Participação no coração dos museus: o projecto CETAID

Imagem de grupo a visitar exposição

Reunião Hungria, 2013 © CETAID

O CETAID – Community Exhibitions as Tools for Adult Individual Development (2012-2014) é um projecto internacional financiado pelo Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida/Parcerias de Aprendizagem GRUNDTVIG, e que tem permitido a troca de experiências no âmbito da museologia participativa entre profissionais de vários museus europeus. A associação portuguesa Histórias para Pensar (HPP) participa no projecto e foi com alguns dos colaboradores que fomos falar. Nesta mini-entrevista, Maria Vlachou, Joaquim Jorge, Elsa Arruda e Maria João Nunes descrevem o projecto e comentam a sua participação.

****

 Ana Carvalho (AC) – Como surgiu o projecto CETAID?

Joaquim Jorge (JJ) e Maria João Nunes (MN) – O projecto resultou da parceria estabelecida entre a Fundação para Museus e Visitantes (Múzeumok és Látogatók Alapítvány), em Budapeste (Hungria), e a Associação Histórias para Pensar (HPP), em Oeiras (Portugal). O primeiro contacto entre estas duas organizações ocorreu durante o workshop «Multicultural Societies, Intercultural Dialogue and European Museums» (2010), organizado pela European Museum Academy e pelo Istituto Beni Artistici, Culturali e Naturali, em Bertinoro (Bolonha, Itália), na qual participou uma associada da HPP e a actual coordenadora do projecto CETAID, Anikó Miszné Korenchy (directora da Fundação para Museus e Visitantes).

AC – Quem são os parceiros?

JJ e MN – O projecto junta parceiros de quatro países europeus: da Hungria, Múzeumok és Látogatók Alapítvány (Foundation for Museums and Visitors), que é o coordenador do projecto; do Reino Unido, Historic Royal Palaces e Tyne and Wear Archives and Museums; da Itália, Istituto Luigi Sturzo; e de Portugal, Associação Histórias para Pensar (HPP).

AC – Quais são os objectivos?

JJ e MN - Os objectivos do projecto são:

  • melhorar, a nível europeu, os nossos conhecimentos e entendimento relativamente às formas como várias comunidades podem ficar envolvidas, de uma forma significativa, no trabalho dos museus e sítios;
  •  ajudar museus de natureza altamente académica a tornarem-se mais abertos para as suas comunidades e a desenvolverem novas formas para apoiar a aprendizagem de adultos;
  •  fornecer melhores serviços a públicos mais diversos;
  • divulgar os conhecimentos adquiridos e apoiar organizações que não têm a capacidade de experimentar e avaliar abordagens semelhantes.

AC – Em 2013, uma das reuniões do projecto teve lugar no Museu de Cerâmica de Sacavém em Loures. Que conclusões destacariam desse encontro?

Maria Vlachou (MV) – A nossa conclusão foi mais uma reafirmação: do excelente trabalho desenvolvido por vários museus portugueses nesta área, se bem que muitas vezes este seja um trabalho silencioso, pouco divulgado. Levámos à reunião colegas de vários pontos do país que apresentaram o seu trabalho aos parceiros europeus. Foi uma reunião onde todos aprendemos muito e onde o debate foi muito enriquecedor.

Elisa Arruda (EA) – Destaco dois factores que considero relevantes. Primeiro, estiveram presentes quatro instituições de várias regiões de Portugal: o Museu do Traje de S. Brás de Alportel, o Museu da Chapelaria de São João da Madeira, o Museu do Trabalho Michel Giacometti de Setúbal e o Museu da Cidade de Almada. Em segundo lugar, a diversidade dos projectos que cada um desenvolve com as comunidades, embora muito diferentes entre si, conseguem envolver as comunidades numa dinâmica enriquecedora tanto para as instituições, como para as pessoas que participam. Estas apresentações proporcionaram momentos de partilha e debate muito positivos.

Imagem de sala no museu

People’s History Museum, Manchester, 2012 © CETAID

AC – Entre as várias actividades realizadas ao longo do projecto, há alguma que vos tenha marcado especialmente? E porquê?

MV – Não fiquei propriamente marcada, mas sim muito interessada no trabalho desenvolvido pelo People´s History Museum, em Manchester, e pela forma permanente e consistente como procura envolver as várias comunidades que compõem o tecido daquela cidade, dando-lhes espaço no próprio museu para se apresentarem aos seus co-cidadãos.

EA – A visita ao Centro Cultural Zsolnay, em Pècs, na Hungria, marcou-me positivamente pela preservação e transformação do espaço da antiga fábrica de cerâmica em museu, que transmite a história daquele espaço industrial, inclusive com a manutenção de um pequeno pólo de produção, e ainda com a instalação de espaços de ensino.

O trabalho desenvolvido pelo People´s History Museum foi outro momento que me marcou. Considero que desenvolvem um trabalho muito interessante com a comunidade, que tem a possibilidade de se candidatar a apresentar projectos para desenvolver no museu. Os diferentes projectos são analisados pelos técnicos e o que merecer aprovação é apoiado pela instituição.

AC – Que balanço é possível fazer neste momento?

EA – Relativamente a um balanço, das três reuniões em que participei (Inglaterra, Portugal e Hungria) destaco como muito positivo o facto de, através deste projecto ser possível contactar com vários museus, observar o trabalho aí desenvolvido e debater com os técnicos as metodologias usadas, no caso concreto do envolvimento dos museus com as comunidades, que nos interessava muito.

Neste projecto foram também apresentados vários casos de estudo que nos permitiram aceder a diversas dinâmicas para captarmos o que cada uma tem de essencial na relação que cada instituição pretende alcançar com as suas comunidades. Constituíram também, momentos de discussão e reflexão.

AC – Que conselhos dariam aos profissionais ou a instituições que pensem em explorar formas de participação através das exposições?

MV – Esta é uma relação que pressupõe abertura, respeito, ausência de paternalismos. Se há uma razão para se querer desenvolver este género de trabalho esta não é, não pode ser, o politicamente correcto, mas sim, o reconhecimento da riqueza de conhecimentos e experiências que existe entre as pessoas que compõem as várias comunidades. Deve haver um interesse genuíno em conhecer melhor e uma noção clara de que os museus estão a prestar um serviço à sociedade.

EA – Em primeiro lugar é preciso conhecer as comunidades onde as instituições estão inseridas e as que queremos trazer até nós, até podem estar num concelho vizinho. Saber de que formas e através de que acções gostariam de participar. A participação pode ser muito variada e não se traduzir só na realização de exposições; questionar que papel gostaria que o(s) museu(s) tivessem; convidá-las a apresentarem projectos e a opinarem sobres as diferentes acções desenvolvidas (p. ex. exposições, debates, etc.), proporcionar um envolvimento pleno e partilha das decisões.

****

Maria Vlachou é consultora em gestão e comunicação cultural e directora executiva da Acesso Cultura. Autora do blogue Musing on Culture e do livro homónimo. Mestre em Museologia pela University College London (1994). Colabora no projecto CETAID.

Elsa Arruda e Joaquim Jorge são ambos antropólogos na Divisão de Cultura da Câmara Municipal de Loures e participam no projecto CETAID.

Maria João Nunes colabora na HPP.

****

Mais informações sobre o projecto:

Associação Histórias para Pensar
CETAID no Facebook
Segunda reunião transnacional CETAID: Património museológico além-fronteiras (2013)
Programa da reunião no Museu de Cerâmica de Sacavém (20 a 22 de Fevereiro de 2013)

Posted in Museology, Projectos | Tagged , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Conceitos-chave de Museologia

Imagem da capa da publicação Conceitos chave

 

 

Desvallées, André, e François Mairesse, eds. 2013. Conceitos-chave de Museologia. Tradução de Bruno Brulon Soares e Marilia Xavier Cury. ICOM. Armand Colin. ISBN: 978-85-8256-025-9.

A publicação electrónica, Conceitos-chave de Museologia apresenta uma selecção de 21 termos essenciais no campo da museologia. Publicada inicialmente em inglês, francês e espanhol (2010), chega agora a tradução para português pelo comité do ICOM Brasil e com o apoio do ICOM-PT.

Esta é, no entanto, uma versão resumida do Dictionnaire Encyclopédique de Muséologie (2011), publicado apenas em francês, e que  incorpora cerca de 500 termos museológicos.

O projecto para a criação de um dicionário remonta a 1993, com a criação de um grupo de trabalho no seio do Comité Internacional de Museologia do ICOM (ICOFOM), coordenado por André Desvallées. Pensado inicialmente como thesaurus, foi depois equacionado o formato de dicionário.

A importância de um dicionário para um melhor entendimento da profissão também foi discutida em Portugal. A intenção de criar um dicionário de museologia, na época a ser coordenado pela Associação Portuguesa de Museologia – APOM, foi referida por João Brigola em 2004, todavia o projecto não veio a ser desenvolvido.

A publicação está disponível no site do ICOM-PT.

Posted in Books, Livros, Museology | Tagged , | Leave a comment

Entrevista com Rui Sousa Martins

Rui Sousa Martins. Entrevista realizada no Museu de Vila Franca do Campo (S. Miguel, Açores), a 6 de Agosto de 2013 © Ana Carvalho

A paixão de Rui Sousa Martins pela Antropologia e pelos museus fizeram dele o grande obreiro do Museu de Vila Franca do Campo, um museu local situado a poucos quilómetros de Ponta Delgada, que reivindica como sendo o laboratório da Antropologia da Universidade dos Açores. Da experiência no terreno fica-lhe a convicção de que o museólogo é antes de mais um gestor de relações sociais.

É também pela mão de Rui Sousa Martins que a museologia entra na Universidade dos Açores, primeiro como uma cadeira (1998), depois nos moldes de uma pós-graduação (2001-2002), seguindo-se a sua transformação em mestrado (2005).

É de todo este lastro que trata a entrevista: percursos, gestão de patrimónios (material e imaterial) e desenvolvimento, e ainda um olhar sobre o panorama museológico nos Açores, ensaiando perspectivas de futuro.

 ****

Rui Sousa Martins é doutorado em Antropologia Cultural pela Universidade dos Açores (1993). Entre 1983 e 2011 dirigiu o Centro de Estudos Etnológicos do Departamento de História, Filosofia e Ciências Sociais da Universidade dos Açores. Coordena o mestrado em “Património, Museologia e Desenvolvimento” e dirige o Museu de Vila Franca do Campo (S. Miguel). Foi o responsável pela concepção de inúmeros projectos museológicos nos Açores, como foi o caso do Museu de Vila Franca do Campo (1982), o Museu da Indústria Baleeira (1994), entre outros. Email: rmartins@uac.pt 

****

Ana Carvalho (AC) – Qual é o primeiro museu que se lembra de visitar e que memórias guarda dessa experiência?

Rui Sousa Martins (RSM) – Nunca tinha posto o problema dessa maneira e a sua pergunta aponta para uma origem explicativa. No entanto, para quem trabalha ligado aos museus, a relação com cada um, e sobretudo com aqueles que mais o influenciaram, não pode ser dissociada das diferentes etapas do seu percurso de vida.

O meu primeiro museu foi o Machado de Castro de Coimbra, a cidade onde cresci. Era estudante do liceu e aos fins-de-semana ia muitas vezes passar o meu tempo no museu, percorrendo demoradamente as salas. Havia pouca gente, eu gostava de ver as esculturas renascentistas, as faianças azuis e brancas do séc. XVI. Isso marcou-me profundamente. É a minha fase de liceu, 4.º e 5.º anos, em que descubro a Arqueologia, o destino museológico das peças, o coleccionismo… Começa assim uma ligação aos museus que é também próxima e indissociável da Arqueologia.

Há um outro museu que eu visitei enquanto jovem e que me marcou muito, o Museu de Arte Popular de Belém, em Lisboa, porque veio ao encontro de um gosto idiossincrático pelos objectos etnográficos.

Portanto, os museus fazem parte de toda a minha vida, onde não acontecem só museus, mas acontecem muitas outras coisas que são determinantes. Um outro capítulo importante foi quando era estudante ter recebido um prémio para ir a Cabo Verde (1967) e aí nasceu uma outra paixão: África. Decido no liceu que vou ser etnólogo e dedicar-me às culturas exóticas. Comecei então a estudar a cultura de Cabo Verde e fiz o meu primeiro trabalho etnográfico de pesquisa na ilha de Santiago.

Como a minha família estava entretanto a viver em Angola, nos finais do liceu, em Janeiro de 1970, vou para Luanda, ligando-me a uma figura que seria determinante na minha vida, o etnólogo José Redinha, e nessa época há outro museu que se torna muito importante para mim: o Museu de Angola.

Este museu tinha uma rica colecção de história natural e também uma secção etnográfica, dedicada às várias etnias de Angola, na altura dirigido pelo antropólogo Mesquitela Lima, e onde também trabalhou Henrique Coutinho Gouveia. Passava no museu uma parte significativa do meu tempo, de modo que o Museu de Angola surge logo como um espaço de formação e mais tarde também depositário de recolhas que eu viria a fazer em várias etnias e culturas do Noroeste de Angola.

É também nessa fase angolana que me surge uma questão nova. Eu interessava-me pela Arte africana, pela Antropologia política, pelos símbolos de poder, pelas técnicas e pela Arqueologia. Mas também me confrontei com a cruel realidade do subdesenvolvimento, da carência, da pobreza, pois havia situações de grande fragilidade social no sistema colonial.

Eu estava interessado em estudar antropologicamente a organização política do Noroeste de Angola e fui fatalmente obrigado a olhar para outras coisas que não tinham nada a ver com a investigação, tais como o problema das pessoas, das condições em que elas viviam e, portanto, a questão do desenvolvimento apareceu-me de uma forma muito aguda ligada ao trabalho antropológico. De tal maneira que defendi a ideia (insólita e ingénua!) de criar um museu na região dos Dembos, ou seja, um espaço onde os símbolos de poder estivessem expostos, servindo de elementos de mobilização turística. A simplicidade das pessoas e a pobreza aparente contrastavam com a riqueza dos mitos e das narrativas sobre a própria cultura assim como com a elaboração das artes, intimamente ligadas à religião.

Fotografia a preto e branco de Mulher com cesto de transporte

Mulher com cesto de transporte. Dembos, Angola, 1972. © Rui Sousa Martins

Em que medida é que nós podemos, de facto, separar o conhecimento das ciências sociais da vida das pessoas? Foi um problema que me surgiu então, embora só se tornasse determinante muito mais tarde. Logo, não havia da minha parte a questão do património, eu não estava a pensar em patrimonializar o que quer que seja, mas tinha a ideia de que determinadas recolhas tinham de ser preservadas no museu, neste caso o Museu de Angola, onde entreguei uma parte significativa das peças que recolhi.

Em 1972-73, eu fui fazer o meu primeiro estágio no Museu do Dundo[1], organizado pela Diamang, na Lunda, no Nordeste de Angola, muito distante de Luanda. E revelou-se uma experiência notável em termos museológicos e etnográficos, porque o museu era de uma riqueza indescritível. Foi um estágio bastante intenso e que me permitiu trabalhar pela primeira vez no interior de um museu, onde conheci Acácio Videira, um estudioso e artista sobre o qual publiquei um pequeno artigo no jornal A Província de Angola.

Cozedura de cerâmica em fogo aberto. Dembos, Angola, 1973 © Rui Sousa Martins

Cozedura de cerâmica em fogo aberto. Dembos, Angola, 1973 © Rui Sousa Martins

Depois regressei à metrópole em Janeiro de 1974 e vim estudar Direito para a Universidade de Coimbra, visto não haver expectativas de fazer um curso de Antropologia em Portugal. A partir de 1975, o Museu do Instituto de Antropologia da Universidade de Coimbra teria grande papel na minha formação e no meu percurso. Aí, encontro Henrique Coutinho Gouveia e Manuel Laranjeira Rodrigues de Areia, aos quais devo muito em termos antropológicos e museológicos. A exposição Angola-Culturas Tradicionais (Outubro-1976) foi uma experiência marcante que se alargaria também aos estudos e recolhas de artesanato local.

É também na década de 70 que eu vou a Paris, onde entro pela primeira vez em contacto com o Museu do Homem e o Museu das Artes e Tradições Populares que foram para mim a grande mudança, na descoberta de novas e marcantes museologias antropológicas.

Paralelamente, há um outro museu português, o Museu da Sociedade de Geografia de Lisboa, onde trabalhei bastante, com o apoio de António de Almeida que também tinha estudado o Noroeste de Angola.

A 8 de Julho de 1978, a Fundação Calouste Gulbenkian vai promover um colóquio sobre ecomuseus com Georges Henri Rivière. E eu vou estar presente com Henrique Coutinho Gouveia e com os colaboradores do Museu de Antropologia de Coimbra. Vai ser outro marco fundamental, pois os ecomuseus vão tornar-se uma ideia extremamente mobilizadora, em parte devido à intervenção de Georges Henri Rivière e também pela documentação que a Gulbenkian me enviou, desafiando-me assim a descobrir a nova museologia.

O processo de descolonização inviabilizou o meu projecto de regressar a Angola, muito embora tivesse continuado os meus estudos e publicações sobre os Dembos. Em 1980, concorri para a Universidade dos Açores (pólo de Ponta Delgada) a fim de trabalhar na área da Antropologia, opção devida ao casamento com uma açoriana, iniciando assim um novo rumo. E comecei rapidamente um projecto de pesquisa em Vila Franca do Campo.

Quando estava em Angola, tinha lido uns artigos sobre a cerâmica dos Açores, publicados por Eduíno Borges Garcia. Consequentemente, tinha conhecimento da existência de um centro de olaria em Vila Franca do Campo e como já tinha trabalhado sobre cerâmica em Angola, comecei logo a estudar a louça da Vila. Aliás, as artes do barro continuam a ser a minha área de eleição e o meu doutoramento foi sobre cerâmica feminina nos Açores, talvez a mais elementar da Europa: Cerâmica Modelada Feminina dos Açores (1994)[2]. É neste contexto que se coloca novamente o problema de um museu.

O programa de Antropologia que eu começo a leccionar em 1980-81 incluía já os museus e os ecomuseus, visto ser uma Antropologia ligada à museologia e agora a questão do património já estava presente, o que se explica também pelo facto de ter participado no I Encontro das Associações de Defesa do Património, em Santarém (1980).

O perfil da Antropologia que tenho leccionado na Universidade teve sempre duas notas características. Em primeiro lugar, a participação de todos os estudantes na pesquisa de terreno e, em segundo, uma activa componente museológica e patrimonial. Estes parâmetros estenderam-se igualmente ao pólo universitário da ilha Terceira, onde lecciono uma cadeira. E se lhe digo isto é porque a Antropologia não tem que ser assim, pois podia ser ensinada numa perspectiva totalmente diferente.

Por conseguinte, quando começo a trabalhar nos Açores, uma das questões que se levanta logo é o problema da organização de um museu que servisse de laboratório antropológico. Um museu para quê? Para poder fazer recolhas etnográficas. Já as tinha feito em Angola e em Portugal continental, mas aqui faltava um espaço especializado. Nessa altura, o Museu Carlos Machado de Ponta Delgada era dirigido por um colega meu, Nestor de Sousa, professor de História da Arte, com o qual mantive sempre um enriquecedor relacionamento. Mas este museu estava vocacionado sobretudo para a Arte e para a História Natural e não tanto para a etnografia.

Por outro lado, a recolha de peças etnográficas pela Universidade dos Açores é anterior à criação do Museu de Vila Franca do Campo, ou seja, a pesquisa de terreno, a colecção e a  patrimonialização antropológica precederam o museu. E é quando estas peças começam a entrar na universidade e a embaraçar o espaço que se põe o problema da criação de um museu, processo já narrado por Sílvia Sousa no âmbito da tese “A Museologia da ilha de S. Miguel: 1974-2008“.

Ainda em 1980, faz-se uma reunião, promovida pela Universidade, com a Câmara de Vila Franca do Campo e aberta à comunidade, para se debater a criação de um museu de Antropologia. E eu propus um museu especializado em cerâmica, vocacionado para a louça da Vila, que era um tema que me interessava sobremaneira. O meu projecto foi automaticamente rejeitado, com o seguinte argumento: Vila Franca não tem só louça, tem também violeiros, tecelagem, música, etc. Então, chegámos a um entendimento: fazer um museu com várias secções, mas dando prioridade à cerâmica.

Foi preciso estabelecer um protocolo (1981) entre a universidade e a câmara, sendo o museu institucionalizado ao mais alto nível político da região autónoma, visto ter sido homologado pelo Secretário Regional da Educação e Cultura quando a Universidade dos Açores estava sob a tutela do Governo Regional.

Em Vila Franca do Campo, foram-nos cedendo progressivamente espaços para organizar as colecções e o museu pôde ir crescendo a partir de uma dinâmica ligada à universidade e ao município. Portanto, o Museu de Vila Franca do Campo é criado com a intenção de produzir um laboratório de Antropologia da Universidade dos Açores e, simultaneamente, responder à vontade dos vilafranquenses. E assim se foi mantendo estes anos todos, com o trabalho académico e o apoio dos sucessivos presidentes da edilidade.

A década de 1980 foi muito rica para o desenvolvimento da Antropologia e da museologia nos Açores e isto por várias razões. Além da criação do museu aqui em Vila Franca do Campo, realizam-se as Semanas de Etnologia do Atlântico, Açores-Madeira-Canárias-Cabo Verde (1986 e 1988), em Angra do Heroísmo, na Ilha Terceira. Promovidas pelo COFIT, estas Semanas estavam ligadas ao Festival Internacional de Folclore dos Açores e permitiram trazer à ilha Terceira Mesquitela Lima, Henrique Coutinho Gouveia e João Lopes Filho, de Cabo Verde, entre outros antropólogos e historiadores dos arquipélagos da Macaronésia. Era uma Etnologia do Atlântico, onde se debateram as questões ligadas aos museus e ao património.

Foi durante as Semanas de Etnologia que se discutiu a política regional de museus, o problema das Casas de Etnografia e a passagem destas a museus. Numa dessas semanas, participou François Hubert do Ecomuseu de Rennes, um dos pólos do Museu da Bretanha. François Hubert[3] vai ter uma grande influência aqui nos Açores e é ele que me vai proporcionar uma estadia de trabalho na Bretanha, no decurso da qual pude conhecer e estudar o ecomuseu da ilha de Groix.

O Seminário Internacional sobre Musealização de Sítios, em Coimbra (19-24 de Outubro de 1987)[4], promovido pelo então Instituto Português do Património Cultural, foi um outro momento importante. Nesse seminário, participaram várias pessoas dos Açores, muitas delas já presentes nas Semanas de Etnologia, como era o caso do jornalista e investigador terceirense João Afonso, que estava a organizar o Museu dos Baleeiros na ilha do Pico, de Teodora de Borba, diretora do Museu da ilha Graciosa, de João Gomes Vieira, responsável pelo Museu da ilha das Flores, de François Hubert da Bretanha, cabendo-me a mim representar a Universidade dos Açores e o Museu de Vila Franca do Campo. Este encontro teve grande impacto no desenvolvimento da musealização de sítios neste arquipélago.

Esta perspectiva, intimamente ligada à problemática dos ecomuseus, fundamentou a reconversão museológica da olaria do Mestre António Batata em Vila Franca do Campo (veja-se roteiro da Olaria-Museu Mestre António Batata) e, posteriormente, graças à militância de José Pedro Gaspar, da oficina de ferreiro-ferrador e da tanoaria da então Vila da Lagoa, na ilha de São Miguel.

Fotografia da fachada da olaria

Olaria-Museu Mestre António Batata, Vila Franca do Campo, 2013 © Ana Carvalho

Porém, seria na Graciosa que a musealização de sítios e a ecomuseologia instituiriam um modelo de gestão global de valores patrimoniais a nível de ilha. E em data recente, Jorge Cunha, actual diretor do Museu da Graciosa, aprofundaria o referido modelo com base nos paradigmas inovadores dos parques culturais, numa tese de mestrado em Património, Museologia e Desenvolvimento – “O Museu da ilha Graciosa no contexto da nova museologia açoriana (1977-2008)”[5]. De salientar igualmente o inovador projecto do Ecomuseu da Ilha de São Jorge, liderado por Eduardo Guimarães (2006) que influenciou significativamente a museologia antropológica açoriana.

E assim se concretizou um processo de mudança na museologia açoriana ligada aos pequenos museus, à musealização de sítios, aos ecomuseus e às autarquias. Obviamente, isto teve consequências muito importantes na gestão do património cultural, tanto móvel como imóvel, mesmo em contextos urbanos. Lembre-se que na Lagoa aparece pela primeira vez, na sinalética urbana, a indicação de uma oficina de ferreiro e de um tanoeiro, actividades marginalizadas e que adquirem valor patrimonial e turístico[6]. Muitas destas questões foram analisadas num número da revista Património e Museus Locais (1992), dedicado aos Açores.

Neste ciclo da museologia antropológica açoriana, insere-se igualmente a reconversão museológica da Fábrica da Baleia de São Roque do Pico (Museu da Indústria Baleeira, 1991), do engenho hidráulico de debulhar trigo da Lomba de Loução (Museu do Trigo, 2003) e da Fábrica de Tabacos da Maia (Museu do Tabaco da Maia, 2006), ambos na ilha de São Miguel, assim como a criação do Ecomuseu da Picada (Rio Grande do Sul, Brasil, 1995).

AC – Como é que surge o ensino da museologia na Universidade dos Açores?

RSM – Em 1982, o departamento de História e Filosofia e Ciências Sociais da Universidade dos Açores aprovou um curso de museologia etnológica. E fez-se história. Tinha-se projectado um curso de museologia etnológica em parceria com a Universidade Nova que não pôde ter seguimento. Foi preciso esperar pela década de noventa (em 1998/99) para se criar a cadeira de etnomuseologia no âmbito da licenciatura em Sociologia, a primeira disciplina da área museológica a funcionar na Universidade dos Açores.

AC – Era leccionada por si?

RSM – Sim, pois é preciso compreender que na altura não havia interesse por parte das outras áreas disciplinares na museologia.

Em 2001/2002, é que se vai iniciar a pós-graduação em Património, Museologia e Desenvolvimento (registo n.º R/2/2000 da DGES) com o apoio de Henrique Coutinho Gouveia da Universidade Nova. A designação de Património, Museologia e Desenvolvimento não é uma questão retórica. Traduz preocupações dominantes na época na medida em que a questão do património e dos museus de sítio apontavam para um novo modelo de desenvolvimento necessário ao arquipélago. Tanto podemos desenvolver os Açores com as olarias, as fábricas tradicionais, os moinhos, ou seja, com os valores patrimoniais, como podemos desenvolver as ilhas fazendo tábua rasa de todos estes elementos e optando por uma modernidade sem referentes tradicionais.

Todas as sociedades conjugam duas dinâmicas: a tradição e a criação. Em determinadas épocas, privilegia-se a tradição, noutras, a inovação, mas podemos optar também por um modelo de desenvolvimento multidimensional que associe os valores regionais e a criação contemporânea. E era este o meu modelo de desenvolvimento. Ou seja, quando se cria a pós-graduação ela tinha um fundamento muito claro e definido: ligar o património e a museologia a um modelo de desenvolvimento alternativo para o arquipélago.

O plano do curso incluía as cadeiras de Antropologia Cultural dos Açores; Museologia; Análise das Paisagens Históricas; Arte, Património e Identidade nos Açores; Gestão Patrimonial e Museológica; Turismo, Desenvolvimento e Culturas Locais. Esta pós-graduação tinha desde logo uma dimensão interdisciplinar inovadora, num quadro departamental de áreas científicas distintas.

AC – Aqui havia também a percepção da falta de formação? Isto também nasce desse sentido?

RSM – Havia uma consciência generalizada da falta de formação na área patrimonial e museológica, partilhada pelos responsáveis políticos da época. A própria Direção Regional da Cultura entendia que a formação seria indispensável à gestão do património e daí o poder político ter tomado uma atitude proactiva no sentido de dar formação académica aos quadros do pessoal dos museus, apoiando de vários modos a participação deles na pós-graduação.

Em 2005, a pós-graduação passa a mestrado. Tanto a pós-graduação como o mestrado surgem numa estreita ligação com a Universidade Nova de Lisboa. Tínhamos um curso assumidamente interuniversitário, nomeadamente o mestrado. Tivemos meios, liberdade e tempo para estruturar o novo curso e centrámo-nos apenas nas questões museológica e patrimonial.

Concebeu-se um modelo de curso para os Açores com um núcleo disciplinar: Teoria e História da Museologia; Programação e Gestão Patrimonial e Museológica; disciplinas de carácter tecnológico: Sistemas de Documentação; Interpretação, Exposição e Educação; Conservação e Restauro e, finalmente, contributos pluridisciplinares: Museologia e Antropologia Cultural; Historiografia, Memória e Identidades; Turismo e Desenvolvimento Regional; Arte e Património (consulte mais informação no folheto de divulgação do curso de 2005/2006).

A pessoa determinante na discussão e na concepção do curso foi Henrique Coutinho Gouveia, e foi pensado como um curso da Universidade dos Açores, inserido numa rede de colaboração nacional. Várias cadeiras eram leccionadas por docentes que vinham de Portugal continental (Henrique Coutinho Gouveia, João Carlos Brigola, Manuela Cantinho, António Viana, Alice Semedo, José Lopes Cordeiro, Sérgio Lira, entre outros) e até do estrangeiro (Francisca Hernández Hernández, Ana Calvo, William Saadé). Tudo isto era possível porque dispúnhamos de recursos financeiros e tínhamos um número elevado de estudantes. Procurámos credibilizar o curso, convidando pessoas de indiscutível mérito académico. Mas, a partir de certa altura, começaram as restrições financeiras e o orçamento foi progressivamente extinto.

Em 2009, o curso foi adequado a Bolonha e o mestrado foi reorganizado no quadro departamental, renegociando-se a sua articulação com as áreas disciplinares e a progressão académica dos docentes que passaram a reger as unidades curriculares, tornando-se progressivamente residual o recurso a colaboradores externos.

No curso adaptado, alterou-se a designação de disciplinas e surgiram duas novas unidades curriculares: Cidade e Património Urbano e Sociologia da Cultura e dos Públicos, instituindo-se também a possibilidade dos mestrandos optarem entre a realização de uma tese ou de um estágio com relatório. Nesta fase do curso, desenvolveu-se também o ensino da artes decorativas graças à colaboração de Gonçalo de Vasconcelos e Sousa da Universidade Católica Portuguesa – Porto (veja-se folheto edição 2010-2012).

Na edição de 2012-2013, o mestrado aprofundou a sua ligação à comunidade com a assinatura de um protocolo entre a Universidade dos Açores e a Câmara Municipal de Ponta Delgada, o que permitiu a implementação de iniciativas conjuntas, privilegiando a área das artes, e já se concretizaram dois ciclos de conferências, um sobre curadoria de exposições e outro sobre jardins históricos e património, proferidas por especialistas convidados. Consequentemente, a natureza interdisciplinar do curso mostrou virtualidades que possibilitaram a abordagem e o aprofundamento de novos temas no contexto insular, captando também novos públicos.

AC – Qual tem sido o perfil do aluno que procura a museologia?

RSM – Inicialmente, eram pessoas que estavam ligadas aos museus e ao património e provenientes das várias ilhas dos Açores. Depois, tem sido frequentado por estudantes com licenciaturas muito diversificadas e com actividade profissional nas áreas do ensino, da arquitectura, do turismo e da conservação e restauro.

AC – Como é que foi sendo articulada no curso a formação académica com a experiência em contexto de museu?

RSM – Esta questão só foi pensada e viabilizada na versão adaptada a Bolonha, que abriu a possibilidade dos estudantes optarem por fazer estágios com relatório e temos já alguns a decorrer em Lisboa e em museus da ilha de São Miguel. Estamos a pensar também em alargar os estágios a museus norte-americanos mais ligados à cultura açoriana.

AC – Não é obrigatório?

RSM – É opcional. Nunca tivemos um estágio obrigatório em museus. Na licenciatura em Património Cultural, sim, o estágio em museus é obrigatório. Mas nem todos os museus dos Açores querem ou podem receber estagiários. Gostaria de salientar em relação a este aspecto a colaboração do Museu Militar dos Açores.

AC – Em termos de produção científica, que tipo de teses se têm desenvolvido na Universidade dos Açores, ou seja, que temáticas têm sido dominantes? Que balanço faz?

RSM – De 2008 a 2013, defenderam-se 18 teses de mestrado nas áreas da museologia e do património histórico, artístico, antropológico, arquitectónico, imaterial e da conservação e restauro.

AC – Fale-me um pouco da sua perspectiva sobre desenvolvimento local e museus.

RSM – A partir de 2000, há uma mudança significativa nos Açores que importa esclarecer e que se relaciona com o impacto de três problemáticas inovadoras: desenvolvimento local, economia solidária, parques temáticos e parques culturais. Estas questões têm sido teorizadas e difundidas pelo economista Rogério Roque Amaro do ISCTE, um reputado especialista internacional nestas áreas. A versão da economia social e solidária que se desenvolveu nos arquipélagos da Macaronésia, desde o início dos anos noventa, propõe-se contribuir para a coesão social e o desenvolvimento local, com base em projectos assentes na valorização e na gestão solidária do território, do ambiente, das actividades económicas, da vida social, da cultura e dos patrimónios, dos conhecimentos científicos e da cidadania participativa[7].

As perspectivas da economia solidária têm-me permitido repensar o papel dos ecomuseus, da musealização de sítios e dos valores patrimoniais no fomento da coesão e da inclusão social. A Olaria-Museu de Vila Franca do Campo, para além de reproduzir e recriar a arte cerâmica local, tem sido precisamente uma experiência gratificante de economia solidária e inclusão social.

No âmbito do projecto EXTREMOS do Programa INTERREG 3B, um programa da comunidade europeia, Roque Amaro desenvolveu um inspirador estudo sobre o Parque Temático como Pólo de Desenvolvimento Local (2004). E foi nesse contexto que elaborei o projecto do Parque Temático da Maia, uma iniciativa promovida pelo Instituto de Acção Social, tendo como entidade gestora a Santa Casa da Misericórdia do Divino Espírito Santo da Maia. A preparação e a implementação do primeiro parque temático dos Açores contaram com a empenhada participação de uma equipa de trabalho local.

Consequentemente, passámos da musealização de sítios e dos ecomuseus para os parques temáticos, para a economia solidária e para a inclusão social, no contexto de uma gestão global do território. E do meu ponto de vista esta é que é a grande mudança na museologia antropológica dos Açores.

Penso que em termos museológicos, classificar os objectos é muito importante, mas ter uma ligação às pessoas e à inclusão social é fundamental e sobretudo é essencial entender o museu à escala de um espaço, de um território e em parceria com os habitantes, com os artistas e com o cidadão comum, isto é, um museu que gere a mudança social e cultural de forma inclusiva.

Ora isto vai ao encontro das questões do desenvolvimento do arquipélago. Nós já temos parques naturais de ilha, mas devíamos implementar parques temáticos e parques culturais de ilha, ou seja, um modelo de desenvolvimento em que a ilha é objecto de uma gestão global, tal como foi ensaiado na ilha Graciosa e em menor escala no Parque Temático da Maia. É nesta concepção que o museu pode integrar percursos de vida locais e não apenas o percurso de vida do antropólogo ou do museólogo.

Em suma, a questão centra-se na gestão territorial do património e, no arquipélago dos Açores, a ilha é o território natural. Na ilha de São Miguel, existem vários museus do sector público (administração regional e local) e do sector privado, mas há uma multiplicidade de valores patrimoniais, recursos para o desenvolvimento, que não se podem albergar no interior de um edifício: as oficinas artesanais, os moinhos, os artífices que trabalham nas suas próprias casas, as artes efémeras e o património imóvel… Todos estes recursos estão dissociados e penso que o novo paradigma é uma gestão patrimonial global que integre todos os valores materiais e imateriais, móveis e imóveis. Isto passa pela criação de uma rede de museus desta ilha e pela articulação destes com o território.

E esta nova museologia passa também por uma questão que me parece central: gerir museologicamente o património é gerir as relações sociais, quer das pessoas entre si quer destas com os respectivos recursos. Neste contexto, temos de dar espaço de iniciativa aos diferentes actores da comunidade, pois as relações patrimoniais e museológicas passam também pela gestão das relações com as paróquias, as juntas de freguesia, as câmaras  municipais e as misericórdias.

AC – Acredita que esta crise também pode ser uma oportunidade?

RSM – A crise é também uma grande mudança social, cultural, institucional, a todos os níveis. E penso que as universidades e os museus têm de se repensar na procura de respostas para os novos desafios colocados pelos processos de mudança. Na sociedade açoriana um dos grandes desafios é a gestão integrada dos valores da natureza e da cultura.

Claro que quando falamos da crise pensamos naturalmente na dimensão financeira, mas esta não resolve tudo. Apesar de não haver muito dinheiro, o facto do Museu de Vila Franca ter uma dupla tutela, a Câmara Municipal e a Universidade dos Açores, tem-lhe permitido funcionar normalmente até nas épocas de maior dificuldade e sempre procurámos apoio e tivemos a colaboração dos vila-franquenses.

Por outro lado, as crises têm o mérito de obrigar as pessoas a pensar e a procurar soluções. Por exemplo, no caso do mestrado em Património, Museologia e Desenvolvimento, o protocolo com a Câmara Municipal de Ponta Delgada permitiu obter apoios para o curso. Todavia, este tipo de relações interinstitucionais tem naturalmente condicionantes que devem ser assumidas, geridas e avaliadas.

AC – A crise obrigou a reestruturar várias instituições.

RSM – Realmente, a crise veio agudizar a necessidade de reestruturação da Universidade dos Açores e de reorganização dos seus cursos, fortemente condicionados pela tripolaridade decorrente da sua implantação em três ilhas do arquipélago. Neste difícil contexto, o mestrado tem desenvolvido inúmeras iniciativas, procurando novos públicos, apesar da drástica diminuição de colaboradores externos, bloqueando assim uma necessária e enriquecedora dimensão interuniversitária.

Sendo a circulação dos docentes a circulação dos saberes, a sua ausência é a consequência mais penalizante da crise. A pequena dimensão territorial das ilhas exige perspectivas muito mais abrangentes e diversificadas que passam pelas experiências objectivas de outros mundos.

Mas também há uma grave crise na universidade portuguesa em geral. E esta crise não se reduz à situação financeira, espelho das dificuldades do país. Temos problemas de proliferação de instituições, problemas de qualidade do ensino, de facilitismo, de falta de trabalho com os estudantes, sobretudo quando recebemos jovens que vêm muito mal preparados do ensino secundário. Só nos resta lutar com os meios ao nosso dispor e sem atitudes derrotistas.

Se as universidades periféricas são importantes para o desenvolvimento local e têm de se adaptar à realidade, na Universidade dos Açores, temos um paradoxo: existimos numa região politicamente autónoma, mas somos dependentes do governo central, impondo-se uma rearticulação com os dois poderes, central e regional, o que potenciaria o desenvolvimento do arquipélago na rede das universidades portuguesas.

Problema semelhante se coloca ao nível dos museus, o que nos leva a concluir que tanto nas questões universitárias como nas museológicas deveria haver um entrosamento entre o poder local, o poder regional e o poder central. Utopia? Talvez.

AC – Uma outra escala e pensando na Rede Portuguesa de Museus (RPM), por exemplo, que entretanto…

RSM – Foi dissolvida e reintegrada noutro contexto institucional.

AC – Como é que vê o impacto que a RPM teve nos museus açorianos? E o que é que espera da nova rede? Que contributos pode dar esta nova rede?

RSM – O impacto foi muito positivo, porque os museus da rede açoriana, ou seja, os museus dependentes do governo regional entraram todos na RPM. Por outro lado, a rede tem contribuído para qualificar e integrar outros museus mesmo no arquipélago dos Açores. A imposição de parâmetros de qualidade, de funcionamento e de organização é muito positivo para a qualificação dos museus e daqueles que neles trabalham.

AC – Vê assim uma continuidade?

RSM – Nesse aspecto, penso que é fundamental, na medida em que posiciona os museus açorianos num estatuto que corresponde a uma qualidade de funcionamento aferida por uma instituição nacional.

AC – Acredita que esta crise também pode ser uma oportunidade para repensar o panorama museológico nos Açores, por exemplo do ponto de vista dos modelos de gestão, da criação de redes temáticas? Isso está a ser pensado?

RSM – Estas questões estão agora a ser pensadas. A crise pode obrigar de alguma forma a repensar a política cultural do arquipélago, da qual os museus fazem parte. E a política cultural, patrimonial e museológica tem de ser equacionada em função das políticas ambientais existentes. Ou seja, neste momento, os Açores têm um modelo de gestão exemplar e inovador do património natural. Conseguiram criar Parques Naturais de Ilha (2008-2011), o Parque Marinho dos Açores (2011) e o Geoparque Açores (2012) e esses são passos fundamentais para o desenvolvimento do arquipélago. Nós não podemos pensar o património cultural dos Açores fora duma articulação com a natureza das ilhas e com os respectivos parques ambientais. Penso que este é o caminho a seguir.

A implantação das redes de museus a nível de ilha é necessária, embora seja um processo complexo, dadas as diferenças de tutela. No entanto, esta articulação dos museus tem de ser vista em função do território.

Os museus têm de ser repensados como forma de gerir o património dos espaços onde se inserem, nomeadamente os municipais, mas também os regionais. Por exemplo, qual é o referente territorial do Museu de Ponta Delgada? A cidade? A ilha de S. Miguel? O espaço das suas colecções? E as mesmas questões se colocam para os restantes museus regionais assim como para os museus de ilha.

Por outro lado, temos a questão das redes temáticas, indispensáveis à gestão patrimonial e museológica dos mesmos elementos e/ou complexos culturais existentes na mesma ilha, em contextos interinsulares e até transatlânticos.

Nós temos em Vila Franca do Campo, por exemplo, a microrrede da olaria (veja-se roteiro da olaria), mas há elementos culturais comuns ao arquipélago, tais como as festas do Espírito Santo e a baleação, que carecem de uma gestão patrimonial integrada.

As redes temáticas têm de ser pensadas em termos de instituição de espaços de interpretação global, criados nos locais onde os valores adquirem maior expressão e significado e que articulem os elementos existentes nas várias ilhas, cuja dimensão patrimonial tem de ser gerida localmente. Se pensarmos no património baleeiro, temos um caso paradigmático. Não há dúvida que o principal centro da baleação açoriana é a vila das Lajes do Pico, mas sabemos que esta actividade teve expressão relevante noutras freguesias daquela ilha assim como nas restantes ilhas dos Açores, com ligações históricas a espaços continentais e arquipelágicos. Podemos concluir que este complexo cultural precisa da instituição urgente de um modelo de gestão museológica, turística e também desportiva no âmbito dos botes baleeiros.

Os Açores têm um potencial excepcional, mas também muitos desafios. Tem de haver uma nova política do património e dos museus, equacionada a médio e longo prazo. Nós temos uma equipa muito boa na política do ambiente. Mas tem de haver uma mudança, isto é, uma nova política para o património e para os museus tanto a nível dos concelhos como  das ilhas e do arquipélago. Se não faltam potencialidades, temos ainda um desenvolvimento muito desarticulado e assimétrico.

AC – Como é que vê o novo enquadramento para o património imaterial que começa por ser internacional com as políticas da UNESCO, com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, e que entretanto passou para as políticas nacionais e regionais (cf. Regime jurídico de salvaguarda do património cultural imaterial da Região Autónoma dos Açores), sobretudo valorizando a ideia de inventário, com a criação de base de dados (cf. Inventário Regional do PCI dos Açores)?

RSM – De uma forma extremamente positiva. Primeiramente, saliente-se o impacto das normas internacionais e nacionais no desenvolvimento regional. Penso que os Açores têm um valioso património imaterial que está a mobilizar os estudiosos e as instituições locais.

 Por exemplo, foi a Câmara Municipal da Ribeira Grande, na ilha de São Miguel, que promoveu a classificação do Arcano Místico como tesouro regional[8]. Temos ainda outras iniciativas em curso, tais como a patrimonialização das Cavalhadas da Ribeira Grande, do Carnaval da Ilha Terceira[9] e das festas do Divino Espírito Santo, objecto de alguma polémica. É uma questão que tem que ser abordada com ponderação porque, para além da dimensão regional, adquire características específicas e tem uma presença muito forte nas comunidades emigradas na América do Norte e também no Brasil.

Há outros elementos do património imaterial bastante relevantes nos Açores, como as festas populares, a música regional e as artes tradicionais (artesanato). Seria importante implementar uma política do artesanato que, de algum modo, mantivesse a tradição local promovendo paralelamente a inovação. Neste momento, a política do artesanato não tem conseguido reproduzir algumas artes tradicionais muito relevantes nos Açores, como é o caso da olaria que desapareceu na ilha de Santa Maria e está numa situação muito precária em Vila Franca do Campo.

Eu penso que a nova dinâmica do património imaterial é um dos desafios mais interessantes da cultura açoriana e já teve consequências muito positivas, inquestionáveis e de grande qualidade.

AC – E em relação aos museus, acha que podem contribuir de alguma maneira para esta valorização?

RSM – O património imaterial tem uma complexidade distinta do património material.  Neste nós temos a dimensão tangível dos objectos que manuseamos, expomos, colocamos nas reservas, restauramos… O património imaterial tem uma dimensão intangível que se transmite na vida comunitária, nas relações com as pessoas e se manifesta nos conhecimentos, nas artes e nas festividades. Como é que o museu pode representar e gerir esta realidade?

A gestão museológica do património imaterial passa por uma intensa e empenhada relação com as pessoas da comunidade, detentoras de saberes e produtoras da sua própria cultura. O museu assume-se assim como um espaço de exibição, explicação e também de afirmação do património imaterial.

AC – Do ponto de vista da política museológica açoriana, se tivesse que a repensar, quais deveriam ser as prioridades para os próximos anos?

RSM – Definir objectivos relevantes nos vários domínios ou categorias do património e depois estabelecer prioridades. Não é concebível nem aceitável que os Açores não tenham um museu naval. Estas ilhas estiveram na encruzilhada de todas as rotas atlânticas entre o Norte e o Sul, o Este e o Oeste. A construção naval tem sido patrimonialmente marginalizada, as embarcações da pesca tradicional desapareceram e apenas resta uma em museus micaelenses. Também é necessário implementar formas de gestão global do património e tenho vindo a defender a criação de parques culturais de ilha que articulem os diferentes valores e redes do património cultural.

AC – Imaginemos que estamos num período pós-crise. Apesar disso vários museus continuam a surgir… Que museu faz falta nos Açores ou em S. Miguel?

RSM – Não temos museus a mais. A chamada proliferação dos museus é um estereótipo importado e manipulado para negar o museu do outro. Se os museus tivessem proliferado nos Açores, o património estaria salvaguardado, mas isso não aconteceu.

Os museus não se definem a priori. São uma solução exigida pela comunidade que os vê como o meio mais adequado para gerir e promover os seus valores patrimoniais e identitários. Logo, é necessário criar o pólo do Museu Militar, na ilha Terceira, onde existe uma das melhores colecções de militária do país.

Digo e repito que se trata de uma questão deveras complexa e que a proposta de novos museus deve alicerçar-se no conhecimento da realidade sociocultural insular. Por exemplo, o concelho da Ribeira Grande é particularmente rico no património agro-industrial, especialmente na produção do chá, do álcool, do tabaco, do linho, da telha regional e também no campo da farinação de cereais, fazendo todo o sentido a criação de um museu industrial que transformasse os valores patrimoniais em recursos para o desenvolvimento e potenciasse as actividades económicas subsistentes. Porém, acabou por se impor o projecto de um Centro de Artes Contemporâneas… Consequentemente, a resposta acaba por incidir na política patrimonial e museológica que se pretende para cada concelho e para cada ilha.

Começou por haver museus só em S. Miguel (Ponta Delgada), na ilha Terceira (Angra do Heroísmo) e na ilha do Faial (Horta). Nas restantes ilhas, criaram-se Casas Etnográficas dependentes dos referidos museus. Lutei bastante para que cada ilha tivesse o seu museu, visto que cada uma tem direito à gestão museológica dos seus bens sem dependências feudais das outras ilhas.

Actualmente, temos de partir para a criação de redes museológicas e patrimoniais no contexto de parques culturais de ilha e também em contextos interinsulares e até transatlânticos, envolvendo sobretudo as comunidades emigradas nos Estados Unidos e no Canadá e as de tradição açoriana no sul do Brasil (veja-se o parecer de Rui Sousa Martins sobre a criação da Rede de Instituições Museológicas dos Açores).

Em suma, o que temos de fazer no arquipélago dos Açores é implementar um modelo de desenvolvimento centrado nos valores patrimoniais, que tanto podem ser da natureza como da cultura, tradicionais ou contemporâneos, e geri-los numa perspectiva de coesão social e territorial. Penso que este é o problema do futuro e que teremos de debater democraticamente.

AC – Obrigada.

 ****

Notas:


[1] Veja-se, por exemplo, Porto, Nuno. 2009. Modos de objectificação da dominação colonial: o caso do Museu do Dundo, 1940-1970. Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

[2] Martins, Rui de Sousa. 1999. A cerâmica modelada feminina dos Açores. Sistemas produtivos, formas de articulação e processos de mudança. Cascais: Patrimonia.

[3] Veja-se Martins, Rui de Sousa, e François Hubert. 1991. Ethnologie et muséologie dans un milieu insulaire. [s.l: s.n.].

[4] Consulte-se Gouveia, Henrique Coutinho, e Margarida Chorão de Carvalho. 1987. A musealização de sítios na área da etnologia: os conjuntos de moinhos de vento da Portela de Oliveira e de fornos de cal de Santo Amaro. Lisboa: Instituto Português do Património Cultural; e Gouveia, Henrique Coutinho, e Margarida Chorão de Carvalho. 2003. Musealização de sítios na bacia hidrográfica do Mondego. Penacova: Município de Penacova.

[5] Cunha, Jorge António M. Borges e. 2008. O Museu da ilha Graciosa no contexto da nova museologia açoriana (1977-2008). Dissertação de mestrado em Património, Museologia e Desenvolvimento, Universidade dos Açores.

[6] No concelho da Lagoa, o padre João Caetano Flores já tinha criado o Museu da Ribeira Chã, um processo iniciado em 1977.

[7] Sobre este tema veja-se Amaro, Rogério. 2009. Economia solidária da Macaronésia-um novo conceito. Revista de Economia Solidária, 0: 8-18. 

[8] O Arcano Místico, classificado como tesouro regional em 2009, é um conjunto escultórico do séc. XIX (1835-1858) da autoria de uma freira clarissa do Convento de Jesus. Numa caixa envidraçada são apresentados 92 quadros sobre temas bíblicos, produzidos a partir de materiais diversos, formando 3970 figuras em massa de farinha aglutinada com goma arábica. O Arcano Místico foi musealizado recentemente. Para mais informação consulte o site da Casa do Arcano e artigo na base de dados da Direcção Regional de Cultura dos Açores.

[9] Veja-se Martins, Rui Sousa. 2013. “Inscrição das danças de Entrudo da ilha Terceira no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial. Parecer”, Atlântico Expresso, 14 de Outubro. Ponta Delgada: 6-7. Veja-se também Mourão, Rui. 2012. O Carnaval é um Palco, a Ilha uma Festa (catálogo). Lisboa: Imprensa Municipal e Câmara Municipal de Lisboa.

 ****

Outras leituras:

Gonçalves, Maria Cristina. 2002. “Os museus da rede regional dos Açores“. Boletim da Rede Portuguesa de Museus. 4: 10-14.

Meneses, Luís. 2006. “Museus dos Açores: uma leitura“. Boletim da Rede Portuguesa de Museus. 22: 7-8.

Ribeiro, Maria M. Velásquez, e Susana Goulart Costa. 2013. “Atlanticidade e mundo lusófono. Imaginários, Representações e Programação nos museus açorianos”. In VI Encontro de museus de países e comunidades de língua portuguesa: Atas 2012, Fundação Oriente, Setembro 2011, ed. Graça Filipe, 185-191. Lisboa: Comissão Nacional Portuguesa do ICOM.

Sousa, Sílvia Maria Borba Fonseca e. 2009. A museologia na ilha de São Miguel: 1974-2008. Dissertação de mestrado em Património, Museologia e Desenvolvimento, Universidade dos Açores.

 

 ****

Mais entrevistas neste blogue:

João Brigola
Filipe Themudo Barata
Maria Vlachou 
Hugues de Varine
Inês Fialho Brandão

 

Posted in Entrevistas, Museologia, Museology | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Planear e programar museus: criar conexões

Retrato de Gail Dexter Lord a preto e branco

Gail Dexter Lord. Imagem retirada de CityAge TV.

“Planear e programar museus: criar conexões, envolver a sociedade, construir uma visão cultural para o desenvolvimento” é o tema do próximo encontro organizado pela Comissão Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM), que terá lugar na Fundação Calouste Gulbenkian (sala 1) no próximo dia 31 de Março de 2014.

Este será o último encontro organizado pela actual direcção do ICOM-PT. Pode ler-se um balanço do que foi feito nestes últimos seis anos no último número do boletim (cf. Informação ICOM.PT Março-Maio 2014).

O debate irá centrar-se no tema escolhido pelo ICOM internacional para 2014 – “Museus: as colecções criam conexões”. Entre os convidados destaca-se a presença de Gail Lord, que vai fazer a palestra de abertura com uma comunicação intitulada “How to plan and position museums in times of cultural change”.

Gail Lord é uma especialista de renome na área da gestão de museus. Formada em História pela Universidade de Toronto, tem tido uma actividade profícua e internacional no mundo dos museus: crítica de arte, comentadora, professora, conferencista, etc. É também presidente da empresa “Lord Cultural Resources“, criada em 1981, juntamente com o marido Barry Lord, a partir da qual tem desenvolvido inúmeros projectos.

