Call for papers: Museus, Discurso e Poder

Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012

Museu Pergamon, Berlim © Franz Fernando, 2012

A revista MIDAS - Museus e Estudos Interdisciplinares tem nova chamada para artigos para o 6.º número. O tema do dossier temático é: "Museus, Discurso e Poder".

Para quem não conhece a MIDAS, trata-se de uma revista dedicada aos museus enquanto campo de trabalho e reflexão interdisciplinar, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. A revista é publicada em Portugal, mas assume uma abordagem internacional, privilegiando uma relação de proximidade e diálogo com os países de língua portuguesa e espanhola. Encontra todos os números publicados até ao momento em: http://midas.revues.org.

****

Encontra-se aberto o call for papers para o 6.º número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, a ser publicado no outono de 2015.

Além de uma secção aberta a artigos de diversas temáticas (Varia), recensões críticas de livros e Notações (pequenos artigos, projetos) este número irá incluir um dossier subordinado ao tema: “Museus, Discurso e Poder”, coordenado por Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) e Laurajane Smith (Australian National University).

Os artigos para o dossier temático serão selecionados pelos editores convidados e os restantes artigos (secção varia) pelos editores da MIDAS. Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato.

Os textos devem ser enviados até 31 de março de 2015 para revistamidas@gmail.com (Ana Carvalho)

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 caracteres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Mais informações sobre as normas de publicação: http://midas.revues.org/361 

Museus, Discurso e Poder

Ao longo da sua História, o museu, ao selecionar, acolher, classificar, catalogar e expor objetos, estabeleceu discursos acerca do significado cultural das suas coleções que foram e são determinantes para a formação das memórias coletivas e para os modos como as sociedades lidam com o passado no presente. Esses discursos contribuíram e contribuem ativamente para a formação de valores sociais, morais, políticos e ideológicos. Ao fazê-lo, os museus tanto foram e são instituições de poder como instrumentos do poder. Com o tema Museus, Discurso e Poder pretende-se reunir e publicar um conjunto de artigos acerca da relação dos museus com o poder e da relevância dessa relação no passado e para as sociedades contemporâneas.

Temas a desenvolver

Dar-se-á prioridade aos artigos que abordem o tema da perspetiva dos seguintes tópicos:

- Museus e Globalização;
- Museus e Pós-Colonialismo;
- Museus e Identidades Nacionais;
- Museus e Políticas Culturais e do Património;
- Museus e Propaganda;
- Museus e Educação;
- Museus e as suas Comunidades;
- Museus da Perspectiva dos seus Utentes (inclui visitas de estudo, comunidade, críticos, etc.);
- Museus, Arte e Historiografia;
- Museus, Arte e Género;
- Museus e Mecenato;
- Museus e Comunicação;
- Museus e Tecnologia.

Editores convidados

Paulo Simões Rodrigues é doutorado em História da Arte pela Universidade de Évora e mestre em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Investigador integrado do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, membro do Centro HERCULES – Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda, e professor auxiliar do departamento de História da mesma universidade. Atualmente é diretor do CHAIA, diretor da comissão de curso do Mestrado de Museologia e adjunto da comissão de curso do doutoramento de História da Arte. As principais áreas de investigação científica são: História e Teoria da Arte dos séculos XIX e XX, Historiografia da Arte, História da Arquitetura e do Urbanismo (séculos XIX e XX), História e Teoria do Património. Colaborou em vários projectos, entre os quais se destaca: Cidade e Espetáculo: uma visão da Lisboa pré-terramoto, recriação, em tecnologia Second Life, da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755 (CHAIA); Connecting Cities, plataforma online sobre a cidade virtual, no contexto da história da arquitetura e urbanismo (CHAIA).

Laurajane Smith é professora e diretora do Centre of Heritage and Museum Studies (School of Archaeology and Anthropology, Australian National University). Anteriormente ocupou vários cargos, nomeadamente na Universidade de York (Reino Unido), na Universidade de Nova Gales do Sul (Sydney, Austrália) e na Universidade Charles Sturt (Albury-Wodonga, Austrália). As suas áreas de investigação incluem o entendimento do património como um processo performativo. É autora de Uses of Heritage (2006), Archaeological Theory and the Politics of Cultural Heritage (2004), e co-autora de Heritage, Communities and Archaeology (2009, com Emma Waterton). Entre os seus livros editados, incluem-se Heritage, Labour and the Working Classes (2011, com Paul A. Shackel e Gary Campbell), Representing Enslavement and Abolition in Museums (2011, com G. Cubitt, R. Wilson e K. Fouseki) e Intangible Heritage (2009, com Natsuko Akagawa), todos publicados pela Routledge. Smith é editora do International Journal of Heritage Studies e co-editora (co-general editor), juntamente com William Logan da série Key Issues in Cultural Heritage da Routledge.

Boletim ICOM Portugal (série III, n.º 2, Janeiro 2015)

Imagem capa: pormenor Museu do Douro. Fotografia de Luís Ferreira Alves © Museu do Douro

Acaba de ser publicado o segundo boletim (série II) do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus). Museus e redes é o fio condutor deste número.

Num contexto de recursos cada vez mais escassos, de crescente exigência e de maiores expectativas, há uma enorme pressão para tirar partido dos recursos existentes no mundo dos museus de um modo mais eficaz. O trabalho em rede tornou-se palavra-chave, quer no contexto mais endógeno, entre os profissionais e no seio das instituições, quer na relação dos museus com a sociedade.

Longe de ser um estado da arte sobre a criação de redes em Portugal, em Perspectivas dá-se voz a algumas experiências, nalguns casos emergentes, noutros casos mais consolidadas, através do testemunho de vários profissionais. No entanto, apesar das potencialidades e do papel positivo que as redes preconizam actualmente, como adverte Clara Frayão Camacho, as «redes não são panaceias dos tempos pós-modernos. Não basta criá-las, precisam de cuidados e de alimento para não murcharem. Em situações extremas de carência de recursos, a sua eficácia necessariamente diminui.» (p. 9). Clara Frayão Camacho defendeu em Julho de 2014 a sua tese de doutoramento sobre sistemas e redes nacionais em nove países europeus, da qual apresenta alguns resultados neste boletim: «Redes de Museus na Europa: Afinidades e Diferenças num Panorama Rico e Variado» (Em Foco). Gail e Barry Lord terminam a sua entrevista, sublinhando a importância do desenvolvimento da profissão, através de um maior activismo associativo, o que não deixa de estar relacionado com a necessidade de maior trabalho em rede entre os profissionais.

Merece particular nota neste boletim, o texto de Luís Raposo de homenagem a João Saavedra Machado (1932-2014). Em Notícias ICOM poderá ter uma perspectiva global de alguns dos debates dos últimos meses ligados de forma mais directa ou indirecta ao trabalho desenvolvido pelo ICOM Portugal e pelo ICOM internacional (ex. comités, organizações parceiras).

Como habitual, o boletim apresenta um conjunto de sugestões de leitura com base no tema do boletim e destacam-se quatro publicações de 2014: Scientific Instruments in the History of Science: Studies in Transfer, Use and Preservation (eds. Marcus Granato e Marta C. Lourenço); o 4.º volume da revista Iberoamericana de Turismo que o dedicou aos Museus, Turismo e SociedadeMuseus,  as actas - Palácios e Mercados de Arte (ed. Palácio da Ajuda e Scribe), e Lugares de Reflexão: Museus Como Conectores de Culturas, Tempos, Pessoas e Grupos Sociais (DEMHIST).

Em Breves encontra uma selecção de notícias e, em Agenda, a programação em destaque para os meses que se seguem.

O próximo número será dedicado aos Museus Para uma Sociedade Sustentável, o tema do Dia Internacional dos Museus de 2015.

Este número (e todos os anteriores) estão disponíveis no site do ICOM Portugal:

http://www.icom-portugal.org/

CONTEÚDOS:

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho

03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro

06 | EM FOCO: Redes de Museus na Europa: Afinidades e Diferenças num Panorama Rico e Variado, por Clara Frayão Camacho

11 | PERSPECTIVAS: Redes, vários autores: João Tomé Duarte e Susana Marques; Paulo Costa Pinto, Lígia Rafael, Francisco Amado Rodrigues, Mário Nuno Antas, José Gameiro, Dália Paulo, Ana Mercedes Stoffel e Teresa Mourão

18 | ENTREVISTA com Gail e Barry Lord, por Inês Fialho Brandão e Maria Vlachou

22 | IN MEMORIAM: João Saavedra Machado (1932-2014), Viver os Museus Com Amor e Discrição, por Luís Raposo

24 | NOTÍCIAS ICOM

Museus e Políticas, por Luís Raposo
Solução Tecnológica Premiada
Museologia Militar, por Alexandre Matos
Museologia Comunitária e Sociomuseologia, por Mário Moutinho
A Autenticidade na Conservação das Residências Históricas e dos Palácios-Museus, por Maria de Jesus Monge
Quadratura do Círculo, Investigação, Museus e Público, por Mário Nuno Antas
A Cultura em Crise: Elaboração de um Caderno Reivindicativo
Museus e Gestão: Novas Pontes Para a Sociedade, por José Picas do Vale
Espaços Incertos: Configurações Virtuais nos Museus e na Arte Contemporânea, por Raquel Pereira e Rita Xavier Monteiro
Como Viver em Conjunto numa Europa Sustentável ? Os Museus em Busca da Coesão Social, por Clara Frayão Camacho
40 anos Depois de Abril. Que Cidadania? Que Museologia? por Emanuel Sancho e César Lopes

46 | BREVES

48 | PUBLICAÇÕES

Sugestões de leitura
Novas edições 2014

55 | AGENDA

Conferências, encontros, debates
Formação
Chamada de propostas

59 | MUSEUS PARA UMA SOCIEDADE SUSTENTÁVEL

A Economia Política das Ciências Sociais e das Humanidades

Biblioteca Museu Nacional Arte Antiga

Biblioteca MNAA © Ana Carvalho

No dia 17 de Janeiro de 2015 terá lugar no auditório da Biblioteca Nacional um encontro dedicado à reflexão sobre as ciências sociais em Portugal intitulado "A Economia Política das Ciências Sociais e das Humanidades, que "visa analisar e discutir a actual situação (...) tendo como pano de fundo a crise económica do país e da Europa [...]."

São três os eixos principais para o debate: as fontes de financiamento universitário e a autonomia das agendas de investigação; as diferenças e hierarquias no interior do campo académico e a noção de comunidade científica; a crise do emprego científico e as práticas académicas de exploração laboral.

A museologia, enquanto campo de estudos no âmbito das ciências sociais, poderia incluir-se neste contexto de reflexão. No momento em que a formação pós-graduada em museologia (mestrados e doutoramentos) está em profunda transformação, quais as expectativas da evolução da museologia como campo de investigação?

Em 2010, a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) criou uma nova área para submissão de projectos de doutoramento e pós-doutoramento com a designação "Museologia, Conservação e Restauro". A iniciativa foi criada no âmbito de um protocolo com o Instituto dos Museus e da Conservação e com o objectivo de estimular a investigação centrada nos museus e nas colecções. O painel "Muselogia, Conservação e Restauro" da FCT foi entretanto extinto. Resultado da crise? O que parecia um desenvolvimento positivo da museologia rapidamente sucumbiu no contexto da crise generalizada do financiamento à investigação. Embora continue a ser possível submeter candidaturas de projectos em museologia mediante avaliação noutros painéis disciplinares (História, História da Arte, Antropologia, etc.), esta mudança significou provavelmente um retrocesso ou uma limitação concreta na evolução da investigação em museologia, no seu crescimento e consolidação como área de estudos, mas que é também o resultado das mudanças profundas nas universidades e no sistema de financiamento.

Faz falta uma avaliação do que se passa no campo da investigação em museologia: que problemas, abordagens e perspectivas? Sobre estas questões fica um pequeno excerto de Nélia Dias que, no contexto do artigo “A Antropologia Ainda Precisa Dos Museus?” (2013), tece algumas considerações sobre esta matéria:

«[...] se no início dos anos 2000 assistia-se ainda ao boom da museologia e a um certo entusiasmo pelos museus por parte dos alunos, actualmente a museologia não ocupa em Portugal um papel central tanto em termos académicos – cadeiras de opção nas licenciaturas e mestrados na área – como no que diz respeito às publicações e investigação neste domínio. A dimensão pioneira e original que os museum studies deram para a abordagem dos museus suscitando um estímulo intelectual acabou por dar lugar a uma certa acalmia, que se traduz de uma certa forma, em abordagens mais convencionais e menos críticas em relação às práticas e aos fundamentos da museologia. Esta mudança de orientação parece-me ser sintomática da ausência de um paradigma novo na museologia; mais ainda, com a crise económica que se instalou em Portugal e suas repercussões em termos do ensino superior e nomeadamente da procura por parte dos alunos, parece-me que a situação apresenta todas as condições para se manter» (In Dias, Nélia. 2013. “A Antropologia Ainda Precisa Dos Museus?” Museologia e Interdisciplinaridade 2 (4): 82).

Recomenda-se, ainda, a leitura do artigo de Irene Vaquinhas "A Museologia Como Campo de Estudo nas Universidades Portuguesas: Esboço de Evolução, Pertinência e Atualidade" (2013),  que traça uma panorâmica sobre a formação pós-graduada em Portugal ligada aos museus e ao património. Disponível em: http://midas.revues.org/142

****

PROGRAMA

9h45 Abertura

10h-11h40 FINANCIAMENTO OU CONDICIONAMENTO DA INVESTIGAÇÃO?
Que dívida é contraída pelos cientistas sociais junto de quem financia as suas investigações? A questão ganha maior visibilidade em Portugal num quadro de retracção do financiamento estatal e de emergência de novas fontes de financiamento privado. Partindo de um olhar histórico sobre o desenvolvimento da ciência nas últimas décadas, nesta primeira mesa pretende-se problematizar a questão da determinação das agendas de pesquisa nas ciências sociais de hoje, nomeadamente discutindo a sua sujeição a interesses económicos privados e ou a políticas públicas de índole nacional ou europeu.

11h50-13h30 COMUNIDADE CIENTÍFICA OU HIERARQUIA ACADÉMICA?
Hoje boa parte dos cientistas sociais utiliza o conceito de comunidade com precaução. Neste sentido nós também perguntamos de que falamos quando falamos de comunidade científica? A identificação de uma tal comunidade torna visível uma distinção entre o campo académico e a realidade que o rodeia e revela-se pouco sensível às diferenças e desigualdades que cindem o interior do campo. Em jeito de inquérito às relações de poder na universidade, esta mesa promoverá um debate que se pretende desdobrar da crítica pedagógica à questão da democraticidade do governo universitário.

15h-16h40 CRISE E FUTURO DO TRABALHO CIENTÍFICO
Desde os anos de 1990 que aumentou significativamente o número de pessoas envolvidas na investigação científica. Em função da crise económico-financeira vigente, mas também de uma concepção da produção científica de pendor elitista, de que é exemplo a recorrente agitação da bandeira da “excelência” por parte da actual direcção da FCT, aquela tendência de crescimento encontra-se em reversão. Esta reversão é facilitada pela natureza dos vínculos contratuais em que se baseou o crescimento das últimas décadas. A universidade constituiu-se como um laboratório de experiências de mobilização e exploração do trabalho que passaram pela generalização de regimes de precariedade e, mais recentemente, pela proliferação de trabalho não-remunerado. Como inverter a tendência de retracção do número de investigadores e reconstruir o sistema em bases menos precárias?

17h-18h30 DISCUSSÃO FINAL

---------
Convoca este encontro um grupo de investigadores de ciências sociais e de humanidades da região de Lisboa: André Freire, António Hespanha, Bruno Peixe Dias, Carlos Bastien, Cláudia Castelo, Eduardo Ascensão, Fátima Sá e Melo Ferreira, Golgona Anghel, Gustavo Cardoso, Guya Accornero, Helena Jerónimo, Inês Galvão, Joana Cunha Leal, Joana Estorninho de Almeida, João Sedas Nunes, José Ferreira, José Luís Garcia, José Neves, José Nuno Matos, Manuela Ribeiro Sanches, Margarida Santos, Maria Coutinho, Maria Dávila, Maria Eduarda Gonçalves, Marta Macedo, Miguel Vale de Almeida, Nuno Domingos, Paula Godinho, Paulo Jorge de Sousa Pinto, Pedro Aires de Oliveira, Renato Carmo, Robert Rowland, Ruy Llera Blanes, Sérgio Campos Matos, Susana de Sousa Dias, Susana Gaudêncio.

* Cada mesa contará com duas intervenções iniciais de 20 minutos, seguidas de um comentário de 15 minutos e abrindo-se em seguida um espaço de debate entre todos os participantes no encontro. O encontro terminará com uma sessão que, partindo de uma intervenção de síntese das discussões tidas ao longo do dia, se deseja participada por todos os investigadores presentes. Os nomes dos intervenientes serão anunciados brevemente.

Ciclo de entrevistas do "Mundo dos Museus" premiado pela APOM

SAMSUNG CSC

© Ana Carvalho

Em cerimónia realizada a 12 de Dezembro de 2014 no Museu da Farmácia, em Lisboa, a APOM (Associação Portuguesa de Museologia) distingiu o blogue "No Mundo dos Museus" pelo ciclo de entrevistas "Per(cursos) e Perspectivas da Museologia" com o prémio de melhor "Comunicação Online".

A APOM distingue anualmente museus e iniciativas na área da museologia. Este ano foram atribuídos 26 prémios referentes ao ano de 2013, que se desdobraram em várias menções honrosas. Momento de celebração, ficam os nossos parabéns a todos os premiados da APOM! Pode encontrar a lista completa de premiados em notícia no jornal Público e no site pportodosmuseus.

É a segunda vez que o blogue "Mundo dos Museus" recebe o prémio APOM na categoria de melhor "Comunicação online". A primeira vez foi em 2009. Este ano o prémio pretendeu distinguir, em particular, o ciclo de entrevistas "Per(cursos) e Perspectivas da Museologia" que realizámos em 2013 e que publicámos neste blogue. Trata-se de um conjunto de seis entrevistas a pessoas ligadas à museologia, a saber: Filipe Themudo Barata (Universidade de Évora), João Brigola (Universidade de Évora), Maria Vlachou (museóloga), Hugues de Varine (consultor na área do desenvolvimento comunitário), Inês Fialho Brandão (museóloga) e Rui Sousa Martins (Universidade dos Açores).

Este ciclo de entrevistas parte de uma inquietação, da procura de pistas e respostas face aos problemas que o mundo dos museus enfrenta na actualidade. A forma de contribuirmos para o debate e para a reflexão foi a de trazermos para a esfera pública várias opiniões e perspectivas de olhar os problemas da museologia, escolhendo para isso o formato de entrevista. Neste sentido, quisemos, por um lado, partir da academia, ou seja, convidando pessoas que pelo seu percurso estiveram ou estão ligadas aos cursos de formação em museologia, o que é o caso de Filipe Themudo Barata e de João Brigola no que diz respeito à Universidade de Évora, e de Rui Sousa Martins, um dos responsáveis pela introdução da museologia na formação pós-graduada da Universidade dos Açores. Por outro lado, pareceu-nos relevante incluir outros olhares, de pessoas mais ligadas às práticas, ao terreno, mas também ligadas à formação, ainda que não necessariamente a partir das universidades. A entrevista com Maria Vlachou e com Inês Fialho Brandão exemplificam isso. Em relação a Hugues de Varine, talvez a escolha mais atípica do conjunto, mas não menos óbvia para nós, como pessoa de grande influência para a museologia menos convencional.

Este conjunto de entrevistas está longe de ser representativo da diversidade de perspectivas de um sector museológico (e tão pouco o pretende ser), que é por si muito fragmentado, mas esperamos que possa contribuir, de algum modo, para suscitar a reflexão.

Obrigada à APOM pelo prémio e pelo reconhecimento. Gostaríamos de deixar também um agradecimento muito especial aos entrevistados pela disponibilidade e pela generosidade.

 As entrevistas estão totalmente disponíveis neste blogue (por ordem de publicação):

Filipe Themudo Barata © Ana Carvalho

Filipe Themudo Barata © Ana Carvalho

Entrevista com Filipe Themudo Barata. «É professor há mais de trinta anos na Universidade de Évora e tem estado ligado ao ensino na área do património e da museologia. Foi este um dos motivos que nos levou a conversar sobre a formação em museologia e os seus percursos, sobre a situação dos museus e das universidades na actual conjuntura, bem como sobre as perspectivas de mudança na museologia portuguesa.» Leia a entrevista na íntegra.

Biblioteca Nacional, 11 de Março de 2012

João Brigola © Ana Carvalho

Entrevista com João Brigola. «[...] falámos sobre o seu percurso profissional, sobre a militância associativa em Santarém e na Associação Portuguesa de Museologia (APOM), sobre o ensino da museologia e sobre os actuais desafios das políticas museológicas em Portugal.» Leia a entrevista na íntegra.

© Ana Carvalho

Maria Vlachou © Ana Carvalho

Entrevista com Maria Vlachou. «Frontal e incisiva, não se fica indiferente à forma como Maria Vlachou perspectiva os problemas que os museus enfrentam e a cultura de um modo geral. Falámos de percursos, da qualificação dos profissionais, da crise, das actuais políticas públicas ... e do futuro.» Leia a entrevista na íntegra.

 Hugues de Varine

Hugues de Varine © Ana Carvalho

Entrevista com Hugues de Varine. «Sobre a actualidade, Varine chama a atenção para o “fascínio do património” em que vivemos e para a necessidade de tomar decisões quanto ao futuro. Património (material e imaterial), memória, museus, sustentabilidade, crise e inovação foram algumas das palavras-chave desta conversa.» Leia a entrevista na íntegra.

 © Ana Carvalho

Inês Fialho Brandão © Ana Carvalho

Entrevista com Inês Fialho Brandão. «As suas preocupações com as práticas museológicas colocam em primeiro lugar o visitante, que reconhece não ser uma prioridade na maior parte dos museus. Ao longo desta entrevista Inês Fialho Brandão acaba por fazer um diagnóstico dos vários problemas que afectam o sector dos museus em Portugal. Apesar das dificuldades não desiste de apontar perspectivas alternativas para o desejável desenvolvimento desta área.» Leia a entrevista na íntegra.

Rui Sousa Martins, Museu de Vila Fra

Rui Sousa Martins © Ana Carvalho

Entrevista com Rui Sousa Martins. «A paixão de Rui Sousa Martins pela Antropologia e pelos museus fizeram dele o grande obreiro do Museu de Vila Franca do Campo, um museu local situado a poucos quilómetros de Ponta Delgada, que reivindica como sendo o laboratório da Antropologia da Universidade dos Açores. Da experiência no terreno fica-lhe a convicção de que o museólogo é antes de mais um gestor de relações sociais.» Leia a entrevista na íntegra.

UNESCO, Património Cultural Imaterial e Museus

capa museus e pci

 

Porque falamos hoje de Património Cultural Imaterial? No momento em que Portugal acaba de receber da UNESCO uma distinção relativamente ao Cante Alentejano, colocando-o na lista de manifestações culturais de carácter universal (é já a terceira, depois do Fado e da Dieta Mediterrânica), faz sentido voltar a fazer referência ao livro "Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias Para o Desenvolvimento de Boas Práticas" (2011, publicado pela Universidade de Évora e pelas edições Colibri, com o apoio da Fundação para a Ciência a Tecnologia).

Este livro esclarece sobre a importância que a salvaguarda do Património Cultural Imaterial tem vindo a assumir nas políticas culturais na sequência do trabalho desenvolvido pela UNESCO, muito particularmente com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003). São vários os agentes envolvidos na preservação deste património, nomeadamente os museus. Mas para responder a este repto, os museus terão que repensar as suas estratégias de forma a relacionar-se mais com esta dimensão do património, contrariando uma longa tradição profundamente enraizada na cultura material. Este estudo reflecte sobre as possibilidades de actuação dos museus no sentido de dar resposta ao desafios da Convenção de 2003, sendo certo que a partir das actividades dos museus é possível encontrar formas de estudar e de dar visibilidade ao património (material e imaterial).

«Consideramos o livro de Ana Carvalho uma obra oportuna e de utilidade para nos inteirarmos do reconhecimento institucional e legal do denominado Património Cultural Imaterial (PCI) e do domínio da ação patrimonial que se lhe associa (ultrapassando tendencialmente o campo de investigações de antropólogos e de sociólogos) e que, entre múltiplos questionamentos, se tem convencionado, como no caso português, reportar principalmente aos museus. [...]
[...] este livro serve também para nos ajudar a analisar e a refletir criticamente sobre a relação da instituição museal com o património – sabendo-se que poucos dispõem dos recursos necessários à interação com as comunidades, autênticas protagonistas das manifestações culturais e detentoras do património cultural a salvaguardar – num desejável sentido vivenciado e na ótica da sua transmissão ativa, que verdadeiramente possa contribuir para a diversidade e a criatividade cultural.» (Graça Filipe)

«A autora avança com uma exposição realista das dificuldades que acometem muitos museus e que não favorecem a atuação pretendida em relação ao PCI, das quais destacamos: a ausência de uma alusão ao PCI na missão da maioria dos museus, resultado de um trabalho tradicionalmente centrado nas coleções; os recursos humanos, técnicos e financeiros limitados; risco de cristalização de um património por natureza, vivo e dinâmico, pela sua sujeição a procedimentos técnicos de inventário já normalizados mas vocacionados para bens materiais; necessidade de formação específica; e recorrência da distância entre os museus e as comunidades [...]» (Ana Botas, in revista MIDAS)

«Cet ouvrage est très utile pour donner à la fois l’histoire et le contenu de tout le mouvement relativement récent (années 2000) de prise en compte du patrmoine immatériel dans la définition du patrimoine global des territoires et des populations et dans les pratiques des musées. Ana Carvalho y présente à la fois la “doctrine” de l’Unesco et des organisations internationales, et sa mise en pratique au Portugal.» (Hugues de Varine, 2012)

No blogue sobre o livro encontra acessível o texto de introdução do livro, entre outras informações: http://pcimuseus.wordpress.com/

O livro pode ser adquirido directamente através do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora (Madalena Freire: mvfreire@uevora.pt). O livro está também disponível para venda nas lojas dos museus nacionais ou por via das edições Colibri, da Bertrand, da Almedina, da Wook (livraria portuguesa online, grupo Porto Editora), entre outras.

