Arquivo de etiquetas: Estudos de Museus

Novo título da colecção “Estudos de Museus” é dedicado ao colecionismo privado

capa do livro da coleção ao museu

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal  é o sexto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Adelaide Duarte apresentada à Universidade de Coimbra em 2012 (orientação de Irene Vaquinhas e Lúcia Almeida Matos).

Será lançado no próximo dia 31 de Janeiro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Francisco Capelo.

Este livro analisa a formação de coleções privadas de arte moderna e contemporânea em Portugal e observa o modo como foram disponibilizadas ao público, ao longo da segunda metade do século XX. Elegem-se quatro coleções: a de José-Augusto França, a de Manuel de Brito, a de José Berardo e a de António Cachola.

O perfil destes colecionadores, o gosto, as motivações, a estratégia e as condições da escolha das peças permitiram problematizar conceitos, como o de colecionar, colecionador e colecionismo, bem como compreender o funcionamento do sistema da arte, sobretudo o português. Reconhece-se ainda o contributo dos coleciona- dores na constituição e no reforço de coleções públicas e distingue-se a sua ação relativamente à formação de coleções de carácter institucional. Por outro lado, aqueles colecionadores também permitem identificar duas variáveis: as coleções constituídas com tempo, relacionadas com as vicissitudes das respetivas profissões (Coleção França e Coleção Brito) e as coleções reunidas com uma dimensão pública, no propósito das obras virem a configurar museus, apesar de se manterem na propriedade privada (Coleção Berardo e Coleção Cachola).

O tema do colecionismo privado é de grande atualidade no contexto internacional. No nosso país, carecem estudos sistemáticos sobre o assunto, pelo que este livro constitui um contributo relevante para os que desejam aprofundar este domínio (da sinopse da contracapa).

Adelaide Duarte (n. 1974) é coordenadora executiva da pós-graduação Mercado da Arte e Colecionismo na Universidade Nova de Lisboa, com a primeira edição no ano letivo de 2016-2017. Professora auxiliar convidada e investigadora de pós-doutoramento, com bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. Membro integrado nos grupos de investigação Museum Studies: Art, Museums and Collections e Art in the Periphery. Doutoramento em Museologia e Património Cultural (2012) sobre colecionismo privado de arte moderna e contemporânea em Portugal, na Universidade de Coimbra. Desenvolve investigação sobre a formação de coleções, privadas e institucionais, a partir da coleção do Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves. Vice-Presidente da Associação Amigos do Museu Nacional de Arte Contemporânea-Museu do Chiado e responsável pelo Ciclo Colecionar Arte. Conversas a partir de coleções particulares. Mestrado em Museologia e Património Cultural (2005), e licenciatura em História, variante de História da Arte (1998) na Universidade de Coimbra. Tem participado em conferências e colóquios, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, e Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

9 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – COLECIONAR NO SÉCULO XX
18 | Contextualização historiográfica do tema
44 | Colecionar no século XX: o sistema da arte moderna e contemporânea
80 | Colecionar arte moderna e contemporânea em Portugal: entre o domínio público e o privado

117 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO
120 | José-Augusto França, a coleção de um crítico e historiador da arte (Tomar)
166 | Manuel de Brito, a coleção de um marchand e galerista (Oeiras)
210 | José Berardo, a coleção de um investidor (Sintra, Lisboa)
255 | António Cachola, a coleção de um empresário (Elvas)

297 | CONCLUSÃO

305 | Notas
389 | Siglas
391 | Fontes e bibliografia
419 | Índice remissivo
427 | Agradecimentos

Novo livro da colecção “Estudos de Museus” é sobre a história do Museu Nacional Machado de Castro

Museu Machado de Castro capa do livro

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) é o quinto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Duarte Manuel Freitas apresentada à Universidade de Coimbra em 2015 (orientação de Irene Vaquinhas e Regina Anacleto).

