O tema da ruralidade junta museus no Alentejo em segundo encontro

Cartaz do encontro

Amanhã, 5 de Maio (quinta-feira), realiza-se o II Encontro de Museus Rurais do Sul, no Museu Municipal de Santiago do Cacém. A ruralidade é o tema aglutinador de vários museus na região do Alentejo, que assim se reúnem para discutir problemáticas transversais.

A entrada livre e ainda é possível fazer inscrição, através do email: museu@cm-santiagocacem.pt

****

Programa

9h30 – Abertura

9h45 – O projecto Museus Rurais do Sul, Miguel Rego (Museu da Ruralidade, Castro Verde)

10h00 – Os barcos do Ardila, António Martins (Museu de Santo Amador)

10h30 – Tradição e Técnica do Mundo do Trabalho: Retratos de uma Sociedade Rural na Primeira Metade do Séc. XX, Luísa Costa (Museu da Vidigueira)

10h50 – Debate

11h00 – coffee break

11h20 – Visita ao Museu do Trabalho Rural (Abela)

13h00 – Almoço livre

14h30 – Museu Rural: Espaço de Saberes Tecnológicos, do Passado e do Presente, António Nabais (museólogo, Associação Portuguesa de Museologia – APOM)

15h15 – Memória dos Pescadores de Santo André, Dina Calado (formadora)

15h50 – Debate

16h00 – Coffee break

16h15 – O Artesanato e a Fotografia no Discurso Museológico do Museu do Campo Alentejano, Paula Cristina Breites Moreira Freire (Museu do Campo Alentejano, Avis)

16h35 – O Projecto do Carro Cantador, José Matias (Museu do Trabalho Rural)

17h00 – Debate

17h30 – Visita Guiada pelo Sr. Júlio Sabino à sua Exposição de Barcos e Cabanas de Pescadores de Santo André

18h00 – Encerramento

Educar com o património cultural imaterial

 

na imagem vê-se capa do livro de cor amarela

“El Patrimonio Cultural Inmaterial y su Didáctica” acaba de ser publicado em Espanha pelas edições Trea. O livro tem em conta o enquadramento da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003) para reflectir sobre vários temas: o conceito de património imaterial; o que se inclui e o que se exclui; a aparente perda de diversidade cultural por via da globalização; a artificialidade das listas de património imaterial da UNESCO; a instrumentalização política subjacente às candidaturas da UNESCO; os mecanismos de inclusão e exclusão cultural; entre outros. Muitos são os exemplos (mais internacionais do que espanhóis) que são dados ao longo do livro para sustentar os argumentos apresentados. Mais do que respostas, os autores fazem um levantamento de problemáticas em torno do património imaterial.

Um dos argumentos principais dos autores, tornado explícito no próprio título do livro, é explorado no final da publicação. Reside no potencial educativo que o património imaterial pode ter para um melhor conhecimento da nossa cultura e da dos outros, e no respeito pela diferença e pelos direitos humanos. Segundo os autores, essa consciência deve ser promovida sobretudo entre os mais jovens: «el (re)conhecimento del património cultural imaterial de comunidades diferentes a la própria implica abrir los horizontes cognitivos impuestos por nuestra cultura, pudendo ajudar a resquebrajar las representaciones sociales que tenemos sobre el mundo y la vida y, por tanto, a liberarnos, en parte, de esa “sujeción” cultural que nos define en tanto que seres sociales y culturales» (p. 147). Em última análise, educar com o património imaterial poderá ajudar a contribuir para que se formem cidadãos mais críticos e mais autónomos. 

O livro é coordenado por Joan Santacana Mestre (Universidade de Barcelona) e Nayra Llonch Molina (Universidade de Leida). Grande parte dos capítulos (são 21 no total) são da autoria dos editores, mas estão incluídos contributos de outros investigadores. O livro resulta do trabalho desenvolvida por um grupo de académicos que fazem parte da linha de investigação DHiGeCs (Didàctica de la Història, la Geografia, i altres Ciències Socials) da Universidade de Barcelona.

****

CONTEÚDOS:

Historia y definición del patrimonio cultural inmaterial (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La historia de un concepto
Definición y Lista Representativa del Patrimonio Cultural Inmaterial de la Humanidad

La realidad del patrimonio inmaterial: ¿un gran cementerio de la cultura humana? (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La esencia de la inmaterialidad
¿Qué se debería valorar en el patrimonio inmaterial? El debate sobre los valores de lo inmaterial

¿Qué incluimos y qué no incluimos en el concepto de patrimonio inmaterial? (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
Los temas de la cultura
Los ámbitos en los cuales se manifiesta el patrimonio cultural inmaterial
Los ámbitos del patrimonio cultural inmaterial y la antropología cultural

El descrédito de la diversidad y la búsqueda de la identidad (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La diversidad como castigo divino y su estigmatización
La fuerza de la diversidad cultural de los humanos
La conciencia de identidad o el afán de diferenciarse

Las lecciones de la diversidad cultural (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
Las ventajas de lo «occidental»
Los problemas de la pérdida de diversidad
Las ventajas de la diversidad cultural

De nuevo sobre la imposible lista del patrimonio inmaterial del mundo (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
¿Quién puede seleccionar lo que es importante para un grupo humano?
No basta con «ver» para comprender: el caso de los yorubas
Las lecciones de la mascarada yoruba

¿Quién decide lo que es y lo que no es patrimonio inmaterial de un pueblo? (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
Patrimonio cultural inmaterial y «hecho social»
La presión colectiva: el caso de Diana de Gales como ejemplo
La Unesco y las decisiones políticas

La exclusion cultural y sus variedades (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina
Genocidas en nombre de la igualdad
Los mecanismos de la exclusión cultural: del prejuicio al exterminio
El racismo cultural que todos llevamos encima

El patrimonio inmaterial encapsulado en el relato (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La inmensa variedad de los relatos
Los relatos, guiones del teatro de la vida
La lección del cuento de «Los tres cerditos»

Cuando el patrimonio inmaterial se traduce en arte (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
El arte se puede manifestar en cualquier modalidad de lo inmaterial
El arte en las creencias y en las costumbres
El arte une símbolos, explicaciones y juegos

La sabiduría y la tecnología para transformar el entorno como patrimonio cultural inmaterial (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
¿Tecnologías obsoletas? ¿Conocimientos superados?
Casas, agujas y yertas: tres ejemplos de conocimientos tecnológicos como patrimonio inmaterial

El patrimonio cultural inmaterial que se puede comer y beber (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
Del comer y del beber
La gastronomía, ¿arbitrariedad o respuesta cultural?
Algunos ejemplos para tener apetito

¿Constituyen las religiones expresión del patrimonio inmaterial? (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La división del mundo en natural y sobrenatural
Las manifestaciones religiosas a menudo han sido consideradas patrimonio inmaterial
El papel de los rituales religiosos y la cultura

El valor inmaterial del patrimonio religioso en Occidente y su función educativa (Tania Martínez Gil)
El patrimonio religioso: entre lo material y lo inmaterial
El valor inmaterial del patrimonio religioso
Vetar con el patrimonio religioso hoy

Las emociones y el patrimonio inmaterial (Joan Santacana Mestre, Nayra Llonch Molina y Tánia Martínez Gil)
Las emociones que nos mueven
La función motivadora de las emociones

La memoria del pasado como patrimonio inmaterial (Núria Gil Duran)
La memoria como patrimonio inmaterial
Los monumentos, iconos para la memoria
Erased in action: la acción de borrar la memoria

Educar a partir del patrimonio inmaterial (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La educación, la sociedad y la escuela
Educar mediante las tradiciones
Educar mediante los cuentos
Educar con los juegos tradicionales

Las lenguas, un patrimonio inmaterial (Rosanna Rion)
El patrimonio inmaterial lingüístico
El patrimonio inmaterial : traducción e inmigración
Patrimonio inmaterial lingüístico y mediación

Los límites al derecho a la diferencia (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
El patrimonio inmaterial basado en la crueldad
Los dioses que comían carne humana y el valor de la libertad

Patrimonio inmaterial y los derechos humanos: ejes para cimentar la educación intercultural desde la enseñanza de las ciencias sociales (Josué Molina Neira y Rodrigo Arturo Salazar Jiménez)
Unas cuestiones previas
Breve análisis crítico sobre la fundamentación de la Convención para la Salvaguardia del Patrimonio Cultural Inmaterial
Conclusiones: relaciones entre patrimonio inmaterial, derechos humanos y didáctica de las ciencias sociales

La inclusión cultural o educar en la diferencia (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)

Anexo. Convención para la Salvaguardia del Patrimonio Cultural Inmaterial

Pode o património ajudar a pensar o futuro?

