Arquivo de etiquetas: Ana Fernambuco

Políticas museológicas em foco no Boletim do ICOM Portugal

Fotografia a cores que revela um pormenor do exterior do Palácio Nacional da Ajuda, as arcadas

Imagem da capa: Pormenor do exterior do Palácio Nacional da Ajuda © Fotografia de Luís Pavão/Palácio Nacional da Ajuda/Direcção-Geral do Património Cultural

Começamos o ano com balanços. Balanços associativos, pois estamos no final do triénio dos órgãos sociais do ICOM Portugal em funções (2014-2017), aproximando-se novas eleições a 27 de Março. E balanços mais globais, daí a escolha do tema “gestão de museus e políticas museológicas” para este número do Boletim do ICOM Portugal dada a actualidade e a urgência de uma reflexão alargada e concertada. Sem pretender um retrato exaustivo, neste boletim procurámos trazer olhares de dentro e de fora, estimulando perspectivas várias sobre este grande “chapéu” que engloba as políticas museológicas.

O artigo de Manuel Bairrão Oleiro traça um diagnóstico assertivo sobre a realidade actual e deixa antever caminhos de futuro, elencando quais poderão ser na sua opinião as prioridades de uma política museológica nacional mais actuante. As pessoas, ou melhor dizendo, as equipas de museus foram igualmente uma das problemáticas abordadas por Oleiro, sendo esse tópico retomado por Maria de Jesus Monge e Ana Carvalho com maior enfoque na secção “Perspectivas”.

O contributo de David Santos, que desde Fevereiro de 2016 assumiu o cargo de subdirector da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), com responsabilidades em matéria de museus, é um olhar porventura mais generoso e optimista sobre a acção desta organização, mas é, até certo ponto, esclarecedor da forma como se perspectiva globalmente a situação actual.

Encontra ainda neste boletim uma selecção de notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura, novas publicações e um leque diverso de eventos (conferências, debates, formação, etc.) para os próximos meses.

Terminamos com outro balanço, sendo este o último boletim da série iniciada em 2014 do qual sou editora. Feitas as contas somámos oito edições, mas mais do que o aspecto quantitativo, apostámos – e pensamos tê-lo conseguido – na criação de um espaço de partilha assente na diversidade de olhares e de perspectivas, como aliás caracteriza este sector. Um espaço que por si só também foi sofrendo alterações, com o contributo indelével de muitos dos nossos colegas dos actuais órgãos sociais do ICOM Portugal, e em função das aprendizagens que foram feitas pelo caminho. Porque, efectivamente, a edição deste boletim também correspondeu a um processo de aprendizagem pessoal e profissional. Bem haja!

Ana Carvalho [editorial]

****

Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 8, Jan. 2017
Gestão de Museus e Políticas Museológicas

O Boletim está disponível online: http://icom-portugal.org/boletim_icom,156,lista.aspx

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | BREVES
08 | EM FOCO: Políticas Públicas no Sector dos Museus: O que Pode ser Feito, por Manuel Bairrão Oleiro
12 | PERSPECTIVAS: Equipas de Museu – Evolução ou Retrocesso?, por Maria de Jesus Monge; e Ana Carvalho
17 | ENTREVISTA com David Santos, por Ana Carvalho
NOTÍCIAS ICOM, vários autores
21 | Museus, Comunidade e Turismo, um Triângulo Virtuoso: Balanço, por Manuel Morais Sarmento Pizarro
23 | Museus Comunitários: Em que Ponto Estamos?, por Mário Nuno Antas
25 | O Valor Económico dos Museus: Templos do Conhecimento, Máquinas de Entretenimento ou Plataformas Participativas?, por Clara Frayão Camacho
28 | Coleccionar e Proveniências: Aplicações, Autenticidade e Propriedade, por Inês Fialho Brandão
30 | Museus e Património Local: Interacção e Desenvolvimento no Séc. XXI, por Pedro Pereira Leite
32 | Desafios Digitais para Especialistas de Museus, por Ana Fernambuco
35 | Museus Nacionais: Passado, Presente e Futuro, por Fátima Faria Roque
38 | Pilotando o MOOC: Uma Jornada Agregadora e de Reflexão, por Paula Menino Homem
PUBLICAÇÕES
40 | Sugestões de leitura
41 | Novas edições 2016-2017
AGENDA
46 | Conferências, encontros, debates
49 | Formação
50 | Chamada de propostas

****

O Boletim ICOM Portugal (ISSN 2183-3613) é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal). Tem como objectivo a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Os números publicado nesta série (III) são da responsabilidade de Ana Carvalho (desde Outubro de 2014). Publica-se três vezes por ano (Janeiro, Maio e Setembro) e apresenta-se apenas em formato digital.

