Arquivo de etiquetas: conferência

ICOM Portugal organiza encontro de Outono em Évora

O próximo encontro organizado pelo ICOM Portugal (em parceria com a Direção Regional de Cultura do Alentejo) será em Évora, no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, no próximo dia 27 de Outubro (sexta-feira).

Sob o título: “Lei-Quadro dos Museus e Descentralização: Que Caminhos?” pretende-se debater com os profissionais dos museus as opções museológicas no nosso país com particular atenção sobre a aplicação da Lei-Quadro num momento em que no debate político se equacionam novas fórmulas de descentralização e de gestão, com forte impacte, num sector tão importante e simultaneamente tão frágil do nosso património cultural. Para além desta reflexão serão apresentados e debatidos casos práticos de novas realidades, como o das redes de museus temáticas e geográficas, que entretanto foram surgindo.

Mais informações em: http://icom-portugal.org

Programa detalhado aqui: http://icom-portugal.org

O encontro é de entrada livre, mas sujeito a inscrições até ao limite de capacidade do espaço. Pode fazer a inscrição através dos seguintes emails: anapais@cultura-alentejo.ptinfo@cultura-alentejo.pt. E pelo telefone: 266 769 450 (Direccão Regional da Cultura do Alentejo)

 

Os 50 Anos de “L’Amour de l’Art”: Dívidas, Críticas e Desafios

lamour_24nov2016_cartaz

No próximo dia 24 de novembro (quinta-feira), no ISCTE-IUL, em Lisboa, realiza-se o “Encontro nos 50 Anos de L’Amour de l’Art: Dívidas, Críticas e Desafios.”

Os 50 anos que se completam em 2016 sobre a primeira edição da obra L’Amour de l’Art: Les Musées et Leur Public, de Pierre Bourdieu e Alain Darbel, dão o mote para a organização deste encontro, que pretende reflectir sobre os desenvolvimentos actuais nas áreas dos públicos e da evolução dos museus, numa perspectiva interdisciplinar, tendo em conta o cruzamento entre a Sociologia e a Museologia.

A entrada Livre, mas está sujeita a inscrição até 18 de novembro. Para mais informações, contacte: encontro50anosamorpelaarte@iscte.pt

O encontro é organizado pela Direção-Geral do Património Cultural, pelo Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa e pelo Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do ISCTE.

O programa está disponível em: http://www.patrimoniocultural.pt

Acesso Cultura organiza conferência sobre acessibilidade da linguagem

Acesso Cultura - conferencia 2016

A associação Acesso Cultura organiza a sua conferência anual no dia 17 de Outubro de 2016. O tema é a acessibilidade da linguagem na instituições culturais (museus, teatros, entre outros espaços culturais).

Em 2006, o GAM – Grupo para a Acessibilidade nos Museus (e antecessor da Acesso Cultura) abordou pela primeira vez em Portugal a acessibilidade da comunicação, com a realização do seminário Sabe escrever para todos? A acessibilidade da comunicação escrita nos museus. Dez anos depois, a Acesso Cultura propõe reflectir novamente sobre as questões da acessibilidade da comunicação, desta vez não só sobre a acessibilidade da linguagem, mas também sobre a relevância dos conteúdos e sobre o conceito da “relevância” em si.

Para quem queira participar como conferencista, há uma chamada aberta para contributos até dia 30 de Julho. O programa conta já com alguns conferencistas convidados: Dany Louise, Isabel Galvão, Joana Lobo Antunes, Joana Moscoso, Joana Sousa Monteiro, José Alberto Ribeiro, Martine Gosselink, Sandra Fisher Martins e Sandy Gageiro.

Para inscrição e programa: https://acessocultura.org/conferencia-anual-2016/

Seguindo a vida social da Convenção de 2003

Cartaz do evento

No próximo dia 13 de Maio (sexta-feira) realiza-se mais uma conferência aberta no âmbito do programa de doutoramento FCT em Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura do ISCTE. Desta vez será a antropóloga Chiara Bortolotto (École des Hautes Études en Sciences Sociales, Institut Interdisciplinaire d’Anthropologie du Contemporain), cujo título da conferência é: “Halfie” Anthropology of Global Heritage Governmentality: from methodological anxieties to heurística discomfort. Acontece pelas 18h, no auditório B203, Ed. II, ISCTE-IUL. Chiara Bortolotto tem trabalho sobre a problemática que envolve a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003).

Para quem não possa estar fisicamente presente pode fazê-lo a partir de casa via livesreaming: https://recad.iscte-iul.pt/ess/echo/presentation/9478ad40-44f1-4f54-9048-1dc20206bf1a

Abstract: The presentation considers the methodological challenge of exploring global heritage governmentality as a “halfie” anthropologist belonging at once to the academic community and to the epistemic community associated with the implementation of the UNESCO Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage. As Intangible Cultural Heritage (ICH) domains overlap with the traditional objects of anthropological research, anthropologists are “natural” interlocutors for heritage organisations and bureaucracies at international, national and local levels. This often-serendipitous complicity is a key methodological condition for exploring global heritage governmentality by following the social life of the UNESCO ICH Convention along the trajectory of its implementation.

Bionote: Chiara Bortolotto is a research associate at the Institut interdisciplinaire d’anthropologie du contemporain. Her research focuses on global heritage governance and is based on multiscale and multipositioned ethnography. She is the principal investigator of the project “UNESCO frictions: Heritage-making across global governance” at the École des hautes études en sciences sociales (Paris). In 2013-2014 she was a visiting EURIAS fellow at Cambridge University at the Centre for Research in the Arts, Social Sciences and Humanities (CRASSH). From 2010 to 2013 she was a Marie Curie fellow at the Free University of Brussels (Laboratoire d’Anthropologie des Mondes Contemporains Lamc). She has edited Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie (Maison des sciences de l’homme, Paris, 2011) and published several articles on UNESCO Intangible Cultural Heritage policies.

O tema da ruralidade junta museus no Alentejo em segundo encontro

Cartaz do encontro

Amanhã, 5 de Maio (quinta-feira), realiza-se o II Encontro de Museus Rurais do Sul, no Museu Municipal de Santiago do Cacém. A ruralidade é o tema aglutinador de vários museus na região do Alentejo, que assim se reúnem para discutir problemáticas transversais.

A entrada livre e ainda é possível fazer inscrição, através do email: museu@cm-santiagocacem.pt

****

Programa

9h30 – Abertura

9h45 – O projecto Museus Rurais do Sul, Miguel Rego (Museu da Ruralidade, Castro Verde)

10h00 – Os barcos do Ardila, António Martins (Museu de Santo Amador)

10h30 – Tradição e Técnica do Mundo do Trabalho: Retratos de uma Sociedade Rural na Primeira Metade do Séc. XX, Luísa Costa (Museu da Vidigueira)

10h50 – Debate

11h00 – coffee break

11h20 – Visita ao Museu do Trabalho Rural (Abela)

13h00 – Almoço livre

14h30 – Museu Rural: Espaço de Saberes Tecnológicos, do Passado e do Presente, António Nabais (museólogo, Associação Portuguesa de Museologia – APOM)

15h15 – Memória dos Pescadores de Santo André, Dina Calado (formadora)

15h50 – Debate

16h00 – Coffee break

16h15 – O Artesanato e a Fotografia no Discurso Museológico do Museu do Campo Alentejano, Paula Cristina Breites Moreira Freire (Museu do Campo Alentejano, Avis)

16h35 – O Projecto do Carro Cantador, José Matias (Museu do Trabalho Rural)

17h00 – Debate

17h30 – Visita Guiada pelo Sr. Júlio Sabino à sua Exposição de Barcos e Cabanas de Pescadores de Santo André

18h00 – Encerramento

Presidente do Conselho Internacional de Museus de visita a Lisboa

EMEE

Realiza-se no próximo dia 22 de Fevereiro (segunda-feira) a conferência Museums: One Object, Many Visions, organizada pelo Museu Nacional de Arqueologia (Lisboa) no âmbito do projecto internacional EuroVision – Museum Exbiting Europe (EMEE). O projecto teve início em 2012 e encerra em Outubro deste ano. O Museu Nacional de Arqueologia, parceiro português do projecto, assinala a sua contribuição com uma conferência e uma exposição: Um Objecto, Muitas Visões.

O projecto Eurovision, suportado por fundos europeus no âmbito do programa Cultura 2007-2013, explora as questões da multiculturalidade e a reflexão em torno das identidades nacionais a partir dos museus de história de âmbito nacional e regional (cf. http://www.museums-exhibiting-europe.de). A par da conferência realizar-se-á a 5.º reunião dos parceiros do projecto (23-26 de Fevereiro), que marca o início da última fase do projecto. O projecto conta com parceiros da Alemanha (líder do projecto), da Áustria, de Itália, de França, da Eslovénia, da Bulgária e de Portugal.

A conferência Museums: One Object, Many Visions, que conta com o apoio do ICOM Portugal, trás a Lisboa vários conferencistas estrangeiros. Entre eles destaca-se o presidente do ICOM central, o alemão Hans-Martin Hinz, que vem a Portugal, pela primeira vez, em visita oficial (sobre Hinz veja-se a entrevista). Hinz é também um dos consultores do projecto Eurovision.

