Arquivo de etiquetas: Graça Filipe

Construir o Futuro, Compreender o Passado: Jornadas de Primavera do ICOM Portugal

A propósito do Dia Internacional de Museus, realizam-se no próximo dia 27 de Março as  Jornadas de Primavera do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus), este ano intituladas: “Construir o Futuro, Compreender o Passado”.

A entrada livre, mas está sujeita a inscrição: info@icom-portugal.org

PROGRAMA


09h30
Abertura da Assembleia-Geral Eleitoral (membros do ICOM)
10h00
Sessão de abertura das Jornadas da Primavera
José Alberto Ribeiro, Presidente do ICOM Portugal
10h15
“Que Futuro Queremos Dar ao(s) Museu(s), Agora? Algumas Questões da Museologia Contemporânea: Entre o Panorama Mundial e a Situação em Portugal”, Clara Frayão Camacho e Graça Filipe
11h00 Debate
11h15 Pausa para café
11h30
“Dizer o Indizível nos Museus: A Experiência do Museu do Aljube”, Luís Farinha
Moderação e comentário de Inês Fialho Brandão
12h15 Debate
12h30 Encerramento das Jornadas
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
14h30
Encerramento da Assembleia-Geral Eleitoral (membros do ICOM)
15h00h
Assembleia-Geral do ICOM Portugal (membros do ICOM)

Mais informações: http://icom-portugal.org/destaques,6,588,detalhe.aspx

Revista MIDAS publica 7.º número

revista MIDAS 7

Imagem da capa: “Gabinete da Politécnica − O Importantário Estetoscópio”, de Pedro Portugal. © Pedro Portugal © Foto: Pierre Guibert, conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares já se encontra disponível: http://midas.revues.org/1042

A MIDAS é uma revista científica, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão por pares. Pretende dar a conhecer e promover os museus enquanto objetos de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi fundada por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Publica desde 2013.

****

MIDAS 07 | Varia

Artigos

Carla Ribeiro
Da arte rústica à arte nacional: O Museu de Arte Popular

Roberto Vaz, Rui Raposo e Mário Vairinhos
Expositor interativo para a comunicação de amostras geológicas do MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal

Eduardo Brito
O Lugar obscuro: A representação dos museus no cinema e o caso de Museum Hours

Emília Ferreira
O Museu Portuense, um projecto pedagógico

Filipa Coimbra e Joana Baião
O que quer que se diga sobre Rui Mário Gonçalves não é tudo…

Heloisa Olivi Louzada
O museu como laboratório: Análise da exposição VI Jovem Arte Contemporânea

Notações

Adelaide Duarte
Colecionar arte: Conversas a partir de coleções particulares

Recensões críticas

Duarte Manuel Freitas
Baião, Joana – Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871−1937)

Elsa Peralta
Sharon Macdonald – Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

Graça Filipe
Clara Frayão Camacho – Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia

Boletim do ICOM é dedicado ao tema dos Museus e Paisagens Culturais

Na capa uma imagem da paisagem das Linhas de Torres

Imagem da capa: Forte da Ajuda Grande, Bucelas, Loures. Vista interior da fortificação e paisagem. Fotografia de Florbela Estevão

O boletim de Maio do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) é dedicado aos Museus e Paisagens culturais, tema do Dia Internacional de Museus de 2016. Lançado o repto, como podem os museus articular-se de forma mais efectiva com o território, com a sua compreensão e interpretação?

Florbela Estevão (investigadora do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa) apresenta como estudo de caso a Rota Histórica das Linhas de Torres, um projecto de patrimonialização da paisagem em curso desde 2007 e de iniciativa intermunicipal. Trata-se de um complexo monumental e natural no qual se destaca um conjunto de fortificações militares do séc. XIX que importa estudar e dar a conhecer. Para além dos seis centros de interpretação já criados, o projecto em curso implicará um esforço continuado de manutenção e valorização com vista à sua sustentabilidade que deverá assentar numa programação regular de actividades, na criação de parcerias e na articulação com as comunidades.

Destacando a Carta de Siena (2014) sobre museus e paisagens culturais que deverá dar lugar a uma declaração do ICOM na próxima 24.ª conferência geral, Joana Sousa Monteiro (directora do Museu de Lisboa) e Dália Paulo (directora do Museu Municipal de Loulé) (em “Perspectivas”) fazem uma síntese de algumas ideias-chave presentes neste documento. Os desafios são vários, desde logo, a capacidade dos museus promoverem abordagens integradas e interdisciplinares e, por sua vez, formarem equipas multidisciplinares para as colocarem em prática.

Em entrevista, Ana Paula Amendoeira (directora regional de cultura do Alentejo), traça um panorama mais alargado da discussão em torno da paisagem cultural no contexto das políticas públicas para o património. Que constrangimentos, que balanços e que desafios futuros? O envolvimento das comunidades é palavra-chave.

Merece particular destaque o artigo sobre Pedro Gadanho (“Museus e Pessoas”), que desde Outubro de 2015 dirige o Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (MAAT), a inaugurar este ano. A marcar indelevelmente a paisagem ribeirinha do ponto de vista arquitectónico, o novo museu de arte contemporânea trará também novas e desafiantes dinâmicas para Lisboa e para a internacionalização da arte portuguesa.

O próximo boletim (Setembro) será dedicado à Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções adoptada pela UNESCO em 2015.

****

Boletim ICOM Portugal 06 Maio 2016: Museus e Paisagens Culturais

Conteúdos:

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho

03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro

05 | BREVES

09 | EM FOCO: Linhas de Torres como Paisagens Culturais: Algumas Reflexões sobre um Projecto Contemporâneo de Patrimonialização, por Florbela Estevão

13 | PERSPECTIVAS, Sobre a Carta de Siena: Museus e Paisagens Culturais, por Joana Sousa Monteiro; e Dália Paulo

18 | ENTREVISTA com Ana Paula Amendoeira

NOTÍCIAS ICOM
25 | Uma Jornada de Reflexão Estimulante, por Clara Frayão Camacho
27 | Turismo, Inclusão, Informação, por António Nunes Pereira
29 | Museums, One Object, Many Visions, por Dália Paulo
31 | Notas de Balanço Crítico das Jornadas de Primavera, por Graça Filipe
34 | Museus & Pessoas: Pedro Gadanho, por Ana Carvalho

PUBLICAÇÕES
37 | Sugestões de leitura
38 | Links úteis
39 | Novas edições 2016

AGENDA
44 | Conferências, encontros, debates
47 | Formação
48 | Chamada de propostas

O Boletim está disponível online: http://icom-portugal.org/boletim_icom,156,lista.aspx

****

Boletim ICOM Portugal (ISSN 2183-3613) é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal). Tem como objectivo a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. A nova série (III), da responsabilidade de Ana Carvalho, teve início em Outubro de 2014. Publica-se três vezes por ano (Janeiro, Maio e Setembro) e apresenta-se em formato digital.

ICOM discute nova Recomendação da UNESCO e o papel dos museus na interpretação das paisagens culturais

Jornadasprimavera2016

O ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus) organiza as habituais Jornadas de Primavera, que se realizam no próximo dia 28 de Março, no Palácio da Ajuda. O objectivo das jornadas é reflectir sobre a nova Recomendação da UNESCO Relativa a Museus e Colecções e sobre a Carta de Siena – Museus e Paisagens Culturais, tema do Dia Internacional de Museus. Entrada livre, mas é necessário inscrição através do email: info@icom-portugal.org

A “Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel da Sociedade” foi aprovada a 17 de Novembro de 2015, em Paris, no âmbito da 38.ª sessão da assembleia-geral da UNESCO. O último documento da UNESCO referente a museus datava da década de 1960. Mais de 50 anos passados, esta nova Recomendação marca uma posição sobre quais as orientações que devem ser seguidas pelos Estados-parte em matéria de políticas museológicas.

Porquê uma Recomendação da UNESCO? Qual a sua importância? Quais as novidades? Que impacto para as políticas nacionais? Estas são algumas das questões de partida para uma conversa com Clara Frayão Camacho, que foi a perita nacional envolvida na discussão na fase preparatória do documento, e com Pedro Pereira Leite, museólogo que tem centrado a sua investigação no papel social dos museus. Eu estarei com moderadora da conversa. A Recomendação, em inglês, está disponível no seguinte endereço: http://bit.ly/1plPPqI

A Carta de Siena refere-se aos “Museus e Paisagens Culturais” que é o tema do Dia Internacional de Museus deste ano e o mote da 24.ª conferência-geral do ICOM em Milão (3-9 Julho 2016). É uma proposta italiana apresentada ao ICOM e que resultou de uma conferência internacional que teve lugar em Siena a 7 de Julho de 2014 para repensar o papel dos museus na protecção das paisagens culturais.

Entende-se que a paisagem cultural é parte integrada do património cultural e natural e que cabe também aos museus a responsabilidade de a preservar e interpretar na sua dimensão material e imaterial. Podem os museus tornar-se centros de interpretação dos lugares e das comunidades que servem? A resposta afirma-se positiva, mas como disseminar o conhecimento produzido sobre este património? Que competências e recursos são necessários? Que abordagens? Que oportunidades estão implícitas um papel mais activo dos museus no território? Estas são algumas das interrogações que o tema evoca. Joana Sousa Monteiro, secretária do ICOM Portugal e actual directora do Museu de Lisboa, e Dália Paulo, membro da direcção do ICOM Portugal e directora do Museu de Loulé apresentarão a Carta de Siena e as respectivas interpelações aos museus.

Mais informações sobre a Carta de Siena em: http://bit.ly/2286a3I.

Mais Informações sobre o Dia Internacional de Museus 2016 em: http://bit.ly/1Rd2cSg

No mesmo dia, pelas 15h, decorre a assembleia-geral do ICOM Portugal. Trata-se de um momento importante de debate e reflexão interna e uma oportunidade para todos os membros participarem na discussão de assuntos relevantes para a vida da associação e para a comunidade museológica em Portugal. A participação dos membros é essencial, uma vez que com o contributo de todos o ICOM Portugal será, cada vez mais, uma organização forte e capaz de promover as mudanças necessárias para os museus portugueses e para os seus profissionais.

Conferência Patrimonialização e Sustentabilidade do Património

© Susana Gaudêncio Manifesto # 7 (Época de estranheza em frente ao mundo), 2012. Água-forte s/papel. Imagem retirada de http://www.fcsh.unl.pt/media/eventos/patrimonializacao-e-sustentabilidade-do-patrimonio-reflexao-e-prospectiva

© Susana Gaudêncio Manifesto # 7 (Época de estranheza em frente ao mundo), 2012. Água-forte s/papel. Imagem retirada de: http://www.fcsh.unl.pt/

“Patrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva” é uma conferência organizada pelo Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa. Irá decorrer esta semana em Lisboa, entre os dias 27 e 29 de Novembro.

Um programa denso de três dias, que promete debates interessantes sobre património. Estarão presentes investigadores nacionais e internacionais. Entre eles, destaca-se a presença  de Jean Davalon (Universidade de Avinhão/França), que muitos conhecerão do mundo dos museus. Com um extenso currículo, Davallon é um dos fundadores e co-editor da revista francesa Publics et Musées, que em 2002 passou a designar-se por Culture et Musées. Davalon fará a conferência inaugural no primeiro dia do encontro: “À Propos des Régimes de Patrimonialisation : Enjeux et Questions”.

Sobre o racional da conferência:

“A importância e o papel do património (cultural e natural) na sociedade contemporânea tornam praticamente transversal a todas as áreas científicas a necessidade de conhecimento e de reflexão sobre questões ligadas à memória colectiva e social, à seleção de elementos do passado e sua refuncionalização no presente, à função patrimonial de certos bens e manifestações culturais em relação a comunidades de pertença, ao carácter cíclico do património, à dimensão patrimonial do desenvolvimento, enfim ao património como facto social e cultural.

Para designar o processo de constituição de património a partir de realidades e de bens culturais ou naturais, usa-se o termo patrimonialização. O verbo causativo patrimonializar refere-se à acção de identificar os valores culturais de um dado bem, de os reconhecer socialmente e assim constituir património. Deste processo resultam uma espécie de sedimentação patrimonial e necessidades de gestão das realidades contemporâneas e de uso dos bens que se pretende salvaguardar ou preservar.

A temática da patrimonialização e da sustentabilidade do património, material e imaterial, natural e cultural, complexa e vasta, é ampliada pela diversidade de configurações históricas e pela reconhecida ambiguidade dos termos que convoca.

Este encontro organiza-se para estimular uma reflexão multidisciplinar e pretende dar lugar a comunicações produzidas quer no âmbito da história, da história de arte, da antropologia, da arqueologia, da sociologia, da geografia, entre outras ciências sociais, quer no âmbito das ciências naturais e de outros domínios científicos e tecnológicos, relacionados com estudos de património e com a museologia, que dêem a conhecer e contribuam para compreender e para actuar nos processos de patrimonialização e/ou de uso, transmissão e gestão sustentável de patrimónios.”

Comissão organizadora: Graça Filipe, Fernanda Rollo, Paula Godinho, Raquel Henriques da Silva e José Picas do Vale

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas|Universidade Nova de Lisboa Edifício ID|4º piso|salas multiusos 2 e 3 Avenida de Berna 26-C|1069-061 Lisboa – Portugal| Informações: patrisuspatri@gmail.com

Mais em: http://www.fcsh.unl.pt/submissao-de-artigos-cientificos/patrimonializacao-e-sustentabilidade-do-patrimonio-reflexao-e-prospectiva

Boletim ICOM Portugal (série III, n.º 1, Out 2014)

vê-se promenor da exposição permanente do Museu de Portimão

Acaba de ser publicado o primeiro boletim da nova direcção do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) eleita em Março deste ano. Com este novo boletim dá-se início a uma nova série, ampliada, e renovada também do ponto de vista gráfico (Sistemas do Futuro). O boletim é agora coordenado por Ana Carvalho. Este número (e todos os anteriores) estão disponíveis no site do ICOM Portugal: http://www.icom-portugal.org/

Conteúdos:

2 EDITORIAL, por Ana Carvalho
3 MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
5 EM FOCO: “Os Museus e o Património Cultural no Contexto do Turismo Cultural: Estruturas Essenciais do Desenvolvimento Económico Contemporâneo”, por António Ponte
10 PERSPECTIVAS: “Viver em Estado de Crise»: Paradoxo ou Desafio?” por Sara Barriga; e Inês Ferreira
13 ENTREVISTA com Maria João Vasconcelos, por Clara Frayão Camacho
17 PUBLICAÇÕES
23 NOTÍCIAS ICOM:
“Projectar em Rede, Trabalhar em Parceria”, por Maria de Jesus Monge
“Planear e Programar Museus”, por Graça Filipe
“Study Days on Venetian Glass”, por Maria João Botelho Moniz Burnay
“Dia Internacional dos Museus em Maputo”, por Pedro Pereira Leite
“Novas Tendências em Museologia”, por Agostinho Ribeiro
“Industrial Heritage, Sustainable Development, and the City Museum”, por Joana Sousa Monteiro
“II Programa de Treinamento Documentação em Museus CIDOC-ICOM”, por Gabriel Moore Forell Bevilacqua
“Access and Understanding – Networking in the Digital Era”, por Natália Jorge; e Rosário Salema de Carvalho

