Arquivo da Categoria: Journals

Publicado 5.º número dos “Cadernos do Museu”

cadernos-do-museu

O Museu da Ruralidade (Castro Verde) acaba de divulgar mais um número dos Cadernos do Museu, o quinto. Cadernos de Museu é um periódico semestral (impresso e digital-via issuu) iniciado em 2015, vem demonstrar a concentração de sinergias e dinamismo nos museus a sul.

Nas palavras do seu coordenador, Miguel Rego, esta publicação periódica de carácter semestral «tem procurado […] construir um discurso que concilie o trabalho que o Museu da Ruralidade vem desenvolvendo e aquele que é o trabalho desenvolvido na área dos museus do nosso país». No entanto, esta edição «quer ser muito mais do que esse espelho do Museu da Ruralidade. Ela procura ser uma estante de alguns dos organismos, instituições e redes que integramos, nomeadamente a Rede de Museus Rurais do Sul ou a Rede de Museus do Baixo Alentejo, plataformas de discussão que envolvem mais de duas dezenas de museus num vasto território que vai do Algarve à bacia hidrográfica do Tejo.» (editorial, p. 3)

Com uma edição bem ilustrada, este número estrutura-se em torno de quatro contributos centrais e uma breve secção de notícias sobre o Museu da Ruralidade. O primeiro desses contributos refere-se ao texto de opinião da arquitecta Lia Ferreira sobre as questões da acessibilidade física nos museus, e no qual a autora cita como exemplos de boas práticas o caso do complexo dos clérigos da cidade do Porto, a Fundação Dr. Cupertino de Miranda (Porto), o Museu Nacional Soares dos Reis, o Museu da Comunidade Concelhia da Batalha e o Museu Nacional Machado de Castro (Coimbra). A autora «defende que a inclusão ao serviço dos museus é a garantia da sua sustentabilidade saudável e responsável. É o futuro emergente e real» (p. 11).

Um segundo contributo refere-se ao Centro Interpretativo do Mundo Rural (Vimieiro, Arraiolos), aberto ao público desde 2009. Carla Barroseiro, que colabora neste Centro, apresenta este espaço museológico, contextualizando-o no espaço, nos seus objectivos e dá a conhecer o tipo de coleções que guarda, as exposições e o trabalho desenvolvido na área do serviço socioeducativo.

O terceiro contributo é de Miguel Rego, com um ensaio fotográfico como registo da memória que evidencia imagens de Castro Verde no séc. XX a partir de várias actividades.

O último texto é de Ana Carvalho (Universidade de Évora), que analisa o papel das publicações na área da Museologia em Portugal, explorando a forma como este campo tem evoluído, em que moldes se tem produzido, que iniciativas e actores envolvidos. Segundo a autora, não se pretendeu um retrato exaustivo, mas sobretudo assinalar algumas dinâmicas e tendências, fragilidades e perspectivas deste panorama.

Este número está disponível online via issuu: https://issuu.com/museudaruralidade-castroverde/docs/cadernos_museu_ruralidade_5_457051770dbdf0

Índice

A Inclusão ao Serviço dos Museus, Lia Ferreira | p. 2

O Centro Interpretativo do Mundo Rural: O Projecto Museológico e a Colecção, Carla Barroseiro | p. 10

Memórias da Ruralidade: Fotografias de um Campo Branco Desaparecido, Miguel Rego | p. 18

A Construção de uma Comunidade de Prática e de Investigação: O Papel das Publicações, Ana Carvalho | p. 30

Notícias do Museu | p. 44

 

Call for Papers: Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários

Casa da Memória

Casa da Memória/Contextil 2014/Guimarães. Agosto 2014 © Paulo Duarte

Encontra-se aberto o call for papers para o 8.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado em Junho de 2017. Este número é subordinado ao tema: “Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários” e é coordenado por Alice Semedo (Universidade do Porto), Olaia Fontal (Universidade de Valladolid) e Alex Ibanez (Universidade do País Basco).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 15 de março de 2017 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

Nota: Em Março de 2017 a MIDAS abre novo call for papers direccionado para o 9.º número (“Varia”) a publicar ainda em 2017 e um call for papers para propostas de dossiers temáticos (publicação em 2018).

Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários

Os objetos estão de volta à teoria social contemporânea com uma nova força. Seja na forma de bens de consumo, tecnologias de comunicação, obras de arte ou mesmo de espaços urbanos, um novo mundo de materialidades e objetividades surge agora com uma urgência que os transformou em novos lugares de questionamento e reflexão. Se as visões pós-estruturalistas e construtivistas de caráter mais radical tenderam a liquefazer tudo o que era sólido, agora é precisamente a solidez do que nos rodeia que nos capta a atenção, levando-nos, por exemplo, a atentar no imediatismo sensorial dos objetos com que vivemos, trabalhamos e conversamos; amamos e odiamos. A materialidade volta a ocupar um lugar central no discurso e na prática museológica e patrimonial, re-imaginando, a cada passo, o que de facto constitui esta materialidade.

Diferentes abordagens no âmbito da Museologia, antropologia, geografia, cultura material, estudos de ciência e tecnologia, design, sociologia do consumo e da cultura – para nomear apenas algumas –, apontam para uma compreensão da capacidade performativa e integradora dos objetos para ajudar a construir aquilo a que chamamos sociedade. Novas abordagens em relação à cultura material e visual, ao estudo de artefactos e das histórias enredadas de coleções apresentam o museu como um laboratório e a coleção como uma tecnologia de pesquisa. Importantes projetos interdisciplinares utilizam as coleções como forma de aproximação a questões mais amplas relacionadas com a arte, a cultura, a história ou mesmo com o meio ambiente. Métodos que nos chegam dos estudos literários, por exemplo, desenham abordagens para analisar objetos de memória bem reveladoras do apetite por novas formas de problematização e enquadramento destes temas. Este enfoque, de caráter mais literário, encontra-se bem patente em muitos trabalhos recentemente publicados, incluindo, Uma História do Mundo em 100 Objetos (MacGregor 2014), A Lebre dos Olhos de Âmbar (De Waal 2010), Objetos Evocativos: Coisas Com Que Pensamos (Turkle 2007), Parafernália: A Vida Curiosa das Coisas Mágicas (Connor 2011), O Bacalhau – Biografia do Peixe que Mudou o Mundo (Kurlansky 2003) ou Biografias de Objetos Científicos (Daston 2000). A abordagem biográfica de objetos levanta questões metodológicas substanciais relacionadas com a sua narrativa, estrutura e cronologia, representação da mudança, influência nas vidas humanas, comunidades e história material e, crucialmente, com a sua interpretação e visibilidade em museus. O estudo de caráter biográfico de objetos tem proporcionado áreas de pesquisa académica extremamente produtivas e inovadoras, incluindo o trabalho de Bill Brown sobre Thing Theory (2001); de Chris Gosden, Frances Larson e Alison Petch (2007) a partir das coleções do Museu Pitt Rivers; e, claro, os ensaios incluídos no volume já clássico editado por Arjun Appadurai, em 1986, nomeadamente sobre o valor e a troca de objetos. Ao concentrar-se mais atentamente na vida social dos objetos e nos seus efeitos expressivos, retroativos ou interpelantes da atividade humana, este número da MIDAS pretende incluir visões transversais entre os vários “novos materialismos”, forjando, ao mesmo tempo, ligações críticas com tropos mais clássicos e temas da história da Museologia.

Para além disso, ao incorporarmos os aspetos intangíveis (históricos, emocionais, espirituais) e relacionais (propriedade, pertença e identidade) dos objetos em museus, abrem-se, ainda, outras possibilidades de exploração que permitem a problematização de abordagens educacionais que representam o museu como contentor de património. Assim, considera-se o património como a relação que ocorre entre bens e pessoas, relação capaz de conectar os bens culturais com a sociedade a que pertence e o tempo legatário. Nessa lógica, os objetos convertem-se numa espécie de portadores de identidade que assume corporeidade através de narrativas, biografias e construções artísticas que se apresentam como uma manifestação do vínculo gerado entre os bens culturais e as pessoas. De resto, a criação de tais ligações não acontece apenas no espaço físico dos museus, mas, e cada vez mais, noutros espaços (incluindo virtuais). Todas estas relações são diferentes formas de manifestação da mesma aproximação: a relação de identidade entre indivíduos ou grupos e elementos patrimoniais.

Um outro enfoque que gostaríamos de incluir neste número da MIDAS, refere-se à relação objeto-aprendizagem privilegiada em museus. É comum afirmar-se que os objetos facilitam a aprendizagem através do desenvolvimento de competências de observação e questionamento, permitindo conotações emocionais e fazendo com que ideias complexas se tornem compreensíveis. Neste ponto, privilegia-se a apresentação de discussões sobre estes conceitos a partir de investigação baseada, por exemplo, em estudo de casos.

Este número da revista MIDAS faz parte do esforço atual para reunir diferentes perspetivas (museológica, curatorial, teórica) sobre o lugar dos objetos em museus, a fim de mapear criticamente este domínio. Em suma, trata-se de refletir e apresentar exemplos relevantes que permitam recuperar a teorização sobre objetos em museus como portadores não apenas de significados sociais, mas também individuais, permitindo que os processos de patrimonialização e identização sejam também explorados a partir do ponto de vista da educação. Os tópicos/questões propostas sobrepõem-se parcialmente devendo permitir o confronto de vários pontos de vista teóricos e metodológicos e a produção de materiais diversificados.

Temas a desenvolver

 Preferencialmente, destacam-se três linhas de análise:

1. Relatos individuais: narrativas, biografias, construções artísticas em torno do objeto musealizado

Os artigos podem, por exemplo, oferecer relatos biográficos de objetos particulares. Textos que reflitam sobre a metodologia de biografias de objetos ou que apresentem projetos existentes relacionados com a vida dos objetos; textos que explorem a relação entre a curadoria e a auto/biografia a partir de objetos; a história dos museus (o museu como artefacto); e quaisquer outras facetas do tema em causa, devidamente justificadas.

2. Internet e redes sociais como cenário para gerar e partilhar os vínculos identitários sujeito-objeto

Através da Internet, os museus têm transformado a forma como se relacionam com os públicos. Geram-se sinergias que promovem uma maior autonomia dos públicos e que criam novos espaços de interação. Que novas formas de espaços sujeito-objeto, museus virtuais e redes sociais têm gerado? Será que este tipo de “extensão relacional” de museus nos permite refletir sobre o tipo de vínculos que estão a criar? Que novas formas de contar e narrar têm surgido e, portanto, que vozes estão a ser ouvidas através desses novos ambientes relacionais? O íntimo, o pessoal, o micro adquire aqui uma dimensão mais relevante, multiplicando-se e construindo conexões mais profundas em relação ao património.

3. A relação objeto-aprendizagem privilegiada em museus

Qual o “valor acrescentado” que a aprendizagem baseada em objetos nos traz? Que abordagens se utilizam atualmente em museus e que evidências se procuram apresentar? Como podem os especialistas em educação ajudar os museus a falar sobre a aprendizagem baseada em objetos? Como podem os museus utilizar os objetos de forma mais criativa? E como é que essas abordagens diferem de outras para a produção de conhecimento? Qual o impacto, as oportunidades e os desafios do uso da tecnologia digital neste contexto? Que impacto poderá ter, por exemplo, a impressão 3D de objetos digitais para a experiência baseada em objetos? Que potenciais tecnologias poderemos utilizar no futuro? Neste contexto poderiam ainda ser exploradas outro tipo de questões.

Referências Bibliográficas

 Appadurai, Arjun, ed. 1986. The Social Life of Things: Commodities in Cultural Perspective. Cambridge: Cambridge University Press.

Brown, Bill. 2001. “Thing Theory.” Critical Inquiry 28, 1, Things (Autumn, 2001): 1-22.

Connor, Steven. 2012. ‘Parafernalia’: La Curiosa Historia de Nuestros Objetos Cotidianos/Paraphernalia: The Curious Life of Magical Things. Barcelona: Editorial Ariel.

Daston, Lorraine, ed. 2000. Biographies of Scientific Objects. Chicago: University of Chicago Press.

De Waal, Edmund. 2012. A Lebre dos Olhos de Âmbar/The Hare with Amber Eyes. 3.ª ed. Porto: Porto Editora/Sextante.

Gosden, Cris; Frances Larson, e Alison Petch. 2007. Knowing Things: Exploring the Collections at the Pitt Rivers Museum, 1884-1945. Oxford: Oxford University Press.

Kurlansky, Mark. 2000. O Bacalhau – Biografia do Peixe que Mudou o Mundo/Cod – A Biography of the Fish That Changed the World. Lisboa: Terramar.

MacGregor, Neil. 2014. Uma História do Mundo em 100 objetos/A History of the World in 100 Objects. Lisboa: Temas e Debates e Círculo de Leitores.

Turkle, Sherry, ed. 2007. Evocative Objects: Things We Think With. Cambridge: MIT Press.

Editores convidados

Alice Semedo

Entre outras funções, tem sido professora de Museologia (desde 1994) e diretora do curso de mestrado em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Portugal) nos últimos anos. Neste curso leciona disciplinas que demonstram bem os seus diferentes interesses de ensino e investigação: museus e Museologia, estudos e gestão de coleções e, finalmente, políticas e práticas de comunicação em museus. Ultimamente tem centrado a sua atenção, essencialmente, nos seguintes temas: discursos e narrativas museológicas. espaços colaborativos de aprendizagem e a utilização de metodologias criativas/líquidas em contextos museológicos, orientando dissertações de mestrado e doutoramento nestas tão diferentes áreas. No âmbito das suas atividades académicas e profissionais tem procurado envolver-se e desenvolver projetos de diferente natureza, promovendo, por exemplo, a organização de conferências ou a organização/edição de livros; destaca-se, ainda, o seu envolvimento com uma outra revista científica, a Journal Museum Worlds. Nesta breve biografia interessa ainda dizer que começou por se licenciar em História, variante de Arqueologia, na Universidade de Coimbra e optou, depois, por desenvolver os seus estudos de pós-graduação e doutoramento na Universidade de Leicester onde fez, primeiro, um master degree com uma dissertação sobre gestão de coleções, apresentando, mais tarde e sob orientação de Susan Pearce, a tese de doutoramento intitulada The Professional Museumscape: Portuguese Poetics and Politics. Atualmente é também investigadora do Instituto de Sociologia da Universidade do Porto.