A conferência termina com a Inauguração da exposição do projecto Eurovision: Europe Through our Objects: One Object, Many Visions (consulte-se o catálogo). A exposição resulta de um concurso para jovens cenógrafos e é parte da contribuição portuguesa para o “Laboratório Eurovision”. Estes laboratórios permitem testar os resultados do projecto. No comunicado de imprensa do projecto lê-se «pretende-se desenvolver abordagens múltiplas para a Europeização de museus nacionais e regionais» e «novas formas de representação, de cenografia e possibilidades para participar, ajudar os visitantes a descobrir perspectivas europeias e transnacionais».

Inscrições gratuitas, mas limitadas aos lugares disponíveis. Para fazer inscrição é necessário contactar Mário Nuno Antas, organizador da conferência e coordenador do projecto no Museu Nacional de Arqueologia, através do email emeeportugal@gmail.com.

****

Programa

09.30 Recepção dos participantes
10.00 Sessão de abertura
João Soares, Ministro da Cultura
Paula Silva, directora da Drecção-Geral do Património Cultural
José Alberto Ribeiro, presidente do ICOM Portugal
António Carvalho, director do Museu National de Arqueologia

Sessão 1
Moderador: José Alberto Ribeiro, ICOM Portugal
10.15 The value role of museums, Hans Martin Hinz, presidente do ICOM central
11.00 European museums in the 21st century, Luís Raposo, membro da direcção do ICOM Europa
11.30 Coffee Break

Sessão 2
Moderatora: Joana Sousa Monteiro, secretária do ICOM Portugal
11.40 EMEE project: one object, many visions, Susanne Popp, coordenadora do projecto Eurovision, Universidade de Augsburg, Alemanha
12.30 Education for global citizenship and museum collections, Joaquim Jorge, técnico da Câmara Municipal de Loures
13.00 Almoço

Sessão 3
Moderadora Clara Frayão Camacho, presidente da assembleia-geral do ICOM Portugal
14.15 The role of education in museums, Emma Nardi, presidente do ICOM CECA (CECA (Comité Internacional para a Educação e Acção Cultural)
15.00 The educational value of museums, David Vuillaume, presidente da Nemo (Network of European Museum Organisations)
15.45 One object, many approaches… new trends in museum education, Mário Nuno Antas, técnico do Museu Nacional de Arqueologia
16.15   Coffee Break

Sessão 4
Moderador: José Gameiro, membro da direcção do ICOM Portugal
16.30 Synesthetic translation of perspectives, or how to make the object talk, Uwe Bruckner, fundador do Atelier Brückner GmbH (Alemanha)
17.15 Young Scenographers contest. Around the Bell-Beaker: Archaeology revisited within Design Studies approach at FBAUL, Isabel Dâmaso, Mariano Piçarra, Tiago Jordão e Leonardo Rossetti (Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa)
17.40 Comentário final, Dália Paulo, membro da direcção do ICOM Portugal

17.45 Sessão de encerramento
José Alberto Ribeiro, president do ICOM Portugal
António Carvalho, director do Museu Nacional de Arqueologia
Delegado do Ministério da Cultura (a confirmar)
18.00 Inauguração da exposição do projecto EMEE: Europe through our objects: one object, many visions

Apresentados novos estudos sobre as colecções do Museu Nacional de História Natural e da Ciência

Museu de ciência

É já no próximo dia 5 de Novembro (quinta-feira) que se realiza um seminário no Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MNHNC, Lisboa) onde serão apresentados os  estudos mais recentes sobre a história deste museu e das suas colecções. “Há uma enorme quantidade de gente que, recentemente, tem feito investigação [nesta área] (…), vamos juntar alguns deles na mesma sala.” dizem os organizadores do seminário.

Novos materiais serão apresentados, nomeadamente sobre a Flora Medicinal do Real Museu e Jardim Botânico da Ajuda (David Felismino e Palmira Carvalho), sobre o arquivo histórico do Jardim Botânico e o Laboratorio Chimico (Inês Afonso e Rita Morais, respetivamente), sobre a expedição a África de Friedrich Welwitsch no séc. XIX (Sara Albuquerque) e, ainda sobre a história do incêndio da Faculdade de Ciências de 1978 (Elaine Costa) que levou à destruição de várias colecções do museu.

No anfiteatro Manuel Valadares, entre as 14h15 e as 17h30.

Programa
14h15 – Abertura – Marta C. Lourenço, MUHNAC
14h30 – Trocas botânicas e redes de conhecimento: A expedição a África de Friedrich Welwitsch (Iter Angolense 1853-1860) – Sara Albuquer, Pós-Doc IHC/CEHFCi da Universidade de Évora
15h00 – O contexto histórico do incêndio de 1978 no edifício da antiga Escola Politécnica de Lisboa – Elaine Costa, Conservadora do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil
15h30 – Contributos para o conhecimento da Coleção do Laboratorio Chimico da Escola Politécnica de Lisboa: Casas comerciais e aquisições de equipamentos (1888-1892) – Rita Morais, Estudante de Mestrado em Gestão e Valorização do Património Histórico e Cultural, Universidade de Évora
16h00 – Pausa para café
16h30 – Flora Medicinal do Real Museu e Jardim Botânico da Ajuda – David Felismino e Palmira Carvalho, MUHNAC
17h00 – Levantamento preliminar das trocas e aquisições no Jardim Botânico de Lisboa, década de 1880 – Inês Afonso, Historiadora/Voluntária no MUHNAC
17h30 – Encerramento – José Pedro Sousa Dias, Diretor do MUHNAC

Mais informações em: http://museus.ulisboa.pt/node/667

Qual o lugar da cultura no séc. XXI?

