Arquivo de etiquetas: Inês Ferreira

Novo título da colecção “Estudos de Museus” é dedicado ao colecionismo privado

capa do livro da coleção ao museu

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal  é o sexto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Adelaide Duarte apresentada à Universidade de Coimbra em 2012 (orientação de Irene Vaquinhas e Lúcia Almeida Matos).

Será lançado no próximo dia 31 de Janeiro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Francisco Capelo.

Este livro analisa a formação de coleções privadas de arte moderna e contemporânea em Portugal e observa o modo como foram disponibilizadas ao público, ao longo da segunda metade do século XX. Elegem-se quatro coleções: a de José-Augusto França, a de Manuel de Brito, a de José Berardo e a de António Cachola.

O perfil destes colecionadores, o gosto, as motivações, a estratégia e as condições da escolha das peças permitiram problematizar conceitos, como o de colecionar, colecionador e colecionismo, bem como compreender o funcionamento do sistema da arte, sobretudo o português. Reconhece-se ainda o contributo dos coleciona- dores na constituição e no reforço de coleções públicas e distingue-se a sua ação relativamente à formação de coleções de carácter institucional. Por outro lado, aqueles colecionadores também permitem identificar duas variáveis: as coleções constituídas com tempo, relacionadas com as vicissitudes das respetivas profissões (Coleção França e Coleção Brito) e as coleções reunidas com uma dimensão pública, no propósito das obras virem a configurar museus, apesar de se manterem na propriedade privada (Coleção Berardo e Coleção Cachola).

O tema do colecionismo privado é de grande atualidade no contexto internacional. No nosso país, carecem estudos sistemáticos sobre o assunto, pelo que este livro constitui um contributo relevante para os que desejam aprofundar este domínio (da sinopse da contracapa).

Adelaide Duarte (n. 1974) é coordenadora executiva da pós-graduação Mercado da Arte e Colecionismo na Universidade Nova de Lisboa, com a primeira edição no ano letivo de 2016-2017. Professora auxiliar convidada e investigadora de pós-doutoramento, com bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. Membro integrado nos grupos de investigação Museum Studies: Art, Museums and Collections e Art in the Periphery. Doutoramento em Museologia e Património Cultural (2012) sobre colecionismo privado de arte moderna e contemporânea em Portugal, na Universidade de Coimbra. Desenvolve investigação sobre a formação de coleções, privadas e institucionais, a partir da coleção do Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves. Vice-Presidente da Associação Amigos do Museu Nacional de Arte Contemporânea-Museu do Chiado e responsável pelo Ciclo Colecionar Arte. Conversas a partir de coleções particulares. Mestrado em Museologia e Património Cultural (2005), e licenciatura em História, variante de História da Arte (1998) na Universidade de Coimbra. Tem participado em conferências e colóquios, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, e Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

9 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – COLECIONAR NO SÉCULO XX
18 | Contextualização historiográfica do tema
44 | Colecionar no século XX: o sistema da arte moderna e contemporânea
80 | Colecionar arte moderna e contemporânea em Portugal: entre o domínio público e o privado

117 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO
120 | José-Augusto França, a coleção de um crítico e historiador da arte (Tomar)
166 | Manuel de Brito, a coleção de um marchand e galerista (Oeiras)
210 | José Berardo, a coleção de um investidor (Sintra, Lisboa)
255 | António Cachola, a coleção de um empresário (Elvas)

297 | CONCLUSÃO

305 | Notas
389 | Siglas
391 | Fontes e bibliografia
419 | Índice remissivo
427 | Agradecimentos

O Que Significa Hoje a Função Social dos Museus? Em destaque no novo boletim do ICOM Portugal

Na imagem vê-se a entrada do Museu do Dinheiro

Imagem da capa: Recepção do Museu do Dinheiro. Fotografia do Museu do Dinheiro

O boletim de Setembro do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) é dedicado à nova Recomendação da UNESCO para os museus e colecções, com particular enfoque para a função social dos museus na actualidade.

A UNESCO produziu novas orientações para o mundo dos museus através de um novo documento adoptado em 2015 – a Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel na Sociedade. A Recomendação percorre os grandes tópicos da Museologia, compreendendo orientações gerais e funcionais sobre o papel dos museus no mundo contemporâneo. É de toda a utilidade para os profissionais compreender o alcance da Recomendação, razão pela qual o ICOM Portugal incluiu um espaço de discussão em torno deste documento durante as últimas Jornadas de Primavera, e volta a fazê-lo agora neste boletim.

