Arquivo de etiquetas: Joana Sousa Monteiro

Museus, Comunidade e Turismo, um Triângulo Virtuoso?

museus-comunidades-e-turismo

As próximas Jornadas de Outono do ICOM Portugal são subordinadas ao tema “Museus, Comunidade e Turismo, Um Triângulo Virtuoso”. Pretende-se abordar as relações, entre benefícios e desvantagens, estabelecidas entre os museus e as comunidades onde estão inseridos, tendo em conta as novas realidades ligadas aos fluxos turísticos. Sendo certo que cada caso é um caso, será possível estabelecer alguns pontos comuns que ajudem à melhor percepção do papel e dos contributos que os museus podem dar à causa das economias locais, regionais e nacionais. Este encontro visa obter bons contributos para melhor se perceber o papel que os museus atualmente podem jogar no seio das comunidades que servem.

A conferência contará com a participação de diversos especialistas como François Mairesse, Teresa Morales, José Gameiro, Karen Brown, Joana Monteiro, Peter Davis e será concluído com uma mesa redonda em que participarão os presidentes do ICOM Europa, Luís Raposo, do ICOM Portugal, José Alberto Ribeiro e do ICOM Espanha, Luís Grau Lobo.

Estas jornadas realizam-se no dia 29 de Outubro no Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu. A entrada é livre, mas está sujeita a inscrição através do email: paulacardoso@mgv.dgpc.pt

Mais informações no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/destaques,6,565,detalhe.aspx

****

PROGRAMA

9h00 > 9h30
Receção aos participantes

9h30
Sessão de Abertura
Direção Geral do Património Cultural
Presidente da Câmara Municipal de Viseu
Presidentes do ICOM Europa, Espanha e Portugal

10h15
Touriste, mon ami?
por François Mairesse (Comunicação Inaugural)
Presidente do ICOFOM, Comité Internacional para a Museologia

11h30
Questioning the Virtuous Triangle
por Teresa Morales
Instituto Nacional de Antropologia e História do México

12h00
Entre Turismo e Comunidade que lugar para os Museus? O Caso do Museu de Portimão
por José Gameiro
Diretor Científico do Museu de Portimão

12h30
Debate

13h00
Almoço Livre

15h00
Eco- and Community Museums and Tourism in Scotland and Costa Rica
por Karen Brown
Universidade de St Andrews, Escócia, Reino Unido

15h30
Museus municipais e turismo – o caso do Museu de Lisboa no contexto de uma cidade em crescimento turístico
por Joana Monteiro
Diretora do Museu de Lisboa, Museóloga

16h30
Marketing territory – Ecomuseums, tourism and the local economy
por Peter Davis
Universidade de Newcastle Inglaterra, Reino Unido

17h30
Mesa Redonda/Sessão de Encerramento
Presidentes do ICOM Europa, Luís Raposo; ICOM Portugal, José Alberto Ribeiro e ICOM Espanha, Luís Grau Lobo

19h00
Inauguração da exposição temporária:
Além de Grão Vasco. Pintura entre o Mondego e o Douro, do Renascimento à Contra Reforma
Comissários: José Alberto Seabra e Joaquim Caetano (MNAA)

20h00
Dão de Honra

O Que Significa Hoje a Função Social dos Museus? Em destaque no novo boletim do ICOM Portugal

Na imagem vê-se a entrada do Museu do Dinheiro

Imagem da capa: Recepção do Museu do Dinheiro. Fotografia do Museu do Dinheiro

O boletim de Setembro do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) é dedicado à nova Recomendação da UNESCO para os museus e colecções, com particular enfoque para a função social dos museus na actualidade.

A UNESCO produziu novas orientações para o mundo dos museus através de um novo documento adoptado em 2015 – a Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel na Sociedade. A Recomendação percorre os grandes tópicos da Museologia, compreendendo orientações gerais e funcionais sobre o papel dos museus no mundo contemporâneo. É de toda a utilidade para os profissionais compreender o alcance da Recomendação, razão pela qual o ICOM Portugal incluiu um espaço de discussão em torno deste documento durante as últimas Jornadas de Primavera, e volta a fazê-lo agora neste boletim.

É sob o olhar de dois museólogos, Clara Frayão Camacho e Pedro Pereira Leite, que ficamos a conhecer melhor os contextos e os desafios presentes na Recomendação de 2015 (Em Foco).

A função social, muito associada no passado ao movimento da Nova Museologia, é hoje referida abundantemente com diferentes sentidos e aplicações. Está longe de ter uma definição normalizada ou de ser uma questão consensual entre os profissionais. Também é um dos aspectos que saiu reforçado na Recomendação de 2015. Daí a interrogação: o que significa hoje a função social, em que se traduz na prática? De que falamos concretamente quando falamos de função social? Da missão dos museus? Do envolvimento dos públicos e das comunidades? Da liderança? Da ética? Do contributo dos museus para a mudança social através do compromisso com os grandes tópicos da sociedade (direitos humanos, migrações e por aí em diante…)? Aida Rechena e Inês Fialho Brandão oferecem-nos as suas Perspectivas sobre a questão.

Sara Barriga Brighenti é o rosto por detrás do recém-inaugurado Museu do Dinheiro. Faz parte de uma nova geração de profissionais que coloca o visitante em primeiro lugar. Conheça o essencial da sua visão.

O número de Janeiro, o último desta série, será dedicado à gestão de museus e políticas museológicas, procurando suscitar a reflexão sobre algumas das problemáticas que a Museologia portuguesa tem enfrentado nos últimos anos.

[editorial, de Ana Carvalho]

****

Boletim ICOM Portugal 07 | Setembro 2016: Recomendação da UNESCO para os Museus e Colecções

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | BREVES
10 | EM FOCO: Contextos e Desafios da Nova Recomendação da UNESCO para Museus e Colecções: Entrevista com Clara Frayão Camacho e Pedro Pereira Leite
20 | PERSPECTIVAS: O Que Significa Hoje a Função Social dos Museus?, por Aida Rechena; e Inês Fialho Brandão
NOTÍCIAS ICOM
24 | Casas-Museus e a Interpretação da Paisagem Cultural, Social e Urbana, por Maria de Jesus Monge
26 | Notas sobre Museus, Cidades e Paisagens Culturais, por Joana Sousa Monteiro
28 | Notas de Balanço sobre o CIDOC em Milão, por Alexandre Matos
30 | Fórum dos Ecomuseus e Museus Comunitários, por Pedro Pereira Leite
32 | As Actividades do CECA para além dos Muros dos Museus, por Mário Nuno Antas
33 | Memória Acesa, por Pedro Pereira Leite
35 | MUSEUS & PESSOAS: Sara Barriga Brighenti, por Ana Carvalho
PUBLICAÇÕES
39 | Sugestões de leitura
40 | Novas edições 2016
AGENDA
44 | Conferências, encontros, debates
49 | Formação
50 | Chamada de propostas

O Boletim está disponível online: http://icom-portugal.org/boletim_icom

****

O Boletim ICOM Portugal (ISSN 2183-3613) é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal). Tem como objectivo a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Os números publicado nesta série (III) são da responsabilidade de Ana Carvalho (desde Outubro de 2014). Publica-se três vezes por ano (Janeiro, Maio e Setembro) e apresenta-se apenas em formato digital.

 

Acesso Cultura organiza conferência sobre acessibilidade da linguagem

Acesso Cultura - conferencia 2016

A associação Acesso Cultura organiza a sua conferência anual no dia 17 de Outubro de 2016. O tema é a acessibilidade da linguagem na instituições culturais (museus, teatros, entre outros espaços culturais).

Em 2006, o GAM – Grupo para a Acessibilidade nos Museus (e antecessor da Acesso Cultura) abordou pela primeira vez em Portugal a acessibilidade da comunicação, com a realização do seminário Sabe escrever para todos? A acessibilidade da comunicação escrita nos museus. Dez anos depois, a Acesso Cultura propõe reflectir novamente sobre as questões da acessibilidade da comunicação, desta vez não só sobre a acessibilidade da linguagem, mas também sobre a relevância dos conteúdos e sobre o conceito da “relevância” em si.

Para quem queira participar como conferencista, há uma chamada aberta para contributos até dia 30 de Julho. O programa conta já com alguns conferencistas convidados: Dany Louise, Isabel Galvão, Joana Lobo Antunes, Joana Moscoso, Joana Sousa Monteiro, José Alberto Ribeiro, Martine Gosselink, Sandra Fisher Martins e Sandy Gageiro.

Para inscrição e programa: https://acessocultura.org/conferencia-anual-2016/

ICOM discute nova Recomendação da UNESCO e o papel dos museus na interpretação das paisagens culturais

Jornadasprimavera2016

O ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus) organiza as habituais Jornadas de Primavera, que se realizam no próximo dia 28 de Março, no Palácio da Ajuda. O objectivo das jornadas é reflectir sobre a nova Recomendação da UNESCO Relativa a Museus e Colecções e sobre a Carta de Siena – Museus e Paisagens Culturais, tema do Dia Internacional de Museus. Entrada livre, mas é necessário inscrição através do email: info@icom-portugal.org

A “Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel da Sociedade” foi aprovada a 17 de Novembro de 2015, em Paris, no âmbito da 38.ª sessão da assembleia-geral da UNESCO. O último documento da UNESCO referente a museus datava da década de 1960. Mais de 50 anos passados, esta nova Recomendação marca uma posição sobre quais as orientações que devem ser seguidas pelos Estados-parte em matéria de políticas museológicas.

Porquê uma Recomendação da UNESCO? Qual a sua importância? Quais as novidades? Que impacto para as políticas nacionais? Estas são algumas das questões de partida para uma conversa com Clara Frayão Camacho, que foi a perita nacional envolvida na discussão na fase preparatória do documento, e com Pedro Pereira Leite, museólogo que tem centrado a sua investigação no papel social dos museus. Eu estarei com moderadora da conversa. A Recomendação, em inglês, está disponível no seguinte endereço: http://bit.ly/1plPPqI

A Carta de Siena refere-se aos “Museus e Paisagens Culturais” que é o tema do Dia Internacional de Museus deste ano e o mote da 24.ª conferência-geral do ICOM em Milão (3-9 Julho 2016). É uma proposta italiana apresentada ao ICOM e que resultou de uma conferência internacional que teve lugar em Siena a 7 de Julho de 2014 para repensar o papel dos museus na protecção das paisagens culturais.

Entende-se que a paisagem cultural é parte integrada do património cultural e natural e que cabe também aos museus a responsabilidade de a preservar e interpretar na sua dimensão material e imaterial. Podem os museus tornar-se centros de interpretação dos lugares e das comunidades que servem? A resposta afirma-se positiva, mas como disseminar o conhecimento produzido sobre este património? Que competências e recursos são necessários? Que abordagens? Que oportunidades estão implícitas um papel mais activo dos museus no território? Estas são algumas das interrogações que o tema evoca. Joana Sousa Monteiro, secretária do ICOM Portugal e actual directora do Museu de Lisboa, e Dália Paulo, membro da direcção do ICOM Portugal e directora do Museu de Loulé apresentarão a Carta de Siena e as respectivas interpelações aos museus.

Mais informações sobre a Carta de Siena em: http://bit.ly/2286a3I.

Mais Informações sobre o Dia Internacional de Museus 2016 em: http://bit.ly/1Rd2cSg

No mesmo dia, pelas 15h, decorre a assembleia-geral do ICOM Portugal. Trata-se de um momento importante de debate e reflexão interna e uma oportunidade para todos os membros participarem na discussão de assuntos relevantes para a vida da associação e para a comunidade museológica em Portugal. A participação dos membros é essencial, uma vez que com o contributo de todos o ICOM Portugal será, cada vez mais, uma organização forte e capaz de promover as mudanças necessárias para os museus portugueses e para os seus profissionais.

Boletim ICOM Portugal (série III, n.º 1, Out 2014)

vê-se promenor da exposição permanente do Museu de Portimão

Acaba de ser publicado o primeiro boletim da nova direcção do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) eleita em Março deste ano. Com este novo boletim dá-se início a uma nova série, ampliada, e renovada também do ponto de vista gráfico (Sistemas do Futuro). O boletim é agora coordenado por Ana Carvalho. Este número (e todos os anteriores) estão disponíveis no site do ICOM Portugal: http://www.icom-portugal.org/

Conteúdos:

2 EDITORIAL, por Ana Carvalho
3 MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
5 EM FOCO: “Os Museus e o Património Cultural no Contexto do Turismo Cultural: Estruturas Essenciais do Desenvolvimento Económico Contemporâneo”, por António Ponte
10 PERSPECTIVAS: “Viver em Estado de Crise»: Paradoxo ou Desafio?” por Sara Barriga; e Inês Ferreira
13 ENTREVISTA com Maria João Vasconcelos, por Clara Frayão Camacho
17 PUBLICAÇÕES
23 NOTÍCIAS ICOM:
“Projectar em Rede, Trabalhar em Parceria”, por Maria de Jesus Monge
“Planear e Programar Museus”, por Graça Filipe
“Study Days on Venetian Glass”, por Maria João Botelho Moniz Burnay
“Dia Internacional dos Museus em Maputo”, por Pedro Pereira Leite
“Novas Tendências em Museologia”, por Agostinho Ribeiro
“Industrial Heritage, Sustainable Development, and the City Museum”, por Joana Sousa Monteiro
“II Programa de Treinamento Documentação em Museus CIDOC-ICOM”, por Gabriel Moore Forell Bevilacqua
“Access and Understanding – Networking in the Digital Era”, por Natália Jorge; e Rosário Salema de Carvalho

37 AGENDA

European Museum Advisors Conference 2012 (1)

EMAC 2012, Museu de Sacavém
© Foto Ana Carvalho

A conferência internacional “European Museum Advisors” começou na terça-feira, dia 29 de Maio (até dia 2, sábado). Esta é a 9.ª edição do evento que se realiza de dois em dois anos em contexto europeu e que celebra 20 an0s de existência. Este ano coube a Portugal ser o país anfitrião, pela mão de Inês Bettencourt da Câmara (Mapa das Ideias) e Joaquim Jorge (Museus Municipais de Loures), e o apoio de várias instituições portuguesas (ver programa).

O tema deste encontro não poderia vir mais a propósito: “The crisis as a challenge: to do more and better”. Esta premissa marcou o tom de muitas das intervenções que procuraram de forma optimista responder a este apelo.

Na realidade, há muito tempo que em vários museus portugueses se trabalha com orçamentos inexistentes, ainda que a realidade que enfrentamos hoje se agrave também por uma certa incapacidade de reacção e desmotivação generalizada. As apreensões, tensões e fricções identificadas ultimamente no sector profissional dos museus, em grande parte causadas pelo anúncio de uma reestruturação do sector cultural a nível da administração central e regional (entendida por muitos como arbitrária, e ao sabor do argumento “crise”), têm despertado muitas emoções, mas pouca mobilização dos vários agentes/actores (não falo apenas dos profissionais de museus e respectivas organizações, mas também das universidades) interessados na definição de uma política museológica e patrimonial sustentável. Falta uma reflexão conjunta sobre o rumo da museologia portuguesa, estruturada a partir de temáticas concretas, que possa fazer face a este diagnóstico de asfixia orçamental.

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Da esq. para a direita: Prof. Amareswar Galla e Joaquim Jorge
© Foto Ana Carvalho

No entanto, pode dizer-se que o primeiro dia de debate promovido pela conferência “European Museum Advisors” demonstrou a importância de partilhar experiências de trabalho que sugerem caminhos alternativos para superar a conjuntura em que se vive. Sem pretender resumir o primeiro dia deste encontro, confirmadamente rico e diverso nas perspectivas apresentadas, destaco apenas alguns momentos que na minha perspectiva fizeram a diferença (e que é certamente um olhar muito pessoal…). Primeiramente, a comunicação do Prof. Amareswar Galla (International Institute for the Inclusive Museum), que falou de multiculturalismo, políticas de integração e políticas de assimilação na Europa, diálogo intergeracional e diálogo intercultural, novos paradigmas, social media, a potencialidade das colecções, envolvimento e inclusão. Uma das mensagens deixadas pelo Prof. Amareswar foi o enfoque da criatividade como ingrediente imprescindível para relativizarmos a “crise” e a importância das nações desenvolverem políticas inclusivas ao contrário do que parece ser o caminho trilhado…

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Joana Sousa Monteiro
© Foto Ana Carvalho

Joana Sousa Monteiro (Câmara Municipal de Lisboa) apresentou a experiência de dois anos de trabalho em torno da reformulação da rede de museus municipais de Lisboa. Desta apresentação foi perceptível um percurso de investigação sério e reflexivo. O discurso pontuou pela assertividade e por uma atitude perseverante no sentido de alcançar práticas de gestão mais coerentes e eficientes.

Um outro momento profundamente inspirador foi a apresentação de Mário Antas (Museu Nacional de Arqueologia) que deu conta de um trabalho (“Network of School Archaeological Clubs”) assente na cooperação entre museu e escolas. A dedicação e empenho profissional foi um elemento-chave neste processo/projecto. Este projecto ganhou recentemente o prémio CECA para as melhores práticas educativas (CECA Best Practice Award).

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Da esq. para a direita: Sofia Borges, Wolfgang Täebler (moderador) e Patricia Remelgado
© Foto Ana Carvalho

O projecto “Trienal Movimento Desenho 2012” destacou-se pela originalidade da abordagem. Assente na criação de redes informais e na cooperação, as autoras do projecto tem procurado reunir pessoas e instituições interessadas na importância e valorização do desenho (nas suas diversas vertentes) com o objectivo de se organizar um evento nacional, cuja 1.ª edição terá lugar este ano (15 de outubro a 15 de dezembro). A dedicação dos profissionais que fazem parte da comissão organizativa deste evento foi também um ingrediente fundamental para tornar possível um projecto sem orçamento.

Debate: “Os desafios da política de museus em tempo de crise”

No próximo dia 9 de Novembro de 2011, terá lugar um debate sobre os desafios da política de museus em tempo de crise, no Museu da Electricidade, em Lisboa (pelas 18h00). Este encontro é organizado pelo ICOM-Portugal.

Para o debate foram convidados algumas personalidades do panorama museológico: Luís Raposo, no papel de Presidente do ICOM Portugal e João Neto, que é para quem não conhece o Presidente da APOM – Associação Portuguesa de Museologia, há já alguns anos. Foram ainda convidadas outros intervenientes: Graça Filipe, Joana Sousa Monteiro, José Alberto Ribeiro, Manuel Bairrão Oleiro e Raquel Henriques da Silva.

Como ponto de partida para a discussão pode ler-se o documento que o ICOM-PT divulgou recentemente (ver post sobre o documento aqui)

A entrada é livre!

Mais informações: http://www.icom-portugal.org/