Muitos estudantes de museologia conhecerão os seus manuais, em co-autoria com Barry Lord, a saber: The Manual of Museum Planning (1991); The Cost of Collecting (1991); The Manual of Museum Management (1997); The Manual of Museum Exhibitions (2002); Artists, Patrons, and the Public: Why Culture Changes (2010). Em co-autoria com Kate Markert, Gail Lord publicou também The Manual of Strategic Planning (2007). Pode encontrar mais informações sobre Lord em Lord Cultural Resources.

Programa preliminar

14.00 Abertura
João Castelo-Branco Pereira, Museu Calouste Gulbenkian
Luís Raposo, Presidente do ICOM-Portugal

14.15 Palestra de abertura|Opening lecture
How to plan and position museums in times of cultural change
Gail Lord, Lord Cultural Resources, Canadá

15.15 Painel ‘Planear e programar museus: Criar conexões, envolver a sociedade, construir uma visão cultural para o desenvolvimento’|‘Planning museums: Create connections, engage society, create a cultural vision for development’
Álvaro Garrido, Programador do Museu Marítimo de Ílhavo
Suzanne Cotter, Directora do Museu de Serralves
João Castelo-Branco Pereira, Director do Museu Calouste Gulbenkian

Moderadora: Graça Filipe, ICOM-Portugal/IHC-FCSH-Universidade Nova de Lisboa

16,00 Debate
17.00 Café

A entrada é livre. Pode encontrar mais informações no site da Comissão Nacional do ICOM.

Posted in Conferences, Museology | Tagged , | Leave a comment

Panorama Museológico em Portugal (2000-2010)

Capa do livro "O Panorama Museológico em Portugal"

Foto retirada do site da DGPC.

Direção-Geral do Património Cultural. 2014. Panorama Museológico em Portugal (2000-2010). Lisboa: Direção-Geral do Património Cultural.

Obra de síntese, o “Panorama museológico em Portugal 2000-2010″ acaba de ser discretamente publicado. Ilustra a evolução do mundo dos museus na última década. Qualificação será a este propósito palavra-chave, e muito deve ao plano estratégico da Rede Portuguesa de Museus (RPM). A publicação também elucida sobre a relevância da RPM e dos rumos traçados.

No histórico de publicações deste género deve referir-se o “Inquérito aos Museus em Portugal” (2000) e o “Panorama Museológico em Portugal (2000 – 2003)” de 2005.  Este trabalho resulta da colaboração das instituições ligadas aos museus (IPM, depois IMC e hoje DGPC) e do Observatório das Actividades Culturais (OAC), que entretanto foi extinto.

Ainda sem ter tido oportunidade de consultar a publicação, é, no entanto, expectável que seja uma obra de consulta e referência obrigatória para quem se interesse pelo estudo dos museus em Portugal. Porém, fica  a questão, poderá o diagnóstico realizado contribuir para a construção de rumos para o futuro?

Mais informações sobre o livro aqui, que possivelmente estará à venda nas lojas da rede de museus nacionais e palácios, bem como na loja do Palácio Foz nos Restauradores (cf. lista aqui).

ÍNDICE

Agradecimentos

Introdução
Alterações e continuidades face ao anterior panorama (2000-2003)
A BdMuseus e a produção de conhecimento sobre os museus
As alterações no inquérito aos museus do INE (IMUS)
Os museus nas estatísticas europeias

1. Contextos e dinâmicas dos museus em Portugal
1.1. Enquadramento legislativo, alterações orgânicas e orientações da tutela dos museus
1.1.1. A RPM e a tutela pública dos museus
1.2. Despesas públicas com museus em Portugal
1.2.1. Despesas da administração central com museus
1.2.2. Despesas da administração local com museus
1.2.3. Prémios internacionais dos museus portugueses
1.3. Redes de museus

2. Recenseamento, resultados e problemas
2.1. Método e resultados globais
2.1.1. Museus
2.1.2. Museus polinucleados e núcleos
2.2. Problemas no recenseamento: algumas ilustrações
2.2.1. Sítios arqueológicos
2.2.2. Centros Ciência Viva
2.2.3. Monumentos
2.2.4. Jardins zoológicos, botânicos e aquários

3. Os museus: caracterização geral, recursos, acervos, instalações e parcerias
3.1. Metodologia do IMUS
3.2. Museus por tutela, tipo, região, ano de abertura e ano de criação
3.2.1. Uma análise por tutela desagregada
3.2.2. Uma perspetiva diacrónica da criação de museus
Criação de museus por tutela
Criação de museus por tipo
Criação de museus por região
3.2.3. Uma ponderação dos museus pela população e pela região (2003 e 2009)
3.3. Recursos
3.3.1. Recursos humanos
Os responsáveis
Pessoal
3.3.2. Orçamento próprio
3.3.3. Recursos informáticos
3.4. Acervo: localização, tipos, bens e formas de registo
3.4.1. Localização
3.4.2. Tipos dominantes
Uma classificação dos museus de acordo com os tipos dominantes de bens
3.4.3. Bens
3.4.4. Formas de registo
3.5. Instalações, espaços técnicos e sistemas de segurança
3.6. Parcerias
3.7. Associação de amigos do museu

4. Os museus e os visitantes: atividades e características
4.1. Abertura, períodos de funcionamento e salas ou espaços de exposição
4.1.1. Abertura e períodos de funcionamento
4.1.2. Salas ou espaços de exposição
4.2. Atividades orientadas para os visitantes
4.2.1. Serviço educativo
4.2.2. Outras atividades orientadas para os visitantes
4.3. Visitantes
4.3.1. Museus por escalão de visitantes
4.3.2. Controlo dos visitantes
4.3.3. Volume de visitantes
4.3.4. Sazonalidade do volume de visitantes
4.4. Características dos visitantes
4.4.1. Grupos escolares, visitantes estrangeiros, entradas gratuitas
4.4.2. Um enfoque nos visitantes por tutela, tipo e região dos museus
Por tutela
Por tipo
Por Região
4.5. Visitantes dos museus da RPM

5. A RPM e os museus da RPM
5.1. Enquadramento orgânico e linhas programáticas
Linhas programáticas
Recursos humanos
5.2. A RPM enquanto rede
5.2.1. Modalidades de integração
5.2.2. Museus RPM
5.3. Linhas de ação da RPM
5.3.1 Credenciação
Transição dos museus integrados na RPM
Credenciação de museus (candidaturas)
5.3.2. Informação
Boletim
Site RPM
Visitas do site
5.3.3. Formação
Ações de formação
Centro de documentação RPM
5.3.4. Qualificação
Programa de apoio à qualificação dos museus (PAQM)
Programa de apoio a museus (ProMuseus)
Programa de apoio técnico aos museus (PATM)
Outras atividades
5.3.5 Articulação e cooperação
Incentivo à articulação entre museus
Emissão de pareceres técnicos
Cooperação IMC/OAC/INE
Cooperação com outros organismos
5.4. Nível de participação nas linhas de ação da RPM

6. Inquérito aos museus da RPM
6.1. Metodologia
6.1.1. Questionário
6.1.2. Aplicação
6.1.3. Taxa de resposta, validação e sequência analítica
6.2. Resultados
6.2.1. Resultados globais detalhados, 2011 (percentagem)
6.2.2. Por tutela e nível de participação, 2011 (médias)
6.2.3. Resultados globais: comparação dos inquéritos 2004 e 2011 (médias)
6.2.4. Resultados das não-respostas: comparação dos inquéritos 2004 e 2011 (percentagem)
6.2.5. Grau de expetativas quanto ao futuro da RPM (2004 e 2011)
6.2.6. Sugestões, opiniões e comentários quanto ao futuro da RPM (2011)

7. Indicadores globais de evolução do panorama museológico
7.1. Dois modelos de aferição
7.1.1. Modelo minimal
7.1.2. Modelo desenvolvimento
7.2. Regulamentos, normas e planos

Notas conclusivas
Bibliografia citada
Webgrafia
Legislação

Anexos

Capítulo 1
Anexo 1.1: Museus e RPM: principais referências no período 2000-2011
Anexo 1.2.: Prémios internacionais atribuídos a museus portugueses (1977-2012)
Anexo 1.3.: Redes nacionais e internacionais de museus

Capítulo 3
Anexo 3.1.: Tipos de museu

Capítulo 4
Anexo 4.1.: Serviços educativos e outras atividades orientadas para os visitantes
Anexo 4.1.: Visitantes dos museus da RPM

Capítulo 6
Anexo 6.1.: Tabela comparativa inquérito aos museus RPM 2004 e 2011
Anexo 6.2.: Inquérito aos museus RPM 2011: questionário
Anexo 6.3.: Resultados globais inquérito aos museus da RPM (2011)

Posted in Books, Livros, Museologia | Tagged , , , , , | Leave a comment

Identificazione Partecipativa del Patrimonio Immateriale

Foto daqui.

Foto daqui.

Associazione per la salvaguardia del Patrimonio Culturale Immateriale (ASPACI), ed. 2011. Identificazione Partecipativa del Patrimonio Immateriale. [Milano?]: Associazione per la salvaguardia del Patrimonio Culturale Immateriale (ASPACI) e Archivio di Etnografia e Storia Sociale-Regione Lombardia. 261 páginas, ISBN 978-88-900642-2-7. URL:  http://www.echi-interreg.eu/assets/uploads/ReportASPACI1_ISBN_web.pdf

Este relatório é de 2011, mas pode ter utilidade para quem estuda as políticas da UNESCO ou para quem as procura operacionalizar. Foi realizado no âmbito do projecto italiano ECHI (fundos europeus) no sentido de fornecer pistas para a criação de um inventário - Registro delle eredità immateriali del patrimonio transfrontaliero italo-svizzero.

A primeira parte oferece uma panorâmica sobre os princípios base da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO e a sua problematização, pela investigadora italiana Chiara Bortolotto (sobre a autora veja-se aqui e aqui). Na segunda parte são analisados comparativamente dez inventários do Património Cultural Imaterial em várias partes do mundo, concebidos no espírito da Convenção de 2003. Os casos de estudo incluem Portugal.

****

Índice

Parte A – di Chiara Bortolotto, Quali inventari per il patrimonio culturale inmateriale? Innovazioni e problematiche nell’a applicazione della convenzione UNESCO del 2003

2 Introduzione

6 L’identificazione del patrimonio culturale immateriale in applicazione della Convenzione Unesco del 2003

38 Il patrimonio immateriale e l’autenticità: una relazione indissolubile

57 Il territorio nelle rappresentazioni del patrimonio culturale immateriale. Quale patrimonializzazione per le pratiche culturali itineranti e transfrontaliere?

80 Partecipazione e patrimonio culturale immateriale

PARTE B – a cura di Chiara Bortolotto, Paese che vai inventario che trovi: dieci casi studio

Europa

91 Inventario del patrimonio immateriale in Portogallo, di Chiara Bortolotto e Cyril Isnart

102 Gli inventari del patrimonio immateriale in Francia, di Chiara Bortolotto

124 La Svizzera: una buona allieva nel processo di inventario del PCI? di Florence Raezer Bideau

139 Inventario della comunità fiamminga (Belgio), di Chiara Bortolotto

145 L’inventario del patrimonio culturale immateriale in Scozia, di Chiara Bortolotto e Marta Severo

America del sud

162 Inventari del patrimonio immateriale in Brasile, di Chiara Bortolotto

178 Inventario del patrimonio culturale del Venezuela, di Chiara Bortolotto e Marta Severo

America del nord

190 Inventari del patrimonio culturale immateriale in Québec, di Isabelle Becuywe e Chiara Bortolotto

Asia

210 Inventario del patrimonio culturale immateriale in Cina, di Li Wang

223 Inventari del patrimonio culturale immateriale in Vietnam, di Chiara Bortolotto

228 Conclusioni, di Chiara Bortolotto

238 Analisi tecnica: gli inventari tra visibilità e interattività sul web, di Marta Severo

246 Gli inventari in sintesi, di Chiara Bortolotto

259 Gli autori

Posted in Intangible Cultural Heritage | Tagged , , , , , , , , | Leave a comment

Patrimonio Inmaterial, Museos y Sociedad

Patrimonio inmaterial

Mingote Calderón, José Luis, ed. 2013. Patrimonio inmaterial, museos y sociedad: balances y perspectivas de futuro. Madrid: Ministerio de Educación, Cultura y Deporte de España. 298 páginas. URL: http://es.calameo.com/read/000075335489f789a44ae

A publicação que aqui se destaca constitui as actas de um encontro/curso sobre Património Cultural Imaterial (PCI) que teve lugar em Outubro de 2010 em Lima (Peru). O curso então organizado teve um carácter internacional, incidindo no universo de países ibero-americanos, patente na proveniência diversa dos participantes e conferencistas (e distintos backgrounds).

O livro assume a intenção de um discurso multivocal à volta do tema, tendo em conta os diferentes entendimentos que faz despoletar o termo PCI promovido pela Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003). Tal como sublinha José Mingote Calderón, coordenador da obra, no seu conjunto, a publicação reclama diferentes visões do conceito de PCI que resultam da reinterpretação do normativo internacional, estando também implícita a seguinte dualidade, um entendimento do “PCI como riqueza” que traduz à letra os desígnios da Convenção, a par com uma leitura mais crítica das políticas desenvolvidas no âmbito da salvaguarda do PCI (p. 11).

O livro está estruturado em torno de duas partes: “Ponencias” e “Comunicaciones” e constitui uma diversificação de olhares sobre o PCI, através de contribuições a partir de várias áreas disciplinares para além da Antropologia (História, Arqueologia, Sociologia, etc.) e terrenos de actuação (ex. museus, bibliotecas, etc.). Entre os textos está presente uma contribuição sobre a realidade portuguesa pela mão de Paulo Ferreira da Costa, que descreve o percurso normativo e institucional realizado a partir da tradução da Convenção de 2003 para o contexto nacional.

