Arquivo de etiquetas: Intangible Cultural Heritage

A Ética nas Políticas Públicas do Património Cultural Imaterial: Entrevista com Marc Jacobs

Marc Jacobs, em visita à Universidade de Évora (Colégio do Espírito Santo), 13 de Julho de 2016. Fotografia de Ana Carvalho

Divulgamos a entrevista com o investigador belga Marc Jacobs, que teve lugar na Universidade de Évora a 13 de Julho de 2016 e foi conduzida por Ana Carvalho[1] e Filipe Themudo Barata[2].

Resumo: Desde que foi adoptada (2003), a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO continua a suscitar interrogações e a constituir um campo de negociação quanto à sua implementação nas políticas públicas do património cultural dos países que ratificaram o documento. As questões éticas estão actualmente no centro da discussão com a recente adopção de 12 princípios éticos que pretendem guiar as estratégias de salvaguarda do Património Cultural Imaterial. Nesta entrevista com Marc Jacobs, realizada durante a sua visita à Universidade de Évora (Portugal), reflectimos sobre o impacto da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial nas políticas nacionais, os seus problemas e oportunidades. Marc Jacobs (1963) é Professor de Estudos Críticos de Patrimônio na Vrije Universiteit Brussel. É desde 2008 diretor da Faro (Flemish Interface Centre for Cultural Heritage), uma organização belga para o setor do patrimônio cultural (material e imaterial). É desde 2014 o coordenador da UNESCO Chair em Critical Heritage Studies na Vrije Universiteit Brussel. Participou na qualidade de representante da Bélgica na redação da Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial (2003) e em vários grupos de trabalho durante o primeiro Comité Intergovernamental da Convenção (2006-2008).

Abstract: Since its adoption, UNESCO’s Convention for the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage has evoked interrogations and constituted a field of negotiation, concerning its implementation in the cultural heritage public policies of the countries that ratified the document. Ethical issues are now at the center of discussions, after UNESCO adopted 12 ethical principles to guide strategies for the safeguarding of intangible cultural heritage. We took the opportunity of Marc Jacobs’ visit to the University of Évora (Portugal) to do this interview and discuss the impact of UNESCO’s Convention for the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage (2003) in national policies, its problems and opportunities. Marc Jacobs (1963) is the director of FARO: Flemish Interface for Cultural Heritage (www.faronet.be) and holder of the UNESCO Chair in Critical Heritage Studies and the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage (www.vub.ac.be). He holds a MA in History from the University of Ghent (1985) and a PhD in History from the VUB (1998). Jacobs has been involved in drafting, elaborating, implementing, and analysing the 2003 UNESCO Convention for the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage since 2002. He was a member of the Belgian delegation to the Intergovernmental Committee of that Convention, from 2006 to 2008, and from 2012 to 2016. Marc Jacobs is a Professor of Critical Heritage Studies at Vrije Universiteit Brussel. Since 2008, he has been the Director of the Flemish Interface for cultural heritage (FARO), an accredited organization specialized in the safeguarding of Intangible Cultural Heritage. He participated as Belgium’s representative in drafting the Intangible Heritage Convention, in many expert groups and in the first Intergovernmental Committee of the Convention (2006-2008).

****

Ana Carvalho – When did you start collaborating more closely with UNESCO and the Convention for the Safeguarding of Intangible Heritage (2003)?

Marc Jacobs – It began in 2001, when the discussions in UNESCO started about making the Convention, and they were looking for experts from several countries. There was a first meeting organized by Chérif Khaznadar – he was in the French UNESCO Commission – and he wanted to assemble a number of people from the Netherlands, Belgium, and France. At that time I had left the University, I had just done my PhD, and I had become director of the Flemish Centre for Popular Culture. They were looking for somebody who knew something about this strange thing called Intangible Cultural Heritage. I was there together with my French-speaking colleague Jean-Pierre Ducastelle, who is the chairperson of the Walloon organization for popular culture. From that time on, we kept on going to every expert meeting that was organized. The Flemish government and the administration, any time they had to reflect about Intangible Cultural Heritage, they sent me together with my French-speaking colleague, we had a lot of freedom to speak and to participate as experts in the discussions. They let us work in all those negotiations leading up to the Convention in 2003. In Belgium, we really stalked politicians and policy makers to quickly ratify the Convention. After that we kept going to the Intergovernmental Committee of the Convention. And especially after 2008, the policy makers started seeing the potential of the Convention, and then more diplomats and people from the administration joined our Belgian team. But, especially in the first years, we had a lot of liberty to defend the “expert” point of view; and this was supported ever since. This was interesting because we saw a lot of other delegations that, from the start, included consisted primarily of diplomats and politicians, and they were often very restricted in what they said; we could respond more quickly.

In 2003 I worked in that Flemish Centre for Popular Culture and the first thing I did when I become director was to put “popular culture” between inverted commas, because it was a politically dangerous concept – folk culture. Especially for extremist parties, this was a very hot topic. So, we had to make it more complex and make it vaguer so it could not just be used as an easy essentialist notion by populists. That’s why I really like the concept of Intangible Cultural Heritage, because populists cannot really use it, it is so intangible and vague. Eventually “Intangible Cultural Heritage” replaced the concept of “popular culture”. “Intangible Cultural Heritage” being a more neutral term, it is something that from a scholarly point of view, and from a political point of view, I really like.

Filipe Themudo Barata – We have had the Convention for 13 years now. In your opinion, what has been done right and wrong?

Marc Jacobs – I think it made sense, it still makes sense. Something I learned is that there is not something monolithic like UNESCO, but that it is an assemblage, that many different actors are co-responsible for what they are doing. In that complex setting, you can have a kind of red line and defend it, and I am quite convinced of the principles and a way that I think is consistent. If you stick to that, you can have a lot of impact and influence, and that’s what I’ve been trying to do right from the beginning: to have a kind of – you can call it my own – agenda, which is compatible with the agenda of the Flemish policy makers, luckily, to look for consistency and coherence in your points of view: to really go for recognition of those non-elite forms of culture, which were called popular culture, that they should deserve a place and should be recognized. But also that the concept of heritage is more than monuments and landscape. That safeguarding can be interesting. And I noticed the concept of Intangible Culture Heritage/Patrimoine Culturel Immatériel – or however you translate it – is a concept that works for policy makers, it works in society, people take the concept seriously and want to think about it. So, that’s one of the things that happened.

What I like about the Convention is article 15, mentioning communities, groups, and individuals, without having a definition of any of these, especially communities and groups. That is very flexible and open, and it is empowering communities and groups. And another point, which I find is extremely important, is that it opens a possibility to organise transfers from rich countries to developing countries, to organise capacity building and transfer of funds.

Also, something that is happening now with the Convention is that there is a lot of money in the Intangible Heritage Fund. One of the things which I, and therefore Belgium, could help influence by participating in many meetings, is that, in addition to making lists and all those other non-interesting things, at least these capacity-building programs are organized and money is flowing in that direction. Especially in Flanders, we managed to help develop a policy around safeguarding Intangible Cultural Heritage. But at the same time, ratifying the Convention helped to convince our government to invest in a UNESCO Trust Fund, and they basically donated, during the last five years 600,000 euros to invest in Southern African countries. For me, that already legitimizes all the energy that has been put into the Convention. At least, I am glad about that.

Filipe Themudo Barata – But if you could change something, what would you change in the 2003 Convention?

Marc Jacobs – In the Convention I would get rid of article 16, the Representative List of the Intangible Cultural Heritage of Humanity (hereafter referred to as the Representative List). That’s a problem.[3] What a lot of actors, countries and experts wanted was a kind of alternative to the UNESCO World Heritage List, which was also part of the Masterpieces program. What I have been doing right from the start is trying to question the notions of masterpieces and world heritage, and to promote a register of good practices of safeguarding. There were many debates between 2001 and 2003, and afterwards. It was clear that a lot of powerful actors wanted a kind of world heritage light, but many specialists counterbalanced this view. This resulted in the Representative List: nobody really knows what “representative” means. The Representative List functions for drawing attention, but not so good for the safeguarding. I don’t believe in it because case studies about the masterpieces program demonstrate that proclaiming something as a masterpiece or putting something on the Representative List has a negative effect in many cases. If you really go and look, it has not helped the local communities. But apparently, it is something you need to do to convince the press, the media, and others.

Ana Carvalho – And you can’t go back, can you?

Marc Jacobs – No. I have a twofold strategy. On the one hand, the Representative List is there. Right from the start, I said we should have a Wikipedia kind of solution, feeding and overflooding the whole system by entering thousands and thousands of phenomena, which through a peer-review process can yield a kind of encyclopaedia. There’s been a kind of discussion or game as to what criteria should be used for the Representative List, and a lot of people wanted the kind of world heritage light list: they wanted to have easy criteria to put items on that list but still enjoy all the advantages of world heritage status. And every time they wanted to make really easy criteria, then Belgium intervened and said – well, let’s go for Wikipedia instead, and let everybody join, but the group did not want to go that far. So, I will keep on repeating – let’s go for a Wikipedia list. There was a lot of resistance, but if you hear the new secretary of the Convention, Tim Curtis[4], he too is already sometimes evoking Wikipedia as a possible alternative in the future.

Ana Carvalho – Scotland initially had a project like Wikipedia, and then changed to another kind of platform.

Marc Jacobs – In Scotland it was Napier University: they had funding for a year, they haven’t been able to fully develop it, and do not forget, the UK has not ratified the Convention. But now Finland has launched a Wiki as their official inventory. So, I think that it is possible. I am in favor of a Representative Wiki. But if there is no Wikipedia, then, from my point of view, we should follow the rules we make together, make an agreement on the criteria. Belgium, and I am partially responsible for this, takes a very tough position, pleading for consistency: the same rules for everyone. If for instance an evaluation body concludes that that a nomination file of an element of Intangible Cultural Heritage does not satisfy the criteria, then we should not put it on the list; that is fair. But this has become a minority position among the 24 countries at present (2016) in the Intergovernmental Committee. You have to follow the criteria. 

Ana Carvalho – One of the aspects we are seeing in Portugal is some confusion about which Intangible Cultural Heritage can be representative, because the criteria for inscription on the lists are quite vague. How are the elements on the Representative List being selected in Belgium[5]?

Marc Jacobs – Belgium is a complex case because we have different Communities. Each is fully autonomous and competent, and functions at the level of a nation state. We have Flanders, the Walloon part, the German-speaking part, and Brussels. Each has its own list, and each has their own strategy for implementing the 2003 Convention.

And we have different policies. Our Walloon colleagues have legislation on masterpieces, so they were very active in the period of the masterpieces program but now they have to change their legislation.

Flanders has submitted several elements to the Representative List, but now our preference is to submit files for the Register of Best Safeguarding Practices.

Beer culture in Belgium. Imagem retirada daqui

The German-speaking part has its own strategy. There is a file coming now on Belgium beer, that is, the art and culture of producing and consuming beer in Belgium. The file was originally sponsored by the Belgian brewers’ association.[6] It was introduced in, via and by the German speaking community, which is a relatively small community – 60,000 people – but autonomous.

So, we have four different strategies, as Brussels is also starting with a policy.

In the beginning (2009), it was rather easy: there were no upper limits. It was easy to submit a file then, now it is much more difficult.

There is an inventory at the Flemish level, established via a specific procedure; twice every year there is a call – who wants to present something for that list in Flanders? But if you want to apply as a community or a person, you have to connect with an official active heritage organisation – this could be a center of expertise, or a museum, or an archive. You have to team up with them and present a safeguarding plan for the next five years. And when you submit something on that list – which is now a database –, you have to submit that file with a safeguarding plan. An underlying goal is to create an inventory of safeguarding plans that are updated every five years.

Ana Carvalho – Are the safeguarding plans a set of intentions, or do they have to be already implemented?

Marc Jacobs – They have to report every year on what they have done. But until now, that’s the same in UNESCO, there are no sanctions for not submitting a report, there is a kind of moral obligation. It is easy to put something on the list, if you write a nice file and describe it, but it is a hard job to report on safeguarding results every year. But there are several interesting examples, where a very active heritage community seems to function. So, in the Flemish inventory you see the active networks emerging, and that’s what policy makers want to do.

Ana Carvalho – And where do you get the resources to draw up these safeguarding plans?

Marc Jacobs – Sometimes it is our local government that sponsors them. In the case of the Belgian beer it was the brewers, they have a lot of money. But often, when they team up with the subsidized and officially recognised heritage institutions, a lot of the work and follow-up is done there, through those brokers and mediators. In some museums, it is part of their job to take care of tangible and intangible heritage, and through that system of linking up with heritage institutions, you see outside people coming to the museum and requesting to help them.

Ana Carvalho – Who are these organizations recognised by?

Marc Jacobs – In practice, they are in most cases recognised by a local government or by the Flemish government.

Filipe Themudo Barata – So, to be included in the regional list you have to present a safeguarding plan and inscribe it on a database.

Marc Jacobs – We have two deadlines every year – May and September –, you have to fill out a form (4-5 pages: who you are, contact persons, what it is about, describe it, and what the safeguarding plan is). It is very easy. At the beginning, we started with just a list with a name of the phenomenon and place, but now the system is more developed. The procedure is as follows: the file is sent to a commission which includes experts, representatives of communities or groups with Intangible Cultural Heritage already on the list, and volunteers. They examine it and give feedback, and then they send it to the Ministry of Culture, that can officialize the decision of that commission. Then, it is put on the inventory or the list. It is sent to an NGO called Tapis Plein (Bruges), which is responsible for developing that database. Originally it was the government, but they outsourced it. They actively document changes and interesting examples. The government intervenes to officialize the inscription on the inventory but for the rest dynamics of civil society should function. For resources, we have project funding. Once you are on that list, it is much easier to get project funding. That is an incentive, but you have to do really interesting things to obtain funds. It is a mechanism designed to have many institutions (heritage organisations) involved and working, and they put pressure on each other to do a better job.

Filipe Themudo Barata – Do you think this is a fair system, at least?

Marc Jacobs – I think so.

Filipe Themudo Barata – Do you think that outside Europe it is possible to organise a system like that?

Marc Jacobs – I think you can organise it like that, and the key is updating. Is it good to inscribe an element on a list, if nobody asks questions about what happens afterwards? Recently, in the meeting in Paris (Sixth session of the General Assembly of the States Parties to the Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, 30 May to 1 June), and in the Windhoek meeting (Nov-Dec. 2015), for instance, a lot of emphasis was put on updating. Because in the List of Intangible Cultural Heritage in Need of Urgent Safeguarding List, there was a file from Vietnam that wanted to be removed. The argument was that after four years of urgent safeguarding, it was time to move the file to the Representative List. They requested to set up a procedure. But there are no mechanisms to check this. There are also the periodic reports; a lot of countries are very hesitant to submit those reports. It is a kind of moral pressure on the country, but UNESCO is moving toward a new submission mode for the Lists. They could make a rule saying that, to obtain money, first you have to submit the periodic report.

The “Maître d’art” Pierre Meyer, turner of figures on ivory, with an apprentice. © Alexis Lecomte, Ministère de la Culture – France. Imagem retirada daqui.

Filipe Themudo Barata – What is your opinion on the UNESCO programme Human Living Treasures?

Marc Jacobs – This programme was originally sponsored mainly by South Korea and Japan. There is a very interesting article by Noriko Aikawa-Faure (2014), who is one of the protagonists behind the Convention, and who is a consultant. At this moment, she is making a very critical analysis of how this programme is used in South Korea and Japan. She cautions not to blindly follow these examples. But in a lot of countries they are examining how to do something with the notion of recognition, the apprenticeship system, and so on. I think it is a valuable formula. In Flanders, in Belgium, we managed to convince the Ministry of Culture to try to examine and set up a similar system. In September 2015, there was a big meeting organised by the French UNESCO Commission about this living human treasures programme – how it can be implemented and improved. I think there is some potential there.

The original programme sponsored by Japan and South Korea backfired, because it became a system of recognition with the main effect that the price of products by those masters skyrocketed. It became a very exclusive programme, not primarily about transmission but about exclusiveness. A lot of countries are struggling with it. It is an interesting programme, it should not be just passively accepted but something could be done about it. There is potential, and that’s one of the challenges for the coming years, especially cultivating the connections with economy, tourism, and education. There is a lot of potential there for crafts and arts. I believe in it, but I haven’t seen a very convincing formula developed anywhere yet.

Ana Carvalho – France has the Les Maîtres d’Art (since 1994), for instance.

Marc Jacobs – There is a PhD thesis of Francesca Cominelli (2013) that analysed that programme, discovering flaws. The programme is not always used in the spirit of the Convention. Something else should be developed, I think.

Ana Carvalho – In 2015, UNESCO adopted 12 ethical principles regarding the safeguarding of Intangible Cultural Heritage. What was the motivation behind this initiative? Aren’t there ethics codes already, for each field of research? Anthropology has one, museums have another, and so on. What’s your view on this issue?

Marc Jacobs – Doing something about ethics was a question launched by a lot of countries, Belgium among them, and I was one of the people asking for that. If you look at the Museum Code of Ethics of ICOM, it is a rather unbalanced code of ethics that is not very useful for dealing with Intangible Cultural Heritage. From the anthropological point of view, I like the notion of brokerage and mediation very much. And there is no universally applicable code of ethics – anthropologists are just one of the actors.

The basic idea was to examine whether it would be sensible to make a kind of global code of ethics. Upon reflection, it was said that it was not a good idea, because it is impossible to apply something to the whole world. The solution was to adopt two options. On the one hand, there was the solution of the “12 principles”: basically that’s an exercise in rephrasing or formulating the spirit of the Convention, what the Convention is about, in different words. If you look at the 12 principles, these are very general ideas, but the main characteristic is that, if you put them all together, they occupy only a (few) page(s), which you can translate and distribute all over the world. The document of the 12 principles has a chance of being seen by many eyes and of explaining what the Convention is all about – and that’s already sufficient.

There are some new concepts that have been introduced, one could even say, smuggled, or injected into the 12 principles, which are interesting and new, because they add something to the vocabulary. One of the things is that, instead of “prior and informed consent” there is now “prior and sustained informed consent” (principle n.º 4). This sensitizes for feedback and follow up. Prior and informed consent is one of the criteria for the Representative List – and for the other list too. But by using the word “sustained”, one could, for instance, emphasize that every five years you have to check whether there is still consent within the community.

Ana Carvalho – But that can still be manipulated.

Marc Jacobs – Yes, but at least the word “sustained” is there to be activated, to be mobilized, so there can be a periodic check or follow-up of the consent.

There is another concept – “access and benefit sharing” – which is important in the Diversity Convention, that was introduced or smuggled into one of the 12 principles, opening new doors. It is also there in the UNESCO official document, so it can be used, just like in the texts of the Convention on Biodiversity. And next to promoting the 12 Principles, UNESCO will set up a database on their website with all kinds of ethics tools, e.g. forms and professional codes. UNESCO has to involve accredited NGOs in building up that database. That’s another example of innovation.

Ana Carvalho – The notion of “community” has created several misunderstandings. If I understood well, you prefer the notion of “heritage community” in the Faro Convention (Council of Europe, 2005), which says: “a heritage community consists of people who value specific aspects of cultural heritage which they wish, within the framework of public action, to sustain and transmit to future generations”. Could you explain your perspective regarding this notion?

Marc Jacobs – On the one hand, it is also a very open and constructivist definition. If you see how heritage community is defined in the Faro Convention, you don’t have to be the owner of the heritage, so it can be anyone that has a special interest in it and wants to go for public action around that heritage. On the other hand, I see “heritage community” as a network of actors around heritage – and these could be private persons, they could be museums or other organisations. Basically, we are thinking in terms of networks and not just in terms of a village community, a small, supposedly closed or homogeneous group. By using the word “network”, you can move it to include also experts, centres of expertise and so on. That is how it is used in decrees in Flanders.

Ana Carvalho – So, Belgium uses and adapts the concept but hasn’t ratified the Faro Convention.

Marc Jacobs – Absolutely. Our legislation contains the definition of “heritage community” that we copied from the Faro Convention, but we adapted the definition by adding “organisations”. Personally, I think that by having persons and organizations we can get that network idea – the word “organisation” was smuggled or injected or grafted into that definition. By adding this you can have a whole network structure, and it completely changes the way we can work with this. The advantage of the Convention of Faro is that it is the only European Convention that actually recognizes Intangible Cultural Heritage. So, it is our Trojan horse in the heritage field in Europe, to have Intangible Cultural Heritage included. I like most of what is written in the Convention of Faro, I only have problems with the notion of European heritage as an essence, I don’t believe in that construction.

Filipe Themudo Barata – Which construction do you believe in?

Marc Jacobs – If there are actors with enough energy and plans to call something “heritage” and develop a heritage program, then it is heritage. If you freeze or reify it, if you essentialise it, then it becomes very dangerous. That is also how I think about popular culture. In a network, you have to make it so that no one can possess it, so that it is all over the place: a lot of energy but nobody can control it. It is always a process of finding consensus or a power play, but at least it is something that can change over and over again. That’s what heritage, or a tradition, is. That’s why I like the 2003 Convention – what communities, groups and individuals think is their heritage and the way they manage to convince other people. It is a very relativistic approach.

Ana Carvalho – You are the holder of the UNESCO Chair in Critical Heritage Studies and the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage at Vrije Universiteit Brussel. What are your main goals for the near future?

Marc Jacobs – On the one hand, I want to work on the topic of sustainable development, the new chapter VI in the operational directives of the 2003 Convention on sustainable development and hence about 2030 Agenda of the UN. For instance, the role that safeguarding Intangible Cultural Heritage can play for peace processes – let’s take this seriously and find ways to make it work to reflect on how this could happen. And also, I want to organise a number of seminars, meetings, and publications around this.

On the other hand, in Belgium, or in Flanders, I want to develop more research and help a number of people who are starting their PhDs, to build up some research capacity in order to help reflection.

Another goal is to find some international networks of exchange and do projects together. In the coming years, there are several new chairs that are already emerging, one in Turkey, one in Latvia (Anita Vaivade, she is a very strong legal scholar but with great ambition and I really believe in what she is doing). In the Netherlands there will be perhaps one, and there are several others. If these plans work out, we will have about ten chairs, and it will be a good way to work together. I also think connections can be made with the UNESCO Secretariat, to see what can be done together. For instance, the UNESCO Secretariat wants to set up a worldwide monitoring programme on the impact of the Convention. They want to develop a kind of monitoring system over national committees – they will implement this programme in the coming years. I think the Chairs could play a role in this case, to actually follow it up or make it happen. There are several possibilities, and it is always a challenge to see how independent your work can be, and how critically you can work from the UNESCO point of view. I was actively involved in the intergovernmental committee of the Convention until last June. From now on I will just be observing, and that’s something I look forward to.

Referências

AIKAWA-FAURE, Noriko. Excellence and Authenticity: ‘Living National (Human) Treasures’ in Japan and Korea. International Journal of Intangible Heritage, n.º 9, p. 38–51, 2014.

COMINELLI, Francesca. L’économie du Patrimoine Culturel Immatériel: Savoir-faire et Métiers d’Art en France. Thèse de doctorat en Sciences Economiques, Université Panthéon-Sorbonne (Paris), 2013.

Notas

[1] Post-doctoral researcher at the Interdisciplinary Centre for History, Cultures and Societies (CIDEHUS) of the University of Évora (Portugal) and member of the UNESCO Chair in Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage of the University of Évora. Holds a PhD in History and Philosophy of Science, specialization in Museology (2015) and a master degree in Museology. Her research focuses on museums and cultural heritage (tangible and intangible) and national public policies in Intangible Cultural Heritage.

[2] Full Professor at the University of Évora (Portugal) since 2004, where he teaches several disciplines and seminars connected with History (especially Medieval), Heritage and Museology. He is the holder of the UNESCO Chair in Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage of the University of Évora.

[3] There are now (July 2016) 337 elements inscribed in the Representative List and 43 elements inscribed in the Urgent Safeguard List. And the Register of Best Safeguarding Practices has only 12 projects.

[4] Tim Curtis started as secretary in beginning of 2016. He has PhD in Cultural Anthropology and has worked for UNESCO since 2000. Curtis has more than 11 years in the field, first at UNESCO Office in Dar-es-Salaam (Tanzania) and then as head of UNESCO’s Cultural Unit in Bangkok (Thailand). He succeeded Cécile Duvelle who was secretary between 2008 and 2015.

[5] Belgium has now (July 2016) 10 elements inscribed in the Representative List and two projects on the Register of Best Safeguarding Practices.

[6] The file for the beer culture in Belgium as an element of Intangible Culture Heritage is at the moment (July 2016) under process by UNESCO for the Representative List.

****

Esta entrevista foi publicada originalmente no 16.º número da revista Memória em Rede:

Carvalho, Ana, e Filipe Themudo Barata. 2017. “Ethics in Intangible Cultural Heritage Public Policies: Interview with Marc Jacobs.” Revista Memória em Rede 9 (16): 165–80. https://periodicos.ufpel.edu.br]

“Tesouros Humanos Vivos e Patrimonialização da Memória”

© Ana Carvalho

© Ana Carvalho

Barroseiro, Sofia (Junho 2013). Tesouros Humanos Vivos e Patrimonialização da Memória. Um olhar desde Arraiolos. Universidade de Évora, dissertação de mestrado em Museologia. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente); Filipe Themudo Barata (orientador); e Cyril Isnart (arguente). Defesa a 11 de de Junho de 2013.

****

Tesouros Humanos Vivos e a patrimonialização da memória. Um olhar desde Arraiolos 

(Resumo)

Um dos grandes desafios colocados ao mundo moderno é a necessidade e urgência da proteção do património cultural imaterial dos povos e das comunidades, que tende a desaparecer.

Todos estarão de acordo do trabalho que é necessário realizar: pesquisar, identificar, inventariar e preservar o nosso património imaterial com o objetivo de organizar um sistema coerente que salvaguarde, entre muitos outros aspetos, aqueles que possuem em si os saberes, as tradições e os conhecimentos de inegável valor histórico, social e artístico.

Daqui decorre a importância do programa dos Tesouros Humanos Vivos. Em primeiro lugar apoiar e incentivar o estabelecimento de sistemas nacionais de Tesouros Humanos Vivos, o qual passa pela preservação dos conhecimentos e técnicas necessárias para a identificação e recreação de elementos do património cultural imaterial. Esta iniciativa baseia-se na identificação e no apoio aos participantes de expressões culturais, assegurando a salvaguarda destas tradições através da transmissão de geração em geração.

Todavia, durante o levantamento dos Tesouros Humanos Vivos (partindo do estudo de caso do concelho de Arraiolos) são inúmeras as dificuldades relativamente à validação da informação por eles produzida e acerca da forma de proteger e recuperar os valores patrimoniais inerentes. E as dificuldades continuam se pensarmos no que fazer a todo o material recolhido, seja do ponto de vista institucional, seja nos problemas de acesso a essa informação, cuja validação é, tantas vezes problemática.

A presente reflexão pretende dar um contribuir positivo no sentido de dar resposta a questões como as seguintes: “como preservar o Património, segundo que procedimentos?”, sempre acompanhada da inevitável questão “porquê e para quem lhe dar valor?”.

*****

Living Human Treasures or when memory became heritage. A glimpse from Arraiolos

(Abstract)

What cultural heritage concerns one of the most important issues it’s the need to preserve and protect the intangible heritage threatened to disappearance.

Specialists agree upon what must be done: research, identified, inventorying and preserve intangible heritage in the framework of a global and consistent system that save those who have the know how, traditions and just knowledge of a important historical, social and artistic value.

That’s why is so important the Living Human Treasures Program. First, because it can support and promote an intangible heritage national system network, based upon the identification and the cultural expression memories, so that they can be preserved and transmitted through generations. Along the field work, using Arraiolos as a case study, it has been quite clear the difficulties about data validation, the way to organized these data from an institutional point of view and how to promote the acess to this interesting information.

That the aim of our intervention; our main questions could be the following: how to preserve this heritage and which should be the correct proceedings? Also why to do this and whom should evaluted it?

Museologia, entrevista com Filipe Themudo Barata

 

Filipe Themudo Barata, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 6 de Fevereiro de 2013 © Ana Carvalho

Filipe Themudo Barata, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 6 de Fevereiro de 2013 © Ana Carvalho

 

Damos início no blogue a um ciclo de entrevistas intitulado Per(cursos) e Perspectivas da Museologia, convidando personalidades ligadas à museologia para connosco reflectir sobe o mundo dos museus face aos desafios que se enfrentam no contexto actual. O desafio é trazer a público uma entrevista por mês, dando espaço a diferentes vozes e perspectivas.

Estivemos à conversa com Filipe Themudo Barata[1],  professor há mais de trinta anos na Universidade de Évora e que tem estado ligado ao ensino na área do património e da museologia. Foi este um dos motivos que nos levou a conversar sobre a formação em museologia e os seus percursos, sobre a situação dos museus e das universidades na actual conjuntura, bem como sobre as perspectivas de mudança na museologia portuguesa.

***

Ana Carvalho (AC) – Qual o primeiro museu que se lembra de visitar e que memórias guarda dessa experiência?

Filipe Themudo Barata (FTB) – Eu separaria três coisas que são aparentemente diferentes. Uma como turista e interessado em museus. Lembro-me, há muitos anos, de visitar museus na Alemanha, na Inglaterra – a Tate Gallery por exemplo e lembro-me de visitar o Louvre. Lembro-me que o que achava interessante era a paciência que aquilo representava, o trabalho acumulado de tanto tempo a juntar tantas peças. O que me lembro era esse espírito de colecção, porque eu também tinha um espírito de coleccionista, e de ficar muito marcado pela ideia de que para juntar tantas peças é preciso muito tempo, muita paciência e muita gente para fazer e organizar colecções. E, por isso, os museus maiores impressionavam-me imenso. E estou a falar de quando eu era um estudante de liceu e da universidade, estaremos, portanto, nos anos sessenta.

Depois, quando comecei a visitar museus com objectivos mais críticos e de apreciação, lembro-me de visitá-los sobretudo pela variedade. Visitei no Canadá um museu que se chamava Upper Canada Village, sobretudo porque tinha a ver com a recuperação das memórias que era uma coisa que me interessava nessa altura. Percebi aí que a museologia, os museus tinham várias alternativas, várias saídas, várias hipóteses.

