Colecções do IICT em risco

Biblioteca do Palácio da Calheta, IICT #2013 © Ana Carvalho

Biblioteca do Palácio dos Condes da Calheta, IICT, Lisboa #2013 © Ana Carvalho

Transcreve-se, em baixo, comunicado da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM na defesa do trabalho desenvolvido pelo Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT) no seguimento de notícias sobre possíveis cortes em 2014.

***

Pela Preservação das Coleções e Património do Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), Lisboa                                                                                                 

COMUNICADO

Face às notícias vindas a público esta semana, a Comissão Nacional Portuguesa do ICOM expressa a sua mais profunda preocupação e consternação sobre o enorme corte orçamental previsto para o Instituto de Investigação Científica e Tropical (IICT) em 2014. A confirmar-se, este corte coloca direta e imediatamente em risco as coleções, arquivos e património do IICT ao nível da sua preservação, integridade e recursos humanos afectos.

Com origem na Comissão de Cartografia Portuguesa de 1883 e resultantes da investigação efectuada no âmbito das missões ultramarinas, em diferentes áreas disciplinares, nos séculos XIX e XX, as coleções do IICT incluem arquivos – sobretudo o Arquivo Histórico Ultramarino (c.16 km de documentação e 730.000 fotografias) – coleções de referência biológicas, geológicas e de solos (520 mil espécimes), coleções arqueológicas e etnográficas (142 mil artefactos), coleções de mapas e cartas (210 mil exemplares), bem como bibliotecas e coleções de equipamento histórico-científico.

Além do seu incontestável valor científico, as coleções do IICT materializam de forma evidente a identidade e diversidade cultural das sociedades do espaço de influência lusófona, contribuindo para o conhecimento das relações entre a Europa, África, América do Sul e Ásia, do Atlântico ao Pacífico. Para além disso, constituem um instrumento de enorme valor económico e ambiental, fundamental para uma correta gestão de recursos naturais no quadro das políticas de cooperação e desenvolvimento. Em particular, as coleções biológicas do IICT são as maiores do mundo na representatividade da fauna e flora dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), documentando o ambiente terrestre, passado e presente, destas regiões, contendo informação primária sobre biodiversidade e permitindo a investigação sobre temas essenciais da contemporaneidade, como as alterações climáticas com impacto nos ecossistemas e o desenvolvimento sustentável.

Realça-se ainda que a importante documentação histórica, os mapas, as fotografias, e as coleções etnográficas e arqueológicas recuperam e contextualizam assuntos basilares ao entendimento do passado, resgatando um património cultural comum a vários territórios e promovendo o conhecimento nos domínios da História da Ciência e da Técnica e da História Institucional Política, entre outras, ao mesmo tempo que contribuem, a par com as coleções de história natural, para o cumprimento dos Objectivos do Milénio, com reflexos diretos nas políticas interna e externa de Portugal.

O IICT, pelas suas coleções, pela investigação multidisciplinar que realiza e pela relevância do serviço prestado à cooperação para o desenvolvimento, é uma instituição única em Portugal. Apesar de várias mudanças institucionais e de tutela ocorridas ao longo da sua história, as coleções científicas do IICT nunca foram fragmentadas.

Para além disso, o IICT encontra-se instalado em vários palácios que constituem património cultural classificado, nomeadamente:

– o Palácio dos Condes da Calheta, que integra, juntamente com o Jardim Botânico Tropical e desde 2007, o conjunto intramuros que classifica o Palácio de Belém como Monumento Nacional;

– o Palácio da Ega (Arquivo Histórico Ultramarino), cuja Sala Pompeia (séc. XVIII) está classificada como Imóvel de Interesse Público desde 1950;

– o Palácio Burnay e seus jardins, classificados como Imóvel de Interesse Público desde 1982.

A Comissão Nacional Portuguesa do ICOM compreende a difícil conjuntura que o país atravessa mas apela ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, instituição de tutela direta, bem como ao Ministério da Educação e Ciência e ao Secretário de Estado da Cultura, que tenham em conta a importância científica, económica e cultural do património e acervos do IICT e que considerem a sua preservação para as gerações futuras uma absoluta necessidade.

Nos últimos anos, este património e acervos ficaram finalmente acessíveis e constituem recursos inestimáveis da infraestrutura científica portuguesa. É imprescindível que permaneçam acessíveis, na íntegra, a toda a comunidade científica nacional e internacional, bem como ao público em geral. A Comissão Nacional Portuguesa do ICOM repudia veementemente cortes orçamentais ou situações de contingência que ponham as coleções e ao património do IICT em risco de dano irreversível ou conduzam, em última análise, à sua dispersão ou abandono.

 A Comissão Nacional Portuguesa do ICOM acredita também que é possível, entre todos os envolvidos, encontrar soluções sustentáveis que não só preservem, mas também valorizem e tornem ainda mais relevante para a produção do conhecimento e promoção da cultura científica o importante património, as coleções e os arquivos do IICT.

 14 de Novembro de 2013

A Direcção da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM



Citar este post
Ana Carvalho (2013, 18 Novembro). Colecções do IICT em risco. No Mundo dos Museus. Recuperado em 21 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/sdnp

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.