Arquivo de etiquetas: Revista Museologia

Como é que a Museologia tem evoluído em matéria de publicações?

Uma forma de avaliar a evolução de um determinado campo de estudos é a análise das suas publicações. Procurámos neste texto (publicado originalmente nos Cadernos do Museu (n.º 5, ed. Museu da Ruralidade) centrar a atenção no papel das publicações na área da Museologia em Portugal. Como tem evoluído? Em que moldes se tem produzido? Que iniciativas e actores?

Poderíamos avançar dizendo que a Museologia enquanto campo de trabalho e de estudo evoluiu em Portugal se atendermos a um tempo mais longo. Independentemente de outros factores, esta evolução não está desligada da passagem da formação em Museologia para o domínio das universidades no final da década de 1980[1] e posterior acentuado crescimento nas décadas seguintes levando a que a oferta de cursos (pós-graduação, mestrado e, mais recentemente, doutoramento) nesta área proliferasse desenfreadamente, fenómeno que só veio a ser moderado com os efeitos da crise pós-2008.[2] Este desenvolvimento foi catapultado pela necessidade de formação de profissionais face ao boom de museus criados pós-1974, fenómeno que não foi exclusivo do caso português e que permanece em crescimento. Dados de 2010 revelam a existência de 1223 museus em Portugal, correspondendo a um aumento de 68% relativamente a 2000 (Neves, Santos e Lima 2013).

A intervenção das universidades no plano formativo veio, assim, preencher uma lacuna. O curso de conservadores de museu no Museu Nacional de Arte Antiga havia funcionado até 1974. Mais tarde, teriam importância outras iniciativas formativas, nomeadamente os cursos coordenados pelo Instituto Português do Património Cultural (IPPC), entre 1981-1982 e 1984-1985, e o curso coordenado pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) e pelo Instituto de Formação Profissional na Escola Superior de Belas Artes, entre 1988-1990 (Semedo 2004), mas a sua existência seria efémera.

Mas de que forma é que este percurso se reflectiu na criação de espaços de reflexão, debate e divulgação sobre experiências e práticas em Museologia e sobre museus por parte de uma comunidade profissional e académica (também esta em construção)? Assim sendo, procurámos neste texto centrar a atenção no papel das publicações nesta área, como tem evoluído, em que moldes se tem produzido, que iniciativas e actores. Não se pretende com esta resenha um retrato exaustivo, mas sobretudo assinalar algumas dinâmicas e tendências, fragilidades e perspectivas.

Independentemente de publicações anteriores, a Iniciação à Museologia (Rocha-Trindade 1993), uma iniciativa promovida pela Universidade Aberta, marca indelevelmente a paisagem das edições nesta área, como sendo o primeiro manual do género em Portugal. Quantos de nós não tiveram a sua iniciação à Museologia por via deste livro? A sua concretização consubstanciava a urgência de disseminar um saber-fazer que estava ainda circunscrito a uma «pequena franja de especialistas, de estetas ou de curiosos iluminados», era «necessário proceder a um longo trabalho de sensibilização, de qualificação, de formação especializada de todos aqueles cujo empenhamento dedicado ou vocação segura terão responsabilidades em matéria museológica», como advertia a antropóloga Rocha-Trindade (1993, 17-18). O investimento na qualificação da formação e na disseminação do saber aplicado a museus afirmavam-se como palavras-chave para alavancar o promissor desenvolvimento dos museus que se perspectivava na década de 1990. A criação, em 1991, do Instituto Português de Museus (IPM), um organismo público vocacionado para os museus e para a aplicação de políticas museológicas era mais um sinal inequívoco deste fulgor.

É, todavia, na década de 2000, que se denotam mais desenvolvimentos por via da publicação e criação de espaços de disseminação, esboçando um pensamento mais estruturado do e sobre o sector. E a marcar o início da década de 2000 refira-se a publicação de um número temático da revista Museología (edição da Associação Espanhola de Museólogos) inteiramente dedicado aos «Museos y Museologia en Portugal: Una Ruta Ibérica para el Futuro». Coordenado pela museóloga Maria da Luz Nolasco Cardoso (Museu de Aveiro), este volume propunha um balanço sobre o passado e o futuro dos museus, e uma perspectiva sobre as políticas museológicas desenvolvidas no país.

Em termos de periódicos, uma das iniciativas editoriais que ofereceu maior sistematização e coerência de conteúdos, bem como longevidade, foi o Boletim da Rede Portuguesa de Museus (2001-2011). Ancorado ao projecto de criação da Rede Portuguesa de Museus – RPM (criada em 2000), o boletim, de cadência trimestral (impresso e digital) visava a partilha de ideias sobre as práticas museológicas portuguesas, dirigindo-se aos profissionais de museus. Iniciado sob a coordenação de Clara Frayão Camacho, foi ao longo de dez anos um canal de comunicação estruturador de informação sobre a actividade museológica desenvolvida durante este período, colmatando a ausência de outros instrumentos de comunicação e de divulgação do sector de maior alcance.

Se atendermos ao campo associativo, a promoção de canais de divulgação junto dos seus associados era nos inícios de 2000 ainda incipiente e tem tido ao longo das últimas décadas compassos desiguais. Há, no entanto, a destacar a iniciativa da APOM com a criação de uma revista semestral (impressa) em 2003 – Lugar em Aberto, dando continuidade a boletins anteriores. Coordenado por António Nabais, este número organizava a reflexão em torno das funções museológicas: o serviço educativo, a exposição e a programação, e perspectivava continuar a fazê-lo nos números seguintes, explorando temáticas como a investigação, o inventário e a conservação preventiva. Todavia, este seria o único número publicado. Apesar disso, em o Lugar em Aberto, confirma-se a preocupação na divulgação de textos que pudessem ser referenciais para as áreas em foco, na qual se centra a estrutura da publicação, afastando-se de um boletim de mera divulgação da actividade associativa per se, que é neste caso residual. Assume particular destaque a introdução de uma secção destinada a elencar as dissertações e teses “com interesse para a Museologia” realizadas até essa data em universidades portuguesas e estrangeiras, o que evidencia desde logo a importância de sistematizar informação.

Ainda no campo associativo é de notar o contributo da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal), ainda que com fases distintas em função das dinâmicas imprimidas pela gestão de diferentes direcções. A primeira série de um boletim surge em 2002 (termina em 2005), sob a direcção de João Castelo-Branco Pereira, então presidente da associação. Tratava-se de um boletim semestral impresso distribuído pelos membros do ICOM Portugal, de pequena escala e de carácter informativo sobre a actividade desenvolvida. Após um interregno de três anos, surge em 2008 uma nova série trimestral do boletim (Informação ICOM PT) que se manteve regular até 2014, compreendendo 24 edições exclusivamente em formato digital. Editado pela museóloga Maria Vlachou, a estrutura do boletim foi reformulada e alargada consideravelmente relativamente à primeira série, continuando a veicular informação de carácter associativo, mas abrindo espaço para a apresentação de conteúdos mais diversificados com a introdução de várias secções novas, nomeadamente espaços de opinião (“Artigo”, “Opiniões”, “Entrevista com”, “Novos, Recentes e Renovados”, entre outras). Ainda em 2014, surgiu uma terceira série (Boletim ICOM Portugal) que se manteve regular até 2017 com um total de oito números publicados. O boletim, editado pela museóloga Ana Carvalho, seguiu no geral a estrutura da série anterior, mas foi ampliado. Cada número passou a estar subordinado a uma temática, foram criadas novas secções (“Mensagem do Presidente”, “Museus & Pessoas”, “Breves”, “Notícias ICOM”) e foi introduzida a possibilidade de chamada de propostas para conteúdos, flexibilizando um sistema de contribuições.[3]

Na imagem vê-se a entrada do Museu do Dinheiro

No geral, quando analisamos a edição periódica por parte das associações profissionais há pelo menos dois aspectos que têm condicionado a sua acção que gostaríamos de destacar. Um deles refere-se ao facto de a criação de instrumentos de comunicação com os associados não ser assumida como eixo central e prioritário da sua actuação, mas sim como dimensões suplementares ou secundárias. Esta situação não está desligada da ausência de uma dinâmica associativa de maior fulgor, quer da parte dos seus dirigentes (e de visão), quer da parte dos associados. Por outro lado, a edição de boletins ou instrumentos similares de divulgação tem-se desenvolvido numa base de voluntariado por parte de quem os produz e os mantém. Isto significa, consequentemente, um resultado muito variável, em termos da qualidade dos conteúdos como do grafismo, geralmente alicerçado em função da capacidade e da motivação da pessoa (ou equipa) que os produz. Note-se que este é um serviço que não é pago a quem o produz, e que está muito dependente da generosidade e da disponibilidade de cada um (geralmente fora das horas de trabalho). Assim, a necessidade de maior profissionalização neste campo é fundamental para uma desejável evolução da acção editorial periódica associativa com potenciais ganhos para um maior impacto e consolidação da vida associativa e para os profissionais de museus.

A revista MuseologiaAn International Journal of Museology, criada em 2001 foi o primeiro periódico a afirmar-se como revista científica neste domínio em Portugal. Editada pelo Museu de Museu de Ciência da Universidade de Lisboa, seria coordenada por Fernando Bragança Gil (então director do Museu) e por Marta C. Lourenço, na qualidade de assistente editorial. Publicava textos científicos em português, francês e inglês ligados à Museologia das ciências e das técnicas, seleccionados mediante um processo de arbitragem científica, e tinha um enfoque internacional como se verifica pelos conteúdos publicados e como atestava a composição do conselho editorial. Foram publicados três números, sendo que os dois últimos volumes (2002 e 2003) foram dedicados à edição das actas da primeira e segunda conferência do UMAC (Comité Internacional do ICOM para os Museus e Colecções Universitárias) que se realizou em Sidney e Canberra (2002), e em Barcelona (2001). Seria necessário esperar mais dez anos até surgir uma nova revista científica dedicada à Museologia em Portugal: a MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, já num contexto diferenciado de acesso aberto e de arbitragem científica sob duplo anonimato, de que falaremos mais adiante.

