Arquivo da Categoria: Livros

Compreendendo as políticas do património

Understanding the politics of heritage

Vivemos tempos cada vez mais paradoxais, menos definitivos. O património e os museus também entram neste balanço e somos interpelados, enquanto profissionais e investigadores, a reflectir sobre conceitos e práticas. Esta ideia aparente de que tudo pode ser património e, por sua vez, tudo pode ser musealizado é também um exercício a fazer, porque se, por um lado, pode expandir horizontes e sugerir um conjunto de novos desafios (e problemas), pode, por outro lado, levar ao re-equacionar de critérios e metodologias e a um maior rigor e sistematização do que fazemos. “Understanding the Politics of Heritage”  que aqui sugerimos não é um livro sobre como fazer, mas uma leitura sobre as políticas do património a partir de um enquadramento ocidental e das práticas institucionalizadas de protecção do património.

O que é afinal o património? O que pode ser preservado e como? Como valorizar e divulgar? O que significa olhar criticamente para as práticas do património? O livro refere-se também à dimensão política do património, ou seja, à relação do património com o poder e com práticas de subjugação, inclusão e exclusão. Quem está representado e como? As questões que o livro lança não se aplicam apenas ao património monumental para incluir também o património imaterial e as questões ligadas à memória.

Os contributos são de professores e investigadores da Open University (Reino Unido).

O livro pode ser útil a estudantes e a todos os que se interessam pelo fenómeno do património e suas práticas.

Harrison, Rodney, ed. 2010. Understanding the Politics of Heritage. Manchester: Manchester University Press, Open University.

Índice:

List of figures
Notes on contributors
Preface
List of abbreviations
Introduction
1. What is heritage? (por Rodney Harrison)
2. Critical approaches to heritage (por Rodney Harrison e Audrey Linkman)
3. Heritage as a tool of government (por Anne Laurence)
4. World Heritage (por Ian Donnachie)
5. The politics of heritage (por Rodney Harrison)
6. Heritage and nationalism (por Richard Allen)
7. Heritage, colonialism and postcolonialism (por Rodney Harrison e Lotte Hughes)
8. Heritage and class (por Susie West)
Appendix: Cultural heritage policy documents
Glossary
Acknowledgements
Index

Disponível na Amazon, bookdepository.com e afins.

Les vocabulaires locaux du «patrimoine»

Les vocabulaires locaux

Bondaz, Julien, Florence Graezer Bideau, Cyril Isnart, e Anais Leblon, eds. 2014. Les Vocabulaires Locaux Du “Patrimoine” Traductions, Négociations et Transformations. Wien; Zürich; Berlin; Münster: Lit Verlag. 228 páginas. ISBN 9783643801791.

O livro, Les Vocabulaires Locaux Du “Patrimoine” Traductions, Négociations et Transformations, publicado recentemente, resulta de um colóquio internacional com o mesmo título realizado na Universidade de Évora em Fevereiro de 2012. Encontra um pequeno balanço sobre o colóquio neste blogue  e mais informação sobre o mesmo aqui.

O livro surge por iniciativa da Respatrimoni, uma rede internacional de investigadores dedicada à patrimonializaçao (Network of Researchers on Heritagisations/Réseau des chercheurs sur les patrimonialisations) e que assume uma abordagem pragmática e crítica da noção de património universal difundido pela UNESCO, incluindo o recente enfoque para o Património Cultural Imaterial. O livro também reflecte esse posicionamento. No total, a publicação inclui onze textos de investigadores de diferentes geografias e áreas disciplinares (sobretudo a antropologia, mas também a linguística, a arquitectura, a história da arte).

O objectivo central da obra é comparar no panorama internacional, ainda que se assuma à partida como sendo parcial, as variações (na sua diversidade) da utilização de vocabulários e usos locais relativamente ao “património”, assim como a sua relação com as instituições internacionais (p. ex. UNESCO, ICOM, ICOMOS) e os seus normativos reguladores. Pretende-se, segundo os editores, desconstruir ou ultrapassar a ideia de que o campo do “património” corresponde a algo de carácter homogéneo, contínuo e globalizado.

Le souci du « patrimoine » constitue aujourd’hui une activité universelle dont la diffusion est soutenue par les grandes organisations internationales. Elle produit chaque jour de nouveaux espaces de contacts entre les doctrines occidentales et le reste du monde. Mais que sait-on au juste des terminologies et des pratiques de conservation qui fonctionnent en dehors des canons occidentaux ? Ce livre s’attache à décrire et comparer les vocabulaires indigènes du « patrimoine », en montrant la diversité des conceptions locales et leur dialogue avec les politiques internationales. Se révèlent ainsi les ajustements et les oppositions linguistiques et pratiques que les acteurs activent, depuis leurs propres lieux, pour distinguer ces biens singuliers que nous appelons « patrimoine ».

O livro está disponível para venda em: http://www.lit-verlag.de/isbn/3-643-80179-1

Sobre esta linha de problematização da noção de património veja-se, ainda, o dossier especial da revista Civilisations: “Au-delà du Consensus Patrimonial: Résistances et Usages Contestataires du Patrimoine” (2012) em: http://civilisations.revues.org/3096 (acesso condicionado).

****

Table des matières

Remerciements

Relocaliser les discours sur le «patrimoine»
Julien Bondaz, Florence Graezer Bideau, Cyril Isnart et Anaïs Leblon

Words for Expressing What We Care About The Continuity and the Exteriority of the Heritage Experience
Jean-Louis Tornatore

Reviving the Disagreement: A Debate on the Terminology of Intangible Cultural Heritage and the UNESCO 2003 Convention in the Arab World
Ismail Ali El-Fihail

Transformation et histoire pluriculturelle d’un patrimoine. L’exemple des collections africaines en France
Manuel Valentin

Subtiles divergences. Le patrimoine carioca entre «paisagem cultural» et «paysage culturel»
Véronique Zamant

Le transfert d’un standard international. Le patrimoine culturel immatériel vu par la France
Chiara Bortolotto

«Traditions vivantes», une catégorie bonne à penser ? Le cas de la Suisse
Florence Graezer Bideau

Une histoire de patrimoine à l’indonésienne. Le cas du wayang golek sundanais (Java Ouest)
Sarah Anaïs Andrieu

Du «PCI» au «finaa tawaa». Ethnographie d’une traduction patrimoniale
Anaïs Leblon

Manifold “Barter”: Heritagization of Economic Exchange in the Argentinean Andes
Olivia Angé

Représentations linguistiques dans deux régions de Suisse romande (Jura et Valais). De la pratique du parler à la mise en patrimoine
Federica Diémoz et Aurélie Reusser-Elzingre

Les Auteurs

Actas “O Futuro dos Museus Universitários em Perspetiva”

Capa do livro

Semedo, Alice, Elisa Noronha Nascimento e Rui Centeno. coord. 2014. Atas do Seminário Internacional «O Futuro dos Museus Universitários em Perspetiva». Porto: Universidade do Porto. 233 páginas, ISBN 978-989-8648-23-5. Disponível aqui: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/12476.pdf

A Universidade do Porto acaba de publicar as actas (formato digital) do seminário internacional «O Futuro dos Museus Universitários em Perpetiva» que se realizou a 28 e 29 de Novembro de 2014 no Salão Nobre da Reitoria da universidade  (veja o call for papers num post anterior).

