Património Imaterial: desafios e perspectivas


Mesa Redonda da Comissão para o Património Cultural Imaterial
12 Dez. 2011, Museu Nacional de Etnologia
© Ana Carvalho

No passado dia 12 de Dezembro de 2011 teve lugar o colóquio intitulado “Inventário Nacional do Património Imaterial: Desafios e Perspectivas”, organizado pelo Instituto dos Museus e da Conservação/Departamento de Património Imaterial. São de saudar iniciativas que promovem o debate e a discussão dos temas, que foi o caso deste colóquio. Tem se ouvido falar bastante sobre Património Imaterial na comunicação social, sobretudo mais recentemente com o destaque do Fado como manifestação portuguesa na lista do património imaterial da humanidade. Este entusiasmo, associado à possibilidade de maior visibilidade e notoriedade (e instrumentalização política) e também a possibilidade de desenvolvimento económico (que está quase sempre associado a estas iniciativas) pode também trazer alguns equívocos. Por isso é importante informar com clareza, debater e reflectir sobre estes fenómenos.

Foram interessantes os momentos abertos à discussão e, em particular, a sessão da tarde, na qual teve oportunidade de falar pela primeira vez (creio) o grupo de especialistas que constitui a Comissão para o Património Cultural Imaterial. As posturas foram diferentes, mas quase sempre concordantes sobre a importância da investigação antropológica como suporte ao trabalho desenvolvido em torno do PCI. O papel da Comissão, o papel do inventário nacional, o papel das autarquias, a participação das comunidades, os riscos inerentes a estes fenómenos de patrimonialização, os conceitos (identidades, tradição, hibridismo, minorias étnicas, etc.), a necessidade de melhorar o ensino e a formação, o papel das novas tecnologias, o trabalho em rede e o estabelecimento de parcerias com vários actores, o papel da educação não formal (ligada aos museus, mas não só), mas também da educação formal (ex. desaparecimento dos mestres das escolas técnicas), foram alguns dos vários aspectos referidos ao longo deste colóquio. As questões levantadas denunciam também a existência de muitos mal-entendidos sobre o inventário nacional (acesso livre) e os seus objectivos e a existência de uma base de dados para o PCI disponível para ser comercializada. Isto reflecte também a necessidade de se insistir na divulgação e esclarecimento sobre estas ferramentas e respectivos objectivos. Por outro lado, a necessidade de se olhar para estes fenómenos não de uma forma estritamente institucional, mas alargada a outras perspectivas que possam imprimir uma postura crítica e diversa. Usando as palavras do Prof. Pais de Brito, é preciso colocar perguntas, há que problematizar as questões, uma vez que este é um território que está longe de ser linear. Por outro lado, são necessários mais espaços de debate que promovam o aprofundamento dos temas, sendo certo que este deve ser já um ponto assente na estratégia do IMC sobre esta matéria.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *