Arquivo de etiquetas: Paula Menino Homem

Políticas museológicas em foco no Boletim do ICOM Portugal

Fotografia a cores que revela um pormenor do exterior do Palácio Nacional da Ajuda, as arcadas

Imagem da capa: Pormenor do exterior do Palácio Nacional da Ajuda © Fotografia de Luís Pavão/Palácio Nacional da Ajuda/Direcção-Geral do Património Cultural

Começamos o ano com balanços. Balanços associativos, pois estamos no final do triénio dos órgãos sociais do ICOM Portugal em funções (2014-2017), aproximando-se novas eleições a 27 de Março. E balanços mais globais, daí a escolha do tema “gestão de museus e políticas museológicas” para este número do Boletim do ICOM Portugal dada a actualidade e a urgência de uma reflexão alargada e concertada. Sem pretender um retrato exaustivo, neste boletim procurámos trazer olhares de dentro e de fora, estimulando perspectivas várias sobre este grande “chapéu” que engloba as políticas museológicas.

O artigo de Manuel Bairrão Oleiro traça um diagnóstico assertivo sobre a realidade actual e deixa antever caminhos de futuro, elencando quais poderão ser na sua opinião as prioridades de uma política museológica nacional mais actuante. As pessoas, ou melhor dizendo, as equipas de museus foram igualmente uma das problemáticas abordadas por Oleiro, sendo esse tópico retomado por Maria de Jesus Monge e Ana Carvalho com maior enfoque na secção “Perspectivas”.

O contributo de David Santos, que desde Fevereiro de 2016 assumiu o cargo de subdirector da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), com responsabilidades em matéria de museus, é um olhar porventura mais generoso e optimista sobre a acção desta organização, mas é, até certo ponto, esclarecedor da forma como se perspectiva globalmente a situação actual.

Encontra ainda neste boletim uma selecção de notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura, novas publicações e um leque diverso de eventos (conferências, debates, formação, etc.) para os próximos meses.

Terminamos com outro balanço, sendo este o último boletim da série iniciada em 2014 do qual sou editora. Feitas as contas somámos oito edições, mas mais do que o aspecto quantitativo, apostámos – e pensamos tê-lo conseguido – na criação de um espaço de partilha assente na diversidade de olhares e de perspectivas, como aliás caracteriza este sector. Um espaço que por si só também foi sofrendo alterações, com o contributo indelével de muitos dos nossos colegas dos actuais órgãos sociais do ICOM Portugal, e em função das aprendizagens que foram feitas pelo caminho. Porque, efectivamente, a edição deste boletim também correspondeu a um processo de aprendizagem pessoal e profissional. Bem haja!

Ana Carvalho [editorial]

****

Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 8, Jan. 2017
Gestão de Museus e Políticas Museológicas

O Boletim está disponível online: http://icom-portugal.org/boletim_icom,156,lista.aspx

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | BREVES
08 | EM FOCO: Políticas Públicas no Sector dos Museus: O que Pode ser Feito, por Manuel Bairrão Oleiro
12 | PERSPECTIVAS: Equipas de Museu – Evolução ou Retrocesso?, por Maria de Jesus Monge; e Ana Carvalho
17 | ENTREVISTA com David Santos, por Ana Carvalho
NOTÍCIAS ICOM, vários autores
21 | Museus, Comunidade e Turismo, um Triângulo Virtuoso: Balanço, por Manuel Morais Sarmento Pizarro
23 | Museus Comunitários: Em que Ponto Estamos?, por Mário Nuno Antas
25 | O Valor Económico dos Museus: Templos do Conhecimento, Máquinas de Entretenimento ou Plataformas Participativas?, por Clara Frayão Camacho
28 | Coleccionar e Proveniências: Aplicações, Autenticidade e Propriedade, por Inês Fialho Brandão
30 | Museus e Património Local: Interacção e Desenvolvimento no Séc. XXI, por Pedro Pereira Leite
32 | Desafios Digitais para Especialistas de Museus, por Ana Fernambuco
35 | Museus Nacionais: Passado, Presente e Futuro, por Fátima Faria Roque
38 | Pilotando o MOOC: Uma Jornada Agregadora e de Reflexão, por Paula Menino Homem
PUBLICAÇÕES
40 | Sugestões de leitura
41 | Novas edições 2016-2017
AGENDA
46 | Conferências, encontros, debates
49 | Formação
50 | Chamada de propostas

****

O Boletim ICOM Portugal (ISSN 2183-3613) é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal). Tem como objectivo a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Os números publicado nesta série (III) são da responsabilidade de Ana Carvalho (desde Outubro de 2014). Publica-se três vezes por ano (Janeiro, Maio e Setembro) e apresenta-se apenas em formato digital.

Publicado novo volume de Ensaios e Práticas em Museologia

ensaios-e-praticas 05

Encontra-se publicado o 5.º volume (exclusivamente digital) de Ensaios e Práticas em Museologia. Com edição da Universidade do Porto, este volume reúne e divulga textos dos alunos de mestrado desta universidade. Num esforço de empoderamento dos alunos, a edição deste volume é partilhada por Paula Menino Homem, actualmente a coordenar o mestrado em Museologia, e por três alunas: Ana Themudo, Elisa Freitas e Manuela Restivo. Para além dos artigos, este volume introduz duas novas secções: um espaço para recensões críticas e outro para entrevistas. A série “Ensaios e Práticas em Museologia” teve início em 2011, sob a coordenação de Alice Semedo.

Encontra-se disponível em: http://ler.letras.up.pt

Conteúdos

Apresentação |  5

Ana Themudo
O novo estado artístico do Porto entre 1933 e 1974 | 10

Débora Fernandes
Gestão de risco de incêndio. Criação de parcerias sinérgicas no contexto dos museus universitários | 27

Elisa Freitas
Objetos [com] textos? | 40

Joana Ramos
Alienação em contexto patrimonial: Objeto museológico como artefacto ou recurso financeiro – dilemas na preservação, organização e orientação coesa de acervos | 56

Liliana Aguiar
A aliação de projetos de medição patrimonial em museus: O caso do projeto “Ver, Tocar e  Sentir a Maia” do Museu de História e Etnologia da Terra da Maia | 75

Maria Manuela Restivo
Têxteis do Sudeste Asiático da coleção da Faculdade de Letras da Universidade do Porto | 96

Recensão crítica

Susana Rosmaninho
15a Bienal de Arquitetura de Veneza: “Reporting from the front” (ou a consciência social dos
arquitetos) | 114

Entrevista

Entrevista a Luís Raposo, presidente do International Council of Museums – Europe Alliance (ICOM) – Europe | 123

Perspectivas da Conservação Preventiva

imagem de figura no interior da tese

imagem de figura no interior da tese 

Homem, Paula Menino. 2013. Corrosão Atmosférica da Prata: Monitorização e Perspetivas de Conservação Preventiva. Tese de doutoramento em Museologia, Universidade do Porto. Disponível na integra no repositório da Universidade do Porto.

Defendida há pouco mais de um ano, destacamos a tese de doutoramento de Paula Menino Homem no âmbito da conservação preventiva. Professora na Universidade do Porto, onde é directora do curso de mestrado em museologia, Paula Menino Homem concluiu com esta tese uma etapa de um trabalho de vários anos. Tratou-se de uma investigação aplicada visando um melhor entendimento do processo de corrosão atmosférica conducente ao escurecimento dos artefactos em prata, para sua prevenção.

Resumo: A corrosão atmosférica da prata e suas ligas conduz ao seu escurecimento e constitui um problema, com especial interesse para o impacte no setor do património cultural. Neste contexto, estudou-se o processo, com o objetivo de melhor o entender e perspetivando a sua prevenção. Considerou-se a prata pura (Ag 999‰) e a liga conhecida por prata portuguesa ou esterlina (Ag 925‰). Numa primeira fase, investigou-se o seu comportamento recorrendo a ensaios laboratoriais em atmosferas controladas de NaCl e de H2S, permitindo testar a aplicação de diferentes técnicas de monitorização e análise, obter referenciais relativos a produtos de corrosão e estabelecer parâmetros para sua identificação, através de microscopia eletrónica de varrimento acoplada à microanálise por raios X, voltametria cíclica e de varrimento linear e espetroscopia de fotoeletrões de raios X. O recurso a câmara fotográfica digital como colorímetro tristimulus e ao programa Adobe Photoshop®, explorando o sistema CIELab, revelou-se simples e eficiente na monitorização das alterações colorimétricas. Estudou-se caso aplicado a espaços naturalmente ventilados, de exposição em ambiente não confinado/confinado em vitrina, ambos na Catedral do Porto. Usaram-se amostradores metálicos para mimetizar e investigar reações dos artefactos, em função de condições ambientais sazonais e de exposição anual. O processo revelou-se complexo, influenciado pelas condições termohigrométricas e pela qualidade do ar, tendendo a desacelerar com o tempo. Dele, sobressaem a presença e reações de partículas salinas, mormente cloretos e sulfatos. A Ag 925‰ manifestou-se mais reativa que a Ag 999‰. Detetaram-se óxidos e cloretos de prata e óxidos, hidróxidos, cloretos e hidroxicloretos de cobre. Sulfuretos de prata, só após exposição anual, maioritariamente na Ag 999‰ e em contextos não dominados por cloretos, mas por partículas de sulfatos, em especial de amónio.

Abstract: The atmospheric corrosion of silver and its alloys leads to its tarnishing and is a problem, with particular interest for the impact in the cultural heritage sector. In this context, the process was studied, aiming its better understanding and envisaging its prevention. Pure silver (Ag 999‰) and the alloy known as Portuguese or Sterling silver (Ag 925‰) were considered. In a first stage, its behavior was investigated by means of laboratory essays with controlled atmospheres of NaCl and H2S, allowing to test the application of different monitoring and analysis techniques, to obtain referential concerning corrosion products and setting parameters for their identification by scanning electron microscopy coupled with X-ray microanalysis, cyclic and linear sweep voltammetry and X-ray photoelectron spectroscopy. The use of a digital still camera as a tristimulus colorimeter and Adobe Photoshop® software, exploring the CIELab system, proved to be simple and efficient in monitoring colorimetric alterations. A case has been studied, applied to naturally ventilated exhibition spaces, not confined/confined to showcase, both in Porto Cathedral. Metal samplers were used to mimic and investigate reactions of artifacts, in function to seasonal environmental conditions and annual exposure. The process proved to be complex, influenced by thermohygrometric conditions and air quality, tending to slow down with time. From it, the presence and reactions of salt particles, mainly chlorides and sulphates, stand out. The Ag 925‰ is more reactive than Ag 999‰. The corrosion products detected were silver oxides and chlorides and copper oxides, hydroxides, chlorides and hydroxichlorides. Silver sulphides were detected only after one year exposure, mainly in the Ag 999‰ and in contexts not dominated by chlorides, but by particles of sulphates, especially ammonium.

 

Informação ICOM.PT (II Série, Nº 7, Dez 09-Fev 10)

Foi recentemente publicado o sétimo número do boletim da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM (II Série, Nº 7, Dez 09-Fev 10).

A responsável pela edição desta publicação trimestral é Maria Vlachou. (mariavlachou.pt@gmail.com). Neste número colaboraram: Ana Alcoforado, Graça Filipe, José Gameiro, Maria João Lança e Paula Menino Homem.

CONTEÚDOS:

01 Editorial, Maria Vlachou
02 Artigo, A Representação da Comunidade no Museu da Luz, Maria João Lança
09 Opiniões, A RPM deve ser dirigida pelo Estado (IMC) ou pelos próprios museus?, Graça Filipe e João Gameiro
11 Novos, recentes e Renovados, Museu nacional de Machado de Castro, Ana Alcoforado
15 Entrevista com…, Giacomo Scalisi
17 Notícias ICOM
18 Novas Publicações
19 Calendário de Iniciativas

O boletim esta inteiramente disponível no site do ICOM PT:
http://www.icom-portugal.org/

CONF: A Avaliação de Bens Culturais Móveis: Critérios e Metodologias Para Mais Eficiente Gestão de Risco

No próximo dia 8 de Abril terá lugar o seminário “A Avaliação de Bens Culturais Móveis: Critérios e Metodologias Para Mais Eficiente Gestão de Risco” na Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Anfiteatro Nobre).

Apresentação:

A avaliação de objectos, integrados ou não em colecções museológicas, é uma actividade essencial à gestão da sua aquisição/venda, documentação, fruição e preservação; tão essencial como complexa e, inúmeras vezes, penosa e erroneamente subjectiva.

O valor atribuído a um objecto ou a uma colecção tende a condicionar as estratégias a implementar para eliminação ou mitigação do risco de seu dano e/ou de sua perda. Inversamente, também estas estratégias interferem no valor dos objectos, reduzindo-o, mais ou menos drasticamente quão desajustadas e causadoras de qualquer tipo de dano, ou potenciando-o quando no sentido da sua adequada preservação, conservação e/ou restauro.

Num ambiente informal e de incentivo à animada participação dos presentes, pretendemos abordar critérios e metodologias de trabalho que agilizem e disciplinem a tarefa e conduzam a uma tomada de decisão sustentada e responsável.

Na expectativa de que a iniciativa suscite o vosso interesse, convidamos V. Ex.cia a divulgá-la e a nela participar activamente.

Público-alvo: Profissionais e estudantes das diferentes áreas do Património Cultural.

Organização:
Paula Menino Homem
Secção de Museologia
Departamento de Ciências e Técnicas do Património (DCTP)
Faculdade Letras da Universidade do Porto

Participação:
Miguel Cabral de Moncada
Cabral Moncada Leilões

Inscrição: O seminário é de entrada livre e gratuita.

Secretariado
Gabinete de Eventos, Comunicação e Imagem
Faculdade de Letras da Universidade do Porto
Via Panorâmica, s/n
4150-564 Porto

Telefone: 226 077 123
Fax: 226 077 173
E-mail: geci@letras.up.pt

————–

Fonte: Lista de discussão MUSEUM

Nova Direcção no ICOM Portugal

No passado dia 14 de Março, além da 6.ª edição de mais umas Jornadas promovidas pelo ICOM, teve lugar da parte da tarde a Assembleia-Geral da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM, com o objectivo de realizar a eleição dos corpos gerentes para 2008-2011, e que passamos a divulgar:

Direcção:
Presidente: Luís Raposo (Museu Nacional de Arqueologia)
Secretária: Marta Lourenço (Museu de Ciência, Universidade de Lisboa)
Tesoureira: Isabel Tissot (Conservadora-restauradora)
Vogais: Graça Filipe (Ecomuseu Municipal do Seixal), Paula Menino Homem (Departamento de Ciências e Técnicas do Património, Faculdade de Letras, Universidade do Porto)

Mesa da Assembleia Geral
Presidente: João Castel-Branco Pereira (Museu Calouste Gulbenkian)
Vice-Presidente: Silvana Bessone (Museu Nacional dos Coches)
1ª secretária: Maria Vlachou (Museóloga)
2ª secretária: José Manuel Oliveira (Casa de Camilo – Museu. Centro de Estudos)

Conselho Fiscal
Presidente: Filipe Mascarenhas Serra (IGESPAR e Universidade Católica)
Vogais: Clara Vaz Pinto (Museu Nacional do Traje) e Francisco Pedroso de Lima (Museu de Angra do Heroísmo)

Objectivos da nova Direcção ICOM-Portugal:

Das linhas programáticas constantes da candidatura dos Corpos Gerentes agora eleitos merece ser destacada a vontade da maior afirmação pública do ICOM Portugal, entendida como um meio necessário à maior dignificação dos museus e dos profissionais de museus. Convém recordar que o ICOM Portugal constitui uma entidade privilegiada e independente para os assuntos relacionados com os museus em Portugal, sendo a única com reconhecimento internacional, pelo que as suas posições devem em todas as circunstâncias ser tida na devida conta. Neste sentido a Direcção ora eleita comprometeu-se a desenvolver esforços para que se reúna no mais curto prazo a Secção de Museus e Conservação do Conselho Nacional da Cultura, que se considera indispensável à correcta formulação das políticas governamentais de museus.

Refiram-se igualmente os propósitos expressos quanto à organização de actividades científicas e profissionais, domínio em que para além da Jornadas anuais se procurará dar início a um novo tipo de acções, a ter lugar no Outono, os Encontros do ICOM. O Primeiro destes Encontros terá como tema o “Ensino Universitário e Museus: Encontro nacional de Docentes Universitários e Profissionais de Museus”.

Anote-se finalmente a intenção da nova Direcção do ICOM Portugal em promover a cooperação interinstitucional com todas as associações profissionais e cívicas com intervenção da área dos museus e do património cultural, com especial relevo para a APOM (Associação Portuguesa de Museologia), com a qual se esperam reforçar os laços de cooperação e de conjugação de sinergias em prol do maior reconhecimento social dos museus portugueses.

———————————-
Fonte: Lista de discussão MUSEUM
Mais informações:
http://www.icom-portugal.org/