Arquivo da Categoria: Cultural Heritage

Património imaterial e museus: novos e velhos desafios

Pequena exposição sobre os chocalhos no Paço dos Henriques (Alcáçovas, Évora), 2016. Foto de Ana Carvalho. O fabrico de chocalhos foi inscrito, em 2015, na Lista do Património Cultural Imaterial com Necessidade de Salvaguarda Urgente da UNESCO.

“Património imaterial” tornou-se uma buzzword dos nossos dias, em parte devido à visibilidade da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, adoptada pela UNESCO em 2003, que veio chamar a nossa atenção para a necessidade de dar visibilidade a um património vivo, em constante adaptação, que faz parte da identidade dos grupos e das comunidades, e que é transmitido de geração em geração.

Património imaterial: o que é que os museus têm a ver com isso?

Vários actores são chamados a tomar uma posição sobre esta matéria e os museus estão entre as organizações culturais que podem ou poderiam contribuir para a salvaguarda do património imaterial. Porquê? Porque os museus são sobre o nosso património (material e imaterial), são sobre a nossa identidade e memória colectiva, são sobre o nosso passado e presente, mas também sobre como imaginamos o futuro. Além disso, os museus são espaços de conhecimento, onde podemos celebrar a diversidade cultural: são lugares de encontro e de diálogo. Os museus têm também uma função educativa e social. Portanto, eu diria que o património imaterial incorpora a própria noção de museu; está no coração e na essência do que os museus são ou poderiam ser.

Património imaterial: o quê?

O património imaterial está ligado à memória e à identidade, ideia que não é nova para os museus. No entanto, a recente e crescente visibilidade do património imaterial tem feito os museus reconsiderar como colocar em prática uma abordagem que integre e interprete todas as dimensões do património cultural, e alcançar um equilíbrio entre uma abordagem tradicional com base nos objectos e na sua materialidade e uma perspectiva mais contemporânea que realça a sua dimensão imaterial. Em resumo, muitos museus procuram encontrar um equilíbrio entre o passado e o presente na forma como apresentam o património imaterial ao seus públicos.

Assim, discutir sobre património imaterial no contexto dos museus significa ter em consideração várias camadas de interpretação, não apenas no que se refere aos objectos das colecções (incluindo os seus diferentes significados através do tempo, as formas de produção e de utilização, as histórias de vida e memórias que lhes estão associadas, entre outros aspectos), mas também as que se relacionam com a memória dos próprios edifícios, as memórias ligadas a lugares e a paisagens (por exemplo, biografias culturais), e uma melhor compreensão e conhecimento das práticas sociais e culturais que têm lugar fora do museu.

Manuel Antunes Cecílio, mestre chocalheiro. Foto daqui.

Tornar o invisível visível

Não é possível captar toda a essência do património imaterial numa vitrine, uma vez que este património “vive” no seio das comunidades, no entanto os museus podem envolver-se mais e ser mais activos na sua valorização dando maior visibilidade à dimensão imaterial das suas colecções, dos seus edifícios e paisagens culturais. Os museus podem ainda encorajar outros a envolver-se na reflexão sobre património imaterial. Como? Creio que isso pode ser feito a partir de uma abordagem mais comprometida que implique o desafio de interagir mais com as comunidades, envolvendo-as – e aqueles que são os “detentores” do património imaterial – no trabalho do museu, incluir as suas vozes e conhecimentos, criando espaços de representação mais plurais e inclusivos por via de uma museologia mais participativa.

Processo de documentação fotográfica de uma colecção de chocalhos com vista à sua exposição no Paço dos Henriques (Alcáçovas, Évora), 2017. Foto do Paço dos Henriques – Programa PAGUS.

Identificar, documentar e gerir – um ponto de partida

Não há dúvidas que o compromisso com o património imaterial traz um conjunto adicional de preocupações aos museus; desafia todas as áreas de trabalho sem excepção – das colecções à documentação, à investigação, às exposições, ao envolvimento de comunidades e de públicos, às questões éticas, mas também à gestão e ao financiamento. Mas, claramente, a documentação representa um passo importante em qualquer estratégia e pode alimentar outras áreas de trabalho nos museus, reutilizando a informação recolhida sobre património imaterial.

A documentação prevalece como um ponto de partida de qualquer museu que pretenda estabelecer uma ligação dos objectos à sua imaterialidade, assegurando para este efeito uma ampla participação dos grupos e comunidades. Esta tem sido uma mudança lenta para muitos museus portugueses, mas provavelmente para muitos outros fora de Portugal, pela necessidade de rever e adaptar os procedimentos na documentação e gestão de colecções. Todavia, já existem metodologias em curso. A criação de um grupo de trabalho dedicado especialmente ao património imaterial no seio do CIDOC (Comité Internacional do ICOM para a Documentação), em 2014, evidencia a importância de trabalhar no contexto de processos e a necessidade de redefinir orientações e formatos de documentação para o património imaterial no sentido de alcançar uma performance mais eficaz. Além disso, a partilha de experiências neste campo é crucial para expandir as práticas museológicas no que se refere às questões sobre documentação, mas também para assegurar o acesso à informação sobre património imaterial.

Nota biográfica: Ana Carvalho tem doutoramento e mestrado na área da Museologia e é actualmente investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora, integrando também a equipa da Cátedra UNESCO em Património Imaterial da mesma universidade. Autora do blogue No Mundo dos Museus, editora do Boletim do ICOM Portugal e co-editora da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares.

Um agradecimento especial a Emmanuelle Delmas-Glass (CIDOC) pela  revisão cuidada do texto em inglês.

****

Texto publicado originalmente no blogue do CIDOC: http://network.icom.museum/cidoc/blog/ana-carvalho/ (Agosto 2017)

A Ética nas Políticas Públicas do Património Cultural Imaterial: Entrevista com Marc Jacobs

Marc Jacobs, em visita à Universidade de Évora (Colégio do Espírito Santo), 13 de Julho de 2016. Fotografia de Ana Carvalho

Divulgamos a entrevista com o investigador belga Marc Jacobs, que teve lugar na Universidade de Évora a 13 de Julho de 2016 e foi conduzida por Ana Carvalho[1] e Filipe Themudo Barata[2].

Resumo: Desde que foi adoptada (2003), a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO continua a suscitar interrogações e a constituir um campo de negociação quanto à sua implementação nas políticas públicas do património cultural dos países que ratificaram o documento. As questões éticas estão actualmente no centro da discussão com a recente adopção de 12 princípios éticos que pretendem guiar as estratégias de salvaguarda do Património Cultural Imaterial. Nesta entrevista com Marc Jacobs, realizada durante a sua visita à Universidade de Évora (Portugal), reflectimos sobre o impacto da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial nas políticas nacionais, os seus problemas e oportunidades. Marc Jacobs (1963) é Professor de Estudos Críticos de Patrimônio na Vrije Universiteit Brussel. É desde 2008 diretor da Faro (Flemish Interface Centre for Cultural Heritage), uma organização belga para o setor do patrimônio cultural (material e imaterial). É desde 2014 o coordenador da UNESCO Chair em Critical Heritage Studies na Vrije Universiteit Brussel. Participou na qualidade de representante da Bélgica na redação da Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial (2003) e em vários grupos de trabalho durante o primeiro Comité Intergovernamental da Convenção (2006-2008).

Abstract: Since its adoption, UNESCO’s Convention for the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage has evoked interrogations and constituted a field of negotiation, concerning its implementation in the cultural heritage public policies of the countries that ratified the document. Ethical issues are now at the center of discussions, after UNESCO adopted 12 ethical principles to guide strategies for the safeguarding of intangible cultural heritage. We took the opportunity of Marc Jacobs’ visit to the University of Évora (Portugal) to do this interview and discuss the impact of UNESCO’s Convention for the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage (2003) in national policies, its problems and opportunities. Marc Jacobs (1963) is the director of FARO: Flemish Interface for Cultural Heritage (www.faronet.be) and holder of the UNESCO Chair in Critical Heritage Studies and the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage (www.vub.ac.be). He holds a MA in History from the University of Ghent (1985) and a PhD in History from the VUB (1998). Jacobs has been involved in drafting, elaborating, implementing, and analysing the 2003 UNESCO Convention for the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage since 2002. He was a member of the Belgian delegation to the Intergovernmental Committee of that Convention, from 2006 to 2008, and from 2012 to 2016. Marc Jacobs is a Professor of Critical Heritage Studies at Vrije Universiteit Brussel. Since 2008, he has been the Director of the Flemish Interface for cultural heritage (FARO), an accredited organization specialized in the safeguarding of Intangible Cultural Heritage. He participated as Belgium’s representative in drafting the Intangible Heritage Convention, in many expert groups and in the first Intergovernmental Committee of the Convention (2006-2008).

****

Ana Carvalho – When did you start collaborating more closely with UNESCO and the Convention for the Safeguarding of Intangible Heritage (2003)?

Marc Jacobs – It began in 2001, when the discussions in UNESCO started about making the Convention, and they were looking for experts from several countries. There was a first meeting organized by Chérif Khaznadar – he was in the French UNESCO Commission – and he wanted to assemble a number of people from the Netherlands, Belgium, and France. At that time I had left the University, I had just done my PhD, and I had become director of the Flemish Centre for Popular Culture. They were looking for somebody who knew something about this strange thing called Intangible Cultural Heritage. I was there together with my French-speaking colleague Jean-Pierre Ducastelle, who is the chairperson of the Walloon organization for popular culture. From that time on, we kept on going to every expert meeting that was organized. The Flemish government and the administration, any time they had to reflect about Intangible Cultural Heritage, they sent me together with my French-speaking colleague, we had a lot of freedom to speak and to participate as experts in the discussions. They let us work in all those negotiations leading up to the Convention in 2003. In Belgium, we really stalked politicians and policy makers to quickly ratify the Convention. After that we kept going to the Intergovernmental Committee of the Convention. And especially after 2008, the policy makers started seeing the potential of the Convention, and then more diplomats and people from the administration joined our Belgian team. But, especially in the first years, we had a lot of liberty to defend the “expert” point of view; and this was supported ever since. This was interesting because we saw a lot of other delegations that, from the start, included consisted primarily of diplomats and politicians, and they were often very restricted in what they said; we could respond more quickly.

In 2003 I worked in that Flemish Centre for Popular Culture and the first thing I did when I become director was to put “popular culture” between inverted commas, because it was a politically dangerous concept – folk culture. Especially for extremist parties, this was a very hot topic. So, we had to make it more complex and make it vaguer so it could not just be used as an easy essentialist notion by populists. That’s why I really like the concept of Intangible Cultural Heritage, because populists cannot really use it, it is so intangible and vague. Eventually “Intangible Cultural Heritage” replaced the concept of “popular culture”. “Intangible Cultural Heritage” being a more neutral term, it is something that from a scholarly point of view, and from a political point of view, I really like.

Filipe Themudo Barata – We have had the Convention for 13 years now. In your opinion, what has been done right and wrong?

Marc Jacobs – I think it made sense, it still makes sense. Something I learned is that there is not something monolithic like UNESCO, but that it is an assemblage, that many different actors are co-responsible for what they are doing. In that complex setting, you can have a kind of red line and defend it, and I am quite convinced of the principles and a way that I think is consistent. If you stick to that, you can have a lot of impact and influence, and that’s what I’ve been trying to do right from the beginning: to have a kind of – you can call it my own – agenda, which is compatible with the agenda of the Flemish policy makers, luckily, to look for consistency and coherence in your points of view: to really go for recognition of those non-elite forms of culture, which were called popular culture, that they should deserve a place and should be recognized. But also that the concept of heritage is more than monuments and landscape. That safeguarding can be interesting. And I noticed the concept of Intangible Culture Heritage/Patrimoine Culturel Immatériel – or however you translate it – is a concept that works for policy makers, it works in society, people take the concept seriously and want to think about it. So, that’s one of the things that happened.

What I like about the Convention is article 15, mentioning communities, groups, and individuals, without having a definition of any of these, especially communities and groups. That is very flexible and open, and it is empowering communities and groups. And another point, which I find is extremely important, is that it opens a possibility to organise transfers from rich countries to developing countries, to organise capacity building and transfer of funds.

Also, something that is happening now with the Convention is that there is a lot of money in the Intangible Heritage Fund. One of the things which I, and therefore Belgium, could help influence by participating in many meetings, is that, in addition to making lists and all those other non-interesting things, at least these capacity-building programs are organized and money is flowing in that direction. Especially in Flanders, we managed to help develop a policy around safeguarding Intangible Cultural Heritage. But at the same time, ratifying the Convention helped to convince our government to invest in a UNESCO Trust Fund, and they basically donated, during the last five years 600,000 euros to invest in Southern African countries. For me, that already legitimizes all the energy that has been put into the Convention. At least, I am glad about that.

Filipe Themudo Barata – But if you could change something, what would you change in the 2003 Convention?

Marc Jacobs – In the Convention I would get rid of article 16, the Representative List of the Intangible Cultural Heritage of Humanity (hereafter referred to as the Representative List). That’s a problem.[3] What a lot of actors, countries and experts wanted was a kind of alternative to the UNESCO World Heritage List, which was also part of the Masterpieces program. What I have been doing right from the start is trying to question the notions of masterpieces and world heritage, and to promote a register of good practices of safeguarding. There were many debates between 2001 and 2003, and afterwards. It was clear that a lot of powerful actors wanted a kind of world heritage light, but many specialists counterbalanced this view. This resulted in the Representative List: nobody really knows what “representative” means. The Representative List functions for drawing attention, but not so good for the safeguarding. I don’t believe in it because case studies about the masterpieces program demonstrate that proclaiming something as a masterpiece or putting something on the Representative List has a negative effect in many cases. If you really go and look, it has not helped the local communities. But apparently, it is something you need to do to convince the press, the media, and others.

Ana Carvalho – And you can’t go back, can you?

Marc Jacobs – No. I have a twofold strategy. On the one hand, the Representative List is there. Right from the start, I said we should have a Wikipedia kind of solution, feeding and overflooding the whole system by entering thousands and thousands of phenomena, which through a peer-review process can yield a kind of encyclopaedia. There’s been a kind of discussion or game as to what criteria should be used for the Representative List, and a lot of people wanted the kind of world heritage light list: they wanted to have easy criteria to put items on that list but still enjoy all the advantages of world heritage status. And every time they wanted to make really easy criteria, then Belgium intervened and said – well, let’s go for Wikipedia instead, and let everybody join, but the group did not want to go that far. So, I will keep on repeating – let’s go for a Wikipedia list. There was a lot of resistance, but if you hear the new secretary of the Convention, Tim Curtis[4], he too is already sometimes evoking Wikipedia as a possible alternative in the future.

Ana Carvalho – Scotland initially had a project like Wikipedia, and then changed to another kind of platform.

Marc Jacobs – In Scotland it was Napier University: they had funding for a year, they haven’t been able to fully develop it, and do not forget, the UK has not ratified the Convention. But now Finland has launched a Wiki as their official inventory. So, I think that it is possible. I am in favor of a Representative Wiki. But if there is no Wikipedia, then, from my point of view, we should follow the rules we make together, make an agreement on the criteria. Belgium, and I am partially responsible for this, takes a very tough position, pleading for consistency: the same rules for everyone. If for instance an evaluation body concludes that that a nomination file of an element of Intangible Cultural Heritage does not satisfy the criteria, then we should not put it on the list; that is fair. But this has become a minority position among the 24 countries at present (2016) in the Intergovernmental Committee. You have to follow the criteria. 

Ana Carvalho – One of the aspects we are seeing in Portugal is some confusion about which Intangible Cultural Heritage can be representative, because the criteria for inscription on the lists are quite vague. How are the elements on the Representative List being selected in Belgium[5]?

Marc Jacobs – Belgium is a complex case because we have different Communities. Each is fully autonomous and competent, and functions at the level of a nation state. We have Flanders, the Walloon part, the German-speaking part, and Brussels. Each has its own list, and each has their own strategy for implementing the 2003 Convention.

And we have different policies. Our Walloon colleagues have legislation on masterpieces, so they were very active in the period of the masterpieces program but now they have to change their legislation.

Flanders has submitted several elements to the Representative List, but now our preference is to submit files for the Register of Best Safeguarding Practices.

Beer culture in Belgium. Imagem retirada daqui

The German-speaking part has its own strategy. There is a file coming now on Belgium beer, that is, the art and culture of producing and consuming beer in Belgium. The file was originally sponsored by the Belgian brewers’ association.[6] It was introduced in, via and by the German speaking community, which is a relatively small community – 60,000 people – but autonomous.

So, we have four different strategies, as Brussels is also starting with a policy.

In the beginning (2009), it was rather easy: there were no upper limits. It was easy to submit a file then, now it is much more difficult.

There is an inventory at the Flemish level, established via a specific procedure; twice every year there is a call – who wants to present something for that list in Flanders? But if you want to apply as a community or a person, you have to connect with an official active heritage organisation – this could be a center of expertise, or a museum, or an archive. You have to team up with them and present a safeguarding plan for the next five years. And when you submit something on that list – which is now a database –, you have to submit that file with a safeguarding plan. An underlying goal is to create an inventory of safeguarding plans that are updated every five years.

Ana Carvalho – Are the safeguarding plans a set of intentions, or do they have to be already implemented?

Marc Jacobs – They have to report every year on what they have done. But until now, that’s the same in UNESCO, there are no sanctions for not submitting a report, there is a kind of moral obligation. It is easy to put something on the list, if you write a nice file and describe it, but it is a hard job to report on safeguarding results every year. But there are several interesting examples, where a very active heritage community seems to function. So, in the Flemish inventory you see the active networks emerging, and that’s what policy makers want to do.

Ana Carvalho – And where do you get the resources to draw up these safeguarding plans?

Marc Jacobs – Sometimes it is our local government that sponsors them. In the case of the Belgian beer it was the brewers, they have a lot of money. But often, when they team up with the subsidized and officially recognised heritage institutions, a lot of the work and follow-up is done there, through those brokers and mediators. In some museums, it is part of their job to take care of tangible and intangible heritage, and through that system of linking up with heritage institutions, you see outside people coming to the museum and requesting to help them.

Ana Carvalho – Who are these organizations recognised by?

Marc Jacobs – In practice, they are in most cases recognised by a local government or by the Flemish government.

Filipe Themudo Barata – So, to be included in the regional list you have to present a safeguarding plan and inscribe it on a database.

Marc Jacobs – We have two deadlines every year – May and September –, you have to fill out a form (4-5 pages: who you are, contact persons, what it is about, describe it, and what the safeguarding plan is). It is very easy. At the beginning, we started with just a list with a name of the phenomenon and place, but now the system is more developed. The procedure is as follows: the file is sent to a commission which includes experts, representatives of communities or groups with Intangible Cultural Heritage already on the list, and volunteers. They examine it and give feedback, and then they send it to the Ministry of Culture, that can officialize the decision of that commission. Then, it is put on the inventory or the list. It is sent to an NGO called Tapis Plein (Bruges), which is responsible for developing that database. Originally it was the government, but they outsourced it. They actively document changes and interesting examples. The government intervenes to officialize the inscription on the inventory but for the rest dynamics of civil society should function. For resources, we have project funding. Once you are on that list, it is much easier to get project funding. That is an incentive, but you have to do really interesting things to obtain funds. It is a mechanism designed to have many institutions (heritage organisations) involved and working, and they put pressure on each other to do a better job.

Filipe Themudo Barata – Do you think this is a fair system, at least?

Marc Jacobs – I think so.

Filipe Themudo Barata – Do you think that outside Europe it is possible to organise a system like that?

Marc Jacobs – I think you can organise it like that, and the key is updating. Is it good to inscribe an element on a list, if nobody asks questions about what happens afterwards? Recently, in the meeting in Paris (Sixth session of the General Assembly of the States Parties to the Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, 30 May to 1 June), and in the Windhoek meeting (Nov-Dec. 2015), for instance, a lot of emphasis was put on updating. Because in the List of Intangible Cultural Heritage in Need of Urgent Safeguarding List, there was a file from Vietnam that wanted to be removed. The argument was that after four years of urgent safeguarding, it was time to move the file to the Representative List. They requested to set up a procedure. But there are no mechanisms to check this. There are also the periodic reports; a lot of countries are very hesitant to submit those reports. It is a kind of moral pressure on the country, but UNESCO is moving toward a new submission mode for the Lists. They could make a rule saying that, to obtain money, first you have to submit the periodic report.

The “Maître d’art” Pierre Meyer, turner of figures on ivory, with an apprentice. © Alexis Lecomte, Ministère de la Culture – France. Imagem retirada daqui.

Filipe Themudo Barata – What is your opinion on the UNESCO programme Human Living Treasures?

Marc Jacobs – This programme was originally sponsored mainly by South Korea and Japan. There is a very interesting article by Noriko Aikawa-Faure (2014), who is one of the protagonists behind the Convention, and who is a consultant. At this moment, she is making a very critical analysis of how this programme is used in South Korea and Japan. She cautions not to blindly follow these examples. But in a lot of countries they are examining how to do something with the notion of recognition, the apprenticeship system, and so on. I think it is a valuable formula. In Flanders, in Belgium, we managed to convince the Ministry of Culture to try to examine and set up a similar system. In September 2015, there was a big meeting organised by the French UNESCO Commission about this living human treasures programme – how it can be implemented and improved. I think there is some potential there.

The original programme sponsored by Japan and South Korea backfired, because it became a system of recognition with the main effect that the price of products by those masters skyrocketed. It became a very exclusive programme, not primarily about transmission but about exclusiveness. A lot of countries are struggling with it. It is an interesting programme, it should not be just passively accepted but something could be done about it. There is potential, and that’s one of the challenges for the coming years, especially cultivating the connections with economy, tourism, and education. There is a lot of potential there for crafts and arts. I believe in it, but I haven’t seen a very convincing formula developed anywhere yet.

Ana Carvalho – France has the Les Maîtres d’Art (since 1994), for instance.

Marc Jacobs – There is a PhD thesis of Francesca Cominelli (2013) that analysed that programme, discovering flaws. The programme is not always used in the spirit of the Convention. Something else should be developed, I think.

Ana Carvalho – In 2015, UNESCO adopted 12 ethical principles regarding the safeguarding of Intangible Cultural Heritage. What was the motivation behind this initiative? Aren’t there ethics codes already, for each field of research? Anthropology has one, museums have another, and so on. What’s your view on this issue?

Marc Jacobs – Doing something about ethics was a question launched by a lot of countries, Belgium among them, and I was one of the people asking for that. If you look at the Museum Code of Ethics of ICOM, it is a rather unbalanced code of ethics that is not very useful for dealing with Intangible Cultural Heritage. From the anthropological point of view, I like the notion of brokerage and mediation very much. And there is no universally applicable code of ethics – anthropologists are just one of the actors.

The basic idea was to examine whether it would be sensible to make a kind of global code of ethics. Upon reflection, it was said that it was not a good idea, because it is impossible to apply something to the whole world. The solution was to adopt two options. On the one hand, there was the solution of the “12 principles”: basically that’s an exercise in rephrasing or formulating the spirit of the Convention, what the Convention is about, in different words. If you look at the 12 principles, these are very general ideas, but the main characteristic is that, if you put them all together, they occupy only a (few) page(s), which you can translate and distribute all over the world. The document of the 12 principles has a chance of being seen by many eyes and of explaining what the Convention is all about – and that’s already sufficient.

There are some new concepts that have been introduced, one could even say, smuggled, or injected into the 12 principles, which are interesting and new, because they add something to the vocabulary. One of the things is that, instead of “prior and informed consent” there is now “prior and sustained informed consent” (principle n.º 4). This sensitizes for feedback and follow up. Prior and informed consent is one of the criteria for the Representative List – and for the other list too. But by using the word “sustained”, one could, for instance, emphasize that every five years you have to check whether there is still consent within the community.

Ana Carvalho – But that can still be manipulated.

Marc Jacobs – Yes, but at least the word “sustained” is there to be activated, to be mobilized, so there can be a periodic check or follow-up of the consent.

There is another concept – “access and benefit sharing” – which is important in the Diversity Convention, that was introduced or smuggled into one of the 12 principles, opening new doors. It is also there in the UNESCO official document, so it can be used, just like in the texts of the Convention on Biodiversity. And next to promoting the 12 Principles, UNESCO will set up a database on their website with all kinds of ethics tools, e.g. forms and professional codes. UNESCO has to involve accredited NGOs in building up that database. That’s another example of innovation.

Ana Carvalho – The notion of “community” has created several misunderstandings. If I understood well, you prefer the notion of “heritage community” in the Faro Convention (Council of Europe, 2005), which says: “a heritage community consists of people who value specific aspects of cultural heritage which they wish, within the framework of public action, to sustain and transmit to future generations”. Could you explain your perspective regarding this notion?

Marc Jacobs – On the one hand, it is also a very open and constructivist definition. If you see how heritage community is defined in the Faro Convention, you don’t have to be the owner of the heritage, so it can be anyone that has a special interest in it and wants to go for public action around that heritage. On the other hand, I see “heritage community” as a network of actors around heritage – and these could be private persons, they could be museums or other organisations. Basically, we are thinking in terms of networks and not just in terms of a village community, a small, supposedly closed or homogeneous group. By using the word “network”, you can move it to include also experts, centres of expertise and so on. That is how it is used in decrees in Flanders.

Ana Carvalho – So, Belgium uses and adapts the concept but hasn’t ratified the Faro Convention.

Marc Jacobs – Absolutely. Our legislation contains the definition of “heritage community” that we copied from the Faro Convention, but we adapted the definition by adding “organisations”. Personally, I think that by having persons and organizations we can get that network idea – the word “organisation” was smuggled or injected or grafted into that definition. By adding this you can have a whole network structure, and it completely changes the way we can work with this. The advantage of the Convention of Faro is that it is the only European Convention that actually recognizes Intangible Cultural Heritage. So, it is our Trojan horse in the heritage field in Europe, to have Intangible Cultural Heritage included. I like most of what is written in the Convention of Faro, I only have problems with the notion of European heritage as an essence, I don’t believe in that construction.

Filipe Themudo Barata – Which construction do you believe in?

Marc Jacobs – If there are actors with enough energy and plans to call something “heritage” and develop a heritage program, then it is heritage. If you freeze or reify it, if you essentialise it, then it becomes very dangerous. That is also how I think about popular culture. In a network, you have to make it so that no one can possess it, so that it is all over the place: a lot of energy but nobody can control it. It is always a process of finding consensus or a power play, but at least it is something that can change over and over again. That’s what heritage, or a tradition, is. That’s why I like the 2003 Convention – what communities, groups and individuals think is their heritage and the way they manage to convince other people. It is a very relativistic approach.

Ana Carvalho – You are the holder of the UNESCO Chair in Critical Heritage Studies and the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage at Vrije Universiteit Brussel. What are your main goals for the near future?

Marc Jacobs – On the one hand, I want to work on the topic of sustainable development, the new chapter VI in the operational directives of the 2003 Convention on sustainable development and hence about 2030 Agenda of the UN. For instance, the role that safeguarding Intangible Cultural Heritage can play for peace processes – let’s take this seriously and find ways to make it work to reflect on how this could happen. And also, I want to organise a number of seminars, meetings, and publications around this.

On the other hand, in Belgium, or in Flanders, I want to develop more research and help a number of people who are starting their PhDs, to build up some research capacity in order to help reflection.

Another goal is to find some international networks of exchange and do projects together. In the coming years, there are several new chairs that are already emerging, one in Turkey, one in Latvia (Anita Vaivade, she is a very strong legal scholar but with great ambition and I really believe in what she is doing). In the Netherlands there will be perhaps one, and there are several others. If these plans work out, we will have about ten chairs, and it will be a good way to work together. I also think connections can be made with the UNESCO Secretariat, to see what can be done together. For instance, the UNESCO Secretariat wants to set up a worldwide monitoring programme on the impact of the Convention. They want to develop a kind of monitoring system over national committees – they will implement this programme in the coming years. I think the Chairs could play a role in this case, to actually follow it up or make it happen. There are several possibilities, and it is always a challenge to see how independent your work can be, and how critically you can work from the UNESCO point of view. I was actively involved in the intergovernmental committee of the Convention until last June. From now on I will just be observing, and that’s something I look forward to.

Referências

AIKAWA-FAURE, Noriko. Excellence and Authenticity: ‘Living National (Human) Treasures’ in Japan and Korea. International Journal of Intangible Heritage, n.º 9, p. 38–51, 2014.

COMINELLI, Francesca. L’économie du Patrimoine Culturel Immatériel: Savoir-faire et Métiers d’Art en France. Thèse de doctorat en Sciences Economiques, Université Panthéon-Sorbonne (Paris), 2013.

Notas

[1] Post-doctoral researcher at the Interdisciplinary Centre for History, Cultures and Societies (CIDEHUS) of the University of Évora (Portugal) and member of the UNESCO Chair in Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage of the University of Évora. Holds a PhD in History and Philosophy of Science, specialization in Museology (2015) and a master degree in Museology. Her research focuses on museums and cultural heritage (tangible and intangible) and national public policies in Intangible Cultural Heritage.

[2] Full Professor at the University of Évora (Portugal) since 2004, where he teaches several disciplines and seminars connected with History (especially Medieval), Heritage and Museology. He is the holder of the UNESCO Chair in Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage of the University of Évora.

[3] There are now (July 2016) 337 elements inscribed in the Representative List and 43 elements inscribed in the Urgent Safeguard List. And the Register of Best Safeguarding Practices has only 12 projects.

[4] Tim Curtis started as secretary in beginning of 2016. He has PhD in Cultural Anthropology and has worked for UNESCO since 2000. Curtis has more than 11 years in the field, first at UNESCO Office in Dar-es-Salaam (Tanzania) and then as head of UNESCO’s Cultural Unit in Bangkok (Thailand). He succeeded Cécile Duvelle who was secretary between 2008 and 2015.

[5] Belgium has now (July 2016) 10 elements inscribed in the Representative List and two projects on the Register of Best Safeguarding Practices.

[6] The file for the beer culture in Belgium as an element of Intangible Culture Heritage is at the moment (July 2016) under process by UNESCO for the Representative List.

****

Esta entrevista foi publicada originalmente no 16.º número da revista Memória em Rede:

Carvalho, Ana, e Filipe Themudo Barata. 2017. “Ethics in Intangible Cultural Heritage Public Policies: Interview with Marc Jacobs.” Revista Memória em Rede 9 (16): 165–80. https://periodicos.ufpel.edu.br]

O Património Industrial: Territórios, Paisagens, Arquitecturas

Colóquio património industrial

 

No próximo dia 17 de Novembro (segunda-feira) terá lugar na Biblioteca Nacional (Lisboa) um colóquio sobre património industrial. O evento é organizado pela Universidade de Évora através de dois dos seus centros de investigação, o Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) e do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA). A entrada é livre.

Comissão Organizadora: Ana Cardoso de Matos (Universidade de Évora – CIDEHUS), João Soares (Universidade de Évora – CHAIA/Doutoramento de Arquitetura), Raffaella Maddaluno (Universidade de Évora – CIDEHUS) e Jorge Croce Rivera (Universidade de Évora – CHAIA).

“O património industrial representa o testemunho de actividades que tiveram, e que ainda têm, profundas consequências históricas. As razões que justificam a protecção do património industrial decorrem essencialmente do valor universal das suas características mas também da singularidade de quaisquer sítios excepcionais.

Hoje as memórias “industriais” estão espalhadas por espaços amplos e estudar e perceber esta geografia construída não é uma tarefa fácil. O respeito e a protecção deste cenário histórico industrial não fazem facilmente parte da consciência colectiva, mas sobretudo não é fácil entender o conceito de que a preservação do artefacto construído não pode ser separada do conhecimento e protecção da paisagem em que se instala.

Quem interage com os temas da “herança industrial” tem como objetivo investigar, valorizar um panorama de arquitecturas, documentos, arquivos que têm caracterizado as atividades de produção ao longo dos séculos. Cooperação, comparação e intervenção são as palavras-chave da abordagem a este tipo de património que exige um trabalho multidisciplinar para uma investigação multivalente e que permita recompor a totalidade metodológica que as questões do património industrial exigem.

O presente colóquio insere-se nesta prespectiva desta cooperação multidisciplinar que historiadores e arquitectos da Universidade de Évora têm procurado desenvolver através de iniciativas conjuntas, para as quais têm contado também com a colaboração de investigadores de outras instituições.”

PROGRAMA

10.00h-10.10h

Património industrial e o projeto em arquitetura

Ana Cardoso de Matos (UÉ/CIDEHUS)

João Soares (UÉ/CHAIA/Doutoramento em Arquitetura)

10.10h-10.25h

Património industrial, território e paisagem no sul de Portugal

Ana Cardoso de Matos (UÉ/CIDEHUS)

10.25h-10.50h

A paisagem construída da Arquitetura industrial: exemplos de uma nova metodologia interdisciplinar de investigação

Raffaella Maddalluno (UÉ/CIDEHUS)

10.50h-11.20h | Discussão

11.20h-11.45h | Coffee break

11.45h-12.10h

Fábricas habitadas: As “Colònies têxtils de Catalunya”

José Manuel Carvalho (UÉ/CHAIA)

12.10h-12.35h

La roconstruzione della “Fabrica de moagem de Caramujo” e l´introduzione del cemento armato (brevetto Hennebique) in Portogallo

Mariangela Licordare (UÉ/CIDEHUS)

12.35h-13. 50h | Discussão

13. 05h-14.30h | Almoço livre

14.30h-14.55h

Património Industrial – Reapropriação sem perca de sentido(s)

Miguel Ângelo da Silva (ULL-FAA/CITAD)

14.55h-15.20h

Espaços de produção, técnicas e tecnologias no sector da Moagem no Porto (1890-1920)

Maria da Luz Sampaio (UÉ/CIDEHUS)

15.20h-15.45h

Património da memória: a moagem de Aljezur um lugar a preservar

Maria João Pereira Neto (FA/CIAUD-UL)

15.45h-16.15h | Discussão

16.15h-16.45h | Coffee break

16.45h-17.15h

Os espaços da produção de cortiça na Fábrica Robinson: da rolha ao parquet

Rui Lourenço (Fundação Robinson)

17.15h-17.35h

REpensar = Reutilizar: O abandono como oportunidade. A Fábrica Robinson

Joana Vilhena (UÉ/CHAIA)

17.35h-18.00h

Casa dos cubos – um caso de estudo

Nuno Griff (UÉ/CHAIA)

18.00h | Discussão

 

Monchique – Identidade e Património: estratégias para o desenvolvimento local

Monchique © Patrícia Batista

Fóia – Monchique © Patrícia Batista

Batista, Patrícia (Junho 2013) – Monchique – Identidade e Património: estratégias para o desenvolvimento local. Trabalho de projecto em museologia submetido no âmbito do curso de museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Filipe Themudo Barata (orientador) e José Manuel Mascarenhas (arguente).

Patrícia Batista (Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira), autora deste estudo, apresenta como projecto a possibilidade de se criar em Monchique um ecomuseu que possa contribuir para o desenvolvimento local. A provar que os ecomuseus permanecem ainda com fulgor como propostas possíveis de dinamização do património. Pode consultar outros trabalhos de Patrícia Batista aqui.

****

Resumo:

A partir de uma abordagem territorial, ancorada em conceitos da nova museologia e da ecomuseologia, e recorrendo à comparação com algumas experiências museológicas de reconhecimento nacional e internacional, apresenta-se uma das leituras possíveis do património de Monchique através de um novo olhar sobre o mesmo, no qual o património cultural desempenha um importante contributo para o desenvolvimento local.

A intervenção proposta consiste na criação de um ecomuseu neste território, que contribua para o desenvolvimento integrado da sua comunidade, através do reconhecimento e valorização do seu património. Toda a proposta de acção do ecomuseu centra-se na mediação entre a comunidade e o seu património. O ecomuseu será o reflexo dessas escolhas e tomadas de decisão, enquanto parte integrante do processo social do meio em que se insere.

****

Monchique – Identity and Heritage: Strategies for local development

Abstract:

From a territorial approach, anchored in modern museology and ecomuseology concepts and through comparison both national and international museological experiences, I present one of the possible actions by adopting a new approach and looking at Monchique heritage from a new perspective in which the cultural heritage plays a important role in the development of the local environment.

The proposed intervention consists of the creation of an ecomuseum in the local environment that contributes to the integrated development of the community through recognition and appreciation of their heritage. All of the proposed ecomuseum actions will focus on the interaction between the community and its heritage. The ecomuseum will reflect these choices and decision making, as part of the process of the social environment in which it operates.

Fonte: Informação enviada pela autora

Sugestão de leituras

Livros

© Ana Carvalho

Antes das férias deixo duas sugestões de leitura. Ambos são perspectivas actualizadas sobre património e museus, tendo como fio condutor os novos paradigmas de participação das comunidades nas práticas contemporâneas.

Um dos livros – Safeguarding Intangible Cultural Heritage: Touching the Intangible (2012) dá enfoque à problematização em torno do “Património Cultural Imaterial” e configura uma tentativa de ir para além do enquadramento da Convenção de 2003, procurando outros paradigmas de salvaguarda que permanecem à margem do discurso oficial.

Museums and Communities: Curators, Collections and Collaboration (2013), por seu turno, também pretende trazer novos olhares que ultrapassem uma visão simplista da relação entre curadoria e comunidades. As diversas contribuições do livro sublinham o potencial do papel social do museu e apontam para perspectivas mais plurais no sentido de alcançar novos modelos que têm subjacente a colaboração com as comunidades.

****

Stefano, Michelle, Peter Davis, e Gerard Corsane, ed. 2012. Safeguarding Intangible Cultural Heritage: Touching the Intangible. Heritage Matters. Woodbridge: The Boydell Press. Mais sobre o livro aqui.

Golding, Viv, e Wayne Modest, ed. 2013. Museums and Communities: Curators, Collections and Collaboration. London: Bloomsbury. Sobre o conteúdos do livro veja-se aqui.

 

Dissertação: “Serra Malagueta (Santiago de Cabo Verde): Estratégias de Conservação e Valorização do Património”

teses e dissertações

Landim, José Jorge Viriato Mendes Landim (2013). Serra Malagueta (Santiago de Cabo Verde): Estratégias de Conservação e Valorização do Património. Dissertação de mestrado apresentada na Universidade de Évora no âmbito do Mestrado em Gestão e Valorização do Património Histórico e Cultural, especialidade, Património Artístico e História da Arte. 

Júri: Filipe Themudo Barata (orientador), João Brigola (arguente) e Ana Cardoso Matos (Presidente Júri). Dissertação defendida a 15 de Fevereiro de 2013.

*

Resumo:

Com esta dissertação, pretende – se, em primeiro lugar, dar a conhecer Serra Malagueta enquanto Parque Natural, um meio geográfico cujo área de dois mil e seiscentos hectares e uma altitude de cerca de mil metros, tendo na sua dependência 579 habitantes, sendo, 290 masculinos e 289 femininas repartidas, aproximadamente, em 74 agregados e abarcando parte de três concelhos: Santa Catarina, Tarrafal e São Miguel, sendo este último de maior abrangência.

Trata-se de uma área que apresenta uma enorme biodiversidade, mas também possui um património cultural, material e imaterial, de relevo. É neste tipo de regiões que se coloca a premência e necessidade de uma relação sustentável entre o homem, o ambiente e o património.

Além de observar as características patrimoniais da região, importa perceber as dificuldades que se levantam a sua preservação e conservação, pelo que se destacam os fatores ou conjunto de fatores que estão intimamente ligados aos jogos de interesses, vários, e que a preservação e conservação desse património dependem da harmonização da tríade ambiente/natureza, a sociedade e o económico.

Finalmente, impõe-se a análise das questões relativas à valorização do Parque, a sua preservação e conservação numa perspetiva de integração ambiental, social e económico sustentável, estribadas num conjunto de estratégias e que poderão ajudar a gerir conflitos, garantindo, também, a valorização de Serra Malagueta enquanto Património.

*

Serra Malagueta (Santiago de Cabo Verde): Strategies for the Enhancement and Conservation of Heritage

Abstract:

This dissertation aims firstly, to inform Malagueta while Sierra Natural Park, with geographic area of two thousand six hundred acres and an altitude of a thousand meters, and its dependence on the 579 being, 290 male and 289 female split approximately in 74 households and covering part of three counties: Santa Catarina, and São Miguel Tarrafal, the latter being a larger scop inhabitants.

 This is an area that presents an enormous biodiversity but also has a cultural heritage, both tangible and intangible, of relief. It is this type of regions which arises the urgency and necessity of a sustainable relationship between man, the environment and heritage.

 Besides looking at the specs sheet of the region is important to understand the difficulties that arise preservation and conservation, by highlighting the factors or combination of factors that are closely related to games of interest, multiple, and the preservation and conservation of this assets depend on the harmonization of the triad environment / nature, society and economy.

Finally, it must be the analysis of issues related to the valuation of the Park, its preservation and conservation perspective of integration in environmental, social and economic development, supported and a set of strategies that can help manage conflicts, ensuring also the recovery Sierra Malagueta while Heritage.

*

Rezumu (em Crioulo de Cabo Verde)[1]

Ku es disertason,  kredu prinsipalmenti pa Sera Malageta, enkuantu parki natural, fika ta konxedu. Es parki natural ten 2.600 ha di aria na serka di 1.000 m di altitudi. Ta vive nel 74 familia ku un total di 579 algen undi ki 290 e matxu i 289 e femia. Sera Malageta ten padas na Konselhu di Santa Katarina, padas na di Tarafal i padas na di San Migel. Padas di San Migel e mas grandi ki kes otu 2 padas.

Nu ta atxa nes parki natural non so un enormi biodiversidadi, mas tanbe, un inpurtanti patrimoniu kultural, material i imaterial. E nes tipu di spasu ki nu ten txeu nesesidadi di un relason sustentavel entri omi, anbienti i patrimoniu.

Nu ta meste non so analiza kes karateristika patrimonial di es rejion, mas tanbe identifika kes risku na prezervason i konservason trokadu konflitus di interesi, tudu ku objetivu di tenta diskubri pontu di armonizason ki ta garanti prezervason i konservason di es triadi anbienti (natureza), komunidadi i ekonomia.

Dipos di identifika forma di armonizason di interesis konflituozu, nu meste inda identifika un konjuntu di stratejias ki ta asegura valorizason sustentavel di Sera Malageta enkuantu parki natural i patrimoniu, tudu nun anbienti di integrason anbiental, sosial i ekonomiku.

(Fonte: Informação enviada pelo autor)


[1] DECRETO-LEI nº 67/1998. “Bases do Alfabeto Unificado para a Escrita do Crioulo Cabo-verdiano”, Boletim Oficial – 5º Suplemento, 48, 31 de Dezembro, 19-23. (Tradução feita pelo Amigo: Marciano Moreira- os nossos agradecimentos – Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera.)

 

 

 

Museologia, entrevista com João Brigola

Biblioteca Nacional, 11 de Março de 2012

João Brigola, Biblioteca Nacional, 11 de Março de 2013        © Ana Carvalho

João Brigola. O nome será para muitos conhecido, sobretudo pela sua passagem pela direcção do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) entre 2009 e 2012. Com ele falámos sobre o seu percurso profissional, sobre a militância associativa em Santarém e na Associação Portuguesa de Museologia (APOM), sobre o ensino da museologia e sobre os actuais desafios das políticas museológicas em Portugal.

***

João Brigola (Lisboa, 1955) é Professor auxiliar com agregação na Universidade de Évora e membro do CEHFCi (Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência). É licenciado em História pela Universidade de Lisboa (1977) e Mestre em História Cultural e Política pela Universidade Nova de Lisboa (1990). Em 2001 doutorou-se na Universidade de Évora com uma tese sobre “Colecções, gabinetes e museus em Portugal no século XVIII”, publicada em 2003 pela Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação para a Ciência e Tecnologia e que recebeu o prémio de Melhor Investigação em Museologia (1999-2001) pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM). Mais recentemente, publicou também “Coleccionismo no Século XVIII – Textos e Documentos, Colecção Ciência e Iluminismo” (Porto Editora, 2009) e “Os viajantes e o livro dos museus” (Dafne Editora, 2010). Foi membro activo da Associação de Defesa do Património Histórico-Cultural de Santarém e foi vereador na área da cultura nesse município, tendo colaborado na candidatura de Santarém a Património Mundial. Fez parte dos órgãos directivos da APOM. Entre 2009 e 2012 assumiu a direcção do Instituto dos Museus e da Conservação. Tem sido professor convidado em várias universidades nas áreas da história da cultura, do património e da museologia (ex. Universidade de Cabo Verde, Universidade dos Açores, Universidade Nova de Lisboa, entre outras). joaobrigola@uevora.pt

***

Ana Carvalho (AC) – Qual o primeiro museu que se lembra de visitar e que memórias guarda dessa primeira experiência ou outros museus que o tenham marcado?

João Brigola (JB) – Não tenho uma memória clara do primeiro museu que tenha visitado em criança, mas recordo bem – já jovem adulto – um que foi a minha primeira percepção de que os museus estavam a caminhar para uma atratividade visual, para uma cenografia, que não eram comuns na minha infância. Foi um dos museus criados logo no período subsequente ao 25 de Abril – o Museu de Marvão. Um museu que juntava uma série de tipologias diferenciadas e que estabelecia uma ligação muito importante entre vários patrimónios, uma vila fortificada, antiga, com uma rica e variada memória material. E a exposição conseguia transmitir essa expressão de forma muito atractiva (…).

AC – Quais os museus que visita hoje sem ser por questões profissionais?

JB – Do ponto de vista profissional temos que saber acompanhar todas as tipologias de colecções, é essa a nossa obrigação. Por exemplo, durante uma licença sabática em 2005 estive vários meses em Roma (depois fui também a Londres) para preparar a minha agregação e consegui visitar praticamente todos os museus da cidade, que eram na altura perto de 70 unidades.

 Mas depois fazendo um balanço da experiência sempre cheguei à conclusão de que onde me sinto bem mesmo é a visitar museus de arte e, ultimamente, os museus de arte contemporânea, pela sua cenografia desafiante e também misteriosa, criativa. Contudo, a experiência, como visitante, mais marcante em Roma foi talvez no museu da Villa Borgehse, famoso, entre outras obras, pelas esculturas de [Antonio] Canova, e poder com o áudio guia ir selecionando as peças, sentar-me tranquilamente, sem grandes enchentes de gente, e estar a fruir a obra de arte com a ajuda das explicações gravadas.

Gosto também de visitar os museus de ciência. Podia exemplificar com um que é um pequeníssimo museu, dedicado a [Herman] Boerhaave, na cidade holandesa de Leiden. Para nós portugueses também nos diz muito porque foi lá que se formou um dos nossos estrangeirados do período das Luzes, um refugiado judeu, o [António Nunes] Ribeiro Sanches, que veio a ser médico de Catarina da Rússia, e que com os seus escritos influenciou decisivamente a reforma pombalina, nomeadamente no campo da História Natural e da Medicina. Em Moscovo, esteve muitos anos ao serviço da corte imperial, também ligado ao exército czarista. Depois voltou a Paris, não voltou mais a Portugal, mas de Paris influenciou com os seus escritos decisivamente a reforma universitária. E em Leiden foi aluno do grande Boerhaave. Seguramente terá presenciado a visita do naturalista sueco e pai da sistemática Carl Lineu.

Acho que uma das coisas que me impressionou nesse museu foi um retrato original de Lineu, vinda de Upsala [Suécia], vestido a rigor como naturalista para fazer as suas recolecções num clima mais ameno, ali nos Países Baixos. É um museu que também me agradou muito pela sua capacidade de conciliar aquilo que é a sábia manutenção dos testemunhos de uma museografia histórica com as novas apostas da museologia contemporânea, nomeadamente nos serviços educativos.

AC – Falando um pouco do seu percurso profissional, como é que se dá essa aproximação ao património e aos museus?

JB – Foi por um processo natural. Tendo-me licenciado em História e seguido a carreira docente, este fenómeno dos equipamentos culturais, do património, foi onde inicialmente investi mais. Em Santarém onde vivi alguns anos, sendo já também na altura assistente na Universidade de Évora, foi decisivo o contacto com uma das mais antigas associações de defesa do património – a Associação de Estudo e Defesa do Património Histórico-Cultural de Santarém. Uma associação fundada em 1978, muito activa, onde me cruzei com personalidades absolutamente decisivas no meu amadurecimento cívico como Victor Serrão, Pedro Canavarro, e os irmãos Florindo e Jorge Custódio. Além de Amigos são personalidades do mundo da arte, da cultura e do património, que me marcaram imenso, num ambiente intelectual de activismo extraordinário, de teoria e crítica, mas também de colaboração com o que se ia praticando no Centro Histórico de Santarém.

Cheguei a ser presidente dessa associação. Fiz todo esse percurso de militância associativa, que é um ponto de vista onde o verdadeiro amador se consegue posicionar face aos diferentes poderes, aos diferentes problemas. Foi aí que fiz uma grande aprendizagem, um excelente tirocínio. Existia uma comissão chamada Comissão de Salvaguarda, que atribuía prémios, faziam-se debates interessantíssimos, horas a fio a discutir e a apurar os prémios. Fazíamos depois cerimónias formais de entrega dos prémios a donos de obras e a autores de projectos de arquitectura, envolvendo assim a sociedade nas nossas actividades. E tudo isso culminou, mais tarde, com uma candidatura, ainda que frustrada, mas que foi muito pedagógica, de Santarém a Património Mundial da UNESCO.

Inclusivamente, neste percurso cheguei a ser vereador da Câmara de Santarém, com os pelouros do Património e da Cultura e do Turismo. Tomei contacto em Paris com o Comité do Património Mundial, onde me desloquei pessoalmente com os arquitectos e responsáveis da Câmara de Santarém. Essa aprendizagem foi excepcional e devo-a a uma vivência de que Santarém foi a matriz.

Depois, em Évora, foi a chegada ao universo académico da museologia. Isso deu-se por uma circunstância um pouco fortuita, que foi a necessidade imperiosa de elaborar uma tese de doutoramento. A minha primeira escolha foi relacionada com o património arquitectónico, mas verifiquei rapidamente que esse era um território científico já muito povoado.

Já num segundo ciclo da minha vida associativa (o associativismo, para mim, juntamente com a academia têm sido determinantes), a militância na Associação Portuguesa de Museologia, na APOM e contacto com personalidades como Henrique Coutinho Gouveia, Fernando António Baptista Pereira, Fernando Bragança Gil, que depois veio a ser o meu orientador principal da tese, apercebi-me rapidamente que havia muito mais a fazer no campo dos museus em termos de investigação do que propriamente no património, que já era como disse um território muito denso. Portanto, nesse sentido foi fácil depois escolher o período, na medida em que a minha tese de mestrado também já tinha tratado o séc. XVIII e a primeira metade do séc. XIX, ou seja o período da Ilustração ao Liberalismo. Mantendo-me aí também me apercebi que havia muito a fazer. E aqui está uma escolha natural, em percursos académico e associativo interligados e complementares.

AC – Começa a ligar-se à APOM em que época?

JB – Já nos anos 90 (…). Cheguei à APOM com o Fernando António Baptista Pereira que estava na direcção, na primeira metade dos anos 90. Depois, pela mão do António Nabais à direcção da APOM, já numa fase subsequente, entro na direcção da APOM em vários mandatos com pessoas como o António Nabais, a Madalena Braz Teixeira, o Fernando António [Baptista Pereira] que se manteve também nosso colaborador, José Monteroso Teixeira.

Gostava de recordar com saudade uma tertúlia que infelizmente se perdeu e que se realizava periodicamente na casa da Drª Madalena Braz Teixeira [1], então Directora do Museu Nacional do Traje. Chegámos a divulgar um manifesto pelos museus e publicámos alguns estudos informais no âmbito da preparação da Lei-Quadro dos Museus.

AC – Esse manifesto foi público?

JB – (…) O manifesto veio a público naquele período em que o governo Guterres se tinha demitido, período de transição pré-eleitoral com a previsão de que o PSD viesse a ganhar. A nossa intenção, com o Manifesto, era a de chamar a atenção do novo governo (que veio a ser o governo de Durão Barroso) para dar maior relevo aos museus.

AC – E nessa altura os problemas… comparando com a situação actual, há elementos transversais?

JB – Há sempre problemas comuns, por exemplo o problema dos investimentos, a vexio questio da suborçamentação – é um problema crónico, sobretudo para as despesas correntes, aquelas que os museus necessitam para o seu dia a dia e isso é verdadeiramente uma coisa que nunca ficou verdadeiramente resolvido. Esse é um problema estruturante.

É evidente que desde então muita coisa mudou para melhor, o que é normal. Desde logo é obrigatório referir-se a Lei Quadro dos Museus, a 47/2004, de 19 de Agosto, que durou alguns anos a preparar, mas que foi publicada no governo PSD. Portanto, houve aqui uma transversalidade político-partidária que interessa manter em matéria de definição de políticas culturais. Isso já tinha acontecido com a rede de bibliotecas públicas, aconteceu com a Rede Portuguesa de Museus, com a lei quadro, circunstância decisiva para se criar um clima de avanço institucional no mundo dos museus. E isso é um dado novo, que na altura do manifesto ainda não existia. Depois houve mudanças, porventura nem sempre para melhor.

AC – E em relação ao ensino da museologia na Universidade de Évora, como é que surge o mestrado? Já era lá professor.

JB – Estava a acabar o doutoramento. Foi também um processo natural de prolongamento daquilo que desde 1993 vinha a ser institucionalizado na Universidade, pelo Departamento de História, e que era o ensino do Património Cultural numa licenciatura autónoma da História. Nesse Curso, num tempo em que o ensino universitário da museologia se resumia apenas a um ou dois exemplos, havia uma cadeira de Museologia. Tive a sorte de ser o docente escolhido para dar essa cadeira. Essa circunstância também me proporcionou pontes desde logo com outros colegas de outras universidades e com a Associação Portuguesa de Museologia (APOM). Foi também uma porta que se abriu para a minha entrada no universo dos profissionais de museus. A partir daí passei a ter como interlocutores os profissionais dos museus, muito mais do que os meus próprios colegas da universidade.

Em 1999, na prossecução normal desta caminhada, a Direcção do Departamento, na altura dirigida pelo Prof. Filipe Themudo Barata, desafiou-nos para estruturarmos a primeira edição de um Curso de Mestrado em Museologia que arrancou em 1999-2001. Esse primeiro curso contou com quase 70 candidatos. Tivemos que fazer entrevistas e uma selecção muito apertada, para chegarmos ao número estabelecido de vinte e cinco. A esmagadora maioria dos candidatos era profissional em museus, provenientes de todo o país e alguns exerciam mesmo o cargo de directores das suas instituições. Obviamente com muita presença alentejana e algarvia, mas também de todas as regiões do país concorreram, carenciados de formação, muito atraídos igualmente por duas outras razões.

A primeira, pela própria cidade de Évora que é em si mesmo uma ‘marca’ muito forte. Isso é um fenómeno que nos ultrapassa, uma mais-valia única. Mas julgo que o corpo docente que nós conseguimos oferecer terá sido também decisivo nessa quase que massificação da procura do nosso curso. Na altura tínhamos autonomia financeira, quer dizer que a direcção do curso podia escolher convidados e pagar-lhes de acordo com a tabela do CRUP (e até mais generosamente) e nós tivemos essa capacidade de ir buscar, porque conhecíamos as pessoas, os melhores professores que havia no mercado, professores até de outras universidades, sendo a maioria técnicos muito experimentados em museus de referência, ou em profissões afins (design, arquitectura, luminotecnia, restauro).

AC – Qual o balanço que faz da formação em museologia na Universidade de Évora?

Acho que é indiscutível que a partir do momento em que a Museologia passou a ser matéria ensinada a nível universitário, estamos a dar razão ao museólogo croata Tomislav Sola, convidado nos anos 90 para, em Umea, na Suécia, dar uma conferência sobre a oportunidade de as universidades ensinarem museologia. Ele afirmava: “pouco me importa se a museologia é uma ciência ou não é, o que me interessa é que a partir do momento em que ela é ensinada na universidade passa a deter um estatuto científico”. Ou seja, a passagem da Museologia a um novo estatuto gnoseológico por via de uma didáctica credenciada. Lembremos merecidamente [Ernesto] Veiga de Oliveira, que já nos inícios dos anos 70 ensinava Museologia no âmbito de um curso de Etnologia no antigo ISCPU, mas tratara-se de um exemplo que permaneceu isolado entre nós até à década de 90. Mas é um fenómeno europeu, já que o ensino formal da Museologia começa timidamente a dar os primeiros passos, como em Itália, só a partir dos anos 70-80.

Portanto, esta nova oferta universitária trouxe um mundo novo de qualificação a muitas dezenas de profissionais que já se situavam no território da praxis, mas carentes de um enquadramento bibliográfico actualizado. E disso acho que todas as universidades que ensinaram museologia se podem orgulhar de terem cumprido. O Porto, que foi a primeira universidade com uma pós-graduação, depois passando pela Universidade Nova de Lisboa que foi a primeira em termos de mestrado público, e a nossa que veio logo a seguir com Coimbra, antes de uma pulverização que entretanto se começou a verificar.

Julgo que aí é que as coisas começaram realmente a correr mal na medida em que houve a tentação de matar a galinha dos ovos de ouro, resultando em dois procedimentos de gestão universitária que se revelaram desastrosos. O primeiro foi a atomização do seu ensino. Chegou-se a contabilizar 11/12 cursos em todo o país a ensinar Museologia, o que é claramente excessivo. E depois, com a introdução do Sistema de Bolonha, a sua anualização foi outra machadada numa desejável sustentabilidade da oferta formativa.

Ou seja, até então (2007-08) o panorama era o de 4 ou 5 universidades, territorialmente bem distribuídas em todo o país: Porto, Lisboa, Coimbra e Évora, que geriam a oferta de uma forma coordenada entre si, evitando no mesmo ano o arranque simultâneo de todos os cursos. Assim, havia abertura de novas edições de dois em dois anos, mas com calendário desencontrado, minimizando a competição. Havia sustentabilidade porque o segundo ano do Curso permitia uma maior disponibilidade dos docentes para acompanharem as dissertações.

Sublinho a razão decisiva para as dificuldades hoje visíveis no ensino universitário da Museologia: a existência pouco fundamentada e até pouco credível do ponto de vista científico, um pouco por todo o lado, de vários cursos de Museologia, e ainda por cima com abertura anual. Na maior parte desses novos cursos não se verificava aquela ligação, como havia nos quatro ou cinco cursos iniciais, ao mundo da prática profissional. Esses primeiros docentes detinham um contacto directo com a realidade museológica, ou por serem profissionais ou porque militavam em associações, eram pessoas reconhecidas no meio museológico. A partir daí isso deixou de acontecer, tanto mais que mesmo as universidades públicas deixaram de poder contratar ou convidar sem entraves os profissionais mais qualificados. O resultado salta à vista com o encerramento (veremos se apenas transitório ou se definitivo) da maioria dos cursos de mestrado em Museologia.

Recordo-me bem de uma reunião do ICOM [ICOM-Portugal], em 2008 no Porto[2]. Na altura intervim em nome da Universidade de Évora, chamando a atenção para este fenómeno de ameaçador refluxo. A maioria dos meus colegas reagiu mal a esse diagnóstico, considerando a minha leitura catastrofista e pessimista… Certo é que a partir daí tem-se vindo a verificar o fecho de cursos, a diminuição da procura, para mais com todo o contexto de crise financeira que acarreta óbvias repercussões sociais e na capacidade das famílias para pagarem os estudos.

E depois um outro fenómeno muito preocupante que é o de termos em universidades das grandes cidades turmas de Museologia cheias de alunos, mas – arriscaria a dizer – a maior parte deles ali chegam sem a percepção real do que é que é um Museu, incapazes de sustentar porque é que frequentam esta área de estudos e não outra, sobretudo recém-licenciados. Por vezes um ou outro aluno emerge com alguma experiência e já inserido no mundo profissional, mas perdido no meio de iniciantes, o que transforma este ensino numa experiência cada vez mais frustrante.

AC – Como disse é difícil sustentarmos isto actualmente e a longo prazo. O que é que é possível fazer na sua opinião para..que estratégias podem ser desenvolvidas, como podemos ultrapassar esta situação?

JB – É pena que, mais uma vez, estejamos a ter não um pensamento estratégico mas um pensamento reactivo. É a própria realidade que nos obriga a tomar decisões quando não tinha que ser assim. Seria importante que o país se habituasse a ter um pensamento estratégico sobre as suas políticas públicas. De facto, não havendo auto regulação, nem articulação, nem coerência entre políticas públicas, estamos agora na eminência de ter que tomar posições drásticas.

E por isso eu diria que a posição sensata que se impõe é a de assumir que muitos destes cursos têm de pura e simplesmente fechar. Nos que se consigam sustentar, deveríamos voltar ao modelo de abertura bienal – apesar da necessidade de entrada de verbas nos cofres universitários, que é o que tem conduzido a gestão universitária a pressionar directa ou indirectamente a abertura de cursos – e, porventura, nalguns casos (como o da Universidade de Évora) reformular o ensino da Museologia sob uma umbrella mais larga, de um chapéu epistemológico de agregação de saberes do Património Cultural e da Museologia, a qual continuará a afirmar-se mas através de ramos ou especializações como de resto acontece também no 3.º ciclo.

É um problema que ainda está longe de resolvido. Não podemos afunilar esta temática apenas em termos de 2.º ciclo, mas olhar igualmente para o que se passa no 3.º ciclo. No fundo diria que há que assumir que é difícil manter hoje uma autonomia plena da Museologia como matéria ensinável, mais não seja pela inexistência de massa crítica com ratios aceitáveis pelas autoridades de avaliação do sistema universitário. É que hoje em dia as agências de avaliação são muito exigentes, só dando cobertura a um curso de uma determinada área se houver um ratio de professores habilitados e especializados, que não se dispersem por mais do que um doutoramento, critério que defendo também para o mestrado. Isso obriga a concentrar esforços intra e inter – universitários. E uma das maneiras possíveis será, repito, ao nível do 2.º ciclo enquadrar a Museologia no Património Cultural e ao nível do 3.º ciclo manter e aprofundar este modelo, que já está no terreno, que é o da Museologia como ramo ou especialização de áreas do saber mais consolidadas (História, História da Arte, História e Filosofia da Ciência, Antropologia, etc.).

AC – E neste momento já há pessoas a fazer investigação de pós-doutoramento.

JB – Mas aí é relativamente fácil enquadrá-las porque o pós-doutoramento pode ser feito em ligação directa ou com o orientador ou com um centro de investigação. Mas com ensino curricular, o 3.º ciclo está alocado noutras áreas do saber e, portanto, penso que é por aí que nos próximos tempos temos que nos manter, sendo que o panorama é apostar na qualidade, não na quantidade, sendo regra de ouro não querer abrir cursos sem sustentabilidade assegurada.

É esse o panorama, até porque no fim da cadeia não nos podemos esquecer que temos um problema gravíssimo com a generalizada ausência de empregabilidade. É evidente que não defendo um pragmatismo ilimitado que só permitisse ensinar conteúdos que à partida assegurassem empregabilidade, isso seria obtuso. Mas obviamente que tem que estar no nosso horizonte a equação dessa questão. E no refluxo em que nos encontramos, a quantidade de museus não vai seguramente aumentar, pelo contrário, e a capacidade de absorver novos quadros se não estancou está em refluxo também. E, portanto, é perante esta realidade que as universidades têm que perceber que têm de fazer um esforço de fusão, de contenção.

AC – Faz sentido aqui falar de parcerias entre universidades, seja a nível nacional seja a nível internacional?

JB – Sem dúvida. É para aí que as coisas se estão a encaminhar. Todos os relatórios e as indicações e orientações da FCT [Fundação para a Ciência e Tecnologia] vão nesse sentido: o trabalhar em rede, fundir ou federar centros de investigação, criar cursos interuniversitários, e internacionalizar sempre que possível. Mas, devo dizer que sou muito céptico em relação à sua praticabilidade imediata, a não ser que se alterem radicalmente hábitos e procedimentos de enquistamento universitário.

Há, todavia, sinais de que isso pode mudar e dou-lhe um bom exemplo que é aquele que recentemente foi apresentado à FCT, sob o acrónimo de Heritas, que é um projecto de 3.º ciclo, onde a Museologia também está integrada, mas numa visão mais ampla de Património Cultural. É um primeiro exemplo, ainda não de internacionalização, mas de uma perspectiva interuniversitária e, sobretudo de cruzamentos pluridisciplinares surpreendentes, no âmbito do Património Cultural.

AC – Se pensasse a nível internacional há alguma escola ou universidade que com que quisesse colaborar?

JB – Vem-me imediatamente à mente o mundo lusófono, porque é um universo demográfico muito atrativo e conta com a facilidade comunicacional da língua comum. No terreno, o intercâmbio de experiências já há anos que está estruturado, muito em particular com o Brasil. As publicações – quando falamos de internacionalização não devemos esquecer que não significa apenas escrever os nossos textos em inglês. Podemos cumprir a internacionalização escrevendo em português e isso é o que está a acontecer todos os dias com as relações sempre tendencialmente mais fortes com o mundo da lusofonia, muito em particular com o Brasil. A UNIRIO [Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro] oferece neste momento um curso de 2.º e 3.º ciclo, sendo que o 3.º ciclo é inovador no âmbito brasileiro e editam uma interessante e dinâmica Revista online – a Museologia e Patrimônio na qual se vai publicando colaboração portuguesa.

Sem esquecer que institucionalmente as nossas relações com Espanha também são muito relevantes. De resto decorreu recentemente o terceiro encontro ibérico de museus, o primeiro foi em Mérida, em 2009, o segundo foi em Braga em 2011, e agora em Valladolid. Existe de há muito uma relação institucional entre os museus ibéricos. Em termos universitários poder-se-ia seguramente dar aí uma ligação, que de resto já tem acontecido. Por exemplo, alguns dos nossos doutoramentos em Museologia têm decorrido com a presença em júri de museólogos espanhóis. Não nos devíamos afastar muito mais deste universo geo-cultural do mundo da lusofonia e do mundo ibérico.

AC – A Universidade de Évora tem desde 2009 um doutoramento em História e Filosofia da Ciência com a possibilidade de especialização em museologia. Qual é na sua opinião o papel da história da ciência para a investigação em museologia?

Este foi o modelo que se defendeu – não sem controvérsia – há uns anos atrás quando se colocou a hipótese de, no âmbito do CEHFCi, o Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência, se avançar para um terceiro ciclo e nele incluir a Museologia. De um bom debate de ideias fez-se um benchmarking e foi fácil perceber que nessa pesquisa de comparabilidade europeia e até norte americana são muitos os exemplos semelhantes, ou seja inserir o ensino da Museologia na estrutura curricular da História da Ciência. Foi isso que se adoptou, e bem, em 2009.

Fazendo um balanço destes últimos anos, os resultados estão ainda no seu início. Talvez durante este ano de 2013 em que está prevista a conclusão de várias teses se venha a obter maior expressão quantitativa. Diria que será sempre um fenómeno pela sua natureza numericamente contido, mas que poderá proporcionar a existência de teses inovadoras, bem fundamentadas, onde a ligação, a interpenetração dos saberes da História da Ciência com a Museologia são muito evidentes. Estou-me a referir em particular a uma das teses em elaboração, na área da Museologia Histórica dos séculos XVIII e XIX, com temática no campo da História Natural, da autoria de um jovem investigador vindo da área da Biologia.

AC – Como avalia a produção científica que se faz na área da museologia? A museologia é uma área onde se produz pouco em termos de literatura científica. Concorda?

JB – É uma avaliação que requer relativização. Temos que adoptar uma perspectiva histórica, considerando sempre a diacronia e a contextualização das coisas. Quando começámos a ensinar Museologia na Universidade não havia praticamente investigação actualizada. Esse panorama numa década alterou-se radicalmente. Há pois que ter bem presente que a Museologia é uma recentíssima área de estudos académicos. Face ao balanço que se faz dessa produção não podemos dizer que se produz pouco, lembremos as revistas nacionais nesta área e as dissertações e teses que o 2.º e 3.º ciclo têm produzido, sem esquecer a prolífera produção de catálogos de exposições. Não me parece que seja assim tão insignificante quanto isso.

É evidente que ainda haverá muito mais para fazer, apostando-se mais na qualidade do que na quantidade numa fase que se espera que seja de uma maior internacionalização dessa produção, embora considere que ela não pode ser vista como um valor absoluto em si. É preciso saber do que estamos a falar quando falamos de internacionalização e é preciso perceber de que saberes é que estamos a falar. Falar na internacionalização na área das Ciências Humanas não é o mesmo que falar nas Ciências Exactas ou das Ciências da Vida, porque essas são ‘internacionais’ por natureza.

Quando falamos de Ciências Sociais e Humanas há que perceber que há matéria de investigação que interessa muito pouco para lá do universo do que estamos a analisar. Há um universo nacional e há um universo regional e até local que tem que ser estudado e, portanto, é precipitado e desajustado estar a defender uma internacionalização como um valor absoluto.

É preciso encontrar zonas de confluência de interesse na publicação de estudos sobre realidades localizadas. Há apesar disso tudo temáticas comuns e essas sim podem ser internacionalizadas. Imagine falar da Museologia em Portugal no séc. XVIII ou XIX ou mesmo no séc. XX, dificilmente interessará nos seus pormenores a um público de investigadores que não sejam propriamente os portugueses. Tem que haver aí um outro trabalho de um denominador comum a uma comunidade científica internacional e é nisso que tem que se investir. Mas haverá sempre franjas de investigação que não podem ser internacionalizadas.

AC – Qual deverá ser na sua opinião a evolução desejável para a investigação em museologia nas universidades?

JB –Sim à investigação universitária, mas o âmbito institucional directo e evidente para isso acontecer será nos centros de investigação. Serão os diferentes centros de investigação que tem que definir projectos, tal como está assumido nas recentes directivas da FCT. Cada Centro terá de definir muito claramente qual é a sua missão, qual o ‘projecto comum’, qual o seu perfil investigativo, se possível em articulação, o que não significa forçosamente fusão, mas em articulação em rede com outros centros afins. As linhas de investigação serão aquilo que os investigadores entenderem que devem ser.

AC – Esteve na direcção do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC), quer falar um pouco do balanço dessa experiência?

JB – É sempre difícil fazer defesa em causa própria. O que posso dizer é que em consciência, o mais racional que me é possível, com toda a subjectividade que sempre acarreta, diria que me orgulho do trabalho que foi desenvolvido ao longo destes quase dois anos e meio em que estive à frente do IMC.

Foram continuadas linhas de trabalho muito importantes, nomeadamente em termos da Rede Portuguesa de Museus, a publicação da revista Museologia.pt, a inventariação com toda a linha Matriz.

Outro aspecto ainda – o ter trazido o modelo de gestão que está a dar os seus frutos e que são muito evidentes, de maior visibilidade pública e de maior eficácia no nosso ‘museu de bandeira’ que é o Museu Nacional de Arte Antiga, com a definição de grandes exposições internacionais, com uma visibilidade que o museu não tinha há muito tempo. Naturalmente que nós todos esbarramos com uma dificuldade que é a desorçamentação cada vez mais crítica e mais bloqueadora. Mas, apesar de tudo, há nos museus e nos serviços centrais um capital humano – e é isso que eu também gostava de deixar sublinhado – muito qualificado e muito dedicado. A esmagadora maioria dos técnicos e directores de museus são pessoas altamente competentes, empenhadas no seu trabalho, comungando um espírito de serviço público notável.

Como balanço positivo a renovação que se foi fazendo nos quadros directivos de museus, através da abertura de concursos públicos. Verificou-se como dado novo a disponibilidade de imensas pessoas para o cargo de director de museu. Quer provenientes do mundo da universidade, ou das autarquias, além de técnicos dos próprios museus, pelo que foi possível renovar pelo menos um terço dos 29 museus e cinco palácios. E com isso abriu-se uma porta para ultrapassar uma visão que se tinha dos museus, como lugares de responsáveis inamovíveis, de directores que se perpetuavam nos cargos. Ora, isso começou a ser modificado e hoje temos à frente dos museus, em parte, uma geração nova.

AC – Com a crise foram feitas grandes alterações, de desinvestimento na cultura, mas a verdade é que tem havido muito pouco debate e uma certa passividade em contrariar estes efeitos. Não tem havido muito debate para pensar estas questões a nível estratégico, em como ultrapassar… 

JB – Deixe-me voltar atrás porque há um aspecto do balanço que me pediu à frente do IMC. Há também uma linha de actuação que vem a crédito de uma política que definimos no anterior governo e a que o actual acabou por dar sequência. Estou-me a referir à passagem para a tutela das direcções regionais de um conjunto de museus que estavam até então centralizados em Lisboa.

Penso que isso foi uma política que deve ser continuada que trará a prazo a evidência de que o caminho a trilhar é esse. Descentralizar, permitir que sejam as próprias regiões a tomar em mãos o destino desses equipamentos culturais, sem que deixem de ter o apoio qualificado das estruturas centrais. Creio que assim se deu um salto importante para limitar a ingovernabilidade de uma macroestrutura, gigantesca, com quase 1000 funcionários, 29 museus e cinco palácios nacionais; o director geral trabalhando com mais de 40 chefias… Era, portanto, uma estrutura muito pesada, quase que paralisante. E esta decisão de descentralização de boa parte dos museus ‘regionais e ‘locais’ que nasceu com o governo anterior veio para ficar – muito por influência do IMC que fez essa doutrinação e que travou esse combate, apesar da incompreensão de muitos.

Em relação à questão que me coloca devo confessar que não tenho seguido de perto a ‘fortuna da crítica’, porque há um ano que me encontro de novo absorvido pela universidade e pela investigação. Todavia, há uma palavra que não devo calar: o exercício da crítica tem regras, sendo a primacial o saber fundadamente do que se fala. Mas nos últimos anos foi-se fazendo de uma forma genericamente impreparada. Algumas pessoas com mais fácil acesso aos meios de comunicação, parece não terem entendido que a actividade crítica, para ser credível, implica estudo, tomar por dentro a realidade das coisas, conhecer a legislação e os números, em suma, preparar-se. Ora, o que se verificou foi a ‘vitória’ da escrita leviana, ignorante e de efeito fácil – a criação de ‘casos’. O que isso criou, a meu ver, foi uma descredibilização da crítica (com reduzidas excepções), que se movimentou na área do património cultural e da museologia.

E agora, o silêncio constrangido é a outra face da ignorância atrevida dos antigos críticos. Acredito, apesar de tudo, na emergência de uma nova geração capaz de produzir ‘crítica cultural’ a partir do entendimento intelectualmente sólido e honesto da realidade o país, dos perfis das políticas públicas e, sobretudo, libertos de cartilha ideológica e de ambições carreiristas.

AC – Eu falava também ao nível dos próprios profissionais e das Universidades, este período poderia ser o momento também para pensar de uma forma construtiva.

 JB – Mas isso dessa forma construtiva tem sido muito raro.

 AC – O mundo dos museus e das universidades têm permanecido na maior parte das vezes em esferas distintas de acção. Na sua opinião, de que forma universidades e museus poderão trabalhar em conjunto? De que forma esse trabalho poderia ser mais potenciado?

JB – Esta colaboração actualmente é muito superior aquilo que era no passado a vários níveis. Dou-lhe um exemplo. Promovemos no Alentejo, em Évora e na Aldeia da Luz, um encontro para estimular a formação de uma rede regional de museus. E nesse âmbito as pessoas que estavam presentes chegaram à conclusão de que a esmagadora maioria dos museus presentes tinham à sua frente pessoas formadas na Universidade de Évora. Portanto, o panorama de direcção, e faço-lhe recordar o primeiro documento da OAC [Observatório das Actividade Culturais] que foi feito com o IPM [Instituto Português de Museus] na altura daquele inquérito aos museus de 2001. Um dos aspectos mais chocantes, estamos a falar há uma década atrás, era a grande desqualificação dos seus dirigentes, dos técnicos, dos directores. Esse panorama desapareceu, em grande medida.

AC – Permanecem talvez as equipas pequenas.

JB – Julgo que a maior parte dos museus têm já pelo menos um técnico, às vezes até mais, formados. É esta a percepção que tenho. É que dantes não havia ninguém. Eles podem não ser o director, podem não ser o responsável directo, mas pelo menos um técnico com formação universitária. Ora isso é produto de um trabalho de qualificação no qual as universidades tiveram um protagonismo pioneiro. Depois há algumas exposições com catálogos, comissariado de exposições, nos quais as universidades têm um papel muito evidente. Mais ligação, deixe-me ver…

AC – As colecções, por exemplo, estava-me a lembrar daquele encontro sobre as colecções científicas [3].

JB – O consórcio das colecções históricas de História Natural é uma evidência. São universidades e museus que têm colecções próprias e está-se a formar neste momento a ideia de que será possível agregar em rede – o que mais tarde até pode vir a ter a designação de Instituto -, vários centros de investigação no âmbito da história da ciência congregados por acção directa de um museu. Ou seja a nossa ideia é que um museu possa congregar os vários centros de investigação. Portanto, isso é significativo de que há um novo papel, um novo relacionamento entre museus e universidades.

Alguns dos professores das universidades têm sido chamados a colaborar com a elaboração de programas museológicos. Só no Alentejo estou-me a lembrar do caso de Serpa, de Viana do Alentejo, Évora… As pessoas que estão nos museus e nas instituições estão a recorrer de uma forma penso crescente ao know how das universidades.

AC – O investimento condicionado na cultura implica repensar estratégias e prioridades. Na sua perspectiva, quais deveriam ser as prioridades da política museológica nos próximos anos?

JB – Em Dezembro de 2009 o IMC apresentou à tutela um plano estratégico para os museus [4]. Se hoje repegasse nesse plano, com a visão, a missão, os diferentes eixos, manteria no essencial o seu conteúdo. É um plano que a meu ver se mantém actual. 

Quais são as prioridades? São tantas …Se calhar consolidar o que já está feito. O que parece mais sensato, mais prudente, fazer num período de grande aperto financeiro é optar pela consolidação em detrimento da expansão. Acho que é errado imaginar no universo museológico, como até há algum tempo atrás, uma política expansionista, isto é, abrir museus de uma forma acrítica. A própria Administração na definição de políticas públicas deu maus exemplos.

O caso mais conhecido de todos é o brutal investimento de 40 milhões de euros num edifício que ninguém pediu, um edifício novo para o Museu dos Coches que foi iniciativa do Ministério da Economia por via das verbas do Turismo. O Ministério da Cultura, tanto quanto sabemos, não foi visto nem achado para essa decisão. No IMC criámos um grupo de trabalho para ir acompanhando a obra e para reflectir sobre o modelo de gestão a adoptar depois da entrega da obra. Desde logo percebemos que nós na Cultura não tínhamos capacidade para gerir o novo edifício com o modelo actual de orçamentação.

O próprio Estado deu aqui um mau exemplo ao expandir em vez de consolidar. Não faz sentido na mesma cidade, a poucas centenas de metros de distância entre vários equipamentos culturais como é o caso do Museu Nacional de Arte Antiga, ou o Museu Nacional de Arqueologia a precisarem de urgentes obras, de urgentes intervenções e, simultaneamente, ali perto estar-se a investir milhões de euros numa obra faraónica, impositiva enquanto arquitectura, com uma visão insustentável de gestão quotidiana.

E portanto diria que em termos de políticas públicas para a área dos museus aquilo que se pode desejar é que de uma forma muito sábia se defina quais são os museus a que se deve atribuir prioridade. Eu iria mesmo mais longe: há museus que pertencem à sub-rede do Estado que deveriam ser liminarmente fechados. Há museus em ruptura, com risco de pessoas e bens, com inundações permanentes, com edifícios a caírem aos bocados, com colecções em péssimo estado de conservação, que dão até uma má imagem do que é um ‘museu’, para mais integrados na Rede Portuguesa de Museus, o que só pode ser desprestigiante para a própria RPM.

O Estado deveria assumir o encerramento provisório de alguns desses museus, promover a discussão sobre o seu destino, se existem verbas para reprogramar, para qualificar as colecções, para fazer obra, etc. Sempre defendi, em contrapartida, atribuir prioridade aos museus de vocação nacional e que carecem de urgente investimento.

AC – O que é constantemente referido, seja em termos de museus municipais, seja a outras escalas, é que as estratégias estão sempre em constante reinvenção, porque os ciclos políticos depois não permitem que os projectos avancem. Como implementar estratégias e políticas culturais que ultrapassem os ciclos políticos? 

JB – Volto a tocar num ponto que para mim é o mais decisivo, que é o de repensar as políticas públicas. Vou dar um mau exemplo. Consulte-se o Plano Estratégico Nacional do Turismo para o Desenvolvimento de 2007, o PENT, que foi amplamente discutido a várias instâncias, um documento que está em vigor e para todos os efeitos define linhas de rumo para o turismo nacional. O que vemos com toda a clareza nas suas linhas estratégicas é a assunção de que o património cultural é um dos motores para o desenvolvimento económico. Até a quantidade de vezes que as expressões ‘museu’ ou ‘património cultural’ são proferidas dá-nos a ideia de que o Estado olha para o património cultural, e por extensão para os museus, como um factor importantíssimo nas suas opções para o desenvolvimento.

Dito isto, em coerência com essa definição de política pública, seria expectável que o Turismo, alocado no Ministério da Economia, fosse consequente nas suas relações com o Património Cultural, integrado na esfera governamental da Cultura. Ou seja, entre a política pública da cultura e a política pública do turismo houvesse uma articulação e uma coerência. E, logo, se temos falta de verbas de uma forma absoluta e crónica nos museus, seria desejável que o Ministério da Economia pudesse, ou assumir parte da tutela do Património Cultural, ou pelo menos os gastos em obra e manutenção, que é um das partes substantivas dos seus gastos.

Se olharmos para o passado foi isso que aconteceu durante décadas, com uma dupla tutela formal ou informal no âmbito do Ministério da Instrução Pública, depois Ministério da Cultura, onde estavam alocados os museus, e entre o Ministério das Obras Públicas onde estava a DGEMN [Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais]. Até ao PRACE [Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado, que começou a ser implementado em 2005/2006 e que resultou na fusão e extinção de vários organismos e serviços], em que a DGEMN  foi extinta, passou a ser o IHRU [Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana] sem nenhuma interferência no trabalho do património a partir daí. A DGEMN interveio durante décadas nos bastidores, na obra do dia a dia. Portanto, a cultura estava liberta de alguma maneira do encargo pesado da obra. Tinha a seu crédito, como sempre teve, os conteúdos. Aqui tem um bom exemplo do passado, mas dou-lhe bons exemplos na actualidade.

Há poucas semanas realizou-se um debate no Teatro D. Maria II sobre o futuro das nossas cidades e nele intervieram o Presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, e o ex-Presidente de Cascais, cargo que ocupou durante 12 anos, António Capucho. Este último divulgou o facto de o Instituto do Turismo de Portugal ter contribuído em média, com cerca de 8 milhões de euros anuais para a CMC, com a justificação de que aquela vila tinha definido uma aposta estratégica, não no ‘turismo sol e praia’, mas no património cultural.

Portanto, todos aqueles equipamentos muito bem estudados pelo OAC (Observatório das Actividades Culturais) na “Cartografia Cultural do Concelho de Cascais[5] foram financiados  pelo Turismo: o Centro Cultural, a Casa das Histórias da Paula Rego, a Casa de Santa Maria de Raúl Lino), a actual remodelação do Museu do Mar, Rei D. Carlos, o farol de Santa Marta, etc. Tudo isso foi possível exactamente porque não faltou dinheiro à Câmara de Cascais vinda do Turismo. Isto é demonstrativo do que é que se podia fazer. Mas, a contrario, o Instituto do Turismo de Portugal apoia as iniciativas museológicas em Lisboa apenas ao nível da sua promoção, da divulgação e não mais do que isso. Logo, sente-se a ausência de uma articulação de políticas públicas.

Mas a pergunta era mais lata, não era?

AC – Sim, como é que se pode ultrapassar os ciclos políticos?

Ultrapassar o bloqueio dos ciclos políticos só replicando o que se fez com a rede de bibliotecas e com a rede de museus, ou seja, através da celebração formal ou informal de pactos de regime, obtendo-se amplos consensos alargados não apenas ao chamado ‘arco do poder’, porque estas políticas públicas têm repercussões autárquicas e aí vamos encontrar todo o leque partidário, incluindo o partido comunista que tem um peso muito importante.

O que tem de haver – até para a própria sobrevivência do nosso sistema democrático – é a definição de políticas públicas consensuais, políticas de regime que dêem continuidade para lá dos ciclos curtos político-partidários que se podem alterar. Ou seja, há coisas nas autarquias e nos governos que têm que ter forçosamente continuidade. E se isso não acontecer, os cidadãos têm de ter um papel de denúncia para não permitir que cada governo que entre, cada ciclo partidário, ponha em causa o que foi feito atrás, porque isso é desastroso para o país.

AC – Que museu faz falta em Portugal?

Vamos imaginar que no período pós crise haverá capacidade para fazer coisas novas. Gostaria de ver nascer dois museus nos quais encontrei bons exemplos num benchmarking europeu, contrastando com o que encontramos em Lisboa. Dois exemplos então.

Primeiro, um museu semelhante ao que encontramos em Madrid – o Museu do Traje e da Moda [Museo del Traje. Centro de investigación del Patrimonio Etnológico], museu fundado em 2004, por isso muito recente, que inicialmente gerou intensa polémica [6], porque aparentemente tratava-se de um fenómeno ‘modista’, qual écran da ‘socialite’, mas que passados estes anos se reconhece que está a fazer um excelente trabalho, atraindo muitos visitantes e turistas, rasgando uma montra da indústria do vestuário espanhol. É um museu que fica no campus universitário, nos arredores da cidade, e ganhou até um prémio nacional de arquitectura. Lisboa poderia repensar o seu actual Museu do Traje em estreita colaboração com o MUDE [Museu do Design e da Moda – Colecção Francisco Capelo], numa aposta na criação nacional que podia ser continuada e aprofundada.

O segundo exemplo é o do Museu da Música, que está numa situação muito aflitiva na medida em que a administração do Metro não pretende prolongar no tempo o Protocolo de cedência do espaço onde está provisoriamente instalado – na estação de metro do Alto dos Moinhos -, para lá de Dezembro de 2013. Ora o que ocorre perguntar é o que vai acontecer a partir dessa data. Não tenho conhecimento de se ter encontrado uma alternativa para aquele riquíssimo acervo de instrumentos e de documentos, que foi começado a juntar ainda no séc. XIX, entre outras personalidades, por Alfredo Keil. E apetece-me dar o exemplo do Museu da Música de Bruxelas [Musical Instruments Museum – MIM], que é de facto um museu fascinante. Portanto, se eu pudesse fazer dois novos museus depois da crise passar, começaria por encerrar os actuais Museu Nacional do Traje e o Museu da Música e, em sua substituição, criar duas novas unidades museológicas inspiradas nos exemplos do Museu do Traje e da Moda de Madrid e do Museu da Música de Bruxelas.

AC – Eu pensei que me fosse falar do Gabinete da Ajuda [séc. XVIII] [7].

JB – O Gabinete da Ajuda não o vejo como um ‘museu’. O termo museu, para o levarmos a sério como merece, é um conceito muito pesado, muito denso, do ponto de vista conceptual, epistemológico, financeiro e de recursos humanos. Por isso acho que é excessivo utilizarmos esse conceito para caracterizar o que projectamos para aquele pequeno espaço. Vejo-o mais como um gabinete científico, um centro de interpretação, uma colecção visitável como de resto podemos encontrar dentro do Museu de Ciências Naturales em Madrid [Museo Nacional de Ciencias Naturales], que tem uma parte do museu que é dedicada à reconstituição do Gabinete de Carlos III. Aqui não há necessidade de o reconstituir, o gabinete está ali, é naquele sítio, a sul do tabuleiro inferior do Jardim Botânico.

AC – Que projecto ou projectos gostaria de desenvolver no futuro?

Actualmente, estou envolvido com muito entusiasmo num projecto em Viana do Alentejo. Convidaram-me (em regime de puro voluntariado, pro bono, que é como as coisas hoje em dia se fazem) na recuperação do último santuário mariano a sul do Alentejo, o Santuário de Nossa Senhora d’ Aires, recentemente classificado como monumento nacional.

Existe um grupo de voluntários individuais e de parceiros institucionais, a começar pela tutela que é a Arquidiocese de Évora e a paróquia de Viana, com a Câmara Municipal, e estamos a juntar esforços para elaborarmos um programa de recuperação da envolvente, porque é um espaço sagrado e profano muito vivenciado em duas datas no ano, que são agora em Abril – a romaria que vem da Moita, uma romaria a cavalo em charrete – e depois em Setembro que é a festa anual.

Portanto, há que fazer aquela recuperação paisagística, também a do próprio edifício e depois do ponto de vista museológico, que é a componente mais desafiante. E aí é que estou pessoalmente envolvido, com a Universidade de Évora, na musealização de uma colecção espantosa de ex-votos, são milhares de pinturas, retratos e objectos, desde o séc. XVIII até à actualidade a necessitarem de inventário, de conservação e restauro, de um novo discurso expositivo. Já fizemos reuniões, estamos numa fase de identificar e preencher candidaturas.

E é sobretudo o que me está a dar prazer. Num espaço sacro onde na minha infância também vivi porque a minha família é ali de muito perto e, num mecanismo identitário, estão lá ex-votos de familiares meus. Tenho uma memória muito antiga de lá ir nas férias grandes, quando rapaz, com uma tia. Há essa identificação muito forte com o Santuário, porque as coisas nos tocam de perto e têm que ver connosco, e há também aqui o papel da memória pessoal e social…

E depois é também o desafio de colocar Viana do Alentejo no mapa turístico, definindo-se uma política de comunicação e de marketing. Fazer com que valha a pena a alguns dos muitos milhares de visitantes que vão a Évora, fazer mais 20 minutos numa recta e irem visitar o santuário. Estamos a prever nessa política de comunicação a realização de um encontro científico com as temáticas do santuário mariano, o património imaterial, os ex-votos (…).

AC – Obrigada.

JB – Eu é que agradeço, desejando continuação de sucesso e longevidade a este seu blog.

***

Veja ainda entrevista de João Brigola na L+arte, n.º 70 (2010), p. 26-30 (Entrevista de Paula Brito)

Outras entrevistas neste blogue: Filipe Themudo Barata


[1] Sobre Madalena Braz Teixeira veja-se a entrevista de 2011 na revista Museologia.pt (n.º 4). Em 2013 Teixeira recebeu da APOM o prémio personalidade do ano.

[2] Tratou-se do encontro “O Mercado dos Museus e o Ensino Superior: Formação Académica e Integração Profissional” (Porto, Centro de Congressos da Exponor, a 6 de Fevereiro de 2008). Pode encontrar um breve resumo aqui: “Notícias IMC – O Mercado dos Museus e o Ensino Superior: Formação Académica e Integração Profissional”. Boletim da Rede Portuguesa de Museus (31)3-4. Disponível em: http://www.ilam.org/ILAMDOC/MuseusEmRede/boletim_n31.pdf

[3] Referência às jornadas de trabalho “Museus e Colecções Científicas como Infra-estrututra de Investigação que se realizaram 12 de Janeiro de 2013 no Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa. Sobre o tema consulte-se: Lourenço, Marta (2013). “Colecções científicas como infra-estrutura da investigação”. Informação ICOM.PT, série II, n.º 20 (Março-Maio), p. 2-6. Disponível em: http://www.icom-portugal.org/multimedia/info%20II-20_Mar-Maio13.pdf

[4] O documento “Plano Estratégico do IMC: Museus para o séc. XXI” pode ser consultado em: http://www.imc-ip.pt/ (acedido a 25 de Março de 2013).

[5] Santos, Maria de Lourdes Lima dos, Maria João Lima e José Neves (2005). Cartografia Cultural do Concelho de Cascais. Lisboa: Observatório das Actividades  Culturais.

[6] Sobre esta discussão veja-se, por exemplo: Barañano, Ascensión e María Cátedra (2005). “La representación del poder y el poder de la representación: la política cultural en los museos de Antropología y la creación del Museo del Traje”. Política y Sociedad. 42(3): 227-250. Disponível em: http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=1991926

[7] O Real Gabinete de História Natural (1768), que mais tarde recebeu a designação “Real Museu da Ajuda” reuniu as recolhas de naturalistas realizadas durante as então designadas “viagens filosóficas” às colónias.

 

Cátedra UNESCO de Património Imaterial na Universidade de Évora

Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora

Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora, © Ana Carvalho

Recentemente a UNESCO atribuiu à Universidade de Évora a Cátedra em património imaterial. A Universidade de Évora, que em 2006 era pioneira em Portugal no desenvolvimento de um projecto sobre património imaterial (cf. MEDINS) em linha com o enquadramento da Convenção 2003, tem com esta iniciativa a possibilidade de aprofundar um projecto de investigação em torno da valorização deste património.

“Trata-se de uma cátedra com o título “Intangible Heritage and Traditional Know-how: Linking Heritage” e, como o nome indica, tem como ponto central o património imaterial e o saber fazer tomados num sentido alargado. Há uma equipa da Universidade de Évora que apoia o trabalho da Cátedra, uma rede que se vai formando, linhas de investigação previstas e formação avançada que se perspectiva. De certeza, um enorme trabalho pela frente.” (Entrevista com Filipe Themudo Barata, 4 Março 2013).

Para desenvolver este projecto na Universidade de Évora (CIDEHUS-Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades) foi constituída um equipa multidisciplinar: Filipe Themudo Barata (responsável pela cátedraDepartamento de História, CIDEHUS), João Rocha (Departamento de Arquitectura), Sofia Capelo (Departamento Paisagem, Ordenamento e Território), Fernando Branco Correia (Departamento de História) e Cyril Isnart (Departamento de História, CIDEHUS).

No âmbito da cátedra estão previstas várias actividades ligadas à investigação nesta área, à formação (cursos, seminários, workshops, etc.), estabelecimento de redes com vários parceiros, partilha e divulgação de conhecimento sobre PCI, cooperação com o Mediterrâneo e com África, etc.

Os objectivos da cátedra são os seguintes:

– Estabelecer uma rede de investigadores e instituições na região do Mediterrâneo e em África para apoiar a investigação, a formação, os alunos e a mobilidade de profissionais, bem como a partilha de conhecimento nas áreas do património material e imaterial, e saber-fazer tradicional.

– Desenvolver e implementar, juntamente com outros parceiros, um programa de cooperação para apoiar, do ponto de vista científico, a criação de um centro de investigação de excelência na Universidade de Cabo Verde (UNICV).

– Fornecer formação pós-graduada nas áreas do património imaterial e do saber-fazer tradicional, bem como oferecer acções de formação de curta duração suportadas em TIC, dirigidas não só a profissionais, assim como para grupos frágeis e marginalizados.

– Implementar actividades que visem melhorar o conhecimento de jovens investigadores e profissionais sobre património material e imaterial, bem como no saber-fazer tradicional, visando desenvolver as competências dos actores públicos e privados a nível local, regional e nacional nas áreas em foco.

– Promover boas práticas na aplicação de património cultural imaterial e saber-fazer tradicional no âmbito da conservação do património; desenvolver um modelo de interacção e partilha de boas práticas para grupos académicos e investigadores de países do Sul; organizar seminários internacionais e workshops temáticos.

– Cooperar com a UNESCO em vários programas e actividades de relevo.

(Fonte: UNESCO, tradução minha)

***

Filipe Themudo Barata é Professor Associado na Universidade de Évora, onde lecciona nas áreas da História, Paisagem Cultural, Património e Museus.  É membro da Comissão Científica e Pedagógica do Mestrado Erasmus Mundus TPTI – Techniques, Patrimoines, Territoires de l’Industrie; membro do Comité de Direção da Associação HERIMED (Palermo); Professor convidado na Universidade de Cabo Verde; e membro associado do Centre d’Histoire des Techniques (Paris Sorbonne – Panthéon). Tem estado ligado a instituições com valências museológicas, tais como a Fundação Cidade de Ammaia ou a Fundação Arquivo Paes Teles, entre outras (Foundation Orient-Occident, etc.). Tem coordenado vários projectos internacionais: INTERREG III B MEDOCC – MEDINS (Identity is future: Mediterranean Intangible Space) (2006-2009); INTERREG III B MEDOCC – MERCATOR (Routes des Marchands, Villes des Marchés en Méditerranée) (2006-2009); COST A27 Landmarks(Understanding pre-industrial structures in rural and mining landscapes) (2005/2009); e Erasmus Mundus EMMAWEST Project (desde 2012). Destaca-se, ainda, a sua participação no projecto de inventário do património de influência portuguesa, desenvolvido a partir de 2007 pela Fundação Calouste Gulbenkian (cf. HPIP). Cv completo aqui.

***

Outros posts neste blogue sobre património imaterial:

O Lugar do Património Cultural Imaterial nas Políticas do Património

Le Patrimoine Culturel Immatériel, Premières Expériences en France

Intangible Heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation

Entrevista com Filipe Themudo Barata (sobre os museus e o património)

Património imaterial: desafios e perspectivas

Património industrial em discussão

Estrutura nas Minas de S. Domingos, Alentejo, Portugal. Foto de Ana Carvalho, 2010

Dois eventos marcam o panorama reflexivo em torno do património industrial (material e imaterial) em Portugal. O primeiro, organizado pela Universidade de Évora/CIDEHUS1 (21 – 23 de Março de 2013) tem por título “Património Industrial: dos objectos ao território“. Este colóquio assume uma abordagem holística do património industrial, organizando o debate em torno de 4 painéis temáticos (Objectos, colecções e museus industriais; Território: marcas, equipamentos técnico-industriais e paisagens; Rotas, percursos e itinerários do património industrial; Sociedade Industrial: protagonistas e mudança).

Este colóquio evidencia uma linha de investigação desenvolvida há já alguns anos em Évora, sob a coordenação de Ana Cardoso de Matos, ao abrigo da qual se desenvolve, por exemplo, o projecto de estudo e inventário do património industrial no Sul de Portugal (cf. http://i-heritage-alentejo.blogspot.be/), não esquecendo a correlação com o trabalho desenvolvido no contexto do mestrado internacional TPTI (Técnicas, Patrimónios e Territórios da Indústria) que se realiza na Universidade de Évora em parceria com a Universidade de Paris e Pádua.

O colóquio tem por base o sistema de call for papers. Além disso estão confirmadas as presenças de Julián Sobrino (Universidad de Sevilla), Inmaculada Aguilar Civera (Universidad de Valencia – Cátedra Demetrio Ribes) e Marta C. Lourenço (Museu Nacional de História e da Ciência – CIUHCT, Universidade de Lisboa).

Quaisquer informações sobre este colóquio2 podem ser consultadas aqui.

O segundo evento que queremos destacar é o I Encontro Anual Indústria, História, Património (18, 19 e 20 de Abril de 2013), da organização da Universidade Nova (Instituto de História Contemporânea), uma iniciativa que se desenvolve no seguimento da criação da rede temática – RIHP: Rede Indústria, História, Património, criada em 2012. Esta rede tem a particularidade de reunir as principais unidades de investigação (de várias universidades, nomeadamente a Universidade de Évora e a partir de diferentes áreas: história, arqueologia, história das ciências, etc.), mas também museus e outras instituições que trabalham neste domínio, o que é pouco comum.3

Este encontro anual “pretende ser um fórum de discussão aberto e pluridisciplinar, dedicado à apresentação de estudos no domínio da história da indústria enquanto realidade social global, compreendendo o património material e imaterial (tecnologia, saber-fazer técnico, práticas sociais e culturais, infraestruturas, construções, equipamentos e objectos, sítios e paisagens).” (in site da RIHP)

À semelhança do anterior, este encontro tem por base a call for papers (ver toda a informação aqui). A conferência inaugural será de Hugues de Varine, que trará certamente um olhar pertinente sobre os museus, enquanto espaços de memória e salvaguarda do património industrial.

Note-se que Hugues de Varine teve um papel determinante no desenvolvimento do ecomuseu do Creusot (inicialmente Musée de l’Homme et de l’Industrie, 1972), em França (sobre a história ideológica do Creusot ver por exemplo: Debary, Octave (2002).  La fin du Creusot ou l’art d’accommoder les restes, Paris, Editions du Comité des Travaux Historiques et Scientifiques, (collection « Le regard de l’ethnologue »), Ministère de la Recherche, 189 p.)

Estes dois eventos, em particular a criação de uma rede temática ilustra bem aquela que deverá ser uma tendência, ou seja, uma maior articulação, por um lado de instituições universitárias que fazem percursos de investigação semelhantes e, por outro lado, com as instituições museológicas (e também arquivos, etc.) que estão no terreno e que representam uma perspectiva também essencial neste quadro de estudo. Além disso, é também digno de nota a incorporação da imaterialidade na concepção de património industrial patente na missão da RIHP, o que revela a necessidade de um olhar mais global e integrado sobre o património, não esquecendo a importância, por um lado, da componente da imaterialidade ligada aos processos e ao saber-fazer, mas também a imaterialidade que se liga às memórias dos espaços. Apesar de hoje essa consciência ser cada vez maior (e algumas experiências comprovam-no, por exemplo, o Museu da Chapelaria, entre outros), a musealização de muitos espaços industriais tem sido operacionalizada sem incluir estes elementos, que podem efectivamente representar um potencial enorme não só do ponto de vista de uma abordagem de investigação mais completa (e do discurso), mas também do ponto de vista da experiência que é oferecida ao visitante, muito mais humanizada.

  1. Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades []
  2. O colóquio tem associado a atribuição do prémio  Património Industrial que visa distinguir jovens investigadores nesta área. Veja mais aqui []
  3. No site da RIHP pode encontrar informação sobre o projecto, os parceiros, os investigadores, etc.: http://historia-patrimonio-industria.blogspot.pt/ []

Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation

(Fonte: Bookdepository.com)

Alivizatou, Marilena. 2012. Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation. Walnut Creek: Institute of Archeology. Vol. 8, Critical cultural heritage series. 225 páginas. ISBN: 978-1-61132-151-7.

Falar de Património Cultural Imaterial (PCI) é hoje uma tendência internacional como resultado da elaboração da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO (2003). No contexto dos museus, a bibliografia que problematiza este novo enfoque é visivelmente crescente, seja em Portugal (ver, Carvalho 2011 [1], entre outros), seja no contexto internacional, como comprova esta recente publicação (Agosto de 2012). A autora, Marilena Alivizatou, é uma investigadora de origem grega que colabora no Institute of Archaeology University College London (informação sobre a autora aqui). Em grande medida, o livro é o resultado da investigação que autora começou a desenvolver a partir de 2003 até ao presente, sendo parte deste trabalho referente à sua tese de doutoramento. Pode dizer-se que este livro é uma síntese desse percurso de investigação.

O que a autora se propôs a fazer foi uma análise crítica do PCI em contexto museológico tanto do ponto vista conceptual como do ponto de vista das práticas. Para o efeito, Alivizatou fez um estudo comparativo de cinco museus em distintos contextos culturais, sociais e políticos: o National Museum of New Zealand Te Papa Tongarewa (Wellington, Nova Zelândia), um museu cujas colecções recuam ao séc. XIX, mas que é criado nos anos noventa (abertura em 1998); o Vanuatu Cultural Centre (Port Vila, Vanuatu), que na origem era um pequeno museu colonial (1956) com colecções etnográficas e de história natural, e que é actualmente um centro cultural indígena; o National Museum of the American Indian (Washington e Nova Yorque, EUA), que abriu em 2004, mas cuja história remonta às primeiras décadas do séc. XX; o Horniman Museum (Londres), fundado no séc. XIX e renovado em 2002 (colecções etnográficas, espécimes de história natural, etc.); e finalmente, o polémico Musée du Quai Branly (Paris), que surgiu em 2006, reunindo as colecções etnográficas do Musée de l’Homme (cuja reabertura tem vindo a ser adiada, estando actualmente prevista para 2015) e as colecções do Musée National des Arts d’Afrique et de l’Oceanie, que encerrou para vir a dar lugar no mesmo espaço à Cité Nationale de l’Histoire de l’Immigration.

A autora tem em conta o discurso sobre PCI via UNESCO, mas assume uma postura  crítica e reflexiva quanto ao discurso oficial, apresentando uma abordagem alternativa à museologia mainstream. Trata-se de um livro de referência para todos os que se interessam pela problematização do património no mundo dos museus.

Conteúdos:

List of Illustrations, p. 9

Acknowledgments, p. 13

1. Intangible Heritage and the Museum, p. 15

2. Global Preservation and Beyond, p. 27

3. From Artefacts to Communities: Participation and Contestation at the Papa Tongarewa, p. 49

4. At the Interface of “Kastom” and Development: The Case of the Vanuatu Cultural Centre, p. 77

5. Intangible Heritage and the Living Memorial of Native Americans, p. 105

6. Reinventing the Gift at the Horniman Museum, p. 135

7. The Dialogue of Cultures, “Laicité”, and Intangible Heritage at the quai Branly, p. 159

8. Rethinking Cultural Preservation, Museum Curation, and Communities, p. 189

Notes, p. 193

Glossary, p. 199

References, p. 201

Index, p. 219

About the Author, p. 225

——————————————————————-

[1] Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios. Lisboa: Edições Colibri e Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora. Sobre o livro consultar o seguinte endereço: http://pcimuseus.wordpress.com/.

Património Cultural Imaterial em foco

Sampaio, Teresa. 2012. Conversas de poial: quando a memória é a várias vozes. Palmela: Câmara Municipal de Palmela. 46 p. (sem ISBN)

Esta é uma pequena publicação em suporte digital de divulgação do projecto “Conversas de poial” desenvolvido pelo Museu da Câmara Municipal de Palmela. A iniciativa teve início em 2009 no âmbito de uma exposição temporária sobre o centro histórico: «Patrimónios: Centro Histórico da vila de Palmela» (com apoios do QREN), e a primeira fase terminou este ano.

“Conversas de poial” enquadra-se numa iniciativa de valorização do Património Cultural Imaterial (PCI) das populações que habitam o centro histórico de Palmela. O objectivo foi o de “recolher e divulgar estórias que estão subjacentes aos acontecimentos que determinaram o desenvolvimento do território” de Palmela (p. 4).

O projecto consistiu na recolha de histórias junto dos habitantes, em diversos espaços do centro histórico, e consoante os temas lançados pela equipa do museu (ex. comércio, sociabilidade e lazer; arquitectura, habitalidade, jardins da memória, património religioso, etc.). Este projecto insere-se também na linha do trabalho desenvolvido ao longo dos últimos anos pelo Arquivo de Fontes Orais (AFO) do museu, criado em 2003. Note-se que este foi um dos primeiros museus portugueses a criar um arquivo de história oral[1]. Ainda que o arquivo não seja acessível ao público, iniciativas como esta demonstram que este é um trabalho que se vai construindo e consolidando[2].

Após um texto de apresentação (assinado por Ana Teresa Vicente, Presidente da Câmara) e de alguma informação de contexto sobre o projecto (ex. metodologias, etc.) e sobre o papel do PCI (ex. instrumentos normativos internacionais, etc.), o enfoque principal desta publicação é o capítulo intitulado “Memórias narradas … em conversas de poial (2009-2012)”, que apresenta excertos dos testemunhos orais recolhidos e que seguem uma lógica temática. A título ilustrativo, estes testemunhos são acompanhados de fotografias também recolhidas ao longo do projecto (ainda que não se identifiquem as imagens seja do ponto de vista da proveniência como da data).

Mais do que os resultados de um projecto de investigação, este documento serve sobretudo propósitos de divulgação em jeito de homenagem a todos quantos participaram nas “Conversas de poial”.

O documento está disponível aqui:

http://www.cm-palmela.pt/NR/rdonlyres/557A681C-D043-44FA-8D57-4EA5B9BC2E2C/84584/PUBLICACAOconversaspoial.pdf


[1] Para maior enquadramento sobre o papel da história oral na valorização do PCI nos museus consultar: Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios. Lisboa: Edições Colibri, CIDEHUS-Universidade de Évora. P. 143-149.

[2] Algumas recolhas realizadas pelo Museu Municipal de Palmela/AFO estão disponíveis no site: http://www.memoriamedia.net/

HPIP – Património de Influência Portuguesa

É hoje (16 de abril de 2012) o lançamento do portal interactivo: www.hpip.org (o site só estará disponível amanhã). Este portal tem a ver com o trabalho de inventário do património arquitectónico e urbanístico de influência portuguesa existente em várias partes do mundo, um projecto iniciado em 2007 pela Fundação Calouste Gulbenkian, sob a direcção de José Mattoso, e do qual foram editados vários livros (ver http://www.gulbenkian.pt/index.php?article=2910&langId=1&format=404).

Será ainda apresentada a versão inglesa da obra “Património de Origem Portuguesa no Mundo. Arquitectura e Urbanismo”

16 de abril de 2012, 12h00

Fundação Calouste Gulbenkian, auditório 3

Mais sobre o projecto:

O portal HPIP vai reunir de forma integrada a informação sobre o património de influência portuguesa no mundo, tendo em vista a sua divulgação maciça, sem deixar de procurar as contribuições externas com novas entradas e informações. É deste modo que se pretende criar “uma comunidade herdeira desses bens partilhados em influências várias e cruzadas”, afirma Mafalda Soares da Cunha, coordenadora do portal HPIP, que esteve também na direção do projeto editorial com o historiador José Mattoso. “O conhecimento e a sua globalização são a base da identificação das comunidades com o seu património e, assim, o catalisador da sua salvaguarda e desenvolvimento integrado”, defende a professora universitária e antigo membro da Comissão para as Comemorações dos Descobrimentos.

Um portal com a contribuição de todos

Todas as entradas dos volumes dedicados à América do Sul, à Ásia e Oceânia, e a África, Mar Vermelho e Golfo Pérsico estarão disponíveis online, em versão portuguesa e inglesa. Mas não só. Também o glossário e as imagens serão incluídos em número superior ao dos volumes impressos, assim como os instrumentos de consulta coligidos no volume de índices. Será possível fazer “pesquisa livre” (por palavras), mas também por categorias ou ainda sobre um mapa-múndi com imagem de satélite. A reunião de um acervo com estas caraterísticas será relevante no apoio à comunidade científica, não apenas pela disponibilização de dados, mas pela forma cruzada e integrada como surgem, graças à gestão proporcionada pelo sistema de informação geográfica (SIG), pela atualização e integração permanentes de nova informação e pela facilidade de acesso.

Sendo o HPIP um projeto sem fins lucrativos, funcionará “com base na colaboração graciosa de todos as pessoas que enviarem textos novos ou propostas de correção e aditamento aos textos originais”, explica Mafalda Soares da Cunha. As pessoas podem submeter as suas propostas online e depois segue-se um circuito interno de verificação e validação da informação. Os novos dados são incorporados no texto original, que assim passará a ter uma autoria partilhada e devidamente identificada.

A gestão do HPIP será rotativa entre quatro universidades: Universidade de Évora, Universidade Nova de Lisboa, Universidade Técnica de Lisboa e Universidade de Coimbra, sendo esta a primeira responsável. Um Conselho Executivo e um Conselho Editorial compõem os órgãos permanentes de gestão científica e executiva do portal. O Conselho Executivo integra vários especialistas de diversas instituições de ensino superior e de investigação, entre representantes das universidades parceiras, coordenadores dos volumes impressos e outros académicos cooptados pelo grupo de trabalho constituído para o acompanhamento da produção do portal. O Conselho Editorial, presidido por José Mattoso, recupera os colaboradores da obra impressa (cerca de 70 especialistas) que terão como função principal apoiar a certificação científica das novas contribuições para os textos do HPIP.

www.hpip.org

Conselho Executivo

Catarina Madeira Santos, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris

Filipe Themudo Barata, Universidade de Évora

João Paulo Oliveira e Costa, FCSH-Universidade Nova de Lisboa

Jorge Flores, Instituto Universitário Europeu, Florença

José Belmont Pessôa, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro

José Manuel Fernandes, FA, Universidade Técnica de Lisboa

Miguel Bandeira Jerónimo, ICS-Universidade de Lisboa

Renata Malcher de Araujo, Universidade do Algarve

Walter Rossa, Universidade de Coimbra (diretor)

Conselho Editorial

José Mattoso (presidente)

O Conselho Editorial recupera os colaboradores da obra impressa (cerca de 70 especialistas) que terão como função principal apoiar a certificação científica das novas contribuições para os textos do HPIP.

Edição

Fundação Calouste Gulbenkian

Coordenação

Mafalda Soares da Cunha

Walter Rossa (adjunto)

Coordenação Executiva

Maria Fernanda Matias

Equipa de acompanhamento

Filipe Themudo Barata, Universidade de Évora

João Paulo Oliveira e Costa, Universidade Nova de Lisboa

José Manuel Fernandes, Universidade Técnica de Lisboa

Renata Malcher de Araujo, Universidade do Algarve

Assessoria Informática

Tiago Matos, Universidade de Coimbra

Assessoria à gestão de conteúdos

Ricardo Trindade, Universidade de Coimbra

Assessoria de Design

TVM designers

Produção

MrNet

Conf: "A Colecção da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa", 16 Dez. 2010

Hoje (16 de Dezembro), Pedro Sousa Dias (Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, CEHFCi) irá proferir uma palestra com o título: “A Colecção da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, e que se insere no contexto dos seminários de Património Científico Português que o Museu de Ciência têm organizado.

Local: Anfiteatro Manuel Valadares, Museu de Ciência da UL
Pelas 18h

Informações disponíveis no site do CIUHCT:
http://ciuhct.com

Recriação virtual da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755, através da plataforma virtual Second Life®

[vimeo=http://vimeo.com/17044721]

Trata-se de um projecto inovador: a recriação virtual da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755, através da plataforma virtual Second Life®.

O projecto está a ser desenvolvido pelo Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA), da Universidade de Évora, em colaboração com a empresa Beta Technologies e o King’s Visualisation Lab – King’s College London.

O trabalho realizado até à data poderá ser visitado em http://lisbon-pre-1755-earthquake.org/

O ionline publica uma notícia sobre este projecto, incluindo comentários de especialistas nacionais e internacionais:
http://www.ionline.pt/

Livro: "Heritage and identity: engagement and demission in the contemporary world”

Heritage and identity: engagement and demission in the contemporary world
Editores: Marta Anico; Elsa Peralta
ISBN: 978-0-415-45336-3
Série: Museum Meanings
Edição: Routledge, 2009

Summary:

Heritage and Identity explores the complex ways in which heritage actively contributes to the construction and representation of identities in contemporary societies, providing a comprehensive account of the diverse conceptions of heritage and identity across different continents and cultures.

This collection of thought-provoking articles from experts in the field captures the richness and diversity of the interlinked themes of heritage and identity. Heritage is more than a simple legacy from the past, and incorporates all elements, past and present, that have the ability to represent particular identities in the public sphere.

The editors introduce and discuss a wide range of interconne
cted topics, including multiculturalism and globalization, local and regional identity, urban heritage, difficult memories, conceptions of history, ethnic representations, repatriation, ownership, controversy, contestation, and ethics and social responsibility.

The volume places empirical data within a theoretical and analytical framework and presents an interdisciplinary approach to the study of the representation of the past, invaluable for anyone interested in heritage and museum studies.

Table of Contents:

Part 1: Place and Identity  1. What Role Can Digital Heritage Play in the Re-imagining of National Identities? England and its Icons 2. Locating Art: The Display and Construction of Place Identity in Art Galleries 3. Place, Local Distinctiveness and Local Identity: Ecomuseum Approaches in Europe and Asia 4. Representing Identities at Local Municipal Museums: Cultural Forums or Identity Bunkers? 5. Heritage According to Scale Part 2: Remembering and Forgetting  6.Unsettling Memories: Intervention and Controversy Over Difficult Public Heritage 7. Public Silences, Private Voices: Memory Games in a Maritime Heritage Complex 8. The Banalization and the Contestation of Memory in Postcommunist Poland 9. A Landscape of Memories: Layers of Meaning in a Dublin Park Part 3: Domination and Contestation  10. Labor and Leisure at Monticello: Or Representing Race Instead of Class at an Inadvertent White Identity Shrine 11. The Ancient City Walls of Great Benin: Colonialism, Urban Heritage and Cultural Identity in Contemporary Nigeria 12. The Past in the Present: Towards a Politics of Care at the National Trust of Australia -WA 13. Yoruba Identity and Western Museums: Ethnic Pride and Artistic Representations

(in http://www.informaworld.com/)