Novo número da revista MIDAS online

Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora” no Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves © Carlos Bunga, créditos fotográficos: Felipe Braga. Arranjo gráfico de Elisa Noronha Nascimento

Vista da instalação de Carlos Bunga, “Ágora” no Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves © Carlos Bunga, créditos fotográficos: Felipe Braga. Arranjo gráfico de Elisa Noronha Nascimento

O 4.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares está disponível online em http://midas.revues.org.

Varia

Inês Ferreira
Objetos mediadores em museus

Alecsandra Matias de Oliveira
Epopeia paulista: a experiência do ateliê-residência no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo

Andreia Vale Lourenço
Reflexões sobre diversidade de representações, diversidade de públicos e de estratégias interpretativas

Dossier temático: «Museus, utopia e urbanidade»
Sob a coordenação de Helena Barranha e Nuno Crespo

Helena Barranha e Nuno Crespo
Museus, utopia e urbanidade

Rachel Morris
Imaginary museums: What mainstream museums can learn from them?

Roser Calaf e Sué Gutiérrez
La ciudad como museo: Interpretaciones para construir utopía y urbanidad

Maia Morel
Le musée comme outil de remédiation identitaire: Le cas du Louvre-Lens

Catarina Marto
Módulos com maior porosidade em relação à comunidade: Uma sugestão para centros de arte contemporânea

Bárbara Coutinho e Ana Tostões
A exposição com “obra de arte total”: O MUDE como caso de estudo

Ricardo Carvalho e Joana Vilhena
Fazer um museu numa ruína moderna

José Alberto Ferreira
Por uma poética da fragilidade. Para um museu dos Bonecos de Santo Aleixo

Nuno Cera
Ensaio visual

Recensões críticas

Adelaide Duarte
Leonor Oliveira – Museu de Arte Contemporânea de Serralves, os Antecedentes, 1974-1989

David Felismino
Rui Lopes – Museu Académico de Coimbra: Evolução Histórica, Coleções e Proposta de Atualização

Ughetta Molin Fop
Jesús-Pedro Lorente – Manual de Historia de la Museología

Última chamada para 6.º número da MIDAS

SAMSUNG CSC

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares (http://midas.revues.org) tem até dia 31 de Março uma chamada aberta para o 6.º número. Aceitam-se propostas nos seguintes formatos:

- artigos para secção “Varia” (não temática), até 6 000 palavras
– recensões críticas de livros (edições até 3 anos), até 1 500 palavras
– notações (projectos, pequenos artigos), até 3 000 palavras
– artigos para o dossier temático: “Museus, Discurso e Poder” (coord. Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith), até 6 000 palavras

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2015 para: revistamidas@gmail.com

Mais informações em: http://midas.revues.org/622

DOSSIER TEMÁTICO: Museus, Discurso e Poder

Ao longo da sua História, o museu, ao selecionar, acolher, classificar, catalogar e expor objetos, estabeleceu discursos acerca do significado cultural das suas coleções que foram e são determinantes para a formação das memórias coletivas e para os modos como as sociedades lidam com o passado no presente. Esses discursos contribuíram e contribuem ativamente para a formação de valores sociais, morais, políticos e ideológicos. Ao fazê-lo, os museus tanto foram e são instituições de poder como instrumentos do poder. Com o tema Museus, Discurso e Poder pretende-se reunir e publicar um conjunto de artigos acerca da relação dos museus com o poder e da relevância dessa relação no passado e para as sociedades contemporâneas.

Temas a desenvolver

Dar-se-á prioridade aos artigos que abordem o tema da perspetiva dos seguintes tópicos:

- Museus e Globalização;
– Museus e Pós-Colonialismo;
– Museus e Identidades Nacionais;
– Museus e Políticas Culturais e do Património;
– Museus e Propaganda;
– Museus e Educação;
– Museus e as suas Comunidades;
– Museus da Perspectiva dos seus Utentes (inclui visitas de estudo, comunidade, críticos, etc.);
– Museus, Arte e Historiografia;
– Museus, Arte e Género;
– Museus e Mecenato;
– Museus e Comunicação;
– Museus e Tecnologia.

Editores convidados

Paulo Simões Rodrigues é doutorado em História da Arte pela Universidade de Évora e mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, membro do Centro HERCULES – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, e professor auxiliar do departamento de História da mesma universidade. Atualmente é diretor do CHAIA, diretor da comissão de curso do Mestrado de Museologia e adjunto da comissão de curso do doutoramento de História da Arte. As principais áreas de investigação científica são: História e Teoria da Arte dos séculos XIX e XX, Historiografia da Arte, História da Arquitetura e do Urbanismo (séculos XIX e XX), História e Teoria do Património. Colaborou em vários projectos, entre os quais se destaca: Cidade e Espetáculo: uma visão da Lisboa pré-terramoto, recriação, em tecnologia Second Life, da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755 (CHAIA); Connecting Cities, plataforma online sobre a cidade virtual, no contexto da história da arquitetura e urbanismo (CHAIA).

Laurajane Smith é professora e diretora do Centre of Heritage and Museum Studies (School of Archaeology and Anthropology, Australian National University). Anteriormente ocupou vários cargos, nomeadamente na Universidade de York (Reino Unido), na Universidade de Nova Gales do Sul (Sydney, Austrália) e na Universidade Charles Sturt (Albury-Wodonga, Austrália). As suas áreas de investigação incluem o entendimento do património como um processo performativo. É autora de Uses of Heritage (2006), Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), e co-autora de Heritage, Communities and Archaeology (2009, com Emma Waterton). Entre os seus livros editados, incluem-se Heritage, Labour and the Working Classes (2011, com Paul A. Shackel e Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, com G. Cubitt, R. Wilson e K. Fouseki) e Intangible Heritage (2009, com Natsuko Akagawa), todos publicados pela Routledge. Smith é editora do International Journal of Heritage Studies e co-editora (co-general editor), juntamente com William Logan da série Key Issues in Cultural Heritage da Routledge.

“Arquitecturas da cultura” de Nuno Grande

Gulbenkian

Fundação Calouste Gulbenkian © Ana Carvalho

Grande, Nuno. 2009. Arquitecturas da Cultura: Política, Debate, Espaço: Génese dos Grandes Equipamentos Culturais da Contemporaneidade Portuguesa. Tese de doutoramento em Arquitectura (Teoria e História da Arquitectura), Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra. Disponível na íntegra em: http://hdl.handle.net/10316/11786.

Nesta dissertação Nuno Grande (Universidade de Coimbra) escreve sobre a história das políticas culturais na perspectiva da criação dos equipamentos culturais que marcaram a paisagem portuguesa nas últimas décadas. O Museu Calouste Gulbenkian, o Centro de Arte Moderna da mesma Fundação (Lisboa); o Centro Cultural de Belém (Lisboa); e o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (Porto) são os quatro estudos de caso em análise nesta tese de doutoramento.

Resumo: Esta dissertação desenvolve uma análise sobre o recente protagonismo dos Grandes Equipamentos Culturais na afirmação política, cultural e social, das cidades e da sua arquitectura, no quadro da cultura urbana ocidental e, particularmente, da portuguesa. Essa análise, desenvolvida de forma evolutiva, parte da constatação de que uma nova “geo-política” da Cultura – aqui entendida como política e prática de poder – se foi afirmando na Europa, entre o II pós-Guerra e o final do século XX; isto é, entre a democratização e a modernização encetadas pelos Estados-providência, nas décadas de 50 e 60, e a Globalização dos sistemas políticos, económicos e culturais do fim-de-século, passando ainda pela “viragem” pós-moderna gerada no seio da “contracultura” circa 68, mas também, no universo neo-liberal e conservador da década de 80. No caso português, essa leitura tem em conta o desfasamento histórico gerado pela longa manutenção política do regime do Estado Novo, pela conquista tardia de muitos direitos sociais após a Revolução de 25 de Abril de 1974, mas também pela necessária contemporização cultural com o resto da Europa, após a adesão do país à CEE, em 1985. A dissertação pretende assim demonstrar como ao longo dessa relação sequencial entre política cultural, debate interdisciplinar e espaço arquitectónico, se foram definindo, em diversos sentidos e tempos, novas “arquitecturas da Cultura”; mas também, como, em Portugal, estas arquitecturas se colocaram, precisamente, no centro de um ”curto-circuito” – conceito resgatado ao sociólogo Boaventura de Sousa Santos – entre uma modernização tardia e a aceitação inadiável de valores de aculturação pós-modernos, na Arte, na Cultura e na Sociedade. Nessa demonstração, utilizam-se quatro casos-de-estudo, situados em Portugal – a Sede e Museu Calouste Gulbenkian (Lisboa, 1959-1969); o Centro de Arte Moderna da mesma Fundação (Lisboa, 1979-1983); o Centro Cultural de Belém (Lisboa, 1989-1993); e o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (Porto, 1994-1999) – instituições e arquitecturas lançadas no âmbito de políticas e práticas culturais temporalmente precisas, cuja génese acompanhou e corporizou, década-a-década, não apenas a descrita evolução internacional, como também esse “curto-circuito” histórico tão distintivo da contemporaneidade Portuguesa.

Abstract: This essay analyses the recent role of the so-called Great Cultural Institutions within the political, social and cultural affirmation of cities and their architecture, in what concerns Western urban cultures and, specifically on the Portuguese context. On a chronological stand, this analysis accepts that a new “geopolitics” of Culture – understood in the frame of politics and practises of power – has emerged in Europe, between the second post-war period and the end of the XX century; that is, between the Welfare State democratization and modernization process, in the 50’s and 60’s, and the political, economical and cultural Globalization, at the end of the century, as well as considering the post-modern “turn” generated amongst “counter-cultural” movements circa 1968, but also amongst neo-liberal and conservative inputs during the 80’s. In the Portuguese situation, this analysis enhances the historical gap generated by the country’s long political dictatorship (the Estado Novo regime), the delayed conquest of several social rights post-Revolution of April 25th, 1974, but also the recent cultural acceleration to cope with other European societies, especially after the country joined the EEC, in 1985. This essay aims, thus, to demonstrate how this sequential relation between cultural politics, interdisciplinary debate and architectural space, has generated, in many senses and periods, new “Architectures of Culture”; but also, how these architectures placed themselves inside a kind of “short circuit” – evoking an idea by Boaventura de Sousa Santos – established between a delayed Modernization and an inevitable insertion within Postmodern values, in Art, Culture and Society. This demonstration is applied to four Portuguese case studies – the Museum Headquarters of the Calouste Gulbenkian Foundation (Lisbon, 1959-1969); the Modern Art Centre at the same institution (Lisbon, 1979-1983); Belém Cultural Centre (Lisbon, 1989-1993); and Serralves Contemporary Art Museum (Porto, 1994-1999) – institutions and architectures erected in the scope of timely cultural politics and practices, which reflect not only that international evolution, decade-after-decade, but also the above mentioned historical “short circuit” so distinctive of contemporary Portugal.

Um ferramenta para o diálogo intercultural

Intercultural

Imagem da exposição “7 mil milhões de outros” (Museu da Electricidade)

Tanguay, Pierre, Hannelore Franck, Yasmine Heynderickx, e Anaïs Masure. 2014. A Intercultural Tool for Museums. 37 páginas. Disponível online.

A Intercultural Tool for Museums é uma grelha de análise concebida para ajudar investigadores e profissionais do sector do património e dos museus no planeamento de iniciativas para o envolvimento de diferentes comunidades, visando o diálogo intercultural.

Esta ferramenta foi criada por uma equipa multidisciplinar de investigadores da Universidade do Quebeque (Montreal, Canadá) e da Universidade de Antuérpia (Bélgica) sob a coordenação de Bruno Verbergt and Yves Bergeron. Foi inspirada no programa de cidades interculturais do Conselho da Europa e resulta de um estudo comparativo de quatro museus de cidade em três países: Montreal History Centre (Canadá), MAS | Museum aan de Stroom (Bélgica), STAM | Ghent City Museum (Bélgica), e Museum Rotterdam (Holanda). O estudo analisou a performance destes museus no âmbito da promoção do diálogo intercultural. Que estratégias desenvolvem para promover o diálogo intercultural? Como é entendido o seu papel? Que programas e iniciativas são planeadas e como se enquadram nas políticas mais alargadas da cidade/país? Que competências interculturais? – foram algumas das questões de partida do estudo.

A grelha compreende três níveis de análise, que de uma forma transversal dão enfoque a aspectos de planeamento estratégico e de governança, assim como a aspectos relativos à programação (colecções, exposições, educação, e ainda competências). Um primeiro nível diz respeito a um enquadramento mais alargado do museu/instituição no contexto onde se insere (contexto sócio-demográfico; quadro político de âmbito local, regional, nacional, ou internacional; panorama das instituições congéneres e afins com possível mandato nesta área, seja como parceiros ou concorrentes; contexto de governança – outros actores aos quais o museu responde). O segundo nível corresponde ao museu/instituição propriamente dito, sendo analisada a forma como se posiciona na sociedade (que visão, missão, valores, recursos, estrutura, programação, colecções, públicos) e qual o perfil da sua abordagem quanto à promoção da interculturalidade. Um terceiro nível refere-se à análise dos projectos desenvolvidos: que objectivos, que resultados internos e externos, que impacto?

A Intercultural Tool for Museums é apresentada como uma ferramenta que pode ser aplicada em qualquer tipo de museu ou instituição ligada ao património que pretenda desenvolver projectos com diferentes comunidades.

Call for Papers: II Encontro Indústria, História, Património

© Ana Carvalho

© Ana Carvalho

O II Encontro Indústria, História, Património irá ter lugar em Tomar nos dias 16, 17 e 18 de Abril de 2015. A comissão organizadora aceita propostas para comunicações até 13 de Março de 2015.

****

A Rede Indústria História e Património, constituída em Novembro de 2012, reúne unidades de investigação e outras entidades e investigadores interessados nos domínios genericamente sintetizados sob a designação Indústria, História, Património.

A RIHP constitui um espaço, aberto e plural, de reflexão e debate interdisciplinar e visa promover o desenvolvimento de actividades de instituições, organizações e indivíduos, portugueses e de outros países, que se interessam pela indústria enquanto realidade social global determinante na história do mundo contemporâneo, nomeadamente na sua relação com o desenvolvimento económico e social, compreendendo o património cultural imaterial e material (tecnologia e saber-fazer técnico, práticas sociais e culturais, infraestruturas, construções, equipamentos e objetos, sítios e paisagens) que lhe está associado.

A RIHP prossegue, entre outros, o propósito de promover e organizar encontros científicos destinados a apresentar e partilhar conhecimentos no domínio da História, Indústria e Património.

O II Encontro Indústria, História, Património realizar-se-á nos dias 16, 17 e 18 de Abril de 2015, em Tomar. Pretende-se que este Encontro internacional seja fórum de discussão aberto e pluridisciplinar, dedicado à apresentação de estudos no domínio da história da indústria enquanto realidade social global, compreendendo o património material e imaterial (tecnologia, saber-fazer técnico, práticas sociais e culturais, infraestruturas, construções, equipamentos e objectos, sítios e paisagens).

Através da realização deste Encontro, a RIHP associa-se às comemorações do Ano Europeu do Património Técnico e Industrial, que terão lugar em 2015.

Convidam-se todos os investigadores a participar neste Encontro, que procurará reflectir sobre a problemática da industrialização e das dinâmicas de articulação entre história, indústria e património, considerando o contexto político, económico, social, cultural e geográfico em que se inserem.

Neste Encontro de 2015, propõem-se as seguintes perspectivas temáticas:

- História da indústria;
– Arqueologia industrial;
– Indústria, industrialização e desindustrialização no período contemporâneo;
– Indústria, industrialização e desindustrialização no período contemporâneo;
– Sociedade industrial. Agentes e actores;
– Património industrial;
– Museus de/em antigas fábricas e sítios industriais.

O Encontro reúne intervenções proferidas por conferencistas convidados e a apresentação de comunicações submetidas através de call for papers. A selecção das propostas será orientada pelo propósito de garantir o máximo de qualidade dos trabalhos, quer das apresentações, quer dos debates.

Submissão de propostas: 5 de Janeiro a 13 de Março de 2015
Data de comunicação do resultado da submissão: 1 de Abril de 2015
Enviar: título da comunicação, resumo (700 palavras), afiliação e currículo académico (300 palavras), 5 palavras-chave
Línguas do congresso: Português, Espanhol, Francês e Inglês
Cada comunicação terá a duração de 15 minutos.

Por favor envie a sua identificação (nome, filiação institucional e endereço electrónico) bem como o resumo da comunicação por e-mail para: rihprihp@gmail.com

Comissão Organizadora:
Maria Fernanda Rollo (IHC – FCSH/UNL)
Graça Filipe (IHC – FCSH/UNL e Câmara Municipal de Tomar)
Filipe Silva (IHC – FCSH/UNL)
Susana Domingues (IHC – FCSH/UNL)

Comissão Científica:
Ana Cardoso de Matos (CIDEHUS – UE)
Deolinda Folgado (IHC – FCSH/UNL e DGPC)
Elisa Calado Pinheiro (IHC-FCSH/UNL e CEIS 20)
Graça Filipe (IHC – FCSH/UNL)
Hugues de Varine
João Paulo Avelãs Nunes (CEIS20 e FL-UC)
Jorge Custódio (IHC – FCSH/UNL)
Jorge Fernandes Alves (CITCEM e UP)
José Manuel Lopes Cordeiro (Universidade do Minho/APPI-TICCIH Portugal)
Maria de Fátima Nunes (IHC-CHEFCI e UE)
Maria Fernanda Rollo (IHC – FCSH/UNL)

(Fonte: http://historia-patrimonio-industria.blogspot.pt)

Perspectivas da Conservação Preventiva

imagem de figura no interior da tese

imagem de figura no interior da tese 

Homem, Paula Menino. 2013. Corrosão Atmosférica da Prata: Monitorização e Perspetivas de Conservação Preventiva. Tese de doutoramento em Museologia, Universidade do Porto. Disponível na integra no repositório da Universidade do Porto.

Defendida há pouco mais de um ano, destacamos a tese de doutoramento de Paula Menino Homem no âmbito da conservação preventiva. Professora na Universidade do Porto, onde é directora do curso de mestrado em museologia, Paula Menino Homem concluiu com esta tese uma etapa de um trabalho de vários anos. Tratou-se de uma investigação aplicada visando um melhor entendimento do processo de corrosão atmosférica conducente ao escurecimento dos artefactos em prata, para sua prevenção.

Resumo: A corrosão atmosférica da prata e suas ligas conduz ao seu escurecimento e constitui um problema, com especial interesse para o impacte no setor do património cultural. Neste contexto, estudou-se o processo, com o objetivo de melhor o entender e perspetivando a sua prevenção. Considerou-se a prata pura (Ag 999‰) e a liga conhecida por prata portuguesa ou esterlina (Ag 925‰). Numa primeira fase, investigou-se o seu comportamento recorrendo a ensaios laboratoriais em atmosferas controladas de NaCl e de H2S, permitindo testar a aplicação de diferentes técnicas de monitorização e análise, obter referenciais relativos a produtos de corrosão e estabelecer parâmetros para sua identificação, através de microscopia eletrónica de varrimento acoplada à microanálise por raios X, voltametria cíclica e de varrimento linear e espetroscopia de fotoeletrões de raios X. O recurso a câmara fotográfica digital como colorímetro tristimulus e ao programa Adobe Photoshop®, explorando o sistema CIELab, revelou-se simples e eficiente na monitorização das alterações colorimétricas. Estudou-se caso aplicado a espaços naturalmente ventilados, de exposição em ambiente não confinado/confinado em vitrina, ambos na Catedral do Porto. Usaram-se amostradores metálicos para mimetizar e investigar reações dos artefactos, em função de condições ambientais sazonais e de exposição anual. O processo revelou-se complexo, influenciado pelas condições termohigrométricas e pela qualidade do ar, tendendo a desacelerar com o tempo. Dele, sobressaem a presença e reações de partículas salinas, mormente cloretos e sulfatos. A Ag 925‰ manifestou-se mais reativa que a Ag 999‰. Detetaram-se óxidos e cloretos de prata e óxidos, hidróxidos, cloretos e hidroxicloretos de cobre. Sulfuretos de prata, só após exposição anual, maioritariamente na Ag 999‰ e em contextos não dominados por cloretos, mas por partículas de sulfatos, em especial de amónio.

Abstract: The atmospheric corrosion of silver and its alloys leads to its tarnishing and is a problem, with particular interest for the impact in the cultural heritage sector. In this context, the process was studied, aiming its better understanding and envisaging its prevention. Pure silver (Ag 999‰) and the alloy known as Portuguese or Sterling silver (Ag 925‰) were considered. In a first stage, its behavior was investigated by means of laboratory essays with controlled atmospheres of NaCl and H2S, allowing to test the application of different monitoring and analysis techniques, to obtain referential concerning corrosion products and setting parameters for their identification by scanning electron microscopy coupled with X-ray microanalysis, cyclic and linear sweep voltammetry and X-ray photoelectron spectroscopy. The use of a digital still camera as a tristimulus colorimeter and Adobe Photoshop® software, exploring the CIELab system, proved to be simple and efficient in monitoring colorimetric alterations. A case has been studied, applied to naturally ventilated exhibition spaces, not confined/confined to showcase, both in Porto Cathedral. Metal samplers were used to mimic and investigate reactions of artifacts, in function to seasonal environmental conditions and annual exposure. The process proved to be complex, influenced by thermohygrometric conditions and air quality, tending to slow down with time. From it, the presence and reactions of salt particles, mainly chlorides and sulphates, stand out. The Ag 925‰ is more reactive than Ag 999‰. The corrosion products detected were silver oxides and chlorides and copper oxides, hydroxides, chlorides and hydroxichlorides. Silver sulphides were detected only after one year exposure, mainly in the Ag 999‰ and in contexts not dominated by chlorides, but by particles of sulphates, especially ammonium.

