Arquivo de etiquetas: António Pinto Ribeiro

Representar a escravatura nos museus portugueses: que balanço?

 

António Pinto Ribeiro é investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Além das lides académicas tem estado ligado à programação em várias instituições culturais portuguesas, de onde se destaca a Culturgest e a Fundação Calouste Gulbenkian. Também é conhecido pelos seus ensaios sobre cultura, nos quais se incluem por vezes os museus. Num dos seus últimos textos publicados Podemos Descolonizar os Museus?, começa por escrever: «os museus ou são pós-coloniais ou não são nada», aguçando o apetite. Mas é sobretudo na qualidade de comissário-geral de “Passado e Presente − Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura 2017” e do movimento que gerou recentemente nos museus em torno da representação da escravatura que surgiu a ideia desta entrevista. Afinal, não é a escravatura um tópico que se situa na esfera do indizível nos museus?

Ana Carvalho (AC) − No âmbito da programação de “Passado e Presente − Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura 2017” 42 museus, arquivos e bibliotecas de Lisboa expõem mais de 200 objectos e documentos ligados à escravatura em vários locais, incluindo ainda a criação do website testemunhosdaescravatura.pt. Como é que surgiu a ideia desta iniciativa e o que o motivou?

António Pinto Ribeiro (APR) − No processo de pesquisa e de estudo que conduziu à programação começou por se fazer um levantamento das memórias e da presença afro-descendente e do que é tido como universo latino-americano em Portugal. Quis-se assim atingir dois objectivos: não conceber um programa baseado numa mera importação de exposições, espectáculos e concertos e, ao mesmo tempo, contribuir para uma revisão das narrativas relativas a estas memórias em Portugal. Assim, e entre outros projectos como mapas toponímicos tendo origem nas Américas ou em África ou de origem afro-descendente, criou-se este circuito de exposições de escalas muito diversas a partir dos acervos dos museus, bibliotecas, escolas, associações e outras organizações culturais que a este projecto aderiram.
A expectativa ou as expectativas é que os habitantes de Lisboa e os seus visitantes se confrontem com um passado, revejam com a ajuda de historiadores, sociólogos e artistas o passado histórico, sendo neste caso um passado onde têm agora visibilidade os que em outros tempos foram os vencidos e os subalternos.

Coleiras de escravos, séc. XVIII. Museu Nacional de Arqueologia, 2017

AC − No caso do Museu Nacional de Arqueologia há objectos ligados à escravatura que são expostos pela primeira vez (exposição Um Museu. Tantas Colecções). Por exemplo, duas coleiras de escravos do século XVIII, que se encontravam “perdidas” no museu, foram encontradas num processo iniciado no seguimento de um artigo no semanário Expresso que se referia à sua existência. O “achado” é oportuno e bem-vindo, mas parece haver aqui um lado casuístico. A representação da escravatura nos museus portugueses tem sido um assunto pouco explorado. Que explicação encontra para isso?

APR − A escravatura tem sido um assunto muito pouco explorado, é muitas vezes tratado, mesmo no espaço académico como um tabu, e se recentemente tem havido alguma nova produção histórica ou algum debate muito se deve a personalidades que num percurso muito solitário vão tentando fazer trabalho científico de pesquisa e produzindo algumas obras. Recordo a este propósito os trabalhos dos professores Francisco Bettencourt, que convidámos (na sequência da publicação da sua obra sobre o racismo) a realizar a exposição Racismo e Cidadania (Padrão dos Descobrimentos), e Miguel Bandeira Júnior que tem produzido importante reflexão sobre o tema. E ainda os trabalhos de Isabel Castro Henriques sobre estudos africanos e escravatura. Curiosamente são autores que circulam muito nas redes académicas internacionais.

Creio que parte deste desconhecimento sobre o tema se deve ainda a um branqueamento segundo o qual o colonialismo português seria brando, e a lusofonia, uma das formas mais cínicas de colonialismo ainda impera no espaço académico e na comunicação social.

Exposição Racismo e Cidadania, Padrão dos Descobrimentos, 2017

AC − Entre o repto lançado aos museus para representar a escravatura e a sua concretização através de várias exposições, que balanço pode ser feito em termos de objectivos e de expectativas?

APR − A resposta foi positiva havendo necessariamente uma enorme diversidade de investimento quer pessoal, quer de meios, quer ainda de comunicação. Há excelentes exemplos e creio que até ao final deste ano ainda se poderá assistir a projectos muito interessantes.

A forma como o projecto foi delineado – que é a constituição de roteiros que podem ser utilizados e percorridos conforme os interesses iniciais dos visitantes – permite uma acumulação de conhecimentos e de reflexão crítica que, espero, continue para lá do ano da Capital.

AC − Apesar da importância de colocar em evidência a escravatura no âmbito da programação de “Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura 2017”, o seu impacto tem um registo de curto e médio prazo. Como poderia esta questão ser perspectivada a longo prazo nos museus? De que maneira esta programação poderia ter continuidade?

APR − Eu tenho a expectativa que esta experiência tenha iniciado um debate mais continuado, que os museus possam dedicar ao tema e aos subtemas que dele decorrem outras exposições, que as escolas que visitam as exposições levem para as suas turmas este debate, que os objectos expostos sirvam de “prova” para uma consciencialização da responsabilidade que Portugal teve no tráfico dos escravos, que se entenda que a Europa das Luzes se fundou a partir dos recursos obtidos pelo trabalho da escravatura e que, finalmente, a memória dos escravos, muitos dos quais têm nome e imagem possa ser resgatada.

AC − Disse na comunicação social que «A escravatura existe ainda hoje e é um problema grave. O racismo também é um problema daí derivado e são necessárias formas de o entender e combater». No caso dos museus a responsabilidade poderá ser não só a reinterpretação do passado, mas também trazer estas questões para o presente nas suas formas e repercussões contemporâneas. Na sua opinião, esta é também a função dos museus?

APR − Sim, é uma função prioritária dos museus na medida em que os museus são instrumentos de produção de conhecimentos verdadeiros embora necessariamente de natureza epocal. Os verdadeiros museus são os lugares onde o passado é permanente actualizado. A não ser assim, seriam apenas caixões.

AC − São vários os museus e profissionais que reivindicam o argumento de que se devem manter neutrais em relação ao presente. Na sua opinião, quais são os riscos desta pretensa neutralidade?

APR − Não há Ciência nem História neutra. A Ciência e a História implicam sempre escolhas, são determinadas por políticas de educação, de investigação e editoriais, que conduzem ou pelo menos intervêm nos processos e nos tempos de investigação e de construção das narrativas. Toda a narrativa histórica olha os factos e interpreta-os a partir de um ponto de vista, o ponto de vista do animal político como o disse há muito Aristóteles. Tenho para mim que os que mais negam a neutralidade na História são habitualmente os que desejam que o seu ponto de vista seja o predominante, com vocação hegemónica, portanto.

AC − Da sua experiência, que museus o têm inspirado no sentido de abordarem a escravatura ou outros tópicos difíceis, contestados ou dolorosos da História de forma desassombrada e proactiva?

APR − Creio que o Museu da Escravatura na Cidade do Cabo (África do Sul) é um excelente exemplo, mas penso que os museus da memória com uma projecção mais interventiva correspondem ao que seria neste momento o perfil mais adequado para expor as memórias da escravatura e do seu fim.

Referências

Ribeiro, António Pinto. 2016. “Podemos Descolonizar os Museus?” In Geometrias da Memória: Configurações Pós-Coloniais, organizado por António Sousa Ribeiro e Margarida Calafate Ribeiro, 95-111. Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento.

****

Esta entrevista foi publicada originalmente no 9.º número do Boletim do ICOM Portugal (Carvalho, Ana. 2017. “Entrevista com António Pinto Ribeiro.” Boletim ICOM Portugal, série III (Junho): 35-39.

Novo boletim do ICOM Portugal dedicado ao indizível nos museus

 

O 9.º número do Boletim do ICOM Portugal (agora com um novo projecto gráfico, mais claro e apelativo) é sobre o tema do Dia Internacional de Museus de 2017: Museus e Histórias Controversas: Dizer o Indizível em Museus. De que falamos quando falamos em histórias controversas, contestadas ou dolorosas? Qual o papel dos museus neste contexto? Lidar com estas questões para quê? Como? Terão todos os museus histórias controversas, difíceis ou conflituosas para contar? Porque é que os museus não abraçam mais estas questões? (Ou será que abraçam?) Nesta edição não se tem a pretensão de explorar a multiplicidade de aspectos que a temática suscita, mas ainda assim pretende-se contribuir para a sua discussão, que, porventura, não se esgotou na organização de actividades para o 18 de Maio e estará muito provavelmente para ficar.

O Museu do Aljube (Em Foco), que é apresentado por Luís Farinha, é um exemplo evidente de uma memória dolorosa para muitos presos políticos durante a transição da ditadura para a República e sobre a qual é preciso dialogar e reflectir, em particular com as novas gerações, porventura menos familiarizadas com este período conturbado da nossa História.

Em Perspectivas, incluem-se dois olhares distintos, mas que reivindicam para o campo dos museus a assunção da responsabilidade em contar histórias controversas e difíceis. Parafraseando Joaquim Jorge, se os museus não servirem para confrontar a nossa visão ou para apresentar um ponto de vista que nos desafie, então servem para quê?

A escravatura não é totalmente ignorada pelos museus, note-se a criação do Núcleo Museológico Rota da Escravatura (Lagos), em 2016, mas globalmente é um tópico pouco explorado. Na entrevista com António Pinto Ribeiro pode-se conhecer melhor a motivação e os objectivos da iniciativa que desafiou os museus de Lisboa a exporem objectos sobre a escravatura no âmbito da programação de “Passado e Presente – Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura 2017”.

Joana Sousa Monteiro, directora do Museu de Lisboa desde 2015, é personalidade de destaque da secção Museus & Pessoas. Este texto dá conta do percurso desta museóloga e a sua visão para este Museu.

Neste boletim leia ainda a sentida e profunda homenagem de Luís Raposo a Adília Antunes (In Memoriam).

Por ocasião do 18 de Maio, o ICOM Portugal apresentou uma reflexão sobre o futuro dos museus, identificando problemas e apontando eixos de actuação, linhas orientadoras e propostas para uma política museológica nacional através do documento Contributos para uma Urgente e Necessária Política Museológica Nacional, conforme pode ser lido na íntegra neste boletim na secção Extra: Política Museológica.

O boletim está disponível no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org

****

Índice

03 | Editorial, por Ana Carvalho

06 | Mensagem do Presidente, por José Alberto Ribeiro

09 | Breves

12 | Extra: Contributos para uma urgente e necessária Política Museológica Nacional, ICOM Portugal

23 | Em Foco: Museu do Aljube, Resistência e Liberdade: Musealização de uma «Herança Difícil», por Luís Farinha

29 | Perspectivas

29 | Dizer o Indizível. Como é que os Museus Podem Fazer a Diferença? (I), por Miguel Rego

32 | Dizer o Indizível. Como é que os Museus Podem Fazer a Diferença? (I), por Joaquim Jorge

35 | Entrevista com António Pinto Ribeiro, por Ana Carvalho

40 | In Memoriam: Adília Antunes (1962-2017), por Luís Raposo

43 | Conferências: comentários

43 | Construir o Futuro, Compreender o Passado, por José do Vale

46 | Museus & Pessoas: Joana Sousa Monteiro, por Ana Carvalho

52 | Publicações

52 | Sugestões de leitura

53 | Novas edições 2017

57 | Agenda

57 | Conferências, encontros, debates

59 | Formação

60 | Chamada de propostas

****

Este boletim é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal) e conta com a coordenação editorial de Ana Carvalho. Em formato digital (ISSN 2183-3613), publica-se três vezes por ano (Fevereiro, Junho e Outubro). Tem como missão a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Cada número é dedicado a um tema relevante da Museologia portuguesa e internacional, combinando artigos, textos de opinião, entrevistas, notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura e novas publicações, e ainda um leque diverso de eventos em agenda (conferências, debates, formação, etc.). O boletim foi distinguido com o prémio APOM 2017 na categoria melhor “Comunicação Online”.

 

Mediar para a interculturalidade

Arte Mediação - performance_Fotor

Como se trabalha a interculturalidade? Foi para potenciar o diálogo e a troca de experiências entre profissionais ligados à educação, à arte e à cultura em geral que Mafalda Miguel Teixeira (Câmara Municipal da Lourinhã) e Elsa Neto da Silva (Câmara Municipal de Torres Vedras) organizaram um curso de 43 horas sobre o tema. A iniciativa realizou-se entre 25 de Outubro e 29 de Novembro de 2013, em Torres Vedras.

O curso Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade procurou a partir de uma perspectiva multidisciplinar abranger diferentes campos de actuação: comunicação, livro, teatro, dança, performance, cinema, fotografia, através de seminários e módulos mais práticos. Um painel de formadores muito diversificado constituiu uma das mais-valias do curso: Madalena Vitorino, Maria Vlachou, Mafalda Milhões, Natália Luiza, Pedro Penim, João Maria André, Bruno Humberto, Rui Simões, Natália Luiza, Giacomo Scalisi e António Pinto Ribeiro e Pauliana Valente Pimentel. A iniciativa teve o apoio e  financiamento do Programa FEINPT – Fundo Europeu para a Integração de Nacionais de Países Terceiros e como interlocutores o ACIDI – Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural.

Nas próximas linhas, Mafalda Miguel Teixeira e Elsa Neto da Silva contam-nos mais sobre este projecto.

****

Ana Carvalho (AC) – O que vos levou a organizar um curso sobre interculturalidade?

Mafalda Miguel Teixeira (MMT) e Elsa Neto da Silva (ENS) – Temos (as duas autarquias) vindo a colaborar, em estrita parceria, em inúmeros projectos no âmbito da promoção do diálogo intercultural, desde 2011, inseridos nas dinâmicas dos Centros Locais de Apoio à Integração de Imigrantes (CLAII´s). Percepcionámos que, ao nível local, seria necessário ir mais além do simples atendimento aos cidadãos imigrantes nas áreas da legalização, da saúde, da educação, entre outras. Por essa razão era importante desenvolver outro tipo de acções, nomeadamente intervindo junto dos cidadãos autóctones, pois, para criar uma base de diálogo são necessárias duas partes.

Com estas acções pretende-se o reconhecimento do «outro», através de um modelo verdadeiramente intercultural, que radica na sua compreensão e dando lugar à convivência criativa, numa interacção dinâmica. Entre as várias possibilidades de abordagem e de fomento das relações interculturais, a arte e a pedagogia surgiram como as mais designativas. Tentámos criar uma simbiose entre a ética e a estética na abordagem do tema.

AC – Como é que o curso foi pensado do ponto de vista da sua organização e dos conteúdos?

MMT e ENS – O curso inscreveu-se na preocupação de criar condições para uma formação na área da arte e mediação orientada para a promoção do diálogo intercultural, já que temos vindo a constatar a quase ausência de um curso específico nesta área, em Portugal.

Considerámos a carga horária várias vezes, pois aspirávamos que a formação fosse consistente e capaz de abarcar as várias dimensões artísticas, mas também receávamos que os participantes se pudessem dispersar sem encontrar uma linha contínua. Contudo, após o primeiro esboço do curso, julgámos que o importante seria o participante sentir-se seduzido pelo tema da interculturalidade e reconhecer a arte como uma espécie de trampolim. Ou seja, que o participante não encetasse uma inscrição porque se sentia atraído pelo teatro, livro ilustrado ou política cultural, mas sim, pensar as artes como um fomento do diálogo e das relações interculturais. Deste modo, reunimos um conjunto de profissionais que têm vindo, de uma forma mais ou menos implícita, a desenvolver trabalhos artísticos nesta área. Podemos afirmar que todos os formadores foram as nossas primeiras escolhas e que todos, de forma pronta e entusiástica, aceitaram participar, o que nos deixou ainda mais entusiasmadas pelo contributo que isso constituía para a credibilidade e pertinência do curso.

Assim, desenhámos um conjunto de seminários e de módulos que aportaram diferentes áreas artísticas e múltiplas abordagens na estimulação das relações interculturais. Do livro ilustrado na promoção da diversidade à performance enquanto lugar de e para a (re)criação de laços comunitários.

AC – Quais eram os objectivos?

MMT e ENS – Numa junção entre seminários e módulos, o curso pretendia estimular o diálogo e a troca de experiências entre os vários profissionais dedicados à pedagogia, à arte e à cultura, numa reflexão conjunta de como as mesmas podem estimular a interculturalidade. Acima de tudo, o importante era criar um espaço de troca de ideias, a partir das quais, quiçá, se pudessem estabelecer ligações para posteriores projectos nesta área.

AC – Qual era o vosso público-alvo?

MT e ENS – Esta formação integrava um projecto mais amplo (designado de ANEMOI), no qual estavam incluídas uma série de acções que estimulavam a interculturalidade, ora destinadas, exclusivamente, a cidadãos imigrantes, ora a autóctones, desde a participação política à integração no mercado de trabalho. Esta acção, destinava-se a cidadãos imigrantes e autóctones que se interessassem pela área do diálogo intercultural e considerassem a arte como um motor de fomento do mesmo. Destinava-se, assim, essencialmente para profissionais das áreas da pedagogia, da arte e da cultura.

AC – Quais eram as motivações dos participantes?

MMT e ENS – Aquando as inscrições solicitámos um pequeno texto que expressasse as motivações dos participantes para a frequência do curso. Percepcionámos e testemunhámos que a grande maioria pretendia explorar o conceito da interculturalidade, interligando-o com a sua área de trabalho. A maioria dos formandos surgiu da área pedagógica (professores, educadores, etc.), não obstante, participaram formandos oriundos da área da produção e gestão cultural. Globalmente, todos revelaram interesse no cruzamento entre as artes e a interculturalidade.

AC – Qual o balanço que fazem do curso?

MMT e ENS – Um dos aspectos positivos mais referidos foi a qualidade e experiência dos formadores. Os formandos referiram algumas vezes que, de uma forma geral, o balanço do curso foi muito positivo porque os obrigou a sair da zona de conforto, a abrir novas perspectivas, estimulando, assim, o pensamento divergente. Era isso que pretendíamos com o curso.

Um dos aspectos a considerar numa próxima edição do curso, ou de outro similar, terá de ser a responsabilização dos formandos no que concerne à sua frequência no curso, pois cerca de 20%, não frequentou mais de 70% da formação. Um dos aspectos analisados foi o facto de a formação ser gratuita. Concluímos que a gratuidade das acções não implica a sua democraticidade.

Um outro aspecto discutido foi a carga horária e a sua distribuição semanal, mas essa questão é sempre complexa, pois não conseguimos agradar nem incluir as conveniências de todo o grupo. Mas essa questão é já velha para quem organiza este tipo de acções.

Capa do livro "Contos de outros Cantos"

Neto, Elsa, e Mafalda Miguel Teixeira. Coord. (2013). “Contos de Tantos Contos”. [Torres Vedras]: Município de Torres Vedras e Município da Lourinhã

AC – Esta parceria entre dois municípios não se limitou apenas à organização deste curso. Como nasceu esta colaboração e quais têm sido as mais-valias?

MMT e ENS – Os dois municípios são limítrofes e têm vindo a desenvolver, desde 2006, um conjunto de iniciativas na área do partenariado e governança local. Desde a inauguração do Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes de Torres Vedras, em 2008, pois o da Lourinhã encetou o seu trabalho em 2004, estabeleceu-se de imediato uma parceria estratégica, com o intuito de rentabilizar recursos e trocar ideias, o que é sempre uma mais-valia para o trabalho técnico-político e, essencialmente, para as comunidades.

Assim, temos vindo a desenvolver uma panóplia de acções que abarcam as mais diversas áreas de integração do cidadão imigrante, desde a integração no mercado de trabalho à sua participação política. Julgámos proeminente intervir, como já referimos, junto da comunidade autóctone dos dois territórios, pois a pedra basilar deste trabalho conjunto é, mais do que constatar o multiculturalismo presente nos territórios, estabelecer um genuíno diálogo intercultural. A título de exemplo, em 2011 encetámos um projecto de recolha de contos dos vários países de onde os cidadãos imigrantes dos dois territórios eram provenientes, que iniciou com um atelier e findou na edição de um livro, intitulado Contos de Tantos Cantos, que está a ser distribuído em várias escolas e bibliotecas dos dois concelhos.

AC – Que conselhos dariam aos profissionais e/ou instituições que pensem fazer projectos interculturais?

MMT e ENS – Apenas partilhávamos aquilo que são as nossas linhas de intervenção, ou seja, que os projectos culturais e artísticos para além de apresentarem artistas, obras, livros, filmes, projectos de educação estética, ou outros, sejam projectos de valores e de cidadania, capazes de contribuir para a memória colectiva e para o desenvolvimento territorial de uma forma integrada. No fundo, é importante criar a ponte entre a estética e a ética.

****

Elsa Neto da Silva é mediadora no Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes de Torres Vedras. É licenciada em Serviço Social pelo Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa (2001 – 2006) e pós-graduada em Planeamento e Mediação em Contextos Multiculturais pela Universidade Católica Portuguesa (2009 – 2010). Outras formações a destacar: Mediação Familiar e de Mediação de Conflitos, no Instituto Português de Mediação Familiar (2010 – 2011); e Curso Interdisciplinar de Especialização, Imigração, Migrantes e Asilo no espaço de Liberdade, Segurança e Justiça, no Centro de Excelência Jean Monnet – Faculdade de Direito – Universidade de Lisboa (2012 – 2012). Email: elsaneto@cm-tvedras.pt

Mafalda Miguel Teixeira é socióloga e trabalha no Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes da Lourinhã. Iniciou o seu percurso profissional na área pedagógica e desenvolveu projectos na área da produção e da programação cultural, bem como no campo das artes e da educação. Em 2004, descobre o seu interesse pela área do diálogo e das relações interculturais e rapidamente percepciona que o seu caminho profissional tem de ser híbrido, abarcando a tríade: pedagogia – arte – comunidade. Email: mafalda.teixeira@cm-lourinha.pt

Mais recursos:
Sumários e notas biográficas dos formadores
Guia Pedagógico e Artístico (CLAII da Lourinhã)
Guia dos direitos e deveres dos trabalhadores imigrantes (ACIDI)
Projecto da “Família do Lado” (CLAII de Torres Vedras)

Neste blogue, leia-se:
Políticas para a interculturalidade em modo off?

Recursos sobre interculturalidade e museus:
Comunidades imigrantes: representar, envolver e manter (Acesso Cultura)
Em modo “multi” antes do debate (Musing on Culture)
Nós, os híbridos culturais (Musing on Culture)
O começo e o final de uma semana a p&b em Viena (Musing on Culture)
Blogue The Incluseum
Migrar es cultura (Museo de America)
MAP for ID – Museums as Places for Intercultural Dialogue (2007-2009)
LEM – The Learning Museum (Intercultural Dialogue)

Promoção da Interculturalidade

IMG_5151

Maria Vlachou “Promoção da Interculturalidade: Mediação nas Artes” # 24 de Outubro de 2013 # Torres Vedras © Ana Carvalho

“A interculturalidade tem lugar quando duas ou mais culturas entram em interacção de uma forma horizontal e sinérgica. Para tal, nenhum dos grupos se deve encontrar acima de qualquer outro que seja, favorecendo assim a integração e a convivência das pessoas.”

Esta é uma das possíveis definições de interculturalidade, com que Maria Vlachou nos deixou a propósito da apresentação “Promoção da Interculturalidade: Mediação nas Artes” no âmbito do curso de “Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade”.

O próximo parágrafo não resume toda a apresentação de Maria Vlachou, que permitiu uma viagem por inúmeros exemplos (entre eles museus), mas é indicador da forma como aborda a interculturalidade:

“Dantes, os cosmopolitas viajavam e sentiam-se à vontade com as culturas das cidades em que se encontravam. Hoje, os neo-cosmopolitas sentem-se à vontade com as várias culturas na cidade onde residem. As instituições culturais têm um papel fundamental no desenvolvimento deste espírito neo-cosmopolita, que ajuda a combater a ignorância e a promover o entendimento, a tolerância, a partilha, a celebração em conjunto da vida e de várias culturas.” (Maria Vlachou)

A proposta deste curso é a de pensar a interculturalidade a partir de várias áreas (comunicação, livro, teatro, dança, performance, cinema, fotografia, vídeo, etc.). Participam neste curso: Madalena Vitorino, Maria Vlachou, Mafalda Milhões, Natália Luiza, Pedro Penim, João Maria André, Bruno Humberto, Rui Simões, Natália Luiza, Giacomo Scalisi e António Pinto Ribeiro e Pauliana Valente Pimentel.

O curso é uma iniciativa conjunta entre a Câmara Municipal de Torres Vedras e a Câmara Municipal da Lourinhã, através dos Centros Locais de Apoio à Integração de Imigrantes (CLAII´s).

“Numa simbiose entre seminários e módulos, a iniciativa propõe estimular o diálogo e a troca de experiências entre os vários profissionais dedicados à pedagogia, arte e cultura, numa reflexão conjunta de como as mesmas podem instigar a interculturalidade. Ao longo do curso serão destacadas várias áreas artísticas, bem como as múltiplas abordagens na estimulação das relações interculturais. (…) O objetivo é acolher participantes de diferentes áreas que reconheçam a interculturalidade como um pressuposto para um Mundo mais prazeroso e completo.”  (Fonte: site CMLourinhã)

Realiza-se em Torres Vedras até ao final de Novembro. As inscrições já fecharam, mas para qualquer informação contacte as coordenadoras: Mafalda Teixeira (mafalda.teixeira@cm-lourinha.pt) ou Elsa Neto (elsaneto@cm-tvedras.pt).

Programa do curso aqui.