Arquivo de etiquetas: Marta C. Lourenço

Como é que a Museologia tem evoluído em matéria de publicações?

Uma forma de avaliar a evolução de um determinado campo de estudos é a análise das suas publicações. Procurámos neste texto (publicado originalmente nos Cadernos do Museu (n.º 5, ed. Museu da Ruralidade) centrar a atenção no papel das publicações na área da Museologia em Portugal. Como tem evoluído? Em que moldes se tem produzido? Que iniciativas e actores?

Poderíamos avançar dizendo que a Museologia enquanto campo de trabalho e de estudo evoluiu em Portugal se atendermos a um tempo mais longo. Independentemente de outros factores, esta evolução não está desligada da passagem da formação em Museologia para o domínio das universidades no final da década de 1980[1] e posterior acentuado crescimento nas décadas seguintes levando a que a oferta de cursos (pós-graduação, mestrado e, mais recentemente, doutoramento) nesta área proliferasse desenfreadamente, fenómeno que só veio a ser moderado com os efeitos da crise pós-2008.[2] Este desenvolvimento foi catapultado pela necessidade de formação de profissionais face ao boom de museus criados pós-1974, fenómeno que não foi exclusivo do caso português e que permanece em crescimento. Dados de 2010 revelam a existência de 1223 museus em Portugal, correspondendo a um aumento de 68% relativamente a 2000 (Neves, Santos e Lima 2013).

A intervenção das universidades no plano formativo veio, assim, preencher uma lacuna. O curso de conservadores de museu no Museu Nacional de Arte Antiga havia funcionado até 1974. Mais tarde, teriam importância outras iniciativas formativas, nomeadamente os cursos coordenados pelo Instituto Português do Património Cultural (IPPC), entre 1981-1982 e 1984-1985, e o curso coordenado pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) e pelo Instituto de Formação Profissional na Escola Superior de Belas Artes, entre 1988-1990 (Semedo 2004), mas a sua existência seria efémera.

Mas de que forma é que este percurso se reflectiu na criação de espaços de reflexão, debate e divulgação sobre experiências e práticas em Museologia e sobre museus por parte de uma comunidade profissional e académica (também esta em construção)? Assim sendo, procurámos neste texto centrar a atenção no papel das publicações nesta área, como tem evoluído, em que moldes se tem produzido, que iniciativas e actores. Não se pretende com esta resenha um retrato exaustivo, mas sobretudo assinalar algumas dinâmicas e tendências, fragilidades e perspectivas.

Independentemente de publicações anteriores, a Iniciação à Museologia (Rocha-Trindade 1993), uma iniciativa promovida pela Universidade Aberta, marca indelevelmente a paisagem das edições nesta área, como sendo o primeiro manual do género em Portugal. Quantos de nós não tiveram a sua iniciação à Museologia por via deste livro? A sua concretização consubstanciava a urgência de disseminar um saber-fazer que estava ainda circunscrito a uma «pequena franja de especialistas, de estetas ou de curiosos iluminados», era «necessário proceder a um longo trabalho de sensibilização, de qualificação, de formação especializada de todos aqueles cujo empenhamento dedicado ou vocação segura terão responsabilidades em matéria museológica», como advertia a antropóloga Rocha-Trindade (1993, 17-18). O investimento na qualificação da formação e na disseminação do saber aplicado a museus afirmavam-se como palavras-chave para alavancar o promissor desenvolvimento dos museus que se perspectivava na década de 1990. A criação, em 1991, do Instituto Português de Museus (IPM), um organismo público vocacionado para os museus e para a aplicação de políticas museológicas era mais um sinal inequívoco deste fulgor.

É, todavia, na década de 2000, que se denotam mais desenvolvimentos por via da publicação e criação de espaços de disseminação, esboçando um pensamento mais estruturado do e sobre o sector. E a marcar o início da década de 2000 refira-se a publicação de um número temático da revista Museología (edição da Associação Espanhola de Museólogos) inteiramente dedicado aos «Museos y Museologia en Portugal: Una Ruta Ibérica para el Futuro». Coordenado pela museóloga Maria da Luz Nolasco Cardoso (Museu de Aveiro), este volume propunha um balanço sobre o passado e o futuro dos museus, e uma perspectiva sobre as políticas museológicas desenvolvidas no país.

Em termos de periódicos, uma das iniciativas editoriais que ofereceu maior sistematização e coerência de conteúdos, bem como longevidade, foi o Boletim da Rede Portuguesa de Museus (2001-2011). Ancorado ao projecto de criação da Rede Portuguesa de Museus – RPM (criada em 2000), o boletim, de cadência trimestral (impresso e digital) visava a partilha de ideias sobre as práticas museológicas portuguesas, dirigindo-se aos profissionais de museus. Iniciado sob a coordenação de Clara Frayão Camacho, foi ao longo de dez anos um canal de comunicação estruturador de informação sobre a actividade museológica desenvolvida durante este período, colmatando a ausência de outros instrumentos de comunicação e de divulgação do sector de maior alcance.

Se atendermos ao campo associativo, a promoção de canais de divulgação junto dos seus associados era nos inícios de 2000 ainda incipiente e tem tido ao longo das últimas décadas compassos desiguais. Há, no entanto, a destacar a iniciativa da APOM com a criação de uma revista semestral (impressa) em 2003 – Lugar em Aberto, dando continuidade a boletins anteriores. Coordenado por António Nabais, este número organizava a reflexão em torno das funções museológicas: o serviço educativo, a exposição e a programação, e perspectivava continuar a fazê-lo nos números seguintes, explorando temáticas como a investigação, o inventário e a conservação preventiva. Todavia, este seria o único número publicado. Apesar disso, em o Lugar em Aberto, confirma-se a preocupação na divulgação de textos que pudessem ser referenciais para as áreas em foco, na qual se centra a estrutura da publicação, afastando-se de um boletim de mera divulgação da actividade associativa per se, que é neste caso residual. Assume particular destaque a introdução de uma secção destinada a elencar as dissertações e teses “com interesse para a Museologia” realizadas até essa data em universidades portuguesas e estrangeiras, o que evidencia desde logo a importância de sistematizar informação.

Ainda no campo associativo é de notar o contributo da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal), ainda que com fases distintas em função das dinâmicas imprimidas pela gestão de diferentes direcções. A primeira série de um boletim surge em 2002 (termina em 2005), sob a direcção de João Castelo-Branco Pereira, então presidente da associação. Tratava-se de um boletim semestral impresso distribuído pelos membros do ICOM Portugal, de pequena escala e de carácter informativo sobre a actividade desenvolvida. Após um interregno de três anos, surge em 2008 uma nova série trimestral do boletim (Informação ICOM PT) que se manteve regular até 2014, compreendendo 24 edições exclusivamente em formato digital. Editado pela museóloga Maria Vlachou, a estrutura do boletim foi reformulada e alargada consideravelmente relativamente à primeira série, continuando a veicular informação de carácter associativo, mas abrindo espaço para a apresentação de conteúdos mais diversificados com a introdução de várias secções novas, nomeadamente espaços de opinião (“Artigo”, “Opiniões”, “Entrevista com”, “Novos, Recentes e Renovados”, entre outras). Ainda em 2014, surgiu uma terceira série (Boletim ICOM Portugal) que se manteve regular até 2017 com um total de oito números publicados. O boletim, editado pela museóloga Ana Carvalho, seguiu no geral a estrutura da série anterior, mas foi ampliado. Cada número passou a estar subordinado a uma temática, foram criadas novas secções (“Mensagem do Presidente”, “Museus & Pessoas”, “Breves”, “Notícias ICOM”) e foi introduzida a possibilidade de chamada de propostas para conteúdos, flexibilizando um sistema de contribuições.[3]

