Museus de Arqueologia e práticas educativas

Museu do Vale do Côa  © Ana Carvalho, 2012

Museu do Vale do Côa © Ana Carvalho, 2012

Antas, Mário. 2014. A Comunicação Educativa como Factor de (re)valorização do Património Arqueológico: Boas Práticas em Museus de Arqueologia Portugueses. Tese em museologia, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

Mário Antas (Museu Nacional de Arqueologia) na sua tese de doutoramento fez uma análise comparativa de boas práticas no âmbito educativo em sete museus de arqueologia: Museu Nacional de Arqueologia, no Museu Monográfico de Conímbriga, no Museu do Vale do Côa, no Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado do Vale do Tejo, no Museu da Associação dos Arqueólogos Portugueses e no Museu Geológico. A tese está acessível aqui.

****

Resumo:

No presente trabalho de investigação procuramos analisar a comunicação educativa como factor de (re)valorização do património arqueológico através de exemplos de boas práticas em museus de arqueologia portugueses.

No enquadramento teórico e metodológico aplicado à tese, descrevemos a arquitectura conceptual e os conceitos estruturantes (comunicação, educação, comunicação educativa e boas práticas educativas em museus, revalorização do património arqueológico e museus de arqueologia). Criámos um novo modelo de estudo, que denominados de museologia arqueológica participativa, baseado na sociomuseologia e nos princípios da musealização da arqueologia e da transversalidade do Património arqueológico.

A museologia arqueológica participativa visa a construção de estratégias de comunicação e de ambientes de aprendizagem expressas em acções comunicativas e educativas no sentido de tornar os visitantes participativos, através da mediação, da museografia e dos recursos museográficos. Assim, o objectivo final passa por tornar o museu num centro de aprendizagem e participativo onde os visitantes possam fazer os seus próprios caminhos de aprendizagem e de produção de conhecimento.

Elaboramos uma análise reflexiva sobre história dos Museus de Arqueologia. Analisamos a evolução de conceitos e tipologias dos museus de arqueologia. Identificamos vários tipos de espaços museológicos de arqueologia e procedemos ao seu recenseamento até 2013.

A nível das estratégicas de comunicação educativa, efectuamos uma investigação comparativa entre as estratégias de comunicação educativa presenciais e a distância utilizadas nos museus de arqueologia.

Por último, identificámos e procedemos a uma análise comparativa de boas práticas de comunicação educativa em museus arqueológicos portugueses. Assim, para além da mais-valia dessas boas práticas, apontamos o caminho para que as mesmas se articulem em rede. Só assim, as boas práticas podem passar da excepção para a regra e contribuírem de uma forma assertiva para a (re)valorização do património arqueológico envolvendo os visitantes e respectivas comunidades, ou seja, devolvendo o património participado como memória colectiva à própria sociedade.

Fotografia e Memória no Museu da Nazaré

Cartaz DO QUE FALAM ELAS

O Museu Dr. Joaquim Manso (1976), na Nazaré, é um dos museus que antes se encontrava sob a tutela da administração central e que passou recentemente para a tutela da Direção-Regional de Cultura do Centro. Mas foi o trabalho que tem sido desenvolvido em torno da memória que motivou esta mini-entrevista com Dóris Santos, a coordenadora do museu. O projecto «De que falam elas? Conversas à volta das fotografias» explora o potencial dos contributos da população para documentar uma colecção fotográfica. As fotografias históricas são instrumentos muito úteis nos museus, não só porque podem remeter para informação documental relevante como podem ser o pretexto para a construção de uma relação com as comunidades.

****

Ana Carvalho (AC) – Fale-nos um pouco do projecto «De que falam elas? Conversas à volta das fotografias».

Dóris Santos (DS) – O Museu Dr. Joaquim Manso promoveu um ciclo de conversas em torno de uma selecção fotografias do seu acervo e da Imagoteca da Biblioteca Municipal da Nazaré. O projecto começou a 18 de Novembro de 2013 e terminou a 4 de Junho de 2014. Estes encontros informais serviram o propósito de enriquecimento informativo sobre as fotografias apresentadas, dando voz à comunidade e àqueles que assistiram, protagonizaram e/ou vivenciaram os acontecimentos e espaços captados nas fotografias.

AC – Quem participou?

DS – Participou a turma «Viver a Nazaré» da Universidade Sénior da Nazaré/Câmara Municipal da Nazaré, que foi o grupo mais regular e de suporte do projecto, conferindo-lhe estabilidade e a possibilidade de corresponder a metas de crescimento da interacção social. Mas a iniciativa foi aberta também à população em geral.[1]

AC – Como lançaram o projecto?

DS – No início do ano lectivo 2013-2014, o projecto foi apresentado às coordenadoras da Universidade Sénior e à turma de «Viver a Nazaré», orientada pela historiadora Ana Hilário (Câmara Municipal da Nazaré). Depois, fizemos a divulgação através dos meios de comunicação habituais do museu e do Município da Nazaré, convidando todos os interessados.

AC – Que motivações levaram à organização desta iniciativa?

DS – O projecto «Do que falam elas?» radicou, por um lado, na necessidade de documentar um imenso arquivo fotográfico do museu e, por outro lado, na vontade de estimular dinâmicas participativas com a comunidade. Por conseguinte, quatro objectivos gerais nortearam a sua estrutura:

a) sensibilizar para a função identitária do museu através da sua relação com a comunidade;

b) enriquecer o conhecimento sobre as colecções com a colaboração dos seus protagonistas;

c) aproximar as estratégias da missão educativa e social das instituições;

d) valorizar a aprendizagem informal ao longo da vida.

A Nazaré inspirou muitos trabalhos fotográficos ao longo do século XX, quer de autores nacionais quer estrangeiros. Estes trabalhos podem ser analisados numa vertente estética, mas igualmente num intuito documental inerente à pressuposta veracidade fotográfica, vertente no qual este projecto se baseou. As fotografias foram o pretexto para uma troca de informações e partilha de memórias. O nome do projecto corresponde ao título da fotografia de Avellar Soeiro (1918-2010) que ilustrou o cartaz.

© Museu Dr. Joaquim Manso, 2014

© Museu Dr. Joaquim Manso, 2014

AC – De que formas é que esta iniciativa se reflecte na missão do museu e na sua estratégia?

DS – O Museu Dr. Joaquim Manso visa representar a identidade histórico-cultural da região, com incidência na cultura do mar, a partir de três momentos principais: a história e a lenda do milagre de Nossa Senhora da Nazaré; o mar, as artes de pesca e as embarcações tradicionais; e o traje, nos seus aspectos mais característicos – trabalho e festa –, documentados por pintura e fotografia de Álvaro Laborinho, que fixam momentos da vida quotidiana desta vila piscatória.

Para cumprir a sua vocação, o museu desenvolve um conjunto de iniciativas dirigidas a um público o mais vasto e diversificado possível, visando o estudo e a divulgação das colecções, a democratização do acesso à cultura e a sensibilização para a cultura do mar. Assim, o museu cumpre também a sua missão social e de envolvimento comunitário, na sua dimensão colectiva e individual. Simultaneamente, a comunidade revê-se e identifica-se no museu, no qual são valorizados os percursos de vida de várias gerações.

© Museu Dr. Joaquim Manso, 2014

© Museu Dr. Joaquim Manso, 2014

AC – Que metodologias adoptaram?

DS – No início do ano lectivo estabelecemos o calendário temático e um limite de dez fotografias por sessão. As sessões, quinzenais, decorreram alternadamente no museu e na Biblioteca Municipal da Nazaré.

Os assuntos aproximaram-se da calendarização dos ritmos ou festividades locais; mas, o critério principal da selecção incidiu em áreas sobre as quais o museu dispunha de pouca informação na descrição e no inventário das fotografias ou sobre temas habitualmente menos privilegiados pela investigação e pelas exposições. No entanto, por ser um projecto em parceria, à proposta inicial foram integrados outros temas sugeridos pelos participantes, como o Carnaval, que é uma festividade vivida intensa e peculiarmente pelos nazarenos de todas as gerações. Além disso, os participantes também trouxeram imagens para as sessões.

Em cada sessão, as fotografias eram apresentadas cronologicamente através de uma projecção, facilitando a análise e a discussão conjunta. Duas técnicas do museu responsabilizaram-se pela cobertura fotográfica e pelo registo escrito das conclusões sobre cada imagem. A informação foi depois resumida e passou a integrar as fichas de inventário do Matriz, o sistema informático de inventário e gestão das colecções do museu.

Nalgumas sessões foram ainda convidadas pessoas conhecedoras dos assuntos tratados nas fotografias ou protagonistas em eventos retratados, que muito contribuíram para a dinamização do diálogo e para a riqueza informativa da conversa.

Em suma, o ciclo de conversas centrou-se nos seguintes temas: ondas da Nazaré (das grandes ondas da Praia do Norte ao mar à Pinoca); a venda do peixe: a lota; a Fábrica de Conservas de Peixe (presença de cinco antigas trabalhadoras da unidade da fábrica «Algarve Exportador»); traje tradicional; lavar e secar a roupa; brincadeiras infantis; Carnaval (presença do Rei do Carnaval 2014); Bombeiros Voluntários da Nazaré (presença do Comandante e do Presidente da Direcção desta corporação); Bairro dos Pescadores e pátios (presença de um representante da Mútua dos Pescadores na Nazaré); a escola e o ensino (presença de uma antiga professora primária); Festa do Homem do Mar (com o membro da comissão das festas 2014); e danças e ranchos folclóricos.

AC – É a primeira vez que realizam este tipo de trabalho de documentação através da memória?

DS – Para além da recolha de informação que o museu continuamente realiza junto da população, através de abordagens individuais, à mercê dos projectos em curso ou de carências pontuais de informação sobre objectos em estudo/inventário/exposição, tem vindo a ser estreita a parceria entre o museu e a Universidade Sénior da Nazaré, com a colaboração de professores e alunos das várias disciplinas. Pelo seu propósito de registo de vivências relacionadas com os objectos/espaços do museu, entre os projectos já desenvolvidos, salientam-se «Conversas de algibeira» (2010) ou «Memórias da minha rua» (2011).

AC – Em Portugal, no mundo dos museus, o trabalho com a memória, envolvendo a captação de testemunhos junto das comunidades tem ganho particular desenvolvimento nos últimos anos. Esta tendência também está ligada a uma maior valorização do imaterial?

DS – Ainda que possamos almejar objectivos de representação que vão para além da memória local, se nortearmos a missão do Museu Dr. Joaquim Manso por desígnios de um «Museu da Cultura do Mar», da representação da afinidade da Nazaré com o mar e, através desta, do que o mar tem significado na construção da identidade nacional, nos seus vários campos de acção (desde económico, social, científico-natural, geoestratégico, desportivo, estético e literário), este é um museu nascido de e com a comunidade. Pauta-se, por isso, por uma estratégia recorrente de ir ao encontro de parceiros representantes da comunidade na sua natural diversidade.

As exposições tem sido o resultado de uma construção com a comunidade. Mais do que o desfecho museográfico, interessa-nos o processo em si e do que daí deriva em termos de aproximação museu/comunidade, de encarar esta como uma imprescindível aliada nos processos de conhecimento, estudo, preservação e divulgação das colecções. Exposições como Da Nazaré à Vitória. Uma romagem de festa e devoção (2009), Nazaré. Memórias de uma Praia de Banhos (2010-2011) ou Como se veste a Nazaré? A tradição hoje (2013-2014) são exemplos dessa relação.

Ao nível educativo, foi com o projecto escolar Entre Freguesias. Patrimónios Cruzados (2012), realizado no âmbito do Centenário da Denominação de Concelho da Nazaré, que o museu promoveu a aplicação do Kit de Recolha de Património Imaterial (2011), recurso promovido pelo ex-Instituto dos Museus e da Conservação, junto de alunos do 1.º ciclo do ensino básico. Com o apoio do Agrupamento de Escolas da Nazaré e das Juntas de Freguesia, incentivou-se o trabalho de campo para a recolha de informação sobre três objectos do museu (rede de arte xávega, arado e mó de moinho), associados às práticas agrícolas ou piscatórias das respectivas freguesias de onde os objectos eram provenientes.

À espera que o peixe seque © Museu Dr. Joaquim Manso, 2011

À espera que o peixe seque © Museu Dr. Joaquim Manso, 2011

Ainda no âmbito do património imaterial, o museu documentou duas práticas: o processo artesanal da seca do peixe, que ainda é realizado diariamente na Nazaré, e a festividade anual do Círio de Nossa Senhora da Vitória. A documentação recolhida está disponível, desde 2011, através de fichas de inventário acessíveis no catálogo online MatrizNet, plataforma que divulga as colecções dos museus até recentemente sob a tutela do Instituto dos Museus e da Conservação/Ministério da Cultura.

Embora possa parecer uma definição estratégica apenas acertada pela dimensão material do património, na faceta visível dos objectos da colecção, ressalva-se que, acima de tudo, estes interessam pelo que significam enquanto vestígio memorial das pessoas, das suas interacções com o território, com a paisagem, com os desafios diariamente impostos, com as manifestações sociológicas e simbólicas daí derivadas… Esta essência patrimonial das colecções dos museus é indissociável da dimensão humana que lhes deu vida e passado.

Na Nazaré, a dimensão humana é ainda hoje traço identitário e distinto de outras comunidades costeiras, pela ponte que estabelece entre a modernidade do turismo e dos serviços e uma tradição enraizada na ligação com o mar e a cultura popular, orgulhosa e plenamente assumida e continuada.

AC – Terminada esta iniciativa, que balanço é possível fazer?

DS – Graças à espontaneidade inerente ao modelo de sessões informais, pode-se ter perdido a eficiência e focalização imediata de informação, mas ganhou-se na multiplicidade de perspectivas. Neste tipo de projecto é importante mantê-lo alinhado pelos objectivos inicialmente traçados e haver dinamizadores das sessões, que encaminhem o olhar dos presentes para além do que as fotografias oferecem à primeira instância; há o risco de uma mera identificação de pessoas e lugares, já que esta é a predisposição imediata dos participantes, retendo-se no saudosismo do regresso a figuras e espaços alterados.

Sentiram-se também algumas limitações sobre as fotografias que se reportavam a eventos, lugares ou pessoas anteriores aos anos de 1940. Quando a memória dos participantes era posterior a essa cronologia, tais imagens tornavam-se parcialmente indecifráveis, uma expressão colectiva, mas anónima, de um passado saudoso e idílico.

Foram vários os temas abordados, mas alguns caíram por falta de tempo, deixando o estímulo para a continuação do projecto. Algumas fotografias geraram controvérsias e elevaram os ânimos; despoletaram pesquisas e entusiasmos. Muitas memórias e conhecimentos foram recolhidos para enriquecer o inventário fotográfico do museu e, assim, prestar melhor serviço junto do público.

AC – Como reagiram, globalmente, as pessoas ao projecto?

DS – Os alunos da Universidade Sénior da Nazaré, assim como a  professora Ana Hilário aderiram prontamente à iniciativa e reagiram com empenho e a vivacidade, criando-se uma salutar empatia com a equipa do museu, transformando-o num projecto comum.

AC – Que conselhos daria a outros profissionais?

DS – Para o sucesso de um projecto similar é fundamental uma selecção cuidada de imagens, observando a sua qualidade de apresentação/projecção; organizar as intervenções e os contributos individuais; registar as conclusões numa pasta de projecto e nas fichas de inventário; iniciar, processar, avaliar e encerrar o projecto conjuntamente.

****

Dóris Santos é a coordenadora do Museu Dr. Joaquim Manso. Tem licenciatura em História, variante História da Arte (Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra), é mestre em Museologia e Património (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa) e é doutoranda em História da Arte (especialização em Museologia e Património Artístico) na mesma universidade. Email: mjmanso@drcc.pt.

O Museu Dr. Joaquim Manso abriu ao público em 1976, na antiga casa de férias do jornalista Joaquim Manso (1878-1956), localizada no Sítio, um dos núcleos populacionais mais antigos da Nazaré. Os testemunhos milenares da presença humana nesta costa, a história da vila e o culto de Nossa Senhora da Nazaré, a cultura do mar e as artes de pesca, o trabalho e a festa e os seus trajes tradicionais, são temas que compõem o percurso expositivo incidente na identidade da região e a sua íntima relação com o mar.

Links úteis:

Encerramento do projeto “Do que falam elas”

Descubra o património imaterial da Nazaré

Conversas de algibeira

Memórias da minha rua

http://mdjm-nazare.blogspot.com

https://www.facebook.com/MuseudaNazare


[1] Da parte do museu, participaram no projecto: Dóris Santos, Cecília Nunes, Deolinda Brites e Paula Freire; da Universidade Sénior da Nazaré: Filipa Lopes, Tânia Gandaio, Ana Hilário e alunos da turma “Viver a Nazaré”; e da Biblioteca Municipal da Nazaré: António Balau (apoio).

 

Museus e Gestão: Novas Pontes para a Sociedade

Cartaz onde se vê duas pontes de Portimão

«Museus e Gestão: Novas Pontes para a Sociedade» é o tema do próximo encontro organizado pelo ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus). Este será o primeiro evento organizado pelos novos corpos gerentes eleitos em Março deste ano. Terá lugar no Museu de Portimão no dia 31 de Outubro de 2014.

«Serão apresentadas diferentes abordagens e os resultados obtidos, assim como casos portugueses com propostas positivas sobre o papel dos museus e dos seus profissionais, na ligação com as comunidades, o turismo cultural, as empresas, entidades locais, intermunicipais e universitárias, em articulação através de redes, parcerias e outros sistemas de partilha de recursos.»

Estão confirmadas as presenças de Wim De Vos (Conselho Executivo do ICOM), Clara Frayão Camacho (Museóloga, Assessora da DGPC), Susana Soto (Directora do Museu San Telmo, San Sebastian) e Karmele Barandiaran (Área de Desenvolvimento e Públicos, Museu S. Telmo), José Pedro Sousa Dias (Director dos Museus da Universidade de Lisboa), José Gameiro (Director do Museu de Portimão) e Paulo Costa Pinto (Gestor de Projectos Cultura e Turismo da Comunidade Intermunicipal do AVE).

A entrada é livre, mas é necessário fazer inscrição prévia através do email: icom_encontro2014@cm-portimao.pt

Informação mais detalhada na página do ICOM Portugal: http://bit.ly/1xtmEP7

(Fonte: ICOM Portugal)

Actas “O Futuro dos Museus Universitários em Perspetiva”

Capa do livro

Semedo, Alice, Elisa Noronha Nascimento e Rui Centeno. coord. 2014. Atas do Seminário Internacional «O Futuro dos Museus Universitários em Perspetiva». Porto: Universidade do Porto. 233 páginas, ISBN 978-989-8648-23-5. Disponível aqui: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/12476.pdf

A Universidade do Porto acaba de publicar as actas (formato digital) do seminário internacional «O Futuro dos Museus Universitários em Perpetiva» que se realizou a 28 e 29 de Novembro de 2014 no Salão Nobre da Reitoria da universidade  (veja o call for papers num post anterior).

Entendida a crise em que vivemos num tempo mais longo, esta foi a oportunidade para reflectir sobre os problemas que os museus universitários enfrentam e que na universidade do Porto já vinham a ser debatidos entre alunos, professores e profissionais dos próprios museus da universidade. A discussão abriu-se à comunidade de profissionais e investigadores extra universidade do Porto e os contributos incluídos nestas actas reflectem isso mesmo.

A palavra crise tornou-se constante em nosso tempo. Seu significado aponta para tensões e conflitos, assim como desafios a serem enfrentados. No entanto, o termo “crise”, em condições genéricas, tem sido acompanhado de ambivalências e, normalmente, onde encontramos “crise” ansiamos ver também soluções para a mesma. A esperança de superação do momento da crise é sempre objetivo desejável e propõe investigação, análise e reflexão, para, a seguir, praticar as soluções em busca de momentos menos tormentosos e mais estáveis. (Lúcia Glicério Mendonça)

Alguns dos problemas que afectam os museus universitários não são diferentes dos  museus de outras tipologias, como ficou patente na leitura destas actas: a necessidade de manter as colecções preservadas, de as inventariar, documentar, estudar, de promover a sua acessibilidade, de as comunicar melhor e aprofundar (ou mesmo encetar) interacções com a sociedade (p. ex. programação); No diagnóstico traçado acrescem, ainda, os fracos recursos humanos e financeiros, tendo sido sublinhado que este é um sector pouco financiado, provavelmente quando comparado com outro tipo de museus ou colecções.

O que se destacou, na minha perspectiva, e que tem a ver com as especificidades deste tipo de museus é o desafio de integrar a actividade destes museus no quotidiano das suas universidades e nas respectivas estruturas, pois, na maioria dos casos, têm um papel e posicionamento marginal (quase invisível). A criação de redes interdisciplinares foi uma das ferramentas enunciadas (é hoje uma palavra-chave no mundo dos museus).

Um outro desafio remete para a captação de mais e diversos públicos. Sendo que este é um objectivos de qualquer museu, os museus universitários não só se debatem para captar aqueles que poderão ser os seus públicos imediatos – os estudantes, pela proximidade (estão dentro da instituição) e pelo potencial das colecções para a construção e transmissão de conhecimentos, – estes museus debatem-se, ainda, pela captação de públicos que se encontram fora da instituição. Os turistas foram apontados como um desses potenciais públicos, embora tenha ficado claro que não existem estratégias neste sentido.

A iniciativa de publicar as actas é importante, diria mesmo imprescindível, se não nos moldes tradicionais de impressão então que se faça no formato digital como aconteceu neste caso. A edição das actas poderia ter sido objecto de maior cuidado, que creio terá a ver como a urgência dos processos. Particularmente interessante foi a introdução de mapas conceptuais sobre cada uma das comunicações/textos incluídos nestas actas.

****

CONTEÚDOS

Apresentação, Lúcia Glicério Mendonça

Coleções Universitários e o Processo de Construção e Transmissão do Conhecimento

Museu de Ciência da Universidade do Porto: Transmissão, Produção e Difusão do Conhecimento, Luís M. Bernardo

O Museu da Universidade de Aveiro: Coleções, Investigação e Herança Patrimonial, Ana Bela de Jesus Martins e Ana Cristina Fernandes Cortês Justino

Primeiro passo: Documentar as Coleções, Alexandre Matos

A implementação de um Plano de Conservação Preventiva para o Acervo da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, Alice Nogueira Alves, Marta Frade e Carlos Alcobia

Pintura do Acervo da FBAUL: uma Coleção para o Futuro, Luís Lyster Franco

Repensar a Missão dos Museus Universitários no Território

Repensar a Missão dos Museus Universitários no Território, Transcrição da Conferência de Paulo Cunha e Silva

Os Museus Universitários do Porto e a sua Integração no Turismo Cultural da Cidade, António Ponte e Rui Centeno

Museus Universitários: de Legisladores do Saber a Interpretes de Culturas, Lúcia Glicério Mendonça

Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo: Contextualizações e Processos, Elisa Noronha Nascimento

Museu Virtual FBAUL: Work in Progress para a Coleção de Pintura, Ana Mafalda Cardeira

‘DIY’ na Universidade do Porto: Instrumentos Científicos Fabricados Localmente, Marisa L. Monteiro, José Moreira Araújo e Luís M. Bernardo

Modelos de Gestão dos Museus Universitários

Museu FEUP: Estratégias e Métodos para a Gestão de Produtos do Conhecimento, Susana Medina

O Museu de Geologia Fernando Real e Perspetivas Futuras, Elisa Gomes, Ana Alencoão, Martinho Lourenço e Carlos Coke

Museus Universitários como Mediadores

Interseções: os Recursos Digitais no Contexto da Museologia Universitária, João Carlos Carvalho Aires de Sousa

Processo Criativo de investigação no Museu da FEUP, Maria van Zeller

Investigação e Curadoria nos Museus Universitários do Porto [Depósito (2007); Rescaldo e Ressonância (2009); Edifícios & Vestígios (2012)], Inês Moreira

Curadorias Compartilhadas: um Estudo sobre as Exposições Realizadas no Museu da Universidade Federal do Rio Grande do SUL (2002 a 2009), Maria Cristina Padilha Leitzke e Zita Rosane Possamai

Apêndices

Relatórios | Mapas Conceptuais, Inês Ferreira e Vanessa Nascimento Freitas

Notas Biográficas dos Autores

 

Conferência Museum Mediators, Algarve 16-17 Setembro 2014

logótipo da empresa Mapa das ideiasA conferência final do projecto Museum Mediators vai ser realizado no Algarve, no Museu do Trajo de São Brás de Alportel, nos dias 16 e 17 de setembro de 2014.

A Mapa das Ideias coordenou um Projecto Europeu de Transferência de Inovação (Leonardo da Vinci Multilateral Projects “Transfer of Innovation”). O projecto consistiu na criação de curso que oferece uma base de formação e de identidade profissional para os educadores e mediadores de museus. O curso foi construído a partir de estudos comparativos entre diferentes sistemas de serviços educativos na Europa, com contributos dos parceiros dos países envolvidos no projecto: Itália, Espanha, Dinamarca, Estónia e Portugal. O projecto teve início a 15 de Outubro de 2012 e termina em Outubro deste ano. Encontra mais informação no site Museum Mediators.

Mais informações e inscrições aqui.

****

Programa, São Brás de Alportel, 16-17 de Setembro

Tuesday, September 16th

16.00-17.00
Participants’ registration and welcome
—– With a selection of wine and appetizers

17.00-18.00
Museum Visit

18.00-19.00
Conference Opening
Welcome speech from the Museum
Welcome speech from the Museum Mediators Project Team
Handbook presentation
Website presentation

19.00-20.00
European Network of Museum Mediators and Think Tank
Inês Câmara | Cristina Da Milano | Niels Righolt

20.30
Dinner at the Museum

Wednesday, September 17th
9.00-10.00

Participants’ registration
10.00-11.00

Museum Mediators Europe: discussing the process
Carla Padró | Alice Semedo | Dália Paulo

11.00-11.20
—— Coffee Break

11.20-13.30
What Museums for Who with What? About our SMART museums

13.30-15.00
Lunch

15.00-17.00
Workshops

METHOD | How to build and manage projects. The not to do and to do lists!
Joaquim Jorge

DIGITAL | Digital storytelling and its potential for audience engagement.
Cristina Da Milano and Niels Righolt

VISION | Sharing experiences through Museums Exhibiting Europe.
Mário Antas e Maria João Nunes

ROLES | New professional roles for the Culture and Museum fields.
Ana Fernambuco e Inês Câmara

17.00 -17.30
——– Coffee Break

17.30-19.00
Discussion

19.00-19.30
Closing session
Joaquim Jorge | Inês Câmara | Emanuel Sancho

Estratégias participativas para coleccionar o presente

"The initiators of the Stadionbad exhibition" 2012 © hmf, photo: Katrin Streicher (imagem retirada do livro, p. 70)

“The initiators of the Stadionbad exhibition” 2012 © hmf, photo: Katrin Streicher (imagem retirada do livro, p. 70)

Meijer-van Mensch, Léontine, and Elisabeth Tietmeyer, eds. 2013. Participative Strategies in Collecting the Present. Berlin: Panama-Verlag. 132 páginas, ISBN 978-3-938714-28-7.

