Diversidade Cultural e Museus no Séc. XXI: O Emergir de Novos Paradigmas

MWC Risk Zones - vista global da exposição 2011

Carvalho, Ana. 2015. Diversidade Cultural e Museus no Séc. XXI: O Emergir de Novos Paradigmas. Doutoramento em História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia, Universidade de Évora.

Júri: José Alberto Machado – presidente – (Universidade de Évora); Marta Lourenço (Museu da Ciência da Universidade de Lisboa); José Sobral (Instituto Ciências Sociais, Universidade de Lisboa); Alice Semedo (Universidade do Porto); Ema Pires (Universidade de Évora), Jorge Freitas Branco (ISCTE); Filipe Themudo Barata (Universidade de Évora) – orientador -; Fátima Nunes (Universidade de Évora) – co-orientadora -; Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) – co-orientador.

Resumo:

Este estudo estabelece uma análise comparativa entre três museus com colecções etnográficas: dois museus no contexto internacional: o Museum of World Culture, em Gotemburgo, e o World Museum Liverpool, e, em Portugal, o Museu Nacional de Etnologia. Na era da globalização, o multiculturalismo e a preservação da diversidade cultural representam novos desafios para os museus, em particular para os etnográficos. Não se trata só de conhecer o “Outro”, que está no centro dos museus tradicionais, mas de uma nova perspectiva sobre a diversidade, que se desenvolve também nas nossas sociedades, com as comunidades de imigrantes, que implica que o “Outro” ou “Outros” passaram a fazer parte de “nós”. Diante da emergência de novos paradigmas, este estudo procura reflectir sobre os desafios contemporâneos de uma museologia mais representativa, inclusiva e participativa. Com base na investigação realizada, concluiu-se que, pese embora as diferenças de percurso e de contexto institucional e as diferentes circunstâncias nas quais se enquadram, os três museus reconhecem a alteração do seu papel em função das mudanças sociodemográficas das sociedades em que estão inseridos, todavia, as respostas são variáveis quanto à sua operacionalização nas práticas museológicas.

Cultural Diversity and Museums in the 21st Century: Emerging New Paradigms

Abstract: This study establishes a comparative analysis between three museums with ethnographic collections: two of these museums are in the international museum scene (Museum of World Culture, in Gothenburg, and the World Museum Liverpool) and one museum in Lisbon, the National Museum of Ethnology. With globalization, multiculturalism and the preservation of cultural diversity represents new challenges for museums, especially ethnographic museums. It’s not just about knowing the “other”, which is at the center of traditional museums, it’s about a new perspective about diversity, which is being developed in our societies with the immigrant communities, meaning that the “other” is now part of “us”. Taking in consideration the emerging of new paradigms, this study reflects on the contemporary challenges of a more representative, inclusive and participatory museology. This research revealed that in spite of the differences between the case studies, the three museums recognized that their role is challenged by sociodemographic changes within the societies they operate, however different perspectives are developed.

Boletim ICOM Portugal (série III, n.º 3, Maio 2015)

 

Capa boletim ICOM Portugal 03

O terceiro Boletim do ICOM Portugal é dedicado ao tema do Dia Internacional de Museus: “Museus para uma Sociedade Sustentável”.

O caso de Serralves merece destaque na secção Em Foco, sendo ilustrativo das possibilidades de intervenção dos museus no âmbito da temática da sustentabilidade ambiental. A instituição assumiu nos últimos anos o compromisso de colocar em prática iniciativas mais sustentáveis do ponto de vista ambiental. A dupla brasileira, Mário Chagas e Cláudia Storino, e o português Rui Silvestre oferecem duas Perspectivas complementares sobre os desafios da sustentabilidade. Na entrevista com Luís Raposo, a dimensão económica da sustentabilidade é sublinhada, sendo apontados alguns dos problemas actuais dos museus e possíveis caminhos de futuro.

Na secção In Memoriam o ICOM presta homenagem a profissionais que nos deixaram: Luís Casanovas, Jorge Estrela, Madalena Cabral e o mexicano Carlos Flores Marini.

Nas Notícias ICOM incluem-se os comentários de vários colegas sobre a sua participação em conferências e encontros ligados a museus, e, em Breves, uma selecção de notícias. Há ainda publicações em destaque e uma selecção de eventos em agenda para os próximos meses.

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | EM FOCO: “Museus Para uma Sociedade Sustentável: O Caso de Serralves”, por Marta Morais
08 | PERSPECTIVAS: “Museus Para uma Sociedade Sustentável”, por Mário Chagas e Cláudia Storino; e Rui Silvestre
12 | ENTREVISTA com Luís Raposo
19 | “IN MEMORIAM”: Luís Casanovas, Carlos Flores Marini, Jorge Estrela e Madalena Cabral
25 | NOTÍCIAS ICOM, por Clara Frayão Camacho, Maria João Pinto, Lorena Sancho Querol, e Inês Bettencourt da Câmara
35 | BREVES
37 | PUBLICAÇÕES
44 | AGENDA

Disponível na página do ICOM Portugal: http://bit.ly/1c74bUT

Qual o lugar da cultura no séc. XXI?