Da parte dos organismos com responsabilidades em matéria de políticas museológicas, é apenas na segunda metade da primeira década de 2000 que assistimos ao aparecimento da primeira revista especializada em museus, a Museologia.pt.[4] Da responsabilidade do então recém-criado Instituto dos Museus e da Conservação, esta publicação impressa de cadência anual, coordenada por Clara Frayão Camacho (então subdirectora do Instituto), veio colmatar a ausência de uma publicação especializada em museus num contexto mais institucional e de abrangência nacional. Ainda num sistema fechado de contribuições, a revista incluía um conselho editorial composto por representantes de várias universidades e de museus. De 2007 a 2011 foram publicados cinco números organizados em torno de cinco secções principais: “Projectos e Experiências”, “Exposições”, “História e Memórias”, “Dossier” (temático) e “Internacional”. No entanto, o novo ciclo político que levou à reestruturação e à fusão de organismos públicos na administração central, acabaria por ditar o fim do projecto editorial. Já sob a égide da recém-criada Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) seria lançada em 2013 uma nova publicação institucional, a RP – Revista Património. De certa forma, a RP sucedeu a dois projectos editoriais anteriores distintos, a Museologia.pt e a revista Estudos/Património, editada pelo antigo Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico – IPPAR, e depois Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico – IGESPAR; 2001-2011), daí resultando uma única revista de perfil multidisciplinar. A revista segue no geral algumas das características dos projectos anteriores: impressa (agora editada em parceria com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda), de cadência anual e em sistema fechado de contributos. Dirigida pelo arquitecto Manuel Lacerda (chefe de divisão de Documentação, Comunicação e Informática), e coordenada pela historiadora Deolinda Folgado (chefe de divisão do património móvel, imóvel e imaterial), a revista incorpora o papel de dar conta da obra feita, a divulgação das suas actividades e o pensamento que molda a política oficial para o património. A incorporação de contributos externos à DGPC é um aspecto que beneficia a publicação, assim como os aportes de colegas espanhóis, o que parece sugerir o compromisso com o trabalho em rede. A publicação reproduz, em certa medida, o peso dos diferentes sectores de intervenção (Arquitectura, Arqueologia, Património Cultural – material e imaterial –, Conservação e Restauro, Museus, etc.) no seio deste organismo. E embora os museus façam parte do alinhamento de temas, a necessidade de abranger todas as áreas numa só revista resulta num espaço de menor expressão para cada uma delas.

Ao nível dos periódicos são ainda de assinalar dinâmicas editoriais emanadas do contexto regional – as revistas Musa e Museal, que apesar da sua transitoriedade dão conta da necessidade sentida na criação de espaços que pudessem evidenciar e divulgar estudos e experiências na área dos museus num contexto territorial mais delimitado. A revista Musa: Museus, Arqueologia & Outros Patrimónios surgiu em 2004 com a chancela do Fórum Intermuseus do Distrito de Setúbal e Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, entidade assumida como a primeira rede de museus de carácter regional, sendo o periódico instrumental para validar a ideia de projecto comum aos diferentes municípios do distrito de Setúbal. Coordenada por Joaquina Soares (Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal), a publicação dividia-se pela temática dos museus e outras áreas afins, com textos de qualidade diferenciada, onde se incluem alguns contributos assentes na divulgação de investigação produzida e outros de carácter mais informativo sobre as características da realidade museológica em causa. Pensada inicialmente com uma periodicidade anual, a revista publicaria apenas três números e de forma irregular (2004, 2007 e 2010). É de notar, contudo, a capacidade aglutinadora de um projecto editorial como este, baseado na cooperação institucional em benefício dos interesses partilhados de profissionais e museus/instituições, ultrapassando a agenda individual de cada município.

A revista Museal foi uma iniciativa promovida pelo Museu Municipal de Faro entre 2006 e 2009, com uma abrangência regional, mas, em grande medida, de interesse nacional. Coordenado por Dália Paulo, à época directora do museu, o periódico (impresso) tinha cadência anual, tendo sido publicados quatro números temáticos: «A Realidade Museológica no Algarve: Perspectivas para o Séc. XXI» (2006); «Conservação Preventiva: Prevenir para Preservar o Património Museológico» (2007); «Museus de Fronteira: Fronteira e o Museu» (2008); e, finalmente «Núcleos Museológicos: Que Sustentabilidade?» (2009), este último resultando, na sua grande parte, da publicação das actas do encontro com o mesmo nome que teve lugar em Faro, em 2008.

Mais recentemente, refira-se o lançamento da revista Argos. Com edição do Museu Marítimo de Ílhavo (desde 2013) é um projecto editorial que ultrapassa o contexto local ou regional para se afirmar como revista temática ligada à cultura marítima, com olhares nacionais mas também internacionais (além de em português, publica textos em inglês, francês e espanhol), apesar de intrinsecamente associada ao projecto cultural do próprio museu (de tutela municipal). Álvaro Garrido, coordenador do periódico e director do museu explica, assim, as motivações que levaram à sua criação: «Embora o campo institucional da museologia marítima não exista em Portugal, importa construir redes, partilhar os melhores projectos, exaltar as experiências mais incrustadas nas comunidades e destacar as organizações que mobilizam conceitos criativos em torno dos patrimónios marítimos» (Garrido 2015, 5). A revista é impressa, de periodicidade anual e funciona em regime fechado de contributos, tendo publicado quatro números. Embora a revista não se cinja estritamente à Museologia, aporta o contributo de várias áreas de estudo, contribui para formar um espaço de debate e reflexão sobre os desafios neste campo específico de análise – os museus ligados à cultura marítima.

Não obstante os constrangimentos mais específicos de cada projecto, com frequência se manifestam dificuldades em manter este tipo de publicações, levando ao não cumprimento da sua regularidade e até mesmo ao seu desaparecimento, problemas que não são muito diferentes de iniciativas similares noutras áreas. Refira-se a (in)sustentabilidade dos projectos, geralmente em estreita dependência do apoio da administração local (ou de outras escalas da administração) e vulneráveis aos seus ciclos políticos, a incapacidade de distribuição nos circuitos comerciais (o que é o caso dos últimos periódicos referidos), a ausência de mecanismos de promoção e divulgação relativamente aos próprios periódicos, mas também a dificuldade de continuadamente alimentar com massa crítica as linhas editoriais propostas, tratando-se a Museologia de um campo relativamente jovem e em construção, ao mesmo tempo respeitante a uma pequena comunidade de profissionais e investigadores. Os dados disponíveis não permitem um panorama suficientemente abrangente e actualizado, mas de acordo com estatísticas de 2009 verifica-se a existência de 6284 pessoas a trabalhar em museus (compreendendo todos os tipos de funções, desde as administrativas, de segurança, de acolhimento, de limpeza, aos conservadores e outros técnicos com formação académica), o que corresponde a uma média de dez pessoas por museu. Todavia, se restringirmos a amostra do pessoal ao serviço nos museus à categoria de “conservador/técnico superior” a média reduz-se para apenas três por museu (Neves, Santos e Lima 2013, 59).

A acção editorial por parte de museus também não é despiciente. O aparecimento de boletins ou outros formatos de divulgação assume um crescendo nas duas últimas décadas, geralmente centrados na divulgação de estudos sobre as colecções e/ou património sob a sua tutela, sendo, no geral, centrados no projecto cultural de cada museu. Todavia, no cômputo geral são igualmente marcados pela irregularidade e pela disparidade de conteúdos. Não sendo objecto de análise mais aprofundada neste texto, podem, no entanto, ser referidos alguns exemplos: o Ecomuseu Informação (1996-2011), boletim trimestral da responsabilidade do Ecomuseu Municipal do Seixal, o Cenáculo – Boletim on-line do Museu de Évora (2007, 2007, 2008, 2010), ou ainda os Cadernos do Museu (2015-) do Museu da Ruralidade. Por outro lado, não se ignora o investimento na edição de catálogos de exposições que se foi afirmando como uma das vias privilegiadas, não raras vezes a única via, de divulgação do estudo de colecções e do trabalho de investigação produzido em museus.

É sobretudo na última década que assistimos a um posicionamento mais vincado da edição por parte das universidades com cursos de Museologia. Esse (re)posicionamento e novas dinâmicas daí advindas estão directamente relacionadas com a evolução da própria formação, cuja oferta se passou a estender também para cursos de doutoramento (3.º ciclo). Se o crescimento da oferta da formação pós-graduada em Museologia está ligada ao enquadramento legislativo sobre a carreira nos museus que a partir de 2001 passa a exigir uma pós-graduação ou mestrado para acesso ao lugar de conservador de museu (cf. artigo 3.º do decreto-lei n.º 55/2001), a oferta de cursos de doutoramento[5] está relacionada com as dinâmicas das próprias universidades, estimuladas ao crescimento por via da oferta de terceiros ciclos em Museologia.[6] Face a esta evolução, uma das consequências notadas refere-se a um processo mais evidente de diferenciação por parte de cada universidade em dar visibilidade à produção científica dos seus “alunos – investigadores”. Este fenómeno também se enquadra na reorganização das políticas científicas nacionais (de algum modo em resposta à crise) de estímulo à “competitividade” e à avaliação da performance dos centros de investigação associados à formação ministrada (mestrados e doutoramentos). Neste contexto, destacamos o caso da Universidade Nova, da Universidade do Porto e da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Quanto à Universidade Nova de Lisboa, refira-se a edição, em 2011, do número temático «Museus e Investigação» (n.º 8) da Revista de História da Arte do Instituto de História da Arte. Este número reúne, na sua maioria, artigos assentes nas investigações em curso no seio da linha de museum studies (MuSt) deste centro de investigação. Para além de um núcleo de artigos, a publicação dá enfoque a textos sobre exposições realizadas, dá notícia dos projectos em curso e acrescenta uma secção onde se elencam as dissertações e teses realizadas em museum studies até 2011. Na mesma lógica se compreende o investimento do mesmo Centro na criação da colecção Arte e Museus (2013) publicando dissertações de mestrado.

No caso da Universidade do Porto, este (re)posicionamento é visível, por exemplo, com a criação da série Ensaios e Práticas em Museologia (exclusivamente em formato digital), iniciada em 2011 por Alice Semedo, na altura coordenadora do Mestrado em Museologia desta Universidade, série que se mantem até hoje com periodicidade anual.[7] A maioria dos artigos incluídos na primeira edição resultaram de dissertações de mestrado produzidas em 2008 e 2009 nesta Universidade (mas não exclusivamente), afirmando indelevelmente um campo de estudos diverso e em expansão, como atestam as coordenadoras do primeiro volume: «Os diferentes textos mostram bem a diversidade dos tópicos de investigação em museologia e, no seu conjunto, materializam diversas visões e orientações da museologia contemporânea, gizando não só um território de profissionais-em-acção mas promovendo, igualmente, espaços reflexivos e de discussão crítica» (Semedo e Costa 2011, 4). O aparecimento desta série deve ser entendido também numa lógica de continuidade de dinâmicas encetadas pela Universidade em 2009 com a organização do primeiro Seminário de Investigação em Museologia dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola (SIAM) que decorreu entre 12 e 14 de Outubro
na Fundação Dr. António Cupertino de Miranda (Porto). A criação de um espaço de divulgação, valorização e reflexão sobre investigação em Museologia aberto a investigadores dos países de língua espanhola e portuguesa reivindicava, por um lado, o desenvolvimento de uma “comunidade de prática” que, extravasando o contexto nacional, explorava o potencial colaborativo e de reflexão com profissionais e investigadores, que apesar de provenientes de diferentes geografias partilham interesses comuns. Assumindo, desde logo, a existência de «lacunas de investigação nesta área em Portugal mas também […] [a] necessidade urgente de facilitar a construção de espaços críticos e colaborativos de formação e investigação […], pelo que o «seminário destinou-se, particularmente, a investigadores e estudantes de formação pós-graduada em nível de mestrado e doutoramento tendo sido apresentado um vasto programa de comunicações e posters de investigadores que representam a riqueza da investigação produzida nas Universidades destes países.» (Semedo e Nascimento 2010, 8) Este fórum de discussão deu lugar à publicação de três volumes de actas, esquema colaborativo que foi continuado em anos seguintes (2010, em Buenos Aires; 2011, em Madrid).

O caso da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias também é revelador do (re)posicionamento a que aludimos. Em 2013, os Cadernos de Sociomuseologia, revista cujo início remonta a 1993, inicia uma nova série, procurando adaptar-se às orientações internacionais para publicações com carácter científico. Neste sentido foi reformulado todo o processo editorial de forma a corresponder às exigências de indexação e acreditação, adaptação esta que não está desligada de alterações emanadas do contexto nacional como referido antes. Dirigido pelo museólogo Mário Moutinho, este periódico (em formato impresso e digital) estava (ou está) essencialmente direccionado para a divulgação de textos dos alunos e professores (portugueses e brasileiros) ligados aos cursos de pós-graduação em Museologia (mais tarde mestrado e doutoramento) da Universidade, combinando uma miscelânea de textos muito díspar, ora publicações de teses, ensaios, colectâneas de textos, mas que no global alimenta uma rede estrita e confinada às relações estabelecidas ao nível dos ciclos de formação. A orientação dos textos publicados, embora diversa no cômputo geral, é seguidora do enfoque para uma vertente social da função dos museus e da Museologia que tem sido assumido pela Universidade – abordagem reivindicada como Sociomuseologia –, herdando (e actualizando) os princípios promovidos pela Nova Museologia dos anos 1970 e 1980, cujas repercussões se fizeram sentir também em Portugal (cf. Carvalho 2015).

É também em 2013[8] que surge a MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, uma nova revista (exclusivamente digital) dedicada à Museologia enquanto campo de trabalho e reflexão interdisciplinar, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto.[9] Inovadora na sua concepção, parte de uma iniciativa interuniversitária, sendo fundada por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora), aglutinando algumas das principais universidades portuguesas que promovem formação e investigação em Museologia. A assunção da natureza interdisciplinar da Museologia, claramente reivindicada pela MIDAS, vem demonstrar que a discussão sobre o reconhecimento da Museologia como ciência desvaneceu, uma vez que o seu objecto de estudo e respectivas metodologias não correspondem a um critério epistemológico de uma abordagem científica específica e autónoma, mas sim como um domínio de investigações híbrido, heterogéneo e de contornos fluidos (Shiele 2012). E como tal, um domínio que se constrói a partir (ou beneficiando) dos métodos (igualmente fluidos) e teorias de várias disciplinas.

Por outro lado, o modelo em que assenta a MIDAS, pensada desde logo atendendo às orientações mais actualizadas no que se refere aos critérios para as revistas científicas, nomeadamente no que se refere à indexação nas bases de dados nacionais e internacionais e à gestão de um sistema de avaliação por pares (peer-review) sob duplo anonimato, inaugura também uma nova dinâmica com base em chamadas públicas de angariação de propostas de artigos aberta a toda a comunidade profissional e de investigação. Note-se que a avaliação por pares (apesar das suas fragilidades) é considerada ainda como exigência obrigatória para se alcançar padrões de qualidade e de excelência no contexto da produção científica.

Nestes contornos, o aparecimento da MIDAS vem legitimar e afirmar em Portugal o estatuto de uma comunidade de prática e de investigação para a Museologia.[10] Além disso, a criação de um periódico nos moldes referidos vem igualmente confirmar a existência de uma massa crítica em crescimento propulsionada pela investigação produzida com o desenvolvimento dos doutoramentos nesta área, alimentados directa ou indirectamente por projectos de doutoramento e (mais recentemente) de pós-doutoramento por via da concessão de bolsas de investigação científica e do financiamento de projectos nos centros de investigação no âmbito dos programas de apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. A impossibilidade de uma carreira em museus, por via do bloqueio à entrada de novos profissionais, que se tornou crónico nos últimos anos, também é um factor que não pode ser ignorado neste contexto e que que tem contribuído, de certa maneira, para alavancar a iniciativa de criação de projectos de investigação como via alternativa a uma ligação ao mundo dos museus. No entanto, note-se o decrescimento da oferta de bolsas para investigação científica da Fundação para a Ciência e Tecnologia nos últimos anos, com consequências para uma possível inversão deste ciclo.

A publicação de dissertações e teses tem consubstanciado igualmente um instrumento de divulgação da investigação produzida nesta área, mas tem sido um fenómeno marcado pela oportunidade e pela iniciativa de diferentes actores (museus, municípios, centros de investigação, entre outras organizações), não correspondendo a uma estratégia definida para o sector. Destaca-se, todavia, o papel da série “Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas” da responsabilidade da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (com chamada pública de propostas, ou seja, compreendendo um edital e regulamento próprio), contexto que permitiu a publicação de várias teses de doutoramento na área da Museologia provenientes de diferentes universidades, edição que depois de 2011 foi interrompida.

A criação em 2015 da colecção “Estudos de Museus” veio imprimir uma nova dinâmica neste domínio. A intenção de criar a colecção tem pelo menos duas décadas, mas acabou por ter concretização por iniciativa da DGPC, numa configuração específica de intenções. Destina-se à publicação de teses de doutoramento, cujos temas se relacionem com os museus sob tutela deste organismo ou sobre tópicos contemporâneos relacionados com a sua política. Embora não apresente chamada pública de propostas ou regulamento público, a selecção dos títulos a publicar é realizado por um comité editorial externo composto por representantes de diferentes universidades: Alice Semedo (Universidade do Porto), Fernando António Baptista Pereira (Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa), Pedro Casaleiro (Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa), Vítor Serrão (Universidade de Lisboa) e, ainda, Clara Frayão Camacho, representando a DGPC. O projecto editorial conta com a colaboração de uma editora comercial, a Caleidoscópio, que assegura, entre outros aspectos, a distribuição dos livros no circuito comercial. Foram em 2015 e 2016 publicados cinco títulos, estando prevista a continuidade regular destas publicações. Quanto aos conteúdos há a destacar nesta colecção a publicação de estudos que enformam uma Museologia histórica, que tem sido uma tendência dominante no passado, mas também a incorporação de estudos mais centrados sobre a acção contemporânea dos museus e da Museologia, como é o caso de três dos títulos publicados: Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira e Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho.

Uma nota para assinalar dinâmicas assumidas pelos organismos tutelares de museus ao nível das edições técnicas. Neste contexto destacam-se a série “Temas de Museologia”, onde se inclui a publicação de Museus e Acessibilidade (Instituto Português de Museus, em 2004), Circulação de Bens Culturais Móveis (Instituto Português de Museus, em 2004), Plano de Conservação Preventiva: Bases Orientadoras, Normas e Procedimentos (Instituto dos Museus e da Conservação, em 2007), as normas gerais de inventário, com títulos publicados desde os finais da década de 1990 e ao longo primeira década de 2010, e outros títulos de sistematização das estatísticas sobre museus ou iniciativas editorais associadas a projectos como a RPM.

Além do que já foi referido, um outro meio de divulgação que merece referência é a edição de actas de encontros e conferências nesta área. Difícil de categorizar ou enquadrar, são edições marcadas pelos enquadramentos específicos que lhes deram origem e pela diversidade de actores que as concretizaram, mas tem constituído um instrumento de assaz divulgação, tanto de projectos e experiências museológicas, como de algum pensamento ou posicionamento sobre o sector.

Com efeito, publicações como Iniciação à Museologia não abriram caminho ao desenvolvimento de uma linha de estudos museológicos de contornos aproximados à série Museum Meanings da editora inglesa Routledge, por exemplo. No que respeita à tradução, este é um terreno também pouco profícuo (ou mesmo inexistente) em Portugal, quando comparado com o caso espanhol, onde é frequente a tradução de obras estrangeiras no campo da Museologia, para além da edição de publicações de origem nacional, onde se incluem dinâmicas assinaláveis através de editoras como a Akal, a Ariel ou a Trea.

Para além das edições de carácter mais formal, é de notar também a ausência de maior dinamismo no que se refere a espaços de opinião emanados da comunidade profissional e de investigação. À excepção de alguns casos, por via de blogues, onde se assinalam Musing on Culture, de Maria Vlachou – de que resultou a publicação do livro homónimo em 2013 –, No Mundo dos Museus, de Ana Carvalho, Mouseion, de Alexandre Matos, e mais recentemente a.muse.arte de Maria Isabel Roque, ou ainda de esparsos artigos em jornais, este é ainda um campo tímido de expressão e intervenção pública.

Por tudo o que foi referido, retomamos a afirmação inicial, de que efectivamente se denota uma evolução neste campo, com sinais evidentes de transformação do sector e com a emergência de sinais positivos no panorama editorial. No entanto, e apesar de algum optimismo, este percurso padece de constrangimentos estruturantes (ou desestruturantes) mais latos que o condicionam. Entre eles a ausência de uma política museológica sustentada num tempo mais longo, e consequente investimento em termos de recursos humanos e financeiros. Por sua vez, o desafio de uma articulação mais concertada entre o campo profissional e o académico no que concerne à formação e à investigação. E, finalmente, a necessidade de se imprimir maior activismo associativo com vista ao fortalecimento de um espaço comprometido de intervenção pública apostado na melhoria das condições de trabalho per se e na prestação de um serviço de museus que ultrapasse os limites mínimos de funcionamento no sentido de se fazer caminho para uma efectiva democratização dos museus.

 

Referências

Camacho, Clara Frayão. 2007. “Editorial.” Museologia.pt 1 (Maio): VI–VII.

Carvalho, Ana. 2015. “Decifrando Conceitos em Museologia: Entrevista com Mário Canova Moutinho.” Museologia & Interdisciplinaridade 4 (8): 252–69. http://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/view/15824.

Garrido, Álvaro. 2015. “Editorial.” Argos 3 (Outubro): 5.

Lorente, Jesús-Pedro. 2013. “Las Revistas Museológicas en la Actualidad: Una Panorámica Global.” MIDAS Museus e Estudos Interdisciplinares 1. doi:10.4000/midas.156.

Neves, José Soares, Jorge Alves Santos, e Maria João Lima. 2013. Panorama Museológico em Portugal (2000-2010). Lisboa: Direção-Geral do Património Cultural.

Pereira, Benjamin. 1989. “Ernesto Veiga de Oliveira e o Museu de Etnologia.” In Estudos em Homenagem a Ernesto Veiga de Oliveira, editado por Fernando Oliveira Baptista et al., 555–568. Lisboa: INIC. Centro de Estudos de Etnologia.

Rocha-Trindade, Maria Beatriz. 1993. “O Porquê e o Como.” In Iniciação à Museologia, coordenado por Maria Beatriz Rocha-Trindade, 17–18. Lisboa: Universidade Aberta.

Semedo, Alice, e Elisa Noronha Nascimento, coord. 2010. “Apresentação.” In Actas do I Seminário de Investigação em Museologia dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola, 8–9. Vol. 1. Porto: Universidade do Porto.

Semedo, Alice, e Patrícia Costa, eds. 2011. “Apresentação.” In Ensaios e Práticas em Museologia, 4. Porto: Universidade do Porto.

Semedo, Alice. 2004. “Estratégias Museológicas e Consensos Gerais.” In Museus do Eixo Atlántico, coordenado por Mário Brito e José Cuñarro, 5–32. Vigo: Eixo Atlántico.

Shiele, Bernard. 2012. “La Muséologie: Un Domaine de Recherches.” In La Muséologie, Champ de Théories et des Pratiques, editado por Anik Meunier, 79–100. Québec: Presses de l’Université du Québec.

Vaquinhas, Irene. 2013. “A Museologia Como Campo de Estudo nas Universidades Portuguesas: Esboço de Evolução, Pertinência e Atualidade.” MIDAS Museus e Estudos Interdisciplinares 1. doi:10.4000/midas.142.

Notas

[1] Ainda antes da criação de pós-graduações e mestrados, o ensino em Museologia já havia sido introduzido sob a forma de uma cadeira no curso de Ciências Antropológicas e Etnológicas do Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina no ano lectivo de 1970-1971, sendo interrompida entre 1973-1974, e, mais tarde, retomada na licenciatura de Antropologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. A este propósito refira-se o papel do antropólogo Ernesto Veiga de Oliveira (subdirector do Museu de Etnologia entre 1965 e 1973). A iniciativa foi introduzida pelo antropólogo Jorge Dias, mas coube a Veiga de Oliveira a regência da cadeira e o seu desenvolvimento (Pereira 1989).

[2] Para o ano lectivo de 2010-2011, Vaquinhas (2013) identificou a existência de uma oferta de 12 cursos de formação em Museologia ao nível de pós-graduação e mestrado em universidades portuguesas públicas e privadas, um número claramente assimétrico em função da escala do país e (das necessidades) do sector museológico. Todavia, analisada a oferta existente para 2016-2017 o número decresceu para apenas sete cursos de mestrado, registando-se, ainda assim, uma oferta assinalável.

[3] No campo associativo deve ser também referida a revista Museu editada pelo Círculo Dr. José de Figueiredo (grupo dos Amigos do Museu Nacional de Soares dos Reis), que continua a ser publicada (1942-).

[4] Nos anos 1980 deve ser referida a publicação de alguns números da revista Bibliotecas, Arquivos e Museus editada pelo Instituto Português do Património Cultural e para o mesmo período e até à década de 1990 note-se a publicação de Património e Museus Locais da responsabilidade editorial do Instituto Rainha D. Leonor (Camacho 2007).

[5] Para o ano lectivo 2015-2016 estavam disponíveis pelo menos cinco doutoramentos ligados à Museologia em Portugal: Universidade Lusófona, Universidade do Porto, Universidade de Évora (História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia), Universidade Nova de Lisboa (História da Arte, especialidade em Museologia e Património Artístico) e ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, juntamente com Universidade Nova de Lisboa (Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Museologia).

[6] Porém, note-se que antes da criação de cursos de doutoramento em Museologia eram já produzidas teses de doutoramento portuguesas na área da Museologia desde os anos 1990, quer em contexto académico português, quer no estrangeiro.

[7] Note-se que antes da série Ensaios e Práticas em Museologia a publicação de artigos com base em estudos desenvolvidos na Universidade do Porto se fazia também através da revista Ciências e Técnicas do Património iniciada em 2002 (até 2014).

[8] Podia ainda ser referido o aparecimento da revista Vox Musei, Arte e Património, em 2013, mas por ser uma revista de iniciativa brasileira (Universidade Federal do Piauí) não a considerámos no contexto desta resenha. Todavia, é de notar que a sua génese tem presente a colaboração de parceiros universitários em Portugal, como é o caso do CIEBA – Centro de Investigação e de Estudos em Belas Artes da Universidade de Lisboa.

[9] Sobre o panorama internacional, consultar Lorente (2013), que fez um levantamento das revistas dedicadas à Museologia.

[10] Não significa, porém, que antes da MIDAS não se publicassem artigos sobre Museologia e museus em revistas científicas, nomeadamente em áreas disciplinares estabelecidas como a Antropologia, a Sociologia, a História, etc.

****

Este texto foi publicado originalmente no 5.º número dos Cadernos do Museu (Carvalho, Ana. 2017. “A Construção de uma Comunidade de Prática e de Investigação em Museologia: O Papel das Publicações.” Cadernos do Museu 5 (Janeiro): 32-45. http://hdl.handle.net/10174/19979).

Errata: No texto original, onde se lia “Boletim Trimestral do Ecomuseu Municipal do Seixal (2005-2011)” [p. 37] passa a ler-se “o Ecomuseu Informação (1996-2011), boletim trimestral da responsabilidade do Ecomuseu Municipal do Seixal”; onde se lia “Foram em 2015 publicados cinco títulos, estando prevista a continuidade regular destas publicações” passa a ler-se “Foram em 2015 e 2016 publicados cinco títulos, estando prevista a continuidade regular destas publicações”.

Museus e Sociologia em destaque no número especial da Museum & Society

A revista inglesa, Museum & Society, acaba de publicar Sociology in Museums, um dossier especial que explora as intersecções entre a sociologia e os museus. Os editores deste dossier são Gordon Fyfe (Keele University), que é também co-editor da revista, e Paul Jones (Liverpool University). Sem surpresas, a obra The Love of Art ([1969] 1991) de Pierre Bourdieu e Alain Darbel continua a suscitar olhares e a desencadear interrogações à luz do séc. XXI.

Museum & Society é uma publicação electrónica da Universidade de Leicester. Afirma-se como revista interdisciplinar sobre museologia. Lançada em 2003, a responsabilidade da gestão da revista é partilha por 11 co-editores de várias universidades.

Disponível online: http://www2.le.ac.uk/departments/museumstudies/museumsociety

*****

Março 2016. Volume 14, n.º 1 | Conteúdos:

Introduction: Sociology and Museums: Visitors, Policy, Knowledge
Gordon Fyfe and Paul Jones

Sociology of Museums

Seeing and Being Seen: The Multimodality of Museum Spectatorship
Dimitra Christidou, Sophia Diamantopoulou

Making Sense of Things: Constructing Aesthetic Experience in Museum Gardens and Galleries
Gemma Mangione

The Habitus of Heritage: a Discussion of Bourdieu’s Ideas for Visitor Studies in Heritage and Museums
Bella Dicks

Place and Cultural Capital: Art Museum Visitors across Space
Laurie Hanquinet

Exhibiting the Nation: Indigenousness in Chile’s National Museums
Magdalena Gil

Cultural Policy

Exploring the gap between museum policy and practice: a comparative analysis of Scottish, English and Welsh local authority museum services
Vikki McCall

Structure, Agency and Museum Policies
Clive Gray

Productive Nation? Museums, Cultural Policy and Australia’s Productivity Narrative
Ian McShane

Museums of Sociology

Using the Local to Tell a Global Story: How the Peabody Essex Museum Became a World Class Museum
Peggy Levitt, Katherine Cali

‘The rats are still with us’: Constructing Everyday Life at the Anacostia Museum in Washington, DC
Robyn Autry

Staging Migration (in) Museums: A Reflection on Exhibition Design Practices for the Representation of Migration in European Contemporary Museums
Francesca Lanz

Sociology, Buildings, Objects

Curating actor-network theory: testing object-oriented sociology in the science museum
Laurie Waller

Museum Architecture Matters
Paul Jones, Suzanne Macleod

Review Article

Museum Studies, Area Studies, and Museums in China
Elizabeth Lawrence

Book Reviews

Paul Basu and Wayne Modest (eds.), Museums, Heritage and International Development, New York: Routledge, 2015, hardcover £90.00, pp. ix+345.
Amy Clarke

Jenny Kidd, Museums in the New Mediascape: Transmedia, Participation, Ethics, Farnham: Ashgate, 2014, hardcover £ 65.00, pp. ix+166.
Amy Hetherington

Freda Matassa, Organizing Exhibitions. A handbook for museums, libraries and archives, London: Facet Publishing, 2014, paperback pp. xxviii+302.
Sara Wear

Revista do Museu de Ílhavo publica terceiro número

capa da revista número 3, onde se vê pequena imagem de pormenor de embarcação com o número 34

Acaba de ser publicado o terceiro número da revista ARGOS. Editada pelo Museu Marítimo de Ílhavo (desde 2013), tem cadência anual e assume como fio condutor os tópicos relacionados com os museus de temática marinha. “Embora o campo institucional da museologia marítima não exista em Portugal, importa construir redes, partilhar os melhores projectos, exaltar as experiências mais incrustadas nas comunidades e destacar as organizações que mobilizam conceitos criativos em torno dos patrimónios marítimos”, disse Álvaro Garrido, coordenador da revista e director do Museu Marítimo de Ílhavo.

Deste número destacamos cinco textos. O primeiro deles é de Peter Neill (director do Word Ocean Observatory) que de forma assertiva reconhece o quanto as lideranças e a curadoria nos museus tem contribuído para a ausência de contemporaneidade nos museus de temática marinha. Apontando um conjunto muito diverso de tópicos contemporâneos passíveis de ser abraçado por estes museus (emigração/imigração, políticas & governança, transporte & comércio, pesca, exploração de recursos naturais, marinha & expansão territorial, para referir alguns) Neill sublinha a necessidade de mudar mentalidades, a introdução de novos valores, mas também um compromisso ao nível das lideranças para alcançar estas mudanças. Um texto  em consonância com uma tendência na museologia para uma maior relevância dos museus através de um compromisso com temas-chave do presente.

No campo das políticas do património, o texto de Ivone Magalhães (Rede de Museus do Mar de Esposende) identifica alguns dos problemas que a lei do abate de 1985 preconizou, levando à perda de grande parte das embarcações “tradicionais” existentes em Portugal. Apesar do movimento patrimonial no sentido de estudar as embarcações que foi sendo levado a cabo, há ainda muito a fazer para que se combine a protecção patrimonial, a promoção da economia local e o respeito pelas profissões ligadas à cultura marinha.

Sobre a musealização do património imaterial, sublinhamos o nosso próprio texto, que reflectiu sobre a importância de introduzir o património imaterial nas exposições através de narrativas menos centradas na cultura do objecto e mais centradas na cultura da narrativa, na qual se combina o poder dos objectos com os contributos e as histórias dos grupos e comunidades. Para isso analisamos a exposição “Artes da Pesca. Pescadores, Normas, Objectos Instáveis” patente no Museu Nacional de Etnologia, que embora configure uma exposição mainstream assente na cultura do objecto não deixou de evidenciar, para efeitos desta reflexão, possibilidades em aberto (texto disponível em http://hdl.handle.net/10174/16210).

O Museu Marítimo de Ílhavo é porventura um dos museus de temática marinha que mais trabalho tem desenvolvido em torno da recolha de memórias sobre a pesca do bacalhau. Esse trabalho mais sistematizado é balizado com a criação do Arquivo de Memórias da Pesca do Bacalhau em 2005. Em processo de actualização contínua, este arquivo incorpora testemunhos em formato audiovisual de homens ligados à pesca do bacalhau. Este repositório tem servido ao museu não só para preservar a memória colectiva per se, mas configura um importante recurso para a construção de narrativas nas exposições e, por outro lado, para promover o contacto do museu com as comunidades visadas. Nuno Miguel Costa (investigador do Museu Marítimo de Ílhavo) ao escrever sobre “Uma Construção da Memória em Rede” dá conta do projecto “Homens e Navios do Bacalhau” (2005-2009), que corresponde à digitalização das fichas de inscrição de tripulantes de bacalhoeiros no respectivo Grémio entre 1937-1974. Este material de arquivo está disponível sob a forma de base dados (http://mmi.t-t.pt) e confirma a consolidação do trabalho do museu em prol do registo da memória sobre a pesca do bacalhau, quer através da documentação, quer da recolha de testemunhos orais.

A cultura vieira no Tejo e Sado preconiza uma nova candidatura a património imaterial nacional. O projecto teve início em 2006 por iniciativa da Associação Independente para o Desenvolvimento Integrado de Alpiarça e várias instituições tem entretanto vindo a juntar-se  (Instituto Politécnico  de Santarém, Escola Superior de Educação de Santarém, entre outras). João Monteiro Serrano (Instituto Politécnico  de Santarém), coordenador do projecto, defende que a valorização da cultura vieira deve fazer parte do desenvolvimento económico e social das regiões do Tejo e do Fado. Não obstante a instrumentalização política que eventualmente decorre deste tipo de candidaturas, um dos aspectos positivos já perceptíveis neste projecto é o reconhecimento de melhor conhecer um património claramente desconhecido para muitos. Dada a escassez dos estudos sobre cultura vieira, esta candidatura poderá contribuir para o desenvolvimento de projectos de investigação nesta área. Resta saber que benefícios concretos trará a candidatura para as comunidades envolvidas.

A Argos foi distinguida este ano pela APOM com o prémio melhor “Trabalho na Área da Museologia” (em ex æquo com a revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares).

A revista é exclusivamente impressa e está à venda nas principais livrarias do país. Mais informações: ciemar.mmi@cm-ilhavo.pt

****

Índice

Editorial | Álvaro Garrido
Building on New foundation: A 21st Century Perspective for Maritime Museums | Peter Neill

MUSEUS E PATRIMÓNIO MARÍTIMO
Patrimónios Marítimos: Estratégias de Musealização do (i)material | Ana Carvalho
Curating Oceanic Histories | Sarah Longair

OS MUSEUS NA SALVAGUARDA DOS PATRIMÓNIOS MARÍTIMOS
Entrevista a Mário Ruivo, por Álvaro Garrido
La Preservación del Patrimonio Marítimo: El caso del Museu Marítim de Barcelona y su reto de futuro | Roger Marcet
Patrimónios histórico-naturais no Museu da Baleia da Madeira | Luís Freitas
Atracando no pier do conhecimento | Susana Taulé Piñol

PROJETOS E INSTITUIÇÕES
O projeto da Cultura Avieira | João Monteiro Serrano
De la « Grande Pêche » à la pêche durable : les intentions d’une exposition | Denis-Michel Boëll
A “Libertação da Via da Água” na salvaguarda dos patrimónios marítimos | Ivone Magalhães

MUSEU MARÍTIMO DE ÍLHAVO, Investigação
Homens e Navios do Bacalhau: Uma construção da memória em rede | Nuno Miguel Costa
Portos e espaços portuários: arqueossítios por desvendar | Jorge Branco
Documentação
Mapas náuticos, pesca longínqua e o conhecimento do Atlântico | Nuno Silva Costa
Exposição
Do fundo do mar: história natural marinha em portugal – Memória do projeto expositivo | Márcia Carvalho
O Vouga, onde a história se sobrepõe à Classe | Mariana Vaz
Bacalhau em código bidimensional – uma visão, para melhor conhecer | Fernando Correia

EXPERIÊNCIA MUSEOLÓGICA INTERNACIONAL
Museu Marítimo de Macau | Chan I Un

DOSSIER VISUAL
Arquivo fotográfico de Octávio Lixas Filgueiras: contributos para o estudo de um homem e seu legado | Ângela Carvalho e Miguel Filgueiras

Revista MIDAS premiada pela APOM

Prémios APOM 2015 © Ana Carvalho

Prémios APOM 2015 © Ana Carvalho

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares foi distinguida pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) com o prémio melhor “Trabalho na Área da Museologia”, em ex æquo com a Argo, revista do Museu Marítimo de Ílhavo.

