Tese de doutoramento: “Da colecção ao museu”

Título: «Da colecção ao museu. O coleccionismo privado de arte moderna e contemporânea, em Portugal, na segunda metade do século XX. Contributos para a história da museologia»

Autora: Adelaide Duarte

Orientação: Irene Vaquinhas (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra) e co orientação de Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto).

Tese de Doutoramento em Letras, Área de História e Especialidade em Museologia e Património Cultural apresentada na Universidade de Coimbra.

Júri: João Maria Bernardo Ascenso André (Universidade de Coimbra), Alice Semedo (Faculdade de Letras Universidade do Porto); João Carlos Pires Brigola (Universidade de Évora); António Manuel Filipe da Rocha Pimentel (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (FCSH, Universidade Nova de Lisboa) e José Maria Amado Mendes (Faculdade de Letras Universidade de Coimbra).

Data: Setembro de 2012

RESUMO:

A formação de colecções de arte moderna e contemporânea por particulares e o modo como foram disponibilizadas ao público, na segunda metade de Novecentos, em Portugal, é o assunto que nos propomos estudar em tese de doutoramento.

A escolha deste tema partiu do desejo de compreender a estrutura destas colecções de arte, desde as características da colecção às do coleccionador, como o perfil, o gosto, as motivações, a estratégia, as condições da sua selecção, e as vicissitudes por que passou quem se dedicou a juntar conjuntos de peças daquela natureza. Dentro do domínio do coleccionismo privado, daquela tipologia e período de tempo, optámos por estudar as colecções de José-Augusto França, de Manuel de Brito, de José Berardo e a de António Cachola, opção que implicou adequações ao plano inicial da tese. A escolha destes casos de estudo pretendeu potenciar o estudo de distintos tipos de coleccionador que exercem diferentes ofícios na sociedade. Nestes casos, temos o historiador e crítico da arte, o marchand e galerista, o investidor e homem de negócios e o empresário empreendedor, respectivamente. No que respeita à delimitação do tema, a preferência por estas colecções particulares foi ainda determinada pelas seguintes razões: em primeiro lugar, a sua natureza – são colecções de arte moderna e contemporânea, de âmbito nacional e, uma, de âmbito internacional; em segundo, o período em que foram constituídas, a segunda metade do século XX, num tempo em que se organizava o mercado da arte no nosso país (no exterior, este tendia para uma globalização); e, em terceiro, a sua disponibilização em espaços musealizados de tutela pública. Este último factor determinou uma transferência de domínios no usufruto da colecção, do particular para o público, e a implementação de um novo modelo de gestão de tutela municipal e do Estado.

O estudo dos casos seleccionados permite constatar estarmos perante uma leitura panorâmica, na qual se distinguem duas variáveis no coleccionar durante aquele período. Enquanto a colecção de José-Augusto França e a de Manuel de Brito foram constituídas com o tempo e as vicissitudes das respectivas profissões, as colecções de José Berardo e a de António Cachola foram-no com uma dimensão pública pelo propósito de se musealizarem. Este factor constitui uma clara divergência entre os objectivos daquelas. Com efeito, esta questão vem ao encontro de uma tendência que se regista no coleccionismo no tempo presente, designadamente a partir de meados do século XX. Referimo-nos ao coleccionar-se com o propósito de partilhar a colecção com o público. Por conseguinte, apesar de verificarmos que muitas colecções particulares se integram em museus, afigura-se uma novidade o coleccionador particular reunir as obras, desde o primeiro momento, para fora do campo doméstico, assumindo o objectivo de as partilhar com o público. Este papel de adquirir para expor, competia, tradicionalmente, à esfera do poder público.

Palavras-chave: coleccionador, coleccionismo, colecção particular, colecção institucional, arte moderna e contemporânea, mercado da arte, sistema da arte, museus de arte, museologia, património artístico.


1 comentário a “Tese de doutoramento: “Da colecção ao museu”

  1. Raquel Rodrigues

    Olá Ana, Sou um pesquisadora de coleções e mercado de arte no Brasil e gostaria mto de ler essa tese da Adelaide Duarte. Está disponível para leitura? É possível entrar em contato com a autora? Tenho certeza que me ajudaria bastante. Gostaria muito de ler.

    Abraços

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *