Arquivo de etiquetas: museologia histórica

Novo título da colecção “Estudos de Museus” é dedicado ao colecionismo privado

capa do livro da coleção ao museu

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal  é o sexto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Adelaide Duarte apresentada à Universidade de Coimbra em 2012 (orientação de Irene Vaquinhas e Lúcia Almeida Matos).

Será lançado no próximo dia 31 de Janeiro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Francisco Capelo.

Este livro analisa a formação de coleções privadas de arte moderna e contemporânea em Portugal e observa o modo como foram disponibilizadas ao público, ao longo da segunda metade do século XX. Elegem-se quatro coleções: a de José-Augusto França, a de Manuel de Brito, a de José Berardo e a de António Cachola.

O perfil destes colecionadores, o gosto, as motivações, a estratégia e as condições da escolha das peças permitiram problematizar conceitos, como o de colecionar, colecionador e colecionismo, bem como compreender o funcionamento do sistema da arte, sobretudo o português. Reconhece-se ainda o contributo dos coleciona- dores na constituição e no reforço de coleções públicas e distingue-se a sua ação relativamente à formação de coleções de carácter institucional. Por outro lado, aqueles colecionadores também permitem identificar duas variáveis: as coleções constituídas com tempo, relacionadas com as vicissitudes das respetivas profissões (Coleção França e Coleção Brito) e as coleções reunidas com uma dimensão pública, no propósito das obras virem a configurar museus, apesar de se manterem na propriedade privada (Coleção Berardo e Coleção Cachola).

O tema do colecionismo privado é de grande atualidade no contexto internacional. No nosso país, carecem estudos sistemáticos sobre o assunto, pelo que este livro constitui um contributo relevante para os que desejam aprofundar este domínio (da sinopse da contracapa).

Adelaide Duarte (n. 1974) é coordenadora executiva da pós-graduação Mercado da Arte e Colecionismo na Universidade Nova de Lisboa, com a primeira edição no ano letivo de 2016-2017. Professora auxiliar convidada e investigadora de pós-doutoramento, com bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. Membro integrado nos grupos de investigação Museum Studies: Art, Museums and Collections e Art in the Periphery. Doutoramento em Museologia e Património Cultural (2012) sobre colecionismo privado de arte moderna e contemporânea em Portugal, na Universidade de Coimbra. Desenvolve investigação sobre a formação de coleções, privadas e institucionais, a partir da coleção do Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves. Vice-Presidente da Associação Amigos do Museu Nacional de Arte Contemporânea-Museu do Chiado e responsável pelo Ciclo Colecionar Arte. Conversas a partir de coleções particulares. Mestrado em Museologia e Património Cultural (2005), e licenciatura em História, variante de História da Arte (1998) na Universidade de Coimbra. Tem participado em conferências e colóquios, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, e Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

9 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – COLECIONAR NO SÉCULO XX
18 | Contextualização historiográfica do tema
44 | Colecionar no século XX: o sistema da arte moderna e contemporânea
80 | Colecionar arte moderna e contemporânea em Portugal: entre o domínio público e o privado

117 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO
120 | José-Augusto França, a coleção de um crítico e historiador da arte (Tomar)
166 | Manuel de Brito, a coleção de um marchand e galerista (Oeiras)
210 | José Berardo, a coleção de um investidor (Sintra, Lisboa)
255 | António Cachola, a coleção de um empresário (Elvas)

297 | CONCLUSÃO

305 | Notas
389 | Siglas
391 | Fontes e bibliografia
419 | Índice remissivo
427 | Agradecimentos

Novo livro da colecção “Estudos de Museus” é sobre a história do Museu Nacional Machado de Castro

Museu Machado de Castro capa do livro

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) é o quinto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Duarte Manuel Freitas apresentada à Universidade de Coimbra em 2015 (orientação de Irene Vaquinhas e Regina Anacleto).

Será lançado no próximo dia 28 de Outubro (sexta-feira) no Museu Nacional Machado de Castro, pelas 18h00. A apresentação do livro ficará a cargo de Alice Semedo (Universidade do Porto).

“Neste livro estudam-se as transformações ocorridas no complexo arquitetónico que acolhe o Museu Nacional de Machado de Castro desde o seu nascimento, em 1911, até à elevação ao estatuto de museu nacional, em 1965.

A análise das fontes coligidas permite apresentar as diferentes conceções museológicas dos diretores do museu, identificar as premissas da adaptação de um antigo paço episcopal a espaço museológico e compreender os ditames do polémico processo de anexação da igreja de São João de Almedina.

O livro destaca o surgimento e a integração no discurso expositivo de preexistências da civitas aeminiensis e dos tempos medievos, discrimina os procedimentos de incorporação de elementos arquitetónicos provindos de outras edificações, salienta a posição do espaço museológico no âmbito do plano de obras da cidade universitária e evidencia o almejado equilíbrio da dualidade museu/monumento, procurado a partir da década de 1950.

As respostas obtidas a partir deste trabalho levam ao enaltecimento do Museu Nacional Machado de Castro no panorama museológico português, constituindo-se numa verdadeira sobreposição de diferentes memórias edificadas ao longo de dois mil anos de história, bem como num escaparate salvífico de elementos arquitetónicos provindos de outros contextos que a cidade de Coimbra viu, aos poucos, desaparecer.” (sinopse do livro)

Duarte Manuel Freitas é natural de Câmara de Lobos (ilha da Madeira). Doutor em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) e pós-graduado em Museologia e Património Cultural na mesma instituição. Membro integrado do Centro de História da Sociedade e da Cultura da FLUC e do Centro de Estudos de História Empresarial da Universidade Autónoma de Lisboa (UAL). Exerceu funções de professor do ensino básico, secundário, profissional e universitário. Na atualidade é professor auxiliar do Departamento de História, Artes e Humanidades da UAL. Tem participado em diversos projetos e redes de investigação no âmbito da Museologia, da Didática da História, da História Económica e Social e da História das Empresas, em particular das instituições financeiras. Com a investigação que ora se publica venceu o Prémio Victor de Sá de História Contemporânea (2015) e o prémio (ex aequo) da Associação Portuguesa de Museologia, na categoria de “Melhor Estudo Sobre Museologia” (2016).

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira e Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial.

****

Índice

Introdução

Cap. I O museu na sua anamnesis: contextos internacional e nacional
Do “templo das musas” ao “templo das massas”: génese e evolução do conceito de museu
Criação de espaços museológicos em edifícios preexistentes
Critérios de intervenção em monumentos arquitetónicos
Entre “Saúde e Fraternidade” e “A Bem da Nação”: as cambiantes ideológicas e pragmáticas do panorama museológico português (1911-1965)

Cap. II Os diretores do Museu Machado de Castro: entre vidas e conceções museológicas
António Augusto Gonçalves (1848-1932), o fundador
Vergílio Correia (1888-1944), o arqueólogo
Um museu sem diretor: o papel fundamental de António Nogueira Gonçalves (1944-1951)
Luís Reis Santos (1898-1967), o historiador de arte

Cap. III Museu Nacional de Machado de Castro: uma sobreposição de memórias
Civitas Aeminiensis
Faces medievas
Rinascere

Cap. IV De um palácio episcopal se fez um museu (1912-1929)
Largo de São João, 1912: um paço episcopal em “tempo de vésperas”
Primeiras obras de adaptação e de beneficiação do Museu Machado de Castro
A “problemática” (da) igreja de São João de Almedina

Cap. V Uma “caixa de surpresas” (1930-1950)
O “despertar” das preexistências
Aplicações arquitetónicas de salvaguarda patrimonial
Demolir, adicionar e reparar o existente
Sob a tutela da DGEMN

Cap. VI Consolidação da dualidade museu/monumento (1951-1965)
Um novo ciclo de obras
A etapa reformadora em números
Uma solução para a Capela do Tesoureiro

Conclusão
Notas
Siglas e acrónimos
Fontes e bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

A Evolução da Zoologia e dos Museus de História Natural em Portugal

Tropenmuseum - história natural

Ceríaco, Luís. 2014. A Evolução da Zoologia e dos Museus de História Natural em Portugal. Tese de doutoramento em História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia, Universidade de Évora. Tese defendida a 20 de Outubro. Júri: José Alberto Machado, Fátima Nunes, Pedro Sousa Dias, Ana Cardoso Matos, João Brigola, Luís António Vicente, Paulo Oliveira e Luís Alfredo Baratas Díaz.

Resumo:

Os estudos zoológicos modernos e o estabelecimento de coleções de história natural no país remontam à segunda metade do século XVIII e mantiveram-se ao longo do século XIX e XX até aos dias de hoje. O seu desenvolvimento terá sido influenciado por circunstâncias políticas, económicas e sociais, que ora os estimularam, ora os retraíram. No entanto, desde a fundação de Real Gabinete de História Natural da Ajuda por Domingos Vandelli e da adoção do sistema lineano, à fama internacional da secção Zoológica do Museu Nacional de Lisboa dirigida por Barbosa du Bocage, o país manteve-se sempre a par das ideias e teorias modernas, adotando práticas comuns e contribuindo direta ou indiretamente para o conhecimento da fauna principalmente de origem ibérica, africana e brasileira. As coleções para além de resultado direto do esforço colecionista, e base material para a investigação de então, mantêm-se ainda hoje como um importante património histórico-científico a preservar.

The Evolution of Zoology and Natural History museums in Portugal

Abstract:

Modern zoological studies and the establishment of natural history collections in Portugal date back to the second half of the eighteenth century, and have run through the nineteenth and twentieth centuries to the present day. Their development has been influenced by political, economical and social circumstances, that either stimulated them or not. However, since the foundation of the Ajuda Royal Cabinet of Natural History by Domingos Vandelli, to the international prestige of the National Museum of Lisbon Zoological Section directed by Barbosa du Bocage, the country has remained abreast of the modern theories and ideas, adopting common practices and directly or indirectly contributing to the knowledge of Iberian, Brazilian and African faunas. Further from being the result of collecting efforts and being the material base to past investigations, the collections remain today as an important historical and scientific heritage to be preserved.