Índice

Reflexiones en torno a un curso sobre Patrimonio Cultural Inmaterial y Museos (Lima, 2010), José Luis Mingote Calderón, p. 8

PONENCIAS

Patrimonio Cultural Inmaterial, museos e historia(s). Una relación antigua, José Luis Mingote Calderón, p. 13

Salvaguarda do Patrimonio Cultural Imaterial em Portugal (2007-2011): enquadramentos, paradigmas e instrumentos estratégicos, Paulo Ferreira da Costa, p. 44

Del trabajo de campo a la declaración. El Patrimonio Cultural Inmaterial y su gestión en la Región de Murcia, Inmaculada García Simó, p. 72

El Patrimonio Inmaterial: repercusiones en la exposición comunicativa y en el papel social del museo, Luis Caballero García, p. 89

COMUNICACIONES

Patrimonios, arqueologías e identidades: una experiencia en la construcción colectiva de un museo local (provincia de San Juan, Argentina), Soledad Biasatti, p. 140

Patrimonio Cultural e identidad. El leprosorio de Agua de Dios, Colombia, Paula Matiz, p. 146

Mapudungun (lengua mapuche), pérdida histórica y rescate, Marcela Coñequir, p. 154

Multiculturalidad, pluriidentidad, rescate del patrimonio intangible: la problemática de Misiones y su patrimonio, Martha M. Bordenave, p. 164

La función social del Patrimonio Cultural Inmaterial y los desafíos de su preservación en Chile, Sigal Meirovich Schapira, p. 174

Cuando la comida se convierte en patrimonio: puntualizando la discusión, Renata Menasche, p. 180

Rescate del Patrimonio Inmaterial. La gastronomía regional del NE de Argentina, SE de Brasil y Paraguay, Elba González, p. 188

Patrimonio gastronómico del norte argentino. La empanada tucumana,  Gustavo Calleja y Jimena Medina Chueca, p. 198

Los caminos de la escritura. Aportes al desarrollo del turismo cultural en Salto, Gabriela Campodónico Bolón, p. 208

Memoria Chilena: la web como herramienta de promoción del Patrimonio Cultural Inmaterial, Macarena Dölz, p. 219

Conocimiento arqueológico y discursos patrimoniales. Dos casos de estudio: Quebrada de Humahuaca (Argentina) y Valle del Choapa (Chile), Patricia B. Salatino, p. 227

Recuperación y puesta en valor del conocimiento ecoagroalimentario tradicional como insumo para la seguridad alimentaria, Mayela Solano Quirós, p. 242

Pilares del heroísmo. Salvando nuestra memoria, Leila Valenzuela Pérez, p. 254

Los museos históricos y el Patrimonio Inmaterial. Un desafío a implementar, María Teresa Margaretic, p. 261

Archivo de saberes orales, Micaela Navarrete Araya, p. 272

Educación en Derechos Humanos y género. Un espacio de memoria, Patricia Brignole Comamala, p. 279

El museo ausente: la mirada negadora sobre la cultura del otro, Rubén Darío Romani Ferreyra, p. 288

Posted in Books, Intangible Cultural Heritage, Livros, Museology | Tagged , , , , , , | Leave a comment

Social Learning Spaces and Knowledge Producing Processes

Museums social places

Lundgaard, Ida Braendholt, e Jacob Thorek Jensen, ed. 2013. Museums, Social Learning Spaces and Knowledge Producing Processes. Copenhaga: Danish Agency for Culture. 257 páginas. ISBN: 978-87-92681-38-6.

Acabam de ser publicadas as actas da conferência - Social Learning Spaces and Knowledge Producing Processes, que teve lugar em Copenhaga em Maio de 2013. Além de uma versão impressa o livro encontra-se disponível em PDF aqui. Algumas das comunicações também estão disponíveis via YouTube.

“The Danish Agency for Culture focuses on creating the framework conditions for museums to continue to take on new roles in society. Roles that build on learning potentials, where the museums constitute open social learning spaces for knowledge producing processes.

Museums are democratic educational institutions that contribute to culture being an active resource in society. This implies that museums as social learning spaces for knowledge producing processes can create social change and sustainable growth” (p. 5).

ÍNDICE

6 Social Learning Spaces and Knowledge Producing Processes
8 Learning Museums and Active Citizenship, Ida Brændholt Lundgaard
21 Reading Guide
26 Improving the educational Role of Museums in Society, Jacob Thorek Jensen

44 Diversity and Intercultural Dialogue
46 A Museum for the Fool and the Professor, Thomas Bloch Ravn
62 Benchmarking Diversity in Museums, Amareswar Galla

88 Motivation and Learning Styles
90 The Art Museum – Still an Institution in Transition, Christian Gether
106 Understanding Museum Visitors’ Motivations and Learning, John H. Falk

134 Social Inclusion and Interdisciplinarity
136 Modern Natural History, Jacob Christian Salvig
148 Open Minds – Open Doors, Martha Fleming

172 Museums as Social Learning Spaces
174 Waiting for the Public to Change? Jette Sandahl
198 Museums as Social Learning Spaces, Lynn D. Dierking

220 Cultural Democracy
222 If Museum is the Answer, Søren Friis Møller
242 When Audiences Teach – Or the Redefinition of the Institution, Niels Righolt

Posted in Museology | Tagged , | Leave a comment

Vox Musei, uma nova revista sobre museus e património

Vox musei

Foto daqui

 Vox Musei é uma nova revista científica e de perfil internacional vocacionada para investigadores ibero-americanos. Publicada em Portugal, resulta de uma parceria entre o Centro da Investigação e de Estudos em Belas-Artes da Universidade de Lisboa (CIEBA) e o grupo de pesquisa brasileiro CNPq “Vox Musei arte e património” e “Memória, Ensino e Património Cultural” da Universidade Federal do Piaví.

Vox Musei foi também o título do congresso internacional “Arte, Património e Museus” realizado na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa entre 20 e 22 de Junho de 2013, encetando novas pontes para o diálogo entre investigadores portugueses e brasileiros.

A revista, de carácter semestral, em suporte impresso e digital, teve o seu primeiro número publicado em Janeiro de 2013 e conta já com mais dois números. Os dois primeiros números foram dedicados à museologia e ao património numa perspectiva abrangente, sendo que o terceiro número foi dedicado à cultura fluvial e marítima. Os três números estão disponíveis aqui: http://www.ojs.ufpi.br/index.php/voxmusei (apenas 1 número) e aqui: http://www.fba.ul.pt/revistas/ (todos os números via ISSUU).

De acordo com Áurea da Paz Pinheiro (Universidade Federal do Piaví), directora da publicação, a Vox Musei pretende publicar “trabalhos inéditos, que versem sobre arte, património e museus, estudos que valorizem a memória social, identidades, organizações, reflexões sobre acesso, património, museus, públicos, educação, sociedade, acessibilidades e sustentabilidade, dentro outros objetos, temas, problemas e abordagens relacionadas”.

Desta parceria está ainda prevista a publicação de livros em formato digital no contexto da colecção Vox Musei Arte e Património. Nesta colecção publicar-se-ão ”livros que sejam resultados de pesquisas acuradas, árduas e criteriosas. Estudos que dialoguem com conceitos e métodos da História, da Antropologia, da Etnologia, que usem a Etnografia e da História Oral, dentre outros conceitos e metodologias possíveis” (Áurea da Paz Pinheiro, entrevista, n.º 2 da Vox Musei).

Posted in Museology | Tagged , , , | Leave a comment

Políticas para a interculturalidade em modo off?

Intervenção na rua "O Rumor do lugar", com Bruno Humberto, Módulo IV Site Specific Art, Curso de Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade

Intervenção na rua “O Rumor do lugar”, com Bruno Humberto, Módulo IV “Site Specific Art”, Curso de Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade, Torres Vedras, 16 Nov. 2013 © Maria João

Num tempo de retracção económica as políticas para a interculturalidade ainda estão em cima da mesa? Apesar de iniciativas como o curso de “Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade”, organizado pelos Centros Locais de Apoio à Integração de Imigrantes da Lourinhã e Torres Vedras (Out./Nov. de 2013) (sobre as características do curso veja post anterior aqui), mostrarem o interesse latente que sugere o tema da interculturalidade na actualidade, de um modo geral, na Europa, este domínio deixou de ser prioritário, como demostraram várias afirmações políticas nos últimos anos, ditando o fim do multiculturalismo.

Apesar disso, programas europeus como as “Cidades interculturais” (Conselho da Europa), ainda remanescentes da política desenvolvida em torno do Ano Europeu do Diálogo Intercultural (2008) vão-se desenvolvendo com algum dinamismo. No caso das “Cidades Interculturais” prevalece como objectivo a valorização positiva da diversidade cultural, procurando modificar a imagem e os preconceitos com relação a outras culturas.

Neste contexto, Portugal já começou a criar uma rede nacional de cidades interculturais (desde 2012), agregando inicialmente Lisboa, Coimbra e Beja. Em 2013, a rede foi ampliada com a participação de Loures, Setúbal, Santa Maria da Feira, Amadora e Cascais.

No entanto, perspectivar as dificuldades de integração somente pelas diferenças étnicas ou culturais poderá estar sobrevalorizado, quando questões como o desemprego e as dificuldades económicas são cruciais para a inserção social dos imigrantes (ou de origem imigrante) e seus descendentes. Como indica o estudo “Crise, Imigração e Mercado de Trabalho em Portugal: Retorno, Regulação ou Resistência?” (2011), a crise económica agravou significativamente as dificuldades de muitos imigrantes, aumentando o desemprego e a precariedade dos contratos de trabalho. Apesar desta ser uma situação generalizada à população em geral, em 2009, por exemplo, enquanto que a taxa de desemprego portuguesa rondava os 10%, no caso da população proveniente de países não comunitários o valor aproximava-se dos 17%.

No caso de Portugal não se pode falar de uma política para a interculturalidade, apesar da acção prolífica do Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI), nomeadamente com o auge de intervenções em 2008 no âmbito de uma intensa actividade celebratória relativa ao Ano Europeu do Diálogo Intercultural, período em que se promoveu um conjunto significativo de iniciativas em vários domínios artísticos. Em parte, a ausência de uma política integrada e transversal a várias áreas deve-se à “novidade” de Portugal configurar um país de acolhimento de imigrantes (à excepção dos fluxos migratórios provenientes dos PALOP), fenómeno que hoje também se vai retraindo. Apesar disso, note-se a distinção atribuída a Portugal através do ACIDI, em 2011, com o Prémio Melhores Práticas pelo Instituto Europeu da Administração Pública.

Seminário "A Cidade e o Mundo", Festival TODOS, com Giacomo Scalisi. 14 de Novembro 2013.

Seminário “A Cidade e o Mundo”, Festival TODOS, com Giacomo Scalisi. 14 de Novembro 2013 © Ana Carvalho

O curso de “Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade” não se direccionava especificamente para os museus, cruzava sim várias linguagens artísticas, pelo que na sua globalidade constituiu uma oportunidade de interligar muitos dos aspectos que dão forma e complexidade ao tema, tirando partido de um olhar mais transversal e abrangente.

Entre as várias definições de interculturalidade sugeridas, transcreve-se a seguinte:

 “A Interculturalidade é uma estratégia e uma forma inovadora de conviver e coabitar nas sociedades contemporâneas com a diversidade de grupos culturais e étnicos. Para que ela possa ser uma realidade, é suposto reconhecer que a convivialidade não é pacífica, nem um dado imediato, que é sempre tensional, comporta conflitos, é dinâmica e exige uma construção permanente e diária; de algum modo, é o estado mais evoluído da democracia; também é importante reconhecer que a interculturalidade faz-se a partir de vários pontos de partida e não pode resultar de uma legislação ou normalização regrada apenas pela comunidade que acolhe; que a interculturalidade, na forma como admite a diversidade cultural, impõe limites a esta aceitação, limites esses que são a exclusão de todo e qualquer sofrimento infligido a alguém, a aceitação da morte e da exclusão social, religiosa ou sexual” (António Pinto Ribeiro).

A ausência de maiores reivindicações por parte da população imigrante e de um maior lobby intelectual e político não deixa de ser um aspecto determinante que limita o alcance e a ambição de uma estratégia para a interculturalidade. Quando comparamos com países europeus com uma outra escala (e antiguidade nessa relação) em termos de comunidades imigrantes residentes, a dinâmica dessas comunidades relativamente com os países de acolhimento é distinta, sendo que as reivindicações dão lugar com frequência a novas formas de cooperação e entendimento de modo a corresponder às expectativas de ambas as partes.

Ainda sobre os limites de uma estratégia intercultural, embora se reconheça que as instituições culturais podem ser locais de encontro e de partilha, que podem combater o desconhecimento, promover a tolerância e celebrar a diversidade cultural (Maria Vlachou), não se pode confundir o papel distinto que cabe a cada área de intervenção, como sublinhado por António Pinto Ribeiro:

“É ainda uma questão central da interculturalidade a aceitação de que as práticas culturais representam apenas uma parte da actividade de grupos ou pessoas e que, de modo algum, a cultura deve servir de manto para escamotear as questões económicas, do trabalho, da assistência social, cuja resolução tem as suas instituições próprias.”