CCB

Centro Cultural de Belém, 2012 © Carlitos

 

Qual o lugar da cultura no séc. XXI? Entre 15 e 16 de Abril irão decorrer uma série de conferências sobre cultura no Centro Cultural de Belém (CCB). Trata-se de uma iniciativa do governo. Segundo Jorge Barreto Xavier, Secretário de Estado da Cultura, «pretende-se contribuir para promover uma melhor identificação e proposição da presença da cultura no modelo
de desenvolvimento português e europeu no século XXI.»

No âmbito desta iniciativa irá ter lugar também a mesa-redonda “Conhecer, Explorar e Partilhar o Património Cultural (17 de Abril), entre as 9h30 e as 12h30, na Sala Almada Negreiros (CCB). Entre os convidados destacam-se Alice Semedo, António Lamas, António Mega Ferreira, Augusto Mateus, Guilherme d’Oliveira Martins, Jesus Prieto, Luís Campo e Cunha, João Paulo Sacadora (moderador), e Nuno Vassallo e Silva (boas-vindas). Inscrição através do email: dgpc@dgpc.pt

Mais informações em: http://olugardacultura.pt.

Congresso internacional Lights On… Cultural Heritage and Museums!

LightsOnLogo

O congresso internacional Lights On… Cultural Heritage and Museums! irá realizar-se na Universidade do Porto entre 20 e 22 de Julho de 2015. Organização da Universidade do Porto.

****

Facing serious times of change, museums and other cultural institutions, discuss and reflect, in a deeply and interdisciplinary way, about their role in resilience, sustainability and quality of life of the twenty-first century society.

The XXI century is seen as the Century of Light, as light and light-based technologies are recognized as major economic drivers with the potential to revolutionize it. In that sense, UNESCO proclaimed 2015 the International Year of Light (IYL2015, AIL2015), also “Noting that 2015 coincides with the anniversaries of a series of important milestones in the history of the science of light, including the works on optics by Ibn Al-Haytham in 1015, the notion of light as a wave proposed by Fresnel in 1815, the electromagnetic theory of light propagation proposed by Maxwell in 1865, Einstein’s theory of the photoelectric effect in 1905 and of the embedding of light in cosmology through general relativity in 1915, the discovery of the cosmic microwave background by Penzias and Wilson and Kao’s achievements concerning the transmission of light in fibres for optical communication, both in 1965” (United Nations, A/RES/68/221, 2014).

Such revolution happens and has significant impact on cultural heritage and museums. Aware of the process, this congress joins the international initiatives on the IYL2015, and adopts the concept of light in its broader meaning, that is, not only the form of energy associated with the visible portion of the electromagnetic spectrum, but also all other invisible radiation such as X-rays, ultraviolet, infrared, among many. It aims to raise and enhance awareness for its potential and crucial role in cultural heritage and in inclusive museums.

Assuming a multi and interdisciplinary character, we are sure that it will strengthen the cooperation bonds between professional, scientific and educational communities and provide a platform for sharing experiences and knowledge about important scientific and technological advances in the field, featuring Thematic Sessions, with Plenary Lectures and Oral Presentations, Poster Session and Workshops. The official language will be English and the focus will be on the following topics:

1. Science of vision. The perception of colour as a function of illumination
2. Lighting systems in museums / historical buildings / monuments. Requirements and scientific and technological developments
3. Built environment. Solutions. Energy resources and sustainability
4. Study and safeguard of heritage associated with the production of energy and electric lighting
5. Scientific examination of heritage and analytical applications using different radiation. Research on
i. Materials, technologies, functions and producers
ii. Alteration processes and diagnosis
6. Technologies of communication and mediation
7. Curative conservation and restoration
8. Integrated risk management. Preventive conservation

****

Mais informações em: https://lightsonchm.wordpress.com

Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today

 

Capa do livro Memorylands

Macdonald, Sharon. 2013. Memorylands: Heritage and Identity in Europe Today. Londres: Routledge. 293 páginas. ISBN 978-0-45333-2.

Sharon MacDonald começa o livro chamando a atenção para o facto de a memória se ter tornado uma preocupação central ao longo do séc. XX e XXI, tanto na Europa como em outras partes do mundo. O florescimento dos trabalhos sobre a memória tem sido alimentado, refere a autora, pela angústia quanto à amnésia cultural, com o receio da perda dos vestígios do passado, o desaparecimento daqueles que testemunharam os eventos históricos na primeira pessoa, e o desvanecimento da transmissão intergeracional das memórias. Sublinha ainda que a Europa se transformou na terra da memória – memoryland – obcecada pelo desaparecimento da memória colectiva e com a sua preservação, como fica patente na paisagem com o aparecimento de novos museus, memoriais, sítios de património, placas e instalações artísticas que servem para nos lembrar das histórias que não devem ser esquecidas. Um dos objectivos do livro é identificar os padrões nas abordagens e experiências sobre o passado na Europa, uma vez que a premissa da autora é de que prevalece um repertório de tendências neste domínio, ainda que por vezes contraditórias. E, por outro lado, identificar as variações mais relevantes dessas abordagens.

Sharon Macdonald é professora da Antropologia Cultural na Universidade de York (Reino Unido). É a autora de Difficult Heritage: Negotiating the Nazi Past in Nuremberg and Beyond (Routledge, 2008), Behind the Scenes at the Science Museum (Berg, 2002), Reimagining Culture: Histories, Identities and the Gaelic Renaissance (Berg, 1997). Editou The Companion to Museum Studies (Blackwell, 2006) e The Politics of Display: Museums, Science, Culture (Routledge, 1997). Foi co-autora (juntamente com Gordon Fyfe) de Theorizing Museums: Representing Identity and Diversity in a Changing World (Blackwell, 1996), entre outros.

CONTEÚDOS:

List of figures
Acknowledgments
Prologue

1. The European Memory Complex: An Introduction
2. Making Histories: Europe, Tradition and Other Present Pasts
3. Telling the Past: The Multitemporal Challenge
4. Feeling the Past: Materiality, Embodiment and Place
5. Selling the Past: Commodification, Authenticity and Heritage
6. Musealization: Everyday Life, Temporality and Old Things
7. Transcultural Heritage: Reconfiguring Identities and the Public Sphere
8. Cosmopolitan Memory: Holocaust Commemoration and National Identity
9. The Future of Memory – and Forgetting References

Notes
References
Index

Em venda na Routledge.

Novo número da revista MIDAS online

Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora” no Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves © Carlos Bunga, créditos fotográficos: Felipe Braga. Arranjo gráfico de Elisa Noronha Nascimento

Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora” no Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves © Carlos Bunga, créditos fotográficos: Felipe Braga. Arranjo gráfico de Elisa Noronha Nascimento

O 4.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares está disponível online em http://midas.revues.org.

Varia

Inês Ferreira
Objetos mediadores em museus

Alecsandra Matias de Oliveira
Epopeia paulista: a experiência do ateliê-residência no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo

Andreia Vale Lourenço
Reflexões sobre diversidade de representações, diversidade de públicos e de estratégias interpretativas

Dossier temático: «Museus, utopia e urbanidade»
Sob a coordenação de Helena Barranha e Nuno Crespo

Helena Barranha e Nuno Crespo
Museus, utopia e urbanidade

Rachel Morris
Imaginary museums: What mainstream museums can learn from them?

Roser Calaf e Sué Gutiérrez
La ciudad como museo: Interpretaciones para construir utopía y urbanidad

Maia Morel
Le musée comme outil de remédiation identitaire: Le cas du Louvre-Lens

Catarina Marto
Módulos com maior porosidade em relação à comunidade: Uma sugestão para centros de arte contemporânea

Bárbara Coutinho e Ana Tostões
A exposição com “obra de arte total”: O MUDE como caso de estudo

Ricardo Carvalho e Joana Vilhena
Fazer um museu numa ruína moderna

José Alberto Ferreira
Por uma poética da fragilidade. Para um museu dos Bonecos de Santo Aleixo

Nuno Cera
Ensaio visual

Recensões críticas

Adelaide Duarte
Leonor Oliveira – Museu de Arte Contemporânea de Serralves, os Antecedentes, 1974-1989

David Felismino
Rui Lopes – Museu Académico de Coimbra: Evolução Histórica, Coleções e Proposta de Atualização

Ughetta Molin Fop
Jesús-Pedro Lorente – Manual de Historia de la Museología

Última chamada para 6.º número da MIDAS

SAMSUNG CSC

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares (http://midas.revues.org) tem até dia 31 de Março uma chamada aberta para o 6.º número. Aceitam-se propostas nos seguintes formatos:

– artigos para secção “Varia” (não temática), até 6 000 palavras
– recensões críticas de livros (edições até 3 anos), até 1 500 palavras
– notações (projectos, pequenos artigos), até 3 000 palavras
– artigos para o dossier temático: “Museus, Discurso e Poder” (coord. Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith), até 6 000 palavras

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2015 para: revistamidas@gmail.com

Mais informações em: http://midas.revues.org/622

DOSSIER TEMÁTICO: Museus, Discurso e Poder

Ao longo da sua História, o museu, ao selecionar, acolher, classificar, catalogar e expor objetos, estabeleceu discursos acerca do significado cultural das suas coleções que foram e são determinantes para a formação das memórias coletivas e para os modos como as sociedades lidam com o passado no presente. Esses discursos contribuíram e contribuem ativamente para a formação de valores sociais, morais, políticos e ideológicos. Ao fazê-lo, os museus tanto foram e são instituições de poder como instrumentos do poder. Com o tema Museus, Discurso e Poder pretende-se reunir e publicar um conjunto de artigos acerca da relação dos museus com o poder e da relevância dessa relação no passado e para as sociedades contemporâneas.

Temas a desenvolver

Dar-se-á prioridade aos artigos que abordem o tema da perspetiva dos seguintes tópicos:

– Museus e Globalização;
– Museus e Pós-Colonialismo;
– Museus e Identidades Nacionais;
– Museus e Políticas Culturais e do Património;
– Museus e Propaganda;
– Museus e Educação;
– Museus e as suas Comunidades;
– Museus da Perspectiva dos seus Utentes (inclui visitas de estudo, comunidade, críticos, etc.);
– Museus, Arte e Historiografia;
– Museus, Arte e Género;
– Museus e Mecenato;
– Museus e Comunicação;
– Museus e Tecnologia.

Editores convidados

Paulo Simões Rodrigues é doutorado em História da Arte pela Universidade de Évora e mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, membro do Centro HERCULES – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, e professor auxiliar do departamento de História da mesma universidade. Atualmente é diretor do CHAIA, diretor da comissão de curso do Mestrado de Museologia e adjunto da comissão de curso do doutoramento de História da Arte. As principais áreas de investigação científica são: História e Teoria da Arte dos séculos XIX e XX, Historiografia da Arte, História da Arquitetura e do Urbanismo (séculos XIX e XX), História e Teoria do Património. Colaborou em vários projectos, entre os quais se destaca: Cidade e Espetáculo: uma visão da Lisboa pré-terramoto, recriação, em tecnologia Second Life, da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755 (CHAIA); Connecting Cities, plataforma online sobre a cidade virtual, no contexto da história da arquitetura e urbanismo (CHAIA).

