Museu, Património e Memória

No próximo dia 27 de Outubro (Sábado) realiza-se um encontro de profissionais de museus para reflectir sobre algumas das experiências desenvolvidas pelo Museu do Trabalho Michel Giacometti (Setúbal), nomeadamente a criação do Centro de Memórias e o projecto as “Tardes Interculturais”.

A organização do encontro cabe ao MINOM – Movimento para a Nova Museologia (sobre a história do MINOM ver post), através de um grupo de trabalho (núcleo de oralidade, memória e esquecimento) criado em Março deste ano para debater temas ligados ao património imaterial e à memória. Este encontro servirá, ao que tudo indica, também para apresentar o grupo e os seus objectivos. Esta iniciativa insere-se num contexto de renovação estratégica do MINOM (grupo português) no seguimento das “XX Jornadas sobre a Função Social do Museu”, que tiveram lugar entre 23 e 25 de Março de 2012 (ver mais aqui). De certo modo, uma nova dinâmica foi despoletada, nomeadamente a criação de grupos temáticos, um maior enfoque na comunicação e a definição de uma nova estratégia a médio e longo prazo, que ficou a cargo da nova direcção, encabeçada por Emanuel Sancho, director do Museu do Trajo (São Brás de Alportel, Algarve). 
A escolha do Museu do Trabalho Michel Giacometti como exemplo de boas práticas não é uma surpresa, uma vez que este museu tem procurado nos últimos anos reflectir sobre como incorporar o património imaterial nas práticas museológicas, assim como um discurso favorável à diversidade cultural. Este museu faz parte também de um pequeno grupo de museus que começaram nos últimos anos a “construir” arquivos de história oral para dar lugar ao imaterial no museu (para maior enquadramento sobre o papel da história oral na valorização do PCI nos museus consultar: Carvalho 2011)[1]. Sobre a criação do centro de memórias no Museu do Trabalho veja-se Isabel Victor (2010)[2]

O debate sobre estas experiências revela-se fundamental para um maior conhecimento sobre os desafios implicados no desenvolvimento de projectos colaborativos com as comunidades, uma vez que em Portugal, apesar de sabermos que existem experiências significativas a este nível, também é verdade que muito deste trabalho não é divulgado.

Referências:

[1] Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios, 143-149. Lisboa: Edições Colibri, CIDEHUS-Universidade de Évora.

[2]  Victor, Isabel. 2010. The Centre of Memories: work in progress. Case of the Michel Giacometti Labour Museum, Setúbal, Portugal. Cadernos de Sociomuseologia 38:199-216. Disponível em: http://revistas.ulusofona.pt/ (Obs. Também existe uma versão do artigo em português, publicado na revista museologia.pt, n.º 4. A revista está disponível para venda nas lojas dos museus nacionais).


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.