da Grécia.

A organização, a Direção-Geral do Património Cultural de Portugal, e o apoio do Museu Nacional de Etnologia pela hospitalidade durante os dias do VIII Encontro.

Lisboa, Portugal, 15 de outubro de 2014.

Conferência Museum Mediators, Algarve 16-17 Setembro 2014

logótipo da empresa Mapa das ideiasA conferência final do projecto Museum Mediators vai ser realizado no Algarve, no Museu do Trajo de São Brás de Alportel, nos dias 16 e 17 de setembro de 2014.

A Mapa das Ideias coordenou um Projecto Europeu de Transferência de Inovação (Leonardo da Vinci Multilateral Projects “Transfer of Innovation”). O projecto consistiu na criação de curso que oferece uma base de formação e de identidade profissional para os educadores e mediadores de museus. O curso foi construído a partir de estudos comparativos entre diferentes sistemas de serviços educativos na Europa, com contributos dos parceiros dos países envolvidos no projecto: Itália, Espanha, Dinamarca, Estónia e Portugal. O projecto teve início a 15 de Outubro de 2012 e termina em Outubro deste ano. Encontra mais informação no site Museum Mediators.

Mais informações e inscrições aqui.

****

Programa, São Brás de Alportel, 16-17 de Setembro

Tuesday, September 16th

16.00-17.00
Participants’ registration and welcome
—– With a selection of wine and appetizers

17.00-18.00
Museum Visit

18.00-19.00
Conference Opening
Welcome speech from the Museum
Welcome speech from the Museum Mediators Project Team
Handbook presentation
Website presentation

19.00-20.00
European Network of Museum Mediators and Think Tank
Inês Câmara | Cristina Da Milano | Niels Righolt

20.30
Dinner at the Museum

Wednesday, September 17th
9.00-10.00

Participants’ registration
10.00-11.00

Museum Mediators Europe: discussing the process
Carla Padró | Alice Semedo | Dália Paulo

11.00-11.20
—— Coffee Break

11.20-13.30
What Museums for Who with What? About our SMART museums

13.30-15.00
Lunch

15.00-17.00
Workshops

METHOD | How to build and manage projects. The not to do and to do lists!
Joaquim Jorge

DIGITAL | Digital storytelling and its potential for audience engagement.
Cristina Da Milano and Niels Righolt

VISION | Sharing experiences through Museums Exhibiting Europe.
Mário Antas e Maria João Nunes

ROLES | New professional roles for the Culture and Museum fields.
Ana Fernambuco e Inês Câmara

17.00 -17.30
——– Coffee Break

17.30-19.00
Discussion

19.00-19.30
Closing session
Joaquim Jorge | Inês Câmara | Emanuel Sancho

VIII Encontro Ibero-Americano de Museus

cartaz do encontro iberoamericano

Estão abertas as inscrições para o VIII Encontro Ibero-Americano de Museus que irá realizar nos dias 13, 14 e 15 de Outubro de 2014 no Museu Nacional de Etnologia. A organização é da DGPC e IBERMUSEU

Os objectivos do encontro são: profundar o conhecimento mútuo das realidades museológicas dos países ibero-americanos; proporcionar ocasiões de reflexão em torno do estado da questão das políticas públicas para museus; apresentar e debater ideias e linhas de futuro para a evolução dos museus ibero-americanos; servir de plataforma entre a Ibero-América, a Europa e o espaço da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa), tirando partido da circunstância de Portugal ser o país anfitrião.

O Programa Ibermuseus é uma iniciativa de cooperação dos 22 países ibero-americanos, com vista ao fomento e à articulação de políticas públicas na área de museus. Portugal é um dos países membros deste programa, fazendo parte do grupo de 11 países que integram o respetivo Comité Intergovernamental.

Entre as iniciativas anuais deste programa, contam-se os Encontros Ibero-Americanos de Museus, realizados desde 2007 sobre diversas temáticas em diferentes países. Considerando o interesse estratégico da participação portuguesa nesta cooperação internacional e perspetivando a potenciação desta iniciativa para a comunidade museológica nacional, realiza-se em Lisboa o VIII Encontro Ibero-Americano de Museus.

Programa (português)

Programa (espanhol)

Boletim electrónico de inscrição

Ficha de inscrição

(Fonte: DGPC)

Call for papers: Processos de musealização

Imagem onde se vê um retrato de família exposto numa vitrine

Museu Emigração Açoriana 2013 © Ana Carvalho

Entre 5 e 7 de Novembro de 2014 terá lugar um seminário de investigação de carácter internacional dedicado aos processos de musealização organizado pela Universidade do Porto (Doutoramento em Museologia). O call for papers termina a 30 de Junho. Encontra mais informação no site da conferência: 

http://processosdemuseali.wix.com/conferenciaflup2014

****

Apresentação

O Seminário Internacional de Investigação “Processos de Musealização” é organizado no âmbito da Unidade Curricular Estudos de Museus e Curadoria do 3.º Ciclo de Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, desenvolvendo diferentes linhas de investigação deste Doutoramento: Museus, Coleções e Património; Museus, Património e Conservação Preventiva; Museus, Espaço e Comunicação; Museus e Curadoria.

Como em ocasiões anteriores, este Seminário Internacional pretende afirmar-se como um encontro de investigação multidisciplinar, procurando participações de diferentes áreas e tradições disciplinares e metodológicas, contribuindo, desta forma, para a construção de territórios e práticas de investigação contaminadas. Os estudos teóricos que relacionem criticamente o campo da teoria com as práticas são especialmente bem-vindos.

As diferentes dimensões dos processos de musealização vêm sendo cada vez mais compreendidas enquanto aspetos centrais para pensar os museus como artefactos sociais e produtores de conhecimento. O Seminário pretende ser um espaço para discutir os processos de musealização, explorando os desenvolvimentos teóricos do pensamento museológico contemporâneo e destacando como a sua materialização acontece nas suas práticas.

Objetivos

Este Seminário de Investigação tem como principal objetivo o aprofundamento da reflexão e das práticas de investigação no campo da museologia, envolvendo diferentes saberes e diferentes olhares, participando ativamente na construção de uma comunidade de prática que apoie a discussão e o desenvolvimento de projetos de investigação comuns. Durante o Seminário poderá:

  • conhecer estudantes e investigadores de outros programas de doutoramento e países;
  • familiarizar-se com o estudo e investigação desenvolvida na UP (currículo, corpo docente, equipamentos, possibilidades de trabalho de investigação, informação em primeira mão sobre possibilidades de intercâmbio de estudantes, organização estudantil local e nacional, etc.);
  • informar-se sobre programas e eventos relacionados com museologia que decorrem atualmente no Porto e em Portugal;
  • promover inter-relações internas e externas entre as diferentes universidades envolvidas;
  • networking com instituições-chave.

Temáticas

a) Processos de musealização e práticas de mediação:
Objectos performativos
Memória e construção de significados
Afetividade e storytelling
Criticidades
Criatividade
Públicos da cultura
Democracia cultural
Interpretação

b) Processos de musealização, coleções e património
Poéticas de colecionar
Práticas de desmaterialização
Paisagens biográficas
Processos de documentação
Digitalização
Storytelling e documentação
Reutilização da informação (COPE)
Museologias Participativas
Museus e Políticas Identitárias
Museus e Desenvolvimento Sustentável
Interpretação/Mediação de Recurso Culturais
Exposição como Subtexto
Interpretação Póscolonial

c) Processos de musealização e curadoria
Teoria e história das exposições
Documentação de exposições
Modelos e estratégias expositivas
Exposições e comunicação
Exposição como medium e lugar de criação artística

d) Processos de musealização e conservação preventiva
História e teoria da conservação preventiva
Vulnerabilidades
Modelos e práticas de avaliação de risco
Alteração/dano/perda
Caraterização e documentação
Previsão e profilaxia
Comunicação
Responsabilidade partilhada/redes colaborativas/sinergias
Valor
Resiliência

Museus e comunidades

Museum of Trade and Tourism, Hungria © Ana Carvalho

Museum of Trade and Tourism, Hungria © Ana Carvalho

Termina hoje (20 de Maio), em Budapeste (Hungria) o segundo dia da conferência final do projecto europeu CETAID (Community Exhibitions as Tools for Adults’ Individual Development). O projecto financiado pelo Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida/Parcerias de Aprendizagem GRUNDTVIG, conta com os seguintes parceiros: Múzeumok és Látogatók Alapítvány (Foundation for Museums and Visitors), Historic Royal PalacesTyne and Wear Archives and MuseumsIstituto Luigi Sturzo; e a Associação portuguesa Histórias para Pensar (HPP). A conferência “Museums and their Communities” terá lugar no Museum of Trade and Tourism e noutros museus da cidade.

Sobre o projecto leia neste blogue: Participação no coração dos museus: o projecto CETAID.

****

Programa

Monday, May 19, 2014
Hungarian Museum of Trade and Tourism Hungarian Museum of Trade and Tourism

9:00-9:30 Opening – Welcome by Imre Kiss, Director, Hungarian Museum of Trade and Tourism

9:30-10:00 Keynote address: “Museums and communities: is this relationship an object of desire?” by

Dr. Beáta Gurmai, Ministry of Human Resources  & Ana Carvalho, University of Evora

10:00-11:15 Case studies I. (Memories and stories) and Discussion

Facilitator: Julia Kulich, Hungarian Museum of Trade and Tourism

  • Museums objects as memory triggers for people with Dementia – Kath Boodhai, Tyne and Wear Museums and Archaives
  • City of memories – Lajos Lakner, Déri Múzeum, Debrecen
  • Saving memories 1.0 – 2.0 (Székesfehérvár from 2011 to 2014) – Erzsébet Szűcs, City Gallery, Székesfehérvár
  • How to transform our life into a learning environment? The KValues Project and the use of the  Digital Storytelling methodology for the self  evaluation of key competencies – Antonia Liguori and Barbara Tieri, Istituto Luigi Sturzo

Break 11:15-11:45   

11:45-13:10 Case Studies II. (Including the community in exhibitions) and DiscussionFacilitator: Edit Bárd, Duna Museum

  • Those 1940s! – Andrea Pásztor, Janus Pannonius Museum, Pécs
  • People and Palaces – Diana England, Stitches in Time
  • The Sikh Fortress Turban – Laura Phillips, British Museum
  • West End Stories: The Museum & Community – an exhibition of Stories from the West End of Newcastle – Michael McHugh, Tyne and Wear Museums and Archaives
  • Return the Collections – to the Museum. Participative Strategies and Immigrant Communities – Gábor Ébli, Moholy-Nagy University of Art and Design, Budapest

13:10-14:30    Lunch

15.00 – 16.00 Néprajzi Múzeum Community projects:

  • Artefact selfie: strictly permitted! – Gabriella Vörös curator, Néprajzi Múzeum, Budapest
  • X-factor in the museum – Emese Joó museum educator, Néprajzi Múzeum, Budapest
  • Adopt an object! – György Szeljak curator, Néprajzi Múzeum, Budapest

16.00 – 17.00 Tour of the Tollvarázs/ Magic of Feathers Exhibition

Tuesday, May 20, 2014

Hungarian Museum of Trade and Tourism

9:00-9:30 Keynote address “Museums and communities: this is to last for a lifetime” by Maria Vlachou, Association Histórias para Pensar and Tamás Vásárhelyi, Hungarian Natural History Museum/Eötvös Lóránd University

9:30-10:45 Case studies III. (Connecting to collections) and Discussion

Facilitator: Anikó Korenchy-Misz, Foundation for Museums and Visitors, Hungary

  • Volunteer curators in the museum – Jenő Molnár, Laczkó Dezső Múzem, Veszprém
  • Dot-to-Dot: using community development approaches in museum outreach and community engagement work, Zoe Brown and Nuala Morse, Tyne and Wear Museums and Archaives
  • Palace Explorers: Encouraging intergenerational learning in children and adults, Nikki Lindsey, Historic Royal Palaces
  • Beyond Assumptions – Communities & Stereotypes – Sian Hunter Dodsworth,

British Museum and Maria Bojanowska- Partnership UK

10:45-11:15 Break

11:5-13:00 Case studies IV. (Learning communities, learning museums) and Discussion

Facilitator: Tamás Vásárhelyi, Hungarian Natural History Museum /Eötvös Lóránd                University

  • The influence of School Community Service in community building and development – Márton Bodó, Hungarian Institute for Educational Research and Development
  • Communities as teachers and learners: community engagement at London Metropolitan Archives – Marta Lomza, London Metropolitan Archives
  • Weaving Europe: Artefacts, Values & Exchanges (WEAVE) – Sara Borrelli, Explora The Children’s Museum of Rome
  • Learning partnership in the field of literary heritage – Gabriella Gulyas, Petőfi Literary Museums

13:00-14:30 Lunch
14:30-15:00 Travel to the Ludwig Museum
15:00-16:30 Presentations of the community projects and guided tour of the museum
16:30-17:00 Closing and evaluation of conference/ News of the final publication

VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012

VI Encontro de Museus de países e comunidades de língua portuguesa

© Ana Carvalho

Filipe, Graça, ed. 2013. VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012, Fundação Oriente, Setembro 2011. [Lisboa]: Comissão Nacional Portuguesa do ICOM. 348 páginas. ISBN: 978-989-98396-0-1

Foram publicadas há poucos meses as actas do VI Encontro de Países e Comunidades de Língua Portuguesa que teve lugar em Lisboa em 2011. Esta iniciativa realizou-se pela primeira vez em 1987, no Brasil, sendo que o segundo encontro foi em Mafra (1989), o terceiro na Guiné-Bissau (1991), o quarto em Macau (1994) e o quinto em Maputo (2001) (cf. Elementos para a História da Comissão Portuguesa do ICOM de Natália Correia Guedes).

As actas correspondem em grande medida ao alinhamento do programa do encontro e a maioria das comunicações foram incluídas na publicação, nalguns casos figurando apenas os resumos. De qualidade muito variável, os 40 textos estão organizados em torno de quatro temas principais: “Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade”, “Museus e Desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação”, “Museus e Sustentatibilidade” e “Profissionais e sua Formação”. O texto de Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses antecede a sistematização referida.

Esta publicação confirma a pertinência da construção de linhas de entendimento e cooperação entre os países que falam a língua portuguesa, mas também é sintomática de que um longo caminho está por percorrer para o estabelecimento de redes de trabalho e sua consolidação no contexto de uma estratégia de longo prazo. Com efeito, apesar da língua ser em potencial um elemento aglutinador são necessárias medidas concretas que possam viabilizar intenções.

Prevalece a questão, poderão iniciativas como esta singrar nos seus objectivos de cooperação sem uma articulação concertada de estratégia política, cultural e científica, incluindo nomeadamente o trabalho em rede e concertado de várias instituições que já trabalham no domínio da cooperação internacional? Note-se neste âmbito o trabalho que desenvolve o Instituto de Investigação Científica Tropical e o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.

A publicação é gratuita, mas poderão ser cobrados portes de envio. Pode obter mais informações no seguinte email: info@icom-portugal.org

****

 Índice

5 Apresentação, Graça Filipe

11 Introdução, Luís Raposo

15 Conferência de abertura: Língua, Objecto, Museu – Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses

27 Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade

29 Percurso dos museus de Angola, as perspectivas e sua contribuição no desenvolvimento do país, Paulo Valongo

31 O Cenário museal brasileiro de 2000 a 2010, Denise Grinspum

39 Museus em Cabo Verde: perspectivas e desafios, Humberto da Cruz Lima e Ana Samira Semedo Silva

41 A realidade museológica na Guiné-Bissau, Maria Eveline Diallo

43 Museus de Moçambique: na encruzilhada de tempos, tradições e práticas, Alda Maria Costa

53 Museus Portugueses. 1980-2010, Natália Correia Guedes

71 Museu Nacional de S. Tomé e Príncipe, Ernesto Lima de Carvalho

73 O Arquivo e Museu da Resistência Timorense – A sua instrução e importância na preservação e promoção da memória e identidade de um povo, Antoninho Batista Alves

79 Museus comunitários – experiências e papel renovador na museologia contemporânea, Hugues de Varine

89 Museus e desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação

91 Museu de Arte Cristã – parcerias e cooperação, Fr. Avinash Rebelo

93 Thesaurus de acervos científicos como instrumento de preservação do património científico: um projeto de cooperação luso-brasileira, Marcus Granato, Marta C. lourenço, Cláudia Penha dos Santos, Zenilda F. Brasil, Maria Lucia de Niemeyer M. Loureiro e Rosali Fernandez de Sousa

103 Porque “musealizar” um sector de actividade produtiva? Lições aprendidas do processo de estabelecimento do museu das pescas de Moçambique, 1982 a 2006-2010, Manuel Luís Gonçalves e Daniel Inoque

113 Sociedades indígenas do Sul da Mata Atlântica e o Museu Universitário – uma parceria estratégica, Viviane Wermelinger Guimarães e Cristina Castellano

123 Museologia, desenvolvimento e direitos humanos. Campos emergentes da investigação-ação na globalização, Pedro Pereira Leite

137 Rede MMM: cooperação entre o museu e o público, Adriana Teixeira da Costa, Ana Paula Pereira Costa, Ana Paula Gaspar Gonçalves e Helena Maria Mourão Loureiro

145 Rede museológica de Casas Históricas da CPLP, André Estrela Rodrigues de Soure Dores

151 Experiência nos museus da Ilha de Moçambique, algumas reflexões e considerações, Joana Roque Sofio, Mafalda da Nova Jorge, Silvério João Nauaito

Projecto SOS azulejo: pela salvaguarda do património azulejar português e de tradição portuguesa, Leonor Sá

171 Histórias que se escondem no mar: os museus marítimos e a arqueologia subaquática, Margarida Génio

175 A criação de redes como ferramenta estratégica de planeamento cultural em museus: campanhas coloniais no tempo do Leão de Gaza, Mariana Jacob Teixeira

185 Atanticidade e mundo lusófono. Imaginários, representações e programação nos museus açorianos, Maria Manuel Velásquez Ribeiro e Susana Goulart Costa

193 Museus e sustentabilidade

195 Museu, Desenvolvimento e Comunidade: o caso de Macau, Chan I Un (Jessica)

207 Memória e Futuro, Alfredo Caldeira

209 O envolvimento das pessoas nos processos museais, garantia de sustentabilidade, Ana Mercedes Stoffel

219 Família Antônio de Dedé. A propósito de um estudo de caso do Programa Sala do Artista Popular do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/IPHAN – Brasil, Daniel  Reis

231 A aplicação do marketing nos museus: o caso do Museu Ferroviário dos CFM, Elsa Dimene

237 A musealização de monumentos e o restauro arquitectónico em Moçambique, Vera Félix Mariz

247 Criação de uma rede de núcleos museológicos como exemplo da sustentabilidade de um território, João Alpuim Botelho e Olga Matos

257 A sustentabilidade de um equipameno cultural: a díficil gestão de necessidades e oportunidades, José Portugal e Pedro Quintela

267 Valorização do património cultural do Douro como recurso para o desenvolvimento de competências, Elisa Pérez Babo

269 Profissionais e sua formação

271 Formação profissional em museologia: desafios metodológicos, Maria Cristina Oliveira Bruno

273 Imperativa necessidade de formação de profissionais para o Museu da Ilha de Moçambique, Silvério João Nauaito, Mafalda da Nova Jorge e José Andrade

283 O ensino da museologia na perspectiva da sociomuseologia, Mário Moutinho e Judite Primo

289 Memorial do homem Kariri, uma experiência de inclusão social através do protagonismo juvenil, Iêdo Lopes

291 O exemplo do conservador-restaurador em Portugal, André Varela Remígio

301 A contribuição do Memorial Cristo Rei na formação do profissional do museu e na preservação, resgate e divulgação da história da Universidade Federal do Maranhão – Brasil, Clores Holanda Silva, Lúcia do Nascimento Coêlho e Natalino Salgado Filho

309 Já que falamos a mesma língua… Falemos de normalização e tecnologias de informação em museus, Maria José de Almeida

317 Aos trabalhadores de museus: programa educativo direcionado ao público interno da Pinacoteca, Gabriela Ramos Figurelli

327 Projectos de cooperação – uma rede de profissionais de Língua Portuguesa? Maria do Rosário Azevedo

333 O percurso do conservador-restaurador em Portugal, Isabel Raposo de Magalhães, António Candeias, Joana Campelo e Francisca Figueira

341 Programa do VI Encontro

Património industrial em discussão

Estrutura nas Minas de S. Domingos, Alentejo, Portugal. Foto de Ana Carvalho, 2010

Dois eventos marcam o panorama reflexivo em torno do património industrial (material e imaterial) em Portugal. O primeiro, organizado pela Universidade de Évora/CIDEHUS1 (21 – 23 de Março de 2013) tem por título “Património Industrial: dos objectos ao território“. Este colóquio assume uma abordagem holística do património industrial, organizando o debate em torno de 4 painéis temáticos (Objectos, colecções e museus industriais; Território: marcas, equipamentos técnico-industriais e paisagens; Rotas, percursos e itinerários do património industrial; Sociedade Industrial: protagonistas e mudança).