Claramente um aspecto partilhado por vários dos formadores, se a arte pode em potencial aproximar, não deve ter a pretensão de resolver problemas económicos e sociais. Pesados os limites de uma intervenção no domínio artístico, seria desejável que as práticas artísticas que promovam a interculturalidade se articulassem com estratégias políticas, sociais e económicas numa perspectiva transversal e integrada. Mas se se refere o potencial da arte como plataforma de diálogo intercultural, é porque nem sempre as boas intenções escapam aos mal entendidos que, por vezes, perpetuam estereótipos sobre o “Outro”, em vez de os combater. Mal entendidos vários, como por exemplo, a ideia de uma visão limpa da (s) cultura (s) – “o Outro sem cafeína”; a procura pelo exotismo do “Outro”; a pretensão de representar uma cultura em vez de indivíduos e a necessidade/facilidade de simplificar por via da compartimentação e rigidez das categorizações sobre o “Outro”; a ideia de que o diálogo intercultural através da arte não alimenta tensões; e a identidade como uma matriz fechada, em detrimento da ideia de pertenças múltiplas.

Módulo IV Site Specific Art

Módulo IV “Site Specific Art”, com Bruno Humberto. Na foto: Gonçalo Oliveira. 16 de Novembro 2013 © Ana Carvalho

 Ao longo do curso vários projectos foram apresentados sob o tema da interculturalidade (ex. Festival Todos, talvez o mais emblemático), além de ensaiadas em contexto performativo formas de pensar a diversidade, procurando construir objectos artísticos, através do corpo, da voz, da palavra e do espaço (ex. workshops de Natália Luiza; Bruno Humberto; e Manuela Victorino). A partir dos casos apresentados, registam-se alguns elementos-chave relevantes para a construção de práticas culturais em torno da interculturalidade:

  • Conhecer a história do Outro, de preferência contada pelo seu país; bem como a sua língua
  •  A escuta como elemento fundamental
  • O planeamento prévio e a definição rigorosa de – Para quê? Para quem? E como? – como sendo aspectos estruturantes no desenho de projectos (interculturais ou não)
  • A liderança e o estabelecimento de regras, não obstante a abertura necessária à negociação, mas sem condescendência, facilitismo e desorganização
  • A definição clara de objectivos e uma eficiente gestão de expectativas junto dos elementos das comunidades implicadas; por vezes, a participação numa prática artística pode ter o efeito contrário no sentido de defraudar expectativas quanto ao alcance das iniciativas; a compensação financeira dos elementos da população implicados é eticamente recomendado
  • A utilização de objectos como importantes mediadores no envolvimento de diferentes “culturas” presentes no mesmo grupo de trabalho, ainda que atendendo às suas limitações
  • A criação de um objecto ou prática artística não deve pressupor a busca de um produto antropológico
  • A incorporação de dinâmicas artísticas (e outras) já actuantes in situ (ex. bairro) pode ser benéfico para a construção de um projecto artístico, tendo como fio condutor a participação (ex. artistas, organizações e população). Ou seja, a construção de estratégias de participação, visando a colaboração, a co-responsabilização e co-produção, envolvendo os elementos das comunidades imigrantes revelou-se benéfico em vários dos projectos descritos

Parece claro que a interculturalidade, apesar dos indícios contraditórios e das dificuldades em operacionalizá-la de forma estratégica e política, é um projecto que faz sentido pela humanidade que representa, pela evolução desejável que está subjacente. Negociação é palavra-chave.

Posted in Caderno de campo | Tagged , , , , | Leave a comment

VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012

VI Encontro de Museus de países e comunidades de língua portuguesa

© Ana Carvalho

Filipe, Graça, ed. 2013. VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012, Fundação Oriente, Setembro 2011. [Lisboa]: Comissão Nacional Portuguesa do ICOM. 348 páginas. ISBN: 978-989-98396-0-1

Foram publicadas há poucos meses as actas do VI Encontro de Países e Comunidades de Língua Portuguesa que teve lugar em Lisboa em 2011. Esta iniciativa realizou-se pela primeira vez em 1987, no Brasil, sendo que o segundo encontro foi em Mafra (1989), o terceiro na Guiné-Bissau (1991), o quarto em Macau (1994) e o quinto em Maputo (2001) (cf. Elementos para a História da Comissão Portuguesa do ICOM de Natália Correia Guedes).

As actas correspondem em grande medida ao alinhamento do programa do encontro e a maioria das comunicações foram incluídas na publicação, nalguns casos figurando apenas os resumos. De qualidade muito variável, os 40 textos estão organizados em torno de quatro temas principais: “Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade”, “Museus e Desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação”, “Museus e Sustentatibilidade” e “Profissionais e sua Formação”. O texto de Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses antecede a sistematização referida.

Esta publicação confirma a pertinência da construção de linhas de entendimento e cooperação entre os países que falam a língua portuguesa, mas também é sintomática de que um longo caminho está por percorrer para o estabelecimento de redes de trabalho e sua consolidação no contexto de uma estratégia de longo prazo. Com efeito, apesar da língua ser em potencial um elemento aglutinador são necessárias medidas concretas que possam viabilizar intenções.

Prevalece a questão, poderão iniciativas como esta singrar nos seus objectivos de cooperação sem uma articulação concertada de estratégia política, cultural e científica, incluindo nomeadamente o trabalho em rede e concertado de várias instituições que já trabalham no domínio da cooperação internacional? Note-se neste âmbito o trabalho que desenvolve o Instituto de Investigação Científica Tropical e o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.

A publicação é gratuita, mas poderão ser cobrados portes de envio. Pode obter mais informações no seguinte email: info@icom-portugal.org

****

 Índice

5 Apresentação, Graça Filipe

11 Introdução, Luís Raposo

15 Conferência de abertura: Língua, Objecto, Museu – Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses

27 Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade

29 Percurso dos museus de Angola, as perspectivas e sua contribuição no desenvolvimento do país, Paulo Valongo

31 O Cenário museal brasileiro de 2000 a 2010, Denise Grinspum

39 Museus em Cabo Verde: perspectivas e desafios, Humberto da Cruz Lima e Ana Samira Semedo Silva

41 A realidade museológica na Guiné-Bissau, Maria Eveline Diallo

43 Museus de Moçambique: na encruzilhada de tempos, tradições e práticas, Alda Maria Costa

53 Museus Portugueses. 1980-2010, Natália Correia Guedes

71 Museu Nacional de S. Tomé e Príncipe, Ernesto Lima de Carvalho

73 O Arquivo e Museu da Resistência Timorense – A sua instrução e importância na preservação e promoção da memória e identidade de um povo, Antoninho Batista Alves

79 Museus comunitários – experiências e papel renovador na museologia contemporânea, Hugues de Varine

89 Museus e desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação

91 Museu de Arte Cristã – parcerias e cooperação, Fr. Avinash Rebelo

93 Thesaurus de acervos científicos como instrumento de preservação do património científico: um projeto de cooperação luso-brasileira, Marcus Granato, Marta C. lourenço, Cláudia Penha dos Santos, Zenilda F. Brasil, Maria Lucia de Niemeyer M. Loureiro e Rosali Fernandez de Sousa

103 Porque “musealizar” um sector de actividade produtiva? Lições aprendidas do processo de estabelecimento do museu das pescas de Moçambique, 1982 a 2006-2010, Manuel Luís Gonçalves e Daniel Inoque

113 Sociedades indígenas do Sul da Mata Atlântica e o Museu Universitário – uma parceria estratégica, Viviane Wermelinger Guimarães e Cristina Castellano

123 Museologia, desenvolvimento e direitos humanos. Campos emergentes da investigação-ação na globalização, Pedro Pereira Leite

137 Rede MMM: cooperação entre o museu e o público, Adriana Teixeira da Costa, Ana Paula Pereira Costa, Ana Paula Gaspar Gonçalves e Helena Maria Mourão Loureiro

145 Rede museológica de Casas Históricas da CPLP, André Estrela Rodrigues de Soure Dores

151 Experiência nos museus da Ilha de Moçambique, algumas reflexões e considerações, Joana Roque Sofio, Mafalda da Nova Jorge, Silvério João Nauaito

Projecto SOS azulejo: pela salvaguarda do património azulejar português e de tradição portuguesa, Leonor Sá

171 Histórias que se escondem no mar: os museus marítimos e a arqueologia subaquática, Margarida Génio

175 A criação de redes como ferramenta estratégica de planeamento cultural em museus: campanhas coloniais no tempo do Leão de Gaza, Mariana Jacob Teixeira

185 Atanticidade e mundo lusófono. Imaginários, representações e programação nos museus açorianos, Maria Manuel Velásquez Ribeiro e Susana Goulart Costa

193 Museus e sustentabilidade

195 Museu, Desenvolvimento e Comunidade: o caso de Macau, Chan I Un (Jessica)

207 Memória e Futuro, Alfredo Caldeira

209 O envolvimento das pessoas nos processos museais, garantia de sustentabilidade, Ana Mercedes Stoffel

219 Família Antônio de Dedé. A propósito de um estudo de caso do Programa Sala do Artista Popular do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/IPHAN – Brasil, Daniel  Reis

231 A aplicação do marketing nos museus: o caso do Museu Ferroviário dos CFM, Elsa Dimene

237 A musealização de monumentos e o restauro arquitectónico em Moçambique, Vera Félix Mariz

247 Criação de uma rede de núcleos museológicos como exemplo da sustentabilidade de um território, João Alpuim Botelho e Olga Matos

257 A sustentabilidade de um equipameno cultural: a díficil gestão de necessidades e oportunidades, José Portugal e Pedro Quintela

267 Valorização do património cultural do Douro como recurso para o desenvolvimento de competências, Elisa Pérez Babo

269 Profissionais e sua formação

271 Formação profissional em museologia: desafios metodológicos, Maria Cristina Oliveira Bruno

273 Imperativa necessidade de formação de profissionais para o Museu da Ilha de Moçambique, Silvério João Nauaito, Mafalda da Nova Jorge e José Andrade

283 O ensino da museologia na perspectiva da sociomuseologia, Mário Moutinho e Judite Primo

289 Memorial do homem Kariri, uma experiência de inclusão social através do protagonismo juvenil, Iêdo Lopes

291 O exemplo do conservador-restaurador em Portugal, André Varela Remígio

301 A contribuição do Memorial Cristo Rei na formação do profissional do museu e na preservação, resgate e divulgação da história da Universidade Federal do Maranhão – Brasil, Clores Holanda Silva, Lúcia do Nascimento Coêlho e Natalino Salgado Filho

309 Já que falamos a mesma língua… Falemos de normalização e tecnologias de informação em museus, Maria José de Almeida

317 Aos trabalhadores de museus: programa educativo direcionado ao público interno da Pinacoteca, Gabriela Ramos Figurelli

327 Projectos de cooperação – uma rede de profissionais de Língua Portuguesa? Maria do Rosário Azevedo

333 O percurso do conservador-restaurador em Portugal, Isabel Raposo de Magalhães, António Candeias, Joana Campelo e Francisca Figueira

341 Programa do VI Encontro

Posted in Books, Conferences - Internacional, Livros, Museology | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Call for Papers MIDAS#N4

Crown Hall, Illinois Institute of Tecnology, Chicago, Illinois, EUA, 1950-1956. Foto daqui.

Crown Hall, Illinois Institute of Tecnology, Chicago, Illinois, EUA, 1950-1956. Foto daqui.

Encontra-se aberto o call for papers para o 4.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado no final de 2014.

Para além de uma secção aberta a artigos de diversas temáticas este número incluirá um dossier sobre o tema – “Museus, Utopia e Urbanidade”, coordenado por Helena Barranha e Nuno Crespo.

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de Março de 2014 para revistamidas@gmail.com

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do (s) autor (es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361

DOSSIER TEMÁTICO: “Museus, Utopia e Urbanidade” *

As últimas décadas do século XX foram marcadas por uma inédita mobilização pública e privada, em torno da ideia de que os museus podem constituir poderosos instrumentos de renovação simbólica e funcional das cidades. Multiplicaram-se, por todo o mundo, novos espaços museológicos, ao mesmo tempo que se investia em mediáticas ampliações de instituições de referência.

Contudo, o optimismo associado ao chamado “efeito Bilbau”, amplamente difundido à escala global, depressa foi ensombrado pelo relativo ou absoluto fracasso de projectos com idêntica ambição. Paralelamente, aprofundava-se a reflexão teórica sobre o papel dos museus na sociedade e na cultura contemporânea, com importantes contributos nas áreas da história da arte e da arquitectura, da museologia ou da sociologia. No texto “Du temple de l’art au supermarché de la culture” (1994), Françoise Choay coloca mesmo a questão da inviabilidade do museu na sociedade do lazer e do consumo de massas, identificando um momento histórico paradoxal, de adiado reencontro com o tempo e o espaço, em que o apogeu mediático dos museus se confunde com o seu anunciado declínio.

Para além da inevitável ligação dos museus à cultura e ao desenvolvimento urbano das sociedades, eles possuem um papel fundamental na maneira como são usados como instâncias de reconhecimento das imagens que as comunidades produzem de si mesmas. Assim, o museu é também o lugar onde as comunidades reconhecem as suas linhas de força, as suas características, a sua identidade. E nesta ligação entre museu e identidade, as imagens da imaginação, que os museus devem guardar, são os elementos primitivos de mediação dos homens com o seu meio material e imaterial (Helena Barranha e Nuno Crespo).

TEMAS A DESENVOLVER:

As ideias de museu

- O museu como utopia inacabada

- A importância do museu como elemento de resistência e permanência

- O carácter incompleto dos museus e a necessidade de retomar continuamente a sua origem: os museus e a fixação da história

- O museu como espaço de ensaio, tentativa e erro

- O museu como cultura

- O espectador problemático e o utilizador genérico e deslocalizado do museu: para quem são os museus?

O museu e a cidade

O que é arquitectura de museus?