Laurajane Smith é professora e diretora do Centre of Heritage and Museum Studies (School of Archaeology and Anthropology, Australian National University). Anteriormente ocupou vários cargos, nomeadamente na Universidade de York (Reino Unido), na Universidade de Nova Gales do Sul (Sydney, Austrália) e na Universidade Charles Sturt (Albury-Wodonga, Austrália). As suas áreas de investigação incluem o entendimento do património como um processo performativo. É autora de Uses of Heritage (2006), Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), e co-autora de Heritage, Communities and Archaeology (2009, com Emma Waterton). Entre os seus livros editados, incluem-se Heritage, Labour and the Working Classes (2011, com Paul A. Shackel e Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, com G. Cubitt, R. Wilson e K. Fouseki) e Intangible Heritage (2009, com Natsuko Akagawa), todos publicados pela Routledge. Smith é editora do International Journal of Heritage Studies e co-editora (co-general editor), juntamente com William Logan da série Key Issues in Cultural Heritage da Routledge.

“Arquitecturas da cultura” de Nuno Grande

Gulbenkian

Fundação Calouste Gulbenkian © Ana Carvalho

Grande, Nuno. 2009. Arquitecturas da Cultura: Política, Debate, Espaço: Génese dos Grandes Equipamentos Culturais da Contemporaneidade Portuguesa. Tese de doutoramento em Arquitectura (Teoria e História da Arquitectura), Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra. Disponível na íntegra em: http://hdl.handle.net/10316/11786.

Nesta dissertação Nuno Grande (Universidade de Coimbra) escreve sobre a história das políticas culturais na perspectiva da criação dos equipamentos culturais que marcaram a paisagem portuguesa nas últimas décadas. O Museu Calouste Gulbenkian, o Centro de Arte Moderna da mesma Fundação (Lisboa); o Centro Cultural de Belém (Lisboa); e o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (Porto) são os quatro estudos de caso em análise nesta tese de doutoramento.

Resumo: Esta dissertação desenvolve uma análise sobre o recente protagonismo dos Grandes Equipamentos Culturais na afirmação política, cultural e social, das cidades e da sua arquitectura, no quadro da cultura urbana ocidental e, particularmente, da portuguesa. Essa análise, desenvolvida de forma evolutiva, parte da constatação de que uma nova “geo-política” da Cultura – aqui entendida como política e prática de poder – se foi afirmando na Europa, entre o II pós-Guerra e o final do século XX; isto é, entre a democratização e a modernização encetadas pelos Estados-providência, nas décadas de 50 e 60, e a Globalização dos sistemas políticos, económicos e culturais do fim-de-século, passando ainda pela “viragem” pós-moderna gerada no seio da “contracultura” circa 68, mas também, no universo neo-liberal e conservador da década de 80. No caso português, essa leitura tem em conta o desfasamento histórico gerado pela longa manutenção política do regime do Estado Novo, pela conquista tardia de muitos direitos sociais após a Revolução de 25 de Abril de 1974, mas também pela necessária contemporização cultural com o resto da Europa, após a adesão do país à CEE, em 1985. A dissertação pretende assim demonstrar como ao longo dessa relação sequencial entre política cultural, debate interdisciplinar e espaço arquitectónico, se foram definindo, em diversos sentidos e tempos, novas “arquitecturas da Cultura”; mas também, como, em Portugal, estas arquitecturas se colocaram, precisamente, no centro de um ”curto-circuito” – conceito resgatado ao sociólogo Boaventura de Sousa Santos – entre uma modernização tardia e a aceitação inadiável de valores de aculturação pós-modernos, na Arte, na Cultura e na Sociedade. Nessa demonstração, utilizam-se quatro casos-de-estudo, situados em Portugal – a Sede e Museu Calouste Gulbenkian (Lisboa, 1959-1969); o Centro de Arte Moderna da mesma Fundação (Lisboa, 1979-1983); o Centro Cultural de Belém (Lisboa, 1989-1993); e o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (Porto, 1994-1999) – instituições e arquitecturas lançadas no âmbito de políticas e práticas culturais temporalmente precisas, cuja génese acompanhou e corporizou, década-a-década, não apenas a descrita evolução internacional, como também esse “curto-circuito” histórico tão distintivo da contemporaneidade Portuguesa.

