Incorporação e Desincorporação em Museus


© Ana Carvalho

Incorporação e Desincorporação em Museus: História, Realidade e Perspectivas Futuras

Autora: Maria Isabel Soares Luna
Orientação: Nélia Dias
Dissertação submetida para obtenção do grau de Mestre em Museologia: Contextos Expositivos, ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa
Nota: 18 valores
Data: 14 de Dezembro

A tese está disponível na íntegra no repositório científico do ISCTE:

http://repositorio-iul.iscte.pt/handle/10071/3129

 

Resumo: «A presente dissertação aborda e define os processos de incorporação e de desincorporação de objectos nos museus, entendendo o museu enquanto conceito universal, isto é, atravessando tipologias museais e fronteiras geográficas. As questões que envolvem a incorporação, a permanência e a desincorporação de objectos no museu são aqui examinadas, bem como analisados os seus conceitos. Com base numa análise teórica, pretendem encontrar-se respostas para questões como “o que guardam os museus?”, “porque razões o guardam?” e “para que servem e a quem interessam os objectos de museu?”.

São analisados dois sistemas museológicos aparentemente opostos, em que o maior ou menor grau de “desprendimento” relativamente aos objectos, revela dois modos diferentes de ver e interpretar a instituição museal: o sistema anglo-saxónico, centralizado nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha, caracterizado pela visão do museu enquanto museu-escola, e o sistema latino, centralizado na França, caracterizado pela visão do museu enquanto museu-templo. Sensivelmente entre os dois situa-se o modelo português. Claramente derivado da tradição francesa, por óbvias razões culturais, seria contudo marcado pela tradição britânica. Assim, percebe-se, pela análise do estatuto das colecções públicas portuguesas que, não obstante a enunciação inequívoca – mas não enfática – da sua inalienabilidade, se tenham previsto tantas portas de saída para os objectos.»

Abstract: This dissertation discusses and defines the processes of accession and deaccession of objects in museums, here seen as a universal concept, that is, it crosses all museum types and geographic boundaries. The issues concerning accession, permanence and deaccession of objects in the museum institution are here examined and its concepts analyzed. Based on a theoretical analysis, it is intended to find answers to questions like “what do museums keep?”, “Why do they keep it?” and “what are museum objects for and to whom do they interest?”.

Two seemingly opposite museological systems are analyzed, in which a greater or lesser degree of “detachment” in relation to objects, reveals two different ways of seeing and interpreting the museum institution: the Anglo-Saxon system, centered on the United States and Great Britain, characterized by the vision of the museum as a museum school; and the Latin system, centered in France, characterized by the vision of the museum as a museum-temple. More or less between the two lies the Portuguese model. Clearly derived from the French tradition, for obvious cultural reasons, it would, however, be marked by the British tradition. Thus, it can be seen by analyzing the status of the Portuguese public collections which, despite the unequivocal – but not emphatic – statement of their inalienability, has provided so many output-doors for the objects.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.