****

ÍNDICE

Resumo
Abstract
Agradecimentos
Prefácio, por João Carlos Brigola
Apresentação, por Filipe Themudo Barata
Lista de Abreviaturas
Introdução

Capítulo I – Contribuições da UNESCO para a Protecção do Património Cultural Imaterial

1.1 – As Primeiras Décadas de Reflexão
1.2 – A Recomendação para a Salvaguarda da Cultura Tradicional e do Folclore
1.3 – Acções da UNESCO após a Recomendação de 1989
1.3.1 – O Programa Línguas em Perigo no Mundo
1.3.2 – O Programa Tesouros Humanos Vivos
1.3.3 – Proclamação das Obras-Primas do Património Oral e Imaterial da Humanidade
1.4 – Propriedade Intelectual e Direitos de Autor
1.5 – Elaboração de um Novo Instrumento Normativo
1.6 – A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Capítulo II – Portugal: Enquadramento Normativo e Institucional em matéria de Património Cultural Imaterial

2.1 – Legislação Nacional sobre Património Cultural Imaterial
2.2 – Instituições e Tutelas
2.3 – Ratificação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Capítulo III – Os Museus e o Património Cultural Imaterial – que estratégias

3.1 – Orientações do ICOM
3.2 – Dificuldades e Potencialidades
3.3 – Que Museus?
3.4 – Qual o Papel dos Museus?
3.5 – Inventário e Documentação
3.5.1 – Que Tipologias de Inventários?
3.5.2 – O Papel da História Oral
3.6 – Investigação
3.7 – Exposições
3.8 – Educação
3.9 – Novas tecnologias

Conclusão
Bibliografia

História da Arte, Museus, Tecnologia e Sociedade

cabe_alho_encontro_must_

Nos dias 10 e 11 de Dezembro (quarta e quinta-feira) irá realizar-se o encontro "Multidisciplinaridade e Interaçao: História da Arte, Museus, Tecnologia e Sociedade", organizada pelo Instituto de História da Arte (IHA) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas  da Universidade de Lisboa (FCSH-UNL). Este centro tem uma linha de investigação no âmbito do estudo de museus e neste encontro poderá conhecer melhor alguns dos projectos desenvolvidos. A entrada é livre.

Mais informações em: http://institutodehistoriadaarte.wordpress.com

****

PROGRAMA

Dia 10 de Dezembro

(Fundação Calouste Gulbenkian, Auditório 3)

16.00 - Apresentação do projeto Catálogo Raisonné Online das Exposições de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian
Helena de Freitas (FCG), Leonor de Oliveira (IHA, FCSH-UNL), Joana Baião (IHA, FCSH-UNL), Lúcia Luz (FCG)

16.30 -16.45 - Pausa

16.45 - 17.30 - Conferência The Artl@s project: Digital Humanities for Art History
Béatrice Joyeux-Prunel (Professora Associada em História da Arte Contemporânea na École normale supérieure de Paris/Diretora e fundadora do projeto ARTL@S)

Dia 11 de Dezembro/MANHÃ (Fundação Calouste Gulbenkian, Auditório 3)

9.30 - Abertura

10.00 - Unplace - Um Museu Sem Lugar
Felisa Perez (Programa Gulbenkian Próximo Futuro), Raquel Pereira (ISTUL) e Rita Xavier Monteiro (IHA,FCSH)

10.30 - The Curious Curator
Sofia Romualdo (IHA,FCSH)

11.00 - Pausa

11:30 - Cuidado com a língua
Maria Vlachou (Acesso Cultura, Diretora Executiva)

12.00 - Recursos digitais ao serviço do novo projeto museológico do Quarto D. Quixote, no Palácio Nacional de Queluz
Fernando Montesinos (Parques de Sintra-Monte da Lua)

12.30 - O projeto “Warburg: Banco comparativo de Imagens”
Martinho Alves da Costa Junior (Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP, Campinas/Brasil)

13.00 - Pausa para almoço

TARDE (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - UNL, Sala 82, Piso 1, Edifício B2)

14.30 - Proposta de Tecnologias da Informação e da Comunicação para a Preservação e Interpretação do Património Cultural de Macau: a Gruta de Camões como estudo de caso
Patrícia Sousa Melo (FCSH-UNL)

15.00 - Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados aplicados à Pintura Histórica Brasileira: um relato de experiência a partir do Laboratório de História da Arte da Universidade Federal de Juiz de Fora (Minas Gerais, Brasil)
João Victor Rossetti Brancato (Universidade Federal de Juiz de Fora)

15.30 - Pausa

16.00 - Projecto R
Nuno Miguel Neves (Universidade de Coimbra) Mário André Carvalhal (Universidade de Coimbra)

16.30 - Conectando acervos
Siele Cristine Barbosa (Universidade Federal de Minas Gerais/Brasil)

17.00 - Projecto Timeline ACARTE 1984-1989
Ana Bigotte Vieira (IFILNOVA e IHC – FCSH/UNL/Centro de Estudos de Teatro, UL)

17.30 - Encerramento

Comissão Científica
Raquel Henriques da Silva; Lúcia Almeida Matos, Rita Macedo, Helena Barranha e Foteini Vlachou

Comissão Organizadora
Cristina Oliveira, Joana d’Oliva Monteiro, Ughetta Molin Fop

Conferência Patrimonialização e Sustentabilidade do Património

© Susana Gaudêncio Manifesto # 7 (Época de estranheza em frente ao mundo), 2012. Água-forte s/papel. Imagem retirada de http://www.fcsh.unl.pt/media/eventos/patrimonializacao-e-sustentabilidade-do-patrimonio-reflexao-e-prospectiva

© Susana Gaudêncio Manifesto # 7 (Época de estranheza em frente ao mundo), 2012. Água-forte s/papel. Imagem retirada de: http://www.fcsh.unl.pt/

"Patrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva" é uma conferência organizada pelo Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa. Irá decorrer esta semana em Lisboa, entre os dias 27 e 29 de Novembro.

Um programa denso de três dias, que promete debates interessantes sobre património. Estarão presentes investigadores nacionais e internacionais. Entre eles, destaca-se a presença  de Jean Davalon (Universidade de Avinhão/França), que muitos conhecerão do mundo dos museus. Com um extenso currículo, Davallon é um dos fundadores e co-editor da revista francesa Publics et Musées, que em 2002 passou a designar-se por Culture et Musées. Davalon fará a conferência inaugural no primeiro dia do encontro: "À Propos des Régimes de Patrimonialisation : Enjeux et Questions".

Sobre o racional da conferência:

"A importância e o papel do património (cultural e natural) na sociedade contemporânea tornam praticamente transversal a todas as áreas científicas a necessidade de conhecimento e de reflexão sobre questões ligadas à memória colectiva e social, à seleção de elementos do passado e sua refuncionalização no presente, à função patrimonial de certos bens e manifestações culturais em relação a comunidades de pertença, ao carácter cíclico do património, à dimensão patrimonial do desenvolvimento, enfim ao património como facto social e cultural.

Para designar o processo de constituição de património a partir de realidades e de bens culturais ou naturais, usa-se o termo patrimonialização. O verbo causativo patrimonializar refere-se à acção de identificar os valores culturais de um dado bem, de os reconhecer socialmente e assim constituir património. Deste processo resultam uma espécie de sedimentação patrimonial e necessidades de gestão das realidades contemporâneas e de uso dos bens que se pretende salvaguardar ou preservar.

A temática da patrimonialização e da sustentabilidade do património, material e imaterial, natural e cultural, complexa e vasta, é ampliada pela diversidade de configurações históricas e pela reconhecida ambiguidade dos termos que convoca.

Este encontro organiza-se para estimular uma reflexão multidisciplinar e pretende dar lugar a comunicações produzidas quer no âmbito da história, da história de arte, da antropologia, da arqueologia, da sociologia, da geografia, entre outras ciências sociais, quer no âmbito das ciências naturais e de outros domínios científicos e tecnológicos, relacionados com estudos de património e com a museologia, que dêem a conhecer e contribuam para compreender e para actuar nos processos de patrimonialização e/ou de uso, transmissão e gestão sustentável de patrimónios."

Comissão organizadora: Graça Filipe, Fernanda Rollo, Paula Godinho, Raquel Henriques da Silva e José Picas do Vale

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas|Universidade Nova de Lisboa Edifício ID|4º piso|salas multiusos 2 e 3 Avenida de Berna 26-C|1069-061 Lisboa – Portugal| Informações: patrisuspatri@gmail.com

Mais em: http://www.fcsh.unl.pt/submissao-de-artigos-cientificos/patrimonializacao-e-sustentabilidade-do-patrimonio-reflexao-e-prospectiva

Museum Worlds, vol 2

© Ana Carvalho

© Ana Carvalho

O segundo número da Museum Worlds – Advances in Research acaba de ser publicado.

Museum Worlds é revista multidisciplinar na área da museologia, cujo primeiro número saiu em 2013. Em inglês e com arbitragem científica, a revista pretende dar conta das grandes tendências no mundo dos museus, tanto a partir do mundo académico como das práticas museológicas. É publicada através de Berghahn Journals e, portanto, de acesso condicionado. Tem como editoras-chefe Sandra Dudley (Universidade de Leicester) e Kylie Message (Universidade Nacional Australiana). Alice Semedo, professora da Universidade do Porto no curso de museologia faz parte do comité editorial, juntamente com Mary Bouquet, Lynne Teather, Joshua A. Bell, Chip Colwell-Chanthaphonh e Ciraj Rassool.

O segundo número é recheado. Destacam-se duas contribuições portuguesas, a de Alice Semedo com o relatório "Museum Mediators in Europe: Connecting Learning in a Field of Experience" e Nélia Dias (ISCTE-IUL) com uma análise crítica do livro "Colonial Collecting and Display: Encounters with Material Culture from the Andaman and Nicobar Islands".

No website da Museum Worlds, apenas estão disponíveis os resumos dos textos: http://berghahn.publisher.ingentaconnect.com/

 

Volume 2 | 2014

Editorial
Sandra Dudley & Kylie Message

ARTICLES

The Sacred and the Museum: Repatriation and the Trajectories of Inalienable Possessions
Chip Colwell

Hybridity — Objects as Contact Zones: A Critical Analysis of Objects in the West African Collections at the Manchester Museum
Emma K. Poulter

Translated Objects: The Olov Janse Case
Johan Hegardt & Anna Källén

Assessing Museums Online: The Digital Heritage Sustainability (DHS) Framework
Ana Luisa Sánchez Laws

The Cosmohermeneutics of Migration Encounters at the Immigration Museum, Melbourne
Philipp Schorch

Dubai’s Museum Types: A Structural Analytic
John Biln and Mohamed El-Amrousi

From the Margins to the Center: The São Paulo Biennial, the Biennale of Sydney, and the Istanbul Biennial
Rebecca Coates

FORUM: Museums and Mental Health

Introduction
Amy Jane Barnes

Beautiful Minds: The Role of Museums in Interacting with Visitors with Mental Illness
Chia-Li Chen, Chun-Hung Lin, Shih-Ku Lin,Tak-Cheung Lau

Compassionate Museums?
Joanna Besley

"Your Rhonda Is Downstairs!": The Need for a Whole-of-Museum Approach to Survivors of Trauma
Adele Chynoweth

Museum of Memory: Promoting Healing in Cambodia through History, Culture and Arts
Savina Sirik, Pechet Men, and Kunthy Seng

The Museum Dr. Guislain, Ghent and the Debate on Normality in Society
Patrick Allegaert

Mental Health and the Museum: Institutional Spaces for Memories and Interaction
Catharine Coleborne

A Museum of the Mind
Colin Gale

REPORTS

Museum Mediators in Europe: Connecting Learning in a Field of Experience
Alice Semedo

Museums, Collecting, Agency: A Symposium
Tanya Zoe Robinson

Inhabited Exhibitions
Per Bjorn Rekdal

EXHIBITION REVIEWS

Fetish Modernity, Museum of Ethnography, Stockholm
Johanna Zetterstrom-Sharp

Remaking an Ethnographic Museum in Cologne: The New Rautenstrauch-Joest Museum — Cultures of the World
Ciraj Rassool

The George W. Bush Presidential Center, Dallas, Texas
Bruce Levy

Moving on Asia: Towards a New Art Network 2004–2013, Gallery LOOP, Seoul, and City Gallery Wellington
Vera Mey

L’Art Nouveau: la Révolution Décorative, Tamara de Lempicka: la Reine de l’Art Déco, Pinacothèque de Paris, 2013
Jeanette Atkinson

Staatliches Museum Ägyptiescher Kunst, Glyptothek and Alte Pinakothek, Munich
Elizabeth Rankin

Tangible Splendor: The Chi Chang Yuan Collection of Lacquer with Mother-of-Pearl Inlay, National Museum of History, Taipei
Ying Ying Lai

First Peoples, Bunjilaka Aboriginal Cultural Centre, Melbourne Museum
Linda Young

The National Museum of Archaeology, Anthropology and History, and the National Museum of Peruvian Culture, Lima
Christian Mesia

David Bowie Is, Victoria and Albert Museum, London, Art Gallery of Ontario, Toronto, and Martin-Gropius-Bau, Berlin
Conal McCarthy

BOOK REVIEW ESSAYS

DENTON, Kirk A., Exhibiting the Past: Historical Memory and the Politics of Museums in Postsocialist China

LU, Tracey L.-D., Museums in China: Power, Politics, and Identities

VARUTTI, Marzia, Museums in China: The Politics of Representation after Mao
Duncan M. Campbell

HARRISON, Rodney, et al., eds., Reassembling the Collection: Ethnographic Museums and Indigenous Agency
Alison Petch

MEJCHER-ATASSI, Sonja, and John Pedro SCHWARTZ, eds., Archives, Museums, and Collecting Practices in the Modern Arab World
Sarah-Neel Smith

PAINE, Crispin, Religious Objects in Museums: Private Lives and Public Duties
Ryan Brown-Haysom

WINTLE, Claire,
Colonial Collecting and Display: Encounters with Material Culture from the Andaman and Nicobar Islands
Nélia Dias

BOOK REVIEWS

BENNETT, Tony, Making Culture, Changing Society
Elizabeth Plumridge

GOLDING, Viv, and Wayne MODEST, eds., Museums and Communities: Curators, Collections and Collaboration
Conal McCarthy

KRMPOTICH, Cara, and Laura PEERS, eds., This Is Our Life: Haida Material Heritage and Changing Museum Practice
Kaitlin McCormick

MESSAGE, Kylie, Museums and Social Activism: Engaged Protest
Mark O'Neill

SCOTT, Carol, ed., Museums and Public Value: Creating Sustainable Futures
Lee Davidson

SU, Xiaobo, and Peggy TEO, The Politics of Heritage Tourism in China: A View from Lijiang
Vivian Ting

VAN BROEKHOVEN, Laura, et al., eds., Sharing Knowledge and Cultural Heritage: First Nations of the Americas-Studies in Collaboration with Indigenous Peoples from Greenland, North and South America
Alison K. Brown

WEST, Andy, Museums, Colonialism and Identity: A History of Naga Collections in Britain
Arkotong Longkumer

O Património Industrial: Territórios, Paisagens, Arquitecturas

Colóquio património industrial

 

No próximo dia 17 de Novembro (segunda-feira) terá lugar na Biblioteca Nacional (Lisboa) um colóquio sobre património industrial. O evento é organizado pela Universidade de Évora através de dois dos seus centros de investigação, o Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) e do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA). A entrada é livre.

Comissão Organizadora: Ana Cardoso de Matos (Universidade de Évora - CIDEHUS), João Soares (Universidade de Évora – CHAIA/Doutoramento de Arquitetura), Raffaella Maddaluno (Universidade de Évora - CIDEHUS) e Jorge Croce Rivera (Universidade de Évora – CHAIA).

"O património industrial representa o testemunho de actividades que tiveram, e que ainda têm, profundas consequências históricas. As razões que justificam a protecção do património industrial decorrem essencialmente do valor universal das suas características mas também da singularidade de quaisquer sítios excepcionais.

Hoje as memórias "industriais" estão espalhadas por espaços amplos e estudar e perceber esta geografia construída não é uma tarefa fácil. O respeito e a protecção deste cenário histórico industrial não fazem facilmente parte da consciência colectiva, mas sobretudo não é fácil entender o conceito de que a preservação do artefacto construído não pode ser separada do conhecimento e protecção da paisagem em que se instala.

Quem interage com os temas da "herança industrial" tem como objetivo investigar, valorizar um panorama de arquitecturas, documentos, arquivos que têm caracterizado as atividades de produção ao longo dos séculos. Cooperação, comparação e intervenção são as palavras-chave da abordagem a este tipo de património que exige um trabalho multidisciplinar para uma investigação multivalente e que permita recompor a totalidade metodológica que as questões do património industrial exigem.

O presente colóquio insere-se nesta prespectiva desta cooperação multidisciplinar que historiadores e arquitectos da Universidade de Évora têm procurado desenvolver através de iniciativas conjuntas, para as quais têm contado também com a colaboração de investigadores de outras instituições."

PROGRAMA

10.00h-10.10h

Património industrial e o projeto em arquitetura

Ana Cardoso de Matos (UÉ/CIDEHUS)

João Soares (UÉ/CHAIA/Doutoramento em Arquitetura)

10.10h-10.25h

Património industrial, território e paisagem no sul de Portugal

Ana Cardoso de Matos (UÉ/CIDEHUS)

10.25h-10.50h

A paisagem construída da Arquitetura industrial: exemplos de uma nova metodologia interdisciplinar de investigação

Raffaella Maddalluno (UÉ/CIDEHUS)

10.50h-11.20h | Discussão

11.20h-11.45h | Coffee break

11.45h-12.10h

Fábricas habitadas: As “Colònies têxtils de Catalunya”

José Manuel Carvalho (UÉ/CHAIA)

12.10h-12.35h

La roconstruzione della “Fabrica de moagem de Caramujo” e l´introduzione del cemento armato (brevetto Hennebique) in Portogallo

Mariangela Licordare (UÉ/CIDEHUS)

12.35h-13. 50h | Discussão

13. 05h-14.30h | Almoço livre

14.30h-14.55h

Património Industrial – Reapropriação sem perca de sentido(s)

Miguel Ângelo da Silva (ULL-FAA/CITAD)

14.55h-15.20h

Espaços de produção, técnicas e tecnologias no sector da Moagem no Porto (1890-1920)

Maria da Luz Sampaio (UÉ/CIDEHUS)

15.20h-15.45h

Património da memória: a moagem de Aljezur um lugar a preservar

Maria João Pereira Neto (FA/CIAUD-UL)

15.45h-16.15h | Discussão

16.15h-16.45h | Coffee break

16.45h-17.15h

Os espaços da produção de cortiça na Fábrica Robinson: da rolha ao parquet

Rui Lourenço (Fundação Robinson)

17.15h-17.35h

REpensar = Reutilizar: O abandono como oportunidade. A Fábrica Robinson

Joana Vilhena (UÉ/CHAIA)

17.35h-18.00h

Casa dos cubos – um caso de estudo

Nuno Griff (UÉ/CHAIA)

18.00h | Discussão

 

Les vocabulaires locaux du «patrimoine»

Les vocabulaires locaux

Bondaz, Julien, Florence Graezer Bideau, Cyril Isnart, e Anais Leblon, eds. 2014. Les Vocabulaires Locaux Du “Patrimoine” Traductions, Négociations et Transformations. Wien; Zürich; Berlin; Münster: Lit Verlag. 228 páginas. ISBN 9783643801791.

O livro, Les Vocabulaires Locaux Du “Patrimoine” Traductions, Négociations et Transformations, publicado recentemente, resulta de um colóquio internacional com o mesmo título realizado na Universidade de Évora em Fevereiro de 2012. Encontra um pequeno balanço sobre o colóquio neste blogue  e mais informação sobre o mesmo aqui.

O livro surge por iniciativa da Respatrimoni, uma rede internacional de investigadores dedicada à patrimonializaçao (Network of Researchers on Heritagisations/Réseau des chercheurs sur les patrimonialisations) e que assume uma abordagem pragmática e crítica da noção de património universal difundido pela UNESCO, incluindo o recente enfoque para o Património Cultural Imaterial. O livro também reflecte esse posicionamento. No total, a publicação inclui onze textos de investigadores de diferentes geografias e áreas disciplinares (sobretudo a antropologia, mas também a linguística, a arquitectura, a história da arte).

O objectivo central da obra é comparar no panorama internacional, ainda que se assuma à partida como sendo parcial, as variações (na sua diversidade) da utilização de vocabulários e usos locais relativamente ao "património", assim como a sua relação com as instituições internacionais (p. ex. UNESCO, ICOM, ICOMOS) e os seus normativos reguladores. Pretende-se, segundo os editores, desconstruir ou ultrapassar a ideia de que o campo do "património" corresponde a algo de carácter homogéneo, contínuo e globalizado.

Le souci du « patrimoine » constitue aujourd’hui une activité universelle dont la diffusion est soutenue par les grandes organisations internationales. Elle produit chaque jour de nouveaux espaces de contacts entre les doctrines occidentales et le reste du monde. Mais que sait-on au juste des terminologies et des pratiques de conservation qui fonctionnent en dehors des canons occidentaux ? Ce livre s’attache à décrire et comparer les vocabulaires indigènes du « patrimoine », en montrant la diversité des conceptions locales et leur dialogue avec les politiques internationales. Se révèlent ainsi les ajustements et les oppositions linguistiques et pratiques que les acteurs activent, depuis leurs propres lieux, pour distinguer ces biens singuliers que nous appelons « patrimoine ».

O livro está disponível para venda em: http://www.lit-verlag.de/isbn/3-643-80179-1

Sobre esta linha de problematização da noção de património veja-se, ainda, o dossier especial da revista Civilisations: "Au-delà du Consensus Patrimonial: Résistances et Usages Contestataires du Patrimoine" (2012) em: http://civilisations.revues.org/3096 (acesso condicionado).

****

Table des matières

Remerciements

Relocaliser les discours sur le «patrimoine»
Julien Bondaz, Florence Graezer Bideau, Cyril Isnart et Anaïs Leblon

Words for Expressing What We Care About The Continuity and the Exteriority of the Heritage Experience
Jean-Louis Tornatore

Reviving the Disagreement: A Debate on the Terminology of Intangible Cultural Heritage and the UNESCO 2003 Convention in the Arab World
Ismail Ali El-Fihail

Transformation et histoire pluriculturelle d’un patrimoine. L’exemple des collections africaines en France
Manuel Valentin

Subtiles divergences. Le patrimoine carioca entre «paisagem cultural» et «paysage culturel»
Véronique Zamant

Le transfert d’un standard international. Le patrimoine culturel immatériel vu par la France
Chiara Bortolotto

«Traditions vivantes», une catégorie bonne à penser ? Le cas de la Suisse
Florence Graezer Bideau

Une histoire de patrimoine à l’indonésienne. Le cas du wayang golek sundanais (Java Ouest)
Sarah Anaïs Andrieu

Du «PCI» au «finaa tawaa». Ethnographie d’une traduction patrimoniale
Anaïs Leblon

Manifold “Barter”: Heritagization of Economic Exchange in the Argentinean Andes
Olivia Angé

Représentations linguistiques dans deux régions de Suisse romande (Jura et Valais). De la pratique du parler à la mise en patrimoine
Federica Diémoz et Aurélie Reusser-Elzingre

Les Auteurs

A Evolução da Zoologia e dos Museus de História Natural em Portugal

Tropenmuseum - história natural

Ceríaco, Luís. 2014. A Evolução da Zoologia e dos Museus de História Natural em Portugal. Tese de doutoramento em História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia, Universidade de Évora. Tese defendida a 20 de Outubro. Júri: José Alberto Machado, Fátima Nunes, Pedro Sousa Dias, Ana Cardoso Matos, João Brigola, Luís António Vicente, Paulo Oliveira e Luís Alfredo Baratas Díaz.

Resumo:

Os estudos zoológicos modernos e o estabelecimento de coleções de história natural no país remontam à segunda metade do século XVIII e mantiveram-se ao longo do século XIX e XX até aos dias de hoje. O seu desenvolvimento terá sido influenciado por circunstâncias políticas, económicas e sociais, que ora os estimularam, ora os retraíram. No entanto, desde a fundação de Real Gabinete de História Natural da Ajuda por Domingos Vandelli e da adoção do sistema lineano, à fama internacional da secção Zoológica do Museu Nacional de Lisboa dirigida por Barbosa du Bocage, o país manteve-se sempre a par das ideias e teorias modernas, adotando práticas comuns e contribuindo direta ou indiretamente para o conhecimento da fauna principalmente de origem ibérica, africana e brasileira. As coleções para além de resultado direto do esforço colecionista, e base material para a investigação de então, mantêm-se ainda hoje como um importante património histórico-científico a preservar.

The Evolution of Zoology and Natural History museums in Portugal

Abstract:

Modern zoological studies and the establishment of natural history collections in Portugal date back to the second half of the eighteenth century, and have run through the nineteenth and twentieth centuries to the present day. Their development has been influenced by political, economical and social circumstances, that either stimulated them or not. However, since the foundation of the Ajuda Royal Cabinet of Natural History by Domingos Vandelli, to the international prestige of the National Museum of Lisbon Zoological Section directed by Barbosa du Bocage, the country has remained abreast of the modern theories and ideas, adopting common practices and directly or indirectly contributing to the knowledge of Iberian, Brazilian and African faunas. Further from being the result of collecting efforts and being the material base to past investigations, the collections remain today as an important historical and scientific heritage to be preserved.

Encontro Ibero-Americano de Museus e a Declaração de Lisboa

Museu Nacional de Etnologia

Museu Nacional de Etnologia, Lisboa

Nos dias 13, 14 e 15 de outubro decorreu em Lisboa, no Museu Nacional de Etnologia, o 8.º Encontro Ibero-Americano de Museus, promovido pelo Programa Ibermuseus e pela Direção-Geral do Património Cultural.

Subordinado ao tema “Caminhos de futuro para os museus: tendências e desafios na diversidade”, o Encontro reuniu representantes de 17 países do universo ibero-americano que apresentaram reflexões e experiências nacionais, enquadradas por conferências de personalidades portuguesas que introduziram os painéis programáticos. Estes foram estruturados em torno de quatro temáticas principais: cooperação e redes; cidadania; era digital; políticas públicas e crise. A introdução a este último painel foi efetuada por uma representante da Network of European Museum Organizations (NEMO), assim estabelecendo uma articulação com organizações museológicas do espaço europeu.

As apresentações e os debates revelaram preocupações em torno da sustentabilidade das instituições museológicas, da evolução digital e da passagem à sociedade do conhecimento, das estratégias utilizadas pelos museus na busca de parcerias e cooperações e da institucionalização e formalização do sector.

Se bem que as realidades em presença fossem muito diversificadas, importa realçar o trabalho de investigação, recolha de dados e edição que o próprio Programa Ibermuseus tem vindo a realizar e de que constitui um feliz exemplo a recente edição do Panorama dos Museus na Ibero-América, pelo Observatório Ibero-Americano de Museus.

No final do Encontro foi celebrada a Declaração de Lisboa. O documento representa o compromisso dos países presentes, no sentido do aprofundamento de ações conjuntas de cooperação horizontal, do fomento da comunicação e do acesso para potencializar a participação cidadã na gestão de políticas públicas para os museus e da ênfase nas políticas públicas em todo o contexto ibero-americano para a institucionalização do campo dos museus. A Declaração de Lisboa está disponível em http://www.patrimoniocultural.pt/static/data/docs/2014/10/16/Declaracao_de_LisboaDEF.pdf e transcreve-se em baixo:

****

Declaração de Lisboa

VIII Encontro Ibero-Americano de Museus: caminhos de futuro para os museus ibero-americanos: tendências e desafios na diversidade.

Lisboa, Portugal, Museu Nacional de Etnologia

13, 14 e 15 de outubro de 2014

Os representantes dos países ibero-americanos participantes do VIII Encontro Ibero-Americano de Museus, reunidos sob o tema “Caminhos de futuro para os museus: tendências e desafios na diversidade”,

RECONHECENDO

a relevância dos princípios enunciados na Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais (UNESCO, 2005) para a orientação de políticas públicas no campo do patrimônio cultural;

as referências dispostas na Carta Cultural Ibero-Americana (2006), que reconhecem a Ibero-América como um complexo sistema composto por um patrimônio cultural tangível e intangível comum, diverso e excepcional, cuja promoção e proteção são indispensáveis;

os valores e princípios emanados da Declaração de Salvador, aprovada durante a celebração do I Encontro Ibero-Americano de Museus, Salvador de Bahia, Brasil, 2007, que orientam as políticas públicas para a área dos museus e da museologia, bem como a compreensão dos museus como ferramentas de desenvolvimento integral;

a importância dos encontros dos representantes de museus da Ibero-América como espaço de intercâmbio, formação de redes, troca de experiências e saberes e como espaço para reflexão e o fortalecimento das políticas públicas para os museus da região;

a necessidade de aprofundar o conhecimento mútuo das realidades museológicas dos países ibero-americanos em ocasiões de reflexão em torno do estado da questão das políticas públicas para museus;

a necessidade do debate sobre ideias e linhas de futuro para a evolução dos museus ibero-americanos que promovam a cooperação, a colaboração, a inclusão social e digital e a sustentabilidade,

DECLARAM SER METAS PRIORITÁRIAS

Cooperação, parcerias e redes 

O compromisso em aprofundar ações conjuntas no campo museológico, mediante um modelo de cooperação horizontal, de intercâmbio de saberes e experiências, e com respeito às diversidades culturais.

A consolidação de iniciativas de cooperação interinstitucional, intersetorial e internacional.

A adoção de politicas publicas integradas para promover mecanismos de sustentabilidade social para os museus.

Cidadania, acesso e participação 

O fomento de canais de comunicação e acesso para potencializar a participação cidadã na gestão de politicas publicas para os museus.

O reconhecimento do papel dos museus para a inclusão social e a construção da cidadania, o que favorece o pleno exercício dos direitos culturais.

Era digital 

A promoção do trabalho dos museus em redes baseadas em tecnologias digitais e o reconhecimento do valor das redes na construção, difusão, interpretação, uso e multiplicação do conhecimento como uma outra via para a sustentabilidade social dos museus.

Enfrentando as crises: políticas públicas para os museus

A construção de estratégias de gestão criativas e proactivas para o enfrentamento de diferentes contextos de mudanças e detecção de novas oportunidades. A realização de estudos para o conhecimento das perspectivas e tendências para os museus na Ibero-América, que permitam identificar formas de sustentabilidade. A ênfase nas políticas públicas em todo o contexto ibero-americano para a institucionalização do campo dos museus.

AGRADECEM

A presença e as valiosas contribuições dos especialistas convidados: Sr. Antonio Pinto Ribeiro, Programador-Geral do Próximo Futuro – Fundação Calouste Gulbenkian, Sra. Clara Frayão Camacho, Museóloga, Direção-Geral do Património Cultural (Portugal), Sr. Augusto Santos Silva, Professor Catedrático da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, Sra. Inês Fialho Brandão, Museóloga, Doutoranda na National University of Ireland, Sra. Sofia Tsilidou, Membro da Direção da Network of European Museum Organizations e Assessora da Direção-Geral de Museus, Exposições e Programas Educativos do Ministério da Cultura da Grécia.

A organização, a Direção-Geral do Património Cultural de Portugal, e o apoio do Museu Nacional de Etnologia pela hospitalidade durante os dias do VIII Encontro.

Lisboa, Portugal, 15 de outubro de 2014.

Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas - até 15 de Novembro

Imagem com plano de exposição, onde se vê pessoa de costas lendo


Installation view, “Turn and Widen”, The 5th Seoul International Media Art Biennale, Seoul /Kr. 2008 © Herwig Turk

A revista MIDAS - Museus e Estudos Interdisciplinares tem chamada de artigos aberta para o 5.º número. Além das secções habituais da revista, este número inclui o dossier temático: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas, que conta com a coordenação de Pedro Casaleiro, co-editor da MIDAS e mais dois editores convidados: a professora e investigadora Marta Agostinho (Universidade Nova de Lisboa) e o artista e professor Herwig Turk (Universidade de Artes Aplicadas de Viena).

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 carateres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

O prazo para envio dos textos (artigos, recensões, pequenos artigos, etc.) foi adiado de 31 de Outubro para 15 de Novembro de 2014. O email de contacto é: revistamidas@gmail.com.

Mais informações no website da revista MIDAS.

****

Dossier temático: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

A parceria entre cientistas e artistas num projeto para a produção de uma obra de arte que pode comunicar ciência, designa-se por SciArt. “Este encontro entre duas formas de [produção] de conhecimento, das humanidades ligadas à investigação qualitativa, e da ciência ligada à investigação quantitativa, procura conciliar visões opostas, levando a transcender as suas diferenças, das quais resulta um enriquecimento mútuo.” Diríamos mesmo a criação de uma nova dimensão, enquadrada numa lógica de coprodução.

Ultrapassada a fase mais representativa da ciência pela arte, numa relação que apesar de crítica e poética se baseava essencialmente na forma, passámos à fusão da ciência e da arte. Estaremos perante artistas que se tornam cientistas ao usar o conhecimento científico como média de criação, ou perante cientistas que se tornam artistas ao criar arte usando ciência? Esta partilha implica colaboração e envolve, frequentemente, a necessidade de facilitação e mediação.

Com este desafio, pretende-se promover a produção de artigos que lancem um olhar crítico sobre o percurso criativo da interação da ciência com a arte, na criação de um média enquanto processo de coprodução.

Temas a desenvolver

Destacam-se três linhas preferenciais de análise:

- as relações de trabalho entre artistas, cientistas e mediadores de ciência no processo de criação artística;

- o museu, a galeria de ciência e arte, o centro de investigação, o laboratório enquanto espaços onde estas obras encontram o seu lugar e o seu significado específicos;

- o significado destas obras no contexto museal de comunicação de ciência.

Editores convidados

Marta Agostinho é comunicadora de ciência. Tem experiência de coordenação de projetos nacionais e internacionais de divulgação, diálogo público com a ciência, arte e ciência, comunicação estratégica e gestão de ciência. Doutorada em Ciências Biomédicas (Universidade de Lisboa) e com pós-graduação em Comunicação de Ciência (Open University, Reino Unido), Marta Agostinho esteve na génese da Unidade de Comunicação e Formação do Instituto de Medicina Molecular (IMM) em Lisboa, da qual foi diretora, liderando os programas de Comunicação Institucional e  Ciência e Sociedade (2007-2012). Atualmente na equipa de coordenação de um consórcio europeu e regente de módulos de formação avançada na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, é ainda avaliadora de projetos europeus FP7 e H2020. O seu envolvimento em arte&ciência começou na tutoria de uma residência artística no IMM e não parou desde então, tendo colaborado com o artista Herwig Turk em projetos como The conversation that never took place, Tacit Knowledge #1/2 e Hands-on.

Herwig Turk é artista de SciArt e professor na Universidade de Artes Aplicadas de Viena (Áustria). O seus projetos exploram a interligação dos campos da arte, tecnologia e ciência. De 2010 a 2013 realizou uma residência artística no Instituto da Medicina Molecular (IMM), em Lisboa. De 2003 a 2009, trabalhou com Paulo Pereira, diretor do Departamento de Oftalmologia do Instituto Biomédico de Investigação da Luz e Imagem (IBILI), na Universidade de Coimbra. Nos últimos anos, o seu trabalho tem sido mostrado em locais como o Museu de Artes Aplicadas de Viena, o Museu de Arte de Seul, Coreia-do-Sul, o Neues Museum Weserburg, em Bremen, o Media Art Laboratory TESLA de Berlim, a Galeria Georg Kargl em Viena e na Transmediale Berlim, para mencionar alguns. Atualmente, Herwig Turk está a trabalhar numa exposição monográfica para o Museu de Arte Moderna da Caríntia (MMKK), em Klagenfurt, na Áustria.

Pedro Casaleiro é museólogo do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, professor de Museologia na Faculdade de Letras da mesma universidade e coeditor da MIDAS. Tem experiência de coordenação de projetos de criação de museus e desenvolve trabalho na área da gestão de coleções, estudos de público, conteúdos e desenvolvimento de exposições. Doutorado em Estudos de Museus (Universidade de Leicester, Reino Unido), mestre em Museologia na mesma universidade, licenciou-se em Biologia na Universidade de Lisboa. Passou pelo Museu Nacional de História Natural e de Ciência, Pavilhão do Futuro Expo’98 Lisboa e Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva. Desde 2003, no seu envolvimento no projeto do Museu da Ciência iniciado no Laboratorio Chimico, tem-se dedicado às questões de comunicação de ciência e ciência e arte. Participou em vários projetos internacionais, entre eles como membro do conselho científico do Pavilhão de Portugal na Expo Zaragoza 2008 e assessor de conteúdos do Pavilhão de Portugal na Expo Xangai 2010.

Mineralogia, Geologia, Metalurgia e Arte de Minas no Ensino Industrial na Cidade do Porto (1864-1974)

imagem em que se vê uma mesa de trabalho com vários objectos e prateleiras

Espaço Museológico de Mineralogia e Geologia do Instituto Superior de Engenharia do Porto  © Patrícia Costa, 2012

Costa, Patrícia. 2014. Mineralogia, Geologia, Metalurgia e Arte de Minas no Ensino Industrial na Cidade do Porto (1864-1974). Tese de doutoramento em Geologia, Especialidade de História e Metodologia das Ciências Geológicas, apresentada à Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra; disponível: https://estudogeral.sib.uc.pt/jspui/handle/10316/23768

Destacamos a tese de Patricia Costa, uma tese no âmbito da história e que inclui um enfoque sobre as colecções do Instituto Superior de Engenharia do Porto. Como sublinha a autora: [...] «com mais de 160 anos de história, o Instituto Superior de Engenharia do Porto e os seus diversos acervos (museológico, documental e bibliográfico) são uma referência incontornável para a compreensão da evolução do ensino na cidade do Porto e em Portugal.»

Resumo:

A dissertação aqui apresentada debruça-se sobre a temática do ensino da Mineralogia, da Geologia, da Metalurgia e da Arte de Minas no Instituto Industrial do Porto, desde 1964 até 1974, nas suas várias vertentes: cursos, professores, disciplinas (ensino teórico e prático) e coleções museológicas.

Com esta investigação procuramos analisar o desenvolvimento do estudo destas áreas do saber na Escola do Porto e o seu eventual contributo para o progresso científico e tecnológico em domínios aplicados à indústria, incluindo a extrativa e a de transformação de matérias-primas de origem geológica.

O ensino industrial em Portugal foi sofrendo diversas alterações estruturais e programáticas, que acompanharam sucessivas políticas decretadas pela tutela, mas também os avanços científicos e tecnológicos que se foram registando nesta área, durante mais de 160 anos. Após um tímido dealbar do desenvolvimento industrial e do ensino prático e aplicado, fomentados pela visão reformista do Marquês de Pombal, figura chave da tutela entre 1750 e 1777, os governantes da primeira metade do séc. XIX não souberam dirigir de forma eficaz o seu esforço, chegando o País a meados de oitocentos sem uma indústria modernizada e a laborar em pleno e sem operários qualificados para tal. Sucessivos períodos de conflito e de forte instabilidade política também a isso ajudaram.

Com a criação do Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria em 30 de Agosto de 1852, no âmbito da Regeneração, iniciou-se novo período de desenvolvimento significativo da economia nacional, tendo como grande interveniente Fontes Pereira de Melo. Anteriormente, com as reformas que se seguiram ao advento definitivo do Liberalismo, já haviam sido criadas algumas escolas vocacionadas para fornecer uma formação profissionalizante.

Foi, porém, em finais de 1852 que ocorreu o verdadeiro arranque do ensino industrial em Portugal. Conhecedores da realidade industrial nacional e, em especial, da cidade do Porto, os dirigentes da Associação Industrial Portuense anteciparam-se ao governo e criaram a sua própria escola industrial, denominada Escola Industrial Portuense, em Novembro de 1852. Contudo, a intervenção estatal não tardou, oficializando o ensino industrial com o Decreto de 30 de Dezembro de 1852, através do qual se criaram o Instituto Industrial de Lisboa e a Escola Industrial do Porto.

A primeira reforma globalizante do ensino industrial, em 1864, marcou uma viragem importante neste nível de instrução. A escola do Porto passou a denominar-se de Instituto Industrial, tal como a de Lisboa, sendo introduzidas novas áreas do saber nos currículos (disciplinas de Mineralogia, de Geologia, de Metalurgia e de Arte de Minas), novos cursos (Condutores de Minas, professado em três anos, 1ª classe, e quatro anos, 2ª classe) e estabelecimentos auxiliares de ensino (laboratórios e gabinetes). A formação dos alunos passou a ser composta por uma vertente teórica complementada por uma outra com caráter prático e experimental. No período estudado, foram vários os docentes responsáveis por estas disciplinas. Distinguimos António Ferreira Girão, Manuel Rodrigues Miranda Júnior, José Diogo Arroyo, Roberto Bellarmino do Rosário Frias, Celestino Maia ou Artur Mendes da Costa, como alguns dos mais importantes dinamizadores destas áreas na Escola, durante o período em estudo. As cadeiras sofreram várias reformas e alterações consoante o desenvolvimento tomado pelo ensino industrial e as próprias necessidades da indústria contemporânea. Obviamente que estes fatores influenciaram os conteúdos programáticos das mesmas, alterando, igualmente, a sua denominação ao longo dos tempos. Inicialmente a cadeira da área apenas contemplava a Arte de minas, a Docimasia e a Metalurgia.

Com a reforma de 1886 introduziram-se conteúdos de Mineralogia e Geologia nos planos de curso, mantendo um trajeto separado até 1974. Os manuais recomendados também foram fonte de referência para entendermos as teorias adotadas e a influência exercida pela escola francesa e suas traduções. A prática estava associada aos gabinetes e laboratórios onde eram realizadas experiências e outros trabalhos, não esquecendo as visitas de estudo efetuadas com objetivo dos alunos tomarem conhecimento da realidade industrial da época. O primeiro estabelecimento auxiliar de ensino a ser criado para estas áreas foi o Gabinete de Mineralogia, seguindo-se o Gabinete de Arte de Minas, o Laboratório Metalúrgico e o Gabinete de História Natural. Para uma aprendizagem mais eficaz, o ensino prático era ministrado com base em espécimes, modelos, instrumentos, quadros parietais e mapas, adquiridos maioritariamente no estrangeiro, em casas comerciais especializadas de renome internacional como Les Fils de Émile Deyrolle (Paris), F. Krantz (Bona), Theodor Gerdorf (Freiberg) ou J. Digeon (Paris), permitindo traçar a história da aprendizagem e da didática das Ciências Geológicas e das Engenharias de Minas e Metalúrgica associadas à história do ensino industrial em Portugal.

Em suma, a presença deste tipo de coleções denota um conhecimento científico elevado e uma partilha de ideias e técnicas, o que permitiu a um País como Portugal desenvolver o ensino industrial tendo como referência os países tecnicamente mais desenvolvidos como Inglaterra, França ou Alemanha.

A criação do ensino industrial em Portugal constituiu, assim, um importante passo no desenvolvimento do País, numa época em que a indústria e as vias de comunicação estavam em pleno crescimento e, com uma maior facilidade de deslocação, a partilha de conhecimentos se tornava inevitável. Desde modo, e já com mais de 160 anos de história, o Instituto Superior de Engenharia do Porto e os seus diversos acervos (museológico, documental e bibliográfico) são uma referência incontornável para a compreensão da evolução do ensino na cidade do Porto e em Portugal.