Abstract: This essay analyses the recent role of the so-called Great Cultural Institutions within the political, social and cultural affirmation of cities and their architecture, in what concerns Western urban cultures and, specifically on the Portuguese context. On a chronological stand, this analysis accepts that a new “geopolitics” of Culture – understood in the frame of politics and practises of power – has emerged in Europe, between the second post-war period and the end of the XX century; that is, between the Welfare State democratization and modernization process, in the 50’s and 60’s, and the political, economical and cultural Globalization, at the end of the century, as well as considering the post-modern “turn” generated amongst “counter-cultural” movements circa 1968, but also amongst neo-liberal and conservative inputs during the 80’s. In the Portuguese situation, this analysis enhances the historical gap generated by the country’s long political dictatorship (the Estado Novo regime), the delayed conquest of several social rights post-Revolution of April 25th, 1974, but also the recent cultural acceleration to cope with other European societies, especially after the country joined the EEC, in 1985. This essay aims, thus, to demonstrate how this sequential relation between cultural politics, interdisciplinary debate and architectural space, has generated, in many senses and periods, new “Architectures of Culture”; but also, how these architectures placed themselves inside a kind of “short circuit” – evoking an idea by Boaventura de Sousa Santos – established between a delayed Modernization and an inevitable insertion within Postmodern values, in Art, Culture and Society. This demonstration is applied to four Portuguese case studies – the Museum Headquarters of the Calouste Gulbenkian Foundation (Lisbon, 1959-1969); the Modern Art Centre at the same institution (Lisbon, 1979-1983); Belém Cultural Centre (Lisbon, 1989-1993); and Serralves Contemporary Art Museum (Porto, 1994-1999) – institutions and architectures erected in the scope of timely cultural politics and practices, which reflect not only that international evolution, decade-after-decade, but also the above mentioned historical “short circuit” so distinctive of contemporary Portugal.

Um ferramenta para o diálogo intercultural

Intercultural

Imagem da exposição “7 mil milhões de outros” (Museu da Electricidade)

Tanguay, Pierre, Hannelore Franck, Yasmine Heynderickx, e Anaïs Masure. 2014. A Intercultural Tool for Museums. 37 páginas. Disponível online.

A Intercultural Tool for Museums é uma grelha de análise concebida para ajudar investigadores e profissionais do sector do património e dos museus no planeamento de iniciativas para o envolvimento de diferentes comunidades, visando o diálogo intercultural.

Esta ferramenta foi criada por uma equipa multidisciplinar de investigadores da Universidade do Quebeque (Montreal, Canadá) e da Universidade de Antuérpia (Bélgica) sob a coordenação de Bruno Verbergt and Yves Bergeron. Foi inspirada no programa de cidades interculturais do Conselho da Europa e resulta de um estudo comparativo de quatro museus de cidade em três países: Montreal History Centre (Canadá), MAS | Museum aan de Stroom (Bélgica), STAM | Ghent City Museum (Bélgica), e Museum Rotterdam (Holanda). O estudo analisou a performance destes museus no âmbito da promoção do diálogo intercultural. Que estratégias desenvolvem para promover o diálogo intercultural? Como é entendido o seu papel? Que programas e iniciativas são planeadas e como se enquadram nas políticas mais alargadas da cidade/país? Que competências interculturais? – foram algumas das questões de partida do estudo.

A grelha compreende três níveis de análise, que de uma forma transversal dão enfoque a aspectos de planeamento estratégico e de governança, assim como a aspectos relativos à programação (colecções, exposições, educação, e ainda competências). Um primeiro nível diz respeito a um enquadramento mais alargado do museu/instituição no contexto onde se insere (contexto sócio-demográfico; quadro político de âmbito local, regional, nacional, ou internacional; panorama das instituições congéneres e afins com possível mandato nesta área, seja como parceiros ou concorrentes; contexto de governança – outros actores aos quais o museu responde). O segundo nível corresponde ao museu/instituição propriamente dito, sendo analisada a forma como se posiciona na sociedade (que visão, missão, valores, recursos, estrutura, programação, colecções, públicos) e qual o perfil da sua abordagem quanto à promoção da interculturalidade. Um terceiro nível refere-se à análise dos projectos desenvolvidos: que objectivos, que resultados internos e externos, que impacto?

A Intercultural Tool for Museums é apresentada como uma ferramenta que pode ser aplicada em qualquer tipo de museu ou instituição ligada ao património que pretenda desenvolver projectos com diferentes comunidades.

Call for Papers: II Encontro Indústria, História, Património

© Ana Carvalho

© Ana Carvalho

O II Encontro Indústria, História, Património irá ter lugar em Tomar nos dias 16, 17 e 18 de Abril de 2015. A comissão organizadora aceita propostas para comunicações até 13 de Março de 2015.

****

A Rede Indústria História e Património, constituída em Novembro de 2012, reúne unidades de investigação e outras entidades e investigadores interessados nos domínios genericamente sintetizados sob a designação Indústria, História, Património.

A RIHP constitui um espaço, aberto e plural, de reflexão e debate interdisciplinar e visa promover o desenvolvimento de actividades de instituições, organizações e indivíduos, portugueses e de outros países, que se interessam pela indústria enquanto realidade social global determinante na história do mundo contemporâneo, nomeadamente na sua relação com o desenvolvimento económico e social, compreendendo o património cultural imaterial e material (tecnologia e saber-fazer técnico, práticas sociais e culturais, infraestruturas, construções, equipamentos e objetos, sítios e paisagens) que lhe está associado.

A RIHP prossegue, entre outros, o propósito de promover e organizar encontros científicos destinados a apresentar e partilhar conhecimentos no domínio da História, Indústria e Património.

O II Encontro Indústria, História, Património realizar-se-á nos dias 16, 17 e 18 de Abril de 2015, em Tomar. Pretende-se que este Encontro internacional seja fórum de discussão aberto e pluridisciplinar, dedicado à apresentação de estudos no domínio da história da indústria enquanto realidade social global, compreendendo o património material e imaterial (tecnologia, saber-fazer técnico, práticas sociais e culturais, infraestruturas, construções, equipamentos e objectos, sítios e paisagens).

Através da realização deste Encontro, a RIHP associa-se às comemorações do Ano Europeu do Património Técnico e Industrial, que terão lugar em 2015.

Convidam-se todos os investigadores a participar neste Encontro, que procurará reflectir sobre a problemática da industrialização e das dinâmicas de articulação entre história, indústria e património, considerando o contexto político, económico, social, cultural e geográfico em que se inserem.

Neste Encontro de 2015, propõem-se as seguintes perspectivas temáticas:

– História da indústria;
– Arqueologia industrial;
– Indústria, industrialização e desindustrialização no período contemporâneo;
– Indústria, industrialização e desindustrialização no período contemporâneo;
– Sociedade industrial. Agentes e actores;
– Património industrial;
– Museus de/em antigas fábricas e sítios industriais.

O Encontro reúne intervenções proferidas por conferencistas convidados e a apresentação de comunicações submetidas através de call for papers. A selecção das propostas será orientada pelo propósito de garantir o máximo de qualidade dos trabalhos, quer das apresentações, quer dos debates.

Submissão de propostas: 5 de Janeiro a 13 de Março de 2015
Data de comunicação do resultado da submissão: 1 de Abril de 2015
Enviar: título da comunicação, resumo (700 palavras), afiliação e currículo académico (300 palavras), 5 palavras-chave
Línguas do congresso: Português, Espanhol, Francês e Inglês
Cada comunicação terá a duração de 15 minutos.

Por favor envie a sua identificação (nome, filiação institucional e endereço electrónico) bem como o resumo da comunicação por e-mail para: rihprihp@gmail.com

Comissão Organizadora:
Maria Fernanda Rollo (IHC – FCSH/UNL)
Graça Filipe (IHC – FCSH/UNL e Câmara Municipal de Tomar)
Filipe Silva (IHC – FCSH/UNL)
Susana Domingues (IHC – FCSH/UNL)

Comissão Científica:
Ana Cardoso de Matos (CIDEHUS – UE)
Deolinda Folgado (IHC – FCSH/UNL e DGPC)
Elisa Calado Pinheiro (IHC-FCSH/UNL e CEIS 20)
Graça Filipe (IHC – FCSH/UNL)
Hugues de Varine
João Paulo Avelãs Nunes (CEIS20 e FL-UC)
Jorge Custódio (IHC – FCSH/UNL)
Jorge Fernandes Alves (CITCEM e UP)
José Manuel Lopes Cordeiro (Universidade do Minho/APPI-TICCIH Portugal)
Maria de Fátima Nunes (IHC-CHEFCI e UE)
Maria Fernanda Rollo (IHC – FCSH/UNL)

(Fonte: http://historia-patrimonio-industria.blogspot.pt)

Perspectivas da Conservação Preventiva

imagem de figura no interior da tese

imagem de figura no interior da tese 

Homem, Paula Menino. 2013. Corrosão Atmosférica da Prata: Monitorização e Perspetivas de Conservação Preventiva. Tese de doutoramento em Museologia, Universidade do Porto. Disponível na integra no repositório da Universidade do Porto.

Defendida há pouco mais de um ano, destacamos a tese de doutoramento de Paula Menino Homem no âmbito da conservação preventiva. Professora na Universidade do Porto, onde é directora do curso de mestrado em museologia, Paula Menino Homem concluiu com esta tese uma etapa de um trabalho de vários anos. Tratou-se de uma investigação aplicada visando um melhor entendimento do processo de corrosão atmosférica conducente ao escurecimento dos artefactos em prata, para sua prevenção.

Resumo: A corrosão atmosférica da prata e suas ligas conduz ao seu escurecimento e constitui um problema, com especial interesse para o impacte no setor do património cultural. Neste contexto, estudou-se o processo, com o objetivo de melhor o entender e perspetivando a sua prevenção. Considerou-se a prata pura (Ag 999‰) e a liga conhecida por prata portuguesa ou esterlina (Ag 925‰). Numa primeira fase, investigou-se o seu comportamento recorrendo a ensaios laboratoriais em atmosferas controladas de NaCl e de H2S, permitindo testar a aplicação de diferentes técnicas de monitorização e análise, obter referenciais relativos a produtos de corrosão e estabelecer parâmetros para sua identificação, através de microscopia eletrónica de varrimento acoplada à microanálise por raios X, voltametria cíclica e de varrimento linear e espetroscopia de fotoeletrões de raios X. O recurso a câmara fotográfica digital como colorímetro tristimulus e ao programa Adobe Photoshop®, explorando o sistema CIELab, revelou-se simples e eficiente na monitorização das alterações colorimétricas. Estudou-se caso aplicado a espaços naturalmente ventilados, de exposição em ambiente não confinado/confinado em vitrina, ambos na Catedral do Porto. Usaram-se amostradores metálicos para mimetizar e investigar reações dos artefactos, em função de condições ambientais sazonais e de exposição anual. O processo revelou-se complexo, influenciado pelas condições termohigrométricas e pela qualidade do ar, tendendo a desacelerar com o tempo. Dele, sobressaem a presença e reações de partículas salinas, mormente cloretos e sulfatos. A Ag 925‰ manifestou-se mais reativa que a Ag 999‰. Detetaram-se óxidos e cloretos de prata e óxidos, hidróxidos, cloretos e hidroxicloretos de cobre. Sulfuretos de prata, só após exposição anual, maioritariamente na Ag 999‰ e em contextos não dominados por cloretos, mas por partículas de sulfatos, em especial de amónio.

