Arquivo de etiquetas: Adelaide Duarte

Novo título da colecção “Estudos de Museus” conta a história dos antecedentes do Museu Nacional de Arte Antiga

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu é o oitavo volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento de Emília Ferreira apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2010 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

Será lançado no próximo dia 21 de Novembro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Antiga (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de António Filipe Pimentel.

****

Durante várias décadas do século XIX, as elites portuguesas reclamaram a organização, em Lisboa, de um Museu Nacional de Belas Artes. A sua concretização teimou em tardar. Até que, em 1881, um convite para a realização de uma exposição de arte ornamental Portuguesa e Espanhola num museu de Londres levou a comissão portuguesa envolvida na organização a pensar repetir e ampliar a iniciativa em Lisboa. Sonhava-se já com a instalação subsequente do museu, mas nem por isso a exposição foi considerada como um mero degrau para esse velho sonho. Pelo contrário: todos os pormenores da sua organização foram pensados com rigor e a ambição de se fazer o melhor que se sabia.

A 12 de janeiro de 1882, o Palácio Alvor abria as portas à Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental Portugueza e Hespanhola. Primeira exposição em Portugal (e uma das primeiras do mundo) a contar com iluminação elétrica, catálogo com ilustrações e até um volume de fototipias da autoria de Carlos Relvas, envolveu a cidade e o país num momento de entusiasmo cultural. Inaugurada nesse frio dia de inverno, com pompa e circunstância, e contando com a presença dos reis de Portugal e de Espanha, a exposição viu ampliadas as festas às ruas de Lisboa e ao Tejo.

Os trabalhos da comissão organizadora, liderada por Delfim Guedes, proporcionaram à imprensa nacional uma apaixonada discussão sobre arte e cultura, algo inédito entre nós, e contribuíram para o conhecimento internacional da arte nacional.

Quando encerrou as suas portas ao público, em junho desse ano, a exposição tinha sido vista por várias dezenas de milhar de visitantes, transformando-se na primeira iniciativa block buster em Portugal. Dois anos depois, o Palácio Alvor abriria as suas portas ao Museu Nacional de Bellas Artes e Archeologia, atual Museu Nacional de Arte Antiga. É a história desse que, até prova em contrário, permanece o mais notável acontecimento cultural do século XIX no nosso país, que aqui se conta.

Emília Ferreira (Lisboa, 1963) é licenciada em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é mestre e doutora em História da Arte Contemporânea pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Historiadora de Arte e autora de ficção, é investigadora integrada do Instituto de História da Arte (Universidade Nova de Lisboa), na linha Museum Studies, e investigadora associada aos projetos Social Sciences and Humanities Research Council (SSHRC) Connections Grant – “Gender Justice, Adult Education and Curatorial Dreaming: A Workshop and Exhibition” (University of Victoria, British Columbia, Canadá) e SSHRC Insight Grant – (En)Gendering New Narratives, Representations and Pedagogies: A Feminist Study of Adult Education and Exhibitory Praxis in Public Museums in Canada, Europe and the USA (University of Victoria, British Columbia, Canadá).

Curadora de exposições de artes plásticas e educadora, é colaboradora do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, desde 1997, e membro da equipa da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, desde 2000.

Desenvolve investigação sobre museologia, museografia e cultura, o ensino artístico, os museus e as artes, na época contemporânea, questões de género; expressões e diversidade do desenho na arte contemporânea, curadoria e educação pela arte.

Tem organizado e participado em conferências e colóquios em Portugal e no estrangeiro e publicado artigos nas diversas áreas de interesse. Publicou várias dezenas de textos críticos e entrevistas sobre arte e artistas, nacionais e estrangeiros. Tem-se dedicado também à divulgação de temas culturais para o grande público, destacando-se o recente trabalho Guias de Museus, realizado para o Diário de Notícias (2017).

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados sete volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, e Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: Após o lançamento o livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

 

****

ÍNDICE

Introdução

Capítulo I – Londres, 1881. Conhecer e reconhecer as artes ornamentais peninsulares e antecedentes de uma exposição

Capítulo II – A Península Ibérica em Londres. Bastidores e imagem de uma exposição

Capítulo III – A preparação da Exposição de Lisboa. Portugal em vias de se apresentar “desassombradamennte perante a Europa”

Capítulo IV – Sobe o pano. Lisboa em festa

Capítulo V – Antes de fechar as portas

Conclusão

Bibliografia

Índice remissivo

Agradecimentos

 

Novo título da coleção “Estudos de Museus” é dedicado à acessibilidade e inclusão

 

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte é o sétimo volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Patrícia Roque Martins apresentada à Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa em 2014 (orientação de Fernando António Baptista Pereira).

Será lançado no próximo dia 12 de Setembro (terça-feira) no Museu Nacional do Azulejo (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Fernando António Baptista Pereira.

Na Europa do século XXI, a inclusão das pessoas com deficiência na sociedade constitui um dos assuntos da atualidade. Participação social, igualdade de oportunidades e ações anti-discriminação são as principais orientações que incorporam o discurso político para o desenvolvimento de ambientes sem barreiras. O modelo social da deficiência é o marco teórico que tem reconfigurado a perspetiva da deficiência e assinalado o impacto da sociedade e dos diversos agentes na qualidade de vida das pessoas com deficiência. Que função têm os museus no processo global da inclusão? Como podem os museus garantir o acesso físico, informativo e educativo? Que práticas em museus podem levar à transformação social?

Este livro explora a função dos museus na inclusão social das pessoas com deficiência, abordando vias possíveis de interação com estes públicos. São apresentados diferentes níveis de acesso que integram as circunstâncias implicadas no relacionamento entre museus e pessoas com deficiência. São dados a conhecer programas inclusivos desenvolvidos em museus com coleções de artes plásticas no contexto internacional, nomeadamente em Londres, Nova Iorque e São Paulo. São também assinaladas algumas iniciativas promovidas em Portugal.

A partir de três estudos de caso, desenvolvidos pela autora no Museu Calouste Gulbenkian-Coleção Fundador e Coleção Moderna com grupos de pessoas com deficiência intelectual, pessoas com deficiência visual e pessoas da comunidade Surda, é evidenciado o potencial dos museus e da arte para gerar novas compreensões da deficiência na sociedade. Os testemunhos pessoais das pessoas envolvidas evocam novas vias de aproximação entre as coleções dos museus de arte e as pessoas com deficiência, reconhecendo a sua capacidade para influir no desenvolvimento de novas identidades sociais.

Patrícia Roque Martins (n. 1979) é doutorada em Belas-Artes (2015), mestre em Museologia e Museografia (2008) e licenciada em História, variante de Historia da Arte pela Universidade de Lisboa (2001). Atualmente é investigadora do CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» da Faculdade de Letras da Universidade do Porto onde desenvolve o projeto de pós-doutoramento “A Representação da Deficiência na Coleções da DGPC: discurso, identidades e sentido de pertença”, com uma Bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia, com o acolhimento da Universidade do Porto e da Direção-Geral do Património Cultural. Colaborou com a Casa-Museu Anastácio Gonçalves e com o Museu Calouste Gulbenkian-Coleção Fundador na produção e concetualização de materiais educativos para pessoas com deficiência visual (2012). Foi membro fundador da Acesso Cultura (2013). Organizou o Encontro Internacional “A Representação da Deficiência em Museus, Imaginários e Identidades” (2017). Tem desenvolvido atividades de formação profissional sobre as acessibilidades e a deficiência para profissionais de museus e estudantes de museologia. Tem participado em conferências, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados seis volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas e Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

7 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – OS MUSEUS E A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE: QUE RELAÇÕES E IMPACTOS

19 |CAPÍTULO 1 – A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE: PARA UMA ABORDAGEM SOCIAL DA DIVERSIDADE
21| Perspetivas da deficiência/incapacidade no contexto internacional
34 | Deficiência ou incapacidade? Repensar o significado da deficiência
42 | Perspetivas da deficiência/incapacidade em Portugal                        
56 | A representação cultural da deficiência/incapacidade na sociedade

81 | CAPÍTULO 2 – OS MUSEUS E A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE SOB O SIGNO SOCIAL
83 | O museu pós-moderno: novas funções e perspetivas sociais da museologia
111 | Acessibilidades em museus
121 | Acessibilidade física
131 | Acessibilidade da informação
153 | Acessibilidade das atitudes
168 | “Programas de Acesso” para públicos com deficiência/incapacitados. Práticas internacionais
191 | Os museus e os acessos dos públicos com deficiência/incapacitados em Portugal

209 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO: ESTRATÉGIAS INCLUSIVAS APLICADAS NO MUSEU CALOUSTE GULBENKIAN-COLEÇÃO FUNDADOR E COLEÇÃO MODERNA

211 | CAPÍTULO 1 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL. “ESTOU A ADORAR A MINHA VIDA!”
213 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e pessoas com deficiência intelectual. Proposta de um percurso e instrumentos multissensoriais de acesso
227 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida com as pessoas com deficiência intelectual e seus resultados

261 | CAPÍTULO 2 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL. “[IR AO MUSEU] FEZ-ME LEMBRAR QUANDO AINDA VIA…”
263 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e pessoas com deficiência visual. Proposta de um percurso e recursos de acesso
280 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida
com pessoas com deficiência visual e seus resultados

307 | CAPÍTULO 3 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS SURDAS. “ACHAM QUE EU SOU DEFICIENTE?”
309 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e as pessoas da comunidade Surda. Proposta de um percurso mediado por uma pessoa Surda
                                                            317 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida com pessoas Surdas e seus resultados

333 | CONCLUSÕES

344 | Notas
350 | Siglas
351 | Bibliografia
358 | Índice remissivo
366 | Agradecimentos

 

Novo título da colecção “Estudos de Museus” é dedicado ao colecionismo privado

capa do livro da coleção ao museu

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal  é o sexto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Adelaide Duarte apresentada à Universidade de Coimbra em 2012 (orientação de Irene Vaquinhas e Lúcia Almeida Matos).

Será lançado no próximo dia 31 de Janeiro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Francisco Capelo.

Este livro analisa a formação de coleções privadas de arte moderna e contemporânea em Portugal e observa o modo como foram disponibilizadas ao público, ao longo da segunda metade do século XX. Elegem-se quatro coleções: a de José-Augusto França, a de Manuel de Brito, a de José Berardo e a de António Cachola.

O perfil destes colecionadores, o gosto, as motivações, a estratégia e as condições da escolha das peças permitiram problematizar conceitos, como o de colecionar, colecionador e colecionismo, bem como compreender o funcionamento do sistema da arte, sobretudo o português. Reconhece-se ainda o contributo dos coleciona- dores na constituição e no reforço de coleções públicas e distingue-se a sua ação relativamente à formação de coleções de carácter institucional. Por outro lado, aqueles colecionadores também permitem identificar duas variáveis: as coleções constituídas com tempo, relacionadas com as vicissitudes das respetivas profissões (Coleção França e Coleção Brito) e as coleções reunidas com uma dimensão pública, no propósito das obras virem a configurar museus, apesar de se manterem na propriedade privada (Coleção Berardo e Coleção Cachola).

O tema do colecionismo privado é de grande atualidade no contexto internacional. No nosso país, carecem estudos sistemáticos sobre o assunto, pelo que este livro constitui um contributo relevante para os que desejam aprofundar este domínio (da sinopse da contracapa).

Adelaide Duarte (n. 1974) é coordenadora executiva da pós-graduação Mercado da Arte e Colecionismo na Universidade Nova de Lisboa, com a primeira edição no ano letivo de 2016-2017. Professora auxiliar convidada e investigadora de pós-doutoramento, com bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. Membro integrado nos grupos de investigação Museum Studies: Art, Museums and Collections e Art in the Periphery. Doutoramento em Museologia e Património Cultural (2012) sobre colecionismo privado de arte moderna e contemporânea em Portugal, na Universidade de Coimbra. Desenvolve investigação sobre a formação de coleções, privadas e institucionais, a partir da coleção do Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves. Vice-Presidente da Associação Amigos do Museu Nacional de Arte Contemporânea-Museu do Chiado e responsável pelo Ciclo Colecionar Arte. Conversas a partir de coleções particulares. Mestrado em Museologia e Património Cultural (2005), e licenciatura em História, variante de História da Arte (1998) na Universidade de Coimbra. Tem participado em conferências e colóquios, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados cinco volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, e Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

9 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – COLECIONAR NO SÉCULO XX
18 | Contextualização historiográfica do tema
44 | Colecionar no século XX: o sistema da arte moderna e contemporânea
80 | Colecionar arte moderna e contemporânea em Portugal: entre o domínio público e o privado

117 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO
120 | José-Augusto França, a coleção de um crítico e historiador da arte (Tomar)
166 | Manuel de Brito, a coleção de um marchand e galerista (Oeiras)
210 | José Berardo, a coleção de um investidor (Sintra, Lisboa)
255 | António Cachola, a coleção de um empresário (Elvas)

297 | CONCLUSÃO

305 | Notas
389 | Siglas
391 | Fontes e bibliografia
419 | Índice remissivo
427 | Agradecimentos

Revista MIDAS publica 7.º número

revista MIDAS 7

Imagem da capa: “Gabinete da Politécnica − O Importantário Estetoscópio”, de Pedro Portugal. © Pedro Portugal © Foto: Pierre Guibert, conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares já se encontra disponível: http://midas.revues.org/1042

A MIDAS é uma revista científica, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão por pares. Pretende dar a conhecer e promover os museus enquanto objetos de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi fundada por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Publica desde 2013.

****

MIDAS 07 | Varia

Artigos

Carla Ribeiro
Da arte rústica à arte nacional: O Museu de Arte Popular

Roberto Vaz, Rui Raposo e Mário Vairinhos
Expositor interativo para a comunicação de amostras geológicas do MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal

Eduardo Brito
O Lugar obscuro: A representação dos museus no cinema e o caso de Museum Hours

Emília Ferreira
O Museu Portuense, um projecto pedagógico

Filipa Coimbra e Joana Baião
O que quer que se diga sobre Rui Mário Gonçalves não é tudo…

Heloisa Olivi Louzada
O museu como laboratório: Análise da exposição VI Jovem Arte Contemporânea

Notações

Adelaide Duarte
Colecionar arte: Conversas a partir de coleções particulares

Recensões críticas

Duarte Manuel Freitas
Baião, Joana – Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871−1937)

Elsa Peralta
Sharon Macdonald – Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

Graça Filipe
Clara Frayão Camacho – Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia

Estudos em Museologia na academia

 © Ana Carvalho

Eis alguns dos trabalhos desenvolvidos no âmbito de mestrados e doutoramentos em museologia em universidades portuguesas em 2012. Este não é um retrato exaustivo*.

Ana Margarida Penedo (Jun. 2012). Marionetas de teatro wayang kulit de Java do Museu Nacional de Etnologia: Proposta metodológica para documentação da coleção. Tese para obtenção do grau de mestre em Imagem e Comunicação do ISCTE. Orientador: Joaquim Pais de Brito. Tese disponível na íntegra aqui:

Ana Isabel Vieira Braga (2012). Sistemas de documentação e inventário de uma colecção de cerâmica arqueológica da Quinta do Rouxinol. Relatório de estágio apresentado para o cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Museologia no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Relatório disponível na íntegra aqui.

Sofia Botelho (2o12). O material e o imaterial na colecção etnográfica de cozinha do Museu Carlos Machado: proposta de intervenção. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível na íntegra aqui.

Joana Ganilho Marques (2012). Discursos de museus: uma perspectiva transdisciplinar. Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes, Mestrado em Educação Artística. Disponível aqui:  http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5057

Maria de Lurdes Gomes (2012). A relação escola-museu na cidade de Lisboa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui:  http://hdl.handle.net/10451/6621

Carla Santana (2012). Parque da Pré-História da Arrábida: um caminho para uma museologia participativa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui:  http://hdl.handle.net/10451/6533

Adelaide Duarte (Set. 2012). Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea, em Portugal, na segunda metade do século XX. Contributos para a história da museologia. Tese de Doutoramento em Letras, Área de História e Especialidade em Museologia e Património Cultural apresentada na Universidade de Coimbra. Orientação: Irene Vaquinhas (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra) e co-orientação de Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto). Júri: João Maria Bernardo Ascenso André (Universidade de Coimbra), Alice Semedo (Faculdade de Letras Universidade do Porto); João Carlos Pires Brigola (Universidade de Évora); António Manuel Filipe da Rocha Pimentel (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (FCSH, Universidade Nova de Lisboa) e José Maria Amado Mendes (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra). resumo disponível aqui

Ana Catarina Teixeira da Silva (Julho 2012). Património Cultural da Universidade de Lisboa: levantamento e contributo para a sua valorização. Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Orientadores: Marta Lourenço e Luís Efrem Elias Casanovas. Trabalho de Projecto apresentado para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Museologia. Dissertação disponível na íntegra aqui.

Ana Paula Ribeiro Resende Dias (Nov. 2012). ARQVA – Museu Nacional de Arqueologia Subaquática (Cartagena, Espanha). Contextualização, Enquadramento e Análise. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: João Paulo Cabral de Almeida Avelãs Nunes (presidente), Irene Vaquinhas (orientadora), Adolfo António da Silveira Martins (orientador) e José d’Encarnação (arguente, Universidade de Coimbra).

António Manuel Ribeiro Pereira da Costa (Março 2012). Museologia da Arte Sacra em Portugal 1820-2010 – Espaços, Momentos, Museografia. Tese de doutoramento em Letras, área de História, na especialidade de Museologia e Património Cultural, Universidade de Coimbra. Orientação: José Maria Amado Mendes e José d’Encarnação. Júri: Presidente: João Maria André (Director do Departamento de História, Arqueologia e Artes); arguentes principais: Fernando António Baptista Pereira (professor associado da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa) e Maria Regina Teixeira Anacleto (professora associada aposentada da Faculdade de Letras de Coimbra); e D. Manuel Clemente (professor do Pólo do Porto da Universidade Católica Portuguesa), Irene Vaquinhas (professoracatedrática da Faculdade de Letras de Coimbra), e orientadores: José Maria Amado Mendes e José d’Encarnação.

Célia Maria Gomes Pinto (Março 2012). Gestos, memórias e formas materiais legadas pelo barro: a produção olárica no Ribatejo da colecção de olaria tradicional do Museu Nacional de Etnologia. Dissertação apresentada no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Resumo disponível aqui.

Daniela Patrícia Ferreira de Sousa (Nov. 2012). Museu da Saúde Agostinho Albano de Almeida, em Ourém. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: Irene Vaquinhas (presidente), Pedro Casaleiro (orientador, Investigador Auxiliar do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra), Dalila Rodrigues (orientadora, Instituto Politécnico de Viseu) e José d’Encarnação (Faculdade de Letras de Coimbra).

Genoveva Oliveira (Fev. 2012). Museus e Escolas: Os Serviços Educativos dos Museus de Arte Moderna e Contemporânea, um Novo Modo de Comunicação e Formação/Museums and schools: the educational departments on modern and contemporary art museums, a new way of communication and formation. Orientação: João Carlos Pires Brigola e Paulo Simões Rodrigues. Tese de doutoramento para obtenção do grau de Doutor a Universidade de Évora. Júri: Presidente: José Alberto Simões Gomes Machado, Professor Catedrático da Universidade de Évora, por delegação do Director do Instituto de Investigação e Formação Avançada; e Vogais: Carla Padró, Professora Associada da Universidade Barcelona (Espanha), João Carlos Pires Brigola, Professor Auxiliar com Agregação da Universidade de Évora (orientador), Alice Lucas Semedo, Professora Auxiliar da Universidade do Porto, Leonardo Augusto Verde Reis Charréu, Professor Auxiliar da Universidade de Évora,  Paulo Alexandre Rodrigues Simões Rodrigues, Professor Auxiliar da Universidade de Évora – co-orientador, Maria Emília de Oliveira Ferreira, Investigadora da Universidade Nova de Lisboa. Resumo disponível aqui.

Helena Pereira (Dez. 2o12). Biografias (s) da Coleção de Vidro do Museu Nacional de Machado de Castro ou Sobre o Claro-Escuro das Coisas. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Hugo Miguel Sacramento Vaz (Dez. 2012). Museu Judaico Barros Basto: A conceção de uma coleção vistável da comunidade Israeli do Porto. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Joana Beato Conde (2012). Estudo e musealização da coleção de arte sacra do Atelier-Museu António Duarte nas Caldas da Rainha. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6531

Joana Lontrão (2012). Museu efémero: estudo da Avenida Barbosa du Bocage na freguesia de Nossa Senhora de Fátima em Lisboa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6544

Jorge Morais Torres (2012). Rede de museus do Sabugal. Memória, história e identidade de um concelho raiano. Provas públicas de 2.º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Ver mais aqui.

Joseph Rodrigues (2012). Avenida Luisa Todi, do rio á cidade: um exercício curatorial. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6528

Liliana Manuel Maia Pina (Junho 2012). O Museu das Comunicações: Contributos e perspectivas para uma proposta de gestão. Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Ver mais aqui.

Luís Ferreira Louzã Henriques (2012). Sintonias e assintonias da coleção de instrumentos musicais Manuel Louzã Henriques. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Disponível na íntegra aqui (também é possível aceder a um filme).

Luís Miguel Pinel Banha (Dez. 2012). A utilização dos audiovisuais num projecto de comunicação expositiva sobre um sítio arqueológico – a exposição temporária “Quinta do Rouxinol: uma olaria romana no estuário do Tejo (Corroios, Seixal). Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Graça Filipe (co-orientador), Virgílio Hipólito Correia, André Miguel Serra Pedreira Carneiro (vogal), João Carlos Brigola (orientador).

Márcia Fernanda Silva Santos (Dez. 2012). O Museu do Instituto Superior de Engenharia do Porto: Olhares e Reflexões Críticos sobre um Museu de Ciência. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

 Maria Manuela Ferreira da Cunha (Nov. 2012). Caldas de Vizela. Do passado à actualidade: uma proposta de reconversão. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: Francisco Pato de Macedo (presidente), José Maria Amado Mendes (arguente), Dalila Rodrigues (orientadora) e Irene Vaquinhas (orientadora).

Maria Susana Gomes Martins Branco (Dez. 2o12). Viana ontem, a preto e branco. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Maria Teresa Figueiredo Crespo (Abril 2012). Interpretação e comunicação do património cultural integrado em contexto museológico: o caso do Museu da Música Portuguesa – Casa Verdades de Faria. Relatório de estágio apresentado para o cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Museologia no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Estão disponíveis o resumo, índice e apêndices aqui.

Purificação Maria Pinela Pereira (Junho 2012). Museu Virtual de Santa Margarida da Serra (Grândola). Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Alexandra Gago da Câmara (arguente, U.A) e Filipe Themudo Barata (orientador).

Rita Cid Torres Portugal Azevedo (Junho 2012). Relatório de Estágio no Serviço de Educação no Museu Nacional de Arte Antiga. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Alexandra Curvelo (arguente, Universidade Nova de Lisboa e João Carlos Brigola (orientador).

Rui Lopes (Nov. 2012). Museu Académico de Coimbra: evolução histórica, coleções, proposta de atualização. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: João Nunes (presidente), Irene Vaquinhas (orientadora) e Nuno Rosmaninho (arguente).

Rui Pedro de Oliveira Reis da Costa (2012). Os códigos QR em Museus. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Sónia Piedade Apolinário Ribeiro Gomes (2012). O Esperantismo em Portugal (1892 a 1972): origem, afirmação e repressão. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Veja-se também algumas dissertações defendidas na Universidade Lusófona aqui.

* Se porventura tiver conhecimento de outras dissertações de mestrado realizadas em 2012, queira enviar-nos essa informação (para: nomundodosmuseus@gmail.com), de forma a actualizar esta lista.

(actualizado a 20 de Mar. de 2013)

Tese de doutoramento: “Da colecção ao museu”

Título: «Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea, em Portugal, na segunda metade do século XX. Contributos para a história da museologia»

Autora: Adelaide Duarte

Orientação: Irene Vaquinhas (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra) e co orientação de Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto).

Tese de Doutoramento em Letras, Área de História e Especialidade em Museologia e Património Cultural apresentada na Universidade de Coimbra.

Júri: João Maria Bernardo Ascenso André (Universidade de Coimbra), Alice Semedo (Faculdade de Letras Universidade do Porto); João Carlos Pires Brigola (Universidade de Évora); António Manuel Filipe da Rocha Pimentel (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (FCSH, Universidade Nova de Lisboa) e José Maria Amado Mendes (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra).

Data: Setembro de 2012

RESUMO:

A formação de colecções de arte moderna e contemporânea por particulares e o modo como foram disponibilizadas ao público, na segunda metade de Novecentos, em Portugal, é o assunto que nos propomos estudar em tese de doutoramento.

A escolha deste tema partiu do desejo de compreender a estrutura destas colecções de arte, desde as características da colecção às do coleccionador, como o perfil, o gosto, as motivações, a estratégia, as condições da sua selecção, e as vicissitudes por que passou quem se dedicou a juntar conjuntos de peças daquela natureza. Dentro do domínio do coleccionismo privado, daquela tipologia e período de tempo, optámos por estudar as colecções de José-Augusto França, de Manuel de Brito, de José Berardo e a de António Cachola, opção que implicou adequações ao plano inicial da tese. A escolha destes casos de estudo pretendeu potenciar o estudo de distintos tipos de coleccionador que exercem diferentes ofícios na sociedade. Nestes casos, temos o historiador e crítico da arte, o marchand e galerista, o investidor e homem de negócios e o empresário empreendedor, respectivamente. No que respeita à delimitação do tema, a preferência por estas colecções particulares foi ainda determinada pelas seguintes razões: em primeiro lugar, a sua natureza – são colecções de arte moderna e contemporânea, de âmbito nacional e, uma, de âmbito internacional; em segundo, o período em que foram constituídas, a segunda metade do século XX, num tempo em que se organizava o mercado da arte no nosso país (no exterior, este tendia para uma globalização); e, em terceiro, a sua disponibilização em espaços musealizados de tutela pública. Este último factor determinou uma transferência de domínios no usufruto da colecção, do particular para o público, e a implementação de um novo modelo de gestão de tutela municipal e do Estado.

O estudo dos casos seleccionados permite constatar estarmos perante uma leitura panorâmica, na qual se distinguem duas variáveis no coleccionar durante aquele período. Enquanto a colecção de José-Augusto França e a de Manuel de Brito foram constituídas com o tempo e as vicissitudes das respectivas profissões, as colecções de José Berardo e a de António Cachola foram-no com uma dimensão pública pelo propósito de se musealizarem. Este factor constitui uma clara divergência entre os objectivos daquelas. Com efeito, esta questão vem ao encontro de uma tendência que se regista no coleccionismo no tempo presente, designadamente a partir de meados do século XX. Referimo-nos ao coleccionar-se com o propósito de partilhar a colecção com o público. Por conseguinte, apesar de verificarmos que muitas colecções particulares se integram em museus, afigura-se uma novidade o coleccionador particular reunir as obras, desde o primeiro momento, para fora do campo doméstico, assumindo o objectivo de as partilhar com o público. Este papel de adquirir para expor, competia, tradicionalmente, à esfera do poder público.

Palavras-chave: coleccionador, coleccionismo, colecção particular, colecção institucional, arte moderna e contemporânea, mercado da arte, sistema da arte, museus de arte, museologia, património artístico.

Reflexão sobre Museologia na Universidade de Évora

Palácio do Vimioso, Universidade de Évora, Portugal
Foto Ana Carvalho, 2012

No passado dia 25 de Junho de 2012 teve lugar um encontro de estudantes de doutoramento em museologia na Universidade de Évora promovido por dois dos centros de investigação da universidade, o CIDEHUS e o CEHFCi. Ultrapassada a questão de definir a museologia como ciência, um debate que se prolongou até há alguns anos atrás no contexto internacional, em boa verdade, a museologia é hoje um campo de estudo que se vai consolidando com o crescimento de estudos de mestrado e doutoramento.

Em Portugal, os cursos de pós-graduação em museologia surgem no final dos anos 80 e na década de 90. Entre as primeiras teses de mestrado podem referir-se a de Madalena Braz Teixeira –  “Do objecto ao museu” (Universidade Nova de Lisboa, 1983).

Uma das primeiras teses de doutoramento no âmbito da museologia ou tendo como objecto de estudo o museu surge em 1985 pela mão da antropóloga Nélia Dias (Le Musée d’Ethnographie du Trocadero (1878-1908). Anthropologie et muséologie en France), ainda que a partir de uma universidade francesa (École des Hautes Études en Science Sociales – Paris) e sobre uma realidade muselógica francesa. Efectivamente, as primeiras teses de doutoramento tendo como objecto de estudo o contexto português começam a surgir a partir dos anos 90, com os estudos de Natália Correia Guedes “Museologia e Comunicação” (Universidade Nova de Lisboa, 1994), Henrique Coutinho Gouveia “Museologia e etnologia em Portugal. Instituições e personalidades” (Universidade Nova de Lisboa, 1997), entre muitos outros que se seguiram.

Abertura dos trabalhos, por João Carlos Brigola, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

Como João Carlos Brigola e Maria Fátima Nunes fizeram notar, é importante propiciar espaços de encontro e discussão para os alunos que estão a desenvolver projectos de mestrado e doutoramento em museologia. E neste contexto de partilha e construção de espírito crítico foram convidados para este encontro três investigadores que completaram já os seus projectos de doutoramento noutras universidades portuguesas.

Comunicação de Sandra Leandro, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

Sandra Leandro, actualmente Professora Auxiliar na Universidade de Évora (Departamento Artes Visuais), fez o seu percurso académico na Universidade Nova de Lisboa, sendo membro integrado do Instituto de História da Arte (IHA) da mesma universidade na linha de investigação “Museum Studies”. É doutorada em História da Arte Contemporânea com a tese “Joaquim de Vasconcelos (1849-1936): Historiador, Crítico de Arte e Museólogo, em 2008, e mestre em História da Arte Contemporânea “Teoria e Crítica de Arte em Portugal” (1871-1900), em 1999.

A comunicação de Sandra Leandro centrou-se no projecto de doutoramento que desenvolveu em torno da figura de Joaquim Vasconcelos, sobretudo na relação deste com a criação do Museu Industrial e Comercial do Porto (1886-1899) e a sua curta história.

Comunicação de António Ribeiro da Costa, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

António Ribeiro da Costa terminou recentemente o seu doutoramento na Universidade de Coimbra com uma tese “Museologia da Arte Sacra em Portugal 1820-2010 – Espaços, Momentos, Museografia” (2012). Para um amplo período cronológico, António Ribeiro da Costa estudou um universo heterogéneo e significativo de “museus” ou espaços musealizados de arte sacra (na ordem das centenas) em contexto continental e insular. A temática não é isenta de problemáticas e suscita conflitos de diferentes níveis entre as  instituições interessadas na salvaguarda do património religioso, tal como foi dado a entender no debate que se gerou a partir da comunicação apresentada por António Ribeiro da Costa. Esta não é a primeira vez que a temática é objecto de estudo no contexto da museologia. Refira-se a este propósito a tese de Maria Isabel Roque: “Musealização do sagrado: Práticas museológicas em torno de objectos do culto católico” (2005, Universidade Lusíada) (disponível aqui), publicada em 2011 pela Universidade Católica Editora (sobre o livro consulte este artigo).

Comunicação de Adelaide Duarte, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

A última comuniçação do encontro coube a Adelaide Duarte (perfil em Museologia.porto e academia.edu) que terminou o seu projecto de doutoramento na Universidade de Coimbra (aguarda as provas para a defesa da tese). O título da tese é o seguinte: “Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea em Portugal na segunda metade do séc. XX. Contributos para a história da museologia”, sendo orientada por Irene Vaquinhas (Universidade de Coimbra) e Lúcia Matos (Universidade do Porto).

Os estudos de caso desta tese são as colecções que entraram recentemente na esfera pública, consubstanciando a criação de novos museus no panorama museológico português: Núcleo Arte Contemporânea (doação José-Augusto França) (desde 2004, Tomar), Centro de Arte Manuel de Brito (desde 2005, Algés), Museu Colecção Berardo de Arte Contemporânea (desde 2007, no CCB, em Lisboa) e o Museu de Arte Contemporânea de Elvas-Colecção António Cachola – MACE (desde 2007, Elvas).

Os três conferencistas partilharam os percursos traçados nas suas teses, nomeadamente as metodologias utilizadas, as fontes e as dificuldades inerentes ao processo de pesquisa, que foram de extrema utilidade para quem neste momento se depara com estas questões ou se prepara para o fazer. Note-se que entre a assistência se encontravam estudantes em diferentes momentos/estádios do processo de investigação. O que nos pareceu comum a todos os investigadores foi, entre outras questões, a dificuldade de acesso, em muitos casos, aos arquivos, nomeadamente aos arquivos públicos. Ao que tudo indica, não são raras as situações em que são os próprios investigadores que acabam por organizar partes do arquivo para conseguir aceder à informação. Apesar de muito ter evoluído no campo da arquivística e da documentação, ainda há muito por fazer. Por outro lado, não se trata apenas da necessidade de maior investimento na organização da documentação arquivística, mas também uma mudança de mentalidades que se posicione mais favorável e receptiva aos investigadores e no acesso à informação.

 

Encontro de estudantes doutoramento Museologia na Universidade de Évora

Universidade de Évora, Colégio do Espírito Santo
Foto: Ana Carvalho, 2010

No próximo dia 25 de Junho (segunda-feira) realizar-se-á um encontro de estudantes de doutoramento em museologia na Universidade de Évora. Esta sessão tem lugar das 15h00 às 18h00, no anfiteatro do Palácio do Vimioso, na Universidade de Évora.

Para partilhar o seu percurso de trabalho e experiência no contexto da museologia estarão presentes Sandra Leandro (Universidade de Évora), António Ribeiro da Costa (Universidade de Coimbra) e Adelaide Duarte (Universidade de Coimbra).

A organização é do CEHFCi (João Brigola e Maria de Fátima Nunes) e do CIDHEUS (Filipe Themudo Barata), e o encontro insere-se no Programa de Doutoramento em História e Filosofia da Ciência com especialidade em Museologia e Programa de Doutoramento em História da Universidade de Évora.

Programa Encontro Doutorandos Museologia 2012

A entrada é livre.