 

RP Revista Património 1 e 2

Revista Património 2

O segundo número da Revista Património (RP) foi lançado em Dezembro. Trata-se de uma revista anual e impressa da Direção-Geral do Património Cultural, editada em parceria com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda. Tem como director o arquitecto Manuel Lacerda (chefe de divisão de Documentação, Comunicação e Informática), e conta com a coordenação da historiadora Deolinda Folgado (chefe de divisão do património móvel, imóvel e imaterial).

A nova revista é o resultado de dois projectos editoriais anteriores, a revista Estudos/Património (ed. Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico – IPPAR, e depois Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico – IGESPAR; 2001-2011) e a Muselogia.pt (ed. Instituto dos Museus e da Conservação – IMC; 2007-2011). A reestruturação e fusão de organismos públicos traduziu-se na necessidade de editar uma única revista multidisciplinar que pretende agrupar todas as áreas que a nova organização – Direção-Geral do Património Cultural – aglutinou (Arquitectura, Arqueologia, Património Cultural – material e imaterial -, Conservação e Restauro, etc.).

Este novo projecto editorial reveste-se de grande importância para o fortalecimento e coesão da comunidade profissional, e imagem pública da DGPC, após dois a três anos de indefinição e instabilidade por via das restruturações sofridas nos organismos oficiais para a preservação do património e desenvolvimento dos museus.

Prevalece central no perfil destas publicações a importância de dar conta da obra feita, das suas actividades, da divulgação da política oficial para o património. É uma revista que reproduz, até certo ponto, o peso dos diferentes sectores dentro do próprio organismo público. E embora os museus façam parte do alinhamento de temas, a necessidade de abranger todas as áreas na revista resulta naturalmente num espaço menor de expressividade para cada uma delas.

A incorporação de outros contributos para além da massa crítica existente no seio da DGPC é um aspecto que beneficia a publicação. Também se incluem contributos de colegas espanhóis, o que parece sugerir o compromisso com o trabalho em rede. Por outro lado, destes dois números ressalta um olhar diversificado sobre património que remete para uma noção mais complexa e plural (p. ex. “patrimónios desamparados”, “património urbano”, “atmosfera líquida do património industrial”, “património e intimidade”).

A revista dirige-se, em primeira linha, aos profissionais do património e dos museus, mas pode  cativar um grupo mais vasto de públicos com interesse pelas políticas culturais.

Está à venda nas lojas dos museus nacionais e nas principais livrarias (ex. Fnac). Entre 15 a 20 euros.

****

Revista Património n.º 2# Nov. 2014

Gestão do património cultural
6 | Patrimónios desamparados, Álvaro Domingues
16 | Hacia un nuevo modelo – sostenible y social – de gestión del patrimonio cultural, Enrique Saiz Martín
26 | El paisage histórico urbano de Sevilha. Hacia un instrumento de gestión abierto e innovador, Román Fernández-Baca Casares e Pedro Salmerón Escobar
34 | Memória e duração: o espaço público da cidade, que se sustém no tempo, mudando, Pedro Brandão
42 | O bom e o mau governo, Lúcia Saldanha Gonçalves e Mário Fortes
56 Reabilitação ou fraude? José Aguiar
70 | O Museu Nacional de Arte Antiga e o Museu Nacional do Prado: dois casos de estudo entre modelos de gestão, António Filipe Pimentel e Miguel Zugaza Miranda
Pensamento
82 | Património e intimidade, Paulo Pereira
86 | La sostenibilidad del patrimonio cultural: reflexiones y desafíos, Luis César Herrero Prieto
92 | Arquitecturas da cultura: patrimónios do futuro, Nuno Grande
Projetos
102 | O restauro da Charola do Convento de Cristo: a derradeira etapa, Ana Carvalho Dias et al
108 | As pedras da Igreja do Mosteiro dos Jerónimos: um plano para a sua conservação, Ângela Costa Silveira e Antónia Tinturé
116 | Luca Giordano: um êxtase de São Francisco, Joaquim Oliveira Caetano
122 | Naufrágios e borboletas, Jean-Yves Blot
126 | Ser do Mar: o Museu Marítimo de Ílhavo como lugar de projeto, Álvaro Garrido
132 | Museu Marítimo de Ílhavo: reabilitação, ampliação e expansão, Nuno Mateus
142 | «À conquista do Castelo». Restauro e valorização do Castelo de Mouros, António Lamas et al
Opinião
154 | Entre a memória e a criação: seis questões, Manuel Lacerda
Sociedade
160 | Património cultural ao serviço da sociedade, Guilherme d’Oliveira Martins
164 | Conta-me histórias, Luís Soares
170 | Património cultural: entre o acontecimento e a comunicação, Deolinda Folgado
176 | Património imaterial: organizações e conceitos, Paulo Ferreira da Costa
180 Acontece
188 Abstracts

Revista Património 1

Revista Património n.º 1#Nov. 2013

Património urbano e reabilitação
6 | Lugares praticados versus lugares de memória, Alexandre Alves Costa
16 | Do Românico ao Minimalismo: os caminhos da intervenção patrimonial em Portugal, Jorge Figueira
24 | Apartamentos pombalinos de hoje: premissas, Maria Helena Barreiros
30 | Património urbano: boas práticas de conservação e reabilitação de edifícios, João Appleton
36 | A revisão do regulamento de trabalhos arqueológicos e os contextos da arqueologia portuguesa no século XXI: uma breve reflexão, Ana Catarina Sousa
Pensamento
44 | Património moderno: conservação e reutilização como um recurso, Ana Tostões
54 | Património mundial e turismo: uma reflexão a propósito dos 40 anos da convenção, Ana Paula Amendoeira
60 | A conservação e o restauro: o papel do Laboratório José de Figueiredo, perspectivas e desafios, Gabriela Carvalho e António Candeias
Projectos
68 | Rota dos mosteiros património da humanidade da região centro, João Seabra Gomes, Maria Fernandes, Patrícia Soares, Pedro Redol, José Fernando Canas, Irene Frazão
76 | Centro de Interpretação dos Mosteiro da Batalha: criação de um teatro da memória, Cristina Guedes, Gabriella Casella, Francisco Providência e Francisco Vieira de Campos
82 | Centro de Interpretação do Mosteiro da Batalha, Pedro Redol
86 | Vale do Arosa, território histórico: um projeto, Luís Sebastian
92 | (Re)Visitar o Mosteiro de Santa Maria de Salzedas: a instalação de um núcleo museológico na ala nascente, Gabriel de Andrade e Silva
100 | Mosteiro de Santa Maria de Salzedas: núcleo museológico, Luís Sebastian
108 | Projeto de remodelação e ampliação do Museu Nacional de Machado de Castro, Gonçalo Byrne
114 | A arqueologia na obra do MNMC: para uma visão integrada do lugar, Pedro C. Carvalho
120 | MNMC: o programa expositivo. Estrutura, imagem e comunicação, Adília Alarcão, Ana Alcoforado
126 | Remodelação do edifício sede do Banco de Portugal, Gonçalo Byrne, João Pedro Falcão de Campos
134 | A sede do Banco de Portugal: um caso de arqueologia urbana em Lisboa, Artur Rocha
142 | Lisboa ribeirinha: evidências arqueológicas de uma vocação marítima milenar, Alexandre Sarrazola, José Bettencourt, André Teixeira
Opinião
148 | LX Factory: uma atmosfera líquida em Alcântara, Deolinda Folgado
Sociedade
154 | Património imaterial: entre as comunidades e as organizações, Paulo Ferreira da Costa
160 | Rota do Românico, Rosário Correia Machado
166 | Acontece
172 | Abstracts

Luís Efrem Elias Casanovas e a conservação preventiva

Conservação Preventiva e Preservação das Obras de Arte

Casanovas, Luís Efrem Elias. 2008. Conservação Preventiva e Preservação das Obras de Arte. Lisboa: Edições Inapa e Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. 231 páginas, ISBN: 9789727971817.