CCB

Centro Cultural de Belém, 2012 © Carlitos

 

Qual o lugar da cultura no séc. XXI? Entre 15 e 16 de Abril irão decorrer uma série de conferências sobre cultura no Centro Cultural de Belém (CCB). Trata-se de uma iniciativa do governo. Segundo Jorge Barreto Xavier, Secretário de Estado da Cultura, «pretende-se contribuir para promover uma melhor identificação e proposição da presença da cultura no modelo
de desenvolvimento português e europeu no século XXI.»

No âmbito desta iniciativa irá ter lugar também a mesa-redonda “Conhecer, Explorar e Partilhar o Património Cultural (17 de Abril), entre as 9h30 e as 12h30, na Sala Almada Negreiros (CCB). Entre os convidados destacam-se Alice Semedo, António Lamas, António Mega Ferreira, Augusto Mateus, Guilherme d’Oliveira Martins, Jesus Prieto, Luís Campo e Cunha, João Paulo Sacadora (moderador), e Nuno Vassallo e Silva (boas-vindas). Inscrição através do email: dgpc@dgpc.pt

Mais informações em: http://olugardacultura.pt.

Congresso internacional Lights On… Cultural Heritage and Museums!

LightsOnLogo

O congresso internacional Lights On… Cultural Heritage and Museums! irá realizar-se na Universidade do Porto entre 20 e 22 de Julho de 2015. Organização da Universidade do Porto.

****

Facing serious times of change, museums and other cultural institutions, discuss and reflect, in a deeply and interdisciplinary way, about their role in resilience, sustainability and quality of life of the twenty-first century society.

The XXI century is seen as the Century of Light, as light and light-based technologies are recognized as major economic drivers with the potential to revolutionize it. In that sense, UNESCO proclaimed 2015 the International Year of Light (IYL2015, AIL2015), also “Noting that 2015 coincides with the anniversaries of a series of important milestones in the history of the science of light, including the works on optics by Ibn Al-Haytham in 1015, the notion of light as a wave proposed by Fresnel in 1815, the electromagnetic theory of light propagation proposed by Maxwell in 1865, Einstein’s theory of the photoelectric effect in 1905 and of the embedding of light in cosmology through general relativity in 1915, the discovery of the cosmic microwave background by Penzias and Wilson and Kao’s achievements concerning the transmission of light in fibres for optical communication, both in 1965” (United Nations, A/RES/68/221, 2014).

Such revolution happens and has significant impact on cultural heritage and museums. Aware of the process, this congress joins the international initiatives on the IYL2015, and adopts the concept of light in its broader meaning, that is, not only the form of energy associated with the visible portion of the electromagnetic spectrum, but also all other invisible radiation such as X-rays, ultraviolet, infrared, among many. It aims to raise and enhance awareness for its potential and crucial role in cultural heritage and in inclusive museums.

Assuming a multi and interdisciplinary character, we are sure that it will strengthen the cooperation bonds between professional, scientific and educational communities and provide a platform for sharing experiences and knowledge about important scientific and technological advances in the field, featuring Thematic Sessions, with Plenary Lectures and Oral Presentations, Poster Session and Workshops. The official language will be English and the focus will be on the following topics:

1. Science of vision. The perception of colour as a function of illumination
2. Lighting systems in museums / historical buildings / monuments. Requirements and scientific and technological developments
3. Built environment. Solutions. Energy resources and sustainability
4. Study and safeguard of heritage associated with the production of energy and electric lighting
5. Scientific examination of heritage and analytical applications using different radiation. Research on
i. Materials, technologies, functions and producers
ii. Alteration processes and diagnosis
6. Technologies of communication and mediation
7. Curative conservation and restoration
8. Integrated risk management. Preventive conservation

****

Mais informações em: https://lightsonchm.wordpress.com

A Economia Política das Ciências Sociais e das Humanidades

Biblioteca Museu Nacional Arte Antiga

Biblioteca MNAA © Ana Carvalho

No dia 17 de Janeiro de 2015 terá lugar no auditório da Biblioteca Nacional um encontro dedicado à reflexão sobre as ciências sociais em Portugal intitulado “A Economia Política das Ciências Sociais e das Humanidades, que “visa analisar e discutir a actual situação (…) tendo como pano de fundo a crise económica do país e da Europa […].”