E depois lembro-me também de visitar museus que me impressionaram, que eram até coisas pequeninas, alguns mal feitos, projectos um pouco inacabados e que me interessavam porque eram museus que contribuíam para a coesão social. Isso nota-se muito, por exemplo, em África. Lembro-me de visitar um museu em Cabo Verde que tinha esse lado simbólico e de função de coesão social.

E depois tive uma outra experiência de museus, que foi aqueles museus que eu tinha responsabilidades e que me chamaram a atenção para outro fenómeno. Os museus para além das funções sociais têm uma componente importante para a economia de uma região e de um país. Daí a necessidade de também pensarmos os problemas da economia da cultura de uma forma diferente de como a normalmente pensamos, muito desprendida e de que não temos nada a ver com isso, mas temos tudo a ver com isso. Depois, muito mais tarde percebi que 80% do meu tempo andava a gastá-lo a gerir economicamente o museu; por isso até é que eu propus que no curso de museus as pessoas soubessem um mínimo de economia porque não é indiferente e não pode estar separado da vida dos museus

AC – E hoje em dia quais são os museus que visita habitualmente?

FTB – Hoje em dia já sou muito mais criterioso. Eu lembro-me, aliás, julgo que foi consigo que fomos à Alemanha [2005][2], onde vou por estes dias outra vez fazer uma visita de estudo. Agora interessa-me também o lado de projecto do próprio museu, o lado da organização dos discursos. Interessa-me perceber até os factores que andam também à volta, e que nem sequer se veem, interessa-me visitar o depósito e os serviços de apoio. E portanto, hoje em dia, as minhas visitas aos museus, para além do prazer e de continuar a sentir-me, muitas vezes, assustado e esmagado pelas colecções, também estou interessado na variedade, na qualidade dos projectos. Interessa-me olhar com um espírito crítico aquilo que está e o que deveria estar e fazer essas comparações.

AC – Poderia falar um pouco sobre o seu percurso profissional e o que o levou a interessar-se pelas questões do património e dos museus?

FTB – Eu venho da História.

AC – Mas antes disso…

FTB – Ah sim, formei-me em Direito, mas isso foi a pré-história da minha vida como eu costumo dizer. Mas eu venho da História de formação, foi o que eu sempre quis fazer. E venho da História dura, digamos assim, eu era e sou um medievalista. Mas uma das coisas que sempre me afligiu foi que a História sempre ligou mais ao factor de tempo do que do espaço. E foi a partir dos problemas do espaço e do conhecimento do território que me comecei a interessar pela materialidade das coisas mais do que do processo temporal dessas coisas. E com amigos e colegas que eu fui encontrando fui fazendo esse percurso. Devo dizer que ainda hoje mantenho uma parte disso que tem a ver com o território e a paisagem.

No princípio misturava um pouco o património natural com as práticas sociais ligadas às construções da paisagem, e foi progressivamente por aí que eu me fui aproximando do património, ou seja, da necessidade de compreender a alteração dos espaços em termos de história. Eu lembro-me que a primeira vez que fiz uma comunicação sobre paisagem estávamos em 1983. Ao princípio, com os colegas de outras áreas, tentava arranjar métodos de análise da paisagem (…) que tinham a ver com a utilização as ciências exactas, as ciências duras no estudo da Paisagem, e portanto fazia estudos sobre cálculo de probabilidades, de ocorrências na Paisagem. Pouco a pouco, fui abandonando essas preocupações das ciências duras e fui-me ligando mais aos aspectos das práticas sociais e dos valores patrimoniais que tinham a ver com essa construção das paisagens.

E é curioso porque lembro-me perfeitamente, por volta dos anos 88-89, sentir a necessidade de perguntar a mim próprio porque é que não havia um curso de património em Portugal. E naquela altura, porque desempenhava funções de coordenação na Universidade de Évora fiz um projecto de licenciatura de património cultural, que eu julgo que foi o primeiro em Portugal. (…) Era um curso bastante eclético. Além do conhecimento do património, o curso tinha duas ou três componentes que eram essas sim completamente novas: uma era que as pessoas tinham de ter formação mínima em economia. Foi o primeiro protesto que tive (porque fui o primeiro director do curso) e o protesto era que os estudantes não queriam saber de questões de economia, como ler um balancete ou como fazer um orçamento. E foi a primeira coisa que, depois de eu sair, removeram do curso. A segunda tinha a ver com materiais, ou seja havia unidades curriculares como agora lhes chamam, fornecidas, por exemplo, pela arquitectura sobre materiais de construção, materiais que interessavam para o conhecimento do património, estávamos por volta dos anos 1990-1991. Mais tarde, até porque colaborei em muitos projectos europeus ligados ao património, comecei a estruturar melhor a forma como via estes problemas.

Lembro-me também que à medida que fui lidando e tinha projectos nestas áreas, fui bater na museologia sem querer. Porque naquela altura o país era mais encravado, cada região estava mais encravada, e éramos muitas vezes suscitados para saber o que fazer àquele património. E, pouco a pouco, o que íamos deparando era o que fazer a colecções, seja lá do que fosse; tivemos das propostas mais bizarras que se pode imaginar, das colecções mais estranhas que se pode pensar, mas o nosso desafio era sempre – “o que fazer àquilo?” Dou dois ou três exemplos.

Por exemplo, lembro-me perfeitamente, era director do departamento [de História] e virem algumas pessoas ter comigo a dizer que tinham o espólio do Mário de Sá, um historiador, um poeta, um escritor que escreveu sobre as grandes vias da Lusitânia[3] – e quererem saber o que fazer com o material. Portanto, nós éramos suscitados para esse género de desafios. E, pouco a pouco, e quase sem querer acabei por estar ligado a esses museus e projectos.

E também ligado a uma outra ideia que eu acho fundamental demarcar, já que estamos aqui na Gulbenkian a fazer esta entrevista. Naquela altura era meu colega na Universidade o Arquitecto [Gonçalo] Ribeiro Telles que tinha uma ideia, que é demais conhecida, de que havia futuro para o Portugal também no interior e o desenvolvimento sustentado, para o alcançar, era algo muito relevante. E isso também tem a ver com esse fenómeno de, digamos assim, lutar por propostas que tinham na base propostas culturais, mas que tivessem futuro também para as comunidades do interior. E foi assim um pouco também que fui, passe a expressão, militando nesse domínio.

Depois acabei por me ligar à cidade romana da Ammaia [Marvão], onde já estávamos a falar de outra escala, de materiais, de colecções, de projecto, o que me ocupou nos últimos dez anos e que não me deixou perder de vista o que fazer a este género de problemas. E depois tive consciência ainda de outra coisa. Como estive ligado à organização da Expo 98 e era uma das pessoas responsáveis pela formação de funcionários percebi que faltava imensa formação especializada nessas áreas em Portugal. Vem daqui a primeira proposta de Évora de um curso de museologia, que foi construída em 1996, sendo depois aprovada um pouco mais tarde.

E foi mais ou menos isto em resumo o meu percurso, que misturou ao mesmo tempo o percurso de investigador, historiador e até de coordenação institucional.

AC – E o mestrado Erasmus Mundus [TPTI (Técnicas, Patrimónios e Territórios da Indústria)]?

FTB – O Erasmus Mundus é um salto diferente. Este Erasmus Mundus é um mestrado que nós temos a meias com a Universidade de Pádua e com Universidade de Paris 1 Sorbonne Pantheon. Nós percebemos que os problemas que Portugal tinha – e tem – são muito parecidos aos problemas da maior parte dos países do mundo. Há especificidades, mas (…) a formação tem um sentido universal e é por isto que a formação em museologia e o património tem este sentido universal, porque os problemas são semelhantes em todo o lado.

AC – Qual o balanço que faz desta última década de formação em museologia?

FTB – O balanço nem sempre é simpático para toda a gente e para todas as instituições. Em primeiro lugar há os aspectos práticos que eu chamaria da oferta de formação. Quando isto começou, portanto há quase vinte anos, todos quiseram reproduzir a oferta porque havia muitos estudantes, e num país como Portugal o resultado é que se “matam” uns aos outros. Do meu ponto de vista, enquanto olharmos só para o que se passa em Portugal não tem sentido haver uma oferta formativa em museologia em cada universidade e politécnico. E o resultado é que acabamos autenticamente por “matar” não só a própria oferta formativa como, pior, prejudicamos fortemente a investigação que lhe está associada.

Hoje em dia, o que é para mim completamente claro é que as propostas de oferta formativa deviam ter parcerias das universidades portuguesas, tinham que ser mais racionalizadas desse ponto de vista, e ter outra coisa essencial, ou seja, projectos e linhas de investigação associados. Era a única forma de sustentarmos isto a mais longo prazo. E desde que obviamente fizéssemos uma coisa prévia que era articular essa formação. E hoje em dia, vale até a pena perceber que a primeira leva de professores de museologia que se vai reformando, temos imensa dificuldade em estruturar essas competências nos quadros das universidades e passamos a fazer quase o que verdadeiramente é uma espécie de outsourcing de professores. Porque do meu ponto de vista falta ligar a formação da museologia à investigação, a linhas de investigação que sejam claras e que estejam sediadas em centros de investigação. E esta falta de ligação tem desarticulado imenso a formação em museologia.

Para todos efeitos, acho que o trabalho que se fez é, mesmo assim, muitíssimo positivo. Há teses que são referências e só tenho pena que o mecanismo da circulação das teses entre as universidades não seja bem mais conhecido, porque podia ser um factor até de homogeneização. Vale a pena perceber que não é muito difícil organizar as linhas de investigação, o problema é que as pessoas, muitas vezes, não sabem o que os outros andam a fazer nas outras universidades. E a prova de que estamos a fazer coisas muito semelhantes é no resultado prático das teses que se fizeram.

AC – Como avalia a produção científica que se faz na área da museologia?

FTB – Em Portugal podemos considerá-la razoável. Mas se fossemos avaliá-la por critérios internacionais, diria que é muito fraquinha.

AC – Isso deve-se a quê, na sua opinião?

