EMAC 2012

Comunicação de Michael Dixon (National History Museum, Reino Unido), EMAC 2 junho 2012, Museu Nacional de Arqueologia © Foto Ana Carvalho

Terminou no passado dia 2 de junho (sábado) uma jornada de vários dias da Musem Advisors Conference – EMAC 2012. A primeira nota sobre este evento é no sentido de reconhecer o excelente trabalho da organização conjunta entre a empresa “Mapa das Ideias” (que ganhou o prémio da APOM 2011 para melhor serviço de educação e mediação – Museu Nacional do Traje) e os Museus Municipais de Loures, trazendo para Portugal um evento europeu que reuniu profissionais de vários países. Todo o esforço realizado é notável e comprova que apesar da conjuntura actual é possível desenvolver iniciativas de base colaborativa que podem fazer a diferença, sobretudo pela possiblidade do confronto entre diferentes experiências e perspectivas sobre aqueles que poderão ser considerados os “hot topics” da cena museológica europeia.

Futuro Museu do Dinheiro, Banco de Portugal, Praça do Município, Lisboa © Foto Ana Carvalho, 2012

Diante do mote deste encontro, “The crisis as a challenge: to do more and better”, os “hot topics” abordados foram vários e fortemente associados aos problemas económicos que atravessamos, sendo particularmente evidente nos discursos dos participantes portugueses, holandeses, espanhóis e italianos. Das várias questões levantadas durante este encontro, e atendendo à realidade portuguesa, ficaram algumas inquietações:

A organização da EMAC levou-nos a diferentes cenários museológicos, uma vez que ao longo de 5 dias as conferências realizaram-se em diversos espaços e museus de Lisboa e arredores, permitindo o confronto com diferentes ambiências que, por um lado, nos recordaram da riqueza e diversidade do nosso património e do desenvolvimento a nível de infraestruturas que se operou no sector museológico nas últimas décadas. Mas por outro lado, a percepção de que coexistem realidades muito díspares no panorama museológico português (e a diferentes níveis), que são hoje, mais do que nunca sintomáticas de um política cultural assimétrica. Note-se, por exemplo o caso do recente projecto do museu do dinheiro (tutela do Banco de Portugal), que levanta muitas questões de incoerência e dissonância se atendermos ao enquadramento económico e social nacional e, por outro lado, relativamente a uma desejável política cultural assente numa estratégia alargada e concertada para o tecido museológico português.

Lembrando uma questão levantada por Michael Dixon (Director Natural History Museum, Reino Unido) e pensando na realidade portuguesa, até que ponto a comunidade de profissionais de museus tem sabido apresentar argumentos suficientemente fundamentados para defender a necessidade de assegurar a sua existência e actividade dos museus? E, por outro lado, que estratégias estão a ser equacionadas pelos diversos museus portugueses para responder aos desafios actuais? Entre a aplicação de uma política em Portugal pouco favorável à sobrevivência dos museus e a necessidade de se reflectir internamente (entre os profissionais do sector) sobre o presente e futuro dos museus, parece subsistir uma certa passividade (a par com muitos descontentamentos), mas que acaba por se arrastar em função das decisões políticas.  Afinal, que museus queremos, que museologia ?

Ficou patente que em Portugal há temas que precisam de ser profundamente discutidos e cujas problemáticas são partilhadas pela maioria dos museus, ou seja, modelos de gestão e financiamento, novos paradigmas como a participação (seja a nível das colecções, exposições e dos programas públicos), as novas tecnologias, o equilíbrio entre as funções museológicas, entre outros. O trabalho desenvolvido na Irlanda e de que Marie Bourke (National Gallery of Ireland) nos falou, nomeadamente a organização de eventos como o simpósio “Future Forecasting: the challenges facing museums and cultural institutions” (2011) e a mesa redonda “The challenges facing museums onsite and online in the 21st century” (2012), são exemplificativos da importância de introduzir a reflexão e o debate no momento actual, de forma a podermos repensar estratégias e antecipar os problemas.

Para a equipa que organizou a EMAC 2012: Inês Bettencourt da Câmara, Joaquim Jorge, Cristina Reboredo, Maria João Nunes e Ana Fernambuco, os meus sinceros parabéns!!!!!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.