Arquivo de etiquetas: colecção institucional

Novo título da colecção “Estudos de Museus” é dedicado ao colecionismo privado

capa do livro da coleção ao museu

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal  é o sexto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Adelaide Duarte apresentada à Universidade de Coimbra em 2012 (orientação de Irene Vaquinhas e Lúcia Almeida Matos).

Será lançado no próximo dia 31 de Janeiro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Francisco Capelo.

Este livro analisa a formação de coleções privadas de arte moderna e contemporânea em Portugal e observa o modo como foram disponibilizadas ao público, ao longo da segunda metade do século XX. Elegem-se quatro coleções: a de José-Augusto França, a de Manuel de Brito, a de José Berardo e a de António Cachola.

O perfil destes colecionadores, o gosto, as motivações, a estratégia e as condições da escolha das peças permitiram problematizar conceitos, como o de colecionar, colecionador e colecionismo, bem como compreender o funcionamento do sistema da arte, sobretudo o português. Reconhece-se ainda o contributo dos coleciona- dores na constituição e no reforço de coleções públicas e distingue-se a sua ação relativamente à formação de coleções de carácter institucional. Por outro lado, aqueles colecionadores também permitem identificar duas variáveis: as coleções constituídas com tempo, relacionadas com as vicissitudes das respetivas profissões (Coleção França e Coleção Brito) e as coleções reunidas com uma dimensão pública, no propósito das obras virem a configurar museus, apesar de se manterem na propriedade privada (Coleção Berardo e Coleção Cachola).

O tema do colecionismo privado é de grande atualidade no contexto internacional. No nosso país, carecem estudos sistemáticos sobre o assunto, pelo que este livro constitui um contributo relevante para os que desejam aprofundar este domínio (da sinopse da contracapa).

Adelaide Duarte (n. 1974) é coordenadora executiva da pós-graduação Mercado da Arte e Colecionismo na Universidade Nova de Lisboa, com a primeira edição no ano letivo de 2016-2017. Professora auxiliar convidada e investigadora de pós-doutoramento, com bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. Membro integrado nos grupos de investigação Museum Studies: Art, Museums and Collections e Art in the Periphery. Doutoramento em Museologia e Património Cultural (2012) sobre colecionismo privado de arte moderna e contemporânea em Portugal, na Universidade de Coimbra. Desenvolve investigação sobre a formação de coleções, privadas e institucionais, a partir da coleção do Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves. Vice-Presidente da Associação Amigos do Museu Nacional de Arte Contemporânea-Museu do Chiado e responsável pelo Ciclo Colecionar Arte. Conversas a partir de coleções particulares. Mestrado em Museologia e Património Cultural (2005), e licenciatura em História, variante de História da Arte (1998) na Universidade de Coimbra. Tem participado em conferências e colóquios, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, e Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

9 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – COLECIONAR NO SÉCULO XX
18 | Contextualização historiográfica do tema
44 | Colecionar no século XX: o sistema da arte moderna e contemporânea
80 | Colecionar arte moderna e contemporânea em Portugal: entre o domínio público e o privado

117 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO
120 | José-Augusto França, a coleção de um crítico e historiador da arte (Tomar)
166 | Manuel de Brito, a coleção de um marchand e galerista (Oeiras)
210 | José Berardo, a coleção de um investidor (Sintra, Lisboa)
255 | António Cachola, a coleção de um empresário (Elvas)

297 | CONCLUSÃO

305 | Notas
389 | Siglas
391 | Fontes e bibliografia
419 | Índice remissivo
427 | Agradecimentos

Tese de doutoramento: “Da colecção ao museu”

Título: «Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea, em Portugal, na segunda metade do século XX. Contributos para a história da museologia»

Autora: Adelaide Duarte

Orientação: Irene Vaquinhas (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra) e co orientação de Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto).

Tese de Doutoramento em Letras, Área de História e Especialidade em Museologia e Património Cultural apresentada na Universidade de Coimbra.

Júri: João Maria Bernardo Ascenso André (Universidade de Coimbra), Alice Semedo (Faculdade de Letras Universidade do Porto); João Carlos Pires Brigola (Universidade de Évora); António Manuel Filipe da Rocha Pimentel (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (FCSH, Universidade Nova de Lisboa) e José Maria Amado Mendes (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra).

Data: Setembro de 2012

RESUMO:

A formação de colecções de arte moderna e contemporânea por particulares e o modo como foram disponibilizadas ao público, na segunda metade de Novecentos, em Portugal, é o assunto que nos propomos estudar em tese de doutoramento.

A escolha deste tema partiu do desejo de compreender a estrutura destas colecções de arte, desde as características da colecção às do coleccionador, como o perfil, o gosto, as motivações, a estratégia, as condições da sua selecção, e as vicissitudes por que passou quem se dedicou a juntar conjuntos de peças daquela natureza. Dentro do domínio do coleccionismo privado, daquela tipologia e período de tempo, optámos por estudar as colecções de José-Augusto França, de Manuel de Brito, de José Berardo e a de António Cachola, opção que implicou adequações ao plano inicial da tese. A escolha destes casos de estudo pretendeu potenciar o estudo de distintos tipos de coleccionador que exercem diferentes ofícios na sociedade. Nestes casos, temos o historiador e crítico da arte, o marchand e galerista, o investidor e homem de negócios e o empresário empreendedor, respectivamente. No que respeita à delimitação do tema, a preferência por estas colecções particulares foi ainda determinada pelas seguintes razões: em primeiro lugar, a sua natureza – são colecções de arte moderna e contemporânea, de âmbito nacional e, uma, de âmbito internacional; em segundo, o período em que foram constituídas, a segunda metade do século XX, num tempo em que se organizava o mercado da arte no nosso país (no exterior, este tendia para uma globalização); e, em terceiro, a sua disponibilização em espaços musealizados de tutela pública. Este último factor determinou uma transferência de domínios no usufruto da colecção, do particular para o público, e a implementação de um novo modelo de gestão de tutela municipal e do Estado.

O estudo dos casos seleccionados permite constatar estarmos perante uma leitura panorâmica, na qual se distinguem duas variáveis no coleccionar durante aquele período. Enquanto a colecção de José-Augusto França e a de Manuel de Brito foram constituídas com o tempo e as vicissitudes das respectivas profissões, as colecções de José Berardo e a de António Cachola foram-no com uma dimensão pública pelo propósito de se musealizarem. Este factor constitui uma clara divergência entre os objectivos daquelas. Com efeito, esta questão vem ao encontro de uma tendência que se regista no coleccionismo no tempo presente, designadamente a partir de meados do século XX. Referimo-nos ao coleccionar-se com o propósito de partilhar a colecção com o público. Por conseguinte, apesar de verificarmos que muitas colecções particulares se integram em museus, afigura-se uma novidade o coleccionador particular reunir as obras, desde o primeiro momento, para fora do campo doméstico, assumindo o objectivo de as partilhar com o público. Este papel de adquirir para expor, competia, tradicionalmente, à esfera do poder público.

Palavras-chave: coleccionador, coleccionismo, colecção particular, colecção institucional, arte moderna e contemporânea, mercado da arte, sistema da arte, museus de arte, museologia, património artístico.