Arquivo de etiquetas: Património Imaterial

Conferência sobre Património Imaterial: "Inventário, Protecção, Representatividade", Museu Nacional do Teatro, 11 Abril 2008

feira-s-mateus.jpg

Património Cultural Imaterial
Feira de S. Mateus, Elvas
©Ana Carvalho, 20 Set. 2007

A 2.ª conferência de um ciclo de colóquios dedicado ao Património Cultural Imaterial irá ter lugar no póximo dia 11 de Abril de 2008 no Museu Nacional do Teatro, desta vez subordinado ao tema: Inventário, Protecção, Representatividade.

Constituído no cruzamento das artes plásticas e das artes performativas, o Museu Nacional do Teatro é repositório da memória e do conhecimento sobre um tipo de manifestações de particular relevância para a interrogação do património imaterial, com expressão numa multiplicidade de suportes e testemunhos que o museu recolhe, preserva, estuda e divulga.

Conjuntamente com aquele Museu, também as colecções do Museu da Música e do Museu Nacional do Traje constituirão os cenários para a reflexão sobre os limites e os desafios que se colocam à documentação e à divulgação, em contexto museológico, de manifestações imateriais, sendo ainda abordadas outras questões relevantes no âmbito do estudo do património imaterial, tais como as fronteiras entre popular e erudito ou entre padrões sociais e criação individual.

Finalmente, este Colóquio constituirá também o lugar para o debate sobre os normativos nacionais e internacionais de referência para a salvaguarda do Património Cultural Imaterial, respectivamente a Lei de Bases do Património Cultural e a Convenção da UNESCO de 2003.


Programa:

09h30 | Recepção aos Participantes
10h00 | Abertura
10h15 Recolha, Estudo e Divulgação do Património Imaterial: as Colecções do Museu Nacional do Teatro
José Carlos Alvarez (Director do Museu Nacional do Teatro)
10h45 O Efémero, o Imaterial e a Moda
Madalena Braz Teixeira (Directora do Museu Nacional do Traje)
11h15 | Intervalo
11h45 Percursos do Património Imaterial nas Colecções do Museu da Música
Maria Helena Trindade (Directora do Museu da Música)

12h15 |Debate
12h45 | Intervalo para Almoço
14h00 | Visita livre ao Museu Nacional do Teatro
15h00 A Convenção da UNESCO: Inventários e Salvaguarda do Património Cultural Imaterial
Clara Bertrand Cabral (Especialista de Programa – Cultura, CN-UNESCO)
15h30 Aspectos Jurídicos do Património Cultural Imaterial
João Martins Claro (Coordenador da Comissão para o Desenvolvimento da Lei de Bases do Património Cultural, Ministério da Cultura)
16h00 | Debate
17h00 | Encerramento

Inscrição Gratuita (No entanto, é necessário proceder à inscrição)

Organização | Inscrições:
Instituto dos Museus e da Conservação
Departamento de Património Imaterial
Tel: 21-365 08 26 / Email: dpi@imc-ip.pt / www.ipmuseus.pt

Programa Ciclo de Colóquios Património Cultural Imaterial
Programa “Inventário, Protecção, Representatividade”
Ficha de Inscrição

————————–

As próximas conferências:

Memória, Identidade e Projecto
Museu da Luz – 30 MAIO 2008

Saberes e Técnicas: entre o Registo e a Transmissão
Ecomuseu Municipal do Seixal – 27 JUNHO 2008

Terrenos Portugueses: O que Fazem os Antropólogos?
Faculdade de Ciências e Sociais e Humanas – OUTUBRO 2008

Museus Globais: Colecções Etnográficas e Multiculturalidade
Museu Nacional de Etnologia – 7 NOVEMBRO 2008

Instituto dos Museus e da Conservação e o Património Imaterial

maquina-de-escrever.gif

Segundo notícia divulgada no Diário Digital, o Instituto dos Museus e da Conservação irá fazer um inquérito a várias entidades do país sobre o Património Cultural Imaterial, tendo em conta que este património passou a ser uma das responsabilidades deste instituto após a reestruturação da administração pública.

Além disso, é referido que o decreto lei de ratificação da Convenção para a salvaguarda do Património Cultural Imaterial foi publicado esta semana. Portugal ratificou finalmente a Convenção!

Ainda este ano “o IMC vai levar a efeito o inquérito nesta área – que abarca práticas, representações, expressões, artefactos e espaços culturais – para recolher informação junto de universidades, museus e associações de defesa do património.

Uma outra iniciativa ligada ao PCI será a realização de conferências sobre este tema com o objectivo de estimular o debate, sendo o próximo colóquio no dia 11 de Abril no Museu Nacional do Teatro, intitulado “Inventário, Protecção, Representatitividade”.

Fonte: Diário Digital, 28/03/2008

5eme Journee du patrimoine culturel immatériel: "L’immatériel à la lumière de l’Extrême-Orient", 26 Mar 2008

procissao-nossa-senhora-das-salas-anjos.jpg

Património Cultural Imaterial
Procissão Nossa Senhora das Salas, Sines
©Ana Carvalho, 15 Ago. 2007

No próximo dia 26 de Março 2008 terá lugar a 5.ª Jornada do património cultural imaterial, organizada pela Maison des Cultures du Monde. Este ano o tema é o Extremo Oriente L’immatériel à la lumière de l’Extrême-Orient e para o efeito serão convidados representantes da China, Coreia e Japão, países onde a política ligada ao património cultural imaterial tem já tradição.
Este encontro decorrerá entre as 15h00 e as 19h00 na Maison des Cultures du Monde (101, boulevard Raspail, Paris 6ème).

A entrada é livre, mas é necessário realizar inscrição

Programa:

5EME JOURNEE DU PATRIMOINE CULTUREL IMMATERIEL dans le cadre du 12ème Festival de l’Imaginaire organisée avec le soutien de la direction de l’Architecture et du Patrimoine, ministère de la Culture et de la Communication

L’immatériel à la lumière de l’Extrême-Orient

Ouverture de la 5ème Journée du patrimoine culturel immatériel
Par M. Michel Clément, directeur de l’Architecture et du Patrimoine au ministère de la Culture et de la Communication (ou son représentant)
et M. Chérif Khaznadar, président de la Maison des Cultures du Monde et président du Comité culture de la Commission nationale française pour l’Unesco

«Méthode et système de sauvegade du patrimoine culturel immatériel en Chine»
par M. Chen Feilong, professeur à l’Académie chinoise des beaux-arts, directeur de l’Institut de théorie de la littérature et des arts, rédacteur en chef de la revue Théorie et critique de la littérature et des arts, auteur d’une Introduction au patrimoine culturel immatériel (2006)

«La notion de “technique artisanale” en matière de patrimoine culturel immatériel»
(évolution de la notion au cours de l’histoire, système de protection légale de la “technique artisanale” en tant qu’élément du PCI)
par Mme Naoko Sato, spécialiste des questions de propriété culturelle auprès de l’Agence des affaires culturelles du Japon

«La sauvegarde du patrimoine culturel immatériel, un nouveau défi pour les communautés»
(à partir du projet du Centre culturel Asie-Pacifique pour l’UNESCO (ACCU) associant les communautés)
par Mme Ohnuki Misako, directrice de la division de la culture, ACCU

«Activités de sauvegarde du patrimoine culturel immatériel de la République de Corée»
par M. Lee Jae-Phil, directeur de recherche à la division du patrimoine culturel immatériel de la direction du patrimoine de la République de Corée

Débat avec le public et des spécialistes français.

Clôture de la 5ème Journée du patrimoine culturel immatériel
par M. Jean Favier, président de la Commission nationale française pour l’UNESCO

ENTREE LIBRE dans la limite des places disponibles et sur inscription au 01 45 44 72 30

Pour consulter le texte de la Convention pour la sauvegarde du patrimoine culturel immatériel: www.unesco.org

———————–
Fonte: Informação enviada por
Daniel Baillon, conseiller pour la culture
Commission française pour l’UNESCO
57, boulevard des Invalides – 75700 Paris 07 SP
Tel: +33(0)153693838 – Fax: +33(0)153693223
daniel.baillon@diplomatie.gouv.fr – www.unesco.fr

Património Cultural Imaterial: Programa Estágios em Antropologia

procissao-maritima-ns-salvas.jpg

Património Cultural Imaterial
Procissão Marítima Nossa Senhora das Salas
©Ana Carvalho, 15 Ago. 2007

No âmbito da sua actuação sobre o Património Cultural Imaterial, o Instituto dos Museus e da Conservação promove actualmente um Programa de Estágios destinado a enquadrar a participação de Licenciados em Antropologia nos projectos em curso do Departamento de Património Imaterial.

O Programa de Estágios terá início em Maio de 2008, constituindo uma oportunidade de excelência para recém-licenciados em Antropologia que visem a aquisição de competências profissionais especializadas e a participação em projectos de qualidade com vista ao estudo, documentação, inventário e valorização do Património Imaterial.

Veja o regulamento dos estágios aqui

Mais informações:

Instituto Museus e Conservação
Departamento de Património Cultural Imaterial
Palácio Nacional da Ajuda,
Ala Sul, 4.º
1349-021 Lisboa
Tel: 21-365 08 26
Email : paulocosta@imc-ip.pt
URL : www.ipmuseus.pt

CONF: Re-thinking the Role of Intangible Heritage in Museums, Monuments, Landscapes, and Living Communities

between_objects_and_ideas-ich.jpg

Between Objects and ideas – Re-thinking the Role of Intangible Heritage in Museums, Monuments, Landscapes, and Living Communities. Este é o título de um conjunto de conferências sobre Património Cultural Imaterial a ter lugar entre os dias 26 e 29 de Março em Ghent, na Bélgica.

Organização: Province of East-Flanders e Ename Center for Public Archaeology and Heritage Presentation.

Com a colaboração de: ICOMOS International Scientific Committee on Interpretation and Presentation (ICIP); ICOMOS International Scientific Committee on Intangible Cultural Heritage (ICICH); FARO, the Flemish Foundation for Cultural Heritage, and the French Ministry of Culture, Sous-direction Archéologie, Ethnologie, Inventaire et Systèmes d’Information (SDARCHETIS), Mission ethnologie; Gent Congres vzw.

Since the adoption by UNESCO of the 2003 Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, the public role of this major new aspect of heritage documentation, conservation, interpretation, and community involvement has been expanding, offering both challenges and opportunities to scholars and heritage professionals all over the world.

The 78 states-parties who have already ratified or accepted the Convention have initiated national inventories of Intangible Heritage, even as the precise definition, context, and administration procedures for its preservation are still being discussed.

The 4th Annual Ename Colloquium seeks to enrich this ongoing international discussion by presenting innovative contributions from heritage administrators, cultural economists, archaeologists, historians, educators, and cultural policy specialists – as well as practitioners of traditional intangible heritage – under the following three programme themes:

Theme 1. Defining the Boundary between Tangible and Intangible
Is Intangible Heritage merely a new category of heritage subjects? Or does it represent an entirely new approach that must effectively integrate cu-rated objects, protected places, living traditions, and collective memory? Through examples and case-studies we would like to examine how we can identify the tangible dimensions of Intangible Heritage; the intangible dimensions of Material Heritage; and complexity of their interrelation. Is the concept of Intagible Cultural Heritage merely one of classification, or is it perhaps of an entirely different interpretive quality?

Theme 2. The Challenge: Safeguarding or Facilitating?
The UNESCO Convention defines Intangible Cultural Heritage as being transmitted from generation to generation and constantly recreated by communities and groups in response to their environment, their interaction with nature, and their history. In light of this dynamic definition, to what extent can we ever capture or safeguard essential expressions of Intangible Cultural Heritage when they are necessarily and constantly evolving? Does this challenge require as much attention to the frameworks of public participation in heritage as to specific expressions or sites? What innovative projects or programmes have succeeded in bridging this gap?

Theme 3. Who Owns Intangible Heritage?
The traditional structures of heritage administration are often focused on a national level. Certainly this is true in the case of both UNESCO conventions (1972 World Heritage and 2003 ICH), where the States Parties are the critical voices. But if Intangile Cultural Heritage is an expression of community identity on all levels, what of local or regional expressions of culture and identity that may actually be in conflict or tension with the State? What role do traditional rituals, art forms, and crafts play in the political, economic, social, and cultural lives of the individuals and communities that maintain them?

(in site www.enamecenter.org)

Mais sobre o programa aqui!

Mais informações:
http://www.enamecenter.org/

Ciclo de Colóquios "Museus e Património Imaterial" 2008

<careto.jpg

Careto
(Imagem daqui)

Museus e Património Imaterial – agentes, fronteiras, identidades (ciclo de colóquios). Este é o tema de um conjunto de conferências a realizar pelo Instituto Português de Museus e Conservação.

O Instituto dos Museus e da Conservação realiza em 2008 um Ciclo de Colóquios dedicado ao Património Cultural Imaterial, designadamente nos planos do seu estudo e divulgação enquanto testemunho da memória colectiva.

O Ciclo pretende divulgar boas-práticas, a nível nacional e internacional, no âmbito da documentação do património imaterial, em particular no contexto da actividade museológica.

Promove ainda a reflexão alargada sobre a multiplicidade de questões que o tema suscita, em particular na perspectiva dos variados agentes implicados no processo do seu estudo e inventário, com destaque para os museus, as universidades e outras unidades de investigação.

Máscaras Portuguesas: Autenticidade e Reinvenção
Museu Nacional de Soares dos Reis – 22 FEVEREIRO 2008

Inventário, Protecção, Representatividade
Museu Nacional do Teatro – 11 ABRIL 2008

Memória, Identidade e Projecto
Museu da Luz – 30 MAIO 2008

Saberes e Técnicas: entre o Registo e a Transmissão
Ecomuseu Municipal do Seixal – 27 JUNHO 2008

Terrenos Portugueses: O que Fazem os Antropólogos?
Faculdade de Ciências e Sociais e Humanas – OUTUBRO 2008

Museus Globais: Colecções Etnográficas e Multiculturalidade
Museu Nacional de Etnologia – 7 NOVEMBRO 2008

Inscrição Gratuita (No entanto, é necessário proceder à inscrição)

Organização | Inscrições:
Instituto dos Museus e da Conservação
Departamento de Património Imaterial
Tel: 21-365 08 26 / Email: dpi@imc-ip.pt / www.ipmuseus.pt

Programa Ciclo de CólóquiosMuseus e Património Imaterial – agentes, fronteiras, identidades

Sobre a exposição: Rituais de Inverno com Máscaras

Programa “Máscaras Portuguesas: Autenticidade e Reinvenção” – 1.º Colóquio, 23 Fevereiro 2008, Porto.

Ficha de Inscrição – 1.º Colóquio, 23 Fevereiro 2008, Porto. * Inscrição até 20/02/2008

Sobre a Exposição “Rituais de Inverno com Máscaras

A Exposição rituais de inverno com máscaras concretiza um projecto acarinhado pelo Instituto dos Museus e da Conservação, visando a divulgação do Ciclo Festivo de Inverno no Nordeste Trasmontano, que é aqui marcado pela presença de personagens mascarados.

O complexo das celebrações do ciclo do Inverno assume-se como um dos mais expressivos documentos etnográficos acerca da festa popular e das dinâmicas no Portugal rural, simultaneamente nos planos do património material e imaterial.

O projecto foi coordenado cientificamente por Benjamim Pereira, que nas décadas de 1960/70 realizou pesquisas e recolhas de terreno sobre as festividades de Inverno em Trás-os-Montes,
trabalho de que veio a resultar Máscaras Portuguesas (MEU/JIU, 1973), obra de referência para o estudo desta tipologia da cultura material.

No âmbito da coordenação da Exposição, Benjamim Pereira procedeu a incursões ao terreno entre 1999 e 2001, visando a actualização do corpus documental recolhido três décadas antes, e promoveu a recolha no terreno dos exemplares de máscaras apresentados na Exposição.

Neste processo, organizou ainda a equipa de antropólogos que, sob prismas complementares, dirigiram o seu olhar para os rituais aqui abordados, tendo ainda colaborado no Documentário que é parte integrante da Exposição.

A exposição beneficiou assim de um levantamento sistemático que retrata a actualidade daquele complexo cerimonial sob o ponto de vista antropológico, traduzido no conjunto de investigações publicadas no Catálogo da Exposição, na realização do Documentário que é parte integrante desta, bem como na constituição em contexto de terreno, da respectiva colecção que integra o acervo do Museu do Abade de Baçal.

