European Museum Advisors Conference 2012 (1)

EMAC 2012, Museu de Sacavém
© Foto Ana Carvalho

A conferência internacional “European Museum Advisors” começou na terça-feira, dia 29 de Maio (até dia 2, sábado). Esta é a 9.ª edição do evento que se realiza de dois em dois anos em contexto europeu e que celebra 20 an0s de existência. Este ano coube a Portugal ser o país anfitrião, pela mão de Inês Bettencourt da Câmara (Mapa das Ideias) e Joaquim Jorge (Museus Municipais de Loures), e o apoio de várias instituições portuguesas (ver programa).

O tema deste encontro não poderia vir mais a propósito: “The crisis as a challenge: to do more and better”. Esta premissa marcou o tom de muitas das intervenções que procuraram de forma optimista responder a este apelo.

Na realidade, há muito tempo que em vários museus portugueses se trabalha com orçamentos inexistentes, ainda que a realidade que enfrentamos hoje se agrave também por uma certa incapacidade de reacção e desmotivação generalizada. As apreensões, tensões e fricções identificadas ultimamente no sector profissional dos museus, em grande parte causadas pelo anúncio de uma reestruturação do sector cultural a nível da administração central e regional (entendida por muitos como arbitrária, e ao sabor do argumento “crise”), têm despertado muitas emoções, mas pouca mobilização dos vários agentes/actores (não falo apenas dos profissionais de museus e respectivas organizações, mas também das universidades) interessados na definição de uma política museológica e patrimonial sustentável. Falta uma reflexão conjunta sobre o rumo da museologia portuguesa, estruturada a partir de temáticas concretas, que possa fazer face a este diagnóstico de asfixia orçamental.

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Da esq. para a direita: Prof. Amareswar Galla e Joaquim Jorge
© Foto Ana Carvalho

No entanto, pode dizer-se que o primeiro dia de debate promovido pela conferência “European Museum Advisors” demonstrou a importância de partilhar experiências de trabalho que sugerem caminhos alternativos para superar a conjuntura em que se vive. Sem pretender resumir o primeiro dia deste encontro, confirmadamente rico e diverso nas perspectivas apresentadas, destaco apenas alguns momentos que na minha perspectiva fizeram a diferença (e que é certamente um olhar muito pessoal…). Primeiramente, a comunicação do Prof. Amareswar Galla (International Institute for the Inclusive Museum), que falou de multiculturalismo, políticas de integração e políticas de assimilação na Europa, diálogo intergeracional e diálogo intercultural, novos paradigmas, social media, a potencialidade das colecções, envolvimento e inclusão. Uma das mensagens deixadas pelo Prof. Amareswar foi o enfoque da criatividade como ingrediente imprescindível para relativizarmos a “crise” e a importância das nações desenvolverem políticas inclusivas ao contrário do que parece ser o caminho trilhado…

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Joana Sousa Monteiro
© Foto Ana Carvalho

Joana Sousa Monteiro (Câmara Municipal de Lisboa) apresentou a experiência de dois anos de trabalho em torno da reformulação da rede de museus municipais de Lisboa. Desta apresentação foi perceptível um percurso de investigação sério e reflexivo. O discurso pontuou pela assertividade e por uma atitude perseverante no sentido de alcançar práticas de gestão mais coerentes e eficientes.

Um outro momento profundamente inspirador foi a apresentação de Mário Antas (Museu Nacional de Arqueologia) que deu conta de um trabalho (“Network of School Archaeological Clubs”) assente na cooperação entre museu e escolas. A dedicação e empenho profissional foi um elemento-chave neste processo/projecto. Este projecto ganhou recentemente o prémio CECA para as melhores práticas educativas (CECA Best Practice Award).

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Da esq. para a direita: Sofia Borges, Wolfgang Täebler (moderador) e Patricia Remelgado
© Foto Ana Carvalho

O projecto “Trienal Movimento Desenho 2012” destacou-se pela originalidade da abordagem. Assente na criação de redes informais e na cooperação, as autoras do projecto tem procurado reunir pessoas e instituições interessadas na importância e valorização do desenho (nas suas diversas vertentes) com o objectivo de se organizar um evento nacional, cuja 1.ª edição terá lugar este ano (15 de outubro a 15 de dezembro). A dedicação dos profissionais que fazem parte da comissão organizativa deste evento foi também um ingrediente fundamental para tornar possível um projecto sem orçamento.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.