37 AGENDA

MIDAS 03 | 2014 Varia e dossier temático: Museus e Participação Biográfica

capa do terceiro número da revista MIDAS na qual se vê uma árvore de duas crianças

Imagem: Detalhe de intervenção, exposição Museu em Ruínas, Museu de Arte Contemporânea de Elvas, 2011 © Alexandre Farto aka Vhils . Arranjo gráfico da capa por Elisa Noronha Nascimento

O terceiro número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de ser publicado. Este número organiza-se em torno de duas secções principais: a secção Varia, que inclui cinco artigos de temáticas diversas e o dossier temático: «Museos y participación biográfica: Introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico», que contou com a coordenação das espanholas María Acaso e Andrea De Pascual. Além disso, este número incorpora ainda as secções habituais: notações (pequenos textos) e recensões críticas.

A MIDAS apenas publica em formato digital. Todos os números encontram-se disponíveis no website da revista: http://midas.revues.org.

****

Conteúdos MIDAS 03| 2014

Varia

Elisa Noronha Nascimento
A musealização da arte contemporânea como um processo discursivo e reflexivo de reinvenção do museu

Emília Ferreira
A Casa da Cerca, um projeto de autor: 20 anos de programação para o diálogo

Teresa Azevedo
Entre a criação e a exposição: o museu como ateliê do artista. Breve introdução ao tema

Rui Mourão
O Carnaval é um palco, a ilha uma festa: Da performance cultural à exposição da sua metaperformance videográfica

Irene Vaquinhas
Museus do feminino, museologia de género e o contributo da história

Dossier temático: «Museos y participación biográfica: Introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico»

Sob a coordenação de María Acaso e Andrea De Pascual

María Acaso e Andrea De Pascual
Museos y participación biográfica: Introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico

David Lanau e Eva Morales
Un quehacer cotidiano: Proyecto de mediación de la exposición hacer en lo cotidiano

Luciano Parreira Buchmann
Escolares nos museus: Ensaio do novo público como ato político de educadores intelectuais

Manuelina Duarte Cândido e Nei Clara Lima
Ocupe o museu (com) memórias de Goiânia: O público como construtor de conteúdos

Célia Gonçalves Tavares e Roberto Leite
O projeto Picar o Ponto: Memórias orais de operários da Fábrica Robinson

Notações

Andreia Fernandes, Andrea Monteiro Vicente, Alice Batista e Cláudia Silva
Projeto LUPA: Laboratório urbano pela arte

Margarida Mata
Do Museu das Comunicações ao Bairro da Madragoa: Considerações sobre a relação entre um bairro e um museu

Daniela Rodrigues do Rosário
Entroncamento de histórias: Registo de testemunhos orais

Recensões críticas

Susana Gomes da Silva
María Acaso, coord. – Perspectivas: Situación actual de la educación en los museos de artes visuales

Dália Paulo
Maria Vlachou – Musing on culture: Management, communications and our relationship with people

Alexandre Matos
Juan Carlos Rico, ed. – Museos del templo al laboratorio: La investigación teórica

Fátima Alves
Regina Cohen, Cristiane Duarte e Alice Brasileiro – Acessibilidade a museus

Graça Filipe
Hugues de Varine – As raízes do futuro: O patrimônio a serviço do desenvolvimento Local

Ana Carvalho
Michelle Stefano, Peter Davis e Gerard Corsane, eds. – Safeguarding intangible cultural heritage: Touching the intangible

VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012

VI Encontro de Museus de países e comunidades de língua portuguesa

© Ana Carvalho

Filipe, Graça, ed. 2013. VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012, Fundação Oriente, Setembro 2011. [Lisboa]: Comissão Nacional Portuguesa do ICOM. 348 páginas. ISBN: 978-989-98396-0-1

Foram publicadas há poucos meses as actas do VI Encontro de Países e Comunidades de Língua Portuguesa que teve lugar em Lisboa em 2011. Esta iniciativa realizou-se pela primeira vez em 1987, no Brasil, sendo que o segundo encontro foi em Mafra (1989), o terceiro na Guiné-Bissau (1991), o quarto em Macau (1994) e o quinto em Maputo (2001) (cf. Elementos para a História da Comissão Portuguesa do ICOM de Natália Correia Guedes).

As actas correspondem em grande medida ao alinhamento do programa do encontro e a maioria das comunicações foram incluídas na publicação, nalguns casos figurando apenas os resumos. De qualidade muito variável, os 40 textos estão organizados em torno de quatro temas principais: “Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade”, “Museus e Desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação”, “Museus e Sustentatibilidade” e “Profissionais e sua Formação”. O texto de Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses antecede a sistematização referida.

Esta publicação confirma a pertinência da construção de linhas de entendimento e cooperação entre os países que falam a língua portuguesa, mas também é sintomática de que um longo caminho está por percorrer para o estabelecimento de redes de trabalho e sua consolidação no contexto de uma estratégia de longo prazo. Com efeito, apesar da língua ser em potencial um elemento aglutinador são necessárias medidas concretas que possam viabilizar intenções.

Prevalece a questão, poderão iniciativas como esta singrar nos seus objectivos de cooperação sem uma articulação concertada de estratégia política, cultural e científica, incluindo nomeadamente o trabalho em rede e concertado de várias instituições que já trabalham no domínio da cooperação internacional? Note-se neste âmbito o trabalho que desenvolve o Instituto de Investigação Científica Tropical e o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.

A publicação é gratuita, mas poderão ser cobrados portes de envio. Pode obter mais informações no seguinte email: info@icom-portugal.org

****

 Índice

5 Apresentação, Graça Filipe

11 Introdução, Luís Raposo

15 Conferência de abertura: Língua, Objecto, Museu – Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses

27 Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade

29 Percurso dos museus de Angola, as perspectivas e sua contribuição no desenvolvimento do país, Paulo Valongo

31 O Cenário museal brasileiro de 2000 a 2010, Denise Grinspum

39 Museus em Cabo Verde: perspectivas e desafios, Humberto da Cruz Lima e Ana Samira Semedo Silva

41 A realidade museológica na Guiné-Bissau, Maria Eveline Diallo

43 Museus de Moçambique: na encruzilhada de tempos, tradições e práticas, Alda Maria Costa

53 Museus Portugueses. 1980-2010, Natália Correia Guedes

71 Museu Nacional de S. Tomé e Príncipe, Ernesto Lima de Carvalho

73 O Arquivo e Museu da Resistência Timorense – A sua instrução e importância na preservação e promoção da memória e identidade de um povo, Antoninho Batista Alves

79 Museus comunitários – experiências e papel renovador na museologia contemporânea, Hugues de Varine

89 Museus e desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação

91 Museu de Arte Cristã – parcerias e cooperação, Fr. Avinash Rebelo

93 Thesaurus de acervos científicos como instrumento de preservação do património científico: um projeto de cooperação luso-brasileira, Marcus Granato, Marta C. lourenço, Cláudia Penha dos Santos, Zenilda F. Brasil, Maria Lucia de Niemeyer M. Loureiro e Rosali Fernandez de Sousa

103 Porque “musealizar” um sector de actividade produtiva? Lições aprendidas do processo de estabelecimento do museu das pescas de Moçambique, 1982 a 2006-2010, Manuel Luís Gonçalves e Daniel Inoque

113 Sociedades indígenas do Sul da Mata Atlântica e o Museu Universitário – uma parceria estratégica, Viviane Wermelinger Guimarães e Cristina Castellano

123 Museologia, desenvolvimento e direitos humanos. Campos emergentes da investigação-ação na globalização, Pedro Pereira Leite

137 Rede MMM: cooperação entre o museu e o público, Adriana Teixeira da Costa, Ana Paula Pereira Costa, Ana Paula Gaspar Gonçalves e Helena Maria Mourão Loureiro

145 Rede museológica de Casas Históricas da CPLP, André Estrela Rodrigues de Soure Dores

151 Experiência nos museus da Ilha de Moçambique, algumas reflexões e considerações, Joana Roque Sofio, Mafalda da Nova Jorge, Silvério João Nauaito

Projecto SOS azulejo: pela salvaguarda do património azulejar português e de tradição portuguesa, Leonor Sá

171 Histórias que se escondem no mar: os museus marítimos e a arqueologia subaquática, Margarida Génio

175 A criação de redes como ferramenta estratégica de planeamento cultural em museus: campanhas coloniais no tempo do Leão de Gaza, Mariana Jacob Teixeira

185 Atanticidade e mundo lusófono. Imaginários, representações e programação nos museus açorianos, Maria Manuel Velásquez Ribeiro e Susana Goulart Costa

193 Museus e sustentabilidade

195 Museu, Desenvolvimento e Comunidade: o caso de Macau, Chan I Un (Jessica)

207 Memória e Futuro, Alfredo Caldeira

209 O envolvimento das pessoas nos processos museais, garantia de sustentabilidade, Ana Mercedes Stoffel

219 Família Antônio de Dedé. A propósito de um estudo de caso do Programa Sala do Artista Popular do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/IPHAN – Brasil, Daniel  Reis

231 A aplicação do marketing nos museus: o caso do Museu Ferroviário dos CFM, Elsa Dimene

237 A musealização de monumentos e o restauro arquitectónico em Moçambique, Vera Félix Mariz

247 Criação de uma rede de núcleos museológicos como exemplo da sustentabilidade de um território, João Alpuim Botelho e Olga Matos

257 A sustentabilidade de um equipameno cultural: a díficil gestão de necessidades e oportunidades, José Portugal e Pedro Quintela

267 Valorização do património cultural do Douro como recurso para o desenvolvimento de competências, Elisa Pérez Babo

269 Profissionais e sua formação

271 Formação profissional em museologia: desafios metodológicos, Maria Cristina Oliveira Bruno

273 Imperativa necessidade de formação de profissionais para o Museu da Ilha de Moçambique, Silvério João Nauaito, Mafalda da Nova Jorge e José Andrade

283 O ensino da museologia na perspectiva da sociomuseologia, Mário Moutinho e Judite Primo

289 Memorial do homem Kariri, uma experiência de inclusão social através do protagonismo juvenil, Iêdo Lopes

291 O exemplo do conservador-restaurador em Portugal, André Varela Remígio

301 A contribuição do Memorial Cristo Rei na formação do profissional do museu e na preservação, resgate e divulgação da história da Universidade Federal do Maranhão – Brasil, Clores Holanda Silva, Lúcia do Nascimento Coêlho e Natalino Salgado Filho

309 Já que falamos a mesma língua… Falemos de normalização e tecnologias de informação em museus, Maria José de Almeida

317 Aos trabalhadores de museus: programa educativo direcionado ao público interno da Pinacoteca, Gabriela Ramos Figurelli

327 Projectos de cooperação – uma rede de profissionais de Língua Portuguesa? Maria do Rosário Azevedo

333 O percurso do conservador-restaurador em Portugal, Isabel Raposo de Magalhães, António Candeias, Joana Campelo e Francisca Figueira

341 Programa do VI Encontro

Património industrial em discussão

Estrutura nas Minas de S. Domingos, Alentejo, Portugal. Foto de Ana Carvalho, 2010

Dois eventos marcam o panorama reflexivo em torno do património industrial (material e imaterial) em Portugal. O primeiro, organizado pela Universidade de Évora/CIDEHUS1 (21 – 23 de Março de 2013) tem por título “Património Industrial: dos objectos ao território“. Este colóquio assume uma abordagem holística do património industrial, organizando o debate em torno de 4 painéis temáticos (Objectos, colecções e museus industriais; Território: marcas, equipamentos técnico-industriais e paisagens; Rotas, percursos e itinerários do património industrial; Sociedade Industrial: protagonistas e mudança).

Este colóquio evidencia uma linha de investigação desenvolvida há já alguns anos em Évora, sob a coordenação de Ana Cardoso de Matos, ao abrigo da qual se desenvolve, por exemplo, o projecto de estudo e inventário do património industrial no Sul de Portugal (cf. http://i-heritage-alentejo.blogspot.be/), não esquecendo a correlação com o trabalho desenvolvido no contexto do mestrado internacional TPTI (Técnicas, Patrimónios e Territórios da Indústria) que se realiza na Universidade de Évora em parceria com a Universidade de Paris e Pádua.

O colóquio tem por base o sistema de call for papers. Além disso estão confirmadas as presenças de Julián Sobrino (Universidad de Sevilla), Inmaculada Aguilar Civera (Universidad de Valencia – Cátedra Demetrio Ribes) e Marta C. Lourenço (Museu Nacional de História e da Ciência – CIUHCT, Universidade de Lisboa).

Quaisquer informações sobre este colóquio2 podem ser consultadas aqui.

O segundo evento que queremos destacar é o I Encontro Anual Indústria, História, Património (18, 19 e 20 de Abril de 2013), da organização da Universidade Nova (Instituto de História Contemporânea), uma iniciativa que se desenvolve no seguimento da criação da rede temática – RIHP: Rede Indústria, História, Património, criada em 2012. Esta rede tem a particularidade de reunir as principais unidades de investigação (de várias universidades, nomeadamente a Universidade de Évora e a partir de diferentes áreas: história, arqueologia, história das ciências, etc.), mas também museus e outras instituições que trabalham neste domínio, o que é pouco comum.3

Este encontro anual “pretende ser um fórum de discussão aberto e pluridisciplinar, dedicado à apresentação de estudos no domínio da história da indústria enquanto realidade social global, compreendendo o património material e imaterial (tecnologia, saber-fazer técnico, práticas sociais e culturais, infraestruturas, construções, equipamentos e objectos, sítios e paisagens).” (in site da RIHP)

À semelhança do anterior, este encontro tem por base a call for papers (ver toda a informação aqui). A conferência inaugural será de Hugues de Varine, que trará certamente um olhar pertinente sobre os museus, enquanto espaços de memória e salvaguarda do património industrial.

Note-se que Hugues de Varine teve um papel determinante no desenvolvimento do ecomuseu do Creusot (inicialmente Musée de l’Homme et de l’Industrie, 1972), em França (sobre a história ideológica do Creusot ver por exemplo: Debary, Octave (2002).  La fin du Creusot ou l’art d’accommoder les restes, Paris, Editions du Comité des Travaux Historiques et Scientifiques, (collection « Le regard de l’ethnologue »), Ministère de la Recherche, 189 p.)

Estes dois eventos, em particular a criação de uma rede temática ilustra bem aquela que deverá ser uma tendência, ou seja, uma maior articulação, por um lado de instituições universitárias que fazem percursos de investigação semelhantes e, por outro lado, com as instituições museológicas (e também arquivos, etc.) que estão no terreno e que representam uma perspectiva também essencial neste quadro de estudo. Além disso, é também digno de nota a incorporação da imaterialidade na concepção de património industrial patente na missão da RIHP, o que revela a necessidade de um olhar mais global e integrado sobre o património, não esquecendo a importância, por um lado, da componente da imaterialidade ligada aos processos e ao saber-fazer, mas também a imaterialidade que se liga às memórias dos espaços. Apesar de hoje essa consciência ser cada vez maior (e algumas experiências comprovam-no, por exemplo, o Museu da Chapelaria, entre outros), a musealização de muitos espaços industriais tem sido operacionalizada sem incluir estes elementos, que podem efectivamente representar um potencial enorme não só do ponto de vista de uma abordagem de investigação mais completa (e do discurso), mas também do ponto de vista da experiência que é oferecida ao visitante, muito mais humanizada.

  1. Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades []
  2. O colóquio tem associado a atribuição do prémio  Património Industrial que visa distinguir jovens investigadores nesta área. Veja mais aqui []
  3. No site da RIHP pode encontrar informação sobre o projecto, os parceiros, os investigadores, etc.: http://historia-patrimonio-industria.blogspot.pt/ []

Debate: “Os desafios da política de museus em tempo de crise”

No próximo dia 9 de Novembro de 2011, terá lugar um debate sobre os desafios da política de museus em tempo de crise, no Museu da Electricidade, em Lisboa (pelas 18h00). Este encontro é organizado pelo ICOM-Portugal.

Para o debate foram convidados algumas personalidades do panorama museológico: Luís Raposo, no papel de Presidente do ICOM Portugal e João Neto, que é para quem não conhece o Presidente da APOM – Associação Portuguesa de Museologia, há já alguns anos. Foram ainda convidadas outros intervenientes: Graça Filipe, Joana Sousa Monteiro, José Alberto Ribeiro, Manuel Bairrão Oleiro e Raquel Henriques da Silva.

Como ponto de partida para a discussão pode ler-se o documento que o ICOM-PT divulgou recentemente (ver post sobre o documento aqui)

A entrada é livre!

Mais informações: http://www.icom-portugal.org/

Conf ICOM-PT: "Museus de Ciência e Tecnologia em Portugal: o estado da arte", 10 Nov. 2010

ENCONTRO DE OUTONO | ICOM PORTUGAL
MUSEUS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM PORTUGAL: O ESTADO DA ARTE

10 DE NOVEMBRO

Para o Encontro de Outono de 2010, o ICOM-Portugal organiza um debate sobre os museus de ciência e tecnologia em Portugal.

O Encontro contará com a presença de Ana Delicado, Ana Eiró, António dos Santos Queirós, Carlos Fiolhais, Cristina Weber, Eduardo Moura, Elisa Calado Pinheiro, Graça Filipe, Isabel Victor, Jorge Custódio, Luís Bernardo, Luís Raposo, Mário Pinho da Cruz, Marta Lourenço, Paulo Gama Mota e Rosália Vargas.

Cartaz e programa completo em:
www.icom-portugal.org.

Local: Anfiteatro Manuel Valadares
Museu de Ciência da Universidade de Lisboa
Rua da Escola Politécnica, 56
Metro: Rato

Entrada livre.

Alissandra Cummins no encerramento do colóquio "Os Museus e a República"

Sessão de abertura do colóquio, 19 Maio 2010

Maria Bolaños, 19 Maio 2010

Alissandra Cummins, 20 Maio 2010

Nos dias 19 e 20 de Maio realizou-se no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) o colóquio “Os Museus e a República”, organizado pelo Instituto dos Museus e da Conservação (IMC).

O encontro pontuou pela qualidade dos conferencistas convidados, reunindo de forma bastante concertada investigadores, alguns, porventura, mais conhecidos da comunidade museológica portuguesa a par com outros investigadores com projectos de doutoramento em curso ou recentemente terminados. O colóquio organizou-se em torno de quatro painéis de comunicações, que no cômputo geral permitiram diversas aproximações à história dos museus na República (museus de arte e arqueologia, ciências, literatura). O programa do colóquio contemplava inicialmente um enquadramento mais internacional, com contribuições de Espanha, França e Grã-Bretanha, mas esse objectivo acabou por não ser alcançado, já que Dominique Poulot e Helen Rees Leahy não estiveram presentes. Todavia, sublinhe-se a participação de Maria Bolaños, sobejamente conhecida entre nós através de publicações como a “Historia de los museos en España” (Trea, 1997), “La memoria del mundo: Cien años de museologia 1900-2000” (Trea, 2002), entre outros.

Alissandra Cummins, Presidente do Conselho Internacional de Museus (ICOM), esteve presente no colóquio para o encerramento dos trabalhos, aproveitando para sublinhar a importância do tema escolhido este ano para celebrar o Dia Internacional dos Museus, a harmonia social. A Presidente do ICOM esteve em Portugal esta semana a convite da Federação de Amigos dos Museus de Portugal.

A publicação dos textos apresentados e as conclusões deste colóquio serão certamente um contributo importante para a museologia, iniciativa que o IMC pretende levar a cabo a breve trecho, tal como foi referido no final deste encontro pelo seu director, João Carlos Brigola.

Colóquio internacional "Os Museus e a República", 19 e 20 Maio 2010

Nos dia 19 e 20 de Maio irá realizar-se o colóquio internacional “Os Museus e a República”. Entre os investigadores portugueses convidados para debater este tema estão José-Augusto França, Raquel Henriques da Silva, Jorge Custódio, Henrique Coutinho Gouveia, Luís Pequito Antunes, Joana Baião, Luís Raposo, Sandra Leandro, Duarte Freitas, Carlos Fiolhais, José Brandão, Joaquim Caetano e José Manuel de Oliveira. Para um olhar mais internacional sobre estas questões foram convidados Dominique Poulot, Helen Rees Leahy e Maria Bolaños, figuras sobejamente conhecidas da museologia.

