Sobre o "I Seminário de Sociomuseologia"

I Seminário de Sociomuseologia
23 Janeiro 2010, Universidade Lusofona

No passado dia 23 tivemos a oportunidade de assistir a um dos painéis do I Seminário de Investigação em Sociomuseologia na Universidade Lusófona, que divulgámos num “post” anterior. Recorde-se, o objectivo deste seminário foi a “apresentação e discussão, em contexto académico, dos dados obtidos pelos diferentes projectos de investigação em Sociomuseologia que estão a ser desenvolvidos pelos (as) doutorandos (as), no âmbito da Linha Principal de Investigação em Sociomuseologia”.

Esta iniciativa representa, em nosso entender, um importante instrumento para a divulgação da investigação científica em museologia. A museologia, tal como foi referido neste seminário, é um campo do saber em construção, mas que se vai consolidando à medida em que vão surgindo projectos de investigação nesta área, seja de mestrado ou doutoramento.

Do painel a que assistimos, destacamos a comunicação da Aida Rechena, actual directora do Museu de Francisco Tavares Proença Júnior (Castelo Branco), que se encontra a estudar as questões de género na museologia portuguesa, sobretudo a partir de alguns estudos de caso (Museu do Fado, Museu do Teatro, Museu do Brinquedo, Museu do Trabalho Michel Giacometti, Museu de Portimão). Aida Rechena, no âmbito do seu mestrado em museologia havia estudado os “Processos Museológicos Locais. Panorama Museológico da Beira Interior Sul”.

Ana Bonito, responsável pelo serviço educativo no museu da Madeira, encontra-se a desenvolver um projecto de investigação na área educativa com aplicação aos museus madeirenses.

E finalmente, Gabriela Cavaco, directora do serviço educativo do Museu de Ciência, escolheu como tema para o seu projecto de doutoramento a “Museologia e Representação Social”, aplicada ao Museu da Ciência da Universidade de Lisboa, em parte na continuidade da linha de investigação desenvolvida na dissertação do mestrado em museologia “O Museu enquanto espaço de aprendizagem e lazer – representações sociais das crianças”.

Embora em fases distintas de desenvolvimento dos seus projectos de investigação, as investigadoras partilharam com a audiência os seus objectivos, as expectativas, entre recuos e avanços, a par com as dificuldades encontradas, bem como as metodologias utilizadas. E foi no diálogo profícuo com a audiência que a discussão se sucedeu e onde as investigadoras foram respondendo às (muitas) questões que foram sendo colocadas.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.