Local Vocabularies of Heritage

Local Vocabularies of “heritage”
Universidade de Évora, 10 Fev. 2012
Da esquerda para a direita: Al Karjousli Soufian, Eduardo Jorge Esperança, Julie Perrin e Anais Leblon
© Ana Carvalho

Teve lugar a semana passada o congresso internacional “Local Vocabularies of «heritage»”, Variations, Negogiations, Transformations” (8-10 Fev. 2012) na Universidade de Évora. Apesar de a minha percepção sobre o congresso ser subjectiva, pelas razões óbvias, não posso deixar de sublinhar a qualidade do trabalho feito pela organização (em especial do Cyril Isnart), a qualidade das intervenções e de todos os que foram participando ao longo destes três dias, através das questões apontadas e do espírito de reflexão e crítica que foi uma constante neste encontro. Para mim, a motivação em participar nestes encontros reside nesta possibilidade de troca e partilha e no questionamento que oferece, nem que seja para nos interrogarmos não só sobre o que outros investigadores fazem, mas como no nosso próprio trabalho. Por outro lado, este encontro foi particularmente interessante pela possibilidade de contactar com investigadores, que nalguns casos, já me eram familiares através de leituras várias e que tenho citado ao longo do meu trabalho: Chiara Bortolotto, Silvie Grenet e Laurier Turgeon, mas também muitos outros (ver programa do evento)

No geral, os trabalhos apresentados foram diversos, sendo inúmeras as questões levantadas: a problematização dos processos de patrimonialização, seja ao nível das dinâmicas, as tensões entre a tradição vs modernidade, os agentes, os instrumentos normativos internacionais (UNESCO), recursos vs sustentabilidade, a normalização dos processos e os conflitos inerentes, a turistificação do património, o papel do turismo experiencial, os museus e o PCI. Para além disso: o património visível e o invisível (ex. património negativo) e os processos que evidenciam aspectos, mas que ocultam outros; as diversas dimensões do património (material, imaterial, natural, cultural, etc.) e a necessidade de maior flexibilidade tanto a nível de conceitos como dos processos de salvaguarda; a relação ou tensão entre local e global; a relação da patrimonialização com o território; as abordagens ao património (funcionalista, crítica sociológica, nominalista); o património e a inclusão social; questões epistemológicas e disciplinares: a necessidade de repensar a antropologia e a discussão teórica; a complexidade da abordagem ao património (o paradoxo de trabalhar com base em categorias; diferentes vocabulários, vocabulários locais e globais, traduções) e a necessidade de observar tantos os conteúdos como os processos; Todavia, ficaram no ar várias perguntas: Estamos diante de uma nova sacralidade? Vamos salvar o património: Salvar ou destruir? Salvar ou fixar? O que salvar e porquê? (entre outras)

Os papers serão publicados a breve trecho.



Citar este post
Ana Carvalho (2012, 13 Fevereiro). Local Vocabularies of Heritage. No Mundo dos Museus. Recuperado em 21 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/sdky

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.