Entendida a crise em que vivemos num tempo mais longo, esta foi a oportunidade para reflectir sobre os problemas que os museus universitários enfrentam e que na universidade do Porto já vinham a ser debatidos entre alunos, professores e profissionais dos próprios museus da universidade. A discussão abriu-se à comunidade de profissionais e investigadores extra universidade do Porto e os contributos incluídos nestas actas reflectem isso mesmo.

A palavra crise tornou-se constante em nosso tempo. Seu significado aponta para tensões e conflitos, assim como desafios a serem enfrentados. No entanto, o termo “crise”, em condições genéricas, tem sido acompanhado de ambivalências e, normalmente, onde encontramos “crise” ansiamos ver também soluções para a mesma. A esperança de superação do momento da crise é sempre objetivo desejável e propõe investigação, análise e reflexão, para, a seguir, praticar as soluções em busca de momentos menos tormentosos e mais estáveis. (Lúcia Glicério Mendonça)

Alguns dos problemas que afectam os museus universitários não são diferentes dos  museus de outras tipologias, como ficou patente na leitura destas actas: a necessidade de manter as colecções preservadas, de as inventariar, documentar, estudar, de promover a sua acessibilidade, de as comunicar melhor e aprofundar (ou mesmo encetar) interacções com a sociedade (p. ex. programação); No diagnóstico traçado acrescem, ainda, os fracos recursos humanos e financeiros, tendo sido sublinhado que este é um sector pouco financiado, provavelmente quando comparado com outro tipo de museus ou colecções.

O que se destacou, na minha perspectiva, e que tem a ver com as especificidades deste tipo de museus é o desafio de integrar a actividade destes museus no quotidiano das suas universidades e nas respectivas estruturas, pois, na maioria dos casos, têm um papel e posicionamento marginal (quase invisível). A criação de redes interdisciplinares foi uma das ferramentas enunciadas (é hoje uma palavra-chave no mundo dos museus).

Um outro desafio remete para a captação de mais e diversos públicos. Sendo que este é um objectivos de qualquer museu, os museus universitários não só se debatem para captar aqueles que poderão ser os seus públicos imediatos – os estudantes, pela proximidade (estão dentro da instituição) e pelo potencial das colecções para a construção e transmissão de conhecimentos, – estes museus debatem-se, ainda, pela captação de públicos que se encontram fora da instituição. Os turistas foram apontados como um desses potenciais públicos, embora tenha ficado claro que não existem estratégias neste sentido.

A iniciativa de publicar as actas é importante, diria mesmo imprescindível, se não nos moldes tradicionais de impressão então que se faça no formato digital como aconteceu neste caso. A edição das actas poderia ter sido objecto de maior cuidado, que creio terá a ver como a urgência dos processos. Particularmente interessante foi a introdução de mapas conceptuais sobre cada uma das comunicações/textos incluídos nestas actas.

****

CONTEÚDOS

Apresentação, Lúcia Glicério Mendonça

Coleções Universitários e o Processo de Construção e Transmissão do Conhecimento

Museu de Ciência da Universidade do Porto: Transmissão, Produção e Difusão do Conhecimento, Luís M. Bernardo

O Museu da Universidade de Aveiro: Coleções, Investigação e Herança Patrimonial, Ana Bela de Jesus Martins e Ana Cristina Fernandes Cortês Justino

Primeiro passo: Documentar as Coleções, Alexandre Matos

A implementação de um Plano de Conservação Preventiva para o Acervo da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, Alice Nogueira Alves, Marta Frade e Carlos Alcobia

Pintura do Acervo da FBAUL: uma Coleção para o Futuro, Luís Lyster Franco

Repensar a Missão dos Museus Universitários no Território

Repensar a Missão dos Museus Universitários no Território, Transcrição da Conferência de Paulo Cunha e Silva

Os Museus Universitários do Porto e a sua Integração no Turismo Cultural da Cidade, António Ponte e Rui Centeno

Museus Universitários: de Legisladores do Saber a Interpretes de Culturas, Lúcia Glicério Mendonça

Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo: Contextualizações e Processos, Elisa Noronha Nascimento

Museu Virtual FBAUL: Work in Progress para a Coleção de Pintura, Ana Mafalda Cardeira

‘DIY’ na Universidade do Porto: Instrumentos Científicos Fabricados Localmente, Marisa L. Monteiro, José Moreira Araújo e Luís M. Bernardo

Modelos de Gestão dos Museus Universitários

Museu FEUP: Estratégias e Métodos para a Gestão de Produtos do Conhecimento, Susana Medina

O Museu de Geologia Fernando Real e Perspetivas Futuras, Elisa Gomes, Ana Alencoão, Martinho Lourenço e Carlos Coke

Museus Universitários como Mediadores

Interseções: os Recursos Digitais no Contexto da Museologia Universitária, João Carlos Carvalho Aires de Sousa

Processo Criativo de investigação no Museu da FEUP, Maria van Zeller

Investigação e Curadoria nos Museus Universitários do Porto [Depósito (2007); Rescaldo e Ressonância (2009); Edifícios & Vestígios (2012)], Inês Moreira

Curadorias Compartilhadas: um Estudo sobre as Exposições Realizadas no Museu da Universidade Federal do Rio Grande do SUL (2002 a 2009), Maria Cristina Padilha Leitzke e Zita Rosane Possamai

Apêndices

Relatórios | Mapas Conceptuais, Inês Ferreira e Vanessa Nascimento Freitas

Notas Biográficas dos Autores

 

Estratégias participativas para coleccionar o presente

"The initiators of the Stadionbad exhibition" 2012 © hmf, photo: Katrin Streicher (imagem retirada do livro, p. 70)

“The initiators of the Stadionbad exhibition” 2012 © hmf, photo: Katrin Streicher (imagem retirada do livro, p. 70)

Meijer-van Mensch, Léontine, and Elisabeth Tietmeyer, eds. 2013. Participative Strategies in Collecting the Present. Berlin: Panama-Verlag. 132 páginas, ISBN 978-3-938714-28-7.

Esta publicação reflecte o interesse (crescente) sobre a definição de políticas de incorporação nos museus que incluam o presente: como documentar as realidades sociais e culturais contemporâneas através da recolha de objectos? Que prioridades? Que metodologias? Que critérios? Logo na introdução pode ler-se:

«In their collecting policies, history museums, ethnographic museums, and city museums all over the world show a remarkable tendency not only to focus on the present, but also to involve individuals and groups outside the museums as experts on their culture and history. Such participative strategies challenge the theory and ethics that underpin traditional practices. Some of the values at stake are institutional autonomy and professional authority.» (p. 7)

O conjunto de 13 textos incluídos neste livro resultam da primeira reunião anual (2011) de um dos mais novos comités internacionais do Conselho Internacional de Museus –  o International Committee for Collecting (COMCOL), organizada em conjunto  com o International Committee for the Collections and Activities of Museums of Cities (CAMOC)  e o ICOM regional Committee for Europe.

Como sublinha Léontine Meijer-van Mensch e Peter van Mensch, para colecionar o presente há que perspectivar as colecções como conjuntos dinâmicos ao serviço da missão dos museus. E para a formação e desenvolvimento das colecções o trabalho em rede e a participação são palavras-chave (p. 8).

A publicação é impressa, mas existe também em formato digital. Encontra mais informações no website do COMCOL.

 

****

Content

Preface, 7

Léontine Meijer-van Mensch and Peter van Mensch
Participative strategies in collecting the present | Introduction, 8

REFLECTIONS ON METHODS OF PARTICIPATION

Dennis Herrmann and Jonas Koch
Challenges, changes and changes | Theoretical and practical reasons for on and offline participation in museums, 15

Kathrina Dankl and Tena Mimica
Collecting the present by exploring Doing Kinship with Pictures and Objects, 24

Renée Kistemaker
Participative strategies in the project Entrepreneurial Cultures in European Cities | On the way to integrated museums?, 33

Zvjezdana Antos and Annemarie de Wildt
The museum goes shopping | Collecting entrepreneurs – a comparison between city and ethnographic museums, 45

(RE)DEFINING THE MUSEUM WITH PARTICIPATION

Zelda Baveystock
The secrets of our success | Synthetising audience development with collections at the Museum of Liverpool, 56

Angela Jannelli
Frankfurt Now! and the City Lab | Two participatory exhibition formats of the historisches museum frankfurt, 64

Dorota Kawecka and Aleksandra Janus
What to take and how to share? | Challenges for establishing a new Theatre Museum in Warsaw, 74

PERCEPTIONS OF COMMUNITY

Thomas Michael Walle
Participation and othering in documenting the present, 83

Christine Fredriksen

Participative strategies and the maritime cultural heritage
CHALLENGING AUTHORITHY AND CONTROL

Arjen Kok and Pina Cardia
Involving lay stakeholders in expert cultural value assessment, 104

Tanja Rozenbergar
Don’t throw pots away, 111

Markus Walz
The selection of cultural assets between research and plebiscite: Five museological points dealing with »collecting 2.0«, 119

The authors, 128
List of Illustrations, 131

 

Conceitos-chave de Museologia

Imagem da capa da publicação Conceitos chave

 

 

Desvallées, André, e François Mairesse, eds. 2013. Conceitos-chave de Museologia. Tradução de Bruno Brulon Soares e Marilia Xavier Cury. ICOM. Armand Colin. ISBN: 978-85-8256-025-9.

A publicação electrónica, Conceitos-chave de Museologia apresenta uma selecção de 21 termos essenciais no campo da museologia. Publicada inicialmente em inglês, francês e espanhol (2010), chega agora a tradução para português pelo comité do ICOM Brasil e com o apoio do ICOM-PT.

Esta é, no entanto, uma versão resumida do Dictionnaire Encyclopédique de Muséologie (2011), publicado apenas em francês, e que  incorpora cerca de 500 termos museológicos.

O projecto para a criação de um dicionário remonta a 1993, com a criação de um grupo de trabalho no seio do Comité Internacional de Museologia do ICOM (ICOFOM), coordenado por André Desvallées. Pensado inicialmente como thesaurus, foi depois equacionado o formato de dicionário.

A importância de um dicionário para um melhor entendimento da profissão também foi discutida em Portugal. A intenção de criar um dicionário de museologia, na época a ser coordenado pela Associação Portuguesa de Museologia – APOM, foi referida por João Brigola em 2004, todavia o projecto não veio a ser desenvolvido.

A publicação está disponível no site do ICOM-PT.

Panorama Museológico em Portugal (2000-2010)

Capa do livro "O Panorama Museológico em Portugal"

Foto retirada do site da DGPC.

Direção-Geral do Património Cultural. 2014. Panorama Museológico em Portugal (2000-2010). Lisboa: Direção-Geral do Património Cultural.

Obra de síntese, o “Panorama museológico em Portugal 2000-2010” acaba de ser discretamente publicado. Ilustra a evolução do mundo dos museus na última década. Qualificação será a este propósito palavra-chave, e muito deve ao plano estratégico da Rede Portuguesa de Museus (RPM). A publicação também elucida sobre a relevância da RPM e dos rumos traçados.

No histórico de publicações deste género deve referir-se o “Inquérito aos Museus em Portugal” (2000) e o “Panorama Museológico em Portugal (2000 – 2003)” de 2005.  Este trabalho resulta da colaboração das instituições ligadas aos museus (IPM, depois IMC e hoje DGPC) e do Observatório das Actividades Culturais (OAC), que entretanto foi extinto.

Ainda sem ter tido oportunidade de consultar a publicação, é, no entanto, expectável que seja uma obra de consulta e referência obrigatória para quem se interesse pelo estudo dos museus em Portugal. Porém, fica  a questão, poderá o diagnóstico realizado contribuir para a construção de rumos para o futuro?

Mais informações sobre o livro aqui, que possivelmente estará à venda nas lojas da rede de museus nacionais e palácios, bem como na loja do Palácio Foz nos Restauradores (cf. lista aqui).

ÍNDICE

Agradecimentos

Introdução
Alterações e continuidades face ao anterior panorama (2000-2003)
A BdMuseus e a produção de conhecimento sobre os museus
As alterações no inquérito aos museus do INE (IMUS)
Os museus nas estatísticas europeias

1. Contextos e dinâmicas dos museus em Portugal
1.1. Enquadramento legislativo, alterações orgânicas e orientações da tutela dos museus
1.1.1. A RPM e a tutela pública dos museus
1.2. Despesas públicas com museus em Portugal
1.2.1. Despesas da administração central com museus
1.2.2. Despesas da administração local com museus
1.2.3. Prémios internacionais dos museus portugueses
1.3. Redes de museus

2. Recenseamento, resultados e problemas
2.1. Método e resultados globais
2.1.1. Museus
2.1.2. Museus polinucleados e núcleos
2.2. Problemas no recenseamento: algumas ilustrações
2.2.1. Sítios arqueológicos
2.2.2. Centros Ciência Viva
2.2.3. Monumentos
2.2.4. Jardins zoológicos, botânicos e aquários

3. Os museus: caracterização geral, recursos, acervos, instalações e parcerias
3.1. Metodologia do IMUS
3.2. Museus por tutela, tipo, região, ano de abertura e ano de criação
3.2.1. Uma análise por tutela desagregada
3.2.2. Uma perspetiva diacrónica da criação de museus
Criação de museus por tutela
Criação de museus por tipo
Criação de museus por região
3.2.3. Uma ponderação dos museus pela população e pela região (2003 e 2009)
3.3. Recursos
3.3.1. Recursos humanos
Os responsáveis
Pessoal
3.3.2. Orçamento próprio
3.3.3. Recursos informáticos
3.4. Acervo: localização, tipos, bens e formas de registo
3.4.1. Localização
3.4.2. Tipos dominantes
Uma classificação dos museus de acordo com os tipos dominantes de bens
3.4.3. Bens
3.4.4. Formas de registo
3.5. Instalações, espaços técnicos e sistemas de segurança
3.6. Parcerias
3.7. Associação de amigos do museu

4. Os museus e os visitantes: atividades e características
4.1. Abertura, períodos de funcionamento e salas ou espaços de exposição
4.1.1. Abertura e períodos de funcionamento
4.1.2. Salas ou espaços de exposição
4.2. Atividades orientadas para os visitantes
4.2.1. Serviço educativo
4.2.2. Outras atividades orientadas para os visitantes
4.3. Visitantes
4.3.1. Museus por escalão de visitantes
4.3.2. Controlo dos visitantes
4.3.3. Volume de visitantes
4.3.4. Sazonalidade do volume de visitantes
4.4. Características dos visitantes
4.4.1. Grupos escolares, visitantes estrangeiros, entradas gratuitas
4.4.2. Um enfoque nos visitantes por tutela, tipo e região dos museus
Por tutela
Por tipo
Por Região
4.5. Visitantes dos museus da RPM

5. A RPM e os museus da RPM
5.1. Enquadramento orgânico e linhas programáticas
Linhas programáticas
Recursos humanos
5.2. A RPM enquanto rede
5.2.1. Modalidades de integração
5.2.2. Museus RPM
5.3. Linhas de ação da RPM
5.3.1 Credenciação
Transição dos museus integrados na RPM
Credenciação de museus (candidaturas)
5.3.2. Informação
Boletim
Site RPM
Visitas do site
5.3.3. Formação
Ações de formação
Centro de documentação RPM
5.3.4. Qualificação
Programa de apoio à qualificação dos museus (PAQM)
Programa de apoio a museus (ProMuseus)
Programa de apoio técnico aos museus (PATM)
Outras atividades
5.3.5 Articulação e cooperação
Incentivo à articulação entre museus
Emissão de pareceres técnicos
Cooperação IMC/OAC/INE
Cooperação com outros organismos
5.4. Nível de participação nas linhas de ação da RPM

6. Inquérito aos museus da RPM
6.1. Metodologia
6.1.1. Questionário
6.1.2. Aplicação
6.1.3. Taxa de resposta, validação e sequência analítica
6.2. Resultados
6.2.1. Resultados globais detalhados, 2011 (percentagem)
6.2.2. Por tutela e nível de participação, 2011 (médias)
6.2.3. Resultados globais: comparação dos inquéritos 2004 e 2011 (médias)
6.2.4. Resultados das não-respostas: comparação dos inquéritos 2004 e 2011 (percentagem)
6.2.5. Grau de expetativas quanto ao futuro da RPM (2004 e 2011)
6.2.6. Sugestões, opiniões e comentários quanto ao futuro da RPM (2011)

7. Indicadores globais de evolução do panorama museológico
7.1. Dois modelos de aferição
7.1.1. Modelo minimal
7.1.2. Modelo desenvolvimento
7.2. Regulamentos, normas e planos

Notas conclusivas
Bibliografia citada
Webgrafia
Legislação

Anexos

Capítulo 1
Anexo 1.1: Museus e RPM: principais referências no período 2000-2011
Anexo 1.2.: Prémios internacionais atribuídos a museus portugueses (1977-2012)
Anexo 1.3.: Redes nacionais e internacionais de museus

Capítulo 3
Anexo 3.1.: Tipos de museu

Capítulo 4
Anexo 4.1.: Serviços educativos e outras atividades orientadas para os visitantes
Anexo 4.1.: Visitantes dos museus da RPM

Capítulo 6
Anexo 6.1.: Tabela comparativa inquérito aos museus RPM 2004 e 2011
Anexo 6.2.: Inquérito aos museus RPM 2011: questionário
Anexo 6.3.: Resultados globais inquérito aos museus da RPM (2011)

Patrimonio Inmaterial, Museos y Sociedad

Patrimonio inmaterial

Mingote Calderón, José Luis, ed. 2013. Patrimonio inmaterial, museos y sociedad: balances y perspectivas de futuro. Madrid: Ministerio de Educación, Cultura y Deporte de España. 298 páginas. URL: http://es.calameo.com/read/000075335489f789a44ae

A publicação que aqui se destaca constitui as actas de um encontro/curso sobre Património Cultural Imaterial (PCI) que teve lugar em Outubro de 2010 em Lima (Peru). O curso então organizado teve um carácter internacional, incidindo no universo de países ibero-americanos, patente na proveniência diversa dos participantes e conferencistas (e distintos backgrounds).

O livro assume a intenção de um discurso multivocal à volta do tema, tendo em conta os diferentes entendimentos que faz despoletar o termo PCI promovido pela Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003). Tal como sublinha José Mingote Calderón, coordenador da obra, no seu conjunto, a publicação reclama diferentes visões do conceito de PCI que resultam da reinterpretação do normativo internacional, estando também implícita a seguinte dualidade, um entendimento do “PCI como riqueza” que traduz à letra os desígnios da Convenção, a par com uma leitura mais crítica das políticas desenvolvidas no âmbito da salvaguarda do PCI (p. 11).

O livro está estruturado em torno de duas partes: “Ponencias” e “Comunicaciones” e constitui uma diversificação de olhares sobre o PCI, através de contribuições a partir de várias áreas disciplinares para além da Antropologia (História, Arqueologia, Sociologia, etc.) e terrenos de actuação (ex. museus, bibliotecas, etc.). Entre os textos está presente uma contribuição sobre a realidade portuguesa pela mão de Paulo Ferreira da Costa, que descreve o percurso normativo e institucional realizado a partir da tradução da Convenção de 2003 para o contexto nacional.

Índice

Reflexiones en torno a un curso sobre Patrimonio Cultural Inmaterial y Museos (Lima, 2010), José Luis Mingote Calderón, p. 8

PONENCIAS

Patrimonio Cultural Inmaterial, museos e historia(s). Una relación antigua, José Luis Mingote Calderón, p. 13

Salvaguarda do Patrimonio Cultural Imaterial em Portugal (2007-2011): enquadramentos, paradigmas e instrumentos estratégicos, Paulo Ferreira da Costa, p. 44

Del trabajo de campo a la declaración. El Patrimonio Cultural Inmaterial y su gestión en la Región de Murcia, Inmaculada García Simó, p. 72

El Patrimonio Inmaterial: repercusiones en la exposición comunicativa y en el papel social del museo, Luis Caballero García, p. 89

COMUNICACIONES

Patrimonios, arqueologías e identidades: una experiencia en la construcción colectiva de un museo local (provincia de San Juan, Argentina), Soledad Biasatti, p. 140

Patrimonio Cultural e identidad. El leprosorio de Agua de Dios, Colombia, Paula Matiz, p. 146

Mapudungun (lengua mapuche), pérdida histórica y rescate, Marcela Coñequir, p. 154

Multiculturalidad, pluriidentidad, rescate del patrimonio intangible: la problemática de Misiones y su patrimonio, Martha M. Bordenave, p. 164

La función social del Patrimonio Cultural Inmaterial y los desafíos de su preservación en Chile, Sigal Meirovich Schapira, p. 174

Cuando la comida se convierte en patrimonio: puntualizando la discusión, Renata Menasche, p. 180

