Arquivo de etiquetas: Memória

Novo boletim do ICOM Portugal dedicado ao indizível nos museus

 

O 9.º número do Boletim do ICOM Portugal (agora com um novo projecto gráfico, mais claro e apelativo) é sobre o tema do Dia Internacional de Museus de 2017: Museus e Histórias Controversas: Dizer o Indizível em Museus. De que falamos quando falamos em histórias controversas, contestadas ou dolorosas? Qual o papel dos museus neste contexto? Lidar com estas questões para quê? Como? Terão todos os museus histórias controversas, difíceis ou conflituosas para contar? Porque é que os museus não abraçam mais estas questões? (Ou será que abraçam?) Nesta edição não se tem a pretensão de explorar a multiplicidade de aspectos que a temática suscita, mas ainda assim pretende-se contribuir para a sua discussão, que, porventura, não se esgotou na organização de actividades para o 18 de Maio e estará muito provavelmente para ficar.

O Museu do Aljube (Em Foco), que é apresentado por Luís Farinha, é um exemplo evidente de uma memória dolorosa para muitos presos políticos durante a transição da ditadura para a República e sobre a qual é preciso dialogar e reflectir, em particular com as novas gerações, porventura menos familiarizadas com este período conturbado da nossa História.

Em Perspectivas, incluem-se dois olhares distintos, mas que reivindicam para o campo dos museus a assunção da responsabilidade em contar histórias controversas e difíceis. Parafraseando Joaquim Jorge, se os museus não servirem para confrontar a nossa visão ou para apresentar um ponto de vista que nos desafie, então servem para quê?

A escravatura não é totalmente ignorada pelos museus, note-se a criação do Núcleo Museológico Rota da Escravatura (Lagos), em 2016, mas globalmente é um tópico pouco explorado. Na entrevista com António Pinto Ribeiro pode-se conhecer melhor a motivação e os objectivos da iniciativa que desafiou os museus de Lisboa a exporem objectos sobre a escravatura no âmbito da programação de “Passado e Presente – Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura 2017”.

Joana Sousa Monteiro, directora do Museu de Lisboa desde 2015, é personalidade de destaque da secção Museus & Pessoas. Este texto dá conta do percurso desta museóloga e a sua visão para este Museu.

Neste boletim leia ainda a sentida e profunda homenagem de Luís Raposo a Adília Antunes (In Memoriam).

Por ocasião do 18 de Maio, o ICOM Portugal apresentou uma reflexão sobre o futuro dos museus, identificando problemas e apontando eixos de actuação, linhas orientadoras e propostas para uma política museológica nacional através do documento Contributos para uma Urgente e Necessária Política Museológica Nacional, conforme pode ser lido na íntegra neste boletim na secção Extra: Política Museológica.

O boletim está disponível no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org

****

Índice

03 | Editorial, por Ana Carvalho

06 | Mensagem do Presidente, por José Alberto Ribeiro

09 | Breves

12 | Extra: Contributos para uma urgente e necessária Política Museológica Nacional, ICOM Portugal

23 | Em Foco: Museu do Aljube, Resistência e Liberdade: Musealização de uma «Herança Difícil», por Luís Farinha

29 | Perspectivas

29 | Dizer o Indizível. Como é que os Museus Podem Fazer a Diferença? (I), por Miguel Rego

32 | Dizer o Indizível. Como é que os Museus Podem Fazer a Diferença? (I), por Joaquim Jorge

35 | Entrevista com António Pinto Ribeiro, por Ana Carvalho

40 | In Memoriam: Adília Antunes (1962-2017), por Luís Raposo

43 | Conferências: comentários

43 | Construir o Futuro, Compreender o Passado, por José do Vale

46 | Museus & Pessoas: Joana Sousa Monteiro, por Ana Carvalho

52 | Publicações

52 | Sugestões de leitura

53 | Novas edições 2017

57 | Agenda

57 | Conferências, encontros, debates

59 | Formação

60 | Chamada de propostas

****

Este boletim é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal) e conta com a coordenação editorial de Ana Carvalho. Em formato digital (ISSN 2183-3613), publica-se três vezes por ano (Fevereiro, Junho e Outubro). Tem como missão a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Cada número é dedicado a um tema relevante da Museologia portuguesa e internacional, combinando artigos, textos de opinião, entrevistas, notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura e novas publicações, e ainda um leque diverso de eventos em agenda (conferências, debates, formação, etc.). O boletim foi distinguido com o prémio APOM 2017 na categoria melhor “Comunicação Online”.

 

Novo livro da colecção “Estudos de Museus” é sobre a história do Museu Nacional Machado de Castro

Museu Machado de Castro capa do livro

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) é o quinto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Duarte Manuel Freitas apresentada à Universidade de Coimbra em 2015 (orientação de Irene Vaquinhas e Regina Anacleto).

Será lançado no próximo dia 28 de Outubro (sexta-feira) no Museu Nacional Machado de Castro, pelas 18h00. A apresentação do livro ficará a cargo de Alice Semedo (Universidade do Porto).

“Neste livro estudam-se as transformações ocorridas no complexo arquitetónico que acolhe o Museu Nacional de Machado de Castro desde o seu nascimento, em 1911, até à elevação ao estatuto de museu nacional, em 1965.

A análise das fontes coligidas permite apresentar as diferentes conceções museológicas dos diretores do museu, identificar as premissas da adaptação de um antigo paço episcopal a espaço museológico e compreender os ditames do polémico processo de anexação da igreja de São João de Almedina.

O livro destaca o surgimento e a integração no discurso expositivo de preexistências da civitas aeminiensis e dos tempos medievos, discrimina os procedimentos de incorporação de elementos arquitetónicos provindos de outras edificações, salienta a posição do espaço museológico no âmbito do plano de obras da cidade universitária e evidencia o almejado equilíbrio da dualidade museu/monumento, procurado a partir da década de 1950.

As respostas obtidas a partir deste trabalho levam ao enaltecimento do Museu Nacional Machado de Castro no panorama museológico português, constituindo-se numa verdadeira sobreposição de diferentes memórias edificadas ao longo de dois mil anos de história, bem como num escaparate salvífico de elementos arquitetónicos provindos de outros contextos que a cidade de Coimbra viu, aos poucos, desaparecer.” (sinopse do livro)

Duarte Manuel Freitas é natural de Câmara de Lobos (ilha da Madeira). Doutor em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) e pós-graduado em Museologia e Património Cultural na mesma instituição. Membro integrado do Centro de História da Sociedade e da Cultura da FLUC e do Centro de Estudos de História Empresarial da Universidade Autónoma de Lisboa (UAL). Exerceu funções de professor do ensino básico, secundário, profissional e universitário. Na atualidade é professor auxiliar do Departamento de História, Artes e Humanidades da UAL. Tem participado em diversos projetos e redes de investigação no âmbito da Museologia, da Didática da História, da História Económica e Social e da História das Empresas, em particular das instituições financeiras. Com a investigação que ora se publica venceu o Prémio Victor de Sá de História Contemporânea (2015) e o prémio (ex aequo) da Associação Portuguesa de Museologia, na categoria de “Melhor Estudo Sobre Museologia” (2016).

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira e Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial.

****

Índice

Introdução

Cap. I O museu na sua anamnesis: contextos internacional e nacional
Do “templo das musas” ao “templo das massas”: génese e evolução do conceito de museu
Criação de espaços museológicos em edifícios preexistentes
Critérios de intervenção em monumentos arquitetónicos
Entre “Saúde e Fraternidade” e “A Bem da Nação”: as cambiantes ideológicas e pragmáticas do panorama museológico português (1911-1965)

Cap. II Os diretores do Museu Machado de Castro: entre vidas e conceções museológicas
António Augusto Gonçalves (1848-1932), o fundador
Vergílio Correia (1888-1944), o arqueólogo
Um museu sem diretor: o papel fundamental de António Nogueira Gonçalves (1944-1951)
Luís Reis Santos (1898-1967), o historiador de arte

Cap. III Museu Nacional de Machado de Castro: uma sobreposição de memórias
Civitas Aeminiensis
Faces medievas
Rinascere

Cap. IV De um palácio episcopal se fez um museu (1912-1929)
Largo de São João, 1912: um paço episcopal em “tempo de vésperas”
Primeiras obras de adaptação e de beneficiação do Museu Machado de Castro
A “problemática” (da) igreja de São João de Almedina

Cap. V Uma “caixa de surpresas” (1930-1950)
O “despertar” das preexistências
Aplicações arquitetónicas de salvaguarda patrimonial
Demolir, adicionar e reparar o existente
Sob a tutela da DGEMN

Cap. VI Consolidação da dualidade museu/monumento (1951-1965)
Um novo ciclo de obras
A etapa reformadora em números
Uma solução para a Capela do Tesoureiro

Conclusão
Notas
Siglas e acrónimos
Fontes e bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

Nova publicação “Participação: Partilhando a Responsabilidade”

Capa Participação - Partilhando a Responsabilidade

A Acesso Cultura acaba de disponibilizar online a publicação “Participação: Partilhando a Responsabilidade“. Coordenada por Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora), a publicação reúne alguns dos textos das comunicações apresentadas na conferência anual da Acesso Cultura (“Meu, Teu, Nosso: modelos de projectos participativos”, Museu do Oriente, 12 de Outubro de 2015), mas também textos de outros profissionais do sector cultural que lidam com estas questões.

Actualmente não é incomum ouvirmos falar de projectos no sector cultural (museus, teatros, artes performativas, artes visuais, património) que evidenciam o envolvimento de pessoas, grupos e comunidades. A participação parece suscitar o interesse de diferentes entidades (públicas e privadas) de onde resultam iniciativas de natureza muito diversa.

Se é cada vez mais frequente o aparecimento de projectos culturais ditos participativos, entendemos que tem sido menos frequente a discussão sobre os modelos de participação em si: que níveis de envolvimento? Que expectativas? Que impacto? Como são avaliados? A questão afirma-se necessária: existirão em Portugal projectos intrinsecamente participativos na área cultural no sentido de uma efectiva partilha de poder e de decisão, ou apenas com elementos participativos? Em que ponto nos encontramos?

Esta publicação lança algumas pistas de reflexão sobre esta temática, perspectivando um quadro comum de problemas e de desafios que atravessa diferentes instituições e espaços culturais, mas acima de tudo antevê caminhos de actuação partilhados.

A publicação organiza-se em três partes. A primeira parte (Participação: Diversidade de Contextos e Perspectivas) reúne cinco textos que oferecem vários olhares e entendimentos sobre os desafios da participação nas instituições culturais. A segunda parte  (Ideias sobre Participação a Partir do Terreno) apresenta um conjunto de reflexões mais centradas na prática. A terceira e última parte (Consolidando Práticas de Participação) inclui uma reflexão sobre duas experiências em formato de entrevista, uma sobre o projecto da companhia de teatro Roadside Theater (Estados Unidos) e a outra sobre o projecto “Our Museum: Communities and Museums as Active Partners” (Reino Unido).