Na imagem vê-se a entrada do Museu do Dinheiro

No geral, quando analisamos a edição periódica por parte das associações profissionais há pelo menos dois aspectos que têm condicionado a sua acção que gostaríamos de destacar. Um deles refere-se ao facto de a criação de instrumentos de comunicação com os associados não ser assumida como eixo central e prioritário da sua actuação, mas sim como dimensões suplementares ou secundárias. Esta situação não está desligada da ausência de uma dinâmica associativa de maior fulgor, quer da parte dos seus dirigentes (e de visão), quer da parte dos associados. Por outro lado, a edição de boletins ou instrumentos similares de divulgação tem-se desenvolvido numa base de voluntariado por parte de quem os produz e os mantém. Isto significa, consequentemente, um resultado muito variável, em termos da qualidade dos conteúdos como do grafismo, geralmente alicerçado em função da capacidade e da motivação da pessoa (ou equipa) que os produz. Note-se que este é um serviço que não é pago a quem o produz, e que está muito dependente da generosidade e da disponibilidade de cada um (geralmente fora das horas de trabalho). Assim, a necessidade de maior profissionalização neste campo é fundamental para uma desejável evolução da acção editorial periódica associativa com potenciais ganhos para um maior impacto e consolidação da vida associativa e para os profissionais de museus.

A revista MuseologiaAn International Journal of Museology, criada em 2001 foi o primeiro periódico a afirmar-se como revista científica neste domínio em Portugal. Editada pelo Museu de Museu de Ciência da Universidade de Lisboa, seria coordenada por Fernando Bragança Gil (então director do Museu) e por Marta C. Lourenço, na qualidade de assistente editorial. Publicava textos científicos em português, francês e inglês ligados à Museologia das ciências e das técnicas, seleccionados mediante um processo de arbitragem científica, e tinha um enfoque internacional como se verifica pelos conteúdos publicados e como atestava a composição do conselho editorial. Foram publicados três números, sendo que os dois últimos volumes (2002 e 2003) foram dedicados à edição das actas da primeira e segunda conferência do UMAC (Comité Internacional do ICOM para os Museus e Colecções Universitárias) que se realizou em Sidney e Canberra (2002), e em Barcelona (2001). Seria necessário esperar mais dez anos até surgir uma nova revista científica dedicada à Museologia em Portugal: a MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, já num contexto diferenciado de acesso aberto e de arbitragem científica sob duplo anonimato, de que falaremos mais adiante.

Da parte dos organismos com responsabilidades em matéria de políticas museológicas, é apenas na segunda metade da primeira década de 2000 que assistimos ao aparecimento da primeira revista especializada em museus, a Museologia.pt.[4] Da responsabilidade do então recém-criado Instituto dos Museus e da Conservação, esta publicação impressa de cadência anual, coordenada por Clara Frayão Camacho (então subdirectora do Instituto), veio colmatar a ausência de uma publicação especializada em museus num contexto mais institucional e de abrangência nacional. Ainda num sistema fechado de contribuições, a revista incluía um conselho editorial composto por representantes de várias universidades e de museus. De 2007 a 2011 foram publicados cinco números organizados em torno de cinco secções principais: “Projectos e Experiências”, “Exposições”, “História e Memórias”, “Dossier” (temático) e “Internacional”. No entanto, o novo ciclo político que levou à reestruturação e à fusão de organismos públicos na administração central, acabaria por ditar o fim do projecto editorial. Já sob a égide da recém-criada Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) seria lançada em 2013 uma nova publicação institucional, a RP – Revista Património. De certa forma, a RP sucedeu a dois projectos editoriais anteriores distintos, a Museologia.pt e a revista Estudos/Património, editada pelo antigo Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico – IPPAR, e depois Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico – IGESPAR; 2001-2011), daí resultando uma única revista de perfil multidisciplinar. A revista segue no geral algumas das características dos projectos anteriores: impressa (agora editada em parceria com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda), de cadência anual e em sistema fechado de contributos. Dirigida pelo arquitecto Manuel Lacerda (chefe de divisão de Documentação, Comunicação e Informática), e coordenada pela historiadora Deolinda Folgado (chefe de divisão do património móvel, imóvel e imaterial), a revista incorpora o papel de dar conta da obra feita, a divulgação das suas actividades e o pensamento que molda a política oficial para o património. A incorporação de contributos externos à DGPC é um aspecto que beneficia a publicação, assim como os aportes de colegas espanhóis, o que parece sugerir o compromisso com o trabalho em rede. A publicação reproduz, em certa medida, o peso dos diferentes sectores de intervenção (Arquitectura, Arqueologia, Património Cultural – material e imaterial –, Conservação e Restauro, Museus, etc.) no seio deste organismo. E embora os museus façam parte do alinhamento de temas, a necessidade de abranger todas as áreas numa só revista resulta num espaço de menor expressão para cada uma delas.

Ao nível dos periódicos são ainda de assinalar dinâmicas editoriais emanadas do contexto regional – as revistas Musa e Museal, que apesar da sua transitoriedade dão conta da necessidade sentida na criação de espaços que pudessem evidenciar e divulgar estudos e experiências na área dos museus num contexto territorial mais delimitado. A revista Musa: Museus, Arqueologia & Outros Patrimónios surgiu em 2004 com a chancela do Fórum Intermuseus do Distrito de Setúbal e Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, entidade assumida como a primeira rede de museus de carácter regional, sendo o periódico instrumental para validar a ideia de projecto comum aos diferentes municípios do distrito de Setúbal. Coordenada por Joaquina Soares (Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal), a publicação dividia-se pela temática dos museus e outras áreas afins, com textos de qualidade diferenciada, onde se incluem alguns contributos assentes na divulgação de investigação produzida e outros de carácter mais informativo sobre as características da realidade museológica em causa. Pensada inicialmente com uma periodicidade anual, a revista publicaria apenas três números e de forma irregular (2004, 2007 e 2010). É de notar, contudo, a capacidade aglutinadora de um projecto editorial como este, baseado na cooperação institucional em benefício dos interesses partilhados de profissionais e museus/instituições, ultrapassando a agenda individual de cada município.

A revista Museal foi uma iniciativa promovida pelo Museu Municipal de Faro entre 2006 e 2009, com uma abrangência regional, mas, em grande medida, de interesse nacional. Coordenado por Dália Paulo, à época directora do museu, o periódico (impresso) tinha cadência anual, tendo sido publicados quatro números temáticos: «A Realidade Museológica no Algarve: Perspectivas para o Séc. XXI» (2006); «Conservação Preventiva: Prevenir para Preservar o Património Museológico» (2007); «Museus de Fronteira: Fronteira e o Museu» (2008); e, finalmente «Núcleos Museológicos: Que Sustentabilidade?» (2009), este último resultando, na sua grande parte, da publicação das actas do encontro com o mesmo nome que teve lugar em Faro, em 2008.

Mais recentemente, refira-se o lançamento da revista Argos. Com edição do Museu Marítimo de Ílhavo (desde 2013) é um projecto editorial que ultrapassa o contexto local ou regional para se afirmar como revista temática ligada à cultura marítima, com olhares nacionais mas também internacionais (além de em português, publica textos em inglês, francês e espanhol), apesar de intrinsecamente associada ao projecto cultural do próprio museu (de tutela municipal). Álvaro Garrido, coordenador do periódico e director do museu explica, assim, as motivações que levaram à sua criação: «Embora o campo institucional da museologia marítima não exista em Portugal, importa construir redes, partilhar os melhores projectos, exaltar as experiências mais incrustadas nas comunidades e destacar as organizações que mobilizam conceitos criativos em torno dos patrimónios marítimos» (Garrido 2015, 5). A revista é impressa, de periodicidade anual e funciona em regime fechado de contributos, tendo publicado quatro números. Embora a revista não se cinja estritamente à Museologia, aporta o contributo de várias áreas de estudo, contribui para formar um espaço de debate e reflexão sobre os desafios neste campo específico de análise – os museus ligados à cultura marítima.

Não obstante os constrangimentos mais específicos de cada projecto, com frequência se manifestam dificuldades em manter este tipo de publicações, levando ao não cumprimento da sua regularidade e até mesmo ao seu desaparecimento, problemas que não são muito diferentes de iniciativas similares noutras áreas. Refira-se a (in)sustentabilidade dos projectos, geralmente em estreita dependência do apoio da administração local (ou de outras escalas da administração) e vulneráveis aos seus ciclos políticos, a incapacidade de distribuição nos circuitos comerciais (o que é o caso dos últimos periódicos referidos), a ausência de mecanismos de promoção e divulgação relativamente aos próprios periódicos, mas também a dificuldade de continuadamente alimentar com massa crítica as linhas editoriais propostas, tratando-se a Museologia de um campo relativamente jovem e em construção, ao mesmo tempo respeitante a uma pequena comunidade de profissionais e investigadores. Os dados disponíveis não permitem um panorama suficientemente abrangente e actualizado, mas de acordo com estatísticas de 2009 verifica-se a existência de 6284 pessoas a trabalhar em museus (compreendendo todos os tipos de funções, desde as administrativas, de segurança, de acolhimento, de limpeza, aos conservadores e outros técnicos com formação académica), o que corresponde a uma média de dez pessoas por museu. Todavia, se restringirmos a amostra do pessoal ao serviço nos museus à categoria de “conservador/técnico superior” a média reduz-se para apenas três por museu (Neves, Santos e Lima 2013, 59).

A acção editorial por parte de museus também não é despiciente. O aparecimento de boletins ou outros formatos de divulgação assume um crescendo nas duas últimas décadas, geralmente centrados na divulgação de estudos sobre as colecções e/ou património sob a sua tutela, sendo, no geral, centrados no projecto cultural de cada museu. Todavia, no cômputo geral são igualmente marcados pela irregularidade e pela disparidade de conteúdos. Não sendo objecto de análise mais aprofundada neste texto, podem, no entanto, ser referidos alguns exemplos: o Ecomuseu Informação (1996-2011), boletim trimestral da responsabilidade do Ecomuseu Municipal do Seixal, o Cenáculo – Boletim on-line do Museu de Évora (2007, 2007, 2008, 2010), ou ainda os Cadernos do Museu (2015-) do Museu da Ruralidade. Por outro lado, não se ignora o investimento na edição de catálogos de exposições que se foi afirmando como uma das vias privilegiadas, não raras vezes a única via, de divulgação do estudo de colecções e do trabalho de investigação produzido em museus.

É sobretudo na última década que assistimos a um posicionamento mais vincado da edição por parte das universidades com cursos de Museologia. Esse (re)posicionamento e novas dinâmicas daí advindas estão directamente relacionadas com a evolução da própria formação, cuja oferta se passou a estender também para cursos de doutoramento (3.º ciclo). Se o crescimento da oferta da formação pós-graduada em Museologia está ligada ao enquadramento legislativo sobre a carreira nos museus que a partir de 2001 passa a exigir uma pós-graduação ou mestrado para acesso ao lugar de conservador de museu (cf. artigo 3.º do decreto-lei n.º 55/2001), a oferta de cursos de doutoramento[5] está relacionada com as dinâmicas das próprias universidades, estimuladas ao crescimento por via da oferta de terceiros ciclos em Museologia.[6] Face a esta evolução, uma das consequências notadas refere-se a um processo mais evidente de diferenciação por parte de cada universidade em dar visibilidade à produção científica dos seus “alunos – investigadores”. Este fenómeno também se enquadra na reorganização das políticas científicas nacionais (de algum modo em resposta à crise) de estímulo à “competitividade” e à avaliação da performance dos centros de investigação associados à formação ministrada (mestrados e doutoramentos). Neste contexto, destacamos o caso da Universidade Nova, da Universidade do Porto e da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Quanto à Universidade Nova de Lisboa, refira-se a edição, em 2011, do número temático «Museus e Investigação» (n.º 8) da Revista de História da Arte do Instituto de História da Arte. Este número reúne, na sua maioria, artigos assentes nas investigações em curso no seio da linha de museum studies (MuSt) deste centro de investigação. Para além de um núcleo de artigos, a publicação dá enfoque a textos sobre exposições realizadas, dá notícia dos projectos em curso e acrescenta uma secção onde se elencam as dissertações e teses realizadas em museum studies até 2011. Na mesma lógica se compreende o investimento do mesmo Centro na criação da colecção Arte e Museus (2013) publicando dissertações de mestrado.

No caso da Universidade do Porto, este (re)posicionamento é visível, por exemplo, com a criação da série Ensaios e Práticas em Museologia (exclusivamente em formato digital), iniciada em 2011 por Alice Semedo, na altura coordenadora do Mestrado em Museologia desta Universidade, série que se mantem até hoje com periodicidade anual.[7] A maioria dos artigos incluídos na primeira edição resultaram de dissertações de mestrado produzidas em 2008 e 2009 nesta Universidade (mas não exclusivamente), afirmando indelevelmente um campo de estudos diverso e em expansão, como atestam as coordenadoras do primeiro volume: «Os diferentes textos mostram bem a diversidade dos tópicos de investigação em museologia e, no seu conjunto, materializam diversas visões e orientações da museologia contemporânea, gizando não só um território de profissionais-em-acção mas promovendo, igualmente, espaços reflexivos e de discussão crítica» (Semedo e Costa 2011, 4). O aparecimento desta série deve ser entendido também numa lógica de continuidade de dinâmicas encetadas pela Universidade em 2009 com a organização do primeiro Seminário de Investigação em Museologia dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola (SIAM) que decorreu entre 12 e 14 de Outubro
na Fundação Dr. António Cupertino de Miranda (Porto). A criação de um espaço de divulgação, valorização e reflexão sobre investigação em Museologia aberto a investigadores dos países de língua espanhola e portuguesa reivindicava, por um lado, o desenvolvimento de uma “comunidade de prática” que, extravasando o contexto nacional, explorava o potencial colaborativo e de reflexão com profissionais e investigadores, que apesar de provenientes de diferentes geografias partilham interesses comuns. Assumindo, desde logo, a existência de «lacunas de investigação nesta área em Portugal mas também […] [a] necessidade urgente de facilitar a construção de espaços críticos e colaborativos de formação e investigação […], pelo que o «seminário destinou-se, particularmente, a investigadores e estudantes de formação pós-graduada em nível de mestrado e doutoramento tendo sido apresentado um vasto programa de comunicações e posters de investigadores que representam a riqueza da investigação produzida nas Universidades destes países.» (Semedo e Nascimento 2010, 8) Este fórum de discussão deu lugar à publicação de três volumes de actas, esquema colaborativo que foi continuado em anos seguintes (2010, em Buenos Aires; 2011, em Madrid).

