Museologia segundo Rivière

Georges Henri Riviere

“Georges Henri Rivière sur les toits du Trocadéro en démolition”, 2e quart 20e siècle, Ph.1986.11.157, Collection Leroux et autres © MUCEM – Musée des Civilizations de la Europe et de la Méditerranée, Marselha

de la Rocha Mille, Raymond. 2011. Museums without walls: the museology of Georges Henri Rivière. Doctoral thesis, Department of Cultural Policy and Management, City University London, London. Disponível na íntegra aqui: http://openaccess.city.ac.uk/2154/ 

O francês Georges Henri Rivière (1897-1985) tornou-se uma figura mítica da museologia. As suas contribuições no âmbito da antropologia francesa e dos museus são um facto inegável. Esteve ligado ao Museu de Etnografia do Trocadéro (desde 1928) e depois ao Museu do Homem. É também o mentor do Museu Nacional das Artes e Tradições Populares (Paris), que  começou a ser pensado nos anos 30 e reclamava a ideia de museu laboratório, um museu fortemente ancorado na documentação e investigação no terreno a par com a actividade museológica. Foi o director do Conselho Internacional de Museus entre 1948-1965 e consultor de vários projectos museológicos. O seu papel para a definição do “ecomuseu” é também um marco na história da museologia (veja-se aqui as gravações de Rivière sobre a definição de ecomuseu nos anos 70 e 80).

O reconhecimento da sua importância para a museologia comprova-se pelos vários estudos já realizados. O mais recente é uma tese de doutoramento inglesa, que analisa a sua trajectória e o impacto que teve para a museologia.

Sobre a relação de Rivière com Portugal veja-se, por exemplo,  a pesquisa de Sofia Lapa (2009; 2011) que dá conta da participação de Riviére, como consultor, na definição do programa museológico do Museu Calouste Gulbenkian a partir de finais de 1958. No anos 70, Rivière volta a Portugal a convite da Secretaria de Estado do Ambiente, também na qualidade de consultor, mas no contexto da possibilidade de se criar uma rede de ecomuseus nos Parques Naturais (cf. Camacho 1999, 125-132).

****

Referências e leituras adicionais:

Camacho, Clara. 1999. “Renovação Museológica e Génese Dos Museus Municipais Da Área Metropolitana de Lisboa: 1974-90”. Dissertação de Mestrado em Museologia, Lisboa: Universidade Nova de Lisboa.

Gorgus, Nina. 2003. Le Magicien Des Vitrines: Le Muséologue Georges Henri Rivière. Paris: Editions de la Maison des Sciences de L’Homme.

La Muséologie selon Georges Henri Rivière: cours de muséologie: textes et témoignages. 1989. Paris: Dunod.

Lapa, Sofia. 2009. “Para Que (nos) Serve o Museu? A Génese Do Museu Calouste Gulbenkian”. Dissertação de Mestrado em Museologia, Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Lapa, Sofia. 2011. “Georges-Henri Rivière Na Génese Do Museu Calouste Gulbenkian. Contributos para o Estudo da Colaboração entre o Museólogo Francês e a Fundação Calouste Gulbenkian.” Revista de História Da Arte (8): 89–109. Resumo disponível aqui.

****

Museums without walls: the museology of Georges Henri Rivière

Conteúdos:

Chapter 1: Introduction
Chapter 2: Who was Georges Henri Rivière?
Chapter 3: Rivière’s conception of popular culture
Chapter 4: International museological environment
Chapter 5: International Modernization of museums
Chapter 6: The myth of primitivism as project of cultural regeneration
Chapter 7: The museography of the Rivet-Rivière Musée-Laboratoire
Chapter 8: Museology without walls: exhibitions and holidays for all
Chapter 9: From open-air museums to ecomuseology
Chapter 10: Ecomuseums and new museology movements
Chapter 11: The curse of the house of Rivière
Chapter 12: Final fulfillment of Rivière’s museology
Chapter 13: Conclusions
Appendix I: Text of Georges Henri Rivière’s’ recent interdisciplinary experiences in France in museums, parks and ecomuseums’ at the Smithsonian Institute, 10 October 1978, Unpublished video tape
Appendix II: The proposed 6 volume UNESCO treatise of museology


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.