Luís Efrem Elias Casanovas (1926-2014). Das suas aulas de conservação preventiva no mestrado em museologia da Universidade de Évora recordo sobretudo o seu sentido crítico de olhar os problemas, a paixão que deixava transparecer e o espírito de missão. Casanovas teve um papel fundamental no desenvolvimento da conservação preventiva. Os seus contributos, em parte, estão reflectidos na investigação que desenvolveu. Por isso, o destaque para a Conservação Preventiva e Preservação das Obras de Arte (2008), publicação que resultou da sua tese de doutoramento na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. O livro «coloca questões pertinentes sobre os princípios basilares da Conservação Preventiva, num esforço de constante avaliação e crítica que a preservação de objectos culturais requer», como sublinhado por Salomé de Carvalho na recensão crítica que fez desta obra (Estudos de Conservação e Restauro, n.º 1, 2009, p.158).

Call for papers: Museus, Discurso e Poder

Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012

Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem nova chamada para artigos para o 6.º número. O tema do dossier temático é: “Museus, Discurso e Poder”.

Para quem não conhece a MIDAS, trata-se de uma revista dedicada aos museus enquanto campo de trabalho e reflexão interdisciplinar, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. A revista é publicada em Portugal, mas assume uma abordagem internacional, privilegiando uma relação de proximidade e diálogo com os países de língua portuguesa e espanhola. Encontra todos os números publicados até ao momento em: http://midas.revues.org.

****

Encontra-se aberto o call for papers para o 6.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado no outono de 2015.

Além de uma secção aberta a artigos de diversas temáticas (Varia), recensões críticas de livros e Notações (pequenos artigos, projetos) este número irá incluir um dossier subordinado ao tema: “Museus, Discurso e Poder”, coordenado por Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) e Laurajane Smith (Australian National University).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos (secção varia) pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2015 para revistamidas@gmail.com (Ana Carvalho)

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361 

Museus, Discurso e Poder

Ao longo da sua História, o museu, ao selecionar, acolher, classificar, catalogar e expor objetos, estabeleceu discursos acerca do significado cultural das suas coleções que foram e são determinantes para a formação das memórias coletivas e para os modos como as sociedades lidam com o passado no presente. Esses discursos contribuíram e contribuem ativamente para a formação de valores sociais, morais, políticos e ideológicos. Ao fazê-lo, os museus tanto foram e são instituições de poder como instrumentos do poder. Com o tema Museus, Discurso e Poder pretende-se reunir e publicar um conjunto de artigos acerca da relação dos museus com o poder e da relevância dessa relação no passado e para as sociedades contemporâneas.

Temas a desenvolver

Dar-se-á prioridade aos artigos que abordem o tema da perspetiva dos seguintes tópicos:

- Museus e Globalização;
– Museus e Pós-Colonialismo;
– Museus e Identidades Nacionais;
– Museus e Políticas Culturais e do Património;
– Museus e Propaganda;
– Museus e Educação;
– Museus e as suas Comunidades;
– Museus da Perspectiva dos seus Utentes (inclui visitas de estudo, comunidade, críticos, etc.);
– Museus, Arte e Historiografia;
– Museus, Arte e Género;
– Museus e Mecenato;
– Museus e Comunicação;
– Museus e Tecnologia.

Editores convidados

Paulo Simões Rodrigues é doutorado em História da Arte pela Universidade de Évora e mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, membro do Centro HERCULES – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, e professor auxiliar do departamento de História da mesma universidade. Atualmente é diretor do CHAIA, diretor da comissão de curso do Mestrado de Museologia e adjunto da comissão de curso do doutoramento de História da Arte. As principais áreas de investigação científica são: História e Teoria da Arte dos séculos XIX e XX, Historiografia da Arte, História da Arquitetura e do Urbanismo (séculos XIX e XX), História e Teoria do Património. Colaborou em vários projectos, entre os quais se destaca: Cidade e Espetáculo: uma visão da Lisboa pré-terramoto, recriação, em tecnologia Second Life, da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755 (CHAIA); Connecting Cities, plataforma online sobre a cidade virtual, no contexto da história da arquitetura e urbanismo (CHAIA).

Laurajane Smith é professora e diretora do Centre of Heritage and Museum Studies (School of Archaeology and Anthropology, Australian National University). Anteriormente ocupou vários cargos, nomeadamente na Universidade de York (Reino Unido), na Universidade de Nova Gales do Sul (Sydney, Austrália) e na Universidade Charles Sturt (Albury-Wodonga, Austrália). As suas áreas de investigação incluem o entendimento do património como um processo performativo. É autora de Uses of Heritage (2006), Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), e co-autora de Heritage, Communities and Archaeology (2009, com Emma Waterton). Entre os seus livros editados, incluem-se Heritage, Labour and the Working Classes (2011, com Paul A. Shackel e Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, com G. Cubitt, R. Wilson e K. Fouseki) e Intangible Heritage (2009, com Natsuko Akagawa), todos publicados pela Routledge. Smith é editora do International Journal of Heritage Studies e co-editora (co-general editor), juntamente com William Logan da série Key Issues in Cultural Heritage da Routledge.

Boletim ICOM Portugal (série III, n.º 2, Janeiro 2015)

Imagem capa: pormenor Museu do Douro. Fotografia de Luís Ferreira Alves © Museu do Douro

Acaba de ser publicado o segundo boletim (série II) do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus). Museus e redes é o fio condutor deste número.

Num contexto de recursos cada vez mais escassos, de crescente exigência e de maiores expectativas, há uma enorme pressão para tirar partido dos recursos existentes no mundo dos museus de um modo mais eficaz. O trabalho em rede tornou-se palavra-chave, quer no contexto mais endógeno, entre os profissionais e no seio das instituições, quer na relação dos museus com a sociedade.

Longe de ser um estado da arte sobre a criação de redes em Portugal, em Perspectivas dá-se voz a algumas experiências, nalguns casos emergentes, noutros casos mais consolidadas, através do testemunho de vários profissionais. No entanto, apesar das potencialidades e do papel positivo que as redes preconizam actualmente, como adverte Clara Frayão Camacho, as «redes não são panaceias dos tempos pós-modernos. Não basta criá-las, precisam de cuidados e de alimento para não murcharem. Em situações extremas de carência de recursos, a sua eficácia necessariamente diminui.» (p. 9). Clara Frayão Camacho defendeu em Julho de 2014 a sua tese de doutoramento sobre sistemas e redes nacionais em nove países europeus, da qual apresenta alguns resultados neste boletim: «Redes de Museus na Europa: Afinidades e Diferenças num Panorama Rico e Variado» (Em Foco). Gail e Barry Lord terminam a sua entrevista, sublinhando a importância do desenvolvimento da profissão, através de um maior activismo associativo, o que não deixa de estar relacionado com a necessidade de maior trabalho em rede entre os profissionais.