Olaia Fontal

Licenciada en Bellas Artes por la Universidad del País Vasco/Euskal Herriko Unibertsitatea, licenciada en Historia del Arte y doctora en Ciencias de la Educación por la Universidad de Oviedo. Es profesora titular en la Universidad de Valladolid en Educación Artística, autora de numerosos libros y artículos indexados en la temática de la educación patrimonial. Actualmente dirige el Observatorio de Educación Patrimonial en España (OEPE), una sucesión de tres proyectos de I+D+i y es co-coordinadora del Plan Nacional de Educación Patrimonial en España.

Alex Ubañez

Licenciado en Geografía e Historia, y doctor en Ciencias de la Educación, es profesor titular de Universidad de Didáctica de las Ciencias Sociales en la Universidad del País Vasco. Especialista en Educación Patrimonial, y docente de Investigación en Didáctica del Patrimonio en la Universidad de Huelva, ha codirigido cuatro tesis doctorales en este ámbito. Desde 2006, ha participado de manera ininterrumpida en equipos de investigación de proyectos de I+D+i del MINECO, siendo en la actualidad investigador principal en uno. Es miembro de la red de excelencia en investigación de las Ciencias Sociales, Red14 y ha sido redactor de la Plan Nacional de Educación Patrimonial de España.

****

A MIDAS é uma revista científica, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão por pares. Pretende dar a conhecer e promover os museus enquanto objetos de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi fundada por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Publica desde 2013.

Publicado novo volume de Ensaios e Práticas em Museologia

ensaios-e-praticas 05

Encontra-se publicado o 5.º volume (exclusivamente digital) de Ensaios e Práticas em Museologia. Com edição da Universidade do Porto, este volume reúne e divulga textos dos alunos de mestrado desta universidade. Num esforço de empoderamento dos alunos, a edição deste volume é partilhada por Paula Menino Homem, actualmente a coordenar o mestrado em Museologia, e por três alunas: Ana Themudo, Elisa Freitas e Manuela Restivo. Para além dos artigos, este volume introduz duas novas secções: um espaço para recensões críticas e outro para entrevistas. A série “Ensaios e Práticas em Museologia” teve início em 2011, sob a coordenação de Alice Semedo.

Encontra-se disponível em: http://ler.letras.up.pt

Conteúdos

Apresentação |  5

Ana Themudo
O novo estado artístico do Porto entre 1933 e 1974 | 10

Débora Fernandes
Gestão de risco de incêndio. Criação de parcerias sinérgicas no contexto dos museus universitários | 27

Elisa Freitas
Objetos [com] textos? | 40

Joana Ramos
Alienação em contexto patrimonial: Objeto museológico como artefacto ou recurso financeiro – dilemas na preservação, organização e orientação coesa de acervos | 56

Liliana Aguiar
A aliação de projetos de medição patrimonial em museus: O caso do projeto “Ver, Tocar e  Sentir a Maia” do Museu de História e Etnologia da Terra da Maia | 75

Maria Manuela Restivo
Têxteis do Sudeste Asiático da coleção da Faculdade de Letras da Universidade do Porto | 96

Recensão crítica

Susana Rosmaninho
15a Bienal de Arquitetura de Veneza: “Reporting from the front” (ou a consciência social dos
arquitetos) | 114

Entrevista

Entrevista a Luís Raposo, presidente do International Council of Museums – Europe Alliance (ICOM) – Europe | 123

Boletim ICOM Portugal (série III, n.º 3, Maio 2015)

 

Capa boletim ICOM Portugal 03

O terceiro Boletim do ICOM Portugal é dedicado ao tema do Dia Internacional de Museus: “Museus para uma Sociedade Sustentável”.

O caso de Serralves merece destaque na secção Em Foco, sendo ilustrativo das possibilidades de intervenção dos museus no âmbito da temática da sustentabilidade ambiental. A instituição assumiu nos últimos anos o compromisso de colocar em prática iniciativas mais sustentáveis do ponto de vista ambiental. A dupla brasileira, Mário Chagas e Cláudia Storino, e o português Rui Silvestre oferecem duas Perspectivas complementares sobre os desafios da sustentabilidade. Na entrevista com Luís Raposo, a dimensão económica da sustentabilidade é sublinhada, sendo apontados alguns dos problemas actuais dos museus e possíveis caminhos de futuro.

Na secção In Memoriam o ICOM presta homenagem a profissionais que nos deixaram: Luís Casanovas, Jorge Estrela, Madalena Cabral e o mexicano Carlos Flores Marini.

Nas Notícias ICOM incluem-se os comentários de vários colegas sobre a sua participação em conferências e encontros ligados a museus, e, em Breves, uma selecção de notícias. Há ainda publicações em destaque e uma selecção de eventos em agenda para os próximos meses.

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | EM FOCO: “Museus Para uma Sociedade Sustentável: O Caso de Serralves”, por Marta Morais
08 | PERSPECTIVAS: “Museus Para uma Sociedade Sustentável”, por Mário Chagas e Cláudia Storino; e Rui Silvestre
12 | ENTREVISTA com Luís Raposo
19 | “IN MEMORIAM”: Luís Casanovas, Carlos Flores Marini, Jorge Estrela e Madalena Cabral
25 | NOTÍCIAS ICOM, por Clara Frayão Camacho, Maria João Pinto, Lorena Sancho Querol, e Inês Bettencourt da Câmara
35 | BREVES
37 | PUBLICAÇÕES
44 | AGENDA

Disponível na página do ICOM Portugal: http://bit.ly/1c74bUT

Informação ICOM-PT, n.º 24 (Jun-Ago. 2013)

Já está disponível o novo boletim do ICOM-PT (cf. http://www.icom-portugal.org). Editado como habitualmente por Maria Vlachou, este número fala da memória e do património em S. Tomé e Príncipe, dos museus e das redes sociais e do novo Museu das Marionetas do Porto.

Merece destaque as publicações recentes da Routledge: “Corrections and Collections: architectures for art and crime”, “Memorylands: heritage and identity in Europe today” e muito a propósito “Museum communication and social media: the connected museum”; inclui-se também a divulgação do apelo a artigos da Revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares para o 3.º número, que em parte será subordinado ao tema proposto pelas espanholas Maria Acaso e Andrea de Pascual – “Museus e Participação Biográfica“.

Na secção das notícias, sugere-se a leitura da “Declaração de Lisboa”, documento que resultou do colóquio “Políticas Públicas para os Museus em Tempos de Crise” realizado em Lisboa no passado mês de Abril; e, finalmente, uma selecção de iniciativas que irão decorrer no panorama nacional e internacional dos próximos meses.

01 Editorial, por Maria Vlachou
02 Artigo: “A Gestão da Memória em S. Tomé e Príncipe”, por Inês Castaño
09 Opiniões: “Estamos ligados? Museus e Redes Sociais”, por Alexandre Matos e Ana Carvalho
12 Novos, Recentes e Renovados: Museu das Marionetas do Porto, por Isabel Barros
15 Novas Publicações
16 Notícias ICOM, “A Declaração de Lisboa”
17 Calendário de iniciativas

Revista MIDAS, n.º 2

"Modo de Emprego #1" © Catarina Botelho, créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012 Arranjo gráfico: Elisa Noronha

Modo de Emprego #1
© Catarina Botelho, créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Concepção gráfica da capa: Elisa Noronha

 

O segundo número da revista MIDAS está disponível aqui: http://midas.revues.org

 

****

EDITORIAL

Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

ARTIGOS

O Museu como um instrumento de reflexão social
Genoveva Oliveira

Museu, Comunidade e Património Cultural Imaterial: um estudo de caso – o Museu da Terra de Miranda
Celina Bárbaro Pinto

Reproductibilidad y educación. El “Museu de Arte do Espírito Santo”
Renata Ribeiro dos Santos

As passagens do sagrado: da mercadoria ao ex-voto no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida/Brasil
Bianca Gonçalves de Souza e Eduardo Ismael Murguia

El Museo Itinerante del Barrio de la Refinería: renovación museológica, memoria popular e identidad vecinal en Rosario (Argentina)
Horacio Miguel Hernán Zapata, Leonardo C. Simonetta e María Liz Mansilla

A inclusão social tem influência nas práticas museais? O acesso dos públicos com deficiência
Patrícia Roque Martins

Modos de Ver e de Dar a Ver os Painéis de S.Vicente
Paula André, Luís Louzã Henriques, Luísa Isabel Martinho, Sónia Apolinário e Rui Reis Costa

NOTAÇÕES

Sobre um “Monstro bicorpóreo” Eborense do século XVIII
Luís Ceríaco

Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal. Um projeto, muitos projetos…
Luís Soares, Joana Baião e Leonor Oliveira

RECENSÕES CRÍTICAS

Ana Carvalho
Alivizatou, Marilena. 2012. Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation. Walnut Creek: Institute of Archeology.

Elsa Peralta
Cabral, Clara Bertrand. 2011. Património Cultural Imaterial: Convenção da UNESCO e seus contextos. Lisboa: Edições 70.

Ana Botas
Carvalho, Ana. 2011. Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para ao desenvolvimento de boas práticas. Lisboa: Colibri, Universidade de Évora.

Irene Vaquinhas
Mendes, José Maria Amado. 2009. Museus e Educação. Estudos, Humanidades. Colecção Estudos do Património. Coimbra: Imprensa da Universidade.

Revista MIDAS, n.º 1

"A partir de ´Porto de Mar, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet'", Lisboa 2012. © João Ferro Martins; Arranjo gráfico da capa: Elisa Noronha

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Concepção gráfica da capa: Elisa Noronha

Está publicado o primeiro número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. É uma revista editada em Portugal por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Universidade de Coimbra) e Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova). Tem formato digital e está disponível em acesso aberto (cf. http://midas.revues.org). Faz parte da plataforma francesa revues.org, uma rede de revistas no âmbito das ciências sociais e humanas, que integra por sua vez o Open Edition. O portal Open Edition (inclui mais duas plataformas: blogues – Hypotheses.org – e um calendário de eventos científicos – Calenda) tem ainda uma versão em português para dar maior visibilidade aos conteúdos em língua portuguesa – LusOpenEdition.

“A MIDAS propõe que se repense o museu enquanto projeção de um processo cultural, por vezes ideológico e até político. Daí a intencionalidade programática da nossa opção pelo título MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, que afirma como fundamental a convocação de outros saberes quando necessários a uma melhor compreensão das realidades museológicas, cada vez mais complexas e cada vez menos contidas entre as paredes do museu, e que à pluralidade do museu atual corresponde uma sua maior integração e participação nas dinâmicas e nos principais debates das sociedades contemporâneas. (…) A abrangência internacional permitirá uma leitura comparativa de diferentes circunstâncias nacionais.” (Editorial, n.º 1)

Pode encontrar o primeiro número disponível na íntegra aqui e acompanhar a revista através do blogue: http://revistamidas.hypotheses.org/

Conteúdos:

EDITORIAL
Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

ARTIGOS

Documento e musealização: entretecendo conceitos
Maria Lucia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro

Museus contemporâneos: locais de contágios e hibridismos
Joana Ganilho Marques

Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares M. Carmen Pérez Almagro

O ato de expor. Breves considerações a propósito d’A Perspectiva das Coisas. A Natureza-Morta na Europa
Joana d’Oliva Monteiro

Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos
Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos 

ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA DA MUSEOLOGIA

A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade
Irene Vaquinhas

Las revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global
Jesús Pedro Lorente

RECENSÕES CRÍTICAS

Luís Pequito Antunes
Gouveia, Henrique Coutinho Gouveia. 2009. Museu Etnográfico da Madeira: estudo de um modelo de avaliação. Praia-Tomar: Universidade de Cabo Verde, Instituto Politécnico de Tomar.

João Paulo Martins
Matos, Ana Cardoso de, e Marta Lourenço, coord. 2011. Expositions Universelles, Musées Techniques et Société Industrielle… Lisboa: Colibri – Universidade de Évora.

Pedro Casaleiro
Granato, Marcus e Marta Lourenço, coord. 2010. Coleções científicas de instituições luso-brasileiras: Patimônio a ser descoberto. Rio de Janeiro: MAST/MCT.

João Pedro Fróis
Émond, Anne-Marie, coord. 2012. Le musée: Entre la recherche et l’enseignement/The museum: between research and education. Québec: Éditions Multimondes.

Pierre Mounier e os novos paradigmas da edição electrónica em acesso livre

Pierre Mounier

Pierre Mounier, Institut Français, Lisboa, 11 Março 2013                    Foto: Ana Carvalho

O francês Pierre Mounier (Centro para a Edição Electrónica Aberta – Cleo) esteve em Lisboa para falar de edição electrónica em acesso livre. Hoje os meios tradicionais de edição são confrontados com novas formas de divulgação e de uma maneira geral com uma mudança de paradigma à qual importa dar uma resposta. Ou seja, serão necessários reajustamentos às formas tradicionais de trabalhar com a edição de livros e com as publicações de uma forma geral. Mounier sublinhou grande parte dos problemas que afecta esta área, enquadrando teoricamente a discussão sobre o tema1. E falou de tendências como a “google generation”; a “tirania do impacto” das revistas científicas, e de um conjunto de ameaças ao sector livreiro, à edição, às bibliotecas…Entre as ameaças, por exemplo o aparecimento de outras formas de publicar através da internet: “Open Archiving”, blogues, Wikipédia e afins, Amazon, etc.