Este colóquio evidencia uma linha de investigação desenvolvida há já alguns anos em Évora, sob a coordenação de Ana Cardoso de Matos, ao abrigo da qual se desenvolve, por exemplo, o projecto de estudo e inventário do património industrial no Sul de Portugal (cf. http://i-heritage-alentejo.blogspot.be/), não esquecendo a correlação com o trabalho desenvolvido no contexto do mestrado internacional TPTI (Técnicas, Patrimónios e Territórios da Indústria) que se realiza na Universidade de Évora em parceria com a Universidade de Paris e Pádua.

O colóquio tem por base o sistema de call for papers. Além disso estão confirmadas as presenças de Julián Sobrino (Universidad de Sevilla), Inmaculada Aguilar Civera (Universidad de Valencia – Cátedra Demetrio Ribes) e Marta C. Lourenço (Museu Nacional de História e da Ciência – CIUHCT, Universidade de Lisboa).

Quaisquer informações sobre este colóquio2 podem ser consultadas aqui.

O segundo evento que queremos destacar é o I Encontro Anual Indústria, História, Património (18, 19 e 20 de Abril de 2013), da organização da Universidade Nova (Instituto de História Contemporânea), uma iniciativa que se desenvolve no seguimento da criação da rede temática – RIHP: Rede Indústria, História, Património, criada em 2012. Esta rede tem a particularidade de reunir as principais unidades de investigação (de várias universidades, nomeadamente a Universidade de Évora e a partir de diferentes áreas: história, arqueologia, história das ciências, etc.), mas também museus e outras instituições que trabalham neste domínio, o que é pouco comum.3

Este encontro anual “pretende ser um fórum de discussão aberto e pluridisciplinar, dedicado à apresentação de estudos no domínio da história da indústria enquanto realidade social global, compreendendo o património material e imaterial (tecnologia, saber-fazer técnico, práticas sociais e culturais, infraestruturas, construções, equipamentos e objectos, sítios e paisagens).” (in site da RIHP)

À semelhança do anterior, este encontro tem por base a call for papers (ver toda a informação aqui). A conferência inaugural será de Hugues de Varine, que trará certamente um olhar pertinente sobre os museus, enquanto espaços de memória e salvaguarda do património industrial.

Note-se que Hugues de Varine teve um papel determinante no desenvolvimento do ecomuseu do Creusot (inicialmente Musée de l’Homme et de l’Industrie, 1972), em França (sobre a história ideológica do Creusot ver por exemplo: Debary, Octave (2002).  La fin du Creusot ou l’art d’accommoder les restes, Paris, Editions du Comité des Travaux Historiques et Scientifiques, (collection « Le regard de l’ethnologue »), Ministère de la Recherche, 189 p.)

Estes dois eventos, em particular a criação de uma rede temática ilustra bem aquela que deverá ser uma tendência, ou seja, uma maior articulação, por um lado de instituições universitárias que fazem percursos de investigação semelhantes e, por outro lado, com as instituições museológicas (e também arquivos, etc.) que estão no terreno e que representam uma perspectiva também essencial neste quadro de estudo. Além disso, é também digno de nota a incorporação da imaterialidade na concepção de património industrial patente na missão da RIHP, o que revela a necessidade de um olhar mais global e integrado sobre o património, não esquecendo a importância, por um lado, da componente da imaterialidade ligada aos processos e ao saber-fazer, mas também a imaterialidade que se liga às memórias dos espaços. Apesar de hoje essa consciência ser cada vez maior (e algumas experiências comprovam-no, por exemplo, o Museu da Chapelaria, entre outros), a musealização de muitos espaços industriais tem sido operacionalizada sem incluir estes elementos, que podem efectivamente representar um potencial enorme não só do ponto de vista de uma abordagem de investigação mais completa (e do discurso), mas também do ponto de vista da experiência que é oferecida ao visitante, muito mais humanizada.

  1. Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades []
  2. O colóquio tem associado a atribuição do prémio  Património Industrial que visa distinguir jovens investigadores nesta área. Veja mais aqui []
  3. No site da RIHP pode encontrar informação sobre o projecto, os parceiros, os investigadores, etc.: http://historia-patrimonio-industria.blogspot.pt/ []

O lugar do PCI nas políticas do património

Colóquio Internacional “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul…”
27-28 Novembro de 2012
Institut Français du Portugal, Lisboa
© Ana Carvalho

Nos dias 27 e 28 de Novembro de 2012 teve lugar em Lisboa um colóquio internacional dedicado às “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul: percursos, concretizações, perspetivas” (org. Universidade de Évora e Direção Geral do Património Cultural). Foi este o mote para escrever algumas linhas sobre o lugar do PCI nas políticas do património.

Devo começar, em primeiro lugar, por sublinhar a importância de se promover uma reflexão crítica de perfil comparativo sobre políticas culturais, sobretudo quando o tema em debate decorre, em grande medida, de normativos internacionais que irradiam orientações que são tendencionalmente absorvidas pelos Estados nas políticas internas. Países como Portugal, França, Espanha e Itália partilham, de certo modo, uma aproximação ao património com muitas afinidades, pese embora os percursos e idiossincrasias próprias de cada Estado. Estes países assinaram a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003 da UNESCO (daqui em diante Convenção de 2003)[1]. Creio que o balanço dos percursos e das experiências pode, em potencial, ter um efeito positivo sobre a avaliação das estratégias, e a possibilidade de reflectir de forma aberta sobre as potencialidades, os limites e a falibilidade das intervenções.

Organizações como a UNESCO, o ICOMOS, o Conselho da Europa, entre outras, têm assumido um papel regulador do discurso autorizado sobre património, legitimando novos usos políticos da cultura, programas e boas práticas. Com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, em particular, a UNESCO veio assinalar mudanças na forma como os Estados deverão salvaguardar as suas tradições, sublinhando a importância de preservar a diversidade cultural de forma participativa e inclusiva. É assumida uma visão mais antropológica da cultura e um conjunto de orientações que procura remeter o lugar do Património Cultural Imaterial (daqui em diante PCI), anteriormente nas margens das preocupações políticas para uma melhor integração nas políticas culturais.

Este discurso autorizado obriga a uma tradução e a negociações várias, por um lado, na revisão das políticas nacionais, e por outro lado, na transformação do discurso institucional dos actores envolvidos, criando, por sua vez, uma comunidade de praticantes, conservacionistas e especialistas do património, que procuram dar resposta a estes novos enquadramentos (Smith 2006). É neste contexto que se compreende hoje o elevado interesse que suscita o PCI para os diversos especialistas ligados ao património nos vários quadrantes da cultura, que se confirma como sendo intergeracional e atravessando diferentes territórios disciplinares[2].

No sentido de operacionalizar a cartilha da UNESCO também se confirmam em torno da salvaguarda do PCI outras dinâmicas em Portugal. Note-se, por exemplo, a criação, em 2012, de um curso de pós-graduação sobre PCI (Universidade Lusófona) que gerou, por sua vez, a criação de uma associação e uma plataforma de divulgação via facebook (cf. https://www.facebook.com/pcimaterial).

Constata-se, por outro lado, uma certa euforia do PCI veiculada pela comunicação social a julgar pelos destaques que têm tido os anúncios de candidaturas ao “património imaterial da humanidade” de diversas tradições (ex. o Fado, o Cante Alentejano, a Dieta Mediterrânea, etc.), ou no contexto mais local, de onde emerge uma tendência crescente para a validação política de determinadas tradições (ex. tauromaquia). Embora o fenómeno não seja exclusivo à tauromaquia, verifica-se um movimento crescente de intenções (e de varias concretizações) por parte dos municípios para classificar algumas tradições, etiquetando-as como “património imaterial de interesse municipal” (ex. Alcochete, Azambuja, Monforte, Elvas, Beja, entre outros), pese embora a nível da legislação nacional não exista a possibilidade deste tipo de classificação[3]. Sintomático de um certo posicionamento político sobre a cultura tradicional, o fenómeno não se articula com estratégias de salvaguarda estruturadas.

Se atendermos aos exemplos apresentados no colóquio (França, Itália, Portugal e Espanha), pode dizer-se que os Estados têm vindo a concretizar as directivas da Convenção de 2003 com alguma celeridade. Portugal começou a trabalhar estas questões a partir de 2007 sensivelmente (via ex-Instituto dos Museus e da Conservação) e Espanha a partir de 2009, percurso que é marcado pelo encontro de Teruel, que reuniu vários especialistas e representantes das regiões espanholas no sentido de definir a política nacional a adoptar), tendo sido publicando entretanto o Plan Nacional de Salvaguarda del Património Cultural Inmaterial (através do Instituto del Patrimonio Cultural de España), à semelhança do que tem sido feito para outras áreas do património[4].

No entanto, deve ser referido que no contexto local algumas regiões espanholas haviam já introduzido o PCI nas suas políticas, seguindo os princípios da UNESCO. Esse foi o caso da região de Murcia (parceiro com a Universidade de Évora no projecto MEDINS – Identity is Future: Mediterranean Intangible Space (2006-2008)[5], que passou a incluir o PCI no plano operativo da política regional a partir de 2007 (em articulação com a publicação de nova legislação sobre esta matéria), colocando a enfase na importância do PCI como elemento de desenvolvimento social (consultar García Simo 2008). E foi o caso da Andaluzia, com o projecto de inventário e documentação – Atlas del Património Inmaterial de Andalucía (Instituto Andaluz del Patrimonio Histórico), que começou a ser esboçado a partir de 2008 (cf. Carrera Diaz 2009), entre outros exemplos.

A França começou em 2006 a implementar uma estratégia para o PCI nos termos da Convenção de 2003, com a criação de uma comissão composta por representantes de várias áreas. Todavia, é a partir de 2007 que se dão os primeiros passos para a sua operacionalização. Grosso modo, esta política, levada a cabo pelo Ministério da Cultura, através da Mission Ethnologie, assenta no apoio à investigação e documentação do PCI. A este propósito foram desenvolvidas duas iniciativas, uma com base na ideia de “inventário dos inventários” (cf. Répertoire des inventaires du PCI), reunindo um conjunto de informação que remete para a diversidade de trabalhos de investigação já realizados neste âmbito em França, e na criação de um novo inventário para o património vivo (cf. Fiches de l’inventaire du patrimoine culturel immatériel ou aqui: Inventaire du Patrimoine Culturel Immatériel – Institut Occitan), construído à semelhança do inventário gizado pela Universidade de Laval, no Quebéc (coordenação de Laurier Turgeon) – l’Inventaire des Ressources Ethnologiques du Patrimoine Immatériel-IREPI (2004-2005)[6].

O que se destaca no caso francês é a sua capacidade de investimento, que parece não ter correspondência nos restantes casos. Note-se que o inventário é apoiado e alimentado através de um considerável investimento público da administração central que estabeleceu contratos de investigação com instituições que trabalham no terreno[7].

A política italiana diferencia-se dos últimos exemplos pela diversidade de situações encontradas, variável em função de cada região e pela ausência de uma política unificadora à escala nacional[8]. Os vários exemplos apresentados sobre a realidade italiana mostraram a existência de iniciativas de administração regional do tipo bottow-down e outras, como alguns exemplos de inventários participativos, que se encaixam mais no perfil bottow-up (ex. “progetti Unione Pro Loco”). O exemplo italiano é talvez o mais pragmático dos exemplos apresentados, reflectindo maior diversidade, nomeadamente na forma aplicação da noção de participação das comunidades (dos inventários suportados exclusivamente pelos especialistas aos inventários sem crivo científico, alimentados pelos detentores/praticantes do património, ou seja, verificando-se uma maior experimentação que ultrapassa a participação entendida apenas como a consulta.

De certo modo, o debate não fez jus à ambição do título da conferência “Políticas públicas para o património imaterial…”, uma vez que o leque de experiências apresentado se reportou a uma análise sobre as formas de inventariar o PCI adoptadas pelos países representados. De facto, as estratégias para o PCI têm recaído por força da “necessidade de implementar a Convenção de 2003”, e em conformidade com o artigo 12, para a criação de inventários exclusivamente, atendendo a que esta é a única medida obrigatória da aplicação da Convenção. O enfoque sobre as questões do inventário, marcantes neste colóquio em Lisboa fez lembrar o encontro “Inventer le inventaire” (Paris, 2007) no qual, de facto, o objectivo era reflectir criticamente e de modo comparativo sobre o papel dos inventários tanto do ponto de vista dos seus limites como do ponto de vista das suas potencialidades (veja-se comentário sobre esse colóquio aqui).

