Arquivo de etiquetas: Universidade Nova de Lisboa

Chamada para entradas em dicionário de biografias de personalidades ligadas aos museus e à museologia

quem-e-quem

“Quem é Quem na Museologia Portuguesa” corresponde a um desafio lançado pela Linha de Investigação “Estudos de Museus” do Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Responder a esse repto envolve a criação de um dicionário de museólogos portugueses, balizado entre o século XVIII e os anos 60 do século XX que, numa primeira fase, terá edição digital.

Esta iniciativa visa ampliar e sistematizar o conhecimento sobre as personalidades ligadas à museologia portuguesa, em áreas tão diversas como a arte, a ciência, a antropologia ou a arqueologia, tendo em consideração os contextos históricos que as envolveram.

Todas as entradas do Dicionário terão a forma de biografia, segundo formato e normalização precisos. Para além dos objectivos enunciados, decorrem ainda desta iniciativa:

  • disponibilizar online e em acesso aberto os resultados de pesquisa e investigação recentes afectas à história dos museus e à museologia em Portugal;
  • contrariar a tendência de dispersão de conteúdos que caracteriza o panorama investigativo, facilitando o acesso aos mesmos;
  • constituir um corpus de conhecimento sobre o pensamento museológico e a história da museologia em Portugal
  • Apela-se, para tal, à participação de um leque de investigadores que se pretende o mais alargado possível.

As diferentes fases de desenvolvimento do projecto serão progressivamente dadas a conhecer on-line a partir do final do mês de Julho de 2017, através do site do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa

Prazo limite de submissão: 24 de Março de 2017

Os interessados deverão enviar um resumo de cada uma das entradas biográficas propostas (máx. de 250 palavras), num ficheiro Word, em português, acompanhado de uma breve nota curricular (máx. de 150 palavras).

As propostas serão avaliadas e a sua aceitação notificada aos autores até 15 de Maio de 2017.

Enviar por e-mail para: quemequem.iha.must@gmail.com

Coordenação: Raquel Henriques da Silva, Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro

Comissão Científica:
Raquel Henriques da Silva
Lúcia Almeida Matos
Clara Frayão Camacho
Emília Ferreira
Joana d’Oliva Monteiro
Paulo Oliveira Ramos
Sandra Leandro

Comissão executiva: Emília Ferreira, Joana d’Oliva Monteiro e Ana Paula Louro

Direção-Geral do Património Cultural lança colecção sobre estudos de museus

Museus arte e patrimonio

A Direção-Geral do Património Cultural irá inaugurar uma nova colecção dedicada a museus, em parceria com a editora Caleidoscópio. Com a colecção “Estudos de Museus” pretende-se a publicação de trabalhos académicos (dissertações e teses) cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela desta organização.

O primeiro volume da colecção “Estudos de Museus”, Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), será apresentado no próximo dia 9 de Março e centra-se na figura de José de Figueiredo pelo seu papel na história da arte e nos museus, em particular no Museu Nacional de Arte Antiga, do qual foi director. O segundo volume é da autoria de Clara Frayão Camacho e intitula-se Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia. Será lançado no mês de Abril.

Museus, Arte e Património em Portugal. José de Figueiredo (1871-1937), da autoria da investigadora Joana Baião, centra-se na vida e obra daquela que pode ser considerada “uma das mais importantes figuras da história da arte e da museologia portuguesas do início do século XX”. A realização deste estudo permitiu uma “análise aprofundada das várias áreas de actuação de José de Figueiredo no panorama cultural português” sublinha a autora.

Tanto o percurso pessoal como profissional de Figueiredo são abordados neste livro, nomeadamente a sua integração na Academia Real de Belas-Artes de Lisboa; o seu papel na campanha de estudo, restauro e divulgação dos painéis de S. Vicente; as suas ideias e contribuições na definição da legislação artística e patrimonial portuguesa, nos diversos contextos político-sociais que integrou (Monarquia Constitucional, Primeira República, Ditadura Nacional e primeiros anos do Estado Novo); a sua actividade como crítico e historiador de arte; o seu papel na divulgação da arte portuguesa, dentro e fora do país, através da participação em conferências e da organização de exposições no estrangeiro; e a sua acção no âmbito da museologia da arte em Portugal, nomeadamente enquanto director do Museu Nacional de Arte Antiga (1911-1937). Merece também destaque a relação de Figueiredo com personalidades nacionais e estrangeiras (p. ex. Luciano Freire, Reinaldo dos Santos, Afonso Lopes Vieira, Luís Keil, Émile Bertaux, André Dézarrois, entre outras) que, de modos diversos, marcaram a sua vida e obra.

O livro resulta da tese de doutoramento de Joana Baião com o título: José de Figueiredo (1871-1937): Ação e Contributos no Panorama Historiográfico, Museológico e Patrimonialista em Portugal, desenvolvida no âmbito do doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico da Universidade Nova de Lisboa. A tese foi orientada por Raquel Henriques da Silva.

Joana Baião é investigadora em pós-doutoramento no Instituto de História da Arte da mesma Universidade. No seu percurso académico destaca-se a tese de mestrado “Museus de Museus: Uma reflexão. Proposta para uma definição” (Universidade Nova de Lisboa, em 2009) e a sua participação no projecto “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal” (2010-2013). Actualmente, é assistente de coordenação e investigadora no projecto RaisExpo: Catálogo Raisonné Online das Exposições de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian.

O lançamento do primeiro volume da colecção “Estudos de Museus” é já amanhã, 9 de Março, pelas 18h30, no Museu Nacional de Arte Antiga. O livro será apresentado por António Filipe Pimentel, director deste museu.

****

Índice:

7 INTRODUÇÃO
11 PERCURSO BIOGRÁFICO E SEUS CONTEXTOS
13 Os Primeiros Anos (1871-1895)
28 Os Anos em Paris (1895-1900)
61 Um Homem num País em Mudança: José de Figueiredo, depois de 1901
83 UMA VIDA DEDICADA À ARTE PORTUGUESA (1901-1937)
85 José de Figueiredo, Académico de Mérito da ARBAL
105 José de Figueiredo e a Campanha dos Painéis de São Vicente
133 José de Figueiredo e a Legislação das Bellas Artes em Portugal (1901-1936)
170 José de Figueiredo, Historiador e Crítico de Arte
202 José de Figueiredo e a Divulgação da Arte Portuguesa
237 José de Figueiredo e a Museologia da Arte
263 José de Figueiredo, Diretor do Museu Nacional de Arte Antiga
347 In Memoriam José de Figueiredo
363 CONCLUSÕES
365 A Construção do “Mito” José de Figueiredo
371 NOTAS
427 Abreviaturas
428 Bibliografia
439 Proveniência e Crédito das Figuras

****

O livro está à venda nas principais livrarias e nas lojas dos museus nacionais.

Entrevista com Rui Sousa Martins

Rui Sousa Martins. Entrevista realizada no Museu de Vila Franca do Campo (S. Miguel, Açores), a 6 de Agosto de 2013 © Ana Carvalho

A paixão de Rui Sousa Martins pela Antropologia e pelos museus fizeram dele o grande obreiro do Museu de Vila Franca do Campo, um museu local situado a poucos quilómetros de Ponta Delgada, que reivindica como sendo o laboratório da Antropologia da Universidade dos Açores. Da experiência no terreno fica-lhe a convicção de que o museólogo é antes de mais um gestor de relações sociais.

É também pela mão de Rui Sousa Martins que a museologia entra na Universidade dos Açores, primeiro como uma cadeira (1998), depois nos moldes de uma pós-graduação (2001-2002), seguindo-se a sua transformação em mestrado (2005).

É de todo este lastro que trata a entrevista: percursos, gestão de patrimónios (material e imaterial) e desenvolvimento, e ainda um olhar sobre o panorama museológico nos Açores, ensaiando perspectivas de futuro.

 ****

Rui Sousa Martins é doutorado em Antropologia Cultural pela Universidade dos Açores (1993). Entre 1983 e 2011 dirigiu o Centro de Estudos Etnológicos do Departamento de História, Filosofia e Ciências Sociais da Universidade dos Açores. Coordena o mestrado em “Património, Museologia e Desenvolvimento” e dirige o Museu de Vila Franca do Campo (S. Miguel). Foi o responsável pela concepção de inúmeros projectos museológicos nos Açores, como foi o caso do Museu de Vila Franca do Campo (1982), o Museu da Indústria Baleeira (1994), entre outros. Email: rmartins@uac.pt 

****

Ana Carvalho (AC) – Qual é o primeiro museu que se lembra de visitar e que memórias guarda dessa experiência?

Rui Sousa Martins (RSM) – Nunca tinha posto o problema dessa maneira e a sua pergunta aponta para uma origem explicativa. No entanto, para quem trabalha ligado aos museus, a relação com cada um, e sobretudo com aqueles que mais o influenciaram, não pode ser dissociada das diferentes etapas do seu percurso de vida.

O meu primeiro museu foi o Machado de Castro de Coimbra, a cidade onde cresci. Era estudante do liceu e aos fins-de-semana ia muitas vezes passar o meu tempo no museu, percorrendo demoradamente as salas. Havia pouca gente, eu gostava de ver as esculturas renascentistas, as faianças azuis e brancas do séc. XVI. Isso marcou-me profundamente. É a minha fase de liceu, 4.º e 5.º anos, em que descubro a Arqueologia, o destino museológico das peças, o coleccionismo… Começa assim uma ligação aos museus que é também próxima e indissociável da Arqueologia.

Há um outro museu que eu visitei enquanto jovem e que me marcou muito, o Museu de Arte Popular de Belém, em Lisboa, porque veio ao encontro de um gosto idiossincrático pelos objectos etnográficos.

Portanto, os museus fazem parte de toda a minha vida, onde não acontecem só museus, mas acontecem muitas outras coisas que são determinantes. Um outro capítulo importante foi quando era estudante ter recebido um prémio para ir a Cabo Verde (1967) e aí nasceu uma outra paixão: África. Decido no liceu que vou ser etnólogo e dedicar-me às culturas exóticas. Comecei então a estudar a cultura de Cabo Verde e fiz o meu primeiro trabalho etnográfico de pesquisa na ilha de Santiago.

Como a minha família estava entretanto a viver em Angola, nos finais do liceu, em Janeiro de 1970, vou para Luanda, ligando-me a uma figura que seria determinante na minha vida, o etnólogo José Redinha, e nessa época há outro museu que se torna muito importante para mim: o Museu de Angola.

Este museu tinha uma rica colecção de história natural e também uma secção etnográfica, dedicada às várias etnias de Angola, na altura dirigido pelo antropólogo Mesquitela Lima, e onde também trabalhou Henrique Coutinho Gouveia. Passava no museu uma parte significativa do meu tempo, de modo que o Museu de Angola surge logo como um espaço de formação e mais tarde também depositário de recolhas que eu viria a fazer em várias etnias e culturas do Noroeste de Angola.

É também nessa fase angolana que me surge uma questão nova. Eu interessava-me pela Arte africana, pela Antropologia política, pelos símbolos de poder, pelas técnicas e pela Arqueologia. Mas também me confrontei com a cruel realidade do subdesenvolvimento, da carência, da pobreza, pois havia situações de grande fragilidade social no sistema colonial.

Eu estava interessado em estudar antropologicamente a organização política do Noroeste de Angola e fui fatalmente obrigado a olhar para outras coisas que não tinham nada a ver com a investigação, tais como o problema das pessoas, das condições em que elas viviam e, portanto, a questão do desenvolvimento apareceu-me de uma forma muito aguda ligada ao trabalho antropológico. De tal maneira que defendi a ideia (insólita e ingénua!) de criar um museu na região dos Dembos, ou seja, um espaço onde os símbolos de poder estivessem expostos, servindo de elementos de mobilização turística. A simplicidade das pessoas e a pobreza aparente contrastavam com a riqueza dos mitos e das narrativas sobre a própria cultura assim como com a elaboração das artes, intimamente ligadas à religião.

Fotografia a preto e branco de Mulher com cesto de transporte

Mulher com cesto de transporte. Dembos, Angola, 1972. © Rui Sousa Martins

Em que medida é que nós podemos, de facto, separar o conhecimento das ciências sociais da vida das pessoas? Foi um problema que me surgiu então, embora só se tornasse determinante muito mais tarde. Logo, não havia da minha parte a questão do património, eu não estava a pensar em patrimonializar o que quer que seja, mas tinha a ideia de que determinadas recolhas tinham de ser preservadas no museu, neste caso o Museu de Angola, onde entreguei uma parte significativa das peças que recolhi.

Em 1972-73, eu fui fazer o meu primeiro estágio no Museu do Dundo[1], organizado pela Diamang, na Lunda, no Nordeste de Angola, muito distante de Luanda. E revelou-se uma experiência notável em termos museológicos e etnográficos, porque o museu era de uma riqueza indescritível. Foi um estágio bastante intenso e que me permitiu trabalhar pela primeira vez no interior de um museu, onde conheci Acácio Videira, um estudioso e artista sobre o qual publiquei um pequeno artigo no jornal A Província de Angola.

Cozedura de cerâmica em fogo aberto. Dembos, Angola, 1973 © Rui Sousa Martins

Cozedura de cerâmica em fogo aberto. Dembos, Angola, 1973 © Rui Sousa Martins

Depois regressei à metrópole em Janeiro de 1974 e vim estudar Direito para a Universidade de Coimbra, visto não haver expectativas de fazer um curso de Antropologia em Portugal. A partir de 1975, o Museu do Instituto de Antropologia da Universidade de Coimbra teria grande papel na minha formação e no meu percurso. Aí, encontro Henrique Coutinho Gouveia e Manuel Laranjeira Rodrigues de Areia, aos quais devo muito em termos antropológicos e museológicos. A exposição Angola-Culturas Tradicionais (Outubro-1976) foi uma experiência marcante que se alargaria também aos estudos e recolhas de artesanato local.

É também na década de 70 que eu vou a Paris, onde entro pela primeira vez em contacto com o Museu do Homem e o Museu das Artes e Tradições Populares que foram para mim a grande mudança, na descoberta de novas e marcantes museologias antropológicas.

Paralelamente, há um outro museu português, o Museu da Sociedade de Geografia de Lisboa, onde trabalhei bastante, com o apoio de António de Almeida que também tinha estudado o Noroeste de Angola.

A 8 de Julho de 1978, a Fundação Calouste Gulbenkian vai promover um colóquio sobre ecomuseus com Georges Henri Rivière. E eu vou estar presente com Henrique Coutinho Gouveia e com os colaboradores do Museu de Antropologia de Coimbra. Vai ser outro marco fundamental, pois os ecomuseus vão tornar-se uma ideia extremamente mobilizadora, em parte devido à intervenção de Georges Henri Rivière e também pela documentação que a Gulbenkian me enviou, desafiando-me assim a descobrir a nova museologia.

O processo de descolonização inviabilizou o meu projecto de regressar a Angola, muito embora tivesse continuado os meus estudos e publicações sobre os Dembos. Em 1980, concorri para a Universidade dos Açores (pólo de Ponta Delgada) a fim de trabalhar na área da Antropologia, opção devida ao casamento com uma açoriana, iniciando assim um novo rumo. E comecei rapidamente um projecto de pesquisa em Vila Franca do Campo.

Quando estava em Angola, tinha lido uns artigos sobre a cerâmica dos Açores, publicados por Eduíno Borges Garcia. Consequentemente, tinha conhecimento da existência de um centro de olaria em Vila Franca do Campo e como já tinha trabalhado sobre cerâmica em Angola, comecei logo a estudar a louça da Vila. Aliás, as artes do barro continuam a ser a minha área de eleição e o meu doutoramento foi sobre cerâmica feminina nos Açores, talvez a mais elementar da Europa: Cerâmica Modelada Feminina dos Açores (1994)[2]. É neste contexto que se coloca novamente o problema de um museu.

O programa de Antropologia que eu começo a leccionar em 1980-81 incluía já os museus e os ecomuseus, visto ser uma Antropologia ligada à museologia e agora a questão do património já estava presente, o que se explica também pelo facto de ter participado no I Encontro das Associações de Defesa do Património, em Santarém (1980).

O perfil da Antropologia que tenho leccionado na Universidade teve sempre duas notas características. Em primeiro lugar, a participação de todos os estudantes na pesquisa de terreno e, em segundo, uma activa componente museológica e patrimonial. Estes parâmetros estenderam-se igualmente ao pólo universitário da ilha Terceira, onde lecciono uma cadeira. E se lhe digo isto é porque a Antropologia não tem que ser assim, pois podia ser ensinada numa perspectiva totalmente diferente.

Por conseguinte, quando começo a trabalhar nos Açores, uma das questões que se levanta logo é o problema da organização de um museu que servisse de laboratório antropológico. Um museu para quê? Para poder fazer recolhas etnográficas. Já as tinha feito em Angola e em Portugal continental, mas aqui faltava um espaço especializado. Nessa altura, o Museu Carlos Machado de Ponta Delgada era dirigido por um colega meu, Nestor de Sousa, professor de História da Arte, com o qual mantive sempre um enriquecedor relacionamento. Mas este museu estava vocacionado sobretudo para a Arte e para a História Natural e não tanto para a etnografia.

Por outro lado, a recolha de peças etnográficas pela Universidade dos Açores é anterior à criação do Museu de Vila Franca do Campo, ou seja, a pesquisa de terreno, a colecção e a  patrimonialização antropológica precederam o museu. E é quando estas peças começam a entrar na universidade e a embaraçar o espaço que se põe o problema da criação de um museu, processo já narrado por Sílvia Sousa no âmbito da tese “A Museologia da ilha de S. Miguel: 1974-2008“.

Ainda em 1980, faz-se uma reunião, promovida pela Universidade, com a Câmara de Vila Franca do Campo e aberta à comunidade, para se debater a criação de um museu de Antropologia. E eu propus um museu especializado em cerâmica, vocacionado para a louça da Vila, que era um tema que me interessava sobremaneira. O meu projecto foi automaticamente rejeitado, com o seguinte argumento: Vila Franca não tem só louça, tem também violeiros, tecelagem, música, etc. Então, chegámos a um entendimento: fazer um museu com várias secções, mas dando prioridade à cerâmica.

Foi preciso estabelecer um protocolo (1981) entre a universidade e a câmara, sendo o museu institucionalizado ao mais alto nível político da região autónoma, visto ter sido homologado pelo Secretário Regional da Educação e Cultura quando a Universidade dos Açores estava sob a tutela do Governo Regional.

Em Vila Franca do Campo, foram-nos cedendo progressivamente espaços para organizar as colecções e o museu pôde ir crescendo a partir de uma dinâmica ligada à universidade e ao município. Portanto, o Museu de Vila Franca do Campo é criado com a intenção de produzir um laboratório de Antropologia da Universidade dos Açores e, simultaneamente, responder à vontade dos vilafranquenses. E assim se foi mantendo estes anos todos, com o trabalho académico e o apoio dos sucessivos presidentes da edilidade.

A década de 1980 foi muito rica para o desenvolvimento da Antropologia e da museologia nos Açores e isto por várias razões. Além da criação do museu aqui em Vila Franca do Campo, realizam-se as Semanas de Etnologia do Atlântico, Açores-Madeira-Canárias-Cabo Verde (1986 e 1988), em Angra do Heroísmo, na Ilha Terceira. Promovidas pelo COFIT, estas Semanas estavam ligadas ao Festival Internacional de Folclore dos Açores e permitiram trazer à ilha Terceira Mesquitela Lima, Henrique Coutinho Gouveia e João Lopes Filho, de Cabo Verde, entre outros antropólogos e historiadores dos arquipélagos da Macaronésia. Era uma Etnologia do Atlântico, onde se debateram as questões ligadas aos museus e ao património.

Foi durante as Semanas de Etnologia que se discutiu a política regional de museus, o problema das Casas de Etnografia e a passagem destas a museus. Numa dessas semanas, participou François Hubert do Ecomuseu de Rennes, um dos pólos do Museu da Bretanha. François Hubert[3] vai ter uma grande influência aqui nos Açores e é ele que me vai proporcionar uma estadia de trabalho na Bretanha, no decurso da qual pude conhecer e estudar o ecomuseu da ilha de Groix.

O Seminário Internacional sobre Musealização de Sítios, em Coimbra (19-24 de Outubro de 1987)[4], promovido pelo então Instituto Português do Património Cultural, foi um outro momento importante. Nesse seminário, participaram várias pessoas dos Açores, muitas delas já presentes nas Semanas de Etnologia, como era o caso do jornalista e investigador terceirense João Afonso, que estava a organizar o Museu dos Baleeiros na ilha do Pico, de Teodora de Borba, diretora do Museu da ilha Graciosa, de João Gomes Vieira, responsável pelo Museu da ilha das Flores, de François Hubert da Bretanha, cabendo-me a mim representar a Universidade dos Açores e o Museu de Vila Franca do Campo. Este encontro teve grande impacto no desenvolvimento da musealização de sítios neste arquipélago.

Esta perspectiva, intimamente ligada à problemática dos ecomuseus, fundamentou a reconversão museológica da olaria do Mestre António Batata em Vila Franca do Campo (veja-se roteiro da Olaria-Museu Mestre António Batata) e, posteriormente, graças à militância de José Pedro Gaspar, da oficina de ferreiro-ferrador e da tanoaria da então Vila da Lagoa, na ilha de São Miguel.

Fotografia da fachada da olaria

Olaria-Museu Mestre António Batata, Vila Franca do Campo, 2013 © Ana Carvalho

Porém, seria na Graciosa que a musealização de sítios e a ecomuseologia instituiriam um modelo de gestão global de valores patrimoniais a nível de ilha. E em data recente, Jorge Cunha, actual diretor do Museu da Graciosa, aprofundaria o referido modelo com base nos paradigmas inovadores dos parques culturais, numa tese de mestrado em Património, Museologia e Desenvolvimento – “O Museu da ilha Graciosa no contexto da nova museologia açoriana (1977-2008)”[5]. De salientar igualmente o inovador projecto do Ecomuseu da Ilha de São Jorge, liderado por Eduardo Guimarães (2006) que influenciou significativamente a museologia antropológica açoriana.

E assim se concretizou um processo de mudança na museologia açoriana ligada aos pequenos museus, à musealização de sítios, aos ecomuseus e às autarquias. Obviamente, isto teve consequências muito importantes na gestão do património cultural, tanto móvel como imóvel, mesmo em contextos urbanos. Lembre-se que na Lagoa aparece pela primeira vez, na sinalética urbana, a indicação de uma oficina de ferreiro e de um tanoeiro, actividades marginalizadas e que adquirem valor patrimonial e turístico[6]. Muitas destas questões foram analisadas num número da revista Património e Museus Locais (1992), dedicado aos Açores.

Neste ciclo da museologia antropológica açoriana, insere-se igualmente a reconversão museológica da Fábrica da Baleia de São Roque do Pico (Museu da Indústria Baleeira, 1991), do engenho hidráulico de debulhar trigo da Lomba de Loução (Museu do Trigo, 2003) e da Fábrica de Tabacos da Maia (Museu do Tabaco da Maia, 2006), ambos na ilha de São Miguel, assim como a criação do Ecomuseu da Picada (Rio Grande do Sul, Brasil, 1995).

AC – Como é que surge o ensino da museologia na Universidade dos Açores?

RSM – Em 1982, o departamento de História e Filosofia e Ciências Sociais da Universidade dos Açores aprovou um curso de museologia etnológica. E fez-se história. Tinha-se projectado um curso de museologia etnológica em parceria com a Universidade Nova que não pôde ter seguimento. Foi preciso esperar pela década de noventa (em 1998/99) para se criar a cadeira de etnomuseologia no âmbito da licenciatura em Sociologia, a primeira disciplina da área museológica a funcionar na Universidade dos Açores.

AC – Era leccionada por si?

RSM – Sim, pois é preciso compreender que na altura não havia interesse por parte das outras áreas disciplinares na museologia.

Em 2001/2002, é que se vai iniciar a pós-graduação em Património, Museologia e Desenvolvimento (registo n.º R/2/2000 da DGES) com o apoio de Henrique Coutinho Gouveia da Universidade Nova. A designação de Património, Museologia e Desenvolvimento não é uma questão retórica. Traduz preocupações dominantes na época na medida em que a questão do património e dos museus de sítio apontavam para um novo modelo de desenvolvimento necessário ao arquipélago. Tanto podemos desenvolver os Açores com as olarias, as fábricas tradicionais, os moinhos, ou seja, com os valores patrimoniais, como podemos desenvolver as ilhas fazendo tábua rasa de todos estes elementos e optando por uma modernidade sem referentes tradicionais.

Todas as sociedades conjugam duas dinâmicas: a tradição e a criação. Em determinadas épocas, privilegia-se a tradição, noutras, a inovação, mas podemos optar também por um modelo de desenvolvimento multidimensional que associe os valores regionais e a criação contemporânea. E era este o meu modelo de desenvolvimento. Ou seja, quando se cria a pós-graduação ela tinha um fundamento muito claro e definido: ligar o património e a museologia a um modelo de desenvolvimento alternativo para o arquipélago.

O plano do curso incluía as cadeiras de Antropologia Cultural dos Açores; Museologia; Análise das Paisagens Históricas; Arte, Património e Identidade nos Açores; Gestão Patrimonial e Museológica; Turismo, Desenvolvimento e Culturas Locais. Esta pós-graduação tinha desde logo uma dimensão interdisciplinar inovadora, num quadro departamental de áreas científicas distintas.

AC – Aqui havia também a percepção da falta de formação? Isto também nasce desse sentido?

RSM – Havia uma consciência generalizada da falta de formação na área patrimonial e museológica, partilhada pelos responsáveis políticos da época. A própria Direção Regional da Cultura entendia que a formação seria indispensável à gestão do património e daí o poder político ter tomado uma atitude proactiva no sentido de dar formação académica aos quadros do pessoal dos museus, apoiando de vários modos a participação deles na pós-graduação.

Em 2005, a pós-graduação passa a mestrado. Tanto a pós-graduação como o mestrado surgem numa estreita ligação com a Universidade Nova de Lisboa. Tínhamos um curso assumidamente interuniversitário, nomeadamente o mestrado. Tivemos meios, liberdade e tempo para estruturar o novo curso e centrámo-nos apenas nas questões museológica e patrimonial.

Concebeu-se um modelo de curso para os Açores com um núcleo disciplinar: Teoria e História da Museologia; Programação e Gestão Patrimonial e Museológica; disciplinas de carácter tecnológico: Sistemas de Documentação; Interpretação, Exposição e Educação; Conservação e Restauro e, finalmente, contributos pluridisciplinares: Museologia e Antropologia Cultural; Historiografia, Memória e Identidades; Turismo e Desenvolvimento Regional; Arte e Património (consulte mais informação no folheto de divulgação do curso de 2005/2006).

A pessoa determinante na discussão e na concepção do curso foi Henrique Coutinho Gouveia, e foi pensado como um curso da Universidade dos Açores, inserido numa rede de colaboração nacional. Várias cadeiras eram leccionadas por docentes que vinham de Portugal continental (Henrique Coutinho Gouveia, João Carlos Brigola, Manuela Cantinho, António Viana, Alice Semedo, José Lopes Cordeiro, Sérgio Lira, entre outros) e até do estrangeiro (Francisca Hernández Hernández, Ana Calvo, William Saadé). Tudo isto era possível porque dispúnhamos de recursos financeiros e tínhamos um número elevado de estudantes. Procurámos credibilizar o curso, convidando pessoas de indiscutível mérito académico. Mas, a partir de certa altura, começaram as restrições financeiras e o orçamento foi progressivamente extinto.

Em 2009, o curso foi adequado a Bolonha e o mestrado foi reorganizado no quadro departamental, renegociando-se a sua articulação com as áreas disciplinares e a progressão académica dos docentes que passaram a reger as unidades curriculares, tornando-se progressivamente residual o recurso a colaboradores externos.

No curso adaptado, alterou-se a designação de disciplinas e surgiram duas novas unidades curriculares: Cidade e Património Urbano e Sociologia da Cultura e dos Públicos, instituindo-se também a possibilidade dos mestrandos optarem entre a realização de uma tese ou de um estágio com relatório. Nesta fase do curso, desenvolveu-se também o ensino da artes decorativas graças à colaboração de Gonçalo de Vasconcelos e Sousa da Universidade Católica Portuguesa – Porto (veja-se folheto edição 2010-2012).

Na edição de 2012-2013, o mestrado aprofundou a sua ligação à comunidade com a assinatura de um protocolo entre a Universidade dos Açores e a Câmara Municipal de Ponta Delgada, o que permitiu a implementação de iniciativas conjuntas, privilegiando a área das artes, e já se concretizaram dois ciclos de conferências, um sobre curadoria de exposições e outro sobre jardins históricos e património, proferidas por especialistas convidados. Consequentemente, a natureza interdisciplinar do curso mostrou virtualidades que possibilitaram a abordagem e o aprofundamento de novos temas no contexto insular, captando também novos públicos.

AC – Qual tem sido o perfil do aluno que procura a museologia?

RSM – Inicialmente, eram pessoas que estavam ligadas aos museus e ao património e provenientes das várias ilhas dos Açores. Depois, tem sido frequentado por estudantes com licenciaturas muito diversificadas e com actividade profissional nas áreas do ensino, da arquitectura, do turismo e da conservação e restauro.

AC – Como é que foi sendo articulada no curso a formação académica com a experiência em contexto de museu?

RSM – Esta questão só foi pensada e viabilizada na versão adaptada a Bolonha, que abriu a possibilidade dos estudantes optarem por fazer estágios com relatório e temos já alguns a decorrer em Lisboa e em museus da ilha de São Miguel. Estamos a pensar também em alargar os estágios a museus norte-americanos mais ligados à cultura açoriana.

AC – Não é obrigatório?

RSM – É opcional. Nunca tivemos um estágio obrigatório em museus. Na licenciatura em Património Cultural, sim, o estágio em museus é obrigatório. Mas nem todos os museus dos Açores querem ou podem receber estagiários. Gostaria de salientar em relação a este aspecto a colaboração do Museu Militar dos Açores.

AC – Em termos de produção científica, que tipo de teses se têm desenvolvido na Universidade dos Açores, ou seja, que temáticas têm sido dominantes? Que balanço faz?

RSM – De 2008 a 2013, defenderam-se 18 teses de mestrado nas áreas da museologia e do património histórico, artístico, antropológico, arquitectónico, imaterial e da conservação e restauro.

AC – Fale-me um pouco da sua perspectiva sobre desenvolvimento local e museus.

RSM – A partir de 2000, há uma mudança significativa nos Açores que importa esclarecer e que se relaciona com o impacto de três problemáticas inovadoras: desenvolvimento local, economia solidária, parques temáticos e parques culturais. Estas questões têm sido teorizadas e difundidas pelo economista Rogério Roque Amaro do ISCTE, um reputado especialista internacional nestas áreas. A versão da economia social e solidária que se desenvolveu nos arquipélagos da Macaronésia, desde o início dos anos noventa, propõe-se contribuir para a coesão social e o desenvolvimento local, com base em projectos assentes na valorização e na gestão solidária do território, do ambiente, das actividades económicas, da vida social, da cultura e dos patrimónios, dos conhecimentos científicos e da cidadania participativa[7].

As perspectivas da economia solidária têm-me permitido repensar o papel dos ecomuseus, da musealização de sítios e dos valores patrimoniais no fomento da coesão e da inclusão social. A Olaria-Museu de Vila Franca do Campo, para além de reproduzir e recriar a arte cerâmica local, tem sido precisamente uma experiência gratificante de economia solidária e inclusão social.

No âmbito do projecto EXTREMOS do Programa INTERREG 3B, um programa da comunidade europeia, Roque Amaro desenvolveu um inspirador estudo sobre o Parque Temático como Pólo de Desenvolvimento Local (2004). E foi nesse contexto que elaborei o projecto do Parque Temático da Maia, uma iniciativa promovida pelo Instituto de Acção Social, tendo como entidade gestora a Santa Casa da Misericórdia do Divino Espírito Santo da Maia. A preparação e a implementação do primeiro parque temático dos Açores contaram com a empenhada participação de uma equipa de trabalho local.

Consequentemente, passámos da musealização de sítios e dos ecomuseus para os parques temáticos, para a economia solidária e para a inclusão social, no contexto de uma gestão global do território. E do meu ponto de vista esta é que é a grande mudança na museologia antropológica dos Açores.

Penso que em termos museológicos, classificar os objectos é muito importante, mas ter uma ligação às pessoas e à inclusão social é fundamental e sobretudo é essencial entender o museu à escala de um espaço, de um território e em parceria com os habitantes, com os artistas e com o cidadão comum, isto é, um museu que gere a mudança social e cultural de forma inclusiva.

Ora isto vai ao encontro das questões do desenvolvimento do arquipélago. Nós já temos parques naturais de ilha, mas devíamos implementar parques temáticos e parques culturais de ilha, ou seja, um modelo de desenvolvimento em que a ilha é objecto de uma gestão global, tal como foi ensaiado na ilha Graciosa e em menor escala no Parque Temático da Maia. É nesta concepção que o museu pode integrar percursos de vida locais e não apenas o percurso de vida do antropólogo ou do museólogo.

Em suma, a questão centra-se na gestão territorial do património e, no arquipélago dos Açores, a ilha é o território natural. Na ilha de São Miguel, existem vários museus do sector público (administração regional e local) e do sector privado, mas há uma multiplicidade de valores patrimoniais, recursos para o desenvolvimento, que não se podem albergar no interior de um edifício: as oficinas artesanais, os moinhos, os artífices que trabalham nas suas próprias casas, as artes efémeras e o património imóvel… Todos estes recursos estão dissociados e penso que o novo paradigma é uma gestão patrimonial global que integre todos os valores materiais e imateriais, móveis e imóveis. Isto passa pela criação de uma rede de museus desta ilha e pela articulação destes com o território.

E esta nova museologia passa também por uma questão que me parece central: gerir museologicamente o património é gerir as relações sociais, quer das pessoas entre si quer destas com os respectivos recursos. Neste contexto, temos de dar espaço de iniciativa aos diferentes actores da comunidade, pois as relações patrimoniais e museológicas passam também pela gestão das relações com as paróquias, as juntas de freguesia, as câmaras  municipais e as misericórdias.

AC – Acredita que esta crise também pode ser uma oportunidade?

RSM – A crise é também uma grande mudança social, cultural, institucional, a todos os níveis. E penso que as universidades e os museus têm de se repensar na procura de respostas para os novos desafios colocados pelos processos de mudança. Na sociedade açoriana um dos grandes desafios é a gestão integrada dos valores da natureza e da cultura.

Claro que quando falamos da crise pensamos naturalmente na dimensão financeira, mas esta não resolve tudo. Apesar de não haver muito dinheiro, o facto do Museu de Vila Franca ter uma dupla tutela, a Câmara Municipal e a Universidade dos Açores, tem-lhe permitido funcionar normalmente até nas épocas de maior dificuldade e sempre procurámos apoio e tivemos a colaboração dos vila-franquenses.

Por outro lado, as crises têm o mérito de obrigar as pessoas a pensar e a procurar soluções. Por exemplo, no caso do mestrado em Património, Museologia e Desenvolvimento, o protocolo com a Câmara Municipal de Ponta Delgada permitiu obter apoios para o curso. Todavia, este tipo de relações interinstitucionais tem naturalmente condicionantes que devem ser assumidas, geridas e avaliadas.

AC – A crise obrigou a reestruturar várias instituições.

RSM – Realmente, a crise veio agudizar a necessidade de reestruturação da Universidade dos Açores e de reorganização dos seus cursos, fortemente condicionados pela tripolaridade decorrente da sua implantação em três ilhas do arquipélago. Neste difícil contexto, o mestrado tem desenvolvido inúmeras iniciativas, procurando novos públicos, apesar da drástica diminuição de colaboradores externos, bloqueando assim uma necessária e enriquecedora dimensão interuniversitária.