*****

ÍNDICE

  1. Introdução: Perspectivas sobre Projectos Participativos nas Instituições Culturais, por Ana Carvalho | 4

Parte I – Participação: Diversidade de Contextos e Perspectivas | 17

  1. Património, Herança e Memória, por Guilherme d’Oliveira Martins | 18
  2. Da Democratização das Formas de Governação na Política à Partilha de Autoridade no Campo dos Museus e do Património, por Ana Carvalho e Roberto Falanga | 29
  3. Paisagens da Ilha: Património, Museus e Sustentabilidade, por Áurea Pinheiro e Cássia Moura | 45
  4. A Exposição Agô: Relatos sobre uma Experiência de Curadoria Compartilhada, por Dóris Couto | 59
  5. Marketing Cultural 2.0: A Participação dos Públicos na Estratégia de Comunicação Digital, por André Leal Alves | 72

Parte II – Ideias sobre Participação a Partir do Terreno | 82

  1. Dez Ideias Feitas sobre Participação, por Pedro Homem de Gouveia | 83
  2. Concertos Participativos com o Coro e Orquestra Gulbenkian, por Miguel Sobral Cid | 91
  3. Centro de Memórias do Museu do Trabalho Michel Giacometti, por Maria Miguel Cardoso | 95
  4. Museu do Traje de São Brás de Alportel, por Emanuel Sancho | 103
  5. Comédias do Minho, por Joana Rodrigues | 109
  6. Guimarães nos noc, por Pedro Ferreira | 117
  7. Arqueologia Participativa, por José Paulo Francisco | 124

Parte III – Consolidando Práticas de Participação | 130

  1. Roadside Theater, uma Companhia de Teatro para o Desenvolvimento Cultural de uma Comunidade: Entrevista com Jamie Haft, por Maria Vlachou | 131
  2. Our Museum, promovendo a mudança nos museus: Entrevista com Piotr Bienkowski, por Ana Carvalho | 141

Notas Biográficas dos Autores | 151

****

Carvalho, Ana, org. 2016. Participação: Partilhando a Responsabilidade. Lisboa: Acesso Cultura. 158 páginas. ISBN: 978-989-20-6617-2. Disponível aqui: https://acessoculturapt.files.wordpress.com/2015/01/participaccca7acc83o-partilhando-a-responsabilidade-web.pdf e aqui: http://hdl.handle.net/10174/18667

Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

 

Capa do livro Memorylands

Macdonald, Sharon. 2013. Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today. Londres: Routledge. 293 páginas. ISBN 978-0-45333-2.

Sharon MacDonald começa o livro chamando a atenção para o facto de a memória se ter tornado uma preocupação central ao longo do séc. XX e XXI, tanto na Europa como em outras partes do mundo. O florescimento dos trabalhos sobre a memória tem sido alimentado, refere a autora, pela angústia quanto à amnésia cultural, com o receio da perda dos vestígios do passado, o desaparecimento daqueles que testemunharam os eventos históricos na primeira pessoa, e o desvanecimento da transmissão intergeracional das memórias. Sublinha ainda que a Europa se transformou na terra da memória – memoryland – obcecada pelo desaparecimento da memória colectiva e com a sua preservação, como fica patente na paisagem com o aparecimento de novos museus, memoriais, sítios de património, placas e instalações artísticas que servem para nos lembrar das histórias que não devem ser esquecidas. Um dos objectivos do livro é identificar os padrões nas abordagens e experiências sobre o passado na Europa, uma vez que a premissa da autora é de que prevalece um repertório de tendências neste domínio, ainda que por vezes contraditórias. E, por outro lado, identificar as variações mais relevantes dessas abordagens.

Sharon Macdonald é professora da Antropologia Cultural na Universidade de York (Reino Unido). É a autora de Difficult Heritage: Negotiating the Nazi Past in Nuremberg and Beyond (Routledge, 2008), Behind the Scenes at the Science Museum (Berg, 2002), Reimagining Culture: Histories, Identities and the Gaelic Renaissance (Berg, 1997). Editou The Companion to Museum Studies (Blackwell, 2006) e The Politics of Display: Museums, Science, Culture (Routledge, 1997). Foi co-autora (juntamente com Gordon Fyfe) de Theorizing Museums: Representing Identity and Diversity in a Changing World (Blackwell, 1996), entre outros.

CONTEÚDOS:

List of figures
Acknowledgments
Prologue

1. The European Memory Complex: An Introduction
2. Making Histories: Europe, Tradition and Other Present Pasts
3. Telling the Past: The Multitemporal Challenge
4. Feeling the Past: Materiality, Embodiment and Place
5. Selling the Past: Commodification, Authenticity and Heritage
6. Musealization: Everyday Life, Temporality and Old Things
7. Transcultural Heritage: Reconfiguring Identities and the Public Sphere
8. Cosmopolitan Memory: Holocaust Commemoration and National Identity
9. The Future of Memory – and Forgetting References

Notes
References
Index

Em venda na Routledge.

Fotografia e Memória no Museu da Nazaré

Cartaz DO QUE FALAM ELAS

O Museu Dr. Joaquim Manso (1976), na Nazaré, é um dos museus que antes se encontrava sob a tutela da administração central e que passou recentemente para a tutela da Direção-Regional de Cultura do Centro. Mas foi o trabalho que tem sido desenvolvido em torno da memória que motivou esta mini-entrevista com Dóris Santos, a coordenadora do museu. O projecto «De que falam elas? Conversas à volta das fotografias» explora o potencial dos contributos da população para documentar uma colecção fotográfica. As fotografias históricas são instrumentos muito úteis nos museus, não só porque podem remeter para informação documental relevante como podem ser o pretexto para a construção de uma relação com as comunidades.

****

Ana Carvalho (AC) – Fale-nos um pouco do projecto «De que falam elas? Conversas à volta das fotografias».

Dóris Santos (DS) – O Museu Dr. Joaquim Manso promoveu um ciclo de conversas em torno de uma selecção fotografias do seu acervo e da Imagoteca da Biblioteca Municipal da Nazaré. O projecto começou a 18 de Novembro de 2013 e terminou a 4 de Junho de 2014. Estes encontros informais serviram o propósito de enriquecimento informativo sobre as fotografias apresentadas, dando voz à comunidade e àqueles que assistiram, protagonizaram e/ou vivenciaram os acontecimentos e espaços captados nas fotografias.

AC – Quem participou?

DS – Participou a turma «Viver a Nazaré» da Universidade Sénior da Nazaré/Câmara Municipal da Nazaré, que foi o grupo mais regular e de suporte do projecto, conferindo-lhe estabilidade e a possibilidade de corresponder a metas de crescimento da interacção social. Mas a iniciativa foi aberta também à população em geral.[1]

AC – Como lançaram o projecto?

DS – No início do ano lectivo 2013-2014, o projecto foi apresentado às coordenadoras da Universidade Sénior e à turma de «Viver a Nazaré», orientada pela historiadora Ana Hilário (Câmara Municipal da Nazaré). Depois, fizemos a divulgação através dos meios de comunicação habituais do museu e do Município da Nazaré, convidando todos os interessados.

AC – Que motivações levaram à organização desta iniciativa?

DS – O projecto «Do que falam elas?» radicou, por um lado, na necessidade de documentar um imenso arquivo fotográfico do museu e, por outro lado, na vontade de estimular dinâmicas participativas com a comunidade. Por conseguinte, quatro objectivos gerais nortearam a sua estrutura:

a) sensibilizar para a função identitária do museu através da sua relação com a comunidade;

b) enriquecer o conhecimento sobre as colecções com a colaboração dos seus protagonistas;

c) aproximar as estratégias da missão educativa e social das instituições;

d) valorizar a aprendizagem informal ao longo da vida.

A Nazaré inspirou muitos trabalhos fotográficos ao longo do século XX, quer de autores nacionais quer estrangeiros. Estes trabalhos podem ser analisados numa vertente estética, mas igualmente num intuito documental inerente à pressuposta veracidade fotográfica, vertente no qual este projecto se baseou. As fotografias foram o pretexto para uma troca de informações e partilha de memórias. O nome do projecto corresponde ao título da fotografia de Avellar Soeiro (1918-2010) que ilustrou o cartaz.

© Museu Dr. Joaquim Manso, 2014

© Museu Dr. Joaquim Manso, 2014

AC – De que formas é que esta iniciativa se reflecte na missão do museu e na sua estratégia?

DS – O Museu Dr. Joaquim Manso visa representar a identidade histórico-cultural da região, com incidência na cultura do mar, a partir de três momentos principais: a história e a lenda do milagre de Nossa Senhora da Nazaré; o mar, as artes de pesca e as embarcações tradicionais; e o traje, nos seus aspectos mais característicos – trabalho e festa –, documentados por pintura e fotografia de Álvaro Laborinho, que fixam momentos da vida quotidiana desta vila piscatória.

Para cumprir a sua vocação, o museu desenvolve um conjunto de iniciativas dirigidas a um público o mais vasto e diversificado possível, visando o estudo e a divulgação das colecções, a democratização do acesso à cultura e a sensibilização para a cultura do mar. Assim, o museu cumpre também a sua missão social e de envolvimento comunitário, na sua dimensão colectiva e individual. Simultaneamente, a comunidade revê-se e identifica-se no museu, no qual são valorizados os percursos de vida de várias gerações.

© Museu Dr. Joaquim Manso, 2014

© Museu Dr. Joaquim Manso, 2014

AC – Que metodologias adoptaram?

DS – No início do ano lectivo estabelecemos o calendário temático e um limite de dez fotografias por sessão. As sessões, quinzenais, decorreram alternadamente no museu e na Biblioteca Municipal da Nazaré.

Os assuntos aproximaram-se da calendarização dos ritmos ou festividades locais; mas, o critério principal da selecção incidiu em áreas sobre as quais o museu dispunha de pouca informação na descrição e no inventário das fotografias ou sobre temas habitualmente menos privilegiados pela investigação e pelas exposições. No entanto, por ser um projecto em parceria, à proposta inicial foram integrados outros temas sugeridos pelos participantes, como o Carnaval, que é uma festividade vivida intensa e peculiarmente pelos nazarenos de todas as gerações. Além disso, os participantes também trouxeram imagens para as sessões.

Em cada sessão, as fotografias eram apresentadas cronologicamente através de uma projecção, facilitando a análise e a discussão conjunta. Duas técnicas do museu responsabilizaram-se pela cobertura fotográfica e pelo registo escrito das conclusões sobre cada imagem. A informação foi depois resumida e passou a integrar as fichas de inventário do Matriz, o sistema informático de inventário e gestão das colecções do museu.

Nalgumas sessões foram ainda convidadas pessoas conhecedoras dos assuntos tratados nas fotografias ou protagonistas em eventos retratados, que muito contribuíram para a dinamização do diálogo e para a riqueza informativa da conversa.

Em suma, o ciclo de conversas centrou-se nos seguintes temas: ondas da Nazaré (das grandes ondas da Praia do Norte ao mar à Pinoca); a venda do peixe: a lota; a Fábrica de Conservas de Peixe (presença de cinco antigas trabalhadoras da unidade da fábrica «Algarve Exportador»); traje tradicional; lavar e secar a roupa; brincadeiras infantis; Carnaval (presença do Rei do Carnaval 2014); Bombeiros Voluntários da Nazaré (presença do Comandante e do Presidente da Direcção desta corporação); Bairro dos Pescadores e pátios (presença de um representante da Mútua dos Pescadores na Nazaré); a escola e o ensino (presença de uma antiga professora primária); Festa do Homem do Mar (com o membro da comissão das festas 2014); e danças e ranchos folclóricos.

AC – É a primeira vez que realizam este tipo de trabalho de documentação através da memória?

DS – Para além da recolha de informação que o museu continuamente realiza junto da população, através de abordagens individuais, à mercê dos projectos em curso ou de carências pontuais de informação sobre objectos em estudo/inventário/exposição, tem vindo a ser estreita a parceria entre o museu e a Universidade Sénior da Nazaré, com a colaboração de professores e alunos das várias disciplinas. Pelo seu propósito de registo de vivências relacionadas com os objectos/espaços do museu, entre os projectos já desenvolvidos, salientam-se «Conversas de algibeira» (2010) ou «Memórias da minha rua» (2011).

AC – Em Portugal, no mundo dos museus, o trabalho com a memória, envolvendo a captação de testemunhos junto das comunidades tem ganho particular desenvolvimento nos últimos anos. Esta tendência também está ligada a uma maior valorização do imaterial?

DS – Ainda que possamos almejar objectivos de representação que vão para além da memória local, se nortearmos a missão do Museu Dr. Joaquim Manso por desígnios de um «Museu da Cultura do Mar», da representação da afinidade da Nazaré com o mar e, através desta, do que o mar tem significado na construção da identidade nacional, nos seus vários campos de acção (desde económico, social, científico-natural, geoestratégico, desportivo, estético e literário), este é um museu nascido de e com a comunidade. Pauta-se, por isso, por uma estratégia recorrente de ir ao encontro de parceiros representantes da comunidade na sua natural diversidade.

As exposições tem sido o resultado de uma construção com a comunidade. Mais do que o desfecho museográfico, interessa-nos o processo em si e do que daí deriva em termos de aproximação museu/comunidade, de encarar esta como uma imprescindível aliada nos processos de conhecimento, estudo, preservação e divulgação das colecções. Exposições como Da Nazaré à Vitória. Uma romagem de festa e devoção (2009), Nazaré. Memórias de uma Praia de Banhos (2010-2011) ou Como se veste a Nazaré? A tradição hoje (2013-2014) são exemplos dessa relação.

Ao nível educativo, foi com o projecto escolar Entre Freguesias. Patrimónios Cruzados (2012), realizado no âmbito do Centenário da Denominação de Concelho da Nazaré, que o museu promoveu a aplicação do Kit de Recolha de Património Imaterial (2011), recurso promovido pelo ex-Instituto dos Museus e da Conservação, junto de alunos do 1.º ciclo do ensino básico. Com o apoio do Agrupamento de Escolas da Nazaré e das Juntas de Freguesia, incentivou-se o trabalho de campo para a recolha de informação sobre três objectos do museu (rede de arte xávega, arado e mó de moinho), associados às práticas agrícolas ou piscatórias das respectivas freguesias de onde os objectos eram provenientes.

À espera que o peixe seque © Museu Dr. Joaquim Manso, 2011

À espera que o peixe seque © Museu Dr. Joaquim Manso, 2011

Ainda no âmbito do património imaterial, o museu documentou duas práticas: o processo artesanal da seca do peixe, que ainda é realizado diariamente na Nazaré, e a festividade anual do Círio de Nossa Senhora da Vitória. A documentação recolhida está disponível, desde 2011, através de fichas de inventário acessíveis no catálogo online MatrizNet, plataforma que divulga as colecções dos museus até recentemente sob a tutela do Instituto dos Museus e da Conservação/Ministério da Cultura.

Embora possa parecer uma definição estratégica apenas acertada pela dimensão material do património, na faceta visível dos objectos da colecção, ressalva-se que, acima de tudo, estes interessam pelo que significam enquanto vestígio memorial das pessoas, das suas interacções com o território, com a paisagem, com os desafios diariamente impostos, com as manifestações sociológicas e simbólicas daí derivadas… Esta essência patrimonial das colecções dos museus é indissociável da dimensão humana que lhes deu vida e passado.

Na Nazaré, a dimensão humana é ainda hoje traço identitário e distinto de outras comunidades costeiras, pela ponte que estabelece entre a modernidade do turismo e dos serviços e uma tradição enraizada na ligação com o mar e a cultura popular, orgulhosa e plenamente assumida e continuada.

AC – Terminada esta iniciativa, que balanço é possível fazer?

DS – Graças à espontaneidade inerente ao modelo de sessões informais, pode-se ter perdido a eficiência e focalização imediata de informação, mas ganhou-se na multiplicidade de perspectivas. Neste tipo de projecto é importante mantê-lo alinhado pelos objectivos inicialmente traçados e haver dinamizadores das sessões, que encaminhem o olhar dos presentes para além do que as fotografias oferecem à primeira instância; há o risco de uma mera identificação de pessoas e lugares, já que esta é a predisposição imediata dos participantes, retendo-se no saudosismo do regresso a figuras e espaços alterados.

Sentiram-se também algumas limitações sobre as fotografias que se reportavam a eventos, lugares ou pessoas anteriores aos anos de 1940. Quando a memória dos participantes era posterior a essa cronologia, tais imagens tornavam-se parcialmente indecifráveis, uma expressão colectiva, mas anónima, de um passado saudoso e idílico.

Foram vários os temas abordados, mas alguns caíram por falta de tempo, deixando o estímulo para a continuação do projecto. Algumas fotografias geraram controvérsias e elevaram os ânimos; despoletaram pesquisas e entusiasmos. Muitas memórias e conhecimentos foram recolhidos para enriquecer o inventário fotográfico do museu e, assim, prestar melhor serviço junto do público.

AC – Como reagiram, globalmente, as pessoas ao projecto?

DS – Os alunos da Universidade Sénior da Nazaré, assim como a  professora Ana Hilário aderiram prontamente à iniciativa e reagiram com empenho e a vivacidade, criando-se uma salutar empatia com a equipa do museu, transformando-o num projecto comum.

AC – Que conselhos daria a outros profissionais?

DS – Para o sucesso de um projecto similar é fundamental uma selecção cuidada de imagens, observando a sua qualidade de apresentação/projecção; organizar as intervenções e os contributos individuais; registar as conclusões numa pasta de projecto e nas fichas de inventário; iniciar, processar, avaliar e encerrar o projecto conjuntamente.

****

Dóris Santos é a coordenadora do Museu Dr. Joaquim Manso. Tem licenciatura em História, variante História da Arte (Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra), é mestre em Museologia e Património (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa) e é doutoranda em História da Arte (especialização em Museologia e Património Artístico) na mesma universidade. Email: mjmanso@drcc.pt.

O Museu Dr. Joaquim Manso abriu ao público em 1976, na antiga casa de férias do jornalista Joaquim Manso (1878-1956), localizada no Sítio, um dos núcleos populacionais mais antigos da Nazaré. Os testemunhos milenares da presença humana nesta costa, a história da vila e o culto de Nossa Senhora da Nazaré, a cultura do mar e as artes de pesca, o trabalho e a festa e os seus trajes tradicionais, são temas que compõem o percurso expositivo incidente na identidade da região e a sua íntima relação com o mar.

Links úteis:

Encerramento do projeto “Do que falam elas”

Descubra o património imaterial da Nazaré

Conversas de algibeira

Memórias da minha rua

http://mdjm-nazare.blogspot.com

https://www.facebook.com/MuseudaNazare


[1] Da parte do museu, participaram no projecto: Dóris Santos, Cecília Nunes, Deolinda Brites e Paula Freire; da Universidade Sénior da Nazaré: Filipa Lopes, Tânia Gandaio, Ana Hilário e alunos da turma “Viver a Nazaré”; e da Biblioteca Municipal da Nazaré: António Balau (apoio).

 

“Tesouros Humanos Vivos e Patrimonialização da Memória”

© Ana Carvalho

© Ana Carvalho

Barroseiro, Sofia (Junho 2013). Tesouros Humanos Vivos e Patrimonialização da Memória. Um olhar desde Arraiolos. Universidade de Évora, dissertação de mestrado em Museologia. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente); Filipe Themudo Barata (orientador); e Cyril Isnart (arguente). Defesa a 11 de de Junho de 2013.

****

Tesouros Humanos Vivos e a patrimonialização da memória. Um olhar desde Arraiolos 

(Resumo)

Um dos grandes desafios colocados ao mundo moderno é a necessidade e urgência da proteção do património cultural imaterial dos povos e das comunidades, que tende a desaparecer.

Todos estarão de acordo do trabalho que é necessário realizar: pesquisar, identificar, inventariar e preservar o nosso património imaterial com o objetivo de organizar um sistema coerente que salvaguarde, entre muitos outros aspetos, aqueles que possuem em si os saberes, as tradições e os conhecimentos de inegável valor histórico, social e artístico.

Daqui decorre a importância do programa dos Tesouros Humanos Vivos. Em primeiro lugar apoiar e incentivar o estabelecimento de sistemas nacionais de Tesouros Humanos Vivos, o qual passa pela preservação dos conhecimentos e técnicas necessárias para a identificação e recreação de elementos do património cultural imaterial. Esta iniciativa baseia-se na identificação e no apoio aos participantes de expressões culturais, assegurando a salvaguarda destas tradições através da transmissão de geração em geração.

Todavia, durante o levantamento dos Tesouros Humanos Vivos (partindo do estudo de caso do concelho de Arraiolos) são inúmeras as dificuldades relativamente à validação da informação por eles produzida e acerca da forma de proteger e recuperar os valores patrimoniais inerentes. E as dificuldades continuam se pensarmos no que fazer a todo o material recolhido, seja do ponto de vista institucional, seja nos problemas de acesso a essa informação, cuja validação é, tantas vezes problemática.

A presente reflexão pretende dar um contribuir positivo no sentido de dar resposta a questões como as seguintes: “como preservar o Património, segundo que procedimentos?”, sempre acompanhada da inevitável questão “porquê e para quem lhe dar valor?”.

*****

Living Human Treasures or when memory became heritage. A glimpse from Arraiolos

(Abstract)

What cultural heritage concerns one of the most important issues it’s the need to preserve and protect the intangible heritage threatened to disappearance.

Specialists agree upon what must be done: research, identified, inventorying and preserve intangible heritage in the framework of a global and consistent system that save those who have the know how, traditions and just knowledge of a important historical, social and artistic value.

That’s why is so important the Living Human Treasures Program. First, because it can support and promote an intangible heritage national system network, based upon the identification and the cultural expression memories, so that they can be preserved and transmitted through generations. Along the field work, using Arraiolos as a case study, it has been quite clear the difficulties about data validation, the way to organized these data from an institutional point of view and how to promote the acess to this interesting information.

That the aim of our intervention; our main questions could be the following: how to preserve this heritage and which should be the correct proceedings? Also why to do this and whom should evaluted it?

Museologia, entrevista com João Brigola

Biblioteca Nacional, 11 de Março de 2012

João Brigola, Biblioteca Nacional, 11 de Março de 2013        © Ana Carvalho

João Brigola. O nome será para muitos conhecido, sobretudo pela sua passagem pela direcção do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) entre 2009 e 2012. Com ele falámos sobre o seu percurso profissional, sobre a militância associativa em Santarém e na Associação Portuguesa de Museologia (APOM), sobre o ensino da museologia e sobre os actuais desafios das políticas museológicas em Portugal.

***

João Brigola (Lisboa, 1955) é Professor auxiliar com agregação na Universidade de Évora e membro do CEHFCi (Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência). É licenciado em História pela Universidade de Lisboa (1977) e Mestre em História Cultural e Política pela Universidade Nova de Lisboa (1990). Em 2001 doutorou-se na Universidade de Évora com uma tese sobre “Colecções, gabinetes e museus em Portugal no século XVIII”, publicada em 2003 pela Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação para a Ciência e Tecnologia e que recebeu o prémio de Melhor Investigação em Museologia (1999-2001) pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM). Mais recentemente, publicou também “Coleccionismo no Século XVIII – Textos e Documentos, Colecção Ciência e Iluminismo” (Porto Editora, 2009) e “Os viajantes e o livro dos museus” (Dafne Editora, 2010). Foi membro activo da Associação de Defesa do Património Histórico-Cultural de Santarém e foi vereador na área da cultura nesse município, tendo colaborado na candidatura de Santarém a Património Mundial. Fez parte dos órgãos directivos da APOM. Entre 2009 e 2012 assumiu a direcção do Instituto dos Museus e da Conservação. Tem sido professor convidado em várias universidades nas áreas da história da cultura, do património e da museologia (ex. Universidade de Cabo Verde, Universidade dos Açores, Universidade Nova de Lisboa, entre outras). joaobrigola@uevora.pt

***

Ana Carvalho (AC) – Qual o primeiro museu que se lembra de visitar e que memórias guarda dessa primeira experiência ou outros museus que o tenham marcado?

João Brigola (JB) – Não tenho uma memória clara do primeiro museu que tenha visitado em criança, mas recordo bem – já jovem adulto – um que foi a minha primeira percepção de que os museus estavam a caminhar para uma atratividade visual, para uma cenografia, que não eram comuns na minha infância. Foi um dos museus criados logo no período subsequente ao 25 de Abril – o Museu de Marvão. Um museu que juntava uma série de tipologias diferenciadas e que estabelecia uma ligação muito importante entre vários patrimónios, uma vila fortificada, antiga, com uma rica e variada memória material. E a exposição conseguia transmitir essa expressão de forma muito atractiva (…).

AC – Quais os museus que visita hoje sem ser por questões profissionais?

JB – Do ponto de vista profissional temos que saber acompanhar todas as tipologias de colecções, é essa a nossa obrigação. Por exemplo, durante uma licença sabática em 2005 estive vários meses em Roma (depois fui também a Londres) para preparar a minha agregação e consegui visitar praticamente todos os museus da cidade, que eram na altura perto de 70 unidades.

 Mas depois fazendo um balanço da experiência sempre cheguei à conclusão de que onde me sinto bem mesmo é a visitar museus de arte e, ultimamente, os museus de arte contemporânea, pela sua cenografia desafiante e também misteriosa, criativa. Contudo, a experiência, como visitante, mais marcante em Roma foi talvez no museu da Villa Borgehse, famoso, entre outras obras, pelas esculturas de [Antonio] Canova, e poder com o áudio guia ir selecionando as peças, sentar-me tranquilamente, sem grandes enchentes de gente, e estar a fruir a obra de arte com a ajuda das explicações gravadas.

Gosto também de visitar os museus de ciência. Podia exemplificar com um que é um pequeníssimo museu, dedicado a [Herman] Boerhaave, na cidade holandesa de Leiden. Para nós portugueses também nos diz muito porque foi lá que se formou um dos nossos estrangeirados do período das Luzes, um refugiado judeu, o [António Nunes] Ribeiro Sanches, que veio a ser médico de Catarina da Rússia, e que com os seus escritos influenciou decisivamente a reforma pombalina, nomeadamente no campo da História Natural e da Medicina. Em Moscovo, esteve muitos anos ao serviço da corte imperial, também ligado ao exército czarista. Depois voltou a Paris, não voltou mais a Portugal, mas de Paris influenciou com os seus escritos decisivamente a reforma universitária. E em Leiden foi aluno do grande Boerhaave. Seguramente terá presenciado a visita do naturalista sueco e pai da sistemática Carl Lineu.

Acho que uma das coisas que me impressionou nesse museu foi um retrato original de Lineu, vinda de Upsala [Suécia], vestido a rigor como naturalista para fazer as suas recolecções num clima mais ameno, ali nos Países Baixos. É um museu que também me agradou muito pela sua capacidade de conciliar aquilo que é a sábia manutenção dos testemunhos de uma museografia histórica com as novas apostas da museologia contemporânea, nomeadamente nos serviços educativos.

AC – Falando um pouco do seu percurso profissional, como é que se dá essa aproximação ao património e aos museus?

JB – Foi por um processo natural. Tendo-me licenciado em História e seguido a carreira docente, este fenómeno dos equipamentos culturais, do património, foi onde inicialmente investi mais. Em Santarém onde vivi alguns anos, sendo já também na altura assistente na Universidade de Évora, foi decisivo o contacto com uma das mais antigas associações de defesa do património – a Associação de Estudo e Defesa do Património Histórico-Cultural de Santarém. Uma associação fundada em 1978, muito activa, onde me cruzei com personalidades absolutamente decisivas no meu amadurecimento cívico como Victor Serrão, Pedro Canavarro, e os irmãos Florindo e Jorge Custódio. Além de Amigos são personalidades do mundo da arte, da cultura e do património, que me marcaram imenso, num ambiente intelectual de activismo extraordinário, de teoria e crítica, mas também de colaboração com o que se ia praticando no Centro Histórico de Santarém.

Cheguei a ser presidente dessa associação. Fiz todo esse percurso de militância associativa, que é um ponto de vista onde o verdadeiro amador se consegue posicionar face aos diferentes poderes, aos diferentes problemas. Foi aí que fiz uma grande aprendizagem, um excelente tirocínio. Existia uma comissão chamada Comissão de Salvaguarda, que atribuía prémios, faziam-se debates interessantíssimos, horas a fio a discutir e a apurar os prémios. Fazíamos depois cerimónias formais de entrega dos prémios a donos de obras e a autores de projectos de arquitectura, envolvendo assim a sociedade nas nossas actividades. E tudo isso culminou, mais tarde, com uma candidatura, ainda que frustrada, mas que foi muito pedagógica, de Santarém a Património Mundial da UNESCO.

Inclusivamente, neste percurso cheguei a ser vereador da Câmara de Santarém, com os pelouros do Património e da Cultura e do Turismo. Tomei contacto em Paris com o Comité do Património Mundial, onde me desloquei pessoalmente com os arquitectos e responsáveis da Câmara de Santarém. Essa aprendizagem foi excepcional e devo-a a uma vivência de que Santarém foi a matriz.

Depois, em Évora, foi a chegada ao universo académico da museologia. Isso deu-se por uma circunstância um pouco fortuita, que foi a necessidade imperiosa de elaborar uma tese de doutoramento. A minha primeira escolha foi relacionada com o património arquitectónico, mas verifiquei rapidamente que esse era um território científico já muito povoado.

Já num segundo ciclo da minha vida associativa (o associativismo, para mim, juntamente com a academia têm sido determinantes), a militância na Associação Portuguesa de Museologia, na APOM e contacto com personalidades como Henrique Coutinho Gouveia, Fernando António Baptista Pereira, Fernando Bragança Gil, que depois veio a ser o meu orientador principal da tese, apercebi-me rapidamente que havia muito mais a fazer no campo dos museus em termos de investigação do que propriamente no património, que já era como disse um território muito denso. Portanto, nesse sentido foi fácil depois escolher o período, na medida em que a minha tese de mestrado também já tinha tratado o séc. XVIII e a primeira metade do séc. XIX, ou seja o período da Ilustração ao Liberalismo. Mantendo-me aí também me apercebi que havia muito a fazer. E aqui está uma escolha natural, em percursos académico e associativo interligados e complementares.

AC – Começa a ligar-se à APOM em que época?

JB – Já nos anos 90 (…). Cheguei à APOM com o Fernando António Baptista Pereira que estava na direcção, na primeira metade dos anos 90. Depois, pela mão do António Nabais à direcção da APOM, já numa fase subsequente, entro na direcção da APOM em vários mandatos com pessoas como o António Nabais, a Madalena Braz Teixeira, o Fernando António [Baptista Pereira] que se manteve também nosso colaborador, José Monteroso Teixeira.

Gostava de recordar com saudade uma tertúlia que infelizmente se perdeu e que se realizava periodicamente na casa da Drª Madalena Braz Teixeira [1], então Directora do Museu Nacional do Traje. Chegámos a divulgar um manifesto pelos museus e publicámos alguns estudos informais no âmbito da preparação da Lei-Quadro dos Museus.

AC – Esse manifesto foi público?

JB – (…) O manifesto veio a público naquele período em que o governo Guterres se tinha demitido, período de transição pré-eleitoral com a previsão de que o PSD viesse a ganhar. A nossa intenção, com o Manifesto, era a de chamar a atenção do novo governo (que veio a ser o governo de Durão Barroso) para dar maior relevo aos museus.

AC – E nessa altura os problemas… comparando com a situação actual, há elementos transversais?

JB – Há sempre problemas comuns, por exemplo o problema dos investimentos, a vexio questio da suborçamentação – é um problema crónico, sobretudo para as despesas correntes, aquelas que os museus necessitam para o seu dia a dia e isso é verdadeiramente uma coisa que nunca ficou verdadeiramente resolvido. Esse é um problema estruturante.

É evidente que desde então muita coisa mudou para melhor, o que é normal. Desde logo é obrigatório referir-se a Lei Quadro dos Museus, a 47/2004, de 19 de Agosto, que durou alguns anos a preparar, mas que foi publicada no governo PSD. Portanto, houve aqui uma transversalidade político-partidária que interessa manter em matéria de definição de políticas culturais. Isso já tinha acontecido com a rede de bibliotecas públicas, aconteceu com a Rede Portuguesa de Museus, com a lei quadro, circunstância decisiva para se criar um clima de avanço institucional no mundo dos museus. E isso é um dado novo, que na altura do manifesto ainda não existia. Depois houve mudanças, porventura nem sempre para melhor.

AC – E em relação ao ensino da museologia na Universidade de Évora, como é que surge o mestrado? Já era lá professor.

JB – Estava a acabar o doutoramento. Foi também um processo natural de prolongamento daquilo que desde 1993 vinha a ser institucionalizado na Universidade, pelo Departamento de História, e que era o ensino do Património Cultural numa licenciatura autónoma da História. Nesse Curso, num tempo em que o ensino universitário da museologia se resumia apenas a um ou dois exemplos, havia uma cadeira de Museologia. Tive a sorte de ser o docente escolhido para dar essa cadeira. Essa circunstância também me proporcionou pontes desde logo com outros colegas de outras universidades e com a Associação Portuguesa de Museologia (APOM). Foi também uma porta que se abriu para a minha entrada no universo dos profissionais de museus. A partir daí passei a ter como interlocutores os profissionais dos museus, muito mais do que os meus próprios colegas da universidade.

Em 1999, na prossecução normal desta caminhada, a Direcção do Departamento, na altura dirigida pelo Prof. Filipe Themudo Barata, desafiou-nos para estruturarmos a primeira edição de um Curso de Mestrado em Museologia que arrancou em 1999-2001. Esse primeiro curso contou com quase 70 candidatos. Tivemos que fazer entrevistas e uma selecção muito apertada, para chegarmos ao número estabelecido de vinte e cinco. A esmagadora maioria dos candidatos era profissional em museus, provenientes de todo o país e alguns exerciam mesmo o cargo de directores das suas instituições. Obviamente com muita presença alentejana e algarvia, mas também de todas as regiões do país concorreram, carenciados de formação, muito atraídos igualmente por duas outras razões.

A primeira, pela própria cidade de Évora que é em si mesmo uma ‘marca’ muito forte. Isso é um fenómeno que nos ultrapassa, uma mais-valia única. Mas julgo que o corpo docente que nós conseguimos oferecer terá sido também decisivo nessa quase que massificação da procura do nosso curso. Na altura tínhamos autonomia financeira, quer dizer que a direcção do curso podia escolher convidados e pagar-lhes de acordo com a tabela do CRUP (e até mais generosamente) e nós tivemos essa capacidade de ir buscar, porque conhecíamos as pessoas, os melhores professores que havia no mercado, professores até de outras universidades, sendo a maioria técnicos muito experimentados em museus de referência, ou em profissões afins (design, arquitectura, luminotecnia, restauro).

AC – Qual o balanço que faz da formação em museologia na Universidade de Évora?

Acho que é indiscutível que a partir do momento em que a Museologia passou a ser matéria ensinada a nível universitário, estamos a dar razão ao museólogo croata Tomislav Sola, convidado nos anos 90 para, em Umea, na Suécia, dar uma conferência sobre a oportunidade de as universidades ensinarem museologia. Ele afirmava: “pouco me importa se a museologia é uma ciência ou não é, o que me interessa é que a partir do momento em que ela é ensinada na universidade passa a deter um estatuto científico”. Ou seja, a passagem da Museologia a um novo estatuto gnoseológico por via de uma didáctica credenciada. Lembremos merecidamente [Ernesto] Veiga de Oliveira, que já nos inícios dos anos 70 ensinava Museologia no âmbito de um curso de Etnologia no antigo ISCPU, mas tratara-se de um exemplo que permaneceu isolado entre nós até à década de 90. Mas é um fenómeno europeu, já que o ensino formal da Museologia começa timidamente a dar os primeiros passos, como em Itália, só a partir dos anos 70-80.

Portanto, esta nova oferta universitária trouxe um mundo novo de qualificação a muitas dezenas de profissionais que já se situavam no território da praxis, mas carentes de um enquadramento bibliográfico actualizado. E disso acho que todas as universidades que ensinaram museologia se podem orgulhar de terem cumprido. O Porto, que foi a primeira universidade com uma pós-graduação, depois passando pela Universidade Nova de Lisboa que foi a primeira em termos de mestrado público, e a nossa que veio logo a seguir com Coimbra, antes de uma pulverização que entretanto se começou a verificar.

Julgo que aí é que as coisas começaram realmente a correr mal na medida em que houve a tentação de matar a galinha dos ovos de ouro, resultando em dois procedimentos de gestão universitária que se revelaram desastrosos. O primeiro foi a atomização do seu ensino. Chegou-se a contabilizar 11/12 cursos em todo o país a ensinar Museologia, o que é claramente excessivo. E depois, com a introdução do Sistema de Bolonha, a sua anualização foi outra machadada numa desejável sustentabilidade da oferta formativa.

Ou seja, até então (2007-08) o panorama era o de 4 ou 5 universidades, territorialmente bem distribuídas em todo o país: Porto, Lisboa, Coimbra e Évora, que geriam a oferta de uma forma coordenada entre si, evitando no mesmo ano o arranque simultâneo de todos os cursos. Assim, havia abertura de novas edições de dois em dois anos, mas com calendário desencontrado, minimizando a competição. Havia sustentabilidade porque o segundo ano do Curso permitia uma maior disponibilidade dos docentes para acompanharem as dissertações.

Sublinho a razão decisiva para as dificuldades hoje visíveis no ensino universitário da Museologia: a existência pouco fundamentada e até pouco credível do ponto de vista científico, um pouco por todo o lado, de vários cursos de Museologia, e ainda por cima com abertura anual. Na maior parte desses novos cursos não se verificava aquela ligação, como havia nos quatro ou cinco cursos iniciais, ao mundo da prática profissional. Esses primeiros docentes detinham um contacto directo com a realidade museológica, ou por serem profissionais ou porque militavam em associações, eram pessoas reconhecidas no meio museológico. A partir daí isso deixou de acontecer, tanto mais que mesmo as universidades públicas deixaram de poder contratar ou convidar sem entraves os profissionais mais qualificados. O resultado salta à vista com o encerramento (veremos se apenas transitório ou se definitivo) da maioria dos cursos de mestrado em Museologia.

Recordo-me bem de uma reunião do ICOM [ICOM-Portugal], em 2008 no Porto[2]. Na altura intervim em nome da Universidade de Évora, chamando a atenção para este fenómeno de ameaçador refluxo. A maioria dos meus colegas reagiu mal a esse diagnóstico, considerando a minha leitura catastrofista e pessimista… Certo é que a partir daí tem-se vindo a verificar o fecho de cursos, a diminuição da procura, para mais com todo o contexto de crise financeira que acarreta óbvias repercussões sociais e na capacidade das famílias para pagarem os estudos.

E depois um outro fenómeno muito preocupante que é o de termos em universidades das grandes cidades turmas de Museologia cheias de alunos, mas – arriscaria a dizer – a maior parte deles ali chegam sem a percepção real do que é que é um Museu, incapazes de sustentar porque é que frequentam esta área de estudos e não outra, sobretudo recém-licenciados. Por vezes um ou outro aluno emerge com alguma experiência e já inserido no mundo profissional, mas perdido no meio de iniciantes, o que transforma este ensino numa experiência cada vez mais frustrante.

AC – Como disse é difícil sustentarmos isto actualmente e a longo prazo. O que é que é possível fazer na sua opinião para..que estratégias podem ser desenvolvidas, como podemos ultrapassar esta situação?

JB – É pena que, mais uma vez, estejamos a ter não um pensamento estratégico mas um pensamento reactivo. É a própria realidade que nos obriga a tomar decisões quando não tinha que ser assim. Seria importante que o país se habituasse a ter um pensamento estratégico sobre as suas políticas públicas. De facto, não havendo auto regulação, nem articulação, nem coerência entre políticas públicas, estamos agora na eminência de ter que tomar posições drásticas.

E por isso eu diria que a posição sensata que se impõe é a de assumir que muitos destes cursos têm de pura e simplesmente fechar. Nos que se consigam sustentar, deveríamos voltar ao modelo de abertura bienal – apesar da necessidade de entrada de verbas nos cofres universitários, que é o que tem conduzido a gestão universitária a pressionar directa ou indirectamente a abertura de cursos – e, porventura, nalguns casos (como o da Universidade de Évora) reformular o ensino da Museologia sob uma umbrella mais larga, de um chapéu epistemológico de agregação de saberes do Património Cultural e da Museologia, a qual continuará a afirmar-se mas através de ramos ou especializações como de resto acontece também no 3.º ciclo.

É um problema que ainda está longe de resolvido. Não podemos afunilar esta temática apenas em termos de 2.º ciclo, mas olhar igualmente para o que se passa no 3.º ciclo. No fundo diria que há que assumir que é difícil manter hoje uma autonomia plena da Museologia como matéria ensinável, mais não seja pela inexistência de massa crítica com ratios aceitáveis pelas autoridades de avaliação do sistema universitário. É que hoje em dia as agências de avaliação são muito exigentes, só dando cobertura a um curso de uma determinada área se houver um ratio de professores habilitados e especializados, que não se dispersem por mais do que um doutoramento, critério que defendo também para o mestrado. Isso obriga a concentrar esforços intra e inter – universitários. E uma das maneiras possíveis será, repito, ao nível do 2.º ciclo enquadrar a Museologia no Património Cultural e ao nível do 3.º ciclo manter e aprofundar este modelo, que já está no terreno, que é o da Museologia como ramo ou especialização de áreas do saber mais consolidadas (História, História da Arte, História e Filosofia da Ciência, Antropologia, etc.).

AC – E neste momento já há pessoas a fazer investigação de pós-doutoramento.

JB – Mas aí é relativamente fácil enquadrá-las porque o pós-doutoramento pode ser feito em ligação directa ou com o orientador ou com um centro de investigação. Mas com ensino curricular, o 3.º ciclo está alocado noutras áreas do saber e, portanto, penso que é por aí que nos próximos tempos temos que nos manter, sendo que o panorama é apostar na qualidade, não na quantidade, sendo regra de ouro não querer abrir cursos sem sustentabilidade assegurada.

É esse o panorama, até porque no fim da cadeia não nos podemos esquecer que temos um problema gravíssimo com a generalizada ausência de empregabilidade. É evidente que não defendo um pragmatismo ilimitado que só permitisse ensinar conteúdos que à partida assegurassem empregabilidade, isso seria obtuso. Mas obviamente que tem que estar no nosso horizonte a equação dessa questão. E no refluxo em que nos encontramos, a quantidade de museus não vai seguramente aumentar, pelo contrário, e a capacidade de absorver novos quadros se não estancou está em refluxo também. E, portanto, é perante esta realidade que as universidades têm que perceber que têm de fazer um esforço de fusão, de contenção.

AC – Faz sentido aqui falar de parcerias entre universidades, seja a nível nacional seja a nível internacional?

JB – Sem dúvida. É para aí que as coisas se estão a encaminhar. Todos os relatórios e as indicações e orientações da FCT [Fundação para a Ciência e Tecnologia] vão nesse sentido: o trabalhar em rede, fundir ou federar centros de investigação, criar cursos interuniversitários, e internacionalizar sempre que possível. Mas, devo dizer que sou muito céptico em relação à sua praticabilidade imediata, a não ser que se alterem radicalmente hábitos e procedimentos de enquistamento universitário.

Há, todavia, sinais de que isso pode mudar e dou-lhe um bom exemplo que é aquele que recentemente foi apresentado à FCT, sob o acrónimo de Heritas, que é um projecto de 3.º ciclo, onde a Museologia também está integrada, mas numa visão mais ampla de Património Cultural. É um primeiro exemplo, ainda não de internacionalização, mas de uma perspectiva interuniversitária e, sobretudo de cruzamentos pluridisciplinares surpreendentes, no âmbito do Património Cultural.

AC – Se pensasse a nível internacional há alguma escola ou universidade que com que quisesse colaborar?

JB – Vem-me imediatamente à mente o mundo lusófono, porque é um universo demográfico muito atrativo e conta com a facilidade comunicacional da língua comum. No terreno, o intercâmbio de experiências já há anos que está estruturado, muito em particular com o Brasil. As publicações – quando falamos de internacionalização não devemos esquecer que não significa apenas escrever os nossos textos em inglês. Podemos cumprir a internacionalização escrevendo em português e isso é o que está a acontecer todos os dias com as relações sempre tendencialmente mais fortes com o mundo da lusofonia, muito em particular com o Brasil. A UNIRIO [Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro] oferece neste momento um curso de 2.º e 3.º ciclo, sendo que o 3.º ciclo é inovador no âmbito brasileiro e editam uma interessante e dinâmica Revista online – a Museologia e Patrimônio na qual se vai publicando colaboração portuguesa.

Sem esquecer que institucionalmente as nossas relações com Espanha também são muito relevantes. De resto decorreu recentemente o terceiro encontro ibérico de museus, o primeiro foi em Mérida, em 2009, o segundo foi em Braga em 2011, e agora em Valladolid. Existe de há muito uma relação institucional entre os museus ibéricos. Em termos universitários poder-se-ia seguramente dar aí uma ligação, que de resto já tem acontecido. Por exemplo, alguns dos nossos doutoramentos em Museologia têm decorrido com a presença em júri de museólogos espanhóis. Não nos devíamos afastar muito mais deste universo geo-cultural do mundo da lusofonia e do mundo ibérico.

AC – A Universidade de Évora tem desde 2009 um doutoramento em História e Filosofia da Ciência com a possibilidade de especialização em museologia. Qual é na sua opinião o papel da história da ciência para a investigação em museologia?

Este foi o modelo que se defendeu – não sem controvérsia – há uns anos atrás quando se colocou a hipótese de, no âmbito do CEHFCi, o Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência, se avançar para um terceiro ciclo e nele incluir a Museologia. De um bom debate de ideias fez-se um benchmarking e foi fácil perceber que nessa pesquisa de comparabilidade europeia e até norte americana são muitos os exemplos semelhantes, ou seja inserir o ensino da Museologia na estrutura curricular da História da Ciência. Foi isso que se adoptou, e bem, em 2009.

Fazendo um balanço destes últimos anos, os resultados estão ainda no seu início. Talvez durante este ano de 2013 em que está prevista a conclusão de várias teses se venha a obter maior expressão quantitativa. Diria que será sempre um fenómeno pela sua natureza numericamente contido, mas que poderá proporcionar a existência de teses inovadoras, bem fundamentadas, onde a ligação, a interpenetração dos saberes da História da Ciência com a Museologia são muito evidentes. Estou-me a referir em particular a uma das teses em elaboração, na área da Museologia Histórica dos séculos XVIII e XIX, com temática no campo da História Natural, da autoria de um jovem investigador vindo da área da Biologia.

AC – Como avalia a produção científica que se faz na área da museologia? A museologia é uma área onde se produz pouco em termos de literatura científica. Concorda?

JB – É uma avaliação que requer relativização. Temos que adoptar uma perspectiva histórica, considerando sempre a diacronia e a contextualização das coisas. Quando começámos a ensinar Museologia na Universidade não havia praticamente investigação actualizada. Esse panorama numa década alterou-se radicalmente. Há pois que ter bem presente que a Museologia é uma recentíssima área de estudos académicos. Face ao balanço que se faz dessa produção não podemos dizer que se produz pouco, lembremos as revistas nacionais nesta área e as dissertações e teses que o 2.º e 3.º ciclo têm produzido, sem esquecer a prolífera produção de catálogos de exposições. Não me parece que seja assim tão insignificante quanto isso.

É evidente que ainda haverá muito mais para fazer, apostando-se mais na qualidade do que na quantidade numa fase que se espera que seja de uma maior internacionalização dessa produção, embora considere que ela não pode ser vista como um valor absoluto em si. É preciso saber do que estamos a falar quando falamos de internacionalização e é preciso perceber de que saberes é que estamos a falar. Falar na internacionalização na área das Ciências Humanas não é o mesmo que falar nas Ciências Exactas ou das Ciências da Vida, porque essas são ‘internacionais’ por natureza.

Quando falamos de Ciências Sociais e Humanas há que perceber que há matéria de investigação que interessa muito pouco para lá do universo do que estamos a analisar. Há um universo nacional e há um universo regional e até local que tem que ser estudado e, portanto, é precipitado e desajustado estar a defender uma internacionalização como um valor absoluto.