 Ainda que os inventários, enquanto ferramenta para a identificação do PCI, possam ser de grande utilidade e validade, quando se desenham políticas o enquadramento que se exige é mais vasto e necessariamente mais transversal. Vale a pena sublinhar, uma vez mais, que os inventários são apenas uma das medidas de salvaguarda previstas na Convenção de 2003. Com efeito, se a criação de um inventário nacional se apresentar desvinculado de uma política de salvaguarda mais abrangente corre o risco de não ter impacto sobre a preservação do património (Carvalho 2011, 99). Neste sentido, importa sublinhar a importância de outros documentos normativos, nomeadamente a Convenção Quadro do Conselho da Europa para o Património Cultural de 2005 (conhecida como Convenção de Faro) que enfatiza a importância de se desenvolverem políticas menos sectoriais para o património, ou seja uma visão mais transversal da cultura[9]. Apesar dos últimos desenvolvimentos, designadamente a criação da nova Direção Geral do Património Cultural com atribuições mais alargadas na área do património e museus, não se operaram mudanças tanto a nível das estratégias como das práticas que estimulem esta perspectiva integradora do património a que nos reportamos, o que significa que as aparentes reestruturações das instituições foram exclusivamente de ordem economicista e não foram acompanhadas de uma reflexão interna sobre os problemas da gestão do património face a novos paradigmas. É a pluridisciplinaridade ainda uma utopia para as instituições na perspectiva do reconhecimento da vocação multidisciplinar do património? Neste contexto, também não foram perceptíveis quais as perspectivas para o futuro ou a definição de estratégias concretas que articulem, por exemplo, a linha de trabalho: inventário/documentação/investigação com a promoção da diversidade cultural através do apoio aos seus protagonistas[10]. Podemos, afinal, ter políticas para a cultura sem investimento?

A palavra crise, ainda que presente nas nossas vidas de forma impositiva, é um problema que se afirma também nas políticas para o património, mas permaneceu ausente no debate (politicamente incorrecto?). Ao ler uma notícia recente sobre a impossibilidade de se voltar a apresentar os Bonecos de Santo Aleixo no Teatro Garcia de Resende devido aos recentes cortes no apoio à cultura, torna-se evidente o divórcio entre a realidade e o discurso oficial. Não estaremos a assistir a um desinvestimento no património? O que não parece claro é de que forma estão a ser equacionadas e reconfiguradas estratégias, atendendo a este novo panorama.

No que diz respeito aos inventários propriamente ditos, os casos apresentados revelaram diferentes formas de organização (ex. domínios, fichas, etc.), o que é expectável, atendendo a diferentes tradições de trabalho e às instituições envolvidas e, por outro lado, decorre também do facto da Convenção de 2003 não fazer recomendações rígidas quando à implementação dos inventários, promovendo também neste aspecto a diversidade de soluções. No caso português, o inventário nacional é um processo não isento de fricções e sobre o qual se tem gerado vários mal-entendidos. Talvez por isso se entenda que após a sua operacionalização desde há mais de um ano apenas inclua uma manifestação de PCI – a Capeia Arraiana[11]. Neste sentido, foi evidente o desencontro entre os objectivos das instituições e dos profissionais face à utilidade do inventário nacional neste formato.

A par com as preocupações com os novos inventários, permanece por resolver em Portugal a definição de uma estratégia ou plataforma que organize ou torne acessível um imenso património espalhado por diversas instituições (ex. centros de investigação, museus, arquivos, associações, etc.) que ao longo de décadas têm realizado recolhas e documentado o património imaterial. A articulação entre instituições está por fazer (e vários projectos adiados, como é o caso da criação de um arquivo nacional sonoro, entre outros), que tem também a ver, por um lado, com um problema de comunicação e de organização e, por outro lado, com a ausência de uma estratégia a longo prazo concertada com investimento público. Neste contexto, é relevante a experiência francesa com vista à criação de um catálogo colectivo online de arquivos sonoros e audiovisuais de várias instituições francesas em rede (cf. Portail du Patrimoine Collectif d’Archives Sonores et Audiovisuelles). Beneficiar de uma estrutura comum em rede que não prescinde da valência específica de cada instituição é um dos grandes méritos do projecto.

Um das contradições do colóquio teve a ver com a discussão em torno do papel dos especialistas do património e a reclamação da antropologia como o campo disciplinar autorizado para salvaguarda do PCI. Com efeito, o facto do PCI estar directamente ligado ao território disciplinar da Antropologia não oferece dúvidas, no entanto, deve ser reconhecido também o papel que outros especialistas da cultura podem ter na salvaguarda do PCI, atendendo à vocação multidisciplinar do património. Por outro lado, a mudança de paradigma presente na Convenção de 2003 sublinha uma revisão do papel dos especialistas. Este novo papel configura-se também pelo abandono de um modelo de protecção do PCI assente exclusivamente no trabalho dos especialistas e técnicos, através do estudo e documentação, para passar a privilegiar a salvaguarda do património, enquanto processo cultural, pelos detentores das práticas. Neste sentido, a Convenção de 2003 atribui aos especialistas a responsabilidade pela mediação do património[12]. Além disso, a partilha de responsabilidades do PCI entre diversos especialistas não se apresenta apenas uma tendência ou recomendação, mas também como uma necessidade operativa, uma vez que a principal área de formação dos técnicos dos municípios é a história, como confirmou Paulo Ferreira da Costa na interpretação os dados recolhidos no âmbito do inquérito “Património Imaterial em Portugal: arquivos, agentes, projectos”[13]. Note-se que a maioria dos museus existentes em Portugal é de tutela municipal, nos quais a diversidade de especialidades é denominador comum. Com efeito, a interpretação da Convenção de 2003 remete para um questionamento e uma reflexão não só do papel tradicional das instituições como dos profissionais (incluindo os antropólogos) e acima de tudo para a aplicação de práticas inclusivas e não exclusivas.

O texto de Chérif Khaznadar foi clarividente no sentido de alertar sobre os usos políticos da cultura, sugerindo uma leitura da Convenção de 2003, não como sendo a única verdade, mas como um documento sobre o qual estão inerentes vários perigos e limitações, aos quais se deve estar atento e, paulatinamente, objecto de reflexão.

Como demonstrou este colóquio, as tensões (e contradições) que suscita o PCI estão longe de se se esgotar nos inventários, pelo que se revela necessária uma maior discussão à volta do tema nas suas diversas valências (problemas conceptuais, questões técnicas, critérios, instrumentalização, riscos da transformação da cultura em recurso, direitos de autor, normas europeias de qualidade, etc.). O espaço crítico para as questões do património, como reclamou João Leal pode ser o da antropologia, mas também poderá ser de outros campos ou actores, nomeadamente dos museus. Creio que os museus podem configurar potenciais lugares de experimentação, reflectindo e problematizando o PCI, sem esquecer o papel que podem ter na mediação e comunicação deste património.

Referências bibliográficas:

Bortolotto, Chiara, Annick Arnaud, and Sylvie Grenet, eds. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie Vol. 26, Ethnologie de la France Cahier. Paris: Éditions de la Maison des Sciences de l’homme.

Carrera Díaz, Gema. 2009. Atlas del patrimonio inmaterial de Andalucía. Puntos de partoda, objetivos y critterios técnicos y metodológicos. Revista ph (71):18-41.

Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios. Lisboa: Edições Colibri e Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora.

García Simo, Inmaculada, ed. 2008. El patrimonio cultural inmaterial. Defición y sistemas de catalogación: actas del seminario internacional, Murcia, 15 y 16 de febrero de 2007. Murcia: Comunidad Autónoma de la Región de Murcia [etc.]. Disponível aqui: http://www.patrimur.com/archivos/actasseminariomedins.pdf

Hottin, Christian, coord. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: premières expériences en France. Vol. 25, Internationale de L’immaginaire, nouvelle série: Maison des Cultures do Monte e Babel.

Smith, Laurajane. 2006. The uses of heritage. London, New York: Routledge.

Tambuzzo, Lucio. 2008. Les actions du projet MEDINS. In García Simo, Inmaculada, ed. El patrimonio cultural inmaterial. Defición y sistemas de catalogación: actas del seminario internacional, Murcia, 15 y 16 de febrero de 2007. Murcia: Comunidad Autónoma de la Región de Murcia [etc.], 2008. p. 41-51. Disponível aqui:  http://www.patrimur.com/archivos/actasseminariomedins.pdf


[1] França e Espanha em 2006, Itália em 2007 e Portugal em 2008. Actualmente são 148 os países que aprovaram à Convenção de 2003 (cf. http://www.unesco.org/eri/la/convention.asp?KO=17116&language=E) (consultado em dezembro 4, 2012).

[2] Este interesse ficou patente no elevado número de inscrições do colóquio e tem sido também perceptível noutros encontros promovidos pelo ex Instituto dos Museus e da Conservação em 2011 sobre a “matéria” do PCI, de que são exemplos os seguintes: “Património Imaterial em Portugal: dos enquadramentos globais às actuações no terreno” (31 Janeiro 2011, Museu Nacional de Etnologia, veja-se http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/3737); “Novas Perspectivas para o Inventário, Gestão e Divulgação do Património Móvel e Imaterial” (1 Junho 2011, Museu Nacional de Arte Antiga); e “Inventário Nacional do Património Imaterial: Desafios e Perspectivas” (12 de Dezembro de 2011, Museu Nacional de Etnologia, consultar http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/4394).

[3] Não obstante o movimento de classificação da tauromaquia geraram-se também movimentos contrários como no caso de Évora, onde a Câmara Municipal acabou por rejeitar a possibilidade de classificar a tradição, argumentando a favor dos direitos dos animais.

[4] Veja-se no site do instituto os vários planos em vigor: património industrial, conservación preventiva, paisage cultural, etc.

[5] O MEDINS um dos primeiros projectos em Portugal a implementar a narrativa da UNESCO. Realizou-se no âmbito do programa INTERREG III B MEDOCC, juntando vinte parceiros (Portugal, Itália, Espanha, Grécia, Malta, incluindo a participação de países de fora da rede europeia, nomeadamente: Tunísia, Marrocos, Argélia, Líbano e Egipto). O projecto foi coordenado pelo Assessorato dei Beni Culturali ed Ambientali e della Pubblica (Região da Sicília) e centrava-se sobretudo na formulação de inventários para o PCI, atendendo às directivas da Convenção 2003. Para maior detalhe sobre os objectivos do projecto consultar Tambuzzo (2008), e sobre a participação da Universidade de Évora veja-se o site: http://medinsuevora.wordpress.com/ (consultado em Dezembro 17, 2012).

[6] Este modelo foi, entretanto, aplicado pela Universidade de Laval noutro inventário de perfil temático no Québec – Inventaire du patrimoine religieux – IPIR (2007-2008) e, além disso, o modelo foi exportado para o Haiti,  onde actualmente se desenvolve o Inventaire du Patrimoine Imamtériel d’Haiti  (cf. http://www.ipimh.ulaval.ca/). A Universidade de Laval dá agora continuidade à valorização do património do Quebéc com um outro projecto – Encyclopédie du Patrimoine Culturel de l’Amérique Français (desde 2008), que configura uma abordagem inclusiva das várias dimensões do património (incluindo os patrimónios contemporâneos emergentes) numa só base de dados multimédia (cf. http://www.ameriquefrancaise.org/fr/#.UL9643eD83w). Este projecto tem tido considerável sucesso, não apenas como projecto de investigação, mas como instrumento de divulgação, atendendo ao número crescente de visitantes do portal.

[7] O inventário francês disponibiliza já mais de três centenas de fichas.

[8] Embora para o caso italiano não tivesse estado presente um representante do ministério da Cultura, à semelhança de Portugal, França e Espanha, Chiara Bortolotto fez o retrato da situação no país.

[9] Portugal aprovou esta Convenção em 2008.

[10] Note-se em 2007 Portugal ratificou a Convenção sobre a protecção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais de 2005, que recomenda a criação de políticas de valorização da diversidade cultural.

[11]Um dos equívocos à volta do inventário nacional é o facto do Fado, aceite pela UNESCO como património imaterial da humanidade, não se encontrar inscrito no inventário nacional, sendo que teoricamente este seria um requisito da UNESCO. Com efeito, tal como foi explicado no colóquio, o  Fado não se encontra no inventário nacional, uma vez que faz parte da base de dados “Fonogramas Históricos de Fado e outros géneros de Música Popular”, que foi considerada como um inventário no contexto da candidatura.

[12] Para uma discussão sobre o posicionamento dos antropólogos face ao PCI consultar Bortolotto, Arnaud e Grenet (2011), que clarificam três possibilidades de envolvimento dos antropólogos: observadores, mediadores ou actores.

[13] O inquérito foi distribuído em 2010 por autarquias, museus, centros de investigação e associações ligadas ao património, mas os resultados não foram ainda divulgados.

Políticas públicas para o Património Imaterial

Acontece nos dias 27 e 28 de Novembro de 2012 o colóquio internacional sobre “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul: percursos, concretizações, perspectivas”, no Institut Français du Portugal (Lisboa). O colóquio conta com o apoio da Direcção-Geral do Património Cultural, Instituto Francês e da Universidade de Évora, através do CIDEHUS (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades).

Uma perspectiva comparativa das políticas culturais sobre património imaterial será certamente uma plataforma interessante de reflexão. Chérif Khaznadar, Sylvie Grenet, Chiara Bortolotto, José Luís Mingote Calderón e María Pía Timón Tiemblo são alguns dos investigadores estrangeiros confirmados.

A inscrição é gratuita.

Programa

Ficha de Inscrição

Sobre o encontro:

“Partindo dos esforços desenvolvidos em Portugal, França, Espanha e Itália, o Colóquio tem como objetivo principal a reflexão sobre os processos de desenho de políticas públicas na Europa do Sul para fins da implementação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003), com especial enfoque sobre a constituição de inventários como medidas fundamentais para a salvaguarda do PCI.

Confrontando as principais estratégias desenvolvidas em cada um dos países, assim como os percursos históricos de que resultaram essas mesmas estratégias, o Colóquio pretende refletir, por um lado, sobre os papéis aí reservados para as entidades governamentais (de âmbito nacional, regional e local), as entidades de carácter científico e cultural (museus, universidades, centros de pesquisa, associações) e os detentores do PCI (“comunidades, grupos, indivíduos”).

Por outro lado, tendo em conta o papel desempenhado pela Antropologia, não apenas no estudo dos factos de cultura desde recentemente objetificados como “PCI”, mas também no próprio processo de elaboração da Convenção da UNESCO, o Colóquio pretende refletir sobre o papel e o envolvimento da disciplina na definição e implementação daquelas políticas e estratégias, identificando as oportunidades, os resultados e, também, os problemas metodológicos, epistemológicos e/ou políticos que daí podem decorrer.

