Políticas públicas para o Património Imaterial

Acontece nos dias 27 e 28 de Novembro de 2012 o colóquio internacional sobre “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul: percursos, concretizações, perspectivas”, no Institut Français du Portugal (Lisboa). O colóquio conta com o apoio da Direcção-Geral do Património Cultural, Instituto Francês e da Universidade de Évora, através do CIDEHUS (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades).

Uma perspectiva comparativa das políticas culturais sobre património imaterial será certamente uma plataforma interessante de reflexão. Chérif Khaznadar, Sylvie Grenet, Chiara Bortolotto, José Luís Mingote Calderón e María Pía Timón Tiemblo são alguns dos investigadores estrangeiros confirmados.

A inscrição é gratuita.

Programa

Ficha de Inscrição

Sobre o encontro:

“Partindo dos esforços desenvolvidos em Portugal, França, Espanha e Itália, o Colóquio tem como objetivo principal a reflexão sobre os processos de desenho de políticas públicas na Europa do Sul para fins da implementação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003), com especial enfoque sobre a constituição de inventários como medidas fundamentais para a salvaguarda do PCI.

Confrontando as principais estratégias desenvolvidas em cada um dos países, assim como os percursos históricos de que resultaram essas mesmas estratégias, o Colóquio pretende refletir, por um lado, sobre os papéis aí reservados para as entidades governamentais (de âmbito nacional, regional e local), as entidades de carácter científico e cultural (museus, universidades, centros de pesquisa, associações) e os detentores do PCI (“comunidades, grupos, indivíduos”).

Por outro lado, tendo em conta o papel desempenhado pela Antropologia, não apenas no estudo dos factos de cultura desde recentemente objetificados como “PCI”, mas também no próprio processo de elaboração da Convenção da UNESCO, o Colóquio pretende refletir sobre o papel e o envolvimento da disciplina na definição e implementação daquelas políticas e estratégias, identificando as oportunidades, os resultados e, também, os problemas metodológicos, epistemológicos e/ou políticos que daí podem decorrer.

Por fim, o Colóquio propõe-se interrogar as diferenças e afinidades entre as políticas culturais dos países da Europa do Sul, na perspectiva do papel desempenhado pelo património como factor de construção e reconstrução de identidades na Europa.” (Fonte: programa do colóquio)

 



Citar este post
Ana Carvalho (2012, 7 Novembro). Políticas públicas para o Património Imaterial. No Mundo dos Museus. Recuperado em 22 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/sdmd

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.