Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation

(Fonte: Bookdepository.com)

Alivizatou, Marilena. 2012. Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation. Walnut Creek: Institute of Archeology. Vol. 8, Critical cultural heritage series. 225 páginas. ISBN: 978-1-61132-151-7.

Falar de Património Cultural Imaterial (PCI) é hoje uma tendência internacional como resultado da elaboração da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO (2003). No contexto dos museus, a bibliografia que problematiza este novo enfoque é visivelmente crescente, seja em Portugal (ver, Carvalho 2011 [1], entre outros), seja no contexto internacional, como comprova esta recente publicação (Agosto de 2012). A autora, Marilena Alivizatou, é uma investigadora de origem grega que colabora no Institute of Archaeology University College London (informação sobre a autora aqui). Em grande medida, o livro é o resultado da investigação que autora começou a desenvolver a partir de 2003 até ao presente, sendo parte deste trabalho referente à sua tese de doutoramento. Pode dizer-se que este livro é uma síntese desse percurso de investigação.

O que a autora se propôs a fazer foi uma análise crítica do PCI em contexto museológico tanto do ponto vista conceptual como do ponto de vista das práticas. Para o efeito, Alivizatou fez um estudo comparativo de cinco museus em distintos contextos culturais, sociais e políticos: o National Museum of New Zealand Te Papa Tongarewa (Wellington, Nova Zelândia), um museu cujas colecções recuam ao séc. XIX, mas que é criado nos anos noventa (abertura em 1998); o Vanuatu Cultural Centre (Port Vila, Vanuatu), que na origem era um pequeno museu colonial (1956) com colecções etnográficas e de história natural, e que é actualmente um centro cultural indígena; o National Museum of the American Indian (Washington e Nova Yorque, EUA), que abriu em 2004, mas cuja história remonta às primeiras décadas do séc. XX; o Horniman Museum (Londres), fundado no séc. XIX e renovado em 2002 (colecções etnográficas, espécimes de história natural, etc.); e finalmente, o polémico Musée du Quai Branly (Paris), que surgiu em 2006, reunindo as colecções etnográficas do Musée de l’Homme (cuja reabertura tem vindo a ser adiada, estando actualmente prevista para 2015) e as colecções do Musée National des Arts d’Afrique et de l’Oceanie, que encerrou para vir a dar lugar no mesmo espaço à Cité Nationale de l’Histoire de l’Immigration.

A autora tem em conta o discurso sobre PCI via UNESCO, mas assume uma postura  crítica e reflexiva quanto ao discurso oficial, apresentando uma abordagem alternativa à museologia mainstream. Trata-se de um livro de referência para todos os que se interessam pela problematização do património no mundo dos museus.

Conteúdos:

List of Illustrations, p. 9

Acknowledgments, p. 13

1. Intangible Heritage and the Museum, p. 15

2. Global Preservation and Beyond, p. 27

3. From Artefacts to Communities: Participation and Contestation at the Papa Tongarewa, p. 49

4. At the Interface of “Kastom” and Development: The Case of the Vanuatu Cultural Centre, p. 77

5. Intangible Heritage and the Living Memorial of Native Americans, p. 105

6. Reinventing the Gift at the Horniman Museum, p. 135

7. The Dialogue of Cultures, “Laicité”, and Intangible Heritage at the quai Branly, p. 159

8. Rethinking Cultural Preservation, Museum Curation, and Communities, p. 189

Notes, p. 193

Glossary, p. 199

References, p. 201

Index, p. 219

About the Author, p. 225

——————————————————————-

[1] Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios. Lisboa: Edições Colibri e Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora. Sobre o livro consultar o seguinte endereço: http://pcimuseus.wordpress.com/.



Citar este post
Ana Carvalho (2012, 16 Outubro). Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation. No Mundo dos Museus. Recuperado em 18 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/sdm9

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.