Será lançado no próximo dia 28 de Outubro (sexta-feira) no Museu Nacional Machado de Castro, pelas 18h00. A apresentação do livro ficará a cargo de Alice Semedo (Universidade do Porto).

“Neste livro estudam-se as transformações ocorridas no complexo arquitetónico que acolhe o Museu Nacional de Machado de Castro desde o seu nascimento, em 1911, até à elevação ao estatuto de museu nacional, em 1965.

A análise das fontes coligidas permite apresentar as diferentes conceções museológicas dos diretores do museu, identificar as premissas da adaptação de um antigo paço episcopal a espaço museológico e compreender os ditames do polémico processo de anexação da igreja de São João de Almedina.

O livro destaca o surgimento e a integração no discurso expositivo de preexistências da civitas aeminiensis e dos tempos medievos, discrimina os procedimentos de incorporação de elementos arquitetónicos provindos de outras edificações, salienta a posição do espaço museológico no âmbito do plano de obras da cidade universitária e evidencia o almejado equilíbrio da dualidade museu/monumento, procurado a partir da década de 1950.

As respostas obtidas a partir deste trabalho levam ao enaltecimento do Museu Nacional Machado de Castro no panorama museológico português, constituindo-se numa verdadeira sobreposição de diferentes memórias edificadas ao longo de dois mil anos de história, bem como num escaparate salvífico de elementos arquitetónicos provindos de outros contextos que a cidade de Coimbra viu, aos poucos, desaparecer.” (sinopse do livro)

Duarte Manuel Freitas é natural de Câmara de Lobos (ilha da Madeira). Doutor em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) e pós-graduado em Museologia e Património Cultural na mesma instituição. Membro integrado do Centro de História da Sociedade e da Cultura da FLUC e do Centro de Estudos de História Empresarial da Universidade Autónoma de Lisboa (UAL). Exerceu funções de professor do ensino básico, secundário, profissional e universitário. Na atualidade é professor auxiliar do Departamento de História, Artes e Humanidades da UAL. Tem participado em diversos projetos e redes de investigação no âmbito da Museologia, da Didática da História, da História Económica e Social e da História das Empresas, em particular das instituições financeiras. Com a investigação que ora se publica venceu o Prémio Victor de Sá de História Contemporânea (2015) e o prémio (ex aequo) da Associação Portuguesa de Museologia, na categoria de “Melhor Estudo Sobre Museologia” (2016).

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira e Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial.

****

Índice

Introdução

Cap. I O museu na sua anamnesis: contextos internacional e nacional
Do “templo das musas” ao “templo das massas”: génese e evolução do conceito de museu
Criação de espaços museológicos em edifícios preexistentes
Critérios de intervenção em monumentos arquitetónicos
Entre “Saúde e Fraternidade” e “A Bem da Nação”: as cambiantes ideológicas e pragmáticas do panorama museológico português (1911-1965)

Cap. II Os diretores do Museu Machado de Castro: entre vidas e conceções museológicas
António Augusto Gonçalves (1848-1932), o fundador
Vergílio Correia (1888-1944), o arqueólogo
Um museu sem diretor: o papel fundamental de António Nogueira Gonçalves (1944-1951)
Luís Reis Santos (1898-1967), o historiador de arte

Cap. III Museu Nacional de Machado de Castro: uma sobreposição de memórias
Civitas Aeminiensis
Faces medievas
Rinascere

Cap. IV De um palácio episcopal se fez um museu (1912-1929)
Largo de São João, 1912: um paço episcopal em “tempo de vésperas”
Primeiras obras de adaptação e de beneficiação do Museu Machado de Castro
A “problemática” (da) igreja de São João de Almedina

Cap. V Uma “caixa de surpresas” (1930-1950)
O “despertar” das preexistências
Aplicações arquitetónicas de salvaguarda patrimonial
Demolir, adicionar e reparar o existente
Sob a tutela da DGEMN