*A exposição está patente ao público no Museu Nacional de Soares dos Reis até 20 de Abril de 2008.

II Seminário Internacional da Memória e da Cultura Visual, 15 Março 2008

Terá lugar no próximo dia 15 de Março de 2008 (Sábado) o II Seminário Internacional da Memória e da Cultura Visual.

Local: Auditório Ilídio dos Santos (Cabeceiras de Basto – Portugal)

http://www.agir.pt

Objectivos:

O segundo seminário pretende dar continuidade à primeira edição organizada na cidade da Póvoa de Varzim e constituindo-se com um espaço interdisciplinar e internacional para debater e reflectir as questões relativas à “memória” e à “imagem”. Num mundo cada vez mais glocal, onde a imagem e o filme se sobrepõem ao texto, procurar-se-á conhecer e descodificar valores subjacentes aos mesmos.

Convidam-se assim, todos os interessados a apresentarem e partilharem “viagens” a outras sociedades e culturas e/ou “memórias”, quer sobre a forma de comunicações, posters, vídeos e/ou fotografias.

Temas:

Memória Colectiva
Cultura, Educação e Sociedade
Património e História
Arte e Estética
Cultura Visual e Digital
Publicidade e Cinema

Comissão Científica:
Casimiro Pinto – CEMRI – Laboratório de Antropologia Visual/Universidade Aberta (Portugal)
Ester Massó Guijarro – Departamento de Filosofia da Universidade de Granada (Espanha)
Fernando Cruz – AGIR – Associação para a Investigação Desenvolvimento Sócio ultural /Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Portugal)
Joana Miranda – Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais(CEMRI)/Universidade Aberta (Portugal)
José Ribeiro – CEMRI – Laboratório de Antropologia Visual/Universidade Aberta (Portugal)
Maria das Mercês Covas – Universidade do Algarve, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Departamento de Ciências da Educação e Sociologia (Portugal)
Santiago Prado Conde – Grupo de Investigación EMIGRA (Universitat Autònoma de Barcelona) / Museo Etnolóxico, Ribadavia (Espanha)

Resumos e Comunicações

Resumos: Os resumos deverão ser elaborados em duas das línguas oficiais do Congresso (Português, Espanhol, Inglês e Francês) e deverão conter 250 a 350 palavras, título provisório, tema, nome do autor, instituição, palavras-chave. O texto do resumo deverá indicar umariamente os objectivos da comunicação, enquadramento teórico, metodologia empregue na investigação e resultados eventualmente obtidos.

Envio do resumo por e-mail (em alternativa: disquete ou CD-Rom), até 16 de Fevereiro de 2008.

Apresentação dos textos (resumos e comunicações): Word 97/2000/XP; Times New Roman; tamanho 12; espaçamento entre linhas de 1,5 linhas.

Comunicações escritas: Título definitivo, nome do autor, instituição, palavras-chave, referências bibliográficas, até 30 páginas A4, em disquete/CD-Rom ou e-mail, Word 97/2000/XP, Times New Roman, tamanho 12, espaçamento entre linhas de 1,5 linhas, equipamento ecessário.

Envio das comunicações escritas por e-mail (em alternativa: disquete ou CD-Rom), até 15 de Março de 2008.

Comunicações orais: serão seleccionados para comunicações orais com duração mínima de 12 minutos, os resumos que obedeçam aos requisitos gerais enunciados para os mesmos e cujos participantes se encontrem inscritos no evento, apenas para esta modalidade, até 16 de evereiro de 2008.

Outras informações:

Para todas as apresentações orais serão disponibilizados os seguintes meios: projector multimédia e computador, projector de diapositivos e retroprojector de acetatos.

A avaliação dos resumos será feita pela Comissão Científica e os resumos seleccionados serão publicados nas actas do Congresso. Os autores com resumos seleccionados serão informados por e-mail da aceitação dos mesmos.

A Comissão Organizadora informa ainda que reserva a aceitação definitiva dos resumos de pessoas inscritas no mesmo. Mais informa que não dispõe de recursos para financiar os participantes, pelo que solicita aos mesmos que providenciem recursos, para garantir a sua vinda.

Inscrição:

Associados: 10 euros
Participantes com comunicação: 30 euros
Participantes sem comunicação: 10 euros
Inscrição como associado [1]: 40 euros
Transferência bancária
AGIR – Associação para a Investigação e Desenvolvimento Sócio-cultural
NIB: 0035 0666 000809 51030 20
IBAN: PT50003506660008095103020
BIC: CGDIPTPL
Banco: Caixa Geral de Depósitos
Correio postal ou vale postal
AGIR – Associação para a Investigação e Desenvolvimento Sócio-cultural
Apartado 304
4490 Póvoa de Varzim -Portugal

Formulário de inscrição (SICV2)
×Nome:
×Morada:
×Cód. Postal:
×Localidade:
×País:
×Tel. n.º:
×E-mail:
×Data de Nascimento:
×NIF:
×Habilitações Literárias:
×Profissão:
×Instituição Representada:
×Estudante: Sim: ____ Não: ____ Curso/Universidade:
×Título Provisório da Comunicação:
×Tema do Seminário:
×Equipamento necessário:
×Modo de pagamento:
×Data de Inscrição:
×Só apresentação oral: Sim ____ Não ____
×Só comunicação escrita: Sim ____ Não ____
× Comunicação escrita e apresentação oral: Sim ____ Não ____
×Associado(a) da AGIR: Sim ____ Não ____
×Novos associados: Desejo que a minha inscrição seja convertida automaticamente no pagamento das taxas de inscrição e anuidade de associado (total: 40 euros) na Associação AGIR (válida por 12 meses). Sim ____ Não ____

Enviar:
AGIR – Associação para a Investigação e Desenvolvimento Sócio-cultural
Apartado 304
4490 Póvoa de Varzim – Portugal
ou
agir.associacao@gmail.com ou agir@agir.pt

——————————————————————————–

[1] A inscrição como associado da AGIR, isenta o pagamento de inscrição no evento.

No Museu de Arte Pré-Histórica de Mação aconteceu (…)……

Ciclo de Palestras do Museu de Mação

No dia 24 de Janeiro teve lugar a seguinte conferência:

PATRIMÓNIO INTANGÍVEL: CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E BIODIVERSIDADE

pela Profa. Doutora Cristiane Derani

(livre docente pela Universidade de São Paulo/USP, em Direito Ambiental e Direito Económico, e autora do livro “Direito Ambiental Económico”, editora Saraiva, na terceira edição, no Brasil)

SINOPSE:

As diversas formas de fazer e viver são construídas pelas diferentes culturas, em razão, inclusive da diversidade do ambiente natural em que elas se desenvolvem. O reconhecimento destes saberes, pode indicar caminhos para vidas sociais mais compatíveis com a conservação da natureza. A indústria farmacêutica, por exemplo, tem buscado nestes saberes sua fonte de produção de remédios, levantando uma grande discussão sobre como melhor valorizar a riqueza dos saberes tradicionais, e sobre qual seria a ética de distribuição dos medicamentos desenvolvidos a partir do ancestral conhecimento sobre a natureza.

A par com esta apresentação decorreu o visionamento de um documentário e discussão sobre o mesmo.

Fonte: Lista de discussão “Museum”

CONF: "An integrated approach to safeguard tangible and intangible heritage…"

cairo-seminario-medins-janeiro-2008.jpg

Participantes do seminário, CULTNAT, Cairo
© Alessandro Pernice

O seminário “An integrated approach to safeguard tangible and intangible heritage in the Mediterranean historical centre”, que se realizou no passado dia 14 de Janeiro de 2008 deu lugar a mais uma discussão profícua sobre o Património Cultural Imaterial.

Este encontro foi organizado pela HERIMED e CULTNAT no âmbito do projecto MEDINS – Identity is future: Mediterranen Intangible Space., permitindo a participação de diversas universidades e instituições ligadas à Cultura. Representando a Universidade de Évora esteve presente o Prof. Doutor Filipe Themudo Barata, coordenador da equipa portuguesa do projecto MEDINS.

"An integrated approach to safeguard tangible and intangible heritage…"

vista-sobre-o-cairo.jpg

Egypt. Cairo and Memphis, etc. Cairo. Mosque of Ibn Tulun.
Taken from the Citadel.

[approximately 1920 to 1933]
©The Library of Congress

An integrated approach to safeguard tangible and intangible heritage in the Mediterranean historical centre” é o tema de um seminário público que se vai realizar no Cairo (Egipto), na sede do Center for Documentation of Cultural and Natural Heritage – Cultnat no próximo dia 14 de Janeiro de 2008. O evento é organizado por:

HERIMED – Association for the documentation, preservation and enhancement of the Euro-Mediterranean Cultural Heritage
Cultnat – Center for Documentation of Cultural and Natural Heritage
MEDINS – Identity is future: Mediterranen Intangible Space.

Eis o programa:

09:40 PARTICIPANTS REGISTRATION
10:00 Opening Ceremony
H.E. Ambassador Klaus EBERMANN, Head of DELEGATION OF THE EUROPEAN COMMISSION IN EGYPT
Ghassan Samman, Head of Media & Foreign Affairs at ARAB TOWNS ORGANISATION
Abdulrahman A. Alduaij, Director of Technical Office at ARAB TOWNS ORGANISATION
H.E. Ambassador Claudio Pacifico, Italian Embassy in Egypt
Tana DE ZULUETA, Deputy President of the Commission of Foreign Affaires of the Italian Chamber of Deputies and President of the Commission of Culture of the Euro-Mediterranean Parliamentary Assembly
Gioacchino Vaccaro, Director of the Regional Center for the cataloguing, inventorying and documentation of Cultural Heritage (CRICD) – Sicilian Region (Italy)

10:30 Welcome addresses
Fathi Saleh, President of CULTNAT and President of HERIMED
10:40 Speakers
Fernando Brugman. UNESCO Regional Officer for Intangible Heritage
Alessandra De Caro, Project manager of Medins project and Project Officer at the Regional Center for the cataloguing, inventorying and documentation of Cultural Heritage (CRICD) –Sicilian Region (Italy)
Zoi Margari, Professor at the National Technical University of Athens, TEDKNA scientific consultant, and scientific responsible for Medins project
Olindo Terrana, President of Pit DEMETRA
Filipe Themudo Barata, Professor at the University of Évora (Portugal)
Carlo Bianchini, Professor at the University of Rome “La Sapienza”, RADAAR department
Fathi Saleh, President of CULTNAT and President of HERIMED
Gunhan Danisman, Professor at the Bogazici University of Istanbul (Turkey)
12:45 Debate
13:15 Conclusions
Tana DE ZULUETA, Deputy President of the Commission of Foreign Affaires of the Italian Chamber of Deputies and President of the Commission of Culture of the Euro-Mediterranean Parliamentary Assembly
Coordinator: Roberto Albergoni, Secretary General of HERIMED
14:15 Lunch
15:30 Guided visit to CULTNAT
16:30 Closure

medinslogo.jpg

Conhecer os Bonecos de Sto. Aleixo no Garcia de Resende…

teatro-garcia-de-resende.jpg

Teatro Garcia de Resende, Évora
©Ana Carvalho, Dezembro 2007

Até 22 de Dezembro (sempre às 18h30) irão decorrer representações dos bonecos de Santo Aleixo no Teatro Garcia de Resende em Évora, no contexto desta quadra natalícia.