O caso da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias também é revelador do (re)posicionamento a que aludimos. Em 2013, os Cadernos de Sociomuseologia, revista cujo início remonta a 1993, inicia uma nova série, procurando adaptar-se às orientações internacionais para publicações com carácter científico. Neste sentido foi reformulado todo o processo editorial de forma a corresponder às exigências de indexação e acreditação, adaptação esta que não está desligada de alterações emanadas do contexto nacional como referido antes. Dirigido pelo museólogo Mário Moutinho, este periódico (em formato impresso e digital) estava (ou está) essencialmente direccionado para a divulgação de textos dos alunos e professores (portugueses e brasileiros) ligados aos cursos de pós-graduação em Museologia (mais tarde mestrado e doutoramento) da Universidade, combinando uma miscelânea de textos muito díspar, ora publicações de teses, ensaios, colectâneas de textos, mas que no global alimenta uma rede estrita e confinada às relações estabelecidas ao nível dos ciclos de formação. A orientação dos textos publicados, embora diversa no cômputo geral, é seguidora do enfoque para uma vertente social da função dos museus e da Museologia que tem sido assumido pela Universidade – abordagem reivindicada como Sociomuseologia –, herdando (e actualizando) os princípios promovidos pela Nova Museologia dos anos 1970 e 1980, cujas repercussões se fizeram sentir também em Portugal (cf. Carvalho 2015).

É também em 2013[8] que surge a MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, uma nova revista (exclusivamente digital) dedicada à Museologia enquanto campo de trabalho e reflexão interdisciplinar, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto.[9] Inovadora na sua concepção, parte de uma iniciativa interuniversitária, sendo fundada por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora), aglutinando algumas das principais universidades portuguesas que promovem formação e investigação em Museologia. A assunção da natureza interdisciplinar da Museologia, claramente reivindicada pela MIDAS, vem demonstrar que a discussão sobre o reconhecimento da Museologia como ciência desvaneceu, uma vez que o seu objecto de estudo e respectivas metodologias não correspondem a um critério epistemológico de uma abordagem científica específica e autónoma, mas sim como um domínio de investigações híbrido, heterogéneo e de contornos fluidos (Shiele 2012). E como tal, um domínio que se constrói a partir (ou beneficiando) dos métodos (igualmente fluidos) e teorias de várias disciplinas.

Por outro lado, o modelo em que assenta a MIDAS, pensada desde logo atendendo às orientações mais actualizadas no que se refere aos critérios para as revistas científicas, nomeadamente no que se refere à indexação nas bases de dados nacionais e internacionais e à gestão de um sistema de avaliação por pares (peer-review) sob duplo anonimato, inaugura também uma nova dinâmica com base em chamadas públicas de angariação de propostas de artigos aberta a toda a comunidade profissional e de investigação. Note-se que a avaliação por pares (apesar das suas fragilidades) é considerada ainda como exigência obrigatória para se alcançar padrões de qualidade e de excelência no contexto da produção científica.

Nestes contornos, o aparecimento da MIDAS vem legitimar e afirmar em Portugal o estatuto de uma comunidade de prática e de investigação para a Museologia.[10] Além disso, a criação de um periódico nos moldes referidos vem igualmente confirmar a existência de uma massa crítica em crescimento propulsionada pela investigação produzida com o desenvolvimento dos doutoramentos nesta área, alimentados directa ou indirectamente por projectos de doutoramento e (mais recentemente) de pós-doutoramento por via da concessão de bolsas de investigação científica e do financiamento de projectos nos centros de investigação no âmbito dos programas de apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. A impossibilidade de uma carreira em museus, por via do bloqueio à entrada de novos profissionais, que se tornou crónico nos últimos anos, também é um factor que não pode ser ignorado neste contexto e que que tem contribuído, de certa maneira, para alavancar a iniciativa de criação de projectos de investigação como via alternativa a uma ligação ao mundo dos museus. No entanto, note-se o decrescimento da oferta de bolsas para investigação científica da Fundação para a Ciência e Tecnologia nos últimos anos, com consequências para uma possível inversão deste ciclo.

A publicação de dissertações e teses tem consubstanciado igualmente um instrumento de divulgação da investigação produzida nesta área, mas tem sido um fenómeno marcado pela oportunidade e pela iniciativa de diferentes actores (museus, municípios, centros de investigação, entre outras organizações), não correspondendo a uma estratégia definida para o sector. Destaca-se, todavia, o papel da série “Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas” da responsabilidade da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (com chamada pública de propostas, ou seja, compreendendo um edital e regulamento próprio), contexto que permitiu a publicação de várias teses de doutoramento na área da Museologia provenientes de diferentes universidades, edição que depois de 2011 foi interrompida.

A criação em 2015 da colecção “Estudos de Museus” veio imprimir uma nova dinâmica neste domínio. A intenção de criar a colecção tem pelo menos duas décadas, mas acabou por ter concretização por iniciativa da DGPC, numa configuração específica de intenções. Destina-se à publicação de teses de doutoramento, cujos temas se relacionem com os museus sob tutela deste organismo ou sobre tópicos contemporâneos relacionados com a sua política. Embora não apresente chamada pública de propostas ou regulamento público, a selecção dos títulos a publicar é realizado por um comité editorial externo composto por representantes de diferentes universidades: Alice Semedo (Universidade do Porto), Fernando António Baptista Pereira (Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa), Pedro Casaleiro (Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa), Vítor Serrão (Universidade de Lisboa) e, ainda, Clara Frayão Camacho, representando a DGPC. O projecto editorial conta com a colaboração de uma editora comercial, a Caleidoscópio, que assegura, entre outros aspectos, a distribuição dos livros no circuito comercial. Foram em 2015 publicados cinco títulos, estando prevista a continuidade regular destas publicações. Quanto aos conteúdos há a destacar nesta colecção a publicação de estudos que enformam uma Museologia histórica, que tem sido uma tendência dominante no passado, mas também a incorporação de estudos mais centrados sobre a acção contemporânea dos museus e da Museologia, como é o caso de três dos títulos publicados: Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira e Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho.

Uma nota para assinalar dinâmicas assumidas pelos organismos tutelares de museus ao nível das edições técnicas. Neste contexto destacam-se a série “Temas de Museologia”, onde se inclui a publicação de Museus e Acessibilidade (Instituto Português de Museus, em 2004), Circulação de Bens Culturais Móveis (Instituto Português de Museus, em 2004), Plano de Conservação Preventiva: Bases Orientadoras, Normas e Procedimentos (Instituto dos Museus e da Conservação, em 2007), as normas gerais de inventário, com títulos publicados desde os finais da década de 1990 e ao longo primeira década de 2010, e outros títulos de sistematização das estatísticas sobre museus ou iniciativas editorais associadas a projectos como a RPM.

Além do que já foi referido, um outro meio de divulgação que merece referência é a edição de actas de encontros e conferências nesta área. Difícil de categorizar ou enquadrar, são edições marcadas pelos enquadramentos específicos que lhes deram origem e pela diversidade de actores que as concretizaram, mas tem constituído um instrumento de assaz divulgação, tanto de projectos e experiências museológicas, como de algum pensamento ou posicionamento sobre o sector.