Cap. VI Consolidação da dualidade museu/monumento (1951-1965)
Um novo ciclo de obras
A etapa reformadora em números
Uma solução para a Capela do Tesoureiro

Conclusão
Notas
Siglas e acrónimos
Fontes e bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

O Que Significa Hoje a Função Social dos Museus? Em destaque no novo boletim do ICOM Portugal

Na imagem vê-se a entrada do Museu do Dinheiro

Imagem da capa: Recepção do Museu do Dinheiro. Fotografia do Museu do Dinheiro

O boletim de Setembro do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) é dedicado à nova Recomendação da UNESCO para os museus e colecções, com particular enfoque para a função social dos museus na actualidade.

A UNESCO produziu novas orientações para o mundo dos museus através de um novo documento adoptado em 2015 – a Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel na Sociedade. A Recomendação percorre os grandes tópicos da Museologia, compreendendo orientações gerais e funcionais sobre o papel dos museus no mundo contemporâneo. É de toda a utilidade para os profissionais compreender o alcance da Recomendação, razão pela qual o ICOM Portugal incluiu um espaço de discussão em torno deste documento durante as últimas Jornadas de Primavera, e volta a fazê-lo agora neste boletim.

É sob o olhar de dois museólogos, Clara Frayão Camacho e Pedro Pereira Leite, que ficamos a conhecer melhor os contextos e os desafios presentes na Recomendação de 2015 (Em Foco).

A função social, muito associada no passado ao movimento da Nova Museologia, é hoje referida abundantemente com diferentes sentidos e aplicações. Está longe de ter uma definição normalizada ou de ser uma questão consensual entre os profissionais. Também é um dos aspectos que saiu reforçado na Recomendação de 2015. Daí a interrogação: o que significa hoje a função social, em que se traduz na prática? De que falamos concretamente quando falamos de função social? Da missão dos museus? Do envolvimento dos públicos e das comunidades? Da liderança? Da ética? Do contributo dos museus para a mudança social através do compromisso com os grandes tópicos da sociedade (direitos humanos, migrações e por aí em diante…)? Aida Rechena e Inês Fialho Brandão oferecem-nos as suas Perspectivas sobre a questão.

Sara Barriga Brighenti é o rosto por detrás do recém-inaugurado Museu do Dinheiro. Faz parte de uma nova geração de profissionais que coloca o visitante em primeiro lugar. Conheça o essencial da sua visão.

O número de Janeiro, o último desta série, será dedicado à gestão de museus e políticas museológicas, procurando suscitar a reflexão sobre algumas das problemáticas que a Museologia portuguesa tem enfrentado nos últimos anos.

[editorial, de Ana Carvalho]

****

Boletim ICOM Portugal 07 | Setembro 2016: Recomendação da UNESCO para os Museus e Colecções

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | BREVES
10 | EM FOCO: Contextos e Desafios da Nova Recomendação da UNESCO para Museus e Colecções: Entrevista com Clara Frayão Camacho e Pedro Pereira Leite
20 | PERSPECTIVAS: O Que Significa Hoje a Função Social dos Museus?, por Aida Rechena; e Inês Fialho Brandão
NOTÍCIAS ICOM
24 | Casas-Museus e a Interpretação da Paisagem Cultural, Social e Urbana, por Maria de Jesus Monge
26 | Notas sobre Museus, Cidades e Paisagens Culturais, por Joana Sousa Monteiro
28 | Notas de Balanço sobre o CIDOC em Milão, por Alexandre Matos
30 | Fórum dos Ecomuseus e Museus Comunitários, por Pedro Pereira Leite
32 | As Actividades do CECA para além dos Muros dos Museus, por Mário Nuno Antas
33 | Memória Acesa, por Pedro Pereira Leite
35 | MUSEUS & PESSOAS: Sara Barriga Brighenti, por Ana Carvalho
PUBLICAÇÕES
39 | Sugestões de leitura
40 | Novas edições 2016
AGENDA
44 | Conferências, encontros, debates
49 | Formação
50 | Chamada de propostas

O Boletim está disponível online: http://icom-portugal.org/boletim_icom

****

O Boletim ICOM Portugal (ISSN 2183-3613) é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal). Tem como objectivo a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Os números publicado nesta série (III) são da responsabilidade de Ana Carvalho (desde Outubro de 2014). Publica-se três vezes por ano (Janeiro, Maio e Setembro) e apresenta-se apenas em formato digital.