Rescate del Patrimonio Inmaterial. La gastronomía regional del NE de Argentina, SE de Brasil y Paraguay, Elba González, p. 188

Patrimonio gastronómico del norte argentino. La empanada tucumana,  Gustavo Calleja y Jimena Medina Chueca, p. 198

Los caminos de la escritura. Aportes al desarrollo del turismo cultural en Salto, Gabriela Campodónico Bolón, p. 208

Memoria Chilena: la web como herramienta de promoción del Patrimonio Cultural Inmaterial, Macarena Dölz, p. 219

Conocimiento arqueológico y discursos patrimoniales. Dos casos de estudio: Quebrada de Humahuaca (Argentina) y Valle del Choapa (Chile), Patricia B. Salatino, p. 227

Recuperación y puesta en valor del conocimiento ecoagroalimentario tradicional como insumo para la seguridad alimentaria, Mayela Solano Quirós, p. 242

Pilares del heroísmo. Salvando nuestra memoria, Leila Valenzuela Pérez, p. 254

Los museos históricos y el Patrimonio Inmaterial. Un desafío a implementar, María Teresa Margaretic, p. 261

Archivo de saberes orales, Micaela Navarrete Araya, p. 272

Educación en Derechos Humanos y género. Un espacio de memoria, Patricia Brignole Comamala, p. 279

El museo ausente: la mirada negadora sobre la cultura del otro, Rubén Darío Romani Ferreyra, p. 288

VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012

VI Encontro de Museus de países e comunidades de língua portuguesa

© Ana Carvalho

Filipe, Graça, ed. 2013. VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012, Fundação Oriente, Setembro 2011. [Lisboa]: Comissão Nacional Portuguesa do ICOM. 348 páginas. ISBN: 978-989-98396-0-1

Foram publicadas há poucos meses as actas do VI Encontro de Países e Comunidades de Língua Portuguesa que teve lugar em Lisboa em 2011. Esta iniciativa realizou-se pela primeira vez em 1987, no Brasil, sendo que o segundo encontro foi em Mafra (1989), o terceiro na Guiné-Bissau (1991), o quarto em Macau (1994) e o quinto em Maputo (2001) (cf. Elementos para a História da Comissão Portuguesa do ICOM de Natália Correia Guedes).

As actas correspondem em grande medida ao alinhamento do programa do encontro e a maioria das comunicações foram incluídas na publicação, nalguns casos figurando apenas os resumos. De qualidade muito variável, os 40 textos estão organizados em torno de quatro temas principais: “Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade”, “Museus e Desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação”, “Museus e Sustentatibilidade” e “Profissionais e sua Formação”. O texto de Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses antecede a sistematização referida.

Esta publicação confirma a pertinência da construção de linhas de entendimento e cooperação entre os países que falam a língua portuguesa, mas também é sintomática de que um longo caminho está por percorrer para o estabelecimento de redes de trabalho e sua consolidação no contexto de uma estratégia de longo prazo. Com efeito, apesar da língua ser em potencial um elemento aglutinador são necessárias medidas concretas que possam viabilizar intenções.

Prevalece a questão, poderão iniciativas como esta singrar nos seus objectivos de cooperação sem uma articulação concertada de estratégia política, cultural e científica, incluindo nomeadamente o trabalho em rede e concertado de várias instituições que já trabalham no domínio da cooperação internacional? Note-se neste âmbito o trabalho que desenvolve o Instituto de Investigação Científica Tropical e o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.

A publicação é gratuita, mas poderão ser cobrados portes de envio. Pode obter mais informações no seguinte email: info@icom-portugal.org

****

 Índice

5 Apresentação, Graça Filipe

11 Introdução, Luís Raposo

15 Conferência de abertura: Língua, Objecto, Museu – Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses

27 Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade

29 Percurso dos museus de Angola, as perspectivas e sua contribuição no desenvolvimento do país, Paulo Valongo

31 O Cenário museal brasileiro de 2000 a 2010, Denise Grinspum

39 Museus em Cabo Verde: perspectivas e desafios, Humberto da Cruz Lima e Ana Samira Semedo Silva

41 A realidade museológica na Guiné-Bissau, Maria Eveline Diallo

43 Museus de Moçambique: na encruzilhada de tempos, tradições e práticas, Alda Maria Costa

53 Museus Portugueses. 1980-2010, Natália Correia Guedes

71 Museu Nacional de S. Tomé e Príncipe, Ernesto Lima de Carvalho

73 O Arquivo e Museu da Resistência Timorense – A sua instrução e importância na preservação e promoção da memória e identidade de um povo, Antoninho Batista Alves

79 Museus comunitários – experiências e papel renovador na museologia contemporânea, Hugues de Varine

89 Museus e desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação

91 Museu de Arte Cristã – parcerias e cooperação, Fr. Avinash Rebelo

93 Thesaurus de acervos científicos como instrumento de preservação do património científico: um projeto de cooperação luso-brasileira, Marcus Granato, Marta C. lourenço, Cláudia Penha dos Santos, Zenilda F. Brasil, Maria Lucia de Niemeyer M. Loureiro e Rosali Fernandez de Sousa

103 Porque “musealizar” um sector de actividade produtiva? Lições aprendidas do processo de estabelecimento do museu das pescas de Moçambique, 1982 a 2006-2010, Manuel Luís Gonçalves e Daniel Inoque

113 Sociedades indígenas do Sul da Mata Atlântica e o Museu Universitário – uma parceria estratégica, Viviane Wermelinger Guimarães e Cristina Castellano

123 Museologia, desenvolvimento e direitos humanos. Campos emergentes da investigação-ação na globalização, Pedro Pereira Leite

137 Rede MMM: cooperação entre o museu e o público, Adriana Teixeira da Costa, Ana Paula Pereira Costa, Ana Paula Gaspar Gonçalves e Helena Maria Mourão Loureiro

145 Rede museológica de Casas Históricas da CPLP, André Estrela Rodrigues de Soure Dores

151 Experiência nos museus da Ilha de Moçambique, algumas reflexões e considerações, Joana Roque Sofio, Mafalda da Nova Jorge, Silvério João Nauaito

Projecto SOS azulejo: pela salvaguarda do património azulejar português e de tradição portuguesa, Leonor Sá

171 Histórias que se escondem no mar: os museus marítimos e a arqueologia subaquática, Margarida Génio

175 A criação de redes como ferramenta estratégica de planeamento cultural em museus: campanhas coloniais no tempo do Leão de Gaza, Mariana Jacob Teixeira

185 Atanticidade e mundo lusófono. Imaginários, representações e programação nos museus açorianos, Maria Manuel Velásquez Ribeiro e Susana Goulart Costa

193 Museus e sustentabilidade

195 Museu, Desenvolvimento e Comunidade: o caso de Macau, Chan I Un (Jessica)

207 Memória e Futuro, Alfredo Caldeira

209 O envolvimento das pessoas nos processos museais, garantia de sustentabilidade, Ana Mercedes Stoffel

219 Família Antônio de Dedé. A propósito de um estudo de caso do Programa Sala do Artista Popular do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/IPHAN – Brasil, Daniel  Reis

231 A aplicação do marketing nos museus: o caso do Museu Ferroviário dos CFM, Elsa Dimene

237 A musealização de monumentos e o restauro arquitectónico em Moçambique, Vera Félix Mariz

247 Criação de uma rede de núcleos museológicos como exemplo da sustentabilidade de um território, João Alpuim Botelho e Olga Matos

257 A sustentabilidade de um equipameno cultural: a díficil gestão de necessidades e oportunidades, José Portugal e Pedro Quintela

267 Valorização do património cultural do Douro como recurso para o desenvolvimento de competências, Elisa Pérez Babo

269 Profissionais e sua formação

271 Formação profissional em museologia: desafios metodológicos, Maria Cristina Oliveira Bruno

273 Imperativa necessidade de formação de profissionais para o Museu da Ilha de Moçambique, Silvério João Nauaito, Mafalda da Nova Jorge e José Andrade

283 O ensino da museologia na perspectiva da sociomuseologia, Mário Moutinho e Judite Primo

289 Memorial do homem Kariri, uma experiência de inclusão social através do protagonismo juvenil, Iêdo Lopes

291 O exemplo do conservador-restaurador em Portugal, André Varela Remígio

301 A contribuição do Memorial Cristo Rei na formação do profissional do museu e na preservação, resgate e divulgação da história da Universidade Federal do Maranhão – Brasil, Clores Holanda Silva, Lúcia do Nascimento Coêlho e Natalino Salgado Filho

309 Já que falamos a mesma língua… Falemos de normalização e tecnologias de informação em museus, Maria José de Almeida

317 Aos trabalhadores de museus: programa educativo direcionado ao público interno da Pinacoteca, Gabriela Ramos Figurelli

327 Projectos de cooperação – uma rede de profissionais de Língua Portuguesa? Maria do Rosário Azevedo

333 O percurso do conservador-restaurador em Portugal, Isabel Raposo de Magalhães, António Candeias, Joana Campelo e Francisca Figueira

341 Programa do VI Encontro

“Le patrimoine culturel immatériel: Premières expériences en France”

A recensão que escrevi sobre o livro francês –  Le patrimoine culturel immatériel: Premières expériences en France – acaba de ser publicada no último número da revista Etnográfica (vol. 17, n.º 2, 2013). O texto está disponível aqui (também em PDF).

Publicamo-lo também neste blogue:

****

Christian Hottin (org.), Le patrimoine culturel immatériel: Premières expériences en France, Paris, Maison des Cultures du Monde e Babel, 2011, 364 páginas, ISBN: 978-2-7427-8977-1.

Este livro de bolso insere-se na coleção Internationale de l’imaginaire (n. s., n.º 25), dirigida por Chérif Khaznadar, e constitui o terceiro número dedicado ao património cultural imaterial (PCI). O primeiro número – Le patrimoine culturel immatériel: Les enjeux, les problématiques, les pratiques (2004) – constitui uma das primeiras reflexões sobre os contextos, limites e potencialidades da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO (2003), e o segundo – Le patrimoine culturel immatériel à la lumière de l’Extrême-Orient” (2009) – uma perspetiva sobre as experiências da China, da Coreia e do Japão em matéria de PCI, tidas como políticas-modelo que moldaram o espírito da Convenção de 2003. Por seu turno, este último livro versa sobre as primeiras experiências em França na implementação desta convenção.1. Tendo como ponto de partida a narrativa oficial da UNESCO (a França aprovou a convenção em 2006), o livro dá conta, em jeito de balanço, do trabalho desenvolvido sobre esta matéria no âmbito das políticas públicas dos últimos quatro anos.

As contribuições contidas no livro são de profissionais de várias instituições francesas ligadas ao património e de representantes da UNESCO que fazem, assim, parte da comunidade de especialistas que procura encontrar respostas aos desafios lançados pela Convenção de 2003, um normativo que aponta para um conceito mais líquido sobre património, uma perspetiva renovada e dinâmica sobre salvaguarda e um papel mais ativo das comunidades, seja na identificação e reconhecimento, seja na sua implicação no processo de proteção deste património. A tradução destas recomendações implica a revisão do papel das instituições e dos profissionais, um processo ainda recente para muitos países e que este livro procura clarificar, dando a conhecer os esforços realizados pela administração francesa no sentido de adequar as suas políticas e instrumentos às recomendações da Convenção de 2003.

Com efeito, esta convenção tem sido terreno fértil para a discussão sobre o conceito de património e tornou-se também objeto de estudo nos últimos anos, tal como é percetível pelo aparecimento de variadas publicações que atestam pelo menos duas abordagens: uma baseada na avaliação e balanço das experiências por parte dos profissionais intervenientes no processo de patrimonialização, como é o caso deste livro, e outra que se posiciona de forma crítica e reflexiva sobre a Convenção de 2003 e o seu impacte, problematizando o fenómeno do património em si mesmo, vinda sobretudo dos antropólogos da academia – veja-se, por exemplo, C. Bortolotto, A. Arnaud e S. Grenet (orgs.), Le patrimoine culturel immatériel: Enjeux d’une nouvelle catégorie, publicado em 2011.

O livro organiza-se em duas partes. Um preâmbulo à primeira parte (por ­Chérif Khaznadar, Christina Hottin e Sylvie Grenet) serve para contextualizar a Convenção de 2003, a sua retórica e os princípios de atuação subjacentes à criação de uma nova categoria de património – o PCI. Ao longo desta primeira parte é explicado como se operacionalizaram as estratégias para a salvaguarda do PCI pelo Ministério da Cultura francês, assentes numa lógica de criação de inventários para identificar o PCI e documentá-lo. Neste âmbito, Sylvie Grenet descreve as linhas operativas de um novo inventário para o património vivo e o processo conducente à recolha de várias bases de dados previamente existentes, no sentido de se fazer um “inventário dos inventários”. Ainda nesta linha, Véronique Guinouvés descreve as metodologias seguidas no âmbito do projeto de criação de um portal coletivo sobre património oral que resulta das recolhas de amadores e profissionais no domínio das ciências sociais e humanas ao longo de várias décadas. O portal pretende dar visibilidade a um extenso arquivo sonoro e audiovisual, em grande medida pouco conhecido e disperso por várias organizações. As iniciativas em torno da acessibilidade a repositórios de informação são hoje uma tendência que tem a ver também com as potencialidades que oferecem as novas tecnologias e a Internet para o património / conhecimento / cultura e que se têm traduzido em muitos projetos de digitalização na Europa e na criação de bases de dados em rede (p. ex. Europeana). Neste sentido, a ênfase atual na valorização do PCI permite, assim, o surgimento de projetos, como é o caso deste portal dedicado ao património oral.

Um aspeto relevante é levantado por Christian Hottin, ao argumentar a distinção entre o património etnológico e o PCI e, por sua vez, o papel atribuído à investigação no contexto do que significa a salvaguarda nos moldes propostos pela convenção. O autor descreve, grosso modo, a política definida para o património etnológico francês nos últimos trinta anos, fortemente alicerçada no desenvolvimento de investigação científica, para justificar a criação de um inventário para o PCI apoiado em programas de investigação (e através das redes de investigadores e centros de investigação já existentes no âmbito da antropologia), ainda que de acordo com a convenção os inventários sejam acima de tudo um instrumento de reconhecimento e possam não estar vinculados à investigação propriamente dita. Como se pode constatar, no caso francês, a tradição de trabalho com o património etnológico determinou indelevelmente os moldes em que se operacionalizou o inventário, em estreita relação com o desenvolvimento de uma estratégia de investigação e de trabalho de terreno.

Sobre o contexto regional destaca-se o texto de Charles Quimbert, que dá voz ao trabalho desenvolvido na Bretanha e à forma como se foram esboçando os eixos de intervenção com relação a uma política favorável à salvaguarda do PCI, incluindo, ainda, uma abordagem do caso dos ateliês de bordados de Puy-en Velay e Alençon (perspetiva histórica, funcionamento, candidatura à lista representativa).

A segunda parte do livro introduz ao leitor uma outra dimensão da Convenção de 2003, designadamente a inscrição de elementos do PCI na categoria de “património da humanidade”. Efetivamente, a convenção prevê dois instrumentos principais – uma lista representativa e uma lista de salvaguarda urgente, não esquecendo uma base de dados de boas práticas, porventura menos conhecida. Além da experiência francesa na preparação de candidaturas (uma dezena de projetos foram submetidos ao Ministério da Cultura), aliás, suficientemente ilustrativa (quem avalia, procedimentos, seleção, critérios, recomendações, prazos, exemplos, etc.), assume particular interesse o balanço que Cécile Duvelle (atual chefe de secção do PCI na UNESCO e secretária da Convenção de 2003) faz da primeira fase de candidaturas às listas, não escondendo as fragilidades e as expetativas defraudadas do processo, nomeadamente a corrida à lista representativa em detrimento da lista de salvaguarda urgente, bem como a marginalidade do catálogo de boas práticas.

Ainda que não perca de vista o sentido crítico (p. ex. no texto de Khérif Khaznadar), o livro assume, em grande medida, um tom descritivo e, nalgumas situações, quase operativo. Os anexos são disso reflexo e incluem exemplos de fichas de inventário e candi­daturas, formulários, calendarização, etc. No entanto, tal pode ser de grande utilidade para todos aqueles que trabalham em projetos de valorização do PCI e na definição de políticas da sua salvaguarda nas instituições culturais, seguindo o discurso oficial. Além disso, atendendo ao caráter experimental e recente destas políticas, publicações como esta são um contributo válido para relativizar criticamente as várias interpretações de que a Convenção de 2003 é objeto.

****

Para citar este artigo:

– Referência do documento impresso

Ana Carvalho, « Christian Hottin (org.), Le patrimoine culturel immatériel: Premières expériences en France », Etnográfica, vol. 17 (2) | 2013, 430-432.

– Referência electrónica

Ana Carvalho, « Christian Hottin (org.), Le patrimoine culturel immatériel: Premières expériences en France », Etnográfica [Online], vol. 17 (2) | 2013, colocado online no dia 20 Junho 2013, consultado no dia x de x de 2013. URL : http://etnografica.revues.org/3179

  1. Aprovaram a Convenção de 2003 148 países, comprovando o sucesso deste normativo (cf.<http: /  / www.unesco.org / eri / la / convention.asp?KO=17116&language=E>, consultado a 30 / 4 / 2013). []

La médiation culturelle: le sens des mots et l’essence des pratiques

Capa do livro “La Médiation Culturelle…”. Imagem daqui.

Lafortune, Jean-Marie, dir.  (2012). La médiation culturelle: le sens des mots et l’essence des pratiques. Québec: Presses de l’Université du Québec (Collection Culture et publics). ISBN: 978-2-7605-3362-2. 222 páginas.

O livro explora o conceito de mediação cultural a partir de experiências e estudos de caso no Québec, Canadá. Este é um conceito que suscita diversos entendimentos e alguma ambivalência. Entre nós, o conceito tem pouca utilização, ainda que a mediação cultural seja uma prática recorrente em vários contextos, nomeadamente nos museus. Apesar de um enquadramento específico, o Québec tem já uma tradição forte no desenvolvimento do conceito, incluindo uma dinâmica diferente em termos de formação e de práticas, este livro pode ser de grande utilidade para quem estuda e trabalha sobre estas matérias.

O primeiro capítulo contextualiza as práticas de mediação cultural e o conceito no Québec, abordando as mudanças recentes no âmbito das políticas culturais e o papel da cultura no desenvolvimento, incluindo iniciativas locais de inclusão social. Este capítulo aborda ainda as transformações ocorridas no contexto cultural e das práticas artísticas tendo em conta a “revolução” digital e apresenta várias experiências realizadas em Montréal.

O segundo capítulo explora os desafios académicos, profissionais e políticos ligados ao aparecimento de uma nova categoria de actores – os mediadores culturais, examinado o seu perfil e competências, através de vários testemunhos de profissionais/mediadores que trabalham na área do património e dos museus.

O terceiro capítulo apresenta uma abordagem dos desafios implicados na aplicação da mediação cultural em contexto teórico, institucional e sociocultural. Esta análise inclui uma reflexão sobre os limites da acção dos mediadores culturais, debatendo-se também a questão dos “não públicos” e a necessidade de implementar acções concertadas no sentido de uma maior participação, acções que verdadeiramente ultrapassam o domínio cultural e artístico.

O quarto capítulo desenvolve o tema da avaliação, dos impactos e das metodologias e o quinto capítulo apresenta doze estudos de caso (museus, bibliotecas, centros culturais, teatros, etc.) da região do Québec, explorando diversos projectos de mediação cultural (que actores, que público alvo, que objectivos, que metodologias, que actividades, que problemas, etc.).

 Jean-Marie Lafortune, coordenador do livro,  é Professor no Departamento de comunicação Social e pública da Universidade do Québec em Montréal (Canadá) e director de programas em animação e investigação cultural. É ainda editor-chefe da revista internacional “Animation, territoires et pratiques socioculturelles” (criada em 2010).

Resumo do livro divulgado pela editora:

La médiation culturelle s’impose comme le modèle d’action privilégié au Québec depuis une décennie. Permettant de jeter des ponts entre l’art, la culture et la société, elle favorise la participation culturelle, mais aussi la culture de la participation. Les milieux institutionnels l’adoptent afin d’étendre leur audience, alors que les milieux socioartistiques s’en servent pour mieux œuvrer au renforcement de la citoyenneté. Dans notre société du spectacle et des identités, la médiation culturelle peut soutenir la mise en commun des références culturelles et l’invention de nouvelles solidarités : elle établit une relation de qualité entre les publics et les œuvres légitimes et développe les moyens de l’épanouissement légitime des populations.

Conjuguant débats théoriques et études de cas, cet ouvrage aborde les principaux enjeux que soulève la médiation culturelle à partir d’une approche sociohistorique. Le volet historique retrace les conditions d’émergence des pratiques et du concept de médiation culturelle au Québec, liées à la transformation des politiques et des pratiques culturelles. Le volet social dépeint les dispositifs de médiation mis en place et dégage les principaux défis auxquels font actuellement face les médiateurs culturels, incluant l’évaluation de leur action.