É sob o olhar de dois museólogos, Clara Frayão Camacho e Pedro Pereira Leite, que ficamos a conhecer melhor os contextos e os desafios presentes na Recomendação de 2015 (Em Foco).

A função social, muito associada no passado ao movimento da Nova Museologia, é hoje referida abundantemente com diferentes sentidos e aplicações. Está longe de ter uma definição normalizada ou de ser uma questão consensual entre os profissionais. Também é um dos aspectos que saiu reforçado na Recomendação de 2015. Daí a interrogação: o que significa hoje a função social, em que se traduz na prática? De que falamos concretamente quando falamos de função social? Da missão dos museus? Do envolvimento dos públicos e das comunidades? Da liderança? Da ética? Do contributo dos museus para a mudança social através do compromisso com os grandes tópicos da sociedade (direitos humanos, migrações e por aí em diante…)? Aida Rechena e Inês Fialho Brandão oferecem-nos as suas Perspectivas sobre a questão.

Sara Barriga Brighenti é o rosto por detrás do recém-inaugurado Museu do Dinheiro. Faz parte de uma nova geração de profissionais que coloca o visitante em primeiro lugar. Conheça o essencial da sua visão.

O número de Janeiro, o último desta série, será dedicado à gestão de museus e políticas museológicas, procurando suscitar a reflexão sobre algumas das problemáticas que a Museologia portuguesa tem enfrentado nos últimos anos.

[editorial, de Ana Carvalho]

****

Boletim ICOM Portugal 07 | Setembro 2016: Recomendação da UNESCO para os Museus e Colecções

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | BREVES
10 | EM FOCO: Contextos e Desafios da Nova Recomendação da UNESCO para Museus e Colecções: Entrevista com Clara Frayão Camacho e Pedro Pereira Leite
20 | PERSPECTIVAS: O Que Significa Hoje a Função Social dos Museus?, por Aida Rechena; e Inês Fialho Brandão
NOTÍCIAS ICOM
24 | Casas-Museus e a Interpretação da Paisagem Cultural, Social e Urbana, por Maria de Jesus Monge
26 | Notas sobre Museus, Cidades e Paisagens Culturais, por Joana Sousa Monteiro
28 | Notas de Balanço sobre o CIDOC em Milão, por Alexandre Matos
30 | Fórum dos Ecomuseus e Museus Comunitários, por Pedro Pereira Leite
32 | As Actividades do CECA para além dos Muros dos Museus, por Mário Nuno Antas
33 | Memória Acesa, por Pedro Pereira Leite
35 | MUSEUS & PESSOAS: Sara Barriga Brighenti, por Ana Carvalho
PUBLICAÇÕES
39 | Sugestões de leitura
40 | Novas edições 2016
AGENDA
44 | Conferências, encontros, debates
49 | Formação
50 | Chamada de propostas

O Boletim está disponível online: http://icom-portugal.org/boletim_icom

****

O Boletim ICOM Portugal (ISSN 2183-3613) é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal). Tem como objectivo a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Os números publicado nesta série (III) são da responsabilidade de Ana Carvalho (desde Outubro de 2014). Publica-se três vezes por ano (Janeiro, Maio e Setembro) e apresenta-se apenas em formato digital.

 

Museus e Criatividade é tema do novo volume da colecção Estudos de Museus

Criatividade nos Museus

O livro Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, da autoria de Inês Ferreira, é o terceiro volume publicado no âmbito da coleção Estudos de Museus, que tem a chancela da Direção-Geral do Património Cultural e da editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento da autora na Universidade do Porto (orientação de Alice Semedo).

O lançamento é no dia 7 de Julho, pelas 18h30, no Museu Nacional Soares dos Reis (Porto). A apresentação do livro ficará a cargo de Elvira Leite.

“O espaço entre o visitante e o objeto exposto num museu é, potencialmente, criativo; porém, esse potencial parece estar pouco explorado em muitos museus. Este livro discute a relevância da criatividade no contexto dos museus e analisa em detalhe a forma como está presente e pode ser potenciada no contexto específico do encontro entre o visitante e os objetos expostos.
A investigação que deu origem a este livro contribuiu para perceber melhor o processo criativo de encontro entre o visitante e os objetos expostos num museu e entender que estratégias e ferramentas podem ser usadas para potenciar a criatividade nesse encontro. Os resultados comprovam que museus de qualquer tipologia ou dimensão podem potenciar a criatividade no espaço entre o visitante e os objetos, nomeadamente através do recurso a elementos de mediação. A contextualização feita pode desafiar os museus a criarem políticas que facilitem a criatividade a nível transversal, enquanto sistema, ou projetos que a potenciem em áreas de atuação concretas. Este livro propõe assim uma contextualização teórica relevante para abrir caminho a práticas museológicas mais criativas e potenciadoras de criatividade.”

Inês Ferreira (Porto, 1969) é Doutorada em Museologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Mestre em Museum and Gallery Management pela City University, Londres e licenciada em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Desenvolveu trabalho em diversos museus no Porto – Museu do Vinho do Porto, Galeria Municipal, Museu do Carro Elétrico, Museu Nacional de Soares dos Reis – nomeadamente na área do serviço educativo. É autora e coautora de diversos materiais de apoio ao visitante produzidos para o Museu Nacional de Soares dos Reis, Museu do Carro Elétrico e Museu de Lamego. Tem publicado e apresentado trabalhos de investigação com regularidade em congressos e seminários na área da cultura e da museologia, em Portugal e no estrangeiro. Foi bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia em 2015 e é investigadora do Centro de Investigação CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória»  da Universidade do Porto. É técnica superior da Câmara Municipal do Porto desde 2006, exercendo atualmente funções de adjunta da vereação.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Dois volumes foram já publicados este ano, o primeiro, da autoria de Joana Baião, foi dedicado a José de Figueiredo pelo seu papel na história da arte e nos museus, em particular no Museu Nacional de Arte Antiga (veja-se post anterior). O segundo volume, da autoria de Clara Frayão Camacho, tem por tema as redes de museus e a credenciação (veja-se post anterior). O comité editorial da colecção é constituído por representantes da Caleidoscópio, da Direção-geral do Património Cultural e de várias universidades portuguesas. Ainda para este ano está prevista a publicação de mais três volumes.

 

****

Índice 

7 | Introdução
13 | Posicionamento
15 | Do Problema ao Projeto de Investigação
43 | Enquadramento
45 | Conceitos e Contextos
78 | Ferramentas para Promover e Exercitar a Criatividade
101 | Criatividade no Museu
173 | Trabalho de Campo
175 | Estrutura e Metodologia
197 | Criatividade no Museu – Representações dos Profissionais
251 | Criatividade no Museu – Representações dos Visitantes
301 | Espaços Entre e Elementos de Mediação
343 | Conclusões
346 | Síntese e Sugestões para Trabalho Futuro
374 | Epílogo
380 | Notas
385 | Referências
399 | Índice Remissivo
407 | Agradecimentos

Boletim ICOM Portugal (série III, n.º 1, Out 2014)

vê-se promenor da exposição permanente do Museu de Portimão

Acaba de ser publicado o primeiro boletim da nova direcção do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) eleita em Março deste ano. Com este novo boletim dá-se início a uma nova série, ampliada, e renovada também do ponto de vista gráfico (Sistemas do Futuro). O boletim é agora coordenado por Ana Carvalho. Este número (e todos os anteriores) estão disponíveis no site do ICOM Portugal: http://www.icom-portugal.org/

Conteúdos:

2 EDITORIAL, por Ana Carvalho
3 MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
5 EM FOCO: “Os Museus e o Património Cultural no Contexto do Turismo Cultural: Estruturas Essenciais do Desenvolvimento Económico Contemporâneo”, por António Ponte
10 PERSPECTIVAS: “Viver em Estado de Crise»: Paradoxo ou Desafio?” por Sara Barriga; e Inês Ferreira
13 ENTREVISTA com Maria João Vasconcelos, por Clara Frayão Camacho
17 PUBLICAÇÕES
23 NOTÍCIAS ICOM:
“Projectar em Rede, Trabalhar em Parceria”, por Maria de Jesus Monge
“Planear e Programar Museus”, por Graça Filipe
“Study Days on Venetian Glass”, por Maria João Botelho Moniz Burnay
“Dia Internacional dos Museus em Maputo”, por Pedro Pereira Leite
“Novas Tendências em Museologia”, por Agostinho Ribeiro
“Industrial Heritage, Sustainable Development, and the City Museum”, por Joana Sousa Monteiro
“II Programa de Treinamento Documentação em Museus CIDOC-ICOM”, por Gabriel Moore Forell Bevilacqua
“Access and Understanding – Networking in the Digital Era”, por Natália Jorge; e Rosário Salema de Carvalho

37 AGENDA

Actas “O Futuro dos Museus Universitários em Perspetiva”

Capa do livro

Semedo, Alice, Elisa Noronha Nascimento e Rui Centeno. coord. 2014. Atas do Seminário Internacional «O Futuro dos Museus Universitários em Perspetiva». Porto: Universidade do Porto. 233 páginas, ISBN 978-989-8648-23-5. Disponível aqui: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/12476.pdf

A Universidade do Porto acaba de publicar as actas (formato digital) do seminário internacional «O Futuro dos Museus Universitários em Perpetiva» que se realizou a 28 e 29 de Novembro de 2014 no Salão Nobre da Reitoria da universidade  (veja o call for papers num post anterior).

Entendida a crise em que vivemos num tempo mais longo, esta foi a oportunidade para reflectir sobre os problemas que os museus universitários enfrentam e que na universidade do Porto já vinham a ser debatidos entre alunos, professores e profissionais dos próprios museus da universidade. A discussão abriu-se à comunidade de profissionais e investigadores extra universidade do Porto e os contributos incluídos nestas actas reflectem isso mesmo.

A palavra crise tornou-se constante em nosso tempo. Seu significado aponta para tensões e conflitos, assim como desafios a serem enfrentados. No entanto, o termo “crise”, em condições genéricas, tem sido acompanhado de ambivalências e, normalmente, onde encontramos “crise” ansiamos ver também soluções para a mesma. A esperança de superação do momento da crise é sempre objetivo desejável e propõe investigação, análise e reflexão, para, a seguir, praticar as soluções em busca de momentos menos tormentosos e mais estáveis. (Lúcia Glicério Mendonça)

Alguns dos problemas que afectam os museus universitários não são diferentes dos  museus de outras tipologias, como ficou patente na leitura destas actas: a necessidade de manter as colecções preservadas, de as inventariar, documentar, estudar, de promover a sua acessibilidade, de as comunicar melhor e aprofundar (ou mesmo encetar) interacções com a sociedade (p. ex. programação); No diagnóstico traçado acrescem, ainda, os fracos recursos humanos e financeiros, tendo sido sublinhado que este é um sector pouco financiado, provavelmente quando comparado com outro tipo de museus ou colecções.

O que se destacou, na minha perspectiva, e que tem a ver com as especificidades deste tipo de museus é o desafio de integrar a actividade destes museus no quotidiano das suas universidades e nas respectivas estruturas, pois, na maioria dos casos, têm um papel e posicionamento marginal (quase invisível). A criação de redes interdisciplinares foi uma das ferramentas enunciadas (é hoje uma palavra-chave no mundo dos museus).

Um outro desafio remete para a captação de mais e diversos públicos. Sendo que este é um objectivos de qualquer museu, os museus universitários não só se debatem para captar aqueles que poderão ser os seus públicos imediatos – os estudantes, pela proximidade (estão dentro da instituição) e pelo potencial das colecções para a construção e transmissão de conhecimentos, – estes museus debatem-se, ainda, pela captação de públicos que se encontram fora da instituição. Os turistas foram apontados como um desses potenciais públicos, embora tenha ficado claro que não existem estratégias neste sentido.

A iniciativa de publicar as actas é importante, diria mesmo imprescindível, se não nos moldes tradicionais de impressão então que se faça no formato digital como aconteceu neste caso. A edição das actas poderia ter sido objecto de maior cuidado, que creio terá a ver como a urgência dos processos. Particularmente interessante foi a introdução de mapas conceptuais sobre cada uma das comunicações/textos incluídos nestas actas.

****

CONTEÚDOS

Apresentação, Lúcia Glicério Mendonça

Coleções Universitários e o Processo de Construção e Transmissão do Conhecimento

Museu de Ciência da Universidade do Porto: Transmissão, Produção e Difusão do Conhecimento, Luís M. Bernardo

O Museu da Universidade de Aveiro: Coleções, Investigação e Herança Patrimonial, Ana Bela de Jesus Martins e Ana Cristina Fernandes Cortês Justino

Primeiro passo: Documentar as Coleções, Alexandre Matos

A implementação de um Plano de Conservação Preventiva para o Acervo da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, Alice Nogueira Alves, Marta Frade e Carlos Alcobia

Pintura do Acervo da FBAUL: uma Coleção para o Futuro, Luís Lyster Franco

Repensar a Missão dos Museus Universitários no Território

Repensar a Missão dos Museus Universitários no Território, Transcrição da Conferência de Paulo Cunha e Silva

Os Museus Universitários do Porto e a sua Integração no Turismo Cultural da Cidade, António Ponte e Rui Centeno

Museus Universitários: de Legisladores do Saber a Interpretes de Culturas, Lúcia Glicério Mendonça

Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo: Contextualizações e Processos, Elisa Noronha Nascimento

Museu Virtual FBAUL: Work in Progress para a Coleção de Pintura, Ana Mafalda Cardeira

‘DIY’ na Universidade do Porto: Instrumentos Científicos Fabricados Localmente, Marisa L. Monteiro, José Moreira Araújo e Luís M. Bernardo

Modelos de Gestão dos Museus Universitários

Museu FEUP: Estratégias e Métodos para a Gestão de Produtos do Conhecimento, Susana Medina

O Museu de Geologia Fernando Real e Perspetivas Futuras, Elisa Gomes, Ana Alencoão, Martinho Lourenço e Carlos Coke

Museus Universitários como Mediadores

Interseções: os Recursos Digitais no Contexto da Museologia Universitária, João Carlos Carvalho Aires de Sousa

Processo Criativo de investigação no Museu da FEUP, Maria van Zeller

Investigação e Curadoria nos Museus Universitários do Porto [Depósito (2007); Rescaldo e Ressonância (2009); Edifícios & Vestígios (2012)], Inês Moreira

Curadorias Compartilhadas: um Estudo sobre as Exposições Realizadas no Museu da Universidade Federal do Rio Grande do SUL (2002 a 2009), Maria Cristina Padilha Leitzke e Zita Rosane Possamai

Apêndices

Relatórios | Mapas Conceptuais, Inês Ferreira e Vanessa Nascimento Freitas

Notas Biográficas dos Autores

 

Museus participativos, um olhar…

Reflexão, partilha, participação, inclusão, emoções, manifestos, identidade, pós-modernismo, educação, pedagogias actuais, investigação, políticas, envolvimento, museus e universidade, novos paradigmas, territórios participativos, colaboração, redes, sustentabilidade, projectos, TRANSFORMAÇÃO, questionamento permanente, aprendizagem, dinâmicas colaborativas, museu como lugar performativo, felicidade, colecções, Paixão, mediadores, utopias, valores, INTERVENÇÃO, impactos sociais, indicadores de impacto, MUDANÇA, educação financeira, MUSEU RELEVANTE, Identidade de lugar, avaliação, representações

…são algumas das palavras-chave das reflexões à volta do seminário “Museus Participativos: Questões de acessibilidade, sustentabilidade e outros manifestos (7 de maio 2012), organizado pela Universidade do Porto e pela Fundação Dr. António Cupertino de Miranda, onde se realizou esta jornada de reflexão crítica em torno das práticas museológicas nos museus do Porto.

Este seminário insere-se no âmbito do projecto de investigação “Museus do Porto: desafios para a construção de territórios colaborativos” (coord. Alice Semedo) (sobre o projecto ver post anterior), sendo que este seminário foi uma sessão aberta ao público.

Depois de uma breve apresentação e contextualização do projecto de investigação (por Alice Semedo e Inês Ferreira), seguiu-se Jocelyn Dodd da Universidade de Leicester, que deu a conhecer algumas experiências inglesas em matéria de inclusão e acessibilidade.

Maria Amélia Cupertino de Miranda (Fundação dr. António Cupertino de Miranda), em cima na foto, apresentou aquele que pode ser considerado um exemplo de boas práticas desenvolvido pelo museu na área educativa, partilhando os sucessos e os fracassos de um processo de mudança que o museu encetou numa perspectiva de se tornar mais relevante, através da construção de (novos) territórios. A partilha de experiências tem sido parte integrante do projecto de investigação “Museus do Porto: desafios para a construção de territórios colaborativos”.

Fará sentido, hoje, falar de manifestos? João Teixeira Lopes (Universidade do Porto) falou de manifestos e da sua construção a partir de “10 mandamentos”.

Cerca de 100 pessoas foram distribuídas em diversos grupos (círculos de conversas) para pensar nos manifestos e na sua construção. Depois, foi “meter as mãos na massa” e criar…

O que nos liga?

O que nos distingue?

E…

Momentos particularmente férteis para a reflexão sobre os museus foram proporcionados por Alexandre Quintanilha  (Universidade do Porto), Silvia Berény (OSMPE-Organização Social do Movimento das Pontes Educativas), Pedro Lamares (Actor, encenador, formador), com a moderação de Paulo Azevedo (Cleo Sonae). Um olhar de fora dos museus foi extremamente prolífico para repensar posicionamentos sobre o que pode ser o museu e, a todos nós quanto aquilo em que acreditamos ser o papel do museu. Momentos Out of the box

A rEDUvolucion nos museus? María Acaso (Universidad Complutense de Madrid) e as suas “pedagogías tóxicas” vs “pedagogías actuais”, num tom muito particular, sempre provocador e revolucionário. María Acaso tem vários livros publicados. Merece particular atenção um dos últimos livros que tem aplicação nos museus de arte contemporânea:

Acaso, María, coord. 2011. Perspectivas: Situación actual de la educación en los museos de artes visuales. Madrid: Editorial Ariel. Também disponível em pdf: http://mariaacaso.blogspot.pt/search/label/publicaciones (blog de María Acaso)

O que queremos que seja o museu?

Este seminário foi um encontro feliz no sentido em que promoveu a discussão sobre temas que são centrais para a (re)definição do museu (afinal, que museus queremos?, que profissionais queremos ser?) E já que nos aproximamos do dia internacional dos museus (18 de Maio), dedicado este ano ao tema: Museus num Mundo em Mudança: Novos Desafios, Novas Inspirações”, este encontro não poderia estar mais em sintonia!!!!

 

Encontro: Museus participativos: questões de acessibilidade, sustentabilidade e outros manifestos, 7 maio

É sob o tema “Museus participativos: questões de acessibilidade, sustentabilidade e outros manifestos”, que se realiza um encontro no Porto (na Fundação Dr. António Cupertino de Miranda), a 7 de maio, reunindo vários especialistas ligados à museologia e à cidade do Porto. Estarão presentes Alice Semedo, Jocelyn Dodd (School of Museum Studies, University of Leicester,UK), Maria Acaso (Universidad Complutense de Madrid), João Teixeira Lopes (FLUP/ISFLUP), Alexandre Quintanilha (Universidade do Porto), entre muitos outros convidados (ver programa, mais em baixo).

Este encontro/sessão aberta surge no contexto de um projecto de investigação mais alargado “Museus do Porto: desafios para a construção de territórios colaborativos”, que conta com a coord. científica de Alice Semedo (Universidade do Porto) e a colaboração de Inês Ferreira (Câmara Municipal do Porto). O projecto é sobre os museus da cidade do Porto e os seus profissionais. Citando as autoras do projecto: “The challenge for this participatory appreciative action research project lies in constructing contact zones for the production of knowledge about museums by the academia and the different actors that work in the field” (2011, 229).

Sobre o projecto pode consultar dois artigos já publicados pelas autoras (em inglês):  “Challenges for the Construction of Museum Territories” (paper apresentado na conferência “Current Issues in European Cultural Studies”, 2011, que faz um enquadramento do projecto, refere objectivos e contextos; e o artigo: “Collaborative spaces for reflective practice” (paper que será apresentado na conferência “The transformative museum conference”, em Odense, na Dinamarca, em Maio próximo), e que reflecte sobre as metodologias seguidas neste projecto. Os artigos estão disponíveis aqui: http://up-pt.academia.edu/AliceSemedo/Papers

Programa*

Ficha Inscrição

*No programa refere-se 7 de maio de 2011, mas é um lapso, deverá ler-se 7 de maio de 2012.

O encontro é organizado pela Fundação Dr. António Cupertino de Miranda, Museu Papel Moeda e pela Universidade do Porto.