Templo evora

Na próxima sexta-feira (29 de Abril), Rodney Harrison (UCL Institute of Archeology) estará em Lisboa para uma conferência intitulada “Heritage Futures“. O evento é organizado no âmbito do programa de Doutoramento FCT em Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Muselogia  do ISCTE (http://cria.org.pt). Realiza-se às 18h, no ISCTE, Auditório B203, Ed. II.

Abstract: How does heritage make the future? From nuclear waste in Sweden to global endangered languages, from a frozen genetic ‘Ark’ in Nottingham to the global seed vault in Arctic Norway, and from ‘rewilded’ landscapes in Portugal to paper-based archives in Paris, ‘Heritage Futures’ aims to develop a broad, international and cross-sectoral comparative framework for understanding ‘heritage’ not as a domain which is concerned with the past, but rather as a series of heterogeneous yet distinctive practices which involve the management of material and discursive legacies of various forms and which are oriented towards assembling (alternative) futures. This paper introduces this collaborative research project, which involves a team of 12 researchers and 21 international partner organisations, and aims to show how its broad themes relate to some of the most pressing ecological, social and political issues of our time. Central to our focus on what I term heritage ontologies-the world making, future assembling capacities of different heritage practices-is the recognition of ontological plurality; that different forms of heritage practices enact different realities and hence work to assemble different futures. I conclude with some notes which consider the potential for a comparative ethnology of global heritage practices through this ontological lens.

Rodney Harrison is a Reader in Archaeology, Heritage and Museum Studies at the Institute of Archaeology, University College London. He is the author or editor of over a dozen books and special journal issues and over sixty peer reviewed articles and book chapters on topics relating to the material histories and contemporary sociopolitics of anthropology, archaeology, heritage, material culture and museums. He is Vice Chair of the Association of Critical Heritage Studies, founding editor of the Journal of Contemporary Archaeology and Principal Investigator on the major AHRC-funded ‘Heritage Futures’ project.

Harrison é autor de Understanding the Politics of Heritage (2010) e de Heritage: Critical Approaches (2013), entre outros.

Também será possível assistir à conferência via livestreaminghttps://recad.iscte-iul.pt/ess/echo/presentation/4d8f7d19-00fe-4aee-aa7e-9ce7709b9f11

Trabalhar com orçamentos reduzidos é tema de discussão em encontro na Casa da Cerca

Vista aérea da Casa da Cerca

Cortesia Mário Rainha Campos © 2014

No próximo dia 6 de Maio (sexta-feira) há encontro marcado na Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea (Almada) para discutir sobre como trabalhar em museus com orçamentos reduzidos, a partir da experiência deste equipamento cultural (tutela da Câmara Municipal de Almada). Este encontro de carácter informal combina a discussão sobre o tema com visitas guiadas às exposições. No evento participarão Emília Ferreira, Sónia Francisco, Ana Isabel Ribeiro e Vanda Piteira.

O encontro insere-se no âmbito do mestrado Museologia da Universidade Nova de Lisboa, sendo organizado por Raquel Henriques da Silva, Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro, investigadoras do Instituto de História da Arte da mesma Universidade.

A entrada é livre.

****

Programa:

14H Recepção
Visita orientada às exposições (Emília Ferreira)
Visita orientada ao Chão das Artes-Jardim Botânico (Sónia Francisco)
Passagem pelo Centro de Documentação

15H30 Auditório da Casa da Cerca)
Ana Isabel Ribeiro (directora da Casa da Cerca) – enquadramento da gestão (incluindo recursos humanos) no contexto municipal
Emília Ferreira (investigação, curadoria, serviço educativo) – pensar e criar uma exposição dentro de um orçamento reduzido
Vanda Piteira (comunicação e produção) — comunicar a Casa da Cerca; comunicação e produção com orçamento reduzido

17H Debate
Encerramento

 

Encontro sobre casas-museu dedicado à programação

Na imagem consta o programa do encontro

“Programação Cutural em Casas-Museu” é o tema da segunda conferência organizada pela  Associação Portuguesa de Casa-Museu (criada em 2012). É no próximo dia 22 de Abril de 2016, na Casa-Museu Abel Salazar, no Porto.

Entrada livre, mas é necessário fazer inscrição prévia através do email: cmuseu@reit.up.pt

A Associação Portuguesa de Casas Museu, com sede em Coimbra,”pretende favorecer a cooperação entre as diversas Casas Museu através da promoção do conhecimento mútuo, da troca de informações e da partilha de experiência adquirida; reunir esforços para assegurar mais visibilidade e representação a nível nacional e internacional das Casas Museu nomeadamente perante a Administração Pública, instâncias da Comunidade Europeia e associações congéneres em todo o mundo, promover por sua iniciativa ou em parceria com o sistema educativo acções de formação de acordo com as necessidades detalhadas, nomeadamente através da dinamização de um Centro de Formação Contínua e de um Centro Politécnico de Formação Profissional”. (http://www.apcm.pt/)

Museus e Sociologia em destaque no número especial da Museum & Society

A revista inglesa, Museum & Society, acaba de publicar Sociology in Museums, um dossier especial que explora as intersecções entre a sociologia e os museus. Os editores deste dossier são Gordon Fyfe (Keele University), que é também co-editor da revista, e Paul Jones (Liverpool University). Sem surpresas, a obra The Love of Art ([1969] 1991) de Pierre Bourdieu e Alain Darbel continua a suscitar olhares e a desencadear interrogações à luz do séc. XXI.

Museum & Society é uma publicação electrónica da Universidade de Leicester. Afirma-se como revista interdisciplinar sobre museologia. Lançada em 2003, a responsabilidade da gestão da revista é partilha por 11 co-editores de várias universidades.

Disponível online: http://www2.le.ac.uk/departments/museumstudies/museumsociety

*****

Março 2016. Volume 14, n.º 1 | Conteúdos:

Introduction: Sociology and Museums: Visitors, Policy, Knowledge
Gordon Fyfe and Paul Jones

Sociology of Museums

Seeing and Being Seen: The Multimodality of Museum Spectatorship
Dimitra Christidou, Sophia Diamantopoulou

Making Sense of Things: Constructing Aesthetic Experience in Museum Gardens and Galleries
Gemma Mangione

The Habitus of Heritage: a Discussion of Bourdieu’s Ideas for Visitor Studies in Heritage and Museums
Bella Dicks

Place and Cultural Capital: Art Museum Visitors across Space
Laurie Hanquinet

Exhibiting the Nation: Indigenousness in Chile’s National Museums
Magdalena Gil

Cultural Policy

Exploring the gap between museum policy and practice: a comparative analysis of Scottish, English and Welsh local authority museum services
Vikki McCall

Structure, Agency and Museum Policies
Clive Gray

Productive Nation? Museums, Cultural Policy and Australia’s Productivity Narrative
Ian McShane

Museums of Sociology

Using the Local to Tell a Global Story: How the Peabody Essex Museum Became a World Class Museum
Peggy Levitt, Katherine Cali

‘The rats are still with us’: Constructing Everyday Life at the Anacostia Museum in Washington, DC
Robyn Autry

Staging Migration (in) Museums: A Reflection on Exhibition Design Practices for the Representation of Migration in European Contemporary Museums
Francesca Lanz

Sociology, Buildings, Objects

Curating actor-network theory: testing object-oriented sociology in the science museum
Laurie Waller

Museum Architecture Matters
Paul Jones, Suzanne Macleod

Review Article

Museum Studies, Area Studies, and Museums in China
Elizabeth Lawrence

Book Reviews

Paul Basu and Wayne Modest (eds.), Museums, Heritage and International Development, New York: Routledge, 2015, hardcover £90.00, pp. ix+345.
Amy Clarke

Jenny Kidd, Museums in the New Mediascape: Transmedia, Participation, Ethics, Farnham: Ashgate, 2014, hardcover £ 65.00, pp. ix+166.
Amy Hetherington

Freda Matassa, Organizing Exhibitions. A handbook for museums, libraries and archives, London: Facet Publishing, 2014, paperback pp. xxviii+302.
Sara Wear

Revista MIDAS publica dossier sobre “Museus, discurso e poder”

© João Paulo Serafim e MIIAC. Arranjo da capa de Elisa Noronha Nascimento

© João Paulo Serafim e MIIAC. Arranjo da capa de Elisa Noronha Nascimento

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de publicar o sexto número. Apresenta um dossier especial dedicado aos “Museus, Discurso de Poder” e quatro notações relativas a projectos diversos na área dos museus.

O dossier contou com dois coordenadores convidados, Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), que é também co-editor da revista, e Laurajane Smith (Australian National University). Pretendeu-se “promover uma reflexão crítica acerca do papel dos museus na definição da função política do passado no presente, designadamente através do poder que as sociedades lhes conferem de fixar discursos normalizadores sobre a memória e a história”, sublinham os coordenadores do dossier.

A capa destaca uma obra de João Paulo Serafim, criada no âmbito do projecto “A Invenção da Memória” que pretendeu fazer o levantamento de espaços ligados à cultura e que representam, na perspectiva do artista, “depósitos de memória”, tais como: acervos, arquivos, armazéns, teatros, cinemas, sótãos, bibliotecas, casas, espaços abandonados (http://miiac.com/projectos/arquivos/). Mais uma vez, a escolha desta obra para a capa pressupõe o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre os modos como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

A MIDAS apresenta-se como uma revista universitária, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão científica. Pretende dar a conhecer e promover o Museu enquanto objeto de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi criada em 2011 por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora).

****

MIDAS 06 | 2016

Dossier temático: «Museus, discurso e poder», coordenação de Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith

Paulo Simões Rodrigues e Laurajane Smith
Museus, discurso e poder

Ivo André Braz
O que exatamente torna os museus de hoje tão diferentes, tão atraentes?

Carla Alferes Pinto
A arte ao serviço do império e das colónias: o contributo de alguns programas expositivos e museológicos para o discurso de legitimação territorial

Ricardo Jerónimo Silva
Portugal dos Pequenitos: a cristalização de um império ou uma brincadeira de crianças?

Rita Duro
O Museu Nacional de Arte Contemporânea sob a direção de Eduardo Malta

David González e Jordi Font
La museización del patrimonio memorial transfronterizo: el caso del exilio republicano y sus espacios

Atila Bezerra Tolentino
Património cultural e discursos museológicos: narrativas de memórias e identidades locais

Mariana Roquette Teixeira
Do “museu aberto” ao “museu disperso”: desafios ao poder

Notações

Manuela Restivo
Malhas em Imagem: um projeto sobre a ourivesaria de Gondomar

Roser Calaf, Sué Gutiérrez, José Luís San Fabián e Miguel Suárez
Avaliação qualitativa de programas educativos em museus espanhóis (ECPEME)

Ana Catarina Nunes
Filho de peixe sabe nadar: história e estórias com objectos

Joana Baião
Memórias de exposições: o projeto RaisExpo

Segundo volume sobre Estudos de Museus dedicado às redes e à credenciação

Capa do livro

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, da autoria de Clara Frayão Camacho é o segundo livro publicado no âmbito da coleção Estudos de Museus, que tem a chancela da Direção-Geral do Património Cultural e da editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento da autora (veja-se post anterior).

“Ao longo das últimas décadas verifica-se por toda a Europa um crescimento assinalável do número de museus. Neste contexto, como se organizam os museus e como se caracterizam as políticas museológicas desenvolvidas pelos vários governos nacionais? Que traços comuns e que diferenças se encontram de país para país? O conceito de museu é idêntico ou variável? Como surgem e como se desenvolvem os sistemas e as redes de museus? Este livro explora as relações entre as redes nacionais de museus e a credenciação numa viagem a nove países: Espanha, França, Irlanda, Itália, Letónia, Países Baixos, Polónia, Portugal e Reino Unido. Através de uma abordagem histórica, a autora evidencia o balanço entre influências internas e externas  na origem dos sistemas de credenciarão e das redes, mostrando a sua difusão no espaço europeu em processos múltiplos de contaminação. Por outro lado, a abordagem comparativa demonstra a existência de relevantes semelhanças institucionais, funcionais e patrimoniais, apesar da variabilidade dos conceitos de museus e dos contextos administrativos nacionais. Numa obra rigorosa e inédita no campo dos estudos da museologia internacional, a autora interpela ainda as políticas museológicas actuais e aponta algumas tendências futuras no campo dos museus.”

Clara Frayão Camacho (Horta, 1960) é doutorada em História pela Universidade de Évora e mestre em Muselogia e Património pela Universidade Nova de Lisboa. Dirigiu o Museu Municipal de Vila Franca de Xira (1985-2000), foi coordenadora da Rede Portuguesa de Museus (2000-2005) e subdirectora do Instituto Português de Museus e do Instituto dos Museus e da Conservação (2005-2009). Docente de disciplinas de Muselogia em cursos de pós-graduação e mestrado de várias universidades, autora de artigos sobre os museus portugueses e temas de museologia contemporânea. Foi directora da revista Museologia.pt (2007-2011) e é membro do comité científico da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. No plano internacional tem participado em grupos de trabalho da Comissão Europeia e da UNESCO e tem exercido funções de representação institucional em organismos europeus e latino-americanos da área dos museus. Actualmente, é técnica superior da Direção-Geral do Património Cultural, membro do Instituto de História de Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e presidente da Assembleia-Geral do ICOM Portugal.

A colecção “Estudos de Museus” pretende publicar trabalhos académicos (dissertações e teses) cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela desta organização. O primeiro volume, lançado a 9 Março de 2016, foi dedicado a José de Figueiredo pelo seu papel na história da arte e nos museus, em particular no Museu Nacional de Arte Antiga, do qual foi director (veja-se post anterior). O comité editorial desta colecção é constituído por representantes da Caleidoscópio, da Direção-geral do Património Cultural e de várias universidades portuguesas.

O lançamento do livro será no dia 5 de Abril (terça-feira), pelas 18h00, no Palácio Nacional da Ajuda, Sala D. João VI. Será apresentado por Guilherme d’Oliveira Martins.

****

Índice

7 INTRODUÇÃO
19 ESTADO DA ARTE
23 Noção de Credenciação
28 Noções de Sistema e de Rede
37 Visões europeias
52 Olhares nacionais
57 PERSPETIVA DIACRÓNICA (1985-2010)
61 Antecedentes: raízes norte-americanas e uma tentativa gorada no Reino Unido
79 Continuidade e inovação: o modelo britânico
103 Um sistema nacional e assimetrias regionais: a Espanha das Autonomias
129 A iniciativa profissional: o registo holandês
139 Organização dos museus em tempo de transição: os casos da Letónia e da Polónia
154 Padrões nacionais e polarização regional: o paradoxo italiano
172 Reconhecimento e unificação: Musées de France
192 Credenciação e organização em rede: A Rede Portuguesa de Museus
Padrões e formação: o programa irlandês
233 PERSPETIVA COMPARADA
237 Contextos e objetivos
249 Meios e recursos
279 Resultados e efeitos
322 Transformações, evoluções e retrocessos (2010-2013)
345 CONCLUSÕES
359 NOTAS
402 Siglas, acrónimos e abreviaturas
404 Fontes e bibliografia
429 Agradecimentos

ICOM discute nova Recomendação da UNESCO e o papel dos museus na interpretação das paisagens culturais

Jornadasprimavera2016

O ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus) organiza as habituais Jornadas de Primavera, que se realizam no próximo dia 28 de Março, no Palácio da Ajuda. O objectivo das jornadas é reflectir sobre a nova Recomendação da UNESCO Relativa a Museus e Colecções e sobre a Carta de Siena – Museus e Paisagens Culturais, tema do Dia Internacional de Museus. Entrada livre, mas é necessário inscrição através do email: info@icom-portugal.org

A “Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel da Sociedade” foi aprovada a 17 de Novembro de 2015, em Paris, no âmbito da 38.ª sessão da assembleia-geral da UNESCO. O último documento da UNESCO referente a museus datava da década de 1960. Mais de 50 anos passados, esta nova Recomendação marca uma posição sobre quais as orientações que devem ser seguidas pelos Estados-parte em matéria de políticas museológicas.

Porquê uma Recomendação da UNESCO? Qual a sua importância? Quais as novidades? Que impacto para as políticas nacionais? Estas são algumas das questões de partida para uma conversa com Clara Frayão Camacho, que foi a perita nacional envolvida na discussão na fase preparatória do documento, e com Pedro Pereira Leite, museólogo que tem centrado a sua investigação no papel social dos museus. Eu estarei com moderadora da conversa. A Recomendação, em inglês, está disponível no seguinte endereço: http://bit.ly/1plPPqI

A Carta de Siena refere-se aos “Museus e Paisagens Culturais” que é o tema do Dia Internacional de Museus deste ano e o mote da 24.ª conferência-geral do ICOM em Milão (3-9 Julho 2016). É uma proposta italiana apresentada ao ICOM e que resultou de uma conferência internacional que teve lugar em Siena a 7 de Julho de 2014 para repensar o papel dos museus na protecção das paisagens culturais.

Entende-se que a paisagem cultural é parte integrada do património cultural e natural e que cabe também aos museus a responsabilidade de a preservar e interpretar na sua dimensão material e imaterial. Podem os museus tornar-se centros de interpretação dos lugares e das comunidades que servem? A resposta afirma-se positiva, mas como disseminar o conhecimento produzido sobre este património? Que competências e recursos são necessários? Que abordagens? Que oportunidades estão implícitas um papel mais activo dos museus no território? Estas são algumas das interrogações que o tema evoca. Joana Sousa Monteiro, secretária do ICOM Portugal e actual directora do Museu de Lisboa, e Dália Paulo, membro da direcção do ICOM Portugal e directora do Museu de Loulé apresentarão a Carta de Siena e as respectivas interpelações aos museus.

Mais informações sobre a Carta de Siena em: http://bit.ly/2286a3I.

Mais Informações sobre o Dia Internacional de Museus 2016 em: http://bit.ly/1Rd2cSg

No mesmo dia, pelas 15h, decorre a assembleia-geral do ICOM Portugal. Trata-se de um momento importante de debate e reflexão interna e uma oportunidade para todos os membros participarem na discussão de assuntos relevantes para a vida da associação e para a comunidade museológica em Portugal. A participação dos membros é essencial, uma vez que com o contributo de todos o ICOM Portugal será, cada vez mais, uma organização forte e capaz de promover as mudanças necessárias para os museus portugueses e para os seus profissionais.

Direção-Geral do Património Cultural lança colecção sobre estudos de museus

Museus arte e patrimonio

A Direção-Geral do Património Cultural irá inaugurar uma nova colecção dedicada a museus, em parceria com a editora Caleidoscópio. Com a colecção “Estudos de Museus” pretende-se a publicação de trabalhos académicos (dissertações e teses) cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela desta organização.

O primeiro volume da colecção “Estudos de Museus”, Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), será apresentado no próximo dia 9 de Março e centra-se na figura de José de Figueiredo pelo seu papel na história da arte e nos museus, em particular no Museu Nacional de Arte Antiga, do qual foi director. O segundo volume é da autoria de Clara Frayão Camacho e intitula-se Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia. Será lançado no mês de Abril.

Museus, Arte e Património em Portugal. José de Figueiredo (1871-1937), da autoria da investigadora Joana Baião, centra-se na vida e obra daquela que pode ser considerada “uma das mais importantes figuras da história da arte e da museologia portuguesas do início do século XX”. A realização deste estudo permitiu uma “análise aprofundada das várias áreas de actuação de José de Figueiredo no panorama cultural português” sublinha a autora.

Tanto o percurso pessoal como profissional de Figueiredo são abordados neste livro, nomeadamente a sua integração na Academia Real de Belas-Artes de Lisboa; o seu papel na campanha de estudo, restauro e divulgação dos painéis de S. Vicente; as suas ideias e contribuições na definição da legislação artística e patrimonial portuguesa, nos diversos contextos político-sociais que integrou (Monarquia Constitucional, Primeira República, Ditadura Nacional e primeiros anos do Estado Novo); a sua actividade como crítico e historiador de arte; o seu papel na divulgação da arte portuguesa, dentro e fora do país, através da participação em conferências e da organização de exposições no estrangeiro; e a sua acção no âmbito da museologia da arte em Portugal, nomeadamente enquanto director do Museu Nacional de Arte Antiga (1911-1937). Merece também destaque a relação de Figueiredo com personalidades nacionais e estrangeiras (p. ex. Luciano Freire, Reinaldo dos Santos, Afonso Lopes Vieira, Luís Keil, Émile Bertaux, André Dézarrois, entre outras) que, de modos diversos, marcaram a sua vida e obra.

O livro resulta da tese de doutoramento de Joana Baião com o título: José de Figueiredo (1871-1937): Ação e Contributos no Panorama Historiográfico, Museológico e Patrimonialista em Portugal, desenvolvida no âmbito do doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico da Universidade Nova de Lisboa. A tese foi orientada por Raquel Henriques da Silva.

Joana Baião é investigadora em pós-doutoramento no Instituto de História da Arte da mesma Universidade. No seu percurso académico destaca-se a tese de mestrado “Museus de Museus: Uma reflexão. Proposta para uma definição” (Universidade Nova de Lisboa, em 2009) e a sua participação no projecto “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal” (2010-2013). Actualmente, é assistente de coordenação e investigadora no projecto RaisExpo: Catálogo Raisonné Online das Exposições de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian.

O lançamento do primeiro volume da colecção “Estudos de Museus” é já amanhã, 9 de Março, pelas 18h30, no Museu Nacional de Arte Antiga. O livro será apresentado por António Filipe Pimentel, director deste museu.

****

Índice:

7 INTRODUÇÃO
11 PERCURSO BIOGRÁFICO E SEUS CONTEXTOS
13 Os Primeiros Anos (1871-1895)
28 Os Anos em Paris (1895-1900)
61 Um Homem num País em Mudança: José de Figueiredo, depois de 1901
83 UMA VIDA DEDICADA À ARTE PORTUGUESA (1901-1937)
85 José de Figueiredo, Académico de Mérito da ARBAL
105 José de Figueiredo e a Campanha dos Painéis de São Vicente
133 José de Figueiredo e a Legislação das Bellas Artes em Portugal (1901-1936)
170 José de Figueiredo, Historiador e Crítico de Arte
202 José de Figueiredo e a Divulgação da Arte Portuguesa
237 José de Figueiredo e a Museologia da Arte
263 José de Figueiredo, Diretor do Museu Nacional de Arte Antiga
347 In Memoriam José de Figueiredo
363 CONCLUSÕES
365 A Construção do “Mito” José de Figueiredo
371 NOTAS
427 Abreviaturas
428 Bibliografia
439 Proveniência e Crédito das Figuras

****

O livro está à venda nas principais livrarias e nas lojas dos museus nacionais.

Presidente do Conselho Internacional de Museus de visita a Lisboa

EMEE

Realiza-se no próximo dia 22 de Fevereiro (segunda-feira) a conferência Museums: One Object, Many Visions, organizada pelo Museu Nacional de Arqueologia (Lisboa) no âmbito do projecto internacional EuroVision – Museum Exbiting Europe (EMEE). O projecto teve início em 2012 e encerra em Outubro deste ano. O Museu Nacional de Arqueologia, parceiro português do projecto, assinala a sua contribuição com uma conferência e uma exposição: Um Objecto, Muitas Visões.

O projecto Eurovision, suportado por fundos europeus no âmbito do programa Cultura 2007-2013, explora as questões da multiculturalidade e a reflexão em torno das identidades nacionais a partir dos museus de história de âmbito nacional e regional (cf. http://www.museums-exhibiting-europe.de). A par da conferência realizar-se-á a 5.º reunião dos parceiros do projecto (23-26 de Fevereiro), que marca o início da última fase do projecto. O projecto conta com parceiros da Alemanha (líder do projecto), da Áustria, de Itália, de França, da Eslovénia, da Bulgária e de Portugal.

A conferência Museums: One Object, Many Visions, que conta com o apoio do ICOM Portugal, trás a Lisboa vários conferencistas estrangeiros. Entre eles destaca-se o presidente do ICOM central, o alemão Hans-Martin Hinz, que vem a Portugal, pela primeira vez, em visita oficial (sobre Hinz veja-se a entrevista). Hinz é também um dos consultores do projecto Eurovision.

A conferência termina com a Inauguração da exposição do projecto Eurovision: Europe Through our Objects: One Object, Many Visions (consulte-se o catálogo). A exposição resulta de um concurso para jovens cenógrafos e é parte da contribuição portuguesa para o “Laboratório Eurovision”. Estes laboratórios permitem testar os resultados do projecto. No comunicado de imprensa do projecto lê-se «pretende-se desenvolver abordagens múltiplas para a Europeização de museus nacionais e regionais» e «novas formas de representação, de cenografia e possibilidades para participar, ajudar os visitantes a descobrir perspectivas europeias e transnacionais».

Inscrições gratuitas, mas limitadas aos lugares disponíveis. Para fazer inscrição é necessário contactar Mário Nuno Antas, organizador da conferência e coordenador do projecto no Museu Nacional de Arqueologia, através do email emeeportugal@gmail.com.