Sendo a circulação dos docentes a circulação dos saberes, a sua ausência é a consequência mais penalizante da crise. A pequena dimensão territorial das ilhas exige perspectivas muito mais abrangentes e diversificadas que passam pelas experiências objectivas de outros mundos.

Mas também há uma grave crise na universidade portuguesa em geral. E esta crise não se reduz à situação financeira, espelho das dificuldades do país. Temos problemas de proliferação de instituições, problemas de qualidade do ensino, de facilitismo, de falta de trabalho com os estudantes, sobretudo quando recebemos jovens que vêm muito mal preparados do ensino secundário. Só nos resta lutar com os meios ao nosso dispor e sem atitudes derrotistas.

Se as universidades periféricas são importantes para o desenvolvimento local e têm de se adaptar à realidade, na Universidade dos Açores, temos um paradoxo: existimos numa região politicamente autónoma, mas somos dependentes do governo central, impondo-se uma rearticulação com os dois poderes, central e regional, o que potenciaria o desenvolvimento do arquipélago na rede das universidades portuguesas.

Problema semelhante se coloca ao nível dos museus, o que nos leva a concluir que tanto nas questões universitárias como nas museológicas deveria haver um entrosamento entre o poder local, o poder regional e o poder central. Utopia? Talvez.

AC – Uma outra escala e pensando na Rede Portuguesa de Museus (RPM), por exemplo, que entretanto…

RSM – Foi dissolvida e reintegrada noutro contexto institucional.

AC – Como é que vê o impacto que a RPM teve nos museus açorianos? E o que é que espera da nova rede? Que contributos pode dar esta nova rede?

RSM – O impacto foi muito positivo, porque os museus da rede açoriana, ou seja, os museus dependentes do governo regional entraram todos na RPM. Por outro lado, a rede tem contribuído para qualificar e integrar outros museus mesmo no arquipélago dos Açores. A imposição de parâmetros de qualidade, de funcionamento e de organização é muito positivo para a qualificação dos museus e daqueles que neles trabalham.

AC – Vê assim uma continuidade?

RSM – Nesse aspecto, penso que é fundamental, na medida em que posiciona os museus açorianos num estatuto que corresponde a uma qualidade de funcionamento aferida por uma instituição nacional.

AC – Acredita que esta crise também pode ser uma oportunidade para repensar o panorama museológico nos Açores, por exemplo do ponto de vista dos modelos de gestão, da criação de redes temáticas? Isso está a ser pensado?

RSM – Estas questões estão agora a ser pensadas. A crise pode obrigar de alguma forma a repensar a política cultural do arquipélago, da qual os museus fazem parte. E a política cultural, patrimonial e museológica tem de ser equacionada em função das políticas ambientais existentes. Ou seja, neste momento, os Açores têm um modelo de gestão exemplar e inovador do património natural. Conseguiram criar Parques Naturais de Ilha (2008-2011), o Parque Marinho dos Açores (2011) e o Geoparque Açores (2012) e esses são passos fundamentais para o desenvolvimento do arquipélago. Nós não podemos pensar o património cultural dos Açores fora duma articulação com a natureza das ilhas e com os respectivos parques ambientais. Penso que este é o caminho a seguir.

A implantação das redes de museus a nível de ilha é necessária, embora seja um processo complexo, dadas as diferenças de tutela. No entanto, esta articulação dos museus tem de ser vista em função do território.

Os museus têm de ser repensados como forma de gerir o património dos espaços onde se inserem, nomeadamente os municipais, mas também os regionais. Por exemplo, qual é o referente territorial do Museu de Ponta Delgada? A cidade? A ilha de S. Miguel? O espaço das suas colecções? E as mesmas questões se colocam para os restantes museus regionais assim como para os museus de ilha.

Por outro lado, temos a questão das redes temáticas, indispensáveis à gestão patrimonial e museológica dos mesmos elementos e/ou complexos culturais existentes na mesma ilha, em contextos interinsulares e até transatlânticos.

Nós temos em Vila Franca do Campo, por exemplo, a microrrede da olaria (veja-se roteiro da olaria), mas há elementos culturais comuns ao arquipélago, tais como as festas do Espírito Santo e a baleação, que carecem de uma gestão patrimonial integrada.

As redes temáticas têm de ser pensadas em termos de instituição de espaços de interpretação global, criados nos locais onde os valores adquirem maior expressão e significado e que articulem os elementos existentes nas várias ilhas, cuja dimensão patrimonial tem de ser gerida localmente. Se pensarmos no património baleeiro, temos um caso paradigmático. Não há dúvida que o principal centro da baleação açoriana é a vila das Lajes do Pico, mas sabemos que esta actividade teve expressão relevante noutras freguesias daquela ilha assim como nas restantes ilhas dos Açores, com ligações históricas a espaços continentais e arquipelágicos. Podemos concluir que este complexo cultural precisa da instituição urgente de um modelo de gestão museológica, turística e também desportiva no âmbito dos botes baleeiros.

Os Açores têm um potencial excepcional, mas também muitos desafios. Tem de haver uma nova política do património e dos museus, equacionada a médio e longo prazo. Nós temos uma equipa muito boa na política do ambiente. Mas tem de haver uma mudança, isto é, uma nova política para o património e para os museus tanto a nível dos concelhos como  das ilhas e do arquipélago. Se não faltam potencialidades, temos ainda um desenvolvimento muito desarticulado e assimétrico.

AC – Como é que vê o novo enquadramento para o património imaterial que começa por ser internacional com as políticas da UNESCO, com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, e que entretanto passou para as políticas nacionais e regionais (cf. Regime jurídico de salvaguarda do património cultural imaterial da Região Autónoma dos Açores), sobretudo valorizando a ideia de inventário, com a criação de base de dados (cf. Inventário Regional do PCI dos Açores)?

RSM – De uma forma extremamente positiva. Primeiramente, saliente-se o impacto das normas internacionais e nacionais no desenvolvimento regional. Penso que os Açores têm um valioso património imaterial que está a mobilizar os estudiosos e as instituições locais.

 Por exemplo, foi a Câmara Municipal da Ribeira Grande, na ilha de São Miguel, que promoveu a classificação do Arcano Místico como tesouro regional[8]. Temos ainda outras iniciativas em curso, tais como a patrimonialização das Cavalhadas da Ribeira Grande, do Carnaval da Ilha Terceira[9] e das festas do Divino Espírito Santo, objecto de alguma polémica. É uma questão que tem que ser abordada com ponderação porque, para além da dimensão regional, adquire características específicas e tem uma presença muito forte nas comunidades emigradas na América do Norte e também no Brasil.

Há outros elementos do património imaterial bastante relevantes nos Açores, como as festas populares, a música regional e as artes tradicionais (artesanato). Seria importante implementar uma política do artesanato que, de algum modo, mantivesse a tradição local promovendo paralelamente a inovação. Neste momento, a política do artesanato não tem conseguido reproduzir algumas artes tradicionais muito relevantes nos Açores, como é o caso da olaria que desapareceu na ilha de Santa Maria e está numa situação muito precária em Vila Franca do Campo.

Eu penso que a nova dinâmica do património imaterial é um dos desafios mais interessantes da cultura açoriana e já teve consequências muito positivas, inquestionáveis e de grande qualidade.

AC – E em relação aos museus, acha que podem contribuir de alguma maneira para esta valorização?

RSM – O património imaterial tem uma complexidade distinta do património material.  Neste nós temos a dimensão tangível dos objectos que manuseamos, expomos, colocamos nas reservas, restauramos… O património imaterial tem uma dimensão intangível que se transmite na vida comunitária, nas relações com as pessoas e se manifesta nos conhecimentos, nas artes e nas festividades. Como é que o museu pode representar e gerir esta realidade?

A gestão museológica do património imaterial passa por uma intensa e empenhada relação com as pessoas da comunidade, detentoras de saberes e produtoras da sua própria cultura. O museu assume-se assim como um espaço de exibição, explicação e também de afirmação do património imaterial.

AC – Do ponto de vista da política museológica açoriana, se tivesse que a repensar, quais deveriam ser as prioridades para os próximos anos?

RSM – Definir objectivos relevantes nos vários domínios ou categorias do património e depois estabelecer prioridades. Não é concebível nem aceitável que os Açores não tenham um museu naval. Estas ilhas estiveram na encruzilhada de todas as rotas atlânticas entre o Norte e o Sul, o Este e o Oeste. A construção naval tem sido patrimonialmente marginalizada, as embarcações da pesca tradicional desapareceram e apenas resta uma em museus micaelenses. Também é necessário implementar formas de gestão global do património e tenho vindo a defender a criação de parques culturais de ilha que articulem os diferentes valores e redes do património cultural.

AC – Imaginemos que estamos num período pós-crise. Apesar disso vários museus continuam a surgir… Que museu faz falta nos Açores ou em S. Miguel?

RSM – Não temos museus a mais. A chamada proliferação dos museus é um estereótipo importado e manipulado para negar o museu do outro. Se os museus tivessem proliferado nos Açores, o património estaria salvaguardado, mas isso não aconteceu.

Os museus não se definem a priori. São uma solução exigida pela comunidade que os vê como o meio mais adequado para gerir e promover os seus valores patrimoniais e identitários. Logo, é necessário criar o pólo do Museu Militar, na ilha Terceira, onde existe uma das melhores colecções de militária do país.

Digo e repito que se trata de uma questão deveras complexa e que a proposta de novos museus deve alicerçar-se no conhecimento da realidade sociocultural insular. Por exemplo, o concelho da Ribeira Grande é particularmente rico no património agro-industrial, especialmente na produção do chá, do álcool, do tabaco, do linho, da telha regional e também no campo da farinação de cereais, fazendo todo o sentido a criação de um museu industrial que transformasse os valores patrimoniais em recursos para o desenvolvimento e potenciasse as actividades económicas subsistentes. Porém, acabou por se impor o projecto de um Centro de Artes Contemporâneas… Consequentemente, a resposta acaba por incidir na política patrimonial e museológica que se pretende para cada concelho e para cada ilha.

Começou por haver museus só em S. Miguel (Ponta Delgada), na ilha Terceira (Angra do Heroísmo) e na ilha do Faial (Horta). Nas restantes ilhas, criaram-se Casas Etnográficas dependentes dos referidos museus. Lutei bastante para que cada ilha tivesse o seu museu, visto que cada uma tem direito à gestão museológica dos seus bens sem dependências feudais das outras ilhas.

Actualmente, temos de partir para a criação de redes museológicas e patrimoniais no contexto de parques culturais de ilha e também em contextos interinsulares e até transatlânticos, envolvendo sobretudo as comunidades emigradas nos Estados Unidos e no Canadá e as de tradição açoriana no sul do Brasil (veja-se o parecer de Rui Sousa Martins sobre a criação da Rede de Instituições Museológicas dos Açores).

Em suma, o que temos de fazer no arquipélago dos Açores é implementar um modelo de desenvolvimento centrado nos valores patrimoniais, que tanto podem ser da natureza como da cultura, tradicionais ou contemporâneos, e geri-los numa perspectiva de coesão social e territorial. Penso que este é o problema do futuro e que teremos de debater democraticamente.

AC – Obrigada.

 ****

Notas:


[1] Veja-se, por exemplo, Porto, Nuno. 2009. Modos de objectificação da dominação colonial: o caso do Museu do Dundo, 1940-1970. Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

[2] Martins, Rui de Sousa. 1999. A cerâmica modelada feminina dos Açores. Sistemas produtivos, formas de articulação e processos de mudança. Cascais: Patrimonia.

[3] Veja-se Martins, Rui de Sousa, e François Hubert. 1991. Ethnologie et muséologie dans un milieu insulaire. [s.l: s.n.].

[4] Consulte-se Gouveia, Henrique Coutinho, e Margarida Chorão de Carvalho. 1987. A musealização de sítios na área da etnologia: os conjuntos de moinhos de vento da Portela de Oliveira e de fornos de cal de Santo Amaro. Lisboa: Instituto Português do Património Cultural; e Gouveia, Henrique Coutinho, e Margarida Chorão de Carvalho. 2003. Musealização de sítios na bacia hidrográfica do Mondego. Penacova: Município de Penacova.

[5] Cunha, Jorge António M. Borges e. 2008. O Museu da ilha Graciosa no contexto da nova museologia açoriana (1977-2008). Dissertação de mestrado em Património, Museologia e Desenvolvimento, Universidade dos Açores.

[6] No concelho da Lagoa, o padre João Caetano Flores já tinha criado o Museu da Ribeira Chã, um processo iniciado em 1977.

[7] Sobre este tema veja-se Amaro, Rogério. 2009. Economia solidária da Macaronésia-um novo conceito. Revista de Economia Solidária, 0: 8-18. 

[8] O Arcano Místico, classificado como tesouro regional em 2009, é um conjunto escultórico do séc. XIX (1835-1858) da autoria de uma freira clarissa do Convento de Jesus. Numa caixa envidraçada são apresentados 92 quadros sobre temas bíblicos, produzidos a partir de materiais diversos, formando 3970 figuras em massa de farinha aglutinada com goma arábica. O Arcano Místico foi musealizado recentemente. Para mais informação consulte o site da Casa do Arcano e artigo na base de dados da Direcção Regional de Cultura dos Açores.

[9] Veja-se Martins, Rui Sousa. 2013. “Inscrição das danças de Entrudo da ilha Terceira no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial. Parecer”, Atlântico Expresso, 14 de Outubro. Ponta Delgada: 6-7. Veja-se também Mourão, Rui. 2012. O Carnaval é um Palco, a Ilha uma Festa (catálogo). Lisboa: Imprensa Municipal e Câmara Municipal de Lisboa.

 ****

Outras leituras:

Gonçalves, Maria Cristina. 2002. “Os museus da rede regional dos Açores“. Boletim da Rede Portuguesa de Museus. 4: 10-14.

Meneses, Luís. 2006. “Museus dos Açores: uma leitura“. Boletim da Rede Portuguesa de Museus. 22: 7-8.

Ribeiro, Maria M. Velásquez, e Susana Goulart Costa. 2013. “Atlanticidade e mundo lusófono. Imaginários, Representações e Programação nos museus açorianos”. In VI Encontro de museus de países e comunidades de língua portuguesa: Atas 2012, Fundação Oriente, Setembro 2011, ed. Graça Filipe, 185-191. Lisboa: Comissão Nacional Portuguesa do ICOM.

Sousa, Sílvia Maria Borba Fonseca e. 2009. A museologia na ilha de São Miguel: 1974-2008. Dissertação de mestrado em Património, Museologia e Desenvolvimento, Universidade dos Açores.

 

 ****

Mais entrevistas neste blogue:

João Brigola
Filipe Themudo Barata
Maria Vlachou 
Hugues de Varine
Inês Fialho Brandão

 

Património industrial em discussão

Estrutura nas Minas de S. Domingos, Alentejo, Portugal. Foto de Ana Carvalho, 2010

Dois eventos marcam o panorama reflexivo em torno do património industrial (material e imaterial) em Portugal. O primeiro, organizado pela Universidade de Évora/CIDEHUS1 (21 – 23 de Março de 2013) tem por título “Património Industrial: dos objectos ao território“. Este colóquio assume uma abordagem holística do património industrial, organizando o debate em torno de 4 painéis temáticos (Objectos, colecções e museus industriais; Território: marcas, equipamentos técnico-industriais e paisagens; Rotas, percursos e itinerários do património industrial; Sociedade Industrial: protagonistas e mudança).

Este colóquio evidencia uma linha de investigação desenvolvida há já alguns anos em Évora, sob a coordenação de Ana Cardoso de Matos, ao abrigo da qual se desenvolve, por exemplo, o projecto de estudo e inventário do património industrial no Sul de Portugal (cf. http://i-heritage-alentejo.blogspot.be/), não esquecendo a correlação com o trabalho desenvolvido no contexto do mestrado internacional TPTI (Técnicas, Patrimónios e Territórios da Indústria) que se realiza na Universidade de Évora em parceria com a Universidade de Paris e Pádua.

O colóquio tem por base o sistema de call for papers. Além disso estão confirmadas as presenças de Julián Sobrino (Universidad de Sevilla), Inmaculada Aguilar Civera (Universidad de Valencia – Cátedra Demetrio Ribes) e Marta C. Lourenço (Museu Nacional de História e da Ciência – CIUHCT, Universidade de Lisboa).

Quaisquer informações sobre este colóquio2 podem ser consultadas aqui.

O segundo evento que queremos destacar é o I Encontro Anual Indústria, História, Património (18, 19 e 20 de Abril de 2013), da organização da Universidade Nova (Instituto de História Contemporânea), uma iniciativa que se desenvolve no seguimento da criação da rede temática – RIHP: Rede Indústria, História, Património, criada em 2012. Esta rede tem a particularidade de reunir as principais unidades de investigação (de várias universidades, nomeadamente a Universidade de Évora e a partir de diferentes áreas: história, arqueologia, história das ciências, etc.), mas também museus e outras instituições que trabalham neste domínio, o que é pouco comum.3

Este encontro anual “pretende ser um fórum de discussão aberto e pluridisciplinar, dedicado à apresentação de estudos no domínio da história da indústria enquanto realidade social global, compreendendo o património material e imaterial (tecnologia, saber-fazer técnico, práticas sociais e culturais, infraestruturas, construções, equipamentos e objectos, sítios e paisagens).” (in site da RIHP)

À semelhança do anterior, este encontro tem por base a call for papers (ver toda a informação aqui). A conferência inaugural será de Hugues de Varine, que trará certamente um olhar pertinente sobre os museus, enquanto espaços de memória e salvaguarda do património industrial.

Note-se que Hugues de Varine teve um papel determinante no desenvolvimento do ecomuseu do Creusot (inicialmente Musée de l’Homme et de l’Industrie, 1972), em França (sobre a história ideológica do Creusot ver por exemplo: Debary, Octave (2002).  La fin du Creusot ou l’art d’accommoder les restes, Paris, Editions du Comité des Travaux Historiques et Scientifiques, (collection « Le regard de l’ethnologue »), Ministère de la Recherche, 189 p.)

Estes dois eventos, em particular a criação de uma rede temática ilustra bem aquela que deverá ser uma tendência, ou seja, uma maior articulação, por um lado de instituições universitárias que fazem percursos de investigação semelhantes e, por outro lado, com as instituições museológicas (e também arquivos, etc.) que estão no terreno e que representam uma perspectiva também essencial neste quadro de estudo. Além disso, é também digno de nota a incorporação da imaterialidade na concepção de património industrial patente na missão da RIHP, o que revela a necessidade de um olhar mais global e integrado sobre o património, não esquecendo a importância, por um lado, da componente da imaterialidade ligada aos processos e ao saber-fazer, mas também a imaterialidade que se liga às memórias dos espaços. Apesar de hoje essa consciência ser cada vez maior (e algumas experiências comprovam-no, por exemplo, o Museu da Chapelaria, entre outros), a musealização de muitos espaços industriais tem sido operacionalizada sem incluir estes elementos, que podem efectivamente representar um potencial enorme não só do ponto de vista de uma abordagem de investigação mais completa (e do discurso), mas também do ponto de vista da experiência que é oferecida ao visitante, muito mais humanizada.

  1. Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades []
  2. O colóquio tem associado a atribuição do prémio  Património Industrial que visa distinguir jovens investigadores nesta área. Veja mais aqui []
  3. No site da RIHP pode encontrar informação sobre o projecto, os parceiros, os investigadores, etc.: http://historia-patrimonio-industria.blogspot.pt/ []

Estudos em Museologia na academia

 © Ana Carvalho

Eis alguns dos trabalhos desenvolvidos no âmbito de mestrados e doutoramentos em museologia em universidades portuguesas em 2012. Este não é um retrato exaustivo*.

Ana Margarida Penedo (Jun. 2012). Marionetas de teatro wayang kulit de Java do Museu Nacional de Etnologia: Proposta metodológica para documentação da coleção. Tese para obtenção do grau de mestre em Imagem e Comunicação do ISCTE. Orientador: Joaquim Pais de Brito. Tese disponível na íntegra aqui:

Ana Isabel Vieira Braga (2012). Sistemas de documentação e inventário de uma colecção de cerâmica arqueológica da Quinta do Rouxinol. Relatório de estágio apresentado para o cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Museologia no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Relatório disponível na íntegra aqui.

Sofia Botelho (2o12). O material e o imaterial na colecção etnográfica de cozinha do Museu Carlos Machado: proposta de intervenção. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível na íntegra aqui.

Joana Ganilho Marques (2012). Discursos de museus: uma perspectiva transdisciplinar. Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes, Mestrado em Educação Artística. Disponível aqui:  http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5057

Maria de Lurdes Gomes (2012). A relação escola-museu na cidade de Lisboa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui:  http://hdl.handle.net/10451/6621

Carla Santana (2012). Parque da Pré-História da Arrábida: um caminho para uma museologia participativa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui:  http://hdl.handle.net/10451/6533

Adelaide Duarte (Set. 2012). Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea, em Portugal, na segunda metade do século XX. Contributos para a história da museologia. Tese de Doutoramento em Letras, Área de História e Especialidade em Museologia e Património Cultural apresentada na Universidade de Coimbra. Orientação: Irene Vaquinhas (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra) e co-orientação de Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto). Júri: João Maria Bernardo Ascenso André (Universidade de Coimbra), Alice Semedo (Faculdade de Letras Universidade do Porto); João Carlos Pires Brigola (Universidade de Évora); António Manuel Filipe da Rocha Pimentel (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (FCSH, Universidade Nova de Lisboa) e José Maria Amado Mendes (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra). resumo disponível aqui

Ana Catarina Teixeira da Silva (Julho 2012). Património Cultural da Universidade de Lisboa: levantamento e contributo para a sua valorização. Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Orientadores: Marta Lourenço e Luís Efrem Elias Casanovas. Trabalho de Projecto apresentado para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Museologia. Dissertação disponível na íntegra aqui.

Ana Paula Ribeiro Resende Dias (Nov. 2012). ARQVA – Museu Nacional de Arqueologia Subaquática (Cartagena, Espanha). Contextualização, Enquadramento e Análise. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: João Paulo Cabral de Almeida Avelãs Nunes (presidente), Irene Vaquinhas (orientadora), Adolfo António da Silveira Martins (orientador) e José d’Encarnação (arguente, Universidade de Coimbra).

António Manuel Ribeiro Pereira da Costa (Março 2012). Museologia da Arte Sacra em Portugal 1820-2010 – Espaços, Momentos, Museografia. Tese de doutoramento em Letras, área de História, na especialidade de Museologia e Património Cultural, Universidade de Coimbra. Orientação: José Maria Amado Mendes e José d’Encarnação. Júri: Presidente: João Maria André (Director do Departamento de História, Arqueologia e Artes); arguentes principais: Fernando António Baptista Pereira (professor associado da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa) e Maria Regina Teixeira Anacleto (professora associada aposentada da Faculdade de Letras de Coimbra); e D. Manuel Clemente (professor do Pólo do Porto da Universidade Católica Portuguesa), Irene Vaquinhas (professoracatedrática da Faculdade de Letras de Coimbra), e orientadores: José Maria Amado Mendes e José d’Encarnação.

Célia Maria Gomes Pinto (Março 2012). Gestos, memórias e formas materiais legadas pelo barro: a produção olárica no Ribatejo da colecção de olaria tradicional do Museu Nacional de Etnologia. Dissertação apresentada no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Resumo disponível aqui.

Daniela Patrícia Ferreira de Sousa (Nov. 2012). Museu da Saúde Agostinho Albano de Almeida, em Ourém. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: Irene Vaquinhas (presidente), Pedro Casaleiro (orientador, Investigador Auxiliar do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra), Dalila Rodrigues (orientadora, Instituto Politécnico de Viseu) e José d’Encarnação (Faculdade de Letras de Coimbra).

Genoveva Oliveira (Fev. 2012). Museus e Escolas: Os Serviços Educativos dos Museus de Arte Moderna e Contemporânea, um Novo Modo de Comunicação e Formação/Museums and schools: the educational departments on modern and contemporary art museums, a new way of communication and formation. Orientação: João Carlos Pires Brigola e Paulo Simões Rodrigues. Tese de doutoramento para obtenção do grau de Doutor a Universidade de Évora. Júri: Presidente: José Alberto Simões Gomes Machado, Professor Catedrático da Universidade de Évora, por delegação do Director do Instituto de Investigação e Formação Avançada; e Vogais: Carla Padró, Professora Associada da Universidade Barcelona (Espanha), João Carlos Pires Brigola, Professor Auxiliar com Agregação da Universidade de Évora (orientador), Alice Lucas Semedo, Professora Auxiliar da Universidade do Porto, Leonardo Augusto Verde Reis Charréu, Professor Auxiliar da Universidade de Évora,  Paulo Alexandre Rodrigues Simões Rodrigues, Professor Auxiliar da Universidade de Évora – co-orientador, Maria Emília de Oliveira Ferreira, Investigadora da Universidade Nova de Lisboa. Resumo disponível aqui.

Helena Pereira (Dez. 2o12). Biografias (s) da Coleção de Vidro do Museu Nacional de Machado de Castro ou Sobre o Claro-Escuro das Coisas. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Hugo Miguel Sacramento Vaz (Dez. 2012). Museu Judaico Barros Basto: A conceção de uma coleção vistável da comunidade Israeli do Porto. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Joana Beato Conde (2012). Estudo e musealização da coleção de arte sacra do Atelier-Museu António Duarte nas Caldas da Rainha. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6531

Joana Lontrão (2012). Museu efémero: estudo da Avenida Barbosa du Bocage na freguesia de Nossa Senhora de Fátima em Lisboa. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6544

Jorge Morais Torres (2012). Rede de museus do Sabugal. Memória, história e identidade de um concelho raiano. Provas públicas de 2.º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Ver mais aqui.

Joseph Rodrigues (2012). Avenida Luisa Todi, do rio á cidade: um exercício curatorial. Mestrado em “Museologia e museografia”, Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível aqui: http://hdl.handle.net/10451/6528

Liliana Manuel Maia Pina (Junho 2012). O Museu das Comunicações: Contributos e perspectivas para uma proposta de gestão. Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Ver mais aqui.

Luís Ferreira Louzã Henriques (2012). Sintonias e assintonias da coleção de instrumentos musicais Manuel Louzã Henriques. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Disponível na íntegra aqui (também é possível aceder a um filme).

Luís Miguel Pinel Banha (Dez. 2012). A utilização dos audiovisuais num projecto de comunicação expositiva sobre um sítio arqueológico – a exposição temporária “Quinta do Rouxinol: uma olaria romana no estuário do Tejo (Corroios, Seixal). Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Graça Filipe (co-orientador), Virgílio Hipólito Correia, André Miguel Serra Pedreira Carneiro (vogal), João Carlos Brigola (orientador).

Márcia Fernanda Silva Santos (Dez. 2012). O Museu do Instituto Superior de Engenharia do Porto: Olhares e Reflexões Críticos sobre um Museu de Ciência. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

 Maria Manuela Ferreira da Cunha (Nov. 2012). Caldas de Vizela. Do passado à actualidade: uma proposta de reconversão. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: Francisco Pato de Macedo (presidente), José Maria Amado Mendes (arguente), Dalila Rodrigues (orientadora) e Irene Vaquinhas (orientadora).

Maria Susana Gomes Martins Branco (Dez. 2o12). Viana ontem, a preto e branco. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade do Porto.

Maria Teresa Figueiredo Crespo (Abril 2012). Interpretação e comunicação do património cultural integrado em contexto museológico: o caso do Museu da Música Portuguesa – Casa Verdades de Faria. Relatório de estágio apresentado para o cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Museologia no âmbito do Mestrado em Museologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Estão disponíveis o resumo, índice e apêndices aqui.

Purificação Maria Pinela Pereira (Junho 2012). Museu Virtual de Santa Margarida da Serra (Grândola). Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Alexandra Gago da Câmara (arguente, U.A) e Filipe Themudo Barata (orientador).

Rita Cid Torres Portugal Azevedo (Junho 2012). Relatório de Estágio no Serviço de Educação no Museu Nacional de Arte Antiga. Provas Públicas de Mestrado em Museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Alexandra Curvelo (arguente, Universidade Nova de Lisboa e João Carlos Brigola (orientador).

Rui Lopes (Nov. 2012). Museu Académico de Coimbra: evolução histórica, coleções, proposta de atualização. Provas públicas de 2º Ciclo em História, Especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Júri: João Nunes (presidente), Irene Vaquinhas (orientadora) e Nuno Rosmaninho (arguente).

Rui Pedro de Oliveira Reis da Costa (2012). Os códigos QR em Museus. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Sónia Piedade Apolinário Ribeiro Gomes (2012). O Esperantismo em Portugal (1892 a 1972): origem, afirmação e repressão. Dissertação Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos – ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Veja-se também algumas dissertações defendidas na Universidade Lusófona aqui.

* Se porventura tiver conhecimento de outras dissertações de mestrado realizadas em 2012, queira enviar-nos essa informação (para: nomundodosmuseus@gmail.com), de forma a actualizar esta lista.

(actualizado a 20 de Mar. de 2013)

Documentação, museus e história

Conferência Documentação, museus e história

Lisboa, 1 e 2 de Outubro 2012
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
Universidade Nova de Lisboa

Sobre a conferência:

A documentação em Museus tem adquirido uma importância crucial nos últimos anos, especialmente no domínio da arte contemporânea em que a produção de documentação visual e escrita chega por vezes a substituir uma obra de arte não durável no tempo, num esforço de preservação do tangível e do intangível. Noutra perspectiva, o estudo de arquivos e fontes existentes nos museus tem permitido o acesso a informação documental inédita gerando novo conhecimento que virá, certamente, a ter impacto nos museus e nas disciplinas que com ele se relacionam. No Encontro «Documentação, Museus e História» pretende‐se discutir práticas e teorias da documentação em museus numa perspectiva abrangente, tanto do ponto de vista cronológico como temático.

Consulte o programa aqui

Sobre a “Herança Nazarena: ao encontro dos patrimónios”

Conferência “Herança Nazarena: ao encontro dos patrimónios”
Biblioteca Municipal da Nazaré, 27 Março 2010
©Ana Carvalho

Sobre a “Herança Nazarena: ao encontro dos patrimónios”, conferência que teve lugar na Nazaré a 27 de Março de 2010, registamos algumas notas.

A qualidade da maioria das comunicações apresentadas foi evidente e suscitou um debate, pode dizer-se apaixonado em torno do património, quase sempre marítimo, fosse na sua dimensão material ou imaterial. Nazaré está profundamente marcada por uma cultura marítima, no passado mas ainda no presente. Falou-se bastante do passado, na história, nos processos culturais e da forma como a imagem da Nazaré foi sendo instrumentalizada, sobretudo no período do Estado Novo. Uma imagem, muitas vezes estereotipada, estilizada, selectiva, que em grande medida não correspondia ao quotidiano e à diversidade de aspectos que caracterizaram ou caracterizam a cultura dos nazarenos. Outras desmistificações foram feitas sobre os marítimos, sendo sublinhados aspectos mais dolorosos relativos aos problemas destas populações como a profunda pobreza, a miséria, a iletracia, a rudeza do trabalho do mar, etc. Pertinente foi também uma chamada de atenção para os problemas que afectam hoje estas comunidades tendo em conta políticas económicas (economia do mar, mas também o turismo) agressivas, que, de algum modo, vão expelindo estas gentes para um “lugar” e futuro incerto.

Foram vários os actores locais e culturais chamados a intervir: associações (anazArt, associação Biblioteca Nazaré, Mútua de Pescadores, Liga dos Amigos da Nazaré), universidades (ISCTE, IPL, Universidade Nova de Lisboa, Universidade de Coimbra, Universidade Fernando Pessoa), administração local (autarquia, biblioteca) e também o Museu. Sobre o Museu Dr. Joaquim Manso foi interessante perceber que novas dinâmicas se estão a forjar e que as comunidades ainda que, em muitos casos estejam desligadas do museu, querem apesar disso fazê-lo e têm uma palavra a dizer sobre o rumo do museu, especialmente no momento actual, em que há uma certa expectativa diante do novo projecto arquitectónico da autoria de Siza Vieira e também de alguma especulação sobre a passagem ou não do museu, tutelado até aqui pelo IMC, para a gestão da autarquia.

Esta amálgama de partilhas e diálogo foi enriquecida por uma participação expressiva da população, claramente interessada nos problemas, mostrando-se disponível em participar em projectos que possam dar mais dignidade aos patrimónios da Nazaré e dos nazarenos. Este foi, em nosso entender, um dos aspectos mais positivos deste encontro.

CONF: A Arte Efémera e a Conservação, 6-7 Nov. 2008

A Fundação Oriente, o Instituto dos Museus e da Conservação, o Museu Colecção Berardo e a Universidade Nova de Lisboa estão a organizar um Encontro Internacional intitulado “A Arte Efémera e a Conservação. O paradigma da arte contemporânea e dos bens etnográficos”, que terá lugar nos dias 6 e 7 de Novembro de 2008 no auditório do Museu do Oriente, em Lisboa.

Pretende-se neste Encontro a abordagem de questões filosóficas e discussão de conceitos, bem como a apresentação de ‘case studies’ referentes a intervenções em arte contemporânea e bens etnográficos.

Na arte contemporânea a esperança de vida da obra de arte encurta-se radicalmente a partir do início do século XX, com a utilização de materiais de todos os tipos.
Os artistas são seduzidos pelas suas capacidades expressivas e potencialidades comunicativas e já não pela sua garantia de durabilidade. Os bens etnográficos, com funções rituais ou simbólicas, colocam o problema desde o início das primeiras colecções. Contudo, em ambos os casos, a fragilidade das obras ou mesmo a sua pretendida efemeridade conflituam com a actual vontade de tudo preservar, característica dos tempos que vivemos. Os problemas práticos e éticos que daí resultam para o museólogo, o conservador-restaurador ou o historiador de arte constituem um enorme
manancial de reflexão.

Neste encontro procuraremos reflectir e debater sobre os valores que dificilmente se equilibram na tarefa da preservação, de que são exemplo os valores materiais versus valores conceptuais, rituais ou estéticos. As questões da originalidade e autenticidade em relação com o valor histórico, cultural, a intenção do criador, a intangibilidade, a função social, entre outros. Haverá também espaço para pensar sobre processos alternativos de conservação e o perfil dos profissionais empenhados numa salvaguarda que ultrapassa o domínio da materialidade, que inclui novos meios, implica criatividade e especial atenção não apenas aos objectos, mas também às comunidades e contextos envolvidos.

Programa e Ficha de Inscrição

Comissão Científica:
Isabel Raposo Magalhães (Instituto dos Museus e da Conservação)
Jean François Chougnet (Museu Colecção Berardo)
Joaquim Pais de Brito (Museu Nacional de Etnologia)
Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa, FCSH)
Rita Macedo (Universidade Nova de Lisboa, FCT)

Data limite para as inscrições:
29 Outubro de 2008
Preço da inscrição:
60 € com 50 % desconto para estudantes

Línguas de trabalho:
Português e inglês (tradução simultânea disponível)

Organização:
Fundação Oriente, Instituto dos Museus e da Conservação, Museu Colecção Berardo e Universidade Nova de Lisboa

Mais informações:
Fundação Oriente Museu
Produção de Eventos Culturais
Direcção de Cultura e Relações Internacionais
Av de Brasília Doca de Alcântara Norte
1350-362 LISBOA
Tel.(351) 213585200 Fax:(351) 213527042
www.museudooriente.pt