hypotheses, blogging científico

Sessão de formação blogging científico, no ISCTE, com Mélanie Faury e Marie Pellen do projecto Openedition
Foto de Ana Carvalho, 6 Dezembro de 2012

Os blogues são uma realidade relativamente recente. O termo blog surge nos finais dos anos 90 e desde aí a popularidade desta tecnologia não deixou de aumentar. O sucesso dos blogues deve-se sobretudo às características da sua tecnologia de base. Primeiramente, é intuitivo, simples de utilizar e de fácil gestão. Ainda que existam diferentes softwares disponíveis para a criação de blogues e com diferentes níveis de complexidade, de uma maneira geral podemos dizer que qualquer pessoa pode criar um blogue. Por outro lado, permite a interacção, através da possibilidade de introduzir comentários, com algumas vantagens para a troca de ideias. Finalmente, trata-se de uma ferramenta a custo zero, sendo desde logo uma mais-valia1.

Com efeito, hoje os blogues permanecem muito populares e apesar de surgirem novas tendências na internet (ex. redes sociais, etc.), na minha opinião, continua ainda a fazer sentido a sua utilização2.

O que é isto de blogging científico?

Em 2008, o projecto francês Openedition (portal agregador de revistas e eventos de carácter científico na área das ciências sociais e humanas, em acesso aberto) tomou a iniciativa de acrescentar uma nova valência às já existentes, criando a hypotheses.org, ou seja, uma plataforma de blogues de investigação (carnets de recherche, em francês)3. Hoje estão associados a esta plataforma mais de três centenas de blogues, tendo sido alargado o projecto a Espanha e Alemanha (e brevemente a Portugal, uma vez que foi criado o projecto LusOpenEdition4). Ainda que já existissem blogues com este perfil, o da divulgação de investigação, a novidade desta plataforma é a agregação em rede de uma comunidade de pessoas, que de outra forma estariam mais isoladas e menos visíveis.

Para além disso, que argumentos se podem apresentar para que se justifique a um investigador criar um blogue no seio da hypotheses.org? As vantagens são, por um lado, a visibilidade que se poderá ter ao estar integrado numa plataforma mais alargada e a possibilidade de contacto e debate com outros investigadores que partilham interesses comuns. Por outro lado, o apoio técnico (e um conjunto de funcionalidades acrescidas) com que se pode contar5, que não existe de forma humanizada quando se utiliza a maioria dos softwares existentes como o wordpress, o blogspot.com ou outros.6

O único requisito para criar um blogue é apresentar um projecto, através de candidatura7, que será validado por um comité científico  ((caso já tenha um blogue é possível faz a migração automática dos contéudos, foi isso que aconteceu no caso de “No Mundo dos Museus”) (existem vários tipos de blogues: blogue de investigador, caderno de seminário, diário de bordo de uma investigação colectiva, diário de campo, blogues de revistas ou de livros, etc. Conheça vários exemplos aqui).

Uma das mais-valias deste projecto é também a iniciativa de atribuir ISSN ao blogue, conferindo-lhe valor científico como a uma revista por exemplo, atendendo a que muitos dos blogues são escritos por investigadores. Julgo que isto poderá ser muito interessante para os investigadores que poderão, assim, utillizar os textos que escrevem nos blogues como referências válidas, acrescentando essas mesmas referências à lista de produção científica.

  1. Cf. Carvalho, Ana. 2008. Os blogues como instrumentos de trabalho para a museologia. Informação ICOM.PT (1), http://www.icom-portugal.org/. Neste pequeno texto, hoje muito datado, procurei enfatizar a utilização do blogue como um recurso em potencialidade para a comunicação nos museus []
  2. No panorama internacional, os blogues ligados a museus só viriam a surgir em 2002 com a criação de infoTECMuseo, Museum People e Modern Art Notes. No contexto nacional, um dos primeiros blogues a apresentar conteúdos ligados aos museus nasce em 2003 – eMuseu, por Ana Pires, seguido pelo blogue do Mosteiro de Tibães, por Jorge Inácio, no mesmo ano. Em 2004, surge o Mouseion, pela mão de Alexandre Matos []
  3. Esta é uma iniciativa do Centro para a edição eletrónica aberta (Cléo) – laboratório do CNRS, da EHESS, da Aix-Marseille Université e da Université d’Avignon []
  4. Iniciativa que conta com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e do CRIA – Centro em Rede de Investigação em Antropologia []
  5. Veja-se por exemplo o serviços prestados através de Maison des carnets e o contacto directo que é possível estabelecer com um gestor da comunidade de blogs, a possibilidade de recuperação de conteúdos, etc. []
  6. Note-se que esta plataforma proporciona ainda sessões de formação []
  7. Para quaisquer informações pode contactar directamente Marie Pellen, responsavel pelo projecto em Portugal, através do email: marie.pellen@openedition.org []

OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Ana Carvalho (10 de Dezembro de 2012). hypotheses, blogging científico. No Mundo dos Museus. Recuperado em 25 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/sdmg


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.