Por fim, o Colóquio propõe-se interrogar as diferenças e afinidades entre as políticas culturais dos países da Europa do Sul, na perspectiva do papel desempenhado pelo património como factor de construção e reconstrução de identidades na Europa.” (Fonte: programa do colóquio)

 

Museus da cidade hoje. Novas Perspectivas?

Realiza-se já amanhã (10 de Julho), em Lisboa, um workshop que coloca em destaque a problemática dos museus de cidade. O evento, de carácter internacional junta especialistas de outros países no decorrer de um projecto europeu, e vem sublinhar a importância dos museus de cidade no panorama museológico.

No caso de Lisboa, esta é uma discussão em aberto, uma vez que a par com o estudo que está a ser desenvolvido sobre um modelo de gestão a implementar nos museus da cidade de Lisboa (museu da cidade, museu teatro romano, museu Bordalo Pinheiro e restantes museus sob a gestão da EGEAC), se estuda também a possibilidade de repensar o museu da cidade na sua globalidade, seja do ponto de vista programático e expositivo, da missão, dos valores. Aliás, notícia publicada recentemente no jornal Publico (26-06-2012) dava conta da intenção da autarquia de Lisboa em contratar alguém de fora dos museus para redefinir o papel do museu da cidade. Este workshop será certamente uma contribuição para esta reflexão.

Consulte: Programa: Lisbon International Workshop

Sobre o evento divulga-se o seguinte:

No âmbito do projeto “Cooperação Tripartida para o Desenvolvimento da Museologia de Cidade” promovido pelo Arquivo e Museu Ahmet Piriştina (APIKAM), da cidade de Esmirna, em colaboração com o Museu da Cidadede de Lisboa e o Museu do Património Industrial de Bolonha, a CML organiza dia 10 de Julho o workshop “Museus de Cidade Hoje. Novas Perspectivas”, a ter lugar no Auditório do MUDE.

 Este é o primeiro Workshop realizado em Portugal sobre museus de cidade.

Para além dos três parceiros deste projeto,  o workshop contará com a participação de responsáveis do Museu de Amesterdão, do novo Museu de Bolonha e do Museu de Londres, bem como dos dirigentes de museus da cidade de Almada, de Aveiro e de Coimbra.

O projeto, subsidiado pelo Ministério da Cultura e Turismo da República da Turquia e pela União Europeia, tem como principal objetivo a promoção do diálogo intercultural entre os Estados membros da União Europeia e a Turquia, através da museologia de cidade, desenvolvendo ações de cooperação entre museus de cidade europeus e turcos.

 A entrada é livre, mediante inscrição.

(press-release Museu da Cidade)

Workshop: Techniques, Patrimoine, Territoires de l’Industrie: Histoire, Valorisation, Didactique

4ème Workshop International TPTI: Techniques, Patrimoine, Territoires de l’Industrie: Histoire, Valorisation, Didactique

PARIS, 6 juillet 2012
Patrimoines de l’ingénierie
Organisateurs : Master Erasmus Mundus TPTI

Contact : Anne-Sophie Rieth (tptiscientifique@gmail.com, 01.44.78.33.73)
Lieu : Salle 1 – Centre Panthéon – 12, Place du Panthéon – 75005 PARIS

Poderá acompanhar o workshop à distância a partir do seguinte endereço (diffusion en directe):  http://epi.univ-paris1.fr/16536285/0/fiche___pagelibre/&RH=n1sitesEPI%5b1%5b1

Programme:

9h45 – Accueil des participants
10h – Présentation et inauguration de la journée
Président de l’Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne
Directeur de l’UFR 09 de l’Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne
Anne-Françoise Garçon (Coordinatrice Master Erasmus Mundus TPTI, Université Paris
1 Panthéon-Sorbonne)
Ana Cardoso de Matos (Universidade de Évora) : Présentation du thème du workshop 10h 15 – Session 1

Président de séance : Jean-Louis Bordes (Centrale Histoire)

Dmitri Gouzevitch (CEMRCEE -, EHESS) et Irina Gouzevitech (CMH – EHESS)
Le barrage pour protéger Saint-Pétersbourg contre les inondations, ou l’expertise
polytechnicienne au service de la Couronne russe : une histoire en deux temps (1824, milieu des années 1980)
Guido Zucconi (Univertà luav di Venezia)
Le patrimoine portuaire. Le cas des villes méditerranéennes
Reine Flora Saoundé (Master Erasmus Mundus TPTI),
Infrastructures ferroviaires, paysages ferroviaires : une mémoire ? un patrimoine ?

11h15 – Pause

11h30 – Session 2
Président de séance : Anne-Françoise Garçon (Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne)
Magda de Avelar Pinheiro (ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa)
Le patrimoine ferroviaire : entre le passé et le futur
Inmaculada Aguilar Civera (Universidad de Valencia- Cátedra Demetrio Ribes)
Paisaje e ingeniería en España : del monumento a la red
Daniela Uresty Vargas, (Master Erasmus Mundus TPTI), L’enseignement technique et
industriel au Mexique, le cas de l’Ecole Nationale des Arts et Métiers (1868-1916)

12h15 – 13h – Session 3
Président de séance : Filipe Themudo Barata (Universidade de Évora)
Jean-Louis Kerouanton (Université de Nantes), Les grandes formes de constructions
navales de Saint-Nazaire et La Ciotat : histoires parallèles ?
Pascal Désabres (Université Paris IV)
La construction du Métro de Paris : un chef d’oeuvre d’ingénieur ?

13h00- 14h30 – Déjeuner

14h45 – Session 4
Président de séance : Giovanni Luigi Fontana (Université de Padoue)
Jean-François Belhoste (EPHE-Paris)
Usines construites par les ingénieurs de l’Ecole Centrale depuis les années 1830
Vincent Joineau (Université Bordeaux III)
Regards croisés sur la pensée de l’ingénieur: l’exemple de l’usine métallurgique de Fumel
(47) entre 1905 et 1910
Maddalena Chimisso, (Master Erasmus Mundus TPTI),
Les ingénieurs d’État : formation et pratique entre la France et les États italiens.

15h45 – Session 5
Président de séance : Serge Benoit (Université d’Evry)
Dominique Barjot (Université Paris IV)
Histoire et mémoire : la business history appliquée, à partir de l’exemple de Vinci et
d’autres grands groupes de BTP
Claudio Modena (Université de Padua)
Seismic safety of the architectural heritage. The masonry bridges of the Italian national
railway network
Julian Sobrino (Universidad de Sevilla)
Revisión crítica de las estrategias de gestión para el patrimonio industrial en este nuevo
siglo

16h45 Conclusions
Abdelhamid Barkaoui (Université de Sfax)

______________

Master Erasmus Mundus TPTI (Université de Padua, Université de Évora et Université Paris)