EMAC 2012

Comunicação de Michael Dixon (National History Museum, Reino Unido), EMAC 2 junho 2012, Museu Nacional de Arqueologia © Foto Ana Carvalho

Terminou no passado dia 2 de junho (sábado) uma jornada de vários dias da Musem Advisors Conference – EMAC 2012. A primeira nota sobre este evento é no sentido de reconhecer o excelente trabalho da organização conjunta entre a empresa “Mapa das Ideias” (que ganhou o prémio da APOM 2011 para melhor serviço de educação e mediação – Museu Nacional do Traje) e os Museus Municipais de Loures, trazendo para Portugal um evento europeu que reuniu profissionais de vários países. Todo o esforço realizado é notável e comprova que apesar da conjuntura actual é possível desenvolver iniciativas de base colaborativa que podem fazer a diferença, sobretudo pela possiblidade do confronto entre diferentes experiências e perspectivas sobre aqueles que poderão ser considerados os “hot topics” da cena museológica europeia.

Futuro Museu do Dinheiro, Banco de Portugal, Praça do Município, Lisboa © Foto Ana Carvalho, 2012

Diante do mote deste encontro, “The crisis as a challenge: to do more and better”, os “hot topics” abordados foram vários e fortemente associados aos problemas económicos que atravessamos, sendo particularmente evidente nos discursos dos participantes portugueses, holandeses, espanhóis e italianos. Das várias questões levantadas durante este encontro, e atendendo à realidade portuguesa, ficaram algumas inquietações:

A organização da EMAC levou-nos a diferentes cenários museológicos, uma vez que ao longo de 5 dias as conferências realizaram-se em diversos espaços e museus de Lisboa e arredores, permitindo o confronto com diferentes ambiências que, por um lado, nos recordaram da riqueza e diversidade do nosso património e do desenvolvimento a nível de infraestruturas que se operou no sector museológico nas últimas décadas. Mas por outro lado, a percepção de que coexistem realidades muito díspares no panorama museológico português (e a diferentes níveis), que são hoje, mais do que nunca sintomáticas de um política cultural assimétrica. Note-se, por exemplo o caso do recente projecto do museu do dinheiro (tutela do Banco de Portugal), que levanta muitas questões de incoerência e dissonância se atendermos ao enquadramento económico e social nacional e, por outro lado, relativamente a uma desejável política cultural assente numa estratégia alargada e concertada para o tecido museológico português.

Lembrando uma questão levantada por Michael Dixon (Director Natural History Museum, Reino Unido) e pensando na realidade portuguesa, até que ponto a comunidade de profissionais de museus tem sabido apresentar argumentos suficientemente fundamentados para defender a necessidade de assegurar a sua existência e actividade dos museus? E, por outro lado, que estratégias estão a ser equacionadas pelos diversos museus portugueses para responder aos desafios actuais? Entre a aplicação de uma política em Portugal pouco favorável à sobrevivência dos museus e a necessidade de se reflectir internamente (entre os profissionais do sector) sobre o presente e futuro dos museus, parece subsistir uma certa passividade (a par com muitos descontentamentos), mas que acaba por se arrastar em função das decisões políticas.  Afinal, que museus queremos, que museologia ?

Ficou patente que em Portugal há temas que precisam de ser profundamente discutidos e cujas problemáticas são partilhadas pela maioria dos museus, ou seja, modelos de gestão e financiamento, novos paradigmas como a participação (seja a nível das colecções, exposições e dos programas públicos), as novas tecnologias, o equilíbrio entre as funções museológicas, entre outros. O trabalho desenvolvido na Irlanda e de que Marie Bourke (National Gallery of Ireland) nos falou, nomeadamente a organização de eventos como o simpósio “Future Forecasting: the challenges facing museums and cultural institutions” (2011) e a mesa redonda “The challenges facing museums onsite and online in the 21st century” (2012), são exemplificativos da importância de introduzir a reflexão e o debate no momento actual, de forma a podermos repensar estratégias e antecipar os problemas.

Para a equipa que organizou a EMAC 2012: Inês Bettencourt da Câmara, Joaquim Jorge, Cristina Reboredo, Maria João Nunes e Ana Fernambuco, os meus sinceros parabéns!!!!!