Com efeito, publicações como Iniciação à Museologia não abriram caminho ao desenvolvimento de uma linha de estudos museológicos de contornos aproximados à série Museum Meanings da editora inglesa Routledge, por exemplo. No que respeita à tradução, este é um terreno também pouco profícuo (ou mesmo inexistente) em Portugal, quando comparado com o caso espanhol, onde é frequente a tradução de obras estrangeiras no campo da Museologia, para além da edição de publicações de origem nacional, onde se incluem dinâmicas assinaláveis através de editoras como a Akal, a Ariel ou a Trea.

Para além das edições de carácter mais formal, é de notar também a ausência de maior dinamismo no que se refere a espaços de opinião emanados da comunidade profissional e de investigação. À excepção de alguns casos, por via de blogues, onde se assinalam Musing on Culture, de Maria Vlachou – de que resultou a publicação do livro homónimo em 2013 –, No Mundo dos Museus, de Ana Carvalho, Mouseion, de Alexandre Matos, e mais recentemente a.muse.arte de Maria Isabel Roque, ou ainda de esparsos artigos em jornais, este é ainda um campo tímido de expressão e intervenção pública.

Por tudo o que foi referido, retomamos a afirmação inicial, de que efectivamente se denota uma evolução neste campo, com sinais evidentes de transformação do sector e com a emergência de sinais positivos no panorama editorial. No entanto, e apesar de algum optimismo, este percurso padece de constrangimentos estruturantes (ou desestruturantes) mais latos que o condicionam. Entre eles a ausência de uma política museológica sustentada num tempo mais longo, e consequente investimento em termos de recursos humanos e financeiros. Por sua vez, o desafio de uma articulação mais concertada entre o campo profissional e o académico no que concerne à formação e à investigação. E, finalmente, a necessidade de se imprimir maior activismo associativo com vista ao fortalecimento de um espaço comprometido de intervenção pública apostado na melhoria das condições de trabalho per se e na prestação de um serviço de museus que ultrapasse os limites mínimos de funcionamento no sentido de se fazer caminho para uma efectiva democratização dos museus.

 

Referências

Camacho, Clara Frayão. 2007. “Editorial.” Museologia.pt 1 (Maio): VI–VII.

Carvalho, Ana. 2015. “Decifrando Conceitos em Museologia: Entrevista com Mário Caneva Moutinho.” Museologia & Interdisciplinaridade 4 (8): 252–69. http://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/view/15824.

Garrido, Álvaro. 2015. “Editorial.” Argos 3 (Outubro): 5.

Lorente, Jesús-Pedro. 2013. “Las Revistas Museológicas en la Actualidad: Una Panorámica Global.” MIDAS Museus e Estudos Interdisciplinares 1. doi:10.4000/midas.156.

Neves, José Soares, Jorge Alves Santos, e Maria João Lima. 2013. Panorama Museológico em Portugal (2000-2010). Lisboa: Direção-Geral do Património Cultural.

Pereira, Benjamin. 1989. “Ernesto Veiga de Oliveira e o Museu de Etnologia.” In Estudos em Homenagem a Ernesto Veiga de Oliveira, editado por Fernando Oliveira Baptista et al., 555–568. Lisboa: INIC. Centro de Estudos de Etnologia.

Rocha-Trindade, Maria Beatriz. 1993. “O Porquê e o Como.” In Iniciação à Museologia, coordenado por Maria Beatriz Rocha-Trindade, 17–18. Lisboa: Universidade Aberta.

Semedo, Alice, e Elisa Noronha Nascimento, coord. 2010. “Apresentação.” In Actas do I Seminário de Investigação em Museologia dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola, 8–9. Vol. 1. Porto: Universidade do Porto.

Semedo, Alice, e Patrícia Costa, eds. 2011. “Apresentação.” In Ensaios e Práticas em Museologia, 4. Porto: Universidade do Porto.

Semedo, Alice. 2004. “Estratégias Museológicas e Consensos Gerais.” In Museus do Eixo Atlántico, coordenado por Mário Brito e José Cuñarro, 5–32. Vigo: Eixo Atlántico.

Shiele, Bernard. 2012. “La Muséologie: Un Domaine de Recherches.” In La Muséologie, Champ de Théories et des Pratiques, editado por Anik Meunier, 79–100. Québec: Presses de l’Université du Québec.

Vaquinhas, Irene. 2013. “A Museologia Como Campo de Estudo nas Universidades Portuguesas: Esboço de Evolução, Pertinência e Atualidade.” MIDAS Museus e Estudos Interdisciplinares 1. doi:10.4000/midas.142.

Notas

[1] Ainda antes da criação de pós-graduações e mestrados, o ensino em Museologia já havia sido introduzido sob a forma de uma cadeira no curso de Ciências Antropológicas e Etnológicas do Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina no ano lectivo de 1970-1971, sendo interrompida entre 1973-1974, e, mais tarde, retomada na licenciatura de Antropologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. A este propósito refira-se o papel do antropólogo Ernesto Veiga de Oliveira (subdirector do Museu de Etnologia entre 1965 e 1973). A iniciativa foi introduzida pelo antropólogo Jorge Dias, mas coube a Veiga de Oliveira a regência da cadeira e o seu desenvolvimento (Pereira 1989).

[2] Para o ano lectivo de 2010-2011, Vaquinhas (2013) identificou a existência de uma oferta de 12 cursos de formação em Museologia ao nível de pós-graduação e mestrado em universidades portuguesas públicas e privadas, um número claramente assimétrico em função da escala do país e (das necessidades) do sector museológico. Todavia, analisada a oferta existente para 2016-2017 o número decresceu para apenas sete cursos de mestrado, registando-se, ainda assim, uma oferta assinalável.

[3] No campo associativo deve ser também referida a revista Museu editada pelo Círculo Dr. José de Figueiredo (grupo dos Amigos do Museu Nacional de Soares dos Reis), que continua a ser publicada (1942-).

[4] Nos anos 1980 deve ser referida a publicação de alguns números da revista Bibliotecas, Arquivos e Museus editada pelo Instituto Português do Património Cultural e para o mesmo período e até à década de 1990 note-se a publicação de Património e Museus Locais da responsabilidade editorial do Instituto Rainha D. Leonor (Camacho 2007).

[5] Para o ano lectivo 2015-2016 estavam disponíveis pelo menos cinco doutoramentos ligados à Museologia em Portugal: Universidade Lusófona, Universidade do Porto, Universidade de Évora (História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia), Universidade Nova de Lisboa (História da Arte, especialidade em Museologia e Património Artístico) e ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, juntamente com Universidade Nova de Lisboa (Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Museologia).

[6] Porém, note-se que antes da criação de cursos de doutoramento em Museologia eram já produzidas teses de doutoramento portuguesas na área da Museologia desde os anos 1990, quer em contexto académico português, quer no estrangeiro.

[7] Note-se que antes da série Ensaios e Práticas em Museologia a publicação de artigos com base em estudos desenvolvidos na Universidade do Porto se fazia também através da revista Ciências e Técnicas do Património iniciada em 2002 (até 2014).

[8] Podia ainda ser referido o aparecimento da revista Vox Musei, Arte e Património, em 2013, mas por ser uma revista de iniciativa brasileira (Universidade Federal do Piauí) não a considerámos no contexto desta resenha. Todavia, é de notar que a sua génese tem presente a colaboração de parceiros universitários em Portugal, como é o caso do CIEBA – Centro de Investigação e de Estudos em Belas Artes da Universidade de Lisboa.

[9] Sobre o panorama internacional, consultar Lorente (2013), que fez um levantamento das revistas dedicadas à Museologia.

[10] Não significa, porém, que antes da MIDAS não se publicassem artigos sobre Museologia e museus em revistas científicas, nomeadamente em áreas disciplinares estabelecidas como a Antropologia, a Sociologia, a História, etc.

****

Este texto foi publicado originalmente no 5.º número dos Cadernos do Museu (Carvalho, Ana. 2017. “A Construção de uma Comunidade de Prática e de Investigação em Museologia: O Papel das Publicações.” Cadernos do Museu 5 (Janeiro): 32-45. http://hdl.handle.net/10174/19979).

Errata: No texto original, onde se lia “Boletim Trimestral do Ecomuseu Municipal do Seixal (2005-2011)” [p. 37] passa a ler-se “o Ecomuseu Informação (1996-2011), boletim trimestral da responsabilidade do Ecomuseu Municipal do Seixal”

O Que Significa Hoje a Função Social dos Museus? Em destaque no novo boletim do ICOM Portugal

Na imagem vê-se a entrada do Museu do Dinheiro

Imagem da capa: Recepção do Museu do Dinheiro. Fotografia do Museu do Dinheiro

O boletim de Setembro do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) é dedicado à nova Recomendação da UNESCO para os museus e colecções, com particular enfoque para a função social dos museus na actualidade.

A UNESCO produziu novas orientações para o mundo dos museus através de um novo documento adoptado em 2015 – a Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel na Sociedade. A Recomendação percorre os grandes tópicos da Museologia, compreendendo orientações gerais e funcionais sobre o papel dos museus no mundo contemporâneo. É de toda a utilidade para os profissionais compreender o alcance da Recomendação, razão pela qual o ICOM Portugal incluiu um espaço de discussão em torno deste documento durante as últimas Jornadas de Primavera, e volta a fazê-lo agora neste boletim.

É sob o olhar de dois museólogos, Clara Frayão Camacho e Pedro Pereira Leite, que ficamos a conhecer melhor os contextos e os desafios presentes na Recomendação de 2015 (Em Foco).

A função social, muito associada no passado ao movimento da Nova Museologia, é hoje referida abundantemente com diferentes sentidos e aplicações. Está longe de ter uma definição normalizada ou de ser uma questão consensual entre os profissionais. Também é um dos aspectos que saiu reforçado na Recomendação de 2015. Daí a interrogação: o que significa hoje a função social, em que se traduz na prática? De que falamos concretamente quando falamos de função social? Da missão dos museus? Do envolvimento dos públicos e das comunidades? Da liderança? Da ética? Do contributo dos museus para a mudança social através do compromisso com os grandes tópicos da sociedade (direitos humanos, migrações e por aí em diante…)? Aida Rechena e Inês Fialho Brandão oferecem-nos as suas Perspectivas sobre a questão.

Sara Barriga Brighenti é o rosto por detrás do recém-inaugurado Museu do Dinheiro. Faz parte de uma nova geração de profissionais que coloca o visitante em primeiro lugar. Conheça o essencial da sua visão.

O número de Janeiro, o último desta série, será dedicado à gestão de museus e políticas museológicas, procurando suscitar a reflexão sobre algumas das problemáticas que a Museologia portuguesa tem enfrentado nos últimos anos.

[editorial, de Ana Carvalho]

****

Boletim ICOM Portugal 07 | Setembro 2016: Recomendação da UNESCO para os Museus e Colecções

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | BREVES
10 | EM FOCO: Contextos e Desafios da Nova Recomendação da UNESCO para Museus e Colecções: Entrevista com Clara Frayão Camacho e Pedro Pereira Leite
20 | PERSPECTIVAS: O Que Significa Hoje a Função Social dos Museus?, por Aida Rechena; e Inês Fialho Brandão
NOTÍCIAS ICOM
24 | Casas-Museus e a Interpretação da Paisagem Cultural, Social e Urbana, por Maria de Jesus Monge
26 | Notas sobre Museus, Cidades e Paisagens Culturais, por Joana Sousa Monteiro
28 | Notas de Balanço sobre o CIDOC em Milão, por Alexandre Matos
30 | Fórum dos Ecomuseus e Museus Comunitários, por Pedro Pereira Leite
32 | As Actividades do CECA para além dos Muros dos Museus, por Mário Nuno Antas
33 | Memória Acesa, por Pedro Pereira Leite
35 | MUSEUS & PESSOAS: Sara Barriga Brighenti, por Ana Carvalho
PUBLICAÇÕES
39 | Sugestões de leitura
40 | Novas edições 2016
AGENDA
44 | Conferências, encontros, debates
49 | Formação
50 | Chamada de propostas

O Boletim está disponível online: http://icom-portugal.org/boletim_icom

****

O Boletim ICOM Portugal (ISSN 2183-3613) é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal). Tem como objectivo a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Os números publicado nesta série (III) são da responsabilidade de Ana Carvalho (desde Outubro de 2014). Publica-se três vezes por ano (Janeiro, Maio e Setembro) e apresenta-se apenas em formato digital.

 

VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012

VI Encontro de Museus de países e comunidades de língua portuguesa

© Ana Carvalho

Filipe, Graça, ed. 2013. VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012, Fundação Oriente, Setembro 2011. [Lisboa]: Comissão Nacional Portuguesa do ICOM. 348 páginas. ISBN: 978-989-98396-0-1

Foram publicadas há poucos meses as actas do VI Encontro de Países e Comunidades de Língua Portuguesa que teve lugar em Lisboa em 2011. Esta iniciativa realizou-se pela primeira vez em 1987, no Brasil, sendo que o segundo encontro foi em Mafra (1989), o terceiro na Guiné-Bissau (1991), o quarto em Macau (1994) e o quinto em Maputo (2001) (cf. Elementos para a História da Comissão Portuguesa do ICOM de Natália Correia Guedes).

As actas correspondem em grande medida ao alinhamento do programa do encontro e a maioria das comunicações foram incluídas na publicação, nalguns casos figurando apenas os resumos. De qualidade muito variável, os 40 textos estão organizados em torno de quatro temas principais: “Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade”, “Museus e Desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação”, “Museus e Sustentatibilidade” e “Profissionais e sua Formação”. O texto de Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses antecede a sistematização referida.

Esta publicação confirma a pertinência da construção de linhas de entendimento e cooperação entre os países que falam a língua portuguesa, mas também é sintomática de que um longo caminho está por percorrer para o estabelecimento de redes de trabalho e sua consolidação no contexto de uma estratégia de longo prazo. Com efeito, apesar da língua ser em potencial um elemento aglutinador são necessárias medidas concretas que possam viabilizar intenções.

Prevalece a questão, poderão iniciativas como esta singrar nos seus objectivos de cooperação sem uma articulação concertada de estratégia política, cultural e científica, incluindo nomeadamente o trabalho em rede e concertado de várias instituições que já trabalham no domínio da cooperação internacional? Note-se neste âmbito o trabalho que desenvolve o Instituto de Investigação Científica Tropical e o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.

A publicação é gratuita, mas poderão ser cobrados portes de envio. Pode obter mais informações no seguinte email: info@icom-portugal.org

****

 Índice

5 Apresentação, Graça Filipe

11 Introdução, Luís Raposo

15 Conferência de abertura: Língua, Objecto, Museu – Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses

27 Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade

29 Percurso dos museus de Angola, as perspectivas e sua contribuição no desenvolvimento do país, Paulo Valongo

31 O Cenário museal brasileiro de 2000 a 2010, Denise Grinspum

39 Museus em Cabo Verde: perspectivas e desafios, Humberto da Cruz Lima e Ana Samira Semedo Silva

41 A realidade museológica na Guiné-Bissau, Maria Eveline Diallo

43 Museus de Moçambique: na encruzilhada de tempos, tradições e práticas, Alda Maria Costa

53 Museus Portugueses. 1980-2010, Natália Correia Guedes

71 Museu Nacional de S. Tomé e Príncipe, Ernesto Lima de Carvalho

73 O Arquivo e Museu da Resistência Timorense – A sua instrução e importância na preservação e promoção da memória e identidade de um povo, Antoninho Batista Alves

79 Museus comunitários – experiências e papel renovador na museologia contemporânea, Hugues de Varine

89 Museus e desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação

91 Museu de Arte Cristã – parcerias e cooperação, Fr. Avinash Rebelo

93 Thesaurus de acervos científicos como instrumento de preservação do património científico: um projeto de cooperação luso-brasileira, Marcus Granato, Marta C. lourenço, Cláudia Penha dos Santos, Zenilda F. Brasil, Maria Lucia de Niemeyer M. Loureiro e Rosali Fernandez de Sousa

103 Porque “musealizar” um sector de actividade produtiva? Lições aprendidas do processo de estabelecimento do museu das pescas de Moçambique, 1982 a 2006-2010, Manuel Luís Gonçalves e Daniel Inoque

113 Sociedades indígenas do Sul da Mata Atlântica e o Museu Universitário – uma parceria estratégica, Viviane Wermelinger Guimarães e Cristina Castellano

123 Museologia, desenvolvimento e direitos humanos. Campos emergentes da investigação-ação na globalização, Pedro Pereira Leite

137 Rede MMM: cooperação entre o museu e o público, Adriana Teixeira da Costa, Ana Paula Pereira Costa, Ana Paula Gaspar Gonçalves e Helena Maria Mourão Loureiro

145 Rede museológica de Casas Históricas da CPLP, André Estrela Rodrigues de Soure Dores

151 Experiência nos museus da Ilha de Moçambique, algumas reflexões e considerações, Joana Roque Sofio, Mafalda da Nova Jorge, Silvério João Nauaito

Projecto SOS azulejo: pela salvaguarda do património azulejar português e de tradição portuguesa, Leonor Sá

171 Histórias que se escondem no mar: os museus marítimos e a arqueologia subaquática, Margarida Génio

175 A criação de redes como ferramenta estratégica de planeamento cultural em museus: campanhas coloniais no tempo do Leão de Gaza, Mariana Jacob Teixeira

185 Atanticidade e mundo lusófono. Imaginários, representações e programação nos museus açorianos, Maria Manuel Velásquez Ribeiro e Susana Goulart Costa

193 Museus e sustentabilidade

195 Museu, Desenvolvimento e Comunidade: o caso de Macau, Chan I Un (Jessica)

207 Memória e Futuro, Alfredo Caldeira

209 O envolvimento das pessoas nos processos museais, garantia de sustentabilidade, Ana Mercedes Stoffel

219 Família Antônio de Dedé. A propósito de um estudo de caso do Programa Sala do Artista Popular do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/IPHAN – Brasil, Daniel  Reis

231 A aplicação do marketing nos museus: o caso do Museu Ferroviário dos CFM, Elsa Dimene

237 A musealização de monumentos e o restauro arquitectónico em Moçambique, Vera Félix Mariz

247 Criação de uma rede de núcleos museológicos como exemplo da sustentabilidade de um território, João Alpuim Botelho e Olga Matos

257 A sustentabilidade de um equipameno cultural: a díficil gestão de necessidades e oportunidades, José Portugal e Pedro Quintela

267 Valorização do património cultural do Douro como recurso para o desenvolvimento de competências, Elisa Pérez Babo

269 Profissionais e sua formação

271 Formação profissional em museologia: desafios metodológicos, Maria Cristina Oliveira Bruno

273 Imperativa necessidade de formação de profissionais para o Museu da Ilha de Moçambique, Silvério João Nauaito, Mafalda da Nova Jorge e José Andrade

283 O ensino da museologia na perspectiva da sociomuseologia, Mário Moutinho e Judite Primo

289 Memorial do homem Kariri, uma experiência de inclusão social através do protagonismo juvenil, Iêdo Lopes

291 O exemplo do conservador-restaurador em Portugal, André Varela Remígio

301 A contribuição do Memorial Cristo Rei na formação do profissional do museu e na preservação, resgate e divulgação da história da Universidade Federal do Maranhão – Brasil, Clores Holanda Silva, Lúcia do Nascimento Coêlho e Natalino Salgado Filho

309 Já que falamos a mesma língua… Falemos de normalização e tecnologias de informação em museus, Maria José de Almeida

317 Aos trabalhadores de museus: programa educativo direcionado ao público interno da Pinacoteca, Gabriela Ramos Figurelli

327 Projectos de cooperação – uma rede de profissionais de Língua Portuguesa? Maria do Rosário Azevedo

333 O percurso do conservador-restaurador em Portugal, Isabel Raposo de Magalhães, António Candeias, Joana Campelo e Francisca Figueira

341 Programa do VI Encontro

Património industrial em discussão

Estrutura nas Minas de S. Domingos, Alentejo, Portugal. Foto de Ana Carvalho, 2010

Dois eventos marcam o panorama reflexivo em torno do património industrial (material e imaterial) em Portugal. O primeiro, organizado pela Universidade de Évora/CIDEHUS1 (21 – 23 de Março de 2013) tem por título “Património Industrial: dos objectos ao território“. Este colóquio assume uma abordagem holística do património industrial, organizando o debate em torno de 4 painéis temáticos (Objectos, colecções e museus industriais; Território: marcas, equipamentos técnico-industriais e paisagens; Rotas, percursos e itinerários do património industrial; Sociedade Industrial: protagonistas e mudança).

Este colóquio evidencia uma linha de investigação desenvolvida há já alguns anos em Évora, sob a coordenação de Ana Cardoso de Matos, ao abrigo da qual se desenvolve, por exemplo, o projecto de estudo e inventário do património industrial no Sul de Portugal (cf. http://i-heritage-alentejo.blogspot.be/), não esquecendo a correlação com o trabalho desenvolvido no contexto do mestrado internacional TPTI (Técnicas, Patrimónios e Territórios da Indústria) que se realiza na Universidade de Évora em parceria com a Universidade de Paris e Pádua.

O colóquio tem por base o sistema de call for papers. Além disso estão confirmadas as presenças de Julián Sobrino (Universidad de Sevilla), Inmaculada Aguilar Civera (Universidad de Valencia – Cátedra Demetrio Ribes) e Marta C. Lourenço (Museu Nacional de História e da Ciência – CIUHCT, Universidade de Lisboa).

Quaisquer informações sobre este colóquio2 podem ser consultadas aqui.

