Arquivo de etiquetas: Universidade do Porto

Publicado novo volume de Ensaios e Práticas em Museologia

ensaios-e-praticas 05

Encontra-se publicado o 5.º volume (exclusivamente digital) de Ensaios e Práticas em Museologia. Com edição da Universidade do Porto, este volume reúne e divulga textos dos alunos de mestrado desta universidade. Num esforço de empoderamento dos alunos, a edição deste volume é partilhada por Paula Menino Homem, actualmente a coordenar o mestrado em Museologia, e por três alunas: Ana Themudo, Elisa Freitas e Manuela Restivo. Para além dos artigos, este volume introduz duas novas secções: um espaço para recensões críticas e outro para entrevistas. A série “Ensaios e Práticas em Museologia” teve início em 2011, sob a coordenação de Alice Semedo.

Encontra-se disponível em: http://ler.letras.up.pt

Conteúdos

Apresentação |  5

Ana Themudo
O novo estado artístico do Porto entre 1933 e 1974 | 10

Débora Fernandes
Gestão de risco de incêndio. Criação de parcerias sinérgicas no contexto dos museus universitários | 27

Elisa Freitas
Objetos [com] textos? | 40

Joana Ramos
Alienação em contexto patrimonial: Objeto museológico como artefacto ou recurso financeiro – dilemas na preservação, organização e orientação coesa de acervos | 56

Liliana Aguiar
A aliação de projetos de medição patrimonial em museus: O caso do projeto “Ver, Tocar e  Sentir a Maia” do Museu de História e Etnologia da Terra da Maia | 75

Maria Manuela Restivo
Têxteis do Sudeste Asiático da coleção da Faculdade de Letras da Universidade do Porto | 96

Recensão crítica

Susana Rosmaninho
15a Bienal de Arquitetura de Veneza: “Reporting from the front” (ou a consciência social dos
arquitetos) | 114

Entrevista

Entrevista a Luís Raposo, presidente do International Council of Museums – Europe Alliance (ICOM) – Europe | 123

Museus e Criatividade é tema do novo volume da colecção Estudos de Museus

Criatividade nos Museus

O livro Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, da autoria de Inês Ferreira, é o terceiro volume publicado no âmbito da coleção Estudos de Museus, que tem a chancela da Direção-Geral do Património Cultural e da editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento da autora na Universidade do Porto (orientação de Alice Semedo).

O lançamento é no dia 7 de Julho, pelas 18h30, no Museu Nacional Soares dos Reis (Porto). A apresentação do livro ficará a cargo de Elvira Leite.

“O espaço entre o visitante e o objeto exposto num museu é, potencialmente, criativo; porém, esse potencial parece estar pouco explorado em muitos museus. Este livro discute a relevância da criatividade no contexto dos museus e analisa em detalhe a forma como está presente e pode ser potenciada no contexto específico do encontro entre o visitante e os objetos expostos.
A investigação que deu origem a este livro contribuiu para perceber melhor o processo criativo de encontro entre o visitante e os objetos expostos num museu e entender que estratégias e ferramentas podem ser usadas para potenciar a criatividade nesse encontro. Os resultados comprovam que museus de qualquer tipologia ou dimensão podem potenciar a criatividade no espaço entre o visitante e os objetos, nomeadamente através do recurso a elementos de mediação. A contextualização feita pode desafiar os museus a criarem políticas que facilitem a criatividade a nível transversal, enquanto sistema, ou projetos que a potenciem em áreas de atuação concretas. Este livro propõe assim uma contextualização teórica relevante para abrir caminho a práticas museológicas mais criativas e potenciadoras de criatividade.”

Inês Ferreira (Porto, 1969) é Doutorada em Museologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Mestre em Museum and Gallery Management pela City University, Londres e licenciada em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Desenvolveu trabalho em diversos museus no Porto – Museu do Vinho do Porto, Galeria Municipal, Museu do Carro Elétrico, Museu Nacional de Soares dos Reis – nomeadamente na área do serviço educativo. É autora e coautora de diversos materiais de apoio ao visitante produzidos para o Museu Nacional de Soares dos Reis, Museu do Carro Elétrico e Museu de Lamego. Tem publicado e apresentado trabalhos de investigação com regularidade em congressos e seminários na área da cultura e da museologia, em Portugal e no estrangeiro. Foi bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia em 2015 e é investigadora do Centro de Investigação CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória»  da Universidade do Porto. É técnica superior da Câmara Municipal do Porto desde 2006, exercendo atualmente funções de adjunta da vereação.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Dois volumes foram já publicados este ano, o primeiro, da autoria de Joana Baião, foi dedicado a José de Figueiredo pelo seu papel na história da arte e nos museus, em particular no Museu Nacional de Arte Antiga (veja-se post anterior). O segundo volume, da autoria de Clara Frayão Camacho, tem por tema as redes de museus e a credenciação (veja-se post anterior). O comité editorial da colecção é constituído por representantes da Caleidoscópio, da Direção-geral do Património Cultural e de várias universidades portuguesas. Ainda para este ano está prevista a publicação de mais três volumes.

 

****

Índice 

7 | Introdução
13 | Posicionamento
15 | Do Problema ao Projeto de Investigação
43 | Enquadramento
45 | Conceitos e Contextos
78 | Ferramentas para Promover e Exercitar a Criatividade
101 | Criatividade no Museu
173 | Trabalho de Campo
175 | Estrutura e Metodologia
197 | Criatividade no Museu – Representações dos Profissionais
251 | Criatividade no Museu – Representações dos Visitantes
301 | Espaços Entre e Elementos de Mediação
343 | Conclusões
346 | Síntese e Sugestões para Trabalho Futuro
374 | Epílogo
380 | Notas
385 | Referências
399 | Índice Remissivo
407 | Agradecimentos

Call for papers: “O Futuro dos Museus Universitários em Perspetiva”

Museu de Ciência da Universidade de Coimbra #2013 © Ana Carvalho

Museu de Ciência da Universidade de Coimbra #2013 © Ana Carvalho

Nos próximos dias 28 e 29 de Novembro de 2013 realiza-se na Universidade do Porto um seminário dedicado aos museus universitários. A Universidade do Porto pretende reflectir e reformular o modelo actual dos seus museus e abre a discussão à comunidade profissional. Por isso tem um “call for papers” aberto a todos os interessados entre 16 a 29 de Outubro. Encontra mais informações em baixo e no blogue do evento: http://seminariomuseusuniversitarios.wordpress.com

****

“O FUTURO DOS MUSEUS UNIVERSITÁRIOS EM PERSPETIVA”

Há muito que se tem procurado um destino comum para os museus da Universidade do Porto e, embora algumas iniciativas pontuais trabalhem nesse sentido, a verdade é que pouco se tem avançado no estabelecimento de consenso sobre uma orientação estratégica futura para este conjunto de museus.

Procurando encorajar e participar na reflexão e no debate sobre possíveis modelos para a organização dos museus universitários do Porto, o Curso de Doutoramento e Mestrado em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto convida a comunidade académica e profissional na área da museologia e afins a participar no Seminário “O Futuro dos Museus Universitários em Perspetiva” que se centrará nos seguintes temas:

1. o papel dos museus universitários e suas coleções como agentes no processo de construção, transmissão e difusão do conhecimento;

2. o enquadramento dos museus universitários no quotidiano e na realização da missão da instituição académica;

3. as grandes tendências e os modelos alternativos de gestão e financiamento dos museus universitários;

4. o museu universitário enquanto mediador entre os centros de produção científica e diferentes parceiros sociais.