 

Novo volume da colecção Estudos de Museus é dedicado aos museus e à diversidade cultural

Muito em breve!

“Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos” é o quarto volume a ser lançado no âmbito da colecção “Estudos de Museus”, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Ana Carvalho apresentada à Universidade de Évora em 2015.

Será lançado no próximo dia 20 de Setembro (terça-feira) no Museu Nacional de Etnologia, pelas 18h00. A apresentação do livro ficará a cargo de José Manuel Sobral (Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa).

“Na Europa a realidade sociodemográfica das cidades tem vindo a mudar substancialmente nas últimas décadas devido à intensificação dos fluxos migratórios e dos efeitos da globalização. Hoje os espaços urbanos são cada vez mais multiculturais, evidenciando diferentes expressões culturais, mas também tensões várias. Como podem os museus contribuir para a discussão sobre diversidade cultural e migração? Que políticas museológicas desenvolvem em torno da diversidade cultural e do diálogo intercultural? Que contributos e iniciativas promovem?

Este livro explora as relações que os museus estabelecem com comunidades e grupos associados à imigração, a partir de três estudos de caso: o Museum of World Culture (Suécia), o World Museum Liverpool (Reino Unido) e o Museu Nacional de Etnologia (Portugal). A autora analisa as estratégias desenvolvidas com as comunidades e grupos numa dupla perspectiva, por um lado, enquanto participantes na construção de narrativas contemporâneas sobre património cultural (material e imaterial) e identidade e, por outro lado, enquanto públicos locais no contexto de estratégias de captação de públicos diversos. Uma abordagem histórica dos percursos e contextos institucionais de cada um dos museus revelou as suas especificidades e diferenças, enquanto o balanço comparativo perspectivou problemas e motivações partilhados.

Os museus etnográficos estão entre os museus que mais desafios têm enfrentado nas últimas décadas e onde o tema da diversidade cultural interpela de forma transversal as várias frentes de actuação – desde as colecções, à documentação e investigação, às exposições, ao envolvimento de públicos e comunidades, à deontologia, à gestão e ao financiamento. Como demonstra esta obra, a contemporaneidade convoca mudanças significativas na forma como os museus se organizam e no fortalecimento da sua função social.”

Ana Carvalho é doutorada em História e Filosofia da Ciência – especialização em Museologia – e Mestre em Museologia pela Universidade de Évora. Publicou Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas (Colibri, 2011) e organizou a publicação digital Participação: Partilhando a Responsabilidade (Acesso Cultura, 2016).

É autora do blogue No Mundo dos Museus e editora do boletim do ICOM Portugal. É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, juntamente com Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva.

Actualmente é investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora, com uma bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), e membro da equipa da Cátedra UNESCO em Património Imaterial da mesma Universidade. A autora investiga as implicações das orientações da UNESCO para o Património Cultural Imaterial no contexto das políticas nacionais e locais, em particular a partir da perspectiva dos museus.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados três volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho e Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por um representante da Caleidoscópio e da Direção-geral do Património Cultural e por académicos de várias universidades portuguesas.

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial. Poderá ser adquirido online via Wook: https://www.wook.pt/livro/museus-e-diversidade-cultural–ana-carvalho/18868052 ou Bertrand: http://www.bertrand.pt/ficha/museus-e-diversidade-cultural-?id=18868052

****

ÍNDICE

Introdução

Museus, multiculturalismo, interculturalidade e diversidade cultural
Do multiculturalismo à interculturalidade
Diversidade cultural, acessibilidade e participação
Museus e imigração
Práticas museológicas e diversidade cultural: um balanço

Colecções etnográficas e diversidade cultural
De curiosidades a objectos etnográficos
Museus etnográficos na Europa pós-colonial

Museum of World Culture
Um novo museu para Gotemburgo
Fim de um ciclo
Um museu de outro tipo
Estratégias para a diversidade
Públicos: Mais e diversos
Exibindo a diversidade através da multivocalidade
Imigração: Tópico da cultura do mundo
Mudança Social
Participação local: uma rede de embaixadores
Colecções e imigrantes
Património imaterial: memória e identidades
Um museu em transição

World Museum Liverpool
Liverpool, desenvolvimento e museus
World Museum Liverpool, um museu multidisciplinar
Diversidade na agenda nacional: investimento e instrumentalização
Diversidade: da periferia para o coração dos museus

Museu nacional de Etnologia
De Museu de Etnologia do Ultramar a Museu Nacional de Etnologia
Uma exposição permanente: O Museu, Muitas Coisas
Abordagens à diversidade cultural no panorama museológico nacional
Diversidade cultural: O outro aqui tão perto

Diversidade cultural, da representação a novos públicos: resultados e conclusões

Siglas e Acrónimos
Fontes e Bibliografia
Agradecimentos
Notas
Índice remissivo

Museus e Criatividade é tema do novo volume da colecção Estudos de Museus

Criatividade nos Museus

O livro Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, da autoria de Inês Ferreira, é o terceiro volume publicado no âmbito da coleção Estudos de Museus, que tem a chancela da Direção-Geral do Património Cultural e da editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento da autora na Universidade do Porto (orientação de Alice Semedo).

O lançamento é no dia 7 de Julho, pelas 18h30, no Museu Nacional Soares dos Reis (Porto). A apresentação do livro ficará a cargo de Elvira Leite.

“O espaço entre o visitante e o objeto exposto num museu é, potencialmente, criativo; porém, esse potencial parece estar pouco explorado em muitos museus. Este livro discute a relevância da criatividade no contexto dos museus e analisa em detalhe a forma como está presente e pode ser potenciada no contexto específico do encontro entre o visitante e os objetos expostos.
A investigação que deu origem a este livro contribuiu para perceber melhor o processo criativo de encontro entre o visitante e os objetos expostos num museu e entender que estratégias e ferramentas podem ser usadas para potenciar a criatividade nesse encontro. Os resultados comprovam que museus de qualquer tipologia ou dimensão podem potenciar a criatividade no espaço entre o visitante e os objetos, nomeadamente através do recurso a elementos de mediação. A contextualização feita pode desafiar os museus a criarem políticas que facilitem a criatividade a nível transversal, enquanto sistema, ou projetos que a potenciem em áreas de atuação concretas. Este livro propõe assim uma contextualização teórica relevante para abrir caminho a práticas museológicas mais criativas e potenciadoras de criatividade.”

Inês Ferreira (Porto, 1969) é Doutorada em Museologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Mestre em Museum and Gallery Management pela City University, Londres e licenciada em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Desenvolveu trabalho em diversos museus no Porto – Museu do Vinho do Porto, Galeria Municipal, Museu do Carro Elétrico, Museu Nacional de Soares dos Reis – nomeadamente na área do serviço educativo. É autora e coautora de diversos materiais de apoio ao visitante produzidos para o Museu Nacional de Soares dos Reis, Museu do Carro Elétrico e Museu de Lamego. Tem publicado e apresentado trabalhos de investigação com regularidade em congressos e seminários na área da cultura e da museologia, em Portugal e no estrangeiro. Foi bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia em 2015 e é investigadora do Centro de Investigação CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória»  da Universidade do Porto. É técnica superior da Câmara Municipal do Porto desde 2006, exercendo atualmente funções de adjunta da vereação.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Dois volumes foram já publicados este ano, o primeiro, da autoria de Joana Baião, foi dedicado a José de Figueiredo pelo seu papel na história da arte e nos museus, em particular no Museu Nacional de Arte Antiga (veja-se post anterior). O segundo volume, da autoria de Clara Frayão Camacho, tem por tema as redes de museus e a credenciação (veja-se post anterior). O comité editorial da colecção é constituído por representantes da Caleidoscópio, da Direção-geral do Património Cultural e de várias universidades portuguesas. Ainda para este ano está prevista a publicação de mais três volumes.

 

****

Índice 

7 | Introdução
13 | Posicionamento
15 | Do Problema ao Projeto de Investigação
43 | Enquadramento
45 | Conceitos e Contextos
78 | Ferramentas para Promover e Exercitar a Criatividade
101 | Criatividade no Museu
173 | Trabalho de Campo
175 | Estrutura e Metodologia
197 | Criatividade no Museu – Representações dos Profissionais
251 | Criatividade no Museu – Representações dos Visitantes
301 | Espaços Entre e Elementos de Mediação
343 | Conclusões
346 | Síntese e Sugestões para Trabalho Futuro
374 | Epílogo
380 | Notas
385 | Referências
399 | Índice Remissivo
407 | Agradecimentos

Segundo volume sobre Estudos de Museus dedicado às redes e à credenciação

Capa do livro

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, da autoria de Clara Frayão Camacho é o segundo livro publicado no âmbito da coleção Estudos de Museus, que tem a chancela da Direção-Geral do Património Cultural e da editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento da autora (veja-se post anterior).

“Ao longo das últimas décadas verifica-se por toda a Europa um crescimento assinalável do número de museus. Neste contexto, como se organizam os museus e como se caracterizam as políticas museológicas desenvolvidas pelos vários governos nacionais? Que traços comuns e que diferenças se encontram de país para país? O conceito de museu é idêntico ou variável? Como surgem e como se desenvolvem os sistemas e as redes de museus? Este livro explora as relações entre as redes nacionais de museus e a credenciação numa viagem a nove países: Espanha, França, Irlanda, Itália, Letónia, Países Baixos, Polónia, Portugal e Reino Unido. Através de uma abordagem histórica, a autora evidencia o balanço entre influências internas e externas  na origem dos sistemas de credenciarão e das redes, mostrando a sua difusão no espaço europeu em processos múltiplos de contaminação. Por outro lado, a abordagem comparativa demonstra a existência de relevantes semelhanças institucionais, funcionais e patrimoniais, apesar da variabilidade dos conceitos de museus e dos contextos administrativos nacionais. Numa obra rigorosa e inédita no campo dos estudos da museologia internacional, a autora interpela ainda as políticas museológicas actuais e aponta algumas tendências futuras no campo dos museus.”

Clara Frayão Camacho (Horta, 1960) é doutorada em História pela Universidade de Évora e mestre em Muselogia e Património pela Universidade Nova de Lisboa. Dirigiu o Museu Municipal de Vila Franca de Xira (1985-2000), foi coordenadora da Rede Portuguesa de Museus (2000-2005) e subdirectora do Instituto Português de Museus e do Instituto dos Museus e da Conservação (2005-2009). Docente de disciplinas de Muselogia em cursos de pós-graduação e mestrado de várias universidades, autora de artigos sobre os museus portugueses e temas de museologia contemporânea. Foi directora da revista Museologia.pt (2007-2011) e é membro do comité científico da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. No plano internacional tem participado em grupos de trabalho da Comissão Europeia e da UNESCO e tem exercido funções de representação institucional em organismos europeus e latino-americanos da área dos museus. Actualmente, é técnica superior da Direção-Geral do Património Cultural, membro do Instituto de História de Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e presidente da Assembleia-Geral do ICOM Portugal.

A colecção “Estudos de Museus” pretende publicar trabalhos académicos (dissertações e teses) cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela desta organização. O primeiro volume, lançado a 9 Março de 2016, foi dedicado a José de Figueiredo pelo seu papel na história da arte e nos museus, em particular no Museu Nacional de Arte Antiga, do qual foi director (veja-se post anterior). O comité editorial desta colecção é constituído por representantes da Caleidoscópio, da Direção-geral do Património Cultural e de várias universidades portuguesas.

O lançamento do livro será no dia 5 de Abril (terça-feira), pelas 18h00, no Palácio Nacional da Ajuda, Sala D. João VI. Será apresentado por Guilherme d’Oliveira Martins.

****

Índice

7 INTRODUÇÃO
19 ESTADO DA ARTE
23 Noção de Credenciação
28 Noções de Sistema e de Rede
37 Visões europeias
52 Olhares nacionais
57 PERSPETIVA DIACRÓNICA (1985-2010)
61 Antecedentes: raízes norte-americanas e uma tentativa gorada no Reino Unido
79 Continuidade e inovação: o modelo britânico
103 Um sistema nacional e assimetrias regionais: a Espanha das Autonomias
129 A iniciativa profissional: o registo holandês
139 Organização dos museus em tempo de transição: os casos da Letónia e da Polónia
154 Padrões nacionais e polarização regional: o paradoxo italiano
172 Reconhecimento e unificação: Musées de France
192 Credenciação e organização em rede: A Rede Portuguesa de Museus
Padrões e formação: o programa irlandês
233 PERSPETIVA COMPARADA
237 Contextos e objetivos
249 Meios e recursos
279 Resultados e efeitos
322 Transformações, evoluções e retrocessos (2010-2013)
345 CONCLUSÕES
359 NOTAS
402 Siglas, acrónimos e abreviaturas
404 Fontes e bibliografia
429 Agradecimentos

Direção-Geral do Património Cultural lança colecção sobre estudos de museus

Museus arte e patrimonio

A Direção-Geral do Património Cultural irá inaugurar uma nova colecção dedicada a museus, em parceria com a editora Caleidoscópio. Com a colecção “Estudos de Museus” pretende-se a publicação de trabalhos académicos (dissertações e teses) cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela desta organização.

O primeiro volume da colecção “Estudos de Museus”, Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), será apresentado no próximo dia 9 de Março e centra-se na figura de José de Figueiredo pelo seu papel na história da arte e nos museus, em particular no Museu Nacional de Arte Antiga, do qual foi director. O segundo volume é da autoria de Clara Frayão Camacho e intitula-se Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia. Será lançado no mês de Abril.

Museus, Arte e Património em Portugal. José de Figueiredo (1871-1937), da autoria da investigadora Joana Baião, centra-se na vida e obra daquela que pode ser considerada “uma das mais importantes figuras da história da arte e da museologia portuguesas do início do século XX”. A realização deste estudo permitiu uma “análise aprofundada das várias áreas de actuação de José de Figueiredo no panorama cultural português” sublinha a autora.

Tanto o percurso pessoal como profissional de Figueiredo são abordados neste livro, nomeadamente a sua integração na Academia Real de Belas-Artes de Lisboa; o seu papel na campanha de estudo, restauro e divulgação dos painéis de S. Vicente; as suas ideias e contribuições na definição da legislação artística e patrimonial portuguesa, nos diversos contextos político-sociais que integrou (Monarquia Constitucional, Primeira República, Ditadura Nacional e primeiros anos do Estado Novo); a sua actividade como crítico e historiador de arte; o seu papel na divulgação da arte portuguesa, dentro e fora do país, através da participação em conferências e da organização de exposições no estrangeiro; e a sua acção no âmbito da museologia da arte em Portugal, nomeadamente enquanto director do Museu Nacional de Arte Antiga (1911-1937). Merece também destaque a relação de Figueiredo com personalidades nacionais e estrangeiras (p. ex. Luciano Freire, Reinaldo dos Santos, Afonso Lopes Vieira, Luís Keil, Émile Bertaux, André Dézarrois, entre outras) que, de modos diversos, marcaram a sua vida e obra.

O livro resulta da tese de doutoramento de Joana Baião com o título: José de Figueiredo (1871-1937): Ação e Contributos no Panorama Historiográfico, Museológico e Patrimonialista em Portugal, desenvolvida no âmbito do doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico da Universidade Nova de Lisboa. A tese foi orientada por Raquel Henriques da Silva.

Joana Baião é investigadora em pós-doutoramento no Instituto de História da Arte da mesma Universidade. No seu percurso académico destaca-se a tese de mestrado “Museus de Museus: Uma reflexão. Proposta para uma definição” (Universidade Nova de Lisboa, em 2009) e a sua participação no projecto “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal” (2010-2013). Actualmente, é assistente de coordenação e investigadora no projecto RaisExpo: Catálogo Raisonné Online das Exposições de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian.

O lançamento do primeiro volume da colecção “Estudos de Museus” é já amanhã, 9 de Março, pelas 18h30, no Museu Nacional de Arte Antiga. O livro será apresentado por António Filipe Pimentel, director deste museu.

****

Índice:

7 INTRODUÇÃO
11 PERCURSO BIOGRÁFICO E SEUS CONTEXTOS
13 Os Primeiros Anos (1871-1895)
28 Os Anos em Paris (1895-1900)
61 Um Homem num País em Mudança: José de Figueiredo, depois de 1901
83 UMA VIDA DEDICADA À ARTE PORTUGUESA (1901-1937)
85 José de Figueiredo, Académico de Mérito da ARBAL
105 José de Figueiredo e a Campanha dos Painéis de São Vicente
133 José de Figueiredo e a Legislação das Bellas Artes em Portugal (1901-1936)
170 José de Figueiredo, Historiador e Crítico de Arte
202 José de Figueiredo e a Divulgação da Arte Portuguesa
237 José de Figueiredo e a Museologia da Arte
263 José de Figueiredo, Diretor do Museu Nacional de Arte Antiga
347 In Memoriam José de Figueiredo
363 CONCLUSÕES
365 A Construção do “Mito” José de Figueiredo
371 NOTAS
427 Abreviaturas
428 Bibliografia
439 Proveniência e Crédito das Figuras

****

O livro está à venda nas principais livrarias e nas lojas dos museus nacionais.

Museu de Arte Contemporânea de Serralves: Os Antecedentes, 1974−1989

Capa do livro

Oliveira, Leonor de. 2013. Museu de Arte Contemporânea de Serralves: Os Antecedentes, 1974-1989. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda e Instituto de História da Arte. 255 páginas, ISBN: 978-972-27-2104-2.

Esta publicação resulta da dissertação de mestrado em Museologia e Património apresentada em 2008 por Leonor de Oliveira e orientada por Raquel Henriques da Silva na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Esta publicação dá início à colecção Estudos de Museus, através de uma parceria entre a Imprensa Nacional-Casa da Moeda e o Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Leonor de Oliveira é investigadora do Instituto de História da Arte. Actualmente, prepara a sua tese de doutoramento sobre o papel da Fundação Calouste Gulbenkian na promoção das artes plásticas portuguesas entre 1956 e 1969.

Índice:

Agradecimentos
Abreviaturas
Apresentação
Introdução
Capítulo I – Contextualização – o surgimento tardio de museus de arte contemporânea em Portugal
Capítulo II – No ímpeto da revolução – as reivindicações por um museu para exibir arte contemporânea e a criação do Centro de Arte Contemporânea
Capítulo III – Do Museu Nacional de Arte Moderna  para o Museu de Arte Contemporânea de Serralves – o nascimento da ideia e a sua (longa) concretização
Conclusão
Bibliografia e Fontes
Anexos
Cronologia
Lista de Exposições CAC/Casa de Serralves