“Tesouros Humanos Vivos e Patrimonialização da Memória”

© Ana Carvalho

© Ana Carvalho

Barroseiro, Sofia (Junho 2013). Tesouros Humanos Vivos e Patrimonialização da Memória. Um olhar desde Arraiolos. Universidade de Évora, dissertação de mestrado em Museologia. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente); Filipe Themudo Barata (orientador); e Cyril Isnart (arguente). Defesa a 11 de de Junho de 2013.

****

Tesouros Humanos Vivos e a patrimonialização da memória. Um olhar desde Arraiolos 

(Resumo)

Um dos grandes desafios colocados ao mundo moderno é a necessidade e urgência da proteção do património cultural imaterial dos povos e das comunidades, que tende a desaparecer.

Todos estarão de acordo do trabalho que é necessário realizar: pesquisar, identificar, inventariar e preservar o nosso património imaterial com o objetivo de organizar um sistema coerente que salvaguarde, entre muitos outros aspetos, aqueles que possuem em si os saberes, as tradições e os conhecimentos de inegável valor histórico, social e artístico.

Daqui decorre a importância do programa dos Tesouros Humanos Vivos. Em primeiro lugar apoiar e incentivar o estabelecimento de sistemas nacionais de Tesouros Humanos Vivos, o qual passa pela preservação dos conhecimentos e técnicas necessárias para a identificação e recreação de elementos do património cultural imaterial. Esta iniciativa baseia-se na identificação e no apoio aos participantes de expressões culturais, assegurando a salvaguarda destas tradições através da transmissão de geração em geração.

Todavia, durante o levantamento dos Tesouros Humanos Vivos (partindo do estudo de caso do concelho de Arraiolos) são inúmeras as dificuldades relativamente à validação da informação por eles produzida e acerca da forma de proteger e recuperar os valores patrimoniais inerentes. E as dificuldades continuam se pensarmos no que fazer a todo o material recolhido, seja do ponto de vista institucional, seja nos problemas de acesso a essa informação, cuja validação é, tantas vezes problemática.

A presente reflexão pretende dar um contribuir positivo no sentido de dar resposta a questões como as seguintes: “como preservar o Património, segundo que procedimentos?”, sempre acompanhada da inevitável questão “porquê e para quem lhe dar valor?”.

*****

Living Human Treasures or when memory became heritage. A glimpse from Arraiolos

(Abstract)

What cultural heritage concerns one of the most important issues it’s the need to preserve and protect the intangible heritage threatened to disappearance.

Specialists agree upon what must be done: research, identified, inventorying and preserve intangible heritage in the framework of a global and consistent system that save those who have the know how, traditions and just knowledge of a important historical, social and artistic value.

That’s why is so important the Living Human Treasures Program. First, because it can support and promote an intangible heritage national system network, based upon the identification and the cultural expression memories, so that they can be preserved and transmitted through generations. Along the field work, using Arraiolos as a case study, it has been quite clear the difficulties about data validation, the way to organized these data from an institutional point of view and how to promote the acess to this interesting information.

That the aim of our intervention; our main questions could be the following: how to preserve this heritage and which should be the correct proceedings? Also why to do this and whom should evaluted it?


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.