É preciso encontrar zonas de confluência de interesse na publicação de estudos sobre realidades localizadas. Há apesar disso tudo temáticas comuns e essas sim podem ser internacionalizadas. Imagine falar da Museologia em Portugal no séc. XVIII ou XIX ou mesmo no séc. XX, dificilmente interessará nos seus pormenores a um público de investigadores que não sejam propriamente os portugueses. Tem que haver aí um outro trabalho de um denominador comum a uma comunidade científica internacional e é nisso que tem que se investir. Mas haverá sempre franjas de investigação que não podem ser internacionalizadas.

AC – Qual deverá ser na sua opinião a evolução desejável para a investigação em museologia nas universidades?

JB –Sim à investigação universitária, mas o âmbito institucional directo e evidente para isso acontecer será nos centros de investigação. Serão os diferentes centros de investigação que tem que definir projectos, tal como está assumido nas recentes directivas da FCT. Cada Centro terá de definir muito claramente qual é a sua missão, qual o ‘projecto comum’, qual o seu perfil investigativo, se possível em articulação, o que não significa forçosamente fusão, mas em articulação em rede com outros centros afins. As linhas de investigação serão aquilo que os investigadores entenderem que devem ser.

AC – Esteve na direcção do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC), quer falar um pouco do balanço dessa experiência?

JB – É sempre difícil fazer defesa em causa própria. O que posso dizer é que em consciência, o mais racional que me é possível, com toda a subjectividade que sempre acarreta, diria que me orgulho do trabalho que foi desenvolvido ao longo destes quase dois anos e meio em que estive à frente do IMC.

Foram continuadas linhas de trabalho muito importantes, nomeadamente em termos da Rede Portuguesa de Museus, a publicação da revista Museologia.pt, a inventariação com toda a linha Matriz.

Outro aspecto ainda – o ter trazido o modelo de gestão que está a dar os seus frutos e que são muito evidentes, de maior visibilidade pública e de maior eficácia no nosso ‘museu de bandeira’ que é o Museu Nacional de Arte Antiga, com a definição de grandes exposições internacionais, com uma visibilidade que o museu não tinha há muito tempo. Naturalmente que nós todos esbarramos com uma dificuldade que é a desorçamentação cada vez mais crítica e mais bloqueadora. Mas, apesar de tudo, há nos museus e nos serviços centrais um capital humano – e é isso que eu também gostava de deixar sublinhado – muito qualificado e muito dedicado. A esmagadora maioria dos técnicos e directores de museus são pessoas altamente competentes, empenhadas no seu trabalho, comungando um espírito de serviço público notável.

Como balanço positivo a renovação que se foi fazendo nos quadros directivos de museus, através da abertura de concursos públicos. Verificou-se como dado novo a disponibilidade de imensas pessoas para o cargo de director de museu. Quer provenientes do mundo da universidade, ou das autarquias, além de técnicos dos próprios museus, pelo que foi possível renovar pelo menos um terço dos 29 museus e cinco palácios. E com isso abriu-se uma porta para ultrapassar uma visão que se tinha dos museus, como lugares de responsáveis inamovíveis, de directores que se perpetuavam nos cargos. Ora, isso começou a ser modificado e hoje temos à frente dos museus, em parte, uma geração nova.

AC – Com a crise foram feitas grandes alterações, de desinvestimento na cultura, mas a verdade é que tem havido muito pouco debate e uma certa passividade em contrariar estes efeitos. Não tem havido muito debate para pensar estas questões a nível estratégico, em como ultrapassar… 

JB – Deixe-me voltar atrás porque há um aspecto do balanço que me pediu à frente do IMC. Há também uma linha de actuação que vem a crédito de uma política que definimos no anterior governo e a que o actual acabou por dar sequência. Estou-me a referir à passagem para a tutela das direcções regionais de um conjunto de museus que estavam até então centralizados em Lisboa.

Penso que isso foi uma política que deve ser continuada que trará a prazo a evidência de que o caminho a trilhar é esse. Descentralizar, permitir que sejam as próprias regiões a tomar em mãos o destino desses equipamentos culturais, sem que deixem de ter o apoio qualificado das estruturas centrais. Creio que assim se deu um salto importante para limitar a ingovernabilidade de uma macroestrutura, gigantesca, com quase 1000 funcionários, 29 museus e cinco palácios nacionais; o director geral trabalhando com mais de 40 chefias… Era, portanto, uma estrutura muito pesada, quase que paralisante. E esta decisão de descentralização de boa parte dos museus ‘regionais e ‘locais’ que nasceu com o governo anterior veio para ficar – muito por influência do IMC que fez essa doutrinação e que travou esse combate, apesar da incompreensão de muitos.

Em relação à questão que me coloca devo confessar que não tenho seguido de perto a ‘fortuna da crítica’, porque há um ano que me encontro de novo absorvido pela universidade e pela investigação. Todavia, há uma palavra que não devo calar: o exercício da crítica tem regras, sendo a primacial o saber fundadamente do que se fala. Mas nos últimos anos foi-se fazendo de uma forma genericamente impreparada. Algumas pessoas com mais fácil acesso aos meios de comunicação, parece não terem entendido que a actividade crítica, para ser credível, implica estudo, tomar por dentro a realidade das coisas, conhecer a legislação e os números, em suma, preparar-se. Ora, o que se verificou foi a ‘vitória’ da escrita leviana, ignorante e de efeito fácil – a criação de ‘casos’. O que isso criou, a meu ver, foi uma descredibilização da crítica (com reduzidas excepções), que se movimentou na área do património cultural e da museologia.

E agora, o silêncio constrangido é a outra face da ignorância atrevida dos antigos críticos. Acredito, apesar de tudo, na emergência de uma nova geração capaz de produzir ‘crítica cultural’ a partir do entendimento intelectualmente sólido e honesto da realidade o país, dos perfis das políticas públicas e, sobretudo, libertos de cartilha ideológica e de ambições carreiristas.

AC – Eu falava também ao nível dos próprios profissionais e das Universidades, este período poderia ser o momento também para pensar de uma forma construtiva.

 JB – Mas isso dessa forma construtiva tem sido muito raro.

 AC – O mundo dos museus e das universidades têm permanecido na maior parte das vezes em esferas distintas de acção. Na sua opinião, de que forma universidades e museus poderão trabalhar em conjunto? De que forma esse trabalho poderia ser mais potenciado?

JB – Esta colaboração actualmente é muito superior aquilo que era no passado a vários níveis. Dou-lhe um exemplo. Promovemos no Alentejo, em Évora e na Aldeia da Luz, um encontro para estimular a formação de uma rede regional de museus. E nesse âmbito as pessoas que estavam presentes chegaram à conclusão de que a esmagadora maioria dos museus presentes tinham à sua frente pessoas formadas na Universidade de Évora. Portanto, o panorama de direcção, e faço-lhe recordar o primeiro documento da OAC [Observatório das Actividade Culturais] que foi feito com o IPM [Instituto Português de Museus] na altura daquele inquérito aos museus de 2001. Um dos aspectos mais chocantes, estamos a falar há uma década atrás, era a grande desqualificação dos seus dirigentes, dos técnicos, dos directores. Esse panorama desapareceu, em grande medida.

AC – Permanecem talvez as equipas pequenas.

JB – Julgo que a maior parte dos museus têm já pelo menos um técnico, às vezes até mais, formados. É esta a percepção que tenho. É que dantes não havia ninguém. Eles podem não ser o director, podem não ser o responsável directo, mas pelo menos um técnico com formação universitária. Ora isso é produto de um trabalho de qualificação no qual as universidades tiveram um protagonismo pioneiro. Depois há algumas exposições com catálogos, comissariado de exposições, nos quais as universidades têm um papel muito evidente. Mais ligação, deixe-me ver…

AC – As colecções, por exemplo, estava-me a lembrar daquele encontro sobre as colecções científicas [3].

JB – O consórcio das colecções históricas de História Natural é uma evidência. São universidades e museus que têm colecções próprias e está-se a formar neste momento a ideia de que será possível agregar em rede – o que mais tarde até pode vir a ter a designação de Instituto -, vários centros de investigação no âmbito da história da ciência congregados por acção directa de um museu. Ou seja a nossa ideia é que um museu possa congregar os vários centros de investigação. Portanto, isso é significativo de que há um novo papel, um novo relacionamento entre museus e universidades.

Alguns dos professores das universidades têm sido chamados a colaborar com a elaboração de programas museológicos. Só no Alentejo estou-me a lembrar do caso de Serpa, de Viana do Alentejo, Évora… As pessoas que estão nos museus e nas instituições estão a recorrer de uma forma penso crescente ao know how das universidades.

AC – O investimento condicionado na cultura implica repensar estratégias e prioridades. Na sua perspectiva, quais deveriam ser as prioridades da política museológica nos próximos anos?

JB – Em Dezembro de 2009 o IMC apresentou à tutela um plano estratégico para os museus [4]. Se hoje repegasse nesse plano, com a visão, a missão, os diferentes eixos, manteria no essencial o seu conteúdo. É um plano que a meu ver se mantém actual. 

Quais são as prioridades? São tantas …Se calhar consolidar o que já está feito. O que parece mais sensato, mais prudente, fazer num período de grande aperto financeiro é optar pela consolidação em detrimento da expansão. Acho que é errado imaginar no universo museológico, como até há algum tempo atrás, uma política expansionista, isto é, abrir museus de uma forma acrítica. A própria Administração na definição de políticas públicas deu maus exemplos.

O caso mais conhecido de todos é o brutal investimento de 40 milhões de euros num edifício que ninguém pediu, um edifício novo para o Museu dos Coches que foi iniciativa do Ministério da Economia por via das verbas do Turismo. O Ministério da Cultura, tanto quanto sabemos, não foi visto nem achado para essa decisão. No IMC criámos um grupo de trabalho para ir acompanhando a obra e para reflectir sobre o modelo de gestão a adoptar depois da entrega da obra. Desde logo percebemos que nós na Cultura não tínhamos capacidade para gerir o novo edifício com o modelo actual de orçamentação.

O próprio Estado deu aqui um mau exemplo ao expandir em vez de consolidar. Não faz sentido na mesma cidade, a poucas centenas de metros de distância entre vários equipamentos culturais como é o caso do Museu Nacional de Arte Antiga, ou o Museu Nacional de Arqueologia a precisarem de urgentes obras, de urgentes intervenções e, simultaneamente, ali perto estar-se a investir milhões de euros numa obra faraónica, impositiva enquanto arquitectura, com uma visão insustentável de gestão quotidiana.

E portanto diria que em termos de políticas públicas para a área dos museus aquilo que se pode desejar é que de uma forma muito sábia se defina quais são os museus a que se deve atribuir prioridade. Eu iria mesmo mais longe: há museus que pertencem à sub-rede do Estado que deveriam ser liminarmente fechados. Há museus em ruptura, com risco de pessoas e bens, com inundações permanentes, com edifícios a caírem aos bocados, com colecções em péssimo estado de conservação, que dão até uma má imagem do que é um ‘museu’, para mais integrados na Rede Portuguesa de Museus, o que só pode ser desprestigiante para a própria RPM.

O Estado deveria assumir o encerramento provisório de alguns desses museus, promover a discussão sobre o seu destino, se existem verbas para reprogramar, para qualificar as colecções, para fazer obra, etc. Sempre defendi, em contrapartida, atribuir prioridade aos museus de vocação nacional e que carecem de urgente investimento.

AC – O que é constantemente referido, seja em termos de museus municipais, seja a outras escalas, é que as estratégias estão sempre em constante reinvenção, porque os ciclos políticos depois não permitem que os projectos avancem. Como implementar estratégias e políticas culturais que ultrapassem os ciclos políticos? 

JB – Volto a tocar num ponto que para mim é o mais decisivo, que é o de repensar as políticas públicas. Vou dar um mau exemplo. Consulte-se o Plano Estratégico Nacional do Turismo para o Desenvolvimento de 2007, o PENT, que foi amplamente discutido a várias instâncias, um documento que está em vigor e para todos os efeitos define linhas de rumo para o turismo nacional. O que vemos com toda a clareza nas suas linhas estratégicas é a assunção de que o património cultural é um dos motores para o desenvolvimento económico. Até a quantidade de vezes que as expressões ‘museu’ ou ‘património cultural’ são proferidas dá-nos a ideia de que o Estado olha para o património cultural, e por extensão para os museus, como um factor importantíssimo nas suas opções para o desenvolvimento.

Dito isto, em coerência com essa definição de política pública, seria expectável que o Turismo, alocado no Ministério da Economia, fosse consequente nas suas relações com o Património Cultural, integrado na esfera governamental da Cultura. Ou seja, entre a política pública da cultura e a política pública do turismo houvesse uma articulação e uma coerência. E, logo, se temos falta de verbas de uma forma absoluta e crónica nos museus, seria desejável que o Ministério da Economia pudesse, ou assumir parte da tutela do Património Cultural, ou pelo menos os gastos em obra e manutenção, que é um das partes substantivas dos seus gastos.

Se olharmos para o passado foi isso que aconteceu durante décadas, com uma dupla tutela formal ou informal no âmbito do Ministério da Instrução Pública, depois Ministério da Cultura, onde estavam alocados os museus, e entre o Ministério das Obras Públicas onde estava a DGEMN [Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais]. Até ao PRACE [Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado, que começou a ser implementado em 2005/2006 e que resultou na fusão e extinção de vários organismos e serviços], em que a DGEMN  foi extinta, passou a ser o IHRU [Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana] sem nenhuma interferência no trabalho do património a partir daí. A DGEMN interveio durante décadas nos bastidores, na obra do dia a dia. Portanto, a cultura estava liberta de alguma maneira do encargo pesado da obra. Tinha a seu crédito, como sempre teve, os conteúdos. Aqui tem um bom exemplo do passado, mas dou-lhe bons exemplos na actualidade.

Há poucas semanas realizou-se um debate no Teatro D. Maria II sobre o futuro das nossas cidades e nele intervieram o Presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, e o ex-Presidente de Cascais, cargo que ocupou durante 12 anos, António Capucho. Este último divulgou o facto de o Instituto do Turismo de Portugal ter contribuído em média, com cerca de 8 milhões de euros anuais para a CMC, com a justificação de que aquela vila tinha definido uma aposta estratégica, não no ‘turismo sol e praia’, mas no património cultural.

Portanto, todos aqueles equipamentos muito bem estudados pelo OAC (Observatório das Actividades Culturais) na “Cartografia Cultural do Concelho de Cascais[5] foram financiados  pelo Turismo: o Centro Cultural, a Casa das Histórias da Paula Rego, a Casa de Santa Maria de Raúl Lino), a actual remodelação do Museu do Mar, Rei D. Carlos, o farol de Santa Marta, etc. Tudo isso foi possível exactamente porque não faltou dinheiro à Câmara de Cascais vinda do Turismo. Isto é demonstrativo do que é que se podia fazer. Mas, a contrario, o Instituto do Turismo de Portugal apoia as iniciativas museológicas em Lisboa apenas ao nível da sua promoção, da divulgação e não mais do que isso. Logo, sente-se a ausência de uma articulação de políticas públicas.

Mas a pergunta era mais lata, não era?

AC – Sim, como é que se pode ultrapassar os ciclos políticos?

Ultrapassar o bloqueio dos ciclos políticos só replicando o que se fez com a rede de bibliotecas e com a rede de museus, ou seja, através da celebração formal ou informal de pactos de regime, obtendo-se amplos consensos alargados não apenas ao chamado ‘arco do poder’, porque estas políticas públicas têm repercussões autárquicas e aí vamos encontrar todo o leque partidário, incluindo o partido comunista que tem um peso muito importante.

O que tem de haver – até para a própria sobrevivência do nosso sistema democrático – é a definição de políticas públicas consensuais, políticas de regime que dêem continuidade para lá dos ciclos curtos político-partidários que se podem alterar. Ou seja, há coisas nas autarquias e nos governos que têm que ter forçosamente continuidade. E se isso não acontecer, os cidadãos têm de ter um papel de denúncia para não permitir que cada governo que entre, cada ciclo partidário, ponha em causa o que foi feito atrás, porque isso é desastroso para o país.

AC – Que museu faz falta em Portugal?

Vamos imaginar que no período pós crise haverá capacidade para fazer coisas novas. Gostaria de ver nascer dois museus nos quais encontrei bons exemplos num benchmarking europeu, contrastando com o que encontramos em Lisboa. Dois exemplos então.

Primeiro, um museu semelhante ao que encontramos em Madrid – o Museu do Traje e da Moda [Museo del Traje. Centro de investigación del Patrimonio Etnológico], museu fundado em 2004, por isso muito recente, que inicialmente gerou intensa polémica [6], porque aparentemente tratava-se de um fenómeno ‘modista’, qual écran da ‘socialite’, mas que passados estes anos se reconhece que está a fazer um excelente trabalho, atraindo muitos visitantes e turistas, rasgando uma montra da indústria do vestuário espanhol. É um museu que fica no campus universitário, nos arredores da cidade, e ganhou até um prémio nacional de arquitectura. Lisboa poderia repensar o seu actual Museu do Traje em estreita colaboração com o MUDE [Museu do Design e da Moda – Colecção Francisco Capelo], numa aposta na criação nacional que podia ser continuada e aprofundada.

O segundo exemplo é o do Museu da Música, que está numa situação muito aflitiva na medida em que a administração do Metro não pretende prolongar no tempo o Protocolo de cedência do espaço onde está provisoriamente instalado – na estação de metro do Alto dos Moinhos -, para lá de Dezembro de 2013. Ora o que ocorre perguntar é o que vai acontecer a partir dessa data. Não tenho conhecimento de se ter encontrado uma alternativa para aquele riquíssimo acervo de instrumentos e de documentos, que foi começado a juntar ainda no séc. XIX, entre outras personalidades, por Alfredo Keil. E apetece-me dar o exemplo do Museu da Música de Bruxelas [Musical Instruments Museum – MIM], que é de facto um museu fascinante. Portanto, se eu pudesse fazer dois novos museus depois da crise passar, começaria por encerrar os actuais Museu Nacional do Traje e o Museu da Música e, em sua substituição, criar duas novas unidades museológicas inspiradas nos exemplos do Museu do Traje e da Moda de Madrid e do Museu da Música de Bruxelas.

AC – Eu pensei que me fosse falar do Gabinete da Ajuda [séc. XVIII] [7].

JB – O Gabinete da Ajuda não o vejo como um ‘museu’. O termo museu, para o levarmos a sério como merece, é um conceito muito pesado, muito denso, do ponto de vista conceptual, epistemológico, financeiro e de recursos humanos. Por isso acho que é excessivo utilizarmos esse conceito para caracterizar o que projectamos para aquele pequeno espaço. Vejo-o mais como um gabinete científico, um centro de interpretação, uma colecção visitável como de resto podemos encontrar dentro do Museu de Ciências Naturales em Madrid [Museo Nacional de Ciencias Naturales], que tem uma parte do museu que é dedicada à reconstituição do Gabinete de Carlos III. Aqui não há necessidade de o reconstituir, o gabinete está ali, é naquele sítio, a sul do tabuleiro inferior do Jardim Botânico.

AC – Que projecto ou projectos gostaria de desenvolver no futuro?

Actualmente, estou envolvido com muito entusiasmo num projecto em Viana do Alentejo. Convidaram-me (em regime de puro voluntariado, pro bono, que é como as coisas hoje em dia se fazem) na recuperação do último santuário mariano a sul do Alentejo, o Santuário de Nossa Senhora d’ Aires, recentemente classificado como monumento nacional.

Existe um grupo de voluntários individuais e de parceiros institucionais, a começar pela tutela que é a Arquidiocese de Évora e a paróquia de Viana, com a Câmara Municipal, e estamos a juntar esforços para elaborarmos um programa de recuperação da envolvente, porque é um espaço sagrado e profano muito vivenciado em duas datas no ano, que são agora em Abril – a romaria que vem da Moita, uma romaria a cavalo em charrete – e depois em Setembro que é a festa anual.

Portanto, há que fazer aquela recuperação paisagística, também a do próprio edifício e depois do ponto de vista museológico, que é a componente mais desafiante. E aí é que estou pessoalmente envolvido, com a Universidade de Évora, na musealização de uma colecção espantosa de ex-votos, são milhares de pinturas, retratos e objectos, desde o séc. XVIII até à actualidade a necessitarem de inventário, de conservação e restauro, de um novo discurso expositivo. Já fizemos reuniões, estamos numa fase de identificar e preencher candidaturas.

E é sobretudo o que me está a dar prazer. Num espaço sacro onde na minha infância também vivi porque a minha família é ali de muito perto e, num mecanismo identitário, estão lá ex-votos de familiares meus. Tenho uma memória muito antiga de lá ir nas férias grandes, quando rapaz, com uma tia. Há essa identificação muito forte com o Santuário, porque as coisas nos tocam de perto e têm que ver connosco, e há também aqui o papel da memória pessoal e social…

E depois é também o desafio de colocar Viana do Alentejo no mapa turístico, definindo-se uma política de comunicação e de marketing. Fazer com que valha a pena a alguns dos muitos milhares de visitantes que vão a Évora, fazer mais 20 minutos numa recta e irem visitar o santuário. Estamos a prever nessa política de comunicação a realização de um encontro científico com as temáticas do santuário mariano, o património imaterial, os ex-votos (…).

AC – Obrigada.

JB – Eu é que agradeço, desejando continuação de sucesso e longevidade a este seu blog.

***

Veja ainda entrevista de João Brigola na L+arte, n.º 70 (2010), p. 26-30 (Entrevista de Paula Brito)

Outras entrevistas neste blogue: Filipe Themudo Barata


[1] Sobre Madalena Braz Teixeira veja-se a entrevista de 2011 na revista Museologia.pt (n.º 4). Em 2013 Teixeira recebeu da APOM o prémio personalidade do ano.

[2] Tratou-se do encontro “O Mercado dos Museus e o Ensino Superior: Formação Académica e Integração Profissional” (Porto, Centro de Congressos da Exponor, a 6 de Fevereiro de 2008). Pode encontrar um breve resumo aqui: “Notícias IMC – O Mercado dos Museus e o Ensino Superior: Formação Académica e Integração Profissional”. Boletim da Rede Portuguesa de Museus (31)3-4. Disponível em: http://www.ilam.org/ILAMDOC/MuseusEmRede/boletim_n31.pdf

[3] Referência às jornadas de trabalho “Museus e Colecções Científicas como Infra-estrututra de Investigação que se realizaram 12 de Janeiro de 2013 no Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa. Sobre o tema consulte-se: Lourenço, Marta (2013). “Colecções científicas como infra-estrutura da investigação”. Informação ICOM.PT, série II, n.º 20 (Março-Maio), p. 2-6. Disponível em: http://www.icom-portugal.org/multimedia/info%20II-20_Mar-Maio13.pdf

[4] O documento “Plano Estratégico do IMC: Museus para o séc. XXI” pode ser consultado em: http://www.imc-ip.pt/ (acedido a 25 de Março de 2013).

[5] Santos, Maria de Lourdes Lima dos, Maria João Lima e José Neves (2005). Cartografia Cultural do Concelho de Cascais. Lisboa: Observatório das Actividades  Culturais.

[6] Sobre esta discussão veja-se, por exemplo: Barañano, Ascensión e María Cátedra (2005). “La representación del poder y el poder de la representación: la política cultural en los museos de Antropología y la creación del Museo del Traje”. Política y Sociedad. 42(3): 227-250. Disponível em: http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=1991926

[7] O Real Gabinete de História Natural (1768), que mais tarde recebeu a designação “Real Museu da Ajuda” reuniu as recolhas de naturalistas realizadas durante as então designadas “viagens filosóficas” às colónias.

 

Museu, Património e Memória

No próximo dia 27 de Outubro (Sábado) realiza-se um encontro de profissionais de museus para reflectir sobre algumas das experiências desenvolvidas pelo Museu do Trabalho Michel Giacometti (Setúbal), nomeadamente a criação do Centro de Memórias e o projecto as “Tardes Interculturais”.