O reportório dos espectáculos está organizado em torno do “Auto do Nascimento do Menino Jesus”, “O Passo do Barbeiro”, “O Baile dos Anjinhos” e “Saiadas”.

CENDREV
Teatro Garcia de Resende
Praça Joaquim António de Aguiar
7000-510 Évora
Telef: (00351) 266703112
Fax: (00351) 266741181
www.cendrev.com

Inventário do património imaterial da região do Douro

Inventário do património da região Douro
Narradores de histórias recebem diploma inédito

Nove contadores de histórias de Tabuaço receberam sexta-feira o diploma de «Narrador da Memória», atribuído pela primeira vez em Portugal, no âmbito de um plano que visa fazer um inventário do património imaterial da região do Douro.

O diploma é atribuído pelo Museu do Douro que, assim, reconhece o importante papel destes contadores “na transmissão às novas gerações da memória cultural da sua comunidade”, justificou Alexandre Parafita, que compilou o que ouviu da boca deles numa obra, apresentada no I Fórum do Património Imaterial do Douro.

Estes “porta-vozes da memória” têm entre 57 e 82 anos, tendo alguns deles sido encontrados em lares de terceira idade e num centro de dia do concelho. “Comecei a recolha em Janeiro de 2007, percorrendo as aldeias de Tabuaço. Este é um projecto-piloto, que começa em Tabuaço, por ser um dos concelhos do Douro mais rico em lendas, mas vai alargar-se aos outros nos próximos anos”, contou à Agência Lusa o investigador, explicando que estes contadores foram escolhidos atendendo à quantidade e qualidade dos seus testemunhos orais.

Segundo Alexandre Parafita, que é o coordenador científico do projecto, as narrações orais, sejam elas contos populares, lendas, mitos e restante espólio da literatura oral tradicional “fazem parte da memória de um povo” e, “a cada geração, cabe a responsabilidade de passar à seguinte o seu testemunho, para que o fio condutor da memória não seja quebrado”. “Mas os idosos não estão a passar os testemunhos aos netos, porque muitos estão em lares e não convivem com eles.

Está a haver uma quebra”, lamentou, justificando assim a necessidade de que fiquem registados por escrito, para não se perderem as memórias. Em Tabuaço, as paisagens revelam extravagâncias da natureza, com muitas grutas, algumas com formatos estranhos, e também uma capela no cimo de uma escarpa que ninguém consegue explicar como ai foi construída, ingredientes suficientes para criar um ambiente misterioso. “Quando há mistérios que o homem não consegue explicar cientificamente, surgem as lendas”, frisou Alexandre Parafita.

Lendas que José Celestino Moita, de 66 anos, ouviu contar na sua mocidade, entre os sete e os 17 anos, quando andava “na vida de pastor”, e que tem repetido, ainda que menos vezes do que gostaria, e lhe valeram o diploma de “Narrador da Memória”. “Quando eu era novo ouviam-se muitas histórias, até se faziam serões nas povoações. Mas hoje não, os mais novos têm mais com que se entreter e nem ligam a isso”, disse José Celestino.

Fonte: Diário de Trás-os-Montes, 10/12/2007

I Forum do Património Imaterial do Douro

douro.jpg

Douro
Transmissores de património imaterial devem ser valorizados

O director do Museu Nacional de Etnologia, Pais de Brito, defendeu hoje a valorização daqueles que dão a conhecer o património imaterial das regiões, encontrando formas que vão além de colocar as suas informações num arquivo ou num museu

Ao intervir hoje, em Tabuaço, no I Fórum do Património Imaterial do Douro, Pais de Brito afirmou que este património não é «algo de absolutamente configurado, que preexista, expectante», aguardando que o vão lá buscar.

«Será um erro repetir hoje modos de recolha que passavam muito por este pressuposto, de o colector ser apenas o veículo que transportava para o caderno, o arquivo ou o museu coisas materiais ou imateriais que em qualquer lugar se encontravam», considerou.

Segundo o investigador, «hoje a sua procura tem de transportar consigo um processo de partilha onde se redescobrem e se encontram novos sentidos para aquilo que se recolhe».

Neste âmbito, defende a necessidade de a relação que, por exemplo, um etnógrafo estabelece com o seu informante ser «transposta para o acto do presente em que ela se processa, também enquanto criação social», para que estes não fiquem «acorrentados» ao passado.

Pais de Brito afirmou que, actualmente, os etnógrafos podem «ir mais longe» do que os seus colegas dos séculos XIX e XX, valorando de forma dinâmica «os protagonistas do património imaterial».

Deu o exemplo de um homem de uma aldeia que sabe fazer instrumentos de música e é um grande tocador.

«Ao recolher o seu saber, as indicações de construção ou as suas músicas, provavelmente pode ir-se mais longe e ele vir a ser um professor no Conservatório ou numa escola secundária e montar uma oficina onde ensine outras pessoas», explicou.

Também no património imaterial oral pode acontecer o mesmo, sem que se dê atenção «exclusivamente ao objecto oral em si, como a narrativa, o romance, o conto ou o provérbio que depois vai para um arquivo e pode ser consultado e estudado», acrescentou.

Lembrou que a designação de património imaterial é recente e que, mesmo os museus, não trabalhavam muito com esta dimensão.

«É agora a altura de pensar nas metodologias, até no modo de constituição dos arquivos, porque há meios tecnológicos mais sofisticados», frisou, propondo, por exemplo, a gravação em vídeo da pessoa que transmitiu o saber oral e que «pode ser surpreendida e encantada com a sua voz já no museu ou no arquivo».

O I Fórum do Património Imaterial do Douro, dedicado ao tema ‘Novos desafios para velhas memórias’, está a decorrer no âmbito de um projecto-piloto, lançado este ano pelo Museu do Douro, que pretende fazer o levantamento, a salvaguarda e o estudo deste tipo de património da região.

«A intenção do Museu do Douro é tratar o património imaterial como um repositório do saber popular, transmitido de geração em geração, que nos permitirá ir à origem dos mitos, das lendas», justificou o seu director, Fernando Maia Pinto.

Hoje foi já lançada a primeira obra deste projecto, do investigador Alexandre Parafita, que integra narrações orais recolhidas no concelho de Tabuaço.

Segundo Fernando Maia Pinto, o objectivo é continuar o levantamento pelos outros concelhos do Douro, obtendo «tudo o que for possível para ajudar a ter uma compreensão da realidade humana desde a origem dos tempos».

Lusa / SOL

Fonte: site do Sol, 8/12/2007

“Le Patrimoine Culturel Immatériel de l’Europe: inventer son inventaire”

“No Mundo dos Museus” esteve presente no colóquio “Le Patrimoine Culturel Immatériel de l’Europe: inventer son inventaire”, que teve lugar em Paris no passado dia 30 de Novembro. Eis algumas imagens do evento:

galerie-vivienne-paris.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Paris, Galerie Vivienne,
local onde se realizou o colóquio.

interior-da-galerie-vivienne.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Paris, Galerie Vivienne.

interior-galerie-vivienne.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Interior da Galerie Vivienne,
Institut national du patrimoine.

pci-inventer-son-inventaire-1.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Auditorium Colbert. Apresentação de Mila Santova.
Da esquerda para a direita vê-se: Michèle Guelfucci (Córsega),
Chérif Khaznadar (França) e Mila Santova (Bulgária).

pci-inventer-son-inventaire-2.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Auditorium Colbert. Apresentação de Laurier Turgeon.
Da esquerda para a direita vê-se: François Calame (França), Katérina Stenou (UNESCO), Irina Balotescu (Roménia) e Laurier Turgeon (Canadá).

pci-inventer-son-inventaire-3.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Auditorium Colbert. Apresentação de Marc Jacobs.
Da esquerda para a direita vê-se: Katérina Stenou (UNESCO), Magne Velure (Noruega) e Mac Jacobs (Bélgica).

pci-inventer-son-inventaire-4.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Auditorium Colbert. Encerramento do colóquio.
Da esquerda para a direita vê-se: Katérina Stenou (UNESCO), Chérif Khaznadar (França) e Rieks Smeets (UNESCO).

Eis algumas impressões sobre este colóquio:

– Constatação do uso recorrente de diferentes termos para a designação “Inventários”, nomeadamente: questionários, repertório, lista, etc.
– Tensão entre a pesquisa/investigação e a questão da subvenção e politização e reconhecimento do PCI.
– Evidentes contradições entre o que são os objectivos da administração/governos e a investigação propriamente dita.
– Necessidade de homogeneização versus diversidade cultural. A metodologia é a única maneira de salvaguardar esta questão.
– Um inventário ou a multiplicidade de inventários?
-Tensão ente perenidade versus efémero.
– O perigo dos inventários que, aparentemente, falam da oralidade e da imaterialidade, mas na realidade não reflectem a dimensão imaterial.
– Há evidentes dificuldades técnicas na construção de inventários de PCI, salientando-se o risco de destruir o “objecto”.
– Tensão entre a vontade de preservar, mas por outro lado a negação da palavra daquilo que se quer preservar.
– A categorização do PCI é porosa.
– Instrumentalização da noção da comunidade. Noção de comunidade e de PCI é muitas vezes confundida.
– A salvaguarda do PCI, muitas vezes entendida não apenas como estratégia de preservação de um património em risco de desaparecer, mas utilizada em prol do aumento de prestígio e valorização de uma região.
– Risco de perda da noção de PCI por uso abusivo. Por um lado, o imperativo da sua preservação, por outro o risco da sua desvirtuação.
– Nathalie Heinich propôs: Porque não uma salvaguarda imaterial, tendo em conta que o inventário não é a única maneira de salvaguardar este património?

É preciso começar por reconhecer a importância do debate em torno do PCI. O tema, à luz da Convenção para a salvaguarda do património cultural imaterial é relativamente recente, mas tem gerado movimentações políticas várias. Estima-se que até 2008 mais de cem países ratifiquem a Convenção da UNESCO. Portugal incluir-se-á neste rol de países. E tendo em conta o carácter obrigatório da realização de inventários pelos Estados partes importa reflectir em Portugal a breve trecho sobre esta matéria.
Como pudemos constatar a maioria dos países que ratificaram a Convenção encontram-se actualmente na fase de concepção dos seus inventários. Tal como referido neste colóquio apenas 11 países de um universo de 86 apresentaram iniciativas neste sentido. De facto, esta experiência é ainda muito embrionária e tendo em conta a flexibilidade da Convenção ao nível da elaboração de inventários, podemos constatar uma abordagem muito diversa por parte de cada país.
Os inventários são uma importante etapa na implementação da Convenção, no entanto, não são a única medida prevista. Como tal, podem e devem ser encarados como um primeiro passo para outras medidas de salvaguarda.

CONF: "Le Patrimoine Culturel Immatériel de l'Europe: inventer son inventaire"

inventario-pci.jpg

“Le Patrimoine Culturel Immatériel de l’Europe: inventer son inventaire”
Colloque | 30 novembre 2007
L’Institut national du patrimoine – INP
Auditorium Colbert, 2 rue Vivienne, 75 002 Paris
Entrada livre

Au 1er février 2007, 74 États ont ratifié la convention de l’UNESCO sur le patrimoine culturel immatériel. Ce texte élargit la notion de patrimoine aux rites, coutumes, chants, danses et savoir-faire traditionnels et insiste sur l’implication des communautés dans la valorisation de leur patrimoine : il constitue pour nos pays européens un nouveau défi. L’objectif de cette rencontre, qui réunira des spécialistes européens (universitaires, membres d’institutions culturelles), est de développer la réflexion sur ce sujet en confrontant les différentes méthodes de réalisation des inventaires du patrimoine immatériel.

Programa
Comunicado de Imprensa

Colloque organisé avec le soutien scientifique de la mission Ethnologie et en partenariat avec la mission des Affaires Européennes et Internationales de la Direction de l’Architecture et du Patrimoine (DAPA), Ministère de la Culture et de la Communication.

—————————————————————————————-
PROGRAMA

10h00 Introduction, Geneviève Gallot, directrice de l’Institut national du patrimoine, et Michel Clément, directeur de l’architecture et du patrimoine (DAPA).

10h20 Ouverture, La convention de l’UNESCO sur le patrimoine culturel immatériel, contexte et enjeux, Chérif Khaznadar, président de la Maison des Cultures du Monde.

1.Inventaires d’hier, inventaires d’ailleurs
Présidence: Chérif Khaznadar, président de la Maison des Cultures du Monde

10h40 Les formes et les pratiques de l’inventaire ethnographique du domaine européen (XIXe XXe siècles), Daniel Fabre, directeur du Laboratoire d’anthropologie et d’histoire de l’institution de la culture (LAHIC).

11h00 Pratiques des inventaires du patrimoine culturel immatériel dans le cadre de la convention de l’UNESCO, Chiara Bortolotto, LAHIC, et Sylvie Grenet, chargée de mission à la Mission ethnologie, Ministère de la Culture et de la Communication.

11h15-11h30 : Pause

2.La démarche globale: quelle implication des communautés?

11h30 Mila Santova, directrice de l’Institut de folklore de Bulgarie

11h50 Michèle Guelfucci, vice-présidente du Centre des musiques traditionnelles corses et Petru Guelfucci, chanteur.

12h10 : Questions

Déjeuner

3.Quelle grille d’enquête ?

Présidence: Katérina Stenou, directrice de la Division des politiques culturelles et du dialogue interculturel, UNESCO.

14h00 Irina Balotescu, conseillère, Ministère de la Culture et des Affaires Religieuses, Roumanie

14h20 Laurier Turgeon, professeur d’histoire et d’ethnologie, Faculté des Lettres, Université de Laval, Québec.

14h40 François Calame, conseiller en ethnologie, DRAC Haute-Normandie.

15h00: Questions

4.Des inventaires pour la sauvegarde : quelle articulation avec les politiques publiques de protection ?

15H20 Magne Velure, directeur, Ministère de la Culture et des Affaires religieuses, Norvège.

15h40 Marc Jacobs, directeur du Centre fl amand pour l’étude de la culture populaire, Belgique.

16h00 : Pause

5.Patrimoine matériel, patrimoine immatériel: l’effacement des frontières ?

16h20 La base de données Patrimoine immobilier, mobilier et immatériel du Québec et le Répertoire du patrimoine culturel du Québec. État des lieux et perspectives pour l’inventaire du patrimoine immatériel, Daniel Lauzon, conseiller en patrimoine, Ministère de la Culture, Québec.

16h40 Le patrimoine immatériel et matériel de l’Estaque, Marceline Brunet, conservateur régional, Conseil Régional de PACA, Service de l’Inventaire général, et Claudie Gontier,
cellule de recherche du Service de l’Inventaire général, Conseil Régional de PACA.

17h00 Synthèse et débats : Un inventaire pour l’Europe ?

Synthèse de Nathalie Heinich, directeur de recherche au CNRS, Centre de recherches sur les arts et le langage, EHESS
Chérif Khaznadar, président de la Maison des Cultures du Monde.
Katérina Stenou, directrice de la Division des politiques culturelles et du dialogue interculturel, UNESCO.
Rieks Smeets, chef de la section du patrimoine culturel immatériel, UNESCO.
Un représentant du Conseil de l’Europe (sous réserve).

Couverture :
1. Ange du village de Quelven en Bretagne©Chérif Khaznadar/Maison des Cultures du Monde
2. Albanie, polyphonies vocales du pays Lab. Chanteurs de Gjirokastër©Isabelle Montané/Maison des Cultures du Monde
3. Géant du Nord, Jean le Bûcheron, ville de Douai©Françoise Gründ/Maison des Cultures du Monde
4. Gwoka de Guadeloupe©Jean-Paul Dumontier/Maison des Cultures du Monde

Fonte: http://www.inp.fr/