FTB – Isto passa-se não só na museologia, mas em quase todas as áreas, temos fracos níveis de internacionalização. O que eu estou a dizer são coisas simples de comprovar que é – quantos projectos somos líderes na área da museologia? Quantos artigos é que estão escritos por portugueses, em comparação com os outros, nas revistas da especialidade? É baixíssimo o número. E portanto, desse ponto de vista, a percepção que eu tenho é que não se fizeram, afinal, assim tantas teses. Há algumas coisas evidentemente interessantes, mas os nossos níveis de internacionalização não são muito grandes, nem de perto nem de longe (…). Faltam linhas de investigação, como disse, e isso é fundamental para dar consistência ao trabalho.

AC – Mas não faltará também pensamento crítico?

FTB – Em Portugal temos vários tipos de problemas, que é uma espécie de um atavismo nas áreas das ciências sociais e humanas. Nós levamos a apreciação crítica quase como uma ofensa e, portanto, temos pouco esse hábito. Depois, também é verdade que não há tantas revistas assim e não há tantos espaços onde se possa expressar a crítica de uma forma normal, regular, o que também condiciona imenso a possibilidade de o fazer. E depois como o nosso meio livreiro também não é muito grande e não é muito rico para permitir a publicação e também não o fazemos nas revistas internacionais, ou fazemos muito pouco, essa é uma limitação.

AC – Acha que o pensamento crítico pode ser ensinado, pensando nos currículos da museologia, se pode haver do ponto de vista da formação esse estímulo, esse olhar crítico sobre as coisas?

FTB – O olhar crítico é um ambiente que se cria, que se treina, que se induz e que se incentiva as pessoas a praticá-lo. Ou seja, nós não o temos de uma maneira geral em Portugal, mas não é só aqui nesta área é em quase todas, esse espírito crítico e incentivamos pouco. É uma atitude!

 AC – Falando um pouco da crise, e desta nova conjuntura de restrição orçamental tem obrigado a reestruturar os cursos e à sua transformação. Como é que este processo se tem passado na Universidade de Évora?

FTB – Eu não acho que na Universidade de Évora se tenha passado muito diferente, julgo eu, das outras. Uma das coisas que são dramáticas em Portugal, do meu ponto de vista, é esta permanente tendência a estarmos a mudar todos os anos a oferta formativa. Isto cria uma instabilidade nas instituições absolutamente demolidora. Eu sou professor há mais de trinta anos e eu acho que não me lembro de três anos seguidos sem uma reforma e, portanto, este estado de coisas não deixa criar práticas normais de trabalho. Eu percebo que a oferta formativa pode, num ano, não ter alunos e mude, isso com a demografia portuguesa é natural acontecer. Mas eu não percebo é esta tendência suicidária para todos os anos abrirmos novos cursos. Isto não devia poder ser assim. Isto é um aspecto que não é de agora, é um aspecto de já vem de há muitos anos. Este é o primeiro aspecto.

O segundo aspecto é que a proposta que nos fazem é que a crise é também um motivo de arranjar oportunidades. Esse é um discurso retórico que não conduz a nada e para isso poder ser verdade era preciso fazer uma outra coisa que era as universidades passarem a ter objectivos bem claros sobre aquilo que pretendem alcançar, coisa que não parece assim tão evidente nos dias de hoje. Sobretudo porque andamos a lutar todos os dias pela sobrevivência em vez de pensarmos o problema de saber o que queremos e vamos fazer. Sobre isto diria ainda duas ou três coisas.

Em primeiro lugar, temos de racionalizar a oferta que fazemos por cá, mas não podemos permanentemente matar os cursos e a alterá-los e a arranjá-los com novos nomes porque isso cria instabilidade. Em segundo lugar, a oferta formativa também tem que ser o resultado do trabalho que já existe. Ou seja, essa oferta que se vai criando tem que ter alguma correlação com a investigação e o trabalho que se faz. Em terceiro lugar, nós, pensando na nossa língua somos capazes de definir um projecto num papel, mas temos pouco sentido prático, – por exemplo: a quem é que nos estamos a dirigir para ter como alunos? E depois não somos capazes de integrar e ligar a oferta da universidade com os problemas da formação profissional. Ou seja, enquanto nós aceitarmos a lógica de separamos o sistema profissional do sistema universitário vamos continuar a ter um problema porque conhecemos mal, passe a expressão, os nossos clientes. E nós tínhamos de pensar o problema de uma maneira um pouco diferente, do meu ponto de vista.

Por outro lado, estamos a usar pouco, em Portugal e de uma maneira geral na Europa, os meios de comunicação (internet) que têm um impacto enorme e podíamos fazer coisas mais interessantes com toda a gente que está interessada em aprender ou que fala português, que é muito mais do que os PALOP. E desse ponto de vista a nossa oferta formativa está muito mal pensada e praticamente não existe. As Universidades precisam de definir melhor os objectivos a que se propõem e os alvos que querem atingir. Esse trabalho ainda está muito no início.

AC – A articulação das universidades com as lógicas do mercado também pode ser perigosa, ou não?

FTB – A maior parte do discurso e da narrativa oficial é a de que a Universidade deve colocar-se por baixo do mercado e, portanto, a Universidade formaria consonante o mercado pede. E não pode ser assim como é lógico; porque então as experiências das grandes universidades que são referência não é assim que funcionam, porque a própria universidade, a riqueza e a criatividade de cada universidade também ela própria incentiva o mercado.

Nós temos em Portugal um problema concreto que é o problema da nossa estrutura demográfica. Ou arranjamos uma alternativa de políticas de incentivo ao crescimento populacional, e não é isso que vai acontecer, o que estamos a ver é que vai diminuindo a nossa base demográfica, o seja, o número dos nossos clientes. Eles vão diminuindo e nós estamos a dar-lhes uma formação como se estivéssemos nos anos oitenta e não estamos. Isto significa que nós tínhamos que ter algum conhecimento daquilo que se passa e das nossas capacidades e competências, porque nós temos muitas competências instaladas nestas áreas, estamos a usá-las é provavelmente mal, estamos a deixá-las diminuir e a deixá-las desarticularem-se.

Deste ponto de vista as universidades, isto não tem só a ver com uma universidade, precisavam de perceber melhor onde é que poderiam estar a fazer a sua oferta, que não é preciso ser nova, os objetivos que se propuseram há dez ou quinze anos e que continuam a ter sentido e que não devem ser desarticulados mas provavelmente não têm a mesma possibilidade em Portugal, mas que continuam a ser em algumas áreas de excelência. Por exemplo, nós temos competências instaladas na área do património, nos centros de investigação, na formação e nos seminários que nós temos, que é uma pena deixarmos desarticular. O que era preciso fazer era isto ser, passe a expressão, politicamente pensado, que tem sido pouco pensado nas universidades, assoberbados pelos problemas financeiros.

AC – Tem havido esse tempo para reflectir?

FTB – Não e esse é um problema sério. Embora eu não tenha dúvidas, e por aquilo que conheço que as competências significam: o número de investigadores, as linhas de investigação que existem nos centros, aí em termos comparativos e o que está publicado é relevante. Mas deixa de ter alguma unidade, por não ser pensado, mesmo dentro de cada instituição e as universidades transformam-se, assim, uma espécie de confederação de pessoas, de interesses e de unidades, sem ter objectivos políticos de política científica gerais, que sejam claros para todos. E isso era possível fazer, mas era preciso fazermos uma coisa a que não estamos habituados – termos debates com objectivo e aceitarmos sermos avaliados. Temos pouca prática de organizar debates com esse sentido prático.

AC – Pensando na evolução da museologia nas universidades e em linhas de investigação, e tendo em conta a Universidade de Évora, quais poderiam ser essas especialidades ou essas linhas de investigação. Qual poderá ser ao ponto forte da museologia na Universidade de Évora?

FTB – Falando agora só de Évora, gostava de, em primeiro lugar, por razões que depois têm a ver com percursos até individuais, as pessoas que lidam com o património estão ou estavam extraordinariamente pulverizadas em Évora. Eu diria que havia quatro ou cinco departamentos que lidavam com os problemas do património: a Arquitectura, a Arquitectura Paisagista, a História, as Artes. Depois acontece que havia uma espécie de unidade que era o resultado de gente oriunda de vários departamentos (químicas, geofísicas e tal) que também se juntaram num projecto interessante que se chama o Centro HÉRCULES [Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda] que procurava no fundo também aplicar as ciências duras aos estudos patrimoniais. Depois de tantos anos de erros e hesitações resolvemos, um grupo de professores e até da própria reitoria, tentar fazer uma outra coisa que é a de organizar um doutoramento em património.

Este projecto é um doutoramento que tem dois ou três aspectos relevantes. Primeiro, porque junta gente de todos os departamentos onde havia estudos do património. Depois porque junta unidades de investigação, junta o centro de História da Arte [CHAIA], junta o HERCULES, junta o CIDEHUS [Centro Interdisciplinar de História, Sociedades e Culturas], depois porque junta ainda outras instituições que farão parte da rede no projecto final. E junta projectos, como é o caso da cátedra UNESCO. E portanto, pela primeira vez, em torno desta ideia de património, e lá dentro está a museologia, seremos capazes de organizar não só um projecto doutoral ligado ao património, mas também linhas de investigação em que todos reconhecemos o nosso trabalho o que não deixa de ser raro e curioso.

AC – A Universidade de Évora conseguiu ver aprovada uma cátedra em património. Quer explicar de que se trata?1

Em Agosto de 2012, depois de um longo processo, a Universidade de Évora viu aprovada uma Cátedra UNESCO da qual eu sou o responsável. O “Agreement” final, ou seja, o compromisso da Universidade só foi ratificado no mês de Fevereiro, pelo que a Chair UNESCO só iniciará em Março a sua actividade, a qual será devidamente publicitada. Trata-se de uma cátedra com o título “Intangible Heritage and Traditional Know-how: Linking Heritage” e, como o nome indica, tem como ponto central o património imaterial e o saber fazer tomados num sentido alargado. Há uma equipa da Universidade de Évora que apoia o trabalho da Cátedra, uma rede que se vai formando, linhas de investigação previstas e formação avançada que se perspectiva. De certeza, um enorme trabalho pela frente[4].

AC – Voltando à questão duma postura mais crítica sobre o que se está a passar nas instituições, nomeadamente nos museus, esta crise tem obrigado a reestruturações rápidas e a verdade é que se nota um silêncio, tanto da parte dos profissionais como da parte das universidades, salvo alguns espaços de debate.

FTB. – Medo, medo de perder o emprego.

AC – Mas este silêncio também se sente da parte das universidades.

FTB – Claro que sim. Há vários problemas aí. Primeiro, para todos os efeitos as universidades estão muito viradas de costas para os museus, é uma realidade. Há sempre casos excepcionais, mas de uma maneira geral não é uma relação tão próxima como devia. Em segundo lugar, nós estamos numa fase muito difícil porque as pessoas, por um lado, têm medo de perder os lugares, o que faz as pessoas retraírem-se. Depois, há um lado prático que tem a ver com a luta pela sobrevivência de cada instituição, que ganha uma dimensão que não deixa de ser um pouco patológica que é julgar pode sobreviver sozinha – e não pode.

Há uma outra ideia que tem a ver com os governantes que julgo que nunca fizeram as contas, embora haja estudos sobre o que representa a economia ligada à cultura[5] e que é muito maior do que as pessoas julgam. E como nestas coisas já não se fazem tantas contas as pessoas acabam por ter esses reflexos defensivos de se isolarem mais, que é um grande erro. Seja como for, acho que vale a pena lembrar duas ou três coisas.

Hoje em dia fala-se muito de turismo, pois o turismo é um sector que podemos desenvolver; mas o turismo é saber como é que eu me desloco, onde é que eu fico e o que é que eu vou fazer. E “o que eu vou fazer” era onde nós devíamos estar preocupados, e curiosamente, os nossos governantes pensam pouco nesse problema; fica tudo uma coisa nebulosa porque depois as políticas práticas para saber o que é que eu vou ver enquanto cá estou estão pouco pensadas. (…) E para todos os efeitos, julgo que a nível local estas questões são muito mais bem pensadas, mais discutidas, melhor, curiosamente, do que a nível central.

As universidades, infelizmente, estão muito afastadas destes debates e as instituições, com receio destes cortes, definem só políticas de sobrevivência. Eu não tenho soluções (…), mas reconheço que agora é que era uma boa altura pelo menos para saber quais são as alternativas e como nos organizarmos. E nós precisávamos de fazer isso, não era só fazer mais uma exposição, era agora fazer mais um debate sobre aquilo que nós queremos destes sectores ligados à cultura e à economia da cultura.

AC – Na sua opinião, como é que a desarticulação entre museus e as universidades podia ser ultrapassada?

FTB – Eu não percebo como é que é que a maior parte das pessoas que estão à frente dos museus, os grandes museus pelo menos, que são pessoas com boas qualificações académicas têm poucas ligações à investigação e ficam acantonadas nos problemas de gestão, que reconheço que são grandes. Por outro lado, as universidades afastam-se completamente também dessas instituições e têm esse problema e perdem de vista os problemas práticos.

E falta nitidamente construir as pontes necessárias para que esses interesses mútuos possam ser articulados. Mas não é possível uma pessoa como um director de um museu ou um professor de um centro que publica umas coisas de vez em quando, simplesmente dizer que se vão juntar. Isto não funciona assim. As políticas de aproximação significa primeiro debater os problemas, fóruns onde as pessoas se encontram e reconheçam os mesmos interesses e que as soluções têm vantagens para todos. Não sei muito bem quem é que tem competências para fazer isto, mas, como cidadãos, temos do dever de, todos, o fazer, sendo certo que as grandes instituições tem mais facilidade de promover estes debates, tanto as instituições científicas como museológicas. Mas era necessário encontrar esses fóruns onde as pessoas se encontram e reconheçam como os interesses são comuns, ou mesmo complementares.

AC – Pensando também na sua experiência com os museus que já referiu, e voltando a pensar na crise e nestas reformulações quais é que devem ser as áreas-chave ou as prioridades dos museus nos próximos anos?

FTB – Durante muitos anos estive ligado a um projecto que tinha um museu lá dentro, a Ammaia, ao pé de Marvão. Era um museu que tinha tudo o que era normal num museu, mas o nosso problema tinha a ver com várias competências …, porque isto é um bocado diferente de quando falamos de grandes unidades museológicas…

Mergulhados no trabalho de investigação, no trabalho de terreno, no trabalho de projecto, conhecemos mal os públicos a que nos temos de dirigir. A maior parte dos museus têm projectos museológicos que podiam ser muitíssimo melhorados e precisavam dessa colaboração. Por vezes não é só um problema de dinheiro é mesmo um problema de cooperação e colaboração entre instituições universitárias e museus. Nós, muitas vezes, estamos a estruturar informação que está mal organizada, que podia ser muitíssimo melhorada. E, portanto, há aqui um trabalho que, por um lado, tem a ver com melhorar as condições daquilo que estamos a fazer, não é só da oferta mas daquilo que estamos a fazer nos museus, e as universidades deviam até associar-se a essas unidades museológicas.

Por outro lado, nós temos que pensar que era muito importante conhecermos o trabalho o que se faz em museus por esse mundo fora, porque as alternativas podem ser muitíssimo interessantes e nós conhecemos mal. (…) Era importante conhecer os estudos de caso interessantes para, muitas vezes, replicarmos, porque a roda já está descoberta. Nós desse ponto de vista temos, só para dar um exemplo, quantas pessoas do design, quantas pessoas dos audiovisuais hoje estão ligadas a museus? Que eu saiba poucas. Poucas universidades têm estas ligações estruturadas e organizadas e há um mundo enorme aí de colaboração a fazer.

Ou seja, o que eu quero no fundo dizer é que a crise está a criar hoje um ambiente perigosíssimo que é empurrar os museus para se acantonar tentar sobreviver sozinho. E por isso muitas vezes, estes fóruns onde nós nos devíamos encontramos têm muita importância. A crise tem esta consequência terrível que é faz-nos isolar e por isso é que as pessoas que estão responsáveis devem tentar criar essas pontes para contrariar esse movimento de isolamento que sem querer as instituições têm.

AC – Por outro lado, nós temos práticas de avaliar os projectos, avaliar o que se faz nos museus?

FTB – Nós não fazemos avaliação. Ninguém quer ser avaliado. Dito de outro modo, há instituições, é o caso dos centros de investigação que nos últimos dez anos têm sido avaliados, temos um critério para medir a qualidade do nosso trabalho. Mas a maior parte das instituições e do trabalho a nível individual não é avaliado e é terrível porque nós podíamos estabelecer grelhas de avaliação entre os agentes que podiam servir para muitas coisas, inclusive para saber onde é que temos que mudar e onde é que temos que melhorar. Mas, de uma maneira geral, fugimos imenso à avaliação. E os museus precisam urgentemente também disso.

AC – Considerando o panorama museológico português e a escala do país. É um panorama sustentável? Podem todos os museus sobreviver à crise?

FTB – Quando Berlim foi unificado eles apostaram em fazer qualquer coisa. Hoje em dia uma pessoa vai a Berlim fazer o quê? Vai a Berlim pela cultura, ver os cerca de 200 museus que lá se exibem, os espetáculos fabulosos que lá existem, a arquitectura deslumbrante que lá há…E aquilo tornou-se sustentável e isto tem a ver com o que nós falámos há bocado. E eu, ao contrário, não estou nada contra nascerem mais museus. É preciso algum cuidado, alguns são projectos loucos, eu sei, muitas vezes são semi-projectos mal pensados, mas curiosamente aqui é que está o grande papel das instituições que têm melhores condições e das universidades. O que era preciso era ajudar a pensar estes projectos, o que fazer a esta oferta, como a consolidar e articular.

Eu acho que há uma coisa que os museus têm e que é fundamental manter. Os museus não são só repositórios de memória. Os museus têm um outro lado que é fundamental, são nós de coesão social. E este papel não nos podemos dar ao luxo de perder. Mas o país também não se pode dar ao luxo de não ter isto pensado de uma forma mais consistente e mais global. Há em Portugal um enorme potencial no domínio da cultura que devemos aproveitar e que devia ser consistentemente desenvolvido, porque é um sector da economia do país fundamental. E, portanto, deste ponto de vista não sou nada favorável a fechar museus, pelo contrário. Sobretudo com estas crises em que tendemos a diluir os nossos referenciais, eu acho fundamental manter esses referenciais de coesão.

E também não deixa de ser interessante o seguinte. Em Portugal há iniciativas por todo o lado que têm na base elementos culturais, chamemos-lhe assim para facilitar (e que não é completamente visível nos órgãos de comunicação), e que são movimentos em torno dos quais as comunidades estão disponíveis para se organizar. Isto poderá ter também a ver com a crise, que tende a diluir fenómenos de um individualismo exacerbado que existiam, e, portanto, digamos, o retorno à comunidade começa a ter algum sentido. Seja como for, aquilo que eu vejo é uma disponibilidade enorme das pessoas para este género de trabalho e isto é verdade nos museus e de uma maneira geral na cultura. Eu acharia lamentável estar a cortar este movimento que é extremamente criativo.

AC – Que museu faz falta em Portugal?

Eu não ponho o problema assim. (…) Uma coisa são os museus que nascem porque há políticas a nível de governo ou a nível de serviços, etc. que tem inscrito nos programas fazer um museu da língua ou de qualquer coisa… Eu acho que esses museus têm objectivos e motivações diferentes. Mas nunca são de menos os outros que se vão criando, e que nascem de movimentos maiores ou mais pequenos, de grupos de pessoas que sentem a vontade de os criar. Se depois é boa ideia ou não, se depois há condições para os criarem ou não é, se depois é melhor eles associarem-se a outro que já existe, esse é outro problema. Eu acho é que sempre falta mais um, no sentido em que estes movimentos são expressões de grupos e de dinâmicas sociais, muitas delas podem ter interesse outras terão menos interesse, mas isso não me cabe a mim avaliar.

O que eu acho interessante é sermos capazes de não só promover estas dinâmicas sociais, mas depois perceber também que elas são expressões dessa necessidade do movimento cultural que existe e não o matarmos porque achamos que este museu não interessaria e outro talvez seja melhor. Mais uma vez, volto à questão dos fóruns. Os fóruns são sítios óptimos onde validamos essas coisas, científica mas também socialmente. (…) Não sou capaz de lhe dizer qual o museu que falta, mas falta sempre mais um.