As inscrições para submissão de propostas de participação com comunicação estarão abertas de 16 a 29 de outubro de 2013. Para mais informações relativas à chamada de participação consultem o seguinte link.

Local: Salão Nobre da Reitoria da Universidade do Porto, Porto, Portugal.
Datas: 28 e 29 de novembro de 2013

Organização:
Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Portugal)
Departamento de Ciências e Técnicas do Património

Comissão científica:
Alexandre Matos
Alice Semedo
Elisa Noronha
Fortunato Carvalhido
Susana Medina
Rui Centeno

Comissão Organizadora:
Alexandre Matos
Alice Semedo
Elisa Noronha
Fortunato Carvalhido
Maria Manuela Restivo
Sandra Carneiro
Susana Medina
Rui Centeno

(Fonte: Blogue do seminário)

 

Ensaios e Práticas em Museologia 03

Ensaios e Práticas em Museologia

© Filipe Couto e Sandra Senra

Semedo, Alice, Filipe Couto, Paulo Rodrigues, e Sandra Senra, ed. 2013. Ensaios e Práticas em Museologia. Vol. 3. Porto: Universidade do Porto/Faculdade de Letras/Departamento de Ciências e Técnicas do Património. 159 páginas, ISBN: 978-972-8932-82-4. URL: ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/11607.pdf.

Dando continuidade a uma linha editorial iniciada em 2011, acaba de publicar-se o terceiro número de “Ensaios e Práticas em Museologia”, uma edição da Universidade do Porto. Trata-se de uma colectânea de 10 artigos de alunos de mestrado desta universidade. Os temas são os mais diversos, espelhando também os olhares múltiplos que a museologia pode convocar. Esta publicação não só consolida o percurso de formação em museologia iniciado no Porto, como promove a capacitação dos alunos através da divulgação dos seus estudos e sua iniciação em formatos ditos científicos. Os alunos não só participaram com artigos, como também a alguns deles se deve o arranjo gráfico e a co-edição.

Os três números estão disponíveis para descarregar livremente aqui: http://ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id03id1356&sum=sim

****

Conteúdos:

Apresentação
Alice Semedo, Filipe Couto, Paulo Rodrigues, Sandra Senra

Novos desafios, novas conquistas: renovação do Serviço Educativo do Museu Marítimo de Ílhavo
Ana Nunes

Gestão e qualidade em museus
Daniela Ferreira

O Museu como fator de desenvolvimento regional: o impacto económico do museu
Emanuel Guimarães

Exposição
Filipe Couto

Biografia(s) da coleção de vidro do Museu Nacional de Machado de Castro ou Sobre o Claro-Escuro das Coisas
Helena Pereira

Reflexos do Mestrado em Museologia: 10 iniciativas culturais no Museu Municipal de Arouca
João Duarte

Entre oportunidade e novidade: Manuel Coelho Baptista de Lima e o património açoriano
Maria Ribeiro

A mina [ainda] trabalha
Pedro Araújo

O Museu d’Art Contemporani de Barcelona e o seu Projeto 2.0
Sandra Senra

Na rota de Domingos Rebelo
Telma Silva

Tese de doutoramento “Discursos e reflexividade: um estudo sobre a musealização da arte contemporânea”

teses e dissertações

© Ana Carvalho

Noronha, Elisa (2013). Discursos e reflexividade: um estudo sobre a musealização da arte contemporânea. Tese de doutoramento em Museologia, Universidade do Porto. Júri: Alice Semedo (orientadora), Raquel Henriques da Silva (arguente), Maria Bolaños (arguente) e Rui Homem (Presidente). Tese defendida a 31 de Maio de 2013.

****

Resumo: Esta dissertação desenvolve um estudo sobre o museu de arte contemporânea, mais especificamente sobre a musealização da arte contemporânea, abordando a musealização como um processo discursivo e reflexivo de (auto)afirmação e reinvenção do museu; processo este construído em diálogo entre o museu e o seu próprio objeto, i.e., a arte contemporânea que, seja pelas características de seus materiais e processos, seja pela sua pluralidade de momentos e práticas, tensiona e problematiza funções e conceitos sistematicamente estabelecidos ao longo da história desta instituição, desafiando o museu de arte contemporânea a desenvolver novas formas de expor, de colecionar, de conservar, a criar novos conceitos e categorias, a estabelecer outros tipos de mediações, de contato com o seu público, enfim, a confrontar-se com a sua própria genealogia, com seus próprios limites e suas representações.

Assente na metodologia dos Estudos de Caso, esta dissertação analisa três museus situados em Portugal e no Brasil: o Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea, em Lisboa, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, na cidade do Porto, e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, em São Paulo. Atenta às particularidades de cada caso, esta análise centra-se nos modos como estes museus se organizam e se identificam enquanto museus de arte contemporânea através da contextualização dos paradigmas, das determinações, das funções que os justificam e fundamentam, e dos processos desenvolvidos para a musealização da arte contemporânea: quais são seus modelos paradigmáticos? Qual o período abrangido pelas suas coleções? Como suas coleções são expostas? Como definem a arte contemporânea? Como os artistas são envolvidos e participam nos processos museológicos? Estas são algumas das questões que esta análise procura responder, inserindo-se na discussão sobre a identidade dos museus e refletindo criticamente sobre as ideias atuais e subjacentes do que vem a ser um museu de arte contemporânea quando uma determinada instituição se manifesta como tal.

****

Abstract: This dissertation develops a study on the Contemporary Art Museum, more specifically on the ‘musealization’ of the contemporary art, by approaching musealization as a discursive and reflexive process of (self)affirmation and the reinvention of the museum; being this process constructed from the dialogue between the museum and its own object, i.e., the contemporary art which, by the characteristics of its materials and processes and by the plurality of moments and practices, it tensions and problematizes functions and concepts systematically established within the history and legacy of this institution, which challenges the contemporary art museum to develop new ways of exhibiting, of collecting, of conserving, of creating new concepts and categories, of establishing other types of mediation, of touching its audience, and finally, of confronting its own genealogy, with its own limits and representations.

Strong in the methodology are the Case Studies as this dissertation analyses three museums located in Portugal and Brazil: the Chiado Museum – National Museum of Contemporary Art, situated in Lisbon/Portugal, the Serralves Museum of Contemporary Art, situated in Porto city/ Portugal, and the Museum of Contemporary Art of the University of Sao Paulo, situated in Sao Paulo/Brazil. While looking at the peculiarities of each case, this analysis focuses on the approaches in which these museums organize and identify themselves as contemporary art museums through the contextualization of paradigms, of targets and goals, of the functions that will form and justify, and of the processes developed for the musealization of the contemporary art: what are their paradigmatic models? Which periods goes across their collections? How are their collections exhibited? How do they define contemporary art? How are artists getting involved and active in the museological processes? These are a few questions in which this thesis looks for answers, inserted in the discussion on museums identity while critically reflecting current and subjacent ideas of what could be a contemporary art museum when such institution manifests itself as such.

****

Resumen: En esta disertación se desarrolla un estudio sobre el museo de arte contemporáneo, más específicamente sobre la musealización del arte contemporáneo, abordando la musealización como un proceso discursivo y reflexivo de (auto) afirmación y reinvención del museo; proceso este construido en diálogo entre el museo y su propio objeto, es decir, el arte contemporáneo que, ya sea por las características de sus materiales y procesos, ya sea por su pluralidad de momentos y prácticas, tensa y problematiza funciones y conceptos sistemáticamente establecidos a lo largo de la historia de esta institución, desafiando al museo de arte contemporáneo a desarrollar nuevas formas de exponer, de coleccionar, de conservar, a crear nuevos conceptos y categorías, a establecer otros tipos de mediaciones, de contacto con su público, en fin, a enfrentarse con su propia genealogía, con sus propios límites y sus representaciones.

Basada en la metodología de Estudios de Casos, esta disertación analiza tres museos situados en Portugal y en Brasil: el Museo de Chiado-Museo Nacional de Arte Contemporáneo, en Lisboa, el Museo de Arte Contemporáneo de Serralves, en la ciudad de Oporto, y el Museo de Arte Contemporáneo de la Universidad de São Paulo, en São Paulo. Atenta a las peculiaridades de cada caso, este análisis se centra en las formas en que estos museos se organizan y se identifican como museos de arte contemporáneo a través de la contextualización de los paradigmas, de las determinaciones, de las funciones que los justifican y fundamentan y de los procesos desarrollados para la musealización del arte contemporáneo: ¿cuáles son sus modelos paradigmáticos?, ¿cuál es el período que abarca sus colecciones?, ¿cómo definen el arte contemporáneo?, ¿cómo los artistas se involucran y participan en los procesos museológicos? Estas son algunas de las cuestiones que este análisis quiere responder, insertándose en el debate sobre la identidad de los museos y reflexionando críticamente sobre las ideas actuales y subyacentes de lo que viene a ser un museo de arte contemporáneo cuando una determinada institución se manifiesta como tal.

Revista MIDAS, n.º 1

"A partir de ´Porto de Mar, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet'", Lisboa 2012. © João Ferro Martins; Arranjo gráfico da capa: Elisa Noronha

A partir de “Porto de Mar”, 1740 d.C.-1775 d.C. de Claude Joseph Vernet, Lisboa 2012
© João Ferro Martins
Concepção gráfica da capa: Elisa Noronha

Está publicado o primeiro número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. É uma revista editada em Portugal por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Universidade de Coimbra) e Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova). Tem formato digital e está disponível em acesso aberto (cf. http://midas.revues.org). Faz parte da plataforma francesa revues.org, uma rede de revistas no âmbito das ciências sociais e humanas, que integra por sua vez o Open Edition. O portal Open Edition (inclui mais duas plataformas: blogues – Hypotheses.org – e um calendário de eventos científicos – Calenda) tem ainda uma versão em português para dar maior visibilidade aos conteúdos em língua portuguesa – LusOpenEdition.

“A MIDAS propõe que se repense o museu enquanto projeção de um processo cultural, por vezes ideológico e até político. Daí a intencionalidade programática da nossa opção pelo título MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, que afirma como fundamental a convocação de outros saberes quando necessários a uma melhor compreensão das realidades museológicas, cada vez mais complexas e cada vez menos contidas entre as paredes do museu, e que à pluralidade do museu atual corresponde uma sua maior integração e participação nas dinâmicas e nos principais debates das sociedades contemporâneas. (…) A abrangência internacional permitirá uma leitura comparativa de diferentes circunstâncias nacionais.” (Editorial, n.º 1)

Pode encontrar o primeiro número disponível na íntegra aqui e acompanhar a revista através do blogue: http://revistamidas.hypotheses.org/

Conteúdos:

EDITORIAL
Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

ARTIGOS

Documento e musealização: entretecendo conceitos
Maria Lucia de Niemeyer Matheus Loureiro e José Mauro Matheus Loureiro

Museus contemporâneos: locais de contágios e hibridismos
Joana Ganilho Marques

Las estructuras de Emilio Pérez Piñero en la musealización de dos espacios singulares M. Carmen Pérez Almagro

O ato de expor. Breves considerações a propósito d’A Perspectiva das Coisas. A Natureza-Morta na Europa
Joana d’Oliva Monteiro

Teorias da Conservação e desafios relacionados aos acervos científicos
Marcus Granato e Guadalupe do Nascimento Campos 

ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA DA MUSEOLOGIA

A museologia como campo de estudo nas universidades portuguesas: esboço de evolução, pertinência e atualidade
Irene Vaquinhas

Las revistas museológicas en la actualidad: una panorámica global
Jesús Pedro Lorente

RECENSÕES CRÍTICAS

Luís Pequito Antunes
Gouveia, Henrique Coutinho Gouveia. 2009. Museu Etnográfico da Madeira: estudo de um modelo de avaliação. Praia-Tomar: Universidade de Cabo Verde, Instituto Politécnico de Tomar.

João Paulo Martins
Matos, Ana Cardoso de, e Marta Lourenço, coord. 2011. Expositions Universelles, Musées Techniques et Société Industrielle… Lisboa: Colibri – Universidade de Évora.

Pedro Casaleiro
Granato, Marcus e Marta Lourenço, coord. 2010. Coleções científicas de instituições luso-brasileiras: Patimônio a ser descoberto. Rio de Janeiro: MAST/MCT.

João Pedro Fróis
Émond, Anne-Marie, coord. 2012. Le musée: Entre la recherche et l’enseignement/The museum: between research and education. Québec: Éditions Multimondes.

Projecto tese: “Museums and Mobile Augmented Reality – the Visitor Experience in Digitally Enhanced Exhibits”

teses e dissertações

Marques, Diana (2013). Museums and Mobile Augmented Reality – the Visitor Experience in Digitally Enhanced Exhibits [títuto provisório]. Defesa da proposta de projecto de doutoramento em Media Digitais. Faculdade de Engenharia da Universidade da Universidade do Porto. (Obs. A entrega e defesa da tese deverá acontecer no final de 2014/2015).

Orientadores: José Azevedo (FLUP), Robert Costello (Smithsonian’s National Museum of Natural History.

Júri da proposta: José Azevedo, Robert Costello, Pedro Casaleiro

Abstract:

“The main research goal driving the study is to contribute to the existing literature and knowledge on the use of mobile augmented reality technology to enhance visitor experiences within museum exhibits. Augmented Reality is a recent subject of curiosity and experimentation from the museum community and considered a tool for museum innovation, grounded in strong visual stimuli and promising an advanced natural interaction between visitors, collection objects and their data.

In particular the work will attempt to understand how digital augmentation of a Victorian-­‐age collection of skeletons in a natural history museum, regarded for its historical and biological value but no longer corresponding to modern visitors’ expectations for interactivity and interpretation, may facilitate engagement and satisfaction levels and influence conceptual and cognitive gains. This research study postulates that by combining the experiential and interpretive aspects of the exhibit experience through augmented reality, the visitor experience will be affected positively.”

Diana Marques (Digital Media Doctoral Fellow) trabalha há alguns anos em ilustração e animação científica. Acompanhe o trabalho dela aqui: http://www.dianamarques.com

Livro “Museus Militares do Exército”

Capa do livro "Museus Militares do Exército: Um modelo de gestão em Rede". Imagem retirada daqui.

Capa do livro “Museus Militares do Exército: Um modelo de gestão em Rede”. Imagem retirada daqui.

Rodrigues, Francisco Amado e Mariana Jacob Teixeira (2012). Museus Militares do Exército: Um modelo de gestão em Rede. Lisboa: Edições Colibri. 308 páginas. ISBN: 978-989-689-272-2.

O livro que aqui se divulga articula dois estudos que resultam de dissertações de mestrado (de diferentes universidades) que se complementam em termos da temática em reflexão – os museus sob a tutela das instituições militares. A primeira parte do livro corresponde em traços gerais à dissertação que Francisco Amado Rodrigues apresentou em 2005 (Faculdade de Belas Artes, Universidade de Lisboa), com a orientação de Fernando António Baptista Pereira, e a segunda parte resulta da dissertação que Mariana Jacob Teixeira apresentou em 2011 na Universidade do Porto e sob a orientação de Alice Semedo (disponível na integra aqui). Os autores, ambos com passagem pela vida militar, apresentam um olhar assertivo sobre uma realidade museológica que tem contornos muito específicos.

Após o lançamento em Lisboa, o livro será apresentado dia 11 de Março (segunda-feira), pelas 15h00, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto (sala de reuniões, 2.º piso).

Resumo:

“Com a edição deste texto, pretende-se revelar e partilhar, essencialmente à comunidade museal, a estrutura organizacional legal, os recursos e os processos utilizados pelos Museus Militares do Exército Português, como um contributo para a definição de um modelo de gestão. Este, à semelhança de outros modelos, possui pontos fortes e também pontos fracos, mas pretende-se configurá-lo numa boa via para se alcançar a desejada qualidade da actividade museológica militar e em rede integrada, constituída internamente por uma entidade ordenadora e coordenadora, seis Museus Militares e cerca de meia centena de Coleções Militares Visitáveis. Através das Tecnologias de Informação e Comunicação, será possível desenvolver a rede no plano nacional e internacional. (Francisco Amado Rodrigues)

A segunda parte da presente obra (…) pretende contribuir para a reflexão sobre o conceito de museu militar e as especificidades que os diferenciam das demais instituições museológicas, nomeadamente ao nível dos seus processo de criação à luz do envolvente contexto europeu e das formas de colecionar presentes nos seus acervos. A partir de seis contextos – o Museu Militar dos Açores, o Museu Militar de Bragança, o Museu Militar de Elvas, o Mseus Militar de Lisboa, o Museu Militar da Madeira e o Museus Militar do Porto, é feito o diagnóstico das formas de gestão e documentação das coleções e apontadas pistas para o desenvolvimento de uma gestão do acervo conduzida de forma integrada, ética e sustentável. (Mariana Jacob Teixeira)”

Índice:

Prefácio, Major-general Hugo Eugénio dos Reis Borges

I PARTE: UMA NOVA REDE DE MUSEUS PARA O EXÉRCITO PORTUGUÊS – CONTRIBUTOS PARA A SUA GESTÃO

Apresentação, Professor Doutor Fernando António Baptista Pereira
Dedicatória
Nota Prévia
Resumo e palavras chave
Índice de quadros, figuras e gráfico
Lista de abreviaturas e acrónimos
Capítulo I – Enquadramento organizacional de unidades museológicas (Museus Militares) e paramuseológicas (Coleções Militares Visitáveis)
1. Elementos de índole museal sob a tutela do Exército
2. Estrutura Geral do Exército
3. Direção de História e Cultura Militar
3.1. Antecedentes (desde 1959 até 2007)
3.2. Dependência, missão, organograma e efetivos da DHCM
4. Museus Militares
4.1. Museu Militar de Lisboa
4.1.1. Antecedentes
4.1.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar de Lisboa
4.2. Museu Militar do Porto
4.2.1. Antecedentes
4.2.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar do Porto
4.3. Museu Militar de Bragança
4.3.1. Antecedentes
4.3.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar de Bragança
4.4. Museu Militar da Madeira
4.4.1. Antecedentes
4.4.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar da Madeira
4.5. Museu Militar dos Açores
4.5.1. Antecedentes
4.5.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar dos Açores
4.6. Museu Militar de Elvas
4.6.1. Antecedentes
4.6.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar de Elvas
4.7. Museus Militares na atualidade e em 2005 – quadro comparativo
5. Coleções Militares Visitáveis das Unidades, Estabelecimentos e Órgãos do Exército
5.1. Antecedentes
5.2. Situação atual
Capítulo II – Diagnóstico aos Museus Militares – passado e presente
1. O questionário como ferramenta de diagnóstico e os sete parâmetros de análise
1.1. Questionário aos Museus Militares do Exército Português realizado em 2004 – análise estatística da amostra na ótica dos sete parâmetros
1.1.1. Estudo e investigação, incorporação, inventário e documentação
1.1.2. Conservação e segurança
1.1.3. Interpretação e exposição, e educação
1.1.4. Sustentabilidade
1.1.5. Públicos
1.1.6. Rede
1.1.7. Natureza institucional e funcional do museu
2. Diagnóstico qualitativo aos atuais Museus Militares sob os sete parâmetros de análise
2.1. Estudo e investigação, incorporação, inventário e documentação
2.2. Conservação e segurança
2.3. Interpretação e exposição, e educação
2.4. Sustentabilidade
2.5. Públicos
2.6. Rede
2.7. Natureza institucional e funcional do museu
Capítulo III – Redes museológicas de abrangência territorial nacional
1. Uma abordagem teórica de rede museológica e sistema
2. A Rede de Dados do Exército
3. Rede museológica nacional – passado e presente
4. Rede museológica do Exército Português – passado e presente
4.1. Rede de Museologia Militar – 1982/83
4.2. Uma Nova Rede de Museus Militares – proposta (2005)
4.2.1. Pressupostos
4.2.2. Linhas orientadoras e condicionamentos associados
4.2.2.1. Objetivos
4.2.2.2. Missão da Coordenação
4.2.2.3. Condicionamentos
4.2.2.4. Estrutura organizacional
4.2.2.5. Critérios de organização
4.2.2.5.1. Descentralização territorial
4.2.2.5.2. Descentralização de alguns recursos
4.2.2.5.2.1. Recursos humanos
4.2.2.5.2.2. Recursos materiais
4.2.2.5.2.3. Temáticas
4.2.2.5.2.3.1. Dos Museus Militares
4.2.2.5.2.3.2. Das Coleções Militares Visitáveis
4.2.2.5.2. Centralização na gestão integrada de bens museológicos e de alguns recursos
4.2.2.5.2.1. Bens museológicos
4.2.2.5.2.2. Recursos humanos
4.2.2.5.2.2.1. Da Coordenação da Rede de Museus
4.2.2.5.2.2.2. Dos Museus Militares
4.2.2.5.2.2.3. Das Coleções Militares Visitáveis
4.2.2.5.2.3. Recursos materiais
4.2.2.5.2.4. Recursos financeiros
4.2.2.5.2.5. Recursos informáticos
4.3. Ponto de situação da Nova Rede de Museus Militares (2012)
4.3.1. Estrutura organizacional
4.3.2. Processos
4.3.3. Modelos de gestão dos recursos dos Museus Militares
4.3.3.1. Recursos humanos
4.3.3.2. Recursos materiais
4.3.3.3. Recursos financeiros
4.3.3.4. Recursos informáticos
4.3.3.5. Os edifícios
4.3.3.6. Os espaços
4.3.3.7. As temáticas
4.3.3.8. As coleções
Considerações finais
Referências bibliográficas
Anexos
Apêndices

II PARTE – A NATUREZA E GESTÃO DAS COLEÇÕES DOS MUSEUS MILITARES NA DEPENDÊNCIA DA DIREÇÃO DE HISTÓRIA E CULTURA MILITAR

Agradecimentos
Lista de abreviaturas
Apresentação
Introdução
Capítulo I – Museus militares – génese e coleções
1.1. Conceito de museu militar
1.2. Dos armazéns de armas aos atuais museus militares do Exército português: processos de criação à luz do envolvente contexto europeu
1.3. Natureza e modos de colecionar presentes no acervo dos seis museus militares na dependência da Direção de História e Cultura Militar
1.3.1. Natureza das coleções
1.3.1.1. Museu Militar dos Açores
1.3.1.2. Museu Militar de Bragança
1.3.1.3. Museu Militar de Elvas
1.3.1.4. Museu Militar de Lisboa
1.3.1.5. Museu Militar da Madeira
1.3.1.6. Museu Militar do Porto
1.3.2. As coleções – significados e representações
Capítulo II – Modelos de gestão das coleções em museus militares
2.1. Gestão das coleções museológicas – considerações teóricas
2.2. Identificação de modelos de gestão e documentação das coleções em museus militares – contexto internacional
2.2.1. Canadian Forces Base Petawawa Military Museum
2.2.2. Imperial War Museum
2.2.3. Museo del Ejército
2.2.4. National Army Museum
2.3. Os modelos de gestão e documentação das coleções dos seis Museus Militares da Direção de História e Cultura Militar: diagnóstico e contributo para a criação de boas práticas
2.3.1. Missão
2.3.2. Política de incorporação
2.3.3. Alienação
2.3.4. Empréstimo
2.3.5. Depósito
2.3.6. Documentação
2.3.6.1. Pré-entrada
2.3.6.2. Entrada
2.3.6.3. Registo manual
2.3.6.4. Inventário
2.3.6.5. Cópias de segurança
Considerações finais
Referências bibliográficas
Caderno de Imagens

(Fonte: site Edições Colibri)

Estudos em Museologia na academia

 © Ana Carvalho

Eis alguns dos trabalhos desenvolvidos no âmbito de mestrados e doutoramentos em museologia em universidades portuguesas em 2012. Este não é um retrato exaustivo*.

Ana Margarida Penedo (Jun. 2012). Marionetas de teatro wayang kulit de Java do Museu Nacional de Etnologia: Proposta metodológica para documentação da coleção. Tese para obtenção do grau de mestre em Imagem e Comunicação do ISCTE. Orientador: Joaquim Pais de Brito. Tese disponível na íntegra aqui:

Ana Isabel Vieira Braga (2012). Sistemas de documentação e inventário de uma colecção de cerâmica arqueológica da Quinta do Rouxinol. Relatório de estágio apresentado para o cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Museologia no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Relatório disponível na íntegra aqui.

Sofia Botelho (2o12). O material e o imaterial na colecção etnográfica de cozinha do Museu Carlos Machado: proposta de intervenção. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível na íntegra aqui.

Joana Ganilho Marques (2012). Discursos de museus: uma perspectiva transdisciplinar. Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes, Mestrado em Educação Artística. Disponível aqui:  http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5057

Maria de Lurdes Gomes (2012). A relação escola-museu na cidade de Lisboa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui:  http://hdl.handle.net/10451/6621

Carla Santana (2012). Parque da Pré-História da Arrábida: um caminho para uma museologia participativa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui:  http://hdl.handle.net/10451/6533

Adelaide Duarte (Set. 2012). Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea, em Portugal, na segunda metade do século XX. Contributos para a história da museologia. Tese de Doutoramento em Letras, Área de História e Especialidade em Museologia e Património Cultural apresentada na Universidade de Coimbra. Orientação: Irene Vaquinhas (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra) e co-orientação de Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto). Júri: João Maria Bernardo Ascenso André (Universidade de Coimbra), Alice Semedo (Faculdade de Letras Universidade do Porto); João Carlos Pires Brigola (Universidade de Évora); António Manuel Filipe da Rocha Pimentel (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (FCSH, Universidade Nova de Lisboa) e José Maria Amado Mendes (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra). resumo disponível aqui

Ana Catarina Teixeira da Silva (Julho 2012). Património Cultural da Universidade de Lisboa: levantamento e contributo para a sua valorização. Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Orientadores: Marta Lourenço e Luís Efrem Elias Casanovas. Trabalho de Projecto apresentado para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Museologia. Dissertação disponível na íntegra aqui.

Ana Paula Ribeiro Resende Dias (Nov. 2012). ARQVA – Museu Nacional de Arqueologia Subaquática (Cartagena, Espanha). Contextualização, Enquadramento e Análise. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: João Paulo Cabral de Almeida Avelãs Nunes (presidente), Irene Vaquinhas (orientadora), Adolfo António da Silveira Martins (orientador) e José d’Encarnação (arguente, Universidade de Coimbra).

António Manuel Ribeiro Pereira da Costa (Março 2012). Museologia da Arte Sacra em Portugal 1820-2010 – Espaços, Momentos, Museografia. Tese de doutoramento em Letras, área de História, na especialidade de Museologia e Património Cultural, Universidade de Coimbra. Orientação: José Maria Amado Mendes e José d’Encarnação. Júri: Presidente: João Maria André (Director do Departamento de História, Arqueologia e Artes); arguentes principais: Fernando António Baptista Pereira (professor associado da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa) e Maria Regina Teixeira Anacleto (professora associada aposentada da Faculdade de Letras de Coimbra); e D. Manuel Clemente (professor do Pólo do Porto da Universidade Católica Portuguesa), Irene Vaquinhas (professoracatedrática da Faculdade de Letras de Coimbra), e orientadores: José Maria Amado Mendes e José d’Encarnação.

Célia Maria Gomes Pinto (Março 2012). Gestos, memórias e formas materiais legadas pelo barro: a produção olárica no Ribatejo da colecção de olaria tradicional do Museu Nacional de Etnologia. Dissertação apresentada no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Resumo disponível aqui.

Daniela Patrícia Ferreira de Sousa (Nov. 2012). Museu da Saúde Agostinho Albano de Almeida, em Ourém. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: Irene Vaquinhas (presidente), Pedro Casaleiro (orientador, Investigador Auxiliar do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra), Dalila Rodrigues (orientadora, Instituto Politécnico de Viseu) e José d’Encarnação (Faculdade de Letras de Coimbra).

Genoveva Oliveira (Fev. 2012). Museus e Escolas: Os Serviços Educativos dos Museus de Arte Moderna e Contemporânea, um Novo Modo de Comunicação e Formação/Museums and schools: the educational departments on modern and contemporary art museums, a new way of communication and formation. Orientação: João Carlos Pires Brigola e Paulo Simões Rodrigues. Tese de doutoramento para obtenção do grau de Doutor a Universidade de Évora. Júri: Presidente: José Alberto Simões Gomes Machado, Professor Catedrático da Universidade de Évora, por delegação do Director do Instituto de Investigação e Formação Avançada; e Vogais: Carla Padró, Professora Associada da Universidade Barcelona (Espanha), João Carlos Pires Brigola, Professor Auxiliar com Agregação da Universidade de Évora (orientador), Alice Lucas Semedo, Professora Auxiliar da Universidade do Porto, Leonardo Augusto Verde Reis Charréu, Professor Auxiliar da Universidade de Évora,  Paulo Alexandre Rodrigues Simões Rodrigues, Professor Auxiliar da Universidade de Évora – co-orientador, Maria Emília de Oliveira Ferreira, Investigadora da Universidade Nova de Lisboa. Resumo disponível aqui.

Helena Pereira (Dez. 2o12). Biografias (s) da Coleção de Vidro do Museu Nacional de Machado de Castro ou Sobre o Claro-Escuro das Coisas. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Hugo Miguel Sacramento Vaz (Dez. 2012). Museu Judaico Barros Basto: A conceção de uma coleção vistável da comunidade Israeli do Porto. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Joana Beato Conde (2012). Estudo e musealização da coleção de arte sacra do Atelier-Museu António Duarte nas Caldas da Rainha. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6531

Joana Lontrão (2012). Museu efémero: estudo da Avenida Barbosa du Bocage na freguesia de Nossa Senhora de Fátima em Lisboa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6544

Jorge Morais Torres (2012). Rede de museus do Sabugal. Memória, história e identidade de um concelho raiano. Provas públicas de 2.º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Ver mais aqui.

Joseph Rodrigues (2012). Avenida Luisa Todi, do rio á cidade: um exercício curatorial. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6528

Liliana Manuel Maia Pina (Junho 2012). O Museu das Comunicações: Contributos e perspectivas para uma proposta de gestão. Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Ver mais aqui.

Luís Ferreira Louzã Henriques (2012). Sintonias e assintonias da coleção de instrumentos musicais Manuel Louzã Henriques. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Disponível na íntegra aqui (também é possível aceder a um filme).

Luís Miguel Pinel Banha (Dez. 2012). A utilização dos audiovisuais num projecto de comunicação expositiva sobre um sítio arqueológico – a exposição temporária “Quinta do Rouxinol: uma olaria romana no estuário do Tejo (Corroios, Seixal). Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Graça Filipe (co-orientador), Virgílio Hipólito Correia, André Miguel Serra Pedreira Carneiro (vogal), João Carlos Brigola (orientador).

Márcia Fernanda Silva Santos (Dez. 2012). O Museu do Instituto Superior de Engenharia do Porto: Olhares e Reflexões Críticos sobre um Museu de Ciência. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

 Maria Manuela Ferreira da Cunha (Nov. 2012). Caldas de Vizela. Do passado à actualidade: uma proposta de reconversão. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: Francisco Pato de Macedo (presidente), José Maria Amado Mendes (arguente), Dalila Rodrigues (orientadora) e Irene Vaquinhas (orientadora).

Maria Susana Gomes Martins Branco (Dez. 2o12). Viana ontem, a preto e branco. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Maria Teresa Figueiredo Crespo (Abril 2012). Interpretação e comunicação do património cultural integrado em contexto museológico: o caso do Museu da Música Portuguesa – Casa Verdades de Faria. Relatório de estágio apresentado para o cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Museologia no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Estão disponíveis o resumo, índice e apêndices aqui.

Purificação Maria Pinela Pereira (Junho 2012). Museu Virtual de Santa Margarida da Serra (Grândola). Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Alexandra Gago da Câmara (arguente, U.A) e Filipe Themudo Barata (orientador).

Rita Cid Torres Portugal Azevedo (Junho 2012). Relatório de Estágio no Serviço de Educação no Museu Nacional de Arte Antiga. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Alexandra Curvelo (arguente, Universidade Nova de Lisboa e João Carlos Brigola (orientador).

Rui Lopes (Nov. 2012). Museu Académico de Coimbra: evolução histórica, coleções, proposta de atualização. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: João Nunes (presidente), Irene Vaquinhas (orientadora) e Nuno Rosmaninho (arguente).

Rui Pedro de Oliveira Reis da Costa (2012). Os códigos QR em Museus. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Sónia Piedade Apolinário Ribeiro Gomes (2012). O Esperantismo em Portugal (1892 a 1972): origem, afirmação e repressão. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Veja-se também algumas dissertações defendidas na Universidade Lusófona aqui.

* Se porventura tiver conhecimento de outras dissertações de mestrado realizadas em 2012, queira enviar-nos essa informação (para: nomundodosmuseus@gmail.com), de forma a actualizar esta lista.

(actualizado a 20 de Mar. de 2013)

Ensaios e Práticas em Museologia 02

Capa: “Ensaios e práticas em museologia”
Arranjo gráfico da capa: Elisa Noronha
Fotografia da capa © José António Lacerda, 2010

Semedo, Alice, Célia Machado, e Mariana Jacob Teixeira, eds. 2012. Ensaios e práticas em museologia. Vol. 02. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. 286 páginas. ISBN: 978-972-8932-82-4.

 Foi recentemente publicado o segundo volume de “Ensaios e práticas em museologia”, uma publicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. A publicação, exclusivamente em formato digital, dá continuidade ao primeiro volume com o mesmo nome publicado o ano passado (ver aqui).

Trata-se de uma colectânea de 16 artigos que resulta dos trabalhos de investigação realizados por alunos no âmbito do curso de mestrado em museologia na Universidade do Porto entre 2008 e 2011. A diversidade das temáticas abordadas caracteriza este volume (bem como o anterior) e é, de certo modo, indicativo do desenvolvimento de várias linhas de investigação em torno deste campo de estudos, atendendo também a uma “abordagem integradora” que é claramente assumida pela Universidade do Porto, tal como se sublinha no texto de apresentação da publicação:

“O Curso de Museologia tem procurado desenvolver (…) [uma] abordagem ‘integradora’ de diferentes temas-chave (temas-paradigma) que se concretiza em diferentes disciplinas e o seu aproveitamento em termos de avaliação, relaciona-se plenamente com a abolição das fronteiras disciplinares tradicionais que cada vez são menos relevantes para as competências interdisciplinares do mundo contemporâneo e da museologia, em particular. Com esta abordagem integradora dos conhecimentos, espera-se estimular o pensamento crítico e criativo, competências cada vez mais necessárias para prosperar num mundo complexo e global que desafia os limites disciplinares” (p. 5).

 No momento actual, de grande asfixia orçamental das universidades (agora alcançando situações agonizantes e que por via das circunstâncias obriga à reinvenção e posicionamento das universidades) como tem sido mais que evidente nas últimas notícias, o surgimento de iniciativas como esta, note-se de baixo orçamento e sustentadas a partir das redes informais existentes entre alunos e professores (sublinhe-se aqui o papel fundamental de Alice Semedo), é exemplar pela sua capacidade de resiliência aos constrangimentos actuais (que não são apenas de carácter económico).

 Por outro lado, esta iniciativa reflecte também a emergência de novas dinâmicas por parte das universidades com relação à investigação em museologia, no sentido de promover e divulgar a produção científica que se desenvolve neste campo. Na mesma lógica veja-se, por exemplo, a publicação de um número dedicado aos “Museus e Investigação” (vol. 8) pela Revista de História da Arte (Universidade Nova) em 2011, e que incorpora a investigação que se tem produzido na linha de “museum studies” do Instituto de História da Arte desta universidade (ver os conteúdos aqui)[1]. E ainda a nova revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares (um projecto inter-universitário), cujo primeiro número está no prelo (cf. http://revistamidas.hypotheses.org/).