A organização do encontro cabe ao MINOM – Movimento para a Nova Museologia (sobre a história do MINOM ver post), através de um grupo de trabalho (núcleo de oralidade, memória e esquecimento) criado em Março deste ano para debater temas ligados ao património imaterial e à memória. Este encontro servirá, ao que tudo indica, também para apresentar o grupo e os seus objectivos. Esta iniciativa insere-se num contexto de renovação estratégica do MINOM (grupo português) no seguimento das “XX Jornadas sobre a Função Social do Museu”, que tiveram lugar entre 23 e 25 de Março de 2012 (ver mais aqui). De certo modo, uma nova dinâmica foi despoletada, nomeadamente a criação de grupos temáticos, um maior enfoque na comunicação e a definição de uma nova estratégia a médio e longo prazo, que ficou a cargo da nova direcção, encabeçada por Emanuel Sancho, director do Museu do Trajo (São Brás de Alportel, Algarve). 
A escolha do Museu do Trabalho Michel Giacometti como exemplo de boas práticas não é uma surpresa, uma vez que este museu tem procurado nos últimos anos reflectir sobre como incorporar o património imaterial nas práticas museológicas, assim como um discurso favorável à diversidade cultural. Este museu faz parte também de um pequeno grupo de museus que começaram nos últimos anos a “construir” arquivos de história oral para dar lugar ao imaterial no museu (para maior enquadramento sobre o papel da história oral na valorização do PCI nos museus consultar: Carvalho 2011)[1]. Sobre a criação do centro de memórias no Museu do Trabalho veja-se Isabel Victor (2010)[2]

O debate sobre estas experiências revela-se fundamental para um maior conhecimento sobre os desafios implicados no desenvolvimento de projectos colaborativos com as comunidades, uma vez que em Portugal, apesar de sabermos que existem experiências significativas a este nível, também é verdade que muito deste trabalho não é divulgado.

Referências:

[1] Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios, 143-149. Lisboa: Edições Colibri, CIDEHUS-Universidade de Évora.

[2]  Victor, Isabel. 2010. The Centre of Memories: work in progress. Case of the Michel Giacometti Labour Museum, Setúbal, Portugal. Cadernos de Sociomuseologia 38:199-216. Disponível em: http://revistas.ulusofona.pt/ (Obs. Também existe uma versão do artigo em português, publicado na revista museologia.pt, n.º 4. A revista está disponível para venda nas lojas dos museus nacionais).

Revista E-rph


©Lorena Querol

Gostaríamos de dar aqui a conhecer a Revista E-rph (Revista Electrónica de Património Historico), editada pelo Departamento de Historia del Arte da Universidad de Granada desde 2007.

Esta revista procura estudar e reflectir sobre o património numa perspectiva integradora e globalizante. O âmbito de estudo é o território espanhol, mas a revista também aceita contribuições de carácter internacional. Tem periodicidade semestral e está disponível na internet: http://www.revistadepatrimonio.es/

O n.º 5 da revista, publicado em Dezembro de 2009 apresenta um artigo de Lorena Querol, que aborda o tema do inventário do património cultural a partir de oito museus portugueses. O título do artigo é “Inventariando Patrimónios Culturales: ocho entrevistas en museos de Lisboa”/”Inventoryng cultural heritages: eigth interviews in Lisbon Museums”. O artigo pode ser consultado em:
http://www.revistadepatrimonio.es/

Segundo Lorena Querol “com este artigo saem a luz, por primeira vez, um conjunto de realidades relacionadas com esta função fundamental dos museus, com os seus actores sociais e com os desafios colocados pela Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003), no contexto do panorama museológico português.”

Este artigo insere-se no contexto do projecto de investigação de doutoramento de Querol, cuja tese tem por título “El Patrimonio Cultural Imaterial y la Sociomuseologia: un estudio sobre inventários”. Assim, a autora apresenta e divulga os primeiros resultados do estudo sobre inventário de património cultural no âmbito de um dos capítulos da tese, que inclui os resultados das primeiras 8 entrevistas sobre inventário e também algumas das suas primeiras reflexões sobre o tema.

Resumen:

A partir del concepto de Patrimonio Cultural se abordan los distintos caracteres que poco a poco van dando forma a una relación cordial entre los aspectos materiales e inmateriales de la cultura. Se cuestiona además el sentido, lugar y razón de ser que tienen cuando miramos en dirección al futuro desde el museo y su papel educador. Tomando como elemento de análisis una práctica museológica como el inventario, nos adentramos en el compromiso asumido con la Convención para la Salvaguarda del Patrimonio Cultural Inmaterial para acercarnos a la realidad de su cumplimiento, presentando algunos de los primeros datos obtenidos en un estudio sobre métodos y técnicas de inventario realizado en ocho museos portugueses. La principal conclusión a la que se llega es que todavía falta mucho por hacer en este campo.

Abstract

Having in mind the concept of Cultural Heritage we address the different players that slowly shape a cordial relationship between material and immaterial aspects of culture. Moreover, we question their meaning, place and reason, when wandering about the future since the point of view of the museum and its educational role. Using museology analysis tools such as the inventory, we present some of the first data obtained by research over inventory methods and techniques in eight portuguese museums and thus fulfil the commitment made with the Convention for the Safeguarding of Intangible Heritage. The main conclusion to be drawn is that there is still an important work to be developed in this field.

Sobre a autora:
Licenciada en Bellas Artes y especializada en conservación y restauración de pintura por la Universidad Complutense de Madrid. Máster en Museología Social en la Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa, con la tesis de postgrado “La función social del Patrimonio Marítimo portugués”.

Coordinadora del Departamento de Conservación de Patrimonio Cultural de la Santa Casa da Misericórdia de Sintra entre 1997 y 2007; colaboradora del Departamento de Patrimonio del Museu de Marinha de Lisboa entre 2001 y 2007 en calidad de conservadora y museóloga, habiendo creado y coordinado el Projecto de Conservação das Galeotas Reais entre otros.
Actualmente, docente responsable de las disciplinas de Patrimonio Cultural en el IADE, Creative University y en museos portugueses como el Museu da Presidência da República.
Simultaneamente ejerce la investigación en la Universidade Lusófona donde desarrolla su tesis doctoral en Museología sobre “El Patrimonio Cultural Inmaterial y la Sociomuseología: un estudio sobre inventarios” en el contexto de un proyecto europeo de desarrollo socio-cultural que responde al nombre de “Celebração da Cultura Costeira”. Sus publicaciones se encuadran fundamentalmente en el área de la Museología, centrándose en cuestiones como la organización, gestión y uso social de las colecciones museológicas, o en la relación entre el museo y el concepto contemporáneo de patrimonio cultural, desde la óptica de su construcción social.

Curso: "Conservar Memórias de Uma Identidade: Reflexões Sobre Patrimónios Tangíveis e Intangíveis em Portugal"

Conservar Memórias de Uma Identidade: Reflexões Sobre Patrimónios Tangíveis e Intangíveis em PortugalCurso coordenado pela Dra. Lorena Querol
Duração: 18 horas
Horário: 10h-13h; 14h30-17h30
Local: Sala de Formação do Museu
2009/05/27 até 2009/05/29

Valor da Inscrição:
Público em geral: 160€
Técnicos de Instituições Culturais: 120€
Estudantes/Desempregados: 90€

Informações e Inscrições:
Museu da Presidência da República
Tel: 213 614 660
museu@presidencia.pt

Programa:

Módulo I
O PATRIMÓNIO CULTURAL: MEMÓRIA DE UMA IDENTIDADE
 A noção de património e sua evolução ao longo dos tempos.
 Globalização, diversidade e Património Integral.
 Do histórico ao cultural, do singular ao plural: noções de identidade patrimonial dentro
e fora da União Europeia.
 Passado e presente do património intangível:
 Os primórdios: 1950 e a declaração de “Tesouros nacionais vivos” no Japão.
 O compromisso internacional: 2003 e a Convenção para a Protecção do Património
Cultural Imaterial da UNESCO.
 A iniciativa portuguesa: 2007 ou… os primeiros passos em direcção ao reconhecimento
de um património ameaçado.
 Exercício prático: “Transmissores de Patrimónios Desconhecidos”.
Módulo II
A CONSERVAÇÃO, UM PRIVILÉGIO HISTÓRICO
 Uma questão de respeito cultural.
 A ética actual de uma área tão antiga como a própria humanidade.
 Conservação directa e conservação indirecta: diferenças, semelhanças e outras
polémicas da actualidade.
 Museu e conservação: uma amizade sem igual.
 Exercício prático: “Nas reservas do Museu: perguntas e respostas sobre as opções de intervenção de uma obra pictórica da colecção permanente”

Ficha de Inscrição e mais informações:
www.museu.presidencia.pt

CONF sobre Património Imaterial: "Memória, Identidade, Projecto": Museu da Luz, 30 Maio 2008

A 3.ª conferência de um ciclo de colóquios dedicado ao Património Cultural Imaterial irá ter lugar no póximo dia 30 de Maio de 2008 no Museu da Luz, desta vez subordinado ao tema: “Memória, Identidade, Projecto”.

Inaugurado em 2003, o Museu da Luz constitui um caso exemplar no tecido museológico nacional no âmbito do estudo e divulgação do património à escala local, em função da atenção que dedica simultaneamente ao património móvel e ao património imaterial.

Tal dimensão programática tem expressão na ampla utilização de meios audiovisuais, não apenas para fins de documentação das suas colecções, em particular na perspectiva do processo de transformação de que a aldeia foi objecto, mas também como meio de participação da própria comunidade no processo de registo da sua memória colectiva.

Tomando como ponto de partida o Museu da Luz, bem como outros projectos em curso na região do Alentejo, é assim objectivo do Colóquio promover a reflexão sobre as possibilidades e os desafios que se colocam hoje aos processos de salvaguarda do património imaterial, em termos da exigência técnico-científica de que os mesmos se devem revestir, da importância que deve assumir a salvaguarda dos registos desse património no âmbito da constituição de arquivos audiovisuais, bem como do envolvimento e da participação das comunidades detentoras desse mesmo património.

09h30 | Recepção aos Participantes
10h00 | Abertura
10h30 | Um Museu para a Luz, Maria João Lança (EDIA, S.A – Museu da Luz)
10h50 | Pesquisa e Recolha Etnográfica: o caso da aldeia da Luz, Clara Saraiva (IICT / FCSH-UNL)
11h20 | Intervalo
11h40 | A Luz em Imagens, Catarina Mourão (Laranja Azul)
12h20 | Debate
12h40 | Intervalo para Almoço

15h00 | Arquivos Audiovisuais no Século XXI, Salwa Castelo Branco (INET-MD – FCSH)
15h20 | A Estratégia da Direcção Regional de Cultura do Alentejo para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da Região, Ana Pagará (DRCALEN) | Paulo Lima (DRCALEN)
15h40 | Núcleo da Oralidade do Museu de Castro Verde: representar e dinamizar a memória, entre o material e o imaterial, Paulo Nascimento (CMCV) | Miguel Rego (CMCV)
16h00 | Museus e Património Imaterial: algumas práticas nos museus da RPM, Cláudia Freire (DCQM/IMC)
16h20 | Debate
17h00 | Encerramento

Inscrição Gratuita (No entanto, é necessário proceder à inscrição)

Organização | Inscrições:
Instituto dos Museus e da Conservação
Departamento de Património Imaterial
Tel: 21-365 08 26/ Email: dpi@imc-ip.pt / www.ipmuseus.pt

————————–

As próximas conferências:

Saberes e Técnicas: entre o Registo e a Transmissão
Ecomuseu Municipal do Seixal – 27 JUNHO 2008

Terrenos Portugueses: O que Fazem os Antropólogos?
Faculdade de Ciências e Sociais e Humanas – 13 OUTUBRO 2008

Museus Globais: Colecções Etnográficas e Multiculturalidade
Museu Nacional de Etnologia – 28 NOVEMBRO 2008