A APOM atribui prémios anualmente a museus e projectos na área da museologia desde 1997 e comemora este ano 50 anos (1965-2015). A cerimónia de entrega dos prémios de 2015 decorreu na emblemática Sala do Senado da Assembleia da República no dia 29 de Maio de 2015, tendo sido atribuídos prémios em 26 categorias e várias menções honrosas. A lista de todos os premiados está disponível em: http://bit.ly/1HBQOo3.

A MIDAS é uma revista dedicada aos museus enquanto campo de trabalho e reflexão interdisciplinar, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. Foi fundada em 2011 por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Tem até ao momento quatro números publicados (desde 2013): http://midas.revues.org.

Novo número da revista MIDAS online

Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora” no Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves © Carlos Bunga, créditos fotográficos: Felipe Braga. Arranjo gráfico de Elisa Noronha Nascimento

Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora” no Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves © Carlos Bunga, créditos fotográficos: Felipe Braga. Arranjo gráfico de Elisa Noronha Nascimento

O 4.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares está disponível online em http://midas.revues.org.

Varia

Inês Ferreira
Objetos mediadores em museus

Alecsandra Matias de Oliveira
Epopeia paulista: a experiência do ateliê-residência no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo

Andreia Vale Lourenço
Reflexões sobre diversidade de representações, diversidade de públicos e de estratégias interpretativas

Dossier temático: «Museus, utopia e urbanidade»
Sob a coordenação de Helena Barranha e Nuno Crespo

Helena Barranha e Nuno Crespo
Museus, utopia e urbanidade

Rachel Morris
Imaginary museums: What mainstream museums can learn from them?

Roser Calaf e Sué Gutiérrez
La ciudad como museo: Interpretaciones para construir utopía y urbanidad

Maia Morel
Le musée comme outil de remédiation identitaire: Le cas du Louvre-Lens

Catarina Marto
Módulos com maior porosidade em relação à comunidade: Uma sugestão para centros de arte contemporânea

Bárbara Coutinho e Ana Tostões
A exposição com “obra de arte total”: O MUDE como caso de estudo

Ricardo Carvalho e Joana Vilhena
Fazer um museu numa ruína moderna

José Alberto Ferreira
Por uma poética da fragilidade. Para um museu dos Bonecos de Santo Aleixo

Nuno Cera
Ensaio visual

Recensões críticas

Adelaide Duarte
Leonor Oliveira – Museu de Arte Contemporânea de Serralves, os Antecedentes, 1974-1989

David Felismino
Rui Lopes – Museu Académico de Coimbra: Evolução Histórica, Coleções e Proposta de Atualização

Ughetta Molin Fop
Jesús-Pedro Lorente – Manual de Historia de la Museología

Vox Musei, uma nova revista sobre museus e património

Vox musei

Foto daqui

 Vox Musei é uma nova revista científica e de perfil internacional vocacionada para investigadores ibero-americanos. Publicada em Portugal, resulta de uma parceria entre o Centro da Investigação e de Estudos em Belas-Artes da Universidade de Lisboa (CIEBA) e o grupo de pesquisa brasileiro CNPq “Vox Musei arte e património” e “Memória, Ensino e Património Cultural” da Universidade Federal do Piaví.

Vox Musei foi também o título do congresso internacional “Arte, Património e Museus” realizado na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa entre 20 e 22 de Junho de 2013, encetando novas pontes para o diálogo entre investigadores portugueses e brasileiros.

A revista, de carácter semestral, em suporte impresso e digital, teve o seu primeiro número publicado em Janeiro de 2013 e conta já com mais dois números. Os dois primeiros números foram dedicados à museologia e ao património numa perspectiva abrangente, sendo que o terceiro número foi dedicado à cultura fluvial e marítima. Os três números estão disponíveis aqui: http://www.ojs.ufpi.br/index.php/voxmusei (apenas 1 número) e aqui: http://www.fba.ul.pt/revistas/ (todos os números via ISSUU).

De acordo com Áurea da Paz Pinheiro (Universidade Federal do Piaví), directora da publicação, a Vox Musei pretende publicar “trabalhos inéditos, que versem sobre arte, património e museus, estudos que valorizem a memória social, identidades, organizações, reflexões sobre acesso, património, museus, públicos, educação, sociedade, acessibilidades e sustentabilidade, dentro outros objetos, temas, problemas e abordagens relacionadas”.

Desta parceria está ainda prevista a publicação de livros em formato digital no contexto da colecção Vox Musei Arte e Património. Nesta colecção publicar-se-ão “livros que sejam resultados de pesquisas acuradas, árduas e criteriosas. Estudos que dialoguem com conceitos e métodos da História, da Antropologia, da Etnologia, que usem a Etnografia e da História Oral, dentre outros conceitos e metodologias possíveis” (Áurea da Paz Pinheiro, entrevista, n.º 2 da Vox Musei).

Museological Review: “Change in Museus” Call for Papers

Museu da Electricidade#2013 © Ana Carvalho

Museu da Electricidade#2013 © Ana Carvalho

Museological review é uma revista científica editada pelos alunos de museologia da Universidade de Leicester, na Inglaterra. Existe deste 1994, ainda que com alguma irregularidade. A portuguesa Margarida Melo, que está a fazer o seu doutoramente em Leicester é actualmente uma das editoras da revista.

O próximo número da revista será dedicado ao tema da mudança nos museus. Está aberto um call for papers até 20 de Dezembro de 2013.

***

Call for Papers

Museological Review, Issue 18: Change in museums

Due in Spring 2014

Submission Deadline: 1700 GMT, Friday 20 December 2013.

Museological Review (MR) is a peer-reviewed journal, published annually, by the community of PhD students of the School of Museum Studies at the University of Leicester, UK. It is aimed at graduate master students, PhD students and early career researchers from around the world and from any museum-related discipline. It is a forum for the exchange of museological ideas and for the development of academic skills.

In relation to this years’ PhD student led ‘Museum Metamorphosis’ conference (http://www2.le.ac.uk/departments/museumstudies/museum-metamorphosis)

Museological Review issue 18 welcomes contributions that seek to explore the phenomenon of metamorphosis — or change — in the museum. Museums are often perceived to arrest time, or go beyond it, yet they are not fixed or static entities. It has often been claimed that in order to become meaningful, museums should change by addressing and responding to the needs of society. Is this the case?

Papers addressing the following themes and questions are encouraged, but we also welcome new suggestions and creative proposals.

– How might we define metamorphosis in the context of the museum?
– Metamorphosis is a concept that resonates across many disciplines, from biology and geology to literary studies. How can such different conceptions of metamorphosis be harnessed in order to consider change in the museum?
– How do museums deal with resistance to change, both internally and externally?
– What are some of the opportunities and/or risks arising from constant and never-ending change in the museum?
– Historically, how has the museum changed from its early inception?
– What organisational changes have museum institutions implemented, and how has the museum profession responded to these?
– How have digital and other technological trends impacted upon the way we conceive museums and the ways in which museums relate to their communities?
– Have collections and displays been made relevant for contemporary audiences? If so, how? If not, why not?
– How have museological concepts such as learning, interpretation and collection adapted to new contexts?
– How, and to what extent, are new trends in exhibition-making creating the museum anew? How have museum-making processes changed?
– How can we describe changing understandings of museum space?
– How has our knowledge of the complex range of visitor experiences shifted? What impact has this had?
– How are museums used to create identity on different levels, and how are museums’ identities created in turn by the communities they serve?
– To what extent are museums an instrument for social change, and to what extent is change forced upon them?
– How can museums explore and reflect contemporary discussions in society?

Results

The editorial team will contact authors in late January 2014. The editorial process (peer review and editing) of those accepted papers will take place from February to April 2014. The issue is due to be ready and uploaded in the MR webpage by late May 2014.

Submission of manuscripts

The Editors welcome submissions of academic articles of any length up to 5,000 words. No fee is payable. A digital copy of the typescript will be required in Microsoft Word format. It will not be possible for us to undertake or arrange for independent proof reading and the obligation for thorough checking is the responsibility of the authors not the Editors. Publication cannot be assured until final revisions are accepted. Contributions should be set as follows:

    • Title of Article
    • Full name of the author
    • 150-word abstract and 3-5 keywords
    • Main body of the paper (5,000 words max)
    • Numbered endnotes (if appropriate)
    • Acknowledgements
    • References/Bibliography
    • Appendices
    • Author’s name
    • Full postal address, professional qualifications, position held.

Please type on one side of the paper only, keep to an even number of lines per page, and use standard size paper (A4) with wide margins. Please use Times New Roman font size 12, justified, double line-space texts. The sub-headings should be typed in exactly the same way as the ordinary text, but should be in bold. Sub-headings should be displayed by leaving extra space above and below them.

Do not use footnotes.
All foreign language extracts must be also translated into English.Style

    • Sub-headings are welcome, although ‘Introduction’ should be avoided where this is obvious. They should be in bold and aligned to the left.
    • Words ending in -ise or -ize: -ise is used.
    • Numbers: up to and including twenty in words, over twenty in figures, exceptthat figures should not begin in a sentence.
    • Measurements are given in metric (SI) units, though Imperial units may bequoted in addition.
    • Place names should be up-to-date, and in the Anglicised form (Moscow notMoskva).
    • Italics should be used a) for foreign words not yet Anglicised, including Latin;b) for titles of books, ships, pictures etc.; c) very sparingly, for emphasis
    • Quotations should be set in single quotation marks ‘…’, using double quotation marks “…” for quotes within a quote. Quotations of more than two lines oftypescript should be set on a new line and indented.
    • Abbreviations should always be explained on first usage, unless in commoninternational use. Full points should not be used between letters in an abbreviation: e.g. USA not U.S.A.
    • Organisations and companies take the singular, e.g. ‘the Royal Academy is…’.
    • First person tense should be avoided.

Illustrations/Figures/Tables: Papers can be accompanied by black and white or colour photographs, line drawings, maps, tables or any other visual element. All illustrations and figures should be numbered consecutively in the order in which they are referred to in the text. Please note that they must be fully captioned and supplied separate from the document, NOT included in a Word document, as .jpeg, .tif or .bmp files (NOT eps). Contributors are requested to discuss illustrative material with the Editors at an early stage. If there is any requirement for special type (e.g. Arabic, Greek, scientific or mathematical symbols) this should be supplied as artwork. All artwork must be scanned and submitted digitally. Photographs and line art must be supplied at 72dpi (lpi) minimum, and fully captioned. It is the author’s responsibility to gain permission to publish images, and they will be required to warrant that they have done so.

Referencing/Bibliography: References must be presented using the Harvard system (author and date given in text, e.g. Connerton, 1989; Cook, 1991: 533). This should be at the end of the paper, arranged alphabetically by author, then chronologically if there is more than one work by the same author. Use the inverted format as follows:

Connerton, P. (1989). How Societies Remember. Cambridge, Cambridge University Press.
Cook, B.F. (1991). ‘The archaeologist and the Art Market: Policies and Practice.’ Antiquity 65: 533.

Copyright

It is the author’s responsibility to obtain copyright approval for any materials included in the article.

Queries:

museological.review@hotmail.co.uk

http://www2.le.ac.uk/departments/museumstudies/research-degrees/museological- review

Hard-copy correspondence (copyright approval for images) may be sent to:

The Editors,
Museological Review, School of Museum Studies, University of Leicester, Museum Studies Building Leicester LE1 7RH,
UK.
Tel: + 44 (0) 116 252 3963; Fax: + 44 (0) 116 252 3960.

Revista MIDAS, n.º 2

"Modo de Emprego #1" © Catarina Botelho, créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012 Arranjo gráfico: Elisa Noronha

Modo de Emprego #1
© Catarina Botelho, créditos fotográficos: Amélia Julio, 2012
Concepção gráfica da capa: Elisa Noronha

 

O segundo número da revista MIDAS está disponível aqui: http://midas.revues.org

 

****

EDITORIAL

Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

ARTIGOS

O Museu como um instrumento de reflexão social
Genoveva Oliveira

Museu, Comunidade e Património Cultural Imaterial: um estudo de caso – o Museu da Terra de Miranda
Celina Bárbaro Pinto

Reproductibilidad y educación. El “Museu de Arte do Espírito Santo”
Renata Ribeiro dos Santos

As passagens do sagrado: da mercadoria ao ex-voto no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida/Brasil
Bianca Gonçalves de Souza e Eduardo Ismael Murguia

El Museo Itinerante del Barrio de la Refinería: renovación museológica, memoria popular e identidad vecinal en Rosario (Argentina)
Horacio Miguel Hernán Zapata, Leonardo C. Simonetta e María Liz Mansilla

A inclusão social tem influência nas práticas museais? O acesso dos públicos com deficiência
Patrícia Roque Martins

Modos de Ver e de Dar a Ver os Painéis de S.Vicente
Paula André, Luís Louzã Henriques, Luísa Isabel Martinho, Sónia Apolinário e Rui Reis Costa

NOTAÇÕES

Sobre um “Monstro bicorpóreo” Eborense do século XVIII
Luís Ceríaco

Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal. Um projeto, muitos projetos…
Luís Soares, Joana Baião e Leonor Oliveira

RECENSÕES CRÍTICAS

Ana Carvalho
Alivizatou, Marilena. 2012. Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation. Walnut Creek: Institute of Archeology.

Elsa Peralta
Cabral, Clara Bertrand. 2011. Património Cultural Imaterial: Convenção da UNESCO e seus contextos. Lisboa: Edições 70.

Ana Botas
Carvalho, Ana. 2011. Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para ao desenvolvimento de boas práticas. Lisboa: Colibri, Universidade de Évora.

Irene Vaquinhas
Mendes, José Maria Amado. 2009. Museus e Educação. Estudos, Humanidades. Colecção Estudos do Património. Coimbra: Imprensa da Universidade.

Revista MIDAS, n.º 1

"A partir de ´Porto de Mar, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet'", Lisboa 2012. © João Ferro Martins; Arranjo gráfico da capa: Elisa Noronha

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Concepção gráfica da capa: Elisa Noronha

Está publicado o primeiro número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. É uma revista editada em Portugal por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Universidade de Coimbra) e Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova). Tem formato digital e está disponível em acesso aberto (cf. http://midas.revues.org). Faz parte da plataforma francesa revues.org, uma rede de revistas no âmbito das ciências sociais e humanas, que integra por sua vez o Open Edition. O portal Open Edition (inclui mais duas plataformas: blogues – Hypotheses.org – e um calendário de eventos científicos – Calenda) tem ainda uma versão em português para dar maior visibilidade aos conteúdos em língua portuguesa – LusOpenEdition.

“A MIDAS propõe que se repense o museu enquanto projeção de um processo cultural, por vezes ideológico e até político. Daí a intencionalidade programática da nossa opção pelo título MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, que afirma como fundamental a convocação de outros saberes quando necessários a uma melhor compreensão das realidades museológicas, cada vez mais complexas e cada vez menos contidas entre as paredes do museu, e que à pluralidade do museu atual corresponde uma sua maior integração e participação nas dinâmicas e nos principais debates das sociedades contemporâneas. (…) A abrangência internacional permitirá uma leitura comparativa de diferentes circunstâncias nacionais.” (Editorial, n.º 1)

Pode encontrar o primeiro número disponível na íntegra aqui e acompanhar a revista através do blogue: http://revistamidas.hypotheses.org/

Conteúdos:

EDITORIAL
Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

ARTIGOS

Documento e musealização: entretecendo conceitos
Maria Lucia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro

Museus contemporâneos: locais de contágios e hibridismos
Joana Ganilho Marques

Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares M. Carmen Pérez Almagro

O ato de expor. Breves considerações a propósito d’A Perspectiva das Coisas. A Natureza-Morta na Europa
Joana d’Oliva Monteiro

Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos
Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos 

ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA DA MUSEOLOGIA

A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade
Irene Vaquinhas

Las revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global
Jesús Pedro Lorente

RECENSÕES CRÍTICAS

Luís Pequito Antunes
Gouveia, Henrique Coutinho Gouveia. 2009. Museu Etnográfico da Madeira: estudo de um modelo de avaliação. Praia-Tomar: Universidade de Cabo Verde, Instituto Politécnico de Tomar.

João Paulo Martins
Matos, Ana Cardoso de, e Marta Lourenço, coord. 2011. Expositions Universelles, Musées Techniques et Société Industrielle… Lisboa: Colibri – Universidade de Évora.

Pedro Casaleiro
Granato, Marcus e Marta Lourenço, coord. 2010. Coleções científicas de instituições luso-brasileiras: Patimônio a ser descoberto. Rio de Janeiro: MAST/MCT.

João Pedro Fróis
Émond, Anne-Marie, coord. 2012. Le musée: Entre la recherche et l’enseignement/The museum: between research and education. Québec: Éditions Multimondes.

Call for Papers: MIDAS – Museus e estudos interdisciplinares

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares está a aceitar artigos e recensões para o 1.º número que será publicado no último trimestre de 2012. O data limite é já dia 31 de março.

MIDAS é uma nova revista dedicada aos museus. É digital e semestral. Sobre a missão, gestão editorial e comité científico da revista consulte o site:http://revistamidas.hypotheses.org/) ou a página no facebook: https://www.facebook.com/revistamidas

Este “call for papers” não é temático. A revista aceita artigos que favoreçam a abordagem interdisciplinar e a problematização de temas no contexto do mundo dos museus, incluindo os seguintes domínios: Teoria dos Museus; Museus na Sociedade; Gestão de Museus; Conservação; Estudos de Públicos, Comunicação e Mediação; Políticas e Práticas de Exposição; Museus e Patrimónios; Novas Tecnologias; Arquitetura de Museus; História de Museus/Coleções; e Gestão de Coleções.

Submissão de artigos:
– português, espanhol, francês e inglês
– até 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 carateres (incluindo espaços)
– Microsoft Word, Times New Roman, 12
– Sistema Autor-Data do “Chicago Manual of Style”

Submissão de recensões:
– em português, espanhol, francês ou inglês
– publicações nacionais e internacionais (menos de 2 anos); e exposições
– até as 1500 palavras ou aproximadamente 10 000 carateres (incluindo espaços)
– Microsoft Word, Times New Roman, 12

Mais informação sobre as normas de publicação aqui: http://revistamidas.hypotheses.org/normas-de-publicacao

Os textos devem ser enviados para: revistamidas@gmail.com

Mouseion

João Brigola na abertura do 3.º encontro transfronteirico mouseion,
10 Dez. 2010, Castelo Branco

Mouseion é um vocábulo recorrente no mundo dos museus. Vem do grego e remete para a origem da ideia de museu, de templo das musas. As apropriações do termo ao longo do tempo são inúmeras.

Mais recentemente, Mouseion é o nome atribuído a uma rede de museus de carácter transfronteiriço. O objectivo principal é promover a colaboração entre museus na zona fronteiriça da Beira, do Alentejo e da Extremadura espanhola, através da gestão de recursos relacionados com exposições, formação de pessoal, conferências, ateliers e encontros.

Este projecto tem vindo a ser pensado desde 2002, ano em que é promovido o primeiro “encontro transfronteiriço mouseion”. Depois disso, começa a organizar-se um grupo de trabalho a partir do segundo encontro, em 2008 (Cáceres). No passado mês de Dezembro teve lugar o terceiro encontro mouseion, subordinado ao tema: “Museus para o Futuro: a fronteira que nos une”. O encontro realizou-se no Museu de Francisco Tavares Proença Júnior durante três dias (10-11-12 de Dezembro de 2010).

“No Mundo dos Museus” passou por lá tendo em conta tratar-se de um projecto transfronteiriço e de base colaborativa. O trabalho em rede é hoje mais do que uma ideia, uma necessidade. Todavia, os projectos têm o seu percurso, e no momento o “Mouseion” pode dizer-se que é ainda um projecto embrionário, à procura de respostas para o futuro: como oficializar a constituição da plataforma? que instituições assegurarão a sua formalização? como se deve organizar? qual a melhor metodologia de trabalho? como se financiar? Foram estas algumas das questões colocadas para reflexão neste último encontro. Em 2012 prevê-se a realização de um outro encontro, talvez então reflectindo sobre as actividades já desenvolvidas através do trabalho em rede.

O último número da revista espanhola “Museología” (n.º 49, 2010), editada pela “Associación de Museólogos”, dá especial enfoque à plataforma Mouseion, que é  tema de capa.

Destacamos, entre outros, a entrevista a João Brigola, director do IMC, sobre a importância de redes transfronteiriças como a plataforma Mouseion, o artigo de Ana Mercedes Stoffel, museóloga, sobre a história do projecto, o conceito e objectivos da plataforma e o artigo de Aida Rechena, directora do Museu de Francisco Tavares Proença Júnior, sobre as potencialidades e fragilidades do trabalho em rede a partir das percepções dos museológos e profissionais de museus com base num questionário distribuído na área geográfica de base da plataforma Mouseion. Para saber mais sobre a revista consulte o seguinte endereço: www.museologia.net

Ao que tudo indica, o projecto ainda não tem espaço na internet. Assim, para saber mais sobre esta rede ou para aderir ao projecto deve contactar:
Museu de Francisco Tavares Proença Júnior
Largo Dr. José Lopes Dias
6000-462 Castelo Branco
(00351) 2772347880 (Fax)
Mftpj.directora@imac-ip.pt

Museal, n.º 4, 2009

A MUSEAL – Revista do Museu Municipal de Faro lançou recentemente o seu quarto número, desta vez dedicado ao tema: “Núcleos museológicos. Que sustentabilidade?”

Para quem ainda não conhece esta revista, é preciso lembrar que se trata de uma publicação editada pela Câmara Municipal de Faro. Inclui um conselho científico, constituído pelas seguintes personalidades:

António Nabais
Clara Camacho
João Brigola
José d’Encarnação
Rui Parreira
Textos
Alexandra Gradim
Clara Frayão Camacho
Cláudio Torres
Dália Paulo
Graça Filipe
Hugues de Varine
João Alpuim Botelho
José d’Encarnação
José Gameiro
Pedro Prista
Rui Parreira

ISSN 1646-4202

Conteúdos:

Núcleos Museológicos – que sustentabilidade? Do debate conceptual às práticas de produção cultural – Rui Parreira

Núcleos Museológicos em Portugal: algumas questões históricas e conceptuais – Clara Frayão Camacho

Da musealização de património ao ordenamento do território musealizado: em busca de um modelo de sustentabilidade adequado a cada realidade em mudança – Graça Filipe

Museus e ordenamento do território – Hugues de Varine

Museus, território e desenvolvimento – Cláudio Torres

A musealização de um território: o caso de Bordeira, Santa Bárbara de Nexe, Faro – Dália Paulo

A rede polinucleada de Alcoutim: A sustentabilidade de um projecto – Alexandra Gradim

Museu de Portimão gestão de um território – José Gameiro

Gerir os Monumentos Megaliticos de Alcalar e o seu Centro Interpretativo: êxitos e fracassos de uma administração desconcentrada em articulação com o poder Local – Rui Parreira

Núcleos Museológicos de Loulé – Pedro Prista Monteiro

Núcleos Museológicos como estratégia de conhecimento do território: o caso do Museu do Traje de Viana do Castelo – João Alpuim Botelho

Em jeito de conclusões – José d’Encarnação

Recensões – José d’Encarnação

Nuova Museologia, n.º 19, 2008

nuova-museologia 19

Em Novembro de 2008 foi publicado o n.º 19 da Revista Nuova Museologia que agora divulgamos. Veja em baixo quais os artigos deste número.

Direttore Responsabile: Giovanni Pinna
Redazione: Claudia Savoiardo
Promozione e Sviluppo: Carlo Teruzzi
Relazioni esterne: Donatella Lanzeni

Conteúdos:

Giovanni Pinna
Le idi di marzo sono giunte. Sì, Cesare, ma non trascorse pag.1

Andreas Henning
La Gemäldegalerie Alte Meister di Dresda su Second Life pag. 2

Aldo R. D. Accardi
Natura e Artificio negli interni museali pag. 4

Maurizio Maggi
L’albero e i suoi frutti: l’ecomuseo è ancora un museo? pag. 9

Enrica Dardes
La Guggenheim experience pag.13

Enzo Varricchio
Il patrimonio “immateriale” nella legislazione italiana pag.18

Lorenzo Guzzardi, Giancarlo Germanà Bozza
Musei e archeologia subacquea in Sicilia pag. 22

Annalisa Porzio, Valeria De Laurentiis, Ornella Schiappa
Ciro Massaro La Sala DAI a Palazzo Reale di Napoli pag. 26

Ileana Tozzi
La Pinacoteca diocesana di Rieti pag. 29

Maria Teresa Balboni Brizza
Al museo si può ancora provare meraviglia? pag. 32

Pier Federico Caliari
Museografi senza frontiere pag. 35

Short articles

Salvatore Zappulla
Rivive l’antico maniero di Calatabiano (Catania) pag. 39

Giovanni Pinna
Autonomia universitaria e museologia pag. 39

———————

Alguns dos números anteriores estão disponíveis em:
http://www.nuovamuseologia.org

Museal, n.º 3

O n.º 3 da revista MUSEAL, editada pelo Museu Municipal de Faro, já saiu e conta com a participação de investigadores portugueses e espanhóis. O tema deste número é “Museus de Fronteira. Fronteira como Museu?”

Organiza-se em quatro partes:
– O património sem fronteiras
– Museus de fronteira marítima
– Dois Museus de fronteira
– Museus das regiões de fronteira

A revista apresenta ainda os Prémios 2006 da Associação Portuguesa de Museologia e a Carta de Princípios da Rede de Museus do Algarve.

A Revista integra um Conselho Científico constriuído por António Nabais (Presidente da Assembleia Geral da Associação Portuguesa de Museologia), Clara Camacho (Subdirectora do Instituto de Museus e Conservação), João Brigola (Universidade de Évora), José da Encarnação (Universidade de Coimbra) e Rui Parreira (Direcção Regional da Cultural do Algarve).

ÍNDICE

Museus como fronteira: a raia entre Portugal e Espanha
Luís Jorge Gonçalves

O património sem fronteiras
Fronteiras de geometria variável: o Alentejo central na Pré-história | Manuel Calado
Museus, fronteiras e romanos | José d’Encarnação

Museus de fronteira marítima
Museus da fronteira marítima: o caso de Sesimbra | João Ventura
Museo Marítimo “Seno Corcubíon” | Manuel Coronilla Castro

Dois Museus de fronteira
Museu do Café Delta, em Campo Maior | António Nabais
Museu de Cáceres: um decénio de colaboração transfroenteiriça | Juan Valadés Sierra

Museus das regiões de fronteira
Los museos de la provincia de Huelva en Andalucía. Sus relaciones con Portugal | Olga Duarte Piña
Museus de fronteira no Algarve: Novos espaços, novos desafios | Dália Paulo
Los Museos de Extremadura | Maria José Pérez del Castillo
Museus das regiões de fronteira – Alentejo Entre a Renovação e a obra nova, a mudança de ciclo dos museus alentejanos | João Carlos Brigola
Museu de Francisco Tavares Proença Júnior: o caminhar de um século | Aida Rechena
Um museu numa região com fronteira – breve história do Museu da Guarda | Dulce Helena Pires Borges
Al otro lado del Niño – Presencia portuguesa em museos gallegos | Samanta Coleman Aller

Fonte: Lista de Discussão Museum