Num primeiro momento da apresentação de Mounier somos levados a crer que diante das ameaças à edição na sua forma tradicional a questão coloca-se: pode o livro acabar? Apesar da revolução que o universo da internet e de uma maneira geral as novas tecnologias proporcionam, o futuro ainda é dos livros, talvez não da forma como a temos conhecido, ou seja, a forma material como o livro se tem apresentado está a mudar. O que Mounier demonstrou foi a existência de novos padrões, apesar de permanecerem os espaços de conflito novas formas emergem.

E num ambiente que parece à partida hostil às tradicionais formas de trabalhar surge também um conjunto de novas possibilidades de trabalhar com o livro através da edição electrónica em acesso livre. Mounier deu vários exemplos no universo académico: Open Book Publishers (publicação de livros académicos em acesso aberto, com arbitragem científica; Reino Unido, desde 2008); Open Humanities Press (plataforma internacional em acesso aberto na área da teoria cultural, com vários jornais e colecções de livros, com arbitragem científica, desde 2008); Open Library Humanities (plataforma em acesso aberto no âmbito das ciências sociais e humanas, 2013); De Gruyter Open Acess (difusão de livros e outros conteúdos); Knowledge Unlatched (livros académicos); e o recém criado OpenEdition Books, uma plataforma de publicação de livros a acrescentar às já existentes no âmbito do projecto francês OpenEdition: revues.org (desde 1999), Calenda (desde 2000) e Hypotheses.org (desde 2008)2) (Em Portugal, existe já a LusOpenEdition que concentra as 3 plataformas referidas). Estes exemplos seguem, de certo modo, a tradição de edição e selecção científica, mas o modelo é transposto para o mundo digital.

Um outro exemplo referido foi Unglue.it, que através de crowdsourcing qualquer pessoa pode ajudar a publicar um ebook. Pensando no mundo dos museus, os exemplos deste tipo de estratégia já serão vários, mas recordo o caso recente do livro digital “Reprograme: Comunicação Branding e Cultura numa nova era de Museus” (coord. Luis Marcelo Mendes, 2012), em português e inglês, que foi editado também por via de crowdsourcing.  Isto demonstra um pouco aquilo que a internet pode viabilizar. E neste sentido também, Mounier sublinhou a possibilidade de uma outra dimensão, a webification do livro, ou seja, a possibilidade do livro ganhar uma outra dimensão, por exemplo com a interacção dos leitores e a possibilidade de introdução de comentários. Nessa linha Mounier deu como exemplo a iniciativa Textus, que permite que estudantes e professores partilhem textos e trabalhem de forma colaborativa através desta plataforma.

Há, por outro lado, textos que ganham uma outra vida na internet, textos vários que são reunidos em livro como no projecto “Living Books about Life“. Um outro exemplo é Pressforward, que através da “Digital Humanities Now” recolhe textos dispersos na internet (em blogues por exemplo), com o crivo de editores científicos para compor números temáticos de um jornal digital. Além disso, já não são raras as vezes que textos na internet, como no caso dos textos de autor em blogues dão origem a livros impressos. Lembro, no caso dos museus, o livro de Maria Vlachou “Musing on Culture” (Bypass Editions, 2013) que nasceu do blogue com o mesmo nome (veja-se texto sobre o livro aqui).

E o que pode tudo isto interessar ao mundo dos museus? Na verdade, estas preocupações não são indiferentes ao campo da museologia: as publicações vão crescendo (livros, catálogos, etc.), os formatos  já existentes de divulgação (revistas, boletins, etc.) também se vão transformando. Por exemplo no caso da MIDAS, uma nova revista de museologia com base em Portugal, as questões do acesso aberto e da sustentabilidade foram equacionadas já neste contexto de adaptação.

Por outro lado, há toda uma discussão mais alargada sobre as novas tecnologias e o potencial da internet na relação com os públicos que os museus não devem ignorar. Alguns dos tópicos enunciados por Mounier ao nível da transformação dos hábitos de consumo da cultura, sobre a forma como se acede à cultura, que também passa pela internet e pelo aparecimento de novos suportes, também são aspectos que devem interessar aos museus. Nesse sentido, museus e os profissionais da cultura em geral devem envolver-se e participar na discussão se pretendem desenvolver práticas relevantes na sociedade actual e sobretudo se pretendem comunicar para uma geração que acede à cultura de uma forma diferente das anteriores.

  1. Alguns estudos foram citados: Donnat, Olivier (2009). Les pratiques culturelles des Français à l’ère numérique: Éléments de synthèse 1997-2008 (resumo do estudo). Paris: Ministère de la Culture et Communication. Disponível em: http://www.pratiquesculturelles.culture.gouv.fr/doc/08synthese.pdf; Carr, Nicholas (June 2008). Is google making us stoopid. In The Atlantic. []
  2. Hypotheses.org é uma plataforma de blogues francesa (agora também em Portugal aqui) que agrega blogues de investigadores no âmbito das ciências sociais e humanas. Muitos dos blogues pertencentes a esta plataforma têm a atribuição de ISSN depois de serem considerados relevantes do ponto de vista dos conteúdos produzidos por um comité científico (cf. texto sobre tema aqui []

Alfredo Tinoco, Cadernos de Sociomuseologia

(2012). Alfredo Tinoco: artigos e comunicações (Vol. 42). Lisboa: Cadernos de Sociomuseologia-Revista Lusófona de Museologia, Edições Universitárias Lusófonas. 227 p. ISSN 1646-3706.

Foi publicado recentemente mais um volume dos Cadernos de Sociomuseologia (Revista Lusófona de Museologia) da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. O volume que aqui destacamos é dedicado a Alfredo Tinoco (n.º 42), personalidade ligada ao movimento renovador da museologia em Portugal. É conhecida a sua militância em matérias da “nova museologia”, tendo feito parte do MINOM (Movimento para a Nova Museologia), tanto em Portugal como no seu formato internacional. Alfredo Tinoco faleceu em 2010, pelo que a publicação deste livro configura-se como uma devida homenagem da Universidade Lusófona, onde exerceu a docência em matérias de museologia e história local e fazia parte do “editing board” dos Cadernos de Sociomuseologia, entre outras colaborações que poderiam ser assinaladas.

Este volume está organizado em duas partes. Uma primeira parte reúne uma selecção variada de textos que Alfredo Tinoco escreveu (porventura não publicados?), fosse no âmbito de conferências, de projectos de dinamização cultural (ex. Rota do Mármore – Estremoz, Rota dos Museus Mineiros), sobre património industrial, sobre a relação museus, património e educação, entre outros temas. A segunda parte inclui alguns textos proferidos no contexto de algumas das “Jornadas sobre a Função Social do Museu” organizados pelo MINOM Portugal, sobretudo durante a última década. Acresce ainda um texto apresentado numa conferência do MINOM internacional (2007). O livro teria beneficiado de um texto de apresentação ou prefácio que contextualizasse os contributos do museólogo para a museologia bem como algumas informações complementares sobre o  seu percurso, em jeito de esboço biográfico.

Para além de uma edição impressa, o volume está inteiramente disponível em pdf no site da revista: http://revistas.ulusofona.pt/

Índice:

Parte I Artigos/comunicaçoes, p. 5

Une muséologie nouvelle pour des hommes nouveaux: identités et globalisation, p. 7
Para uma política de preservação do património industrial em Portugal, p. 27
Rota do Mármore do Anticlinal de Estremoz (Projecto) (artigo de Alfredo Tinoco, Carlos Filipe, Ricardo Hipolito), p. 51
Circuitos turísticos: Rota dos museus mineiros – faixa piritosa ibérica, p. 61
A arqueologia mineira: Território interdisciplinar, p. 77
Crianças em Risco: A Museologia como instrumento Educacional, p. 89
Educação patrimonial e aprendizagens curriculares – a História, p. 101
Portugal na Exposição Universal de 1904 – O Padre Himalaia e o Pirelióforo, p. 113
Uma Escola, um Projecto e um Patrono o Dr. António Augusto Louro, p. 129
O amor da terra e o amor das gentes Lagos do séc. XVII e do séc. XX, p. 147
Confraria do pão – um modelo de museu vivo? p. 159

Parte II Intervenções nas Jornadas sobre a Função Social do Museu e Atelier Internacional do MINOM, p. 171

XII Jornadas sobre a função social do museu. Nazaré, 2000, p. 173
XIII Jornadas sobre a função social do museu – Alcoutim 2001, p. 177
XIV Jornadas sobre a função social do museu – Ourém, 2002, p. 187
XVI Jornadas sobre a função social do museu Montalegre 2005, p. 191
XVII Jornadas sobre a função social do museu. S. Brás de Alportel – 2006, p. 199
XVIII Jornadas sobre a função social do museu Idanha-a-Nova – 2008, p. 203
XIX Jornadas sobre a Função Social do Museu Paços de Ferreira – 2009, p. 211
XII Atelier Internacional MINOM, Lisboa/Setúbal – 2007, p. 221

Museologia.pt, n.º 5, 2011

O 5.º número da museologia.pt referente ao ano de 2011, chega-nos na primavera de 2012. (sinal da crise?). Recorde-se que a revista é publicada anualmente desde 2007 (em versão impressa, mas tem os dois primeiros numeros totalmente disponíveis na internet: http://issuu.com/imc-ip/docs/museologia_n1), tutelada pelo Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) (Ministério da Cultura, Portugal), e dirigida (com muita competência) por Clara Frayão Camacho* desde o seu início.

Uma vez extinto o IMC, questiona-se a continuidade desta revista no futuro. Seja como for, a relevância de revistas com esta, sejam de perfil institucional, profissional ou académicas, são ferramentas imprescindíveis para a divulgação da actividade museologia em Portugal, cuja visibilidade se promove também através de espaços de reflexão crítica sobre as experiências e práticas museológicas.

Quanto a este (último?) número da revista (n.º 5), está organizado em 5 secções temáticas: projectos e experiências; Exposições; História e Memórias; Internacional; e Recensões.

Índice

 Apresentação, p. 7

Editorial, p. 8

PROJECTOS E EXPERIÊNCIAS

O património dos antigos hospitais de Lisboa: que fazer com esta herança?, Célia Pilão, p. 10

A área de conservação e restauro do Museu Nacional de Etnologia, Joana Amaral, p. 24

Acerca da sustentabilidade do Museu do Côa, Fernando Real, p. 34

A Casa da Freira do Arcano. De Casa a Museu: breve reflexão sobre uma experiência museológica, Mário Moura, p. 46

A parceria como forma de articulação dos museus da Rede Portuguesa de Museus, Jorge Alves dos Santos, p. 58

 EXPOSIÇÕES

Primitivos Portugueses (1450-1550). O século de Nuno Gonçalves, Sofia Lapa, p. 68

 HISTÓRIA E MEMÓRIAS

Entrevista a José Luís Porfírio, Margarida Lima de Faria, p. 80

DOSSIÊ MUSEUS NACIONAIS

Museus nacionais, um tópico necessário, Raquel Henriques da Silva e Clara Frayão Camacho, p. 86

O povo no museu, João Leal, p. 90

Museus nacionais: um olhar sobre o seu passado e presente, Manuel Bairrão Oleiro, p. 108

O Museu Nacional de Arte Antiga: necessidade da visão de um século, Paulo Henriques, p. 122

Mesa Redonda: vozes do terreno.  Vocações e missões dos museus nacionais, p. 134

INTERNACIONAL

Les musées nationaux et les usages du passé, Dominique Poulot, p. 166

Naciones y ficciones sobre los museos nacionales en España, p. 176

Amgueddfa Cymru – National museum wales: having the vision to face current challenges, Judith Ingram e David Anderson, p. 184

 RECENSÕES

Simon Knell  et alli (ed.) National Museums. New studies from around the world, Clara Frayão Camacho, p. 196

Françoise Cousin e Christian Pelras (dir.) Matières, manières et sociétés. Hommage à Hélène Balfet, João Azenha da Rocha e Daniela Araújo, p. 198

*Clara Frayão Camacho é Doutoranda em História/Museologia na Universidade de Évora (2010-2013). Mestre em Museologia e Património pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, com a dissertação Renovação Museológica e Génese dos Museus Municipais da Área Metropolitana de Lisboa (1974-90). Curso de pós-graduação em Museologia Social pela Universidade Autónoma de Lisboa “Luís de Camões”. Licenciada em História pela Faculdade de Letras de Lisboa. Docente do Mestrado em Museologia da Universidade de Évora, desde 2001. Subdirectora do Instituto Português de Museus/Instituto dos Museus e da Conservação (2005 a 2009). Coordenadora da Rede Portuguesa de Museus (2000 a 2005) e de Janeiro a Agosto de 2010. Dirigiu o Museu Municipal de Vila Franca de Xira (1985 a 2000). (fonte: site SIAM 2011)

Call for Papers: MIDAS – Museus e estudos interdisciplinares

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares está a aceitar artigos e recensões para o 1.º número que será publicado no último trimestre de 2012. O data limite é já dia 31 de março.

MIDAS é uma nova revista dedicada aos museus. É digital e semestral. Sobre a missão, gestão editorial e comité científico da revista consulte o site:http://revistamidas.hypotheses.org/) ou a página no facebook: https://www.facebook.com/revistamidas

Este “call for papers” não é temático. A revista aceita artigos que favoreçam a abordagem interdisciplinar e a problematização de temas no contexto do mundo dos museus, incluindo os seguintes domínios: Teoria dos Museus; Museus na Sociedade; Gestão de Museus; Conservação; Estudos de Públicos, Comunicação e Mediação; Políticas e Práticas de Exposição; Museus e Patrimónios; Novas Tecnologias; Arquitetura de Museus; História de Museus/Coleções; e Gestão de Coleções.