Merece particular nota neste boletim, o texto de Luís Raposo de homenagem a João Saavedra Machado (1932-2014). Em Notícias ICOM poderá ter uma perspectiva global de alguns dos debates dos últimos meses ligados de forma mais directa ou indirecta ao trabalho desenvolvido pelo ICOM Portugal e pelo ICOM internacional (ex. comités, organizações parceiras).

Como habitual, o boletim apresenta um conjunto de sugestões de leitura com base no tema do boletim e destacam-se quatro publicações de 2014: Scientific Instruments in the History of Science: Studies in Transfer, Use and Preservation (eds. Marcus Granato e Marta C. Lourenço); o 4.º volume da revista Iberoamericana de Turismo que o dedicou aos Museus, Turismo e SociedadeMuseus,  as actas – Palácios e Mercados de Arte (ed. Palácio da Ajuda e Scribe), e Lugares de Reflexão: Museus Como Conectores de Culturas, Tempos, Pessoas e Grupos Sociais (DEMHIST).

Em Breves encontra uma selecção de notícias e, em Agenda, a programação em destaque para os meses que se seguem.

O próximo número será dedicado aos Museus Para uma Sociedade Sustentável, o tema do Dia Internacional dos Museus de 2015.

Este número (e todos os anteriores) estão disponíveis no site do ICOM Portugal:

http://www.icom-portugal.org/

CONTEÚDOS:

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho

03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro

06 | EM FOCO: Redes de Museus na Europa: Afinidades e Diferenças num Panorama Rico e Variado, por Clara Frayão Camacho

11 | PERSPECTIVAS: Redes, vários autores: João Tomé Duarte e Susana Marques; Paulo Costa Pinto, Lígia Rafael, Francisco Amado Rodrigues, Mário Nuno Antas, José Gameiro, Dália Paulo, Ana Mercedes Stoffel e Teresa Mourão

18 | ENTREVISTA com Gail e Barry Lord, por Inês Fialho Brandão e Maria Vlachou

22 | IN MEMORIAM: João Saavedra Machado (1932-2014), Viver os Museus Com Amor e Discrição, por Luís Raposo

24 | NOTÍCIAS ICOM

Museus e Políticas, por Luís Raposo
Solução Tecnológica Premiada
Museologia Militar, por Alexandre Matos
Museologia Comunitária e Sociomuseologia, por Mário Moutinho
A Autenticidade na Conservação das Residências Históricas e dos Palácios-Museus, por Maria de Jesus Monge
Quadratura do Círculo, Investigação, Museus e Público, por Mário Nuno Antas
A Cultura em Crise: Elaboração de um Caderno Reivindicativo
Museus e Gestão: Novas Pontes Para a Sociedade, por José Picas do Vale
Espaços Incertos: Configurações Virtuais nos Museus e na Arte Contemporânea, por Raquel Pereira e Rita Xavier Monteiro
Como Viver em Conjunto numa Europa Sustentável ? Os Museus em Busca da Coesão Social, por Clara Frayão Camacho
40 anos Depois de Abril. Que Cidadania? Que Museologia? por Emanuel Sancho e César Lopes

46 | BREVES

48 | PUBLICAÇÕES

Sugestões de leitura
Novas edições 2014

55 | AGENDA

Conferências, encontros, debates
Formação
Chamada de propostas

59 | MUSEUS PARA UMA SOCIEDADE SUSTENTÁVEL

A Economia Política das Ciências Sociais e das Humanidades

Biblioteca Museu Nacional Arte Antiga

Biblioteca MNAA © Ana Carvalho

No dia 17 de Janeiro de 2015 terá lugar no auditório da Biblioteca Nacional um encontro dedicado à reflexão sobre as ciências sociais em Portugal intitulado “A Economia Política das Ciências Sociais e das Humanidades, que “visa analisar e discutir a actual situação (…) tendo como pano de fundo a crise económica do país e da Europa […].”

São três os eixos principais para o debate: as fontes de financiamento universitário e a autonomia das agendas de investigação; as diferenças e hierarquias no interior do campo académico e a noção de comunidade científica; a crise do emprego científico e as práticas académicas de exploração laboral.

A museologia, enquanto campo de estudos no âmbito das ciências sociais, poderia incluir-se neste contexto de reflexão. No momento em que a formação pós-graduada em museologia (mestrados e doutoramentos) está em profunda transformação, quais as expectativas da evolução da museologia como campo de investigação?

Em 2010, a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) criou uma nova área para submissão de projectos de doutoramento e pós-doutoramento com a designação “Museologia, Conservação e Restauro”. A iniciativa foi criada no âmbito de um protocolo com o Instituto dos Museus e da Conservação e com o objectivo de estimular a investigação centrada nos museus e nas colecções. O painel “Muselogia, Conservação e Restauro” da FCT foi entretanto extinto. Resultado da crise? O que parecia um desenvolvimento positivo da museologia rapidamente sucumbiu no contexto da crise generalizada do financiamento à investigação. Embora continue a ser possível submeter candidaturas de projectos em museologia mediante avaliação noutros painéis disciplinares (História, História da Arte, Antropologia, etc.), esta mudança significou provavelmente um retrocesso ou uma limitação concreta na evolução da investigação em museologia, no seu crescimento e consolidação como área de estudos, mas que é também o resultado das mudanças profundas nas universidades e no sistema de financiamento.

Faz falta uma avaliação do que se passa no campo da investigação em museologia: que problemas, abordagens e perspectivas? Sobre estas questões fica um pequeno excerto de Nélia Dias que, no contexto do artigo “A Antropologia Ainda Precisa Dos Museus?” (2013), tece algumas considerações sobre esta matéria:

«[…] se no início dos anos 2000 assistia-se ainda ao boom da museologia e a um certo entusiasmo pelos museus por parte dos alunos, actualmente a museologia não ocupa em Portugal um papel central tanto em termos académicos – cadeiras de opção nas licenciaturas e mestrados na área – como no que diz respeito às publicações e investigação neste domínio. A dimensão pioneira e original que os museum studies deram para a abordagem dos museus suscitando um estímulo intelectual acabou por dar lugar a uma certa acalmia, que se traduz de uma certa forma, em abordagens mais convencionais e menos críticas em relação às práticas e aos fundamentos da museologia. Esta mudança de orientação parece-me ser sintomática da ausência de um paradigma novo na museologia; mais ainda, com a crise económica que se instalou em Portugal e suas repercussões em termos do ensino superior e nomeadamente da procura por parte dos alunos, parece-me que a situação apresenta todas as condições para se manter» (In Dias, Nélia. 2013. “A Antropologia Ainda Precisa Dos Museus?” Museologia e Interdisciplinaridade 2 (4): 82).

Recomenda-se, ainda, a leitura do artigo de Irene Vaquinhas “A Museologia Como Campo de Estudo nas Universidades Portuguesas: Esboço de Evolução, Pertinência e Atualidade” (2013),  que traça uma panorâmica sobre a formação pós-graduada em Portugal ligada aos museus e ao património. Disponível em: http://midas.revues.org/142

****

PROGRAMA

9h45 Abertura

10h-11h40 FINANCIAMENTO OU CONDICIONAMENTO DA INVESTIGAÇÃO?
Que dívida é contraída pelos cientistas sociais junto de quem financia as suas investigações? A questão ganha maior visibilidade em Portugal num quadro de retracção do financiamento estatal e de emergência de novas fontes de financiamento privado. Partindo de um olhar histórico sobre o desenvolvimento da ciência nas últimas décadas, nesta primeira mesa pretende-se problematizar a questão da determinação das agendas de pesquisa nas ciências sociais de hoje, nomeadamente discutindo a sua sujeição a interesses económicos privados e ou a políticas públicas de índole nacional ou europeu.

11h50-13h30 COMUNIDADE CIENTÍFICA OU HIERARQUIA ACADÉMICA?
Hoje boa parte dos cientistas sociais utiliza o conceito de comunidade com precaução. Neste sentido nós também perguntamos de que falamos quando falamos de comunidade científica? A identificação de uma tal comunidade torna visível uma distinção entre o campo académico e a realidade que o rodeia e revela-se pouco sensível às diferenças e desigualdades que cindem o interior do campo. Em jeito de inquérito às relações de poder na universidade, esta mesa promoverá um debate que se pretende desdobrar da crítica pedagógica à questão da democraticidade do governo universitário.

15h-16h40 CRISE E FUTURO DO TRABALHO CIENTÍFICO
Desde os anos de 1990 que aumentou significativamente o número de pessoas envolvidas na investigação científica. Em função da crise económico-financeira vigente, mas também de uma concepção da produção científica de pendor elitista, de que é exemplo a recorrente agitação da bandeira da “excelência” por parte da actual direcção da FCT, aquela tendência de crescimento encontra-se em reversão. Esta reversão é facilitada pela natureza dos vínculos contratuais em que se baseou o crescimento das últimas décadas. A universidade constituiu-se como um laboratório de experiências de mobilização e exploração do trabalho que passaram pela generalização de regimes de precariedade e, mais recentemente, pela proliferação de trabalho não-remunerado. Como inverter a tendência de retracção do número de investigadores e reconstruir o sistema em bases menos precárias?

17h-18h30 DISCUSSÃO FINAL

———
Convoca este encontro um grupo de investigadores de ciências sociais e de humanidades da região de Lisboa: André Freire, António Hespanha, Bruno Peixe Dias, Carlos Bastien, Cláudia Castelo, Eduardo Ascensão, Fátima Sá e Melo Ferreira, Golgona Anghel, Gustavo Cardoso, Guya Accornero, Helena Jerónimo, Inês Galvão, Joana Cunha Leal, Joana Estorninho de Almeida, João Sedas Nunes, José Ferreira, José Luís Garcia, José Neves, José Nuno Matos, Manuela Ribeiro Sanches, Margarida Santos, Maria Coutinho, Maria Dávila, Maria Eduarda Gonçalves, Marta Macedo, Miguel Vale de Almeida, Nuno Domingos, Paula Godinho, Paulo Jorge de Sousa Pinto, Pedro Aires de Oliveira, Renato Carmo, Robert Rowland, Ruy Llera Blanes, Sérgio Campos Matos, Susana de Sousa Dias, Susana Gaudêncio.

* Cada mesa contará com duas intervenções iniciais de 20 minutos, seguidas de um comentário de 15 minutos e abrindo-se em seguida um espaço de debate entre todos os participantes no encontro. O encontro terminará com uma sessão que, partindo de uma intervenção de síntese das discussões tidas ao longo do dia, se deseja participada por todos os investigadores presentes. Os nomes dos intervenientes serão anunciados brevemente.

Ciclo de entrevistas do “Mundo dos Museus” premiado pela APOM

SAMSUNG CSC

© Ana Carvalho

Em cerimónia realizada a 12 de Dezembro de 2014 no Museu da Farmácia, em Lisboa, a APOM (Associação Portuguesa de Museologia) distingiu o blogue “No Mundo dos Museus” pelo ciclo de entrevistas “Per(cursos) e Perspectivas da Museologia” com o prémio de melhor “Comunicação Online”.

A APOM distingue anualmente museus e iniciativas na área da museologia. Este ano foram atribuídos 26 prémios referentes ao ano de 2013, que se desdobraram em várias menções honrosas. Momento de celebração, ficam os nossos parabéns a todos os premiados da APOM! Pode encontrar a lista completa de premiados em notícia no jornal Público e no site pportodosmuseus.

É a segunda vez que o blogue “Mundo dos Museus” recebe o prémio APOM na categoria de melhor “Comunicação online”. A primeira vez foi em 2009. Este ano o prémio pretendeu distinguir, em particular, o ciclo de entrevistas “Per(cursos) e Perspectivas da Museologia” que realizámos em 2013 e que publicámos neste blogue. Trata-se de um conjunto de seis entrevistas a pessoas ligadas à museologia, a saber: Filipe Themudo Barata (Universidade de Évora), João Brigola (Universidade de Évora), Maria Vlachou (museóloga), Hugues de Varine (consultor na área do desenvolvimento comunitário), Inês Fialho Brandão (museóloga) e Rui Sousa Martins (Universidade dos Açores).

Este ciclo de entrevistas parte de uma inquietação, da procura de pistas e respostas face aos problemas que o mundo dos museus enfrenta na actualidade. A forma de contribuirmos para o debate e para a reflexão foi a de trazermos para a esfera pública várias opiniões e perspectivas de olhar os problemas da museologia, escolhendo para isso o formato de entrevista. Neste sentido, quisemos, por um lado, partir da academia, ou seja, convidando pessoas que pelo seu percurso estiveram ou estão ligadas aos cursos de formação em museologia, o que é o caso de Filipe Themudo Barata e de João Brigola no que diz respeito à Universidade de Évora, e de Rui Sousa Martins, um dos responsáveis pela introdução da museologia na formação pós-graduada da Universidade dos Açores. Por outro lado, pareceu-nos relevante incluir outros olhares, de pessoas mais ligadas às práticas, ao terreno, mas também ligadas à formação, ainda que não necessariamente a partir das universidades. A entrevista com Maria Vlachou e com Inês Fialho Brandão exemplificam isso. Em relação a Hugues de Varine, talvez a escolha mais atípica do conjunto, mas não menos óbvia para nós, como pessoa de grande influência para a museologia menos convencional.

Este conjunto de entrevistas está longe de ser representativo da diversidade de perspectivas de um sector museológico (e tão pouco o pretende ser), que é por si muito fragmentado, mas esperamos que possa contribuir, de algum modo, para suscitar a reflexão.

Obrigada à APOM pelo prémio e pelo reconhecimento. Gostaríamos de deixar também um agradecimento muito especial aos entrevistados pela disponibilidade e pela generosidade.

 As entrevistas estão totalmente disponíveis neste blogue (por ordem de publicação):

Filipe Themudo Barata © Ana Carvalho

Filipe Themudo Barata © Ana Carvalho

Entrevista com Filipe Themudo Barata. «É professor há mais de trinta anos na Universidade de Évora e tem estado ligado ao ensino na área do património e da museologia. Foi este um dos motivos que nos levou a conversar sobre a formação em museologia e os seus percursos, sobre a situação dos museus e das universidades na actual conjuntura, bem como sobre as perspectivas de mudança na museologia portuguesa.» Leia a entrevista na íntegra.

Biblioteca Nacional, 11 de Março de 2012

João Brigola © Ana Carvalho

Entrevista com João Brigola. «[…] falámos sobre o seu percurso profissional, sobre a militância associativa em Santarém e na Associação Portuguesa de Museologia (APOM), sobre o ensino da museologia e sobre os actuais desafios das políticas museológicas em Portugal.» Leia a entrevista na íntegra.

© Ana Carvalho

Maria Vlachou © Ana Carvalho

Entrevista com Maria Vlachou. «Frontal e incisiva, não se fica indiferente à forma como Maria Vlachou perspectiva os problemas que os museus enfrentam e a cultura de um modo geral. Falámos de percursos, da qualificação dos profissionais, da crise, das actuais políticas públicas … e do futuro.» Leia a entrevista na íntegra.

 Hugues de Varine

Hugues de Varine © Ana Carvalho

Entrevista com Hugues de Varine. «Sobre a actualidade, Varine chama a atenção para o “fascínio do património” em que vivemos e para a necessidade de tomar decisões quanto ao futuro. Património (material e imaterial), memória, museus, sustentabilidade, crise e inovação foram algumas das palavras-chave desta conversa.» Leia a entrevista na íntegra.

 © Ana Carvalho

Inês Fialho Brandão © Ana Carvalho

Entrevista com Inês Fialho Brandão. «As suas preocupações com as práticas museológicas colocam em primeiro lugar o visitante, que reconhece não ser uma prioridade na maior parte dos museus. Ao longo desta entrevista Inês Fialho Brandão acaba por fazer um diagnóstico dos vários problemas que afectam o sector dos museus em Portugal. Apesar das dificuldades não desiste de apontar perspectivas alternativas para o desejável desenvolvimento desta área.» Leia a entrevista na íntegra.

Rui Sousa Martins, Museu de Vila Fra

Rui Sousa Martins © Ana Carvalho

Entrevista com Rui Sousa Martins. «A paixão de Rui Sousa Martins pela Antropologia e pelos museus fizeram dele o grande obreiro do Museu de Vila Franca do Campo, um museu local situado a poucos quilómetros de Ponta Delgada, que reivindica como sendo o laboratório da Antropologia da Universidade dos Açores. Da experiência no terreno fica-lhe a convicção de que o museólogo é antes de mais um gestor de relações sociais.» Leia a entrevista na íntegra.

UNESCO, Património Cultural Imaterial e Museus

capa museus e pci

 

Porque falamos hoje de Património Cultural Imaterial? No momento em que Portugal acaba de receber da UNESCO uma distinção relativamente ao Cante Alentejano, colocando-o na lista de manifestações culturais de carácter universal (é já a terceira, depois do Fado e da Dieta Mediterrânica), faz sentido voltar a fazer referência ao livro “Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias Para o Desenvolvimento de Boas Práticas” (2011, publicado pela Universidade de Évora e pelas edições Colibri, com o apoio da Fundação para a Ciência a Tecnologia).

Este livro esclarece sobre a importância que a salvaguarda do Património Cultural Imaterial tem vindo a assumir nas políticas culturais na sequência do trabalho desenvolvido pela UNESCO, muito particularmente com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003). São vários os agentes envolvidos na preservação deste património, nomeadamente os museus. Mas para responder a este repto, os museus terão que repensar as suas estratégias de forma a relacionar-se mais com esta dimensão do património, contrariando uma longa tradição profundamente enraizada na cultura material. Este estudo reflecte sobre as possibilidades de actuação dos museus no sentido de dar resposta ao desafios da Convenção de 2003, sendo certo que a partir das actividades dos museus é possível encontrar formas de estudar e de dar visibilidade ao património (material e imaterial).

«Consideramos o livro de Ana Carvalho uma obra oportuna e de utilidade para nos inteirarmos do reconhecimento institucional e legal do denominado Património Cultural Imaterial (PCI) e do domínio da ação patrimonial que se lhe associa (ultrapassando tendencialmente o campo de investigações de antropólogos e de sociólogos) e que, entre múltiplos questionamentos, se tem convencionado, como no caso português, reportar principalmente aos museus. […]
[…] este livro serve também para nos ajudar a analisar e a refletir criticamente sobre a relação da instituição museal com o património – sabendo-se que poucos dispõem dos recursos necessários à interação com as comunidades, autênticas protagonistas das manifestações culturais e detentoras do património cultural a salvaguardar – num desejável sentido vivenciado e na ótica da sua transmissão ativa, que verdadeiramente possa contribuir para a diversidade e a criatividade cultural.» (Graça Filipe)

«A autora avança com uma exposição realista das dificuldades que acometem muitos museus e que não favorecem a atuação pretendida em relação ao PCI, das quais destacamos: a ausência de uma alusão ao PCI na missão da maioria dos museus, resultado de um trabalho tradicionalmente centrado nas coleções; os recursos humanos, técnicos e financeiros limitados; risco de cristalização de um património por natureza, vivo e dinâmico, pela sua sujeição a procedimentos técnicos de inventário já normalizados mas vocacionados para bens materiais; necessidade de formação específica; e recorrência da distância entre os museus e as comunidades […]» (Ana Botas, in revista MIDAS)

«Cet ouvrage est très utile pour donner à la fois l’histoire et le contenu de tout le mouvement relativement récent (années 2000) de prise en compte du patrmoine immatériel dans la définition du patrimoine global des territoires et des populations et dans les pratiques des musées. Ana Carvalho y présente à la fois la “doctrine” de l’Unesco et des organisations internationales, et sa mise en pratique au Portugal.» (Hugues de Varine, 2012)

No blogue sobre o livro encontra acessível o texto de introdução do livro, entre outras informações: http://pcimuseus.wordpress.com/

O livro pode ser adquirido directamente através do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora (Madalena Freire: mvfreire@uevora.pt). O livro está também disponível para venda nas lojas dos museus nacionais ou por via das edições Colibri, da Bertrand, da Almedina, da Wook (livraria portuguesa online, grupo Porto Editora), entre outras.

****

ÍNDICE

Resumo
Abstract
Agradecimentos
Prefácio, por João Carlos Brigola
Apresentação, por Filipe Themudo Barata
Lista de Abreviaturas
Introdução

Capítulo I – Contribuições da UNESCO para a Protecção do Património Cultural Imaterial

1.1 – As Primeiras Décadas de Reflexão
1.2 – A Recomendação para a Salvaguarda da Cultura Tradicional e do Folclore
1.3 – Acções da UNESCO após a Recomendação de 1989
1.3.1 – O Programa Línguas em Perigo no Mundo
1.3.2 – O Programa Tesouros Humanos Vivos
1.3.3 – Proclamação das Obras-Primas do Património Oral e Imaterial da Humanidade
1.4 – Propriedade Intelectual e Direitos de Autor
1.5 – Elaboração de um Novo Instrumento Normativo
1.6 – A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Capítulo II – Portugal: Enquadramento Normativo e Institucional em matéria de Património Cultural Imaterial

2.1 – Legislação Nacional sobre Património Cultural Imaterial
2.2 – Instituições e Tutelas
2.3 – Ratificação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Capítulo III – Os Museus e o Património Cultural Imaterial – que estratégias

3.1 – Orientações do ICOM
3.2 – Dificuldades e Potencialidades
3.3 – Que Museus?
3.4 – Qual o Papel dos Museus?
3.5 – Inventário e Documentação
3.5.1 – Que Tipologias de Inventários?
3.5.2 – O Papel da História Oral
3.6 – Investigação
3.7 – Exposições
3.8 – Educação
3.9 – Novas tecnologias

Conclusão
Bibliografia