São três os eixos principais para o debate: as fontes de financiamento universitário e a autonomia das agendas de investigação; as diferenças e hierarquias no interior do campo académico e a noção de comunidade científica; a crise do emprego científico e as práticas académicas de exploração laboral.

A museologia, enquanto campo de estudos no âmbito das ciências sociais, poderia incluir-se neste contexto de reflexão. No momento em que a formação pós-graduada em museologia (mestrados e doutoramentos) está em profunda transformação, quais as expectativas da evolução da museologia como campo de investigação?

Em 2010, a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) criou uma nova área para submissão de projectos de doutoramento e pós-doutoramento com a designação “Museologia, Conservação e Restauro”. A iniciativa foi criada no âmbito de um protocolo com o Instituto dos Museus e da Conservação e com o objectivo de estimular a investigação centrada nos museus e nas colecções. O painel “Muselogia, Conservação e Restauro” da FCT foi entretanto extinto. Resultado da crise? O que parecia um desenvolvimento positivo da museologia rapidamente sucumbiu no contexto da crise generalizada do financiamento à investigação. Embora continue a ser possível submeter candidaturas de projectos em museologia mediante avaliação noutros painéis disciplinares (História, História da Arte, Antropologia, etc.), esta mudança significou provavelmente um retrocesso ou uma limitação concreta na evolução da investigação em museologia, no seu crescimento e consolidação como área de estudos, mas que é também o resultado das mudanças profundas nas universidades e no sistema de financiamento.

Faz falta uma avaliação do que se passa no campo da investigação em museologia: que problemas, abordagens e perspectivas? Sobre estas questões fica um pequeno excerto de Nélia Dias que, no contexto do artigo “A Antropologia Ainda Precisa Dos Museus?” (2013), tece algumas considerações sobre esta matéria:

«[…] se no início dos anos 2000 assistia-se ainda ao boom da museologia e a um certo entusiasmo pelos museus por parte dos alunos, actualmente a museologia não ocupa em Portugal um papel central tanto em termos académicos – cadeiras de opção nas licenciaturas e mestrados na área – como no que diz respeito às publicações e investigação neste domínio. A dimensão pioneira e original que os museum studies deram para a abordagem dos museus suscitando um estímulo intelectual acabou por dar lugar a uma certa acalmia, que se traduz de uma certa forma, em abordagens mais convencionais e menos críticas em relação às práticas e aos fundamentos da museologia. Esta mudança de orientação parece-me ser sintomática da ausência de um paradigma novo na museologia; mais ainda, com a crise económica que se instalou em Portugal e suas repercussões em termos do ensino superior e nomeadamente da procura por parte dos alunos, parece-me que a situação apresenta todas as condições para se manter» (In Dias, Nélia. 2013. “A Antropologia Ainda Precisa Dos Museus?” Museologia e Interdisciplinaridade 2 (4): 82).

Recomenda-se, ainda, a leitura do artigo de Irene Vaquinhas “A Museologia Como Campo de Estudo nas Universidades Portuguesas: Esboço de Evolução, Pertinência e Atualidade” (2013),  que traça uma panorâmica sobre a formação pós-graduada em Portugal ligada aos museus e ao património. Disponível em: http://midas.revues.org/142

****

PROGRAMA

9h45 Abertura

10h-11h40 FINANCIAMENTO OU CONDICIONAMENTO DA INVESTIGAÇÃO?
Que dívida é contraída pelos cientistas sociais junto de quem financia as suas investigações? A questão ganha maior visibilidade em Portugal num quadro de retracção do financiamento estatal e de emergência de novas fontes de financiamento privado. Partindo de um olhar histórico sobre o desenvolvimento da ciência nas últimas décadas, nesta primeira mesa pretende-se problematizar a questão da determinação das agendas de pesquisa nas ciências sociais de hoje, nomeadamente discutindo a sua sujeição a interesses económicos privados e ou a políticas públicas de índole nacional ou europeu.

11h50-13h30 COMUNIDADE CIENTÍFICA OU HIERARQUIA ACADÉMICA?
Hoje boa parte dos cientistas sociais utiliza o conceito de comunidade com precaução. Neste sentido nós também perguntamos de que falamos quando falamos de comunidade científica? A identificação de uma tal comunidade torna visível uma distinção entre o campo académico e a realidade que o rodeia e revela-se pouco sensível às diferenças e desigualdades que cindem o interior do campo. Em jeito de inquérito às relações de poder na universidade, esta mesa promoverá um debate que se pretende desdobrar da crítica pedagógica à questão da democraticidade do governo universitário.

15h-16h40 CRISE E FUTURO DO TRABALHO CIENTÍFICO
Desde os anos de 1990 que aumentou significativamente o número de pessoas envolvidas na investigação científica. Em função da crise económico-financeira vigente, mas também de uma concepção da produção científica de pendor elitista, de que é exemplo a recorrente agitação da bandeira da “excelência” por parte da actual direcção da FCT, aquela tendência de crescimento encontra-se em reversão. Esta reversão é facilitada pela natureza dos vínculos contratuais em que se baseou o crescimento das últimas décadas. A universidade constituiu-se como um laboratório de experiências de mobilização e exploração do trabalho que passaram pela generalização de regimes de precariedade e, mais recentemente, pela proliferação de trabalho não-remunerado. Como inverter a tendência de retracção do número de investigadores e reconstruir o sistema em bases menos precárias?

17h-18h30 DISCUSSÃO FINAL

———
Convoca este encontro um grupo de investigadores de ciências sociais e de humanidades da região de Lisboa: André Freire, António Hespanha, Bruno Peixe Dias, Carlos Bastien, Cláudia Castelo, Eduardo Ascensão, Fátima Sá e Melo Ferreira, Golgona Anghel, Gustavo Cardoso, Guya Accornero, Helena Jerónimo, Inês Galvão, Joana Cunha Leal, Joana Estorninho de Almeida, João Sedas Nunes, José Ferreira, José Luís Garcia, José Neves, José Nuno Matos, Manuela Ribeiro Sanches, Margarida Santos, Maria Coutinho, Maria Dávila, Maria Eduarda Gonçalves, Marta Macedo, Miguel Vale de Almeida, Nuno Domingos, Paula Godinho, Paulo Jorge de Sousa Pinto, Pedro Aires de Oliveira, Renato Carmo, Robert Rowland, Ruy Llera Blanes, Sérgio Campos Matos, Susana de Sousa Dias, Susana Gaudêncio.

* Cada mesa contará com duas intervenções iniciais de 20 minutos, seguidas de um comentário de 15 minutos e abrindo-se em seguida um espaço de debate entre todos os participantes no encontro. O encontro terminará com uma sessão que, partindo de uma intervenção de síntese das discussões tidas ao longo do dia, se deseja participada por todos os investigadores presentes. Os nomes dos intervenientes serão anunciados brevemente.

Conferência Patrimonialização e Sustentabilidade do Património

© Susana Gaudêncio Manifesto # 7 (Época de estranheza em frente ao mundo), 2012. Água-forte s/papel. Imagem retirada de http://www.fcsh.unl.pt/media/eventos/patrimonializacao-e-sustentabilidade-do-patrimonio-reflexao-e-prospectiva

© Susana Gaudêncio Manifesto # 7 (Época de estranheza em frente ao mundo), 2012. Água-forte s/papel. Imagem retirada de: http://www.fcsh.unl.pt/

“Patrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva” é uma conferência organizada pelo Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa. Irá decorrer esta semana em Lisboa, entre os dias 27 e 29 de Novembro.

Um programa denso de três dias, que promete debates interessantes sobre património. Estarão presentes investigadores nacionais e internacionais. Entre eles, destaca-se a presença  de Jean Davalon (Universidade de Avinhão/França), que muitos conhecerão do mundo dos museus. Com um extenso currículo, Davallon é um dos fundadores e co-editor da revista francesa Publics et Musées, que em 2002 passou a designar-se por Culture et Musées. Davalon fará a conferência inaugural no primeiro dia do encontro: “À Propos des Régimes de Patrimonialisation : Enjeux et Questions”.

Sobre o racional da conferência:

“A importância e o papel do património (cultural e natural) na sociedade contemporânea tornam praticamente transversal a todas as áreas científicas a necessidade de conhecimento e de reflexão sobre questões ligadas à memória colectiva e social, à seleção de elementos do passado e sua refuncionalização no presente, à função patrimonial de certos bens e manifestações culturais em relação a comunidades de pertença, ao carácter cíclico do património, à dimensão patrimonial do desenvolvimento, enfim ao património como facto social e cultural.

Para designar o processo de constituição de património a partir de realidades e de bens culturais ou naturais, usa-se o termo patrimonialização. O verbo causativo patrimonializar refere-se à acção de identificar os valores culturais de um dado bem, de os reconhecer socialmente e assim constituir património. Deste processo resultam uma espécie de sedimentação patrimonial e necessidades de gestão das realidades contemporâneas e de uso dos bens que se pretende salvaguardar ou preservar.

A temática da patrimonialização e da sustentabilidade do património, material e imaterial, natural e cultural, complexa e vasta, é ampliada pela diversidade de configurações históricas e pela reconhecida ambiguidade dos termos que convoca.

