Museus, lugares de memória

Livraria Ler Devagar, Lx factory, em Lisboa. Foto de Ana Carvalho, 2012

 

Apresentação de livro “Usos da Memória e Práticas do Património” na Livraria Ler Devagar, 30 de Outubro de 2012. Da esquerda para a direita: Isabel Victor, Paula Godinho, Fernando Mão de Ferro (Editor da Colibri). Foto de Ana Carvalho, 2o12

Godinho, Paula, ed. 2012. Os usos da memória e práticas do património, n.º 40, A Ieltsar se vai ao longe. Lisboa: Universidade Nova e Edições Colibri.

O livro “Os usos da memória e práticas do património” foi apresentado no passado dia 30 de Outubro (tal como havíamos anunciado em artigo anterior), efectivamente numa das mais belas livrarias portuguesas, a Ler Devagar (Lisboa), onde é um prazer maior ler devagar, muito devagar.

Este livro, o quadragésimo número da colecção “A Ieltsar se vai ao longe”, é na verdade o seu último volume (resultado das políticas de austeridade). O livro teve como ponto de partida a realização de seminários (Seminário de Estudos Aprofundados sobre Usos da Memória) na Universidade Nova que, por sua vez, resultaram num colóquio (2011), cujas contribuições foram posteriormente reorganizadas neste livro agora publicado. A memória é, desde modo, objecto de discussão a partir de várias especialidades disciplinares (veja a organização dos conteúdos aqui).

Na apresentação do livro, Isabel Victor, trouxe, naturalmente, a discussão para o seio da museologia. Trazendo para a arena das palavras a sua experiência e percurso, Victor reflectiu sobre a problematização do museu na pós-modernidade e a sua relação com a memória. Na centralidade do seu discurso ficou patente o texto de Mário Chagas “Há uma gota de sangue em cada museu” (1998), evocando também a importância dos preceitos da nova museologia para (re)pensar a memória em contexto museológico. Neste contexto, Victor referiu também algumas experiências museológicas no Brasil, tais como o Memorial da Resistência de S. Paulo, que faz parte da Pinacoteca do Estado de S. Paulo, o recente projecto “Pontos de Memória” (também no Brasil), e na África do Sul, o emblemático District Six Museum (Cidade do Cabo). Entre outros aspectos relevantes (que não se pretendem referir aqui exaustivamente), Victor referiu ainda outras “experiências” como o colóquio “From the Margins to the Core?” (2010, Victoria and Albert Museum, Londres), pelo mote que o justificou: “O museu é um lugar seguro para ideias não seguras”, demonstrando, por outro lado, que também os museus ditos tradicionais podem desenvolver estratégias favoráveis a uma museologia mais participativa e acessível.

De certo modo, a apresentação de Isabel Victor fez-me lembrar a comunicação de Jack Lohman (director do Museu de Londres) quando esteve em Portugal no âmbito das jornadas do ICOM-PT a propósito do tema “Museus e Memória” (cf. http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/3844), tema escolhido nesse ano para celebrar o Dia Internacional dos Museus (2011). Através de vários exemplos, Lohman fez uma retrospectiva dos diferentes usos e formas de explorar a memória em museus por todo o mundo. Como se referia no texto de apresentação das Jornadas sobre a memória:

“Nos museus, os objectos retêm, activam e transmitem memórias, enquanto expressão do património natural e cultural Implicando um vasto universo de entidades culturais, a memória requer um entendimento holístico e a comunidade museológica deve desenvolver projectos comuns ou em articulação com outras instituições que se ocupam da memória colectiva.

A temática Museu e Memória pode ser abordada sob diferentes vertentes, tais como: a conservação e o acesso aos acervos dos museus; a história dos museus e o tema do museu; a memória esquecida e memória, continuidade e identidade” (folheto programa Jornadas ICOM, 2011).

Embora o livro careça de contribuições provenientes do mundo dos museus (excepção feita ao artigo da italiana Sara Di Chiazza sobre uma colecção do Museu Nacional de Etnologia de Lisboa), pode dizer-se que este conjunto de artigos é um estimulante instrumento para reflectir sobre estas problemáticas em contexto museológico. Os museus são efectivamente lugares de memória e, como tal, palco/arena de representações identitárias e que, por sua vez, não são isentos às complexidades de fenómenos como a patrimonialização, a emblematização, a mercantilização, a teatralização, etc. Esta reflexão por parte dos museólogos revela-se fundamental e deve acompanhar os focos de experimentação no seio da praxis museológica.

A utilização da história oral para captação de memórias (testemunhos orais, histórias de vida) nos museus é ainda um fenómeno relativamente recente em Portugal. Muitas das iniciativas datam desta última década. Este processo acompanha também uma tendência para a valorização do imaterial, atendendo a um discurso oficial a este domínio no contexto das políticas públicas (ex. Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, UNESCO). São vários os museus (sobretudo os museus locais) que têm vindo a incorporar na poética museológica (e praxis) as questões da memória e a encetar processos de resgate de memórias junto das comunidades que servem, nalguns casos com um carácter pontual, noutros casos formalizando a criação de arquivos/centros da memória ou complementando centros de documentação já existentes (para maior aprofundamento consultar Carvalho 2011, 143-149)[1].

Sobre as questões da memória ficam duas sugestões de leitura que poderão também ser relevantes para esta reflexão. A primeira é uma rigorosa perspectiva crítica sobre o conceito de memória social da investigadora Elsa Peralta e, a outra sugestão, um artigo de Marta Anico sobre os usos da memória analisando as práticas dos museus de Loures, a propósito da exposição “Comércios de antigamente. Vivência de Memórias” realizada em 2003.

– Peralta, Elsa. 2007. Abordagens teóricas ao estudo da memória social: uma resenha crítica. Arquivos da Memória (2):4-23.

– Anico, Marta. 2003/2004. “Comércios de antigamente. Vivências e memórias” 1: construção e representação de significados culturais no Museu Municipal de Loures. Antropologia Portuguesa (20/21):133-153.


[1] Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios, 143-149. Lisboa: Edições Colibri, CIDEHUS-Universidade de Évora.



Citar este post
Ana Carvalho (2012, 5 Novembro). Museus, lugares de memória. No Mundo dos Museus. Recuperado em 25 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/sdmc

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.