****

Programa

09.30 Recepção dos participantes
10.00 Sessão de abertura
João Soares, Ministro da Cultura
Paula Silva, directora da Drecção-Geral do Património Cultural
José Alberto Ribeiro, presidente do ICOM Portugal
António Carvalho, director do Museu National de Arqueologia

Sessão 1
Moderador: José Alberto Ribeiro, ICOM Portugal
10.15 The value role of museums, Hans Martin Hinz, presidente do ICOM central
11.00 European museums in the 21st century, Luís Raposo, membro da direcção do ICOM Europa
11.30 Coffee Break

Sessão 2
Moderatora: Joana Sousa Monteiro, secretária do ICOM Portugal
11.40 EMEE project: one object, many visions, Susanne Popp, coordenadora do projecto Eurovision, Universidade de Augsburg, Alemanha
12.30 Education for global citizenship and museum collections, Joaquim Jorge, técnico da Câmara Municipal de Loures
13.00 Almoço

Sessão 3
Moderadora Clara Frayão Camacho, presidente da assembleia-geral do ICOM Portugal
14.15 The role of education in museums, Emma Nardi, presidente do ICOM CECA (CECA (Comité Internacional para a Educação e Acção Cultural)
15.00 The educational value of museums, David Vuillaume, presidente da Nemo (Network of European Museum Organisations)
15.45 One object, many approaches… new trends in museum education, Mário Nuno Antas, técnico do Museu Nacional de Arqueologia
16.15   Coffee Break

Sessão 4
Moderador: José Gameiro, membro da direcção do ICOM Portugal
16.30 Synesthetic translation of perspectives, or how to make the object talk, Uwe Bruckner, fundador do Atelier Brückner GmbH (Alemanha)
17.15 Young Scenographers contest. Around the Bell-Beaker: Archaeology revisited within Design Studies approach at FBAUL, Isabel Dâmaso, Mariano Piçarra, Tiago Jordão e Leonardo Rossetti (Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa)
17.40 Comentário final, Dália Paulo, membro da direcção do ICOM Portugal

17.45 Sessão de encerramento
José Alberto Ribeiro, president do ICOM Portugal
António Carvalho, director do Museu Nacional de Arqueologia
Delegado do Ministério da Cultura (a confirmar)
18.00 Inauguração da exposição do projecto EMEE: Europe through our objects: one object, many visions

Acesso Cultura debate a crise dos refugiados no sector cultural

20160216_lisboa

A crise dos refugiados está muito presente hoje na Europa, mas também nos restantes continentes. Tornou-se óbvio que a União Europeia tem dificuldades em criar consenso em relação à forma de gerir esta situação e em estruturar um plano de acção. Ao mesmo tempo, as medidas recentemente tomadas por alguns governos indicam um endurecimento das posições, que em alguns casos vem reforçar os estereótipos em relação ao “Outro” e à ameaça que ele representa para a sociedade e a cultura europeia.

Qual é o papel das instituições culturais neste contexto? A crise dos refugiados, os seus contornos, as questões que levanta para a sociedade são assuntos que dizem respeito ao sector cultural ou estão fora do seu âmbito de acção e das suas prioridades? Ao decidir envolver-se, de que forma uma instituição cultural poderá ou deverá proceder? Que cuidados deverá ter? Que objectivos?

Debate oportuno e relevante.

A entrada é livre. Decorrerá em vários locais do país, à mesma hora: das 18h30 às 20h na próxima terça-feira, 16 de fevereiro.

Em ÉVORA: LIVRARIA FONTE DE LETRAS
Hortênsia Menino, CIMAC – Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central; Hugo Sovelas, Propositário Azul; Zélia Parreira, Biblioteca Pública de Évora; Teresa Crespo, Museóloga (moderadora); outros convidados a confirmar

Em LISBOA: CASA FERNANDO PESSOA
Com Cristina Santinho, Investigadora CRIA/ISCTE-IUL; Isabel Galvão, Conselho Português para os Refugiados; Joana Sousa Monteiro, Museu de Lisboa; Sofia Cabrita, RefugiActo; Ana Carvalho, Museóloga (moderadora)

No PORTO, MUSEU NACIONAL SOARES DOS REIS
Com Ângelo Merayo, Conselho Português para os Refugiados; Jorge Oliveira, Espaço T- Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária; Luís Monteiro, Mestrando em Museologia, Deputado na Assembleia da República; Maria João Vasconcelos, Museu Nacional de Soares dos Reis; Joana Macedo, Professora e coordenadora de projectos de mediação e programação cultural (moderadora)

Em TAVIRA, CASA DAS ARTES
Com Ana Borges, Coreógrafa, Corpodehoje; João Ventura, Teatro Municipal de Portimão; Paula Ferreira, Biblioteca Municipal de Tavira; Tela Leão, Programadora Cultural (moderadora)

A Acesso Cultura foi criada em 2013. É uma associação sem fins lucrativos de profissionais da cultura e de pessoas interessadas na melhoria das condições de acesso – nomeadamente físico, social e intelectual – aos espaços culturais e à oferta cultural, em Portugal e no estrangeiro.

Patrimónios Marítimos: Estratégias de Musealização do (i)material

património maríitmo

[Artigo publicado originalmente em: Carvalho, Ana. 2015. “Patrimónios Marítimos: Estratégias de Musealização do (i)material.” Argos: Revista do Museu Marítimo de Ílhavo 3: 12-22. http://hdl.handle.net/10174/16210

Neste texto exploram-se algumas ideias acerca da relação dos museus com o “Património Cultural Imaterial” (PCI), conceito difundido pela Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO desde 2003 (daqui em diante Convenção de 2003), não ignorando, por outro lado, um universo mais lato do que pode ser percebido como “património imaterial” em contexto museológico. A reflexão toma como estudo de caso o Museu Nacional de Etnologia (MNE). Sendo o principal museu em Portugal no domínio da Antropologia, constitui um terreno fértil para refletir sobre o papel do património imaterial nas políticas e práticas museológicas. No contexto das exposições novas possibilidades emergem quando falamos de património imaterial e, subsequentemente, do envolvimento das comunidades, em consonância com as tendências museológicas mais recentes; estratégias mais abertas e flexíveis à introdução de uma multiplicidade de leituras sobre a realidade, são alguns dos aportes que a sua problematização pode comportar. É nesta perspetiva que analisamos a exposição Artes de Pesca. Pescadores, Normas, Objectos Instáveis. Partindo deste exemplo identificamos alguns elementos que ajudam a refletir sobre como o património imaterial pode potencialmente contribuir para uma museologia mais participativa.

O que há de novo na Convenção de 2003?

O novo normativo internacional foi criado para corrigir a ausência de medidas de proteção para a cultura tradicional e uma longa tradição de políticas preservacionistas com base no monumental, de que é modelo a Convenção para a Proteção do Património Mundial, Cultural e Natural (1972). Tratou-se de reconhecer uma dimensão do património que sempre existiu, mas à qual não se atribuía o mesmo valor que a um edifício ou sítio, procurando, assim, repor um desejável equilíbrio e o compromisso por uma articulação mais integrada dos patrimónios. Da Convenção de 2003 emergiu uma nova categoria operativa – o PCI – assente na ideia de um património vivo (com uma dimensão material e imaterial), estruturante da identidade de indivíduos e grupos, de transmissão geracional, em constante mutação e que remete para uma renegociação em permanência dos seus significados.

Não se tratando de inaugurar um novo campo do saber, a Antropologia está formada desde o séc. XIX, o enfoque da Convenção centrou-se sobretudo em formas de valorização do PCI mais consentâneas com os interesses das comunidades a que dizem respeito. Com efeito, uma das mudanças de paradigma assinaladas pela Convenção de 2003 consiste na centralidade dos grupos e comunidades na salvaguarda do seu património, contrariando uma tradição em que cabia exclusivamente ao especialista (antropólogo, conservador de museu, ou outro) a proteção do património, e aos grupos ou comunidades um papel passivo no processo, que geralmente não ultrapassava a consulta. Questões como – quem participa, e de que forma as comunidades que vivem este património são beneficiadas com as abordagens de salvaguarda – passaram a ser tidas como fundamentais nestes processos.

Ainda que outras leituras e interpretações coexistam para além do discurso hegemónico da UNESCO (veja-se Smith 2006) e de uma extensa literatura crítica acerca das contradições, problemas e equívocos do documento (Smith e Akagawa 2009; Bortolotto, Arnaud, e Grenet 2011; Bendix, Eggert, e Peselmann 2012, entre outros), não se ignoram as repercussões que a Convenção de 2003 tem tido na revisão das políticas do património dos vários países que a ratificaram.