Abstract: The atmospheric corrosion of silver and its alloys leads to its tarnishing and is a problem, with particular interest for the impact in the cultural heritage sector. In this context, the process was studied, aiming its better understanding and envisaging its prevention. Pure silver (Ag 999‰) and the alloy known as Portuguese or Sterling silver (Ag 925‰) were considered. In a first stage, its behavior was investigated by means of laboratory essays with controlled atmospheres of NaCl and H2S, allowing to test the application of different monitoring and analysis techniques, to obtain referential concerning corrosion products and setting parameters for their identification by scanning electron microscopy coupled with X-ray microanalysis, cyclic and linear sweep voltammetry and X-ray photoelectron spectroscopy. The use of a digital still camera as a tristimulus colorimeter and Adobe Photoshop® software, exploring the CIELab system, proved to be simple and efficient in monitoring colorimetric alterations. A case has been studied, applied to naturally ventilated exhibition spaces, not confined/confined to showcase, both in Porto Cathedral. Metal samplers were used to mimic and investigate reactions of artifacts, in function to seasonal environmental conditions and annual exposure. The process proved to be complex, influenced by thermohygrometric conditions and air quality, tending to slow down with time. From it, the presence and reactions of salt particles, mainly chlorides and sulphates, stand out. The Ag 925‰ is more reactive than Ag 999‰. The corrosion products detected were silver oxides and chlorides and copper oxides, hydroxides, chlorides and hydroxichlorides. Silver sulphides were detected only after one year exposure, mainly in the Ag 999‰ and in contexts not dominated by chlorides, but by particles of sulphates, especially ammonium.

 

RP Revista Património 1 e 2

Revista Património 2

O segundo número da Revista Património (RP) foi lançado em Dezembro. Trata-se de uma revista anual e impressa da Direção-Geral do Património Cultural, editada em parceria com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda. Tem como director o arquitecto Manuel Lacerda (chefe de divisão de Documentação, Comunicação e Informática), e conta com a coordenação da historiadora Deolinda Folgado (chefe de divisão do património móvel, imóvel e imaterial).

A nova revista é o resultado de dois projectos editoriais anteriores, a revista Estudos/Património (ed. Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico – IPPAR, e depois Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico – IGESPAR; 2001-2011) e a Muselogia.pt (ed. Instituto dos Museus e da Conservação – IMC; 2007-2011). A reestruturação e fusão de organismos públicos traduziu-se na necessidade de editar uma única revista multidisciplinar que pretende agrupar todas as áreas que a nova organização – Direção-Geral do Património Cultural – aglutinou (Arquitectura, Arqueologia, Património Cultural – material e imaterial -, Conservação e Restauro, etc.).

Este novo projecto editorial reveste-se de grande importância para o fortalecimento e coesão da comunidade profissional, e imagem pública da DGPC, após dois a três anos de indefinição e instabilidade por via das restruturações sofridas nos organismos oficiais para a preservação do património e desenvolvimento dos museus.

Prevalece central no perfil destas publicações a importância de dar conta da obra feita, das suas actividades, da divulgação da política oficial para o património. É uma revista que reproduz, até certo ponto, o peso dos diferentes sectores dentro do próprio organismo público. E embora os museus façam parte do alinhamento de temas, a necessidade de abranger todas as áreas na revista resulta naturalmente num espaço menor de expressividade para cada uma delas.

A incorporação de outros contributos para além da massa crítica existente no seio da DGPC é um aspecto que beneficia a publicação. Também se incluem contributos de colegas espanhóis, o que parece sugerir o compromisso com o trabalho em rede. Por outro lado, destes dois números ressalta um olhar diversificado sobre património que remete para uma noção mais complexa e plural (p. ex. “patrimónios desamparados”, “património urbano”, “atmosfera líquida do património industrial”, “património e intimidade”).

A revista dirige-se, em primeira linha, aos profissionais do património e dos museus, mas pode  cativar um grupo mais vasto de públicos com interesse pelas políticas culturais.

Está à venda nas lojas dos museus nacionais e nas principais livrarias (ex. Fnac). Entre 15 a 20 euros.

****

Revista Património n.º 2# Nov. 2014

Gestão do património cultural
6 | Patrimónios desamparados, Álvaro Domingues
16 | Hacia un nuevo modelo – sostenible y social – de gestión del patrimonio cultural, Enrique Saiz Martín
26 | El paisage histórico urbano de Sevilha. Hacia un instrumento de gestión abierto e innovador, Román Fernández-Baca Casares e Pedro Salmerón Escobar
34 | Memória e duração: o espaço público da cidade, que se sustém no tempo, mudando, Pedro Brandão
42 | O bom e o mau governo, Lúcia Saldanha Gonçalves e Mário Fortes
56 Reabilitação ou fraude? José Aguiar
70 | O Museu Nacional de Arte Antiga e o Museu Nacional do Prado: dois casos de estudo entre modelos de gestão, António Filipe Pimentel e Miguel Zugaza Miranda
Pensamento
82 | Património e intimidade, Paulo Pereira
86 | La sostenibilidad del patrimonio cultural: reflexiones y desafíos, Luis César Herrero Prieto
92 | Arquitecturas da cultura: patrimónios do futuro, Nuno Grande
Projetos
102 | O restauro da Charola do Convento de Cristo: a derradeira etapa, Ana Carvalho Dias et al
108 | As pedras da Igreja do Mosteiro dos Jerónimos: um plano para a sua conservação, Ângela Costa Silveira e Antónia Tinturé
116 | Luca Giordano: um êxtase de São Francisco, Joaquim Oliveira Caetano
122 | Naufrágios e borboletas, Jean-Yves Blot
126 | Ser do Mar: o Museu Marítimo de Ílhavo como lugar de projeto, Álvaro Garrido
132 | Museu Marítimo de Ílhavo: reabilitação, ampliação e expansão, Nuno Mateus
142 | «À conquista do Castelo». Restauro e valorização do Castelo de Mouros, António Lamas et al
Opinião
154 | Entre a memória e a criação: seis questões, Manuel Lacerda
Sociedade
160 | Património cultural ao serviço da sociedade, Guilherme d’Oliveira Martins
164 | Conta-me histórias, Luís Soares
170 | Património cultural: entre o acontecimento e a comunicação, Deolinda Folgado
176 | Património imaterial: organizações e conceitos, Paulo Ferreira da Costa
180 Acontece
188 Abstracts

Revista Património 1

Revista Património n.º 1#Nov. 2013

Património urbano e reabilitação
6 | Lugares praticados versus lugares de memória, Alexandre Alves Costa
16 | Do Românico ao Minimalismo: os caminhos da intervenção patrimonial em Portugal, Jorge Figueira
24 | Apartamentos pombalinos de hoje: premissas, Maria Helena Barreiros
30 | Património urbano: boas práticas de conservação e reabilitação de edifícios, João Appleton
36 | A revisão do regulamento de trabalhos arqueológicos e os contextos da arqueologia portuguesa no século XXI: uma breve reflexão, Ana Catarina Sousa
Pensamento
44 | Património moderno: conservação e reutilização como um recurso, Ana Tostões
54 | Património mundial e turismo: uma reflexão a propósito dos 40 anos da convenção, Ana Paula Amendoeira
60 | A conservação e o restauro: o papel do Laboratório José de Figueiredo, perspectivas e desafios, Gabriela Carvalho e António Candeias
Projectos
68 | Rota dos mosteiros património da humanidade da região centro, João Seabra Gomes, Maria Fernandes, Patrícia Soares, Pedro Redol, José Fernando Canas, Irene Frazão
76 | Centro de Interpretação dos Mosteiro da Batalha: criação de um teatro da memória, Cristina Guedes, Gabriella Casella, Francisco Providência e Francisco Vieira de Campos
82 | Centro de Interpretação do Mosteiro da Batalha, Pedro Redol
86 | Vale do Arosa, território histórico: um projeto, Luís Sebastian
92 | (Re)Visitar o Mosteiro de Santa Maria de Salzedas: a instalação de um núcleo museológico na ala nascente, Gabriel de Andrade e Silva
100 | Mosteiro de Santa Maria de Salzedas: núcleo museológico, Luís Sebastian
108 | Projeto de remodelação e ampliação do Museu Nacional de Machado de Castro, Gonçalo Byrne
114 | A arqueologia na obra do MNMC: para uma visão integrada do lugar, Pedro C. Carvalho
120 | MNMC: o programa expositivo. Estrutura, imagem e comunicação, Adília Alarcão, Ana Alcoforado
126 | Remodelação do edifício sede do Banco de Portugal, Gonçalo Byrne, João Pedro Falcão de Campos
134 | A sede do Banco de Portugal: um caso de arqueologia urbana em Lisboa, Artur Rocha
142 | Lisboa ribeirinha: evidências arqueológicas de uma vocação marítima milenar, Alexandre Sarrazola, José Bettencourt, André Teixeira
Opinião
148 | LX Factory: uma atmosfera líquida em Alcântara, Deolinda Folgado
Sociedade
154 | Património imaterial: entre as comunidades e as organizações, Paulo Ferreira da Costa
160 | Rota do Românico, Rosário Correia Machado
166 | Acontece
172 | Abstracts

Luís Efrem Elias Casanovas e a conservação preventiva

Conservação Preventiva e Preservação das Obras de Arte

Casanovas, Luís Efrem Elias. 2008. Conservação Preventiva e Preservação das Obras de Arte. Lisboa: Edições Inapa e Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. 231 páginas, ISBN: 9789727971817.

Luís Efrem Elias Casanovas (1926-2014). Das suas aulas de conservação preventiva no mestrado em museologia da Universidade de Évora recordo sobretudo o seu sentido crítico de olhar os problemas, a paixão que deixava transparecer e o espírito de missão. Casanovas teve um papel fundamental no desenvolvimento da conservação preventiva. Os seus contributos, em parte, estão reflectidos na investigação que desenvolveu. Por isso, o destaque para a Conservação Preventiva e Preservação das Obras de Arte (2008), publicação que resultou da sua tese de doutoramento na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. O livro «coloca questões pertinentes sobre os princípios basilares da Conservação Preventiva, num esforço de constante avaliação e crítica que a preservação de objectos culturais requer», como sublinhado por Salomé de Carvalho na recensão crítica que fez desta obra (Estudos de Conservação e Restauro, n.º 1, 2009, p.158).