Organização: Instituto dos Museus e da Conservação (IMC)
Apoio: Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência da Universidade de Évora (CEHFCi)

O evento terá lugar no auditório do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

Público-alvo: Técnicos de Museus, Palácios e Monumentos; Investigadores, docentes e alunos universitários

Pode encontrar a ficha de inscrição e programa no site do IMC:
http://www.ipmuseus.pt/pt-PT/Default.aspx

A proclamação da República em 5 de Outubro de 1910 constituiu um momento fundamental da História de Portugal, marcando profundamente a sociedade, as instituições e a cultura do país. É neste contexto, que o Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) em parceria com o Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência da Universidade de Évora, irá realizar um colóquio internacional subordinado ao tema “Os Museus e a República”.
A coordenação científica está a cargo do Professor Doutor João Carlos Brigola, docente do Departamento de História da Universidade de Évora e Director do IMC.

O Programa do Colóquio contempla os seguintes temas: Museus ou colecções formados entre 1910 e 1932 (data da instituição do Estado Novo e da aprovação de nova legislação sobre Património e Museus); Museus ou colecções formados em período anterior e posterior; Personalidades marcantes (directores, museólogos, técnicos, coleccionadores); Labor legislativo e Política Cultural da 1ª República; Colecções e Museus em Espanha, França e Grã-Bretanha.

ENQUADRAMENTO HISTÓRICO

Com a implantação da República Portuguesa, a 5 de Outubro de 1910, foi reforçada a vontade política e legal de dar corpo e coerência a uma rede de museus nacionais e regionais, de acordo com uma visão pedagógica, patrimonial e artística que se queria essencialmente divulgadora e descentralizadora. Entre 1912 e 1924 criaram-se vários museus regionais (de arte, arqueologia, história e numismática), ainda que quase todos derivados de iniciativas já conhecidas em período anterior. Criaram-se dois museus nacionais (o de Arte Antiga e o de Arte Contemporânea), assim como museus de tipologia inovadora, como é exemplo a Casa-Museu do escritor Camilo Castelo Branco, em S. Miguel de Seide, bem como a construção da Casa dos Patudos de Alpiarça, concebida pelo arquitecto Raúl Lino para albergar a colecção de arte de José Relvas e aberta ao público depois da sua morte. O Museu dos Coches, criado em 1905 por iniciativa da rainha D. Amélia, foi elevado em 1911 à categoria de museu nacional.

A primeira república estabeleceu assim uma coerente e promissora rede de museus nacionais e regionais. Da importante documentação legal produzida neste período deve ser destacado o Decreto n.º 1 do Governo Provisório, datado de 26 de Maio de 1911, visando a reorganização do ensino de Belas Artes, dos serviços de Museus e da protecção do Património artístico e arqueológico. A sua redacção foi da responsabilidade de uma comissão, cujo relator era o Dr. José de Figueiredo. Este museólogo, com intensas ligações aos meios museológicos europeus, pôde contar com a colaboração do pedagogo e museólogo coimbrão, António Augusto Gonçalves, cujos pareceres influenciaram, por exemplo, a instituição do Museu Machado de Castro.

Considerando, pois, a pertinência de se proceder à avaliação do labor cultural, patrimonial e museológico deste período histórico, pretende-se transmitir a este Colóquio um carácter científico e internacional, apostando no convite exclusivo a investigadores de créditos já firmados, incluindo algumas personalidades europeias com obra reconhecida nesta área disciplinar, de modo a que se possa estabelecer um panorama coevo da museologia europeia da primeira republica portuguesa.

(Fonte: site do IMC)

Mesa redonda no Museu do Douro com Hugues de Varine, 28 Mar. 2010

No seguimento das notícias que temos vindo a publicar sobre a vinda de Hugues de Varine a Portugal, divulgamos mais um evento do qual recebemos informação agora. A visita ao Douro por Hugues de Varine será marcada por um momento público no Museu do Douro na forma de uma mesa redonda. Sobre este evento, Natalia Fauvrelle fez-nos chegar a seguinte informação:

No âmbito de uma visita de trabalho de Hugues de Varine, Consultor de Desenvolvimento Local e Comunitário, e de Graça Filipe, Subdirectora do Instituto dos Museus e da Conservação, ao Museu do Douro nos próximos dias 27 e 28 de Março, será realizada uma mesa-redonda no dia 28, pelas 10h30, cujo tema é “Museu do Douro – museu para o território e para o desenvolvimento”. Além dos já referidos Hugues de Varine e Graça Filipe, o painel de discussão é composto por Henrique Coutinho Gouveia, Prof. da Universidade Nova, Maria do Céu Esteves, Presidente da Associação dos Amigos do Museu do Douro, Fernando Maia Pinto, Director do Museu do Douro e Elisa Pérez Babo, Presidente da Fundação Museu do Douro.

As conclusões deste momento de reflexão serão, certamente, da maior importância para traçar a estratégia de desenvolvimento do nosso Museu, pelo que contamos com a participação de toda a comunidade duriense, bem como da comunidade científica.

Natália Fauvrelle
Coordenadora dos Serviços de Museologia do Museu do Douro

Mais informações: natalia.fauvrelle@museudodouro.pt