Arquivo de etiquetas: Sandra Leandro

Chamada para entradas em dicionário de biografias de personalidades ligadas aos museus e à museologia

quem-e-quem

“Quem é Quem na Museologia Portuguesa” corresponde a um desafio lançado pela Linha de Investigação “Estudos de Museus” do Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Responder a esse repto envolve a criação de um dicionário de museólogos portugueses, balizado entre o século XVIII e os anos 60 do século XX que, numa primeira fase, terá edição digital.

Esta iniciativa visa ampliar e sistematizar o conhecimento sobre as personalidades ligadas à museologia portuguesa, em áreas tão diversas como a arte, a ciência, a antropologia ou a arqueologia, tendo em consideração os contextos históricos que as envolveram.

Todas as entradas do Dicionário terão a forma de biografia, segundo formato e normalização precisos. Para além dos objectivos enunciados, decorrem ainda desta iniciativa:

  • disponibilizar online e em acesso aberto os resultados de pesquisa e investigação recentes afectas à história dos museus e à museologia em Portugal;
  • contrariar a tendência de dispersão de conteúdos que caracteriza o panorama investigativo, facilitando o acesso aos mesmos;
  • constituir um corpus de conhecimento sobre o pensamento museológico e a história da museologia em Portugal
  • Apela-se, para tal, à participação de um leque de investigadores que se pretende o mais alargado possível.

As diferentes fases de desenvolvimento do projecto serão progressivamente dadas a conhecer on-line a partir do final do mês de Julho de 2017, através do site do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa

Prazo limite de submissão: 24 de Março de 2017

Os interessados deverão enviar um resumo de cada uma das entradas biográficas propostas (máx. de 250 palavras), num ficheiro Word, em português, acompanhado de uma breve nota curricular (máx. de 150 palavras).

As propostas serão avaliadas e a sua aceitação notificada aos autores até 15 de Maio de 2017.

Enviar por e-mail para: quemequem.iha.must@gmail.com

Coordenação: Raquel Henriques da Silva, Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro

Comissão Científica:
Raquel Henriques da Silva
Lúcia Almeida Matos
Clara Frayão Camacho
Emília Ferreira
Joana d’Oliva Monteiro
Paulo Oliveira Ramos
Sandra Leandro

Comissão executiva: Emília Ferreira, Joana d’Oliva Monteiro e Ana Paula Louro

Reflexão sobre Museologia na Universidade de Évora

Palácio do Vimioso, Universidade de Évora, Portugal
Foto Ana Carvalho, 2012

No passado dia 25 de Junho de 2012 teve lugar um encontro de estudantes de doutoramento em museologia na Universidade de Évora promovido por dois dos centros de investigação da universidade, o CIDEHUS e o CEHFCi. Ultrapassada a questão de definir a museologia como ciência, um debate que se prolongou até há alguns anos atrás no contexto internacional, em boa verdade, a museologia é hoje um campo de estudo que se vai consolidando com o crescimento de estudos de mestrado e doutoramento.

Em Portugal, os cursos de pós-graduação em museologia surgem no final dos anos 80 e na década de 90. Entre as primeiras teses de mestrado podem referir-se a de Madalena Braz Teixeira –  “Do objecto ao museu” (Universidade Nova de Lisboa, 1983).

Uma das primeiras teses de doutoramento no âmbito da museologia ou tendo como objecto de estudo o museu surge em 1985 pela mão da antropóloga Nélia Dias (Le Musée d’Ethnographie du Trocadero (1878-1908). Anthropologie et muséologie en France), ainda que a partir de uma universidade francesa (École des Hautes Études en Science Sociales – Paris) e sobre uma realidade muselógica francesa. Efectivamente, as primeiras teses de doutoramento tendo como objecto de estudo o contexto português começam a surgir a partir dos anos 90, com os estudos de Natália Correia Guedes “Museologia e Comunicação” (Universidade Nova de Lisboa, 1994), Henrique Coutinho Gouveia “Museologia e etnologia em Portugal. Instituições e personalidades” (Universidade Nova de Lisboa, 1997), entre muitos outros que se seguiram.

Abertura dos trabalhos, por João Carlos Brigola, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

Como João Carlos Brigola e Maria Fátima Nunes fizeram notar, é importante propiciar espaços de encontro e discussão para os alunos que estão a desenvolver projectos de mestrado e doutoramento em museologia. E neste contexto de partilha e construção de espírito crítico foram convidados para este encontro três investigadores que completaram já os seus projectos de doutoramento noutras universidades portuguesas.