Submissão de artigos:
– português, espanhol, francês e inglês
– até 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 carateres (incluindo espaços)
– Microsoft Word, Times New Roman, 12
– Sistema Autor-Data do “Chicago Manual of Style”

Submissão de recensões:
– em português, espanhol, francês ou inglês
– publicações nacionais e internacionais (menos de 2 anos); e exposições
– até as 1500 palavras ou aproximadamente 10 000 carateres (incluindo espaços)
– Microsoft Word, Times New Roman, 12

Mais informação sobre as normas de publicação aqui: http://revistamidas.hypotheses.org/normas-de-publicacao

Os textos devem ser enviados para: revistamidas@gmail.com

MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares

MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares é uma nova revista de reflexão interdisciplinar de museologia, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. A revista assume uma abordagem internacional, privilegiando uma relação de proximidade e diálogo com os países de língua portuguesa e espanhola.

Para o primeiro número lançou-se uma chamada de artigos, aberta até 31 de Março de 2012. Este número não é temático, sendo possível submeter artigos nas várias áreas de investigação da museologia.

Sobre a revista:

A revista aceita artigos que favoreçam a problematização dos temas, transpondo diferentes disciplinas, territórios, perspetivas e visões em trabalhos de investigação de fertilização cruzada com fronteiras de contorno híbrido. Apresenta-se como espaço de questionamento não delimitador no qual o conhecimento é compreendido como sendo impermanente e aberto ao outro (Ler mais).

A revista é da responsabilidade editorial de Alice Semedo (Departamento de Ciências e Técnicas do Património da Faculdade de Letras da Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (CHAIA – Centro de História da Arte e Investigação Artística, Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Departamento de História Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras, Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e CIBIO), Raquel Henriques da Silva (IHA-Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora), na qualidade de editora assistente.

A revista tem também um Comité Científico, constituído por vários especialistas de reconhecido mérito nas mais diversas áreas de investigação da museologia. Cabe ao Comité Científico assegurar a arbitragem científica dos artigos, o que pressupõe que todos os artigos submetidos são analisados de forma anónima (pelo menos por 2 revisores).

Para a submissão de artigos tenha em conta as seguintes recomendações:

  • Artigos até 6 000 palavras ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços)
  • Recensões (livros ou exposições) até 1500 palavras ou aproximadamente 10 000 caracteres (incluindo espaços)
  • Artigos em Português, Inglês, Espanhol e Francês
  • Sistema Autor-Data do Chicago Manual of Style
(Ler mais sobre as normas de publicação aqui)

 

Data limite para a submissão de artigos e recensões: 31 de Março de 2012

Os artigos devem ser enviados por e-mail para Ana Carvalho: revistamidas@gmail.com

Para mais informações sobre a revista e as normas de publicação consulte: www.revistamidas.hypotheses.org

Museological Review, n.º 15 (2011)

Já se encontra disponível mais uma edição da “Museological Review” (n.º 15, 2011). Para quem não conhece é um jornal online editado pelos estudantes de PhD do departamento de museum studies da universidade de Leicester (Inglaterra). Apresenta sobretudo os resultados da investigação desenvolvida pelos estudantes desta universidade, mas também inclui artigos de académicos como Eiliean Hooper-Greenhill, Susan Pearce, entre outros. A revista existe desde 1994. Pretende ser anual, mas tem tido uma cadência irregular. Quase todos os números estão disponíveis aqui.

Museological Review, n.º 15, 2011

Alguns dos textos apresentados no simpósio ‘Materiality and Intangibility’, que decorreu em Leicester em 2009 estão incluídos neste número. No geral os artigos são diversos e reflectem a interdisciplinaridade da museologia actual. Este número conta com uma participação portuguesa, Tânia da Fonte.

Conteúdos:

Professor Susan Pearce Foreword: Materiality and Intangibility: Contested Zones

Jenniefer Gadsby The Effect of Encouraging Emotional Value in Museum Experiences

Magnus Gestsson and Serena Iervolino Interpreting Art in the Public Sphere: the Ways Display Locations and Strategies Affect the Meaning of an Artwork

Helen Saunderson Intangible Material: Interventionist Art Works

Mary Lester, Joanna Marchant, Ellie Miles and Kathrin Pieren ‘My London’: Exploring Identities Through Audience Participation and Critical Consumption

Robyn McKenzie From the Contested Zone: String Figures in the Museum

Tânia da Fonte Geo-archaeological Research: from ‘Drawing a Triangle’ to Three Dimensions

Catherine Moore The Material in the Immaterial – The Powell-Cotton Oukwanyama Film Archive and some Contemporary Material Responses among the Community it Depicts

Rebecca Wade The Boundaries of Knowability: Using the Archive to Reconstruct the 1839 Leeds Public Exhibition

J2 ‘In the Fold’ Imagining Words and Image

Muséologies Les cahiers d’études supérieures, Vol. 5 No. 1

No passado dia 16 de Novembro foi lançado mais um número da revista candadiana “Muséologies Les cahiers d’études supérieures”. A revista foi criada em 2006 pela “Faculté des arts de l’Université du Québec (Montréal), e em particular pelo “programme d’études supérieures en muséologie”. Tem por objectivo divulgar os trabalhos de investigação dos estudantes de mestrado e doutoramento. Inclui em cada número entevistas a personalidades de relevo no sector museológico.

Mais em: http://museologies.org/

Le volume 5, numéro 1 (automne 2010)

Le numéro de l’automne 2010 de Muséologies regroupe des articles de Francine Couture, Anne Bénichou, Véronique Rodriguez, Alain Depocas et deux jeunes chercheures, Justine Lebeau et Mélanie Lord. Réunis autour de la problématique de la variation des œuvres au sein des collections muséales, les textes font état des questionnements que soulèvent la réexposition, la réactualisation et la pérennité des œuvres contemporaines. Deux entrevues collaborent au même titre que les articles à enrichir la réflexion sur les modes de collectionnement: la première avec Christian Bernard, directeur du Musée d’art moderne et contemporain de Genève (Mamco), et la seconde avec Richard Gagnier, chef du service de restauration du Musée des beaux-arts de Montréal.

Variabilité, identité spécifique et numérique des œuvres contemporaines
par Francine Couture

La réexposition d’œuvres contemporaines sous la forme de la présentation de nouveaux exemplaires physiques d’une œuvre conçue pour être unique questionne les notions de variabilité, d’identité spécifique et numérique de l’œuvre d’art. Dans cet article, Couture étudie trois cas de figure propres à cette réalité : la production d’une réplique ou d’une copie d’exposition, l’exposition d’un élément d’une œuvre, non pas comme un fragment, mais comme une œuvre autonome, et enfin l’exemple particulier de l’actualisation d’un énoncé verbal qui est porteur des valeurs d’unicité et de singularité attribuées à l’œuvre d’art. Elle conclut qu’il en résulte une transformation de l’institution muséale et de l’artiste engendrant notamment une redéfinition des rôles de chacun.