O segundo evento que queremos destacar é o I Encontro Anual Indústria, História, Património (18, 19 e 20 de Abril de 2013), da organização da Universidade Nova (Instituto de História Contemporânea), uma iniciativa que se desenvolve no seguimento da criação da rede temática – RIHP: Rede Indústria, História, Património, criada em 2012. Esta rede tem a particularidade de reunir as principais unidades de investigação (de várias universidades, nomeadamente a Universidade de Évora e a partir de diferentes áreas: história, arqueologia, história das ciências, etc.), mas também museus e outras instituições que trabalham neste domínio, o que é pouco comum.3

Este encontro anual “pretende ser um fórum de discussão aberto e pluridisciplinar, dedicado à apresentação de estudos no domínio da história da indústria enquanto realidade social global, compreendendo o património material e imaterial (tecnologia, saber-fazer técnico, práticas sociais e culturais, infraestruturas, construções, equipamentos e objectos, sítios e paisagens).” (in site da RIHP)

À semelhança do anterior, este encontro tem por base a call for papers (ver toda a informação aqui). A conferência inaugural será de Hugues de Varine, que trará certamente um olhar pertinente sobre os museus, enquanto espaços de memória e salvaguarda do património industrial.

Note-se que Hugues de Varine teve um papel determinante no desenvolvimento do ecomuseu do Creusot (inicialmente Musée de l’Homme et de l’Industrie, 1972), em França (sobre a história ideológica do Creusot ver por exemplo: Debary, Octave (2002).  La fin du Creusot ou l’art d’accommoder les restes, Paris, Editions du Comité des Travaux Historiques et Scientifiques, (collection « Le regard de l’ethnologue »), Ministère de la Recherche, 189 p.)

Estes dois eventos, em particular a criação de uma rede temática ilustra bem aquela que deverá ser uma tendência, ou seja, uma maior articulação, por um lado de instituições universitárias que fazem percursos de investigação semelhantes e, por outro lado, com as instituições museológicas (e também arquivos, etc.) que estão no terreno e que representam uma perspectiva também essencial neste quadro de estudo. Além disso, é também digno de nota a incorporação da imaterialidade na concepção de património industrial patente na missão da RIHP, o que revela a necessidade de um olhar mais global e integrado sobre o património, não esquecendo a importância, por um lado, da componente da imaterialidade ligada aos processos e ao saber-fazer, mas também a imaterialidade que se liga às memórias dos espaços. Apesar de hoje essa consciência ser cada vez maior (e algumas experiências comprovam-no, por exemplo, o Museu da Chapelaria, entre outros), a musealização de muitos espaços industriais tem sido operacionalizada sem incluir estes elementos, que podem efectivamente representar um potencial enorme não só do ponto de vista de uma abordagem de investigação mais completa (e do discurso), mas também do ponto de vista da experiência que é oferecida ao visitante, muito mais humanizada.

  1. Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades []
  2. O colóquio tem associado a atribuição do prémio  Património Industrial que visa distinguir jovens investigadores nesta área. Veja mais aqui []
  3. No site da RIHP pode encontrar informação sobre o projecto, os parceiros, os investigadores, etc.: http://historia-patrimonio-industria.blogspot.pt/ []

Expositions Universelles, Musées Techniques et Société Industrielle

Expositions Universelles, Musées Techniques et Société Industrielle – World Exhibitions, Technical Museums and Industrial Society
Coordenação: Ana Cardoso de MatosIrina GouzévitchMarta C. Lourenço
N. páginas: 222
Edições Colibri
Ano: 2011
ISBN: 978-989-689-056-8

Sinopse:

Trois phénomènes de grande ampleur marquent de façon significative l’affirmation de la société industrielle au XIXe et au début du XXe siècle : les musées techniques, les expositions universelles et les congrès internationaux. Expressions de la nouvelle synergie économique fondée sur l’idée du progrès, ces trois formats de mise en scène des techniques ont fortement contribué à l’essor des grandes industries et de l’urbanisme moderne, à l’émergence de nouvelles sciences de l’ingénieur, à la mise sur pied des formations spécialisées et à l’intensification des sociabilités professionnelles s’exerçant au delà des frontières. En revanche, les liens intrinsèques qui les unissent demeurent à ce jour des sujets peu défrichés. Le présent ouvrage tend à apporter sur ces questions quelques éclairages experts fondés sur les recherches récentes. Three broad and closely related phenomena characterised the consolidation and development of industrial society during the nineteenth and early twentieth century: technical museums, universal exhibitions and international congresses. These three mise en scène phenomena were vivid expressions of a new economic synergy based on the ideas of progress and public good. All three, and each in its own way, strongly contributed to the development of large industries, the emergence and consolidation of new engineering sciences, the implementation of specialised training and the social strengthening of professions across national borders. Places of visitation, encounters and exchanges, they were also communication and transfer centres where science and technology information circulated freely and long-lasting collaborations were devised. This book draws from recent research and aims at bringing new perspectives into these topics.

Índice:

Introduction

Chapitre I – Musées techniques et expositions universelles : liens, interactions, temporalités / Tecnical Museums and Universal Exhibitions: bands, interactions and temporalities

1 – Le Cabinet des machines de Madrid, 1792-1808 : à la recherche d’un musée technique perdu / The Cabinet of the machines of Madrid, 1792-1808 : In search of a lost technical museum
Irina Gouzévitch et Dmitri Gouzévitch

2 – Les musées techniques portugais et les expositions universelles au XIXe siècle / Portuguese technical museums and universal exhibitions in the nineteenth century
Ana Cardoso de Matos

3 – The Portuguese section of the Histoire du Travail at the 1867’s Universal Exhibition: ornamental art and museology in Portugal / La section de l’«Histoire du travail» à l’exposition universelle de 1867: les arts décoratifs et la muséologie au Portugal
Maria Helena Souto

Chapitre II – Acteurs et espaces des expositions universelles / Universal Exhibitions: Actors and Spaces

1 – Modernizing Paris through Expositions and Museums, 1878-1914 / Modernisation de Paris à travers les Expositions et les Musées, 1878-1914, Miriam R. Levin

2 – Scientists and Engineers at the Universal Exhibition of Barcelona, 1888 / Savants et ingénieurs à l’Exposition universelle de Barcelone, 1888
Antoni Roca-Rosell, Guillermo Lusa-Monforte et Jesús Sánchez-Miñana

3 – Expositions universelles, congrès internationaux d’aéronautique et science aérodynamique, 1900-1914 / World Exhibitions, international congresses of aeronautics and aerodynamic science, 1900-1914, Claudine Fontanon

Chapitre III – Expositions universelles : lieux de mémoire, lieux de loisirs / Universal Exhibitions: Sites of Memory, Sites of Leisure

1 – Experiencing Progress. Technology as entertainment in world exhibitions at the turn of the twentieth century / Mise en expérience du progrès. Technologie comme divertissement aux expositions universelles au seuil du XXe siècle, Taina Syrjämaa

2 – Les expositions universelles sous l’objectif : La photographie dans les fonds des expositions aux Archives nationales (Paris) / Universal Exhibitions under the objective: Photography in the Exhibitions’ Collections of the National Archives, Paris, Christiane Demeulenaer¬e Douyère

Résumés

Abstracts

Notes biographiques des auteurs

Fonte: http://www.edi-colibri.pt/Detalhes.aspx?ItemID=1469