Arquivo de etiquetas: Miguel Rego

Publicado 5.º número dos “Cadernos do Museu”

cadernos-do-museu

O Museu da Ruralidade (Castro Verde) acaba de divulgar mais um número dos Cadernos do Museu, o quinto. Cadernos de Museu é um periódico semestral (impresso e digital-via issuu) iniciado em 2015, vem demonstrar a concentração de sinergias e dinamismo nos museus a sul.

Nas palavras do seu coordenador, Miguel Rego, esta publicação periódica de carácter semestral «tem procurado […] construir um discurso que concilie o trabalho que o Museu da Ruralidade vem desenvolvendo e aquele que é o trabalho desenvolvido na área dos museus do nosso país». No entanto, esta edição «quer ser muito mais do que esse espelho do Museu da Ruralidade. Ela procura ser uma estante de alguns dos organismos, instituições e redes que integramos, nomeadamente a Rede de Museus Rurais do Sul ou a Rede de Museus do Baixo Alentejo, plataformas de discussão que envolvem mais de duas dezenas de museus num vasto território que vai do Algarve à bacia hidrográfica do Tejo.» (editorial, p. 3)

Com uma edição bem ilustrada, este número estrutura-se em torno de quatro contributos centrais e uma breve secção de notícias sobre o Museu da Ruralidade. O primeiro desses contributos refere-se ao texto de opinião da arquitecta Lia Ferreira sobre as questões da acessibilidade física nos museus, e no qual a autora cita como exemplos de boas práticas o caso do complexo dos clérigos da cidade do Porto, a Fundação Dr. Cupertino de Miranda (Porto), o Museu Nacional Soares dos Reis, o Museu da Comunidade Concelhia da Batalha e o Museu Nacional Machado de Castro (Coimbra). A autora «defende que a inclusão ao serviço dos museus é a garantia da sua sustentabilidade saudável e responsável. É o futuro emergente e real» (p. 11).

Um segundo contributo refere-se ao Centro Interpretativo do Mundo Rural (Vimieiro, Arraiolos), aberto ao público desde 2009. Carla Barroseiro, que colabora neste Centro, apresenta este espaço museológico, contextualizando-o no espaço, nos seus objectivos e dá a conhecer o tipo de coleções que guarda, as exposições e o trabalho desenvolvido na área do serviço socioeducativo.

O terceiro contributo é de Miguel Rego, com um ensaio fotográfico como registo da memória que evidencia imagens de Castro Verde no séc. XX a partir de várias actividades.

O último texto é de Ana Carvalho (Universidade de Évora), que analisa o papel das publicações na área da Museologia em Portugal, explorando a forma como este campo tem evoluído, em que moldes se tem produzido, que iniciativas e actores envolvidos. Segundo a autora, não se pretendeu um retrato exaustivo, mas sobretudo assinalar algumas dinâmicas e tendências, fragilidades e perspectivas deste panorama.

Este número está disponível online via issuu: https://issuu.com/museudaruralidade-castroverde/docs/cadernos_museu_ruralidade_5_457051770dbdf0

Índice

A Inclusão ao Serviço dos Museus, Lia Ferreira | p. 2

O Centro Interpretativo do Mundo Rural: O Projecto Museológico e a Colecção, Carla Barroseiro | p. 10

Memórias da Ruralidade: Fotografias de um Campo Branco Desaparecido, Miguel Rego | p. 18

A Construção de uma Comunidade de Prática e de Investigação: O Papel das Publicações, Ana Carvalho | p. 30

Notícias do Museu | p. 44

 

O lugar do Património Imaterial em debate na Universidade de Évora

o lugar do património imaterial

No próximo dia 7 de Julho (quinta-feira) decorrerá o II Encontro da Cátedra UNESCO em Património Imaterial da Universidade de Évora subordinado ao tema “O Lugar do Património Imaterial”. Terá lugar no Palácio do Vimioso (junto à Sé de Évora), na sala 205. A entrada é livre.

“Ao passar por um processo evolutivo, com novas dimensões, a habitual definição de património cultural aglutinou outros patrimónios. É na sequência deste processo que surge o Património Cultural Imaterial (PCI), como resultado de um conjunto de expressões, interligadas e complexas, apelando à diversidade cultural, estando, pois, na base da(s) identidade(s) dos grupos e comunidades. É justamente a complexidade do conceito que lhe está subjacente, a par com as diferentes políticas culturais conduzidas e aplicadas, nos últimos tempos, em termos de inventariação, salvaguarda e promoção, por parte dos diferentes agentes culturais, que obriga a revisitar, questionar e debater, na atualidade, várias questões em torno do PCI.

É neste exercício que o II Encontro da Cátedra se pretende envolver. São pois os seus objectivos:

– revisitar o conceito de PCI;

– avaliar alguns resultados da aplicação da Convenção de 2003, nomeadamente em Portugal;

– questionar e reflectir sobre os mecanismos legais subjacentes;

– discutir os problemas da salvaguarda e da promoção do PCI.”

A Cátedra UNESCO em Património Imaterial foi atribuída à Universidade de Évora em 2013. Desde então iniciou-se um projecto de investigação com o objetivo de promover um sistema integrado de pesquisa, formação, informação e documentação sobre o património cultural imaterial. A Cátedra vai facilitar a colaboração entre investigadores internacionalmente reconhecidos e docentes da Universidade e de outras instituições em Portugal, em diversos locais da Europa e de África, assim como noutras regiões do mundo (cf. http://www.catedra.uevora.pt/unesco/). Filipe Themudo Barata, Professor Associado da Universidade de Évora é o titular da Cátedra. Conheça o seu percurso e visão sobre património e museologia em: https://nomundodosmuseus.hypotheses.org/5159.

****

Programa

9:30 Receção dos participantes e entrega das pastas

9:45 Sessão de abertura – Boas vindas, Filipe Themudo Barata (Cátedra UNESCO)

10:00 Comunicação de Ana Paula Amendoeira (Direção Regional da Cultura do Alentejo)

10:30 Património Cultural Imaterial, Conceito Revisitado, Clara Bertrand Cabral (Comissão Nacional da UNESCO)

11:00 Debate

11.30 Coffee break e visita da exposição dos posters

12:00 Mesa Redonda: Os Domínios do Património Cultural Imaterial

Moderadora: Armanda Salgado (Cátedra UNESCO/Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades – CIDEHUS da Universidade de Évora). Intervenientes: João Brigola (Cátedra UNESCO/Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades – CIDEHUS da Universidade de Évora), Filomena Sousa (MEMORIAMEDIA), José Santos (Turismo do Alentejo – ERT) e Eduardo Luciano (Câmara Municipal de Évora)

12:45 Almoço

14:00 Museu da Ruralidade (Castro Verde): Trabalhar a Oralidade, Conhecer a Comunidade. O Exemplo d’O meu presépio, Miguel Rego (coordenador do Museu da Ruralidade de Castro Verde)

14:30 A Imaterialidade na Construção do Habitar: A Importância do Saber-fazer, Marta Santos (Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa, Centro de Investigação em Arquitectura Urbanismo e Design – CIAUD)

15:00 A Alimentação como Património, José Manuel Sobral (Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa)

15:30 Convenção de 2003: Das ‘Ameaças’ às Oportunidades, Ana Carvalho (Cátedra UNESCO/Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades – CIDEHUS da Universidade de Évora)

16:00 Debate

17:00 Conclusões e encerramento

****

Cartaz (em pdf)

Programa (em pdf)