Conf: "Permanência à luz de autochromes em ambiente anóxico"

Hoje, dia 15 de Dezembro, terá lugar no auditório do Museu Nacional de Arte Antiga, o ciclo de palestras “em torno da conservação”, organizado pelo Laboratório José de Figueiredo e pelo Departamento de Conservação e Restauro, unidades orgânicas que, no âmbito do Instituto dos Museus e da Conservação, são responsáveis pelo estudo, investigação laboratorial e conservação dos bens patrimoniais.

Título: Permanência à luz de autochromes em ambiente anóxico
Data: 15 de Dezembro de 2010, 16h00
Por Luisa Casella, Associate Photograph Conservator, Harry Ransom Center (Austin, Texas)

Resumo:
Os autochromes colocam problemáticas de preservação particulares que estão relacionadas com a fragilidade do suporte de vidro e com a sensibilidade dos vários componentes à temperatura, humidade relativa e luz. Esta última, em particular, é gravemente nociva para os colorantes presentes na camada de ecrãs de côr. A baixa permanência à luz destes componentes levou a que a maioria das instituições culturais adoptasse uma política de não-exibição de placas autochrome originais.

Esta investigação, levada a cabo no Metropolitan Museum of Art entre Setembro de 2007 e Agosto de 2010, teve por objectivo determinar os potenciais benefícios de recorrer a condições anóxicas para a exibição de autochromes. Amostras modernas foram preparadas seguindo formulações históricas. Um grupo de amostragem foi exposto à luz em condições ambientais e um segundo grupo foi exposto à luz em condições perto de anóxicas (abaixo de 0.1% de oxigénio). Foram recolhidos dados espectrofotométricos das amostras antes e depois de exposição à luz.

Os resultados demonstram um decréscimo do desvanecimento dos colorantes em condições de baixo oxigénio.



Citar este post
Ana Carvalho (2010, 15 Dezembro). Conf: "Permanência à luz de autochromes em ambiente anóxico" No Mundo dos Museus. Recuperado em 21 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/sdh6

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.