Esta publicação reflecte o interesse (crescente) sobre a definição de políticas de incorporação nos museus que incluam o presente: como documentar as realidades sociais e culturais contemporâneas através da recolha de objectos? Que prioridades? Que metodologias? Que critérios? Logo na introdução pode ler-se:

«In their collecting policies, history museums, ethnographic museums, and city museums all over the world show a remarkable tendency not only to focus on the present, but also to involve individuals and groups outside the museums as experts on their culture and history. Such participative strategies challenge the theory and ethics that underpin traditional practices. Some of the values at stake are institutional autonomy and professional authority.» (p. 7)

O conjunto de 13 textos incluídos neste livro resultam da primeira reunião anual (2011) de um dos mais novos comités internacionais do Conselho Internacional de Museus -  o International Committee for Collecting (COMCOL), organizada em conjunto  com o International Committee for the Collections and Activities of Museums of Cities (CAMOC)  e o ICOM regional Committee for Europe.

Como sublinha Léontine Meijer-van Mensch e Peter van Mensch, para colecionar o presente há que perspectivar as colecções como conjuntos dinâmicos ao serviço da missão dos museus. E para a formação e desenvolvimento das colecções o trabalho em rede e a participação são palavras-chave (p. 8).

A publicação é impressa, mas existe também em formato digital. Encontra mais informações no website do COMCOL.

 

****

Content

Preface, 7

Léontine Meijer-van Mensch and Peter van Mensch
Participative strategies in collecting the present | Introduction, 8

REFLECTIONS ON METHODS OF PARTICIPATION

Dennis Herrmann and Jonas Koch
Challenges, changes and changes | Theoretical and practical reasons for on and offline participation in museums, 15

Kathrina Dankl and Tena Mimica
Collecting the present by exploring Doing Kinship with Pictures and Objects, 24

Renée Kistemaker
Participative strategies in the project Entrepreneurial Cultures in European Cities | On the way to integrated museums?, 33

Zvjezdana Antos and Annemarie de Wildt
The museum goes shopping | Collecting entrepreneurs – a comparison between city and ethnographic museums, 45

(RE)DEFINING THE MUSEUM WITH PARTICIPATION

Zelda Baveystock
The secrets of our success | Synthetising audience development with collections at the Museum of Liverpool, 56

Angela Jannelli
Frankfurt Now! and the City Lab | Two participatory exhibition formats of the historisches museum frankfurt, 64

Dorota Kawecka and Aleksandra Janus
What to take and how to share? | Challenges for establishing a new Theatre Museum in Warsaw, 74

PERCEPTIONS OF COMMUNITY

Thomas Michael Walle
Participation and othering in documenting the present, 83

Christine Fredriksen

Participative strategies and the maritime cultural heritage
CHALLENGING AUTHORITHY AND CONTROL

Arjen Kok and Pina Cardia
Involving lay stakeholders in expert cultural value assessment, 104

Tanja Rozenbergar
Don’t throw pots away, 111

Markus Walz
The selection of cultural assets between research and plebiscite: Five museological points dealing with »collecting 2.0«, 119

The authors, 128
List of Illustrations, 131

 

Conferência da Acesso Cultura em Outubro

Cartaz da conferência

 

“De que forma devemos olhar para a Arquitectura? Os seus ‘produtos’ são obras a ser contempladas e admiradas ou também obras que são usadas por pessoas? Estética e usabilidade são incompatíveis? Devemos aceitar que possam ser criadas, em certos casos, barreiras ou é sempre possível desenvolver soluções que libertam as pessoas e que permitem plena fruição? De que forma se pode passar da teoria à prática?”

Encontra mais informação no website da Acesso Cultura: http://bit.ly/UcI7PY

VIII Encontro Ibero-Americano de Museus

cartaz do encontro iberoamericano

Estão abertas as inscrições para o VIII Encontro Ibero-Americano de Museus que irá realizar nos dias 13, 14 e 15 de Outubro de 2014 no Museu Nacional de Etnologia. A organização é da DGPC e IBERMUSEU

Os objectivos do encontro são: profundar o conhecimento mútuo das realidades museológicas dos países ibero-americanos; proporcionar ocasiões de reflexão em torno do estado da questão das políticas públicas para museus; apresentar e debater ideias e linhas de futuro para a evolução dos museus ibero-americanos; servir de plataforma entre a Ibero-América, a Europa e o espaço da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa), tirando partido da circunstância de Portugal ser o país anfitrião.

O Programa Ibermuseus é uma iniciativa de cooperação dos 22 países ibero-americanos, com vista ao fomento e à articulação de políticas públicas na área de museus. Portugal é um dos países membros deste programa, fazendo parte do grupo de 11 países que integram o respetivo Comité Intergovernamental.

Entre as iniciativas anuais deste programa, contam-se os Encontros Ibero-Americanos de Museus, realizados desde 2007 sobre diversas temáticas em diferentes países. Considerando o interesse estratégico da participação portuguesa nesta cooperação internacional e perspetivando a potenciação desta iniciativa para a comunidade museológica nacional, realiza-se em Lisboa o VIII Encontro Ibero-Americano de Museus.

Programa (português)

Programa (espanhol)

Boletim electrónico de inscrição

Ficha de inscrição

(Fonte: DGPC)

María Bolaños na Universidade de Évora

No próximo dia 8 de Julho, pelas 10h30, María Bolaños Atienza (Museo Nacional de Escultura vai estar na Universidade de Évora (CES, sala dos docentes) para apresentar a palestra ¿Puede ser moderno un museo de estatuas? Una reflexión sobre la mordaz pregunta de Baudelaire, en su Salón de 1846, «¿Porqué la escultura es un arte tan aburrido?»

Cartaz que anuncia a conferência. Refere  o título da comunicação, horário e local

Mediar para a interculturalidade

Arte Mediação - performance_Fotor

Como se trabalha a interculturalidade? Foi para potenciar o diálogo e a troca de experiências entre profissionais ligados à educação, à arte e à cultura em geral que Mafalda Miguel Teixeira (Câmara Municipal da Lourinhã) e Elsa Neto da Silva (Câmara Municipal de Torres Vedras) organizaram um curso de 43 horas sobre o tema. A iniciativa realizou-se entre 25 de Outubro e 29 de Novembro de 2013, em Torres Vedras.

O curso Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade procurou a partir de uma perspectiva multidisciplinar abranger diferentes campos de actuação: comunicação, livro, teatro, dança, performance, cinema, fotografia, através de seminários e módulos mais práticos. Um painel de formadores muito diversificado constituiu uma das mais-valias do curso: Madalena Vitorino, Maria Vlachou, Mafalda Milhões, Natália Luiza, Pedro Penim, João Maria André, Bruno Humberto, Rui Simões, Natália Luiza, Giacomo Scalisi e António Pinto Ribeiro e Pauliana Valente Pimentel. A iniciativa teve o apoio e  financiamento do Programa FEINPT – Fundo Europeu para a Integração de Nacionais de Países Terceiros e como interlocutores o ACIDI – Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural.

Nas próximas linhas, Mafalda Miguel Teixeira e Elsa Neto da Silva contam-nos mais sobre este projecto.

****

Ana Carvalho (AC) – O que vos levou a organizar um curso sobre interculturalidade?

Mafalda Miguel Teixeira (MMT) e Elsa Neto da Silva (ENS) – Temos (as duas autarquias) vindo a colaborar, em estrita parceria, em inúmeros projectos no âmbito da promoção do diálogo intercultural, desde 2011, inseridos nas dinâmicas dos Centros Locais de Apoio à Integração de Imigrantes (CLAII´s). Percepcionámos que, ao nível local, seria necessário ir mais além do simples atendimento aos cidadãos imigrantes nas áreas da legalização, da saúde, da educação, entre outras. Por essa razão era importante desenvolver outro tipo de acções, nomeadamente intervindo junto dos cidadãos autóctones, pois, para criar uma base de diálogo são necessárias duas partes.

Com estas acções pretende-se o reconhecimento do «outro», através de um modelo verdadeiramente intercultural, que radica na sua compreensão e dando lugar à convivência criativa, numa interacção dinâmica. Entre as várias possibilidades de abordagem e de fomento das relações interculturais, a arte e a pedagogia surgiram como as mais designativas. Tentámos criar uma simbiose entre a ética e a estética na abordagem do tema.

AC – Como é que o curso foi pensado do ponto de vista da sua organização e dos conteúdos?

MMT e ENS – O curso inscreveu-se na preocupação de criar condições para uma formação na área da arte e mediação orientada para a promoção do diálogo intercultural, já que temos vindo a constatar a quase ausência de um curso específico nesta área, em Portugal.

Considerámos a carga horária várias vezes, pois aspirávamos que a formação fosse consistente e capaz de abarcar as várias dimensões artísticas, mas também receávamos que os participantes se pudessem dispersar sem encontrar uma linha contínua. Contudo, após o primeiro esboço do curso, julgámos que o importante seria o participante sentir-se seduzido pelo tema da interculturalidade e reconhecer a arte como uma espécie de trampolim. Ou seja, que o participante não encetasse uma inscrição porque se sentia atraído pelo teatro, livro ilustrado ou política cultural, mas sim, pensar as artes como um fomento do diálogo e das relações interculturais. Deste modo, reunimos um conjunto de profissionais que têm vindo, de uma forma mais ou menos implícita, a desenvolver trabalhos artísticos nesta área. Podemos afirmar que todos os formadores foram as nossas primeiras escolhas e que todos, de forma pronta e entusiástica, aceitaram participar, o que nos deixou ainda mais entusiasmadas pelo contributo que isso constituía para a credibilidade e pertinência do curso.

Assim, desenhámos um conjunto de seminários e de módulos que aportaram diferentes áreas artísticas e múltiplas abordagens na estimulação das relações interculturais. Do livro ilustrado na promoção da diversidade à performance enquanto lugar de e para a (re)criação de laços comunitários.

AC – Quais eram os objectivos?

MMT e ENS – Numa junção entre seminários e módulos, o curso pretendia estimular o diálogo e a troca de experiências entre os vários profissionais dedicados à pedagogia, à arte e à cultura, numa reflexão conjunta de como as mesmas podem estimular a interculturalidade. Acima de tudo, o importante era criar um espaço de troca de ideias, a partir das quais, quiçá, se pudessem estabelecer ligações para posteriores projectos nesta área.

AC – Qual era o vosso público-alvo?

MT e ENS – Esta formação integrava um projecto mais amplo (designado de ANEMOI), no qual estavam incluídas uma série de acções que estimulavam a interculturalidade, ora destinadas, exclusivamente, a cidadãos imigrantes, ora a autóctones, desde a participação política à integração no mercado de trabalho. Esta acção, destinava-se a cidadãos imigrantes e autóctones que se interessassem pela área do diálogo intercultural e considerassem a arte como um motor de fomento do mesmo. Destinava-se, assim, essencialmente para profissionais das áreas da pedagogia, da arte e da cultura.

AC – Quais eram as motivações dos participantes?

MMT e ENS – Aquando as inscrições solicitámos um pequeno texto que expressasse as motivações dos participantes para a frequência do curso. Percepcionámos e testemunhámos que a grande maioria pretendia explorar o conceito da interculturalidade, interligando-o com a sua área de trabalho. A maioria dos formandos surgiu da área pedagógica (professores, educadores, etc.), não obstante, participaram formandos oriundos da área da produção e gestão cultural. Globalmente, todos revelaram interesse no cruzamento entre as artes e a interculturalidade.

AC – Qual o balanço que fazem do curso?

MMT e ENS – Um dos aspectos positivos mais referidos foi a qualidade e experiência dos formadores. Os formandos referiram algumas vezes que, de uma forma geral, o balanço do curso foi muito positivo porque os obrigou a sair da zona de conforto, a abrir novas perspectivas, estimulando, assim, o pensamento divergente. Era isso que pretendíamos com o curso.

Um dos aspectos a considerar numa próxima edição do curso, ou de outro similar, terá de ser a responsabilização dos formandos no que concerne à sua frequência no curso, pois cerca de 20%, não frequentou mais de 70% da formação. Um dos aspectos analisados foi o facto de a formação ser gratuita. Concluímos que a gratuidade das acções não implica a sua democraticidade.

Um outro aspecto discutido foi a carga horária e a sua distribuição semanal, mas essa questão é sempre complexa, pois não conseguimos agradar nem incluir as conveniências de todo o grupo. Mas essa questão é já velha para quem organiza este tipo de acções.

Capa do livro "Contos de outros Cantos"

Neto, Elsa, e Mafalda Miguel Teixeira. Coord. (2013). “Contos de Tantos Contos”. [Torres Vedras]: Município de Torres Vedras e Município da Lourinhã

AC – Esta parceria entre dois municípios não se limitou apenas à organização deste curso. Como nasceu esta colaboração e quais têm sido as mais-valias?

MMT e ENS – Os dois municípios são limítrofes e têm vindo a desenvolver, desde 2006, um conjunto de iniciativas na área do partenariado e governança local. Desde a inauguração do Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes de Torres Vedras, em 2008, pois o da Lourinhã encetou o seu trabalho em 2004, estabeleceu-se de imediato uma parceria estratégica, com o intuito de rentabilizar recursos e trocar ideias, o que é sempre uma mais-valia para o trabalho técnico-político e, essencialmente, para as comunidades.

Assim, temos vindo a desenvolver uma panóplia de acções que abarcam as mais diversas áreas de integração do cidadão imigrante, desde a integração no mercado de trabalho à sua participação política. Julgámos proeminente intervir, como já referimos, junto da comunidade autóctone dos dois territórios, pois a pedra basilar deste trabalho conjunto é, mais do que constatar o multiculturalismo presente nos territórios, estabelecer um genuíno diálogo intercultural. A título de exemplo, em 2011 encetámos um projecto de recolha de contos dos vários países de onde os cidadãos imigrantes dos dois territórios eram provenientes, que iniciou com um atelier e findou na edição de um livro, intitulado Contos de Tantos Cantos, que está a ser distribuído em várias escolas e bibliotecas dos dois concelhos.

AC – Que conselhos dariam aos profissionais e/ou instituições que pensem fazer projectos interculturais?

MMT e ENS – Apenas partilhávamos aquilo que são as nossas linhas de intervenção, ou seja, que os projectos culturais e artísticos para além de apresentarem artistas, obras, livros, filmes, projectos de educação estética, ou outros, sejam projectos de valores e de cidadania, capazes de contribuir para a memória colectiva e para o desenvolvimento territorial de uma forma integrada. No fundo, é importante criar a ponte entre a estética e a ética.

****

Elsa Neto da Silva é mediadora no Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes de Torres Vedras. É licenciada em Serviço Social pelo Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa (2001 – 2006) e pós-graduada em Planeamento e Mediação em Contextos Multiculturais pela Universidade Católica Portuguesa (2009 – 2010). Outras formações a destacar: Mediação Familiar e de Mediação de Conflitos, no Instituto Português de Mediação Familiar (2010 – 2011); e Curso Interdisciplinar de Especialização, Imigração, Migrantes e Asilo no espaço de Liberdade, Segurança e Justiça, no Centro de Excelência Jean Monnet – Faculdade de Direito – Universidade de Lisboa (2012 – 2012). Email: elsaneto@cm-tvedras.pt

Mafalda Miguel Teixeira é socióloga e trabalha no Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes da Lourinhã. Iniciou o seu percurso profissional na área pedagógica e desenvolveu projectos na área da produção e da programação cultural, bem como no campo das artes e da educação. Em 2004, descobre o seu interesse pela área do diálogo e das relações interculturais e rapidamente percepciona que o seu caminho profissional tem de ser híbrido, abarcando a tríade: pedagogia – arte – comunidade. Email: mafalda.teixeira@cm-lourinha.pt

Mais recursos:
Sumários e notas biográficas dos formadores
Guia Pedagógico e Artístico (CLAII da Lourinhã)
Guia dos direitos e deveres dos trabalhadores imigrantes (ACIDI)
Projecto da “Família do Lado” (CLAII de Torres Vedras)

Neste blogue, leia-se:
Políticas para a interculturalidade em modo off?

Recursos sobre interculturalidade e museus:
Comunidades imigrantes: representar, envolver e manter (Acesso Cultura)
Em modo “multi” antes do debate (Musing on Culture)
Nós, os híbridos culturais (Musing on Culture)
O começo e o final de uma semana a p&b em Viena (Musing on Culture)
Blogue The Incluseum
Migrar es cultura (Museo de America)
MAP for ID – Museums as Places for Intercultural Dialogue (2007-2009)
LEM – The Learning Museum (Intercultural Dialogue)

Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

Imagem com plano de exposição, onde se vê pessoa de costas lendo


Installation view, “Turn and Widen”, The 5th Seoul International Media Art Biennale, Seoul /Kr. 2008 © Herwig Turk

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de lançar chamada para artigos para o 5.º número. Além das secções habituais da revista, este número inclui o dossier temático: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas, que conta com a coordenação de Pedro Casaleiro, co-editor da MIDAS e mais dois editores convidados: a professora e investigadora Marta Agostinho (Universidade Nova de Lisboa) e o artista e professor Herwig Turk (Universidade de Artes Aplicadas de Viena).

Os artigos não devem ultrapassar as 6 000 palavras (sem bibliografia incluída), ou cerca de 40 000 carateres (incluindo espaços). Deve ser seguida a estrutura clássica de um artigo académico. Os artigos incluem resumo e abstract, palavras-chave e biografia do(s) autor(es).

Os textos devem ser enviados até 31 de outubro de 2014 para revistamidas@gmail.com.

Mais informações no website da revista MIDAS.

****

Dossier temático: Ciência e Arte, SciArt: Museus, Laboratórios, Cientistas e Artistas

A parceria entre cientistas e artistas num projeto para a produção de uma obra de arte que pode comunicar ciência, designa-se por SciArt. “Este encontro entre duas formas de [produção] de conhecimento, das humanidades ligadas à investigação qualitativa, e da ciência ligada à investigação quantitativa, procura conciliar visões opostas, levando a transcender as suas diferenças, das quais resulta um enriquecimento mútuo.” Diríamos mesmo a criação de uma nova dimensão, enquadrada numa lógica de coprodução.

Ultrapassada a fase mais representativa da ciência pela arte, numa relação que apesar de crítica e poética se baseava essencialmente na forma, passámos à fusão da ciência e da arte. Estaremos perante artistas que se tornam cientistas ao usar o conhecimento científico como média de criação, ou perante cientistas que se tornam artistas ao criar arte usando ciência? Esta partilha implica colaboração e envolve, frequentemente, a necessidade de facilitação e mediação.

Com este desafio, pretende-se promover a produção de artigos que lancem um olhar crítico sobre o percurso criativo da interação da ciência com a arte, na criação de um média enquanto processo de coprodução.

Temas a desenvolver

Destacam-se três linhas preferenciais de análise:

- as relações de trabalho entre artistas, cientistas e mediadores de ciência no processo de criação artística;

- o museu, a galeria de ciência e arte, o centro de investigação, o laboratório enquanto espaços onde estas obras encontram o seu lugar e o seu significado específicos;

- o significado destas obras no contexto museal de comunicação de ciência.

Editores convidados

Marta Agostinho é comunicadora de ciência. Tem experiência de coordenação de projetos nacionais e internacionais de divulgação, diálogo público com a ciência, arte e ciência, comunicação estratégica e gestão de ciência. Doutorada em Ciências Biomédicas (Universidade de Lisboa) e com pós-graduação em Comunicação de Ciência (Open University, Reino Unido), Marta Agostinho esteve na génese da Unidade de Comunicação e Formação do Instituto de Medicina Molecular (IMM) em Lisboa, da qual foi diretora, liderando os programas de Comunicação Institucional e  Ciência e Sociedade (2007-2012). Atualmente na equipa de coordenação de um consórcio europeu e regente de módulos de formação avançada na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, é ainda avaliadora de projetos europeus FP7 e H2020. O seu envolvimento em arte&ciência começou na tutoria de uma residência artística no IMM e não parou desde então, tendo colaborado com o artista Herwig Turk em projetos como The conversation that never took place, Tacit Knowledge #1/2 e Hands-on.

Herwig Turk é artista de SciArt e professor na Universidade de Artes Aplicadas de Viena (Áustria). O seus projetos exploram a interligação dos campos da arte, tecnologia e ciência. De 2010 a 2013 realizou uma residência artística no Instituto da Medicina Molecular (IMM), em Lisboa. De 2003 a 2009, trabalhou com Paulo Pereira, diretor do Departamento de Oftalmologia do Instituto Biomédico de Investigação da Luz e Imagem (IBILI), na Universidade de Coimbra. Nos últimos anos, o seu trabalho tem sido mostrado em locais como o Museu de Artes Aplicadas de Viena, o Museu de Arte de Seul, Coreia-do-Sul, o Neues Museum Weserburg, em Bremen, o Media Art Laboratory TESLA de Berlim, a Galeria Georg Kargl em Viena e na Transmediale Berlim, para mencionar alguns. Atualmente, Herwig Turk está a trabalhar numa exposição monográfica para o Museu de Arte Moderna da Caríntia (MMKK), em Klagenfurt, na Áustria.

Pedro Casaleiro é museólogo do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, professor de Museologia na Faculdade de Letras da mesma universidade e coeditor da MIDAS. Tem experiência de coordenação de projetos de criação de museus e desenvolve trabalho na área da gestão de coleções, estudos de público, conteúdos e desenvolvimento de exposições. Doutorado em Estudos de Museus (Universidade de Leicester, Reino Unido), mestre em Museologia na mesma universidade, licenciou-se em Biologia na Universidade de Lisboa. Passou pelo Museu Nacional de História Natural e de Ciência, Pavilhão do Futuro Expo’98 Lisboa e Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva. Desde 2003, no seu envolvimento no projeto do Museu da Ciência iniciado no Laboratorio Chimico, tem-se dedicado às questões de comunicação de ciência e ciência e arte. Participou em vários projetos internacionais, entre eles como membro do conselho científico do Pavilhão de Portugal na Expo Zaragoza 2008 e assessor de conteúdos do Pavilhão de Portugal na Expo Xangai 2010.

Call for papers: Processos de musealização

Imagem onde se vê um retrato de família exposto numa vitrine

Museu Emigração Açoriana 2013 © Ana Carvalho

Entre 5 e 7 de Novembro de 2014 terá lugar um seminário de investigação de carácter internacional dedicado aos processos de musealização organizado pela Universidade do Porto (Doutoramento em Museologia). O call for papers termina a 30 de Junho. Encontra mais informação no site da conferência: 

http://processosdemuseali.wix.com/conferenciaflup2014

****

Apresentação

O Seminário Internacional de Investigação “Processos de Musealização” é organizado no âmbito da Unidade Curricular Estudos de Museus e Curadoria do 3.º Ciclo de Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, desenvolvendo diferentes linhas de investigação deste Doutoramento: Museus, Coleções e Património; Museus, Património e Conservação Preventiva; Museus, Espaço e Comunicação; Museus e Curadoria.

Como em ocasiões anteriores, este Seminário Internacional pretende afirmar-se como um encontro de investigação multidisciplinar, procurando participações de diferentes áreas e tradições disciplinares e metodológicas, contribuindo, desta forma, para a construção de territórios e práticas de investigação contaminadas. Os estudos teóricos que relacionem criticamente o campo da teoria com as práticas são especialmente bem-vindos.

As diferentes dimensões dos processos de musealização vêm sendo cada vez mais compreendidas enquanto aspetos centrais para pensar os museus como artefactos sociais e produtores de conhecimento. O Seminário pretende ser um espaço para discutir os processos de musealização, explorando os desenvolvimentos teóricos do pensamento museológico contemporâneo e destacando como a sua materialização acontece nas suas práticas.

Objetivos

Este Seminário de Investigação tem como principal objetivo o aprofundamento da reflexão e das práticas de investigação no campo da museologia, envolvendo diferentes saberes e diferentes olhares, participando ativamente na construção de uma comunidade de prática que apoie a discussão e o desenvolvimento de projetos de investigação comuns. Durante o Seminário poderá:

  • conhecer estudantes e investigadores de outros programas de doutoramento e países;
  • familiarizar-se com o estudo e investigação desenvolvida na UP (currículo, corpo docente, equipamentos, possibilidades de trabalho de investigação, informação em primeira mão sobre possibilidades de intercâmbio de estudantes, organização estudantil local e nacional, etc.);
  • informar-se sobre programas e eventos relacionados com museologia que decorrem atualmente no Porto e em Portugal;
  • promover inter-relações internas e externas entre as diferentes universidades envolvidas;
  • networking com instituições-chave.

Temáticas

a) Processos de musealização e práticas de mediação:
Objectos performativos
Memória e construção de significados
Afetividade e storytelling
Criticidades
Criatividade
Públicos da cultura
Democracia cultural
Interpretação

b) Processos de musealização, coleções e património
Poéticas de colecionar
Práticas de desmaterialização
Paisagens biográficas
Processos de documentação
Digitalização
Storytelling e documentação
Reutilização da informação (COPE)
Museologias Participativas
Museus e Políticas Identitárias
Museus e Desenvolvimento Sustentável
Interpretação/Mediação de Recurso Culturais
Exposição como Subtexto
Interpretação Póscolonial

c) Processos de musealização e curadoria
Teoria e história das exposições
Documentação de exposições
Modelos e estratégias expositivas
Exposições e comunicação
Exposição como medium e lugar de criação artística

d) Processos de musealização e conservação preventiva
História e teoria da conservação preventiva
Vulnerabilidades
Modelos e práticas de avaliação de risco
Alteração/dano/perda
Caraterização e documentação
Previsão e profilaxia
Comunicação
Responsabilidade partilhada/redes colaborativas/sinergias
Valor
Resiliência

Museus de Portas Abertas!

Imagem de gente vendo um filme sobre faróis

Exposição de filme sobre faróis no Farol-Museu de Santa Marta © Marco Coelho. 2010. Imagem vencedora do concurso Museus de Portas Abertas!

O concurso fotográfico – Museu de Portas Abertas! - foi uma iniciativa desenvolvida nos museus de Cascais, em 2010. Quatro anos passados, pedimos à Inês Fialho Brandão, coordenadora do projecto na época, para partilhar connosco não só como surgiu a ideia, mas também as metodologias adoptadas, os desafios e os resultados alcançados. Porquê? Por um lado, pela dimensão experimental do projecto e a sua novidade no contexto nacional (ainda o é) e, por outro lado, por suscitar a discussão em torno da questão da fotografia nos museus: afinal, é vantajoso para os museus manter a proibição de fotografias?

****

Ana Carvalho (AC) – Como nasceu a ideia do concurso Museus de Portas Abertas?

Inês Fialho Brandão (IFB) – Museus de Portas Abertas! foi um concurso de fotografia que se realizou nos sete Museus Municipais de Cascais (MMC): Museu da Música Portuguesa, Museu do Mar, Museu-Biblioteca Condes de Castro Guimarães, Casa de Santa Maria, Farol-Museu de Santa Marta, Forte de Oitavos e Moinho de Armação. Teve início durante a Semana dos Museus, em Maio de 2010.

A Semana dos Museus em Cascais foi idealizada por Carla Varela Fernandes, que reconheceu a dificuldade de criar iniciativas com números importantes de participação limitadas à efeméride: o Dia Internacional dos Museus. Como raramente ocorre ao fim de semana, o seu alargamento para incluir o fim-de-semana anterior e posterior ao Dia Internacional dos Museus veio resolver essa questão, simultaneamente, evitando a canibalização de eventos dos MMC.

O projecto em si nasceu das seguintes constatações:

Além de palestras e visitas guiadas, que favorecem a aprendizagem passiva por parte do visitante adulto, não existia uma oferta programática/educativa direccionada a adultos que contemplasse uma aprendizagem informal, activa e criativa; que fidelizasse públicos e encorajasse o seu regresso ao museu; e que desenvolvesse uma ligação afectiva com a instituição.

Do mesmo modo, a maior parte das actividades propostas pelos MMC, pressupunha o seu acompanhamento por pessoal do museu. Numa época em que os museus sofriam de carência de pessoal, procurámos elencar actividades que os visitantes realizassem autonomamente e com confiança.

Os visitantes dos MMC desconheciam a existência da rede municipal de museus. Para além da Agenda Cultural de Cascais, disponível em papel em cada museu, não havia qualquer outro suporte do comunicação que os apontasse para outros museus que faziam parte da mesma família de museus municipais.

As actividades da Semana dos Museus (desde 2007) esgotavam-se nos seus dez dias. Sendo que constituía uma melhoria qualitativa relativamente às condições de fruição do Dia Internacional de Museus, faltava dar o próximo passo, ou seja, utilizar a Semana dos Museus como um trampolim para uma programação de continuidade que fosse além daqueles dez dias. Fazia sentido criar actividades, que capitalizando sobre o esforço de divulgação e a predisposição do público para a Semana dos Museus, tivessem continuidade para além desse período e pudessem até ser repetidas com regularidade.

Imagem que diz take photos, share

A fotografia era interdita nos museus municipais. O levantamento temporário desta proibição permitiria avaliar os riscos reais da uma política mais permissiva de fotografia dentro dos MMC. A experiência em outros museus sugeria que esta proibição não se justificava, nem do ponto de vista da conservação e da segurança, já que o uso de flash não era autorizado (se bem que até esta questão pareça hoje estar ultrapassada), nem de um ponto de vista comercial, uma vez que os MMC não dispunham de uma selecção representativa de imagens para venda.

Por outro lado, os MMC não dispunham de um banco de imagens que ilustrasse a interacção entre o público e os objectos e que promovesse os museus como espaços de encontro e diversão, mais do que catedrais do alto saber, monótonas e sem novidade.

Além disso, os MMC, tal como a maior parte dos museus portugueses, recorriam pouco às plataformas digitais e às actividades online. A criação de conteúdos por parte dos públicos e a sua partilha não-mediada pelos museus, assim como a oportunidade de divulgação junto dos não-públicos que isso representava não estava a ser aproveitada.

AC – Inspiraram-se noutras experiências?

IFB – Sempre que possível, é de evitar inventar a roda. Acredito também que os projectos levados a cabo pelos grandes museus passaram por um longo processo interno de troubleshooting e que são, por isso, modelos seguros, se bem que não necessariamente de vanguarda, para implementar um projecto, em particular um projecto ligado às redes sociais.

A inspiração para este projecto foi It’s Time We Met, um concurso fotográfico lançado em 2009 pelo Metropolitan Museum of Art (Met). Na altura, o Met era ainda tendencialmente conservador no que diz respeito à experimentação tecnológica e este foi o primeiro dos seus projectos interactivos online, percursor dos projectos experimentais, alguns polémicos, que tem vindo a desenvolver recentemente (veja alguns dos projectos do Met aqui).

Para o Met, It’s Time We Met iniciou uma nova interacção com os seus visitantes, em termos de tom e de conteúdo, passando para as mãos do público o controlo sobre como o museu seria representado numa campanha publicitária. No nosso caso, previmos uma possível utilização das imagens submetidas a concurso em publicidade dos MMC, embora não fosse esse o objectivo principal.

Com pouco tempo disponível para a preparação desta iniciativa (ca. de dois meses) seguiu-se de perto o regulamento da iniciativa do Met, em particular no que dizia respeito aos direitos de imagem. Por um lado, não tínhamos tempo para obter um parecer técnico do gabinete jurídico da CMC sobre este ponto. Por outro lado, sabendo da baixa prioridade que os assuntos culturais geralmente têm no contexto administrativo, arriscávamo-nos a receber um parecer a recomendar que o projecto não fosse desenvolvido.

Numa fase inicial consultaram-se também as páginas da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação de Serralves. A primeira estava dedicada aos fundos fotográficos da biblioteca e arquivo, mas a segunda reunia imagens dos eventos organizados para o público, e constituiu um mapa relativamente ao tom e ao vocabulário na interacção com os participantes na iniciativa Museus de Portas Abertas!

Da minha parte, recorri à experiência adquirida na programação do concurso Novos Talentos Fotografia na Fnac, que coordenei entre 2005 e 2007, nomeadamente na composição do júri, e na necessidade de identificar um valor de prémios. No regulamento, as alterações introduzidas reflectiam a transparência quanto ao processo de selecção dos premiados com um júri de avaliação das imagens identificado, bem como a introdução de prémios, além da notoriedade que as imagens poderiam ganhar. Neste caso, os prémios eram vales de aquisição na livraria municipal até valores pré-determinados, que podiam ser utilizados na aquisição de publicações ou outros materiais publicados pela Câmara Municipal de Cascais. Evitou-se, assim, a necessidade de obter um orçamento para prémios, o que viabilizou a realização desta actividade.

AC – Quais eram os objectivos do concurso?

IFB – Os objectivos deste projecto estavam ligados às constatações já referidas:

a. promover a identidade dos Museus Municipais de Cascais;

b. criar uma actividade criativa, informal e autónoma direccionada a adultos, sem custos orçamentais adicionais tanto para a Divisão de Museus como para os utilizadores;

c. avaliar as condições para uma suspensão da política de captação de imagem dentro dos MMC;

d. reunir um banco de imagens representativas da interacção de públicos com o espaço e a colecção dos MMC. Para reforçar este elemento, demos ao concurso o nome Museus de Portas Abertas!

e. iniciar a experimentação dos MMC com públicos online e avaliar o potencial destes projectos na divulgação a longo prazo dos museus municipais.

AC – Qual foi o público alvo desta iniciativa?

IFB – Visitantes sem acompanhamento por parte do museu; amadores de fotografia; residentes do município de Cascais; e utilizadores das redes sociais.

AC – Que razões vos levaram a utilizar o Flickr e não outra plataforma?

IFB – Hoje, existem várias redes sociais ancoradas na imagem: Tumblr; Pinterest; Instagram. Para não falar nas alterações introduzidas no Twitter e Facebook, que permitem agregar conjuntos de imagens por evento e em grupos separados.

Em 2009, a maioria destas redes era ainda experimental – apenas um dos MMC detinha uma página de Facebook, que entretanto fechou, dado que o plano e meios de comunicação dos MMC passaram a estar subordinados ao plano de comunicação da Câmara Municipal de Cascais. Na altura, o Flickr era a única plataforma de acesso livre universal que permitia uma realização deste tipo, além de que já era utilizada por outras instituições na promoção de actividades online.

AC – Quanto tempo durou o projecto?

IFB – A preparação decorreu entre Março e Abril  de 2010: proposta inicial e autorização; criação de conta Flickr e experimentação de introdução de imagens e da sua visualização; realização de sessões de informação e esclarecimento em cada museu participante na semana anterior ao início da actividade, sensibilizando todo o pessoal para a alteração da política de captação de imagens dentro dos museus.

A primeira fase da implementação do projecto teve lugar entre os meses de Maio e Junho. O período inicial acabou por ser prolongado – vários participantes pediram uma extensão, visto que a divulgação do concurso decorreu durante a Semana dos Museus e não antecipadamente. O número de fotografias a concurso também foi aumentado – tanto a pedido dos participantes como pela constatação de que o conteúdo das imagens se centrava sobretudo em objectos e menos em pessoas.

A segunda fase desenrolou-se entre Julho e Setembro de 2010. O período de deliberação, que se previa curto, acabou por se alongar, sobretudo por causa da escolha de composição de júri e da sua disponibilidade. Finalmente, em inícios de Setembro, a reunião teve lugar e os vencedores foram seleccionados e notificados.[1] As fotografias vencedoras foram divulgadas na Agenda Cultural de Cascais de Jan/Fev 2011 (p. 78-79).

A avaliação do projecto decorreu entre Outubro e Dezembro de 2010. Elaborou-se um resumo que foi enviado internamente para se dar a conhecer os pontos fortes e as áreas a melhorar, numa perspectiva de continuação desta actividade. Ficou também decidido que a suspensão temporária da proibição de captação de imagens dentro dos MMC passaria a permanente. Assim, desde o concurso Museus de Portas Abertas! é permitido fotografar dentro dos MMC.

AC – Que balanço é possível fazer desta experiência?

IFB – Foi gratificante verificar a adesão rápida a esta actividade, que angariou 22 participantes durante a Semana dos Museus, que, por sua vez, contribuíram com mais de 100 imagens ao longo da iniciativa. O numero total de visualizações das fotografias marcadas com a etiqueta Museus de Portas Abertas! elevou-se a 3 613 (28.04.2014).

As imagens dividiam-se tematicamente entre o registo formal de objectos e a captação da fruição de uma exposição ou de um objecto em particular. A nível institucional a actividade teve um impacto positivo na comunicação interna e motivou o pessoal de acolhimento a interagir com os visitantes. Pessoalmente, valorizei bastante a experimentação com este tipo de actividade e de tecnologia, bem como a possibilidade de vislumbrar como os visitantes percepcionaram os museus. Mas, a grande herança deixada por este projecto foi, sem dúvida, o final da proibição de captação de imagens dentro dos MMC.

No entanto, o respeito pelo cronograma dificultou a selecção e a notificação dos premiados, o que causou algum mal-estar junto dos participantes. Por outro lado, possivelmente não foi claro o objectivo do museu angariar imagens que ilustrassem a interacção de pessoas e os objectos/instituição. Talvez a preferência dos participantes em captar imagens «sem gente dentro» estivesse ligada a um desejo de fotografar aquilo que até recentemente era proibido e que, na altura, seria temporariamente permitido. Um outro aspecto que lamentamos foi a não continuação desta actividade em épocas seguintes (p. ex. actividades específicas em museus; Semana dos Museus 2011…), o que se pode explicar pela diminuição de recursos humanos que a Divisão de Museus sofreu entre 2010 e 2011, e o meu pedido de licença sem vencimento a partir de 2011.

AC – Que conselhos darias a outros profissionais que pensem fazer projectos similares?

IFB – Não inventem a roda. Os nossos recursos humanos e financeiros ainda não nos permitem inovações digitais que exijam um investimento a longo prazo. Mesmo assim, corram riscos, senão como aprender? Não tenham medo de experimentar com plataformas digitais – o Flickr de ontem é o Instagram de hoje; o Facebook transforma-se em Snapchat. Nesta área estamos sempre a aprender e, continuamente com a sensação de que não controlamos o meio, mesmo que controlemos a mensagem. Desde 2010, já me aventurei no Twitter, em blogues, e a aprender código HTML.

Na gestão deste como de qualquer outro projecto, a comunicação é essencial. Internamente, é importante comunicar de forma simples o que se pretende fazer, seja directamente ou por escrito. Neste caso, foram tidas reuniões presenciais com o pessoal de guardaria e de acolhimento para os informar do evento e responder a perguntas. Foi-lhes também dada a informação necessária por escrito. Se possível, supervisionem o processo de divulgação da vossa iniciativa: calendários, suportes e meios.

Externamente, é essencial comunicar regularmente com os participantes, informando sobre qualquer alteração; verificar diariamente os fóruns e os respectivos comentários. Na altura, o Flickr não notificava as conversas que tinham lugar no fórum. Por isso, quando houve algum descontentamento relativamente ao atraso na notificação dos vencedores, isso não foi logo detectado. De um ponto de vista prático, é importante obter os emails de contacto dos participantes. Por exemplo, um dos vencedores não respondeu aos contactos via Flickr e, não havendo modo alternativo de contacto, acabou por perder o direito ao prémio, além de causar atrasos na divulgação dos vencedores.

Não tentem controlar todo o processo em demasia, nem se comprometam com aquilo que vos transcende. No caso deste projecto, comprometemo-nos com prazos que não nos cabiam a nós cumprir.

Para concluir, e para evitar petulâncias desnecessárias, todos os projectos, todos os sistemas podem ser melhorados. Se o óptimo é inimigo do bom, não há diferença entre mau e medíocre.

****

Inês Fialho Brandão é licenciada em História e História de Arte pela Universidade de Edimburgo e mestre em Museum Studies e Near Eastern Studies pela Universidade de Nova Iorque. Colaborou no Metropolitan Museum of Art, no Brooklyn Museum, no Museu Nacional de Arte Antiga e na Casa-Museu Anastácio Gonçalves. Foi responsável pelo Farol-Museu de Santa Marta (2010-2011). Foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. Presentemente, prepara a sua tese de doutoramento, com o apoio de uma bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia.
Twitter: @MuseumsGirl Email: ines.fialho.brandao@gmail.com

****

Mais informações sobre o projecto:
Imagens do Concurso Museu de Portas Abertas
Regulamento

Neste blogue, leia a entrevista de Inês Fialho Brandão aqui.

Recursos sobre a problemática da fotografia nos museus:
Digam “clik”, por Maria Vlachou
Serviço público, museus e fotografia: que limites? (resumo do debate promovido pela associação Acesso Cultura (24-10-2013)


[1] Marco Coelho foi o vencedor do concurso, com a imagem de uma família que vê um documentário sobre faróis. O mesmo fotógrafo teve uma menção honrosa com uma imagem no interior do Museu do Mar – Rei D. Carlos. Uma menção honrosa foi também atribuída a Luís Sande e Castro pela imagem que retrata um pormenor de uma baleia no Museu do Mar – Rei D. Carlos.

MIDAS 03 | 2014 Varia e dossier temático: Museus e Participação Biográfica

capa do terceiro número da revista MIDAS na qual se vê uma árvore de duas crianças

Imagem: Detalhe de intervenção, exposição Museu em Ruínas, Museu de Arte Contemporânea de Elvas, 2011 © Alexandre Farto aka Vhils . Arranjo gráfico da capa por Elisa Noronha Nascimento

O terceiro número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de ser publicado. Este número organiza-se em torno de duas secções principais: a secção Varia, que inclui cinco artigos de temáticas diversas e o dossier temático: «Museos y participación biográfica: Introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico», que contou com a coordenação das espanholas María Acaso e Andrea De Pascual. Além disso, este número incorpora ainda as secções habituais: notações (pequenos textos) e recensões críticas.

A MIDAS apenas publica em formato digital. Todos os números encontram-se disponíveis no website da revista: http://midas.revues.org.

****

Conteúdos MIDAS 03| 2014

Varia

Elisa Noronha Nascimento
A musealização da arte contemporânea como um processo discursivo e reflexivo de reinvenção do museu

Emília Ferreira
A Casa da Cerca, um projeto de autor: 20 anos de programação para o diálogo

Teresa Azevedo
Entre a criação e a exposição: o museu como ateliê do artista. Breve introdução ao tema

Rui Mourão
O Carnaval é um palco, a ilha uma festa: Da performance cultural à exposição da sua metaperformance videográfica

Irene Vaquinhas
Museus do feminino, museologia de género e o contributo da história

Dossier temático: «Museos y participación biográfica: Introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico»

Sob a coordenação de María Acaso e Andrea De Pascual

María Acaso e Andrea De Pascual
Museos y participación biográfica: Introduciendo lo personal como alternativa a lo hegemónico

David Lanau e Eva Morales
Un quehacer cotidiano: Proyecto de mediación de la exposición hacer en lo cotidiano

Luciano Parreira Buchmann
Escolares nos museus: Ensaio do novo público como ato político de educadores intelectuais

Manuelina Duarte Cândido e Nei Clara Lima
Ocupe o museu (com) memórias de Goiânia: O público como construtor de conteúdos

Célia Gonçalves Tavares e Roberto Leite
O projeto Picar o Ponto: Memórias orais de operários da Fábrica Robinson

Notações

Andreia Fernandes, Andrea Monteiro Vicente, Alice Batista e Cláudia Silva
Projeto LUPA: Laboratório urbano pela arte

Margarida Mata
Do Museu das Comunicações ao Bairro da Madragoa: Considerações sobre a relação entre um bairro e um museu

Daniela Rodrigues do Rosário
Entroncamento de histórias: Registo de testemunhos orais

Recensões críticas

Susana Gomes da Silva
María Acaso, coord. – Perspectivas: Situación actual de la educación en los museos de artes visuales

Dália Paulo
Maria Vlachou – Musing on culture: Management, communications and our relationship with people

Alexandre Matos
Juan Carlos Rico, ed. – Museos del templo al laboratorio: La investigación teórica

Fátima Alves
Regina Cohen, Cristiane Duarte e Alice Brasileiro – Acessibilidade a museus

Graça Filipe
Hugues de Varine – As raízes do futuro: O patrimônio a serviço do desenvolvimento Local

Ana Carvalho
Michelle Stefano, Peter Davis e Gerard Corsane, eds. – Safeguarding intangible cultural heritage: Touching the intangible