Museus e património imaterial: euforia, equívocos, possibilidades

Interpelado para a discussão encetada pela UNESCO, também o Conselho Internacional de Museus (ICOM) foi chamado a participar, reconhecendo a importância e o papel dos museus na valorização do PCI. Nesse sentido, a expressão “património imaterial” foi, nos últimos anos, entrando paulatinamente no léxico do ICOM através de Declarações, Cartas, documentos de trabalho e orientações várias, incluindo a revisão da definição de museu em 2007 (Carvalho 2011).

Enquanto a categoria PCI constituiu uma novidade como conceito operativo, a sua tradução para o contexto museológico trouxe um olhar renovado para um universo de apropriações do que se entende por “património imaterial” – termo aqui utilizado sem pretensões de uma delimitação fixa e exaustiva ou da sua correspondência exata com o PCI. Na sequência da revisão das políticas do património de muitos países, entre os quais Portugal, o tema do PCI ganhou (ou ganha), assim, um novo interesse. Note-se que o termo “património imaterial” tem na gíria dos profissionais de museus uma apropriação difusa e aporta interpretações várias (cf. Calas 2008). Do nosso ponto de vista, problematizar a valorização do património imaterial nos museus implica atender a um conjunto vasto de possibilidades e (i)materialidades. Desde logo, a procura da dimensão imaterial dos objetos musealizados, dos contextos de produção e utilização de determinada prática sociocultural. Noutra perspetiva, o valor, o significado e interpretação de um objeto varia o longo do tempo, tem uma vida social (Appadurai 1986), seja no percurso que antecedeu a sua incorporação no museu, seja depois. Neste contexto falamos de biografias de objetos (Kopytoff 1986; Alberti 2005) ou de biografias culturais (Mensch e Meijer-van Mensch 2011) se atendermos à interação do homem com a paisagem e à construção de diferentes narrativas e significados. A procura do imaterial está ainda associada à memória, dos objetos, das práticas, dos lugares, das histórias e das pessoas. Embora os estudos sobre a memória não constituam uma novidade no campo dos museus, o recurso às fontes orais (testemunhos, histórias de vida) ganha (novo) protagonismo quando se fala de património imaterial, seja como suporte empírico complementar ao estudo dos objetos, seja como objeto museológico per se, do qual o Museu da Pessoa (fundado em 1991 no Brasil) é o exemplo mais paradigmático. E, por fim, o património imaterial sem uma forma material (tradição oral, canto de improviso…). Trazê-lo para o museu, ao mesmo tempo reconhecendo-o como processo dinâmico e em constante renovação, é reconhecer a priori o fracasso de tal empreitada (e a sua utopia), sendo que os museus apenas captam uma fração da realidade e, em última instância, fixam materialidades, no sentido em que, de uma maneira ou de outra, tudo se torna material (Pearce 2010; Pearce 2013).

Até certo ponto, a Convenção de 2003, ao trazer o princípio da participação das comunidades para o centro das estratégias com relação ao PCI contribui para uma reflexão sobre o papel dos museus na sociedade, as suas responsabilidades e limites. Para além dos constrangimentos recorrentes quando falamos da musealização do imaterial (veja-se Carvalho 2011; Stefano e Corsane 2010) – questões operativas (recursos humanos, financeiros e técnicos) e tecnológicas -, a relação com o património imaterial e, subsequentemente, com os seus protagonistas implica um compromisso dos museus enquanto projeto cultural com o seu entorno e com as comunidades. O desafio implica a adoção de práticas museológicas mais próximas de novos paradigmas de participação.

A participação tem vindo a configurar um aspeto relevante nas práticas museológicas, sendo considerada uma das grandes tendências no mundo dos museus (Mensch e Meijer-van Mensch 2011; Alivizatou 2012). O interesse que suscita tem ultrapassado as experiências no domínio da nova museologia, no sentido da sua aplicação estrita em ecomuseus, museus de comunidade ou outros. Neste sentido, a participação como ferramenta poderá potencialmente ser aplicada em qualquer tipo de museu (Simon 2010). A criação de ambientes participativos pode tomar vá- rias formas e seguir diferentes modelos. Por outro lado, não se limita às áreas públicas mais visíveis de envolvimento dos visitantes (p. ex. exposições), para se aplicar também às áreas mais reservadas, como a documentação de coleções (Mensch e Meijer-van Mensch 2011), prolongando-se ainda para a internet e para as redes sociais. No contexto das arquiteturas da participação, refira-se a proposta de Galla (2008), que categoriza a participação de grupos e comunidades de acordo com três modelos. O primeiro modelo, “participação como consulta”, porventura o mais utilizado nas práticas museológicas, consiste em atribuir às comunidades visadas o papel de informantes. No segundo modelo, “participação como parceria estratégica”, as comunidades colaboram em coautoria com os profissionais de museus na definição e execução dos projetos, e o terceiro modelo, “participação como capacitação das comunidades”, assumidamente mais inclusivo e aberto, visa que sejam as comunidades a tomar a iniciativa, o controlo e a execução dos projetos.

Os museus na contemporaneidade são instituições caracterizadas pela negociação, ambiva- lência, fragmentação e multivocalidade (Hooper-Greenhill 2000; Macdonald 2007; Anico 2008) por oposição a espaços a uma só voz, objetivos e neutrais. Neste sentido, a introdução de di- ferentes leituras, perspetivas e interpretações configura uma proposta mais centrada nos grupos ou comunidades (Hooper-Greenhill 2000). Sob o ângulo da participação abre-se, assim, um leque de possibilidades de trabalho para a construção de narrativas mais plurais e inclusivas.

A nível internacional, o desenvolvimento de uma ética colaborativa nas exposições pode ser balizada a partir da década de 1990 e a literatura sobre tema tem mostrado diferentes modelos de trabalho (p. ex. exposições multivocais, exposições de base comunitária) (veja-se Phillips 2003; Carvalho 2014). Por outro lado, a introdução do património imaterial nas exposições encerra o potencialdo enriquecimento da experiência afetiva e sensorial da visita, e, até certo ponto, facilitar a compreensão da mensagem (Caballero García 2013).

Continue a ler o artigo em: http://hdl.handle.net/10174/16210

Museu do Neo-Realismo promove reflexão sobre museus e educação

Desafios contemporâneos educação museus

O Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira, organiza uma jornada de reflexão sobre os “Desafios Contemporâneos da Educação Não formal nos Museus”, que acontece a 2 de Fevereiro (terça-feira).

Trata-se de um tema recorrente na reflexão no mundo dos museus, mas porventura a necessitar de olhares mais actualizados no contexto nacional. Como estará o panorama dos departamentos de educação e de programação dos museus portugueses com a crise que se instalou nos últimos anos? Nalguns casos, sabemos que equipas foram dispensadas ou desestruturadas com a saída de vários profissionais. Também sabemos que novos projectos tem vindo a desenvolver-se nesta área, fomentando novas dinâmicas.

De acordo com a informação veiculada pela organização do evento, esta iniciativa pretende “debater o papel da educação não formal no quadro dos programas museológicos tendo em conta a perspectiva, cada vez mais real, da transformação dos museus em agentes potenciadores de uma cidadania activa e inclusiva. Terá como objectivos principais uma reflexão sobre a formatação comum dos serviços educativos dos museus, a problematização do conceito de educação não formal no contexto museológico e a concepção de programas e projectos educativos que considerem os interesses e expectativas dos públicos e potenciem as colecções dos museus.”

O programa do evento pode ser consultado em: http://www.icom-portugal.org/multimedia/documentos/Programa.pdf 

Inscrições gratuitas, mas condicionadas à lotação do auditório; podem ser feitas na receção do Museu do Neo-Realismo pelo telefone 263.285.626 ou por correio electrónico (neorealismo@cm-vfxira.pt).

Entrevista com Clara Bertrand Cabral e Lurdes Camacho

[Entrevista publicada originalmente: Carvalho, Ana. 2016. “Entrevista com Clara Bertrand Cabral e Lurdes Camacho.” Boletim ICOM Portugal, série III, 5 (Janeiro): 18-24. http://hdl.handle.net/10174/16739]

Logótipo celebração diversidade cultural

Fez em 2015 dez anos que a Convenção sobre a Protecção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais foi adoptada pela UNESCO (Convenção de 2005). Portugal ratificou o documento em 2007. A celebração da efeméride continua em 2016, mas é tempo de balanços e de perspectivar linhas futuras. Qual é a importância desta Convenção? Qual é o seu impacto nas políticas nacionais? Qual pode ser o contributo dos museus? A estas e outras questões dão-nos o seu testemunho Clara Bertrand Cabral, técnica superior da área da cultura da Comissão Nacional da UNESCO e Lurdes Camacho, directora de Serviços de Relações Internacionais do Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais, e ponto focal em Portugal da Convenção de 2005.

****

No essencial, em que consiste a Convenção sobre a Protecção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais?

A Convenção sobre a Protecção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais foi adoptada pela conferência geral da UNESCO em Outubro de 2005 e constituiu o primeiro instrumento internacional que reconhece a dupla natureza, simultaneamente económica e cultural, dos bens e dos serviços que se encontram no âmago das economias criativas mundiais.

O artigo 1.º da Convenção indica claramente os seus objectivos, desde logo proteger e promover a diversidade das expressões culturais, como a própria designação da Convenção indica, mas também criar condições que permitam às culturas desenvolver-se e interagir livremente de forma mutuamente proveitosa; incentivar o diálogo entre culturas por forma a garantir intercâmbios culturais mais intensos e equilibrados no mundo, em prol do respeito intercultural e de uma cultura de paz; fomentar a interculturalidade a fim de desenvolver a interacção cultural, no intuito de construir pontes entre os povos; promover o respeito pela diversidade das expressões culturais e a consciencialização do seu valor a nível local, nacional e internacional.

A Convenção atribui uma importância muito especial aos países menos desenvolvidos, incluindo nos seus objectivos o de reafirmar a importância dos laços entre cultura e desenvolvimento em todos os países e apoiar as acções organizadas nos planos nacional e internacional para que se reconheça o valor de tais laços, bem como o de reforçar a cooperação e a solidariedade internacionais num espírito de parceria, a fim de aumentar as capacidades dos países em vias de desenvolvimento para proteger e promover a diversidade das expressões culturais.

Finalmente, a Convenção de 2005 visa reconhecer e dinamizar as indústrias culturais a nível nacional ao reconhecer a natureza específica das actividades, bens e serviços culturais como portadores de identidades, valores e significados, e ao reiterar o direito soberano dos Estados a conservar, adoptar e pôr em prática no seu território as políticas e medidas que considerem adequadas à protecção e à promoção da diversidade das expressões culturais.

A Convenção foi já ratificada por 140 Estados parte, entre os quais Portugal. É a única convenção da UNESCO ratificada pela União Europeia, o que atesta a importância atribuída pelos países europeus às questões relacionadas com este tema.

Qual a importância deste instrumento para as políticas culturais em Portugal?

Em geral as iniciativas desenvolvidas em Portugal no âmbito das convenções da UNESCO têm uma visibilidade e promoção acrescidas, sendo percebidas como actividades credíveis e de qualidade. Assim, uma maior divulgação em Portugal da Convenção de 2005 e dos seus princípios poderá contribuir para um acréscimo da visibilidade das iniciativas desenvolvidas nesta área que se enquadram nos princípios da UNESCO, como por exemplo as que tratam temas como a liberdade de expressão, o diálogo intercultural, a defesa das várias dimensões do género ou a salvaguarda do património, entre muitas outras.

O relatório Re|Shaping Cultural Policies, divulgado no passado dia 16 de Dezembro e que faz o balanço da execução da Convenção nos últimos dez anos, refere que desde 2005 sete Acordos comerciais concluídos pela União Europeia integram uma ou mais referências explícitas à Convenção. Considerando que a União Europeia tem 28 Estados membros e que os sete Acordos foram concluídos com outros 26 Estados, então, no conjunto estão implicados nestas negociações 55 Estados, bem como a própria União Europeia.

Em Portugal, felizmente, é cada vez mais frequente a inclusão de referências à Convenção de 2005 nos instrumentos de cooperação bilateral assinados entre Portugal e outros países. No entanto, encontramo-nos ainda aquém do desejável.

Em 2016 Portugal terá de elaborar e apresentar o seu segundo relatório quadrienal e nessa altura, pela informação recolhida, teremos oportunidade de efectuar um balanço destes dez anos de Convenção e de avaliarmos a evolução desde o relatório apresentado há quatro anos. Mas tudo leva a crer que ainda temos algum caminho a percorrer até que a Convenção de 2005 desempenhe realmente um papel central na criação e no desenvolvimento das políticas culturais em Portugal.

Que balanço é possível fazer em Portugal quanto ao impacto da ratificação da Convenção de 2005?

Portugal entregou em Abril de 2012, o relatório quadrienal sobre a implementação da Convenção no nosso país (disponível online). As dificuldades encontradas na altura permanecem e falta ainda uma divulgação mais ampla da Convenção e dos benefícios que poderá trazer às indústrias criativas.

O nosso país ratificou a Convenção em Março de 2007, parece muito tempo mas, de facto, demora sempre alguns anos até as Convenções terem visibilidade, serem apropriadas pelos cidadãos e começarem a ter uma aplicação prática. O que se verifica é decorrerem inúmeras iniciativas que poderiam ser desenvolvidas no contexto da aplicação da Convenção o que certamente lhes conferiria maior visibilidade e divulgação.

Não podemos também esquecer programas que não dependem directamente da aplicação da Convenção de 2005, mas que incidem sobre a diversidade das expressões culturais e, neste caso, há que referir a Rede de Cidades Criativas, criada em 2004 pela UNESCO para desenvolver a cooperação internacional entre cidades (urbes) que identificaram a criatividade como um factor estratégico para o desenvolvimento sustentável. Assim, a Rede de Cidades Criativas tem por objectivos fortalecer a criação, produção, distribuição e fruição dos bens culturais e serviços a nível local; promover a criatividade e expressões criativas, especialmente entre os grupos vulneráveis, incluindo mulheres e jovens; melhorar o acesso e a participação na vida cultural, bem como a fruição de bens culturais; integrar as indústrias culturais e criativas em planos de desenvolvimento local.

As cidades criativas da Rede desenvolvem iniciativas mediante parcerias entre os sectores público e privado, organizações profissionais, comunidades, sociedade civil e instituições culturais, promovendo e facilitando a partilha de experiências, conhecimentos e recursos entre as cidades membros como um meio para promover as indústrias criativas locais e o desenvolvimento urbano sustentável.

A adesão à Rede é enquadrada em sete temas – literatura, cinema, música, artesanato e arte popular, design, artes e media, gastronomia – e em Dezembro de 2015 a Rede integrou as primeiras cidades criativas portuguesas: Idanha-a-Nova como Cidade Criativa da Música e Óbidos como Cidade Criativa da Literatura.

O que falta fazer em Portugal quanto à implementação da Convenção de 2005?

É necessária uma maior divulgação dos princípios e benefícios da Convenção de 2005, para que possa ser mais amplamente implementada. Seria útil a realização de seminários e workshops sobre o tema para o debate e troca de experiências entre os agentes culturais, por exemplo, assim como uma maior divulgação das iniciativas que inúmeras entidades desenvolvem e que, de facto, se encontram alinhadas com a Convenção de 2005, ainda que não tenham sido pensadas dessa forma.

É importante que as entidades públicas interiorizem e ponham em prática os princípios referidos na Convenção como o apoio a sistemas sustentáveis de governança para a cultura e o desenvolvimento de medidas que permitam alcançar um fluxo equilibrado de bens e serviços culturais, aumentando a mobilidade dos artistas e profissionais da cultura. Importa sublinhar que a Convenção de 2005 se encontra bem alinhada com os objectivos de desenvolvimento sustentável fundados na cultura da Agenda 2030, podendo dar-se como exemplo o referido no artigo 13.º, designadamente que «as Partes empenhar-se-ão em integrar a cultura nas suas políticas de desenvolvimento, a todos os níveis, tendo em vista criar condições propícias ao desenvolvimento sustentável e, neste contexto, privilegiar os aspectos ligados à protecção e à promoção da diversidade das expressões culturais».

Finalmente, a Convenção é também um instrumento privilegiado para fomentar e preservar os direitos humanos e as liberdades fundamentais, como estatuído no artigo 2.º, podendo constituir uma excelente base de trabalho para a educação das gerações mais novas no respeito pela paz, pela tolerância e pelo diálogo.