Comunicação de Sandra Leandro, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

Sandra Leandro, actualmente Professora Auxiliar na Universidade de Évora (Departamento Artes Visuais), fez o seu percurso académico na Universidade Nova de Lisboa, sendo membro integrado do Instituto de História da Arte (IHA) da mesma universidade na linha de investigação “Museum Studies”. É doutorada em História da Arte Contemporânea com a tese “Joaquim de Vasconcelos (1849-1936): Historiador, Crítico de Arte e Museólogo, em 2008, e mestre em História da Arte Contemporânea “Teoria e Crítica de Arte em Portugal” (1871-1900), em 1999.

A comunicação de Sandra Leandro centrou-se no projecto de doutoramento que desenvolveu em torno da figura de Joaquim Vasconcelos, sobretudo na relação deste com a criação do Museu Industrial e Comercial do Porto (1886-1899) e a sua curta história.

Comunicação de António Ribeiro da Costa, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

António Ribeiro da Costa terminou recentemente o seu doutoramento na Universidade de Coimbra com uma tese “Museologia da Arte Sacra em Portugal 1820-2010 – Espaços, Momentos, Museografia” (2012). Para um amplo período cronológico, António Ribeiro da Costa estudou um universo heterogéneo e significativo de “museus” ou espaços musealizados de arte sacra (na ordem das centenas) em contexto continental e insular. A temática não é isenta de problemáticas e suscita conflitos de diferentes níveis entre as  instituições interessadas na salvaguarda do património religioso, tal como foi dado a entender no debate que se gerou a partir da comunicação apresentada por António Ribeiro da Costa. Esta não é a primeira vez que a temática é objecto de estudo no contexto da museologia. Refira-se a este propósito a tese de Maria Isabel Roque: “Musealização do sagrado: Práticas museológicas em torno de objectos do culto católico” (2005, Universidade Lusíada) (disponível aqui), publicada em 2011 pela Universidade Católica Editora (sobre o livro consulte este artigo).

Comunicação de Adelaide Duarte, anfiteatro Vimioso, Universidade de Évora, Encontro de estudantes de doutoramento museologia
Foto de Ana Carvalho, 2012

A última comuniçação do encontro coube a Adelaide Duarte (perfil em Museologia.porto e academia.edu) que terminou o seu projecto de doutoramento na Universidade de Coimbra (aguarda as provas para a defesa da tese). O título da tese é o seguinte: “Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea em Portugal na segunda metade do séc. XX. Contributos para a história da museologia”, sendo orientada por Irene Vaquinhas (Universidade de Coimbra) e Lúcia Matos (Universidade do Porto).

Os estudos de caso desta tese são as colecções que entraram recentemente na esfera pública, consubstanciando a criação de novos museus no panorama museológico português: Núcleo Arte Contemporânea (doação José-Augusto França) (desde 2004, Tomar), Centro de Arte Manuel de Brito (desde 2005, Algés), Museu Colecção Berardo de Arte Contemporânea (desde 2007, no CCB, em Lisboa) e o Museu de Arte Contemporânea de Elvas-Colecção António Cachola – MACE (desde 2007, Elvas).

Os três conferencistas partilharam os percursos traçados nas suas teses, nomeadamente as metodologias utilizadas, as fontes e as dificuldades inerentes ao processo de pesquisa, que foram de extrema utilidade para quem neste momento se depara com estas questões ou se prepara para o fazer. Note-se que entre a assistência se encontravam estudantes em diferentes momentos/estádios do processo de investigação. O que nos pareceu comum a todos os investigadores foi, entre outras questões, a dificuldade de acesso, em muitos casos, aos arquivos, nomeadamente aos arquivos públicos. Ao que tudo indica, não são raras as situações em que são os próprios investigadores que acabam por organizar partes do arquivo para conseguir aceder à informação. Apesar de muito ter evoluído no campo da arquivística e da documentação, ainda há muito por fazer. Por outro lado, não se trata apenas da necessidade de maior investimento na organização da documentação arquivística, mas também uma mudança de mentalidades que se posicione mais favorável e receptiva aos investigadores e no acesso à informação.

 

Encontro de estudantes doutoramento Museologia na Universidade de Évora

Universidade de Évora, Colégio do Espírito Santo
Foto: Ana Carvalho, 2010

No próximo dia 25 de Junho (segunda-feira) realizar-se-á um encontro de estudantes de doutoramento em museologia na Universidade de Évora. Esta sessão tem lugar das 15h00 às 18h00, no anfiteatro do Palácio do Vimioso, na Universidade de Évora.

Para partilhar o seu percurso de trabalho e experiência no contexto da museologia estarão presentes Sandra Leandro (Universidade de Évora), António Ribeiro da Costa (Universidade de Coimbra) e Adelaide Duarte (Universidade de Coimbra).

A organização é do CEHFCi (João Brigola e Maria de Fátima Nunes) e do CIDHEUS (Filipe Themudo Barata), e o encontro insere-se no Programa de Doutoramento em História e Filosofia da Ciência com especialidade em Museologia e Programa de Doutoramento em História da Universidade de Évora.

Programa Encontro Doutorandos Museologia 2012

A entrada é livre.

Linguagens no Museu: as peças, os espaços, os museólogos e os museógrafos

Museu de Évora, 2010

Em Portugal, a relação das universidades com os museus tem sido uma relação nem sempre explorada, mas seguramente necessária. São vários os projectos que comprovam as vantagens de uma relação de proximidade para ambos os lados. Teoria e prática em acção e colaboração! (ver, por ex. post sobre projecto “Museus do Porto: desafios para a construção de territórios colaborativos”) No caso de Évora: museu e universidade, é também um território poucas vezes explorado. Iniciativas como a que agora divulgamos deverão ser sinais de que há um percurso colaborativo com enorme potencial.

No dia 10 de Maio (Quinta-feira),pelas 16h00, realiza-se no Museu de Évora a 8ª Aula Livre, intitulada “Linguagens no Museu: as peças, os espaços, os museólogos e os museógrafos”, pelo Professor Doutor António Camões Gouveia, ex-director deste museu. As “Aulas Livres” são uma iniciativa organizada pela Prof. Sandra Leandro do Departamento de Artes Visuais e Design da Universidade de Évora.

A entrada é livre.

Mais informações: sandraleandro7@gmail.com

Alissandra Cummins no encerramento do colóquio "Os Museus e a República"

Sessão de abertura do colóquio, 19 Maio 2010

Maria Bolaños, 19 Maio 2010

Alissandra Cummins, 20 Maio 2010

Nos dias 19 e 20 de Maio realizou-se no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) o colóquio “Os Museus e a República”, organizado pelo Instituto dos Museus e da Conservação (IMC).

O encontro pontuou pela qualidade dos conferencistas convidados, reunindo de forma bastante concertada investigadores, alguns, porventura, mais conhecidos da comunidade museológica portuguesa a par com outros investigadores com projectos de doutoramento em curso ou recentemente terminados. O colóquio organizou-se em torno de quatro painéis de comunicações, que no cômputo geral permitiram diversas aproximações à história dos museus na República (museus de arte e arqueologia, ciências, literatura). O programa do colóquio contemplava inicialmente um enquadramento mais internacional, com contribuições de Espanha, França e Grã-Bretanha, mas esse objectivo acabou por não ser alcançado, já que Dominique Poulot e Helen Rees Leahy não estiveram presentes. Todavia, sublinhe-se a participação de Maria Bolaños, sobejamente conhecida entre nós através de publicações como a “Historia de los museos en España” (Trea, 1997), “La memoria del mundo: Cien años de museologia 1900-2000” (Trea, 2002), entre outros.

Alissandra Cummins, Presidente do Conselho Internacional de Museus (ICOM), esteve presente no colóquio para o encerramento dos trabalhos, aproveitando para sublinhar a importância do tema escolhido este ano para celebrar o Dia Internacional dos Museus, a harmonia social. A Presidente do ICOM esteve em Portugal esta semana a convite da Federação de Amigos dos Museus de Portugal.

A publicação dos textos apresentados e as conclusões deste colóquio serão certamente um contributo importante para a museologia, iniciativa que o IMC pretende levar a cabo a breve trecho, tal como foi referido no final deste encontro pelo seu director, João Carlos Brigola.

Colóquio internacional "Os Museus e a República", 19 e 20 Maio 2010

Nos dia 19 e 20 de Maio irá realizar-se o colóquio internacional “Os Museus e a República”. Entre os investigadores portugueses convidados para debater este tema estão José-Augusto França, Raquel Henriques da Silva, Jorge Custódio, Henrique Coutinho Gouveia, Luís Pequito Antunes, Joana Baião, Luís Raposo, Sandra Leandro, Duarte Freitas, Carlos Fiolhais, José Brandão, Joaquim Caetano e José Manuel de Oliveira. Para um olhar mais internacional sobre estas questões foram convidados Dominique Poulot, Helen Rees Leahy e Maria Bolaños, figuras sobejamente conhecidas da museologia.

Organização: Instituto dos Museus e da Conservação (IMC)
Apoio: Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência da Universidade de Évora (CEHFCi)

O evento terá lugar no auditório do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

Público-alvo: Técnicos de Museus, Palácios e Monumentos; Investigadores, docentes e alunos universitários

Pode encontrar a ficha de inscrição e programa no site do IMC:
http://www.ipmuseus.pt/pt-PT/Default.aspx

A proclamação da República em 5 de Outubro de 1910 constituiu um momento fundamental da História de Portugal, marcando profundamente a sociedade, as instituições e a cultura do país. É neste contexto, que o Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) em parceria com o Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência da Universidade de Évora, irá realizar um colóquio internacional subordinado ao tema “Os Museus e a República”.
A coordenação científica está a cargo do Professor Doutor João Carlos Brigola, docente do Departamento de História da Universidade de Évora e Director do IMC.

O Programa do Colóquio contempla os seguintes temas: Museus ou colecções formados entre 1910 e 1932 (data da instituição do Estado Novo e da aprovação de nova legislação sobre Património e Museus); Museus ou colecções formados em período anterior e posterior; Personalidades marcantes (directores, museólogos, técnicos, coleccionadores); Labor legislativo e Política Cultural da 1ª República; Colecções e Museus em Espanha, França e Grã-Bretanha.

ENQUADRAMENTO HISTÓRICO

Com a implantação da República Portuguesa, a 5 de Outubro de 1910, foi reforçada a vontade política e legal de dar corpo e coerência a uma rede de museus nacionais e regionais, de acordo com uma visão pedagógica, patrimonial e artística que se queria essencialmente divulgadora e descentralizadora. Entre 1912 e 1924 criaram-se vários museus regionais (de arte, arqueologia, história e numismática), ainda que quase todos derivados de iniciativas já conhecidas em período anterior. Criaram-se dois museus nacionais (o de Arte Antiga e o de Arte Contemporânea), assim como museus de tipologia inovadora, como é exemplo a Casa-Museu do escritor Camilo Castelo Branco, em S. Miguel de Seide, bem como a construção da Casa dos Patudos de Alpiarça, concebida pelo arquitecto Raúl Lino para albergar a colecção de arte de José Relvas e aberta ao público depois da sua morte. O Museu dos Coches, criado em 1905 por iniciativa da rainha D. Amélia, foi elevado em 1911 à categoria de museu nacional.

A primeira república estabeleceu assim uma coerente e promissora rede de museus nacionais e regionais. Da importante documentação legal produzida neste período deve ser destacado o Decreto n.º 1 do Governo Provisório, datado de 26 de Maio de 1911, visando a reorganização do ensino de Belas Artes, dos serviços de Museus e da protecção do Património artístico e arqueológico. A sua redacção foi da responsabilidade de uma comissão, cujo relator era o Dr. José de Figueiredo. Este museólogo, com intensas ligações aos meios museológicos europeus, pôde contar com a colaboração do pedagogo e museólogo coimbrão, António Augusto Gonçalves, cujos pareceres influenciaram, por exemplo, a instituição do Museu Machado de Castro.

Considerando, pois, a pertinência de se proceder à avaliação do labor cultural, patrimonial e museológico deste período histórico, pretende-se transmitir a este Colóquio um carácter científico e internacional, apostando no convite exclusivo a investigadores de créditos já firmados, incluindo algumas personalidades europeias com obra reconhecida nesta área disciplinar, de modo a que se possa estabelecer um panorama coevo da museologia europeia da primeira republica portuguesa.

(Fonte: site do IMC)

Sugestão de Leitura: "40 Anos do Instituto José de Figueiredo"

capa-livro-jose-de-figueiredo.jpg

40 Anos do Instituto José de Figueiredo
Autores: José Alberto Seabra Carvalho, Alexandra Curvelo, Emília Ferreira, Sandra Leandro, Alexandre Nobre Pais, Mário Pereira, Isabel Ribeiro, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Sousa, Maria Helena Souto
Publicação: Lisboa, IPM, 2007
Descrição Física: 144 p.
ISBN: 972-99476-6-X

A publicação que aqui damos destaque foi lançada recentemente pelo Instituto dos Museus e da Conservação no contexto do dia internacional de Museus.

Resumo:
O Instituto Português de Conservação e Restauro, antigo Instituto José de Figueiredo, organismo de referência na área da Conservação e Restauro em Portugal, celebrou recentemente 40 anos de actividade. Entre os projectos comemorativos, elaborou-se uma monografia que procurou dar visibilidade ao trabalho desenvolvido por este organismo e promover uma reflexão crítica sobre as teorias e práticas da conservação e restauro em Portugal. Para o efeito foram contactados dez investigadores especializados em cada uma das áreas em estudo que, apoiados pelo acervo do I.P.C.R., traçaram um percurso desta actividade no nosso país.

Fonte: Site RPM