- O papel arquitectura de museus em processos de requalificação arquitectónica e urbanística

- Os museus como obras autorais e elementos marcantes, formadores da paisagem urbana

- O contributo dos museus para a construção ou redefinição da imagem da cidade

- Museus para os artistas ou museus para os arquitectos?

- A representação dos museus, e do seu contexto urbano, nas artes visuais e na literatura

- Os museus de arquitectura: o que deve mostrar, guardar e estudar um museu de arquitectura? Imagens? Representações? Interpretações?

- O que é uma estética museológica?

- O museu como aspiração e vocação urbana

- A reutilização espacial como programa museológico: os novos espaços da arte

  ****

Editores convidados

Helena Barranha é licenciada em Arquitectura (Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa, 1995), tem Mestrado Europeu em Gestão do Património Cultural (Universidade do Algarve, em cooperação com a Université de Paris-8, 2001) e Doutoramento em Arquitectura (Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, 2008), com a dissertação Arquitectura de Museus de Arte Contemporânea em Portugal: da intervenção urbana ao desenho do espaço expositivo. É Professora Auxiliar na Secção de Arquitectura do Instituto Superior Técnico (IST) e Investigadora do Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e Construção (ICIST-IST), desde 2003. Colabora, desde 2007, com a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do Mestrado em Museologia, onde é responsável pela disciplina de Arquitectura de Museus e Museografia. Foi docente do Departamento de História, Arqueologia e Património, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, da Universidade do Algarve, de 1999 a 2003, e Directora do Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, entre 2009 e 2012. A sua actividade profissional e de investigação centra-se no património arquitectónico, na arte contemporânea e na arquitectura de museus, temas sobre os quais tem apresentado diversas comunicações em conferências nacionais e internacionais.

Nuno Crespo nasceu em Lisboa em 1975, cidade onde vive e trabalha. É licenciado e doutorado em filosofia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e é investigador do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. Como curador foi responsável pelas exposições “Fantasmas” de Nuno Cera no CCB (Lisboa), “Corpo Impossível” com Adriana Molder, Noé Sendas, Rui Chafes e Vasco Araujo no Palácio de Queluz, “Encontro Marcado” de Adriana Molder no Museu de Belas Artes de Oviedo (Espanha), pela exposição antológica de Pires Vieira no Museu da Cidade de Lisboa, “Imponderável” Miguel Ângelo Rocha, “Involucão” de Rui Chafes na Casa-Museu Teixeira Lopes (Vila Nova de Gaia), “Serralves” de João Luis Carrilho da Graça (AppletonSquare), “Fragmentos. Arte Contemporânea na Colecção Berardo” (Museu de Arte Contemporânea de Elvas), “Aires Mateus. Voids” (AppletonSquare), “Riso” (Museu da Electricidade), entre outras. Fez parte do colectivo de comissários do Prémio EDP – Novos Artistas (2006-2011) e BESPhoto (2007-2009). É crítico de arte e membro do conselho editorial do Ípsilon (suplemento cultural do jornal Público). A sua actividade de investigação tem sido dedicada, principalmente, à crítica da arte e ao cruzamento entre arte, arquitectura e filosofia e a autores como Kant, Wittgenstein, Walter Benjamin, Peter Zumthor e Adolf Loos. Das suas publicações podem destacar-se trabalhos sobre Adriana Molder, Aires Mateus, Axel Hütte, Bernd e Hilla Becher, Candida Höffer, Carrilho da Graça, Daniel Blaufuks, Fassbinder, Gerhard Richter, Julião Sarmento, Luisa Cunha, Miguel Ângelo Rocha, Nuno Cera, Paulo David, Rui Chafes, Vasco Araújo, entre outros; e o livro “Wittgenstein e a Estética” (2012) editado pela Assírio & Alvim.

* Helena Barranha e Nuno Crespo escrevem de acordo com a velha ortografia

Posted in Museology | Tagged , , , , , , , , , , | Leave a comment

“Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul” – actas publicadas

xxxxx-1

Imagem retirada daqui

Acabam de ser publicadas as actas do colóquio “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul: percursos, concretizações, perspectivas” realizado a 27-28 de Novembro de 2012, em Lisboa. Trata-se de uma edição em formato digital e que resulta da colaboração entre o CIDEHUS (Universidade de Évora) e a Direcção-Geral do Património Cultural. O livro está disponível aqui. Veja-se o post neste blogue – “O lugar do PCI nas políticas do património“, que faz um balanço sobre o colóquio.

****

Índice

Apresentação, Isabel Cordeiro, 5

Des arts traditionnels au patrimoine immatérie, Chérif Khaznadar, 9

Les inventaires du PCI en France, Sylvie Grenet, 17

Les inventaires du patrimoine immatériel en Italie: État, régions et associations, Chiara Bortolotto, 27

Continuidades y discontinuidades en torno a la identidad y la sociedad preindustrial: Patrimonio Cultural Inmaterial, Patrimonio Etnológico y Folklore, José Luis Mingote Calderón, 43

Plan Nacional de Salvaguarda del Patrimonio Cultural Inmaterial, María Pía Timón Tiemblo, 71

Inventário Regional do Património Cultural Imaterial dos Açores: uma política para a defesa da espontaneidade, Jorge Augusto Paulus Bruno, 87

O «Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial»: da prática etnográfica à voz das comunidades, Paulo Ferreira da Costa, 93

Le patrimoine immatériel en Europe du sud: du folklore à l’action culturelle ordinaire, Cyril Isnart, 117

Cultura, Património Imaterial, Antropologia, João Leal, 131

Notas Biográficas, 145

Posted in Books, Intangible Cultural Heritage, Museology | Tagged , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Colecções do IICT em risco

Biblioteca do Palácio da Calheta, IICT #2013 © Ana Carvalho

Biblioteca do Palácio dos Condes da Calheta, IICT, Lisboa #2013 © Ana Carvalho

Transcreve-se, em baixo, comunicado da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM na defesa do trabalho desenvolvido pelo Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT) no seguimento de notícias sobre possíveis cortes em 2014.

***

Pela Preservação das Coleções e Património do Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), Lisboa                                                                                                 

COMUNICADO

Face às notícias vindas a público esta semana, a Comissão Nacional Portuguesa do ICOM expressa a sua mais profunda preocupação e consternação sobre o enorme corte orçamental previsto para o Instituto de Investigação Científica e Tropical (IICT) em 2014. A confirmar-se, este corte coloca direta e imediatamente em risco as coleções, arquivos e património do IICT ao nível da sua preservação, integridade e recursos humanos afectos.

Com origem na Comissão de Cartografia Portuguesa de 1883 e resultantes da investigação efectuada no âmbito das missões ultramarinas, em diferentes áreas disciplinares, nos séculos XIX e XX, as coleções do IICT incluem arquivos – sobretudo o Arquivo Histórico Ultramarino (c.16 km de documentação e 730.000 fotografias) – coleções de referência biológicas, geológicas e de solos (520 mil espécimes), coleções arqueológicas e etnográficas (142 mil artefactos), coleções de mapas e cartas (210 mil exemplares), bem como bibliotecas e coleções de equipamento histórico-científico.

Além do seu incontestável valor científico, as coleções do IICT materializam de forma evidente a identidade e diversidade cultural das sociedades do espaço de influência lusófona, contribuindo para o conhecimento das relações entre a Europa, África, América do Sul e Ásia, do Atlântico ao Pacífico. Para além disso, constituem um instrumento de enorme valor económico e ambiental, fundamental para uma correta gestão de recursos naturais no quadro das políticas de cooperação e desenvolvimento. Em particular, as coleções biológicas do IICT são as maiores do mundo na representatividade da fauna e flora dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), documentando o ambiente terrestre, passado e presente, destas regiões, contendo informação primária sobre biodiversidade e permitindo a investigação sobre temas essenciais da contemporaneidade, como as alterações climáticas com impacto nos ecossistemas e o desenvolvimento sustentável.

Realça-se ainda que a importante documentação histórica, os mapas, as fotografias, e as coleções etnográficas e arqueológicas recuperam e contextualizam assuntos basilares ao entendimento do passado, resgatando um património cultural comum a vários territórios e promovendo o conhecimento nos domínios da História da Ciência e da Técnica e da História Institucional Política, entre outras, ao mesmo tempo que contribuem, a par com as coleções de história natural, para o cumprimento dos Objectivos do Milénio, com reflexos diretos nas políticas interna e externa de Portugal.

O IICT, pelas suas coleções, pela investigação multidisciplinar que realiza e pela relevância do serviço prestado à cooperação para o desenvolvimento, é uma instituição única em Portugal. Apesar de várias mudanças institucionais e de tutela ocorridas ao longo da sua história, as coleções científicas do IICT nunca foram fragmentadas.

Para além disso, o IICT encontra-se instalado em vários palácios que constituem património cultural classificado, nomeadamente:

- o Palácio dos Condes da Calheta, que integra, juntamente com o Jardim Botânico Tropical e desde 2007, o conjunto intramuros que classifica o Palácio de Belém como Monumento Nacional;

- o Palácio da Ega (Arquivo Histórico Ultramarino), cuja Sala Pompeia (séc. XVIII) está classificada como Imóvel de Interesse Público desde 1950;

- o Palácio Burnay e seus jardins, classificados como Imóvel de Interesse Público desde 1982.

A Comissão Nacional Portuguesa do ICOM compreende a difícil conjuntura que o país atravessa mas apela ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, instituição de tutela direta, bem como ao Ministério da Educação e Ciência e ao Secretário de Estado da Cultura, que tenham em conta a importância científica, económica e cultural do património e acervos do IICT e que considerem a sua preservação para as gerações futuras uma absoluta necessidade.

Nos últimos anos, este património e acervos ficaram finalmente acessíveis e constituem recursos inestimáveis da infraestrutura científica portuguesa. É imprescindível que permaneçam acessíveis, na íntegra, a toda a comunidade científica nacional e internacional, bem como ao público em geral. A Comissão Nacional Portuguesa do ICOM repudia veementemente cortes orçamentais ou situações de contingência que ponham as coleções e ao património do IICT em risco de dano irreversível ou conduzam, em última análise, à sua dispersão ou abandono.

 A Comissão Nacional Portuguesa do ICOM acredita também que é possível, entre todos os envolvidos, encontrar soluções sustentáveis que não só preservem, mas também valorizem e tornem ainda mais relevante para a produção do conhecimento e promoção da cultura científica o importante património, as coleções e os arquivos do IICT.

 14 de Novembro de 2013

A Direcção da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM

Posted in Museology | Tagged , , , , , , , | Leave a comment

Os museus na era da economia criativa

Museu da Chapelaria

As VI Jornadas de Museologia, organizadas pelo Museu da Chapelaria (S. João da Madeira) vão realizar-se nos próximos dias 21 e 22 de Novembro.

****

 

Programa

21 de Novembro

09h30 | Recepção aos conferencistas e participantes

10h30 | Sessão de abertura

Presidente da Câmara Municipal de S. João da Madeira

Painel I – Cultura, Criatividade e Economia?

11h00 | Cidade incubadora, José Mendes, Vice-reitor para a Inovação, Universidade do Minho

11h30 | Cultura e Criatividade como pré-requisitos de Inovação, Carlos Martins, Presidente da Direcção da ADDICT

12h00 | Debate

13h00 | ALMOÇO LIVRE

Painel II – Os Museus na Economia Criativa

15h00 | Museus: o colapso do “Estado-Providência” e a emergência da filantropia estratégica, Humberto Rendeiro

15h30 | Da economia criativa à responsabilidade social. A experiência do Museu Nacional do Traje, Clara Vaz Pinto, Museu Nacional do Traje, Lisboa

16h00 | PAUSA

16h30 | Museus e Economia CriativaIsabel Victor e Maria Miguel Cardoso, Museus Municipais de Setúbal, Setúbal

17h00 | Cultura, criatividade e inovação no contexto do desenvolvimento dos territórios, Suzana Menezes, Divisão de Cultura e Turismo, S. João da Madeira

17h30 | Debate

18h00 | Inauguração da exposição temporária “Os criadores nacionais e os seus chapéus” e porto de honra

22 de Novembro

Painel III – Os museus, as suas coleções e a economia criativa

09h00 | Recepção aos conferencistas e participantes

09h30 | Empreendedorismo Cultural: o Arquivo visto sob o objectivo de incubadora cultural / criativa, Sandra Correia

10h00 | Curadoria, um conceito de partilha, Marzia Bruno, Faculdade de Letras da Universidade do Porto

10h30 | Museus como ícones transformadores do espaço urbano em Belém, Filipa Taborda

11h00 | PAUSA

11h30 | A “Camisola Poveira”, uma Marca da Póvoa de Varzim, Deolinda Carneiro, Museu Municipal da Povoa de Varzim, Póvoa de Varzim

12h00 | Criando e contribuindo. Os museus de Guimarães numa Capital de Cultura, Manuel Azevedo Graça, Museu de Alberto Sampaio, Paço dos Duques de Bragança (e Castelo de Guimarães) e Museu de Etnologia do Porto

12h30 | Debate

13h00 | ALMOÇO LIVRE

15h00 | Projecto de narrativas multi-lineares geo-referenciadas. Produção de um documentário ficcionado interactivo em edifícios históricos, Rui Avelans Coelho

15h30 | Suzanne Cotter, Museu de Serralves, Porto

16h00 | Debate e encerramento

17h00 | Visita ao Núcleo de Arte da Oliva e à exposição “Traço Descontínuo: coleção Norlinda e José Lima – Uma Seleção”, comissariada por Miguel Amado

****

Mais informações aqui: http://museudachapelaria.blogspot.pt/

Posted in Museology | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment