“Mosteiro de Santa Clara de Amarante. História, Património e Musealização”

 
© Ana Carvalho

Mosteiro de Santa Clara de Amarante. História, Património e Musealização
Autor: Daniel José Soares Ribeiro
Orientação: Francisco Pato de Macedo
Tese defendida no âmbito das provas de 2º ciclo em História, especialização em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
Júri: Francisco Pato de Macedo (orient.), Maria Luísa Pires do Rio Carmo Trindade (arguente) e Irene Vaquinhas (Presidente júri)

Nota: 18 valores

Fonte: Lista de discussão MUSEUM

Resumo:

A presente dissertação de mestrado em História, especialização em Museologia intitulada: Mosteiro de Santa Clara de Amante: História, Património e Musealização, procura esclarecimento para algumas das questões mais nebulosas desta casa religiosa feminina, desde a sua obscura fundação no século XIII, enquanto recolhimento de mantelatas à posterior transformação em mosteiro da Ordem de Santa Clara. Dá igualmente relevância à História desta casa monástica, no período entre 1809, coincidente com a passagem do exército napoleónico, por Amarante, no contexto da Segunda Invasão Francesa, e 1862, data do encerramento das portas do mosteiro, no âmbito da extinção das Ordens Religiosas. Traça as alterações decorrentes do processo de transformação dos antigos espaços monásticos em Casa da Cerca. Analisa o seu processo de valorização patrimonial e a recente adaptação a Biblioteca e Arquivo municipais. Objectiva ainda um projecto de musealização para o complexo patrimonial do mosteiro de Santa Clara de Amarante, que pressupõe a recuperação da memória actualmente quase esquecida, do mosteiro mais antigo da cidade de Amarante.

Palavras-chave: Mosteiro de Santa Clara de Amarante; Mantelatas; Ordem de Santa Clara; Dependências Monásticas; Segunda Invasão Francesa; Extinção das Ordens Religiosas; Casa da Cerca; Musealização.



Citar este post
Ana Carvalho (2011, 14 Dezembro). “Mosteiro de Santa Clara de Amarante. História, Património e Musealização” No Mundo dos Museus. Recuperado em 15 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/sdkg

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.