Este encontro organiza-se para estimular uma reflexão multidisciplinar e pretende dar lugar a comunicações produzidas quer no âmbito da história, da história de arte, da antropologia, da arqueologia, da sociologia, da geografia, entre outras ciências sociais, quer no âmbito das ciências naturais e de outros domínios científicos e tecnológicos, relacionados com estudos de património e com a museologia, que dêem a conhecer e contribuam para compreender e para actuar nos processos de patrimonialização e/ou de uso, transmissão e gestão sustentável de patrimónios.”

Comissão organizadora: Graça Filipe, Fernanda Rollo, Paula Godinho, Raquel Henriques da Silva e José Picas do Vale

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas|Universidade Nova de Lisboa Edifício ID|4º piso|salas multiusos 2 e 3 Avenida de Berna 26-C|1069-061 Lisboa – Portugal| Informações: patrisuspatri@gmail.com

Mais em: http://www.fcsh.unl.pt/submissao-de-artigos-cientificos/patrimonializacao-e-sustentabilidade-do-patrimonio-reflexao-e-prospectiva

O Património Industrial: Territórios, Paisagens, Arquitecturas

Colóquio património industrial

 

No próximo dia 17 de Novembro (segunda-feira) terá lugar na Biblioteca Nacional (Lisboa) um colóquio sobre património industrial. O evento é organizado pela Universidade de Évora através de dois dos seus centros de investigação, o Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) e do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA). A entrada é livre.

Comissão Organizadora: Ana Cardoso de Matos (Universidade de Évora – CIDEHUS), João Soares (Universidade de Évora – CHAIA/Doutoramento de Arquitetura), Raffaella Maddaluno (Universidade de Évora – CIDEHUS) e Jorge Croce Rivera (Universidade de Évora – CHAIA).

“O património industrial representa o testemunho de actividades que tiveram, e que ainda têm, profundas consequências históricas. As razões que justificam a protecção do património industrial decorrem essencialmente do valor universal das suas características mas também da singularidade de quaisquer sítios excepcionais.

Hoje as memórias “industriais” estão espalhadas por espaços amplos e estudar e perceber esta geografia construída não é uma tarefa fácil. O respeito e a protecção deste cenário histórico industrial não fazem facilmente parte da consciência colectiva, mas sobretudo não é fácil entender o conceito de que a preservação do artefacto construído não pode ser separada do conhecimento e protecção da paisagem em que se instala.

Quem interage com os temas da “herança industrial” tem como objetivo investigar, valorizar um panorama de arquitecturas, documentos, arquivos que têm caracterizado as atividades de produção ao longo dos séculos. Cooperação, comparação e intervenção são as palavras-chave da abordagem a este tipo de património que exige um trabalho multidisciplinar para uma investigação multivalente e que permita recompor a totalidade metodológica que as questões do património industrial exigem.

O presente colóquio insere-se nesta prespectiva desta cooperação multidisciplinar que historiadores e arquitectos da Universidade de Évora têm procurado desenvolver através de iniciativas conjuntas, para as quais têm contado também com a colaboração de investigadores de outras instituições.”

PROGRAMA

10.00h-10.10h

Património industrial e o projeto em arquitetura

Ana Cardoso de Matos (UÉ/CIDEHUS)

João Soares (UÉ/CHAIA/Doutoramento em Arquitetura)

10.10h-10.25h

Património industrial, território e paisagem no sul de Portugal

Ana Cardoso de Matos (UÉ/CIDEHUS)

10.25h-10.50h

A paisagem construída da Arquitetura industrial: exemplos de uma nova metodologia interdisciplinar de investigação

Raffaella Maddalluno (UÉ/CIDEHUS)

10.50h-11.20h | Discussão

11.20h-11.45h | Coffee break

11.45h-12.10h

Fábricas habitadas: As “Colònies têxtils de Catalunya”

José Manuel Carvalho (UÉ/CHAIA)

12.10h-12.35h

La roconstruzione della “Fabrica de moagem de Caramujo” e l´introduzione del cemento armato (brevetto Hennebique) in Portogallo

Mariangela Licordare (UÉ/CIDEHUS)

12.35h-13. 50h | Discussão

13. 05h-14.30h | Almoço livre

14.30h-14.55h

Património Industrial – Reapropriação sem perca de sentido(s)

Miguel Ângelo da Silva (ULL-FAA/CITAD)

14.55h-15.20h

Espaços de produção, técnicas e tecnologias no sector da Moagem no Porto (1890-1920)

Maria da Luz Sampaio (UÉ/CIDEHUS)

15.20h-15.45h

Património da memória: a moagem de Aljezur um lugar a preservar

Maria João Pereira Neto (FA/CIAUD-UL)

15.45h-16.15h | Discussão

16.15h-16.45h | Coffee break

16.45h-17.15h

Os espaços da produção de cortiça na Fábrica Robinson: da rolha ao parquet

Rui Lourenço (Fundação Robinson)

17.15h-17.35h

REpensar = Reutilizar: O abandono como oportunidade. A Fábrica Robinson

Joana Vilhena (UÉ/CHAIA)

17.35h-18.00h

Casa dos cubos – um caso de estudo

Nuno Griff (UÉ/CHAIA)

18.00h | Discussão

 

Les vocabulaires locaux du «patrimoine»

Les vocabulaires locaux

Bondaz, Julien, Florence Graezer Bideau, Cyril Isnart, e Anais Leblon, eds. 2014. Les Vocabulaires Locaux Du “Patrimoine” Traductions, Négociations et Transformations. Wien; Zürich; Berlin; Münster: Lit Verlag. 228 páginas. ISBN 9783643801791.

O livro, Les Vocabulaires Locaux Du “Patrimoine” Traductions, Négociations et Transformations, publicado recentemente, resulta de um colóquio internacional com o mesmo título realizado na Universidade de Évora em Fevereiro de 2012. Encontra um pequeno balanço sobre o colóquio neste blogue  e mais informação sobre o mesmo aqui.

O livro surge por iniciativa da Respatrimoni, uma rede internacional de investigadores dedicada à patrimonializaçao (Network of Researchers on Heritagisations/Réseau des chercheurs sur les patrimonialisations) e que assume uma abordagem pragmática e crítica da noção de património universal difundido pela UNESCO, incluindo o recente enfoque para o Património Cultural Imaterial. O livro também reflecte esse posicionamento. No total, a publicação inclui onze textos de investigadores de diferentes geografias e áreas disciplinares (sobretudo a antropologia, mas também a linguística, a arquitectura, a história da arte).

O objectivo central da obra é comparar no panorama internacional, ainda que se assuma à partida como sendo parcial, as variações (na sua diversidade) da utilização de vocabulários e usos locais relativamente ao “património”, assim como a sua relação com as instituições internacionais (p. ex. UNESCO, ICOM, ICOMOS) e os seus normativos reguladores. Pretende-se, segundo os editores, desconstruir ou ultrapassar a ideia de que o campo do “património” corresponde a algo de carácter homogéneo, contínuo e globalizado.

Le souci du « patrimoine » constitue aujourd’hui une activité universelle dont la diffusion est soutenue par les grandes organisations internationales. Elle produit chaque jour de nouveaux espaces de contacts entre les doctrines occidentales et le reste du monde. Mais que sait-on au juste des terminologies et des pratiques de conservation qui fonctionnent en dehors des canons occidentaux ? Ce livre s’attache à décrire et comparer les vocabulaires indigènes du « patrimoine », en montrant la diversité des conceptions locales et leur dialogue avec les politiques internationales. Se révèlent ainsi les ajustements et les oppositions linguistiques et pratiques que les acteurs activent, depuis leurs propres lieux, pour distinguer ces biens singuliers que nous appelons « patrimoine ».

O livro está disponível para venda em: http://www.lit-verlag.de/isbn/3-643-80179-1

Sobre esta linha de problematização da noção de património veja-se, ainda, o dossier especial da revista Civilisations: “Au-delà du Consensus Patrimonial: Résistances et Usages Contestataires du Patrimoine” (2012) em: http://civilisations.revues.org/3096 (acesso condicionado).

****

Table des matières

Remerciements

Relocaliser les discours sur le «patrimoine»
Julien Bondaz, Florence Graezer Bideau, Cyril Isnart et Anaïs Leblon

Words for Expressing What We Care About The Continuity and the Exteriority of the Heritage Experience
Jean-Louis Tornatore

Reviving the Disagreement: A Debate on the Terminology of Intangible Cultural Heritage and the UNESCO 2003 Convention in the Arab World
Ismail Ali El-Fihail

Transformation et histoire pluriculturelle d’un patrimoine. L’exemple des collections africaines en France
Manuel Valentin

Subtiles divergences. Le patrimoine carioca entre «paisagem cultural» et «paysage culturel»
Véronique Zamant

Le transfert d’un standard international. Le patrimoine culturel immatériel vu par la France
Chiara Bortolotto

«Traditions vivantes», une catégorie bonne à penser ? Le cas de la Suisse
Florence Graezer Bideau

Une histoire de patrimoine à l’indonésienne. Le cas du wayang golek sundanais (Java Ouest)
Sarah Anaïs Andrieu

Du «PCI» au «finaa tawaa». Ethnographie d’une traduction patrimoniale
Anaïs Leblon

Manifold “Barter”: Heritagization of Economic Exchange in the Argentinean Andes
Olivia Angé

Représentations linguistiques dans deux régions de Suisse romande (Jura et Valais). De la pratique du parler à la mise en patrimoine
Federica Diémoz et Aurélie Reusser-Elzingre

Les Auteurs