“Ensaios e práticas em museologia” está disponível na íntegra no seguinte endereço: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/10507.pdf (vol. 02)

 Veja também o primeiro volume: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/8926.pdf (vol. 1)

 

CONTEÚDOS:

[Ensaios e práticas em museologia. 02]

Apresentação, p. 5
Alice Semedo, Célia Machado e Mariana Jacob Teixeira

A inclusão da emoção na comunicação museológica – contributos do marketing de serviços, p. 10
Alexandre Beites

Museu ibérico da máscara e do traje: inventário da coleção museológica, p. 24
Ana Luísa Barreira Afonso Brilhante

Epistemologia do conhecimento em Michel Foucault: os museus e as suas coleções, p. 37
António Manuel Passos Almeida

Museu da resistência: lugar de memória e instrumento da memória, p. 57
Carlos Mendes

Museus e vizinhança – o desafio de partilhar território, p. 70
Célia Machado

Avaliação e redução do risco de dano associado à luz solar em duas novas galerias do Victoria and Albert Museum, p. 92
Diana Ornellas Bencatel

Entre a arte e a ciência – um projeto de educação na Casa-Museu Abel Salazar, p. 111
Filipa Leite

Práticas e políticas de conservação preventiva no English Heritage: modelo de uma política integrada de gestão de coleções, p. 127
Geraldine Garcia

Arquitetura de Museus: entre tradição e modernidade. A Casa das Histórias da Paula Rego, p. 143
Gilson Fernandes

Dos “públicos” nos museus: ensaio sobre os fundamentos teóricos que antecedem a definição de metodologias de trabalho, p. 163
Joana Almeida Ribeiro

Dos armazéns de armas aos atuais museus militares da Direção de História e Cultura Militar – análise de um percurso evolutivo, p. 182
Mariana Jacob Teixeira

Ensaio sobre o AAT – Art & Architecture Thesaurus, p. 201
Natália Jorge

Coleções e colecionadores de arte na revista Ilustração Moderna (1926-1932), p. 218
Ricardo Manuel Mendes Baeta

Ciência e Tecnologia: mensagem e meio na prática museológica, p. 233
Sandra Santos

Ligações on/off. Reflexões sobre a construção de redes de colaboração entre museus e produtores de ciência e técnica na Universidade do Porto, p. 252
Susana Medina

A poética do colecionador – um caso de estudo, p. 268
Teresa Pinhal

 


[1] Note-se porém algumas diferenças. O volume publicado pelo Instituto de História da Arte assume o sistema de arbitragem científica por pares na base da selecção e edição dos textos, enquanto na publicação da Universidade do Porto isso não se verifica.

Museus participativos, um olhar…

Reflexão, partilha, participação, inclusão, emoções, manifestos, identidade, pós-modernismo, educação, pedagogias actuais, investigação, políticas, envolvimento, museus e universidade, novos paradigmas, territórios participativos, colaboração, redes, sustentabilidade, projectos, TRANSFORMAÇÃO, questionamento permanente, aprendizagem, dinâmicas colaborativas, museu como lugar performativo, felicidade, colecções, Paixão, mediadores, utopias, valores, INTERVENÇÃO, impactos sociais, indicadores de impacto, MUDANÇA, educação financeira, MUSEU RELEVANTE, Identidade de lugar, avaliação, representações

…são algumas das palavras-chave das reflexões à volta do seminário “Museus Participativos: Questões de acessibilidade, sustentabilidade e outros manifestos (7 de maio 2012), organizado pela Universidade do Porto e pela Fundação Dr. António Cupertino de Miranda, onde se realizou esta jornada de reflexão crítica em torno das práticas museológicas nos museus do Porto.

Este seminário insere-se no âmbito do projecto de investigação “Museus do Porto: desafios para a construção de territórios colaborativos” (coord. Alice Semedo) (sobre o projecto ver post anterior), sendo que este seminário foi uma sessão aberta ao público.

Depois de uma breve apresentação e contextualização do projecto de investigação (por Alice Semedo e Inês Ferreira), seguiu-se Jocelyn Dodd da Universidade de Leicester, que deu a conhecer algumas experiências inglesas em matéria de inclusão e acessibilidade.

Maria Amélia Cupertino de Miranda (Fundação dr. António Cupertino de Miranda), em cima na foto, apresentou aquele que pode ser considerado um exemplo de boas práticas desenvolvido pelo museu na área educativa, partilhando os sucessos e os fracassos de um processo de mudança que o museu encetou numa perspectiva de se tornar mais relevante, através da construção de (novos) territórios. A partilha de experiências tem sido parte integrante do projecto de investigação “Museus do Porto: desafios para a construção de territórios colaborativos”.

Fará sentido, hoje, falar de manifestos? João Teixeira Lopes (Universidade do Porto) falou de manifestos e da sua construção a partir de “10 mandamentos”.

Cerca de 100 pessoas foram distribuídas em diversos grupos (círculos de conversas) para pensar nos manifestos e na sua construção. Depois, foi “meter as mãos na massa” e criar…

O que nos liga?

O que nos distingue?

E…

Momentos particularmente férteis para a reflexão sobre os museus foram proporcionados por Alexandre Quintanilha  (Universidade do Porto), Silvia Berény (OSMPE-Organização Social do Movimento das Pontes Educativas), Pedro Lamares (Actor, encenador, formador), com a moderação de Paulo Azevedo (Cleo Sonae). Um olhar de fora dos museus foi extremamente prolífico para repensar posicionamentos sobre o que pode ser o museu e, a todos nós quanto aquilo em que acreditamos ser o papel do museu. Momentos Out of the box

A rEDUvolucion nos museus? María Acaso (Universidad Complutense de Madrid) e as suas “pedagogías tóxicas” vs “pedagogías actuais”, num tom muito particular, sempre provocador e revolucionário. María Acaso tem vários livros publicados. Merece particular atenção um dos últimos livros que tem aplicação nos museus de arte contemporânea:

Acaso, María, coord. 2011. Perspectivas: Situación actual de la educación en los museos de artes visuales. Madrid: Editorial Ariel. Também disponível em pdf: http://mariaacaso.blogspot.pt/search/label/publicaciones (blog de María Acaso)

O que queremos que seja o museu?

Este seminário foi um encontro feliz no sentido em que promoveu a discussão sobre temas que são centrais para a (re)definição do museu (afinal, que museus queremos?, que profissionais queremos ser?) E já que nos aproximamos do dia internacional dos museus (18 de Maio), dedicado este ano ao tema: Museus num Mundo em Mudança: Novos Desafios, Novas Inspirações”, este encontro não poderia estar mais em sintonia!!!!

 

Encontro: Museus participativos: questões de acessibilidade, sustentabilidade e outros manifestos, 7 maio

É sob o tema “Museus participativos: questões de acessibilidade, sustentabilidade e outros manifestos”, que se realiza um encontro no Porto (na Fundação Dr. António Cupertino de Miranda), a 7 de maio, reunindo vários especialistas ligados à museologia e à cidade do Porto. Estarão presentes Alice Semedo, Jocelyn Dodd (School of Museum Studies, University of Leicester,UK), Maria Acaso (Universidad Complutense de Madrid), João Teixeira Lopes (FLUP/ISFLUP), Alexandre Quintanilha (Universidade do Porto), entre muitos outros convidados (ver programa, mais em baixo).

Este encontro/sessão aberta surge no contexto de um projecto de investigação mais alargado “Museus do Porto: desafios para a construção de territórios colaborativos”, que conta com a coord. científica de Alice Semedo (Universidade do Porto) e a colaboração de Inês Ferreira (Câmara Municipal do Porto). O projecto é sobre os museus da cidade do Porto e os seus profissionais. Citando as autoras do projecto: “The challenge for this participatory appreciative action research project lies in constructing contact zones for the production of knowledge about museums by the academia and the different actors that work in the field” (2011, 229).

Sobre o projecto pode consultar dois artigos já publicados pelas autoras (em inglês):  “Challenges for the Construction of Museum Territories” (paper apresentado na conferência “Current Issues in European Cultural Studies”, 2011, que faz um enquadramento do projecto, refere objectivos e contextos; e o artigo: “Collaborative spaces for reflective practice” (paper que será apresentado na conferência “The transformative museum conference”, em Odense, na Dinamarca, em Maio próximo), e que reflecte sobre as metodologias seguidas neste projecto. Os artigos estão disponíveis aqui: http://up-pt.academia.edu/AliceSemedo/Papers

Programa*

Ficha Inscrição

*No programa refere-se 7 de maio de 2011, mas é um lapso, deverá ler-se 7 de maio de 2012.

O encontro é organizado pela Fundação Dr. António Cupertino de Miranda, Museu Papel Moeda e pela Universidade do Porto.

Call for Papers: MIDAS – Museus e estudos interdisciplinares

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares está a aceitar artigos e recensões para o 1.º número que será publicado no último trimestre de 2012. O data limite é já dia 31 de março.

MIDAS é uma nova revista dedicada aos museus. É digital e semestral. Sobre a missão, gestão editorial e comité científico da revista consulte o site:http://revistamidas.hypotheses.org/) ou a página no facebook: https://www.facebook.com/revistamidas

Este “call for papers” não é temático. A revista aceita artigos que favoreçam a abordagem interdisciplinar e a problematização de temas no contexto do mundo dos museus, incluindo os seguintes domínios: Teoria dos Museus; Museus na Sociedade; Gestão de Museus; Conservação; Estudos de Públicos, Comunicação e Mediação; Políticas e Práticas de Exposição; Museus e Patrimónios; Novas Tecnologias; Arquitetura de Museus; História de Museus/Coleções; e Gestão de Coleções.

Submissão de artigos:
– português, espanhol, francês e inglês
– até 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 carateres (incluindo espaços)
– Microsoft Word, Times New Roman, 12
– Sistema Autor-Data do “Chicago Manual of Style”

Submissão de recensões:
– em português, espanhol, francês ou inglês
– publicações nacionais e internacionais (menos de 2 anos); e exposições
– até as 1500 palavras ou aproximadamente 10 000 carateres (incluindo espaços)
– Microsoft Word, Times New Roman, 12

Mais informação sobre as normas de publicação aqui: http://revistamidas.hypotheses.org/normas-de-publicacao

Os textos devem ser enviados para: revistamidas@gmail.com

MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares

MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares é uma nova revista de reflexão interdisciplinar de museologia, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. A revista assume uma abordagem internacional, privilegiando uma relação de proximidade e diálogo com os países de língua portuguesa e espanhola.

Para o primeiro número lançou-se uma chamada de artigos, aberta até 31 de Março de 2012. Este número não é temático, sendo possível submeter artigos nas várias áreas de investigação da museologia.

Sobre a revista:

A revista aceita artigos que favoreçam a problematização dos temas, transpondo diferentes disciplinas, territórios, perspetivas e visões em trabalhos de investigação de fertilização cruzada com fronteiras de contorno híbrido. Apresenta-se como espaço de questionamento não delimitador no qual o conhecimento é compreendido como sendo impermanente e aberto ao outro (Ler mais).

A revista é da responsabilidade editorial de Alice Semedo (Departamento de Ciências e Técnicas do Património da Faculdade de Letras da Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (CHAIA – Centro de História da Arte e Investigação Artística, Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Departamento de História Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras, Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e CIBIO), Raquel Henriques da Silva (IHA-Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora), na qualidade de editora assistente.

A revista tem também um Comité Científico, constituído por vários especialistas de reconhecido mérito nas mais diversas áreas de investigação da museologia. Cabe ao Comité Científico assegurar a arbitragem científica dos artigos, o que pressupõe que todos os artigos submetidos são analisados de forma anónima (pelo menos por 2 revisores).

Para a submissão de artigos tenha em conta as seguintes recomendações:

  • Artigos até 6 000 palavras ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços)
  • Recensões (livros ou exposições) até 1500 palavras ou aproximadamente 10 000 caracteres (incluindo espaços)
  • Artigos em Português, Inglês, Espanhol e Francês
  • Sistema Autor-Data do Chicago Manual of Style
(Ler mais sobre as normas de publicação aqui)

 

Data limite para a submissão de artigos e recensões: 31 de Março de 2012

Os artigos devem ser enviados por e-mail para Ana Carvalho: revistamidas@gmail.com

Para mais informações sobre a revista e as normas de publicação consulte: www.revistamidas.hypotheses.org

A natureza e gestão das colecções dos Museus Militares


© Ana Carvalho

«A natureza e gestão das colecções dos Museus Militares na dependência da Direcção de História e Cultura Militar (Exército)»
Autora: Mariana Jacob Teixeira
Orientação: Alice Semedo
Relatório de Projecto para obtenção do Grau de Mestre em Museologia na Universidade do Porto
Júri: Armando Coelho Ferreira da Silva (Presidente), Raquel Henriques da Silva (arguente) e Alice Semedo (Vogal)
Nota: 19/20 valores
6 Dezembro 2011

Pode contactar a autora através do seguinte endereço: mariana.jacob@hotmail.com

Sobre este estudo:

A investigação denominada «A natureza e gestão das colecções dos Museus Militares na dependência da Direcção de História e Cultura Militar (Exército)» tem como objecto de estudo o universo constituído pelos seis Museus Militares que se encontram na dependência da Direcção de História e Cultura Militar do Exército português, a saber: o Museu Militar dos Açores, o Museu Militar de Bragança, o Museu Militar de Elvas, o Museu Militar de Lisboa, o Museu Militar da Madeira e o Museu Militar do Porto. Inclui-se, ainda, o Museu Militar do Buçaco cujo acervo é gerido pelo Museu Militar de Lisboa.

Face ao objecto de estudo foram colocadas duas perguntas, que orientaram a estrutura da pesquisa: (1) Qual a natureza das colecções que constituem o acervo dos Museus Militares? (2) Que modelo de gestão e documentação dos objectos é desenvolvido pelos Museus referidos?

O diagnóstico obtido constituiu o instrumento necessário para a criação da proposta de um Manual de Gestão das Colecções, que se pretende que tenha aplicabilidade prática no âmbito institucional. Entende-se por Manual de Gestão das Colecções um conjunto de instruções claras e precisas com o objectivo de uniformizar as políticas e os procedimentos relativos às várias actividades relacionadas com os objectos, nomeadamente as acções de incorporação, alienação, empréstimo, depósito e documentação.

(Fonte: informação da autora)

Este estudo está disponível na íntegra aqui.

Parabéns à Mariana pelo excelente trabalho!