Estamos ligados? Museus e Redes Sociais

redes sociais

© Ana Carvalho

Não sou especialista em comunicação, mas de uma forma ou de outra sou com frequência confrontada no meu dia-a-dia com as novas tecnologias (não somos todos?), em particular com a internet e as muitas aplicações que se vão multiplicando, a que chamamos de social media (daqui em diante “redes sociais”). E é na qualidade de quem tem experimentado numa base muito empírica algumas dessas ferramentas que escrevo estas linhas.

Quando em 2008 escrevia entusiasticamente (e um pouco ingenuamente) neste mesmo boletim sobre os blogues como potenciais plataformas para uma maior comunicação e interacção dos museus com o público (Informação ICOM.PT, n.º 1, 3-7), acreditava firmemente nesse potencial. Continuo a acreditar na utilidade dos blogues como de muitas outras ferramentas que entretanto se tornaram populares. Sem entrar em grande detalhe, refiro-me a todas aquelas aplicações que, independentemente das suas especificidades, permitem afinal partilhar conteúdos em rede e em modo virtual: blogues, fóruns na internet, facebook, twitter, ning, pinterest, instagram, wikis, youtube, podcasts, linkedIn, google+, etc. (a lista é imensa!). E porquê? Não é apenas por ser uma tendência anunciada abundantemente nos fóruns de discussão há vários anos a esta parte, mas porque de facto as novas tecnologias ampliam as possibilidades dos museus comunicarem as suas actividades e explorarem novas formas de envolvimento com as pessoas, que também podem ser criadoras de conteúdos e participantes no processo. E os museus são comunicação. Ao ignorarem os meios de comunicação do seu tempo os museus correm o risco de se tornaram encerrados sobre si próprios sem capacidade de chegar às novas gerações. Nem todos podem ser museus de museus. Por isso, torna-se imprescindível que essa actualização ocorra de forma equilibrada, sem que isso implique o abandono dos meios de comunicação tradicionais (e aqui a inclusão também é palavra-chave).

Mas aquilo que pode ser visto como uma oportunidade também encerra ameaças. O leque de possibilidades é vasto e nem sempre temos uma percepção clara de como tirar partido delas, seja em termos profissionais seja em termos pessoais. A rapidez com que estas ferramentas surgem também não ajuda. É como se entrassem no nosso dia-a-dia sem pedir licença e quando damos conta já estamos excluídos porque não estamos “ligados”. Os mal entendidos surgem com frequência e a sensação de não estarmos actualizados acontece não raras vezes. A celeridade destes fenómenos também não permite perceber, por exemplo, aquilo que veio para ficar e o que em pouco tempo poderá desaparecer porque se trata apenas de uma moda passageira. E a relação dos museus, e das instituições em geral, com as redes sociais é recente e experimental, tornando mais difícil a decisão de fazer uma escolha.

Quanto aos mal entendidos (1). Na escola do meu filho, por exemplo, após várias chamadas de atenção dos pais sobre os problemas de comunicação que se geravam a educadora decidiu criar uma página no facebook (do tipo grupo fechado) que pudesse dar resposta ao problema. Ali, a educadora foi paulatinamente colocando informação sobre o que se ia passando em sala e animando a página com várias fotografias das actividades. Mas não funcionou. Embora possa ser interessante do ponto de vista da socialização que se gerou (porque afinal é disso que se trata), não resolveu os problemas do essencial da comunicação, porque não houve uma articulação concertada com os restantes meios de comunicação. Este exemplo também se poderia aplicar aos museus. O erro está em pensar que ter uma página no facebook é suficiente para garantir que a comunicação (eficaz) acontece. Pelo contrário, pode até reforçar mal entendidos, quando não é bem conseguida e pensada dentro de um plano de comunicação integrado.

Quanto aos mal entendidos (2). No âmbito das minhas pesquisas de terreno, também tenho estado atenta à forma como os museus lidam com as redes sociais no sentido de fomentar a participação. Por exemplo, no Museum of World Culture (Suécia) tem-se apostado muito na vertente virtual (a grande maioria dos visitantes do museu está abaixo dos 30 anos) e uma das curadoras, que tinha passado a usar o facebook como extensão do seu trabalho, chegava à conclusão que a tarefa implicava um considerável consumo de tempo e energia, confirmando que o trabalho nas redes sociais não é de somenos quando comparado com o trabalho em contexto físico, exigindo a mesma atenção nas relações que se estabelecem com as pessoas. Por outro lado, estar presente nas redes sociais não significa apenas uma gestão exigente do tempo que os profissionais dedicam, mas tem também subjacentes preocupações mais abrangentes, nomeadamente sobre o papel que os museus pretendem assumir ao estar ligados: o de editores, moderadores ou catalisadores? (entre outros…)

Quanto aos mal entendidos (3). O ano passado numa formação sobre património imaterial no Canadá, as novas tecnologias ocuparam grande parte das discussões entre formadores e alunos. Os casos de estudo apresentados pelos especialistas davam conta das vantagens da utilização das redes sociais nos museus e das novas tecnologias em geral. E durante uma semana todos os formandos dispunham de um ipad previamente configurado com aplicações de museus. Mas as conclusões a que todos chegámos foram estas. São indiscutíveis as potencialidades que oferecem as novas tecnologias, mas o cerne da questão está na definição de estratégias ajustadas às necessidades de cada museu (ex. missão, valores, orçamentos, etc.), tendo em conta, por outro lado, o equilíbrio entre as necessidades dos museus e a pressão do mercado. Ou seja, são as novas tecnologias que devem estar ao serviço do museu e não o contrário.

Por isso, creio que não é preciso ser-se especialista para criar um blogue, abrir uma página no facebook ou ter uma conta no twitter, mas precisamos muito de especialistas que nos orientem sobre como aproveitar e optimizar os recursos disponíveis a favor da nossa instituição e dos nossos objectivos. Mas claramente o problema também está nas instituições, que nem sempre reflectem sobre estas questões. Por isso, antes de aderir a todas as aplicações disponíveis na internet é necessário pensar numa estratégia concertada e humanizada, definida a partir de questões basilares: porquê, para quê e para quem?

[Esta é uma versão ligeiramente mais alargada do texto publicado no boletim do Informação ICOM-PT (Junho-Agosto 2013)]

#Sobre o tema, consulte ainda:

Senra, Sandra (Janeiro 2013). We Like MACBA: o Museu D’Art Contemporani de Barcelona e o paradigma das ferramentas web 2.0 utilizadas em benefício do compromisso cívico. Universidade do Porto.

 Noronha, Elisa e Semedo, Alice (2009). Plataformas e outras conversações: Web quê?, Museologia.pt (3) 193-197.



Citar este post
Ana Carvalho (2013, 11 Junho). Estamos ligados? Museus e Redes Sociais. No Mundo dos Museus. Recuperado em 24 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/sdn5

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.