AC – Obrigada.


[1] Filipe Themudo Barata é professor e investigador nas áreas da História, Paisagem Cultural, Património e Museus. É actualmente o coordenador da cátedra da UNESCO de Património Imaterial (“Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage”) na Universidade de Évora e membro do conselho científico e pedagógico do mestrado internacional TPTI – Techniques, Patrimoines et Territoires de l’Industrie (interuniversitário). Tem estado ligado a instituições com valências museológicas, tais como a Fundação Cidade de Ammaia ou a Fundação Arquivo Paes Teles, entre outras (Foundation Orient-Occident, etc.). Tem coordenado vários projectos internacionais: INTERREG III B MEDOCC – MEDINS (Identity is future: Mediterranean Intangible Space) (2006-2009); INTERREG III B MEDOCC – MERCATOR (Routes des Marchands, Villes des Marchés en Méditerranée) (2006-2009); COST A27 Landmarks (Understanding pre-industrial structures in rural and mining landscapes) (2005/2009); e Erasmus Mundus EMMAWEST Project (desde 2012). Destaca-se, ainda, a sua participação no projecto de inventário do património de influência portuguesa, desenvolvido a partir de 2007 pela Fundação Calouste Gulbenkian (cf. HPIP). Cv completo aqui. Email: ftbarata@uevora.pt.

[2] Tratou-se de uma visita de estudo dos alunos e professores do mestrado de museologia da Universidade de Évora que se inseriu numa viagem organizada pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) à ilha de museus de Berlim. Sobre esta visita pode consultar-se: Teixeira, Madalena Brás (2005). Reflexões a propósito da visita de Estudo da APOM a Berlim. Boletim Trimestral da Rede Portuguesa de Museus. 16. p. 27-29. Disponível: http://www.ilam.org/ILAMDOC/MuseusEmRede/boletim_n16.pdf

[3] Em 1995 o espólio de Mário Sá foi organizado sob a forma de uma fundação – a Fundação Arquivo Paes Teles (Ervedal, Avis). Sobre o percurso Mário Sá consulte-se: Pereira, Elisabete (2010). Mário Saa (1893-1971): Um intelectual português na sociedade do século XX. Dissertação de mestrado, Universidade de Évora (veja-se o resumo aqui: http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/3302).

[4] A equipa que constitui a Cátedra foi recentemente constituída oficialmente (Despacho n.º 29/2013, de 22 de Fevereiro) no seio da Universidade de Évora (Departamento de História/CIDEHUS): Filipe Themudo Barata (chairholder), João Rocha (Departamento de Arquitectura), Sofia Capelo (Departamento Paisagem, Ordenamento e Território), Fernando Branco Correia (Departamento de História) e Cyril Isnart (Departamento de História, CIDEHUS). Para mais informações veja notícia publicada pela Universidade de Évora aqui e a notícia divulgada também no site da UNESCO aqui.

[5] Referência ao seguinte estudo: Mateus, Augusto. 2010. O sector cultural e criativo em Portugal: estudo para o Ministério da Cultura (Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais) – relatório final. Lisboa. (disponível na íntegra aqui: http://www.mincultura.gov.pt/SiteCollectionDocuments/Imprensa/SCC.pdf)

 

  1. Esta questão foi colocada após a realização da entrevista e respondida por escrito. []

Revista E-rph


©Lorena Querol

Gostaríamos de dar aqui a conhecer a Revista E-rph (Revista Electrónica de Património Historico), editada pelo Departamento de Historia del Arte da Universidad de Granada desde 2007.

Esta revista procura estudar e reflectir sobre o património numa perspectiva integradora e globalizante. O âmbito de estudo é o território espanhol, mas a revista também aceita contribuições de carácter internacional. Tem periodicidade semestral e está disponível na internet: http://www.revistadepatrimonio.es/

O n.º 5 da revista, publicado em Dezembro de 2009 apresenta um artigo de Lorena Querol, que aborda o tema do inventário do património cultural a partir de oito museus portugueses. O título do artigo é “Inventariando Patrimónios Culturales: ocho entrevistas en museos de Lisboa”/”Inventoryng cultural heritages: eigth interviews in Lisbon Museums”. O artigo pode ser consultado em:
http://www.revistadepatrimonio.es/

Segundo Lorena Querol “com este artigo saem a luz, por primeira vez, um conjunto de realidades relacionadas com esta função fundamental dos museus, com os seus actores sociais e com os desafios colocados pela Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003), no contexto do panorama museológico português.”

Este artigo insere-se no contexto do projecto de investigação de doutoramento de Querol, cuja tese tem por título “El Patrimonio Cultural Imaterial y la Sociomuseologia: un estudio sobre inventários”. Assim, a autora apresenta e divulga os primeiros resultados do estudo sobre inventário de património cultural no âmbito de um dos capítulos da tese, que inclui os resultados das primeiras 8 entrevistas sobre inventário e também algumas das suas primeiras reflexões sobre o tema.

Resumen:

A partir del concepto de Patrimonio Cultural se abordan los distintos caracteres que poco a poco van dando forma a una relación cordial entre los aspectos materiales e inmateriales de la cultura. Se cuestiona además el sentido, lugar y razón de ser que tienen cuando miramos en dirección al futuro desde el museo y su papel educador. Tomando como elemento de análisis una práctica museológica como el inventario, nos adentramos en el compromiso asumido con la Convención para la Salvaguarda del Patrimonio Cultural Inmaterial para acercarnos a la realidad de su cumplimiento, presentando algunos de los primeros datos obtenidos en un estudio sobre métodos y técnicas de inventario realizado en ocho museos portugueses. La principal conclusión a la que se llega es que todavía falta mucho por hacer en este campo.

Abstract

Having in mind the concept of Cultural Heritage we address the different players that slowly shape a cordial relationship between material and immaterial aspects of culture. Moreover, we question their meaning, place and reason, when wandering about the future since the point of view of the museum and its educational role. Using museology analysis tools such as the inventory, we present some of the first data obtained by research over inventory methods and techniques in eight portuguese museums and thus fulfil the commitment made with the Convention for the Safeguarding of Intangible Heritage. The main conclusion to be drawn is that there is still an important work to be developed in this field.

Sobre a autora:
Licenciada en Bellas Artes y especializada en conservación y restauración de pintura por la Universidad Complutense de Madrid. Máster en Museología Social en la Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa, con la tesis de postgrado “La función social del Patrimonio Marítimo portugués”.

Coordinadora del Departamento de Conservación de Patrimonio Cultural de la Santa Casa da Misericórdia de Sintra entre 1997 y 2007; colaboradora del Departamento de Patrimonio del Museu de Marinha de Lisboa entre 2001 y 2007 en calidad de conservadora y museóloga, habiendo creado y coordinado el Projecto de Conservação das Galeotas Reais entre otros.
Actualmente, docente responsable de las disciplinas de Patrimonio Cultural en el IADE, Creative University y en museos portugueses como el Museu da Presidência da República.
Simultaneamente ejerce la investigación en la Universidade Lusófona donde desarrolla su tesis doctoral en Museología sobre “El Patrimonio Cultural Inmaterial y la Sociomuseología: un estudio sobre inventarios” en el contexto de un proyecto europeo de desarrollo socio-cultural que responde al nombre de “Celebração da Cultura Costeira”. Sus publicaciones se encuadran fundamentalmente en el área de la Museología, centrándose en cuestiones como la organización, gestión y uso social de las colecciones museológicas, o en la relación entre el museo y el concepto contemporáneo de patrimonio cultural, desde la óptica de su construcción social.

Tese Mestrado "Os Museus e o Património Cultural Imaterial"

Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas
Autor: Ana Alexandra Rodrigues Carvalho
Orientador: Prof. Doutor Filipe Themudo Barata
Dissertação apresentada à Universidade de Évora para obtenção do Grau de Mestre em Museologia
Ano: 2009. Tese defendida a 23 de Dezembro

Nota: O júri foi constituído pelo Prof. Doutor João Carlos Brigola (Director do Mestrado) na qualidade de Presidente do júri. Foi arguente o Prof. Doutor Jorge de Freitas Branco (Director do Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos do ISCTE) e foi vogal o Prof. Doutor Filipe Themudo Barata, orientador da dissertação.

Resumo:

Tomando como referência fundamental o trabalho desenvolvido pela UNESCO em matéria de protecção do Património Cultural Imaterial (PCI), muito particularmente a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003), considerou-se oportuno reflectir sobre as implicações que este enfoque traz para os museus. São indiscutíveis as repercussões que este instrumento trouxe para o reconhecimento da importância do PCI à escala internacional, motivando um crescendo de iniciativas em torno da sua salvaguarda. São vários os agentes envolvidos na preservação deste património, no entanto o International Council of Museums (ICOM) reconhece um papel central aos museus nesta matéria. Mas para responder a este repto, os museus terão que repensar as suas estratégias de forma a relacionar-se mais com o PCI, contrariando uma longa tradição profundamente enraizada na cultura material.

O presente estudo reflecte sobre as possibilidades de actuação dos museus no sentido de dar resposta ao desafios da Convenção 2003, sendo certo que a partir das actividades dos museus é possível encontrar formas de estudar e de dar visibilidade a este património. Em função das especificidades de cada museu, podem ser encontradas estratégias de salvaguarda do PCI, entre as quais se pode incluir o inventário e a documentação (audiovisual, texto, áudio, imagem), a investigação, a divulgação através de exposições e publicações, difusão através da internet, educação não formal, entre outras actividades. Alguns museus começaram já a desenvolver abordagens integradas para a salvaguarda do PCI, cujos exemplos se apresentam. Este tema suscita vários desafios, implicando práticas museológicas inovadoras que possam reflectir o papel dos museus como promotores da diversidade e criatividade cultural.

Palavras-chave: Museologia, Património Cultural Imaterial, Património Cultural, Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, Diversidade Cultural, UNESCO, ICOM.