Tant les intervenants culturels que les chercheurs et les étudiants, notamment dans le domaine des arts, de la communication, de l’éducation, du loisir, de la muséologie et de la sociologie, seront intéressés par la réflexion inédite et systématique sur le renouvellement des approches et des pratiques relatives à la production et à la diffusion artistique et culturelle que propose ce livre.  (fonte: Presses de l’Université du Québec)

Conteúdos:

PRÉFACE
Jean Caune
INTRODUCTION
Jean-Marie Lafortune
SOURCES DE LA MÉDIATION CULTURELLE
Jean-Marie Lafortune et Danièle Racine
. Émergence des pratiques et du concept
. Transformation des politiques culturelles et du rôle de la culture
. Nouveaux rapports à la culture et à la création
ACTEURS ET DISPOSITIFS DE LA MÉDIATION CULTURELLE
Jean-Marie Lafortune et Caroline Legault
. Compétences nouvelles ou nouvel agencement de compétences?
. Dispositifs institutionnels et dispositifs socioartistiques
. Regards de médiateurs en milieu muséal et patrimonial
ENJEUX ET LIMITES DE LA MÉDIATION CULTURELLE
Jean-Marie Lafortune
. De la médiation comme critique à la critique de la médiation
. Les non-publics: entre bonne volonté et mauvais goût culturel
MESURES ET DÉMESURES: LES LEÇONS DE L’ÉVALUATION
Louis Jacob
. Approches de l’évaluation
. Quels impacts?
. Repères méthodologiques
. Processus et résultats
. Principes de base
LA MÉDIATION CULTURELLE EN DÉBAT À PARTIR D’ÉTUDES DE CAS
Introduction par Jean-Marie Lafortune et Jean-Marc Fontan
. La médiation culturelle entre valeurs esthétiques et valeurs sociales
. La médiation culturelle et la question identitaire
. La médiation culturelle ou l’art communautaire
. La médiation culturelle et les nouvelles formes de collaboration
. La médiation culturelle et la muséologie sociale
. La médiation culturelle et la place de la culture dans l’éducation
CONCLUSION
Jean-Marie Lafortune

Além de Jean-Marie Lafortune e Jean Caune (prefácio) participaram no livro: Anouk Bélanger, Nathalie Casemajor, Jean Caune, Jean-Marc Fontan, Louis Jacob, Louise Julien, Marie-Hélène La Mothe, Ève Lamoureux, Michel Lefebvre, Caroline Legault, Pascale Malenfant, Marie-Andrée Manseau, Maryse Paquin, Marie-Claude Plasse, Eva Quintas, Danièle Racine, Audrey Rousseau, Julie Simard e Emmanuelle Sirois.

“New trends in museology”

Mensch, Peter van, e Léontine Meijer-van Mensch. 2011. New trends in museology. Celje, Slovenia: Museum of Recent History Celje. 119 páginas. ISBN 978-961-6339-29-2.

Inicio esta temporada com uma sugestão de leitura, o livro “New trends in museology”. Com pouca divulgação entre nós, esta publicação, de 2011, merece destaque (também não está disponível nos sites generalistas como a amazon)[1]. O livro, da autoria dos museólogos van Mench, conhecidos pela sua relação com a academia de Reinwardt, em Amesterdão, apresenta um conjunto de tópicos que são considerados pelos autores como tendências centrais na museologia contemporânea. Assim, o livro organiza-se em torno de seis capítulos que correspondem em grande medida a seis grandes temas: as colecções na sua relação com as exigências da contemporaneidade (ex. as colecções como um meio ou como um fim?); a aprendizagem e o papel da “experiência” em contexto museológico; a participação como um dos grandes paradigmas do séc. XXI (inclusão, responsabilidade social, nova museologia, crowdsourcing e outras estratégias de participação, etc.) a avaliação da performance dos museus (um tema com cada vez mais relevo actualmente); os museus e o património de acordo com uma perspectiva integrada (incluindo o património cultural imaterial) e cruzando aspectos como a interdisciplinaridade, as biografias culturais, as redes temáticas, etc.); e, finalmente as questões éticas.

O livro resulta de uma série de workshops temáticos que tiveram lugar na Eslovénia em 2007, 2008 e 2009, organizados em colaboração com a “Celje School of Museology” (integra o “Museum of Recent History Celje”, que editou este livro). Embora os temas tenham sido desenvolvidos com enfoque para o contexto esloveno, a abordagem que o livro oferece corresponde a um olhar que extrapola este âmbito para situar as problemáticas e tendências identificadas a uma escala europeia. Como os autores sublinham:

“The book is not about the future. The book is about trends, trends that reflect new professional awareness throughout Europe. (…) It was our intention to raise questions, to point at practices and ideas that are relevant to contemporary developments, and to make connections between tendencies, in order to guide you towards a multitude of resources reflecting the present-day professional discourse” (p. 12-13).

As tendências actuais (e as mudanças) são hoje múltiplas (externas ao museu, mas também internas), estão inter-relacionadas e influenciam-se mutuamente. Todavia, a sua identificação revela-se fundamental para poder definir prioridades para a construção de estratégias museológicas eficazes. Publicações como esta, ou outras como “Musées et Muséologies. Nouvelles frontières. Essais sur les tendances” (Bergeron, 2005), ou ainda o estudo inglês “Key Trends in Museums of the Future” (2010-2012)[2] são exemplos que reflectem uma percepção cada vez maior da importância em identificar as mudanças que se operam na sociedade e, por sua vez, um papel mais proactivo dos museus neste sentido.

O livro é de leitura fácil e rápida, apresentando algumas das grandes tendências da actualidade (mas não as esgota), ainda que nalguns casos, exploradas de forma pouco aprofundada. De qualquer modo, o livro é um bom ponto de partida para a compreensão do estado da questão sobre muitas das matérias apresentadas.

Pode consultar mais informação sobre os autores no site: http://www.menschmuseology.com/

Referências neste texo:

Bergeron, Yves, ed. 2005. Musées et Muséologies. Nouvelles frontières. Essais sur les tendances. Québec: Musée de la civilisation et Société des musées québécois.

Conteúdos do livro:

The book New Trends in Museology (por Tanja Rozenbergar Sega); New Trends in Slovenia and our Region (por Andreja Rihter); Introduction (por Léontine Meijer-van Mensch e Peter van Mensch); Chapter 1 – Collection development and the concept of “dynamic collections”; Chapter 2 – Learning and experience design; Chapter 3 – Participation; Chapter 4 – Performance measurement; Chapter 5 – Integrated heritage perspectives; Chapter 6 – Museum ethics; References.


[1] Pode fazer a encomenda do livro (15 €) através do seguinte email: tajnistvo@mnzc.si

[2] No âmbito do projecto europeu “The Learning Museum” – LEM (cf. http://www.lemproject.eu) foi criado um grupo de trabalho dedicado ao tema “New trends in museums in the 21st century”. Os estudos desenvolvidos por este grupo serão, entretanto, objecto de publicação.