“Usos da Memória e Práticas do Património”, coord. Paula Godinho

 (Fonte: imagem retirada do site Edições Colibri)

O título deste livro é sugestivo e apetecível numa época em que a reflexão sobre a memória no mundo dos museus tem um interesse renovado (ou simplesmente está na moda?). Como advertiu Isabel Victor na sua comunicação “Experiências e metodologias participativas na área da museologia” (27/10/2012), é importante reflectir criticamente sobre os usos da memória nos museus, sobre as suas fronteiras, sobre os perigos de um “novo voyerismo”, do “novo exótico”, ou da teatralização/espectacularização da memória. Este livro poderá dar pistas sobre estas questões e esclarecer de forma crítica sobre estes processos, como sublinhou Victor.

O livro é uma colectânea de artigos de vários autores coordenado por Paula Godinho. A apresentação do livro será amanhã, 30 de Outubro (terça-feira), pelas 18h00, na aprazível Livraria Ler Devagar (Lx Factory, Lisboa). A apresentação cabe a Isabel Victor* (Museus de Setúbal).

Mais informação:

Sinopse: [Esta obra reflecte] contribuições centradas no conhecimento dos usos da memória e das práticas do património por parte de cientistas sociais de várias proveniências disciplinares. Este vasto campo de estudos requer uma abordagem teórico-metodológica que hibridize várias disciplinas, com um panorama da construção social da rememoração, das memórias colectivas, bem como dos formatos inerentes aos fenómenos de emblematização, patrimonialização e mercantilização. Como vários dos textos demonstram, as memórias têm classe, têm género, variam conjunturalmente e em escalas diversas – grupal, comunal, regional, nacional. (…) [A] privatização de memórias conduz a uma erosão da sua capacidade social, apartando a possibilidade de ligar o passado e o presente como sucede com a memória dos grupos subalternos, desvalorizados, vencidos.

Sobre Paula Godinho:

Paula Godinho é antropóloga, professora no Departamento de Antropologia da FCSH/UNL e investigadora do Instituto de Estudos de Literatura Tradicional (IELT-FCSH/UNL). Realizou trabalho de campo em Trás-os-Montes e no centro-sul de Portugal, na fronteira e na Galiza, ao longo de vários anos. Publicou vários livros: Memórias da Resistência Rural no Sul (Couço, 1958-1962), Oeiras, Celta, 2001; O leito e as margens – Estratégias familiares de renovação e situações liminares no Alto Trás-os-Montes raiano, Lisboa, Colibri, 2006; Festas de Inverno no Nordeste de Portugal – património, mercantilização e aporias da «cultura popular», Castro Verde, 100Luz, 2010; «Oír o galo cantar duas veces» -Identificacións locais, culturas das marxes e construción de nacións na fronteira entre Portugal e Galicia, Ourense, Imprenta da Deputación, 2011. Organizou e co-organizou diversas obras: Máscaras, mistérios e segredos, Lisboa, Colibri, 2012; com António Monteiro Cardoso, Gente Comum – Uma história na PIDE, de Aurora Rodrigues, Castro Verde, 100Luz, 2011; com Susana Pereira Bastos e Inês Fonseca, Jorge Crespo, Estudos em homenagem, s/l, 100Luz, 2009; com Heriberto Cairo Carou e Xerardo Pereiro, ed. Portugal e Espanha – Entre discursos de centro e práticas da fronteira, Lisboa, Colibri. 2009; com Dulce Freire e Inês Fonseca, Mundo Rural – Transformação e Resistência na Península Ibérica (séc. XX), Lisboa, Colibri, 2004; com a Associación Amigos da Republica, O Cambedo da Raia. 1946. Solidariedade galego-portuguesa silenciada, Ourense, Associación Amigos da Republica, 2004. Recebeu o prémio Xesús Taboada Chivite em 2008 (Galiza, Espanha).

*Sobre Isabel Victor:

Socióloga. Museóloga (Museu do Trabalho Michel Giacometti/Divisão de Museus da CMS). Membro do Centro de Estudos de Sociomuseologia da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Docente no mestrado em Museologia na ULHT (Lisboa). Doutoranda em Museologia, “Um sistema de Gestão da Qualidade para Museus. Sustentabilidade, inclusão, participação, impacto na Sociedade”. (Fonte: museologia.porto). Entre 2010 e 2012, Isabel Victor coordenou a Rede Portuguesa de Museus (RPM), tendo retornado recentemente ao trabalho nos museus de Setúbal.

Godinho, Paula, ed. 2012. Os usos da memória e práticas do património, A Ieltsar se vai ao longe. Lisboa: Universidade Nova e Edições Colibri.

Índice:

Uso da memória e práticas do património. Alguns trilhos e muitas perplexidades
Paula Godinho

A. Usos políticos da memória: caminhos e contextos

1. História Oral – caminhos, problemas e potencialidades
Miguel Cardina

2. Silêncios da História e usos da Memória: percursos e reflexões em torno de um trabalho de investigação sobre as memórias da guerra civil de Espanha
Dulce Simões

3. A memória coletiva como elemento sustentador da identidade. Repressom franquista e restauraçom da memória democrática na Galiza
Carlos Velasco

4. O Texto dos Silêncios – para um tratamento qualitativo do não-dito
Tiago Matos Silva

5. Arquivando memórias da «ciência colonial»: novas fontes, outra história
Cláudia Castelo

6. Memórias de um tempo denso – quatro investigações sobre o PREC
João Baía

B. Memórias dos trabalhos, dos fluxos e dos dias

7. Memória, identidade e género no seio de uma comunidade operária
Sónia Ferreira

8. O mistério da Estrada Nacional 11-1– ou de como as memórias têm classe e também têm género
Inês Fonseca

9. Memórias da Formação nos Primórdios da Escola do Magistério Primário de Faro
Aurízia Anica

10. Indagações sobre a saga do volfrâmio num concelho de Entre Douro e Vouga
José Miguel Leal da Silva

11. Memória dos Pescadores de Santo André: Xávega e Património
Dina Calado

12. Temporalités dans la migration: vivre, se souvenir et dire collectivement l’experience migratoire

Irène dos Santos
C. Património(s), materialidades e amenidades

13. Contextos da memória, lugares dessubstanciados e re-significação do passado: a fronteira como amenidade, insígnia e património
Paula Godinho

14. Apropriações das festas de Inverno em Trás-os-Montes
Savina Lafita e Amanda Guapo

15. «Bons sons» – comemorar um tempo, um lugar e uma memória
Sónia Costa

16. A patrimonialização do limpo e a memória do sujo: o destino dos antigos objectos de limpeza entre vivências, mercados e museus
Sara Di Chiazza

17. Memória – entre a realidade e a ficção – o caso de Mariana Monteiro e os folhetos de cordel
Filomena Sousa

 

(Fonte: Edições Colibri)



Citar este post
Ana Carvalho (2012, 29 Outubro). “Usos da Memória e Práticas do Património”, coord. Paula Godinho. No Mundo dos Museus. Recuperado em 25 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/sdmb

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.