——

Abstract:

Recalling the UNESCO’s work towards the protection of Intangible Cultural Heritage (ICH), in particular the Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage adopted in 2003, I took this opportunity to reflect upon the implications that this recognition brings to museums. The overwhelming success of this document has raised the importance of ICH at international level, motivating a growing number of initiatives towards its safeguard. Accordingly to the 2003 Convention, there are many agents involved in the preservation of this heritage, yet the International Council of Museums (ICOM) recognises a central role for museums. Nevertheless, to face this challenge, museums will have to rethink their relationship with ICH in opposition to their deep rooted tradition in material culture.

The present study reflects upon the possibilities that museums have to answer the changeling 2003 Convention, recognizing that it’s possible through museum activities to find ways to study and give visibility to ICH. According to each museum specificities, it seams clear that strategies can be engaged in order to promote the safeguard of ICH, including inventory and documentation (audiovisual, audio, text and image), research, promotion through exhibitions, publications, dissemination trough internet and other means, informal education, among other activities. Many museums have already started exploring integrated approaches towards the safeguard of ICH and some of these examples are presented in this study. This theme is challenging, implying innovative museum practices which reflect on museums role towards the promotion of cultural diversity and creativity.

Keywords: Museum Studies, Intangible Cultural Heritage, Cultural Heritage, Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, Cultural Diversity, UNESCO, ICOM.

International Journal of Intangible Heritage, vol. IV, 2009

Foi publicado o 4.º número da revista “International Journal of Intangible Heritage” (http://www.ijih.org/)

Sobre a revista:

The International Journal of Intangible Heritage is an annual refereed academic and professional English language journal dedicated to the promotion of the understanding of all aspects of the intangible heritage of the world, and the communication of research and examples of good professional practice.

Este número tem uma pequena contribuição portuguesa. Paulo Ferreira da Costa apresentou um “short paper” sobre o papel do IMC na elaboração de um inventário nacional para o Património Cultural Imaterial. “Drawing-up a nation-wide inventory of intangible heritage in Portugal” é o título do texto.

Conteúdos:

Foreword – Shin Kwang Seop, Chairperson, Editorial Advisory Committee & Director, the National Folk Museum of Korea

Editorial – Amareswar Galla, Editor-in-Chief, Editorial Committee & Professor of Museum Studies, the University of Queensland

Main Papers

Finding the ‘First Voice’ in rural England: the challenges of safeguarding intangible heritage in a national museum – Rhianedd Smith

Conceptualising intangible heritage in the Tropenmuseum, Amsterdam: the Layla and Majnun story as a case study – Sadiah Boonstra

Reading the intangible heritage in tangible Akan art – Kwame Amoah Labi

Let the objects speak: online museums and indigenous cultural heritage – Saskia Vermeylen & Jeremy Pilcher

Len Dong- spirit journeys in contemporary urban Vietnam – Ngo Duc Thinh

Investigative research towards the designation of shamanic village rituals as ‘intangible cultural properties’ of the Seoul Metropolitan Government – Yang Jongsung

Safeguarding intangible heritage: five key obstacles facing museums of the North East of England – Michelle L. Stefano

Short Papers, Reports & Reviews

Seeking tangible benefits from linking culture, development and intellectual property – Wend B. Wendland

Drawing-up a nation-wide inventory of intangible heritage in Portugal – Paulo Ferreira da Costa

Investigating the impact of World Heritage site tourism on the intangible heritage of a community: Tsodilo Hills World Heritage site, Botswana – Susan Keitumetse & Olivia Nthoi

The role of cultural and heritage education at Bakoni Malapa Open Air Museum: demonstrations of cultural practices and craftwork techniques – Dan Musinguzi & Israel Kibirige

Brief Biographies of the Contributors
Instructions to Contributors

Sugestão de Leitura: "Intangible Heritage"

intangible-heritage-book1

Intangible Heritage
Autor(es): Laurajane Smith, Natsuko Akagawa
Edição: Taylor & Francis, 2009
Descrição Física: 336 páginas
ISBN 0415473969, 9780415473965

Sobre o livro:

This volume examines the implications and consequences of the idea of ‘intangible heritage’ to current international academic and policy debates about the meaning and nature of cultural heritage and the management processes developed to protect it. It provides an accessible account of the different ways in which intangible cultural heritage has been defined and managed in both national and international contexts, and aims to facilitate international debate about the meaning, nature and value of not only intangible cultural heritage, but heritage more generally.

Intangible Heritage fills a significant gap in the heritage literature available and represents a significant cross section of ideas and practices associated with intangible cultural heritage. The authors brought together for this volume represent some of the key academics and practitioners working in the area, and discuss research and practices from a range of countries, including: Zimbabwe, Morocco, South Africa, Japan, Australia, United Kingdom, the Netherlands, USA, Brazil and Indonesia, and bring together a range of areas of expertise which include anthropology, law, heritage studies, archaeology, museum studies, folklore, architecture, Indigenous studies and history.

(Fonte: Amazon)

Sugestão de Leitura: "Patrimoine et patrimonialisation. Entre le matériel et l'immatériel"

patrimoine-et-patrimonialisation

Patrimoine et patrimonialisation. Entre le matériel et l’immatériel
(Direcção de) Marie-Blanche Fourcade
Edição: Les Presses de l’Université Laval (Pul), (Collection: Patrimoine en mouvement), Out. 2007
Descrição Física: 374 p.
ISBN: 978-2-7637-8520-2

Résumé:

Les pratiques immatérielles peuvent-elles être envisagées sans la présence de supports matériels ? De la même manière, le patrimoine bâti ne devient-il pas inintelligible sans les récits, les rites et la mémoire qui lui donnent un sens ? À ces questions, il a été proposé de répondre en revisitant les rapports qui unissent ces deux grandes catégories de patrimoine qui ont trop souvent été marquées par une forte dualité, voire conceptualisées comme des notions a priori antinomiques. Laissant ainsi de côté l’analyse de ces patrimoines dans leur solitude, les contributions ont plutôt cherché à explorer l’écheveau des relations, réelles et symboliques, conscientes ou inconscientes, entre le matériel et l’immatériel. Chacun s’est ainsi intéressé, à partir de son champ disciplinaire, à la manière dont les valeurs et les pratiques de l’un s’incarnent dans la matérialité de l’autre et, inversement, à la façon dont les objets témoignent et accompagnent l’immatérialité. En explorant ces questions, les chercheurs ont accepté plusieurs conditions, dont celle, d’abord, de s’attarder au processus qui confère à leur objet d’étude un statut patrimonial et celle, ensuite, de s’inscrire dans une démarche de compréhension globale ou, tout au moins, englobante qui prend en compte l’objet, les pratiques et les sens.

Le collectif réunit dix-huit des contributions offertes lors de la 2e Rencontre internationale des jeunes chercheurs en patrimoine qui s’est tenue les 1er et 2 décembre 2006 à l’Université Laval (Québec) et qui a rassemblé vingt-sept intervenants canadiens, français et suisses provenant d’une dizaine de disciplines des sciences humaines et sociales.

Ce livre réunit les textes de: Fabrice Argounes, Jocelyn Gadbois, Richard Desnoilles, Karim Souiah, Barbara Julien et Yona Jébrak, Juliette Dutour, Diane Joly, Laureline Lagoutte-Katz, Cindy Morin, Pierre Bertoncini, Catherine Séguin, Céline Verguet, Capucine Lemaître, Nolwenn Rannou, Barry Magrill, Richard Gauthier, Véronique Dassié, Olivier Ginolin.

Table des matières:

Préface
Laurier Turgeon

Introduction
Marie-Blanche Fourcade

Les auteurs

Produire: la patrimonialisation

Une géopolitique du patrimoine mondial ? De quelques enjeux
au sein de l’UNESCO autour du matériel et de l’immatériel
Fabrice Argounes

Politiques incendiaires, patrimoine en fumée :
le cas du J.E. Giguère Tabac ltée
Jocelyn Gadbois

Bordeaux Québec. Politiques patrimoniales au 20e siècle
à la recherche de l’utopie urbaine
Richard Desnoilles

L’appropriation du patrimoine architectural de la ville
de La Rochelle par la municipalité (fin 19e siècle – fin 20e siècle):
entre particularismes et fabrication identitaire
Karim Souiah

Hydrostone patrimonialisé: cité-jardin de guerre
Yona Jébrak et Barbara Julien

La conservation des monuments historiques français à la croisée
des intérêts touristiques, scientifiqueset sociaux (1891-1930)
Juliette Dutour

Révéler: l’interprétation

Le défilé de la Saint-Jean-Baptiste de 1925.
Une scénographie mémorable du patrimoine canadien-français
Diane Joly

La surreprésentation de l’alimentaire dans l’affiche patrimoniale
bretonne: étude d’une construction indigène d’identité collective
Laureline Lagoutte-Katz

L’indissociabilité des biens matériels et des ressources immatérielles
dans la mise en valeur du patrimoine autochtone in situ au Canada
Cindy Morin

Les graffitis filmés un patrimoine?
Plaidoyer pour la patrimonialisation des graffitis corses
Pierre Bertoncini

Place Saint-Henri et square Jacques-Cartier: retour aux sources d’un patrimoine en devenir
Catherine Séguin

La part de fantomatique dans les représentations de l’espace urbain
Céline Verguet

Sauvegarder: la transmission

Les mosaïques antiques et médiévales en France: La découverte et la sauvegarde d’un patrimoine au 19e siècle
Capucine Lemaître

La restauration monumentale en province au 19e siècle: l’approche théorique et pratique de l’architecte finistérien Joseph Bigot (1807-1894)
Nolwenn Rannou

Low Priority: Thinking Through Heritage-Ready First Nations
Churches in British Columbia
Barry Magrill

Un cœur à chœur. La figure du patrimoine ecclésial
et les réaménagements d’églises au Québec
Richard Gauthier

L’incessante repatrimonialisation des arbres de Versailles: matérialiser l’immatériel
Véronique Dassié

La revalorisation du patrimoine culturel polynésien: artisanat contemporain et identité mã’ohi
Olivier Ginolin

© Tous droits réservés aux Presses de l’Université Laval

Biographie:

Marie-Blanche Fourcade: titulaire d’un doctorat en ethnologie, est coordonnatrice de l’Institut du patrimoine à l’Université du Québec à Montréal.

(Fonte: http://www.pulaval.com/)