Arquivo da Categoria: Museology Thesis

Novo título da coleção “Estudos de Museus” é dedicado à acessibilidade e inclusão

 

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte é o sétimo volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Patrícia Roque Martins apresentada à Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa em 2014 (orientação de Fernando António Baptista Pereira).

Será lançado no próximo dia 12 de Setembro (terça-feira) no Museu Nacional do Azulejo (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Fernando António Baptista Pereira.

Na Europa do século XXI, a inclusão das pessoas com deficiência na sociedade constitui um dos assuntos da atualidade. Participação social, igualdade de oportunidades e ações anti-discriminação são as principais orientações que incorporam o discurso político para o desenvolvimento de ambientes sem barreiras. O modelo social da deficiência é o marco teórico que tem reconfigurado a perspetiva da deficiência e assinalado o impacto da sociedade e dos diversos agentes na qualidade de vida das pessoas com deficiência. Que função têm os museus no processo global da inclusão? Como podem os museus garantir o acesso físico, informativo e educativo? Que práticas em museus podem levar à transformação social?

Este livro explora a função dos museus na inclusão social das pessoas com deficiência, abordando vias possíveis de interação com estes públicos. São apresentados diferentes níveis de acesso que integram as circunstâncias implicadas no relacionamento entre museus e pessoas com deficiência. São dados a conhecer programas inclusivos desenvolvidos em museus com coleções de artes plásticas no contexto internacional, nomeadamente em Londres, Nova Iorque e São Paulo. São também assinaladas algumas iniciativas promovidas em Portugal.

A partir de três estudos de caso, desenvolvidos pela autora no Museu Calouste Gulbenkian-Coleção Fundador e Coleção Moderna com grupos de pessoas com deficiência intelectual, pessoas com deficiência visual e pessoas da comunidade Surda, é evidenciado o potencial dos museus e da arte para gerar novas compreensões da deficiência na sociedade. Os testemunhos pessoais das pessoas envolvidas evocam novas vias de aproximação entre as coleções dos museus de arte e as pessoas com deficiência, reconhecendo a sua capacidade para influir no desenvolvimento de novas identidades sociais.

Patrícia Roque Martins (n. 1979) é doutorada em Belas-Artes (2015), mestre em Museologia e Museografia (2008) e licenciada em História, variante de Historia da Arte pela Universidade de Lisboa (2001). Atualmente é investigadora do CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» da Faculdade de Letras da Universidade do Porto onde desenvolve o projeto de pós-doutoramento “A Representação da Deficiência na Coleções da DGPC: discurso, identidades e sentido de pertença”, com uma Bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia, com o acolhimento da Universidade do Porto e da Direção-Geral do Património Cultural. Colaborou com a Casa-Museu Anastácio Gonçalves e com o Museu Calouste Gulbenkian-Coleção Fundador na produção e concetualização de materiais educativos para pessoas com deficiência visual (2012). Foi membro fundador da Acesso Cultura (2013). Organizou o Encontro Internacional “A Representação da Deficiência em Museus, Imaginários e Identidades” (2017). Tem desenvolvido atividades de formação profissional sobre as acessibilidades e a deficiência para profissionais de museus e estudantes de museologia. Tem participado em conferências, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas e Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

7 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – OS MUSEUS E A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE: QUE RELAÇÕES E IMPACTOS

19 |CAPÍTULO 1 – A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE: PARA UMA ABORDAGEM SOCIAL DA DIVERSIDADE
21| Perspetivas da deficiência/incapacidade no contexto internacional
34 | Deficiência ou incapacidade? Repensar o significado da deficiência
42 | Perspetivas da deficiência/incapacidade em Portugal                        
56 | A representação cultural da deficiência/incapacidade na sociedade

81 | CAPÍTULO 2 – OS MUSEUS E A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE SOB O SIGNO SOCIAL
83 | O museu pós-moderno: novas funções e perspetivas sociais da museologia
111 | Acessibilidades em museus
121 | Acessibilidade física
131 | Acessibilidade da informação
153 | Acessibilidade das atitudes
168 | “Programas de Acesso” para públicos com deficiência/incapacitados. Práticas internacionais
191 | Os museus e os acessos dos públicos com deficiência/incapacitados em Portugal

209 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO: ESTRATÉGIAS INCLUSIVAS APLICADAS NO MUSEU CALOUSTE GULBENKIAN-COLEÇÃO FUNDADOR E COLEÇÃO MODERNA

211 | CAPÍTULO 1 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL. “ESTOU A ADORAR A MINHA VIDA!”
213 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e pessoas com deficiência intelectual. Proposta de um percurso e instrumentos multissensoriais de acesso
227 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida com as pessoas com deficiência intelectual e seus resultados

261 | CAPÍTULO 2 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL. “[IR AO MUSEU] FEZ-ME LEMBRAR QUANDO AINDA VIA…”
263 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e pessoas com deficiência visual. Proposta de um percurso e recursos de acesso
280 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida
com pessoas com deficiência visual e seus resultados

307 | CAPÍTULO 3 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS SURDAS. “ACHAM QUE EU SOU DEFICIENTE?”
309 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e as pessoas da comunidade Surda. Proposta de um percurso mediado por uma pessoa Surda
                                                            317 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida com pessoas Surdas e seus resultados

333 | CONCLUSÕES

344 | Notas
350 | Siglas
351 | Bibliografia
358 | Índice remissivo
366 | Agradecimentos

 

Publicado novo volume de Ensaios e Práticas em Museologia

ensaios-e-praticas 05

Encontra-se publicado o 5.º volume (exclusivamente digital) de Ensaios e Práticas em Museologia. Com edição da Universidade do Porto, este volume reúne e divulga textos dos alunos de mestrado desta universidade. Num esforço de empoderamento dos alunos, a edição deste volume é partilhada por Paula Menino Homem, actualmente a coordenar o mestrado em Museologia, e por três alunas: Ana Themudo, Elisa Freitas e Manuela Restivo. Para além dos artigos, este volume introduz duas novas secções: um espaço para recensões críticas e outro para entrevistas. A série “Ensaios e Práticas em Museologia” teve início em 2011, sob a coordenação de Alice Semedo.

Encontra-se disponível em: http://ler.letras.up.pt

Conteúdos

Apresentação |  5

Ana Themudo
O novo estado artístico do Porto entre 1933 e 1974 | 10

Débora Fernandes
Gestão de risco de incêndio. Criação de parcerias sinérgicas no contexto dos museus universitários | 27

Elisa Freitas
Objetos [com] textos? | 40

Joana Ramos
Alienação em contexto patrimonial: Objeto museológico como artefacto ou recurso financeiro – dilemas na preservação, organização e orientação coesa de acervos | 56

Liliana Aguiar
A aliação de projetos de medição patrimonial em museus: O caso do projeto “Ver, Tocar e  Sentir a Maia” do Museu de História e Etnologia da Terra da Maia | 75

Maria Manuela Restivo
Têxteis do Sudeste Asiático da coleção da Faculdade de Letras da Universidade do Porto | 96

Recensão crítica

Susana Rosmaninho
15a Bienal de Arquitetura de Veneza: “Reporting from the front” (ou a consciência social dos
arquitetos) | 114

Entrevista

Entrevista a Luís Raposo, presidente do International Council of Museums – Europe Alliance (ICOM) – Europe | 123

Diversidade Cultural e Museus no Séc. XXI: O Emergir de Novos Paradigmas

MWC Risk Zones - vista global da exposição 2011

Carvalho, Ana. 2015. Diversidade Cultural e Museus no Séc. XXI: O Emergir de Novos Paradigmas. Doutoramento em História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia, Universidade de Évora. http://hdl.handle.net/10174/17778

Júri: José Alberto Machado – presidente – (Universidade de Évora); Marta Lourenço (Museu da Ciência da Universidade de Lisboa); José Sobral (Instituto Ciências Sociais, Universidade de Lisboa); Alice Semedo (Universidade do Porto); Ema Pires (Universidade de Évora), Jorge Freitas Branco (ISCTE); Filipe Themudo Barata (Universidade de Évora) – orientador -; Fátima Nunes (Universidade de Évora) – co-orientadora -; Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) – co-orientador.

Disponível no repositório da Universidade de Évora:

Resumo:

Este estudo estabelece uma análise comparativa entre três museus com colecções etnográficas: dois museus no contexto internacional: o Museum of World Culture, em Gotemburgo, e o World Museum Liverpool, e, em Portugal, o Museu Nacional de Etnologia. Na era da globalização, o multiculturalismo e a preservação da diversidade cultural representam novos desafios para os museus, em particular para os etnográficos. Não se trata só de conhecer o “Outro”, que está no centro dos museus tradicionais, mas de uma nova perspectiva sobre a diversidade, que se desenvolve também nas nossas sociedades, com as comunidades de imigrantes, que implica que o “Outro” ou “Outros” passaram a fazer parte de “nós”. Diante da emergência de novos paradigmas, este estudo procura reflectir sobre os desafios contemporâneos de uma museologia mais representativa, inclusiva e participativa. Com base na investigação realizada, concluiu-se que, pese embora as diferenças de percurso e de contexto institucional e as diferentes circunstâncias nas quais se enquadram, os três museus reconhecem a alteração do seu papel em função das mudanças sociodemográficas das sociedades em que estão inseridos, todavia, as respostas são variáveis quanto à sua operacionalização nas práticas museológicas.

Cultural Diversity and Museums in the 21st Century: Emerging New Paradigms

Abstract: This study establishes a comparative analysis between three museums with ethnographic collections: two of these museums are in the international museum scene (Museum of World Culture, in Gothenburg, and the World Museum Liverpool) and one museum in Lisbon, the National Museum of Ethnology. With globalization, multiculturalism and the preservation of cultural diversity represents new challenges for museums, especially ethnographic museums. It’s not just about knowing the “other”, which is at the center of traditional museums, it’s about a new perspective about diversity, which is being developed in our societies with the immigrant communities, meaning that the “other” is now part of “us”. Taking in consideration the emerging of new paradigms, this study reflects on the contemporary challenges of a more representative, inclusive and participatory museology. This research revealed that in spite of the differences between the case studies, the three museums recognized that their role is challenged by sociodemographic changes within the societies they operate, however different perspectives are developed.

“Arquitecturas da cultura” de Nuno Grande

Gulbenkian

Fundação Calouste Gulbenkian © Ana Carvalho

Grande, Nuno. 2009. Arquitecturas da Cultura: Política, Debate, Espaço: Génese dos Grandes Equipamentos Culturais da Contemporaneidade Portuguesa. Tese de doutoramento em Arquitectura (Teoria e História da Arquitectura), Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra. Disponível na íntegra em: http://hdl.handle.net/10316/11786.

Nesta dissertação Nuno Grande (Universidade de Coimbra) escreve sobre a história das políticas culturais na perspectiva da criação dos equipamentos culturais que marcaram a paisagem portuguesa nas últimas décadas. O Museu Calouste Gulbenkian, o Centro de Arte Moderna da mesma Fundação (Lisboa); o Centro Cultural de Belém (Lisboa); e o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (Porto) são os quatro estudos de caso em análise nesta tese de doutoramento.

Resumo: Esta dissertação desenvolve uma análise sobre o recente protagonismo dos Grandes Equipamentos Culturais na afirmação política, cultural e social, das cidades e da sua arquitectura, no quadro da cultura urbana ocidental e, particularmente, da portuguesa. Essa análise, desenvolvida de forma evolutiva, parte da constatação de que uma nova “geo-política” da Cultura – aqui entendida como política e prática de poder – se foi afirmando na Europa, entre o II pós-Guerra e o final do século XX; isto é, entre a democratização e a modernização encetadas pelos Estados-providência, nas décadas de 50 e 60, e a Globalização dos sistemas políticos, económicos e culturais do fim-de-século, passando ainda pela “viragem” pós-moderna gerada no seio da “contracultura” circa 68, mas também, no universo neo-liberal e conservador da década de 80. No caso português, essa leitura tem em conta o desfasamento histórico gerado pela longa manutenção política do regime do Estado Novo, pela conquista tardia de muitos direitos sociais após a Revolução de 25 de Abril de 1974, mas também pela necessária contemporização cultural com o resto da Europa, após a adesão do país à CEE, em 1985. A dissertação pretende assim demonstrar como ao longo dessa relação sequencial entre política cultural, debate interdisciplinar e espaço arquitectónico, se foram definindo, em diversos sentidos e tempos, novas “arquitecturas da Cultura”; mas também, como, em Portugal, estas arquitecturas se colocaram, precisamente, no centro de um ”curto-circuito” – conceito resgatado ao sociólogo Boaventura de Sousa Santos – entre uma modernização tardia e a aceitação inadiável de valores de aculturação pós-modernos, na Arte, na Cultura e na Sociedade. Nessa demonstração, utilizam-se quatro casos-de-estudo, situados em Portugal – a Sede e Museu Calouste Gulbenkian (Lisboa, 1959-1969); o Centro de Arte Moderna da mesma Fundação (Lisboa, 1979-1983); o Centro Cultural de Belém (Lisboa, 1989-1993); e o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (Porto, 1994-1999) – instituições e arquitecturas lançadas no âmbito de políticas e práticas culturais temporalmente precisas, cuja génese acompanhou e corporizou, década-a-década, não apenas a descrita evolução internacional, como também esse “curto-circuito” histórico tão distintivo da contemporaneidade Portuguesa.

Abstract: This essay analyses the recent role of the so-called Great Cultural Institutions within the political, social and cultural affirmation of cities and their architecture, in what concerns Western urban cultures and, specifically on the Portuguese context. On a chronological stand, this analysis accepts that a new “geopolitics” of Culture – understood in the frame of politics and practises of power – has emerged in Europe, between the second post-war period and the end of the XX century; that is, between the Welfare State democratization and modernization process, in the 50’s and 60’s, and the political, economical and cultural Globalization, at the end of the century, as well as considering the post-modern “turn” generated amongst “counter-cultural” movements circa 1968, but also amongst neo-liberal and conservative inputs during the 80’s. In the Portuguese situation, this analysis enhances the historical gap generated by the country’s long political dictatorship (the Estado Novo regime), the delayed conquest of several social rights post-Revolution of April 25th, 1974, but also the recent cultural acceleration to cope with other European societies, especially after the country joined the EEC, in 1985. This essay aims, thus, to demonstrate how this sequential relation between cultural politics, interdisciplinary debate and architectural space, has generated, in many senses and periods, new “Architectures of Culture”; but also, how these architectures placed themselves inside a kind of “short circuit” – evoking an idea by Boaventura de Sousa Santos – established between a delayed Modernization and an inevitable insertion within Postmodern values, in Art, Culture and Society. This demonstration is applied to four Portuguese case studies – the Museum Headquarters of the Calouste Gulbenkian Foundation (Lisbon, 1959-1969); the Modern Art Centre at the same institution (Lisbon, 1979-1983); Belém Cultural Centre (Lisbon, 1989-1993); and Serralves Contemporary Art Museum (Porto, 1994-1999) – institutions and architectures erected in the scope of timely cultural politics and practices, which reflect not only that international evolution, decade-after-decade, but also the above mentioned historical “short circuit” so distinctive of contemporary Portugal.

Perspectivas da Conservação Preventiva

imagem de figura no interior da tese

imagem de figura no interior da tese 

Homem, Paula Menino. 2013. Corrosão Atmosférica da Prata: Monitorização e Perspetivas de Conservação Preventiva. Tese de doutoramento em Museologia, Universidade do Porto. Disponível na integra no repositório da Universidade do Porto.

Defendida há pouco mais de um ano, destacamos a tese de doutoramento de Paula Menino Homem no âmbito da conservação preventiva. Professora na Universidade do Porto, onde é directora do curso de mestrado em museologia, Paula Menino Homem concluiu com esta tese uma etapa de um trabalho de vários anos. Tratou-se de uma investigação aplicada visando um melhor entendimento do processo de corrosão atmosférica conducente ao escurecimento dos artefactos em prata, para sua prevenção.

Resumo: A corrosão atmosférica da prata e suas ligas conduz ao seu escurecimento e constitui um problema, com especial interesse para o impacte no setor do património cultural. Neste contexto, estudou-se o processo, com o objetivo de melhor o entender e perspetivando a sua prevenção. Considerou-se a prata pura (Ag 999‰) e a liga conhecida por prata portuguesa ou esterlina (Ag 925‰). Numa primeira fase, investigou-se o seu comportamento recorrendo a ensaios laboratoriais em atmosferas controladas de NaCl e de H2S, permitindo testar a aplicação de diferentes técnicas de monitorização e análise, obter referenciais relativos a produtos de corrosão e estabelecer parâmetros para sua identificação, através de microscopia eletrónica de varrimento acoplada à microanálise por raios X, voltametria cíclica e de varrimento linear e espetroscopia de fotoeletrões de raios X. O recurso a câmara fotográfica digital como colorímetro tristimulus e ao programa Adobe Photoshop®, explorando o sistema CIELab, revelou-se simples e eficiente na monitorização das alterações colorimétricas. Estudou-se caso aplicado a espaços naturalmente ventilados, de exposição em ambiente não confinado/confinado em vitrina, ambos na Catedral do Porto. Usaram-se amostradores metálicos para mimetizar e investigar reações dos artefactos, em função de condições ambientais sazonais e de exposição anual. O processo revelou-se complexo, influenciado pelas condições termohigrométricas e pela qualidade do ar, tendendo a desacelerar com o tempo. Dele, sobressaem a presença e reações de partículas salinas, mormente cloretos e sulfatos. A Ag 925‰ manifestou-se mais reativa que a Ag 999‰. Detetaram-se óxidos e cloretos de prata e óxidos, hidróxidos, cloretos e hidroxicloretos de cobre. Sulfuretos de prata, só após exposição anual, maioritariamente na Ag 999‰ e em contextos não dominados por cloretos, mas por partículas de sulfatos, em especial de amónio.

Abstract: The atmospheric corrosion of silver and its alloys leads to its tarnishing and is a problem, with particular interest for the impact in the cultural heritage sector. In this context, the process was studied, aiming its better understanding and envisaging its prevention. Pure silver (Ag 999‰) and the alloy known as Portuguese or Sterling silver (Ag 925‰) were considered. In a first stage, its behavior was investigated by means of laboratory essays with controlled atmospheres of NaCl and H2S, allowing to test the application of different monitoring and analysis techniques, to obtain referential concerning corrosion products and setting parameters for their identification by scanning electron microscopy coupled with X-ray microanalysis, cyclic and linear sweep voltammetry and X-ray photoelectron spectroscopy. The use of a digital still camera as a tristimulus colorimeter and Adobe Photoshop® software, exploring the CIELab system, proved to be simple and efficient in monitoring colorimetric alterations. A case has been studied, applied to naturally ventilated exhibition spaces, not confined/confined to showcase, both in Porto Cathedral. Metal samplers were used to mimic and investigate reactions of artifacts, in function to seasonal environmental conditions and annual exposure. The process proved to be complex, influenced by thermohygrometric conditions and air quality, tending to slow down with time. From it, the presence and reactions of salt particles, mainly chlorides and sulphates, stand out. The Ag 925‰ is more reactive than Ag 999‰. The corrosion products detected were silver oxides and chlorides and copper oxides, hydroxides, chlorides and hydroxichlorides. Silver sulphides were detected only after one year exposure, mainly in the Ag 999‰ and in contexts not dominated by chlorides, but by particles of sulphates, especially ammonium.

 

UNESCO, Património Cultural Imaterial e Museus

capa museus e pci

 

Porque falamos hoje de Património Cultural Imaterial? No momento em que Portugal acaba de receber da UNESCO uma distinção relativamente ao Cante Alentejano, colocando-o na lista de manifestações culturais de carácter universal (é já a terceira, depois do Fado e da Dieta Mediterrânica), faz sentido voltar a fazer referência ao livro “Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias Para o Desenvolvimento de Boas Práticas” (2011, publicado pela Universidade de Évora e pelas edições Colibri, com o apoio da Fundação para a Ciência a Tecnologia).

Este livro esclarece sobre a importância que a salvaguarda do Património Cultural Imaterial tem vindo a assumir nas políticas culturais na sequência do trabalho desenvolvido pela UNESCO, muito particularmente com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003). São vários os agentes envolvidos na preservação deste património, nomeadamente os museus. Mas para responder a este repto, os museus terão que repensar as suas estratégias de forma a relacionar-se mais com esta dimensão do património, contrariando uma longa tradição profundamente enraizada na cultura material. Este estudo reflecte sobre as possibilidades de actuação dos museus no sentido de dar resposta ao desafios da Convenção de 2003, sendo certo que a partir das actividades dos museus é possível encontrar formas de estudar e de dar visibilidade ao património (material e imaterial).

«Consideramos o livro de Ana Carvalho uma obra oportuna e de utilidade para nos inteirarmos do reconhecimento institucional e legal do denominado Património Cultural Imaterial (PCI) e do domínio da ação patrimonial que se lhe associa (ultrapassando tendencialmente o campo de investigações de antropólogos e de sociólogos) e que, entre múltiplos questionamentos, se tem convencionado, como no caso português, reportar principalmente aos museus. […]
[…] este livro serve também para nos ajudar a analisar e a refletir criticamente sobre a relação da instituição museal com o património – sabendo-se que poucos dispõem dos recursos necessários à interação com as comunidades, autênticas protagonistas das manifestações culturais e detentoras do património cultural a salvaguardar – num desejável sentido vivenciado e na ótica da sua transmissão ativa, que verdadeiramente possa contribuir para a diversidade e a criatividade cultural.» (Graça Filipe)

«A autora avança com uma exposição realista das dificuldades que acometem muitos museus e que não favorecem a atuação pretendida em relação ao PCI, das quais destacamos: a ausência de uma alusão ao PCI na missão da maioria dos museus, resultado de um trabalho tradicionalmente centrado nas coleções; os recursos humanos, técnicos e financeiros limitados; risco de cristalização de um património por natureza, vivo e dinâmico, pela sua sujeição a procedimentos técnicos de inventário já normalizados mas vocacionados para bens materiais; necessidade de formação específica; e recorrência da distância entre os museus e as comunidades […]» (Ana Botas, in revista MIDAS)

«Cet ouvrage est très utile pour donner à la fois l’histoire et le contenu de tout le mouvement relativement récent (années 2000) de prise en compte du patrmoine immatériel dans la définition du patrimoine global des territoires et des populations et dans les pratiques des musées. Ana Carvalho y présente à la fois la “doctrine” de l’Unesco et des organisations internationales, et sa mise en pratique au Portugal.» (Hugues de Varine, 2012)

No blogue sobre o livro encontra acessível o texto de introdução do livro, entre outras informações: http://pcimuseus.wordpress.com/

O livro pode ser adquirido directamente através do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora (Madalena Freire: mvfreire@uevora.pt). O livro está também disponível para venda nas lojas dos museus nacionais ou por via das edições Colibri, da Bertrand, da Almedina, da Wook (livraria portuguesa online, grupo Porto Editora), entre outras.

****

ÍNDICE

Resumo
Abstract
Agradecimentos
Prefácio, por João Carlos Brigola
Apresentação, por Filipe Themudo Barata
Lista de Abreviaturas
Introdução

Capítulo I – Contribuições da UNESCO para a Protecção do Património Cultural Imaterial

1.1 – As Primeiras Décadas de Reflexão
1.2 – A Recomendação para a Salvaguarda da Cultura Tradicional e do Folclore
1.3 – Acções da UNESCO após a Recomendação de 1989
1.3.1 – O Programa Línguas em Perigo no Mundo
1.3.2 – O Programa Tesouros Humanos Vivos
1.3.3 – Proclamação das Obras-Primas do Património Oral e Imaterial da Humanidade
1.4 – Propriedade Intelectual e Direitos de Autor
1.5 – Elaboração de um Novo Instrumento Normativo
1.6 – A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Capítulo II – Portugal: Enquadramento Normativo e Institucional em matéria de Património Cultural Imaterial

2.1 – Legislação Nacional sobre Património Cultural Imaterial
2.2 – Instituições e Tutelas
2.3 – Ratificação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Capítulo III – Os Museus e o Património Cultural Imaterial – que estratégias

3.1 – Orientações do ICOM
3.2 – Dificuldades e Potencialidades
3.3 – Que Museus?
3.4 – Qual o Papel dos Museus?
3.5 – Inventário e Documentação
3.5.1 – Que Tipologias de Inventários?
3.5.2 – O Papel da História Oral
3.6 – Investigação
3.7 – Exposições
3.8 – Educação
3.9 – Novas tecnologias

Conclusão
Bibliografia

A Evolução da Zoologia e dos Museus de História Natural em Portugal

Tropenmuseum - história natural

Ceríaco, Luís. 2014. A Evolução da Zoologia e dos Museus de História Natural em Portugal. Tese de doutoramento em História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia, Universidade de Évora. Tese defendida a 20 de Outubro. Júri: José Alberto Machado, Fátima Nunes, Pedro Sousa Dias, Ana Cardoso Matos, João Brigola, Luís António Vicente, Paulo Oliveira e Luís Alfredo Baratas Díaz.

Resumo:

Os estudos zoológicos modernos e o estabelecimento de coleções de história natural no país remontam à segunda metade do século XVIII e mantiveram-se ao longo do século XIX e XX até aos dias de hoje. O seu desenvolvimento terá sido influenciado por circunstâncias políticas, económicas e sociais, que ora os estimularam, ora os retraíram. No entanto, desde a fundação de Real Gabinete de História Natural da Ajuda por Domingos Vandelli e da adoção do sistema lineano, à fama internacional da secção Zoológica do Museu Nacional de Lisboa dirigida por Barbosa du Bocage, o país manteve-se sempre a par das ideias e teorias modernas, adotando práticas comuns e contribuindo direta ou indiretamente para o conhecimento da fauna principalmente de origem ibérica, africana e brasileira. As coleções para além de resultado direto do esforço colecionista, e base material para a investigação de então, mantêm-se ainda hoje como um importante património histórico-científico a preservar.

The Evolution of Zoology and Natural History museums in Portugal

Abstract:

Modern zoological studies and the establishment of natural history collections in Portugal date back to the second half of the eighteenth century, and have run through the nineteenth and twentieth centuries to the present day. Their development has been influenced by political, economical and social circumstances, that either stimulated them or not. However, since the foundation of the Ajuda Royal Cabinet of Natural History by Domingos Vandelli, to the international prestige of the National Museum of Lisbon Zoological Section directed by Barbosa du Bocage, the country has remained abreast of the modern theories and ideas, adopting common practices and directly or indirectly contributing to the knowledge of Iberian, Brazilian and African faunas. Further from being the result of collecting efforts and being the material base to past investigations, the collections remain today as an important historical and scientific heritage to be preserved.

Mineralogia, Geologia, Metalurgia e Arte de Minas no Ensino Industrial na Cidade do Porto (1864-1974)

imagem em que se vê uma mesa de trabalho com vários objectos e prateleiras

Espaço Museológico de Mineralogia e Geologia do Instituto Superior de Engenharia do Porto  © Patrícia Costa, 2012

Costa, Patrícia. 2014. Mineralogia, Geologia, Metalurgia e Arte de Minas no Ensino Industrial na Cidade do Porto (1864-1974). Tese de doutoramento em Geologia, Especialidade de História e Metodologia das Ciências Geológicas, apresentada à Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra; disponível: https://estudogeral.sib.uc.pt/jspui/handle/10316/23768

Destacamos a tese de Patricia Costa, uma tese no âmbito da história e que inclui um enfoque sobre as colecções do Instituto Superior de Engenharia do Porto. Como sublinha a autora: […] «com mais de 160 anos de história, o Instituto Superior de Engenharia do Porto e os seus diversos acervos (museológico, documental e bibliográfico) são uma referência incontornável para a compreensão da evolução do ensino na cidade do Porto e em Portugal.»

Resumo:

A dissertação aqui apresentada debruça-se sobre a temática do ensino da Mineralogia, da Geologia, da Metalurgia e da Arte de Minas no Instituto Industrial do Porto, desde 1964 até 1974, nas suas várias vertentes: cursos, professores, disciplinas (ensino teórico e prático) e coleções museológicas.

Com esta investigação procuramos analisar o desenvolvimento do estudo destas áreas do saber na Escola do Porto e o seu eventual contributo para o progresso científico e tecnológico em domínios aplicados à indústria, incluindo a extrativa e a de transformação de matérias-primas de origem geológica.

O ensino industrial em Portugal foi sofrendo diversas alterações estruturais e programáticas, que acompanharam sucessivas políticas decretadas pela tutela, mas também os avanços científicos e tecnológicos que se foram registando nesta área, durante mais de 160 anos. Após um tímido dealbar do desenvolvimento industrial e do ensino prático e aplicado, fomentados pela visão reformista do Marquês de Pombal, figura chave da tutela entre 1750 e 1777, os governantes da primeira metade do séc. XIX não souberam dirigir de forma eficaz o seu esforço, chegando o País a meados de oitocentos sem uma indústria modernizada e a laborar em pleno e sem operários qualificados para tal. Sucessivos períodos de conflito e de forte instabilidade política também a isso ajudaram.

Com a criação do Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria em 30 de Agosto de 1852, no âmbito da Regeneração, iniciou-se novo período de desenvolvimento significativo da economia nacional, tendo como grande interveniente Fontes Pereira de Melo. Anteriormente, com as reformas que se seguiram ao advento definitivo do Liberalismo, já haviam sido criadas algumas escolas vocacionadas para fornecer uma formação profissionalizante.

Foi, porém, em finais de 1852 que ocorreu o verdadeiro arranque do ensino industrial em Portugal. Conhecedores da realidade industrial nacional e, em especial, da cidade do Porto, os dirigentes da Associação Industrial Portuense anteciparam-se ao governo e criaram a sua própria escola industrial, denominada Escola Industrial Portuense, em Novembro de 1852. Contudo, a intervenção estatal não tardou, oficializando o ensino industrial com o Decreto de 30 de Dezembro de 1852, através do qual se criaram o Instituto Industrial de Lisboa e a Escola Industrial do Porto.

A primeira reforma globalizante do ensino industrial, em 1864, marcou uma viragem importante neste nível de instrução. A escola do Porto passou a denominar-se de Instituto Industrial, tal como a de Lisboa, sendo introduzidas novas áreas do saber nos currículos (disciplinas de Mineralogia, de Geologia, de Metalurgia e de Arte de Minas), novos cursos (Condutores de Minas, professado em três anos, 1ª classe, e quatro anos, 2ª classe) e estabelecimentos auxiliares de ensino (laboratórios e gabinetes). A formação dos alunos passou a ser composta por uma vertente teórica complementada por uma outra com caráter prático e experimental. No período estudado, foram vários os docentes responsáveis por estas disciplinas. Distinguimos António Ferreira Girão, Manuel Rodrigues Miranda Júnior, José Diogo Arroyo, Roberto Bellarmino do Rosário Frias, Celestino Maia ou Artur Mendes da Costa, como alguns dos mais importantes dinamizadores destas áreas na Escola, durante o período em estudo. As cadeiras sofreram várias reformas e alterações consoante o desenvolvimento tomado pelo ensino industrial e as próprias necessidades da indústria contemporânea. Obviamente que estes fatores influenciaram os conteúdos programáticos das mesmas, alterando, igualmente, a sua denominação ao longo dos tempos. Inicialmente a cadeira da área apenas contemplava a Arte de minas, a Docimasia e a Metalurgia.

Com a reforma de 1886 introduziram-se conteúdos de Mineralogia e Geologia nos planos de curso, mantendo um trajeto separado até 1974. Os manuais recomendados também foram fonte de referência para entendermos as teorias adotadas e a influência exercida pela escola francesa e suas traduções. A prática estava associada aos gabinetes e laboratórios onde eram realizadas experiências e outros trabalhos, não esquecendo as visitas de estudo efetuadas com objetivo dos alunos tomarem conhecimento da realidade industrial da época. O primeiro estabelecimento auxiliar de ensino a ser criado para estas áreas foi o Gabinete de Mineralogia, seguindo-se o Gabinete de Arte de Minas, o Laboratório Metalúrgico e o Gabinete de História Natural. Para uma aprendizagem mais eficaz, o ensino prático era ministrado com base em espécimes, modelos, instrumentos, quadros parietais e mapas, adquiridos maioritariamente no estrangeiro, em casas comerciais especializadas de renome internacional como Les Fils de Émile Deyrolle (Paris), F. Krantz (Bona), Theodor Gerdorf (Freiberg) ou J. Digeon (Paris), permitindo traçar a história da aprendizagem e da didática das Ciências Geológicas e das Engenharias de Minas e Metalúrgica associadas à história do ensino industrial em Portugal.

Em suma, a presença deste tipo de coleções denota um conhecimento científico elevado e uma partilha de ideias e técnicas, o que permitiu a um País como Portugal desenvolver o ensino industrial tendo como referência os países tecnicamente mais desenvolvidos como Inglaterra, França ou Alemanha.

A criação do ensino industrial em Portugal constituiu, assim, um importante passo no desenvolvimento do País, numa época em que a indústria e as vias de comunicação estavam em pleno crescimento e, com uma maior facilidade de deslocação, a partilha de conhecimentos se tornava inevitável. Desde modo, e já com mais de 160 anos de história, o Instituto Superior de Engenharia do Porto e os seus diversos acervos (museológico, documental e bibliográfico) são uma referência incontornável para a compreensão da evolução do ensino na cidade do Porto e em Portugal.

Credenciação, Sistemas e Redes Nacionais de Museus

Imagem da defesa

Defesa doutoramento Clara Frayão Camacho, 8 Julho 2014, Universidade de Évora © Ana Carvalho

Camacho, Clara Frayão. 2014. Credenciação, Sistemas e Redes Nacionais de Museus: Uma Panorâmica Europeia Contemporânea. Tese de doutoramento em História, Universidade de Évora.

Júri: Augusto Santos Silva (Universidade do Porto); Maria Bolaños (Museu Escultura de Valadollid); Fernando António Baptista Pereira (FBArtes/Universidade de Lisboa); Filipe Themudo Barata (Universidade de Évora) e orientadores: João Brigola (Universidade de Évora) e Raquel Henriques da Silva (FCSH/UNL); tese defendida a 8 de Julho de 2014. Disponível na íntegra no repositório da Universidade de Évora: http://hdl.handle.net/10174/11718

Resumo:

Ao longo das últimas décadas, a criação de medidas dirigidas à melhoria dos museus tem sido constante, entre as quais sobressai a credenciação de museus e a organização destas instituições em sistemas e em redes, realidades que só pontualmente têm sido alvo da investigação académica.

Esta tese explora as relações entre a credenciação, os sistemas e as redes de museus num conjunto de países europeus no arco cronológico compreendido entre 1985 e 2010. A primeira data foi definida em função da criação do Sistema Espanhol de Museus e dos trabalhos preparatórios do esquema britânico de credenciação, coincidindo a segunda com o arranque da investigação. Escolhidos em função de critérios geográficos, históricos e museológicos, os países estudados foram os seguintes: Espanha, França, Irlanda, Itália, Letónia, Países Baixos, Polónia, Portugal e Reino Unido.

A investigação teve como principal objetivo contribuir para a identificação, a caracterização, a sistematização e o aprofundamento do conhecimento sobre estes temas na Europa. Assumindo uma natureza exploratória, efetuou-se o levantamento dos sistemas de credenciação e dos sistemas e redes nacionais de museus dos países selecionados; identificou-se e sistematizou-se os processos de criação e o seu historial; caracterizou-se as linhas de ação, o funcionamento e a gestão; comparou-se objetivos, medidas e resultados. A concretização destes propósitos foi viabilizada pelo uso conjugado de metodologias de investigação próprias da História e de outras Ciências Sociais, designadamente a pesquisa documental e o trabalho de campo, incluindo visitas aos países estudados e a realização de entrevistas.

A abordagem histórica evidenciou o balanço entre as influências externas e internas na origem dos sistemas de credenciação, sendo as últimas determinantes na individualização de cada um. A difusão da credenciação no espaço europeu ocorreu em processos múltiplos de contaminação, se bem que as influências do modelo britânico tenham sido preponderantes. A perspetiva temporal evidenciou ainda a coexistência de ciclos longos de gestação da credenciação e processos de curta duração noutros contextos nacionais. De forma generalizada, observou-se entroncamento da credenciação, dos sistemas e das redes de museus na oficialização ou na expansão das respetivas políticas públicas.

A comparação demonstrou a existência de semelhanças institucionais, funcionais, patrimoniais e sociais, a despeito da variabilidade dos conceitos de museu e dos contextos administrativos. O exercício comparativo pôs em causa a perspetiva dicotómica do ICOM quanto à divisão entre países que se regem por sistemas de credenciação e por leis de museus, evidenciando sistemas híbridos que assentam formalmente em legislação mas integram padrões e requisitos idênticos às diretrizes dos sistemas sem força de lei. Quanto às relações entre credenciação, sistemas e redes de museus, a investigação mostrou que, no universo estudado, apenas na Letónia, na França e em Portugal o conjunto de museus credenciados coincide oficialmente com a principal rede nacional de museus, verificando-se na maioria dos restantes países a formação de redes temáticas e/ou geográficas infranacionais.

(Fonte: Clara Frayão Camacho)

Museus do norte e turismo cultural

Ponte, António. 2014. O Contributo dos Museus do Norte de Portugal para uma Dinamização do Turismo Cultural. Tese de doutoramento em Museologia, Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Tese defendida a 17 de fevereiro de 2014.

António Ponte, actualmente à frente da Direcção Regional de Cultura do Norte, é o autor de um estudo sobre turismo e museus. O seu enfoque centra-se nos museus a norte. Reconhecendo a necessidade de uma maior articulação entre o sector do turismo e os museus, António Ponte, sublinha: «Se o turismo deverá conhecer as unidades museológicas que poderão enriquecer e valorizar a atividade, também os museus deverão encetar um processo de adaptação das suas estruturas, no sentido de se afirmarem como uma verdadeira oferta no domínio do turismo.» (p. 328). Leia mais sobre as conclusões deste estudo no repositório da Universidade do Porto.

****

Resumo:

Desde sempre os museus estiveram ligados ao ato de viajar. Se num primeiro momento, as viagens permitiram a constituição de grandes coleções, hoje, as viagens representam um dos principais mercados das instituições museológicas.

Os museus procuram desenvolver-se, organizar atividades e promover-se nos novos suportes comunicacionais digitais, potenciando a sua divulgação universal.

O turismo e o turismo cultural têm vindo a afirmar-se como uma das principais atividades económicas, nomeadamente nos locais onde o setor produtivo tradicional começa a entrar em decadência absoluta.

Os projetos culturais têm-se transformado em atividores de regeneração urbana sendo possível observar-se hoje grandes dinâmicas turístico-culturais a partir de museus, unidades patrimoniais e megaeventos, que têm suscitado o interesse por locais como Londres, Barcelona, Paris, entre muitos outros.

A região Norte de Portugal tem observado, nos últimos anos, fruto de circunstâncias diversas, um aumento do número de turistas, todavia, este movimento não se reflete em toda a dimensão territorial, mas, antes, em pontos muito circunscritos, como a cidade do Porto, o Douro, Braga e Guimarães.

Com um potencial ímpar ao nível das estruturas patrimoniais, museus e monumentos, a região Norte necessita equacionar um novo modelo de desenvolvimento turístico, alavancando o desenvolvimento regional integral a partir da valorização e promoção das unidades patrimoniais existentes.

Sendo os museus, na sua maioria, de pequena ou muito pequena dimensão, é necessário equacionar novos modelos de gestão, onde o estabelecimento de parcerias, a fusão de museus e uma gestão articulada com outros bens será essencial para que o património cumpra a sua verdadeira função, deixando de ser considerado acessório para assumir o seu papel de atividade e âncora do desenvolvimento da região.

Abstract:

Museums have since always been linked to the act of travelling. If at first, the travels permitted the creation of large collections, today they represent one of the main markets of museum institutions.

The museums seek to evolve, organising activities and promoting themselves on the new digital media communication, enhancing universal dissemination. Tourism and cultural tourism have been asserting themselves as one of the main economic activities, namely in places where the traditional productive sector begins to enter absolute decadence.

The cultural projects have been transformed into activators of urban regeneration whereby today it is possible to observe large cultural and touristic dynamism, from museums, property units and mega events, which have sparked interest for locations such as London, Barcelona, Paris, among many others.

The Northern region of Portugal has experienced in recent years, and due to various circumstances, an increase in the number of tourists, however, this movement is not reflected in the entire territorial dimension, instead, in very circumscribed spots such as the city of Porto, the Douro, Braga and Guimarães.

With the huge potential of the structural heritage, museums and monuments, the Northern region needs to equate a new model of tourism development, leveraging its development through the appreciation and promotion of the existing patrimony units.

As the museums are mostly of small or very small dimension, it is necessary to equate new management models, where establishing partnerships, merging of museums and articulate management of other assets, will be essential to ensure heritage fulfils its true function, thus assuming an active role and anchor in the region’s development, and no longer being considered a mere accessory.

Museus de Arqueologia e práticas educativas

Museu do Vale do Côa  © Ana Carvalho, 2012

Museu do Vale do Côa © Ana Carvalho, 2012

Antas, Mário. 2014. A Comunicação Educativa como Factor de (re)valorização do Património Arqueológico: Boas Práticas em Museus de Arqueologia Portugueses. Tese em museologia, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

Mário Antas (Museu Nacional de Arqueologia) na sua tese de doutoramento fez uma análise comparativa de boas práticas no âmbito educativo em sete museus de arqueologia: Museu Nacional de Arqueologia, no Museu Monográfico de Conímbriga, no Museu do Vale do Côa, no Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado do Vale do Tejo, no Museu da Associação dos Arqueólogos Portugueses e no Museu Geológico. A tese está acessível aqui.

****

Resumo:

No presente trabalho de investigação procuramos analisar a comunicação educativa como factor de (re)valorização do património arqueológico através de exemplos de boas práticas em museus de arqueologia portugueses.

No enquadramento teórico e metodológico aplicado à tese, descrevemos a arquitectura conceptual e os conceitos estruturantes (comunicação, educação, comunicação educativa e boas práticas educativas em museus, revalorização do património arqueológico e museus de arqueologia). Criámos um novo modelo de estudo, que denominados de museologia arqueológica participativa, baseado na sociomuseologia e nos princípios da musealização da arqueologia e da transversalidade do Património arqueológico.

A museologia arqueológica participativa visa a construção de estratégias de comunicação e de ambientes de aprendizagem expressas em acções comunicativas e educativas no sentido de tornar os visitantes participativos, através da mediação, da museografia e dos recursos museográficos. Assim, o objectivo final passa por tornar o museu num centro de aprendizagem e participativo onde os visitantes possam fazer os seus próprios caminhos de aprendizagem e de produção de conhecimento.

Elaboramos uma análise reflexiva sobre história dos Museus de Arqueologia. Analisamos a evolução de conceitos e tipologias dos museus de arqueologia. Identificamos vários tipos de espaços museológicos de arqueologia e procedemos ao seu recenseamento até 2013.

A nível das estratégicas de comunicação educativa, efectuamos uma investigação comparativa entre as estratégias de comunicação educativa presenciais e a distância utilizadas nos museus de arqueologia.

Por último, identificámos e procedemos a uma análise comparativa de boas práticas de comunicação educativa em museus arqueológicos portugueses. Assim, para além da mais-valia dessas boas práticas, apontamos o caminho para que as mesmas se articulem em rede. Só assim, as boas práticas podem passar da excepção para a regra e contribuírem de uma forma assertiva para a (re)valorização do património arqueológico envolvendo os visitantes e respectivas comunidades, ou seja, devolvendo o património participado como memória colectiva à própria sociedade.

Ensaios e Práticas em Museologia 03

Ensaios e Práticas em Museologia

© Filipe Couto e Sandra Senra

Semedo, Alice, Filipe Couto, Paulo Rodrigues, e Sandra Senra, ed. 2013. Ensaios e Práticas em Museologia. Vol. 3. Porto: Universidade do Porto/Faculdade de Letras/Departamento de Ciências e Técnicas do Património. 159 páginas, ISBN: 978-972-8932-82-4. URL: ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/11607.pdf.

Dando continuidade a uma linha editorial iniciada em 2011, acaba de publicar-se o terceiro número de “Ensaios e Práticas em Museologia”, uma edição da Universidade do Porto. Trata-se de uma colectânea de 10 artigos de alunos de mestrado desta universidade. Os temas são os mais diversos, espelhando também os olhares múltiplos que a museologia pode convocar. Esta publicação não só consolida o percurso de formação em museologia iniciado no Porto, como promove a capacitação dos alunos através da divulgação dos seus estudos e sua iniciação em formatos ditos científicos. Os alunos não só participaram com artigos, como também a alguns deles se deve o arranjo gráfico e a co-edição.

Os três números estão disponíveis para descarregar livremente aqui: http://ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id03id1356&sum=sim

****

Conteúdos:

Apresentação
Alice Semedo, Filipe Couto, Paulo Rodrigues, Sandra Senra

Novos desafios, novas conquistas: renovação do Serviço Educativo do Museu Marítimo de Ílhavo
Ana Nunes

Gestão e qualidade em museus
Daniela Ferreira

O Museu como fator de desenvolvimento regional: o impacto económico do museu
Emanuel Guimarães

Exposição
Filipe Couto

Biografia(s) da coleção de vidro do Museu Nacional de Machado de Castro ou Sobre o Claro-Escuro das Coisas
Helena Pereira

Reflexos do Mestrado em Museologia: 10 iniciativas culturais no Museu Municipal de Arouca
João Duarte

Entre oportunidade e novidade: Manuel Coelho Baptista de Lima e o património açoriano
Maria Ribeiro

A mina [ainda] trabalha
Pedro Araújo

O Museu d’Art Contemporani de Barcelona e o seu Projeto 2.0
Sandra Senra

Na rota de Domingos Rebelo
Telma Silva

Monchique – Identidade e Património: estratégias para o desenvolvimento local

Monchique © Patrícia Batista

Fóia – Monchique © Patrícia Batista

Batista, Patrícia (Junho 2013) – Monchique – Identidade e Património: estratégias para o desenvolvimento local. Trabalho de projecto em museologia submetido no âmbito do curso de museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Filipe Themudo Barata (orientador) e José Manuel Mascarenhas (arguente).

Patrícia Batista (Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira), autora deste estudo, apresenta como projecto a possibilidade de se criar em Monchique um ecomuseu que possa contribuir para o desenvolvimento local. A provar que os ecomuseus permanecem ainda com fulgor como propostas possíveis de dinamização do património. Pode consultar outros trabalhos de Patrícia Batista aqui.

****

Resumo:

A partir de uma abordagem territorial, ancorada em conceitos da nova museologia e da ecomuseologia, e recorrendo à comparação com algumas experiências museológicas de reconhecimento nacional e internacional, apresenta-se uma das leituras possíveis do património de Monchique através de um novo olhar sobre o mesmo, no qual o património cultural desempenha um importante contributo para o desenvolvimento local.

A intervenção proposta consiste na criação de um ecomuseu neste território, que contribua para o desenvolvimento integrado da sua comunidade, através do reconhecimento e valorização do seu património. Toda a proposta de acção do ecomuseu centra-se na mediação entre a comunidade e o seu património. O ecomuseu será o reflexo dessas escolhas e tomadas de decisão, enquanto parte integrante do processo social do meio em que se insere.

****

Monchique – Identity and Heritage: Strategies for local development

Abstract:

From a territorial approach, anchored in modern museology and ecomuseology concepts and through comparison both national and international museological experiences, I present one of the possible actions by adopting a new approach and looking at Monchique heritage from a new perspective in which the cultural heritage plays a important role in the development of the local environment.

The proposed intervention consists of the creation of an ecomuseum in the local environment that contributes to the integrated development of the community through recognition and appreciation of their heritage. All of the proposed ecomuseum actions will focus on the interaction between the community and its heritage. The ecomuseum will reflect these choices and decision making, as part of the process of the social environment in which it operates.

Fonte: Informação enviada pela autora

As Máscaras Bigajó do Museu Nacional de Etnologia

Museu Nacional de Etnologia # 2013 © Ana Carvalho

Museu Nacional de Etnologia # 2013 © Ana Carvalho

Botas, Ana (2013). As Máscaras Bigajó do Museu Nacional de Etnologia. Questões em torno da informatização do inventário de coleções. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova. Trabalho de projecto em museologia. Júri: Joaquim Pais de Brito (orientador), Raquel Henriques da Silva (co-orientadora), Alice Semedo (aguente), entre outros. Tese defendida a 15 de Julho de 2013.

****

Resumo: Este trabalho de projeto pretende ser um exercício de reflexão em torno da documentação de coleções etnográficas a partir das questões que se levantam na informatização do inventário museológico das máscaras bijagó (Guiné-Bissau) do acervo do Museu Nacional de Etnologia (MNE). A sua maior parte foi adquirida por Victor Bandeira em finais dos anos de 1960 e início de 1970 no Arquipélago dos Bijagós, juntando-se a estas outras adquiridas por quem cujo percurso também se cruzou com a história do museu e constituição das suas coleções.