Todavia, todos estes objectivos são muito difíceis de alcançar sem o empenho e a colaboração da sociedade civil em geral e das organizações não-governamentais em particular. Neste campo, pode-se referir o trabalho desenvolvido pela Coligação Portuguesa para a Diversidade Cultural, mas existem muitas outras associações, sociedades, clubes, que desenvolvem trabalho nestas áreas que fica por conhecer. Seria muito importante a constituição de uma base de dados de boas práticas, disponível para consulta, que possibilitasse a partilha de experiências, facilitasse o estabelecimento de parcerias e servisse de inspiração a outras entidades para desenvolver actividades nas áreas de intervenção da Convenção.

Um documento imprescindível para o melhor conhecimento e aplicação da Convenção são as Directrizes Operacionais que reúnem as decisões do Comité da Diversidade Cultural num único documento constituindo, no fundo, a “regulamentação” da Convenção. Estão disponíveis no website da UNESCO juntamente com outros textos fundamentais da Convenção e esperamos que em breve esteja disponível a versão em português. Este é um documento sempre em actualização, e a consulta do capítulo sobre educação e sensibilização do público aponta medidas concretas que poderão ser desenvolvidas a nível nacional.

Como é que a celebração dos dez anos da Convenção foi acolhida em Portugal? Que iniciativas foram desenvolvidas?

O 10.º aniversário da Convenção de 2005 constitui uma excelente oportunidade para celebrar a diversidade cultural, a criatividade e o papel da cultura no desenvolvimento sustentável; oferece um enquadramento privilegiado para se encontrarem novos caminhos de promoção da criatividade, da inovação e do desenvolvimento inclusivo, equitativo e durável, bem como para efectivar a integração da cultura na Agenda 2030 das Nações Unidas.

Durante o ano de 2015 a Comissão Nacional da UNESCO, o Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais (que alberga o ponto focal da Convenção em Portugal) e a Coligação Portuguesa para a Diversidade Cultural desenvolveram algumas actividades de promoção da Convenção e de divulgação dos seus princípios, valores e objectivos, como a organização de um colóquio no Museu do Fado no dia 21 de Maio, Dia Internacional da Diversidade Cultural.

Gostaríamos que muitas mais actividades que foram, e estão a ser, realizadas e agendadas – pois a celebração prosseguirá em 2016 – pudessem ser organizadas no âmbito destas comemorações e deixamos desde já o convite a todos quantos desejarem fazê-lo a contactar a Comissão Nacional da UNESCO ou o Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais para poderem utilizar o logótipo que foi criado de propósito para a comemoração deste 10.º aniversário da Convenção.

Há por vezes alguma confusão entre a Convenção de 2005 e a Convenção de 2003, que é dedicada ao Património Cultural Imaterial. Quais são as principais diferenças?

São convenções com objectivos diferentes mas que, em muitos aspectos, se tornam complementares. A Convenção de 2005 tem o seu foco nas indústrias culturais e na sua disseminação, lida com as actividades, bens e serviços culturais contemporâneos enquanto produtos económicos e valoriza sobretudo as criações individuais. A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, por seu lado, incide sobre os conhecimentos, práticas, representações, expressões e saberes-fazer colectivos, fundados nas comunidades e transmitidos de geração em geração, colocando o enfoque na salvaguarda das práticas para evitar que se percam.

No entanto, em ambas as convenções existem princípios gerais, que são os das Nações Unidas e, por conseguinte, da UNESCO enquanto agência especializada da ONU para a cultura, os quais são aplicáveis às actividades desenvolvidas por ambas as convenções. Podem referir-se o respeito pelos direitos humanos e a liberdade, o desenvolvimento sustentável ou a prioridade dada ao ser humano e ao seu bem-estar e dignidade.

No essencial, a Convenção de 2005 trata as questões relacionadas com as indústrias criativas enquanto a Convenção de 2003 procura salvaguardar as tradições alicerçadas no tempo que permanecem funcionais – e aqui é necessário sublinhar que o Património Cultural Imaterial não é sinónimo de ruralidade, de práticas antigas e ultrapassadas, pois a Convenção frisa bem, na definição de Património Cultural Imaterial, a necessidade de recriação constante e de adaptabilidade aos tempos actuais do património intangível, questão que muitas vezes não é bem compreendida.

A nível nacional parece ter havido mais impacto da Convenção de 2003 do que a Convenção de 2005 nas políticas culturais? Concordam? A que se deve?

A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial nasceu inspirada na Convenção do Património Mundial e inclui mecanismos semelhantes que beneficiaram da popularidade já alcançada pela Convenção de 1972. É possível que o impacto da Convenção de 2003 e o seu sucesso se devam principalmente à possibilidade de inscrição de elementos patrimoniais em listas, o que origina uma grande visibilidade e torna a Convenção mais atractiva e eficaz para a promoção local e regional.

São inúmeros os municípios que pretendem inscrever elementos na Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade ou na Lista do Património Cultural Imaterial que Necessita de Salvaguarda Urgente para darem a conhecer o seu património – o que não é de todo negativo desde que os benefícios decorrentes dessa promoção patrimonial revertam a favor dos detentores do património. Mas não nos devemos esquecer que o objectivo principal da Convenção de 2003, tal como o nome indica, é a salvaguarda do Património Cultural Imaterial, sendo a inscrição em listas e a promoção e divulgação daí decorrentes apenas alguns dos aspectos que devem ser atendidos. A este respeito, a TSF transmitiu recentemente uma entrevista com Cecile Duvelle, directora da secção do Património Cultural Imaterial na UNESCO, onde esta explica muito claramente quais os objectivos da Convenção do Património Cultural Imaterial (http://www.tsf.pt).

A Convenção de 2005, neste aspecto, é menos imediata e mediática, pois as expressões culturais não são divulgadas através de qualquer lista ou outro mecanismo e o próprio Fundo Internacional para a Diversidade Cultural só pode financiar projectos desenvolvidos por países em desenvolvimento, não sendo Portugal elegível.

Apesar disto, e como referido anteriormente, acreditamos que este é um caminho que estamos a percorrer, mas que leva o seu tempo, e a UNESCO tem-se esforçado por dar maior visibilidade à Convenção de 2005 e, principalmente, aprofundar a reflexão sobre as suas várias vertentes, disponibilizando informação e estudos no website dedicado à Convenção (http://en.unesco.org/creativity/).

Além do relatório Re|Shaping Cultural Policies também foi recentemente divulgado o Full Analytic Report (2015) on the Implementation of the UNESCO 1980 Recommendation Concerning the Status of the Artist, que tem interesse para a reflexão sobre as questões relacionadas com a Convenção de 2005. A Recomendação Relativa ao Estatuto do Artista foi adoptada pela conferência geral da UNESCO em 1980 e convida os Estados membros a melhorar o estatuto profissional, social e económico dos artistas através da implementação de políticas e medidas relacionadas com a formação, emprego, segurança social, as condições de rendimentos e impostos, mobilidade e liberdade de expressão. Também reconhece o direito dos artistas a se organizarem em sindicatos ou organizações profissionais que podem representar e defender os interesses dos seus membros. Não sendo um documento vinculativo, poderá contribuir para uma mais eficaz implementação da Convenção de 2005.

Na vossa opinião, qual pode ser o contributo dos museus neste domínio?

Os museus são entidades privilegiadas para alcançar uma melhor e mais ampla divulgação da Convenção de 2005, podendo contribuir muito positivamente para a sua implementação em Portugal. Os museus são actualmente muito mais do que meros repositórios de artefactos e a Convenção de 2005 oferece um quadro conceptual para a implementação de actividades relacionadas com o vasto e diversificado trabalho que os museus são actualmente chamados a desenvolver.

Importa aqui recordar a Recomendação da UNESCO Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel na Sociedade, aprovada pela UNESCO em Novembro, que reconhece ser a comunicação uma das funções primordiais dos museus. Neste âmbito, a Recomendação indica que «os (…) museus devem ser incentivados a usar todos os meios de comunicação para desempenhar um papel activo na sociedade através, por exemplo, da organização de eventos públicos, participando em actividades culturais relevantes e noutras interacções com o público, de forma presencial e digital».

Os museus intervêm já activamente na implementação a nível nacional das várias convenções da UNESCO como a Convenção do Património Mundial e a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial. Seria certamente oportuno que os museus começassem a intervir activamente nas áreas abrangidas pela Convenção de 2005, pois isso certamente ajudaria a enquadrar de forma mais objectiva muitas das acções realizadas pelos museus, dando-lhes uma visibilidade acrescida e um escopo mais abrangente.

****

[Entrevista publicada originalmente: Carvalho, Ana. 2016. “Entrevista com Clara Bertrand Cabral e Lurdes Camacho.” Boletim ICOM Portugal, série III, 5 (Janeiro): 18-24. http://hdl.handle.net/10174/16739]