Des espaces monographiques au sein des collections muséales: déléguer ou produire une pensée et une pratique critiques de la collection ?
par Anne Bénichou

L’objectif principal de cet article est d’évaluer si l’acquisition d’espaces monographiques dédiés à des artistes permet de pallier certaines limites des modes de collection traditionnels des musées d’art moderne et contemporain. L’auteure distingue deux cas de figure. Dans le premier, le musée délègue entièrement à l’artiste la conception et le fonctionnement de son espace monographique. Celui-ci est dès lors traité comme une œuvre autonome à inscrire dans la collection, sans forcément en redéfinir les modalités. Dans le deuxième, l’institution travaille en étroite collaboration avec l’artiste, l’espace monographique devenant un lieu d’expérimentation artistique et muséologique qui génère une pensée et des pratiques critiques de collection.

La collection muséale et la variabilité de l’oeuvre: échantillon de pratiques et rôle de l’artiste
par Véronique Rodriguez

Pour de nombreux artistes, les années 1960 marquent un tournant dans leur pratique au cours duquel ils choisissent de délaisser les médias de création traditionnels : gravure, peinture ou sculpture pour se tourner vers de nouveaux médiums au caractère variable : la performance, l’installation ou la vidéo. L’entrée de ces œuvres dans les collections muséales entraîne son lot de changements. En analysant et comparant les pratiques au sein de deux institutions nationales, l’une au Québec (MBAQ) et l’autre en Suisse (Mamco), Rodriguez démontre que l’authenticité de l’œuvre ne repose plus uniquement sur sa matérialité, mais bien sur l’intention de l’artiste, devenue une valeur culte.

Conception d’une base de données de recherche sur des cas de variations d’oeuvres d’art
par Mélanie Lord et al.

À l’aide de tableaux, de figures, de diagrammes ainsi que d’exemples précis, Mélanie Lord, en collaboration avec Anne Bénichou, Francine Couture, Alain Depocas, Richard Gagnier, Justine Lebeau et Véronique Rodriguez, expose les grandes étapes d’idéation, de conception et de fonctionnement d’une base de données. Réalisé spécifiquement afin de colliger les données recueillies dans le cadre d’une étude portant sur les œuvres variables, cet outil de travail – tel que démontré dans cet article – a également eu des répercussions sur le travail du groupe, en les obligeant à adopter une typologie commune, et en forçant tous les membres de l’équipe à préciser les critères de leur recherche.

Entretiens
Anne Bénichou et Francine Couture nous présentent le directeur du Mamco à Genève, en Suisse, Monsieur Christian Bernard. Il a conçu un musée unique où les expositions évoluent constamment et où les collections s’inscrivent dans l’actualité par des stratégies de collectionnement qui favorisent les ensembles monographiques au détriment de l’échantillonnage habituel. Bernard a développé pour son institution un système d’expositions en “changement continu” donnant à voir les œuvres et les stratégies expositionnelles, et où la collaboration de l’artiste aux transformations de l’espace muséal métamorphose le concept même de l’institution muséale.

Justine Lebeau est allée à la rencontre de Richard Gagnier, chef du service de restauration du Musée des beaux-arts de Montréal qui nous présente les défis posés par la mutation de la matérialité de l’art contemporain. Gagnier nous présente comment l’évolution des protocoles de conservation a mené à une nouvelle définition de la notion d’authenticité. En s’appuyant notamment de cas de figures tel que les installations et les œuvres allographiques, il fait état du type d’analyse et des procédés mis en œuvre pour assurer leur intégrité et leur pérennité.

Les auteurs

Francine Couture est professeure d’histoire de l’art à l’Université du Québec à Montréal et directrice du projet de recherche Réexposition, réactualisation et pérennité des œuvres contemporaines. Elle a coordonné la publication de ces livres : Les arts visuels au Québec dans les années soixante; La reconnaissance de la modernité ; Les arts visuels au Québec dans les années soixante L’éclatement du modernisme et Exposer l’art contemporain du Québec.

Anne Bénichou est professeure d’histoire et de théorie de l’art à l’École des arts visuels et médiatiques de l’Université du Québec à Montréal. Ses travaux portent, notamment sur les archives, les formes mémorielles et les récits historiques issus des pratiques artistiques contemporaines et des institutions chargées de les préserver et de les diffuser. Elle a dirigé l’ouvrage collectif Ouvrir le document qui vient de paraître aux éditions Les presses du réel.

Véronique Rodriguez est professeure d’histoire de l’art au Collège Ahuntsic et professeure associée à l’Université du Québec à Montréal. Ses recherches portent surtout sur la sculpture et l’installation, les pratiques d’atelier et d’exposition de l’art contemporain.

Alain Depocas dirige le Centre de recherche et de documentation (CR+D) de la fondation Daniel Langlois. Diplômé en histoire de l’art à l’Université de Montréal, il a travaillé comme documentaliste au Musée d’art contemporain de Montréal ainsi qu’à titre de responsable du site Internet de la Médiathèque du MACM. Il a aussi codirigé le Réseau des médias variables dans le cadre d’un partenariat avec le Guggenheim et a été le directeur de la recherche de DOCAM

Justine Lebeau termine actuellement une maîtrise en études des arts à l’Université du Québec à Montréal portant sur la réactualisation des collections fermées. Depuis 2008, elle assume le poste d’auxiliaire de recherche pour une étude présidée par Francine Couture portant sur la réexposition, la réactualisation et la pérennité des œuvres contemporaines. En 2009, elle participe également à la recherche pour le Modèle Documentaire développé par DOCAM à la Fondation Daniel Langlois.

Mélanie Lord détient un baccalauréat en arts visuels, et poursuit actuellement un doctorat en informatique cognitive à l’Université du Québec à Montréal portant sur la recherche et la diffusion de l’information dans les réseaux sociaux virtuels. Elle fait partie du groupe de recherche Millefeuille qui s’intéresse aux réseaux socio-sémantiques et participe à une recherche en psychologie qui étudie la structure des dictionnaires et le problème de l’ancrage des symboles.

Lançamento revista MUSA, vol III, 13 Nov. 2010

No próximo dia 13 de Novembro (sábado) será lançado o III volume da Publicação Cultural do Distrito: “MUSA. MUSEUS, ARQUEOLOGIA & OUTROS PATRIMÓNIOS”, editada pelo Fórum Intermuseus do Distrito de Setúbal (FIDS) e Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal (MAEDS).

Local: Museu Agrícola da Atalaia (38º 42’ 29.61’’ N; 8º 55’ 23.92’’ O), Quinta Nova da Atalaia (concelho Montijo).

13 Novembro, 16h30

Iniciativa conjunta do MAEDS e da Câmara Municipal do Montijo

“Trata-se de um volume com o dobro das páginas (294 pp.) do volume anterior, com excelente apresentação gráfica, e conteúdos originais, que vai querer ler, consultar, ter na sua estante, partilhar com familiares e amigos e até mesmo oferecer como presente natalício. Terá a oportunidade de adquiri-lo por um preço muito especial praticado apenas no dia do lançamento.” (nota de imprensa MAEDS)

Índice MUSA, III

Entrada livre.

Oferta de uma prova de vinhos da Cooperativa Agrícola de Santo Isidro de Pegões.

Fonte: MAEDS