Do ponto de vista antropológico aquelas são testemunhos dos processos de construção de identidade entre os Bijagós e inscrevem nos seus portadores, no caso dos homens, a figuração da sua posição social na hierarquia da aldeia; no caso das mulheres, uma ligação privilegiada ao mundo espiritual. As performances em que participam e nas quais se combinam dança, música e canto são a face mais visível de um princípio reconhecido por todos como garante do equilíbrio coletivo.

A reduzida informação das fichas de inventário destes objetos contrasta com a que a instituição promoveu e detém, através das exposições que realizou, dos catálogos que publicou, da documentação fotográfica e iconográfica que foi reunindo; e com o conhecimento já produzido por investigadores, alguns deles considerando os próprios objetos desta coleção.

A relevância destes decorre da informação que dispomos sobre eles, nomeadamente do conhecimento do seu contexto de uso e das circunstâncias da sua aquisição, pelo que este trabalho propõe o tratamento integrado de toda a informação disponível e de outra surgida durante o processo de pesquisa, com vista à sua associação ao inventário. Este é também um exercício de reflexão sobre as inevitáveis limitações dos sistemas de documentação museológicos e condicionantes humanas e técnicas que eles comportam, tendo como premissa que quanto mais alargada for a informação, mais diversificadas poderão ser as perspetivas de conhecimento que estes sistemas poderão apoiar e suscitar.

****

Bijagó masks of the Museu Nacional de Etnologia. Issues around the informatization of the inventory of museum collections.

Abstract: This research project aims to be an exercise of reflection on the documentation of ethnographic collections after the issues raised by the informatization of the Bijagó masks (Guinea-Bissau) of the collection of the Museu Nacional de Etnologia (MNE). Most of it was acquired by Victor Bandeira in the late 1960s and early 1970s in the Bijagó archipelago, along with others acquired by people whose paths also crossed the history of this museum and the shaping of its collections.

From the anthropological point of view these masks are testimonies of the processes of identity construction among the Bijagós and inscribe in their bearers, in the case of men, the figuration of their position in the social hierarchy of the village; in the case of women, their privileged connection to the spiritual world. The performances in which they take part combining dance, music and singing are the most visible part of a principle recognized by all as the guarantee of the collective balance.

The limited information from the inventory cards contrasts with what the museum has produced and promoted, through exhibitions, catalogs, photographic and iconographic documentation, and with the knowledge produced by researchers, some of them considering the very objects of this collection.

The objects relevance results from the information we have about them, including their function in the original context and the circumstances of its acquisition, so this project proposes the combined treatment of all available data and of other emerged during the research process, seeking its integration in the inventory. This is also an opportunity to think about the inevitable limitations of the museum registration systems and the human and technical constraints they have, with the premise that the more wide the information may be, the more diverse will be the knowledge perspectives it may support and raise.

(Fonte: informação enviada pelo autora)

Museologia segundo Rivière

Georges Henri Riviere

“Georges Henri Rivière sur les toits du Trocadéro en démolition”, 2e quart 20e siècle, Ph.1986.11.157, Collection Leroux et autres © MUCEM – Musée des Civilizations de la Europe et de la Méditerranée, Marselha

de la Rocha Mille, Raymond. 2011. Museums without walls: the museology of Georges Henri Rivière. Doctoral thesis, Department of Cultural Policy and Management, City University London, London. Disponível na íntegra aqui: http://openaccess.city.ac.uk/2154/ 

O francês Georges Henri Rivière (1897-1985) tornou-se uma figura mítica da museologia. As suas contribuições no âmbito da antropologia francesa e dos museus são um facto inegável. Esteve ligado ao Museu de Etnografia do Trocadéro (desde 1928) e depois ao Museu do Homem. É também o mentor do Museu Nacional das Artes e Tradições Populares (Paris), que  começou a ser pensado nos anos 30 e reclamava a ideia de museu laboratório, um museu fortemente ancorado na documentação e investigação no terreno a par com a actividade museológica. Foi o director do Conselho Internacional de Museus entre 1948-1965 e consultor de vários projectos museológicos. O seu papel para a definição do “ecomuseu” é também um marco na história da museologia (veja-se aqui as gravações de Rivière sobre a definição de ecomuseu nos anos 70 e 80).

O reconhecimento da sua importância para a museologia comprova-se pelos vários estudos já realizados. O mais recente é uma tese de doutoramento inglesa, que analisa a sua trajectória e o impacto que teve para a museologia.

Sobre a relação de Rivière com Portugal veja-se, por exemplo,  a pesquisa de Sofia Lapa (2009; 2011) que dá conta da participação de Riviére, como consultor, na definição do programa museológico do Museu Calouste Gulbenkian a partir de finais de 1958. No anos 70, Rivière volta a Portugal a convite da Secretaria de Estado do Ambiente, também na qualidade de consultor, mas no contexto da possibilidade de se criar uma rede de ecomuseus nos Parques Naturais (cf. Camacho 1999, 125-132).

****

Referências e leituras adicionais:

Camacho, Clara. 1999. “Renovação Museológica e Génese Dos Museus Municipais Da Área Metropolitana de Lisboa: 1974-90”. Dissertação de Mestrado em Museologia, Lisboa: Universidade Nova de Lisboa.

Gorgus, Nina. 2003. Le Magicien Des Vitrines: Le Muséologue Georges Henri Rivière. Paris: Editions de la Maison des Sciences de L’Homme.

La Muséologie selon Georges Henri Rivière: cours de muséologie: textes et témoignages. 1989. Paris: Dunod.

Lapa, Sofia. 2009. “Para Que (nos) Serve o Museu? A Génese Do Museu Calouste Gulbenkian”. Dissertação de Mestrado em Museologia, Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Lapa, Sofia. 2011. “Georges-Henri Rivière Na Génese Do Museu Calouste Gulbenkian. Contributos para o Estudo da Colaboração entre o Museólogo Francês e a Fundação Calouste Gulbenkian.” Revista de História Da Arte (8): 89–109. Resumo disponível aqui.

****

Museums without walls: the museology of Georges Henri Rivière

Conteúdos:

Chapter 1: Introduction
Chapter 2: Who was Georges Henri Rivière?
Chapter 3: Rivière’s conception of popular culture
Chapter 4: International museological environment
Chapter 5: International Modernization of museums
Chapter 6: The myth of primitivism as project of cultural regeneration
Chapter 7: The museography of the Rivet-Rivière Musée-Laboratoire
Chapter 8: Museology without walls: exhibitions and holidays for all
Chapter 9: From open-air museums to ecomuseology
Chapter 10: Ecomuseums and new museology movements
Chapter 11: The curse of the house of Rivière
Chapter 12: Final fulfillment of Rivière’s museology
Chapter 13: Conclusions
Appendix I: Text of Georges Henri Rivière’s’ recent interdisciplinary experiences in France in museums, parks and ecomuseums’ at the Smithsonian Institute, 10 October 1978, Unpublished video tape
Appendix II: The proposed 6 volume UNESCO treatise of museology